SlideShare uma empresa Scribd logo
A difusão do Gosto e da prática das viagens na Idade Média
Introdução Neste trabalho iremos falar sobre a importância, o gosto e a prática das viagens na Idade Média. Esperemos que gostem do trabalho e que aprendam qualquer coisa com ele.
Idade Média A  Idade Média  ou  Era Medieval  foi um período da História da Europa que se caracteriza pela influência da Igreja na sociedade, que está dividida em três grupos sociais:  clero ,  nobreza  e  povo .  Ao  clero  cabia a função religiosa, é a classe culta e possui propriedades A  nobreza  é a classe guerreira, proprietária de terras, os títulos e propriedades são hereditários. O  povo  é a maioria da população que trabalha para as outras classes, constituído grande parte por servos.
As ordens sociais
Viagens de negócio e missões político-diplomáticas Os mercadores desta época são grandes viajantes. Ir de viagem de negócios passou a ser nesta altura uma coisa normal, embora não tivessem livres de perigos e incómodos. Práticos e espontâneos, os mercadores cedo receberam conhecimentos essenciais para estas deslocações,  aprendendo línguas ,  elaborando dicionários  e  guias de viagem .
Muitas dessas viagens eram  missões politico-diplomáticas  em que comerciantes famosos reconhecidos desempenharam o papel de embaixadores das cortes da Europa.  Era em Roma que se cruzavam os embaixadores de todas as nações porque ai se resolviam questões religiosas e conflitos políticos, já que o Papa desempenhava dois papeis: o de medianeiro entre os Estados e de juiz em matéria de Direito Internacional.
Marco Polo e seus familiares,  viajantes famosos da Idade Média
Marco Polo Nascimento:  15/9/1254 Veneza Morte:  29/1/1324 Veneza Foi: mercador, embaixador e explorador.  Foi dos primeiros Ocidentais a percorrer a  Rota da Seda
 
Niccolo e Matteo Polo entregarem uma carta de Kublai Khan para o Papa Gregório X em 1271.
Niccolo e Matteo em Bukhara. Eles foram convidados pelo enviado de Hulagu Khan (direita) a viajarem para o leste a para visitarem Kublai Khan.
Chegada da família Polo a uma cidade da China
Niccolò e Matteo Polo saindo de Constantinopla rumo ao Oriente em 1259. Página de  Il Milione / As Viagens
Estátua de Marco Polo em Hangzhou, China
Romarias e Peregrinações A religião ajudou também a ultrapassar e a superar as dificuldades dos caminhos. Na Idade Média, a religião exprimia-se pela prática de actos rituais como: as  orações ,  ofícios   religiosos , a  confissão , a  penitência , os  jejuns  e as  peregrinações . Todas elas eram obrigações a que deviam obedecer todos os que queriam a vida eterna.
As  Romarias  são celebrações organizadas em honra de um santo sempre numa data fixa do ano. Atraiam numerosos fiéis, normalmente das proximidades, que vinham em grupos, maior parte das vezes a pé, demorando de um a vários dias. Quando chegavam ao santuário, os romeiros pagavam as suas promessas, participavam nas cerimónias religiosas, que tem sempre uma missa e uma procissão normalmente.
Depois das celebrações aproveitavam a ocasião para realizar negócios (o que não era raro por estas coincidirem com as feiras), trocar noticias, cantar e bailar ao som dos instrumentos tradicionais. As romarias ficaram fortemente enraizadas nos hábitos das populações que persistiram até hoje animando os meses de Verão
Romaria a Nossa Senhora da Saúde
 
As  Peregrinações  ganharam de novo importância no século XI. Para estas peregrinações partia-se em grupo ou individualmente por um caminho já escolhido. Todos participavam nesta tradição: homens, mulheres, crianças, velhos, doentes e sãos.
Jerusalém  - por ter sido o local da morte de Jesus. Roma  - Local de residência do Papa e onde repousavam os restos do mártir São Pedro. Santiago de Compostela  – onde, em meados do séc. IX, foi encontrado um túmulo identificado como sendo o do apóstolo São Tiago.  Principais  locais de peregrinação
 
