Introdução ao estudo do espiritismo: conceito e objeto

1.185 visualizações

Publicada em

ESTUDO SISTEMATIZADO DA DOUTRINA ESPÍRITA
TOMO I - PROGRAMA FUNDAMENTAL - MÓDULO I- ROTEIRO 2
MÓDULO I: Introdução ao estudo do espiritismo
OBJETIVO GERAL: Propiciar conhecimentos gerais a Doutrina Espírita
ROTEIRO 2: Espiritismo ou Doutrina Espírita: conceito e objeto
OBJETIVOS ESPECÍFICOS: Conceituar Doutrina Espírita, destacando o seu objeto. Relações do mundo material com os Espíritos ou seres do mundo invisível.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.185
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
195
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • princípio[Do lat. principiu.] Substantivo masculino. 1. Momento ou local ou trecho em que algo tem origem; começo:o princípio de um incêndio;O princípio da estrada já está pavimentado. 2. Causa primária.3. Elemento predominante na constituição de um corpo orgânico.4. Preceito, regra, lei.5. P. ext. Base; germe:O garoto tem em si o princípio da rebeldia. 6. E. Ling. Restrição universal e invariante que toda e qualquer língua apresenta. [V. gramática universal e parâmetro (4).] 7. Filos. Origem de algo, de uma ação ou de um conhecimento.8. Lóg. Na dedução, a proposição que lhe serve de base, ainda que de modo provisório, e cuja verdade não é questionada. [Cf. principio, do v. principiar.] ~ V. princípios.
  • A Escola de Atenas (Scuola di Atene no original) é uma das mais famosas pinturas do renascentista italiano Rafael e representa aAcademia de Platão. Foi pintada entre 1509 e 1510 na Stanza della Segnatura sob encomenda do Vaticano. 
  • Na época de Kardec não se tinha ideia da relação entre o Hidrogênio e o restante dos elementos químicos. Isso só se tornou possível depois de desenvolvida a explicação da fusão nuclear e a função das estrelas como criadoras de novos elementos a partir do hidrogênio. Mas isso só se deu no século XX.
    Na verdade, na época, não se tinha clareza sobre o que seria uma molécula, uma molécula primitiva ou um átomo... muitas vezes Kardec usa o termo "molécula primitiva" para se referir a coisas que, hoje em dia, chamamos de átomos.
    Tanto é que, na nota de rodapé logo após a passagem grifada aparece o seguinte:(1) A palavra elemento não é empregada aqui no sentido de corpo simples, elementar, de moléculas primitivas, mas no de parte constitutiva de um todo.
    Kardec precisou usar essa nota de rodapé para se fazer entender que, no começo do parágrafo ele se referiu, indiretamente, às moléculas primitivas (átomos) como o elemento gerador de todas as transformações da matéria mas que, no final do texto, ao dizerElemento material e elemento espiritual, esses os dois princípios, as duas forças vivas da Natureza. Pela união indissolúvel deles, facilmente se explica uma multidão de fatos até então inexplicáveis.
    ele NÃO ESTAVA SE REFERINDO a átomos ou coisas assim. Ele usou a palavra "elemento" como sinônimo de "parte" no sentido de que a união das coisas materiais e espirituais explicam fatos até então inexplicáveis.
    RESUMINDO:
    Na passagem grifada ele estaria se referindo aos átomos. Os átomos são os elementos responsáveis pelas transformações.
    Mas, no final do texto, ele se referia a todas as "coisas materiais".
    No tempos contemporâneos, podemos dizer que a tua resposta está certa, mas se olharmos para como se pensava pelos idos de 1860...eles não sabiam sequer a diferença entre molécula e átomo... quanto mais o fato de o hidrogênio ser o "pai" dos demais elementos químicos.
    Uma curiosidade: a definição de elemento que kardec usa é uma consequência direta da interpretação de  Lavoisier (que definiu a palavra "elemento" como aquilo que não pode ser decomposto, ou seja, aquilo que não poder ser "quebrado"). Isso lembra a ideia de átomo (atomo = sem partes, inquebrável). Como a idéia de átomo é de origem inglesa (Dalton) isso significa que os franceses não usavam muito essa palavra...por isso, a palavra elemento, na época de Kardec, era quase sinônimo de átomo...
