AÇÕES EDUCACIONAIS DE PROMOÇÃO À COMPETÊNCIA EM INFORMAÇÃO Elisabeth Adriana Dudziak Curso de capacitação de bibliotecário...
<ul><li>O maior êxito de um programa de desenvolvimento das competências em informação depende do compromisso no âmbito in...
<ul><li>1 – O bibliotecário deve ser um campeão da causa </li></ul><ul><li>2 – O centro do processo é o aluno </li></ul><u...
<ul><li>6 - A inserção no projeto pedagógico </li></ul><ul><li>7 – Definição clara de objetivos e metas </li></ul><ul><li>...
PROGRAMA DE COMPETÊNCIA EM INFORMAÇÃO <ul><li>É uma Declaração que apresenta: </li></ul><ul><li>Definição de competência e...
AÇÕES EDUCATIVAS - MODALIDADES  <ul><li>Genérica – ações voluntárias, extra-curriculares, independentes. </li></ul><ul><li...
INICIATIVAS <ul><li>Palestras   e conferências   </li></ul><ul><li>Parceria com docentes  </li></ul><ul><li>Mediação pedag...
PARCERIAS COM OS PROFESSORES <ul><li>Sempre que possível, o bibliotecário deve procurar formar parcerias com os docentes e...
TENHA OS PROFESSORES DO SEU LADO <ul><li>É importante destacar que o bibliotecário jamais substituirá o professor e nem é ...
APROVEITE AS OPORTUNIDADES DE REFORÇO <ul><li>Muitas vezes, as atividades desenvolvidas em classe são insuficientes para a...
ORIENTE E APÓIE ATIVAMENTE SEUS ALUNOS <ul><li>Oriente e apóie ativamente seus alunos.  </li></ul><ul><li>Sempre que possí...
ESTEJA PREPARADO (A) <ul><li>Elabore os conteúdos (cognitivos, procedimentais e atitudinais) a serem ministrados, de acord...
 
ELABORANDO UM PLANO DE AULA
1º. PASSO: DEFINIR O TEMA DA AULA <ul><li>O tema a ser dado em uma aula ou parte de uma aula, deve estar coordenado com o ...
2º. PASSO: DEFINIR O(S) OBJETIVO(S) <ul><li>Os objetivos sempre são definidos a partir de verbos.  </li></ul><ul><li>Tradu...
3º. PASSO: DEFINIR OS CONTEÚDOS DE APRENDIZAGEM <ul><li>O bibliotecário deve estar atento ao aprendizado holístico de seus...
 
APRENDIZADO SIGNIFICATIVO  <ul><li>Além dos conteúdos de aprendizagem, é necessário que o tema e as atividades sejam signi...
4º. PASSO: REUNIR MATERIAIS E TEXTOS <ul><li>De acordo com os objetivos, os materiais e textos que servirão de base à aula...
5º. PASSO: CRIAR UMA ESTRATÉGIA QUE CONDUZA AOS OBJETIVOS <ul><li>A estratégia (ou metodologia) e os recursos didáticos a ...
ESTRATÉGIAS  <ul><li>A estratégia que proporciona o aprendizado efetivo é aquela que requer uma participação ativa do apre...
6º. PASSO: ORGANIZAR A SEQUÊNCIA DAS ATIVIDADES <ul><li>Toda aula deve ter uma parte introdutória, seu desenvolvimento e u...
7º. PASSO: AVALIAR OS RESULTADOS <ul><li>Avaliar se os objetivos foram alcançados demanda a verificação do aprendizado, qu...
ESTILOS DE APRENDIZAGEM <ul><li>Um  Estilo de Aprendizagem  é a maneira como a pessoa assimila informações, o método que u...
 
ESTILOS DE APRENDIZAGEM <ul><li>visual : aprendizagem centrada na visualização </li></ul><ul><li>auditivo : centrada na au...
4  PRINCÍPIOS EXPLICATIVOS DO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM: <ul><li>motivação  (a partir da motivação intrínseca e de r...
APRENDIZAGEM PELA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS <ul><li>Utilizando problemas reais, os alunos aprendem buscando soluções, a parti...
EXEMPLO DE ENUNCIADO  <ul><li>Problema: </li></ul><ul><li>Quais as  possíveis ações práticas que os bibliotecários podem r...
 
