SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Baixar para ler offline
Razão
Razão no cotidiano
• “Eu estou com a razão.” (sabemos com certeza alguma coisa)
• “Alguém perde a razão.” (algo que se pode ter ou não ter,
possuir)
• “Agora ela está lúcida, recuperou a razão.” (perder ou
recuperar)
Quando a Filosofia fala sobre a Razão
• Se refere aos sentidos:
• Alguém é racional quando...
• (tem certeza e lucidez sobre o que pensa e diz e sabe o motivo para fazer ou não
fazer algo)
A contraposição de racional é:
Irracional
A contraposição a irracional é:
Confuso, desordenado, sem seguir as regras normas do pensamento ou da
linguagem corretos
razão
razões
diferentes
Emoções sentimentos e paixões – possuem causas e motivos
ou são a causa e o motivo pelo qual praticamos uma ação
(pensar, dizer, querer.)
O pensamento ou conhecimento intelectual é diferente das
paixões e dos sentimentos.
Razão na ciência
É colocada como o
“progresso da razão”.
Capacidade
intelectual para
conseguir
conhecimento
verdadeiro da
natureza, da
sociedade, da história.
(Chauí:2014 p. 69)
• Segundo Chauí p. 69 :
• “ Ela é também a capacidade de nossa inteligência e de nossa consciência
para compreender as emoções e os sentimentos, moderá-los, orientá-los
para que não nos prejudiquem nem façam danos aos outros. (...) ela é a
consciência ética que guia nossos sentimentos e nossa vontade para o bem.”
Razão designa, portanto, as leis do pensamento (intelectual) e as regras
da ação refletida (ética)
Para alguns filósofos a razão...
• Pode conhecer a realidade porque a própria realidade é racional.
• Portanto, razão nesse contexto, significa a ação regulada e necessária
das próprias coisas.
• Razão objetiva: a realidade é racional em si mesma. ( objeto do
conhecimento ou realidade é racional)
• Razão subjetiva: a razão é uma capacidade intelectual e ética dos
seres humanos. (sujeito do conhecimento e da ação é racional)
Etimologia da palavra Razão
• Origina-se de duas fontes, a latina e a grega, ambas são substantivos
derivados de dois verbos.
Logos e Ratio
• Significam juntas, pensar e falar ordenadamente, com medida e
proporção, com clareza e de modo compreensível para os outros.
No começo da filosofia a Razão é considerada oposta em relação a algumas atitudes mentais;
Conhecimento ilusório – para a razão, a ilusão provém de nossos costumes, de nossos
preconceitos, da aceitação imediata das coisas – as ilusões criam opiniões que variam de
pessoa a pessoa, sociedade em sociedade.
Emoções – segundo a razão são cegos e caóticos – ora dizem sim ora dizem não
Crença religiosa – ( a verdade é dada pela fé ), não depende do nosso intelecto – pela razão a
verdade e dada pelo intelecto e não pela revelação.
Ao êxtase místico (dos santos, dos profetas)- o espírito acredita entrar em contato com o divino
e participar dele sem nenhuma intervenção do intelecto – para o contato com o divino é
necessário o abandono ao da atividade intelectual – somente pode ser sentido e não explicado.
•Desde que a filosofia é filosofia, a razão opera
sobre os princípios que ela mesma estabelece e
que sempre estão em concordância com a
realidade mesmo quando não os conhecemos
explicitamente.
• Princípio da Identidade: Uma coisa , seja ela qual for, só é conhecida
e pensada se for percebida e conservada com sua identidade.
A é A
O que é, é.
• Princípio da não contradição ou contradição: A é A e é impossível que seja e
não seja ao mesmo tempo A. (somente ao mesmo tempo e na mesma relação)
• Sem ele, o principio da identidade não tem funcionalidade.
Há coisas que podem mudar no decorrer do tempo ou durante sua existência
•Princípio do terceiro excluído – Ou A é X ou é Y –
não há terceira possibilidade.
•“Ou este homem é Sócrates ou não é Sócrates”
•Princípio da razão suficiente (princípio da
causalidade) – Tudo que existe e tudo que
acontece tem uma razão.
•“nada é sem causa” ou “Tudo tem causa”
•Ex: a morte – (a guerra é uma causa
necessária e universal da morte de pessoas)
porém as guerras não imprevisíveis,
dependem de causas particulares
•Segundo o principio de razão suficiente:
•1 – Se houve Guerra – houve causa;
•2 – havendo guerras haverá mortes.
Características importantes do princípio da razão
• Ausência de conteúdo determinado – como as coisas
devem ser pensadas e não quais os conteúdos a
serem pensados;
• Tem validade universal – onde houver razão haverá
princípios verdadeiros (conhecimento) – se aplica nos
seres humanos – nas coisas – nos fatos.
• São necessários e indispensáveis para o pensamento,
para as coisas, os fatos e os acontecimentos – não
podemos pensar sem racionalmente sem eles