    Quaisquer dúvida, estou às ordens
    Att;
    Ricardo.
    Químico da UFRGS
  • Por possuir propriedades distintas, não se enquadra claramente em nenhum grupo da tabela periódica, sendo muitas vezes colocado no grupo 1 (ou família 1A) por possuir apenas 1 próton.
  • Por possuir propriedades distintas, não se enquadra claramente em nenhum grupo da tabela periódica, sendo muitas vezes colocado no grupo 1 (ou família 1A) por possuir apenas 1 próton.
  • Introdução ao estudo do espiritismo: conceito e objeto

    1. 1. MÓDULO I: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO ESPIRITISMOMÓDULO I: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO ESPIRITISMO ROTEIRO 2: ESPIRITISMO OU DOUTRINA ESPÍRITA: CONCEITO E OBJETOROTEIRO 2: ESPIRITISMO OU DOUTRINA ESPÍRITA: CONCEITO E OBJETO ESTUDO SISTEMATIZADO DA DOUTRINA ESPÍRITAESTUDO SISTEMATIZADO DA DOUTRINA ESPÍRITA PROGRAMA FUNDAMENTAL - TOMO IPROGRAMA FUNDAMENTAL - TOMO I 1
    2. 2. INTRODUÇÃOAOESTUDODOESPIRITISMOINTRODUÇÃOAOESTUDODOESPIRITISMO 2 1.1. O contexto histórico doO contexto histórico do Século XIX na EuropaSéculo XIX na Europa 2.2. Espiritismo ou DoutrinaEspiritismo ou Doutrina Espírita: conceito e objetoEspírita: conceito e objeto 3.3. Tríplice Aspecto daTríplice Aspecto da Doutrina EspíritaDoutrina Espírita 4.4. Pontos Principais daPontos Principais da Doutrina EspíritaDoutrina Espírita
    3. 3. • O termo Espiritismo foi criado por Allan Kardec pelas razões que ele mesmo explica na Introdução de O Livro dos Espíritos: • Para se designarem coisas novas são precisos termos novos. 3 ESPIRITISMOESPIRITISMO
    4. 4. ... a Doutrina Espírita ou o... a Doutrina Espírita ou o Espiritismo tem por princípioEspiritismo tem por princípio asas relações do mundo materialrelações do mundo material com os Espíritoscom os Espíritos ou seres do mundo invisível.ou seres do mundo invisível. Allan Kardec. O Livro dos Espíritos – Introdução, item 1.Allan Kardec. O Livro dos Espíritos – Introdução, item 1. Princípio: base, origem de algo, de uma ação ou de um conhecimento (2) 4 PRINCÍPIOPRINCÍPIO
    5. 5. 5 CONCEITOSCONCEITOS
    6. 6. DICIONÁRIODICIONÁRIO 6 • Do latim doctrina. Conjunto de princípios que servem de base a um sistema religioso, político, filosófico, científico, etc. • Ensinamento, pregação. • Opinião de autores. (2) Doutrina
    7. 7. CONCEITOSCONCEITOS • Concepção que privilegia o espírito ou alma, em relação à matéria ou ao corpo, mantendo que o espírito constitui uma natureza autônoma e de caráter mais puro, mais elevado. (3) • Oposto do materialismo • Não se segue daí, porém, que creia na existência dos Espíritos ou em suas comunicações com o mundo visível. (1) 7 Espiritualismo
    8. 8. DICIONÁRIODICIONÁRIO • Doutrina que reduz toda a realidade à matéria (...) • Nega a existência da alma, bem como a realidade de um mundo espiritual ou divino cuja a existência seria independente do mundo material. (3) 8 Materialismo
    9. 9. DICIONÁRIODICIONÁRIO 9 • ESPÍRITO: do latim SPIRITUS • Sopro , vento, vida, espírito. • A parte imaterial do ser humano • Alma (por oposição ao corpo). • A parte incorpórea, inteligente ou sensível do ser humano • O pensamento; a mente...(2) Espírito
