SlideShare uma empresa Scribd logo
Curso Teórico-Prático
de Medicina Intensiva
Unidade de Cuidados Intensivos
Hospital São Lucas Copacabana
   Durante a ventilação espontânea os músculos respiratórios
    geram uma pressão que produz fluxo e volume contra as
    propriedades resistivas e elásticas do sistema respiratório

     Pmus= Pres+Pel
   O suporte ventilatório é necessário quando um processo
    patológico ou intervenção farmacológica:
     Prejudica a capacidade dos músculos respiratórios de
      gerar Pmus suficiente
     Aumenta a demanda ventilatória além da capacidade
      muscular
     Aumenta o trabalho associado à respiração
   O ventilador       aplica uma pressão “positiva” (supra-
     atmosférica) que gera um gradiente entre entre a abertura
     das vias aéreas e os alvéolos, resultando em um fluxo
     “positivo” (dirigido do ventilador ao paciente)
Pmus+Papl= Pres+Pel
   Volume assisto-controlado (VCV)

   Pressão assisto-controlada (PCV)

   Suporte de pressão (PSV)

   Ventilação mandatória intermitente sincronizada
    (SIMV)
   Disparo:
     Inicia a ventilação

   Limite:
     Determina a amplitide da respiração

   Ciclagem
     Determina a interrupção da inspiração e início da
      expiração
   A ventilação com volume controlado assegura que o doente
    recebe um determinado volume corrente pré-programado
    de acordo com um fluxo e tempo inspiratórios pré-
    programados
   Disparo
     Tempo (controlada)
     Pressão, fluxo (assistida)

   Limite
     Volume, fluxo

   Ciclagem
     Volume, tempo

*Variável dependente: Pressão inspiratória
   Vantagens
     Habilidade de controlar o volume corrente:
      ▪ Controle da PaCO2 (ex: hipertensão intracraniana)
      ▪ Alvo de volume corrente (ex:SARA)

   Limitações
     Sincronismo em pacientes com ventilação ativa
     Ausência de controle sobre as pressões inspiratórias
   A ventilação com pressão controlada assegura um nível de
    pressão inspiratória pré-programada constante durante um
    tempo inspiratório pré-programado
   Disparo
     Tempo (controlada)
     Pressão, fluxo (assistida)

   Limite
     Pressão

   Ciclagem
     Tempo

*Variáveis dependentes: Volume, fluxo
   Vantagens
     Limita a pressão aplicada aos alvéolos : menor risco de
      lesão (?)
     Fuxo variável: melhor sincronismo
     Padrão de fluxo decrescente: maior recrutamento alveolar

   Desvantagens
     Volume corrente não é garantido: risco de hipoventilação
   A ventilação com suporte de pressão assegura um nível de
    pressão inspiratória pré-programada constante durante a
    inspiração. O frequência e o tempo da inspiração são
    determinados pelo paciente
   Disparo
     Pressão, fluxo

   Limite
     Pressão

   Ciclagem
     Fluxo

*Variáveis dependentes: Volume, fluxo
   Vantagens
     Auxilia no desmame do ventilador
     Melhor sincronismo em pacientes ventilando ativamente

   Limitações
     Volume corrente não é garantido
     Requer atividade respiratória do paciente
   A SIMV combina ventilações assisto -controladas em uma
    frequência pré-programada com períodos de ventilação
    espontânea
   Demonstrou-se pouco eficaz como estratégia de
    desmame

   Problemas com o sincronismo
   Recrutamento de unidades
    alveolares:↓ shunt
                               ZEEP
     SARA
     Edema agudo de pulmão
     Profiático?
     Fisiológico?
                               PEEP
Potenciais efeitos danosos associados à ventilação com pressão positiva

   Hemodinâmica
      Redução do débito cardíaco e hipotensão

   Pulmões
      Barotrauma
      Injúria pulmonar iduzida pelo ventilador (VILI)
      Auto-PEEP
      Pneumonia associada à VM

   Troca gasosa
      Pode aumentar o espaço morto (compressão de capilares)
      Shunt (redirecionamento do fluxo sanguíneo para regiões doentes)
   Redução da pré-carga
     ↑Pressão pleural :↓Retorno
      venoso
     ↑ Resistência vascular pulmonar
     Compressão da veia cava