Oração do Peregrino : Apóstolo Santiago, escolhido entre os primeiros, tu foste o primeiro a beber no cálice do senhor, e és o grande protector dos peregrinos; faz-nos fortes na fé e alegres na esperança, no nosso caminho de peregrinos seguindo o caminho da vida cristã e aleitamos para que finalmente, alcancemos a gloria de Deus Pai Amén
Caminhos para Santiago Entre os vários caminhos, traçados desde a Idade Média, evidenciam-se: Caminho Francês  - Que recebe entre outros a Via Podiensis e antes a Via Gebennensis,a partir de Saint-Jean-Pied-de-Port, entra na Espanha por Roncesvalles, no sopé dos Pirenéus, e de lá segue por cerca de 800 quilómetros até Compostela.
 
Caminho Português  –  A maior parte dos caminhos portugueses entroncam em Valença do Minho, onde se fazia (faz) a travessia da fronteira para e daí prolonga-se por mais 130 quilómetros. Do lado português, os percursos mais usados são: Fátima, Porto, Barcelos e Braga.
Caminho Inglês  –  parte de Ferrol ou da Corunha, prolongando-se até 120 quilómetros. Apareceu a partir dos peregrinos das ilhas britânicas que, por causa da Guerra dos Cem Anos, não podiam atravessar a França com segurança e assim viajavam de barco até à Galiza, seguindo a pé até Compostela.
Conclusão Com este trabalho aprendemos mais acerca da importância das viagens na Idade Média e ficámos a perceber melhor a origem das Peregrinações e especialmente das Romarias. Gostámos de realizar este trabalho
Bibliografia Para fazer a pesquisa deste trabalho utilizámos o manual de História “O Tempo da História,” 2ª parte, da autoria de Célia Pinto do Couto e Maria Antónia Monterroso Rosas. http://pt.wikipedia.org/wiki/Marco_Polo http://pt.wikipedia.org/wiki/Caminhos_de_Santiago
Autores Marcelo Domingues nº20 10ºD Nuno Gonçalves nº24 10ºD Pedro Norberto nº25 10ºD Rita Santo nº27 10ºD

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A abertura ao mundo
A abertura ao mundoA abertura ao mundo
A abertura ao mundo
Susana Simões
 
Espaço civilizacional greco latino a beira da mudança
Espaço civilizacional greco latino a beira da mudançaEspaço civilizacional greco latino a beira da mudança
Espaço civilizacional greco latino a beira da mudança
Rita
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
As cidades da Flandres
As cidades da FlandresAs cidades da Flandres
As cidades da Flandres
AEDFL
 
Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2
cattonia
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
Vítor Santos
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
Susana Simões
 
01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeia01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeia
Vítor Santos
 
O surto urbano
O surto urbanoO surto urbano
O surto urbano
carolinagomesss
 
Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºano
Susana Grandão
 
Resumos Globais 10º
Resumos Globais 10ºResumos Globais 10º
Resumos Globais 10º
Gonçalo Paiva
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
Susana Simões
 
Origem e difusão do cristianismo
Origem e difusão do cristianismoOrigem e difusão do cristianismo
Origem e difusão do cristianismo
Carlos Pinheiro
 
O país urbano e concelhio
O país urbano e concelhioO país urbano e concelhio
O país urbano e concelhio
Escola Luis de Freitas Branco
 
Desenvolvimento comercial parte 3
Desenvolvimento comercial parte 3Desenvolvimento comercial parte 3
Desenvolvimento comercial parte 3
Carla Teixeira
 
Transportes Aquáticos - marítimo
Transportes Aquáticos - marítimoTransportes Aquáticos - marítimo
Transportes Aquáticos - marítimo
geografianaserpapinto
 
Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3
cattonia
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
Vítor Santos
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Roma, cidade imperial
Roma, cidade imperialRoma, cidade imperial
Roma, cidade imperial
Carla Teixeira
 

Mais procurados (20)

A abertura ao mundo
A abertura ao mundoA abertura ao mundo
A abertura ao mundo
 
Espaço civilizacional greco latino a beira da mudança
Espaço civilizacional greco latino a beira da mudançaEspaço civilizacional greco latino a beira da mudança
Espaço civilizacional greco latino a beira da mudança
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 
As cidades da Flandres
As cidades da FlandresAs cidades da Flandres
As cidades da Flandres
 
Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
 
01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeia01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeia
 
O surto urbano
O surto urbanoO surto urbano
O surto urbano
 
Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºano
 
Resumos Globais 10º
Resumos Globais 10ºResumos Globais 10º
Resumos Globais 10º
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
 
Origem e difusão do cristianismo
Origem e difusão do cristianismoOrigem e difusão do cristianismo
Origem e difusão do cristianismo
 
O país urbano e concelhio
O país urbano e concelhioO país urbano e concelhio
O país urbano e concelhio
 
Desenvolvimento comercial parte 3
Desenvolvimento comercial parte 3Desenvolvimento comercial parte 3
Desenvolvimento comercial parte 3
 
Transportes Aquáticos - marítimo
Transportes Aquáticos - marítimoTransportes Aquáticos - marítimo
Transportes Aquáticos - marítimo
 
Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre...
 
Roma, cidade imperial
Roma, cidade imperialRoma, cidade imperial
Roma, cidade imperial
 

Destaque

Peregrinações
PeregrinaçõesPeregrinações
Peregrinações
Shorty Mareia
 
Valores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidianoValores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidiano
Vítor Santos
 
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
Joana Filipa Rodrigues
 
Cultura medieval
Cultura medievalCultura medieval
Cultura medieval
cattonia
 
Mudanças na religiosidade e expansão do ensino
Mudanças na religiosidade e expansão do ensinoMudanças na religiosidade e expansão do ensino
Mudanças na religiosidade e expansão do ensino
Escola Luis de Freitas Branco
 
A Cultura E O Saber Medievais
A Cultura E O Saber MedievaisA Cultura E O Saber Medievais
A Cultura E O Saber Medievais
Beatriz Dias
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º ano
jorgina8
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
cattonia
 
Marco Polo
Marco PoloMarco Polo
Marco Polo
Mihail Vasilache
 
Valores, Vivencias E Quotidiano Na Idade Media
Valores, Vivencias E Quotidiano Na Idade MediaValores, Vivencias E Quotidiano Na Idade Media
Valores, Vivencias E Quotidiano Na Idade Media
António Luís Catarino
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
Vítor Santos
 
Marco Polo - Prof. Altair Aguilar
Marco Polo - Prof. Altair AguilarMarco Polo - Prof. Altair Aguilar
Marco Polo - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Alterações na religiosidade e expansão do ensino na idade média
Alterações na religiosidade e expansão do ensino na idade médiaAlterações na religiosidade e expansão do ensino na idade média
Alterações na religiosidade e expansão do ensino na idade média
Escola Luis de Freitas Branco
 
Cultura Monástica
Cultura MonásticaCultura Monástica
Cultura Monástica
Isabel Ribeiro
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalA identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
Susana Simões
 
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
Carla Teixeira
 
A escultura gótica
A escultura góticaA escultura gótica
A escultura gótica
Ana Barreiros
 
Idade Média: Gótico
Idade Média: GóticoIdade Média: Gótico
Idade Média: Gótico
João Lima
 
A arquitetura gótica
A arquitetura góticaA arquitetura gótica
A arquitetura gótica
Ana Barreiros
 
O Cavaleiro
O CavaleiroO Cavaleiro
O Cavaleiro
gkgilas
 

Destaque (20)

Peregrinações
PeregrinaçõesPeregrinações
Peregrinações
 
Valores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidianoValores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidiano
 
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
 
Cultura medieval
Cultura medievalCultura medieval
Cultura medieval
 
Mudanças na religiosidade e expansão do ensino
Mudanças na religiosidade e expansão do ensinoMudanças na religiosidade e expansão do ensino
Mudanças na religiosidade e expansão do ensino
 
A Cultura E O Saber Medievais
A Cultura E O Saber MedievaisA Cultura E O Saber Medievais
A Cultura E O Saber Medievais
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º ano
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
 
Marco Polo
Marco PoloMarco Polo
Marco Polo
 
Valores, Vivencias E Quotidiano Na Idade Media
Valores, Vivencias E Quotidiano Na Idade MediaValores, Vivencias E Quotidiano Na Idade Media
Valores, Vivencias E Quotidiano Na Idade Media
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
 
