SlideShare uma empresa Scribd logo
O Preço...O Preço...
da Éticada Ética
Moral e ética: conceitoMoral e ética: conceito
Moral: inerente a toda ação humana.
Todo homem possui um senso ético,
constantemente avalia e julga suas ações...
moral: conjunto de normas, valores e regras sociais
aceitas por um grupo (costumes, convenções sociais,
normas jurídicas positivadas)
A ética cria a moral? (estabelece os valores de certa comunidade)
Há uma moral universal para todos os humanos?
Qual a essência da moral?
Qual a sua origem?
Quais as condições objetivas e subjetivas do ato moral?
Quais as fontes da avaliação moral?
Qual a natureza e a função dos juízos morais?
Quais os critérios de justificação destes juízos?
Qual é o princípio que rege a mudança e a sucessão de
diferentes sistemas morais?
Como assimilamos a moral?
Questões filosóficasQuestões filosóficas
(a Ética como objeto da Filosofia)(a Ética como objeto da Filosofia)
Bases de sustentação de qualquer éticaBases de sustentação de qualquer ética
Por que o ser humano devePor que o ser humano deve
“responder” por seus atos?“responder” por seus atos?
Todos os demais entes da natureza
‘sabem’ o seu “lugar natural”...
Mas e o ser humano?Mas e o ser humano?
• História
Bases de sustentação da éticaBases de sustentação da ética
• Cultura
• Natureza humana
Bases de sustentação da éticaBases de sustentação da ética
Cortesia, modéstia, boas maneiras, conformidade são
universais para os padrões éticos definitivos, mas o que
constitui a cortesia, a modéstia, as boas maneiras e os
padrões éticos definitivos não é universal. É instrutivo saber
que os padrões diferem nas formas mais inesperadas.
Franz Boas
(antropólogo e assessor de Margaret Mead)
- Ética teleológica
- há um fim a orientar a “ação moral”
Ética clássica:Ética clássica:
o modelo grego aristotélicoo modelo grego aristotélico
Pressupostos:
todos os corpos têm:
- lugar natural- lugar natural
- CosmosCosmos (ordenado e finito)
- atividade própria- atividade própria
- finalidade- finalidade própriaprópria
ENTÃO, o que é viver bem?ENTÃO, o que é viver bem?
Ética clássica: o modelo grego aristotélicoÉtica clássica: o modelo grego aristotélico
Os entes da natureza
‘sabem’ o seu lugar
natural
E nós?E nós?
PORTANTO:PORTANTO:
ÉTICA  uma práticaprática que se repete...repete...
um treinamento/aperfeiçoamento
progressivo dos talentos
CARÁTER  ideia de repetição de um
comportamento digno.
Ética clássica: o modelo grego aristotélicoÉtica clássica: o modelo grego aristotélico
ASSIM
Quanto mais agimos dignamente,
por costume/hábitopor costume/hábito, mais temos chance
de sermos excelentes
ética critã: pressupostosética critã: pressupostos
ContextoContexto:
decadência política da Grécia  ceticismo + mundo caótico
A filosofia não dá mais conta das novas
demandas sociais e das transformações culturais
Pressupostos
- Teocêntrica
- a missão (finalidade da vida
humana) é decretada por Deus
- A felicidade é alcançada com a
obediência à vontade divina
:
MODERNIDADE
humanismohumanismo  antropocentrismoantropocentrismohumanismohumanismo  antropocentrismoantropocentrismo
- desencantamento- desencantamento quanto à
organizaçãoorganização religiosareligiosa do mundo
-AA políticapolítica e a técnicatécnica (ciência): novos elementos
integradores e promotores do bem-estar...
O PROJETO DA MODERNIDADE:O PROJETO DA MODERNIDADE:
contexto sócio-culturalcontexto sócio-cultural
MODERNIDADE
PROJETO DA MODERNIDADE:PROJETO DA MODERNIDADE:
PressupostosPressupostos
Ética Maquiavélica:Ética Maquiavélica:
o nascimento da Ciência Políticao nascimento da Ciência Política
PressupostosPressupostos
- a conduta será boa se ‘alavancar’
a própria potência (se aumenta o poder)
daquele que age.
- OS FINS JUSTIFICAM OS MEIOS
(o outro é ‘meio’ para atingir seu fim)
PressupostosPressupostos
- a conduta será boa se ‘alavancar’
a própria potência (se aumenta o poder)
daquele que age.
- OS FINS JUSTIFICAM OS MEIOS
(o outro é ‘meio’ para atingir seu fim)
