SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Tipos de Usinas e
Meios de Propagação
 Energia térmica é uma forma de energia que
está diretamente associada à temperatura
absoluta de um sistema, e corresponde
classicamente à soma das energias cinéticas
microscópicas que suas partículas
constituintes possuem em virtude de seus
movimentos de translação, vibração ou
rotação. Assume-se um referencial inercial
sob o centro de massa do sistema. Em
sistemas onde há radiação térmica
confinada, a energia de tal radiação também
integra a energia térmica. A energia térmica
de um corpo macroscópico corresponde assim
à soma das energias cinéticas de seus
constituintes microscópicos e das energias
atreladas às partículas de radiação (fótons
térmicos) por ele confinadas. À transferência
de energia, impelida por uma diferença de
temperaturas, de um sistema termodinâmico
a outro, dá-se o nome de calor.
 Calor sensível: Sabemos que calor é energia
térmica em trânsito que flui entre os corpos
em razão da diferença de temperatura entre
eles. Dessa forma, imagine uma barra de ferro
que receba ou perca certa quantidade de calor
(Q). Esse calor que a barra ganhou ou perdeu é
denominado de calor sensível, pois ele provoca
apenas variação na temperatura do corpo sem
que aconteça mudança em seu estado de
agregação, ou seja, se o corpo é sólido,
continua sólido. Também chamado de calor
específico, o calor sensível, determinado pela
letra c (minúscula), é avaliado da seguinte
forma:cal/g. °C. Essa relação informa a
quantidade de calor que um grama de
substância deve receber ou ceder para que
nela aconteça a variação de um grau de
temperatura. Essa é uma unidade prática, ou
seja, a que é mais utilizada no dia a dia.
Contudo, no Sistema Internacional de
Unidades (SI), o calor específico pode ser dado
de duas formas: J/kg. K ou em J/kg. °C.
 Diferentemente do calor sensível, quando fornecemos
energia térmica a uma substância, a sua temperatura
não varia, mas seu estado de agregação modifica-se,
esse é o chamado calor latente. Essa é a grandeza
física que informa a quantidade de energia térmica
(calor) que uma unidade de massa de uma substância
deve perder ou receber para que ela mude de estado
físico, ou seja, passe do estado sólido para o líquido, do
líquido para o gasoso e assim por diante. Determinado
pela letra L, o calor latente de uma substância é
calculado por meio da razão entre a quantidade de
calor (Q) que a substância deve receber ou ceder e a
massa (m), ou seja, matematicamente, temos:
 O calor latente pode ser positivo ou negativo. Quando
positivo, indica que o material está recebendo calor;
quando negativo, indica que está perdendo calor. No
Sistema Internacional de Unidades, a unidade de calor
latente é o joule por quilograma (J/Kg), mas, na
prática, utiliza-se muito a caloria por grama (cal/g).
 A propagação do calor entre dois sistemas pode ocorrer através de três processos
diferentes: a condução, a convecção e a irradiação.
 A condução térmica, como detalharemos adiante, é um processo lento de transmissão
de energia, de molécula para molécula, sempre no sentido das temperaturas mais altas
para as mais baixas.
 Na convecção térmica, as partes diferentemente aquecidas de um fluido movimentam-
se no seu interior devido às diferenças de densidades das porções quente e fria do
fluido. Tanto a convecção como a condução não podem ocorrer no vácuo, pois
necessitam de um meio material para que possam ocorrer.
 A irradiação é a propagação de energia através de ondas eletromagnéticas. Quando a
energia dessas ondas é absorvida por um corpo, intensifica-se a agitação de suas
moléculas, acarretando aumento de temperatura. Esse tipo de propagação energética
pode ocorrer no vácuo.
 No estudo da transferência
de calor, condução térmica
ou difusão térmica (ou
ainda condução ou difusão
de calor) é a transferência
de energia térmica entre
átomos e/ou moléculas
vizinhas em uma
substância devido a um
gradiente de temperatura.
Convecção térmica é um
processo de transmissão
de calor que ocorre em
virtude dos movimentos
ascendente e
descendente de um
fluido que se encontra
fora de equilíbrio
térmico.
 Qualquer superfície de um
corpo que esteja a uma
temperatura superior ao
zero absoluto emite
radiações eletromagnéticas.
Como essa energia está
relacionada à temperatura,
é chamada de iradiação
térmica.
 Usinas termelétricas produzem
energia a partir da queima de
carvão, óleo combustível e gás
natural em uma caldeira, ou
pela fissão de material
radioativo (como o urânio). O
calor gerado a partir destes
elementos transforma em vapor
a água presente em tubos
localizados nas paredes da
caldeira.
tipos de usinas Alguns
exemplos são:
Usina a óleo
Usina a carvão
Usina nuclear
Usina a gás
 A principal vantagem é que as
usinas térmicas podem ser
construídas com maior rapidez
e próximas às regiões de
consumo, resultando assim
economia no custo das linhas
de transmissão. Outro ponto
positivo é o uso do gás natural
como alternativa menos
poluente que os combustíveis
derivados do petróleo e o
carvão.
 Desvantagens. Sem dúvida,
o maior ponto negativo é a
queima de derivados de
petróleo (recursos não
renováveis), que resulta na
poluição do ar. Tanto o
carvão mineral, como o
bagaço de cana produz gás
carbônico, fuligem e
contribui para a geração do
efeito estufa.
 A construção destas usinas interferem
drasticamente no meio ambiente devido à
formação de grandes áreas de
represamento de água, provocam a
inundações imensas de matas e florestas,
interferem no fluxo de rios, destroem
espécies vegetais, prejudicam a fauna com
muito desmatamento, e interferem de
forma significativa na ocupação humana.
UTILIZAÇÃO
 A construção destas usinas
interferem drasticamente no meio
ambiente devido à formação de
grandes áreas de represamento de
água, provocam a inundações
imensas de matas e florestas,
interferem no fluxo de rios, destroem
espécies vegetais, prejudicam a
fauna com muito desmatamento, e
interferem de forma significativa na
ocupação humana.
USINAS NO BRASIL
Termelétrica Cuiabá I (Cuiabá-MT) – Potência: 470 MW
Termelétrica de Uruguaiana (Uruguaiana-RS) – Potência: 480 MW
Termelétrica de Araucária (Araucária-PR) – Potência: 410 MW
Termelétrica Muricy (Camaçari-BA) – Potência: 147 MW
Termelétrica Norte Fluminense (Macaé-RJ) – Potência: 740 MW
Termelétrica Euzébio Rocha (Cubatão-SP) – Potência: 220 MW
Termelétrica Luís Carlos Prestes (Três Lagoas-MS) – Potência: 386 MW
Termelétrica Termoceará (Caucaia-CE) – Potência: 220 MW
Termelétrica Bahia I (Camaçari-BA) – Potência: 32 MW
Termelétrica Aureliano Chaves (Ibirité-MG)- Potência: 226 MW
Termelétrica Juiz de Fora (Juiz de Fora-MG) – Potência: 87 MW

