SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Baixar para ler offline
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ATENÇÃO À
CRIANÇA
SARAMPO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SARAMPO
• A vacina é a principal medida preventiva eficaz contra o
Sarampo.
• É preciso criar estratégias midiáticas, nos diversos meios de
comunicação, para informar profissionais de saúde,
população e comunidade sobre o Sarampo.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SARAMPO
Objetivos dessa apresentação:
• Apresentar os principais aspectos relacionados ao Sarampo, desde sua
etiologia, epidemiologia, transmissão, clínica, diagnóstico, tratamento e
vacinação.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SARAMPO
Etiologia
• O vírus do sarampo é RNA envelopado com um sorotipo
• Gênero: Morbillivirus
• Família: Paramyxoviridae.
• Período de incubação: 8 a 12 dias da exposição
• Aparecimento dos sintomas: 7 a 21 dias da exposição
O homem é o único hospedeiro
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SARAMPO
Epidemiologia
• Em 2019, foram confirmados 7.972 casos de sarampo, destes 6.498 (81,4%) foram
confirmados por critério laboratorial e 1.483 (18,6%) por critério clínico epidemiológico.
• O aumento de notificações ocorreu a partir da Semana Epidemiológica (SE) 24 até a SE 32
quando foi observado o pico dos registros.
• No período de 14/07/2019 a 05/10/2019 (SE 29-40), foram notificados 37.551 casos
suspeitos. Destes, 6.192 (16,5%) foram confirmados, 20.175 (53,7%) estão em
investigação e 11.185 (29,8%) foram descartados.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SARAMPO
Distribuição dos casos de sarampo por Semana Epidemiológica do início do
exantema e classificação final (Brasil, 2019)
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SARAMPO
Transmissão
• É necessária uma elevada imunidade de rebanho (entre 90,6% e 96,3%) para que a
circulação viral seja interrompida.
• A transmissão do vírus ocorre a partir de gotículas de pessoas doentes ao espirrar, tossir,
falar ou respirar próximo.
• Tem uma taxa de ataque de 90% em indivíduos susceptíveis.
Sarampo -> Extremamente contagioso!
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SARAMPO
Transmissão
• O pico de incidência ocorre nos meses mais frios
• Contágio: 4 dias antes a 4 dias depois do exantema
• Imunocomprometidos podem transmitir por todo o tempo da doença
A circulação do vírus é considerada interrompida quando: passarem 12 semanas
consecutivas ou mais sem novos casos na mesma cadeia de transmissão.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SARAMPO
Clínica
Paciente com febre e exantema maculopapular,
acompanhados de um ou mais dos sinais e sintomas:
Tosse e/ou coriza e/ou conjuntivite, independente da
idade e situação vacinal.
• Exantema maculopapular começando na face se
espalhando pelo corpo no sentido cefalocaudal e
centrífugamente.
• Sinal de Koplik nos pródromos.
Definição de Caso Suspeito
Sinal de Koplik: pequenos
pontos brancos
(máculas), com halo
eritematoso difuso, que
aparecem na mucosa
bucal, antecedendo ao
exantema.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SARAMPO
Evolução dos Sinais e Sintomas do Sarampo
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SARAMPO
Complicações
Complicações:
• Otite 1:10
• Pneumonia 1:20
• Encefalite 1:1000 (destes 10% morrem)
• Panencefalite esclerozante subaguda 4-11:100.000
Complicações e mortes são mais frequentes abaixo de 5 anos e em
imunocomprometidos.
Mortalidade 1-3:1000
(habitualmente causa respiratória
ou neurológica)
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SARAMPO
Mortalidade
• Foram confirmados 13 óbitos por sarampo no Brasil em 2019, sendo 12 no estado de São
Paulo e um no estado de Pernambuco. 6.498 casos e 13 óbitos ≅ 2:1000 em 2019 até a
SE 40!
• Sete óbitos (53,8%) ocorreram em menores de cinco anos de idade, dois (15,4%) na faixa
etária de 20 a 39 anos e quatro (30,8%) em adultos maiores de 40 anos.
• Sete casos eram do sexo masculino, apenas um caso era vacinado contra o sarampo!
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SARAMPO
Diagnóstico Diferencial
É fundamental garantir estoque estratégico de insumos
laboratoriais para diagnóstico do sarampo e outros vírus do
diagnóstico diferencial, tais como: rubéola, dengue,
Parvovírus B19, zika, chikungunya, oropouche, mayaro, etc.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SARAMPO
Diagnóstico
• Isolamento do vírus em cultura celular
• IgM e IgG ELISA (O método padrão ouro para medição de títulos de anticorpos
protetores, a neutralização por redução de placas de lise (micro PRNT)
• PCR-RT
O ideal é coletar amostras em sangue, urina e secreção respiratória para aumentar a
sensibilidade de detecção
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SARAMPO
Uso de sorologia para verificação de soroconversão à vacina
• Os exames sorológicos comercialmente disponíveis baseados
na técnica de ELISA, apesar de possuírem alto valor preditivo
positivo, tem baixa sensibilidade para detectar níveis
protetores de anticorpos, especialmente quando em baixos
títulos.
• Considerando a alta probabilidade de soroconversão após a
vacina, o uso de exames de ELISA para avaliação da imunidade
tende a gerar altas taxas de falsos negativos em pessoas
imunocompetentes adequadamente vacinadas.
Não se recomenda a
realização de sorologia
para avaliação de
imunidade prévia em
pessoas sabidamente
vacinadas e
imunocompetentes.
• O método padrão ouro para medição de títulos de anticorpos protetores, a neutralização
