SlideShare uma empresa Scribd logo
Crônicas para jovens: de
amor e amizade
Clarice Lispector
Clarice Lispector
1920 - 1977
Uma das grandes escritoras do Modernismo Brasileiro, da
terceira fase, estreou com o premiado romance Perto do coração
selvagem (1943). Desde o início, causou incômodo em parte da
crítica literária.
Como romancista, dois grandes sucessos foram A paixão
segundo G.H. (1964) e A hora da estrela (1977), além de
romances, escreveu livros de contos como Laços de
família (1960) e A legião estrangeira (1964). Sua produção inclui
também obras para o público infanto-juvenil e um vasto número
de crônicas.
Seus livros são amplamente traduzidos e divulgados, e a
escritora é frequentemente comparada a grandes nomes da
Literatura Universal, como Virginia Woolf, James Joyce e
Katherine Mansfield.
Clarice por Clarice
“Fui preparada para ser dada à luz de um modo tão
bonito. Minha mãe já estava doente e, por uma
superstição bastante espalhada, acreditava-se que ter um
filho curava uma mulher de uma doença”.
(“Pertencer”, em A descoberta do mundo, p.151).
Org. Pedro Vasquez,
ROCCO 2010
As crônicas selecionadas são do
período em que a escritora colaborou
com o Jornal do Brasil, entre agosto
de 1967 e dezembro de 1974. Tempo
em que esteve mais próxima do seu
público, pôde responder cartas que os
leitores lhe enviavam e a escrever
textos baseados em sugestões ou
questionamentos que estes fizeram.
Crônica
A crônica é um gênero textual típico dos séculos XIX, XX e XXI. Pode-se
dizer que o “berço da crônica” é o jornal. A crônica é uma narrativa
curta, normalmente baseada em fatos cotidianos.
Na Crônica, Clarice Lispector tem uma linguagem mais fluida – não tão
complexa – como nos romances, que são mais densos, mais
introspectivos.
Ser Cronista
Sei que não sou, mas tenho meditado ligeiramente no assunto. Na verdade eu
deveria conversar a respeito com Rubem Braga, que foi o inventor da crônica. Mas
quero ver se consigo tatear sozinha no assunto e ver se chego a entender.
Crônica é um relato? É uma conversa? é o resumo de um estado de espírito?
Não sei, pois antes de começar a escrever para o Jornal do Brasil, eu só tinha
escrito romances e contos. Quando combinei com o jornal escrever aqui aos
sábados, logo em seguida morri de medo. Um amigo que tem voz forte,
convincente e carinhosa, praticamente intimou-me a não ter medo. Disse: escreva
qualquer coisa que lhe passe pela cabeça, mesmo tolice, porque as coisas sérias
você já escreveu, e todos os seus leitores hão de entender que sua crônica semanal
é um modo honesto de ganhar dinheiro. No entanto, por uma questão de
honestidade para com o jornal, que é bom, eu não quis escrever tolices. As que
escrevi, e imagino quantas, foi sem perceber. [...]
Clarice Lispector, em Jornal do Brasil de 22 de junho de 1968 (fragmento).
O livro apresenta, além de crônicas, contos,
pensamentos, frases... Ao todo são 43 textos.
1. O amor imorredouro.
2. A favor do medo.
3. Uma revolta.
4. A descoberta do mundo.
5. Ao que leva o amor.
6. Quem escreveu isto.
7. Vida ao Natural.
8. Um homem.
9. Homem se ajoelhar.
10. Por não estarem distraídos.
11. O primeiro beijo.
12. Viagem de trem.
13. Desencontro.
14. A comunicação muda.
15. O presente.
16. Mas há a vida.
17. Dar-se enfim.
18. Por causa de um bule de bico.
19. Por quê?
20. Sem aviso.
21. Uma história de tanto amor.
22. Nossa truculência.
23. Amor.
24. Amor, quati, cão, feminino e masculino.
25. As grandes punições.
26. Lúcio Cardoso.
27. As dores da sobrevivência: Sérgio Porto.
28. San Tiago.
29. Tanto esforço.
30. Prece por um padre.
31. Um pedido.
32. O grito.
33. O suéter.
34. Olhava longe, sem rancor.
35. Liberdade.
36. Amor a ele.
37. Três encontros que são quatro.
38. Dies irae.
39. O grupo.
40. Supondo o certo.
41. Os grandes amigos.
42. Uma experiência.
43. Saudade.
