SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 42
O CORPO SE ADAPTA AO EXERCÍCIO
O corpo humano é projetado para a ação.
 Os grupos musculares, os tendões e os
ligamentos permitem que os braços e as
pernas realizem uma ampla variedade de
                esforços
o cérebro coordena a
     liberação de
sangue, oxigênio, etc..
Todos os vários sistemas do
  corpo se comunicam entre si
 pelas vias químicas e nervosas
para assegurar uma coordenação
      precisa da atividade.
O CORAÇÃO
• O coração tem o
      tamanho
aproximado de um
 punho humano e
 bombeia cerca de
   cinco litros de
sangue por 96,5Km
      de vasos
  sanguíneos por
minuto em repouso
• Em uma pessoa não
   treinada o coração
   bate cerca de 60 a
  80 vezes por minuto
   no repouso. A este
  fenômeno damos o
  nome de frequência
        cardíaca.
• A cada vez que o coração
      contrai o sangue é
 transportado por meio das
artérias, este movimento de
   contração é chamado de
  sístole. O sangue volta ao
  coração pelo lado direito
  por meio das veias, neste
 momento o coração relaxa
 para receber o sangue. Este
  movimento é chamado de
            diástole
• O sangue é
 transportado para
  todo o corpo por
   meio de vasos
    denominados
 artérias. A força do
  sangue contra as
   paredes dessas
      artérias é
denominada Pressão
       Arterial.
• A pressão arterial é
    maior quando o
      coração se
     contrai, neste
       momento
 denominada Pressão
   Arterial Sistólica.
   Quando o coração
 relaxa a pressão cai e
 então é denominada
    Pressão Arterial
• Ambas as pressões
      arteriais são
     importantes e
       usualmente
      apresentadas
    juntas, como na
        expressão
 120/80mmHg, com o
   primeiro número
    representando a
 sístole e o segundo a
• 100/70 a 139/89 Normal.

• 140/90 acima – Hipertensão ou
  pressão alta.

• 99/69 abaixo – Hipotensão ou
  pressão baixa
• Durante o exercício
      a frequência
 cardíaca e a pressão
    arterial sistólica
       aumentam
  consideravelmente.
A Frequência Cardíaca
  se eleva a mais que
   o dobro dos seus
  valores de repouso.
    Com o passar do
 tempo o coração fica
     mais forte e a
  frequência diminui
  durante o repouso.
• Quando uma
 pessoa, caminha
rapidamente, ped
  ala, corre nada
 ou pratica outra
     atividade
    aeróbica a
 pressão arterial
        sobe
acentuadamente.
• Por exemplo, durante
  um exercício aeróbico
    intenso, a pressão
  arterial sistólica pode
      subir de 150 a
   200mmHg, porém a
 diastólica pode chegar
      no máximo até
         90mmHg
• Se a pressão subir
   além dos limites
   previstos para o
esforço físico, o risco
       da pessoa
    desenvolver a
 hipertensão arterial
     se torna bem
        elevado.
• Logo após o
  término de uma
sessão de exercícios
     aeróbicos, a
 pressão arterial cai
  abaixo dos níveis
     de repouso.
• Os estudos apontam
    o exercício físico
 como um forte aliado
 (talvez o principal) na
     prevenção e no
       combate à
  hipertensão arterial.
• Em repouso uma
  pessoa normal respira
  mais ou menos entre
     12 e 15 vezes por
    minuto, inspirando
  cerca de seis litros de
      ar por minuto.
• Vale lembrar que o ar
 é composto de 21% de
         oxigênio.
• Durante um
      exercício
     pesado, o
 consumo de O2
aumenta 10 a 20
   vezes, ou até
mais, dependendo
    do nível de
 aptidão física do
     indivíduo.
• A frequência
 respiratória sobe
    para 55 a 60
  respirações por
 minuto, com mais
de três litros sendo
inspirados em cada
     respiração.
• Com a prática de
     exercícios o
    tamanho dos
     pulmões e a
  quantidade de ar
 inspirado durante
    o repouso se
    altera pouco.
• Porém, as pessoas
    treinadas podem
ventilar menos e obter
 a mesma quantidade
de O2 que uma pessoa
     destreinada, ou
      seja, um corpo
     treinado é mais
eficiente no transporte
 e na utilização do O2.
• As pesquisas
  demonstram que os
pulmões e os músculos
 podem suportar mais
 sangue e oxigênio do
que o coração é capaz
      de bombear.
MÚSCULOS
 • Deles dependem
   nossa capacidade
    de movimento.
• No corpo humano
    existem mais de
     660 músculos
     esqueléticos.
• No período do repouso nosso
  corpo reconstrói os danos
  causados pelo esforço, esta
  reconstrução torna-o mais forte
  e mais resistente e assim todos
  os sistemas vão se adaptando e
  trabalhando melhor.
QUALIDADES FÍSICAS
FLEXIBILIDADE
   • É a capacidade e
  qualidade que tem a
pessoa de poder executar
 movimentos de grande
amplitude angular por si
     mesma ou sob a
  influência auxiliar de
     forças externas.
ALONGAMENTO   FLEXIBILIDADE
RESISTÊNCIA
• Geralmente, ent
    ende-se por
    resistência a
   capacidade de
  uma pessoa em
     suportar a
      fadiga”.
VELOCIDADE
• É a capacidade de
    executar ações
   motoras em um
  mínimo de tempo
       possível.
  • É a rapidez de
contração e extensão
    dos músculos.
FORÇA
• De maneira geral força
     é qualidade que
  permite ao músculo ou
  grupo muscular vencer
     uma resistência
      (oposição) ao
  movimento do qual ele
    é o agente motor..
AGILIDADE

