SlideShare uma empresa Scribd logo
MÓDULO III: DEUS
ROTEIRO 2: PROVAS DA EXISTÊNCIA DE DEUS
ESTUDO SISTEMATIZADO DA DOUTRINA ESPÍRITA
PROGRAMA FUNDAMENTAL - TOMO I
MÓDULO III: DEUS
OBJETIVO GERAL
• Apresentar Deus como a
inteligência suprema e a
causa primeira de todas as
coisas.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
• Citar e analisar provas da
existência de Deus.
CONTEÚDO BÁSICO
• A prova da existência de Deus, como
dizem os Espíritos, pode ser encontrada
num [...] axioma (verdades inquestionáveis)
que aplicais às vossas ciências.
• Não há efeito sem causa.
• Procurai a causa de tudo o que não é
obra do homem e a vossa razão
responderá.
Allan Kardec: O livro dos espíritos, questão 4.
CONTEÚDO BÁSICO
•Deus não se mostra,
mas se revela pelas suas obras.
Allan Kardec: A gênese. Cap. 2, item 6.
CONTEÚDO BÁSICO
• A existência de Deus é, pois, uma
realidade comprovada não só pela
revelação [dos Espíritos Superiores]
como pela evidência material dos fatos.
• Os povos selvagens nenhuma revelação
tiveram; entretanto, creem
instintivamente na existência de um
poder sobre-humano.
Allan Kardec: A gênese. Cap. 2, item 7.
Como interpretar a existência
de Deus, considerando esta
afirmativa
de Kardec:
•Não há efeito sem causa.
Procurai a causa de tudo
o que não é obra do homem e a vossa razão
responderá.
SUBSÍDIOS
ROTEIRO 1:
PROVAS DA EXISTÊNCIA DE DEUS
• Cada religião [...] explica Deus à sua
maneira;
cada teoria o descreve a seu modo.
E de tudo isso resulta uma confusão, um
caos inextricável. [...]
Dessa confusão, os ateus têm tirado
argumentos para negar a existência de
Deus; os positivistas, para o declarar
«incognoscível» (o que é impossível
conhecer) .
Como remediar tal desordem?
Como escapar a essas contradições?
• Da mais simples maneira.
Basta elevarmo-nos acima das teorias e
dos sistemas, bastante alto para as ligar
em seu conjunto e pelo que têm de
comum.
Basta elevarmo-nos até à grande Causa,
na qual tudo se resume e tudo se explica
(10).
• Duvidar da existência de Deus é negar que
todo efeito tem uma causa e declarar que
o nada pode fazer alguma coisa.
A prova da existência de Deus, como
dizem os Espíritos Superiores, pode ser
encontrada em um [...] axioma (verdades
inquestionáveis) que aplicais às vossas
ciências.
Não há efeito sem causa.
Procurai a causa de tudo o que não é obra
do homem e a vossa razão responderá (6).
• Vemos constantemente uma imensidade
de efeitos, cuja causa não está na
Humanidade, pois que a Humanidade é
impotente para produzi-los, ou, sequer,
para os explicar. [...]
Tais efeitos absolutamente não se
produzem ao acaso, fortuitamente e em
desordem. (9)
• Desde a organização do mais pequenino
inseto e da mais insignificante semente,
até a lei que rege os mundos que
circulam, no Espaço, tudo atesta uma
ideia diretora, uma combinação, uma
previdência, uma solicitude
(boa vontade), que ultrapassam
todas as combinações humanas.
A causa é, pois, soberanamente
inteligente (9).
• Constitui princípio elementar que pelos seus
efeitos é que se julga de uma causa, mesmo
quando ela se conserve oculta.
Se, fendendo os ares, um pássaro é atingido
por mortífero grão de chumbo, deduz-se
que hábil atirador o alvejou, ainda que este
último não seja visto.
Nem sempre, pois, se faz necessário
vejamos uma coisa, para sabermos que ele
existe.
Em tudo, observando os efeitos é que se
chega ao conhecimento das causas (1).
• Outro princípio igualmente elementar e
que, de tão verdadeiro, passou a axioma
(verdades inquestionáveis), é o de que todo
efeito inteligente tem que decorrer de uma
causa inteligente.
• Se perguntassem qual o construtor de certo
mecanismo engenhoso, que pensaríamos de
quem respondesse que ele se fez a si
mesmo? (2)
• Quando se contempla uma obra prima da
arte ou da indústria, diz-se que há de tê-la
produzido um homem de gênio, porque só
uma alta inteligência poderia concebê-la.
• Reconhece-se, no entanto, que ela é obra de
um homem, por se verificar que não está
acima da capacidade humana;
mas, a ninguém acudirá a ideia de dizer que
saiu do cérebro de um idiota ou de um
ignorante, nem, ainda menos, que é
trabalho de um animal, ou produto do
acaso (2).
• Não podendo nenhum ser humano criar o
que a Natureza produz, a causa primária
[primeira] é, conseguintemente, uma
inteligência superior à Humanidade.
Quaisquer que sejam os prodígios que a
inteligência humana tenha operado, ela