    10. 10. CONCEITOSCONCEITOS ... todo ESPÍRITA é necessariamente ESPIRITUALISTA, mas nem todos os espiritualistas são espíritas. ESPIRITUALISTA:ESPIRITUALISTA: Seguidor doSeguidor do espiritualismo.espiritualismo. ESPÍRITA OU ESPIRITISTA:ESPÍRITA OU ESPIRITISTA: Seguidor do espiritismo.Seguidor do espiritismo. 10 Espiritualista - Espírita ou Espiritista
    11. 11. O QUE É ESPIRITISMO?O QUE É ESPIRITISMO? CIÊNCIA , RELIGIÃO E FILOSOFIA ...CIÊNCIA , RELIGIÃO E FILOSOFIA ... 11
    12. 12. • O Espiritismo é, ao mesmo tempo, uma ciência de observação e uma doutrina filosófica. • Como ciência prática ele consiste nas relações que se estabelecem entre nós e os Espíritos; • como filosofia, compreende todas as consequências morais que dimanam dessas mesmas relações. Allan Kardec: O que é o espiritismo – Preâmbulo (introdução). 12 CONCEITOCONCEITO
    13. 13. CONCEITOSCONCEITOS 13
    14. 14. DICIONÁRIODICIONÁRIO • Do latim scientia. Conhecimento. • Conjunto de conhecimentos socialmente adquiridos ou produzidos, historicamente acumulados, dotados de universalidade e objetividade que permitem sua transmissão, e estruturados com métodos, teorias e linguagens próprias, que visam compreender e, possivelmente, orientar a natureza e as atividades humanas. (2) 14 Ciência
    15. 15. DICIONÁRIODICIONÁRIO É uma instituição que utiliza metodologia para adquirir determinados conhecimentos. Qualquer conhecimento ou prática sistemáticas. Em sentido estrito, ciência refere-se ao sistema de adquirir conhecimento baseado no método científico bem como ao corpo organizado de conhecimento conseguido através de tais pesquisas. (7) 15
    16. 16. DICIONÁRIO • Do latim religione. • Crença na existência de uma força ou forças sobrenaturais, considerada(s) como criadora(s) do Universo, e que como tal deve(m) ser adorada(s) e obedecida(s). • A manifestação de tal crença por meio de doutrina e ritual próprios, que envolvem, em geral, preceitos éticos. • Qualquer filiação a um sistema específico de pensamento ou crença que envolve uma posição filosófica, ética, metafísica, etc. (2) 16 Religião
    17. 17. ESPIRITISMONÃOÉRELIGIÃOESPIRITISMONÃOÉRELIGIÃO • NA ACEPÇÃO TRADICIONAL • Religião: é uma instituição (tem hierarquia), congrega fiéis que seguem uma Teologia - estudo da verdade revelada por Deus. • Ex.: Católico: Tem livro sagrado (Bíblia – escrito por Deus) hierarquia, batismo, congregação, ritos, dogmas, sarcedotes. (4). Espiritismo não tem o livro sagrado, escrito por Deus que não pode ser contestado. 17
    18. 18. ESPIRITISMOÉRELIGIÃOESPIRITISMOÉRELIGIÃO • NO SENTIDO SUBJETIVO. • Religião interior. • Sentimento de fé, de confiança, de união, em relação ao Poder Supremo • É um outro nível de religiosidade, estreitamente aderente à moralidade. • Nessa base o espiritismo é religião. (6) 18
    19. 19. • O Espiritismo objetiva a reforma moral. Kardec (6) • Há duas obrigações para o adepto: • Esforçar-se pelo AUTOAPERFEIÇOAMENTO, em virtude da compreensão adquirida com o esclarecimento, e dar o exemplo, isto é, conformar a conduta com a crença, de modo a servir de MODELO para outros reformarem-se. Mensagem de S. Luiz, Revista Espírita, setembro 1866 (6) 19 ASPECTOMORALERELIGIOSOASPECTOMORALERELIGIOSO
    20. 20. CONCEITOS • Do grego philosophía • Sophía = Saber • Amor à Sabedoria • Difícil dar uma definição genérica, já que varia não só quanto a cada filósofo ou corrente filosófica, mas também a cada período histórico. (3) 20 Filosofia