Exemplos de
Algumas
crônicas
AO QUE LEVA O AMOR
- (Eu te amo)
- (É isso então o que sou?)
- (Você é o amor que tenho por você)
- (Sinto que vou me reconhecer...estou quase vendo... falta tão pouco)
- (Eu te amo)
- (Ah, agora sim. Estou me vendo. Esta sou eu, então. Que retrato de corpo inteiro.)
(CLARICE LISPECTOR – A Descoberta do Mundo-Rio de Janeiro. Editora
Novafronteira-1984-Página:709)
A favor do Medo
Estou certa de que através da idade da pedra fui
exatamente maltratada pelo amor de algum homem.
Data desse tempo um certo pavor que é secreto.
Ora, em noite cálida, estava eu sentada a
conversar polidamente com um homem cavalheiro que
era civilizado, de terno escuro e unhas corretas. Estava
eu, como diria Sérgio Porto, posta em sossego e
comendo umas goiabinhas. Eis senão quando diz o
Homem: “Vamos dar um passeio?” Não. Vou dizer a
verdade crua. O que ele disse foi: “Vamos dar um
passeíto?” Por que passeíto jamais tive tempo de saber.
Pois que imediatamente, da altura de milhares de
séculos, rolou em fragor a primeira pedra de uma
avalancha: meu coração. Quem? Quem já me levou na
idade da pedra para um passeíto do qual nunca mais
voltei porque lá morando fiquei? Não sei que elemento
de terror existirá na delicadeza monstruosa da palavra
passeíto.
[...] Mas bem queria saber o que eu outrora
diria, na idade da pedra, quando me sacudiam, quase
macaca, da minha frondosa árvore. Que nostalgia,
preciso passar uns tempos no campo. Engolia, pois, a
minha goiabinha, empalideci sem que a cor
civilizadamente me abandonasse o rosto: o medo era
vertical demais no tempo para deixar vestígios na
superfície. Aliás não era o medo. Aliás era o terror.
Aliás era a queda de todo o meu futuro. O homem,
este meu igual que me tem assassinado por amor, e a
isto se chama de amar, e é.
Passeíto? Assim também diziam para o
chapeuzinho vermelho, que esta só mais tarde cuidou
de se cuidar. “Vou é me acautelar, por via das dúvidas
debaixo das folhas hei de morar” – de onde me vinha
essa toada? Não sei, mas boca de povo em
Pernambuco não erra.
[...]
https://singrandohorizontes.blogspot.com/2016/12/claric
e-lispector-favor-do-medo.html
Um homem
Sua inteligência absolutamente fora do comum de tão grande, a princípio me deixou embaraçada.
Tive que me habituar ao jargão da grande inteligência. É normalmente sério, mas tem um sorriso
– não, não vou dizer que o seu sorriso lhe ilumina o rosto todo. Mas, enfim, é a verdade. Ele não
tem medo do lugar-comum, o tal não-engajamento o leva à atmosfera de sua inteligência. Esta
muitas vezes usa sofismas, que são a astúcia de quem pode. Entendo-o não com a cabeça, que
não alcançaria a sua, mas com minha pessoa inteira. Aliás ele é uma pessoa inteira. Seus olhos
muito negros não se desviam: ele não tem medo de olhar os homens no profundo dos olhos. Dá
vontade de sorrir com ele. Se eu soubesse. Aliás, preciso me habituar a sorrir mais, senão
pensam que estou com problemas e não com o rosto apenas sério ou concentrado. Voltando ao
homem: quando ele diz “até amanhã”, sabe-se que o amanhã virá. Ele tem um ligeiro mau gosto
na escolha dos objetos de adorno que compra. Isso me dá ternura. Ele é inconsciente que eu o
vejo tanto, não tantas vezes, mas tanto.
Sugestão de leitura
de uma crônica que
não está no livro:
O Mineirinho
O Mineirinho (José Miranda
Rosa) - um dos bandidos
mais procurados pela
polícia carioca na década de
60. Foi morto com 13 tiros
pela polícia.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Redação: Proposta, planejamento e introdução
Redação: Proposta, planejamento e introduçãoRedação: Proposta, planejamento e introdução
Redação: Proposta, planejamento e introdução
Mande Bem no ENEM
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
Ana Batista
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
Edenilson Morais
 