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude FilosóficaSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude Filosófica
 
Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
 
Racionalismo x Empirismo
Racionalismo x EmpirismoRacionalismo x Empirismo
Racionalismo x Empirismo
 
Aula 3 - A Razão
Aula 3 - A RazãoAula 3 - A Razão
Aula 3 - A Razão
 
Cap 4 - Filosofia Helenística
Cap 4 - Filosofia HelenísticaCap 4 - Filosofia Helenística
Cap 4 - Filosofia Helenística
 
ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA
 
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e  AristótelesFilosofia 02 - Sócrates, Platão e  Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
 
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de HiponaAula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Razao
RazaoRazao
Razao
 
Aulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platãoAulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platão
 
Filosofia e Mito
Filosofia e MitoFilosofia e Mito
Filosofia e Mito
 
1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento
 
Ideologia
IdeologiaIdeologia
Ideologia
 
Filósofos pré socráticos
Filósofos pré socráticosFilósofos pré socráticos
Filósofos pré socráticos
 
Felicidade 2018
Felicidade 2018Felicidade 2018
Felicidade 2018
 
Mito e Filosofia
Mito e FilosofiaMito e Filosofia
Mito e Filosofia
 
Filosofia e felicidade slide
Filosofia e felicidade slideFilosofia e felicidade slide
Filosofia e felicidade slide
 
Estratificação e Desigualdade Social
Estratificação e Desigualdade SocialEstratificação e Desigualdade Social
Estratificação e Desigualdade Social
 

Semelhante a Razão filosofia

Semelhante a Razão filosofia (20)

Razao
RazaoRazao
Razao
 
Filosofia 24 333
Filosofia 24 333Filosofia 24 333
Filosofia 24 333
 
Unidade 2 razão
Unidade 2   razãoUnidade 2   razão
Unidade 2 razão
 
slides-aula2-CONHECIMENTO CIENTÍFICO E CIÊNCIA (1).pptx
slides-aula2-CONHECIMENTO CIENTÍFICO E CIÊNCIA (1).pptxslides-aula2-CONHECIMENTO CIENTÍFICO E CIÊNCIA (1).pptx
slides-aula2-CONHECIMENTO CIENTÍFICO E CIÊNCIA (1).pptx
 
Filosofia (1)
Filosofia (1)Filosofia (1)
Filosofia (1)
 
Para que serve a filosofia
Para que serve a filosofiaPara que serve a filosofia
Para que serve a filosofia
 
Consciência e verdade
Consciência e verdadeConsciência e verdade
Consciência e verdade
 
Ética
Ética Ética
Ética
 
A razao (1)
A razao (1)A razao (1)
A razao (1)
 
2º anos (Filosofia) Consciência
2º anos (Filosofia) Consciência2º anos (Filosofia) Consciência
2º anos (Filosofia) Consciência
 
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
 
Introdução à fenomenologia
Introdução à fenomenologiaIntrodução à fenomenologia
Introdução à fenomenologia
 
Introdução à fenomenologia prof. felipe pinho
Introdução à fenomenologia prof. felipe pinhoIntrodução à fenomenologia prof. felipe pinho
Introdução à fenomenologia prof. felipe pinho
 
Filosofia, retórica e democracia
Filosofia, retórica e democracia Filosofia, retórica e democracia
Filosofia, retórica e democracia
 
Dicionário de filosofia
Dicionário de filosofiaDicionário de filosofia
Dicionário de filosofia
 
Para Que Filosofia
Para Que FilosofiaPara Que Filosofia
Para Que Filosofia
 
Apostila de filosofia 6o ef - 1o bimestre
Apostila de filosofia   6o ef - 1o bimestreApostila de filosofia   6o ef - 1o bimestre
Apostila de filosofia 6o ef - 1o bimestre
 