Ética Universalista kantianaÉtica Universalista kantiana
-Há um princípio geral, válido para todos
(Immanuel Kant e Jürgen Habermas)
é preciso que a minha conduta seja:
 apreciável por qualquer um
repetível por qualquer um
 conhecível por qualquer um
Exemplo: não mentir, não matar.
fórmula racional  imperativo categórico
O imperativo categórico deve ser apriorístico
1º imperativo categórico:1º imperativo categórico:
age de tal modo que tua conduta possa ser
erigida a norma de conduta universal
1º imperativo categórico:1º imperativo categórico:
age de tal modo que tua conduta possa ser
erigida a norma de conduta universal
2º imperativo categórico:2º imperativo categórico:
age de tal modo que o outro sempre seja o fim da sua
ação, nunca meio (instrumento) para atingir algum fim
2º imperativo categórico:2º imperativo categórico:
age de tal modo que o outro sempre seja o fim da sua
ação, nunca meio (instrumento) para atingir algum fim
ética formalista kantianaética formalista kantiana
PORTANTO:PORTANTO:
OS FINS NUNCA JUSTIFICAM OS MEIOS
PORTANTO:PORTANTO:
OS FINS NUNCA JUSTIFICAM OS MEIOS
Éticas na ModernidadeÉticas na Modernidade
A Ética utilitarista e o cálculo do prazerA Ética utilitarista e o cálculo do prazer
A ação não vale por ela mesma, mas pelos seus efeitosefeitos
Jeremy Bentham (1748-1832) e Peter Singer (séc. XX);
o bom efeito não é aumentar o próprio poder...
mas alegrar no maior grau possível,
o maior número de indivíduos.
o bom efeito não é aumentar o próprio poder...
mas alegrar no maior grau possível,
o maior número de indivíduos.
PARADOXOS:PARADOXOS:
progresso X atraso...
- destruição ambiental
-crescimento da miséria
-Utopia do Estado de bem-estar social
PARADOXOS:PARADOXOS:
progresso X atraso...
- destruição ambiental
-crescimento da miséria
-Utopia do Estado de bem-estar social
o fracasso do projetoo fracasso do projeto
da modernidadeda modernidade
retrocesso da liberdade políticaretrocesso da liberdade política
-recuo nos avanços ref. aos direitos humanos
- ultranacionalismos e ditaduras
retrocesso da liberdade políticaretrocesso da liberdade política
-recuo nos avanços ref. aos direitos humanos
- ultranacionalismos e ditaduras
IMPÉRIO DA TÉCNICAIMPÉRIO DA TÉCNICA
(tecnocracia)(tecnocracia)
-AUSÊNCIA de referências éticas
IMPÉRIO DA TÉCNICAIMPÉRIO DA TÉCNICA
(tecnocracia)(tecnocracia)
-AUSÊNCIA de referências éticas
Não são mais os homens
que comandam o mundo das
mercadorias...
A reificação (coisificação) do HomemA reificação (coisificação) do Homem
- A razão, de libertadora, passa a instrumento de exploração,
dominação e opressão (RAZÃO INSTRUMENTAL)
- A razão, de libertadora, passa a instrumento de exploração,
dominação e opressão (RAZÃO INSTRUMENTAL)
o fracasso do projeto da modernidadeo fracasso do projeto da modernidade
Reificação (coisificação) do HomemReificação (coisificação) do Homem
introdução da incertezaintrodução da incerteza
++
introdução da incertezaintrodução da incerteza
++
dissolução de fronteirasdissolução de fronteiras
++
dissolução de fronteirasdissolução de fronteiras
++
relativização de valoresrelativização de valoresrelativização de valoresrelativização de valores
o que mudou foi a modernidade sólida:
ela cessa de existir e em seu lugar surge a
modernidade líquida
(Z. Bauman)
Modernidade x Pós-modernidadeModernidade x Pós-modernidade
Éticas contemporâneas: pressupostosÉticas contemporâneas: pressupostos
- busca de uma ética não fundada meramente
no respeito aos apetites do próprio corpo...
mas também sem a pretensão de ser universal
- busca de uma ética não fundada meramente
no respeito aos apetites do próprio corpo...
mas também sem a pretensão de ser universal
- busca de critérios universais sempre fracassou- busca de critérios universais sempre fracassou
As relações intersubjetivas são o quadro
material único possível em que nósnós,
legisladores, definiremos o que podem e
o que não podem esperar de nós
As relações intersubjetivas são o quadro