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Transmissão de calor
Transmissão de calorTransmissão de calor
Transmissão de calor
 
Aulas De FíSica A 10º Ano
Aulas De FíSica  A 10º AnoAulas De FíSica  A 10º Ano
Aulas De FíSica A 10º Ano
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
 
Fisica 10 11
Fisica 10 11Fisica 10 11
Fisica 10 11
 
Fisico quimica
Fisico quimicaFisico quimica
Fisico quimica
 
Aulas De FíSica E QuíMica A 10º Ano
Aulas De FíSica E QuíMica A 10º AnoAulas De FíSica E QuíMica A 10º Ano
Aulas De FíSica E QuíMica A 10º Ano
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
 
Resumo 10º11º ano
Resumo 10º11º anoResumo 10º11º ano
Resumo 10º11º ano
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
 
Quantidade de calor
Quantidade de calorQuantidade de calor
Quantidade de calor
 
Transmissão de calor ou propagação
Transmissão de calor ou propagaçãoTransmissão de calor ou propagação
Transmissão de calor ou propagação
 
44380 72-1339869334752
44380 72-133986933475244380 72-1339869334752
44380 72-1339869334752
 
Calorimetria resumo
Calorimetria   resumoCalorimetria   resumo
Calorimetria resumo
 
Calorimetria:Quantidade e trocas de calor
Calorimetria:Quantidade e trocas de calorCalorimetria:Quantidade e trocas de calor
Calorimetria:Quantidade e trocas de calor
 
5 energia aquecimento arrefecimento
5   energia aquecimento arrefecimento5   energia aquecimento arrefecimento
5 energia aquecimento arrefecimento
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
 
Mudanças de fase
Mudanças de faseMudanças de fase
Mudanças de fase
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
 