 • Executar um
movimento o mais
 rápido possível
com mudança de
     direção
OBRIGADO PELA ATENÇÃO


Professor – Aluísio Lopes Braga
      CREF – 0379/G-DF
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
NIEMAN, David C., DR. PH . Exercício e Saúde . 1ª Edição brasileira 1999. Editora
Manole.
NORMAN, Harris, et al. Dicionário de Saúde no Desporto. Editora Edições 70 LDA.
Lisboa 1982.
McARDLE William D. . Fisiologia do Exercício. Editora Guanabara Koogan S.A. Rio de
Janeiro 1998.
GUILLET, J. Genéty. Manual de Medicina do Esporte. Editora Masson. São Paulo.
ENCICLOPÉDIA Multimídia do Corpo Humano. Editora Planeta De Agostini.
IMAGENS
Professor Digital – Educação Física
 www.sedentarismozero.com
www.50minutos.wordpress.com
www.masci.com.br
www.4bp.blogspot.com
www.Colegiosaofrancisco.com.br
www.curlygirl.naturlink.pt
www.brasilescola.com
www.esporte.gov.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slides avaliação física
Slides avaliação físicaSlides avaliação física
Slides avaliação física
Ana Lucia Costa
 
Introdução ao condicionamento físico - Prof. Paulo Costa Amaral
Introdução ao condicionamento físico - Prof. Paulo Costa AmaralIntrodução ao condicionamento físico - Prof. Paulo Costa Amaral
Introdução ao condicionamento físico - Prof. Paulo Costa Amaral
PAULO AMARAL
 
Musculação para o adolescente.
Musculação para o adolescente.Musculação para o adolescente.
Musculação para o adolescente.
Marcelo Souza
 

Mais procurados (20)

Inclusão de pessoas com deficiência por meio do esporte - As relações entre a...
Inclusão de pessoas com deficiência por meio do esporte - As relações entre a...Inclusão de pessoas com deficiência por meio do esporte - As relações entre a...
Inclusão de pessoas com deficiência por meio do esporte - As relações entre a...
 
