VIOLÊNCIA URBANA
VIOLÊNCIA URBANA
É inegável que vivemos em uma sociedade extremamente violenta.
Observando o quadro atual da violência urb...
Nos dias atuais, a taxa anual de ataques físicos têm aumentado cerca de 30%.
A população urbana de hoje é maior do que o t...
DE QUEM É A RESPONSÁBILIDADE?
No plano constitucional brasileiro, compete ao Estado e não ao Município ou
ao Governo Feder...
FATORES PARA EXPLICAR A
VIOLÊNCIA URBANA
Além do crescimento desordenado da população, que já foi apontado e
discutido em ...
Os jovens recebem ensinamentos distorcidos e todos os tipos de orientações
danosas à sua formação social, com exemplos mos...
 PRECONCEITO/DISCRIMINAÇÃO:
Este fator pode dividir-se em dois aspectos.
1) HOMOFOBIA
Em abril de 2009, o Grupo Gay da Ba...
Já existe no país uma lei que coíbe qualquer tipo de discriminação,
principalmente contra o racimo, mas a luta dos defenso...
2) RACISMO
O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) publicou em 2013 um
estudo que calculou, para cada estado do ...
 ESTRATIFICAÇÃO/DESIGUALDADE SOCIAL
A pobreza existe em todos os países, pobres ou ricos, mas a desigualdade
social é um ...
O raciocínio é simples, alguém que está economicamente desfavorecido
tende, a buscar alternativas para sobreviver, e se nã...
 DROGAS/TRÁFICO:
O uso constante de drogas e o tráfico são com certeza um dos principais
fatores para explicar a violênci...
Tipos de drogas:
• Depressoras: Retardam o funcionamento
dos organismos, tronando todas as
funções metabólicas mais lentas...
Consequências:
• Complicações de saúde
• Alteração de humor
• Paranoia
• Morte
CONCLUSÃO
A prevenção à criminalidade urbana só pode ter sucesso por intermédio de
uma inclusão humana social, econômica e...
THE END 
Causas para explicar a Violência Urbana
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Causas para explicar a Violência Urbana

7.104 visualizações

Publicada em

Causas para explicar a violência urbana

Publicada em: Educação
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.104
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
172
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Causas para explicar a Violência Urbana

