SlideShare uma empresa Scribd logo
CENTRO UNIVERSITÁRIO NILTON LINS 
QUÍMICA GERAL E ORGÂNICA 
PERÍODO ______ 
TTaabbeellaa ppeerriióóddiiccaa 
Histórico e Classificação dos Elementos Químicos 
PROF: MAURÍCIO BRITO
Classificação dos Elementos Químicos 
(O Primeiro Elemento) 
"Ao lado, o fósforo (P). 
Primeiro elemento a ser 
descoberto. 
Ponto de partida para a 
construção da Tabela 
Periódica".
Johann W. Boebereiner (1829) 
(O Primeiro Modelo de Tabela Periódica) 
A massa atômica do elemento central da 
tríade era a média das massas atômicas 
do primeiro e terceiro membro. 
Muitos dos metais não podiam ser 
agrupados em tríades. 
Os elementos cloro, bromo e iodo eram 
uma tríade, lítio, sódio e potássio 
formavam outra.
Germain Henry Ivanovitch Hess (1849) 
(O Segundo Modelo de Tabela Periódica) 
O cientista sueco naturalizado 
russo publicou no seu manual 
Fundamentos da Química Pura 
uma classificação de quatro grupos 
de elementos (não-metais) com 
propriedades químicas 
semelhantes (tabela ao lado). 
Hess escreveu: 
“Esta classificação está ainda muito longe de ser natural. No entanto 
ela reúne elementos em grupos muito semelhantes e pode ir 
aperfeiçoando-se à medida que aumentarem os nossos 
conhecimentos.”
Alexander Beguyer de Chancourtoir (1862) 
(O Terceiro Modelo de Tabela Periódica) 
O químico e geólogo francês 
propôs um sistema denominado 
“parafuso telúrico.” 
Distribuiu os elementos na forma 
de uma espiral de 45º que na 
superfície de um cilindro. 
Em cada volta da espiral ele 
colocou 16 elementos em ordem 
crescente de massa atômica, de 
modo a posicionar os elementos 
com propriedades semelhantes um 
por baixo do outro na geratriz do 
cilindro.
John A.R. Newlands (1864) 
(O Quarto Modelo de Tabela Periódica) 
Newlands, sugeriu que os elementos, 
poderiam ser arranjados num modelo 
periódico de oitavas, na ordem 
crescente de suas massas atômicas. 
Colocou o lítio, sódio e potássio 
juntos. Esquecendo o grupo dos 
elementos cloro, bromo e iodo, e os 
metais comuns como o ferro e o 
cobre. 
A idéia de Newlands foi ridicularizada 
pela analogia com os sete intervalos 
da escala musical.
Dimitri Ivanovich Mendeleev (1869) 
(O pai da Tabela Periódica dos elementos químicos) 
Nasceu na Sibéria, sendo o mais novo de 
dezessete irmãos. 
Educado em St. Petersburg, e posteriormente 
na França e Alemanha. Conseguiu o cargo de 
professor de química na Universidade de St. 
Petersburg. 
Em 1869, enquanto escrevia seu livro de 
química inorgânica, organizou os elementos na 
forma da tabela periódica atual.
Dimitri Ivanovich Mendeleev (1869) 
(O Quinto Modelo de Tabela Periódica) 
Mendeleev criou uma carta para 
cada um dos 63 elementos 
conhecidos. Cada carta continha o 
símbolo do elemento, a massa 
atômica e suas propriedades 
químicas e físicas. 
A tabela periódica de Mendeleev 
exibia semelhanças numa rede de 
relações vertical, horizontal e 
diagonal. 
Em 1906, Mendeleev recebeu o 
Prêmio Nobel por este trabalho.
Henry Mosseley (1913) 
(O cientista britânico) 
Britânico descobriu que o 
número de prótons no núcleo de 