material único possível em que nósnós,
legisladores, definiremos o que podem e
o que não podem esperar de nós
Éticas contemporâneas: pressupostosÉticas contemporâneas: pressupostos
A ética é uma questão de comunicaçãoA ética é uma questão de comunicação
Então:
A ética é uma questão de comunicaçãoA ética é uma questão de comunicação
Então:
dou a todos que me observam a chance de
conservar uma relação ou descontinuá-la.
+
os princípios de ação devem ser validados
por um contrato entre as partes interessadas
dou a todos que me observam a chance de
conservar uma relação ou descontinuá-la.
+
os princípios de ação devem ser validados
por um contrato entre as partes interessadas
Éticas contemporâneasÉticas contemporâneas
Ética comunitariana - derivada da teleológica
Ética do discurso (ou discursiva)- baseada na universalista
Ética da compaixão - fundada no utilitarismo;
Ética pragmática - idem
Thomas Hobbes, David Gauthier e Habermas
John Dewey (1859-1952) e Richard Rorty.
doutrinas mistas
Teologia da libertação,
Justiça como equidade,
Direito positivo etc
Éticas contemporâneasÉticas contemporâneas
o espaço do outro é o que define toda a éticao espaço do outro é o que define toda a ética
Há necessidade que os co-partícipes estejam em
pé de igualdade para propor, definir e discutir.
Há necessidade que os co-partícipes estejam em
pé de igualdade para propor, definir e discutir.
mas essas pessoas estão em condições
de igualdade para pactuar?
mas essas pessoas estão em condições
de igualdade para pactuar?
quando duas ou mais pessoas se
colocam em relação, há expectativas.
As expectativas podem servir de
cláusulas de moralidade.
As pessoas estão em condições de
igualdade para pactuar?
(entregar a moral nas mãos do ‘privatismo contratual’?)
As pessoas estão em condições de
igualdade para pactuar?
(entregar a moral nas mãos do ‘privatismo contratual’?)
Obstáculos ao comportamento ética hojeObstáculos ao comportamento ética hoje
Os mais poderosos em relações intersubjetivas farão
triunfar a sua legitimidade, o seu capital cultural específico,
para definir ao seu bel prazer, as cláusulas daquela relação
(vide escola pública e particular, p. ex.)
Obstáculos ao comportamento ética hojeObstáculos ao comportamento ética hoje
A ética estabelece limitesA ética estabelece limites
xx
pessoas querem viver sem limitespessoas querem viver sem limites
O que adianta ser ético se os outros
não estão seguindo as regras?
O mal é externo a nós?O mal é externo a nós?
O agir éticoO agir ético
avaliação do bem e do malavaliação do bem e do mal
++
ação éticaação ética
++
correção do desviocorreção do desvio
.
Quem é quem?Quem é quem?
CorruptoCorrupto
passivo
CorruptoCorrupto
ativo
OMISSOOMISSO
Sociedade eticamente desenvolvida:Sociedade eticamente desenvolvida:
entende como normal abrir mão de parte
das pretensões individuais em nome do
zelo coletivo pela convivência.
Herança da pós modernidade:
perder a capacidade de entristecer-se
consigo mesmo (autismo moral)
Brasil x MundoBrasil x Mundo
É possível mudar uma cultura?É possível mudar uma cultura?
“qualquer sistema ou complexo
cultural está em contínuo
processo de mutação”
É possível mudar uma cultura?É possível mudar uma cultura?
É possível mudar a culturaÉ possível mudar a cultura
de forma planejada?de forma planejada?
ANTES
HOJE
É possível mudar a cultura deÉ possível mudar a cultura de
forma planejada?forma planejada?
HOJE
Por que não mudamos?Por que não mudamos?
“Nunca pense que um pequeno grupo
de indivíduos conscientes e engajados
não pode mudar o mundo. Na verdade,
foram eles os únicos que já o fizeram.”
(Margaret Mead, antropóloga norte-americana)
Por que a cultura não muda?Por que a cultura não muda?
nunca espere por governos
ou instituições para resolver
os problemas;
toda mudança social vem da
paixão das pessoas.
Margaret Mead
nunca espere por governos
ou instituições para resolver
os problemas;
toda mudança social vem da
paixão das pessoas.
Margaret Mead

