SlideShare uma empresa Scribd logo
Secretaria Municipal
de Educação
Departamento Técnico Pedagógico
BNCC COM FOCO
EM SEQUÊNCIA
DIDÁTICA
Às vezes para construir, você deve
desconstruir. Não destruir.
Desconstrução não é destruição. É
reconstrução.
Crow Spike
CONHECENDO AS PEÇAS QUE FORMAM
O TODO DESTA ESCOLA
A Base Nacional Comum Curricular é um
documento normativo para as redes de
ensino e suas instituições públicas e
privadas, referência obrigatória para
elaboração dos currículos escolares e
propostas pedagógicas para o ensino
infantil, ensino fundamental e ensino
médio no Brasil.
A POSTURA DO PROFESSOR DIANTE DA BNCC
É preciso adotar a postura do professor 2.0
O professor 2.0 estimula a participação e a
interação dos alunos durante as aulas, utiliza
recursos e linguagens digitais disponíveis
para enriquecer a prática pedagógica e
compreende o aluno como protagonista do
processo de ensino e aprendizagem.
Professor tradicional Professor 2.0
Só dá aulas expositivas.
Estimula a participação e a
interação.
Utiliza somente o material
impresso.
Além do material impresso,
também utiliza recursos e
linguagens digitais.
Trata os alunos como
receptores passivos do
conteúdo.
Considera os alunos como
protagonistas do processo de
ensino e aprendizagem.
Se não evoluir, o professor tradicional terá dificuldades para se adaptar às
mudanças educacionais (como as propostas pela BNCC), enquanto
o professor 2.0 vai prosperar muito neste novo cenário.
O professor 2.0 tem um papel essencial na nova BNCC. Ele vai utilizar os
recursos tecnológicos para se conectar às formas de comunicação e
expressão particulares das novas gerações, desenvolvendo competências
e habilidades atuais, que contribuem na criação de uma nova realidade
educacional.
Diante disso é preciso rever vários aspectos
que tangem à prática educativa.
• Formação continuada;
• Diagnóstico;
• Organização do trabalho pedagógico;
• Avaliação.
Organização do trabalho
pedagógico
• Projetos pedagógicos;
• Sequência didática;
• Atividades permanentes.
SEQUÊNCIA DIDÁTICA
Sequência didática é um termo em educação para
definir um procedimento encadeado de passos, ou
etapas ligadas entre si para tornar mais eficiente o
processo de aprendizado.
Essa estratégia também conversa com os
princípios da BNCC sobre a progressão do
conhecimento, a partir de proposição de atividades
diversificadas e que tornem-se cada vez mais
desafiadoras e complexas.
COMO E ONDE SURGIU O TERMO?
O termo sequência didática surgiu na França, em meados dos anos
1980, nos programas escolares oficiais de todos os níveis e séries. Fazia
parte de uma tentativa do Governo Francês em promover um ensino
“descompartimentalizado” (o temo francês para isso é
“décloisonnement”). Ou seja: no ensino da língua materna, era costume
segmentar os conteúdos, ensinando-os de forma “compartimentalizada”:
ortografia, classes gramaticais, sintaxe, etc. A sequência didática foi uma
tentativa de reverter esse modelo de ensino e planejada para ser um
procedimento que permitiria ensinar todos esses conteúdos de forma
integrada, para atingir um objetivo único (por exemplo, produzir um
texto no gênero receita culinária).
Sequência didática: o que é?
Organizado em
passos ou etapas
Viabiliza estudo e
aprofundamento
Planejado pelo
professor
Garante propósito
para escrita
Permite
interdisciplinaridade
Procedimento de
ensino
Sequência didática: por quê?
O planejamento da SD permite:
 Escolher temáticas relevantes para a vida das
crianças;
 Valorizar os conhecimentos prévios dos alunos;
 Estimular a reflexão e a promoção de situações de
interação propícias às aprendizagens;
 Favorecer a sistematização dos conhecimentos;
 Diversificar estratégias didáticas.
Analisar as
marcas do
gênero
Buscar
informações
sobre o tema
Ao planejar a sequência didática é importante conhecer
as etapas pelas quais passa o aluno na construção do
conhecimento a respeito de qualquer objeto de estudo.
TAXONOMIA DE BLOOM
SEQUÊNCIA Pré 1
SEQUÊNCIA Pré 2
ATIVIDADE ELABORADA SEGUNDO UMA
SEQUÊNCIA DIDÁTICA ....
• A sequência didática é uma estratégia
educacional que busca ajudar os alunos a
resolverem uma ou mais dificuldades reais
sobre um tema específico. Seu resultado
vem a partir da construção e acumulação
de conhecimento sobre o assunto em