Marco Polo - Prof. Altair Aguilar
Marco Polo - Prof. Altair AguilarMarco Polo - Prof. Altair Aguilar
Marco Polo - Prof. Altair Aguilar
 
Alterações na religiosidade e expansão do ensino na idade média
Alterações na religiosidade e expansão do ensino na idade médiaAlterações na religiosidade e expansão do ensino na idade média
Alterações na religiosidade e expansão do ensino na idade média
 
Cultura Monástica
Cultura MonásticaCultura Monástica
Cultura Monástica
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalA identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
 
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
 
A escultura gótica
A escultura góticaA escultura gótica
A escultura gótica
 
Idade Média: Gótico
Idade Média: GóticoIdade Média: Gótico
Idade Média: Gótico
 
A arquitetura gótica
A arquitetura góticaA arquitetura gótica
A arquitetura gótica
 
O Cavaleiro
O CavaleiroO Cavaleiro
O Cavaleiro
 

Semelhante a Viagens na idade média

Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
guiurey
 
História de portugal
História de portugalHistória de portugal
História de portugal
JWM V.
 
Histriadeportugal
Histriadeportugal Histriadeportugal
Histriadeportugal
Mafalda Cardoso
 
História de portugal
História de portugalHistória de portugal
História de portugal
EB Foros de Amora
 
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Hélder Raposo
 
História De Portugal
História De PortugalHistória De Portugal
História De Portugal
gigilu
 
Património Cultural - O caminho de Santiago - aula 4 - O caminho Português - ...
Património Cultural - O caminho de Santiago - aula 4 - O caminho Português - ...Património Cultural - O caminho de Santiago - aula 4 - O caminho Português - ...
Património Cultural - O caminho de Santiago - aula 4 - O caminho Português - ...
Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
O Mundo Romano Origem E DifusãO Do Cristianismo
O Mundo Romano Origem E DifusãO Do CristianismoO Mundo Romano Origem E DifusãO Do Cristianismo
O Mundo Romano Origem E DifusãO Do Cristianismo
Sílvia Mendonça
 
Património cultural o caminho de santiago aula 4 - o caminho português - ar...
Património cultural   o caminho de santiago aula 4 - o caminho português - ar...Património cultural   o caminho de santiago aula 4 - o caminho português - ar...
Património cultural o caminho de santiago aula 4 - o caminho português - ar...
Artur Filipe dos Santos
 
Património cultural o caminho de santiago aula 3 - artur filipe dos santos ...
Património cultural   o caminho de santiago aula 3 - artur filipe dos santos ...Património cultural   o caminho de santiago aula 3 - artur filipe dos santos ...
Património cultural o caminho de santiago aula 3 - artur filipe dos santos ...
Artur Filipe dos Santos
 
Aula 1a parte hc antiguidade
Aula  1a parte  hc antiguidadeAula  1a parte  hc antiguidade
Aula 1a parte hc antiguidade
Gcom digital factory
 
Património cultural o caminho de santiago aula 1 - artur filipe dos santos ...
Património cultural   o caminho de santiago aula 1 - artur filipe dos santos ...Património cultural   o caminho de santiago aula 1 - artur filipe dos santos ...
Património cultural o caminho de santiago aula 1 - artur filipe dos santos ...
Artur Filipe dos Santos
 
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do MosteiroFicha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
Ana Barreiros
 
Património Cultural - O Caminho de Santiago - aula 1 - Artur Filipe dos Santo...
Património Cultural - O Caminho de Santiago - aula 1 - Artur Filipe dos Santo...Património Cultural - O Caminho de Santiago - aula 1 - Artur Filipe dos Santo...
Património Cultural - O Caminho de Santiago - aula 1 - Artur Filipe dos Santo...
Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
Poster "Caminos de Santiago" EB 23S Aquilino Ribeiro_julio 2016
Poster "Caminos de Santiago" EB 23S Aquilino Ribeiro_julio 2016Poster "Caminos de Santiago" EB 23S Aquilino Ribeiro_julio 2016
Poster "Caminos de Santiago" EB 23S Aquilino Ribeiro_julio 2016
escolaaquilinoribeiro
 