própria tem uma causa e, quanto maior for
o que opere, tanto maior há de ser a causa
primária [primeira].
Aquela inteligência superior é que é a causa
primária [primeira] de todas as coisas, seja
qual for o nome que lhe deem (8).
• Pois bem!
• Lançando o olhar em torno de si, sobre as
obras da Natureza, notando a providência, a
sabedoria, a harmonia que presidem a essas
obras, reconhece o observador não haver
nenhuma que não ultrapasse os limites da
mais portentosa inteligência humana.
• Ora, desde que o homem não as pode
produzir, é que elas são produto de uma
inteligência superior à Humanidade, a
menos que se sustente que há efeitos sem
causa (3).
• A harmonia existente no mecanismo do Universo
patenteia (tornar público; mostrar ) combinações e
desígnios determinados e, por isso mesmo, revela
um poder inteligente.
• Atribuir a formação primária ao acaso é
insensatez, pois que o acaso é cego e não pode
produzir os efeitos que a inteligência produz.
• Um acaso inteligente já não seria acaso (7).
• Deus não se mostra, mas se revela pelas
suas obras (4).
• A existência de Deus é, pois, uma realidade
comprovada não só pela revelação, como
pela evidência material dos fatos.
• Os povos selvagens nenhuma revelação tiveram;
entretanto, creem instintivamente na existência de
um poder sobre-humano.
• Eles veem coisas que estão acima das
possibilidades do homem e deduzem que essas
coisas provêm de um ente superior à Humanidade.
• Não demonstram raciocinar com mais lógica do
que os que pretendem que tais coisas se fizeram a
si mesmas? (5)
GLOSSÁRIO
• ACASO:
• Conjunto de causas imprevisíveis e independentes entre si, que não
se prendem a um encadeamento lógico ou racional, e que
determinam um acontecimento qualquer. O resultado desse
conjunto de causas. Acontecimento fortuito; fato imprevisto;
casualidade. Destino, fado, sorte, fortuna. Filosofia: Caráter de
acontecimento imprevisível com relação às causas que o
determinam (p. ex., a premiação de um bilhete), ou injustificável
com respeito à significação assumida (p. ex., um atraso de
segundos que provoca um desastre.
• ATEU:
Do gr. átheos, pelo lat. atheu.
Diz-se daquele que não crê em Deus ou nos deuses; ímpio.
Feminino: atéia.
• AXIOMA:
Do gr. axíoma, pelo lat. axioma.
Filos. Premissa imediatamente evidente que se admite como
universalmente verdadeira sem exigência de demonstração.
Máxima, sentença. Lógica: Proposição que se admite como
verdadeira porque dela se podem deduzir as proposições de uma
teoria ou de um sistema lógico ou matemático.
•CAUSA:
Filosofia: Termo correlacionado a efeito e que se concebe
de maneiras diversas, que se compreendem a partir de dois
enfoques fundamentais:
a) relação entre um ser inteligente e o ato que ele praticou
voluntariamente e pelo qual é responsável; b) vínculo que
correlaciona os próprios fenômenos e que faz com que um
ou vários deles apareçam como condição da existência de
outros.
• PORTENTO:
Do lat. portentu.
Coisa ou sucesso maravilhoso; prodígio. Pessoa de inteligência e/ou
saber incomuns.
• POSITIVISTA:
Do fr. positiviste. Adjetivo de dois gêneros.
Respeitante à filosofia do positivismo, ou que dela é adepto.
Substantivo de dois gêneros. Adepto da filosofia positivista.
• PROVIDÊNCIA:
Do lat. providentia.
A suprema sabedoria com que Deus conduz todas as coisas. Por
extensão: O próprio Deus.
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA
• 1. KARDEC, Allan. A gênese. Tradução de Guillon Ribeiro. 48. ed. Rio
de Janeiro: FEB, 2005. Cap. 2, item 2, p. 53.
• 2. ______. Item 3, p. 53-54.
• 3. ______. Item 5, p. 54.
• 4. ______. Item 6, p. 55-56.
• 5. ______. Item 7, p. 55.
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA
• 6. ______. O livro dos espíritos. Tradução de Guillon Ribeiro. 86. ed.
Rio de Janeiro: FEB, 2005. Questão 4, p. 52.
• 7. ______. Questão 8, p. 53.
• 8. ______. Questão 9, p. 53.
• 9. ______. Obras póstumas. Tradução de Guillon Ribeiro. 38. ed. Rio
de Janeiro: FEB, 2005. Profissão de fé espírita raciocinada. Primeira
Parte. Cap. 1 (Deus), item 1, p. 31.
• 10. DENIS, Léon. O grande enigma. 14. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005.
Primeira parte. Cap. 9 (Objeções e contradições), p. 110-111.
IEDC
Instituto Espírita Dias da Cruz
DAE
Departamento de
Assistência Espiritual
Facilitadores:
Denise Maria de Aguiar da Silva
Deise Cristina Maciel de Aguiar
2017