questão, obtido por meio do planejamento e
execução, ao longo de um período de
tempo, de várias atividades que conversam
entre si.
O diferencial da sequência didática
enquanto estratégia de melhoria do
aprendizado dos estudantes é que as
atividades são elaboradas e desenvolvidas
seguindo uma lógica sequencial de
compartilhamento e evolução do
conhecimento.
Com essa estratégia, os professores esperam
dar mais sentido ao seu processo de ensino e,
ao mesmo tempo, aumentar o engajamento
dos alunos nas atividades pedagógicas, e, com
isso, otimizando o seu aprendizado.
Como definir o tema da
sequência didática?
As sequências sempre são parte de um
planejamento didático maior, em que você
coloca o que espera dos estudantes ao
longo do ano. A escolha dos temas de cada
proposta não pode ser aleatória.
O que levar em conta na sondagem
inicial?
A sondagem é fundamental a todo o trabalho
por ser o momento em que são levantados os
conhecimentos da turma. Muitas vezes, os
professores acham que perguntar "o que vocês
sabem sobre..." é suficiente para ter respostas,
mas não é bem assim. Essa etapa inicial já
configura uma situação de aprendizagem e
precisa ser bem planejada.
Como estabelecer objetos do
conhecimento, habilidades e objetivos
Conteúdo é o que você vai ensinar e objetivo
o que espera que as crianças aprendam. Se,
por exemplo, sua proposta for trabalhar com
a leitura de poemas, precisa parar e pensar
o que especificamente quer que a turma
saiba após terminar a sequência.
Que critérios utilizar para
encadear as etapas?
Quando você pensa nas ações de uma
sequência didática, já tem na cabeça uma
primeira ideia de ordem lógica para colocá-
las. Para que essa organização dê resultado,
lembre-se de pensar em quais
conhecimentos a classe precisa para passar
de uma atividade para a seguinte
(considerando sempre que os alunos têm
necessidades de aprendizagem diversas).
Como estimar o tempo que
dura uma sequência?
A resposta a essa pergunta não está
relacionada à quantidade de tarefas que
você vai propor, mas à complexidade dos
conteúdos e objetivos que tem em mente.
Para saber a duração de uma sequência,
leve em conta o que determinou que os
alunos aprendam e quanto isso vai
demorar.
• No curso de cada sequência se incluem atividades
coletivas, grupais e individuais. Cada uma funciona
melhor para uma intenção específica. Você propõe
uma atividade no coletivo quando quer estabelecer
modelos de comportamentos e procedimentos.
Qual a melhor forma de organizar a
turma?
Ao participar de um grupo e trocar com os
colegas, a criança tem aprendizados que são
úteis quando ela for trabalhar sozinha. Já uma
atividade em dupla é interessante quando quiser
que o aluno tenha uma interação mais focada,
apresentando suas hipóteses e confrontando-as
com o outro. As propostas individuais, por sua
vez, permitem à criança pôr em xeque os
conhecimentos que construiu. Essas
organizações são critérios didáticos que
precisam ser pensados com base nos objetivos
da cada etapa e nas características da classe.
Como avaliar o que a turma
aprendeu?
A avaliação pode ser feita de diferentes formas. A
pergunta principal que você tem de responder, ao
final de uma sequência, é se os alunos avançaram
de um estado de menor para um de maior
conhecimento sobre o que foi ensinado.
Para isso, vale registrar os progressos de
cada estudante, observando como ele se sai
nas atividades, desde a sondagem inicial -
que já é uma situação de aprendizagem - até
a etapa final. Ao analisar esses registros, fica
fácil entender quais foram os avanços dos
alunos.
A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizagem, pois ela auxilia o docente a desenvolver métodos que favoreça o desenvolvimento de habilidades cognoscitivas tornando mais fácil o processo de aprendizagem dos indivíduos.
A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizagem, pois ela auxilia o docente a desenvolver métodos que favoreça o desenvolvimento de habilidades cognoscitivas tornando mais fácil o processo de aprendizagem dos indivíduos.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizagem, pois ela auxilia o docente a desenvolver métodos que favoreça o desenvolvimento de habilidades cognoscitivas tornando mais fácil o processo de aprendizagem dos indivíduos.