Texto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativoTexto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativo
Cicero Luciano
 
Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordel
Gracita Fraga
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
Walace Cestari
 
Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015
Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015
Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Quincas Borba
Quincas BorbaQuincas Borba
Quincas Borba
Cláudia Heloísa
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
Equipemundi2014
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
Faell Vasconcelos
 
Manuel Bandeira
Manuel BandeiraManuel Bandeira
Manuel Bandeira
Fernanda Cabral
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
Valeria Nunes
 
Realismo no brasil
Realismo no brasilRealismo no brasil
Realismo no brasil
Karoline Tavares
 
Gênero textual - biografia
Gênero textual - biografiaGênero textual - biografia
Gênero textual - biografia
JohnJeffersonAlves1
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
7 de Setembro
 
A cartomante
A cartomanteA cartomante
A cartomante
Anne Clea Lima
 
Oficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º anoOficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º ano
ClaudiaAdrianaSouzaS
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
Cláudia Heloísa
 
Figuras de Linguagem - Ironia
Figuras de Linguagem - IroniaFiguras de Linguagem - Ironia
Figuras de Linguagem - Ironia
Figuras de Linguagem
 
Fábulas 1
Fábulas 1Fábulas 1

Mais procurados (20)

Redação: Proposta, planejamento e introdução
Redação: Proposta, planejamento e introduçãoRedação: Proposta, planejamento e introdução
Redação: Proposta, planejamento e introdução
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
 
Texto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativoTexto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativo
 
Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordel
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015
Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015
Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015
 
Quincas Borba
Quincas BorbaQuincas Borba
Quincas Borba
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
 
Manuel Bandeira
Manuel BandeiraManuel Bandeira
Manuel Bandeira
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
Realismo no brasil
Realismo no brasilRealismo no brasil
Realismo no brasil
 
Gênero textual - biografia
Gênero textual - biografiaGênero textual - biografia
Gênero textual - biografia
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
 
A cartomante
A cartomanteA cartomante
A cartomante
 
Oficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º anoOficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º ano
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
Figuras de Linguagem - Ironia
Figuras de Linguagem - IroniaFiguras de Linguagem - Ironia
Figuras de Linguagem - Ironia
 
Fábulas 1
Fábulas 1Fábulas 1
Fábulas 1
 

Semelhante a Crônicas para jovens, Clarice Lispector.pptx

Um romance rui zink - conto
Um romance   rui zink - contoUm romance   rui zink - conto
Um romance rui zink - conto
z895911
 
Conto
ContoConto
Aprofundamento 04
Aprofundamento 04Aprofundamento 04
Aprofundamento 04
Zofia Santos
 
Teste intermediario final-portugues
Teste intermediario final-portuguesTeste intermediario final-portugues
Teste intermediario final-portugues
simba59
 
D 11.pptx
D 11.pptxD 11.pptx
D 11.pptx
MilenaDoCarmo3
 
O SEGREDO DOS GIRASSÓIS - O DIÁRIO DE ANNA GOLDIN
O SEGREDO DOS GIRASSÓIS - O DIÁRIO DE ANNA GOLDINO SEGREDO DOS GIRASSÓIS - O DIÁRIO DE ANNA GOLDIN
O SEGREDO DOS GIRASSÓIS - O DIÁRIO DE ANNA GOLDIN
Adriana Matheus
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Memorias postumas de bras cubas
Memorias postumas de bras cubasMemorias postumas de bras cubas
Memorias postumas de bras cubas
Joao Maria John Sincero
 
"Se Eu Fosse Eu" - Clarice Lispector (Questões)
"Se Eu Fosse Eu" - Clarice Lispector (Questões)"Se Eu Fosse Eu" - Clarice Lispector (Questões)
"Se Eu Fosse Eu" - Clarice Lispector (Questões)
Paula Meyer Piagentini
 
Aula memórias póstumas de brás cubas machado de assis
Aula memórias póstumas de brás cubas   machado de assisAula memórias póstumas de brás cubas   machado de assis
Aula memórias póstumas de brás cubas machado de assis
B Vidal
 
Gonzaga Barbosa
Gonzaga Barbosa Gonzaga Barbosa
Gonzaga Barbosa
Ze Legnas
 
texto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdf
texto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdftexto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdf
texto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdf
Denise De Ramos
 
texto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdf
texto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdftexto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdf
texto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdf
Denise De Ramos
 
Carlos drummond de andrade
Carlos drummond de andradeCarlos drummond de andrade
Carlos drummond de andrade
Fabi
 
Tipos de NARRADOR na criação de literatura
Tipos de NARRADOR na criação de literaturaTipos de NARRADOR na criação de literatura
Tipos de NARRADOR na criação de literatura
Marcelo Spalding
 