Jornal de Filosofia - Versão Papel - nº1
Jornal de Filosofia - Versão Papel - nº1Jornal de Filosofia - Versão Papel - nº1
Jornal de Filosofia - Versão Papel - nº1
 
Passagem do mito à filosofia
Passagem do mito à filosofiaPassagem do mito à filosofia
Passagem do mito à filosofia
 
Pre=soc
Pre=socPre=soc
Pre=soc
 

Mais de Silmara Vedoveli

Continente Europeu todos os aspectos
Continente Europeu todos os aspectosContinente Europeu todos os aspectos
Continente Europeu todos os aspectosSilmara Vedoveli
 
Noções básicas de climatologia
Noções básicas de climatologiaNoções básicas de climatologia
Noções básicas de climatologiaSilmara Vedoveli
 
Noções básicas de geologia cursinho
Noções básicas de geologia   cursinhoNoções básicas de geologia   cursinho
Noções básicas de geologia cursinhoSilmara Vedoveli
 
Regionalização do território brasileiro cursinho
Regionalização do território brasileiro   cursinhoRegionalização do território brasileiro   cursinho
Regionalização do território brasileiro cursinhoSilmara Vedoveli
 
Cartografia: Elementos básicos de cartografia e projeções cartográficas
Cartografia: Elementos básicos de cartografia e projeções cartográficasCartografia: Elementos básicos de cartografia e projeções cartográficas
Cartografia: Elementos básicos de cartografia e projeções cartográficasSilmara Vedoveli
 
Coordenadas geográficas, Fuso Horário do Brasil
Coordenadas geográficas, Fuso Horário do BrasilCoordenadas geográficas, Fuso Horário do Brasil
Coordenadas geográficas, Fuso Horário do BrasilSilmara Vedoveli
 
Módulo 1 – Ordens mundiais
Módulo 1 – Ordens mundiais Módulo 1 – Ordens mundiais
Módulo 1 – Ordens mundiais Silmara Vedoveli
 
Elementos básicos de cartografia aula
Elementos básicos de cartografia   aulaElementos básicos de cartografia   aula
Elementos básicos de cartografia aulaSilmara Vedoveli
 
Delimitação e formação do território brasileiro
Delimitação e formação do território brasileiroDelimitação e formação do território brasileiro
Delimitação e formação do território brasileiroSilmara Vedoveli
 
Urbanização brasileira aulão enem
Urbanização brasileira   aulão enemUrbanização brasileira   aulão enem
Urbanização brasileira aulão enemSilmara Vedoveli
 
O espaço agrário brasileiro aulão enem [salvo automaticamente]
O espaço agrário brasileiro aulão   enem [salvo automaticamente]O espaço agrário brasileiro aulão   enem [salvo automaticamente]
O espaço agrário brasileiro aulão enem [salvo automaticamente]Silmara Vedoveli
 
Globalização Aulão - ENEM
Globalização   Aulão - ENEMGlobalização   Aulão - ENEM
Globalização Aulão - ENEMSilmara Vedoveli
 
Questões Ambientais - ENEM 2016 Maxi Galileu
Questões Ambientais - ENEM 2016 Maxi GalileuQuestões Ambientais - ENEM 2016 Maxi Galileu
Questões Ambientais - ENEM 2016 Maxi GalileuSilmara Vedoveli
 
Conflitos Árabes - Israelenses - aula silmara
Conflitos Árabes - Israelenses - aula silmaraConflitos Árabes - Israelenses - aula silmara
Conflitos Árabes - Israelenses - aula silmaraSilmara Vedoveli
 
A importância da floresta em pé
A importância da floresta em pé   A importância da floresta em pé
A importância da floresta em pé Silmara Vedoveli
 
Educação ambiental e sustentabilidade
Educação ambiental e sustentabilidadeEducação ambiental e sustentabilidade
Educação ambiental e sustentabilidadeSilmara Vedoveli
 
A ocupação existencial do mundo mestradoi seminario
A ocupação existencial do mundo  mestradoi seminarioA ocupação existencial do mundo  mestradoi seminario
A ocupação existencial do mundo mestradoi seminarioSilmara Vedoveli
 

Mais de Silmara Vedoveli (20)

