O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Curso de médiuns

8.674 visualizações

Publicada em

Slides do curso de médiuns do Centro Espírita Emmanuel, fevereiro de 2013.
Adaptação do curso elaborado pela Federação Espírita Brasileira, disponível no site da entidade.

Publicada em: Espiritual
  • Seja o primeiro a comentar

Curso de médiuns

  1. 1. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTODA REUNIÃO MEDIÚNICA ESPÍRITA
  2. 2. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS [...] “Toda reunião espírita deve, pois, tender a maiorhomogeneidade possível. Está entendido que falamos dasem que se deseja chegar a resultados sérios everdadeiramente úteis. Se o que se quer é apenas obtercomunicações, sejam estas quais forem, sem nenhumaatenção à qualidade dos que as dêem, evidentementedesnecessárias se tornam todas essas precauções;mas, então, ninguém tem que se queixar da qualidade doproduto”. (Allan Kardec, Livro dos Médiuns, item 331)
  3. 3. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS “Para conhecer as coisas do mundo visível edescobrir os segredos da natureza material, outorgou Deusao homem a vista corpórea, os sentidos e instrumentosespeciais. Com o telescópio, ele mergulha o olhar nasprofundezas do espaço, e, com o microscópio, descobriu omundo dos infinitamente pequenos. Para penetrar nomundo invisível, deu-lhe a mediunidade”. (Allan Kardec: O Evangelho Segundo o Espiritismo, cap. XXVIII, item 9)
  4. 4. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOSI - CONCEITOS
  5. 5. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS MÉDIUM E MEDIUNIDADE “Todo aquele que sente, num grau qualquer, ainfluência dos Espíritos é, por esse fato, médium. Essafaculdade é inerente ao homem. [...]Todavia, usualmente, assim só se qualificam aqueles emquem a faculdade mediúnica se mostra bemcaracterizada e se traduz por efeitos patentes, de certaintensidade, o que então depende de uma organizaçãomais ou menos sensitiva.” (O Livro dos Médiuns, cap. XIV, ítem 159.)
  6. 6. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS REUNIÃO MEDIÚNICA SÉRIA “ É aquela “[...] em que se pode haurir o verdadeiroensino. [...] Uma reunião só é verdadeiramenteséria, quando cogita de coisas úteis, com exclusão detodas as demais.” (O Livro dos Médiuns, segunda parte, cap. XXIX, item 327)
  7. 7. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS GRUPO MEDIÚNICO“Entendemos por grupo mediúnico a associação depessoas que têm conhecimento da Doutrina Espírita eque pretendem dedicar-se ao estudo da fenomenologiamedianímica e, simultaneamente, praticar a excelentelição do próprio Espiritismo, que é a caridade.” (Diretrizes de Segurança, cap. II, p. 30)
  8. 8. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS GRUPO MEDIÚNICO Sendo a reunião um ser coletivo, como afirmaKardec, (LM Cp. XXIX), entende-se que os membros da equipetêm responsabilidades e funções, gerais e específicas, dasquais todos precisam estar cientes para garantirem o êxitoda tarefa.
  9. 9. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS EQUIPE ESPIRITUAL “A responsabilidade básica pelos trabalhosmediúnicos é do Plano Espiritual e por isso o verdadeiroesquema a ser seguido aí se delineia. Mas, os lidadores daEspiritualidade respeitam, e muito, os desejos eplanificações expressos pelos irmãos da Terra.” (Obsessão/Desobsessão, cap. IV, terceira parte)
  10. 10. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS OBSESSÃO É “[...] o domínio que alguns Espíritos logramadquirir sobre certas pessoas. Nunca é praticada senãopelos Espíritos inferiores, que procuram dominar. Os bonsEspíritos nenhum constrangimento infligem.” (O Livro dos Médiuns, segunda parte, cap. XXIII, item 237)
  11. 11. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS DESOBSESSÃO É “[…] um processo de libertação tanto para overdugo [obsessor] como para a vítima [obsidiado]. (Testemunhos de Chico Xavier, ítem libertação) “Os meios de se combater a obsessão variam, deacordo com o caráter que ela se reveste.” (O Livro dos Médiuns, segunda parte, cap. XXIII, item 249)
  12. 12. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS ANIMISMO Refere-se ao “[...] conjunto dos fenômenospsíquicos produzidos com a cooperação consciente ouinconsciente dos médiuns em ação.” (Mecanismos da Mediunidade, cap. XXIII, item: Mediunidade e animismo) Kardec esclarece que “[…] por vezes muito difícildistinguir, num dado efeito, o que provém diretamente daalma do médium do que promana de uma causaestranha, porque com frequência as duas ações seconfundem e convalidam.” (Obras Póstumas, 1ª parte)
  13. 13. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS CONTRADIÇÕES MEDIÚNICAS Estas contradições existem porque os médiuns nãosão iguais. Cada um capta a mensagem dos Espíritos “[...]de acordo com suas ideias pessoais, suas crenças, ou suasprevenções.” (O Livro dos Médiuns, primeira parte, cap. IV, item 36)
  14. 14. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS MISTIFICAÇÃO “A astúcia dos Espíritos mistificadores ultrapassa àsvezes tudo o que se possa imaginar. A arte, com quedispõem as suas baterias e combinam os meios depersuadir, seria uma coisa curiosa, se eles nuncapassassem dos simples gracejos; porém, as mistificaçõespodem ter consequências desagradáveis para os que nãose acham em guarda [...].” (O Livro dos Médiuns, segunda parte, cap. XXVII, item 303-comentário)
  15. 15. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOSII - AS REUNIÕES MEDIÚNICAS
  16. 16. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS OBJETIVOS
  17. 17. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS OBJETIVOS Exercício da mediunidade de forma saudável e segura; Garantir segurança e seriedade da manifestação de Espíritos nas reuniões mediúnicas privativas; Prestar auxílio moral e doutrinário aos Espíritos que sofrem ou que fazem sofrer; Amparar Espíritos em processo de reencarnação;
  18. 18. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS OBJETIVOS Contribuir para o desenvolvimento da ciência espírita; Incentivar e promover a capacitação continuada dos encarnados integrantes da equipe; Exercitar a humildade, a fraternidade e a solidariedade; Cooperar com os benfeitores espirituais no trabalho de defesa da Casa Espírita.
