Portugal. naturalismo e vanguardas

4.093 visualizações

Publicada em

Síntese informativa sobre a cultura (arte e literatura) em Portugal nas primeiras décadas do século XX. Aborda em particular o modernismo.
Destina-se preferencialmente a alunos de História A, de 12º ano.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.093
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
50
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Portugal. naturalismo e vanguardas

  1. 1. Portugal no primeiro pós-guerra Tendências culturais: entre o naturalismo e as vanguardas.
  2. 2. Permanência do naturalismo, nas primeiras décadas do século XX  Nos primeiros anos do século XX, enquanto a Europa assistia ao surgimento das vanguardas na pintura, em Portugal verificava-se a permanência de padrões estéticos utilizados desde a segunda metade do século XIX.  O público e os governantes viam com agrado a subsistência do naturalismo, difundido por Malhoa; Columbano; Carlos Reis e Alberto de Sousa. A pintura de ar livre e as descrições da vida popular eram os temas mais comuns.  Na literatura, a corrente naturalista mantinha-se forte e dedicava-se ao louvor das qualidades ditas nacionais, nomeadamente as vivências da sociedade rural. Por exemplo, Teixeira de Pascoaes cultivava o “saudosismo”.
  3. 3. Permanência do naturalismo, nas primeiras décadas do século XX – (causas)  O regime republicano procurou afirmar-se adotando uma postura patriótica que se refletiu no apoio ao naturalismo.  A mudança da Monarquia (com 800 anos) para a República parecia suscitar a necessidade do novo regime criar uma fundamentação teórica e uma justificação a todos os níveis, entre eles a arte.  A descrição do mundo rural pode ainda encontrar justificação na fraca industrialização e no fraco desenvolvimento urbano do país, em comparação com o desenvolvimento dos países industrializados (Inglaterra, Alemanha e França). O mundo rural era uma realidade.
  4. 4. O Modernismo – caraterísticas gerais  Cosmopolitismo  Substituição da visão rústica, melancólica e saudosista pela vida mundana e boémia.  Abandono do pormenor em favor da esquematização.  Abandono da volumetria pela estilização.  Procura da originalidade sob influência das correntes impressionista, expressionista, cubista, futurista, abstracionista e surrealista. A sua inovação recebeu o desagrado do público e do poder político, que o marginalizou.
  5. 5. O primeiro Modernismo (1911-1918) - 1  As primeiras formas de modernismo aparecem em exposições de caricaturas e de desenhos de humor, onde os artistas podiam utilizar técnicas mais livres, do que na pintura.  Focam a sátira política, social e anticlerical.  Reportam-se a ambientes urbanos e boémios.  Refletem quer cenas de café, quer cenas populares.  Em termos de técnica verifica-se a estilização dos motivos, o recurso a cores claras e contrastantes e a desvalorização da perspetiva.
  6. 6. O primeiro Modernismo (1911-1918) - 2  As propostas reais do primeiro modernismo surgem na revista Orpheu e na revista Portugal Futurista  A revista Orpheu, dirigida por Fernando Pessoa e Mário de SáCarneiro, deu a conhecer um novo estilo literário diferente do que se fizera até então.  Os textos criticavam o homem contemplativo e enalteciam o homem de ação. Propunham o corte com o passado (criticando o saudosismo) e exaltavam o orgulho, a ação, a aventura e a glória.  Os textos e as pinturas divulgadas na revista escandalizaram o país. (Júlio Dantas indignou-se e criticou o Orpheu e a resposta foi o “Manifesto Anti-Dantas”, de Almada Negreiros)
  7. 7. O primeiro Modernismo (1911-1918) - 3  A revista Portugal Futurista teve apenas uma edição sem nunca ter chegado ao público, pois foi apreendida pela polícia logo que saiu da tipografia – aos republicanos não agradava a vanguarda artística.  Nessa publicação colaboraram Santa-Rita Pintor, Fernando Pessoa, Apollinaire, Mário de sá-Carneiro, Álvaro de Campos e Almada Negreiros com o polémico “Ultimatum futurista às gerações portuguesas do século XX”, que termina com a seguinte frase: “O povo completo será aquele que tiver reunido no seu máximo todas as qualidades e todos os defeitos. Coragem, portugueses, só vos faltam as qualidades.”
  8. 8. O segundo Modernismo (anos 20 e 30)  Foi menos arrojado que o movimento que o antecedeu, devido à ditadura vigente em Portugal desde1926.  Na pintura destacaram-se: Almada Negreiros; Sarah Afonso; Eduardo Viana e o casal Sonia e Robert Delaunay, entre outros.  É nesta fase que surgem as representações do Expressionismo; do Cubismo; do Abstracionismo e do Surrealismo (que se desenvolve, em Portugal, durante a Segunda Guerra Mundial).  A divulgação artística fez-se através de exposições independentes, da decoração de cafés e clubes e da ilustração de periódicos.  Na literatura, o movimento surge, sobre tudo, por via das revistas Contemporânea (1922/26) e Presença (1927/40), esta dirigida por José Régio (responsável pela publicação da obra de Fernando Pessoa).  O movimento perde impacto quando começa a ser utilizado como veículo ideológico do Estado Novo.
  9. 9. Amadeo de Souza-Cardoso  Embora com formação em arquitetura, voltou-se para a pintura e, sob influência das vanguardas europeias, realizou pinturas abstratas, expressionistas, cubistas e dadaístas.  Sofreu influência de Modigliani, patente no gosto pelas figuras longilíneas Menina dos Cravos (de cunho cubista).
  10. 10.  A Máscara do Olho Verde Figurativa, com influência expressionista e pincelada espessa  Canção Popular a Russa e o Fígaro Inovação pessoal onde são integrados temas de cariz popular
  11. 11. Almada Negreiros Autorretrato num grupo (Brasileira do Chiado)  Colaborou nas revistas Orpheu e Portugal Futurista.  O seu modernismo ficou patente no “Manifesto AntiDantas” pela reação ao conservadorismo artístico.  No campo da pintura sobressai a decoração do café A Brasileira do Chiado e os painéis das Gares Marítimas de Lisboa.
  12. 12. Eduardo Viana  Sofre influência de Cézanne e das técnicas cubistas, realizando incursões na decomposição das formas e da cor.  Manteve um cunho naturalista e uma forte atração pela figuração volumétrica.  O seu modernismo reside na criação de telas de cor fulgurante (com contraste vibrantes e luminosos ) e perspetiva esbatida.  Nu (decoração do Bristol Club)

×