SlideShare uma empresa Scribd logo
PECUÁRIA DE CORTE

CRIA
DE BEZERROS DE CORTE

Adm. Esp. Allen F. Ferreira
(68) 9202-0374
INTRODUÇÃO
TAXA DE DESMAME

1º índice a ser trabalhado

% de bezerros desmamados
em relação aos nascidos

deve ser próximo de 100%

TAXA DE DESMAME
PESO A DESMAMA
fundamental para a cria
atingir o quanto antes o peso
de abate
PRIMÍPARAS
Primeira gestação com menor
idade possível

É dado pelo percentual de bezerros
que chegaram a idade de desmama em
relação ao total de vacas em idade de
reprodução em propriedade. A taxa
ideal é de 97,5%.
uma cria a mais pode significar até
20% do que a matriz poderia oferecer
em toda a sua vida útil.
INTRODUÇÃO
MANEJO NA CRIA











Parto
Colostro
Cura do umbigo
Descorna
Bezerros órfãos
Identificação
Registro
Nutrição
Sanidade
Desmama

ATENÇÃO
Variações repentinas na taxa de
desmama de um ano para outro, num
mesmo rebanho, indica problemas de
manejo. Vacas com baixa taxa de
desmama
crônica
devem
ter
prioridade de descarte.
CUIDADOS AO PARTO








Taxa de natalidade
Taxa de desmame
Nasc. saudável
Pasto maternidade
Partos complexos
Escolha do reprodutor

Indica o nº de bezerros nascidos,
em relação ao nº de vacas do
rebanho. 82% é um índice tido
com aceitável.

Comparando a taxa de natalidade
e a taxa de prenhes, temos o
porcentual de perda de bezerros
durante a gestação.
MANEJO DO BEZERRO
COLOSTRO

CURA DO UMBIGO

Após o nascimento o bezerro deve
mamar o colostro no máx. em 12
horas. Alimento rico em minerais,
enzimas e proteínas, ligeiramente
laxativo, antitóxico e energético.

Deve ser feita após a primeira
mamada do colostro, cortando o
cordão umbilical com tesoura
desinfetada e a extremidade que
sobra mergulhar em álcool iodado,
deve ser repetido nos 2d seguintes.

SANIDADE
O animal deve ser vermifugado
com
invermectina, nos dois
primeiros dias e repetir 30 dias
após.

DESCORNA
Após 45 dias, deve ser feita
descorna/mocheação.

a
IDENTIFICAÇÃO E REGISTRO
TIPOS DE IDENTIFICAÇÃO





Tatuagens
Brincos plásticos
Marca a fogo
Transponder

Transponder necessita maior
manejo

Tatuagens  marcação básica e
indispensável (3º ao 30º mês)
Brincos plásticos  visualização
fácil
Marca à fogo  muito usada;
danifica o couro. (idade mínima de
2 a 3 semanas)

Círculos 11cm
MANEJO NUTRICIONAL
DESMAMA – 7 E 8 MESES
Tem como principal objetivos
desmamar os bezerros com maior
peso possível.
TÉCNICAS







4 a 5 semanas  leite
30 dias  pasto
60 dias  leite é o principal
90 dias  forragem
Mistura mineral  adequada
Suplementos concentrados
Leite  10% peso vivo

PRECOCE – 150 KG
SUPERPRECOCE – 210 KG
DIFERENÇA 60KG
SUPLEMENTO
CREEP FEEDING

CREEP CRAZING

 Área cercada reservada ao
acesso apenas dos bezerros, com
suplementação em cocho.
SUPLEMENTO
 A suplementação para os
bezerros combinado com o leite da
mãe pode garantir níveis acima de
1kg ao dia, com essa técnica será
possível desmamar um bezerro
com aproximadamente 250kg.