  19. 19. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOSREUNIÕES MEDIÚNICAS SÉRIAS
  20. 20. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS REUNIÕES MEDIÚNICAS SÉRIAS Orientações morais do Evangelho Princípios Ensinos Codificados por Kardec
  21. 21. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS CARACTERÍSTICAS Perfeita comunhão de vistas e de sentimentos; Cordialidade recíproca entre os membros; Ausência de todo sentimento contrário à verdadeira caridade cristã; União em torno de um único desejo: o de se instruírem e de se melhorarem, por meio dos ensinos dos Espíritos.
  22. 22. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS CARACTERÍSTICAS Recolhimento e silêncio respeitosos; União de todos, pelo pensamento; Isenção de todo sentimento de orgulho, de amor- próprio, de supremacia e vaidade, predominando a necessidade de ser útil. (O Livro dos Médiuns, cap. XXIX, item 341) Integrar os participantes da atividade mediúnica na instituição espírita onde atuam.
  23. 23. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS REUNIÕES MEDIÚNICAS SÉRIASMediunismo sem Evangelho Fenômeno sem AmorMediunismo sem Fenômeno sem esclarecimentoDoutrina EspíritaMediunismo com Espiritismoe sem Evangelho Realização incompletaMediunismo com Evangelhoe sem Espiritismo (Mediunidade e Evolução, cap, VII)
  24. 24. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS REUNIÕES MEDIÚNICAS SÉRIASMediunismo com Evangelho e com Espiritismo Penhor de vitória espiritual; Valorização dos talentos divinos
  25. 25. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS REUNIÕES MEDIÚNICAS SÉRIAS Está “[...] no Evangelho de Jesus, com o qual omissionário deve estar plenamente identificado para arealização sagrada da sua tarefa. O médium sem oEvangelho pode fornecer as mais elevadas informações aoquadro das filosofias e das ciências fragmentárias da Terra;pode ser um profissional de nomeada, um agente deexperiências do invisível, mas não poderá ser um apóstolodo coração.” (O Consolador, questão 411)
  26. 26. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOSA PRÁTICA MEDIÚNICA
  27. 27. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS EDUCAÇÃO DO MÉDIUM “... o período que vai do afloramento damediunidade até a participação, efetiva eharmônica, numa reunião mediúnica” (O Livro dos Médiuns, capítulo XXIX)
  28. 28. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS Divaldo Pereira Franco
  29. 29. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOSEDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MEDIÚNICOS Fase inicial da formação doutrinária básica; Encaminhamento ao grupo mediúnico
  30. 30. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS CAPACITAÇÃO PARA INTEGRAR O GRUPO MEDIÚNICO Consegue discernir, de forma geral, as ideias que lhes são próprias e as oriundas dos Espíritos comunicantes; Controle (educação) sobre as suas emoções; Conduz-se com respeitabilidade durante as manifestações dos Espíritos; Revela esforço de combate às imperfeições; Oferece condições para dedicar-se com afinco à tarefa;
  31. 31. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS CAPACITAÇÃO PARA INTEGRAR O GRUPO MEDIÚNICO Equilíbrio emocional, assiduidade, compromisso com a tarefa, entre outros; Controle das emissões mentais, dos sentimentos e das ações inferiores, por efeito da vontade sabiamente administrada; Aperfeiçoamento do conhecimento espírita pela participação em cursos, encontros, seminários e estudo de obras espíritas.
  32. 32. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOSCAPACITAÇÃO PARA INTEGRAR O GRUPO MEDIÚNICO  Adoção do hábito da oração e da meditação;  Integração em serviço de auxílio ao próximo;  Considerar as normas e critérios de ingresso à reunião mediúnica da Instituição Espírita;
  33. 33. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS Divaldo Franco – Aos médiuns
  34. 34. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS ACESSO DOS MAUS ESPÍRITOS Imperfeições morais; Orgulho (Exploram com mais habilidade); O prestígio dos grandes nomes, com que se adornam os Espíritos; Aborrecem-se com a menor contradita; “Devemos também convir em que, muitas vezes, o orgulho é despertado no médium pelos que o cercam.“ (O Livro dos Médiuns, segunda parte, cap. XX, item 228)
  35. 35. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS A PRÁTICA MEDIÚNICA “O médium tem obrigação de estudarmuito, observar intensamente e trabalhar em todos osinstantes pela sua própria iluminação. Somente dessemodo poderá habilitar-se para o desempenho da tarefaque lhe foi confiada, cooperando eficazmente com osEspíritos sinceros e devotados ao bem e a verdade.” (O Consolador, Pg. 392.)