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ética e moral
Ética e moralÉtica e moral
Ética e moral
Arlindo Picoli
 
O porquê da ética
O porquê da éticaO porquê da ética
O porquê da ética
Rayanne Santana
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ética e Moral
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ética e MoralSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ética e Moral
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ética e Moral
Turma Olímpica
 
Slide Ética e Moral
Slide Ética e MoralSlide Ética e Moral
Slide Ética e Moral
ProfessorRogerioSant
 
Ética Profissional: Trabalho em Equipe
Ética Profissional: Trabalho em EquipeÉtica Profissional: Trabalho em Equipe
Ética Profissional: Trabalho em Equipe
Vadeilza Castilho
 
Etica profissional
Etica profissionalEtica profissional
Etica profissional
Fatima Silva
 
Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
Erica Frau
 
éTica, moral e valores
éTica, moral e valoreséTica, moral e valores
éTica, moral e valores
Over Lane
 
ÉTica e cidadania 2
ÉTica e cidadania 2ÉTica e cidadania 2
ÉTica e cidadania 2
Mariangela Santos
 
Etica profissional
Etica profissionalEtica profissional
Etica profissional
Cassia Farias
 
4 filosofia e senso comum
4 filosofia e senso comum 4 filosofia e senso comum
4 filosofia e senso comum
Erica Frau
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
José Aristides Silva Gamito
 
Aula 3 noções de ética profissional
Aula 3   noções de ética profissionalAula 3   noções de ética profissional
Aula 3 noções de ética profissional
Luiz Siles
 
A Ética Através dos Séculos
A Ética Através dos SéculosA Ética Através dos Séculos
A Ética Através dos Séculos
Mauro de Oliveira
 
INTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS
INTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOSINTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS
INTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS
Isabela Espíndola
 
éTica no ambiente profissional
éTica no ambiente profissionaléTica no ambiente profissional
éTica no ambiente profissional
leojusto
 
Valores
ValoresValores
ética e deontologia profissional (apresentação)
ética e deontologia profissional  (apresentação)ética e deontologia profissional  (apresentação)
ética e deontologia profissional (apresentação)
Sérgio Rocha
 
Senso comum x conhecimento científico
Senso comum x conhecimento científicoSenso comum x conhecimento científico
Senso comum x conhecimento científico
José Antonio Ferreira da Silva
 
Ética no trabalho
Ética no trabalhoÉtica no trabalho
Ética no trabalho
Josiel Barbosa
 

Mais procurados (20)

Ética e moral
Ética e moralÉtica e moral
Ética e moral
 
O porquê da ética
O porquê da éticaO porquê da ética
O porquê da ética
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ética e Moral
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ética e MoralSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ética e Moral
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ética e Moral
 
Slide Ética e Moral
Slide Ética e MoralSlide Ética e Moral
Slide Ética e Moral
 
Ética Profissional: Trabalho em Equipe
Ética Profissional: Trabalho em EquipeÉtica Profissional: Trabalho em Equipe
Ética Profissional: Trabalho em Equipe
 
Etica profissional
Etica profissionalEtica profissional
Etica profissional
 
Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
 
éTica, moral e valores
éTica, moral e valoreséTica, moral e valores
éTica, moral e valores
 
ÉTica e cidadania 2
ÉTica e cidadania 2ÉTica e cidadania 2
ÉTica e cidadania 2
 
Etica profissional
Etica profissionalEtica profissional
Etica profissional
 
4 filosofia e senso comum
4 filosofia e senso comum 4 filosofia e senso comum
4 filosofia e senso comum
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Aula 3 noções de ética profissional
Aula 3   noções de ética profissionalAula 3   noções de ética profissional
Aula 3 noções de ética profissional
 
A Ética Através dos Séculos
A Ética Através dos SéculosA Ética Através dos Séculos
A Ética Através dos Séculos
 
INTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS
INTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOSINTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS
INTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS
 
éTica no ambiente profissional
éTica no ambiente profissionaléTica no ambiente profissional
éTica no ambiente profissional
 
Valores
ValoresValores
Valores
 
ética e deontologia profissional (apresentação)
ética e deontologia profissional  (apresentação)ética e deontologia profissional  (apresentação)
ética e deontologia profissional (apresentação)
 
Senso comum x conhecimento científico
Senso comum x conhecimento científicoSenso comum x conhecimento científico
Senso comum x conhecimento científico
 
Ética no trabalho
Ética no trabalhoÉtica no trabalho
Ética no trabalho
 

Semelhante a apresentação sobre ética

O que é ética
O que é éticaO que é ética
O que é ética
Katia Lopes
 
Etica moral e_valores
Etica moral e_valoresEtica moral e_valores
Etica moral e_valores
Joyce Sant'anna
 
38 etcid
38 etcid38 etcid
38 etcid
Eurides Soares
 
CONCEITOS DE ÉTICA
CONCEITOS DE ÉTICACONCEITOS DE ÉTICA
CONCEITOS DE ÉTICA
SUPORTE EDUCACIONAL
 
Etica cidadania
Etica cidadaniaEtica cidadania
Etica cidadania
Edmilson Costa Benicio
 
Ética e Cidadania 2º semestre - mackenzie 2012
Ética e Cidadania   2º semestre - mackenzie 2012Ética e Cidadania   2º semestre - mackenzie 2012
Ética e Cidadania 2º semestre - mackenzie 2012
Fábio Peres
 
SLIDES - TEMPOS HISTÓRICOS - ÉTICA.ppt
SLIDES - TEMPOS HISTÓRICOS - ÉTICA.pptSLIDES - TEMPOS HISTÓRICOS - ÉTICA.ppt
SLIDES - TEMPOS HISTÓRICOS - ÉTICA.ppt
JessicaAntunes25
 