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
Izabel Cristina Fonseca
 
Roteiro 1 influência dos espíritos
Roteiro 1   influência dos espíritosRoteiro 1   influência dos espíritos
Roteiro 1 influência dos espíritos
Bruno Cechinel Filho
 
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
Jorge Luiz dos Santos
 
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMOMEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
Jorge Luiz dos Santos
 
Escolha das provas
Escolha das provasEscolha das provas
Escolha das provas
Ponte de Luz ASEC
 
Caracteres da Perfeição
Caracteres da PerfeiçãoCaracteres da Perfeição
Caracteres da Perfeição
CEENA_SS
 
Palestra Espírita - Sede perfeitos
Palestra Espírita - Sede perfeitosPalestra Espírita - Sede perfeitos
Palestra Espírita - Sede perfeitos
Divulgador do Espiritismo
 
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpoRoteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Bruno Cechinel Filho
 
Lei De ConservaçãO
Lei De ConservaçãOLei De ConservaçãO
Lei De ConservaçãO
Grupo Espírita Cristão
 
Cap. 28 - Coletänea de Preces
Cap. 28 - Coletänea de Preces Cap. 28 - Coletänea de Preces
Cap. 28 - Coletänea de Preces
Patricia Farias
 
Justiça das Aflições
Justiça das AfliçõesJustiça das Aflições
Justiça das Aflições
igmateus
 
Atributos da divindade
Atributos da divindadeAtributos da divindade
Atributos da divindade
Denise Aguiar
 
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Divulgador do Espiritismo
 
Há muitas moradas na casa do pai
Há muitas moradas na casa do paiHá muitas moradas na casa do pai
Há muitas moradas na casa do pai
Gianete Rocha
 
Palestra Espírita - Os falsos profetas
Palestra Espírita - Os falsos profetasPalestra Espírita - Os falsos profetas
Palestra Espírita - Os falsos profetas
Divulgador do Espiritismo
 
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDASINFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
Rodrigo Leite
 
Infortunios ocultos palestra
Infortunios ocultos palestraInfortunios ocultos palestra
Infortunios ocultos palestra
Débora Homobono
 
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
Núcleo de Promoção Humana Vinha de Luz
 
Ninguém pode ver o Reino dos Céus se não nascer de novo
Ninguém pode ver o Reino dos Céus se não nascer de novoNinguém pode ver o Reino dos Céus se não nascer de novo
Ninguém pode ver o Reino dos Céus se não nascer de novo
CEENA_SS
 
Finalidade Da EncarnaçãO
Finalidade Da EncarnaçãOFinalidade Da EncarnaçãO
Finalidade Da EncarnaçãO
Grupo Espírita Cristão
 

Mais procurados (20)

Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
 
Roteiro 1 influência dos espíritos
Roteiro 1   influência dos espíritosRoteiro 1   influência dos espíritos
Roteiro 1 influência dos espíritos
 
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
 
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMOMEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
 
Escolha das provas
Escolha das provasEscolha das provas
Escolha das provas
 
Caracteres da Perfeição
Caracteres da PerfeiçãoCaracteres da Perfeição
Caracteres da Perfeição
 
Palestra Espírita - Sede perfeitos
Palestra Espírita - Sede perfeitosPalestra Espírita - Sede perfeitos
Palestra Espírita - Sede perfeitos
 
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpoRoteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
 
Lei De ConservaçãO
Lei De ConservaçãOLei De ConservaçãO
Lei De ConservaçãO
 
Cap. 28 - Coletänea de Preces
Cap. 28 - Coletänea de Preces Cap. 28 - Coletänea de Preces
Cap. 28 - Coletänea de Preces
 