  36. 36. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS O QUE É A UMBANDA OS MÉDIUNS DA UMBANDA OS ESPÍRITOS DA UMBANDA OS OBJETIVOS DA UMBANDA
  37. 37. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS Zélio de Moraes
  38. 38. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOSNo final de 1908, Zélio Fernandino de Moraes, um jovem rapazcom 17 anos de idade, que preparava-se para ingressar nacarreira militar na Marinha, começou a sofrer estranhos"ataques". Sua família, conhecida e tradicional na cidade deNeves, estado do Rio de Janeiro, foi pega de surpresa pelosacontecimentos.Esses "ataques" do rapaz, eram caracterizados por posturas deum velho, falando coisas sem sentido e desconexas, como sefosse outra pessoa que havia vivido em outra época. Muitasvezes assumia uma forma que parecia a de um felino lépido edesembaraçado que mostrava conhecer muitas coisas danatureza.
  39. 39. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOSApós examiná-lo durante vários dias, o médico da famíliarecomendou que seria melhor encaminhá-lo a um padre, pois omédico (que era tio do paciente), dizia que a loucura do rapaznão se enquadrava em nada que ele havia conhecido.Acreditava mais, era que o menino estava endemoniado.Alguém da família sugeriu que "isso era coisa de espiritismo" eque era melhor levá-lo à Federação Espírita de Niterói, presididana época por José de Souza. No dia 15 de novembro, o jovemZélio foi convidado a participar da sessão, tomando um lugar àmesa.
  40. 40. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOSTomado por uma força estranha e alheia a sua vontade, econtrariando as normas que impediam o afastamento dequalquer dos componentes da mesa, Zélio levantou-se e disse:"Aqui está faltando uma flor". Saiu da sala indo ao jardim evoltando após com uma flor, que colocou no centro da mesa.Essa atitude causou um enorme tumulto entre os presentes.Restabelecidos os trabalhos, manifestaram-se nos médiunskardecistas espíritos que se diziam pretos escravos e índios.O diretor dos trabalhos achou tudo aquilo um absurdo eadvertiu-os com aspereza, citando o "seu atraso espiritual" econvidando-os a se retirarem.
  41. 41. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOSApós esse incidente, novamente uma força estranha tomou o jovemZélio e através dele falou: _"Porque repelem a presença dessesespíritos, se nem sequer se dignaram a ouvir suas mensagens. Serápor causa de suas origens sociais e da cor ?"Seguiu-se um diálogo acalorado, e os responsáveis pela sessãoprocuravam doutrinar e afastar o espírito desconhecido, quedesenvolvia uma argumentação segura.Um médium vidente perguntou: _"Por quê o irmão fala nestestermos, pretendendo que a direção aceite a manifestação de espíritosque, pelo grau de cultura que tiveram, quando encarnados, sãoclaramente atrasados? Por quê fala deste modo, se estou vendo queme dirijo neste momento a um jesuíta e a sua veste branca refleteuma aura de luz? E qual o seu nome irmão?
  42. 42. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS_"Se querem um nome, que seja este: sou o Caboclo das SeteEncruzilhadas, porque para mim, não haverá caminhosfechados."_"O que você vê em mim, são restos de uma existência anterior.Fui padre e o meu nome era Gabriel Malagrida. Acusado debruxaria fui sacrificado na fogueira da Inquisição em Lisboa, noano de 1761. Mas em minha última existência física, Deusconcedeu-me o privilégio de nascer como caboclo brasileiro."
  43. 43. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOSAnunciou também o tipo de missão que trazia do Astral:_"Se julgam atrasados os espíritos de pretos e índios, devo dizerque amanhã (16 de novembro) estarei na casa de meuaparelho, às 20 horas, para dar início a um culto em que estesirmãos poderão dar suas mensagens e, assim, cumprir missãoque o Plano Espiritual lhes confiou. Será uma religião que falaráaos humildes, simbolizando a igualdade que deve existir entretodos os irmãos, encarnados e desencarnados.”
  44. 44. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOSO vidente retrucou: _"Julga o irmão que alguém irá assistir a seuculto" ? perguntou com ironia. E o espírito já identificado disse:_"Cada colina de Niterói atuará como porta-voz, anunciando o cultoque amanhã iniciarei".Para finalizar o caboclo completou:_"Deus, em sua infinita Bondade, estabeleceu na morte, o grandenivelador universal, rico ou pobre, poderoso ou humilde, todos setornariam iguais na morte, mas vocês, homens preconceituosos, nãocontentes em estabelecer diferenças entre os vivos, procuram levaressas mesmas diferenças até mesmo além da barreira da morte.Porque não podem nos visitar esses humildes trabalhadores doespaço, se apesar de não haverem sido pessoas socialmenteimportantes na Terra, também trazem importantes mensagens doalém?"
  45. 45. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOSNo dia seguinte, na casa da família Moraes, na rua FlorianoPeixoto, número 30, ao se aproximar a hora marcada, 20:00 h, lá jáestavam reunidos os membros da Federação Espírita paracomprovarem a veracidade do que fora declarado na véspera;estavam os parentes mais próximos, amigos, vizinhos e, do lado defora, uma multidão de desconhecidos.Às 20:00 h, manifestou-se o Caboclo das Sete Encruzilhadas. Declarouque naquele momento se iniciava um novo culto, em que os espíritosde velhos africanos que haviam servido como escravos eque, desencarnados, não encontravam campo de atuação nosremanescentes das seitas negras, já deturpadas e dirigidas em suatotalidade para os trabalhos de feitiçaria; e os índios nativos de nossaterra, poderiam trabalhar em benefício de seus irmãosencarnados, qualquer que fosse a cor, a raça, o credo e a condiçãosocial.
