Alimentacao dos equinos

1.280 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.280
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Alimentacao dos equinos

  1. 1. ALIMENTAÇÃO DOS EQÜINOSUm Programa de Nutrição deve ser adequado à função desenvolvida peloeqüino e à categoria à qual ele pertence. Deve-se levar em consideração asquantidades mínimas necessárias de energia, proteína, vitaminas e minerais.Considerações Básicas:Quando tratamos da alimentação dos cavalos, os nutrientes com os quaisdevemos nos preocupar, são os seguintes:• Carboidratos e Lipídeos: as necessidades energéticas dos animais são atendidasatravés dos carboidratos e dos lipídeos que lhes fornecemos. Estas necessidades estãoligadas principalmente ao tamanho do animal e ao tipo de trabalho que desempenha.Os lipídeos não são utilizados apenas como fonte de energia, mas também fornecemos ácidos graxos que são essenciais ao bem estar dos animais. Apenas depois determos atendido às necessidades de AG dos animais é que podemos usar os lipídeospara atender às necessidades energéticas.• Proteína: As necessidades de proteína dos animais são específicas para prover osaminoácidos de que o animal necessita, assim como a atividade que desempenham,como crescimento e reprodução. Devemos nos preocupar, não só com a quantidade daproteína, mas principalmente com a sua qualidade.• Minerais: Grupo dividido em macro e micro elementos minerais.Os macro-elementos estão envolvidos com a estrutura do animal e são perdidosdiariamente durante o desempenho de suas atividades (Ca, P, Na, Cl, K, Mg, S).Os micro-elementos estão envolvidos, principalmente, com as funções metabólicasdos animais. (Fe, I, Cu, F, Mn, Mo, Zn, Co, Se, Cr, Sn, Ni, V, Si).• Vitamina: Estão divididas em duas categorias principais: as hidrossolúveis e aslipossolúveis.Com a forragem verde, de alta qualidade, que o cavalo obtém na pastagem,provavelmente não temos que nos preocupar com a adição de qualquer teor extra devitaminas A, D e E para animais em manutenção. No entanto, se o animal é mantidonuma baia e alimentado com feno, provavelmente precisará de uma suplementação devitaminas.A maioria das vitaminas hidrossolúveis é fornecida em níveis suficientes pelosalimentos normalmente dados ao animal, ou são produzidas em quantidadesadequadas no sistema digestivo.Sob condições de stress intenso, como corrida, provas ou exposições, o animalpoderá não conseguir as quantidades necessárias de vitaminas através da alimentaçãonormal. Para estes animais, recomenda-se uma suplementação de vitaminas.NECESSIDADES BÁSICASEm primeiro lugar é necessário ressaltar que o cavalo é um animal Herbívoro,isto é, se alimenta fundamentalmente de forrageiras. Portanto, em sua dieta habitual,é necessário o fornecimento de volumoso (capim ou feno).Para alimentação adequada do cavalo, devemos respeitar sua natureza,suprindo suas necessidades básicas, que são:VOLUMOSO: Feno ou Capim fresco de qualidade:Feno: é a forma desidratada do capim, isto é, o capim com apenas 10-20% de água.Deve ser feito de capim de qualidade (Coast-cross, tífton, alfafa, etc.) e fenado noponto certo, nem muito seco, nem muito úmido. Quando o capim é fenado além doïïïKãÉêá~äKÅçã=
  2. 2. ponto correto de corte, pode ficar muito fibroso, o que pode causar cólica nos cavalos.Se for cortado no ponto certo e deixado secar em demasia, fica muito fibroso, tambémpodendo causar cólica nos animais. Se for cortado no ponto certo, mas deixado secarpouco, sendo enfardado úmido, pode ocorrer o aparecimento de fungos que podemcausar problemas nos animais. Desde que feito da forma correta e bem armazenado, éum excelente alimento para os cavalos.Capim: este pode ser fornecido sob a forma de pastagens ou suplementado no cocho,picado. Quando oferecido no cocho picado, deve-se atentar para a qualidade destecapim. Os mais utilizados sob esta forma são os capins elefantes (napier, colonião,etc.). O manejo das capineiras deve ser muito bem feito para que o aproveitamentopelo cavalo seja o melhor possível. É muito comum o corte destes capins com alturasuperior a dois metros e meio (às vezes até quatro metros) de altura. Porém, quandoé cortado com altura superior a dois metros e meio, ocorre uma perda considerável daqualidade, devido à baixa digestibilidade de seu talo. O ideal é cortá-lo entre um metroe meio e dois metros e meio.