  1. 1. VIOLÊNCIA URBANA
  2. 2. VIOLÊNCIA URBANA É inegável que vivemos em uma sociedade extremamente violenta. Observando o quadro atual da violência urbana, muitas vezes não atentamos para os fatores que conduziram a tal situação, um exemplo é o crescimento urbano desordenado. A criminalidade não é um “privilégio” dos grandes centros urbanos, mas o crescimento é largamente maior do que nas cidades menores. Quanto maior o número de habitantes em uma cidade, maior é o de violência urbana. Nos grandes aglomerados desenvolvidos são cometidos mais crimes contra propriedades, mas também delitos contra a pessoa são bastante comuns, já nos em desenvolvimento, delitos contra a pessoa acontecem com mais frequência. Hoje, em face do progresso da tecnologia e dos meios de comunicação, essas ocorrências têm aumentado significativamente e se espalhados por todas as regiões do Brasil. Não há mais regiões seguras.
  3. 3. Nos dias atuais, a taxa anual de ataques físicos têm aumentado cerca de 30%. A população urbana de hoje é maior do que o total mundial de 2000. Acredita- se que, em um futuro próximo, 70% das pessoas passem a viver nas grandes cidades.
  4. 4. DE QUEM É A RESPONSÁBILIDADE? No plano constitucional brasileiro, compete ao Estado e não ao Município ou ao Governo Federal a repressão da criminalidade. Em face do aumento da população, os Estados diante da pequenez de recursos não têm condições de proteger os cidadãos. O municípios, por razões legais e financeiras, são quase inertes em termos de segurança pública. E as comunidades, pelas mesmas razões, mostram-se prostradas diante dos furtos, roubos, sequestros e tantos outros crimes. O resultado é desastroso, transformando-nos em vítimas pacatas e sem esperança ou força de reação.
  5. 5. FATORES PARA EXPLICAR A VIOLÊNCIA URBANA Além do crescimento desordenado da população, que já foi apontado e discutido em aula, podemos citar outros fatores como causas para os alarmantes números de violência urbana no nosso país.  EDUCAÇÃO/ESTRUTURA FAMILIAR: É notório o aumento da participação de adolescentes, e até de crianças, como protagonistas nesse cenário cada vez mais emergente do crime. O desajustamento familiar é tido como o principal motivo para a geração de jovens delinquentes.
  6. 6. Os jovens recebem ensinamentos distorcidos e todos os tipos de orientações danosas à sua formação social, com exemplos mostrados por indivíduos desajustados, amorais, delinquentes e de maus costumes, gerando o desajuste psicológico do menor, e levando-o, na maioria das vezes, ao caminho da delinquência. Podemos afirmar que o foco desse problema social pode estar na família, crianças têm em casa um mau exemplo de pais, parentes que terminam por influenciar diretamente a formação do caráter desses indivíduos em pleno desenvolvimento. O ECA é o código de leis específico para os jovens, mas é alvo de muitas críticas. O ECA não pune seriamente os jovens infratores, já que as medidas socioeducativas são brandas ao extremo, permitindo que menores criminosos estejam à solta por sua condição de menoridade. Entre os pontos que devem ser considerados para solucionar o caso, podemos citar a implementação de planos de ação governamentais que insiram jovens em programas sociais de voluntariados; possibilitar acessos de crianças e jovens à uma educação de boa qualidade, com profissionais preparados e qualificados para receber esses sujeitos já marcados pela vida criminosa; apresentação à sociedade de políticas públicas que envolvam não apenas os próprios jovens, mas suas famílias, organizando uma conjuntura social ampla, alcançando todos os enlaces pessoais dos jovens.
  7. 7.  PRECONCEITO/DISCRIMINAÇÃO: Este fator pode dividir-se em dois aspectos. 1) HOMOFOBIA Em abril de 2009, o Grupo Gay da Bahia (GGB) divulgou um levantamento sobre casos apurados em 2008, apontando que foram assassinadas 190 pessoas no Brasil, sendo 64% gays, 32% travestis e 4% lésbicas, um aumento de 55% sobre os números de 2007, mantendo o país como o que mais registra crimes de homofobia. O levantamento também conclui que o risco de um travesti ser assassinado é 259 vezes maior que um gay. Desde que iniciou a pesquisa, em 1980, o grupo já registrou 2998 assassinatos. Também de acordo com a pesquisa, o Nordeste é a região brasileira com maior números de crimes nessa natureza.
  8. 8. Já existe no país uma lei que coíbe qualquer tipo de discriminação, principalmente contra o racimo, mas a luta dos defensores do orgulho gay e militantes da causa é para que a homofobia vire crime e tenha uma legislação específica com sansões para este crime. O projeto de lei foi criado em 2006 e propõe a criminalização dos preconceitos de orientação sexual e identidade de gênero, equiparando-os aos demais preconceitos já previstos na lei existente.
  9. 9. 2) RACISMO O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) publicou em 2013 um estudo que calculou, para cada estado do país, os impactos de mortes violentas (acidentes de trânsito, homicídio, suicídio, entre outros) na expectativa de vida de negro e não negros, com base no Sistema de informações sobre Mortalidade (SIM/MS) e no Censo Demográfico do IBGE de 2010. Considerando apenas o universo dos indivíduos que sofreram morte violenta no país no período compreendido entre 1996 e 2010, constatou-se que, para além das características socioeconômicas (escolaridade, gênero, idade e estado civil), a cor da pele da vítima, quando preta ou parda, faz aumentar a probabilidade do mesmo ter sofrido homicídio em cerca de oito pontos percentuais.
  10. 10.  ESTRATIFICAÇÃO/DESIGUALDADE SOCIAL A pobreza existe em todos os países, pobres ou ricos, mas a desigualdade social é um fenômeno que ocorre principalmente em países não desenvolvidos. A desigualdade social é dada pela distribuição desigual de renda. No Brasil, a desigualdade social tem sido um cartão de visita para o mundo, pois é um dos países mais desiguais. Segundo dados da ONU, em 2005 o Brasil era a 8º nação mais desigual do mundo. O índice Gini, que mede a desigualdade de renda, divulgou em 2009 que a do Brasil caiu de 0,58 para 0,52 (quanto mais próximo de 1, maior a desigualdade), porém esta ainda é gritante.
  11. 11. O raciocínio é simples, alguém que está economicamente desfavorecido tende, a buscar alternativas para sobreviver, e se não tem a acesso a isso de uma forma honesta parte para a vida criminosa, que muitas vezes é a última alternativa para aqueles que nasceram na periferia das grandes cidades e veem diante de seus olhos um quadro de pobreza que parece ser irreversível. A desigualdade social está entre as maiores causas da violência entre jovens no Brasil. Ela é o grande contexto, o pano de fundo, onde vive a população mais atingida por esse problema: as pessoas entre 15 e 24 anos.
  12. 12.  DROGAS/TRÁFICO: O uso constante de drogas e o tráfico são com certeza um dos principais fatores para explicar a violência urbana. O que leva ao uso de drogas? • Por curiosidade • Por influência de amigos • Por tentativa de fuga de problemas pessoais • Para ganhar coragem para tomar um atitude • Para enfrentar situações difíceis • Para buscar sensações de prazer
  13. 13. Tipos de drogas: • Depressoras: Retardam o funcionamento dos organismos, tronando todas as funções metabólicas mais lentas. (Ex: álcool, calmantes, sedativos, tranquilizantes, inalantes, heroína, narcóticos) • Estimulantes: Causam sensação de grande força e iniciativa, excitação, euforia e insônia. (Ex: tabaco, cocaína, crack e anfetaminas) • Perturbadoras: Ou alucinógenas. (Ex: maconha, cogumelos, LSD)
  14. 14. Consequências: • Complicações de saúde • Alteração de humor • Paranoia • Morte
  15. 15. CONCLUSÃO A prevenção à criminalidade urbana só pode ter sucesso por intermédio de uma inclusão humana social, econômica e política. Não se reduz a criminalidade a níveis razoáveis unicamente por meio de lei, definindo novos fatos típicos, agravando a resposta penal e excluindo benefícios dos autores de infrações penais graves. É uma verdade secular, já vivida pelo nosso país há longos anos com enorme prejuízo à segurança pública. A repressão à violência não se faz à força, como se prendendo criminosos tivéssemos cidades limpas de péssimos indivíduos. Isso se faz, em primeiro lugar, pela educação, esperando-se resultados positivos no futuro.
  16. 16. THE END 

×