Justiça das Aflições
Justiça das AfliçõesJustiça das Aflições
Justiça das Aflições
 
Atributos da divindade
Atributos da divindadeAtributos da divindade
Atributos da divindade
 
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
 
Há muitas moradas na casa do pai
Há muitas moradas na casa do paiHá muitas moradas na casa do pai
Há muitas moradas na casa do pai
 
Palestra Espírita - Os falsos profetas
Palestra Espírita - Os falsos profetasPalestra Espírita - Os falsos profetas
Palestra Espírita - Os falsos profetas
 
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDASINFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
 
Infortunios ocultos palestra
Infortunios ocultos palestraInfortunios ocultos palestra
Infortunios ocultos palestra
 
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
 
Ninguém pode ver o Reino dos Céus se não nascer de novo
Ninguém pode ver o Reino dos Céus se não nascer de novoNinguém pode ver o Reino dos Céus se não nascer de novo
Ninguém pode ver o Reino dos Céus se não nascer de novo
 
Finalidade Da EncarnaçãO
Finalidade Da EncarnaçãOFinalidade Da EncarnaçãO
Finalidade Da EncarnaçãO
 

Semelhante a Provas da existência deus

Roteiro 2 provas da existência de deus
Roteiro 2   provas da existência de deusRoteiro 2   provas da existência de deus
Roteiro 2 provas da existência de deus
Bruno Cechinel Filho
 
Deus - Descobrindo
Deus - DescobrindoDeus - Descobrindo
Deus - Descobrindo
Sergio Nalini
 
Deus
DeusDeus
080806 le-parte i-cap.1
080806 le-parte i-cap.1080806 le-parte i-cap.1
080806 le-parte i-cap.1
Carlos Alberto Freire De Souza
 
080806 le-parte i-cap.1-de deus
080806 le-parte i-cap.1-de deus080806 le-parte i-cap.1-de deus
080806 le-parte i-cap.1-de deus
Carlos Alberto Freire De Souza
 
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Marta Gomes
 
D 01 Deus
D 01   DeusD 01   Deus
D 01 Deus
JPS Junior
 
Existencia De Deus
Existencia De DeusExistencia De Deus
Existencia De Deus
Angelo Baptista
 
1.1 - Deus
1.1 - Deus1.1 - Deus
1.1 - Deus
Marta Gomes
 
Fund I Mód III Rot 2
Fund I Mód III Rot 2Fund I Mód III Rot 2
Fund I Mód III Rot 2
Shantappa Jewur
 
Módulo III - Aula II - Mansão Espírita
Módulo III - Aula II - Mansão EspíritaMódulo III - Aula II - Mansão Espírita
Módulo III - Aula II - Mansão Espírita
brunoquadros
 
Apostila adolescentes mod1 (1)
Apostila adolescentes mod1 (1)Apostila adolescentes mod1 (1)
Apostila adolescentes mod1 (1)
Alice Lirio
 
Trabalho teoria do conhecimento
Trabalho teoria do conhecimentoTrabalho teoria do conhecimento
Trabalho teoria do conhecimento
João Bastos
 
Deus desafio para a ciência.pptx
Deus desafio para a ciência.pptxDeus desafio para a ciência.pptx
Deus desafio para a ciência.pptx
Henrique Vieira
 
Livro dos Espíritos
Livro dos EspíritosLivro dos Espíritos
Livro dos Espíritos
claudilei_sousa
 
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebioFund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Guto Ovsky
 
1 ano razao empirismo
1 ano razao empirismo1 ano razao empirismo
1 ano razao empirismo
Sandra Wirthmann
 
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinitoPrimeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
CeiClarencio
 
DESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANODESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANO
Beatriz Cruz
 
Ficha de trab + correção descartes
Ficha de trab + correção   descartesFicha de trab + correção   descartes
Ficha de trab + correção descartes
mluisavalente
 

Semelhante a Provas da existência deus (20)

Roteiro 2 provas da existência de deus
Roteiro 2   provas da existência de deusRoteiro 2   provas da existência de deus
Roteiro 2 provas da existência de deus
 
Deus - Descobrindo
Deus - DescobrindoDeus - Descobrindo
Deus - Descobrindo
 
Deus
DeusDeus
Deus
 
080806 le-parte i-cap.1
080806 le-parte i-cap.1080806 le-parte i-cap.1
080806 le-parte i-cap.1
 
080806 le-parte i-cap.1-de deus
080806 le-parte i-cap.1-de deus080806 le-parte i-cap.1-de deus
080806 le-parte i-cap.1-de deus
 