2ª fase Modernismo (1930-1945)
2ª fase Modernismo (1930-1945) 2ª fase Modernismo (1930-1945)
2ª fase Modernismo (1930-1945)
Andriane Cursino
 
Powerpoint 6 Modernidade E HiperestíMulo
Powerpoint 6   Modernidade E HiperestíMuloPowerpoint 6   Modernidade E HiperestíMulo
Powerpoint 6 Modernidade E HiperestíMulo
Erly Vieira Jr
 
Modernismo 2ª fase
Modernismo 2ª faseModernismo 2ª fase
Modernismo 2ª fase
Priscila Hilária
 
Módulo 2 pibid 2012 corrigido e finalizado pronto
Módulo 2 pibid 2012 corrigido e finalizado prontoMódulo 2 pibid 2012 corrigido e finalizado pronto
Módulo 2 pibid 2012 corrigido e finalizado pronto
stuff5678
 
MÓDULO II -CONTO
MÓDULO II -CONTOMÓDULO II -CONTO
MÓDULO II -CONTO
Priscila Santana
 

Semelhante a Crônicas para jovens, Clarice Lispector.pptx (20)

Um romance rui zink - conto
Um romance   rui zink - contoUm romance   rui zink - conto
Um romance rui zink - conto
 
Conto
ContoConto
Conto
 
Aprofundamento 04
Aprofundamento 04Aprofundamento 04
Aprofundamento 04
 
Teste intermediario final-portugues
Teste intermediario final-portuguesTeste intermediario final-portugues
Teste intermediario final-portugues
 
D 11.pptx
D 11.pptxD 11.pptx
D 11.pptx
 
O SEGREDO DOS GIRASSÓIS - O DIÁRIO DE ANNA GOLDIN
O SEGREDO DOS GIRASSÓIS - O DIÁRIO DE ANNA GOLDINO SEGREDO DOS GIRASSÓIS - O DIÁRIO DE ANNA GOLDIN
O SEGREDO DOS GIRASSÓIS - O DIÁRIO DE ANNA GOLDIN
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Memorias postumas de bras cubas
Memorias postumas de bras cubasMemorias postumas de bras cubas
Memorias postumas de bras cubas
 
"Se Eu Fosse Eu" - Clarice Lispector (Questões)
"Se Eu Fosse Eu" - Clarice Lispector (Questões)"Se Eu Fosse Eu" - Clarice Lispector (Questões)
"Se Eu Fosse Eu" - Clarice Lispector (Questões)
 
Aula memórias póstumas de brás cubas machado de assis
Aula memórias póstumas de brás cubas   machado de assisAula memórias póstumas de brás cubas   machado de assis
Aula memórias póstumas de brás cubas machado de assis
 
Gonzaga Barbosa
Gonzaga Barbosa Gonzaga Barbosa
Gonzaga Barbosa
 
texto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdf
texto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdftexto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdf
texto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdf
 
texto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdf
texto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdftexto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdf
texto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdf
 
Carlos drummond de andrade
Carlos drummond de andradeCarlos drummond de andrade
Carlos drummond de andrade
 
Tipos de NARRADOR na criação de literatura
Tipos de NARRADOR na criação de literaturaTipos de NARRADOR na criação de literatura
Tipos de NARRADOR na criação de literatura
 
2ª fase Modernismo (1930-1945)
2ª fase Modernismo (1930-1945) 2ª fase Modernismo (1930-1945)
2ª fase Modernismo (1930-1945)
 
Powerpoint 6 Modernidade E HiperestíMulo
Powerpoint 6   Modernidade E HiperestíMuloPowerpoint 6   Modernidade E HiperestíMulo
Powerpoint 6 Modernidade E HiperestíMulo
 
Modernismo 2ª fase
Modernismo 2ª faseModernismo 2ª fase
Modernismo 2ª fase
 
Módulo 2 pibid 2012 corrigido e finalizado pronto
Módulo 2 pibid 2012 corrigido e finalizado prontoMódulo 2 pibid 2012 corrigido e finalizado pronto
Módulo 2 pibid 2012 corrigido e finalizado pronto
 
MÓDULO II -CONTO
MÓDULO II -CONTOMÓDULO II -CONTO
MÓDULO II -CONTO
 

Mais de CrisBiagio

Vanguardas Europeias - 2022 - Atualizada.pptx
Vanguardas Europeias - 2022 - Atualizada.pptxVanguardas Europeias - 2022 - Atualizada.pptx
Vanguardas Europeias - 2022 - Atualizada.pptx
CrisBiagio
 