determinado átomo era sempre o 
mesmo. 
Mosseley usou essa idéia para o 
número atômico de cada átomo. 
Quando os átomos foram 
arranjados de acordo com o 
aumento do número atômico, os 
problemas existentes na tabela 
de Mendeleev desapareceram.
Glenn Seaborg (1951) 
(A Tabela Periódica nos dias de hoje) 
Nasceu nos EUA, formou-se em química na 
Universidade de Berkley, Califórnia e realizou a 
última maior troca na tabela periódica em 1950. 
Com a descoberta do plutônio em 1940, 
descobriu todos os elementos transurânicos (do 
número atômico 94 até 102). 
Reconfigurou a tabela periódica colocando a 
série dos actnídeos abaixo da série dos 
lantanídeos. 
Em 1951, recebeu o Prêmio Nobel em química, 
pelo seu trabalho. 
O elemento 106 tabela periódica é chamado 
seabórgio, em sua homenagem.
As modificações mais recentes 
da Tabela Periódica 
O sistema de numeração dos grupos são recomendados pela União 
Internacional de Química Pura e Aplicada (IUPAC). 
A numeração é feita em algarismos arábicos de 1 à 18, sendo o grupo 1, o dos 
metais alcalinos e o 18, o dos gases nobres.
TTaabbeellaa ppeerriióóddiiccaa 
O nome "Tabela Periódica" é devido à periodicidade, ou seja, à repetição 
de propriedades, de intervalos em intervalos. 
Ex: As fases da lua, que mudam durante o mês e se repetem mês após mês. 
Classificação atual as propriedades dos elementos variam 
periodicamente com seus números atômicos. 
A Tabela Periódica é formada por 118 elementos distribuídos em 7 
linhas horizontais, (período). Os elementos pertencentes ao mesmo 
período possuem o mesmo número de camadas de elétrons.
VERIFICAÇÃ 
3Li 6C 10Ne 
K 2 K 2 K 2 
L 1 L 4 L 8 
O lítio, o carbono e o neônio possuem 2 camadas (K e L); 
portanto são do segundo período. 
As linhas verticais são denominadas de famílias e estão 
divididas em 18 colunas. 
Os elementos químicos que estão na mesma coluna na Tabela 
Periódica possuem propriedades químicas e físicas semelhantes.
Características 
A família é caracterizada pelos elétrons do subnível mais energético, os 
elementos da mesma família apresentam a mesma configuração na 
última camada. 
Exemplos: 
O berílio e o cálcio tem a mesma configuração na última camada, 
isto é, s2; portanto ambos pertencem à família 2A ou 2.
Períodos ou séries 
A localização dos elementos nos respectivos períodos está 
relacionada com o número de níveis eletrônicos (camadas) dos 
elementos, ou seja, a ordem do período corresponde ao número de 
camadas que os elementos apresentam. Elementos situados num 
mesmo período apresentam mesmo número de níveis.
Famílias 
São constituídas pelos elementos representativos, todos esses 
elementos apresentam o seu elétron mais energético situado nos 
subníveis s ou p. 
O número da família indica a quantidade de elétrons existentes na 
camada de valência. 
Exemplos:
A famílias A e Zero ou 8A indica que a reatividade dos seus 
elementos em condições ambientes é nula. 
A maioria, dos elementos dessa família apresentam oito elétrons na 
camada de valência. O grupo zero também é conhecido como VIIIA. 
Exemplos: 
Famílias A e Zero
Colunas e seus nomes especiais. 