   Redução da pós -carga
     ↑ Pressão extra-mural

   Débito cardíaco
     ↓ Se hipovolemia
     ↑ Se normovolemia
Mecanismos reconhecidos de injúria alveolar
Extravasamento gasoso
Barotrauma
Pneumothorax   Tension Cysts
   Toxicidade pelo oxigênio
     Dano oxidativo em membranas
      celulares, inativação de enzimas ,
      alteração do metabolismo celular,
      inflamação

   FiO2 “segura”: < 0,5 (?)
   Não existem evidências conclusivas demonstrando a
    superioridade de um modo ventilatório sobre os outros

   Algumas situações clínicas requerem estratégias ventilatórias
    específicas (ex: SARA, DPOC)

   Os principais determinantes prognósticos relacionados à
    ventilação mecânica são a prevenção de complicações
    associadas e a limitação do seu uso
   O volume corrente alvo deve ser calculado de acordo com o
    peso ideal:
     Homem: 50 + 0.91 [altura (cm) - 152.4]
     Mulher: 45.5 + 0.91 [altura (cm) - 152.4]
A pressão de platô correlaciona-se com a pressão de retração
elástica dos pulmões e da caixa torácica e pode ser usada como um
marcador da distensão alveolar
A diferença entre a pressão de pico e a pressão de platô correlaciona-se
com a resistência das vias aéreas
A diferença entre a pressão de pico e a pressão de platô correlaciona-se
com a resistência das vias aéreas
   Volume corrente 6-8 ml/kg (peso ideal)

   Pressão de platô < 30

   Pressão do balonete do tubo endotraqueal: 20 a 30 cmH2O

   Reduza a FiO2 se SpO2 >90%
   Volume assisto-controlado (VCV)
   Pressão assisto-controlada (PCV)
   Suporte de presão (PSV)
Iv curso teórico prático vm i

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula I Rp A E Vm
Aula I Rp A E VmAula I Rp A E Vm
Aula I Rp A E Vm
galegoo
 
Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica
Mariana Artuni Rossi
 
Vm
VmVm
Pletismografia
PletismografiaPletismografia
Pletismografia
Flávia Salame
 
Noçoes de ventilação mecânica
Noçoes de ventilação mecânicaNoçoes de ventilação mecânica
Noçoes de ventilação mecânica
helciofonteles
 
ventilação mecanica fácil
ventilação mecanica fácilventilação mecanica fácil
ventilação mecanica fácil
Sandra Regina
 
Interpretação de curvas e loops em ventilação mecânica
Interpretação de curvas e loops em ventilação mecânicaInterpretação de curvas e loops em ventilação mecânica
Interpretação de curvas e loops em ventilação mecânica
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Ventilação mecânica não invasiva
Ventilação mecânica não invasivaVentilação mecânica não invasiva
Ventilação mecânica não invasiva
Luiz Jorge Mendonça
 
Monitorização Ventilatória
Monitorização VentilatóriaMonitorização Ventilatória
Monitorização Ventilatória
labap
 
Aula ventilação mecânica
Aula   ventilação mecânicaAula   ventilação mecânica
Aula ventilação mecânica
Delciane Ferreira
 
Apostila ventilação mecânica
Apostila ventilação mecânicaApostila ventilação mecânica
Apostila ventilação mecânica
Natha Fisioterapia
 
Ventilação Mecânica 2013: tópicos especiais
Ventilação Mecânica 2013: tópicos especiaisVentilação Mecânica 2013: tópicos especiais
Ventilação Mecânica 2013: tópicos especiais
Yuri Assis
 
Vm em pediatria
Vm em pediatriaVm em pediatria
Vm em pediatria
Carlos Lima
 
Aula vm 1
Aula vm 1Aula vm 1
Iv curso teórico prático vni
Iv curso teórico prático vniIv curso teórico prático vni
Iv curso teórico prático vni
ctisaolucascopacabana
 
Princípios da Assistência Ventilatória - UTI
Princípios da Assistência Ventilatória - UTIPrincípios da Assistência Ventilatória - UTI
Princípios da Assistência Ventilatória - UTI
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Interpretação de curvas na vm
 Interpretação de curvas na vm Interpretação de curvas na vm
Ventilação Mecânica
Ventilação MecânicaVentilação Mecânica
Ventilação Mecânica
Abilio Cardoso Teixeira
 
