éTica aristotélica

1.666 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.666
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
65
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

éTica aristotélica

  1. 1. ÉTICA ARISTOTÉLICA • DISCENTE: João Santana Maciel • DOCENTE: Josimar Pedro
  2. 2. Aristóteles • Filósofo Grego, nasceu na Macedônia em 384 a.C. • Foi discípulo de Platão.
  3. 3. • O que é ética? • Ética é o conjunto de valores e princípios onde nos usamos para decidir três grandes questões da vida. • Quero; • Devo; • Posso;
  4. 4. SUA FINALIDADE É A FELICIDADE (eudaimonia) REALIZA-SE POR DECISÕES INDIVIDUAIS QUE INCLUEM OS OUTROS ÉTICA aristotélica RELIZAÇÃO DE VIRTUDES MORAIS E DIANOÉTICAS BUSCA O CAMINHO DO JUSTO MEIO
  5. 5. Aristóteles • A eudemonia é a doutrina que consiste a busca de uma vida feliz. • Ética de Aristóteles eudemonia, ou seja a finalidade da ética era descobrir o bem absoluto. E contemplar a verdade e aderir a ela, Seguindo o principio de ir em busca da felicidade.
  6. 6. Mas como se chega à felicidade? • Através dos hábitos ou disposições humanas (exercícios). • Quero; • Posso; • Devo;
  7. 7. • Para obter a felicidade, segundo Aristóteles, devemos desenvolver e exercer nossas capacidades no interior do convívio social.
  8. 8. FELICIDADE (EUDEMONIA) coincide com o prazer decorrente da plena realização das virtudes inerentes à natureza humana quando há coincidência entre DESEJO e CONHECIMENTO
  9. 9. • Aristóteles acredita que a virtude é um ponto intermediário entre dois extremos os quais, constituem o defeitos de caráter. • Exemplos: a coragem fica entre a imprudência e a covardia.
  10. 10. Virtudes • Se divide em duas; • Dianoéticas ou intelectuais. • E éticas ou morais.
  11. 11. Virtudes Dianoéticas ou intelectuais • As virtudes intelectuais são o resultado do ensino, e por isso precisam de experiência e tempo. • A prudência que leva o homem a reconhecer os meios e os caminhos justos que conduzem ao bem.
  12. 12. PRUDÊNCIA resultado do desenvolvimento da capacidade teórica do intelecto (por ela o homem busca a verdade, os fundamentos) VIRTUDES DIANOÉTICAS (ligadas ao conhecimento)
  13. 13. PRUDÊNCIA leva o homem a saber aplicar corretamente os seus conhecimentos aos acontecimentos da vida; VIRTUDES DIANOÉTICAS (ligadas ao conhecimento)
  14. 14. PRUDÊNCIA capacidade de escolher os meios disponíveis numa situação dada para realizar o fim que se propõe VIRTUDES DIANOÉTICAS (ligadas ao conhecimento)
  15. 15. Virtudes ética e moral • as virtudes morais são adquiridas em resultado do hábito, elas não surgem em nós por natureza, mas as adquirimos pelo exercício, como acontece com as artes.
  16. 16. Virtudes morais • A coragem é meio-termo em relação ao sentimento de medo e de confiança. • A temperança é o meio-termo em relação aos prazeres e dores. • etc.
  17. 17. • Consiste no justo-meio que evita o excessos, ela esta entre dois vícios extremos viver bem, ou bem viver (equilíbrio).
  18. 18. Resultam não do máximo desenvolvimento da capacidade de desejar, mas do seu controle por meio da “justa medida”, “meio-termo” BUSCA DO JUSTO MEIO HÁBITO VIRTUDES MORAIS (ligadas aos desejos e sentimentos)
  19. 19. BUSCA DO JUSTO MEIO HÁBITO (pode ser adquirido por educação e treinamento) as ações virtuosas geram disposição para a virtude e esta, por sua vez, será a causa dos atos virtuosos VIRTUDES MORAIS (ligadas aos desejos e sentimentos)
  20. 20. Conclusões: • Aristóteles afirma a necessidade da responsabilidade para uma ação ser considerada como moralmente válida. • Não há moralidade em uma ação irresponsável, ou naquela em que o sujeito não agiu com pleno conhecimento. • as virtudes intelectuais são as melhores, porque a melhor parte do homem é aquela que concebe um princípio racional.
  21. 21. • Feliz é aquele que vive as virtudes dentro da “pólis”. É aquele que vive uma vida intelectual, sendo capaz de dirigir bem a vida, deliberando de modo correto o que é bem ou mal para si. • Há uma medida para todas as ações humanas, que é o justo-meio.
  22. 22. Bibliografia • Ética geral e profissional / José Renato Nalini. 8 ed.rev., atual. E ampl- São Paulo: editora revistas dos tribunais, 2011. • http://www.ufsm.br/gpforma/2senafe/PDF/06 9e4.pdf. • http://ministeriorazaoefe.webnode.com.br/pr oducts/etica-e-felicidade-em-aristoteles1/.

×