    21. 21. FILOSOFIA • Estudo que se caracteriza pela intenção de ampliar incessantemente a compreensão da realidade, no sentido de apreendê-la na sua totalidade, quer pela busca da realidade capaz de abranger todas as outras, o Ser, quer pela definição do instrumento capaz de apreender a realidade, o pensamento ... (as respostas às perguntas: que é a razão? o conhecimento? a consciência? a reflexão? que é explicar? provar? que é uma causa? um fundamento? uma lei? um princípio? etc.), • tornando-se o homem tema inevitável de consideração. (2) . 21
    22. 22. • O espiritismo é uma filosofia de Bases Científicas. • Bases Científicas: fatos mediúnicos (medidos e analisados por qualquer ciência) (4) • Para ser filosofia... • Platão: Conhecimentos são crenças verdadeiras e justificadas que tem que seguir um método racional, lógico, ter sentido. • Aristóteles: Para que algo ser conhecimento não basta ser crenças verdadeiras e justificadas tem que comprovar.(4) 22 FILOSOFIA
    23. 23. 23 FILOSOFIA AMOR AO SABER CONHECIMENTO VERDADE é o objeto central da reflexão filosófica(2) Impossível ao homemImpossível ao homem Absoluta - PerfeiçãoAbsoluta - Perfeição BUSCA DA VERDADE FILOSOFIA
    24. 24. CONCEITOSCONCEITOS • Do latim morale • Relativo aos costumes • Filosofia: Conjunto de regras de conduta consideradas como válidas, quer de modo absoluto para qualquer tempo ou lugar, quer para grupo ou pessoa determinada. [Cf. amoral (4 e 5) e ética.] 2. Conclusão moral que se tira de uma obra, de um fato, etc.(2) 24 Moral A MORAL VARIA CONFORME A ÉPOCA (4)A MORAL VARIA CONFORME A ÉPOCA (4)
    25. 25. CONCEITOSCONCEITOS ... Ética fala de comportamento, acredita ser verdadeiro e se justifica de forma racional. Não varia conforme o povo e a época – tem que ser lógico...(4) 25 Ética Do latim ethica. Do grego ethiké. Filosofia: Estudo dos juízos de apreciação referentes à conduta humana suscetível de qualificação do ponto de vista do bem e do mal, seja relativamente a determinada sociedade, seja de modo absoluto. A ÉTICA NÃO VARIA CONFORME A ÉPOCA (4)A ÉTICA NÃO VARIA CONFORME A ÉPOCA (4)
    26. 26. • Assim como a Ciência propriamente dita tem por objeto o estudo das leis do princípio material, o objeto especial do Espiritismo é o conhecimento das leis do princípio espiritual. Allan Kardec: A Gênese. Cap. 1, item 16. 26 ESPIRITISMOESPIRITISMO
    27. 27. • OBJETO DO ESPIRITISMOOBJETO DO ESPIRITISMO é o conhecimento dasé o conhecimento das Leis do Princípio Espiritual.Leis do Princípio Espiritual. • Princípio Espiritual: é uma das forças da Natureza, a reagir incessantemente sobre o princípio material e reciprocamente. (1) 27 ESPIRISTIMOESPIRISTIMO
    28. 28. ... a... a CIÊNCIACIÊNCIA, sem o, sem o ESPIRITISMOESPIRITISMO, se acha na, se acha na impossibilidade de explicar certosimpossibilidade de explicar certos fenômenos só pelas leis da matéria;fenômenos só pelas leis da matéria; ao Espiritismo, sem a Ciência,ao Espiritismo, sem a Ciência, faltariam apoio e comprovação.faltariam apoio e comprovação. (1)(1) CIÊNCIA Leis do Princípio Material ESPIRITISMO Leis do Princípio Espiritual 28 OBJETODEESTUDOOBJETODEESTUDO
