Criação e Exploração dos
Equídeos
Zoo 212 – Criação e Exploração dos Animais
domésticos
Maria Gazzinelli Neves-Mestranda e...
Evolução
• Eohippus
– Eoceno (54 a 38 milhões de anos atrás)
– Pequeno cachorro
– Viver na floresta, solo macio
– 4 dedos ...
Evolução
• Florestas ---- pastagens:
– Dentes projetados para pastar
– Pescoço maior para facilitar o acesso ao alimento
–...
Cavalo atual
• Equus silvaticus:
– Norte da Europa
– Cavalo pesado e movimentos lentos
– Originou raças de tração
• Cavalo...
Cavalo atual
• Equídeos:
– Equus caballus
– Equus asinus
– Equus zebra
– híbridos
• Corpo proporcional
• Pescoço longo sus...
Cavalo atual
Equus caballus
Jumento
Equus asinus
Zebras (equus zebra)
Mula – Híbrido jumento-égua
Bardoto – Híbrido cavalo-jumenta
Bardoto – Híbrido cavalo-jumenta
HIBRIDO: ZORSE (zebra com equino)
HIBRIDO: Zebra com jumento
HIBRIDO: Zebra com jumento
Humanos X Equinos
• Fonte de alimento
• Domesticação – nômades
• Meio de transporte
• Policiamento
• Lazer
• Equoterapia
Domesticação
• CAÇA – FONTE DE ALIMENTO
– PROVÁVEL DESAPARECIMENTO NA AMÉRICA
• DESLOCAMENTOS
– INTERCÂMBIO ENTRE CULTURAS...
Colonização da América
• RETORNO DO CAVALO
• EVOLUÇÃO DO AMERÍNDIO
• EXPANSÃO DAS COLÔNIAS
– EM DIREÇÃO AO PACÍFICO
• FORM...
Revolução nos transportes
• A FERROVIA
• O AUTOMÓVEL
• MECANIZAÇÃO DO CAMPO
• LEVARAM A:
– REDUÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO CAVALO...
Dias atuais: função do equino
• Na lavoura (pequenas propriedades)
• Na pecuária
– De corte – imprescindível
– De leite
• ...
Transporte no meio rural
Lida com o gado
Lida com o gado
Patrulha montada
Rodeio
Rodeio
Corridas
Hipismo clássico
Hipismo clássico e rural
Prova de tambor
Prova de laço
Team penning
Equoterapia
Atuação do profissional
• Manejo geral
• Nutrição
• Forragicultura
• Melhoramento genético
• Reprodução
• Clínica e cirurg...
Projeto de instalações
Projeto de instalações
Projeto de haras
Formação de pastagens
CLÍNICA
Nutrição eqüina
Melhoramento
Genético
Manejo de haras
Podologia
Terapias alternativas
Doma - charreteamento
Reprodução TE
Reprodução – Coleta de sêmen
Reprodução monta natural
Fisiologia do exercício
Comercialização
Técnico de Associações de raça
Escola de equitação
POPULAÇÃO EQÜINA NO BRASIL
• Total 8,4 Milhões
• Eqüinos 5,9 milhões
• Muares 1,3 milhão (50% NE)
• Asininos 1,2 milhão (9...
EQÜINOS NO MUNDO
• Total 55.147.395
• 1º China 7.902.310
• 2º México 6.260.000
• 3º Brasil 5.900.700
• 4º EUA 5.300.000
• ...
O agronegócio no Brasil
Valores anuais
• Empregos diretos: 640.000 pessoas
• Empregos indiretos: > 3 milhões pessoas
• Mov...
Criação dos Equinos
• Criação intensiva
– Puros Sangue Inglês
– Cavalos de hipismo clássico
– Animais de hípicas
• Criação...
Criação Intensiva
• Animais estabulados
– Localizados próximos à cidades
– Poucos animais
– Dependência do uso de fenos
– ...
Criação semi-intensiva
• Geralmente plantel grande
• Poucos animais estabulados
• Éguas criadas soltas
• Potros desmamados...
Éguas soltas no pasto
Suplementação no cocho
Suplentação a pasto
Fábrica de ração
Piquetes para exercício
Curral para manejo
Criação extensiva
• Animais soltos a campo
• Algumas criações o macho fica junto com as
fêmeas
• Instalações simples
– Cur...
