LEISHMANIOSE
FILO SARCOMASTIGOPHORA 
(PRESENÇA DE FLAGELO OU PSEUDÓPODOS)
Leishmaniose
SUBFILO MASTIGOPHORA (COM FLAGELO) 
ORDEM KINETOPLASTIDA 
FAMÍLIA TRYPANOSOMATIDAE 
GÊNERO → Trypanosoma ESPÉCIE → T. cruz...
GÊNERO Leishmania 
CARACTERÍSTICAS: 
 Unicelulares 
 heteroxenos 
 Flagelados 
 Promastigotas e Paramastigotas no trat...
HOSPEDEIROS 
 Invertebrado (intermediário):insetos hematófago conhecidos como 
flebotomíneos (mosquito-palha,birigui,tatu...
 Vertebrados: mamíferos, como roedores, canídeos(os mais 
comuns), marsupiais, primatas.
TRANSMISSÃO: através da picada do mosquito infectado, durante o 
repasto sangüineo
LEISHMANIOSE TEGUMENTAR 
AMERICANA 
DEFINIÇÃO: infecção polimórfica da pele e das mucosas com lesões 
ulcerosas, indolores...
HISTÓRICO : 
- Primeiro século d.C 
- Cerâmicas peruanas entre os anos de 400 a 900 d.C 
- Brasil, Cerqueira tem registros...
AGENTE ETIOLÓGICO 
Gênero Leishmania 
Espécie L. brazilienses 
L. guyanenses 
L. lainsoni 
L. shawi 
L. niffi 
L. amazonen...
CICLO 
É um protozoário digenético, com ciclo biológico realizado em dois 
hospedeiros: um invertebrado e um vertebrado
Ciclo
MORFOLOGIA 
Formas Amastigotas, nos vertebrados
Formas Promastigotas e Paramastigotas nos insetos vetores
REPRODUÇÃO 
Por divisão binária 
BIOLOGÍA 
As formas Amastigotas habitam os macrófagos (sistema mononuclear 
fagocitário) ...
TRANSMISÃO : 
Pela picada do mosquito hematófago do gênero Lutzomyia
PATOGENIA 
- As formas Promastigotas são inoculadas na derme 
↓ 
- As células destruidas pela prosbócida do mosquito e a s...
Observação 
* Os promastigotas que não são fagocitados, 
não conseguem sobreviver no meio extracelular, 
pois são atacados...
PERÍODO DE INCUBAÇÃO 
Varia de duas semanas a três meses 
EVOLUÇÃO 
- Pode regredir espontaneamente 
- Pode estacionar 
- ...
- A lesão progride e forma a típica úlcera leishmaniótica, que, por 
seu aspecto morfológico, pode ser reconhecida imediat...
CARACTERÍSTICAS DAS PRINCIPAIS FORMAS CLÍNICAS DE LTA NO BRASIL 
FORMAS CLÍNICAS LOCALIZAÇÃO TESTE DE MONTENEGRO * ESPÉCIE...
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceral 
Agente etiológico 
o Leishmania donovani 
o Leishmania infantum 
o Leishmania chagasi
Patogenia 
A L. chagasi é um parasito de células SMF, 
principalmente do: 
baço, 
fígado, 
linfonodo e 
medula óssea. 
No ...
Algumas alterações da L.chagasi: 
Alterações Esplênicas 
Alterações Hepática 
Alterações Renais 
Alterações dos Linfonodos...
Quadro Clínico 
A doença pode deve ter desenvolvimento 
abrupto ou gradual. 
Os sinais sistêmicos típicos são : 
 Febre i...
Formas Clínicas 
• Forma assintomática: Os indivíduos 
podem desenvolver sintomatologias 
pouco especificas. 
• Forma agud...
Freqüência de Sinais e Sintomas 
em Pacientes Infantis com 
Leishmaniose Visceral Crônica 
Sinais e Sintomas % 
Esplenomeg...
EPIDEMIOLOGIA 
- Enzootia dos animais silvestres 
- A infecção do homem ocorre quando este penetra nas área de 
risco, pas...
DIAGNÒSTICO 
- Clínico ( características da lesão) 
- Anamnese 
- Pesquisa de mosquitos esfregaços, cultura, inoculação em...
Observação 
Glucantime: 
O seu principal efeito colateral é a indução de 
arritmias cardíacas e está contra-indicado em 
m...
CONTROLE: 
 NOTIFICAÇÃO DE CASOS SUSPEITOS 
 DELIMITAR AS ÁREAS DE RISCOS 
 BUSCA ATIVA 
 EDUCAÇÃO/DIVULGAÇÃO 
 CONTR...
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral

3.731 visualizações

Publicada em

Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.731
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
112
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral

  1. 1. LEISHMANIOSE
  2. 2. FILO SARCOMASTIGOPHORA (PRESENÇA DE FLAGELO OU PSEUDÓPODOS)
  3. 3. Leishmaniose
  4. 4. SUBFILO MASTIGOPHORA (COM FLAGELO) ORDEM KINETOPLASTIDA FAMÍLIA TRYPANOSOMATIDAE GÊNERO → Trypanosoma ESPÉCIE → T. cruzi GÊNERO → Leishmania ESPÉCIE → L. braziliensis ESPÉCIE → L. donovani ESPÉCIE → L. tropica
  5. 5. GÊNERO Leishmania CARACTERÍSTICAS:  Unicelulares  heteroxenos  Flagelados  Promastigotas e Paramastigotas no trato digestivo dos hospedeiros invertebrados  Amastigotas sem flagelo livre nos vertebrados
  6. 6. HOSPEDEIROS  Invertebrado (intermediário):insetos hematófago conhecidos como flebotomíneos (mosquito-palha,birigui,tatuquira,cangalha, cangalinha)
  7. 7.  Vertebrados: mamíferos, como roedores, canídeos(os mais comuns), marsupiais, primatas.
  8. 8. TRANSMISSÃO: através da picada do mosquito infectado, durante o repasto sangüineo
  9. 9. LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA DEFINIÇÃO: infecção polimórfica da pele e das mucosas com lesões ulcerosas, indolores, únicas ou múltiplas (forma cutânea simples), lesões nodulares (forma difusa) ou lesões cutaneomucosa (forma cutaneomucosa) que afetam regiões nasofaríngea concomitantemente ou após uma infecção inicial. # Desfigurante, podendo levar ao óbito quando há comprometimento do sistema respiratório SINONÍMIA : ferida de Blakh (Afeganistão) ferida de Bagdá (Iraque) ferida de Aleppo (Síria) botão do Oriente
  10. 10. HISTÓRICO : - Primeiro século d.C - Cerâmicas peruanas entre os anos de 400 a 900 d.C - Brasil, Cerqueira tem registros de 1855 - 1908, surgiu na construção da estrada de ferro noroeste do Brasil, em Bauru, SP IMPORTÂNCIA : - O. M. S: mais de 12 milhões de casos. A sexta mais importantes das epidemias no mundo - Prevalência de 400 mil novos casos/ano - Periferia de Manaus possui números altíssimos de portadores - Desfigurante - Incapacitante - Fatal
  11. 11. AGENTE ETIOLÓGICO Gênero Leishmania Espécie L. brazilienses L. guyanenses L. lainsoni L. shawi L. niffi L. amazonensis L. donovani L. tropica L. chagasi
  12. 12. CICLO É um protozoário digenético, com ciclo biológico realizado em dois hospedeiros: um invertebrado e um vertebrado
  13. 13. Ciclo
  14. 14. MORFOLOGIA Formas Amastigotas, nos vertebrados
  15. 15. Formas Promastigotas e Paramastigotas nos insetos vetores
  16. 16. REPRODUÇÃO Por divisão binária BIOLOGÍA As formas Amastigotas habitam os macrófagos (sistema mononuclear fagocitário) dos vertebrados As formas Promastigotas e Paramastigotas habitam livremente o tubo digestivo dos flebotomíneos, ou aderidas ao epitélio intestinal.
  17. 17. TRANSMISÃO : Pela picada do mosquito hematófago do gênero Lutzomyia
  18. 18. PATOGENIA - As formas Promastigotas são inoculadas na derme ↓ - As células destruidas pela prosbócida do mosquito e a sua saliva inoculada atraem as células fagocitárias mononucleares (macrófagos) entre outras da série branca ↓ - Macrófagos fagocitam as Promastigotas e estas dentro dele se transformam em amastigotas que sofrem divisão binária. Enchem o macrófago que ropem. ↓ - Mais macrófagos são atraídos e infectados ↓ - A lesão inicial é manifestada por um infiltrado inflamatório composto principalmente de linfócitos e de macrófagos, sendo este último abarrotado de parasitas.
  19. 19. Observação * Os promastigotas que não são fagocitados, não conseguem sobreviver no meio extracelular, pois são atacados pelo sistema imunológico do hospedeiro. * As moléculas de lipofosfoglicano (LPG) e de glicoproteínas gp63 (que possui ação enzimática como proteases) estão relacionadas com os mecanismos utilizados pelos parasitas para resistir à ação microbicida dos macrófagos, no interior dos mesmos.
