O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

A Geração De Orpheu

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Próximos SlideShares
O modernismo em portugal
O modernismo em portugal
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 8 Anúncio
Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Diapositivos para si (20)

Semelhante a A Geração De Orpheu (20)

Anúncio

Mais de complementoindirecto (20)

Mais recentes (20)

Anúncio

A Geração De Orpheu

  1. 1. Escola Secundária António Arroio 12ºA, Outubro de 2011 Bárbara Constantino, Carolina Calmão Guiomar Fernandes, Leonor Gonçalves GERAÇÃO DE ORPHEU “Orpheu representa um desafio á sociedade culta portuguesa e o desejo de elevar Portugal a dimensões do moderno e da Europa.” • Quem são? Fernando António Nogueira Pessoa nascido em Lisboa a 13 de Junho de 1888 e faleceu a 30 de Novembro de 1935 aos 47 anos, durante os trabalhos da geração De Orpheu tinha os sei 27 anos . Foi um escritor e poeta português seguidor do movimento modernista com três heterónimos: Ricardo Reis, Álvaro de Campos e Alberto Caeiro. Este juntamente com Luís Vaz de Camões foi considerado o maior poeta português. Todos os seus trabalhos foram grandes feitos para a literatura portuguesa. A sua obra mais conhecida foi ‘A Mensagem’, na qual apresenta o glorioso passado de Portugal e tenta encontrar um sentido para a antiga grandeza e a decadência existente no seu país na época em que o livro foi escrito Um livro que revisita e também cria uma mitologia do passado heroico de Portugal, repleta de símbolos. Um livro que apresenta proximidade com o que propunha o modernismo quando no seu surgimento: dar maior visibilidade e vida à história e à cultura de Portugal, evitando continuar deixando-a para trás perante o cenário europeu da época. E ‘O Livro do desassossego’. 1
  2. 2. Mário de Sá-Carneiro nascido em Lisboa a 19 de Maio de 1890 e faleceu em Paris a 26 de Abril de 1916 aos 25 anos, durante a geração de Orpheu este tinha 25 anos. Foi um poeta, contista e ficcionista português seguidor do Modernismo em Portugal tal como Fernando Pessoa. Integrou o primeiro grupo modernista português (sendo responsável pela edição da revista literária Orpheu,ainda que hoje seja, reconhecidamente, um dos marcos da história da literatura portuguesa, responsável pela agitação do meio cultural português, bem como pela introdução do modernismo em Portugal. José Sobral de Almada Negreiros nascido na Trindade a 7 de Abril de 1893 veio a falecer em Lisboa a 15 de Junho de 1970 com 77 anos é vez parte da geração de Orpheu quando tinha apenas 22 anos. Foi um artista multidisciplinar, pintor, escritor, poeta, ensaísta, dramaturgo e romancista português ligado ao grupo modernista. Publica "Frisos" em "Orpheu 1". Escreve para o "Orpheu" 3 "A Cena do Ódio", que será publicada parcialmente em 1923, como separata da "Contemporânea" 7, e integralmente na terceira série das "Líricas Portuguesas", organizada por Jorge de Sena em 1958. 2
  3. 3. Amadeo de Souza-Cardoso nascido em Amarante a 14 de Novembro de 1887 veio a falecer em Espinho a 25 de Outubro de 1918. Foi um pintor português, precursor da arte moderna. Participou na revista orpheu com28 anos. Guilherme Augusto Cau da Costa de Santa Rita ou Guilherme de Santa-Rita mais conhecido por Santa-Rita Pintor nasceu em Lisboa em 1889 veio a falecer em Lisboa a 29 de Abril de 1918 com 29 anos. Foi um pintor e escritor português, considerado o introdutor do Futurismo em Portugal. Foi um dos ilustradores da revista com 26 anos. e mais tarde em conflito com o grupo de Orpheu, publicou a sua própria revista “Portugal Futurista”, da qual só saiu um número no final de 1977, onde apareceu quatro reproduções de quadros seus. 3