Relatório rendimento
Relatório rendimentoRelatório rendimento
Relatório rendimento
 

Semelhante a Física - Energia Térmica

Semelhante a Física - Energia Térmica (20)

Calorimetria Trabalho
Calorimetria TrabalhoCalorimetria Trabalho
Calorimetria Trabalho
 
Calorimetria.pptx
Calorimetria.pptxCalorimetria.pptx
Calorimetria.pptx
 
Termoquímica 2o ano
Termoquímica  2o anoTermoquímica  2o ano
Termoquímica 2o ano
 
1ª Série - Física - 1 Ano - Modulo. 4.pdf
1ª Série - Física - 1 Ano - Modulo. 4.pdf1ª Série - Física - 1 Ano - Modulo. 4.pdf
1ª Série - Física - 1 Ano - Modulo. 4.pdf
 
Condução_conv_rad2.pptx
Condução_conv_rad2.pptxCondução_conv_rad2.pptx
Condução_conv_rad2.pptx
 
Tipos de Energia
Tipos de EnergiaTipos de Energia
Tipos de Energia
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
3 biotermol 1
3 biotermol 13 biotermol 1
3 biotermol 1
 
TermoquíMica
TermoquíMicaTermoquíMica
TermoquíMica
 
Slide de fisica
Slide de fisicaSlide de fisica
Slide de fisica
 
Slide de fisica
Slide de fisicaSlide de fisica
Slide de fisica
 
Fisica
FisicaFisica
Fisica
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
 
Apostila calor
Apostila calorApostila calor
Apostila calor
 
Apostila de fenômenos_de_transporte
Apostila de fenômenos_de_transporteApostila de fenômenos_de_transporte
Apostila de fenômenos_de_transporte
 
Termoquimica
TermoquimicaTermoquimica
Termoquimica
 
Pedro Fisica 1
Pedro Fisica 1Pedro Fisica 1
Pedro Fisica 1
 
Garrafa térmica, estufa e aquecimento global
Garrafa térmica, estufa e aquecimento globalGarrafa térmica, estufa e aquecimento global
Garrafa térmica, estufa e aquecimento global
 
Termoquimica by professora thaiza montine
Termoquimica by professora thaiza montineTermoquimica by professora thaiza montine
Termoquimica by professora thaiza montine
 
Termodinâmica (parte 2)
Termodinâmica (parte 2)Termodinâmica (parte 2)
Termodinâmica (parte 2)
 

Mais de Vania Lima "Somos Físicos"

"Somos Físicos" Átomos, Moléculas e Substâncias
"Somos Físicos" Átomos, Moléculas e Substâncias"Somos Físicos" Átomos, Moléculas e Substâncias
"Somos Físicos" Átomos, Moléculas e SubstânciasVania Lima "Somos Físicos"
 
"Somos Físicos" Ciclo do Nitrogênio e Produção da Soda Cáustica
"Somos Físicos" Ciclo do Nitrogênio e Produção da Soda Cáustica   "Somos Físicos" Ciclo do Nitrogênio e Produção da Soda Cáustica
"Somos Físicos" Ciclo do Nitrogênio e Produção da Soda Cáustica Vania Lima "Somos Físicos"
 

Mais de Vania Lima "Somos Físicos" (20)

Física - Calorimetria
Física - CalorimetriaFísica - Calorimetria
Física - Calorimetria
 
Física - Calorimetria
Física - CalorimetriaFísica - Calorimetria
Física - Calorimetria
 
Física - Calorimetria
Física - CalorimetriaFísica - Calorimetria
Física - Calorimetria
 
Física - Calorimetria
Física - CalorimetriaFísica - Calorimetria
Física - Calorimetria
 
Física - Calorimetria
Física - CalorimetriaFísica - Calorimetria
Física - Calorimetria
 
Física - Calorimetria
Física - CalorimetriaFísica - Calorimetria
Física - Calorimetria
 
Fisica - Modelos Atômicos
Fisica - Modelos AtômicosFisica - Modelos Atômicos
Fisica - Modelos Atômicos
 
Física - Energia Calorífica
Física - Energia CaloríficaFísica - Energia Calorífica
Física - Energia Calorífica
 
Física - Modelos Atômicos
Física - Modelos AtômicosFísica - Modelos Atômicos
Física - Modelos Atômicos
 
Física - Modelos Atômicos
Física - Modelos Atômicos Física - Modelos Atômicos
Física - Modelos Atômicos
 