Éguas em regime extensivo
Criatório de muares
Pantaneiro soltos
Reprodução
• CICLO ESTRAL
– Poliestral estacional (meses de maior luminosidade)
– Ciclo dura 21 dias
– 6 dias de estro e 1...
• Puberdade
– Em torno dos 18 meses
• Início da vida reprodutiva
– 30 meses
• Manejo do garanhão
– Coberturas diárias
– In...
Manejo de potros
• Cuidados com o recém nascido
• Desmame aos 6 meses de idade
• Doma a partir da desmama
• Cuidados da de...
Manejo do animal adulto
• Fêmea
– Seleção para a reprodução
– Formar grupos de éguas
• Éguas gestantes
• Éguas paridas
• É...
Manejo do animal adulto
• Macho
– Seleção para a reprodução
• Maior rigor que as fêmeas
– Seleção para o desempenho
• Trei...
Vida útil do animal
• Trabalho
– Quanto maior esforço menor vida útil
– Hipismo 15 anos
– Enduro 13 a 15 anos
– Lida com g...
“ O cavalo é a mais bela criatura depois do
homem.
O maior mistério é criá-lo;
A melhor das preocupações tratá-lo;
E o mel...
Obrigada e tenham um bom dia!
Maria Gazzinelli Neves
mgazzinelli@gmail.com
Criação e exploração dos equídeos
Criação e exploração dos equídeos
Criação e exploração dos equídeos
Criação e exploração dos equídeos
Criação e exploração dos equídeos
Criação e exploração dos equídeos
Criação e exploração dos equídeos
Criação e exploração dos equídeos
Criação e exploração dos equídeos
Criação e exploração dos equídeos
Criação e exploração dos equídeos
Criação e exploração dos equídeos
Criação e exploração dos equídeos
Criação e exploração dos equídeos
Criação e exploração dos equídeos
Criação e exploração dos equídeos
Criação e exploração dos equídeos
Criação e exploração dos equídeos
Criação e exploração dos equídeos
Criação e exploração dos equídeos
Criação e exploração dos equídeos
Criação e exploração dos equídeos
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Criação e exploração dos equídeos

3.681 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
1 comentário
2 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.681
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
326
Comentários
1
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Fósseis encontrados tornaram possível traçar pelo menos alguns aspectos da evolução do cavalo moderno sobre um período de 60 milhões de anos, indicando como gradualmente se adaptou as mudanças no seu ambiente. A história conhecida do cavalo moderno começa com o Eohippus, também conhecido como Cavalo Dawn, o qual sabe-se ter vivido na América do Norte durante a época do Eoceno (54 a 38 milhões de anos atrás). Um animal do tamanho de um pequeno cachorro, o Eohippus foi projetado para viver na floresta, movendo-se em solo macio. Tinha quatro dedos nas mãos, três nos pés e almofadas similares as dos cachorros. Seus pequenos dentes eram perfeitos para comer a vegetação pequena e macia. Ele provavelmente tinha uma coloração camuflada que ajudava a escapar dos predadores. Durante a época do Oligoceno (37 a 26 milhões de anos atrás) primeiro o Mesohippus depois o Merychippus, mostraram mudanças distintas: as pernas tornaram-se maiores, as costas mais retas (o Eohippus tinha as costas arqueadas) e o animal todo bem maior. Um dedo desapareceu na mão, deixando três dedos em ambos, mãos e pés. Os dentes mostraram sinais de mudança, os pré-molares tornaram-se mais como os verdadeiro molares.
    História dos cavalos
    No longo processo de evolução, a mais significante mudança de todas ocorreu durante a época do Mioceno (25 a 7 milhões de anos atrás) quando as florestas deram lugar a pastagens e os ancestrais dos cavalos tornaram-se moradores das planícies. Esta significante mudança no ambiente levou a mudança dos dentes, que antes mastigavam para dentes projetados para pastar, um pescoço maior para tornar a alimentação mais fácil, pernas maiores para facilitar a fuga de predadores e pés apropriados para terrenos mais duros. Durante este tempo o dedo único, ou casco, começou a evoluir: os dedos laterais não mais tocaram o solo e o dedo central tornou-se maior e mais forte.