éTica por que e para quê
éTica por que e para quêéTica por que e para quê
éTica por que e para quê
Arlindo Picoli
 
ÉTICA E MORAL.pptx
ÉTICA E MORAL.pptxÉTICA E MORAL.pptx
ÉTICA E MORAL.pptx
RaissaFreitas12
 
Introdução ética
Introdução éticaIntrodução ética
Filosofia moral ética e moral com exercícios.
Filosofia moral   ética e moral com exercícios.Filosofia moral   ética e moral com exercícios.
Filosofia moral ética e moral com exercícios.
Gabriel Falcão
 
AULA 05, 06, 07 - ÉTICA.pptx
AULA 05, 06, 07 - ÉTICA.pptxAULA 05, 06, 07 - ÉTICA.pptx
AULA 05, 06, 07 - ÉTICA.pptx
lucas106085
 
Os Direitos Humanos Na Perspectiva Da éTica Aula Dia 17 03 2010
Os Direitos Humanos Na Perspectiva Da éTica   Aula Dia 17 03 2010Os Direitos Humanos Na Perspectiva Da éTica   Aula Dia 17 03 2010
Os Direitos Humanos Na Perspectiva Da éTica Aula Dia 17 03 2010
gueste105fd
 
Reflexões sobre ética e moral Janaira Franca
Reflexões sobre ética e moral Janaira FrancaReflexões sobre ética e moral Janaira Franca
Reflexões sobre ética e moral Janaira Franca
Profa. Janaíra França
 
01. ética, moral e valores
01. ética, moral e valores01. ética, moral e valores
01. ética, moral e valores
Rosenira Dantas II
 
Ética e Moral - Filosofia
Ética e Moral - FilosofiaÉtica e Moral - Filosofia
Ética e Moral - Filosofia
Kely Cristina Metzker
 
èTica profissional ii
èTica profissional iièTica profissional ii
èTica profissional ii
Sheila Cristino
 
Revisão pf filosofia
Revisão pf filosofiaRevisão pf filosofia
Revisão pf filosofia
Agassis Rodrigues
 
Mesa redonda ética e cidadania
Mesa redonda   ética e cidadaniaMesa redonda   ética e cidadania
Mesa redonda ética e cidadania
Canício Scherer
 
Aula ética na administração
Aula ética na administraçãoAula ética na administração
Aula ética na administração
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 

Semelhante a apresentação sobre ética (20)

O que é ética
O que é éticaO que é ética
O que é ética
 
Etica moral e_valores
Etica moral e_valoresEtica moral e_valores
Etica moral e_valores
 
38 etcid
38 etcid38 etcid
38 etcid
 
CONCEITOS DE ÉTICA
CONCEITOS DE ÉTICACONCEITOS DE ÉTICA
CONCEITOS DE ÉTICA
 
Etica cidadania
Etica cidadaniaEtica cidadania
Etica cidadania
 
Ética e Cidadania 2º semestre - mackenzie 2012
Ética e Cidadania   2º semestre - mackenzie 2012Ética e Cidadania   2º semestre - mackenzie 2012
Ética e Cidadania 2º semestre - mackenzie 2012
 
SLIDES - TEMPOS HISTÓRICOS - ÉTICA.ppt
SLIDES - TEMPOS HISTÓRICOS - ÉTICA.pptSLIDES - TEMPOS HISTÓRICOS - ÉTICA.ppt
SLIDES - TEMPOS HISTÓRICOS - ÉTICA.ppt
 
éTica por que e para quê
éTica por que e para quêéTica por que e para quê
éTica por que e para quê
 
ÉTICA E MORAL.pptx
ÉTICA E MORAL.pptxÉTICA E MORAL.pptx
ÉTICA E MORAL.pptx
 
Introdução ética
Introdução éticaIntrodução ética
Introdução ética
 
Filosofia moral ética e moral com exercícios.
Filosofia moral   ética e moral com exercícios.Filosofia moral   ética e moral com exercícios.
Filosofia moral ética e moral com exercícios.
 
