Ética Aristóteles

1.680 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.680
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
127
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ética Aristóteles

  1. 1. Ética Aristotélica A finalidade (telos) última que todo ser humano busca é a felicidade (eudaimonia). - Aristóteles
  2. 2. Assim, para um sapateiro, fazer os melhores sapatos é a sua finalidade. Isso seria uma finalidade particular, pois existe uma finalidade última que buscamos com essas ações.
  3. 3. A Felicidade.
  4. 4. A ética de Aristóteles é: Eudemonista (eudaimonia = felicidade) Teleológica (porque tende a um fim = telos)
  5. 5. Para uns, são bens terrenos, honras, fama, prazer, etc.
  6. 6. Para Aristóteles, a felicidade é a vida contemplativa e intelectual que desenvolve no homem um desejo permanente de fazer o bem a si mesmo e aos que o cercam. A felicidade é racional.
  7. 7. Assim o homem será sábio e feliz. A busca por outras coisas pode nos aproximar da felicidade, mas não é garantia alguma de que isso acontecerá de fato. É a vida racional que dá a garantia de ser feliz.
  8. 8. VIRTUDE Diferente de Platão, Aristóteles não acredita que a virtude seja algo inato no ser humano, pois assim todos seriam virtuosos.
  9. 9. Não é porque sabemos o que é certo que o fazemos sempre, e mesmo sabendo a importância de sermos equilibrados em tudo, em boa parte de nossas ações não o somos. Virtude: disposição da alma, uma vontade que temos de ser virtuosos.
  10. 10. O homem pode adquirir a virtude através da prática da vida contemplativa e intelectual e da educação. Para Aristóteles, a virtude é uma mediania, isto é, um nível intermediário entre a falta e o excesso. Ser virtuoso é ser equilibrado em todas as situações.
  11. 11. VÍCIO= COVARDIA
  12. 12. EXCESSO= TEMERIDADE
  13. 13. VIRTUDE= CORAGEM
  14. 14. JUSTIÇA DISTRIBUTIVA – ARISTÓTELES Para saber se um ato é justo ou não, é necessário saber da intenção do sujeito que o praticou. Se houve um querer ou não Devemos censurar mais os atos voluntários que os involuntários.
  15. 15. JUSTIÇA DISTRIBUTIVA – ARISTÓTELES Exemplo (direito atual): Ação culposa = aquela que o sujeito tem culpa, mas não o fez por querer. Ação dolosa = aquela que foi planejada, ou que o sujeito sabia antecipadamente da possibilidade de ocorrência. Esses são princípios aristotélicos.
  16. 16. JUSTIÇA DISTRIBUTIVA – ARISTÓTELES Justiça como equidade distributiva Tratar os iguais como iguais e os desiguais como desiguais. Dar a cada particular aquilo que lhe é devido. Não se deve tratar a todos como iguais se as pessoas são diferentes, umas tem mais méritos, outras menos, umas tem mais capacidades e esforços, outras menos.
  17. 17. JUSTIÇA COMO ATO VOLUNTÁRIO Uma pessoa só pode ser considerada justa ou injusta se cometer atos de forma voluntária e consciente. Ex: meu carro atropela alguém acidentalmente. Não pode ser considerado justo nem injusto pois não houve “vontade” de realizar o ato. Ato de forma voluntária, então a pessoa e o ato serão injustos e devem ser censurados.

×