  46. 46. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOSA prática da caridade, no sentido do amor fraterno, seria acaracterística principal deste culto, que teria por base o Evangelho deJesus.O Caboclo estabeleceu as normas em que se processaria o culto.Sessões, assim seriam chamados os períodos de trabalhoespiritual, diárias, das 20:00 às 22:00 h; os participantes estariamuniformizados de branco e o atendimento seria gratuito.Deu, também, o nome do Movimento Religioso que se iniciava:UMBANDA – Manifestação do Espírito para a Caridade.A Casa de trabalhos espirituais que ora se fundava, recebeu o nomede Nossa Senhora da Piedade, porque assim como Maria acolheu ofilho nos braços, também seriam acolhidos como filhos todos os quenecessitassem de ajuda ou de conforto.
  47. 47. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOSDitadas as bases do culto, após responder em latim e alemão às perguntasdos sacerdotes ali presentes, o Caboclo das Sete Encruzilhadas passou aparte prática dos trabalhos.O caboclo foi atender um paralítico, fazendo este ficar curado. Passou aatender outras pessoas que haviam neste local, praticando suas curas.Nesse mesmo dia incorporou um preto velho chamado PaiAntônio, aquele que, com fala mansa, foi confundido como loucura de seuaparelho e com palavras de muita sabedoria e humildade e com timidezaparente, recusava-se a sentar-se junto com os presentes à mesa dizendoas seguintes palavras:"_ Nêgo num senta não meu sinhô, nêgo fica aqui mesmo. Isso é coisa desinhô branco e nêgo deve arrespeitá."Após insistência dos presentes fala:
  48. 48. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS"_Num carece preocupá não. Nêgo fica no toco que é lugá di nego."Assim, continuou dizendo outras palavras representando a suahumildade. Uma pessoa na reunião pergunta se ele sentia falta dealguma coisa que tinha deixado na terra e ele responde:"_Minha caximba. Nêgo qué o pito que deixou no toco. Mandamureque busca."Tal afirmativa deixou os presentes perplexos, os quais estavampresenciando a solicitação do primeiro elemento de trabalho paraesta religião. Foi Pai Antonio também a primeira entidade a solicitaruma guia, até hoje usadas pelos membros da Tenda e carinhosamentechamada de "Guia de Pai Antonio".
  49. 49. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOSNo dia seguinte, verdadeira romaria formou-se na rua Floriano Peixoto.Enfermos, cegos etc. vinham em busca de cura e ali a encontravam, emnome de Jesus. Médiuns, cuja manifestação mediúnica fora consideradaloucura, deixaram os sanatórios e deram provas de suas qualidadesexcepcionais.A partir daí, o Caboclo das Sete Encruzilhadas começou a trabalharincessantemente para o esclarecimento, difusão e sedimentação dareligião de Umbanda. Além de Pai Antônio, tinha como auxiliar o Cabocloorixá Malé, entidade com grande experiência no desmanche de trabalhosde baixa magia.Em 1918, o Caboclo das Sete Encruzilhadas recebeu ordens do AstralSuperior para fundar sete tendas para a propagação da Umbanda. Asagremiações ganharam os seguintes nomes: Tenda Espírita Nossa Senhorada Guia; Tenda Espírita Nossa Senhora da Conceição; Tenda Espírita SantaBárbara; Tenda Espírita São Pedro; Tenda Espírita Oxalá, Tenda Espírita SãoJorge; e Tenda Espírita São Gerônimo. Enquanto Zélio estavaencarnado, foram fundadas mais de 10.000 tendas a partir dasmencionadas.
  50. 50. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOSEmbora não seguindo a carreira militar para a qual sepreparava, pois sua missão mediúnica não o permitiu, ZélioFernandino de Moraes nunca fez da religião sua profissão.Trabalhava para o sustento de sua família e diversas vezescontribuiu financeiramente para manter os templos que oCaboclo das Sete Encruzilhadas fundou, além das pessoas quese hospedavam em sua casa para os tratamentosespirituais, que segundo o que dizem parecia um albergue.Nunca aceitara ajuda monetária de ninguém era ordem do seuguia chefe, apesar de inúmeras vezes isto ser oferecido a ele.Ministros, industriais, e militares que recorriam ao podermediúnico de Zélio para a cura de parentes enfermos e osvendo recuperados, procuravam retribuir o benefício através depresentes, ou preenchendo cheques vultosos. "_Não os aceite.Devolva-os!", ordenava sempre o Caboclo.
  51. 51. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOSA respeito do uso do termo espírita e de nomes de santos católicosnas tendas fundadas, o mesmo teve como causa o fato de naquelaépoca não se poder registrar o nome Umbanda, e quanto aos nomesde santos, era uma maneira de estabelecer um ponto de referênciapara fiéis da religião católica que procuravam os préstimos daUmbanda. O ritual estabelecido pelo Caboclo das Sete Encruzilhadasera bem simples, com cânticos baixos e harmoniosos, vestimentabranca, proibição de sacrifícios de animais. Dispensou os atabaques eas palmas. Capacetes, espadas, cocares, vestimentas de cor, rendas elamês não seriam aceitos. As guias usadas são apenas as quedeterminam a entidade que se manifesta. Os banhos de ervas, osamacis, a concentração nos ambientes vibratórios da natureza, a pardo ensinamento doutrinário, na base do Evangelho, constituiriam osprincipais elementos de preparação do médium.
  52. 52. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS Créditos História da Umbanda:http://umbandacaminhodafeumbandasemmisteri.blogspot.com .br/2007/12/histria-da-umbanda.html História da Umbanda na voz do próprio Zélio de Moraes: http://www.paimaneco.org.br/musicas/historia-da-criacao- umbanda-por-zelio-de-moraes
  53. 53. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOSDivaldo Franco, sobre os pretos velhos
  54. 54. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOSIII - A EQUIPE MEDIÚNICA
  55. 55. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS INSTRUÇÃO TEÓRICA BÁSICA“ ... É relevante que todos os participantes da reuniãopossuam base doutrinária espírita relacionada àsatividades mediúnicas.”