por redução de placas de lise (micro PRNT), é um método caro e trabalhoso, habitualmente
disponível apenas em laboratórios de pesquisa.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SARAMPO
Tratamento
• Oferta abundante de líquido, com hidratação venosa se necessária;
• Antitérmicos para o controle da febre;
• Soro fisiológico para limpeza ocular;
• Soro fisiológico nasal;
• Tratamento com antimicrobianos nos casos acompanhados de infecções secundárias.
O tratamento é sintomático!
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SARAMPO
Vitamina A
A vitamina A deve ser administrada em duas doses: imediatamente ao diagnóstico e
repetida no dia seguinte.
As doses diárias de idade específicas recomendadas são:
Lactentes menores de 6
meses
50.000 UI por via oral
Lactentes de 6 a 11
meses
100.000 UI por via oral
Crianças de 12 meses ou
mais
200.000 UI por via oral
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SARAMPO
Esquema Vacinal recomendado
• Devido ao aumento de casos de sarampo em alguns estados, todas
as crianças de 6 meses a menores de 1 ano devem ser vacinadas
(dose extra).
Dose zero
• Crianças que completarem 12 meses (1 ano).Primeira dose
• Aos 15 meses de idade, última dose por toda a vida.Segunda dose
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SARAMPO
Esquema Vacinal recomendado
Tomou apenas uma dose até os 29 anos de
idade:
• Se você tem entre 1 e 29 anos e recebeu
apenas uma dose, recomenda-se completar o
esquema vacinal com a segunda dose da
vacina;
• Quem comprova as duas doses da vacina do
sarampo, não deve se vacinar novamente.
Não tomou nenhuma dose,
perdeu o cartão ou não se
lembra?
• De 1 a 29 anos - São necessárias
duas doses;
• De 30 a 49 anos - Apenas uma
dose.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SARAMPO
Ocorrência de casos de Sarampo em pessoas previamente vacinadas
Sua efetividade é dependente do número de doses prévias e da idade à vacinação, sendo:
• 84% em pessoas vacinadas antes dos 12 meses de idade;
• 92,5% em pessoas vacinadas após os 12 meses;
• entre 95% a 99% em pessoas vacinadas com duas doses da vacina.
O bloqueio vacinal seletivo
deve ser realizado em até
72 horas em todos os
contatos do caso suspeito
durante a investigação.
Importância de realizar ações que minimizem as
oportunidades perdidas de vacinação, otimizando a vacina
especialmente por meio da busca de pessoas não vacinadas
ou com esquema incompleto para o sarampo, conforme o
Calendário Nacional de Vacinação
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SARAMPO
Imunoglobulina
O uso de imunoglobulina é recomendado particularmente após exposição ao caso suspeito
de sarampo, de maneira a reduzir o risco da infecção e de complicações, dentro de seis dias
após a primeira exposição em:
• Crianças menores de seis meses;
• Gestantes sem evidência de imunidade prévia ao sarampo (um dose válida de vacina
tríplice, a partir de um ano de idade);
• Indivíduos imunocomprometidos sem evidência de imunidade prévia ao sarampo e
aqueles imunodeprimidos graves, independente de história prévia de vacinação ou
doença.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SARAMPO
É fundamental fortalecer a capacidade dos sistemas de
Vigilância Epidemiológica do Sarampo e reforçar as
equipes de investigação oportuna e adequada dos
casos notificados.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SARAMPO
Referências
• Brasil. Ministério da Saúde. Saúde de A a Z. Sarampo: sintomas, prevenção, causas, complicações e tratamento. Disponível em: <http://www.saude.gov.br/>
• Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico 28. Vigilância epidemiológica do sarampo no Brasil 2019: Semanas Epidemiológicas 28 a 39 de
2019.
• Karron RA, Luongo C, Mateo JS, Wanionek K, Collins PL, Buchholz UJ. Safety and Immunogenicity of the Respiratory Syncytial Virus Vaccine RSV/ΔNS2/Δ1313/I1314L in RSV-
Seronegative Children. J Infect Dis. 2019 Oct 12. pii: jiz408. doi: 10.1093/infdis/jiz408. [Epub ahead of print] PubMed PMID: 31605113.
• Centers for Disease Control and Prevention. Photos of Measles and People with Measles
• Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico 19. Vigilância Epidemiológica do sarampo no Brasil, Semanas Epidemiológicas 23 a 34 de 2019.
• Brasil. Estado do Piauí. Prefeitura de Teresina. Fundação Municipal de Saúde. Diretoria de Vigilância em Saúde. Núcleo de Doenças Imunopreveníveis. Nota Informativa 07/2018:
Orientações Gerais Sobre Sarampo – Profissionais de Saúde.
• Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis.Plano de Contingência para Resposta às Emergências de Saúde
Pública : sarampo [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. – Brasília : Ministério da
Saúde, 2016.
• Sociedade Brasileira de Infectologia. Sarampo. Disponível Em: <https://www.infectologia.org.br/>
• Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). Departamentos Científicos. Atualização sobre Sarampo.
• Brasil. Estado de São Paulo. Prefeitura do Município de São Paulo. Secretaria Municipal de Saúde. Coordenadoria de Vigilância e Saúde. Medidas de controle de sarampo – Atualizada
em julho 2019.
ATENÇÃO À
CRIANÇA
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Material de 12 de novembro de 2019
Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Eixo: Atenção à Criança
Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal.
SARAMPO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALOApresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALOWAGNER OLIVEIRA
 
Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)
Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)
Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)Adriana Bonadia dos Santos
 
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadjaPrograma nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadjaNadja Salgueiro
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisRicardo Alanís
 

Mais procurados (20)

Hepatite
HepatiteHepatite
Hepatite
 
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALOApresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
 
Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)
Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)
Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)
 
Slide sarampo
Slide sarampoSlide sarampo
Slide sarampo
 
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadjaPrograma nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Sarampo e catapora
Sarampo e cataporaSarampo e catapora
Sarampo e catapora
 
Apresentação aids
Apresentação aidsApresentação aids
Apresentação aids
 
Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Pneumonia
 
Slides rubéola
Slides rubéolaSlides rubéola
Slides rubéola
 
Poliomielite
Poliomielite Poliomielite
Poliomielite
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveis
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Dengue
Dengue Dengue
Dengue
 
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saberIMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
 
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus InfluenzaPrevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
 
Vacinas
Vacinas Vacinas
Vacinas
 
Sarampo parasitologia
Sarampo parasitologiaSarampo parasitologia
Sarampo parasitologia
 
Imunização
ImunizaçãoImunização
Imunização
 

Semelhante a Sarampo

Aula ppd marneili 2008
Aula  ppd  marneili 2008Aula  ppd  marneili 2008
Aula ppd marneili 2008estudantee
 
Covid-19-atual-perspectivas.pdf
Covid-19-atual-perspectivas.pdfCovid-19-atual-perspectivas.pdf
Covid-19-atual-perspectivas.pdfFabiola Souza
 
Capacitação aos agentes comnunitários de saúde do município
Capacitação aos agentes comnunitários de saúde do municípioCapacitação aos agentes comnunitários de saúde do município
Capacitação aos agentes comnunitários de saúde do municípioAlinebrauna Brauna
 
Malária: Quadro clínico, diagnóstico e tratamento. Atualização
Malária: Quadro clínico, diagnóstico e tratamento. AtualizaçãoMalária: Quadro clínico, diagnóstico e tratamento. Atualização
Malária: Quadro clínico, diagnóstico e tratamento. AtualizaçãoYoan Rodriguez
 
Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03
Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03
Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03Instituto Consciência GO
 
Controle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratória
Controle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratóriaControle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratória
Controle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratóriaProfessor Robson
 
1 apresentação influenza paracatu
1 apresentação influenza paracatu1 apresentação influenza paracatu
1 apresentação influenza paracatuCínthia Lima
 
Idoso - acima de 60 anos
Idoso - acima de 60 anosIdoso - acima de 60 anos
Idoso - acima de 60 anosOtavio Soria
 
Ebook -O papel do farmacêutico frente à pandemia de COVID-19-1.pdf
Ebook -O papel do farmacêutico frente à pandemia de COVID-19-1.pdfEbook -O papel do farmacêutico frente à pandemia de COVID-19-1.pdf
Ebook -O papel do farmacêutico frente à pandemia de COVID-19-1.pdfEverton Menezes
 
calend-sbim-idoso.pdf
calend-sbim-idoso.pdfcalend-sbim-idoso.pdf
calend-sbim-idoso.pdfWalaceSilva34
 
Tuberculose e Dengue
Tuberculose e DengueTuberculose e Dengue
Tuberculose e DengueIsmael Costa
 
Slide Aula Imunização - Dr Claudio.pptx
Slide Aula Imunização - Dr Claudio.pptxSlide Aula Imunização - Dr Claudio.pptx
Slide Aula Imunização - Dr Claudio.pptxJssicaBizinoto
 
Na disturb-tireoide_em_crian_adoles_e_a_covid-19
Na  disturb-tireoide_em_crian_adoles_e_a_covid-19Na  disturb-tireoide_em_crian_adoles_e_a_covid-19
Na disturb-tireoide_em_crian_adoles_e_a_covid-19gisa_legal
 
Homem - 20 a 59 anos
Homem - 20 a 59 anosHomem - 20 a 59 anos
Homem - 20 a 59 anosOtavio Soria
 
Capacitação Covid atualização.pptx
Capacitação Covid atualização.pptxCapacitação Covid atualização.pptx
Capacitação Covid atualização.pptxSilviaMello18
 
monkeypox-variola-dos-macacos-anvisa.pdf
monkeypox-variola-dos-macacos-anvisa.pdfmonkeypox-variola-dos-macacos-anvisa.pdf
monkeypox-variola-dos-macacos-anvisa.pdfAloisio Amaral
 

Semelhante a Sarampo (20)

Pediatria SARAMPO
Pediatria SARAMPOPediatria SARAMPO
Pediatria SARAMPO
 
Aula ppd marneili 2008
Aula  ppd  marneili 2008Aula  ppd  marneili 2008
Aula ppd marneili 2008
 
Covid-19-atual-perspectivas.pdf
Covid-19-atual-perspectivas.pdfCovid-19-atual-perspectivas.pdf
Covid-19-atual-perspectivas.pdf
 
Capacitação aos agentes comnunitários de saúde do município
Capacitação aos agentes comnunitários de saúde do municípioCapacitação aos agentes comnunitários de saúde do município
Capacitação aos agentes comnunitários de saúde do município
 
Sarampo
Sarampo Sarampo
Sarampo
 
Malária: Quadro clínico, diagnóstico e tratamento. Atualização
Malária: Quadro clínico, diagnóstico e tratamento. AtualizaçãoMalária: Quadro clínico, diagnóstico e tratamento. Atualização
Malária: Quadro clínico, diagnóstico e tratamento. Atualização
 
Aula 1_Tuberculose.pdf
Aula 1_Tuberculose.pdfAula 1_Tuberculose.pdf
Aula 1_Tuberculose.pdf
 
Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03
Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03
Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03
 
Controle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratória
Controle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratóriaControle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratória
Controle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratória
 
1 apresentação influenza paracatu
1 apresentação influenza paracatu1 apresentação influenza paracatu
1 apresentação influenza paracatu
 
Idoso - acima de 60 anos
Idoso - acima de 60 anosIdoso - acima de 60 anos
Idoso - acima de 60 anos
 
Ebook -O papel do farmacêutico frente à pandemia de COVID-19-1.pdf
Ebook -O papel do farmacêutico frente à pandemia de COVID-19-1.pdfEbook -O papel do farmacêutico frente à pandemia de COVID-19-1.pdf
Ebook -O papel do farmacêutico frente à pandemia de COVID-19-1.pdf
 
calend-sbim-idoso.pdf
calend-sbim-idoso.pdfcalend-sbim-idoso.pdf
calend-sbim-idoso.pdf
 