  4. 4. Ângelo Vaz Pinto Azevedo Coutinho de Lima nasceu no Porto a 30 de Julho de 1872 e veio a falecer em Lisboa a 14 de Agosto de 1921 com 49 anos. Foi uma pintor e poeta louco que participou na revista Orpheu devido aos seus poemas, alguns com laivos simbolistas, mas outros com características marcadamente delirantes e surreais, repletos de neologismos(cria palavras a partir de outras mas com o mesmo significado), versos de sentido incompreensível. Luís Filipe de Saldanha da Gama da Silva Ramos mais conhecido por Luís de Montalvor nascido em Cabo Verde a 31 de Janeiro de 1891 veio a falecer em Lisboa, 2 de Março de 1947 com 56 anos. Foi um poeta, ensaísta português, seguidor do modernismo em Portugal. Non entanto doi também colaborador de Orpheu com 24 anos, em 1915, onde publica, no número 1, Introdução, que foi um editorial que sublinhava o caracter apoiante de um projeto estético que une o grupo de Orpheu, e no numero 2, o po poema “Narciso”. 4
  5. 5. Ronald de Carvalho nascido no Rio de Janeiro a 16 de Maio de 1893 veio a falecer no Rio de Janeiro a 15 de Fevereiro de 1935 vítima de um acidente de viação. Foi um poeta e político brasileiro que em conjunto com Luís Montalvor editou e direcionou a primeira edição da revista Orpheu, constituída por cinco trabalhos: “A alma que passa”, “Lâmpada nocturna”, “ torre ignota”, “ O elogio dos repuxos” e “ Reflexos (poema da Alma enferma)”, que comparecem todos reunidos com o titulo de “Poem “Poemas”. Nesses versos Ronald de Carvalho realiza, na generalidade a passagem do Simbolismo para o Decadentismo ao paulismo. A sua lírica, por essa razão, transita entre on lado simbolista decadentista e, ora o simbolista-decadentista sensorialismo assemelhado ao de Sá Sá-Carneiro, ora à lírica intelectualizante de Fernando Pessoa paúlico e pessimista. 5
  6. 6. o Como surge? A geração de Orpheu surgiu em 1915 com a publicação da Revista Orpheu, razão do nome deste grupo. Apesar de em ambas as edições terem contribuído diversos intelectuais, os que mais se destacam são os seguintes: Fernando Pessoa, Mário de Sá-Carneiro, Almada-Negreiros, Amadeu de Souza-Cardoso (pintor), Guilherme de Santa-Rita, Ângelo de Lima (ambos também pintores), Luiz de Montalvôr e Ronald de Carvalho (diretores da revista Orpheu respectivamente de Portugal e Brasil). Participações pontuais também de Alfredo Pedro Guisado, José Pacheco (que desenhou a capa e foi responsável pela direção gráfica), António Ferro, Raul Leal e Armando Côrtes-Rodrigues. Apareceu após o ideal republicano ter engrossado por sucessivas manifestações de instabilidade. Foi se concretizando em 1910, com a proclamação da República, depois dos sangrentos acontecimentos de 1908, quando o rei D. Carlos perdeu a vida nas mãos de um homem do povo, alucinadamente antimonárquico. E foi nessa atmosfera de emaranhadas forças estéticas, a que se sobrepunham a inquietação trazida pela I Grande Guerra, que este grupo, em 1915, fundou a revista Orpheu. Grupo este composto pelas personalidades quer literárias quer artísticas que estavam insatisfeitos com a estagnação da cultura portuguesa e que já anteriormente foram referidas. Revista Orpheu, primeiro número, Janeiro-Fevereiro-Março 1915, capa de José Pacheco 6