Historia da Educação Física
Historia da Educação FísicaHistoria da Educação Física
Historia da Educação Física
 
Atividade física e saude
Atividade física e saudeAtividade física e saude
Atividade física e saude
 
Ed fisica adaptada
Ed fisica adaptadaEd fisica adaptada
Ed fisica adaptada
 
Frequência cardíaca
Frequência cardíacaFrequência cardíaca
Frequência cardíaca
 
Slide história da educação física-blog
Slide história da educação física-blogSlide história da educação física-blog
Slide história da educação física-blog
 
Alongamento
AlongamentoAlongamento
Alongamento
 
Slides ginástica
Slides ginásticaSlides ginástica
Slides ginástica
 
Slide de educação fisica
Slide de educação fisicaSlide de educação fisica
Slide de educação fisica
 
Slides avaliação física
Slides avaliação físicaSlides avaliação física
Slides avaliação física
 
Sedentarismo
SedentarismoSedentarismo
Sedentarismo
 
Condicionamento físico
Condicionamento físicoCondicionamento físico
Condicionamento físico
 
Atividade fisica e qualidade de vida
Atividade fisica e qualidade de vidaAtividade fisica e qualidade de vida
Atividade fisica e qualidade de vida
 
Anabolizantes
Anabolizantes Anabolizantes
Anabolizantes
 
Lutas
LutasLutas
Lutas
 
Introdução ao condicionamento físico - Prof. Paulo Costa Amaral
Introdução ao condicionamento físico - Prof. Paulo Costa AmaralIntrodução ao condicionamento físico - Prof. Paulo Costa Amaral
Introdução ao condicionamento físico - Prof. Paulo Costa Amaral
 
Ginastica historia
Ginastica historiaGinastica historia
Ginastica historia
 
Hipertensão e o Exercicio Fisico
Hipertensão e o Exercicio FisicoHipertensão e o Exercicio Fisico
Hipertensão e o Exercicio Fisico
 
Principios do-treinamento-desportivo1
Principios do-treinamento-desportivo1Principios do-treinamento-desportivo1
Principios do-treinamento-desportivo1
 
Musculação para o adolescente.
Musculação para o adolescente.Musculação para o adolescente.
Musculação para o adolescente.
 

Destaque

Projeto corpo e movimento
Projeto corpo e movimentoProjeto corpo e movimento
Projeto corpo e movimento
denisegava
 
Esquema corporal atividades
Esquema corporal   atividadesEsquema corporal   atividades
Esquema corporal atividades
AlineGarotti
 
Projeto atividade física_saúde
Projeto atividade física_saúdeProjeto atividade física_saúde
Projeto atividade física_saúde
prof_roseli_barbosa
 
Percepção Tátil, Esquema e Imagem Corporal
Percepção Tátil, Esquema e Imagem CorporalPercepção Tátil, Esquema e Imagem Corporal
Percepção Tátil, Esquema e Imagem Corporal
Fernando S. S. Barbosa
 
Linguagem corporal
Linguagem corporalLinguagem corporal
Linguagem corporal
Igor Gabriel
 
Etapas do desenvolvimento psicomotor 5 e 6 anos
Etapas do desenvolvimento psicomotor 5 e 6 anosEtapas do desenvolvimento psicomotor 5 e 6 anos
Etapas do desenvolvimento psicomotor 5 e 6 anos
landreiafurtado
 
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infânciaDesenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
UNICEP
 

Destaque (20)

Projeto corpo e movimento
Projeto corpo e movimentoProjeto corpo e movimento
Projeto corpo e movimento
 
Esquema corporal atividades
Esquema corporal   atividadesEsquema corporal   atividades
Esquema corporal atividades
 
Projeto; O corpo em movimento 2013
Projeto; O corpo em movimento 2013Projeto; O corpo em movimento 2013
Projeto; O corpo em movimento 2013
 
