PROBLEMAS
URBANOS
PROBLEMAS URBANOS E CONDIÇÕES DE VIDA URBANA
Pág. 110/111
O excessivo crescimento das áreas urbanas não permite ajustar
pe...
SATURAÇÃO DAS INFRAESTRUTURAS
Pág. 112
O crescimento contínuo da
população conduz a uma
saturação do espaço e à
incapacida...
Fig. Congestionamento de trânsito.Fig. Parque de estacionamento subterrâneo.Fig. Emissão de gases poluentes.
Pág. 112
SATU...
HABITAÇÃO E HABITABILIDADE
Pág. 113
Fig. Ribeira, Porto.
Em Portugal, na sua maior parte, os prédios do centro da
cidade s...
ENVELHECIMENTO E SOLIDÃO
Nas áreas suburbanas, são as
crianças e adolescente que sofrem
outra solidão: a ausência dos pais...
DESEMPREGO E POBREZA
Pág. 115
Fig. Taxa de desemprego no interior das principais cidades europeias (2008).
Fig. Homem à pr...
Pág. 115
DESEMPREGO E POBREZA
A pobreza, muitas vezes, propícia a
criminalidade e a insegurança.
A pobreza urbana inclui:
...
PRESSÃO AMBIENTAL
Pág. 116/117
Fig. Aterro sanitário.Fig. Acumulação de resíduos numa rua de Lisboa.
As cidades são os pri...
PRESSÃO AMBIENTAL
Pág. 116
Fig. Índice de qualidade do ar em algumas aglomerações de Portugal Continental (2011).
Fig. Per...
PRESSÃO AMBIENTAL
Fig. Lisboa ao anoitecer.
 elevada concentração de gases poluentes;
 materiais de construção e imperme...
PRESSÃO AMBIENTAL
Pág. 117
Fig. Vila Nova de Gaia.
A expansão urbana invade
espaços cada vez mais vastos,
com elevada apti...
PRESSÃO AMBIENTAL
Pág. 117
Fig. Vista aérea de Almada.
A forte pressão construtiva, aliada ao elevado custo do solo nas ár...
Pág. 110 a 117
PROBLEMAS URBANOS E CONDIÇÕES DE VIDA URBANA
.
Verificar resposta
Atividade:
1 – Enumere os problemas que r...
Pág. 110 a 117
PROBLEMAS URBANOS E CONDIÇÕES DE VIDA URBANA
Verificar resposta
Atividade:
2 – Elabore um pequeno texto que...
Fig. Parque Eduardo VII, Lisboa.
RECUPERAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA URBANA
Pág. 118/119
O planeamento é um
processo essencia...
Fig. Jovens a participar numa ação de limpeza de um bairro.
RECUPERAR E REVITALIZAR AS CIDADES
Pág. 120/121/122
A revitali...
Fig. Crianças na escola.
Fig. Espaço de lazer de uma cidade.
Fig. Tráfego na cidade.
Fig. Palácio da Pena, Sintra.
Fig. Ap...
Pág. 120 a 122
PROBLEMAS URBANOS E CONDIÇÕES DE VIDA URBANA
Atividade:
1 – Mencione ações que podem ser desenvolvidas para...
Pág. 120 a 122
PROBLEMAS URBANOS E CONDIÇÕES DE VIDA URBANA
Verificar resposta
Fig. Torre Vasco da Gama,
Parque das Nações...
FIM DA
APRESENTAÇÃO
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Problemas urbanos

655 visualizações

Publicada em

geografia

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
655
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Problemas urbanos