  • No longo processo de evolução, a mais significante mudança de todas ocorreu durante a época do Mioceno (25 a 7 milhões de anos atrás) quando as florestas deram lugar a pastagens e os ancestrais dos cavalos tornaram-se moradores das planícies. Esta significante mudança no ambiente levou a mudança dos dentes, que antes mastigavam para dentes projetados para pastar, um pescoço maior para tornar a alimentação mais fácil, pernas maiores para facilitar a fuga de predadores e pés apropriados para terrenos mais duros. Durante este tempo o dedo único, ou casco, começou a evoluir: os dedos laterais não mais tocaram o solo e o dedo central tornou-se maior e mais forte.

    Então, a história da família dos cavalos tornou-se algo mais complexo, com o desenvolvimento de várias subfamílias. Eventualmente, entretanto, estas se extinguiram e foi o Pliohippus que promoveu a ligação na corrente do Eohippus até o moderno Equus. O Pliohippus evoluiu entre 10 a 5 milhões de anos atrás e tinha pernas longas com um único casco em cada. Seu sucessor direto, Equus, o gênero do cavalo moderno, finalmente emergiu a milhões de anos atrás.
  • A vida entre humanos e cavalos vem sendo escrita por milhares de anos. No início apenas como uma fonte de alimento, os predecessores do cavalo moderno foram caçados como qualquer outro animal selvagem. Com o tempo veio o processo de domesticação iniciada pelos nômades, que começaram a criar cavalos da mesma forma que faziam com cabras e outros animais. Finalmente, entretanto, foi como meio de transporte que o cavalo realmente começou a fazer parte de nossas vidas. O homem aprendeu a montar. Suas vidas foram transformadas. Os cavalos tornaram-se peças principais no transporte, permanecendo assim até o século 20. A domesticação, associada ao crescimento da população humana, sinalizou o fim do verdadeiro cavalo selvagem. Hoje, mesmo aqueles cavalos que vivem em rebanhos nas poucas áreas de pastagens restantes, não são verdadeiramente selvagens, pois todos foram manejados pelo homem de um jeito ou de outro. Os cavalos possuem muito do comportamento instintivo que lhes permitiram existirem sem a intervenção humana e será necessário entendê-los melhor se quisermos continuar essa parceria.
    O cavalo moderno, Equus caballus, pertence a família Equidae, o qual também inclui os burros e zebras. Equidae está inserida na ordem Perissodactyla, os quais também pertencem os rinocerontes que descendem dos Condylarthra, um grupo primitivo de mamíferos a muito tempo extintos, os quais foram os ancestrais de todos os mamíferos de cascos.
    História dos cavalos
    No longo processo de evolução, a mais significante mudança de todas ocorreu durante a época do Mioceno (25 a 7 milhões de anos atrás) quando as florestas deram lugar a pastagens e os ancestrais dos cavalos tornaram-se moradores das planícies. Esta significante mudança no ambiente levou a mudança dos dentes, que antes mastigavam para dentes projetados para pastar, um pescoço maior para tornar a alimentação mais fácil, pernas maiores para facilitar a fuga de predadores e pés apropriados para terrenos mais duros. Durante este tempo o dedo único, ou casco, começou a evoluir: os dedos laterais não mais tocaram o solo e o dedo central tornou-se maior e mais forte.
    Então, a história da família dos cavalos tornou-se algo mais complexo, com o desenvolvimento de várias subfamílias. Eventualmente, entretanto, estas se extinguiram e foi o Pliohippus que promoveu a ligação na corrente do Eohippus até o moderno Equus. O Pliohippus evoluiu entre 10 a 5 milhões de anos atrás e tinha pernas longas com um único casco em cada. Seu sucessor direto, Equus, o gênero do cavalo moderno, finalmente emergiu a milhões de anos atrás.
    Durante a Era do Gelo da época Pleistoceno, Equus migrou via pontes de terra as quais existiam para a Europa, Asia e Africa. Entretanto, o desaparecimento dessas pontes (ex. através do qual hoje se encontra o Estreito de Gibraltar e o Estreito de Bering) quando o gelo baixou, por volta de 10.000 anos atrás, significa que se um animal foi extinto em um continente, esse não poderia ser repopulado - pelo menos sem o ajuda do homem. Isto foi exatamente o que aconteceu na América: por razões inexplicáveis o cavalo desapareceu. Ele não foi visto novamente até os colonizadores Europeus reintroduzirem-no milhares de anos mais tarde.