Tuberculose e Dengue
Tuberculose e DengueTuberculose e Dengue
Tuberculose e Dengue
 
Slide Aula Imunização - Dr Claudio.pptx
Slide Aula Imunização - Dr Claudio.pptxSlide Aula Imunização - Dr Claudio.pptx
Slide Aula Imunização - Dr Claudio.pptx
 
Na disturb-tireoide_em_crian_adoles_e_a_covid-19
Na  disturb-tireoide_em_crian_adoles_e_a_covid-19Na  disturb-tireoide_em_crian_adoles_e_a_covid-19
Na disturb-tireoide_em_crian_adoles_e_a_covid-19
 
Homem - 20 a 59 anos
Homem - 20 a 59 anosHomem - 20 a 59 anos
Homem - 20 a 59 anos
 
Uso de Antibióticos em Neonatologia: menos é mais!
Uso de Antibióticos em Neonatologia: menos é mais!Uso de Antibióticos em Neonatologia: menos é mais!
Uso de Antibióticos em Neonatologia: menos é mais!
 
Capacitação Covid atualização.pptx
Capacitação Covid atualização.pptxCapacitação Covid atualização.pptx
Capacitação Covid atualização.pptx
 
monkeypox-variola-dos-macacos-anvisa.pdf
monkeypox-variola-dos-macacos-anvisa.pdfmonkeypox-variola-dos-macacos-anvisa.pdf
monkeypox-variola-dos-macacos-anvisa.pdf
 

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz) (20)

Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
 
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
 
Ansiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no ClimatérioAnsiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no Climatério
 
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
 
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
 
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no BrasilDesospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
 
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto NormalO Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadasDiabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
 
Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Luto Perinatal
 
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e ManejoAnafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e PuerpérioDiabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
 
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no BrasilRetomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
 
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na GestaçãoCuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
 
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
 
Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?
 
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Osteogênese Imperfeita
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natalDiabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
 
Desafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução AlimentarDesafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução Alimentar
 

Último

Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoMarianaAnglicaMirand
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfClivyFache
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERCarlaDaniela33
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxcontatofelipearaujos
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptxAula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptxIgrejaBblica1
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdClivyFache
 

Último (13)

Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptxAula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
 