Física - Modelos Atômicos
Física - Modelos AtômicosFísica - Modelos Atômicos
Física - Modelos Atômicos
 
Fisica - Modelos Atômicos
Fisica - Modelos AtômicosFisica - Modelos Atômicos
Fisica - Modelos Atômicos
 
"Somos Físicos" A Água
"Somos Físicos" A Água"Somos Físicos" A Água
"Somos Físicos" A Água
 
"Somos Físicos" Átomos, Moléculas e Substâncias
"Somos Físicos" Átomos, Moléculas e Substâncias"Somos Físicos" Átomos, Moléculas e Substâncias
"Somos Físicos" Átomos, Moléculas e Substâncias
 
"Somos Físicos" Ciclo do Nitrogênio e Produção da Soda Cáustica
"Somos Físicos" Ciclo do Nitrogênio e Produção da Soda Cáustica   "Somos Físicos" Ciclo do Nitrogênio e Produção da Soda Cáustica
"Somos Físicos" Ciclo do Nitrogênio e Produção da Soda Cáustica
 
"Somos Físicos" O Petróleo na Economia
"Somos Físicos" O Petróleo na Economia"Somos Físicos" O Petróleo na Economia
"Somos Físicos" O Petróleo na Economia
 
"Somos Físicos" Conservação das Massas
"Somos Físicos" Conservação das Massas"Somos Físicos" Conservação das Massas
"Somos Físicos" Conservação das Massas
 
"Somos Físicos" Estequiometria
"Somos Físicos" Estequiometria"Somos Físicos" Estequiometria
"Somos Físicos" Estequiometria
 
"Somos Físicos" Estequiometria
"Somos Físicos" Estequiometria"Somos Físicos" Estequiometria
"Somos Físicos" Estequiometria
 
"Somos Físicos" Marie Curie
"Somos Físicos" Marie Curie"Somos Físicos" Marie Curie
"Somos Físicos" Marie Curie
 