Zb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanicaZb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanica
terezinha1932
 
4ª aula de pneumo
4ª aula de pneumo4ª aula de pneumo
4ª aula de pneumo
Alexander Da Silva Pereira
 

Mais procurados (20)

Aula I Rp A E Vm
Aula I Rp A E VmAula I Rp A E Vm
Aula I Rp A E Vm
 
Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica
 
Vm
VmVm
Vm
 
Pletismografia
PletismografiaPletismografia
Pletismografia
 
Noçoes de ventilação mecânica
Noçoes de ventilação mecânicaNoçoes de ventilação mecânica
Noçoes de ventilação mecânica
 
ventilação mecanica fácil
ventilação mecanica fácilventilação mecanica fácil
ventilação mecanica fácil
 
Interpretação de curvas e loops em ventilação mecânica
Interpretação de curvas e loops em ventilação mecânicaInterpretação de curvas e loops em ventilação mecânica
Interpretação de curvas e loops em ventilação mecânica
 
Ventilação mecânica não invasiva
Ventilação mecânica não invasivaVentilação mecânica não invasiva
Ventilação mecânica não invasiva
 
Monitorização Ventilatória
Monitorização VentilatóriaMonitorização Ventilatória
Monitorização Ventilatória
 
Aula ventilação mecânica
Aula   ventilação mecânicaAula   ventilação mecânica
Aula ventilação mecânica
 
Apostila ventilação mecânica
Apostila ventilação mecânicaApostila ventilação mecânica
Apostila ventilação mecânica
 
Ventilação Mecânica 2013: tópicos especiais
Ventilação Mecânica 2013: tópicos especiaisVentilação Mecânica 2013: tópicos especiais
Ventilação Mecânica 2013: tópicos especiais
 
Vm em pediatria
Vm em pediatriaVm em pediatria
Vm em pediatria
 
Aula vm 1
Aula vm 1Aula vm 1
Aula vm 1
 
Iv curso teórico prático vni
Iv curso teórico prático vniIv curso teórico prático vni
Iv curso teórico prático vni
 
Princípios da Assistência Ventilatória - UTI
Princípios da Assistência Ventilatória - UTIPrincípios da Assistência Ventilatória - UTI
Princípios da Assistência Ventilatória - UTI
 
Interpretação de curvas na vm
 Interpretação de curvas na vm Interpretação de curvas na vm
Interpretação de curvas na vm
 
Ventilação Mecânica
Ventilação MecânicaVentilação Mecânica
Ventilação Mecânica
 
Zb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanicaZb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanica
 
4ª aula de pneumo
4ª aula de pneumo4ª aula de pneumo
4ª aula de pneumo
 

Destaque

Sistema VentilatóRio
Sistema VentilatóRioSistema VentilatóRio
Sistema VentilatóRio
kazumialexandre
 
Desmame Ventilatório
Desmame VentilatórioDesmame Ventilatório
Desmame Ventilatório
Fábio Falcão
 
0 Sistema Respiratorio Tc 0809
0 Sistema Respiratorio Tc 08090 Sistema Respiratorio Tc 0809
0 Sistema Respiratorio Tc 0809
Teresa Monteiro
 
Oxigenoterapia
Oxigenoterapia Oxigenoterapia
Oxigenoterapia
resenfe2013
 
Modos ventilatórios
 Modos ventilatórios  Modos ventilatórios
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de AlmeidaOxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
José Alexandre Pires de Almeida
 
Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013
Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013
Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013
resenfe2013
 
Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapia
Rodrigo Abreu
 

Destaque (8)

Sistema VentilatóRio
Sistema VentilatóRioSistema VentilatóRio
Sistema VentilatóRio
 
Desmame Ventilatório
Desmame VentilatórioDesmame Ventilatório
Desmame Ventilatório
 
0 Sistema Respiratorio Tc 0809
0 Sistema Respiratorio Tc 08090 Sistema Respiratorio Tc 0809
0 Sistema Respiratorio Tc 0809
 
Oxigenoterapia
Oxigenoterapia Oxigenoterapia
Oxigenoterapia
 
Modos ventilatórios
 Modos ventilatórios  Modos ventilatórios
Modos ventilatórios
 
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de AlmeidaOxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
 
Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013
Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013
Oxigenoterapia apresentaçao 03.04.2013
 
Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapia
 

Semelhante a Iv curso teórico prático vm i

42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
LuizPiedade1
 
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdfPonto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
Maycon Duarte
 
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de EnfermagemVentilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
pryloock
 
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
ThyagoSouza17
 
1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf
GlriaBorges3
 
Ventilação Não Invasiva
Ventilação Não InvasivaVentilação Não Invasiva
Ventilação Não Invasiva
José Alexandre Pires de Almeida
 
Supl18 diretrizes função
Supl18 diretrizes funçãoSupl18 diretrizes função
Supl18 diretrizes função
Shirley Lima Campos
 
ventilacao-mecanica-como-iniciar (2).pdf
ventilacao-mecanica-como-iniciar (2).pdfventilacao-mecanica-como-iniciar (2).pdf
ventilacao-mecanica-como-iniciar (2).pdf
NaldoCastro7
 
Aula de ventilação mecânica
Aula de ventilação mecânicaAula de ventilação mecânica
Aula de ventilação mecânica
Jaime Fernandes
 
SDRA- Consenso de VM SBPT 2007
SDRA- Consenso de VM SBPT 2007SDRA- Consenso de VM SBPT 2007
SDRA- Consenso de VM SBPT 2007
Flávia Salame
 
Sdra consenso vm
Sdra consenso vmSdra consenso vm
Sdra consenso vm
Flávia Salame
 
Iv curso teórico prático vm ii situações especiais
Iv curso teórico prático vm ii   situações especiaisIv curso teórico prático vm ii   situações especiais
Iv curso teórico prático vm ii situações especiais
ctisaolucascopacabana
 
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
THIALYMARIASILVADACU
 
Ventilação.pptx
Ventilação.pptxVentilação.pptx
Ventilação.pptx
LuizPiedade1
 
Aula nava (2hrs)
Aula nava (2hrs)Aula nava (2hrs)
Aula nava (2hrs)
JooSouza139
 
AULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
AULA AVM - ENFERMAGEM.pptAULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
AULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
VILMARZAHN
 
Ventilação Pulmonar Mecânica
Ventilação Pulmonar MecânicaVentilação Pulmonar Mecânica
Ventilação Pulmonar Mecânica
Luciana Abeche
 
Curso 42
Curso 42Curso 42
VENTILADORES PULMONARES - INCUBADORAS.pdf
VENTILADORES PULMONARES  - INCUBADORAS.pdfVENTILADORES PULMONARES  - INCUBADORAS.pdf
VENTILADORES PULMONARES - INCUBADORAS.pdf
CASA
 
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPPOxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Ivanilson Gomes
 

Semelhante a Iv curso teórico prático vm i (20)

42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
 
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdfPonto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
 
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de EnfermagemVentilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
 
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
 
1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf
 
Ventilação Não Invasiva
Ventilação Não InvasivaVentilação Não Invasiva
Ventilação Não Invasiva
 
Supl18 diretrizes função
Supl18 diretrizes funçãoSupl18 diretrizes função
Supl18 diretrizes função
 
ventilacao-mecanica-como-iniciar (2).pdf
ventilacao-mecanica-como-iniciar (2).pdfventilacao-mecanica-como-iniciar (2).pdf
ventilacao-mecanica-como-iniciar (2).pdf
 
Aula de ventilação mecânica
Aula de ventilação mecânicaAula de ventilação mecânica
Aula de ventilação mecânica
 
SDRA- Consenso de VM SBPT 2007
SDRA- Consenso de VM SBPT 2007SDRA- Consenso de VM SBPT 2007
SDRA- Consenso de VM SBPT 2007
 
Sdra consenso vm
Sdra consenso vmSdra consenso vm
Sdra consenso vm
 
Iv curso teórico prático vm ii situações especiais
Iv curso teórico prático vm ii   situações especiaisIv curso teórico prático vm ii   situações especiais
Iv curso teórico prático vm ii situações especiais
 
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
 
Ventilação.pptx
Ventilação.pptxVentilação.pptx
Ventilação.pptx
 
Aula nava (2hrs)
Aula nava (2hrs)Aula nava (2hrs)
Aula nava (2hrs)
 
AULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
AULA AVM - ENFERMAGEM.pptAULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
AULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
 