 Área cercada com melhor
disponibilidade
de
forragem,
reservada ao acesso apenas dos
bezerros

75 a 80% de NDT
18 e 20% PB
Ideal 1kg/dia
120 dias

MÉDIA – 150 KG
SUPERPRECOCE – 210 KG
DIFERENÇA 60KG/4@
SANIDADE
 Estação de monta  seca
 Mamada do colostro
 Cura do umbigo
CALENDÁRIO PROFILÁTICO
 Paratifo  15 a 21 dias
 Brucelose  fêmeas 3º ao 8º mês
 Bezerros: 1ª dose dos 4-6 meses;
2ª dose, 6 meses após a 1ª dose.
 A partir do 4º mês de idade.
Repetir anualmente
 Carrapatos
 Verminoses
 Viroses
 Febre aftosa  calendário

REPRESENTA 70%
DESMAMA
CALENDÁRIO DE NASCIMENTO

DESMAMA

ESTAÇÃO DE MONTA

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

De 7 a 8 meses o bezerro já é
capaz de utilizar a forragem,
idade para o desmame.

JAN

OUT

NOV

DEZ

CALENDÁRIO DE DESMAMA

JAN

FEV

MAR

ABR

JAN

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

JUL

AGO

MAI

JUN

JUL

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

SET

OUT

NOV

DEZ
DESMAMA
DESMAMA
O desmame é feito de forma
abrupta, as vacas são apartadas
e levadas para outro pasto.
ESTRESSE

Para reduzir o estresse dos
bezerros tem que ter forragem
de qualidade (coast cross e
tifítons), pode ser fornecido
suplemento utilizado no creep
feeding.
ATENÇÃO
A desmama precoce pode
aumentar a taxa de mortalidade

ATENÇÃO
Não pode faltar água e sal
mineral
ALTERNATIVAS
 Pasto da cria
 Pasto vizinho as mães
 Presença de vacas adultas
(madrinhas) solteiras, um mês
após a desmama podem ser
retiradas
 Evitar transportes - 30 dias
DESMAMA PRECOCE
DESMAMA PRECOCE
Pode ser feita em animais com
idade de 90 a 120 dias.

Suplementação
com
ração
concentrada até 5-6 meses de
idade

Peso mínimo de 90kg
1 mês antes
suplementados
feeding

devem ser
com
creep

Lote separado
exclusivo
de
qualidade

com pasto
excelente

ESSAS AÇÕES DE MANEJO
VISAM REDUZIR A SITUAÇÃO
DE ESTRESSE DA DESMAMA
PRECOCE

Deve ocorrer no
estação de monta.

início

da
AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO
ATENÇÃO
Do nascimento ao desmame é
possível o bezerro alcançar 30%
de seu peso para o abate

A FASE DE CRIA É MUITO
IMPORTANTE

Após 12 e 18 meses de recria e
alguns meses de terminação, o
animal alcançará seu peso vivo
total.
Devem ser feitas pesagens
mensais para que se possa
acompanhar o desenvolvimento

PESAGEM A DESMAMA
AVALIA O DESENVOLVIMENTO
DAS MATRIZES
ÍNDICES DE REFERÊNCIA
RAÇAS ZEBUÍNAS DE CORTE

CRUZAMENTO INDUSTRIAL/F1

Peso ao nascer de 28 a 29kg

Peso ao nascer de 29 a 30kg

Ganho de peso médio de 650g/d
(sem suplementação)

Ganho de peso médio de 714g/d
(sem suplementação)

Peso a desmama de 165kg

Peso a desmama de 190kg
(sem suplementação)

Peso a desmama de 190kg
(creep-feeding)

Peso a desmama de 220kg
(creep-feeding)
Ganhos de +1kg/d

BEZERROS + PESADOS = + RENTABILIDADE
PECUÁRIA DE CORTE
ALLEN F. FERREIRA
allenfeitosa@hotmail.com
(68) 3225-2339/9202-0374

Rua Piracanjuba, 970, Portal da Amazônia
Residencial Portal da Amazônia 3 - BL 3 AP14
CEP 69.915-682 – Rio Branco/AC

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileiraAula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
Hugomar Elicker
 