Sarampo

  • 2. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SARAMPO • A vacina é a principal medida preventiva eficaz contra o Sarampo. • É preciso criar estratégias midiáticas, nos diversos meios de comunicação, para informar profissionais de saúde, população e comunidade sobre o Sarampo.
  • 3. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SARAMPO Objetivos dessa apresentação: • Apresentar os principais aspectos relacionados ao Sarampo, desde sua etiologia, epidemiologia, transmissão, clínica, diagnóstico, tratamento e vacinação.
  • 4. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SARAMPO Etiologia • O vírus do sarampo é RNA envelopado com um sorotipo • Gênero: Morbillivirus • Família: Paramyxoviridae. • Período de incubação: 8 a 12 dias da exposição • Aparecimento dos sintomas: 7 a 21 dias da exposição O homem é o único hospedeiro
  • 5. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SARAMPO Epidemiologia • Em 2019, foram confirmados 7.972 casos de sarampo, destes 6.498 (81,4%) foram confirmados por critério laboratorial e 1.483 (18,6%) por critério clínico epidemiológico. • O aumento de notificações ocorreu a partir da Semana Epidemiológica (SE) 24 até a SE 32 quando foi observado o pico dos registros. • No período de 14/07/2019 a 05/10/2019 (SE 29-40), foram notificados 37.551 casos suspeitos. Destes, 6.192 (16,5%) foram confirmados, 20.175 (53,7%) estão em investigação e 11.185 (29,8%) foram descartados.
  • 6. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SARAMPO Distribuição dos casos de sarampo por Semana Epidemiológica do início do exantema e classificação final (Brasil, 2019)
  • 7. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SARAMPO Transmissão • É necessária uma elevada imunidade de rebanho (entre 90,6% e 96,3%) para que a circulação viral seja interrompida. • A transmissão do vírus ocorre a partir de gotículas de pessoas doentes ao espirrar, tossir, falar ou respirar próximo. • Tem uma taxa de ataque de 90% em indivíduos susceptíveis. Sarampo -> Extremamente contagioso!
  • 8. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SARAMPO Transmissão • O pico de incidência ocorre nos meses mais frios • Contágio: 4 dias antes a 4 dias depois do exantema • Imunocomprometidos podem transmitir por todo o tempo da doença A circulação do vírus é considerada interrompida quando: passarem 12 semanas consecutivas ou mais sem novos casos na mesma cadeia de transmissão.
  • 9. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SARAMPO Clínica Paciente com febre e exantema maculopapular, acompanhados de um ou mais dos sinais e sintomas: Tosse e/ou coriza e/ou conjuntivite, independente da idade e situação vacinal. • Exantema maculopapular começando na face se espalhando pelo corpo no sentido cefalocaudal e centrífugamente. • Sinal de Koplik nos pródromos. Definição de Caso Suspeito Sinal de Koplik: pequenos pontos brancos (máculas), com halo eritematoso difuso, que aparecem na mucosa bucal, antecedendo ao exantema.
  • 11. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SARAMPO Complicações Complicações: • Otite 1:10 • Pneumonia 1:20 • Encefalite 1:1000 (destes 10% morrem) • Panencefalite esclerozante subaguda 4-11:100.000 Complicações e mortes são mais frequentes abaixo de 5 anos e em imunocomprometidos. Mortalidade 1-3:1000 (habitualmente causa respiratória ou neurológica)
  • 12. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SARAMPO Mortalidade • Foram confirmados 13 óbitos por sarampo no Brasil em 2019, sendo 12 no estado de São Paulo e um no estado de Pernambuco. 6.498 casos e 13 óbitos ≅ 2:1000 em 2019 até a SE 40! • Sete óbitos (53,8%) ocorreram em menores de cinco anos de idade, dois (15,4%) na faixa etária de 20 a 39 anos e quatro (30,8%) em adultos maiores de 40 anos. • Sete casos eram do sexo masculino, apenas um caso era vacinado contra o sarampo!
  • 13. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SARAMPO Diagnóstico Diferencial É fundamental garantir estoque estratégico de insumos laboratoriais para diagnóstico do sarampo e outros vírus do diagnóstico diferencial, tais como: rubéola, dengue, Parvovírus B19, zika, chikungunya, oropouche, mayaro, etc.
  • 14. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SARAMPO Diagnóstico • Isolamento do vírus em cultura celular • IgM e IgG ELISA (O método padrão ouro para medição de títulos de anticorpos protetores, a neutralização por redução de placas de lise (micro PRNT) • PCR-RT O ideal é coletar amostras em sangue, urina e secreção respiratória para aumentar a sensibilidade de detecção
  • 15. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SARAMPO Uso de sorologia para verificação de soroconversão à vacina • Os exames sorológicos comercialmente disponíveis baseados na técnica de ELISA, apesar de possuírem alto valor preditivo positivo, tem baixa sensibilidade para detectar níveis protetores de anticorpos, especialmente quando em baixos títulos. • Considerando a alta probabilidade de soroconversão após a vacina, o uso de exames de ELISA para avaliação da imunidade tende a gerar altas taxas de falsos negativos em pessoas imunocompetentes adequadamente vacinadas. Não se recomenda a realização de sorologia para avaliação de imunidade prévia em pessoas sabidamente vacinadas e imunocompetentes. • O método padrão ouro para medição de títulos de anticorpos protetores, a neutralização por redução de placas de lise (micro PRNT), é um método caro e trabalhoso, habitualmente disponível apenas em laboratórios de pesquisa.