Ventilação Pulmonar Mecânica
Ventilação Pulmonar MecânicaVentilação Pulmonar Mecânica
Ventilação Pulmonar Mecânica
 
Curso 42
Curso 42Curso 42
Curso 42
 
VENTILADORES PULMONARES - INCUBADORAS.pdf
VENTILADORES PULMONARES  - INCUBADORAS.pdfVENTILADORES PULMONARES  - INCUBADORAS.pdf
VENTILADORES PULMONARES - INCUBADORAS.pdf
 
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPPOxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
 

Mais de ctisaolucascopacabana

Mercredi intensif 27 fevereiro 2013
Mercredi intensif 27 fevereiro 2013Mercredi intensif 27 fevereiro 2013
Mercredi intensif 27 fevereiro 2013
ctisaolucascopacabana
 
Caso clinico
Caso clinicoCaso clinico
Caso clinico
ctisaolucascopacabana
 
Qual é o seu diagnostico 2
Qual é o seu diagnostico 2Qual é o seu diagnostico 2
Qual é o seu diagnostico 2
ctisaolucascopacabana
 
Sessão clínica do cti hsl 2 06
Sessão clínica do  cti hsl   2 06Sessão clínica do  cti hsl   2 06
Sessão clínica do cti hsl 2 06
ctisaolucascopacabana
 
Emergências oncologias
Emergências oncologiasEmergências oncologias
Emergências oncologias
ctisaolucascopacabana
 
O que temos feito para prevenir e tratar[1]
O que temos feito para prevenir e tratar[1]O que temos feito para prevenir e tratar[1]
O que temos feito para prevenir e tratar[1]
ctisaolucascopacabana
 
Scr bild
Scr bildScr bild
Monitorização neurologica
Monitorização neurologicaMonitorização neurologica
Monitorização neurologica
ctisaolucascopacabana
 
Ultrassonografia na uti
Ultrassonografia na utiUltrassonografia na uti
Ultrassonografia na uti
ctisaolucascopacabana
 
Sessão clinica
Sessão clinicaSessão clinica
Sessão clinica
ctisaolucascopacabana
 
Emergências oncologias
Emergências oncologiasEmergências oncologias
Emergências oncologias
ctisaolucascopacabana
 
Iv curso teórico prático - monitorização neurológica avançada
Iv curso teórico prático - monitorização neurológica avançadaIv curso teórico prático - monitorização neurológica avançada
Iv curso teórico prático - monitorização neurológica avançada
ctisaolucascopacabana
 
Sessão trale
Sessão traleSessão trale
Sessão trale
ctisaolucascopacabana
 
Medicina transfusional _-_cti[1]
Medicina transfusional _-_cti[1]Medicina transfusional _-_cti[1]
Medicina transfusional _-_cti[1]
ctisaolucascopacabana
 
Ruptura de cisto hepático infectado
Ruptura de cisto hepático infectadoRuptura de cisto hepático infectado
Ruptura de cisto hepático infectado
ctisaolucascopacabana
 
Ruptura de cisto hepático infectado
Ruptura de cisto hepático infectadoRuptura de cisto hepático infectado
Ruptura de cisto hepático infectado
ctisaolucascopacabana
 
Ruptura de cisto hepático infectado para congresso
Ruptura de cisto hepático infectado para congressoRuptura de cisto hepático infectado para congresso
Ruptura de cisto hepático infectado para congresso
ctisaolucascopacabana
 
Sedação e analgesia e delirio
Sedação e analgesia e delirioSedação e analgesia e delirio
Sedação e analgesia e delirio
ctisaolucascopacabana
 
Ruptura de cisto hepático infectado
Ruptura de cisto hepático infectadoRuptura de cisto hepático infectado
Ruptura de cisto hepático infectado
ctisaolucascopacabana
 
Sedação e analgesia e delirio
Sedação e analgesia e delirioSedação e analgesia e delirio
Sedação e analgesia e delirio
ctisaolucascopacabana
 

Mais de ctisaolucascopacabana (20)

Mercredi intensif 27 fevereiro 2013
Mercredi intensif 27 fevereiro 2013Mercredi intensif 27 fevereiro 2013
Mercredi intensif 27 fevereiro 2013
 
Caso clinico
Caso clinicoCaso clinico
Caso clinico
 
Qual é o seu diagnostico 2
Qual é o seu diagnostico 2Qual é o seu diagnostico 2
Qual é o seu diagnostico 2
 