Família 1 (1A) - Alcalinos 
Família 2 (2A) - Alcalino-terrosos 
Família 13 (3A) - Família do boro 
Família 14 (4A) - Família do carbono 
Família 15 (5A) - Família do nitrogênio 
Família 16 (6A) - Calcogênios 
Família 17 (7A) - Halogênios 
Família 18 (Zero) - Gases Nobres
p Os elementos da Tabela Periódica pooddeemm sseerr ccllaassssiiffiiccaaddooss ccoommoo:: 
Metais: São a maioria dos elementos da tabela. São bons 
condutores de eletricidade e calor, maleáveis e dúcteis, possuem 
brilho metálico característico e são sólidos, com exceção do 
mercúrio. 
Não-Metais: Os mais abundantes na natureza, não são bons 
condutores de calor e eletricidade, não são maleáveis e dúcteis e 
não possuem brilho como os metais. 
Gases Nobres: São 6 elementos e sua característica mais 
importante é a inércia química. Hidrogênio: é um elemento 
considerado à parte por ter um comportamento único.
Química geral ppt_-_tabela_periódica_-_histórico
Comportamento químico dos elementos de um mesmo 
grupo da Tabela Periódica
Características dos metais alcalinos elementos representativos 
Metais alcalinos: correspondem a 4,8% da superfície da terra, 
oceanos e a atmosfera. 
Por serem muito reativos, não são encontrados isolados, mas formando 
compostos em minerais ou em sais dissolvidos na água do mar.
Metais alcalino-terrosos 
Correspondem a 4,16% da crosta terrestre, sendo o cálcio e o 
magnésio os mais abundantes. Por serem reativos, não são 
encontrados isolados, mas combinados, na forma de silicatos, 
carbonatos e sulfatos.
Metais alcalino-terrosos 
ns2 
Metal +
Algumas características dos elementos representativos 
Família do nitrogênio: correspondem a 0,33% da superfície terrestre, 
incluindo os oceanos e a atmosfera. Seus minerais são combinações 
com oxigênio e metais (nitratos, fosfatos, etc.). 
Calcogênios: incluem o elemento mais abundante da Terra: o 
oxigênio, que corresponde a 50,5% em peso da crosta terrestre. 
Halogênios: ocupam posições variadas na abundância dos elementos 
na crosta terrestre. Todos são venenosos por seus efeitos corrosivos 
sobre a pele e os órgãos respiratórios.
Algumas características dos elementos representativos
Halogênios 
Ocupam posições variadas na abundância dos elementos na crosta 
terrestre. Todos são venenosos por seus efeitos corrosivos sobre a pele 
e os órgãos respiratórios. 
Fazem parte dos elementos não metálicos e todos os seus 
elementos possuem 7 elétrons de valência, genericamente ns2 
np5; 
A sua relatividade resulta da facilidade com que os seus átomos 
originam íons mono negativos ou haletos ao captarem um elétron; 
A relatividade diminui ao longo do grupo porque, aumentando o 
número de camadas, a atração do núcleo sobre o elétrons a captar 
torna-se cada vez menor.
Halogênios
Gases nobres 
São seis os elementos deste grupo, o hélio, neônio, argônio, 
criptônio, xenônio e o radônio; 
Os átomos destes elementos têm todos os subníveis 
eletrônicos totalmente ocupados, o que lhes confere uma enorme 
estabilidade química; 
São quimicamente inertes, não participam em reações 
químicas.
Prof. Maurício Brito