Formação de Palavras.pptx
Formação de Palavras.pptxFormação de Palavras.pptx
Formação de Palavras.pptx
CrisBiagio
 
Texto argumentativo - Citação direta e Citação Indireta.pptx
Texto argumentativo - Citação direta e Citação Indireta.pptxTexto argumentativo - Citação direta e Citação Indireta.pptx
Texto argumentativo - Citação direta e Citação Indireta.pptx
CrisBiagio
 
Discurso direto, indireto e indireto livre.pptx
Discurso direto, indireto e indireto livre.pptxDiscurso direto, indireto e indireto livre.pptx
Discurso direto, indireto e indireto livre.pptx
CrisBiagio
 
As imagens e a Sociedade.pptx
As imagens e a Sociedade.pptxAs imagens e a Sociedade.pptx
As imagens e a Sociedade.pptx
CrisBiagio
 
intertextualidade-interdiscursividade 2022 - atualizada.pptx
intertextualidade-interdiscursividade 2022 - atualizada.pptxintertextualidade-interdiscursividade 2022 - atualizada.pptx
intertextualidade-interdiscursividade 2022 - atualizada.pptx
CrisBiagio
 
Poema tirado de uma notícia de jornal, Manuel Bandeira.pptx
Poema tirado de uma notícia de jornal, Manuel Bandeira.pptxPoema tirado de uma notícia de jornal, Manuel Bandeira.pptx
Poema tirado de uma notícia de jornal, Manuel Bandeira.pptx
CrisBiagio
 
Redação - Textos argumentativos 2022.pptx
Redação - Textos argumentativos 2022.pptxRedação - Textos argumentativos 2022.pptx
Redação - Textos argumentativos 2022.pptx
CrisBiagio
 
Estilística.pptx
Estilística.pptxEstilística.pptx
Estilística.pptx
CrisBiagio
 
Inferências - Intertextualidade e Hipertexto 2022.pptx
Inferências - Intertextualidade e Hipertexto 2022.pptxInferências - Intertextualidade e Hipertexto 2022.pptx
Inferências - Intertextualidade e Hipertexto 2022.pptx
CrisBiagio
 
Mar Português, de Fernando Pessoa - Vozes d'África, de Castro Alves e Diáspor...
Mar Português, de Fernando Pessoa - Vozes d'África, de Castro Alves e Diáspor...Mar Português, de Fernando Pessoa - Vozes d'África, de Castro Alves e Diáspor...
Mar Português, de Fernando Pessoa - Vozes d'África, de Castro Alves e Diáspor...
CrisBiagio
 
Quinhentismo Brasileiro - Literatura informativa e jesuítica 2022.pptx
Quinhentismo Brasileiro - Literatura informativa e jesuítica 2022.pptxQuinhentismo Brasileiro - Literatura informativa e jesuítica 2022.pptx
Quinhentismo Brasileiro - Literatura informativa e jesuítica 2022.pptx
CrisBiagio
 
Fazenda Modelo - Chico Buarque - Considerações.pptx
Fazenda Modelo  - Chico Buarque  - Considerações.pptxFazenda Modelo  - Chico Buarque  - Considerações.pptx
Fazenda Modelo - Chico Buarque - Considerações.pptx
CrisBiagio
 
Cinema, música e teatro atualizada em 2022.pptx
Cinema, música e teatro atualizada em 2022.pptxCinema, música e teatro atualizada em 2022.pptx
Cinema, música e teatro atualizada em 2022.pptx
CrisBiagio
 
Funções da Linguagem 2022.pptx
Funções da Linguagem 2022.pptxFunções da Linguagem 2022.pptx
Funções da Linguagem 2022.pptx
CrisBiagio
 
Interpretação de texto a arte e suas funções
Interpretação de texto   a arte e suas funçõesInterpretação de texto   a arte e suas funções
Interpretação de texto a arte e suas funções
CrisBiagio
 
Aulão Enem 2021
Aulão Enem 2021Aulão Enem 2021
Aulão Enem 2021
CrisBiagio
 
O pagador de promessas, de Dias Gomes
O pagador de promessas, de Dias GomesO pagador de promessas, de Dias Gomes
O pagador de promessas, de Dias Gomes
CrisBiagio
 