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
 
D 01 Deus
D 01   DeusD 01   Deus
D 01 Deus
 
Existencia De Deus
Existencia De DeusExistencia De Deus
Existencia De Deus
 
1.1 - Deus
1.1 - Deus1.1 - Deus
1.1 - Deus
 
Fund I Mód III Rot 2
Fund I Mód III Rot 2Fund I Mód III Rot 2
Fund I Mód III Rot 2
 
Módulo III - Aula II - Mansão Espírita
Módulo III - Aula II - Mansão EspíritaMódulo III - Aula II - Mansão Espírita
Módulo III - Aula II - Mansão Espírita
 
Apostila adolescentes mod1 (1)
Apostila adolescentes mod1 (1)Apostila adolescentes mod1 (1)
Apostila adolescentes mod1 (1)
 
Trabalho teoria do conhecimento
Trabalho teoria do conhecimentoTrabalho teoria do conhecimento
Trabalho teoria do conhecimento
 
Deus desafio para a ciência.pptx
Deus desafio para a ciência.pptxDeus desafio para a ciência.pptx
Deus desafio para a ciência.pptx
 
Livro dos Espíritos
Livro dos EspíritosLivro dos Espíritos
Livro dos Espíritos
 
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebioFund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
 
1 ano razao empirismo
1 ano razao empirismo1 ano razao empirismo
1 ano razao empirismo
 
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinitoPrimeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
 
DESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANODESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANO
 
Ficha de trab + correção descartes
Ficha de trab + correção   descartesFicha de trab + correção   descartes
Ficha de trab + correção descartes
 

Mais de Denise Aguiar

CAPÍTULO 1 - A FAMÍLIA SOARES - LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO
CAPÍTULO 1 - A FAMÍLIA SOARES - LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃOCAPÍTULO 1 - A FAMÍLIA SOARES - LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO
CAPÍTULO 1 - A FAMÍLIA SOARES - LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO
Denise Aguiar
 
EXAMINANDO A OBSESSÃO - PARTE 2 DO LIVRO ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OB...
EXAMINANDO A OBSESSÃO - PARTE 2 DO LIVRO ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OB...EXAMINANDO A OBSESSÃO - PARTE 2 DO LIVRO ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OB...
EXAMINANDO A OBSESSÃO - PARTE 2 DO LIVRO ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OB...
Denise Aguiar
 
ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...
ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...
ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...
Denise Aguiar
 
Cientistas estudo da evolução quadro TEORIAS EVOLUCIONISTAS
Cientistas   estudo da evolução   quadro TEORIAS EVOLUCIONISTASCientistas   estudo da evolução   quadro TEORIAS EVOLUCIONISTAS
Cientistas estudo da evolução quadro TEORIAS EVOLUCIONISTAS
Denise Aguiar
 
PARTE 4 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 4 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene NobrePARTE 4 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 4 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
Denise Aguiar
 
PARTE 3 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 3 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene NobrePARTE 3 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 3 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
Denise Aguiar
 
PARTE 2 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 2 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene NobrePARTE 2 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 2 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
Denise Aguiar
 
PARTE 1 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 1 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene NobrePARTE 1 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 1 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
Denise Aguiar
 
Origem e natureza do Espirito parte 3
Origem e natureza do Espirito parte 3Origem e natureza do Espirito parte 3
Origem e natureza do Espirito parte 3
Denise Aguiar
 
Origem e natureza do Espirito. Origem do espírito Parte 2
Origem e natureza do Espirito. Origem do espírito Parte 2Origem e natureza do Espirito. Origem do espírito Parte 2
Origem e natureza do Espirito. Origem do espírito Parte 2
Denise Aguiar
 
Origem e natureza do Espirito parte 1
Origem e natureza do Espirito parte 1Origem e natureza do Espirito parte 1
Origem e natureza do Espirito parte 1
Denise Aguiar
 
Sobrevivência do Espírito
Sobrevivência do EspíritoSobrevivência do Espírito
Sobrevivência do Espírito
Denise Aguiar
 
Perispírito
PerispíritoPerispírito
Perispírito
Denise Aguiar
 
Progressão dos Espíritos 2ª Parte
Progressão dos Espíritos 2ª ParteProgressão dos Espíritos 2ª Parte
Progressão dos Espíritos 2ª Parte
Denise Aguiar
 
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª ParteProgressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
Denise Aguiar
 
Poesia o mal e o sofrimento
Poesia o mal e o sofrimentoPoesia o mal e o sofrimento
Poesia o mal e o sofrimento
Denise Aguiar
 