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reações Químicas
Reações QuímicasReações Químicas
Reações Químicas
Polo UAB de Alagoinhas
 
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e BasesAula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Tabela periódica
Tabela periódicaTabela periódica
Tabela periódica
Thiago Benevides
 
Slide tabela periodica
Slide tabela periodicaSlide tabela periodica
Slide tabela periodica
Isasesantos
 
História da tabela periódica(final)
História da tabela periódica(final)História da tabela periódica(final)
História da tabela periódica(final)
ct-esma
 
Leis ponderais
Leis ponderaisLeis ponderais
Leis ponderais
Adrianne Mendonça
 
Tabela Periodica
Tabela PeriodicaTabela Periodica
Tabela Periodica
mendel1b2010
 
Aula 9 tabela periódica nono ano
Aula 9 tabela periódica nono anoAula 9 tabela periódica nono ano
Aula 9 tabela periódica nono ano
Professora Raquel
 
Quimica tabela periodica
Quimica tabela periodicaQuimica tabela periodica
Quimica tabela periodica
Estude Mais
 
Aula sobre ligações químicas
Aula sobre ligações químicasAula sobre ligações químicas
Aula sobre ligações químicas
Profª Alda Ernestina
 
Ligações covalentes
Ligações covalentesLigações covalentes
Ligações covalentes
Augusto Sérgio Costa Souza
 
Propriedades periodicas
Propriedades periodicas Propriedades periodicas
Propriedades periodicas
cmdantasba
 
Ligaçoes quimicas
Ligaçoes quimicasLigaçoes quimicas
Ligaçoes quimicas
Ana Dias
 
9º ano - 1º bimestre - Elementos químicos e tabela periódica
 9º ano - 1º bimestre - Elementos químicos e tabela periódica 9º ano - 1º bimestre - Elementos químicos e tabela periódica
9º ano - 1º bimestre - Elementos químicos e tabela periódica
Carolina Suisso
 
Tabela periodica
Tabela periodicaTabela periodica
Tabela periodica
santanaciencias
 
Introdução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânicaIntrodução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânica
Josenildo Vasconcelos
 
Aula elementos químicos
Aula elementos químicosAula elementos químicos
Aula elementos químicos
kaliandra Lisboa
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
Kátia Elias
 
Estrutura da matéria prof Ivanise Meyer
Estrutura da matéria  prof Ivanise MeyerEstrutura da matéria  prof Ivanise Meyer
Estrutura da matéria prof Ivanise Meyer
Ivanise Meyer
 
Geometria molecular
Geometria molecularGeometria molecular
Geometria molecular
Cláudio Santos
 

Mais procurados (20)

Reações Químicas
Reações QuímicasReações Químicas
Reações Químicas
 
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e BasesAula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
 
Tabela periódica
Tabela periódicaTabela periódica
Tabela periódica
 
Slide tabela periodica
Slide tabela periodicaSlide tabela periodica
Slide tabela periodica
 
História da tabela periódica(final)
História da tabela periódica(final)História da tabela periódica(final)
História da tabela periódica(final)
 
Leis ponderais
Leis ponderaisLeis ponderais
Leis ponderais
 
Tabela Periodica
Tabela PeriodicaTabela Periodica
Tabela Periodica
 
Aula 9 tabela periódica nono ano
Aula 9 tabela periódica nono anoAula 9 tabela periódica nono ano
Aula 9 tabela periódica nono ano
 
Quimica tabela periodica
Quimica tabela periodicaQuimica tabela periodica
Quimica tabela periodica
 
Aula sobre ligações químicas
Aula sobre ligações químicasAula sobre ligações químicas
Aula sobre ligações químicas
 
Ligações covalentes
Ligações covalentesLigações covalentes
Ligações covalentes
 
Propriedades periodicas
Propriedades periodicas Propriedades periodicas
Propriedades periodicas
 
Ligaçoes quimicas
Ligaçoes quimicasLigaçoes quimicas
Ligaçoes quimicas
 
9º ano - 1º bimestre - Elementos químicos e tabela periódica
 9º ano - 1º bimestre - Elementos químicos e tabela periódica 9º ano - 1º bimestre - Elementos químicos e tabela periódica
9º ano - 1º bimestre - Elementos químicos e tabela periódica
 
Tabela periodica
Tabela periodicaTabela periodica
Tabela periodica
 
Introdução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânicaIntrodução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânica
 
Aula elementos químicos
Aula elementos químicosAula elementos químicos
Aula elementos químicos
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
 
Estrutura da matéria prof Ivanise Meyer
Estrutura da matéria  prof Ivanise MeyerEstrutura da matéria  prof Ivanise Meyer
Estrutura da matéria prof Ivanise Meyer
 
Geometria molecular
Geometria molecularGeometria molecular
Geometria molecular
 

Semelhante a Química geral ppt_-_tabela_periódica_-_histórico

Aula 7 tabela periódica
Aula 7   tabela periódicaAula 7   tabela periódica
Aula 7 tabela periódica
profNICODEMOS
 
"Somos Físicos" Tabela Periódica
"Somos Físicos" Tabela Periódica"Somos Físicos" Tabela Periódica
"Somos Físicos" Tabela Periódica
Vania Lima "Somos Físicos"
 