ENEM - Redação 2021
ENEM - Redação 2021ENEM - Redação 2021
ENEM - Redação 2021
CrisBiagio
 
ENEM/ACAFE Redação 2021 - Texto dissertativo -argumentativo
ENEM/ACAFE Redação 2021  - Texto dissertativo -argumentativoENEM/ACAFE Redação 2021  - Texto dissertativo -argumentativo
ENEM/ACAFE Redação 2021 - Texto dissertativo -argumentativo
CrisBiagio
 

Mais de CrisBiagio (20)

Vanguardas Europeias - 2022 - Atualizada.pptx
Vanguardas Europeias - 2022 - Atualizada.pptxVanguardas Europeias - 2022 - Atualizada.pptx
Vanguardas Europeias - 2022 - Atualizada.pptx
 
Formação de Palavras.pptx
Formação de Palavras.pptxFormação de Palavras.pptx
Formação de Palavras.pptx
 
Texto argumentativo - Citação direta e Citação Indireta.pptx
Texto argumentativo - Citação direta e Citação Indireta.pptxTexto argumentativo - Citação direta e Citação Indireta.pptx
Texto argumentativo - Citação direta e Citação Indireta.pptx
 
Discurso direto, indireto e indireto livre.pptx
Discurso direto, indireto e indireto livre.pptxDiscurso direto, indireto e indireto livre.pptx
Discurso direto, indireto e indireto livre.pptx
 
As imagens e a Sociedade.pptx
As imagens e a Sociedade.pptxAs imagens e a Sociedade.pptx
As imagens e a Sociedade.pptx
 
intertextualidade-interdiscursividade 2022 - atualizada.pptx
intertextualidade-interdiscursividade 2022 - atualizada.pptxintertextualidade-interdiscursividade 2022 - atualizada.pptx
intertextualidade-interdiscursividade 2022 - atualizada.pptx
 
Poema tirado de uma notícia de jornal, Manuel Bandeira.pptx
Poema tirado de uma notícia de jornal, Manuel Bandeira.pptxPoema tirado de uma notícia de jornal, Manuel Bandeira.pptx
Poema tirado de uma notícia de jornal, Manuel Bandeira.pptx
 
Redação - Textos argumentativos 2022.pptx
Redação - Textos argumentativos 2022.pptxRedação - Textos argumentativos 2022.pptx
Redação - Textos argumentativos 2022.pptx
 
Estilística.pptx
Estilística.pptxEstilística.pptx
Estilística.pptx
 
Inferências - Intertextualidade e Hipertexto 2022.pptx
Inferências - Intertextualidade e Hipertexto 2022.pptxInferências - Intertextualidade e Hipertexto 2022.pptx
Inferências - Intertextualidade e Hipertexto 2022.pptx
 
Mar Português, de Fernando Pessoa - Vozes d'África, de Castro Alves e Diáspor...
Mar Português, de Fernando Pessoa - Vozes d'África, de Castro Alves e Diáspor...Mar Português, de Fernando Pessoa - Vozes d'África, de Castro Alves e Diáspor...
Mar Português, de Fernando Pessoa - Vozes d'África, de Castro Alves e Diáspor...
 
Quinhentismo Brasileiro - Literatura informativa e jesuítica 2022.pptx
Quinhentismo Brasileiro - Literatura informativa e jesuítica 2022.pptxQuinhentismo Brasileiro - Literatura informativa e jesuítica 2022.pptx
Quinhentismo Brasileiro - Literatura informativa e jesuítica 2022.pptx
 
Fazenda Modelo - Chico Buarque - Considerações.pptx
Fazenda Modelo  - Chico Buarque  - Considerações.pptxFazenda Modelo  - Chico Buarque  - Considerações.pptx
Fazenda Modelo - Chico Buarque - Considerações.pptx
 
Cinema, música e teatro atualizada em 2022.pptx
Cinema, música e teatro atualizada em 2022.pptxCinema, música e teatro atualizada em 2022.pptx
Cinema, música e teatro atualizada em 2022.pptx
 
Funções da Linguagem 2022.pptx
Funções da Linguagem 2022.pptxFunções da Linguagem 2022.pptx
Funções da Linguagem 2022.pptx
 
Interpretação de texto a arte e suas funções
Interpretação de texto   a arte e suas funçõesInterpretação de texto   a arte e suas funções
Interpretação de texto a arte e suas funções
 