Projetos didáticos
Projetos didáticosProjetos didáticos
Projetos didáticos
Taty Nunes da Rocha
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
Arivaldom
 
A atuação do coordenador pedagógico
A atuação do coordenador pedagógicoA atuação do coordenador pedagógico
A atuação do coordenador pedagógico
Ivaneide B S
 
Cartilha do tutor
Cartilha do tutorCartilha do tutor
Cartilha do tutor
Katia Ampare-se Amparando
 
Conteúdos sobre a disciplina de orientação de estudos
Conteúdos sobre a disciplina de orientação de estudosConteúdos sobre a disciplina de orientação de estudos
Conteúdos sobre a disciplina de orientação de estudos
AnaClaudia252604
 
Cap. 4- Organização do trabalho educacional.pptx
Cap. 4- Organização do trabalho educacional.pptxCap. 4- Organização do trabalho educacional.pptx
Cap. 4- Organização do trabalho educacional.pptx
DouglasRicardodeAssi
 
PPT_Orientação da diversificada 01.ppt
PPT_Orientação da diversificada 01.pptPPT_Orientação da diversificada 01.ppt
PPT_Orientação da diversificada 01.ppt
Tati Borlote Varanda
 
slide_11Tipos de metodologias ativas.pptx
slide_11Tipos de metodologias ativas.pptxslide_11Tipos de metodologias ativas.pptx
slide_11Tipos de metodologias ativas.pptx
Danillo Silva Guimarães
 
Apresentação 2 planejamento
Apresentação 2   planejamentoApresentação 2   planejamento
Apresentação 2 planejamento
Lídia Lourinho
 
5ºATPC de Linguagens - Planejando as Aulas.pptx
5ºATPC de Linguagens - Planejando as Aulas.pptx5ºATPC de Linguagens - Planejando as Aulas.pptx
5ºATPC de Linguagens - Planejando as Aulas.pptx
MatheusSimoesMasuoka1
 
Os projetos didáticos
Os projetos didáticosOs projetos didáticos
Os projetos didáticos
sorente
 
ot_-formao-pca.pptxebebebebebdbdbebrbddbdb
ot_-formao-pca.pptxebebebebebdbdbebrbddbdbot_-formao-pca.pptxebebebebebdbdbebrbddbdb
ot_-formao-pca.pptxebebebebebdbdbebrbddbdb
DanielTuber
 
Os caminhos para a formação de professores
Os caminhos para a formação de professoresOs caminhos para a formação de professores
Os caminhos para a formação de professores
Gelson Rocha
 
2.a função da tutoria na ead
2.a função da tutoria na ead2.a função da tutoria na ead
2.a função da tutoria na ead
Gêrlan Cardoso da Silva
 
Unidade seis
Unidade seisUnidade seis
Unidade seis
Andreá Perez Leinat
 
didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3
jairdeoliveirajunior
 
Orientações matemática para planejamento escolar de Matemática
Orientações matemática para planejamento escolar de MatemáticaOrientações matemática para planejamento escolar de Matemática
Orientações matemática para planejamento escolar de Matemática
SEDUC-TO
 