ÁGUA: Fresca, Limpa e PotávelDeve-se ter sempre à disposição do animal água fresca, jamais gelada devidoaos riscos de cólicas que esta pode ocasionar. Deve também estar sempre limpa,evitando-se as águas barrentas que podem causar distúrbios digestivos pelo acúmuloda terra dentro do aparelho digestivo do cavalo. Deve ser fornecida ainda à vontade,pois as necessidades de água pelo cavalo são elevadas, de 20 a 75 litros por dia,dependendo do porte do animal, do clima, da intensidade do trabalho e da natureza daalimentação. As fêmeas em lactação têm suas necessidades aumentadas em 15 a 30litros por dia.COMPLEMENTAÇÃO MINERALEsta também é de fundamental importância para suprir as necessidades básicasdo cavalo, que são relativamente elevadas com relação aos minerais. Estes devem seroferecidos de maneira equilibrada, através de sais minerais de empresas idôneas e àvontade, num cocho à parte.SUPLEMENTAÇÃO NUTRICIONALApós termos suprido as mínimas necessidades para manutenção do cavalo, aísim, conforme atividade a que vamos submetê-lo, seja um potro em crescimento,égua em reprodução ou cavalo de esporte e trabalho, devemos oferecer-lhe oscomplementos de uma alimentação, para que possamos atingir os níveis Energéticose/ou Protéicos suficientes para suprir estas novas necessidades, mas semprerespeitando sua natureza valorizando o volumoso.RAÇÃO (COMPLEMENTO CORRETOR)Esta deve ser equilibrada, oriunda de empresas idôneas para se ter garantia daqualidade do produto.Existem vários tipos de apresentação de ração: Farelada, Peletizada, Laminadaou Extrusada. As rações industrializadas (Peletizadas, Laminadas ou Extrusadas)possuem 03 vantagens fundamentais sobre as fareladas, principalmente as misturadasna propriedade:1. Toda matéria prima que chega à fábrica de ração é classificada e analisada para se tercerteza da qualidade de seus nutrientes (Umidade, Proteína, Minerais, etc.). Com basenessas análises, é possível garantir a qualidade e os níveis do produto final (comrelação à proteína, minerais, fibra, etc.). Como não é possível analisar a matéria primana propriedade, não há garantia de manutenção do padrão do produto final.ïïïKãÉêá~äKÅçã=
  3. 3. 2. As rações fareladas produzem muito pó que, se inspirados pelo cavalo, podem levar aproblemas respiratórios. Além disso, este pó pode causar obstrução do canal naso-lacrimal (canal que liga a narina ao olho) levando a produção excessiva de secreçõesoculares.3. Para se evitar este pó, é muito comum molhar a ração antes do fornecimento aoanimal. Ocorre que as rações fareladas, por serem mais leves que as peletizadas,ocupam um volume maior, portanto os cavalos demoram mais tempo para comer estaração. Em temperaturas mais elevadas, podem ocorrer processos de fermentaçãodesta ração molhada levando a quadros de cólicas.Existem ainda as matérias-primas (aveia, trigo, milho, etc.) que muitoscriadores/proprietários de animais oferecem misturado à ração balanceada. Ocorre queestas matérias-primas são, em geral, muito ricas em fósforo (a relação Ca:P pode serde 1:3 quando o ideal é 1,8:1) o que leva a um desbalanceamento na relaçãocálcio/fósforo sangüíneo levando a graves problemas como a cara inchada.Quanto às apresentações de rações industrializadas, não devemos nos preocuparcom a aparência do produto (peletizada, laminada ou extrusada), mas principalmentecom os níveis de garantia destes produtos.Tecnicamente falando, um produto extrusado é superior a este mesmo produtolaminado e este mesmo produto peletizado. Isto não quer dizer que qualquer produtoextrusado é superior a outros, nem que toda ração laminada é superior às peletizadas.O que mais importa na avaliação da qualidade de um produto são seus níveis degarantia, principalmente valores de qualidade de energia e proteína. A qualidade desua energia também pode ser avaliada através do valor de seu extrato etéreo, que é ovalor de gordura de uma ração, onde se este valor for alto, a qualidade de suaenergia, e também de sua proteína, serão elevados.Existem rações peletizadas no mercado que possuem qualidade energética eprotéica muito superiores às laminadas e extrusadas.Devemos estabelecer realmente quais as necessidades do cavalo para podermossuprir de forma adequada e obtermos os melhores resultados de performance etambém na saúde do animal. Para isso devemos observar qual o tempo de digestão decada tipo de alimento para podermos dividir e ocupar melhor o tempo de cada animal.André Galvão CintraConsultoria Nutricional EqüinaMédico VeterinárioCRMV SP 6765Fone/fax: (19) 3807.7974Celular: (19) 9794.5849e-mail : acintra_agprima@uol.com.brïïïKãÉêá~äKÅçã=

×