Leishmaniose

7.871 visualizações

Publicada em

0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.871
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
352
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Leishmaniose

  1. 1. TAXONOMIAProtozoário: Leishmania braziliensisReino: ProtistaSub-reino: ProtozoaFilo: SaracomastigophoraSub-Filo: MastigophoraClasse: ZoomastigophoresOrdem: KinetoplastidaFamília: TripanosomatidaeGênero: Leishmania
  2. 2. O QUE É A LEISHMANIOSE?É uma doença transmitida por protozoários dogênero Leishmania. No Brasil existem atualmenteseis espécies de protozoários responsáveis porcausar doença humana. As variedades maisencontradas são a Leishmaniose Visceral (LV) e aLeishmaniose Tegumentar Americana (LTA).
  3. 3. O AGENTE ETIOLÓGICOA leishmaniose é causada porprotozoários flageladoschamados Leishmaniabrasiliensis e Leishmaniachagasi, que invadem e sereproduzem dentrodas células que fazem partedo sistema imunológico dapessoa infectada. Estes sãoparasitas de células fagocitáriasde mamíferos e utilizam o flagelonas fases extracelulares do seuciclo de vida.
  4. 4. TRANSMISSÃOA leishmaniose éuma doença nãocontagiosa, transmitida através da picadado mosquitoflebótomo, conhecidopopularmente pormosquitopalha, cangalhinhaou birigui.
  5. 5. CICLO DE VIDAA doença é transmitida através da picada do mosquito – o flebótomo. O mosquito, aopicar um ser infectado para se alimentar – que tanto pode ser o cão como um animalsilvestre ou o próprio homem – absorve o parasita (agente causador daleishmaniose) que se desenvolverá atacando algumas células sanguíneas tornando-se infectante após cerca de sete dias. Ao fim deste tempo, quando o mosquito forpicar outro vertebrado para se alimentar, vai deixar o parasita na sua correntesanguínea, onde se reproduzirá e provocará a doença.* Sem o mosquito não haverá o ciclo. Por isso, o contato de um cão contaminado comum sadio ou o simples contato do cão com o homem não constituem qualquer perigode contaminação da doença como frequentemente se pensa.• A contaminação cão-cão só poderia ocorrer se se usasse a mesma agulha devacinação num infectado e em outro não infectado, por exemplo.→ O período de incubação, isto é, desde a picada do mosquito até ao aparecimento dosprimeiros sintomas da doença é muito variável, de dez dias a dois anos, e issotambém dificulta o diagnóstico.
  6. 6. MANIFESTAÇÕESESTA DOENÇA PODE SE MANIFESTAR DE DUAS FORMAS:LEISHMANIOSE TEGUMENTAR OU CUTÂNEA E ALEISHMANIOSE VISCERAL OU CALAZAR.
  7. 7. Leishmaniosetegumentar oucutânea écaracterizada porlesõesna pele, podendotambém afetarnariz, boca egarganta, conhecida como “feridabrava”.
  8. 8. VISCERAL OUCALAZAR, É UMADOENÇA SISTÊMICA, POISAFETA VÁRIOSÓRGÃOS, SENDO QUE OSMAIS AFETADOS SÃOO FÍGADO, BAÇO EMEDULA ÓSSEA. SUAEVOLUÇÃO É LONGAPODENDO, EM ALGUNSCASOS, ATÉULTRAPASSAR OPERÍODO DE UM ANO.
  9. 9. SINTOMAS E DIAGNÓSTICOOs sintomas variam de acordo com o tipo da leishmaniose.• Na tegumentar, surge uma pequena elevação avermelhada napele que vai aumentando até se tornar uma ferida que podeestar recoberta por crosta ou secreção purulenta. Há também apossibilidade de sua manifestação se dar através de lesõesinflamatórias no nariz ou na boca.• Na visceral, ocorre febre irregular, anemia, indisposição, palidezda pele e mucosas, perda de peso, inchaço abdominal devidoao aumento do fígado e do baço.→ O diagnóstico da leishmaniose é feito através de um exame desangue, a fim de encontrar anticorpos específicos; biópsia ouraspadura da lesão - no caso de feridas.
  10. 10. PREVENÇÃOMedidas de prevenção e controle ainda não foramcapazes de impedir a ocorrência da doença.Entretanto, usar repelentes, armazenar adequadamenteo lixo orgânico (a fim de evitar a ação domosquito), evitar banho de rio ao entardecer, visitar omédico em casos de feridas, evitar animais domésticoscom feridas características, não utilizar agulhasutilizadas por terceiros, são medidas individuais quediminuem a probabilidade de ser contaminado.• Vale ressaltar, também, que existem repelentesespeciais para cães, evitando que sejam picados pelosmosquitos.
  11. 11. TRATAMENTOO tratamento é feito não só visando a cura clínica, mas também oimpedimento de que a doença evolua para as outras formas maisgraves e, também, para evitar recidivas.• No homem, quando a doença é diagnosticada a tempo, otratamento e cura é possível, com medicamentos específicos.• No cão a doença é incurável, mas pode ser tratada se o estadogeral de saúde do cão for aceitável e principalmente se a doençanão tiver atingido um elevado grau de desenvolvimento. Ocão, quando tratado a tempo, conserva uma boa qualidade devida. O tratamento elimina os sintomas mas o animal continuaportador. No entanto, depois de tratado, deixa de ser transmissor.
  12. 12. CURIOSIDADES→ Nos meses de julho, agosto e setembro é mais favorável a picada do mosquito;→ O inseto mede de 2 a 3 mm;→ 88 países são considerados regiões endêmicas (Américas, África, Ásia e sul da Europa);→ 350 milhões de pessoas estão sob risco de infecção;→ Cerca de 15 milhões de pessoas estão infectadas;→ Estima-se que ocorram aproximadamente de 1.5 - 2milhões de novos casos por ano;→ Vacinas preventivas e curativas estão sendo testadas com resultados muito esperançosos.
  13. 13. GRUPOCaroline LandimAna Carolina EvangelistLuzia Patrícia2º ano B -Agrimensura

×