Mastite vacas
Mastite vacasMastite vacas
Mastite vacas
Fmodri3
 
Apostila reprodução bovina final
Apostila reprodução bovina finalApostila reprodução bovina final
Apostila reprodução bovina final
Portal Canal Rural
 

Mais procurados (20)

Cartilha de Criação de Bezerras Leiteiras
Cartilha de Criação de Bezerras LeiteirasCartilha de Criação de Bezerras Leiteiras
Cartilha de Criação de Bezerras Leiteiras
 
Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte
 
Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileiraAula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
 
Bovinos de corte
Bovinos de corteBovinos de corte
Bovinos de corte
 
Caso clínico
Caso clínicoCaso clínico
Caso clínico
 
Guia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinosGuia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinos
 
Nutricao Animal
Nutricao AnimalNutricao Animal
Nutricao Animal
 
Manejo de leitões 1
Manejo de leitões 1Manejo de leitões 1
Manejo de leitões 1
 
Doenças de suídeos OIE
Doenças de suídeos OIEDoenças de suídeos OIE
Doenças de suídeos OIE
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Avicultura
 
Boas práticas de manejo de bezerros
Boas práticas de manejo de bezerrosBoas práticas de manejo de bezerros
Boas práticas de manejo de bezerros
 
Mastite vacas
Mastite vacasMastite vacas
Mastite vacas
 
Panorama da avicultura
Panorama da aviculturaPanorama da avicultura
Panorama da avicultura
 
Instalações para aves
Instalações para avesInstalações para aves
Instalações para aves
 
Apostila reprodução bovina final
Apostila reprodução bovina finalApostila reprodução bovina final
Apostila reprodução bovina final
 
Mais bezerros
Mais bezerrosMais bezerros
Mais bezerros
 
Manejo Sanitario para Equinos
Manejo Sanitario para EquinosManejo Sanitario para Equinos
Manejo Sanitario para Equinos
 
Manejo frangos corte
Manejo frangos corteManejo frangos corte
Manejo frangos corte
 
BPA - Manual de boas práticas bovino de corte da Embrapa
BPA - Manual de boas práticas bovino de corte da EmbrapaBPA - Manual de boas práticas bovino de corte da Embrapa
BPA - Manual de boas práticas bovino de corte da Embrapa
 
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
 

Destaque

Funções desenvolvidas em exploração leiteira
Funções desenvolvidas em exploração leiteiraFunções desenvolvidas em exploração leiteira
Funções desenvolvidas em exploração leiteira
anarosapovoa
 
Suplementação de vaca de cria visando a estação de monta e melhor período de ...
Suplementação de vaca de cria visando a estação de monta e melhor período de ...Suplementação de vaca de cria visando a estação de monta e melhor período de ...
Suplementação de vaca de cria visando a estação de monta e melhor período de ...
AgroTalento
 
Ct exagro calendario_atividades_corte
Ct exagro calendario_atividades_corteCt exagro calendario_atividades_corte
Ct exagro calendario_atividades_corte
Exagro
 
[Palestra] Luis Adriano Teixeira: Dicas de manejo cfm e resultados praticos
[Palestra] Luis Adriano Teixeira: Dicas de manejo cfm e resultados praticos[Palestra] Luis Adriano Teixeira: Dicas de manejo cfm e resultados praticos
[Palestra] Luis Adriano Teixeira: Dicas de manejo cfm e resultados praticos
AgroTalento
 

Destaque (20)

Manejo de bezerros embrapa comunicado técnico
Manejo de bezerros embrapa comunicado técnicoManejo de bezerros embrapa comunicado técnico
Manejo de bezerros embrapa comunicado técnico
 
Manual de nascimento de bezerros
Manual de nascimento de bezerrosManual de nascimento de bezerros
Manual de nascimento de bezerros
 
Criação de bezerras em sistemas leiteiros
Criação de bezerras em sistemas leiteirosCriação de bezerras em sistemas leiteiros
Criação de bezerras em sistemas leiteiros
 