AULA 05, 06, 07 - ÉTICA.pptx
AULA 05, 06, 07 - ÉTICA.pptxAULA 05, 06, 07 - ÉTICA.pptx
AULA 05, 06, 07 - ÉTICA.pptx
 
Os Direitos Humanos Na Perspectiva Da éTica Aula Dia 17 03 2010
Os Direitos Humanos Na Perspectiva Da éTica   Aula Dia 17 03 2010Os Direitos Humanos Na Perspectiva Da éTica   Aula Dia 17 03 2010
Os Direitos Humanos Na Perspectiva Da éTica Aula Dia 17 03 2010
 
Reflexões sobre ética e moral Janaira Franca
Reflexões sobre ética e moral Janaira FrancaReflexões sobre ética e moral Janaira Franca
Reflexões sobre ética e moral Janaira Franca
 
01. ética, moral e valores
01. ética, moral e valores01. ética, moral e valores
01. ética, moral e valores
 
Ética e Moral - Filosofia
Ética e Moral - FilosofiaÉtica e Moral - Filosofia
Ética e Moral - Filosofia
 
èTica profissional ii
èTica profissional iièTica profissional ii
èTica profissional ii
 
Revisão pf filosofia
Revisão pf filosofiaRevisão pf filosofia
Revisão pf filosofia
 
Mesa redonda ética e cidadania
Mesa redonda   ética e cidadaniaMesa redonda   ética e cidadania
Mesa redonda ética e cidadania
 
Aula ética na administração
Aula ética na administraçãoAula ética na administração
Aula ética na administração
 

Último

Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 

Último (20)

Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 

apresentação sobre ética

  • 1. O Preço...O Preço... da Éticada Ética
  • 2. Moral e ética: conceitoMoral e ética: conceito Moral: inerente a toda ação humana. Todo homem possui um senso ético, constantemente avalia e julga suas ações... moral: conjunto de normas, valores e regras sociais aceitas por um grupo (costumes, convenções sociais, normas jurídicas positivadas)
  • 3. A ética cria a moral? (estabelece os valores de certa comunidade) Há uma moral universal para todos os humanos? Qual a essência da moral? Qual a sua origem? Quais as condições objetivas e subjetivas do ato moral? Quais as fontes da avaliação moral? Qual a natureza e a função dos juízos morais? Quais os critérios de justificação destes juízos? Qual é o princípio que rege a mudança e a sucessão de diferentes sistemas morais? Como assimilamos a moral? Questões filosóficasQuestões filosóficas (a Ética como objeto da Filosofia)(a Ética como objeto da Filosofia)
  • 4. Bases de sustentação de qualquer éticaBases de sustentação de qualquer ética Por que o ser humano devePor que o ser humano deve “responder” por seus atos?“responder” por seus atos? Todos os demais entes da natureza ‘sabem’ o seu “lugar natural”... Mas e o ser humano?Mas e o ser humano?
  • 5. • História Bases de sustentação da éticaBases de sustentação da ética • Cultura • Natureza humana
  • 6. Bases de sustentação da éticaBases de sustentação da ética Cortesia, modéstia, boas maneiras, conformidade são universais para os padrões éticos definitivos, mas o que constitui a cortesia, a modéstia, as boas maneiras e os padrões éticos definitivos não é universal. É instrutivo saber que os padrões diferem nas formas mais inesperadas. Franz Boas (antropólogo e assessor de Margaret Mead)
  • 7. - Ética teleológica - há um fim a orientar a “ação moral” Ética clássica:Ética clássica: o modelo grego aristotélicoo modelo grego aristotélico Pressupostos: todos os corpos têm: - lugar natural- lugar natural - CosmosCosmos (ordenado e finito) - atividade própria- atividade própria - finalidade- finalidade própriaprópria ENTÃO, o que é viver bem?ENTÃO, o que é viver bem?
  • 8. Ética clássica: o modelo grego aristotélicoÉtica clássica: o modelo grego aristotélico Os entes da natureza ‘sabem’ o seu lugar natural E nós?E nós?
  • 9. PORTANTO:PORTANTO: ÉTICA  uma práticaprática que se repete...repete... um treinamento/aperfeiçoamento progressivo dos talentos CARÁTER  ideia de repetição de um comportamento digno. Ética clássica: o modelo grego aristotélicoÉtica clássica: o modelo grego aristotélico ASSIM Quanto mais agimos dignamente, por costume/hábitopor costume/hábito, mais temos chance de sermos excelentes
  • 10. ética critã: pressupostosética critã: pressupostos ContextoContexto: decadência política da Grécia  ceticismo + mundo caótico A filosofia não dá mais conta das novas demandas sociais e das transformações culturais Pressupostos - Teocêntrica - a missão (finalidade da vida humana) é decretada por Deus - A felicidade é alcançada com a obediência à vontade divina :
  • 11. MODERNIDADE humanismohumanismo  antropocentrismoantropocentrismohumanismohumanismo  antropocentrismoantropocentrismo - desencantamento- desencantamento quanto à organizaçãoorganização religiosareligiosa do mundo -AA políticapolítica e a técnicatécnica (ciência): novos elementos integradores e promotores do bem-estar... O PROJETO DA MODERNIDADE:O PROJETO DA MODERNIDADE: contexto sócio-culturalcontexto sócio-cultural
  • 12. MODERNIDADE PROJETO DA MODERNIDADE:PROJETO DA MODERNIDADE: PressupostosPressupostos
  • 13. Ética Maquiavélica:Ética Maquiavélica: o nascimento da Ciência Políticao nascimento da Ciência Política PressupostosPressupostos - a conduta será boa se ‘alavancar’ a própria potência (se aumenta o poder) daquele que age. - OS FINS JUSTIFICAM OS MEIOS (o outro é ‘meio’ para atingir seu fim) PressupostosPressupostos - a conduta será boa se ‘alavancar’ a própria potência (se aumenta o poder) daquele que age. - OS FINS JUSTIFICAM OS MEIOS (o outro é ‘meio’ para atingir seu fim)
  • 14. Ética Universalista kantianaÉtica Universalista kantiana -Há um princípio geral, válido para todos (Immanuel Kant e Jürgen Habermas) é preciso que a minha conduta seja:  apreciável por qualquer um repetível por qualquer um  conhecível por qualquer um Exemplo: não mentir, não matar. fórmula racional  imperativo categórico O imperativo categórico deve ser apriorístico
  • 15. 1º imperativo categórico:1º imperativo categórico: age de tal modo que tua conduta possa ser erigida a norma de conduta universal 1º imperativo categórico:1º imperativo categórico: age de tal modo que tua conduta possa ser erigida a norma de conduta universal 2º imperativo categórico:2º imperativo categórico: age de tal modo que o outro sempre seja o fim da sua ação, nunca meio (instrumento) para atingir algum fim 2º imperativo categórico:2º imperativo categórico: age de tal modo que o outro sempre seja o fim da sua ação, nunca meio (instrumento) para atingir algum fim ética formalista kantianaética formalista kantiana PORTANTO:PORTANTO: OS FINS NUNCA JUSTIFICAM OS MEIOS PORTANTO:PORTANTO: OS FINS NUNCA JUSTIFICAM OS MEIOS
  • 16. Éticas na ModernidadeÉticas na Modernidade A Ética utilitarista e o cálculo do prazerA Ética utilitarista e o cálculo do prazer A ação não vale por ela mesma, mas pelos seus efeitosefeitos Jeremy Bentham (1748-1832) e Peter Singer (séc. XX); o bom efeito não é aumentar o próprio poder... mas alegrar no maior grau possível, o maior número de indivíduos. o bom efeito não é aumentar o próprio poder... mas alegrar no maior grau possível, o maior número de indivíduos.
  • 17.