9. as formas de planejar do professor
9. as formas de planejar do professor9. as formas de planejar do professor
9. as formas de planejar do professor
Claudio Lima
 
Capítulo 7 e 8
Capítulo 7 e 8Capítulo 7 e 8
Capítulo 7 e 8
Deb789
 
Ensino com pesquisa
Ensino com pesquisaEnsino com pesquisa

Semelhante a A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizagem, pois ela auxilia o docente a desenvolver métodos que favoreça o desenvolvimento de habilidades cognoscitivas tornando mais fácil o processo de aprendizagem dos indivíduos. (20)

Projetos didáticos
Projetos didáticosProjetos didáticos
Projetos didáticos
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
A atuação do coordenador pedagógico
A atuação do coordenador pedagógicoA atuação do coordenador pedagógico
A atuação do coordenador pedagógico
 
Cartilha do tutor
Cartilha do tutorCartilha do tutor
Cartilha do tutor
 
Conteúdos sobre a disciplina de orientação de estudos
Conteúdos sobre a disciplina de orientação de estudosConteúdos sobre a disciplina de orientação de estudos
Conteúdos sobre a disciplina de orientação de estudos
 
Cap. 4- Organização do trabalho educacional.pptx
Cap. 4- Organização do trabalho educacional.pptxCap. 4- Organização do trabalho educacional.pptx
Cap. 4- Organização do trabalho educacional.pptx
 
PPT_Orientação da diversificada 01.ppt
PPT_Orientação da diversificada 01.pptPPT_Orientação da diversificada 01.ppt
PPT_Orientação da diversificada 01.ppt
 
slide_11Tipos de metodologias ativas.pptx
slide_11Tipos de metodologias ativas.pptxslide_11Tipos de metodologias ativas.pptx
slide_11Tipos de metodologias ativas.pptx
 
Apresentação 2 planejamento
Apresentação 2   planejamentoApresentação 2   planejamento
Apresentação 2 planejamento
 
5ºATPC de Linguagens - Planejando as Aulas.pptx
5ºATPC de Linguagens - Planejando as Aulas.pptx5ºATPC de Linguagens - Planejando as Aulas.pptx
5ºATPC de Linguagens - Planejando as Aulas.pptx
 
Os projetos didáticos
Os projetos didáticosOs projetos didáticos
Os projetos didáticos
 
ot_-formao-pca.pptxebebebebebdbdbebrbddbdb
ot_-formao-pca.pptxebebebebebdbdbebrbddbdbot_-formao-pca.pptxebebebebebdbdbebrbddbdb
ot_-formao-pca.pptxebebebebebdbdbebrbddbdb
 
Os caminhos para a formação de professores
Os caminhos para a formação de professoresOs caminhos para a formação de professores
Os caminhos para a formação de professores
 
2.a função da tutoria na ead
2.a função da tutoria na ead2.a função da tutoria na ead
2.a função da tutoria na ead
 
Unidade seis
Unidade seisUnidade seis
Unidade seis
 
didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3
 
Orientações matemática para planejamento escolar de Matemática
Orientações matemática para planejamento escolar de MatemáticaOrientações matemática para planejamento escolar de Matemática
Orientações matemática para planejamento escolar de Matemática
 
9. as formas de planejar do professor
9. as formas de planejar do professor9. as formas de planejar do professor
9. as formas de planejar do professor
 
Capítulo 7 e 8
Capítulo 7 e 8Capítulo 7 e 8
Capítulo 7 e 8
 
Ensino com pesquisa
Ensino com pesquisaEnsino com pesquisa
Ensino com pesquisa
 

Último

Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
Deiciane Chaves
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Pastor Robson Colaço
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 

Último (20)

Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 

A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizagem, pois ela auxilia o docente a desenvolver métodos que favoreça o desenvolvimento de habilidades cognoscitivas tornando mais fácil o processo de aprendizagem dos indivíduos.