  1. 1. PROBLEMAS URBANOS
  2. 2. PROBLEMAS URBANOS E CONDIÇÕES DE VIDA URBANA Pág. 110/111 O excessivo crescimento das áreas urbanas não permite ajustar permanentemente as infraestruturas às necessidades da população. PROBLEMAS URBANÍSTICOS Colocam em risco a sustentabilidade e a qualidade de vida. Fig. Urbanização, Almada.
  3. 3. SATURAÇÃO DAS INFRAESTRUTURAS Pág. 112 O crescimento contínuo da população conduz a uma saturação do espaço e à incapacidade de resposta por parte de:  redes de distribuição de água e energia, de saneamento e de transportes;  os tribunais, as finanças, as escolas, os hospitais, os centros de apoio à infância e aos idosos e uma grande diversidade de serviços.
  4. 4. Fig. Congestionamento de trânsito.Fig. Parque de estacionamento subterrâneo.Fig. Emissão de gases poluentes. Pág. 112 SATURAÇÃO DAS INFRAESTRUTURAS Fig. Parque de estacionamento. A mobilidade e os transportes são causa de problemas como:  congestionamentos de trânsito;  dificuldades de estacionamento;  proliferação de parques subterrâneos;  emissão de gases poluentes. Intensifica os movimentos pendulares Insuficiência e ineficácia dos transportes públicos urbanos Resulta da: Reduz a facilidade de deslocação A crescente utilização do transporte individual
  5. 5. HABITAÇÃO E HABITABILIDADE Pág. 113 Fig. Ribeira, Porto. Em Portugal, na sua maior parte, os prédios do centro da cidade são arrendados, o que provoca uma maior degradação de muitos edifícios nas áreas mais antigas. Quando estes edifícios ficam desocupados e não se procede à sua demolição ou recuperação, frequentemente são ocupados por população de escassos recursos. Fig. Bairro de lata numa área urbana. É também este tipo de população que habita os bairros de lata, formando bolsas de habitação precária.
  6. 6. ENVELHECIMENTO E SOLIDÃO Nas áreas suburbanas, são as crianças e adolescente que sofrem outra solidão: a ausência dos pais. Pág. 114 O envelhecimento da população levanta problemas sociais de abandono e solidão.  Indisciplina.  Insucesso escolar.  Risco de consumo e de drogas e álcool.
  7. 7. DESEMPREGO E POBREZA Pág. 115 Fig. Taxa de desemprego no interior das principais cidades europeias (2008). Fig. Homem à procura de emprego.  problemas económicos;  diminuição dos contactos sociais e da autoestima;  aumento da pobreza e da exclusão social. O desemprego é particularmente grave nas cidades, onde a sobrevivência das famílias depende apenas dos salários. Provoca:Agrava-se com: DESEMPREGO  conjuntura económica atual;  deslocalização das empresas.
  8. 8. Pág. 115 DESEMPREGO E POBREZA A pobreza, muitas vezes, propícia a criminalidade e a insegurança. A pobreza urbana inclui:  idosos com baixas pensões de reforma;  trabalhadores mal remunerados;  famílias monoparentais;  certos grupos étnicos e culturais minoritários;  sem-abrigo.
  9. 9. PRESSÃO AMBIENTAL Pág. 116/117 Fig. Aterro sanitário.Fig. Acumulação de resíduos numa rua de Lisboa. As cidades são os principais consumidores de recursos naturais e de energia e os maiores produtores de resíduos. Obriga à construção de equipamentos de deposição e tratamento de lixos e águas residuais. As duas regiões mais urbanizadas produzem mais de 60% dos resíduos urbanos.
  10. 10. PRESSÃO AMBIENTAL Pág. 116 Fig. Índice de qualidade do ar em algumas aglomerações de Portugal Continental (2011). Fig. Perfil térmico de uma cidade. A temperatura é superior nas áreas centrais das cidades e diminui para a periferia. Os níveis de ruído e a poluição atmosférica comprometem a qualidade do ar.