  • 16. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SARAMPO Tratamento • Oferta abundante de líquido, com hidratação venosa se necessária; • Antitérmicos para o controle da febre; • Soro fisiológico para limpeza ocular; • Soro fisiológico nasal; • Tratamento com antimicrobianos nos casos acompanhados de infecções secundárias. O tratamento é sintomático!
  • 17. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SARAMPO Vitamina A A vitamina A deve ser administrada em duas doses: imediatamente ao diagnóstico e repetida no dia seguinte. As doses diárias de idade específicas recomendadas são: Lactentes menores de 6 meses 50.000 UI por via oral Lactentes de 6 a 11 meses 100.000 UI por via oral Crianças de 12 meses ou mais 200.000 UI por via oral
  • 18. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SARAMPO Esquema Vacinal recomendado • Devido ao aumento de casos de sarampo em alguns estados, todas as crianças de 6 meses a menores de 1 ano devem ser vacinadas (dose extra). Dose zero • Crianças que completarem 12 meses (1 ano).Primeira dose • Aos 15 meses de idade, última dose por toda a vida.Segunda dose
  • 19. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SARAMPO Esquema Vacinal recomendado Tomou apenas uma dose até os 29 anos de idade: • Se você tem entre 1 e 29 anos e recebeu apenas uma dose, recomenda-se completar o esquema vacinal com a segunda dose da vacina; • Quem comprova as duas doses da vacina do sarampo, não deve se vacinar novamente. Não tomou nenhuma dose, perdeu o cartão ou não se lembra? • De 1 a 29 anos - São necessárias duas doses; • De 30 a 49 anos - Apenas uma dose.
  • 20. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SARAMPO Ocorrência de casos de Sarampo em pessoas previamente vacinadas Sua efetividade é dependente do número de doses prévias e da idade à vacinação, sendo: • 84% em pessoas vacinadas antes dos 12 meses de idade; • 92,5% em pessoas vacinadas após os 12 meses; • entre 95% a 99% em pessoas vacinadas com duas doses da vacina. O bloqueio vacinal seletivo deve ser realizado em até 72 horas em todos os contatos do caso suspeito durante a investigação. Importância de realizar ações que minimizem as oportunidades perdidas de vacinação, otimizando a vacina especialmente por meio da busca de pessoas não vacinadas ou com esquema incompleto para o sarampo, conforme o Calendário Nacional de Vacinação
  • 21. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SARAMPO Imunoglobulina O uso de imunoglobulina é recomendado particularmente após exposição ao caso suspeito de sarampo, de maneira a reduzir o risco da infecção e de complicações, dentro de seis dias após a primeira exposição em: • Crianças menores de seis meses; • Gestantes sem evidência de imunidade prévia ao sarampo (um dose válida de vacina tríplice, a partir de um ano de idade); • Indivíduos imunocomprometidos sem evidência de imunidade prévia ao sarampo e aqueles imunodeprimidos graves, independente de história prévia de vacinação ou doença.
  • 22. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SARAMPO É fundamental fortalecer a capacidade dos sistemas de Vigilância Epidemiológica do Sarampo e reforçar as equipes de investigação oportuna e adequada dos casos notificados.
  • 23. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SARAMPO Referências • Brasil. Ministério da Saúde. Saúde de A a Z. Sarampo: sintomas, prevenção, causas, complicações e tratamento. Disponível em: <http://www.saude.gov.br/> • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico 28. Vigilância epidemiológica do sarampo no Brasil 2019: Semanas Epidemiológicas 28 a 39 de 2019. • Karron RA, Luongo C, Mateo JS, Wanionek K, Collins PL, Buchholz UJ. Safety and Immunogenicity of the Respiratory Syncytial Virus Vaccine RSV/ΔNS2/Δ1313/I1314L in RSV- Seronegative Children. J Infect Dis. 2019 Oct 12. pii: jiz408. doi: 10.1093/infdis/jiz408. [Epub ahead of print] PubMed PMID: 31605113. • Centers for Disease Control and Prevention. Photos of Measles and People with Measles • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico 19. Vigilância Epidemiológica do sarampo no Brasil, Semanas Epidemiológicas 23 a 34 de 2019. • Brasil. Estado do Piauí. Prefeitura de Teresina. Fundação Municipal de Saúde. Diretoria de Vigilância em Saúde. Núcleo de Doenças Imunopreveníveis. Nota Informativa 07/2018: Orientações Gerais Sobre Sarampo – Profissionais de Saúde. • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis.Plano de Contingência para Resposta às Emergências de Saúde Pública : sarampo [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. – Brasília : Ministério da Saúde, 2016. • Sociedade Brasileira de Infectologia. Sarampo. Disponível Em: <https://www.infectologia.org.br/> • Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). Departamentos Científicos. Atualização sobre Sarampo. • Brasil. Estado de São Paulo. Prefeitura do Município de São Paulo. Secretaria Municipal de Saúde. Coordenadoria de Vigilância e Saúde. Medidas de controle de sarampo – Atualizada em julho 2019.
  • 24. ATENÇÃO À CRIANÇA portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Material de 12 de novembro de 2019 Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Eixo: Atenção à Criança Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal. SARAMPO