  56. 56. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS CAPACITAÇÃO CONTINUADA Estar integrado em outra atividade da Casa Espírita; Revele possuir conhecimento espírita, adquirido nos cursos regulares de estudo do espiritismo e da mediunidade. “O estudo e a fixação do ensino espírita colocam-nos em condições de mais amplo discernimento da vida, dos homens e dos Espíritos.” (Mediunidade e Evolução, cap. 7)
  57. 57. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS CONDIÇÕES PARA ACESSO ÀS REUNIÕES MEDIÚNICAS Conheça as principais atividades da Casa Espírita; Esteja integrado em serviços que lhe proporcionem a devida compreensão da atividade mediúnica: assistência espiritual, que compreende o atendimento fraterno, passes, serviço de visitas a enfermos, evangelho no lar, assistência e promoção social e outros; Frequente uma ou mais palestras evangélico-doutrinárias; Prática do Evangelho no lar, a sós - quando a família não aceita esta prática, ou em companhia de familiares e afins;
  58. 58. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS CONDIÇÕES PARA ACESSO ÀS REUNIÕES MEDIÚNICAS Utilize o serviço de atendimento espiritual e de passe da Casa Espírita sempre que se sentir desarmonizado; Participe de seminários ou cursos relacionados à atividade mediúnica; Revele disposição para estudar, de forma contínua e sistematizada, obras espíritas que lhe auxiliem a realização da tarefa; Manifeste vontade de fazer parte de um grupo mediúnico;**(Neste caso, a manifestação voluntária do candidato não o coloca nareunião; ainda faltará a aprovação do setor competente da Casa Espírita)
  59. 59. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS “Já se disse que duas asas conduzirão o espíritohumano à presença de Deus. Uma chama-se Amor, aoutra, Sabedoria. Pelo amor, que, acima de tudo, é serviçoaos semelhantes, a criatura se ilumina e aformoseia pordentro, emitindo, em favor dos outros, o reflexo de suaspróprias virtudes; e, pela sabedoria, que começa naaquisição do conhecimento, recolhe a influência dosvanguardeiros do progresso, que lhe comunicam osreflexos da própria grandeza, impelindo-a para o Alto. [...]Todos temos necessidade de instrução e de amor. Estudare servir são rotas inevitáveis na obra de elevação. [...]” (Pensamento e Vida, cap. 4.)
  60. 60. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOSIV – ATRIBUIÇÕESDOS INTEGRANTES DA REUNIÃO
  61. 61. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS EQUIPE MEDIÚNICA Conduta moral sadia; Conhecimento doutrinário; Equilíbrio interior dos médiuns e doutrinadores; Confiança; disposição física e moral; Médiuns capacitados e disciplinados; Pontualidade e perseverança. (Manoel Philomeno de Miranda, Grilhões Partidos, Prolusão, item 1)
  62. 62. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS INTEGRANTES DA EQUIPE MEDIÚNICA União de laços da mais sincera e descontraída afeição; Bom entendimento entre todos é condição indispensável, insubstituível, se o grupo almeja tarefas mais nobres; Não pode haver desconfianças, reservas, restrições. “ Os Espíritos desarmonizadores sabem tirar partido de taissituações, pois esta é a sua especialidade. Muitos deles não têm feitooutra coisa, infelizmente para eles próprios, ao longo dosséculos, senão isto: atirar as criaturas umas contra as outras, dividindopara conquistar [...].” (Diálogo com as Sombras, cap. II, item 1)
  63. 63. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS ORIENTAÇÕES GERAIS AOS PARTICIPANTES Estar solidamente engajado na tarefa; Observar “rigorosamente” o horário das sessões, com atenção e assiduidade; Manter sigilo em relação ao conteúdo da comunicação mediúnica; Investir no auto-aperfeiçoamento; Investir nas ações de melhoria do semelhante; Cultivar a fé e amor em Deus, em Jesus e nos seus mensageiros; Analisar as dificuldades encontradas no trabalho, buscando a solução mais adequada; Seguir as orientações de organização e funcionamento da reunião mediúnica, definidas pela Doutrina Espírita;
  64. 64. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS ORIENTAÇÕES GERAIS AOS PARTICIPANTES Respeitar o momento do diálogo com os Espíritos, auxiliando mentalmente com os recursos do bom pensamento, da prece, da emoção equilibrada e da doação fluídica; Reprimir comportamento ou atitude que favoreça o endeusamento de médiuns; Empenhar-se em manter harmônica a saúde física e psíquica; Envidar esforços de melhoria moral pelo combate às paixões inferiores e às más tendências; Manter-se doutrinariamente atualizado;
  65. 65. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS ORIENTAÇÕES GERAIS AOS PARTICIPANTES Participar das reuniões de avaliação da prática mediúnica; Cooperar nas atividades de apoio material e espiritual, existentes na Casa Espírita; Primar pela sustentação harmônica da reunião; Estabelecer o hábito da oração em reuniões familiares de estudo do Evangelho.