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ações educacionais de promoção à competência em informação

3.254 visualizações

Publicada em

Material complementar ao Curso de capacitação de bibliotecários como promotores da competência em informação - 2009 - Trianing The Trainers in Information Literacy - IFLA UNESCO

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.254
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
856
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ações educacionais de promoção à competência em informação

  1. 1. AÇÕES EDUCACIONAIS DE PROMOÇÃO À COMPETÊNCIA EM INFORMAÇÃO Elisabeth Adriana Dudziak Curso de capacitação de bibliotecários como agentes de promoção à competência em informação
  2. 2. <ul><li>O maior êxito de um programa de desenvolvimento das competências em informação depende do compromisso no âmbito institucional. </li></ul><ul><li>Envolva todos os grupos relevantes em seu processo de planejamento: sua equipe de bibliotecários, professores e membros da faculdade, administradores e aqueles que tomarão a decisão final para o programa. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>1 – O bibliotecário deve ser um campeão da causa </li></ul><ul><li>2 – O centro do processo é o aluno </li></ul><ul><li>3 – O bibliotecário deve ser um agente educacional </li></ul><ul><li>4 – É preciso haver cooperação entre docentes e bibliotecários </li></ul><ul><li>5 – A cultura do livre acesso à informação deve ser enfatizada </li></ul>
  4. 4. <ul><li>6 - A inserção no projeto pedagógico </li></ul><ul><li>7 – Definição clara de objetivos e metas </li></ul><ul><li>8 – Planejamento é essencial </li></ul><ul><li>9 - A Transdisciplinaridade e o Currículo Integrado como marcos para a competência em informação </li></ul><ul><li>10 – Incorporar diferentes espaços de aprendizagem </li></ul><ul><li>11 - As melhores práticas se constroem no decorrer do processo. </li></ul><ul><li>12 – Avaliação constante e controle do processo </li></ul>
  5. 5. PROGRAMA DE COMPETÊNCIA EM INFORMAÇÃO <ul><li>É uma Declaração que apresenta: </li></ul><ul><li>Definição de competência em informação </li></ul><ul><li>Missão (metas e papéis essenciais) </li></ul><ul><li>Visão (o que o programa busca alcançar no futuro – 3 a 5 anos) </li></ul><ul><li>Justificativa (razões, necessidades e benefícios de criar um programa) </li></ul><ul><li>Principais ações programadas </li></ul>
  6. 6. AÇÕES EDUCATIVAS - MODALIDADES <ul><li>Genérica – ações voluntárias, extra-curriculares, independentes. </li></ul><ul><li>Paralela – atividades complementares às disciplinas / cursos específicos. </li></ul><ul><li>Integrada – atividades que são parte integrante do currículo/curso/disciplinas (como parte das aulas ou dos trabalhos). </li></ul>
  7. 7. INICIATIVAS <ul><li>Palestras e conferências </li></ul><ul><li>Parceria com docentes </li></ul><ul><li>Mediação pedagógica um a um </li></ul><ul><li>Mediação pedagógica para pequenos grupos </li></ul><ul><li>Tutoriais e cursos online (educação à distância) </li></ul><ul><li>Portfólios dos alunos </li></ul><ul><li>Preparação de exposições e eventos </li></ul><ul><li>Interatividade na biblioteca – dinâmicas de grupos </li></ul>
  8. 8. PARCERIAS COM OS PROFESSORES <ul><li>Sempre que possível, o bibliotecário deve procurar formar parcerias com os docentes e administradores, a fim de inserir a competência em informação no currículo. </li></ul><ul><li>Palestras e participações especiais são importantes, mas menos efetivas na hora de modificar hábitos e inserir novas práticas, tanto para docentes quanto alunos. </li></ul><ul><li>O ideal é incluir a competência em informação ao final de cada módulo das disciplinas, integrando a competência informacional ao aprendizado em áreas específicas e especializadas de conhecimento, tendo como foco a produção de trabalhos e realização de projetos. </li></ul>