FICHA DE LEITURA - TURISMO
FICHA DE LEITURA - TURISMOFICHA DE LEITURA - TURISMO
FICHA DE LEITURA - TURISMO
abarros
 
História da igreja II
História da igreja IIHistória da igreja II
História da igreja II
Sérgio Miguel
 
Martyrs of Turkey; a history of Christian persecution in Anatolia-(Portuguese...
Martyrs of Turkey; a history of Christian persecution in Anatolia-(Portuguese...Martyrs of Turkey; a history of Christian persecution in Anatolia-(Portuguese...
Martyrs of Turkey; a history of Christian persecution in Anatolia-(Portuguese...
Martin M Flynn
 
Ppt formação de portugal e dinastias
Ppt formação de portugal e dinastiasPpt formação de portugal e dinastias
Ppt formação de portugal e dinastias
Ministry of Education (Brazil)
 
História de portugal
História  de portugal   História  de portugal
História de portugal
Ministério da Educação
 

Semelhante a Viagens na idade média (20)

Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
História de portugal
História de portugalHistória de portugal
História de portugal
 
Histriadeportugal
Histriadeportugal Histriadeportugal
Histriadeportugal
 
História de portugal
História de portugalHistória de portugal
História de portugal
 
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
 
História De Portugal
História De PortugalHistória De Portugal
História De Portugal
 
Património Cultural - O caminho de Santiago - aula 4 - O caminho Português - ...
Património Cultural - O caminho de Santiago - aula 4 - O caminho Português - ...Património Cultural - O caminho de Santiago - aula 4 - O caminho Português - ...
Património Cultural - O caminho de Santiago - aula 4 - O caminho Português - ...
 
O Mundo Romano Origem E DifusãO Do Cristianismo
O Mundo Romano Origem E DifusãO Do CristianismoO Mundo Romano Origem E DifusãO Do Cristianismo
O Mundo Romano Origem E DifusãO Do Cristianismo
 
Património cultural o caminho de santiago aula 4 - o caminho português - ar...
Património cultural   o caminho de santiago aula 4 - o caminho português - ar...Património cultural   o caminho de santiago aula 4 - o caminho português - ar...
Património cultural o caminho de santiago aula 4 - o caminho português - ar...
 
Património cultural o caminho de santiago aula 3 - artur filipe dos santos ...
Património cultural   o caminho de santiago aula 3 - artur filipe dos santos ...Património cultural   o caminho de santiago aula 3 - artur filipe dos santos ...
Património cultural o caminho de santiago aula 3 - artur filipe dos santos ...
 
Aula 1a parte hc antiguidade
Aula  1a parte  hc antiguidadeAula  1a parte  hc antiguidade
Aula 1a parte hc antiguidade
 
Património cultural o caminho de santiago aula 1 - artur filipe dos santos ...
Património cultural   o caminho de santiago aula 1 - artur filipe dos santos ...Património cultural   o caminho de santiago aula 1 - artur filipe dos santos ...
Património cultural o caminho de santiago aula 1 - artur filipe dos santos ...
 
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do MosteiroFicha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
 
Património Cultural - O Caminho de Santiago - aula 1 - Artur Filipe dos Santo...
Património Cultural - O Caminho de Santiago - aula 1 - Artur Filipe dos Santo...Património Cultural - O Caminho de Santiago - aula 1 - Artur Filipe dos Santo...
Património Cultural - O Caminho de Santiago - aula 1 - Artur Filipe dos Santo...
 
Poster "Caminos de Santiago" EB 23S Aquilino Ribeiro_julio 2016
Poster "Caminos de Santiago" EB 23S Aquilino Ribeiro_julio 2016Poster "Caminos de Santiago" EB 23S Aquilino Ribeiro_julio 2016
Poster "Caminos de Santiago" EB 23S Aquilino Ribeiro_julio 2016
 
FICHA DE LEITURA - TURISMO
FICHA DE LEITURA - TURISMOFICHA DE LEITURA - TURISMO
FICHA DE LEITURA - TURISMO
 
História da igreja II
História da igreja IIHistória da igreja II
História da igreja II
 
Martyrs of Turkey; a history of Christian persecution in Anatolia-(Portuguese...
Martyrs of Turkey; a history of Christian persecution in Anatolia-(Portuguese...Martyrs of Turkey; a history of Christian persecution in Anatolia-(Portuguese...
Martyrs of Turkey; a history of Christian persecution in Anatolia-(Portuguese...
 