Último

Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 

Física - Energia Térmica

  • 1. Tipos de Usinas e Meios de Propagação
  • 2.  Energia térmica é uma forma de energia que está diretamente associada à temperatura absoluta de um sistema, e corresponde classicamente à soma das energias cinéticas microscópicas que suas partículas constituintes possuem em virtude de seus movimentos de translação, vibração ou rotação. Assume-se um referencial inercial sob o centro de massa do sistema. Em sistemas onde há radiação térmica confinada, a energia de tal radiação também integra a energia térmica. A energia térmica de um corpo macroscópico corresponde assim à soma das energias cinéticas de seus constituintes microscópicos e das energias atreladas às partículas de radiação (fótons térmicos) por ele confinadas. À transferência de energia, impelida por uma diferença de temperaturas, de um sistema termodinâmico a outro, dá-se o nome de calor.
  • 3.  Calor sensível: Sabemos que calor é energia térmica em trânsito que flui entre os corpos em razão da diferença de temperatura entre eles. Dessa forma, imagine uma barra de ferro que receba ou perca certa quantidade de calor (Q). Esse calor que a barra ganhou ou perdeu é denominado de calor sensível, pois ele provoca apenas variação na temperatura do corpo sem que aconteça mudança em seu estado de agregação, ou seja, se o corpo é sólido, continua sólido. Também chamado de calor específico, o calor sensível, determinado pela letra c (minúscula), é avaliado da seguinte forma:cal/g. °C. Essa relação informa a quantidade de calor que um grama de substância deve receber ou ceder para que nela aconteça a variação de um grau de temperatura. Essa é uma unidade prática, ou seja, a que é mais utilizada no dia a dia. Contudo, no Sistema Internacional de Unidades (SI), o calor específico pode ser dado de duas formas: J/kg. K ou em J/kg. °C.
  • 4.  Diferentemente do calor sensível, quando fornecemos energia térmica a uma substância, a sua temperatura não varia, mas seu estado de agregação modifica-se, esse é o chamado calor latente. Essa é a grandeza física que informa a quantidade de energia térmica (calor) que uma unidade de massa de uma substância deve perder ou receber para que ela mude de estado físico, ou seja, passe do estado sólido para o líquido, do líquido para o gasoso e assim por diante. Determinado pela letra L, o calor latente de uma substância é calculado por meio da razão entre a quantidade de calor (Q) que a substância deve receber ou ceder e a massa (m), ou seja, matematicamente, temos:  O calor latente pode ser positivo ou negativo. Quando positivo, indica que o material está recebendo calor; quando negativo, indica que está perdendo calor. No Sistema Internacional de Unidades, a unidade de calor latente é o joule por quilograma (J/Kg), mas, na prática, utiliza-se muito a caloria por grama (cal/g).
  • 5.  A propagação do calor entre dois sistemas pode ocorrer através de três processos diferentes: a condução, a convecção e a irradiação.  A condução térmica, como detalharemos adiante, é um processo lento de transmissão de energia, de molécula para molécula, sempre no sentido das temperaturas mais altas para as mais baixas.  Na convecção térmica, as partes diferentemente aquecidas de um fluido movimentam- se no seu interior devido às diferenças de densidades das porções quente e fria do fluido. Tanto a convecção como a condução não podem ocorrer no vácuo, pois necessitam de um meio material para que possam ocorrer.  A irradiação é a propagação de energia através de ondas eletromagnéticas. Quando a energia dessas ondas é absorvida por um corpo, intensifica-se a agitação de suas moléculas, acarretando aumento de temperatura. Esse tipo de propagação energética pode ocorrer no vácuo.
  • 6.  No estudo da transferência de calor, condução térmica ou difusão térmica (ou ainda condução ou difusão de calor) é a transferência de energia térmica entre átomos e/ou moléculas vizinhas em uma substância devido a um gradiente de temperatura.
  • 7. Convecção térmica é um processo de transmissão de calor que ocorre em virtude dos movimentos ascendente e descendente de um fluido que se encontra fora de equilíbrio térmico.
  • 8.  Qualquer superfície de um corpo que esteja a uma temperatura superior ao zero absoluto emite radiações eletromagnéticas. Como essa energia está relacionada à temperatura, é chamada de iradiação térmica.
  • 9.  Usinas termelétricas produzem energia a partir da queima de carvão, óleo combustível e gás natural em uma caldeira, ou pela fissão de material radioativo (como o urânio). O calor gerado a partir destes elementos transforma em vapor a água presente em tubos localizados nas paredes da caldeira.
  • 10. tipos de usinas Alguns exemplos são: Usina a óleo Usina a carvão Usina nuclear Usina a gás
  • 11.  A principal vantagem é que as usinas térmicas podem ser construídas com maior rapidez e próximas às regiões de consumo, resultando assim economia no custo das linhas de transmissão. Outro ponto positivo é o uso do gás natural como alternativa menos poluente que os combustíveis derivados do petróleo e o carvão.
  • 12.  Desvantagens. Sem dúvida, o maior ponto negativo é a queima de derivados de petróleo (recursos não renováveis), que resulta na poluição do ar. Tanto o carvão mineral, como o bagaço de cana produz gás carbônico, fuligem e contribui para a geração do efeito estufa.
  • 13.  A construção destas usinas interferem drasticamente no meio ambiente devido à formação de grandes áreas de represamento de água, provocam a inundações imensas de matas e florestas, interferem no fluxo de rios, destroem espécies vegetais, prejudicam a fauna com muito desmatamento, e interferem de forma significativa na ocupação humana.
  • 14. UTILIZAÇÃO  A construção destas usinas interferem drasticamente no meio ambiente devido à formação de grandes áreas de represamento de água, provocam a inundações imensas de matas e florestas, interferem no fluxo de rios, destroem espécies vegetais, prejudicam a fauna com muito desmatamento, e interferem de forma significativa na ocupação humana.
  • 15. USINAS NO BRASIL Termelétrica Cuiabá I (Cuiabá-MT) – Potência: 470 MW Termelétrica de Uruguaiana (Uruguaiana-RS) – Potência: 480 MW Termelétrica de Araucária (Araucária-PR) – Potência: 410 MW Termelétrica Muricy (Camaçari-BA) – Potência: 147 MW Termelétrica Norte Fluminense (Macaé-RJ) – Potência: 740 MW Termelétrica Euzébio Rocha (Cubatão-SP) – Potência: 220 MW Termelétrica Luís Carlos Prestes (Três Lagoas-MS) – Potência: 386 MW Termelétrica Termoceará (Caucaia-CE) – Potência: 220 MW Termelétrica Bahia I (Camaçari-BA) – Potência: 32 MW Termelétrica Aureliano Chaves (Ibirité-MG)- Potência: 226 MW Termelétrica Juiz de Fora (Juiz de Fora-MG) – Potência: 87 MW