  66. 66. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOSORIENTAÇÕES AO DIRIGENTE DA REUNIÃO MEDIÚNICA
  67. 67. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS DIRIGENTE Preside os trabalhos; Responsável pela realização da tarefa no plano físico; Abertura, Desenvolvimento, Conclusão e Avaliação. (Obsessão/Desobsessão, terceira parte, cap. 5)
  68. 68. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS DIRIGENTE Reportar-se à coordenação geral, à qual esteja vinculado, para prestar informações solicitadas; Estimular a integração da equipe nas atividades da Casa; Acompanhar a assiduidade dos componentes do grupo, adotando medidas cabíveis, segundo os preceitos da fraternidade e da seriedade, decisivos na execução da tarefa; Manter o clima de seriedade da reunião, segundo as orientações existentes em O Livro dos Médiuns; Vigiar para não “se deixar conduzir por excessiva credulidade no trabalho direcional, nem alimentar, igualmente, qualquer prevenção contra pessoas ou assuntos.” (Conduta Espírita, cap. III.)
  69. 69. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS DIRIGENTE Exercer, se necessário, a função de esclarecedor, eximindo-se da de médium ostensivo, por não ser possível desempenhar ambas; (Conduta Espírita, cap. III) Confiar na própria intuição, colocando-a em prática, recordando que os bons dialogadores são bons médiuns intuitivos; “Ser atencioso, sereno e compreensivo no trato com enfermos encarnados e desencarnados, aliando humildade e energia, tanto quanto respeito e disciplina na consecução das próprias tarefas”; (Conduta Espírita, cap. III.) Desenvolver bom relacionamento com os integrantes do grupo, agindo com imparcialidade;
  70. 70. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS DIRIGENTE Saber ouvir e ser objetivo no falar; Agir como mediador e evitar a polêmica; Saber usar de firmeza nas atividades de direção, tratando todos com gentileza e lealdade, mas respeitando-lhes as características individuais; Neste sentido, procurar conhecer os participantes, suas possibilidades, potencialidades, dificuldades e necessidades, colocando-se à disposição para ajudá- los, no que for possível;
  71. 71. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS DIRIGENTE “Desaprovar o emprego de rituais, imagens ou símbolos de qualquer natureza nas sessões, assegurando a pureza e a simplicidade da prática do Espiritismo”; (Conduta Espírita, cap. III) Conduzir as dificuldades com tato, energia, humildade e empatia; Ponderar sobre a real necessidade de aplicação do passe, no início e término da reunião, ou durante a comunicação dos Espíritos; Possibilitar a avaliação da reunião, coordenando-a.
  72. 72. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOSORIENTAÇÕES AO ESCLARECEDOR,DIALOGADOR OU DOUTRINADOR
  73. 73. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS ESCLARECEDOR, DIALOGADOR OU DOUTRINADOR Ter base doutrinária espírita e vivência evangélica; Esclarecer com ponderação, consistência doutrinária e amor, para que sua palavra seja revestida de autoridade moral; Lembrar sempre desta oportuna orientação de Kardec: “Por meio de sábios conselhos, é possível induzi-los ao arrependimento e apressar-lhes o progresso”; (O Livro dos Médiuns, cap. XXIII, item 254, questão 5.) Ter discernimento na execução da tarefa, mantendo-se em vigilância contínua, a fim de não ser prejudicado pela vaidade e pelo apego à função exercida;
  74. 74. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS ESCLARECEDOR, DIALOGADOR OU DOUTRINADOR Cultivar o hábito da oração, considerando as investidas dos Espíritos desarmonizados; Ponderar sobre a real necessidade de aplicação do passe, no início e término da reunião, ou durante a comunicação dos Espíritos; Ater-se à função de esclarecedor, eximindo-se de exercer a de médium ostensivo por não ser possível desempenhar ambas as funções. (Conduta Espírita, cap. III.)
  75. 75. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS ORIENTAÇÕES AOSMÉDIUNS OSTENSIVOS
  76. 76. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS MÉDIUM OSTENSIVO Ter base doutrinária espírita e vivência evangélica; Seguir cuidadosamente as orientações de funcionamento das reuniões; Colaborar na manutenção do clima harmônico e de bem-estar na reunião; Auxiliar, efetivamente, o Espírito comunicante e o médium esclarecedor, durante a manifestação dos Espíritos;
  77. 77. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS MÉDIUM OSTENSIVO Analisar com equilíbrio e bom senso as comunicações mediúnicas que transmite; Aceitar, sem melindres, a análise das mensagens mediúnicas que transmite; Revelar compromisso com a tarefa, voluntariamente aceita, mantendo-se assíduo às reuniões; Exercer apenas a função de médium ostensivo, eximindo-se da de esclarecedor por não ser possível desempenhar ambas as funções. (Conduta Espírita, cap. III)
  78. 78. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOSORIENTAÇÕES AOS INTEGRANTES DA EQUIPE DE APOIO (SUSTENTAÇÃO)  Auxiliar a realização da atividade mediúnica;  Fornecer energia mental e fluídica positiva.
  79. 79. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS EQUIPE DE APOIO OU SUSTENTAÇÃO Permanecer vigilante e confiante em todas as etapas da reunião; “Nunca permitir-se adormecer durante a reunião, sob qualquer justificativa em que o fenômeno se lhe apresente, porque esse comportamento gera dificuldades para o conjunto, sendo lamentável essa autopermissão [...]” ; (Manoel P. de Miranda - psicografia Divaldo P. Franco; Reformador-dezembro de 2007) Manter-se integrada, concentrada e atenta às solicitações do dirigente; Contribuir com a transmissão de energias psíquicas, harmônicas e amorosas, em benefício dos presentes, encarnados e desencarnados.
  80. 80. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOSV – ORGANIZAÇÃO DAREUNIÃO MEDIÚNICA
  81. 81. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS CRIANÇAS EM REUNIÃO MEDIÚNICA? “É vedada a participação de criança na reuniãomediúnica, ainda que apresente mediunidadeostensiva, independentemente de ser harmônica oudesarmônica a ação espiritual manifestada.”