Ppt formação de portugal e dinastias
Ppt formação de portugal e dinastiasPpt formação de portugal e dinastias
Ppt formação de portugal e dinastias
 
História de portugal
História  de portugal   História  de portugal
História de portugal
 

Mais de Escola Luis de Freitas Branco

Aspectos da arte gótica
Aspectos da  arte góticaAspectos da  arte gótica
Aspectos da arte gótica
Escola Luis de Freitas Branco
 
A nova sensibilidade o gótico
A nova sensibilidade  o góticoA nova sensibilidade  o gótico
A nova sensibilidade o gótico
Escola Luis de Freitas Branco
 
Banda desenhada a partir do livro «theras e a sua cidade»
Banda desenhada a partir do livro «theras e a sua cidade»Banda desenhada a partir do livro «theras e a sua cidade»
Banda desenhada a partir do livro «theras e a sua cidade»
Escola Luis de Freitas Branco
 
Os faraós do antigo egipto
Os faraós do antigo egiptoOs faraós do antigo egipto
Os faraós do antigo egipto
Escola Luis de Freitas Branco
 
Gregos e Persas
Gregos e PersasGregos e Persas
Os faraós do antigo egipto
Os faraós do antigo egiptoOs faraós do antigo egipto
Os faraós do antigo egipto
Escola Luis de Freitas Branco
 
País rural e senhorial
País rural e senhorialPaís rural e senhorial
País rural e senhorial
Escola Luis de Freitas Branco
 
Os deuses gregos
Os deuses gregosOs deuses gregos
O egipto antigo
O egipto antigoO egipto antigo
Deuses da grécia antiga
Deuses da grécia antigaDeuses da grécia antiga
Deuses da grécia antiga
Escola Luis de Freitas Branco
 
Batalha de termópilas
Batalha de termópilasBatalha de termópilas
Batalha de termópilas
Escola Luis de Freitas Branco
 
Atenas e Esparta
Atenas e EspartaAtenas e Esparta
Pinturas rupestres pelo 7º B
Pinturas rupestres pelo 7º BPinturas rupestres pelo 7º B
Pinturas rupestres pelo 7º B
Escola Luis de Freitas Branco
 
Beatriz francisco
Beatriz franciscoBeatriz francisco
António eliseu
António eliseuAntónio eliseu
Pinturas rupestres por francisco meirinhos
Pinturas rupestres por francisco meirinhosPinturas rupestres por francisco meirinhos
Pinturas rupestres por francisco meirinhos
Escola Luis de Freitas Branco
 
Diogo Rufino
Diogo RufinoDiogo Rufino
Diogo rufino
Diogo rufinoDiogo rufino
O Egipto Antigo 97
O Egipto Antigo   97O Egipto Antigo   97
O Egipto Antigo 97
Escola Luis de Freitas Branco
 
ConheçA Ilda Pulga, O Busto Da RepúBlica Nuno GonçAlves
ConheçA Ilda Pulga, O Busto Da RepúBlica   Nuno GonçAlvesConheçA Ilda Pulga, O Busto Da RepúBlica   Nuno GonçAlves
ConheçA Ilda Pulga, O Busto Da RepúBlica Nuno GonçAlves
Escola Luis de Freitas Branco
 

Mais de Escola Luis de Freitas Branco (20)

Aspectos da arte gótica
Aspectos da  arte góticaAspectos da  arte gótica
Aspectos da arte gótica
 
A nova sensibilidade o gótico
A nova sensibilidade  o góticoA nova sensibilidade  o gótico
A nova sensibilidade o gótico
 
Banda desenhada a partir do livro «theras e a sua cidade»
Banda desenhada a partir do livro «theras e a sua cidade»Banda desenhada a partir do livro «theras e a sua cidade»
Banda desenhada a partir do livro «theras e a sua cidade»
 
Os faraós do antigo egipto
Os faraós do antigo egiptoOs faraós do antigo egipto
Os faraós do antigo egipto
 