  9. 9. TENHA OS PROFESSORES DO SEU LADO <ul><li>É importante destacar que o bibliotecário jamais substituirá o professor e nem é este seu propósito. </li></ul><ul><li>O ideal é somar esforços, utilizando o melhor de cada parceiro. Em geral, caberá ao bibliotecário contribuir nas atividades de pesquisa, leitura, organização de informações, redação de trabalhos, conscientização dos direitos autorais e apresentação de resultados. </li></ul><ul><li>Estas atividades podem e devem ser customizadas para cada disciplina e área de conhecimento. </li></ul>
  10. 10. APROVEITE AS OPORTUNIDADES DE REFORÇO <ul><li>Muitas vezes, as atividades desenvolvidas em classe são insuficientes para a sedimentação dos conteúdos. </li></ul><ul><li>O bibliotecário deve estar atento aos seus alunos, acompanhando seu desenvolvimento pessoal e acadêmico. </li></ul><ul><li>Sempre que possível, deve convidá-los a freqüentar a biblioteca, seja participando em eventos específicos, seja incorporando a ida à biblioteca às suas atividades diárias. </li></ul>
  11. 11. ORIENTE E APÓIE ATIVAMENTE SEUS ALUNOS <ul><li>Oriente e apóie ativamente seus alunos. </li></ul><ul><li>Sempre que possível, esteja disponível para orientações particulares, pois muitos estudantes podem ter dificuldade em admitir ou expressar suas necessidades. </li></ul><ul><li>O bibliotecário é aquela pessoa confiável e discreta, companheiro em todas as horas, que dá o suporte necessário. </li></ul>
  12. 12. ESTEJA PREPARADO (A) <ul><li>Elabore os conteúdos (cognitivos, procedimentais e atitudinais) a serem ministrados, de acordo com os objetivos, não só dos programas curriculares, como também sua inserção e fluxo em cada disciplina e em cada aula, se possível. </li></ul><ul><li>Trata-se de estar bem preparado para a ação, que pode acontecer a qualquer momento. Para tanto, a elaboração de planos de aula e atividades específicas é essencial, como veremos no próximo capítulo. </li></ul>
  13. 14. ELABORANDO UM PLANO DE AULA
  14. 15. 1º. PASSO: DEFINIR O TEMA DA AULA <ul><li>O tema a ser dado em uma aula ou parte de uma aula, deve estar coordenado com o programa da disciplina. </li></ul>
  15. 16. 2º. PASSO: DEFINIR O(S) OBJETIVO(S) <ul><li>Os objetivos sempre são definidos a partir de verbos. </li></ul><ul><li>Traduzem as competências a serem desenvolvidas pelos alunos. </li></ul><ul><li>Os objetivos devem ser redigidos de modo a possibilitar a verificação do aprendizado ao término da aula. </li></ul><ul><li>Portanto, é preciso dedicar especial atenção a este passo, a fim de elaborar objetivos que realmente possam ser verificados e que tenham relação direta com os conteúdos de aprendizagem definidos. </li></ul>
  16. 17. 3º. PASSO: DEFINIR OS CONTEÚDOS DE APRENDIZAGEM <ul><li>O bibliotecário deve estar atento ao aprendizado holístico de seus alunos. Para tanto, é necessário trabalhar conteúdos cognitivos, procedimentais e atitudinais, conforme Quadro abaixo de Zabala (1990): </li></ul>
  17. 19. APRENDIZADO SIGNIFICATIVO <ul><li>Além dos conteúdos de aprendizagem, é necessário que o tema e as atividades sejam significativos para os alunos, ou seja, que sejam relevantes para os estudantes. </li></ul><ul><li>Com base na orientação construtivista, o aprendizado só é possível quando ocorre um processo deliberado de apreensão de uma nova informação à estrutura cognitiva pré-existente. </li></ul><ul><li>Para que se opere uma mudança no aprendiz (o aprendizado), essa informação deve fazer sentido para ser incorporada. </li></ul>