  7. 7. O nome de “Orpheu”, foi o escolhido pois Orpheu era um mítico musico Grego que, para salvar a sua mulher Eurydice do Hades, teria de a trazer de volta ao mundo dos vivos sem nunca olhar para trás. Contado melhor, Orpheu era filho de uma musa e do Rei da Trácia, que se celebrizou pela magia do seu canto e da sua música, tendo sido o inventor da Lira. Com esta magia movia os homens, os animais selvagens e as próprias árvores. Quando regressou da aventura dos Argonautas, casou com a ninfa Eurídice que, no próprio dia do casamento morreu ao ser picada por uma serpente. Orpheu inconsolável, procurou-a no Hades e vencendo pela música os vários obstáculos, conseguiu comover os deuses infernais, suspender os suplícios dos condenados como os e Sísifo, Danaides, Tântalo, etc. e obter o privilégio de trazer de novo ao mundo dos vivos a sua amada Eurídice, desde que este não olhasse para ela antes de atingirem o mundo da luz. Apesar de Orpheu, porém, tomado de ansiedade, acabar por quebrar o juramento olhando para trás e perdendo Eurídice para sempre, é de entender então que esta era a metáfora usada pelos Homens de Orpheu ou seja, é esse não olhar para trás, esse esquecer, esse olvidar do passado para concentrar as atenções e as forças no caminho para diante, no futuro, na "edificação do Portugal do séc. XX" (Almada Negreiros). "O Orpheu é a soma e a síntese de todos os movimentos literários modernos. Entenda-se que parte do simbolismo, do decadentismo, do paulismo, simultaneismo, futurismo, cubismo, expressionismo, sensacionismo, interseccionismo e outros ismos" (Páginas Íntimas e de Auto-Interpretação). A revista foi publicada com a finalidade de Introduzir o Modernismo em Portugal nas artes e nas letras. Tal como seria de esperar, com um objectivo deste tipo e tendo em conta o contexto histórico da época, produziu um efeito escandalizador no povo pois punha em causa algumas convenções sociais e culturais. Era então, resumindo, uma revista de arte e literatura cuja principal função era subverter, escandalizar o burguês, pôr todas as convenções sociais em causa e agitar consciências através de atitudes originais que, em concomitância com as derradeiras manifestações simbolistas, iniciavam um estilo novo, ‘moderno’ ou ‘modernista’. Tudo isto apenas com o intuito de comunicar uma nova mensagem. Orpheu representa um desafio à sociedade culta portuguesa e o desejo de elevar Portugal à dimensão do moderno, à dimensão da Europa. O fim último do Orpheu, que ele pretendia atingir era a fusão de toda a poesia lírica, épica e dramática, em algo de superior que as transcendia. “Há apenas duas coisas interessantes em Portugal - a paisagem e o Orpheu.” (Álvaro de Campos) 7
  8. 8. Devido a todos estes fatores e juntado a crise que Portugal atravessava mais o decorrer da 1ª Guerra Mundial, é possível compreender que a Revista Orpheu tivesse apenas 2 publicações. Mas, o mais relevante na nossa opinião foi o facto de apesar das (muito) reduzidas publicações, esta revista ter não só modernizado a arte portuguesa como também ter divulgado alguns artistas do mundo. Orpheu tornou-se um símbolo "único e diverso, nacional e universal, actual e eterno - e um exemplo de coragem moral e de indefectível liberdade de espírito" «De resto, Orpheu não acabou. Orpheu não pode acabar. Na mitologia dos antigos, que o meu espírito radicalmente pagão se não cansa nunca de recordar, numa reminiscência constelada, há a história de um rio, de cujo nome apenas me entrelembro, que, a certa altura do seu curso, se sumia na areia. Aparentemente morto, ele, porém, mais adiante -- milhas para além de onde se sumira -- surgia outra vez à superfície, e continuava, com aquático escrúpulo, o seu leve caminho para o mar. Assim quero crer que seja -- na pior das contingências -- a revista sensacionista Orpheu.» Fernando Pessoa, «carta a Santa-Rita Pintor», Lisboa, 21 de Setembro de 1915 8

×