Sessão clínica do cti hsl 2 06
Sessão clínica do  cti hsl   2 06Sessão clínica do  cti hsl   2 06
Sessão clínica do cti hsl 2 06
 
Emergências oncologias
Emergências oncologiasEmergências oncologias
Emergências oncologias
 
O que temos feito para prevenir e tratar[1]
O que temos feito para prevenir e tratar[1]O que temos feito para prevenir e tratar[1]
O que temos feito para prevenir e tratar[1]
 
Scr bild
Scr bildScr bild
Scr bild
 
Monitorização neurologica
Monitorização neurologicaMonitorização neurologica
Monitorização neurologica
 
Ultrassonografia na uti
Ultrassonografia na utiUltrassonografia na uti
Ultrassonografia na uti
 
Sessão clinica
Sessão clinicaSessão clinica
Sessão clinica
 
Emergências oncologias
Emergências oncologiasEmergências oncologias
Emergências oncologias
 
Iv curso teórico prático - monitorização neurológica avançada
Iv curso teórico prático - monitorização neurológica avançadaIv curso teórico prático - monitorização neurológica avançada
Iv curso teórico prático - monitorização neurológica avançada
 
Sessão trale
Sessão traleSessão trale
Sessão trale
 
Medicina transfusional _-_cti[1]
Medicina transfusional _-_cti[1]Medicina transfusional _-_cti[1]
Medicina transfusional _-_cti[1]
 
Ruptura de cisto hepático infectado
Ruptura de cisto hepático infectadoRuptura de cisto hepático infectado
Ruptura de cisto hepático infectado
 
Ruptura de cisto hepático infectado
Ruptura de cisto hepático infectadoRuptura de cisto hepático infectado
Ruptura de cisto hepático infectado
 
Ruptura de cisto hepático infectado para congresso
Ruptura de cisto hepático infectado para congressoRuptura de cisto hepático infectado para congresso
Ruptura de cisto hepático infectado para congresso
 
Sedação e analgesia e delirio
Sedação e analgesia e delirioSedação e analgesia e delirio
Sedação e analgesia e delirio
 
Ruptura de cisto hepático infectado
Ruptura de cisto hepático infectadoRuptura de cisto hepático infectado
Ruptura de cisto hepático infectado
 
Sedação e analgesia e delirio
Sedação e analgesia e delirioSedação e analgesia e delirio
Sedação e analgesia e delirio
 