Continente Europeu todos os aspectos
Continente Europeu todos os aspectosContinente Europeu todos os aspectos
Continente Europeu todos os aspectos
 
Tensões e Conflitos
Tensões e ConflitosTensões e Conflitos
Tensões e Conflitos
 
Noções básicas de climatologia
Noções básicas de climatologiaNoções básicas de climatologia
Noções básicas de climatologia
 
Hidrografia do Brasil
Hidrografia do Brasil   Hidrografia do Brasil
Hidrografia do Brasil
 
Noções básicas de geologia cursinho
Noções básicas de geologia   cursinhoNoções básicas de geologia   cursinho
Noções básicas de geologia cursinho
 
Regionalização do território brasileiro cursinho
Regionalização do território brasileiro   cursinhoRegionalização do território brasileiro   cursinho
Regionalização do território brasileiro cursinho
 
Cartografia: Elementos básicos de cartografia e projeções cartográficas
Cartografia: Elementos básicos de cartografia e projeções cartográficasCartografia: Elementos básicos de cartografia e projeções cartográficas
Cartografia: Elementos básicos de cartografia e projeções cartográficas
 
Coordenadas geográficas, Fuso Horário do Brasil
Coordenadas geográficas, Fuso Horário do BrasilCoordenadas geográficas, Fuso Horário do Brasil
Coordenadas geográficas, Fuso Horário do Brasil
 
Módulo 1 – Ordens mundiais
Módulo 1 – Ordens mundiais Módulo 1 – Ordens mundiais
Módulo 1 – Ordens mundiais
 
Elementos básicos de cartografia aula
Elementos básicos de cartografia   aulaElementos básicos de cartografia   aula
Elementos básicos de cartografia aula
 
Delimitação e formação do território brasileiro
Delimitação e formação do território brasileiroDelimitação e formação do território brasileiro
Delimitação e formação do território brasileiro
 
Urbanização brasileira aulão enem
Urbanização brasileira   aulão enemUrbanização brasileira   aulão enem
Urbanização brasileira aulão enem
 
O espaço agrário brasileiro aulão enem [salvo automaticamente]
O espaço agrário brasileiro aulão   enem [salvo automaticamente]O espaço agrário brasileiro aulão   enem [salvo automaticamente]
O espaço agrário brasileiro aulão enem [salvo automaticamente]
 
Globalização Aulão - ENEM
Globalização   Aulão - ENEMGlobalização   Aulão - ENEM
Globalização Aulão - ENEM
 
Questões Ambientais - ENEM 2016 Maxi Galileu
Questões Ambientais - ENEM 2016 Maxi GalileuQuestões Ambientais - ENEM 2016 Maxi Galileu
Questões Ambientais - ENEM 2016 Maxi Galileu
 
Conflitos Árabes - Israelenses - aula silmara
Conflitos Árabes - Israelenses - aula silmaraConflitos Árabes - Israelenses - aula silmara
Conflitos Árabes - Israelenses - aula silmara
 
A importância da floresta em pé
A importância da floresta em pé   A importância da floresta em pé
A importância da floresta em pé
 
Educação ambiental e sustentabilidade
Educação ambiental e sustentabilidadeEducação ambiental e sustentabilidade
Educação ambiental e sustentabilidade
 
A ocupação existencial do mundo mestradoi seminario
A ocupação existencial do mundo  mestradoi seminarioA ocupação existencial do mundo  mestradoi seminario
A ocupação existencial do mundo mestradoi seminario
 
Poluição nuclear
Poluição nuclearPoluição nuclear
Poluição nuclear
 

Último

Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSdjgsantos1981
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...DominiqueFaria2
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 

Último (20)

Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 

Razão filosofia

  • 2. Razão no cotidiano • “Eu estou com a razão.” (sabemos com certeza alguma coisa) • “Alguém perde a razão.” (algo que se pode ter ou não ter, possuir) • “Agora ela está lúcida, recuperou a razão.” (perder ou recuperar)
  • 3. Quando a Filosofia fala sobre a Razão • Se refere aos sentidos:
  • 4. • Alguém é racional quando... • (tem certeza e lucidez sobre o que pensa e diz e sabe o motivo para fazer ou não fazer algo) A contraposição de racional é: Irracional A contraposição a irracional é: Confuso, desordenado, sem seguir as regras normas do pensamento ou da linguagem corretos
  • 5.
  • 7. Emoções sentimentos e paixões – possuem causas e motivos ou são a causa e o motivo pelo qual praticamos uma ação (pensar, dizer, querer.) O pensamento ou conhecimento intelectual é diferente das paixões e dos sentimentos.
  • 8. Razão na ciência É colocada como o “progresso da razão”. Capacidade intelectual para conseguir conhecimento verdadeiro da natureza, da sociedade, da história. (Chauí:2014 p. 69)
  • 9. • Segundo Chauí p. 69 : • “ Ela é também a capacidade de nossa inteligência e de nossa consciência para compreender as emoções e os sentimentos, moderá-los, orientá-los para que não nos prejudiquem nem façam danos aos outros. (...) ela é a consciência ética que guia nossos sentimentos e nossa vontade para o bem.” Razão designa, portanto, as leis do pensamento (intelectual) e as regras da ação refletida (ética)
  • 10. Para alguns filósofos a razão... • Pode conhecer a realidade porque a própria realidade é racional. • Portanto, razão nesse contexto, significa a ação regulada e necessária das próprias coisas. • Razão objetiva: a realidade é racional em si mesma. ( objeto do conhecimento ou realidade é racional) • Razão subjetiva: a razão é uma capacidade intelectual e ética dos seres humanos. (sujeito do conhecimento e da ação é racional)
  • 11. Etimologia da palavra Razão • Origina-se de duas fontes, a latina e a grega, ambas são substantivos derivados de dois verbos. Logos e Ratio • Significam juntas, pensar e falar ordenadamente, com medida e proporção, com clareza e de modo compreensível para os outros.
  • 12. No começo da filosofia a Razão é considerada oposta em relação a algumas atitudes mentais; Conhecimento ilusório – para a razão, a ilusão provém de nossos costumes, de nossos preconceitos, da aceitação imediata das coisas – as ilusões criam opiniões que variam de pessoa a pessoa, sociedade em sociedade. Emoções – segundo a razão são cegos e caóticos – ora dizem sim ora dizem não Crença religiosa – ( a verdade é dada pela fé ), não depende do nosso intelecto – pela razão a verdade e dada pelo intelecto e não pela revelação. Ao êxtase místico (dos santos, dos profetas)- o espírito acredita entrar em contato com o divino e participar dele sem nenhuma intervenção do intelecto – para o contato com o divino é necessário o abandono ao da atividade intelectual – somente pode ser sentido e não explicado.
  • 13. •Desde que a filosofia é filosofia, a razão opera sobre os princípios que ela mesma estabelece e que sempre estão em concordância com a realidade mesmo quando não os conhecemos explicitamente.
  • 14. • Princípio da Identidade: Uma coisa , seja ela qual for, só é conhecida e pensada se for percebida e conservada com sua identidade. A é A O que é, é.
  • 15. • Princípio da não contradição ou contradição: A é A e é impossível que seja e não seja ao mesmo tempo A. (somente ao mesmo tempo e na mesma relação) • Sem ele, o principio da identidade não tem funcionalidade.
  • 16. Há coisas que podem mudar no decorrer do tempo ou durante sua existência
  • 17.
  • 18. •Princípio do terceiro excluído – Ou A é X ou é Y – não há terceira possibilidade. •“Ou este homem é Sócrates ou não é Sócrates” •Princípio da razão suficiente (princípio da causalidade) – Tudo que existe e tudo que acontece tem uma razão. •“nada é sem causa” ou “Tudo tem causa”
  • 19. •Ex: a morte – (a guerra é uma causa necessária e universal da morte de pessoas) porém as guerras não imprevisíveis, dependem de causas particulares •Segundo o principio de razão suficiente: •1 – Se houve Guerra – houve causa; •2 – havendo guerras haverá mortes.
  • 20. Características importantes do princípio da razão • Ausência de conteúdo determinado – como as coisas devem ser pensadas e não quais os conteúdos a serem pensados; • Tem validade universal – onde houver razão haverá princípios verdadeiros (conhecimento) – se aplica nos seres humanos – nas coisas – nos fatos. • São necessários e indispensáveis para o pensamento, para as coisas, os fatos e os acontecimentos – não podemos pensar sem racionalmente sem eles