Aulão Enem 2021
Aulão Enem 2021Aulão Enem 2021
Aulão Enem 2021
 
O pagador de promessas, de Dias Gomes
O pagador de promessas, de Dias GomesO pagador de promessas, de Dias Gomes
O pagador de promessas, de Dias Gomes
 
ENEM - Redação 2021
ENEM - Redação 2021ENEM - Redação 2021
ENEM - Redação 2021
 
ENEM/ACAFE Redação 2021 - Texto dissertativo -argumentativo
ENEM/ACAFE Redação 2021  - Texto dissertativo -argumentativoENEM/ACAFE Redação 2021  - Texto dissertativo -argumentativo
ENEM/ACAFE Redação 2021 - Texto dissertativo -argumentativo
 

Último

Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 

Crônicas para jovens, Clarice Lispector.pptx

  • 1. Crônicas para jovens: de amor e amizade Clarice Lispector
  • 2. Clarice Lispector 1920 - 1977 Uma das grandes escritoras do Modernismo Brasileiro, da terceira fase, estreou com o premiado romance Perto do coração selvagem (1943). Desde o início, causou incômodo em parte da crítica literária. Como romancista, dois grandes sucessos foram A paixão segundo G.H. (1964) e A hora da estrela (1977), além de romances, escreveu livros de contos como Laços de família (1960) e A legião estrangeira (1964). Sua produção inclui também obras para o público infanto-juvenil e um vasto número de crônicas. Seus livros são amplamente traduzidos e divulgados, e a escritora é frequentemente comparada a grandes nomes da Literatura Universal, como Virginia Woolf, James Joyce e Katherine Mansfield.
  • 3. Clarice por Clarice “Fui preparada para ser dada à luz de um modo tão bonito. Minha mãe já estava doente e, por uma superstição bastante espalhada, acreditava-se que ter um filho curava uma mulher de uma doença”. (“Pertencer”, em A descoberta do mundo, p.151).
  • 4. Org. Pedro Vasquez, ROCCO 2010 As crônicas selecionadas são do período em que a escritora colaborou com o Jornal do Brasil, entre agosto de 1967 e dezembro de 1974. Tempo em que esteve mais próxima do seu público, pôde responder cartas que os leitores lhe enviavam e a escrever textos baseados em sugestões ou questionamentos que estes fizeram.
  • 5. Crônica A crônica é um gênero textual típico dos séculos XIX, XX e XXI. Pode-se dizer que o “berço da crônica” é o jornal. A crônica é uma narrativa curta, normalmente baseada em fatos cotidianos. Na Crônica, Clarice Lispector tem uma linguagem mais fluida – não tão complexa – como nos romances, que são mais densos, mais introspectivos.
  • 6. Ser Cronista Sei que não sou, mas tenho meditado ligeiramente no assunto. Na verdade eu deveria conversar a respeito com Rubem Braga, que foi o inventor da crônica. Mas quero ver se consigo tatear sozinha no assunto e ver se chego a entender. Crônica é um relato? É uma conversa? é o resumo de um estado de espírito? Não sei, pois antes de começar a escrever para o Jornal do Brasil, eu só tinha escrito romances e contos. Quando combinei com o jornal escrever aqui aos sábados, logo em seguida morri de medo. Um amigo que tem voz forte, convincente e carinhosa, praticamente intimou-me a não ter medo. Disse: escreva qualquer coisa que lhe passe pela cabeça, mesmo tolice, porque as coisas sérias você já escreveu, e todos os seus leitores hão de entender que sua crônica semanal é um modo honesto de ganhar dinheiro. No entanto, por uma questão de honestidade para com o jornal, que é bom, eu não quis escrever tolices. As que escrevi, e imagino quantas, foi sem perceber. [...] Clarice Lispector, em Jornal do Brasil de 22 de junho de 1968 (fragmento).
  • 7. O livro apresenta, além de crônicas, contos, pensamentos, frases... Ao todo são 43 textos. 1. O amor imorredouro. 2. A favor do medo. 3. Uma revolta. 4. A descoberta do mundo. 5. Ao que leva o amor. 6. Quem escreveu isto. 7. Vida ao Natural. 8. Um homem. 9. Homem se ajoelhar. 10. Por não estarem distraídos. 11. O primeiro beijo. 12. Viagem de trem. 13. Desencontro. 14. A comunicação muda. 15. O presente. 16. Mas há a vida. 17. Dar-se enfim. 18. Por causa de um bule de bico. 19. Por quê? 20. Sem aviso. 21. Uma história de tanto amor. 22. Nossa truculência. 23. Amor. 24. Amor, quati, cão, feminino e masculino. 25. As grandes punições. 26. Lúcio Cardoso. 27. As dores da sobrevivência: Sérgio Porto. 28. San Tiago. 29. Tanto esforço. 30. Prece por um padre.