Iv curso teórico prático vm i

  • 1. Curso Teórico-Prático de Medicina Intensiva Unidade de Cuidados Intensivos Hospital São Lucas Copacabana
  • 2. Durante a ventilação espontânea os músculos respiratórios geram uma pressão que produz fluxo e volume contra as propriedades resistivas e elásticas do sistema respiratório Pmus= Pres+Pel
  • 3. O suporte ventilatório é necessário quando um processo patológico ou intervenção farmacológica:  Prejudica a capacidade dos músculos respiratórios de gerar Pmus suficiente  Aumenta a demanda ventilatória além da capacidade muscular  Aumenta o trabalho associado à respiração
  • 4. O ventilador aplica uma pressão “positiva” (supra- atmosférica) que gera um gradiente entre entre a abertura das vias aéreas e os alvéolos, resultando em um fluxo “positivo” (dirigido do ventilador ao paciente) Pmus+Papl= Pres+Pel
  • 5.
  • 6. Volume assisto-controlado (VCV)  Pressão assisto-controlada (PCV)  Suporte de pressão (PSV)  Ventilação mandatória intermitente sincronizada (SIMV)
  • 7. Disparo:  Inicia a ventilação  Limite:  Determina a amplitide da respiração  Ciclagem  Determina a interrupção da inspiração e início da expiração
  • 8. A ventilação com volume controlado assegura que o doente recebe um determinado volume corrente pré-programado de acordo com um fluxo e tempo inspiratórios pré- programados
  • 9. Disparo  Tempo (controlada)  Pressão, fluxo (assistida)  Limite  Volume, fluxo  Ciclagem  Volume, tempo *Variável dependente: Pressão inspiratória
  • 10.
  • 11.
  • 12. Vantagens  Habilidade de controlar o volume corrente: ▪ Controle da PaCO2 (ex: hipertensão intracraniana) ▪ Alvo de volume corrente (ex:SARA)  Limitações  Sincronismo em pacientes com ventilação ativa  Ausência de controle sobre as pressões inspiratórias
  • 13. A ventilação com pressão controlada assegura um nível de pressão inspiratória pré-programada constante durante um tempo inspiratório pré-programado
  • 14. Disparo  Tempo (controlada)  Pressão, fluxo (assistida)  Limite  Pressão  Ciclagem  Tempo *Variáveis dependentes: Volume, fluxo
  • 15.
  • 16. Vantagens  Limita a pressão aplicada aos alvéolos : menor risco de lesão (?)  Fuxo variável: melhor sincronismo  Padrão de fluxo decrescente: maior recrutamento alveolar  Desvantagens  Volume corrente não é garantido: risco de hipoventilação
  • 17.
  • 18. A ventilação com suporte de pressão assegura um nível de pressão inspiratória pré-programada constante durante a inspiração. O frequência e o tempo da inspiração são determinados pelo paciente
  • 19. Disparo  Pressão, fluxo  Limite  Pressão  Ciclagem  Fluxo *Variáveis dependentes: Volume, fluxo
  • 20.
  • 21.
  • 22. Vantagens  Auxilia no desmame do ventilador  Melhor sincronismo em pacientes ventilando ativamente  Limitações  Volume corrente não é garantido  Requer atividade respiratória do paciente
  • 23. A SIMV combina ventilações assisto -controladas em uma frequência pré-programada com períodos de ventilação espontânea
  • 24.
  • 25. Demonstrou-se pouco eficaz como estratégia de desmame  Problemas com o sincronismo
  • 26.
  • 27. Recrutamento de unidades alveolares:↓ shunt ZEEP  SARA  Edema agudo de pulmão  Profiático?  Fisiológico? PEEP
  • 28. Potenciais efeitos danosos associados à ventilação com pressão positiva  Hemodinâmica  Redução do débito cardíaco e hipotensão  Pulmões  Barotrauma  Injúria pulmonar iduzida pelo ventilador (VILI)  Auto-PEEP  Pneumonia associada à VM  Troca gasosa  Pode aumentar o espaço morto (compressão de capilares)  Shunt (redirecionamento do fluxo sanguíneo para regiões doentes)
  • 29. Redução da pré-carga  ↑Pressão pleural :↓Retorno venoso  ↑ Resistência vascular pulmonar  Compressão da veia cava  Redução da pós -carga  ↑ Pressão extra-mural  Débito cardíaco  ↓ Se hipovolemia  ↑ Se normovolemia
  • 30. Mecanismos reconhecidos de injúria alveolar
  • 32. Pneumothorax Tension Cysts
  • 33.
  • 34. Toxicidade pelo oxigênio  Dano oxidativo em membranas celulares, inativação de enzimas , alteração do metabolismo celular, inflamação  FiO2 “segura”: < 0,5 (?)
  • 35.
  • 36. Não existem evidências conclusivas demonstrando a superioridade de um modo ventilatório sobre os outros  Algumas situações clínicas requerem estratégias ventilatórias específicas (ex: SARA, DPOC)  Os principais determinantes prognósticos relacionados à ventilação mecânica são a prevenção de complicações associadas e a limitação do seu uso
  • 37. O volume corrente alvo deve ser calculado de acordo com o peso ideal:  Homem: 50 + 0.91 [altura (cm) - 152.4]  Mulher: 45.5 + 0.91 [altura (cm) - 152.4]
  • 38. A pressão de platô correlaciona-se com a pressão de retração elástica dos pulmões e da caixa torácica e pode ser usada como um marcador da distensão alveolar
  • 39. A diferença entre a pressão de pico e a pressão de platô correlaciona-se com a resistência das vias aéreas
  • 40. A diferença entre a pressão de pico e a pressão de platô correlaciona-se com a resistência das vias aéreas
  • 41.
  • 42. Volume corrente 6-8 ml/kg (peso ideal)  Pressão de platô < 30  Pressão do balonete do tubo endotraqueal: 20 a 30 cmH2O  Reduza a FiO2 se SpO2 >90%
  • 43. Volume assisto-controlado (VCV)
  • 44. Pressão assisto-controlada (PCV)
  • 45. Suporte de presão (PSV)