E-Book Manejo e Alimentação de Vacas em Transição - SLI
E-Book Manejo e Alimentação de Vacas em Transição - SLIE-Book Manejo e Alimentação de Vacas em Transição - SLI
E-Book Manejo e Alimentação de Vacas em Transição - SLI
 
10 091022 Alexandre Pedroso Suplementacao Bezerros
10 091022 Alexandre Pedroso Suplementacao Bezerros10 091022 Alexandre Pedroso Suplementacao Bezerros
10 091022 Alexandre Pedroso Suplementacao Bezerros
 
Cartilha sanidade animal e gado leiteiro
Cartilha sanidade animal e gado leiteiroCartilha sanidade animal e gado leiteiro
Cartilha sanidade animal e gado leiteiro
 
Manual boas práticas de manejo de bezerros ao nascimento
Manual boas práticas de manejo de bezerros ao nascimentoManual boas práticas de manejo de bezerros ao nascimento
Manual boas práticas de manejo de bezerros ao nascimento
 
Funções desenvolvidas em exploração leiteira
Funções desenvolvidas em exploração leiteiraFunções desenvolvidas em exploração leiteira
Funções desenvolvidas em exploração leiteira
 
Período de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase crítica
Período de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase críticaPeríodo de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase crítica
Período de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase crítica
 
Manual de Boas Práticas de Manejo para Identificação de Bovinos
Manual de Boas Práticas de Manejo para Identificação de BovinosManual de Boas Práticas de Manejo para Identificação de Bovinos
Manual de Boas Práticas de Manejo para Identificação de Bovinos
 
Ebook bezerras-baixa
Ebook bezerras-baixaEbook bezerras-baixa
Ebook bezerras-baixa
 
Suplementação de vaca de cria visando a estação de monta e melhor período de ...
Suplementação de vaca de cria visando a estação de monta e melhor período de ...Suplementação de vaca de cria visando a estação de monta e melhor período de ...
Suplementação de vaca de cria visando a estação de monta e melhor período de ...
 
Realidade Reprodutiva e Planejamento de Fazenda
Realidade Reprodutiva e Planejamento de FazendaRealidade Reprodutiva e Planejamento de Fazenda
Realidade Reprodutiva e Planejamento de Fazenda
 
Ct exagro calendario_atividades_corte
Ct exagro calendario_atividades_corteCt exagro calendario_atividades_corte
Ct exagro calendario_atividades_corte
 
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamentoInstalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
 
Bovinocultura
BovinoculturaBovinocultura
Bovinocultura
 
El Ciclo Completo como alternativa ganadera competitiva y sustentable
El Ciclo Completo como alternativa ganadera competitiva y sustentableEl Ciclo Completo como alternativa ganadera competitiva y sustentable
El Ciclo Completo como alternativa ganadera competitiva y sustentable
 
[Palestra] Luis Adriano Teixeira: Dicas de manejo cfm e resultados praticos
[Palestra] Luis Adriano Teixeira: Dicas de manejo cfm e resultados praticos[Palestra] Luis Adriano Teixeira: Dicas de manejo cfm e resultados praticos
[Palestra] Luis Adriano Teixeira: Dicas de manejo cfm e resultados praticos
 
Ebook vendas-baixa
Ebook vendas-baixaEbook vendas-baixa
Ebook vendas-baixa
 
Comercialização conjunta de gado de corte para abate: a experiência da ACGC N...
Comercialização conjunta de gado de corte para abate: a experiência da ACGC N...Comercialização conjunta de gado de corte para abate: a experiência da ACGC N...
Comercialização conjunta de gado de corte para abate: a experiência da ACGC N...
 