  20. 20. PERÍODO DE INCUBAÇÃO Varia de duas semanas a três meses EVOLUÇÃO - Pode regredir espontaneamente - Pode estacionar - Evolui para um “Histiocitoma” (nódulo na pele), no sítio da picada do vetor - O ritmo da evolução vai depender da espécie envolvida - Formação de infiltrado celular circulando a lesão - Necrose devido à desintegração da epiderme e da membrana basal que leva a uma lesão úlcero-crostosa - Após a perda da crosta, surgem úlceras com crostas salientes e fundo com exsudado seroso ou seropurulento
  21. 21. - A lesão progride e forma a típica úlcera leishmaniótica, que, por seu aspecto morfológico, pode ser reconhecida imediatamente: configuração circular, bordos altos, cujo fundo é granuloso, de cor vermelha intensa recoberto por exsudado seroso ou seroso-purulento, dependendo de infecções secundárias. - # pode haver outras formas de apresentação
  22. 22. CARACTERÍSTICAS DAS PRINCIPAIS FORMAS CLÍNICAS DE LTA NO BRASIL FORMAS CLÍNICAS LOCALIZAÇÃO TESTE DE MONTENEGRO * ESPÉCIE DE LEISHMANIA LEISHMANIOSE INFECÇÃO CONFINADA NA DERME POSITIVO L . Amazonensis CUTÂNEA L . Braziliensis L . Guyanensis L . Lainsoni LEISMANIOSE INFECÇÃO NA DERME, COM ÚLCERAS. POSITIVO L . Braziliensis CUTÂNEOMUCOSA LESÕES METASTÁTICAS PODE OCORRER, RESPOSTA EXAGERADA L . Guyanensis COM INVASÃO DE MUCOSAS E DESTRUIÇÃO DE CARTILAGENS LEISHMANIOSE INFECÇÃO CONFINADA NA DERME NEGATIVO L . Amazonensis CUTÂNEA DIFUSA FORMANDO NÓDULOS NÃO ULCERADOS. DISSEMINAÇÃO POR TODO O CORPO * Injeção intradérmica de antígenos (proteínas) de leishmania
  23. 23. Leishmaniose visceral
  24. 24. Leishmaniose visceral Agente etiológico o Leishmania donovani o Leishmania infantum o Leishmania chagasi
  25. 25. Patogenia A L. chagasi é um parasito de células SMF, principalmente do: baço, fígado, linfonodo e medula óssea. No entanto, podem atingir outros órgãos: Intestino, Pulmões e Rins
  26. 26. Algumas alterações da L.chagasi: Alterações Esplênicas Alterações Hepática Alterações Renais Alterações dos Linfonodos Alterações Pulmonares Alterações do Aparelho Digestivo Alterações Cutâneas
  27. 27. Quadro Clínico A doença pode deve ter desenvolvimento abrupto ou gradual. Os sinais sistêmicos típicos são :  Febre intermitente  Palidez de mucosa  Esplenomegalia associada ou não a hepatomegalia  Emagrecimento e enfraquecimento geral
  28. 28. Formas Clínicas • Forma assintomática: Os indivíduos podem desenvolver sintomatologias pouco especificas. • Forma aguda: Corresponde ao período inicial da doença
  29. 29. Freqüência de Sinais e Sintomas em Pacientes Infantis com Leishmaniose Visceral Crônica Sinais e Sintomas % Esplenomegalia 99 Febre 95 Hepatomegalia 90 Palidez 85 Anemia 98 Perda de peso 90 Dor abdominal 50 Tosse 40 Edema 40 Aumento de linfonodos 35 Anorexia 30 Epistaxe 30 Diarréia 15
  30. 30. EPIDEMIOLOGIA - Enzootia dos animais silvestres - A infecção do homem ocorre quando este penetra nas área de risco, passando a doença a ter um caráter zoonótico - Muitos mamíferos são reservatórios - Homem desmatando - Clima tropical - Variedades grande de vetores (topos das árvores e chão) - PROFILAXIA - Evitar a destruição de pequenos mamíferos - Evitar o desmatamento - Proteção individual contra o mosquito : repelentes e cobertores - Casas à no mínimo 500 m das matas - Vacinas (?)
  31. 31. DIAGNÒSTICO - Clínico ( características da lesão) - Anamnese - Pesquisa de mosquitos esfregaços, cultura, inoculação em cobaia, histopatológico - Métodos imunológicos : Teste de Montenegro (intradermorreação) , imunofluorescência indireta (RIFI) TRATAMENTO - Glucantime - Anfotericina B (cara) - Miltefosina (?) - Imunoterapia (Leishvacin ) - Imunoquimioterapia ( Leishvacin + Glucantime )
  32. 32. Observação Glucantime: O seu principal efeito colateral é a indução de arritmias cardíacas e está contra-indicado em mulheres grávidas nos 2 primeiros trimestres, doentes com insuficiência hepática e renal e naqueles em uso de drogas anti-arrítmicas.
  33. 33. CONTROLE:  NOTIFICAÇÃO DE CASOS SUSPEITOS  DELIMITAR AS ÁREAS DE RISCOS  BUSCA ATIVA  EDUCAÇÃO/DIVULGAÇÃO  CONTROLE QUÍMICO (FUMACÊ)

×