Gregos e Persas
Gregos e PersasGregos e Persas
Gregos e Persas
 
Os faraós do antigo egipto
Os faraós do antigo egiptoOs faraós do antigo egipto
Os faraós do antigo egipto
 
País rural e senhorial
País rural e senhorialPaís rural e senhorial
País rural e senhorial
 
Os deuses gregos
Os deuses gregosOs deuses gregos
Os deuses gregos
 
O egipto antigo
O egipto antigoO egipto antigo
O egipto antigo
 
Deuses da grécia antiga
Deuses da grécia antigaDeuses da grécia antiga
Deuses da grécia antiga
 
Batalha de termópilas
Batalha de termópilasBatalha de termópilas
Batalha de termópilas
 
Atenas e Esparta
Atenas e EspartaAtenas e Esparta
Atenas e Esparta
 
Pinturas rupestres pelo 7º B
Pinturas rupestres pelo 7º BPinturas rupestres pelo 7º B
Pinturas rupestres pelo 7º B
 
Beatriz francisco
Beatriz franciscoBeatriz francisco
Beatriz francisco
 
António eliseu
António eliseuAntónio eliseu
António eliseu
 
Pinturas rupestres por francisco meirinhos
Pinturas rupestres por francisco meirinhosPinturas rupestres por francisco meirinhos
Pinturas rupestres por francisco meirinhos
 
Diogo Rufino
Diogo RufinoDiogo Rufino
Diogo Rufino
 
Diogo rufino
Diogo rufinoDiogo rufino
Diogo rufino
 
O Egipto Antigo 97
O Egipto Antigo   97O Egipto Antigo   97
O Egipto Antigo 97
 
ConheçA Ilda Pulga, O Busto Da RepúBlica Nuno GonçAlves
ConheçA Ilda Pulga, O Busto Da RepúBlica   Nuno GonçAlvesConheçA Ilda Pulga, O Busto Da RepúBlica   Nuno GonçAlves
ConheçA Ilda Pulga, O Busto Da RepúBlica Nuno GonçAlves
 