Semelhante a Cria de bezerros de corte

AULA SOBRE COLOSTRO ANIMAIS DE PRODUÇÃO.pptx
AULA SOBRE COLOSTRO ANIMAIS DE PRODUÇÃO.pptxAULA SOBRE COLOSTRO ANIMAIS DE PRODUÇÃO.pptx
AULA SOBRE COLOSTRO ANIMAIS DE PRODUÇÃO.pptx
NathaliaCastro58
 
Por que a amamentação é importante (lição 1)
Por que a amamentação é importante (lição 1)Por que a amamentação é importante (lição 1)
Por que a amamentação é importante (lição 1)
Juliane Stivanin da Silva
 
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxAula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
helidaleao
 
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxAula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
helidaleao
 
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxAula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
helidaleao
 
Apresentação William Koury - Dia de Campo Nelore Grendene 2013
Apresentação William Koury - Dia de Campo Nelore Grendene 2013Apresentação William Koury - Dia de Campo Nelore Grendene 2013
Apresentação William Koury - Dia de Campo Nelore Grendene 2013
Mayara Martins
 

Semelhante a Cria de bezerros de corte (20)

CCU UNIVERSIDADE NACIONAL DE CONCEPCION.pdf
CCU UNIVERSIDADE NACIONAL DE CONCEPCION.pdfCCU UNIVERSIDADE NACIONAL DE CONCEPCION.pdf
CCU UNIVERSIDADE NACIONAL DE CONCEPCION.pdf
 
Saúde, nutrição e bem estar animal
Saúde, nutrição e bem estar animalSaúde, nutrição e bem estar animal
Saúde, nutrição e bem estar animal
 
AUXILIOS AO PARTO.pdf
AUXILIOS AO PARTO.pdfAUXILIOS AO PARTO.pdf
AUXILIOS AO PARTO.pdf
 
22692estrategias reprodutivas carlos_augusto_gontijo_pellegrino
22692estrategias reprodutivas carlos_augusto_gontijo_pellegrino22692estrategias reprodutivas carlos_augusto_gontijo_pellegrino
22692estrategias reprodutivas carlos_augusto_gontijo_pellegrino
 
Manejo reprodutivo em gado de corte
Manejo reprodutivo em gado de corteManejo reprodutivo em gado de corte
Manejo reprodutivo em gado de corte
 
Creche
CrecheCreche
Creche
 
AULA ZOOTECNIA BOVINOCULTURA DE CORTE.pptx
AULA ZOOTECNIA BOVINOCULTURA DE CORTE.pptxAULA ZOOTECNIA BOVINOCULTURA DE CORTE.pptx
AULA ZOOTECNIA BOVINOCULTURA DE CORTE.pptx
 
AULA SOBRE COLOSTRO ANIMAIS DE PRODUÇÃO.pptx
AULA SOBRE COLOSTRO ANIMAIS DE PRODUÇÃO.pptxAULA SOBRE COLOSTRO ANIMAIS DE PRODUÇÃO.pptx
AULA SOBRE COLOSTRO ANIMAIS DE PRODUÇÃO.pptx
 
Características e exigências da vaca leiteira
Características e exigências da vaca leiteiraCaracterísticas e exigências da vaca leiteira
Características e exigências da vaca leiteira
 
13 confinamento.pdf-18-12-2011
13 confinamento.pdf-18-12-201113 confinamento.pdf-18-12-2011
13 confinamento.pdf-18-12-2011
 
Desempenho Reprodutivo do Nelore Bacuri
Desempenho Reprodutivo do Nelore BacuriDesempenho Reprodutivo do Nelore Bacuri
Desempenho Reprodutivo do Nelore Bacuri
 
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
 
Amamentação
AmamentaçãoAmamentação
Amamentação
 
E-book-Bem-Estar-Animal.pdf
E-book-Bem-Estar-Animal.pdfE-book-Bem-Estar-Animal.pdf
E-book-Bem-Estar-Animal.pdf
 
Por que a amamentação é importante (lição 1)
Por que a amamentação é importante (lição 1)Por que a amamentação é importante (lição 1)
Por que a amamentação é importante (lição 1)
 
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxAula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
 
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxAula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
 
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxAula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
 