  18. 20. 4º. PASSO: REUNIR MATERIAIS E TEXTOS <ul><li>De acordo com os objetivos, os materiais e textos que servirão de base à aula deverão ser selecionados e revisados. </li></ul><ul><li>É importante manter o foco nos objetivos, a fim de ater-se ao conteúdo. </li></ul>
  19. 21. 5º. PASSO: CRIAR UMA ESTRATÉGIA QUE CONDUZA AOS OBJETIVOS <ul><li>A estratégia (ou metodologia) e os recursos didáticos a serem utilizados em aula devem levar em conta as características dos estudantes (idade, curso, interesses, motivações, horário), e o aprendizado ativo. </li></ul>
  20. 22. ESTRATÉGIAS <ul><li>A estratégia que proporciona o aprendizado efetivo é aquela que requer uma participação ativa do aprendiz. </li></ul><ul><li>De início, é necessário incluir o aluno na decisão dos conteúdos a serem abordados, abrindo-se às sugestões e obtendo sua concordância. </li></ul><ul><li>A partir daí, estabelece-se um compromisso entre as partes, de modo que o aluno é co-autor do processo. Isto garante seu envolvimento e participação. </li></ul>
  21. 23. 6º. PASSO: ORGANIZAR A SEQUÊNCIA DAS ATIVIDADES <ul><li>Toda aula deve ter uma parte introdutória, seu desenvolvimento e um fechamento. </li></ul><ul><li>Perceber a utilidade do assunto, de aplicação prática na vida, o envolvimento emocional do bibliotecário, são aspectos que motivam os alunos e promovem seu real envolvimento nas atividades. </li></ul>
  22. 24. 7º. PASSO: AVALIAR OS RESULTADOS <ul><li>Avaliar se os objetivos foram alcançados demanda a verificação do aprendizado, que pode dar-se a partir da entrega de trabalhos, testes, auto-avaliações ou ainda, observação dos alunos durante o processo. </li></ul><ul><li>O bibliotecário também deve fazer uma reflexão sobre seu desempenho (confiança, organização, criatividade, interesse, flexibilidade são aspectos a serem considerados). </li></ul>
  23. 25. ESTILOS DE APRENDIZAGEM <ul><li>Um Estilo de Aprendizagem é a maneira como a pessoa assimila informações, o método que uma pessoa usa para construir conhecimento. </li></ul><ul><li>Cada indivíduo aprende do seu modo pessoal e único. </li></ul>
  24. 27. ESTILOS DE APRENDIZAGEM <ul><li>visual : aprendizagem centrada na visualização </li></ul><ul><li>auditivo : centrada na audição </li></ul><ul><li>sinestésico : aprendizagem através do fazer </li></ul>
  25. 28. 4 PRINCÍPIOS EXPLICATIVOS DO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM: <ul><li>motivação (a partir da motivação intrínseca e de reforço); </li></ul><ul><li>estrutura (organização e ordenamento da informação); </li></ul><ul><li>sequência (visando a melhor compreensão); </li></ul><ul><li>reforço (feedback da ação). </li></ul>
  26. 29. APRENDIZAGEM PELA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS <ul><li>Utilizando problemas reais, os alunos aprendem buscando soluções, a partir da organização de informações, compreensão de enunciados, análise crítica de situações e das consequências da tomada de decisão (escolhas). </li></ul><ul><li>Os problemas não devem servir para testar competências e sim para possibilitar o desenvolvimento das estruturas cognitivas, afetivas e motoras. </li></ul>
  27. 30. EXEMPLO DE ENUNCIADO <ul><li>Problema: </li></ul><ul><li>Quais as possíveis ações práticas que os bibliotecários podem realizar para promover a competência informacional científica na USP Campus Butantã? </li></ul>

×