  82. 82. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS“Haverá inconveniente em desenvolver-se a mediunidadenas crianças? Certamente e sustento mesmo que é muito perigoso, poisque esses organismos débeis e delicados sofreriam poressa forma grandes abalos, e, as respectivasimaginações, excessiva sobreexcitação. Assim, os paisprudentes devem afastá-las dessas ideias, ou, quandonada, não lhes falar do assunto, senão do ponto de vistadas consequências morais. (O Livro dos Médiuns, Cap. XVIII, item 221, questão 6.)
  83. 83. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOSADMISSÃO DE PARTICIPANTES
  84. 84. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS ADMISSÃO DE PARTICIPANTES Apresentar condições físicas, emocionais e psíquicas para participar da reunião mediúnica; Estar integrado em atividades da Casa Espírita; Ter conhecimento doutrinário espírita e, especificamente, o da mediunidade; Assumir compromisso com a atividade mediúnica; Demonstrar dedicação, assiduidade, esforço de melhoria espiritual;
  85. 85. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS ADMISSÃO DE PARTICIPANTES Demonstrar sintonia com os fins da Doutrina Espírita e os objetivos da Instituição Espírita. Frequentar palestra evangélico-doutrinária; Ter o hábito de realizar a reunião do Evangelho no Lar; Vincular-se apenas às reuniões mediúnicas da própria Casa Espírita.
  86. 86. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS ADMISSÃO DE PARTICIPANTES “Todo integrante da equipe de desobsessão precisacompreender a necessidade do culto do Evangelho nolar.[...] Além dos companheiros desencarnados queestacionam no lar e adjacências dele, há outros irmãos jádesenfaixados da veste física, principalmente os queremanescem das tarefas de enfermagem espiritual nogrupo, que recolhem amparo e ensinamento, consolação ealívio, da conversação espírita e da prece em casa.” (Desobsessão, cap. LXX.)
  87. 87. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS AFASTAMENTO DO PARTICIPANTE
  88. 88. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS AFASTAMENTO DO PARTICIPANTE CONCEITO “Trata-se de desvinculação do grupomediúnico, temporária ou definitiva, mediante ato daDiretoria da Casa, ouvida a coordenação da mediunidade”
  89. 89. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS AFASTAMENTO DO PARTICIPANTE MOTIVAÇÕES Ausências sistemáticas às reuniões, sem apresentação de justificativas; Falta moral grave ou comportamento social incompatível com os objetivos da atividade mediúnica; Impedimentos de natureza física, psíquica ou mental; Processo obsessivo que invalida ou dificulta a realização da tarefa.
  90. 90. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS AFASTAMENTO DO PARTICIPANTE “O afastamento do grupo mediúnico deve serencaminhado com bom senso e sincero espírito defraternidade.” “É preciso analisar cada caso, transmitindo aoparticipante o desejo e a disposição de auxiliá-lo. O grupotem o dever moral de prestar assistência ao integranteafastado, temporária ou permanentemente da reunião .”
  91. 91. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS VISITANTES
  92. 92. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS VISITANTES Aceitar a participação ocasional e restritiva; Um amigo da Casa Espírita, em visita ou estágio; Revelem experiência suficiente para se conduzirem adequadamente na atividade.
  93. 93. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS VISITANTES “Essas visitas devem ser recebidas apenas de raroem raro, e em circunstâncias realmente aceitáveis noplano de trabalho de desobsessão, principalmente quandoobjetivarem a fundação de atividades congêneres. [...]Compreende-se que os visitantes não necessitem decomparecimento que exceda de três a quatro reuniões.” (Desobsessão, cap. 21)
  94. 94. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOSFUNCIONAMENTO DAREUNIÃO MEDIÚNICA
  95. 95. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS Manifestações Número de Privacidade participantes Condições Ambiente Regularidade Horário
  96. 96. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOSETAPAS DA REUNIÃO MEDIÚNICA
  97. 97. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS ETAPAS DA REUNIÃO MEDIÚNICA  PREPARAÇÃO  DESENVOLVIMENTO  ENCERRAMENTO  AVALIAÇÃO
  98. 98. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS ETAPAS DA REUNIÃO MEDIÚNICA1. Horário de chegada dos médiuns2. Preparação para a reunião3. Horário de início da reunião4. Abertura dos trabalhos5. Desenrolar dos trabalhos mediúnicos6. Encerramento dos trabalhos mediúnicos7. Revisão das comunicações e avaliação8. Encerramento da reunião mediúnica
  99. 99. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS 1 - HORÁRIO DE CHEGADA DOS MÉDIUNS Em concordância com a afirmação de Allan Kardec, de que areunião espírita necessita de homogeneidade, podemos inferir que osseus integrantes devem estar o mais bem entrosado possível. Nãopodemos esperar perfeição, mas o máximo de comprometimento decada membro do grupo, seja este mediúnico ou de qualquer outranatureza e finalidade. Tratando-se especificamente dos trabalhosmediúnicos, este entrosamento é levado à condição de necessidadeimperiosa. Portanto, alguns minutos antes do início da reunião serãoreservados para a recepção dos médiuns que a partir de umdeterminado momento entrarão em preparação, não cabendo maisreceber no recinto os atrasados. Uma sugestão é de que este tempo de preparação seja dequinze minutos. O horário para a chegada dos médiuns seriaentão, 19h45. Depois deste horário, já não se adentra a sala dostrabalhos mediúnicos.