Manejo nutricional de ovinos de corte e leite
Manejo nutricional de ovinos de corte e leiteManejo nutricional de ovinos de corte e leite
Manejo nutricional de ovinos de corte e leite
 
Apresentação William Koury - Dia de Campo Nelore Grendene 2013
Apresentação William Koury - Dia de Campo Nelore Grendene 2013Apresentação William Koury - Dia de Campo Nelore Grendene 2013
Apresentação William Koury - Dia de Campo Nelore Grendene 2013
 

Último

Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
rarakey779
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
EduardaMedeiros18
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 

Último (20)

Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 

Cria de bezerros de corte

  • 1. PECUÁRIA DE CORTE CRIA DE BEZERROS DE CORTE Adm. Esp. Allen F. Ferreira (68) 9202-0374
  • 2. INTRODUÇÃO TAXA DE DESMAME 1º índice a ser trabalhado % de bezerros desmamados em relação aos nascidos deve ser próximo de 100% TAXA DE DESMAME PESO A DESMAMA fundamental para a cria atingir o quanto antes o peso de abate PRIMÍPARAS Primeira gestação com menor idade possível É dado pelo percentual de bezerros que chegaram a idade de desmama em relação ao total de vacas em idade de reprodução em propriedade. A taxa ideal é de 97,5%. uma cria a mais pode significar até 20% do que a matriz poderia oferecer em toda a sua vida útil.
  • 3. INTRODUÇÃO MANEJO NA CRIA           Parto Colostro Cura do umbigo Descorna Bezerros órfãos Identificação Registro Nutrição Sanidade Desmama ATENÇÃO Variações repentinas na taxa de desmama de um ano para outro, num mesmo rebanho, indica problemas de manejo. Vacas com baixa taxa de desmama crônica devem ter prioridade de descarte.
  • 4. CUIDADOS AO PARTO       Taxa de natalidade Taxa de desmame Nasc. saudável Pasto maternidade Partos complexos Escolha do reprodutor Indica o nº de bezerros nascidos, em relação ao nº de vacas do rebanho. 82% é um índice tido com aceitável. Comparando a taxa de natalidade e a taxa de prenhes, temos o porcentual de perda de bezerros durante a gestação.
  • 5. MANEJO DO BEZERRO COLOSTRO CURA DO UMBIGO Após o nascimento o bezerro deve mamar o colostro no máx. em 12 horas. Alimento rico em minerais, enzimas e proteínas, ligeiramente laxativo, antitóxico e energético. Deve ser feita após a primeira mamada do colostro, cortando o cordão umbilical com tesoura desinfetada e a extremidade que sobra mergulhar em álcool iodado, deve ser repetido nos 2d seguintes. SANIDADE O animal deve ser vermifugado com invermectina, nos dois primeiros dias e repetir 30 dias após. DESCORNA Após 45 dias, deve ser feita descorna/mocheação. a
  • 6. IDENTIFICAÇÃO E REGISTRO TIPOS DE IDENTIFICAÇÃO     Tatuagens Brincos plásticos Marca a fogo Transponder Transponder necessita maior manejo Tatuagens  marcação básica e indispensável (3º ao 30º mês) Brincos plásticos  visualização fácil Marca à fogo  muito usada; danifica o couro. (idade mínima de 2 a 3 semanas) Círculos 11cm
  • 7. MANEJO NUTRICIONAL DESMAMA – 7 E 8 MESES Tem como principal objetivos desmamar os bezerros com maior peso possível. TÉCNICAS       4 a 5 semanas  leite 30 dias  pasto 60 dias  leite é o principal 90 dias  forragem Mistura mineral  adequada Suplementos concentrados Leite  10% peso vivo PRECOCE – 150 KG SUPERPRECOCE – 210 KG DIFERENÇA 60KG