  • Hoje, acreditasse que todos os cavalos e pôneis sejam descendentes de três tipos distintos, produzidos pelas variações em seu ambiente natural. O norte da Europa produziu um cavalo pesado e de movimentos lentos (Equus silvaticus) do qual todas as raças de cavalos de tração do mundo são derivadas. Outra variação foi o primitivo Cavalo Selvagem Asiático, sobreviventes dos quais foram achados ainda vivendo livres por volta de 1881 (também chamados Cavalos Przewalski), e finalmente o mais refinado de todos, o Tarpan, da Europa oriental.
  • Os cavalos, de maneira geral, são muito semelhantes em sua forma física, possuindo corpos bem proporcionados, ancas possantes e musculosas e pescoços longos que sustentam as cabeças de acentuada forma triangular. As orelhas são pontudas e móveis, alertas ante qualquer som, e a audição é aguçada. Os olhos, situados na parte mais alta da cabeça e bem separados um do outro, permitem uma visão quase circular e as narinas farejam imediatamente qualquer sinal de perigo. O pelo forma uma crina ao longo do pescoço, possivelmente para proteção. A maioria dos inimigos do animal, membros da família dos felinos, por exemplo, costuma saltar sobre o dorso do cavalo e mordê-lo no pescoço.
  • A vida entre humanos e cavalos vem sendo escrita por milhares de anos. No início apenas como uma fonte de alimento, os predecessores do cavalo moderno foram caçados como qualquer outro animal selvagem. Com o tempo veio o processo de domesticação iniciada pelos nômades, que começaram a criar cavalos da mesma forma que faziam com cabras e outros animais. Finalmente, entretanto, foi como meio de transporte que o cavalo realmente começou a fazer parte de nossas vidas. O homem aprendeu a montar. Suas vidas foram transformadas. Os cavalos tornaram-se peças principais no transporte, permanecendo assim até o século 20. A domesticação, associada ao crescimento da população humana, sinalizou o fim do verdadeiro cavalo selvagem. Hoje, mesmo aqueles cavalos que vivem em rebanhos nas poucas áreas de pastagens restantes, não são verdadeiramente selvagens, pois todos foram manejados pelo homem de um jeito ou de outro. Os cavalos possuem muito do comportamento instintivo que lhes permitiram existirem sem a intervenção humana e será necessário entendê-los melhor se quisermos continuar essa parceria.
    O cavalo moderno, Equus caballus, pertence a família Equidae, o qual também inclui os burros e zebras. Equidae está inserida na ordem Perissodactyla, os quais também pertencem os rinocerontes que descendem dos Condylarthra, um grupo primitivo de mamíferos a muito tempo extintos, os quais foram os ancestrais de todos os mamíferos de cascos.
  • Criação e exploração dos equídeos

    1. 1. Criação e Exploração dos Equídeos Zoo 212 – Criação e Exploração dos Animais domésticos Maria Gazzinelli Neves-Mestranda em Reprodução Animal – DZO/UFV
    2. 2. Evolução • Eohippus – Eoceno (54 a 38 milhões de anos atrás) – Pequeno cachorro – Viver na floresta, solo macio – 4 dedos nas mãos – 3 dedos nos pés – Coxins • Mesohippus – Oligoceno – Membros maiores – Dorso-lombo mais retilíneo – Desaparecimento de um dedo na mão
    3. 3. Evolução • Florestas ---- pastagens: – Dentes projetados para pastar – Pescoço maior para facilitar o acesso ao alimento – Pernas maiores para facilitar fuga – Pés apropiados para terrenos mais duros