REPOSIÇÃO IFTO 08 a 10/08
REPOSIÇÃO IFTO 08 a 10/08REPOSIÇÃO IFTO 08 a 10/08
REPOSIÇÃO IFTO 08 a 10/08
Marcos Júnior
 
Tabela periodica
Tabela periodicaTabela periodica
Tabela periodica
Enio Silva De Lima
 
Tabela Periódica Ezequiel
Tabela Periódica EzequielTabela Periódica Ezequiel
Tabela Periódica Ezequiel
Ezequiel G
 
99805816 apostila-quimica-1-tabela-periodica-ifms
99805816 apostila-quimica-1-tabela-periodica-ifms99805816 apostila-quimica-1-tabela-periodica-ifms
99805816 apostila-quimica-1-tabela-periodica-ifms
Vagner Dias
 
99805816 apostila-quimica-1-tabela-periodica-ifms
99805816 apostila-quimica-1-tabela-periodica-ifms99805816 apostila-quimica-1-tabela-periodica-ifms
99805816 apostila-quimica-1-tabela-periodica-ifms
Vagner Dias
 
Tabela PerióDica
Tabela PerióDicaTabela PerióDica
Tabela PerióDica
escola bernardino
 
2 a classificação periódica iqg 115
2 a classificação periódica iqg 1152 a classificação periódica iqg 115
2 a classificação periódica iqg 115
Danielpsg
 
Tabela periodica
Tabela periodicaTabela periodica
Tabela periodica
ggmota93
 
Diamantino
DiamantinoDiamantino
Diamantino
guestb8b5237
 
Tabela periódica
Tabela periódicaTabela periódica
Tabela periódica
Marcos Castro
 
Tabela Periodica Historico
Tabela Periodica HistoricoTabela Periodica Historico
Tabela Periodica Historico
Telso M Ferreira Junior
 
Tabela periodica
Tabela periodicaTabela periodica
Tabela periodica
Luana Kidman
 
Classificação periódica dos elementos
Classificação periódica dos elementosClassificação periódica dos elementos
Classificação periódica dos elementos
Erica Rocha
 
_Tabela periodica aula.ppt
_Tabela periodica aula.ppt_Tabela periodica aula.ppt
_Tabela periodica aula.ppt
rafaelbrandao22
 
Classificação periódica dos elementos
Classificação periódica dos elementosClassificação periódica dos elementos
Classificação periódica dos elementos
Erica Rocha
 
Manual de quínica 2ª parte
Manual de quínica 2ª parteManual de quínica 2ª parte
Manual de quínica 2ª parte
Paulo Frederico Manuel
 
Manual de quínica 2ª parte
Manual de quínica 2ª parteManual de quínica 2ª parte
Manual de quínica 2ª parte
Paulo Frederico Manuel
 
aezoom915_quim03 (1).pptx
aezoom915_quim03 (1).pptxaezoom915_quim03 (1).pptx
aezoom915_quim03 (1).pptx
ValentimGomesVieira1
 

Semelhante a Química geral ppt_-_tabela_periódica_-_histórico (20)

Aula 7 tabela periódica
Aula 7   tabela periódicaAula 7   tabela periódica
Aula 7 tabela periódica
 
"Somos Físicos" Tabela Periódica
"Somos Físicos" Tabela Periódica"Somos Físicos" Tabela Periódica
"Somos Físicos" Tabela Periódica
 
REPOSIÇÃO IFTO 08 a 10/08
REPOSIÇÃO IFTO 08 a 10/08REPOSIÇÃO IFTO 08 a 10/08
REPOSIÇÃO IFTO 08 a 10/08
 
Tabela periodica
Tabela periodicaTabela periodica
Tabela periodica
 
Tabela Periódica Ezequiel
Tabela Periódica EzequielTabela Periódica Ezequiel
Tabela Periódica Ezequiel
 