  100. 100. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS ETAPAS DA REUNIÃO MEDIÚNICA DURANTE OS 15 MINUTOS DE PREPARAÇÃO: Período de relaxamento e concentração; Breve leitura de uma página espirita; Leitura de pequeno trecho de O Evangelho Segundo o Espiritismo ou de O livro dos Espíritos; Oração objetiva e concisa.
  101. 101. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS ETAPAS DA REUNIÃO MEDIÚNICA DESENVOLVIMENTO Manifestação e diálogo dos Espíritos; Os médiuns ostensivos devem controlar o tom da voz nas comunicações psicofônicas, favorecendo a audição dos participantes e, ao mesmo tempo, a manutenção da harmonia vibratória do ambiente.
  102. 102. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS ETAPAS DA REUNIÃO MEDIÚNICA “... a cada médium, duas passividades porreunião, eliminando com isso maiores dispêndios deenergia e manifestações sucessivas ouencadeadas, inconvenientes sob vários aspectos.” (Desobsessão, cap. XL.)“... duas comunicações são suficientes para cada sensitivo;excepcionalmente, três. ...” (Qualidade da Prática Mediúnica, segunda parte (Divaldo responde), item: Funcionamento, p. 81)
  103. 103. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS ETAPAS DA REUNIÃO MEDIÚNICA ENCERRAMENTO “Concluídas as manifestações dos Espíritos, odirigente da reunião realiza vibrações (irradiaçõesmentais), seguidas de oração final, ou indica umparticipante para fazê-las. “
  104. 104. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS ETAPAS DA REUNIÃO MEDIÚNICA AVALIAÇÃO Normal, após o encerramento da reunião; Avaliação da tarefa, na Casa Espírita, pela diretoria ou grupo responsável, em dia e hora pré-estabelecidos.
  105. 105. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS ETAPAS DA REUNIÃO MEDIÚNICA AVALIAÇÃO DA TAREFA Fortalecimento da equipe; Analisar o correto desenvolvimento da atividade; Analisar o desempenho de todos os membros do grupo mediúnico; Avaliar o atendimento espiritual prestado aos Espíritos necessitados; Avaliar o conteúdo das comunicações mediúnicas.
  106. 106. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS ETAPAS DA REUNIÃO MEDIÚNICA PRIVACIDADE “Aconselhável se feche disciplinadamente a portade entrada, 15 minutos antes do horário marcado para aabertura da reunião, tempo que será empregado na leiturapreparatória.” (Desobsessão, cap.14.)
  107. 107. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS ETAPAS DA REUNIÃO MEDIÚNICA REGULARIDADE “A reunião será sempre realizada nos dias ehorários pré-estabelecidos, com periodicidade definidapela Direção da Casa Espírita”
  108. 108. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS ETAPAS DA REUNIÃO MEDIÚNICA HORÁRIO Não se recomenda mais de 60 (sessenta) minutos para a manifestação dos Espíritos; Pode-se estabelecer o tempo máximo de duas horas para duração da reunião, considerando todas as etapas do trabalho, que começa na leitura preparatória e termina na avaliação.
  109. 109. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS ETAPAS DA REUNIÃO MEDIÚNICA AMBIENTE Garantir silêncio respeitável e harmonia vibratória; A simplicidade deve ser a tônica do ambiente.
  110. 110. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS ETAPAS DA REUNIÃO MEDIÚNICA NÚMERO DE PARTICIPANTES Allan Kardec ressalta: “O número excessivo dos assistentes constitui uma das causas mais contrárias à homogeneidade”. (O Livro dos Médiuns, cap. XXIX, item 332) André Luiz adverte que “os componentes da reunião, [...] nunca excederão o número de quatorze”. (Desobsessão, cap.XX e LXXIII) Léon Denis afirma: “É prudente não exceder o limite de dez a doze pessoas [...].” (No Invisível, primeira parte, cap.IX)
  111. 111. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS ETAPAS DA REUNIÃO MEDIÚNICA MISTIFICAÇÃO / SUSPEITAR: Predições com época determinada; Indicações precisas, relativas a interesses materiais; Nomes com que os Espírito se auto identificam ; Teorias e sistemas científicos ousados; De tudo o que se afasta do objetivo moral das manifestações. (O Livro dos Médiuns, segunda parte, cap. XXVII, item 303-comentário)
  112. 112. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS BIBLIOGRAFIAO Livro dos Médiuns, O Evangelho Segundo o Espiritismo,Obras Póstumas, Desobsessão. Allan KardecObsessão Desobsessão, Suely Caldas SchubertTestemunhos de Chico Xavier, Suely Caldas SchubertMecanismos da Mediunidade, Francisco C. Xavier e Valdo Vieira/ Aandré LuisMediunidade e Evolução, Martins PeralvaO Consolador, Francsico Candido Xavier/EmmanuelPensamento e Vida, Francisco Candido Xavier/EmmanuelGrilhoões Partidos, Divaldo Franco/Manoel Philomeno de MirandaDiálogo com as Sombras, Hermínio C. MirandaConduta Espírita, Francisco Candido Xavier e Valdo VieiraReformador dezembro de 2007, periódico da FEBQualidade da Prática Mediúnica, Projeto M. P. Miranda/ João NevesNo invisível, León Denis
  113. 113. CENTRO ESPÍRITA EMMANUEL TRABALHOS MEDIÚNICOS CRÉDITOSTrabalho elaborado pela Federação Espírita Brasileira e adaptado ao Curso deRevisão das Práticas Mediúnicas do Centro Espírita Emmanuel de SãoBernardo do Campo, SP. 2013Original disponível em:www.febnet.org.br/.../OrganizaçãoFuncionamentoReuniaoMediunica...

×