Projeto atividade física_saúde
Projeto atividade física_saúdeProjeto atividade física_saúde
Projeto atividade física_saúde
 
Imagem corporal- Body Image
Imagem corporal- Body ImageImagem corporal- Body Image
Imagem corporal- Body Image
 
Percepção Tátil, Esquema e Imagem Corporal
Percepção Tátil, Esquema e Imagem CorporalPercepção Tátil, Esquema e Imagem Corporal
Percepção Tátil, Esquema e Imagem Corporal
 
A PSICOMOTRICIDADE JUNTO AO AUTISMO INFANTIL: TRABALHANDO O CORPO ATRAVÉS DA ...
A PSICOMOTRICIDADE JUNTO AO AUTISMO INFANTIL: TRABALHANDO O CORPO ATRAVÉS DA ...A PSICOMOTRICIDADE JUNTO AO AUTISMO INFANTIL: TRABALHANDO O CORPO ATRAVÉS DA ...
A PSICOMOTRICIDADE JUNTO AO AUTISMO INFANTIL: TRABALHANDO O CORPO ATRAVÉS DA ...
 
Linguagem corporal
Linguagem corporalLinguagem corporal
Linguagem corporal
 
Psicomotricidade
PsicomotricidadePsicomotricidade
Psicomotricidade
 
Corporeidade
Corporeidade Corporeidade
Corporeidade
 
Bullying na adolescência
Bullying na adolescênciaBullying na adolescência
Bullying na adolescência
 
Lateralidade
LateralidadeLateralidade
Lateralidade
 
Esquema corporal
Esquema corporalEsquema corporal
Esquema corporal
 
Aula corpo 1
Aula corpo 1Aula corpo 1
Aula corpo 1
 
Esquema Corporal
Esquema Corporal Esquema Corporal
Esquema Corporal
 
Etapas do desenvolvimento psicomotor 5 e 6 anos
Etapas do desenvolvimento psicomotor 5 e 6 anosEtapas do desenvolvimento psicomotor 5 e 6 anos
Etapas do desenvolvimento psicomotor 5 e 6 anos
 
Bases psicomotoras retomando conceitos
Bases psicomotoras retomando conceitosBases psicomotoras retomando conceitos
Bases psicomotoras retomando conceitos
 
Elementos da anatomia humana
Elementos da anatomia humanaElementos da anatomia humana
Elementos da anatomia humana
 
CCBEU
CCBEUCCBEU
CCBEU
 
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infânciaDesenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
 

Semelhante a O corpo em movimento 8ª série

A fantástica máquina humana 7ª série
A fantástica máquina humana 7ª sérieA fantástica máquina humana 7ª série
A fantástica máquina humana 7ª série
aluisiobraga
 
Fisiologia do exercício 1º ano
Fisiologia do exercício 1º anoFisiologia do exercício 1º ano
Fisiologia do exercício 1º ano
aluisiobraga
 
Fisiologia professor
Fisiologia professorFisiologia professor
Fisiologia professor
rainerbh
 
Pedestrianismo sara, vera, adriana
Pedestrianismo   sara, vera, adrianaPedestrianismo   sara, vera, adriana
Pedestrianismo sara, vera, adriana
Vera Filipa Silva
 
Pressão alta (hipertensão arterial sistêmica). Repercussões e Prevenção
Pressão alta(hipertensão arterial sistêmica). Repercussões e PrevençãoPressão alta(hipertensão arterial sistêmica). Repercussões e Prevenção
Pressão alta (hipertensão arterial sistêmica). Repercussões e Prevenção
vipcambui
 
Aula+sinais+vitais carmen
Aula+sinais+vitais carmenAula+sinais+vitais carmen
Aula+sinais+vitais carmen
drilopez
 
02 26 sinais vitais - Marion
02 26 sinais vitais  - Marion02 26 sinais vitais  - Marion
02 26 sinais vitais - Marion
laiscarlini
 