  • 1. Secretaria Municipal de Educação Departamento Técnico Pedagógico BNCC COM FOCO EM SEQUÊNCIA DIDÁTICA
  • 2. Às vezes para construir, você deve desconstruir. Não destruir. Desconstrução não é destruição. É reconstrução. Crow Spike
  • 3. CONHECENDO AS PEÇAS QUE FORMAM O TODO DESTA ESCOLA
  • 4. A Base Nacional Comum Curricular é um documento normativo para as redes de ensino e suas instituições públicas e privadas, referência obrigatória para elaboração dos currículos escolares e propostas pedagógicas para o ensino infantil, ensino fundamental e ensino médio no Brasil.
  • 5.
  • 6.
  • 7. A POSTURA DO PROFESSOR DIANTE DA BNCC É preciso adotar a postura do professor 2.0 O professor 2.0 estimula a participação e a interação dos alunos durante as aulas, utiliza recursos e linguagens digitais disponíveis para enriquecer a prática pedagógica e compreende o aluno como protagonista do processo de ensino e aprendizagem.
  • 8. Professor tradicional Professor 2.0 Só dá aulas expositivas. Estimula a participação e a interação. Utiliza somente o material impresso. Além do material impresso, também utiliza recursos e linguagens digitais. Trata os alunos como receptores passivos do conteúdo. Considera os alunos como protagonistas do processo de ensino e aprendizagem. Se não evoluir, o professor tradicional terá dificuldades para se adaptar às mudanças educacionais (como as propostas pela BNCC), enquanto o professor 2.0 vai prosperar muito neste novo cenário. O professor 2.0 tem um papel essencial na nova BNCC. Ele vai utilizar os recursos tecnológicos para se conectar às formas de comunicação e expressão particulares das novas gerações, desenvolvendo competências e habilidades atuais, que contribuem na criação de uma nova realidade educacional.
  • 9. Diante disso é preciso rever vários aspectos que tangem à prática educativa. • Formação continuada; • Diagnóstico; • Organização do trabalho pedagógico; • Avaliação.
  • 10. Organização do trabalho pedagógico • Projetos pedagógicos; • Sequência didática; • Atividades permanentes.
  • 11. SEQUÊNCIA DIDÁTICA Sequência didática é um termo em educação para definir um procedimento encadeado de passos, ou etapas ligadas entre si para tornar mais eficiente o processo de aprendizado. Essa estratégia também conversa com os princípios da BNCC sobre a progressão do conhecimento, a partir de proposição de atividades diversificadas e que tornem-se cada vez mais desafiadoras e complexas.
  • 12. COMO E ONDE SURGIU O TERMO? O termo sequência didática surgiu na França, em meados dos anos 1980, nos programas escolares oficiais de todos os níveis e séries. Fazia parte de uma tentativa do Governo Francês em promover um ensino “descompartimentalizado” (o temo francês para isso é “décloisonnement”). Ou seja: no ensino da língua materna, era costume segmentar os conteúdos, ensinando-os de forma “compartimentalizada”: ortografia, classes gramaticais, sintaxe, etc. A sequência didática foi uma tentativa de reverter esse modelo de ensino e planejada para ser um procedimento que permitiria ensinar todos esses conteúdos de forma integrada, para atingir um objetivo único (por exemplo, produzir um texto no gênero receita culinária).
  • 13. Sequência didática: o que é? Organizado em passos ou etapas Viabiliza estudo e aprofundamento Planejado pelo professor Garante propósito para escrita Permite interdisciplinaridade Procedimento de ensino
  • 14. Sequência didática: por quê? O planejamento da SD permite:  Escolher temáticas relevantes para a vida das crianças;  Valorizar os conhecimentos prévios dos alunos;  Estimular a reflexão e a promoção de situações de interação propícias às aprendizagens;  Favorecer a sistematização dos conhecimentos;  Diversificar estratégias didáticas.
  • 16. Ao planejar a sequência didática é importante conhecer as etapas pelas quais passa o aluno na construção do conhecimento a respeito de qualquer objeto de estudo. TAXONOMIA DE BLOOM