  • 18. PARADOXOS:PARADOXOS: progresso X atraso... - destruição ambiental -crescimento da miséria -Utopia do Estado de bem-estar social PARADOXOS:PARADOXOS: progresso X atraso... - destruição ambiental -crescimento da miséria -Utopia do Estado de bem-estar social o fracasso do projetoo fracasso do projeto da modernidadeda modernidade retrocesso da liberdade políticaretrocesso da liberdade política -recuo nos avanços ref. aos direitos humanos - ultranacionalismos e ditaduras retrocesso da liberdade políticaretrocesso da liberdade política -recuo nos avanços ref. aos direitos humanos - ultranacionalismos e ditaduras IMPÉRIO DA TÉCNICAIMPÉRIO DA TÉCNICA (tecnocracia)(tecnocracia) -AUSÊNCIA de referências éticas IMPÉRIO DA TÉCNICAIMPÉRIO DA TÉCNICA (tecnocracia)(tecnocracia) -AUSÊNCIA de referências éticas Não são mais os homens que comandam o mundo das mercadorias...
  • 19. A reificação (coisificação) do HomemA reificação (coisificação) do Homem - A razão, de libertadora, passa a instrumento de exploração, dominação e opressão (RAZÃO INSTRUMENTAL) - A razão, de libertadora, passa a instrumento de exploração, dominação e opressão (RAZÃO INSTRUMENTAL) o fracasso do projeto da modernidadeo fracasso do projeto da modernidade
  • 20. Reificação (coisificação) do HomemReificação (coisificação) do Homem
  • 21.
  • 22. introdução da incertezaintrodução da incerteza ++ introdução da incertezaintrodução da incerteza ++ dissolução de fronteirasdissolução de fronteiras ++ dissolução de fronteirasdissolução de fronteiras ++ relativização de valoresrelativização de valoresrelativização de valoresrelativização de valores o que mudou foi a modernidade sólida: ela cessa de existir e em seu lugar surge a modernidade líquida (Z. Bauman) Modernidade x Pós-modernidadeModernidade x Pós-modernidade
  • 23.
  • 24. Éticas contemporâneas: pressupostosÉticas contemporâneas: pressupostos - busca de uma ética não fundada meramente no respeito aos apetites do próprio corpo... mas também sem a pretensão de ser universal - busca de uma ética não fundada meramente no respeito aos apetites do próprio corpo... mas também sem a pretensão de ser universal - busca de critérios universais sempre fracassou- busca de critérios universais sempre fracassou As relações intersubjetivas são o quadro material único possível em que nósnós, legisladores, definiremos o que podem e o que não podem esperar de nós As relações intersubjetivas são o quadro material único possível em que nósnós, legisladores, definiremos o que podem e o que não podem esperar de nós
  • 25. Éticas contemporâneas: pressupostosÉticas contemporâneas: pressupostos A ética é uma questão de comunicaçãoA ética é uma questão de comunicação Então: A ética é uma questão de comunicaçãoA ética é uma questão de comunicação Então: dou a todos que me observam a chance de conservar uma relação ou descontinuá-la. + os princípios de ação devem ser validados por um contrato entre as partes interessadas dou a todos que me observam a chance de conservar uma relação ou descontinuá-la. + os princípios de ação devem ser validados por um contrato entre as partes interessadas
  • 26. Éticas contemporâneasÉticas contemporâneas Ética comunitariana - derivada da teleológica Ética do discurso (ou discursiva)- baseada na universalista Ética da compaixão - fundada no utilitarismo; Ética pragmática - idem Thomas Hobbes, David Gauthier e Habermas John Dewey (1859-1952) e Richard Rorty. doutrinas mistas Teologia da libertação, Justiça como equidade, Direito positivo etc
  • 27. Éticas contemporâneasÉticas contemporâneas o espaço do outro é o que define toda a éticao espaço do outro é o que define toda a ética Há necessidade que os co-partícipes estejam em pé de igualdade para propor, definir e discutir. Há necessidade que os co-partícipes estejam em pé de igualdade para propor, definir e discutir. mas essas pessoas estão em condições de igualdade para pactuar? mas essas pessoas estão em condições de igualdade para pactuar? quando duas ou mais pessoas se colocam em relação, há expectativas. As expectativas podem servir de cláusulas de moralidade.
  • 28. As pessoas estão em condições de igualdade para pactuar? (entregar a moral nas mãos do ‘privatismo contratual’?) As pessoas estão em condições de igualdade para pactuar? (entregar a moral nas mãos do ‘privatismo contratual’?) Obstáculos ao comportamento ética hojeObstáculos ao comportamento ética hoje Os mais poderosos em relações intersubjetivas farão triunfar a sua legitimidade, o seu capital cultural específico, para definir ao seu bel prazer, as cláusulas daquela relação (vide escola pública e particular, p. ex.)
  • 29. Obstáculos ao comportamento ética hojeObstáculos ao comportamento ética hoje A ética estabelece limitesA ética estabelece limites xx pessoas querem viver sem limitespessoas querem viver sem limites O que adianta ser ético se os outros não estão seguindo as regras? O mal é externo a nós?O mal é externo a nós?
  • 30. O agir éticoO agir ético avaliação do bem e do malavaliação do bem e do mal ++ ação éticaação ética ++ correção do desviocorreção do desvio .
  • 31. Quem é quem?Quem é quem? CorruptoCorrupto passivo CorruptoCorrupto ativo OMISSOOMISSO
  • 32. Sociedade eticamente desenvolvida:Sociedade eticamente desenvolvida: entende como normal abrir mão de parte das pretensões individuais em nome do zelo coletivo pela convivência. Herança da pós modernidade: perder a capacidade de entristecer-se consigo mesmo (autismo moral) Brasil x MundoBrasil x Mundo
  • 33.
  • 34. É possível mudar uma cultura?É possível mudar uma cultura? “qualquer sistema ou complexo cultural está em contínuo processo de mutação”
  • 35. É possível mudar uma cultura?É possível mudar uma cultura?
  • 36. É possível mudar a culturaÉ possível mudar a cultura de forma planejada?de forma planejada? ANTES HOJE
  • 37. É possível mudar a cultura deÉ possível mudar a cultura de forma planejada?forma planejada? HOJE
  • 38. Por que não mudamos?Por que não mudamos? “Nunca pense que um pequeno grupo de indivíduos conscientes e engajados não pode mudar o mundo. Na verdade, foram eles os únicos que já o fizeram.” (Margaret Mead, antropóloga norte-americana)
  • 39. Por que a cultura não muda?Por que a cultura não muda? nunca espere por governos ou instituições para resolver os problemas; toda mudança social vem da paixão das pessoas. Margaret Mead nunca espere por governos ou instituições para resolver os problemas; toda mudança social vem da paixão das pessoas. Margaret Mead