Semelhante a O corpo em movimento 8ª série (20)

A fantástica máquina humana 7ª série
A fantástica máquina humana 7ª sérieA fantástica máquina humana 7ª série
A fantástica máquina humana 7ª série
 
Fisiologia do exercício 1º ano
Fisiologia do exercício 1º anoFisiologia do exercício 1º ano
Fisiologia do exercício 1º ano
 
Fisiologia professor
Fisiologia professorFisiologia professor
Fisiologia professor
 
Fisiologia do exercício e pressão arterial
Fisiologia do exercício e pressão arterialFisiologia do exercício e pressão arterial
Fisiologia do exercício e pressão arterial
 
Ferquência cardíaca
Ferquência cardíacaFerquência cardíaca
Ferquência cardíaca
 
Freqüênci..
Freqüênci..Freqüênci..
Freqüênci..
 
Pedestrianismo sara, vera, adriana
Pedestrianismo   sara, vera, adrianaPedestrianismo   sara, vera, adriana
Pedestrianismo sara, vera, adriana
 
Saude cardiovascular
Saude cardiovascularSaude cardiovascular
Saude cardiovascular
 
Cap 06 sinais-vitais
Cap 06 sinais-vitaisCap 06 sinais-vitais
Cap 06 sinais-vitais
 
Fisiologia
FisiologiaFisiologia
Fisiologia
 
Curso Hidroginástica Para 3ª idade
Curso Hidroginástica Para 3ª idadeCurso Hidroginástica Para 3ª idade
Curso Hidroginástica Para 3ª idade
 
Qigong Respiracao
Qigong RespiracaoQigong Respiracao
Qigong Respiracao
 
Natação
NataçãoNatação
Natação
 
Coração (1)
Coração (1)Coração (1)
Coração (1)
 
Pressão alta (hipertensão arterial sistêmica). Repercussões e Prevenção
Pressão alta(hipertensão arterial sistêmica). Repercussões e PrevençãoPressão alta(hipertensão arterial sistêmica). Repercussões e Prevenção
Pressão alta (hipertensão arterial sistêmica). Repercussões e Prevenção
 
Benefícios da atividade física
Benefícios da atividade físicaBenefícios da atividade física
Benefícios da atividade física
 
Aula+sinais+vitais carmen
Aula+sinais+vitais carmenAula+sinais+vitais carmen
Aula+sinais+vitais carmen
 
Atividade FíSica E SaúDe
Atividade FíSica E SaúDeAtividade FíSica E SaúDe
Atividade FíSica E SaúDe
 
02 26 sinais vitais - Marion
02 26 sinais vitais  - Marion02 26 sinais vitais  - Marion
02 26 sinais vitais - Marion
 
Resistência1 (4)
Resistência1 (4)Resistência1 (4)
Resistência1 (4)
 

Mais de aluisiobraga (20)

Primeiros socorros 2015
Primeiros socorros  2015Primeiros socorros  2015
Primeiros socorros 2015
 
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Basquetebol
 
Doping no Esporte
Doping no EsporteDoping no Esporte
Doping no Esporte
 
Educação postural 2015
Educação postural 2015Educação postural 2015
Educação postural 2015
 
Exercício e saúde
Exercício e saúdeExercício e saúde
Exercício e saúde
 
Identidades juvenis
Identidades juvenisIdentidades juvenis
Identidades juvenis
 
O corpo e a expressão artística e cultural
O corpo e a expressão artística e culturalO corpo e a expressão artística e cultural
O corpo e a expressão artística e cultural
 
Contfin2013
Contfin2013Contfin2013
Contfin2013
 
Futsal 2013
Futsal 2013Futsal 2013
Futsal 2013
 
Primeiros socorros 1ºs anos
Primeiros socorros 1ºs anosPrimeiros socorros 1ºs anos
Primeiros socorros 1ºs anos
 