  • 8. 31. Um pedido. 32. O grito. 33. O suéter. 34. Olhava longe, sem rancor. 35. Liberdade. 36. Amor a ele. 37. Três encontros que são quatro. 38. Dies irae. 39. O grupo. 40. Supondo o certo. 41. Os grandes amigos. 42. Uma experiência. 43. Saudade.
  • 10. AO QUE LEVA O AMOR - (Eu te amo) - (É isso então o que sou?) - (Você é o amor que tenho por você) - (Sinto que vou me reconhecer...estou quase vendo... falta tão pouco) - (Eu te amo) - (Ah, agora sim. Estou me vendo. Esta sou eu, então. Que retrato de corpo inteiro.) (CLARICE LISPECTOR – A Descoberta do Mundo-Rio de Janeiro. Editora Novafronteira-1984-Página:709)
  • 11. A favor do Medo Estou certa de que através da idade da pedra fui exatamente maltratada pelo amor de algum homem. Data desse tempo um certo pavor que é secreto. Ora, em noite cálida, estava eu sentada a conversar polidamente com um homem cavalheiro que era civilizado, de terno escuro e unhas corretas. Estava eu, como diria Sérgio Porto, posta em sossego e comendo umas goiabinhas. Eis senão quando diz o Homem: “Vamos dar um passeio?” Não. Vou dizer a verdade crua. O que ele disse foi: “Vamos dar um passeíto?” Por que passeíto jamais tive tempo de saber. Pois que imediatamente, da altura de milhares de séculos, rolou em fragor a primeira pedra de uma avalancha: meu coração. Quem? Quem já me levou na idade da pedra para um passeíto do qual nunca mais voltei porque lá morando fiquei? Não sei que elemento de terror existirá na delicadeza monstruosa da palavra passeíto. [...] Mas bem queria saber o que eu outrora diria, na idade da pedra, quando me sacudiam, quase macaca, da minha frondosa árvore. Que nostalgia, preciso passar uns tempos no campo. Engolia, pois, a minha goiabinha, empalideci sem que a cor civilizadamente me abandonasse o rosto: o medo era vertical demais no tempo para deixar vestígios na superfície. Aliás não era o medo. Aliás era o terror. Aliás era a queda de todo o meu futuro. O homem, este meu igual que me tem assassinado por amor, e a isto se chama de amar, e é. Passeíto? Assim também diziam para o chapeuzinho vermelho, que esta só mais tarde cuidou de se cuidar. “Vou é me acautelar, por via das dúvidas debaixo das folhas hei de morar” – de onde me vinha essa toada? Não sei, mas boca de povo em Pernambuco não erra. [...] https://singrandohorizontes.blogspot.com/2016/12/claric e-lispector-favor-do-medo.html
  • 12. Um homem Sua inteligência absolutamente fora do comum de tão grande, a princípio me deixou embaraçada. Tive que me habituar ao jargão da grande inteligência. É normalmente sério, mas tem um sorriso – não, não vou dizer que o seu sorriso lhe ilumina o rosto todo. Mas, enfim, é a verdade. Ele não tem medo do lugar-comum, o tal não-engajamento o leva à atmosfera de sua inteligência. Esta muitas vezes usa sofismas, que são a astúcia de quem pode. Entendo-o não com a cabeça, que não alcançaria a sua, mas com minha pessoa inteira. Aliás ele é uma pessoa inteira. Seus olhos muito negros não se desviam: ele não tem medo de olhar os homens no profundo dos olhos. Dá vontade de sorrir com ele. Se eu soubesse. Aliás, preciso me habituar a sorrir mais, senão pensam que estou com problemas e não com o rosto apenas sério ou concentrado. Voltando ao homem: quando ele diz “até amanhã”, sabe-se que o amanhã virá. Ele tem um ligeiro mau gosto na escolha dos objetos de adorno que compra. Isso me dá ternura. Ele é inconsciente que eu o vejo tanto, não tantas vezes, mas tanto.
  • 13. Sugestão de leitura de uma crônica que não está no livro: O Mineirinho O Mineirinho (José Miranda Rosa) - um dos bandidos mais procurados pela polícia carioca na década de 60. Foi morto com 13 tiros pela polícia.