  • 17. SEQUÊNCIA Pré 1 SEQUÊNCIA Pré 2 ATIVIDADE ELABORADA SEGUNDO UMA SEQUÊNCIA DIDÁTICA ....
  • 18. • A sequência didática é uma estratégia educacional que busca ajudar os alunos a resolverem uma ou mais dificuldades reais sobre um tema específico. Seu resultado vem a partir da construção e acumulação de conhecimento sobre o assunto em questão, obtido por meio do planejamento e execução, ao longo de um período de tempo, de várias atividades que conversam entre si.
  • 19. O diferencial da sequência didática enquanto estratégia de melhoria do aprendizado dos estudantes é que as atividades são elaboradas e desenvolvidas seguindo uma lógica sequencial de compartilhamento e evolução do conhecimento.
  • 20. Com essa estratégia, os professores esperam dar mais sentido ao seu processo de ensino e, ao mesmo tempo, aumentar o engajamento dos alunos nas atividades pedagógicas, e, com isso, otimizando o seu aprendizado.
  • 21. Como definir o tema da sequência didática? As sequências sempre são parte de um planejamento didático maior, em que você coloca o que espera dos estudantes ao longo do ano. A escolha dos temas de cada proposta não pode ser aleatória.
  • 22. O que levar em conta na sondagem inicial? A sondagem é fundamental a todo o trabalho por ser o momento em que são levantados os conhecimentos da turma. Muitas vezes, os professores acham que perguntar "o que vocês sabem sobre..." é suficiente para ter respostas, mas não é bem assim. Essa etapa inicial já configura uma situação de aprendizagem e precisa ser bem planejada.
  • 23. Como estabelecer objetos do conhecimento, habilidades e objetivos Conteúdo é o que você vai ensinar e objetivo o que espera que as crianças aprendam. Se, por exemplo, sua proposta for trabalhar com a leitura de poemas, precisa parar e pensar o que especificamente quer que a turma saiba após terminar a sequência.
  • 24. Que critérios utilizar para encadear as etapas? Quando você pensa nas ações de uma sequência didática, já tem na cabeça uma primeira ideia de ordem lógica para colocá- las. Para que essa organização dê resultado, lembre-se de pensar em quais conhecimentos a classe precisa para passar de uma atividade para a seguinte (considerando sempre que os alunos têm necessidades de aprendizagem diversas).
  • 25. Como estimar o tempo que dura uma sequência? A resposta a essa pergunta não está relacionada à quantidade de tarefas que você vai propor, mas à complexidade dos conteúdos e objetivos que tem em mente. Para saber a duração de uma sequência, leve em conta o que determinou que os alunos aprendam e quanto isso vai demorar.
  • 26. • No curso de cada sequência se incluem atividades coletivas, grupais e individuais. Cada uma funciona melhor para uma intenção específica. Você propõe uma atividade no coletivo quando quer estabelecer modelos de comportamentos e procedimentos. Qual a melhor forma de organizar a turma?
  • 27. Ao participar de um grupo e trocar com os colegas, a criança tem aprendizados que são úteis quando ela for trabalhar sozinha. Já uma atividade em dupla é interessante quando quiser que o aluno tenha uma interação mais focada, apresentando suas hipóteses e confrontando-as com o outro. As propostas individuais, por sua vez, permitem à criança pôr em xeque os conhecimentos que construiu. Essas organizações são critérios didáticos que precisam ser pensados com base nos objetivos da cada etapa e nas características da classe.
  • 28. Como avaliar o que a turma aprendeu? A avaliação pode ser feita de diferentes formas. A pergunta principal que você tem de responder, ao final de uma sequência, é se os alunos avançaram de um estado de menor para um de maior conhecimento sobre o que foi ensinado.
  • 29. Para isso, vale registrar os progressos de cada estudante, observando como ele se sai nas atividades, desde a sondagem inicial - que já é uma situação de aprendizagem - até a etapa final. Ao analisar esses registros, fica fácil entender quais foram os avanços dos alunos.