Esteróides anabolizantes 1ºs anos
Esteróides anabolizantes 1ºs anosEsteróides anabolizantes 1ºs anos
Esteróides anabolizantes 1ºs anos
 
Educação postural 2009
Educação postural 2009Educação postural 2009
Educação postural 2009
 
Atletismo multi cópia
Atletismo multi   cópiaAtletismo multi   cópia
Atletismo multi cópia
 
Higiene e saúde cópia
Higiene e saúde   cópiaHigiene e saúde   cópia
Higiene e saúde cópia
 
Alimentação para uma vida saudável cópia
Alimentação para uma vida saudável   cópiaAlimentação para uma vida saudável   cópia
Alimentação para uma vida saudável cópia
 
Obesidade
Obesidade Obesidade
Obesidade
 
Doping no esporte 8ª série
Doping no esporte   8ª sérieDoping no esporte   8ª série
Doping no esporte 8ª série
 
Suplementos alimentares 7ª série
Suplementos alimentares 7ª sérieSuplementos alimentares 7ª série
Suplementos alimentares 7ª série
 
Iniciação ao voleibol 2008
Iniciação ao voleibol   2008Iniciação ao voleibol   2008
Iniciação ao voleibol 2008
 
Primeiros socorros 8ª série
Primeiros socorros 8ª sériePrimeiros socorros 8ª série
Primeiros socorros 8ª série
 

Último

472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
GisellySobral
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
WelitaDiaz1
 

Último (20)

UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 

O corpo em movimento 8ª série

  • 1.
  • 2. O CORPO SE ADAPTA AO EXERCÍCIO
  • 3. O corpo humano é projetado para a ação. Os grupos musculares, os tendões e os ligamentos permitem que os braços e as pernas realizem uma ampla variedade de esforços
  • 4. o cérebro coordena a liberação de sangue, oxigênio, etc..
  • 5. Todos os vários sistemas do corpo se comunicam entre si pelas vias químicas e nervosas para assegurar uma coordenação precisa da atividade.
  • 7.
  • 8. • O coração tem o tamanho aproximado de um punho humano e bombeia cerca de cinco litros de sangue por 96,5Km de vasos sanguíneos por minuto em repouso
  • 9. • Em uma pessoa não treinada o coração bate cerca de 60 a 80 vezes por minuto no repouso. A este fenômeno damos o nome de frequência cardíaca.
  • 10. • A cada vez que o coração contrai o sangue é transportado por meio das artérias, este movimento de contração é chamado de sístole. O sangue volta ao coração pelo lado direito por meio das veias, neste momento o coração relaxa para receber o sangue. Este movimento é chamado de diástole
  • 11. • O sangue é transportado para todo o corpo por meio de vasos denominados artérias. A força do sangue contra as paredes dessas artérias é denominada Pressão Arterial.
  • 12. • A pressão arterial é maior quando o coração se contrai, neste momento denominada Pressão Arterial Sistólica. Quando o coração relaxa a pressão cai e então é denominada Pressão Arterial
  • 13. • Ambas as pressões arteriais são importantes e usualmente apresentadas juntas, como na expressão 120/80mmHg, com o primeiro número representando a sístole e o segundo a
  • 14.
  • 15. • 100/70 a 139/89 Normal. • 140/90 acima – Hipertensão ou pressão alta. • 99/69 abaixo – Hipotensão ou pressão baixa
  • 16. • Durante o exercício a frequência cardíaca e a pressão arterial sistólica aumentam consideravelmente.
  • 17. A Frequência Cardíaca se eleva a mais que o dobro dos seus valores de repouso. Com o passar do tempo o coração fica mais forte e a frequência diminui durante o repouso.
  • 18. • Quando uma pessoa, caminha rapidamente, ped ala, corre nada ou pratica outra atividade aeróbica a pressão arterial sobe acentuadamente.
  • 19. • Por exemplo, durante um exercício aeróbico intenso, a pressão arterial sistólica pode subir de 150 a 200mmHg, porém a diastólica pode chegar no máximo até 90mmHg
  • 20. • Se a pressão subir além dos limites previstos para o esforço físico, o risco da pessoa desenvolver a hipertensão arterial se torna bem elevado.
  • 21. • Logo após o término de uma sessão de exercícios aeróbicos, a pressão arterial cai abaixo dos níveis de repouso.
  • 22. • Os estudos apontam o exercício físico como um forte aliado (talvez o principal) na prevenção e no combate à hipertensão arterial.
  • 23.
  • 24.
  • 25. • Em repouso uma pessoa normal respira mais ou menos entre 12 e 15 vezes por minuto, inspirando cerca de seis litros de ar por minuto. • Vale lembrar que o ar é composto de 21% de oxigênio.
  • 26. • Durante um exercício pesado, o consumo de O2 aumenta 10 a 20 vezes, ou até mais, dependendo do nível de aptidão física do indivíduo.
  • 27. • A frequência respiratória sobe para 55 a 60 respirações por minuto, com mais de três litros sendo inspirados em cada respiração.
  • 28. • Com a prática de exercícios o tamanho dos pulmões e a quantidade de ar inspirado durante o repouso se altera pouco.
  • 29. • Porém, as pessoas treinadas podem ventilar menos e obter a mesma quantidade de O2 que uma pessoa destreinada, ou seja, um corpo treinado é mais eficiente no transporte e na utilização do O2.
  • 30. • As pesquisas demonstram que os pulmões e os músculos podem suportar mais sangue e oxigênio do que o coração é capaz de bombear.
  • 31.
  • 32. MÚSCULOS • Deles dependem nossa capacidade de movimento. • No corpo humano existem mais de 660 músculos esqueléticos.
  • 33. • No período do repouso nosso corpo reconstrói os danos causados pelo esforço, esta reconstrução torna-o mais forte e mais resistente e assim todos os sistemas vão se adaptando e trabalhando melhor.
  • 35. FLEXIBILIDADE • É a capacidade e qualidade que tem a pessoa de poder executar movimentos de grande amplitude angular por si mesma ou sob a influência auxiliar de forças externas.
  • 36. ALONGAMENTO FLEXIBILIDADE
  • 37. RESISTÊNCIA • Geralmente, ent ende-se por resistência a capacidade de uma pessoa em suportar a fadiga”.
  • 38. VELOCIDADE • É a capacidade de executar ações motoras em um mínimo de tempo possível. • É a rapidez de contração e extensão dos músculos.
  • 39. FORÇA • De maneira geral força é qualidade que permite ao músculo ou grupo muscular vencer uma resistência (oposição) ao movimento do qual ele é o agente motor..
  • 40. AGILIDADE • Executar um movimento o mais rápido possível com mudança de direção
  • 41. OBRIGADO PELA ATENÇÃO Professor – Aluísio Lopes Braga CREF – 0379/G-DF
  • 42. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS NIEMAN, David C., DR. PH . Exercício e Saúde . 1ª Edição brasileira 1999. Editora Manole. NORMAN, Harris, et al. Dicionário de Saúde no Desporto. Editora Edições 70 LDA. Lisboa 1982. McARDLE William D. . Fisiologia do Exercício. Editora Guanabara Koogan S.A. Rio de Janeiro 1998. GUILLET, J. Genéty. Manual de Medicina do Esporte. Editora Masson. São Paulo. ENCICLOPÉDIA Multimídia do Corpo Humano. Editora Planeta De Agostini. IMAGENS Professor Digital – Educação Física www.sedentarismozero.com www.50minutos.wordpress.com www.masci.com.br www.4bp.blogspot.com www.Colegiosaofrancisco.com.br www.curlygirl.naturlink.pt www.brasilescola.com www.esporte.gov.br