99805816 apostila-quimica-1-tabela-periodica-ifms
99805816 apostila-quimica-1-tabela-periodica-ifms99805816 apostila-quimica-1-tabela-periodica-ifms
99805816 apostila-quimica-1-tabela-periodica-ifms
 
99805816 apostila-quimica-1-tabela-periodica-ifms
99805816 apostila-quimica-1-tabela-periodica-ifms99805816 apostila-quimica-1-tabela-periodica-ifms
99805816 apostila-quimica-1-tabela-periodica-ifms
 
Tabela PerióDica
Tabela PerióDicaTabela PerióDica
Tabela PerióDica
 
2 a classificação periódica iqg 115
2 a classificação periódica iqg 1152 a classificação periódica iqg 115
2 a classificação periódica iqg 115
 
Tabela periodica
Tabela periodicaTabela periodica
Tabela periodica
 
Diamantino
DiamantinoDiamantino
Diamantino
 
Tabela periódica
Tabela periódicaTabela periódica
Tabela periódica
 
Tabela Periodica Historico
Tabela Periodica HistoricoTabela Periodica Historico
Tabela Periodica Historico
 
Tabela periodica
Tabela periodicaTabela periodica
Tabela periodica
 
Classificação periódica dos elementos
Classificação periódica dos elementosClassificação periódica dos elementos
Classificação periódica dos elementos
 
_Tabela periodica aula.ppt
_Tabela periodica aula.ppt_Tabela periodica aula.ppt
_Tabela periodica aula.ppt
 
Classificação periódica dos elementos
Classificação periódica dos elementosClassificação periódica dos elementos
Classificação periódica dos elementos
 
Manual de quínica 2ª parte
Manual de quínica 2ª parteManual de quínica 2ª parte
Manual de quínica 2ª parte
 
Manual de quínica 2ª parte
Manual de quínica 2ª parteManual de quínica 2ª parte
Manual de quínica 2ª parte
 
aezoom915_quim03 (1).pptx
aezoom915_quim03 (1).pptxaezoom915_quim03 (1).pptx
aezoom915_quim03 (1).pptx
 

Último

Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
CarolineSaback2
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
tamirissousa11
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
mailabueno45
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 

