Corporeidade aula 2

1.878 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.878
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
44
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
128
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Corporeidade aula 2

  1. 1.  CAÇAR  PESCAR  COLHER CORPO UTILITARISTA (ENERGIA, FORÇA, AGILIDADE) Se confunde com a natureza.
  2. 2.  4000 antes de Cristo até o ano de 476 depois de Cristo, observamos a formação de uma série de civilizações. Egípcios, sumérios, mesopotâmios, gregos e romanos são os povos estudados com maior frequênci.a
  3. 3. SAGRADO/MUNDANO O CORPO QUE ORA O CORPO QUE TRABALHA O CORPO QUE GUERREIA
  4. 4. • FORMAÇÃO DA ÍNDOLE FORTE – CIDADES GUERREIRAS/COMBATIVAS • CORPO DO HERÓI – COM PADRÃO TOTALMENTE NECESSÁRIO • O HOMEM DO CAMPO – TRABALHO AGRICULTURA, CORPO FORTE. • SEMI-DEUS
  5. 5.  Situada entre os anos de 476 e 1453, a Idade Média compreende um período de aproximadamente mil anos. Esse lugar foi tomado pelos valores da religião cristã, que se torna uma das mais importantes crenças de todo o planeta. Mesmo tendo muito poder e autoridade, a Igreja não tinha poder absoluto nesses tempos. As artes, a literatura e a filosofia tiveram um espaço muito rico e interessante nessa época da história.
  6. 6.  O corpo passa a ser visto como dissociado da mente , fragmentado, físico.  Representando a corrupção o pecado um impedimento à elevação, ao desenvolvimento da alma  E DESTA FORMA DEVENDO SER PUNIDO, REPRIMIDO E CONTROLADO.
  7. 7.  Tensão/paixão – descarregadas nas lutas corporais
  8. 8. Platão (V e IV a.c) o corpo com suas inclinações e paixões CONTAMINAM a pureza da alma. O corpo é a prisão da alma. Um obstáculo na realização do bem e verdade que ele aspira MAS........ O HOMEM PODE SER ARRASTADO PELAS FORÇAS DE SEUS DESEJOS – MUNDANO, O CORPO SOFRE. MORTIFICAR O CORPO PARA PURIFICAR A ALMA
  9. 9. Qualifica o corpo: “abominável vestimenta da alma”
  10. 10. A Idade Média foi marcada pela opacidade da carne pecadora e pelo peso esmagador do espírito de Deus habitando o corpo humano. O corpo medieval é um campo em que se digladíam as forças antagônicas do cristianismo, e ainda as concepções pagãs, que nunca foram eficazmente reprimidas. É um corpo mortificado pelos longos jejuns dos dias santificados e empanümado de comilança e bebedeira
  11. 11.  O uso do cilício sobre a carne é sinal de piedade superior  ( Cilício era uma túnica, cinto ou cordão de crina, que se trazia sobre a pele para mortificação ou penitência)  Abstinência sexual estão entre as virtudes mais fortes  A gula e a luxúria são os maiores pecados
  12. 12. "Esses incômodos aceitos voluntariamente unem o cristão a Jesus Cristo e aos sofrimentos que Ele voluntariamente aceitou para nos redimir do pecado".
  13. 13.  A Idade Moderna fica datada entre os anos de 1453 e 1789. Nesse tempo, diversas nações europeias passam a encontrar, dominar e explorar várias regiões da América e da África. A tecnologia desenvolvida nesse tempo permitiu reduzir distâncias e mostrar ao homem europeu que o mundo era bem maior do que ele imaginava. As monarquias chegaram ao seu auge e também encararam sua queda nesse mesmo período. Com a Revolução Francesa, ocorrida em 1789, novos padrões políticos apareceram.
  14. 14.  O homem descobre o poder da RAZÃO para transformar o mundo e produzi-lo conforme sua necessidade (carteziano, matemático, lógico)  O perfeição das formas, da beleza e da perfeição – homem universal  Saia o homem razão – vem homem vontade – que iluminado – permite dominar e modificar a natureza
  15. 15. No Renascimento o homem voltou a ser o centro das atenções, sua curiosidade intelectual levou-o a novos inventos, sua avidez por descobertas levou-o a novas temas sua alegria pela vida levou-o a construir castelos amplos e luminosos, a apreciar as artes com refinamento e a cuidar do corpo com dietas e exercícios.
  16. 16. O homem do Renascimento confiava no progresso e nas ciências de seu tempo.
  17. 17. Entretanto, é no decorrer do Renascimento que o corpo humano começa a se descolar da carne; passa-se progressivamente do corpo exercitado (alegria de viver) ao corpo-dissecado (possibilidade de viver, pois a As
  18. 18.  doença não era mais vista como manifestação da vontade divina- ou, antes, como  complacência em relação aos desejos da carne- mas como um sintoma cuja causa  e, logo, a cura, era orgânica). Este corpo dissecado, descrito em sua anatomia  interna, é cada vez mais comparado a um mecanismo:
  19. 19.  A Idade Contemporânea, que vai de 1789 até os dias de hoje, é um período histórico bastante curto, mas ainda assim marcado por muitos acontecimentos. As distâncias e relações humanas, em parte graças à Revolução Industrial desenvolvida no século XVIII, se tornam ainda menores. O desenvolvimento do sistema capitalista permite a exploração de outras parcelas do mundo e motiva terríveis guerras. Chegando ao século XX, a grande renovação das tecnologias permite que pessoas, nações e ideias se relacionem de uma forma nunca antes vista.
  20. 20.  Pensador que deu início a idade moderna  Conhecimento científico – empírico  Observação da natureza  Ciência – técnica – razão – corporeidade – e espírito – SE UNEM PARA DOMINAR O MUNDO
  21. 21.  Regras e previsões  Orgãos centralizados de poder – estáveis – protegiam o homem o homem da violência mas reprimia seus impulsos corporais  Transformou – auto-controle  Ameaça - antes externas – passou a ser prioritário o auto-controle – repressão dos sentimento de amor, ódio – consequentente aparecem doenças psicossomáticas.
  22. 22.  O sistema capitalista do século XIX apropiou-se deste corpo dócil,  disciplinado e controlado. A Revolução Industrial trouxe em cena o corpo utilitário,  que produz alienadamente - um corpo subnutrido, massacrado por jornadas  extenuantes nas fábricas, adoecendo nas minas [ 41].
  23. 23.  se. por um lado, o indivíduo.  era incentivado ao narcisismo. descobrindo-se a si mesmo atTavés do olhar que  detinha sobre seu corpo, por outro lado, este corpo devia ser bastante coberto,  escondido do olhar do outro.
  24. 24.  Embora estabelecendo-se uma identificação entre o  sujeito e o seu corpo, o corpo que lhe aparecia ao espelho, no interior protegido da  casa, nunca era o corpo que se apresentava aos olhares do exterior. Em outras  palavras, o corpo privado dissociava-se do corpo público.

×