Modernismo em Portugal

5.702 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.702
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
566
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
123
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Modernismo em Portugal

  1. 1. MODERNISMO EM PORTUGAL Século XX : O mundo de pernas para o ar. •Notável desenvolvimento científico e tecnológico ( máquinas, progresso, velocidade). •Conflitos Políticos – Primeira Guerra Mundial •(1914 -1918).
  2. 2. Modernismo – Geração de ORPHEU Almada Negreiros, in “Frisos – Revista Orpheu, nº 1”
  3. 3. LITERATURA E ARTE  Orpheu foi muito mais do que uma revista -foi um marco: símbolo do nascimento de uma geração que trouxe para Portugal a essência do movimento modernista.  Presença ... Depois de Orpheu, é, efetivamente, a revista que se sobressai, não apenas pela sua continuidade - de 1927 a 1940 - saíram 56 números - mas por uma intenção de reassumir uma modernidade através de uma consciência crítica.
  4. 4. Grandes Revelações Literárias do Século XX  Fernando Pessoa   José de Almada Negreiros Mário de Sá Carneiro
  5. 5. O poeta de muitas faces Fernando Pessoa – Ele mesmo. O “mestre” Alberto Caeiro (O homem do campo) Ricardo Reis – lirismo clássico (O médico) Álvaro de Campos
  6. 6. Fernando Pessoa “Ó sino da minha aldeia, Dolente na tarde calma, Cada tua badalada Soa dentro da minha alma. E é tão lento o teu soar, Tão como triste da vida, Que já a primeira pancada Tem o som de repetida. [...]”
  7. 7. Mário de Sá Carneiro  A angústia existencial e o tema constante e, até mesmo, obsessivo de sua obra. “Perdi-me dentro de mim Porque eu era labirinto E hoje, quando me sinto, É com saudades de mim.” Escultura do poeta – Parque dos Poetas é um projeto da Câmara Municipal de Oeiras, que pretende homenagear a cultura portuguesa.
  8. 8. Almada Negreiros Para ele "a beleza não podia ser ignorante e idiota tal como a sabedoria não podia ser feia e triste" (Freitas, 1985). Além da literatura e da pintura a óleo, Almada desenvolveu ainda composições coreográficas para “ballet”. Trabalhou em tapeçaria, gravura, pintura mural, caricatura, mosaico, azulej José de Almada Negreiros, Autorretrato, 1948
  9. 9. «O Número» , 1958, de Almada Negreiros (1893-1970) Tribunal de Contas de Lisboa
  10. 10. Almada Negreiros

×