Química geral ppt_-_tabela_periódica_-_histórico

  • 1. CENTRO UNIVERSITÁRIO NILTON LINS QUÍMICA GERAL E ORGÂNICA PERÍODO ______ TTaabbeellaa ppeerriióóddiiccaa Histórico e Classificação dos Elementos Químicos PROF: MAURÍCIO BRITO
  • 2. Classificação dos Elementos Químicos (O Primeiro Elemento) "Ao lado, o fósforo (P). Primeiro elemento a ser descoberto. Ponto de partida para a construção da Tabela Periódica".
  • 3. Johann W. Boebereiner (1829) (O Primeiro Modelo de Tabela Periódica) A massa atômica do elemento central da tríade era a média das massas atômicas do primeiro e terceiro membro. Muitos dos metais não podiam ser agrupados em tríades. Os elementos cloro, bromo e iodo eram uma tríade, lítio, sódio e potássio formavam outra.
  • 4. Germain Henry Ivanovitch Hess (1849) (O Segundo Modelo de Tabela Periódica) O cientista sueco naturalizado russo publicou no seu manual Fundamentos da Química Pura uma classificação de quatro grupos de elementos (não-metais) com propriedades químicas semelhantes (tabela ao lado). Hess escreveu: “Esta classificação está ainda muito longe de ser natural. No entanto ela reúne elementos em grupos muito semelhantes e pode ir aperfeiçoando-se à medida que aumentarem os nossos conhecimentos.”
  • 5. Alexander Beguyer de Chancourtoir (1862) (O Terceiro Modelo de Tabela Periódica) O químico e geólogo francês propôs um sistema denominado “parafuso telúrico.” Distribuiu os elementos na forma de uma espiral de 45º que na superfície de um cilindro. Em cada volta da espiral ele colocou 16 elementos em ordem crescente de massa atômica, de modo a posicionar os elementos com propriedades semelhantes um por baixo do outro na geratriz do cilindro.
  • 6. John A.R. Newlands (1864) (O Quarto Modelo de Tabela Periódica) Newlands, sugeriu que os elementos, poderiam ser arranjados num modelo periódico de oitavas, na ordem crescente de suas massas atômicas. Colocou o lítio, sódio e potássio juntos. Esquecendo o grupo dos elementos cloro, bromo e iodo, e os metais comuns como o ferro e o cobre. A idéia de Newlands foi ridicularizada pela analogia com os sete intervalos da escala musical.
  • 7. Dimitri Ivanovich Mendeleev (1869) (O pai da Tabela Periódica dos elementos químicos) Nasceu na Sibéria, sendo o mais novo de dezessete irmãos. Educado em St. Petersburg, e posteriormente na França e Alemanha. Conseguiu o cargo de professor de química na Universidade de St. Petersburg. Em 1869, enquanto escrevia seu livro de química inorgânica, organizou os elementos na forma da tabela periódica atual.
  • 8. Dimitri Ivanovich Mendeleev (1869) (O Quinto Modelo de Tabela Periódica) Mendeleev criou uma carta para cada um dos 63 elementos conhecidos. Cada carta continha o símbolo do elemento, a massa atômica e suas propriedades químicas e físicas. A tabela periódica de Mendeleev exibia semelhanças numa rede de relações vertical, horizontal e diagonal. Em 1906, Mendeleev recebeu o Prêmio Nobel por este trabalho.
  • 9. Henry Mosseley (1913) (O cientista britânico) Britânico descobriu que o número de prótons no núcleo de determinado átomo era sempre o mesmo. Mosseley usou essa idéia para o número atômico de cada átomo. Quando os átomos foram arranjados de acordo com o aumento do número atômico, os problemas existentes na tabela de Mendeleev desapareceram.
  • 10. Glenn Seaborg (1951) (A Tabela Periódica nos dias de hoje) Nasceu nos EUA, formou-se em química na Universidade de Berkley, Califórnia e realizou a última maior troca na tabela periódica em 1950. Com a descoberta do plutônio em 1940, descobriu todos os elementos transurânicos (do número atômico 94 até 102). Reconfigurou a tabela periódica colocando a série dos actnídeos abaixo da série dos lantanídeos. Em 1951, recebeu o Prêmio Nobel em química, pelo seu trabalho. O elemento 106 tabela periódica é chamado seabórgio, em sua homenagem.
  • 11. As modificações mais recentes da Tabela Periódica O sistema de numeração dos grupos são recomendados pela União Internacional de Química Pura e Aplicada (IUPAC). A numeração é feita em algarismos arábicos de 1 à 18, sendo o grupo 1, o dos metais alcalinos e o 18, o dos gases nobres.
  • 12. TTaabbeellaa ppeerriióóddiiccaa O nome "Tabela Periódica" é devido à periodicidade, ou seja, à repetição de propriedades, de intervalos em intervalos. Ex: As fases da lua, que mudam durante o mês e se repetem mês após mês. Classificação atual as propriedades dos elementos variam periodicamente com seus números atômicos. A Tabela Periódica é formada por 118 elementos distribuídos em 7 linhas horizontais, (período). Os elementos pertencentes ao mesmo período possuem o mesmo número de camadas de elétrons.