    29. 29. TERRATERRA FOGOFOGO AGUAAGUA ARAR A Ciência moderna abandonou os quatro elementos primitivos dos antigos e, de observação em observação,... 29 OBJETODEESTUDOOBJETODEESTUDO
    30. 30. OBJETODEESTUDOOBJETODEESTUDO ......chegou à concepção dechegou à concepção de UM SÓ ELEMENTO GERADORUM SÓ ELEMENTO GERADOR de todas as transformações da matéria;de todas as transformações da matéria; mas, a matéria, por si só, é inerte;mas, a matéria, por si só, é inerte; carecendo de vida, de pensamento, decarecendo de vida, de pensamento, de sentimento, precisa estar unida aosentimento, precisa estar unida ao princípio espiritual.princípio espiritual. 30
    31. 31. 31 FCUFCU ESPÍRITOEMATÉRIAESPÍRITOEMATÉRIA Origina os demais elementos no mecanismo evolutivo da matéria Gravidade Coesão Afinidade Atração Som Pressão Calor Luz Eletricidade Ativa Ondas Magnéticas FORÇASFORÇAS Elemento químico Nº atômico 1 Átomo primordial da matéria planetária HIDROGÊNIOHIDROGÊNIO
    32. 32. 250.000 SUBSTÂNCIAS APROXIMADAMENTE250.000 SUBSTÂNCIAS APROXIMADAMENTE Reduzidos a:Reduzidos a: • 103 Elementos da103 Elementos da Tabela PeriódicaTabela Periódica • 90 Elementos naturais90 Elementos naturais do planetado planeta • 13 Elementos13 Elementos produzidos peloproduzidos pelo homemhomem 32 ESPÍRITOEMATÉRIAESPÍRITOEMATÉRIA
    33. 33. O QUE É ESPIRITISMO?O QUE É ESPIRITISMO? 33
    34. 34. • O espiritismo é uma filosofia (amor ao saber – trabalha com ideias) de bases científica (fatos mediúnicos – podem ser estudados, pela ciência, psicologia, medicina, ser medidos, estudados...) e consequências (resultados) éticos morais. • Trabalha com construção mental • Reconhece o verdadeiro espírita pelo esforço que ele faz para domar as suas tendências negativas. (4) Oradora espírita Graduada em Filosofia, Medicina e Psicologia 34 PALESTRADEANETEGUIMARÃESPALESTRADEANETEGUIMARÃES
    35. 35. • Espiritismo é uma doutrina científica da qual emanam consequências morais e religiosa acerca do espírito humano que objetiva o progresso deste numa vida sem limite. 35 CARLOSTOLEDORIZZINI (1921 - 1992) foi um médico, botânico e micólogo brasileiro.
    36. 36. 36 KARDECKARDEC • O Espiritismo é uma ciência que trata da natureza, origem e destino dos Espíritos, bem como de suas relações com o mundo corporal. Allan Kardec: O que é o espiritismo Preâmbulo.
    37. 37. 37 REFERÊNCIASBIBLIOGRAFICASREFERÊNCIASBIBLIOGRAFICAS 1. Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita Programa Fundamental – Tomo I, FEB, 2010. 2. Novo Dicionário Eletrônico Aurélio versão 7.0, 5ª. Edição do Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa, by Regis Ltda, 2010. 3. Japiassú, Hilton. Dicionário Básico de Filosofia, 4ª ed. Atual. RJ: Jorge Zahar. Ed., 2006. 4. Seminário "O que é Espiritismo?" com Anete Guimarães - 1ª parte, realizado na cidade de Aparecida D´Oeste/SP em 17 julho de 2010 . 5. http://guiadoestudante.abril.com.br/aventuras- historia/filosofia-ocidental-ideias-busca-verdade- 434208.shtml, 18/04/2013, 18:22 6. Rizzini, Carlos Toledo. Evolução para o Terceiro Milênio: Tratado psíquico para o homem moderno, 19ª edição, Sobradinho, DF EDISEL, 2012. 7. http://pt.wikipedia.org/wiki/Ci%C3%AAncia, 23/01/2013, 15:10
    38. 38. 38Muito obrigada! - deni.aguiar.silva@gmail.com - 2013Muito obrigada! - deni.aguiar.silva@gmail.com - 2013

    ×