Viagens na idade média

  • 1. A difusão do Gosto e da prática das viagens na Idade Média
  • 2. Introdução Neste trabalho iremos falar sobre a importância, o gosto e a prática das viagens na Idade Média. Esperemos que gostem do trabalho e que aprendam qualquer coisa com ele.
  • 3. Idade Média A Idade Média ou Era Medieval foi um período da História da Europa que se caracteriza pela influência da Igreja na sociedade, que está dividida em três grupos sociais: clero , nobreza e povo . Ao clero cabia a função religiosa, é a classe culta e possui propriedades A nobreza é a classe guerreira, proprietária de terras, os títulos e propriedades são hereditários. O povo é a maioria da população que trabalha para as outras classes, constituído grande parte por servos.
  • 5. Viagens de negócio e missões político-diplomáticas Os mercadores desta época são grandes viajantes. Ir de viagem de negócios passou a ser nesta altura uma coisa normal, embora não tivessem livres de perigos e incómodos. Práticos e espontâneos, os mercadores cedo receberam conhecimentos essenciais para estas deslocações, aprendendo línguas , elaborando dicionários e guias de viagem .
  • 6. Muitas dessas viagens eram missões politico-diplomáticas em que comerciantes famosos reconhecidos desempenharam o papel de embaixadores das cortes da Europa. Era em Roma que se cruzavam os embaixadores de todas as nações porque ai se resolviam questões religiosas e conflitos políticos, já que o Papa desempenhava dois papeis: o de medianeiro entre os Estados e de juiz em matéria de Direito Internacional.
  • 7. Marco Polo e seus familiares, viajantes famosos da Idade Média
  • 8. Marco Polo Nascimento: 15/9/1254 Veneza Morte: 29/1/1324 Veneza Foi: mercador, embaixador e explorador. Foi dos primeiros Ocidentais a percorrer a Rota da Seda
  • 9.  
  • 10. Niccolo e Matteo Polo entregarem uma carta de Kublai Khan para o Papa Gregório X em 1271.
  • 11. Niccolo e Matteo em Bukhara. Eles foram convidados pelo enviado de Hulagu Khan (direita) a viajarem para o leste a para visitarem Kublai Khan.
  • 12. Chegada da família Polo a uma cidade da China
  • 13. Niccolò e Matteo Polo saindo de Constantinopla rumo ao Oriente em 1259. Página de Il Milione / As Viagens
  • 14. Estátua de Marco Polo em Hangzhou, China
  • 15. Romarias e Peregrinações A religião ajudou também a ultrapassar e a superar as dificuldades dos caminhos. Na Idade Média, a religião exprimia-se pela prática de actos rituais como: as orações , ofícios religiosos , a confissão , a penitência , os jejuns e as peregrinações . Todas elas eram obrigações a que deviam obedecer todos os que queriam a vida eterna.
  • 16. As Romarias são celebrações organizadas em honra de um santo sempre numa data fixa do ano. Atraiam numerosos fiéis, normalmente das proximidades, que vinham em grupos, maior parte das vezes a pé, demorando de um a vários dias. Quando chegavam ao santuário, os romeiros pagavam as suas promessas, participavam nas cerimónias religiosas, que tem sempre uma missa e uma procissão normalmente.
  • 17. Depois das celebrações aproveitavam a ocasião para realizar negócios (o que não era raro por estas coincidirem com as feiras), trocar noticias, cantar e bailar ao som dos instrumentos tradicionais. As romarias ficaram fortemente enraizadas nos hábitos das populações que persistiram até hoje animando os meses de Verão
  • 18. Romaria a Nossa Senhora da Saúde
  • 19.  
  • 20. As Peregrinações ganharam de novo importância no século XI. Para estas peregrinações partia-se em grupo ou individualmente por um caminho já escolhido. Todos participavam nesta tradição: homens, mulheres, crianças, velhos, doentes e sãos.
  • 21. Jerusalém - por ter sido o local da morte de Jesus. Roma - Local de residência do Papa e onde repousavam os restos do mártir São Pedro. Santiago de Compostela – onde, em meados do séc. IX, foi encontrado um túmulo identificado como sendo o do apóstolo São Tiago. Principais locais de peregrinação
  • 22.  
  • 23. Oração do Peregrino : Apóstolo Santiago, escolhido entre os primeiros, tu foste o primeiro a beber no cálice do senhor, e és o grande protector dos peregrinos; faz-nos fortes na fé e alegres na esperança, no nosso caminho de peregrinos seguindo o caminho da vida cristã e aleitamos para que finalmente, alcancemos a gloria de Deus Pai Amén
  • 24. Caminhos para Santiago Entre os vários caminhos, traçados desde a Idade Média, evidenciam-se: Caminho Francês - Que recebe entre outros a Via Podiensis e antes a Via Gebennensis,a partir de Saint-Jean-Pied-de-Port, entra na Espanha por Roncesvalles, no sopé dos Pirenéus, e de lá segue por cerca de 800 quilómetros até Compostela.
  • 25.  
  • 26. Caminho Português – A maior parte dos caminhos portugueses entroncam em Valença do Minho, onde se fazia (faz) a travessia da fronteira para e daí prolonga-se por mais 130 quilómetros. Do lado português, os percursos mais usados são: Fátima, Porto, Barcelos e Braga.
  • 27. Caminho Inglês – parte de Ferrol ou da Corunha, prolongando-se até 120 quilómetros. Apareceu a partir dos peregrinos das ilhas britânicas que, por causa da Guerra dos Cem Anos, não podiam atravessar a França com segurança e assim viajavam de barco até à Galiza, seguindo a pé até Compostela.
  • 28. Conclusão Com este trabalho aprendemos mais acerca da importância das viagens na Idade Média e ficámos a perceber melhor a origem das Peregrinações e especialmente das Romarias. Gostámos de realizar este trabalho
  • 29. Bibliografia Para fazer a pesquisa deste trabalho utilizámos o manual de História “O Tempo da História,” 2ª parte, da autoria de Célia Pinto do Couto e Maria Antónia Monterroso Rosas. http://pt.wikipedia.org/wiki/Marco_Polo http://pt.wikipedia.org/wiki/Caminhos_de_Santiago
  • 30. Autores Marcelo Domingues nº20 10ºD Nuno Gonçalves nº24 10ºD Pedro Norberto nº25 10ºD Rita Santo nº27 10ºD