  • 13. VERIFICAÇÃ 3Li 6C 10Ne K 2 K 2 K 2 L 1 L 4 L 8 O lítio, o carbono e o neônio possuem 2 camadas (K e L); portanto são do segundo período. As linhas verticais são denominadas de famílias e estão divididas em 18 colunas. Os elementos químicos que estão na mesma coluna na Tabela Periódica possuem propriedades químicas e físicas semelhantes.
  • 14. Características A família é caracterizada pelos elétrons do subnível mais energético, os elementos da mesma família apresentam a mesma configuração na última camada. Exemplos: O berílio e o cálcio tem a mesma configuração na última camada, isto é, s2; portanto ambos pertencem à família 2A ou 2.
  • 15. Períodos ou séries A localização dos elementos nos respectivos períodos está relacionada com o número de níveis eletrônicos (camadas) dos elementos, ou seja, a ordem do período corresponde ao número de camadas que os elementos apresentam. Elementos situados num mesmo período apresentam mesmo número de níveis.
  • 16. Famílias São constituídas pelos elementos representativos, todos esses elementos apresentam o seu elétron mais energético situado nos subníveis s ou p. O número da família indica a quantidade de elétrons existentes na camada de valência. Exemplos:
  • 17. A famílias A e Zero ou 8A indica que a reatividade dos seus elementos em condições ambientes é nula. A maioria, dos elementos dessa família apresentam oito elétrons na camada de valência. O grupo zero também é conhecido como VIIIA. Exemplos: Famílias A e Zero
  • 18. Colunas e seus nomes especiais. Família 1 (1A) - Alcalinos Família 2 (2A) - Alcalino-terrosos Família 13 (3A) - Família do boro Família 14 (4A) - Família do carbono Família 15 (5A) - Família do nitrogênio Família 16 (6A) - Calcogênios Família 17 (7A) - Halogênios Família 18 (Zero) - Gases Nobres
  • 19. p Os elementos da Tabela Periódica pooddeemm sseerr ccllaassssiiffiiccaaddooss ccoommoo:: Metais: São a maioria dos elementos da tabela. São bons condutores de eletricidade e calor, maleáveis e dúcteis, possuem brilho metálico característico e são sólidos, com exceção do mercúrio. Não-Metais: Os mais abundantes na natureza, não são bons condutores de calor e eletricidade, não são maleáveis e dúcteis e não possuem brilho como os metais. Gases Nobres: São 6 elementos e sua característica mais importante é a inércia química. Hidrogênio: é um elemento considerado à parte por ter um comportamento único.
  • 21. Comportamento químico dos elementos de um mesmo grupo da Tabela Periódica
  • 22. Características dos metais alcalinos elementos representativos Metais alcalinos: correspondem a 4,8% da superfície da terra, oceanos e a atmosfera. Por serem muito reativos, não são encontrados isolados, mas formando compostos em minerais ou em sais dissolvidos na água do mar.
  • 23. Metais alcalino-terrosos Correspondem a 4,16% da crosta terrestre, sendo o cálcio e o magnésio os mais abundantes. Por serem reativos, não são encontrados isolados, mas combinados, na forma de silicatos, carbonatos e sulfatos.
  • 25. Algumas características dos elementos representativos Família do nitrogênio: correspondem a 0,33% da superfície terrestre, incluindo os oceanos e a atmosfera. Seus minerais são combinações com oxigênio e metais (nitratos, fosfatos, etc.). Calcogênios: incluem o elemento mais abundante da Terra: o oxigênio, que corresponde a 50,5% em peso da crosta terrestre. Halogênios: ocupam posições variadas na abundância dos elementos na crosta terrestre. Todos são venenosos por seus efeitos corrosivos sobre a pele e os órgãos respiratórios.
  • 26. Algumas características dos elementos representativos
  • 27. Halogênios Ocupam posições variadas na abundância dos elementos na crosta terrestre. Todos são venenosos por seus efeitos corrosivos sobre a pele e os órgãos respiratórios. Fazem parte dos elementos não metálicos e todos os seus elementos possuem 7 elétrons de valência, genericamente ns2 np5; A sua relatividade resulta da facilidade com que os seus átomos originam íons mono negativos ou haletos ao captarem um elétron; A relatividade diminui ao longo do grupo porque, aumentando o número de camadas, a atração do núcleo sobre o elétrons a captar torna-se cada vez menor.
  • 29. Gases nobres São seis os elementos deste grupo, o hélio, neônio, argônio, criptônio, xenônio e o radônio; Os átomos destes elementos têm todos os subníveis eletrônicos totalmente ocupados, o que lhes confere uma enorme estabilidade química; São quimicamente inertes, não participam em reações químicas.