  • 8. SUPLEMENTO CREEP FEEDING CREEP CRAZING  Área cercada reservada ao acesso apenas dos bezerros, com suplementação em cocho. SUPLEMENTO  A suplementação para os bezerros combinado com o leite da mãe pode garantir níveis acima de 1kg ao dia, com essa técnica será possível desmamar um bezerro com aproximadamente 250kg.  Área cercada com melhor disponibilidade de forragem, reservada ao acesso apenas dos bezerros 75 a 80% de NDT 18 e 20% PB Ideal 1kg/dia 120 dias MÉDIA – 150 KG SUPERPRECOCE – 210 KG DIFERENÇA 60KG/4@
  • 9. SANIDADE  Estação de monta  seca  Mamada do colostro  Cura do umbigo CALENDÁRIO PROFILÁTICO  Paratifo  15 a 21 dias  Brucelose  fêmeas 3º ao 8º mês  Bezerros: 1ª dose dos 4-6 meses; 2ª dose, 6 meses após a 1ª dose.  A partir do 4º mês de idade. Repetir anualmente  Carrapatos  Verminoses  Viroses  Febre aftosa  calendário REPRESENTA 70%
  • 10. DESMAMA CALENDÁRIO DE NASCIMENTO DESMAMA ESTAÇÃO DE MONTA FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET De 7 a 8 meses o bezerro já é capaz de utilizar a forragem, idade para o desmame. JAN OUT NOV DEZ CALENDÁRIO DE DESMAMA JAN FEV MAR ABR JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ SET OUT NOV DEZ
  • 11. DESMAMA DESMAMA O desmame é feito de forma abrupta, as vacas são apartadas e levadas para outro pasto. ESTRESSE Para reduzir o estresse dos bezerros tem que ter forragem de qualidade (coast cross e tifítons), pode ser fornecido suplemento utilizado no creep feeding. ATENÇÃO A desmama precoce pode aumentar a taxa de mortalidade ATENÇÃO Não pode faltar água e sal mineral ALTERNATIVAS  Pasto da cria  Pasto vizinho as mães  Presença de vacas adultas (madrinhas) solteiras, um mês após a desmama podem ser retiradas  Evitar transportes - 30 dias
  • 12. DESMAMA PRECOCE DESMAMA PRECOCE Pode ser feita em animais com idade de 90 a 120 dias. Suplementação com ração concentrada até 5-6 meses de idade Peso mínimo de 90kg 1 mês antes suplementados feeding devem ser com creep Lote separado exclusivo de qualidade com pasto excelente ESSAS AÇÕES DE MANEJO VISAM REDUZIR A SITUAÇÃO DE ESTRESSE DA DESMAMA PRECOCE Deve ocorrer no estação de monta. início da
  • 13. AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ATENÇÃO Do nascimento ao desmame é possível o bezerro alcançar 30% de seu peso para o abate A FASE DE CRIA É MUITO IMPORTANTE Após 12 e 18 meses de recria e alguns meses de terminação, o animal alcançará seu peso vivo total. Devem ser feitas pesagens mensais para que se possa acompanhar o desenvolvimento PESAGEM A DESMAMA AVALIA O DESENVOLVIMENTO DAS MATRIZES
  • 14. ÍNDICES DE REFERÊNCIA RAÇAS ZEBUÍNAS DE CORTE CRUZAMENTO INDUSTRIAL/F1 Peso ao nascer de 28 a 29kg Peso ao nascer de 29 a 30kg Ganho de peso médio de 650g/d (sem suplementação) Ganho de peso médio de 714g/d (sem suplementação) Peso a desmama de 165kg Peso a desmama de 190kg (sem suplementação) Peso a desmama de 190kg (creep-feeding) Peso a desmama de 220kg (creep-feeding) Ganhos de +1kg/d BEZERROS + PESADOS = + RENTABILIDADE
  • 15. PECUÁRIA DE CORTE ALLEN F. FERREIRA allenfeitosa@hotmail.com (68) 3225-2339/9202-0374 Rua Piracanjuba, 970, Portal da Amazônia Residencial Portal da Amazônia 3 - BL 3 AP14 CEP 69.915-682 – Rio Branco/AC