Provas da existência Deus
Provas da existência DeusProvas da existência Deus
Provas da existência Deus
Denise Aguiar
 
Existência de Deus
Existência de DeusExistência de Deus
Existência de Deus
Denise Aguiar
 
Terminalidade, a eutanásia, a distanásia e ortotanásia
Terminalidade, a eutanásia, a distanásia e ortotanásiaTerminalidade, a eutanásia, a distanásia e ortotanásia
Terminalidade, a eutanásia, a distanásia e ortotanásia
Denise Aguiar
 
Tipos de Psicografia
Tipos de PsicografiaTipos de Psicografia
Tipos de Psicografia
Denise Aguiar
 

Mais de Denise Aguiar (20)

CAPÍTULO 1 - A FAMÍLIA SOARES - LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO
CAPÍTULO 1 - A FAMÍLIA SOARES - LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃOCAPÍTULO 1 - A FAMÍLIA SOARES - LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO
CAPÍTULO 1 - A FAMÍLIA SOARES - LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO
 
EXAMINANDO A OBSESSÃO - PARTE 2 DO LIVRO ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OB...
EXAMINANDO A OBSESSÃO - PARTE 2 DO LIVRO ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OB...EXAMINANDO A OBSESSÃO - PARTE 2 DO LIVRO ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OB...
EXAMINANDO A OBSESSÃO - PARTE 2 DO LIVRO ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OB...
 
ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...
ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...
ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...
 
Cientistas estudo da evolução quadro TEORIAS EVOLUCIONISTAS
Cientistas   estudo da evolução   quadro TEORIAS EVOLUCIONISTASCientistas   estudo da evolução   quadro TEORIAS EVOLUCIONISTAS
Cientistas estudo da evolução quadro TEORIAS EVOLUCIONISTAS
 
PARTE 4 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 4 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene NobrePARTE 4 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 4 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
 
PARTE 3 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 3 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene NobrePARTE 3 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 3 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
 
PARTE 2 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 2 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene NobrePARTE 2 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 2 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
 
PARTE 1 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 1 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene NobrePARTE 1 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 1 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
 
Origem e natureza do Espirito parte 3
Origem e natureza do Espirito parte 3Origem e natureza do Espirito parte 3
Origem e natureza do Espirito parte 3
 
Origem e natureza do Espirito. Origem do espírito Parte 2
Origem e natureza do Espirito. Origem do espírito Parte 2Origem e natureza do Espirito. Origem do espírito Parte 2
Origem e natureza do Espirito. Origem do espírito Parte 2
 
Origem e natureza do Espirito parte 1
Origem e natureza do Espirito parte 1Origem e natureza do Espirito parte 1
Origem e natureza do Espirito parte 1
 
Sobrevivência do Espírito
Sobrevivência do EspíritoSobrevivência do Espírito
Sobrevivência do Espírito
 
Perispírito
PerispíritoPerispírito
Perispírito
 
Progressão dos Espíritos 2ª Parte
Progressão dos Espíritos 2ª ParteProgressão dos Espíritos 2ª Parte
Progressão dos Espíritos 2ª Parte
 
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª ParteProgressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
 
Poesia o mal e o sofrimento
Poesia o mal e o sofrimentoPoesia o mal e o sofrimento
Poesia o mal e o sofrimento
 
Provas da existência Deus
Provas da existência DeusProvas da existência Deus
Provas da existência Deus
 
Existência de Deus
Existência de DeusExistência de Deus
Existência de Deus
 
Terminalidade, a eutanásia, a distanásia e ortotanásia
Terminalidade, a eutanásia, a distanásia e ortotanásiaTerminalidade, a eutanásia, a distanásia e ortotanásia
Terminalidade, a eutanásia, a distanásia e ortotanásia
 
Tipos de Psicografia
Tipos de PsicografiaTipos de Psicografia
Tipos de Psicografia
 

Último

Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
marcobueno2024
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
FernandoCavalcante48
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Elton Zanoni
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 

Último (11)

Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 

Provas da existência deus

  • 1. MÓDULO III: DEUS ROTEIRO 2: PROVAS DA EXISTÊNCIA DE DEUS ESTUDO SISTEMATIZADO DA DOUTRINA ESPÍRITA PROGRAMA FUNDAMENTAL - TOMO I
  • 2. MÓDULO III: DEUS OBJETIVO GERAL • Apresentar Deus como a inteligência suprema e a causa primeira de todas as coisas. OBJETIVOS ESPECÍFICOS • Citar e analisar provas da existência de Deus.
  • 3. CONTEÚDO BÁSICO • A prova da existência de Deus, como dizem os Espíritos, pode ser encontrada num [...] axioma (verdades inquestionáveis) que aplicais às vossas ciências. • Não há efeito sem causa. • Procurai a causa de tudo o que não é obra do homem e a vossa razão responderá. Allan Kardec: O livro dos espíritos, questão 4.
  • 4. CONTEÚDO BÁSICO •Deus não se mostra, mas se revela pelas suas obras. Allan Kardec: A gênese. Cap. 2, item 6.
  • 5. CONTEÚDO BÁSICO • A existência de Deus é, pois, uma realidade comprovada não só pela revelação [dos Espíritos Superiores] como pela evidência material dos fatos. • Os povos selvagens nenhuma revelação tiveram; entretanto, creem instintivamente na existência de um poder sobre-humano. Allan Kardec: A gênese. Cap. 2, item 7.
  • 6. Como interpretar a existência de Deus, considerando esta afirmativa de Kardec: •Não há efeito sem causa. Procurai a causa de tudo o que não é obra do homem e a vossa razão responderá.
  • 7. SUBSÍDIOS ROTEIRO 1: PROVAS DA EXISTÊNCIA DE DEUS
  • 8. • Cada religião [...] explica Deus à sua maneira; cada teoria o descreve a seu modo. E de tudo isso resulta uma confusão, um caos inextricável. [...] Dessa confusão, os ateus têm tirado argumentos para negar a existência de Deus; os positivistas, para o declarar «incognoscível» (o que é impossível conhecer) . Como remediar tal desordem? Como escapar a essas contradições?
  • 9. • Da mais simples maneira. Basta elevarmo-nos acima das teorias e dos sistemas, bastante alto para as ligar em seu conjunto e pelo que têm de comum. Basta elevarmo-nos até à grande Causa, na qual tudo se resume e tudo se explica (10).
  • 10. • Duvidar da existência de Deus é negar que todo efeito tem uma causa e declarar que o nada pode fazer alguma coisa. A prova da existência de Deus, como dizem os Espíritos Superiores, pode ser encontrada em um [...] axioma (verdades inquestionáveis) que aplicais às vossas ciências. Não há efeito sem causa. Procurai a causa de tudo o que não é obra do homem e a vossa razão responderá (6).
  • 11. • Vemos constantemente uma imensidade de efeitos, cuja causa não está na Humanidade, pois que a Humanidade é impotente para produzi-los, ou, sequer, para os explicar. [...] Tais efeitos absolutamente não se produzem ao acaso, fortuitamente e em desordem. (9)
  • 12. • Desde a organização do mais pequenino inseto e da mais insignificante semente, até a lei que rege os mundos que circulam, no Espaço, tudo atesta uma ideia diretora, uma combinação, uma previdência, uma solicitude (boa vontade), que ultrapassam todas as combinações humanas. A causa é, pois, soberanamente inteligente (9).
  • 13. • Constitui princípio elementar que pelos seus efeitos é que se julga de uma causa, mesmo quando ela se conserve oculta. Se, fendendo os ares, um pássaro é atingido por mortífero grão de chumbo, deduz-se que hábil atirador o alvejou, ainda que este último não seja visto. Nem sempre, pois, se faz necessário vejamos uma coisa, para sabermos que ele existe. Em tudo, observando os efeitos é que se chega ao conhecimento das causas (1).
  • 14. • Outro princípio igualmente elementar e que, de tão verdadeiro, passou a axioma (verdades inquestionáveis), é o de que todo efeito inteligente tem que decorrer de uma causa inteligente. • Se perguntassem qual o construtor de certo mecanismo engenhoso, que pensaríamos de quem respondesse que ele se fez a si mesmo? (2)
  • 15. • Quando se contempla uma obra prima da arte ou da indústria, diz-se que há de tê-la produzido um homem de gênio, porque só uma alta inteligência poderia concebê-la. • Reconhece-se, no entanto, que ela é obra de um homem, por se verificar que não está acima da capacidade humana; mas, a ninguém acudirá a ideia de dizer que saiu do cérebro de um idiota ou de um ignorante, nem, ainda menos, que é trabalho de um animal, ou produto do acaso (2).
  • 16. • Não podendo nenhum ser humano criar o que a Natureza produz, a causa primária [primeira] é, conseguintemente, uma inteligência superior à Humanidade. Quaisquer que sejam os prodígios que a inteligência humana tenha operado, ela própria tem uma causa e, quanto maior for o que opere, tanto maior há de ser a causa primária [primeira]. Aquela inteligência superior é que é a causa primária [primeira] de todas as coisas, seja qual for o nome que lhe deem (8).