  11. 11. PRESSÃO AMBIENTAL Fig. Lisboa ao anoitecer.  elevada concentração de gases poluentes;  materiais de construção e impermeabilização dos solos;  climatização e iluminação artificial;  calor gerado pelos transportes. O aumento da temperatura, nas áreas centrais, deve-se: Pág. 117
  12. 12. PRESSÃO AMBIENTAL Pág. 117 Fig. Vila Nova de Gaia. A expansão urbana invade espaços cada vez mais vastos, com elevada aptidão agrícola e áreas sensíveis do ponto de vista ambiental:  zonas ribeirinhas;  leitos de cheia;  encostas íngremes.
  13. 13. PRESSÃO AMBIENTAL Pág. 117 Fig. Vista aérea de Almada. A forte pressão construtiva, aliada ao elevado custo do solo nas áreas urbanas, leva à falta de zonas verdes e de caminhos pedonais.
  14. 14. Pág. 110 a 117 PROBLEMAS URBANOS E CONDIÇÕES DE VIDA URBANA . Verificar resposta Atividade: 1 – Enumere os problemas que resultam do excessivo crescimento da população nas áreas urbanas.
  15. 15. Pág. 110 a 117 PROBLEMAS URBANOS E CONDIÇÕES DE VIDA URBANA Verificar resposta Atividade: 2 – Elabore um pequeno texto que relacione desemprego com os problemas urbanos.
  16. 16. Fig. Parque Eduardo VII, Lisboa. RECUPERAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA URBANA Pág. 118/119 O planeamento é um processo essencial na prevenção e resolução dos problemas urbanos. Assumem particular importância os Planos Municipais do Ordenamento do Território (PMOT):  Planos Diretores Municipais (PDM).  Planos de Urbanização (PU).  Planos do Pormenor (PP). Procura gerir a utilização do espaço de forma equilibrada, de modo a criar condições de vida adequadas. Definem a organização espacial de uma área do perímetro urbano do território municipal onde seja necessária. É um instrumento de gestão territorial de nível local, que fixa as linhas gerais de ocupação do território municipal. Desenvolvem e concretizam propostas de organização espacial de qualquer área específica do concelho. PLANEAMENTO
  17. 17. Fig. Jovens a participar numa ação de limpeza de um bairro. RECUPERAR E REVITALIZAR AS CIDADES Pág. 120/121/122 A revitalização do centro das cidades é, hoje, uma preocupação motivada quer por interesses económicos quer sociais e políticos. Reabilitação urbana – intervenção em áreas degradadas que inclui a conservação, o restauro, a reforma ou a ampliação e a transformação, a reconstrução e a renovação de um edifício ou conjunto edificado. Requalificação – alteração funcional de edifícios ou espaços, com a redistribuição da população e das atividades económicas. Renovação urbana – demolição total ou parcial de edifícios e estruturas, de um dado território urbano. R E V I T A L I Z A Ç Ã O
  18. 18. Fig. Crianças na escola. Fig. Espaço de lazer de uma cidade. Fig. Tráfego na cidade. Fig. Palácio da Pena, Sintra. Fig. Apoio a idosos. HUMANIZAR OS ESPAÇOS DE VIVÊNCIA Pág. 123 A valorização urbana passa por:  melhorar a gestão do tráfego urbano;  alargar os serviços de acompanhamento de crianças e jovens;  aumentar o número e a qualidade dos espaços verdes e melhorar os que existem;  construir e otimizar equipamentos coletivos;  desenvolver serviços de apoio à população idosa.
  19. 19. Pág. 120 a 122 PROBLEMAS URBANOS E CONDIÇÕES DE VIDA URBANA Atividade: 1 – Mencione ações que podem ser desenvolvidas para revitalizar uma área urbana. Verificar resposta Fig. Ribeira do Porto.
  20. 20. Pág. 120 a 122 PROBLEMAS URBANOS E CONDIÇÕES DE VIDA URBANA Verificar resposta Fig. Torre Vasco da Gama, Parque das Nações (Lisboa).Fig. Av. D. João II - Parque das Nações (Lisboa). Atividade: 2 – Identifique o tipo de intervenção efetuado na zona representada nas imagens.
  21. 21. FIM DA APRESENTAÇÃO

×