  • 17. • Pois bem! • Lançando o olhar em torno de si, sobre as obras da Natureza, notando a providência, a sabedoria, a harmonia que presidem a essas obras, reconhece o observador não haver nenhuma que não ultrapasse os limites da mais portentosa inteligência humana. • Ora, desde que o homem não as pode produzir, é que elas são produto de uma inteligência superior à Humanidade, a menos que se sustente que há efeitos sem causa (3).
  • 18. • A harmonia existente no mecanismo do Universo patenteia (tornar público; mostrar ) combinações e desígnios determinados e, por isso mesmo, revela um poder inteligente. • Atribuir a formação primária ao acaso é insensatez, pois que o acaso é cego e não pode produzir os efeitos que a inteligência produz. • Um acaso inteligente já não seria acaso (7).
  • 19. • Deus não se mostra, mas se revela pelas suas obras (4). • A existência de Deus é, pois, uma realidade comprovada não só pela revelação, como pela evidência material dos fatos.
  • 20. • Os povos selvagens nenhuma revelação tiveram; entretanto, creem instintivamente na existência de um poder sobre-humano. • Eles veem coisas que estão acima das possibilidades do homem e deduzem que essas coisas provêm de um ente superior à Humanidade. • Não demonstram raciocinar com mais lógica do que os que pretendem que tais coisas se fizeram a si mesmas? (5)
  • 21. GLOSSÁRIO • ACASO: • Conjunto de causas imprevisíveis e independentes entre si, que não se prendem a um encadeamento lógico ou racional, e que determinam um acontecimento qualquer. O resultado desse conjunto de causas. Acontecimento fortuito; fato imprevisto; casualidade. Destino, fado, sorte, fortuna. Filosofia: Caráter de acontecimento imprevisível com relação às causas que o determinam (p. ex., a premiação de um bilhete), ou injustificável com respeito à significação assumida (p. ex., um atraso de segundos que provoca um desastre.
  • 22. • ATEU: Do gr. átheos, pelo lat. atheu. Diz-se daquele que não crê em Deus ou nos deuses; ímpio. Feminino: atéia. • AXIOMA: Do gr. axíoma, pelo lat. axioma. Filos. Premissa imediatamente evidente que se admite como universalmente verdadeira sem exigência de demonstração. Máxima, sentença. Lógica: Proposição que se admite como verdadeira porque dela se podem deduzir as proposições de uma teoria ou de um sistema lógico ou matemático.
  • 23. •CAUSA: Filosofia: Termo correlacionado a efeito e que se concebe de maneiras diversas, que se compreendem a partir de dois enfoques fundamentais: a) relação entre um ser inteligente e o ato que ele praticou voluntariamente e pelo qual é responsável; b) vínculo que correlaciona os próprios fenômenos e que faz com que um ou vários deles apareçam como condição da existência de outros.
  • 24. • PORTENTO: Do lat. portentu. Coisa ou sucesso maravilhoso; prodígio. Pessoa de inteligência e/ou saber incomuns. • POSITIVISTA: Do fr. positiviste. Adjetivo de dois gêneros. Respeitante à filosofia do positivismo, ou que dela é adepto. Substantivo de dois gêneros. Adepto da filosofia positivista. • PROVIDÊNCIA: Do lat. providentia. A suprema sabedoria com que Deus conduz todas as coisas. Por extensão: O próprio Deus.
  • 25. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA • 1. KARDEC, Allan. A gênese. Tradução de Guillon Ribeiro. 48. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005. Cap. 2, item 2, p. 53. • 2. ______. Item 3, p. 53-54. • 3. ______. Item 5, p. 54. • 4. ______. Item 6, p. 55-56. • 5. ______. Item 7, p. 55.
  • 26. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA • 6. ______. O livro dos espíritos. Tradução de Guillon Ribeiro. 86. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005. Questão 4, p. 52. • 7. ______. Questão 8, p. 53. • 8. ______. Questão 9, p. 53. • 9. ______. Obras póstumas. Tradução de Guillon Ribeiro. 38. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005. Profissão de fé espírita raciocinada. Primeira Parte. Cap. 1 (Deus), item 1, p. 31. • 10. DENIS, Léon. O grande enigma. 14. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005. Primeira parte. Cap. 9 (Objeções e contradições), p. 110-111.
  • 27. IEDC Instituto Espírita Dias da Cruz DAE Departamento de Assistência Espiritual Facilitadores: Denise Maria de Aguiar da Silva Deise Cristina Maciel de Aguiar 2017