    4. 4. Cavalo atual • Equus silvaticus: – Norte da Europa – Cavalo pesado e movimentos lentos – Originou raças de tração • Cavalo antigo persa- Tarpan: – Cavalo árabe e bérbere • Cavalo selvagem asiático – Cavalos Przewalski – Origem aos pôneis
    5. 5. Cavalo atual • Equídeos: – Equus caballus – Equus asinus – Equus zebra – híbridos • Corpo proporcional • Pescoço longo sustentando a cabeça • Orelhas móveis, alertas a qualquer som • Olhos situados na parte mais alta da cabeça e bem separados um do outro • Narinas grandes • Crina no pescoço- proteção aos inimigos naturais
    6. 6. Cavalo atual Equus caballus
    7. 7. Jumento Equus asinus
    8. 8. Zebras (equus zebra)
    9. 9. Mula – Híbrido jumento-égua
    10. 10. Bardoto – Híbrido cavalo-jumenta
    11. 11. Bardoto – Híbrido cavalo-jumenta
    12. 12. HIBRIDO: ZORSE (zebra com equino)
    13. 13. HIBRIDO: Zebra com jumento
    14. 14. HIBRIDO: Zebra com jumento
    15. 15. Humanos X Equinos • Fonte de alimento • Domesticação – nômades • Meio de transporte • Policiamento • Lazer • Equoterapia
    16. 16. Domesticação • CAÇA – FONTE DE ALIMENTO – PROVÁVEL DESAPARECIMENTO NA AMÉRICA • DESLOCAMENTOS – INTERCÂMBIO ENTRE CULTURAS – DOMINAÇÃO DOS IMPÉRIOS • AGRICULTURA – PREPARO DO SOLO – TRANSPORTE DE MERCADORIAS
    17. 17. Colonização da América • RETORNO DO CAVALO • EVOLUÇÃO DO AMERÍNDIO • EXPANSÃO DAS COLÔNIAS – EM DIREÇÃO AO PACÍFICO • FORMAÇÃO DAS RAÇAS NATIVAS – ADAPTAÇÃO AO NOVO AMBIENTE
    18. 18. Revolução nos transportes • A FERROVIA • O AUTOMÓVEL • MECANIZAÇÃO DO CAMPO • LEVARAM A: – REDUÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO CAVALO – REDUÇÃO DAS PESQUISAS – REDUÇÃO DOS POSTOS DE MONTA – REDUÇÃO DA POPULAÇÃO EQÜINA
    19. 19. Dias atuais: função do equino • Na lavoura (pequenas propriedades) • Na pecuária – De corte – imprescindível – De leite • Produção de medicamentos • Segurança (patrulha) • Lazer • Esportes • Terapia
    20. 20. Transporte no meio rural
    21. 21. Lida com o gado
    22. 22. Lida com o gado
    23. 23. Patrulha montada
    24. 24. Rodeio
    25. 25. Rodeio
    26. 26. Corridas
    27. 27. Hipismo clássico
    28. 28. Hipismo clássico e rural
    29. 29. Prova de tambor
    30. 30. Prova de laço
    31. 31. Team penning
    32. 32. Equoterapia
    33. 33. Atuação do profissional • Manejo geral • Nutrição • Forragicultura • Melhoramento genético • Reprodução • Clínica e cirurgia
    34. 34. Projeto de instalações
    35. 35. Projeto de instalações
    36. 36. Projeto de haras
    37. 37. Formação de pastagens
    38. 38. CLÍNICA
    39. 39. Nutrição eqüina
    40. 40. Melhoramento Genético
    41. 41. Manejo de haras
    42. 42. Podologia
    43. 43. Terapias alternativas
    44. 44. Doma - charreteamento
    45. 45. Reprodução TE
    46. 46. Reprodução – Coleta de sêmen
    47. 47. Reprodução monta natural
    48. 48. Fisiologia do exercício
    49. 49. Comercialização
    50. 50. Técnico de Associações de raça
    51. 51. Escola de equitação
    52. 52. POPULAÇÃO EQÜINA NO BRASIL • Total 8,4 Milhões • Eqüinos 5,9 milhões • Muares 1,3 milhão (50% NE) • Asininos 1,2 milhão (91% NE) Fonte: Estudo do complexo do agronegócio cavalo no Brasil (2006)
    53. 53. EQÜINOS NO MUNDO • Total 55.147.395 • 1º China 7.902.310 • 2º México 6.260.000 • 3º Brasil 5.900.700 • 4º EUA 5.300.000 • 5º Argentina 3.655.000 • 6º Colômbia 2.720.000 • 7º Mongólia 2.100.000 Fonte: FAO - 2006
    54. 54. O agronegócio no Brasil Valores anuais • Empregos diretos: 640.000 pessoas • Empregos indiretos: > 3 milhões pessoas • Movimentação econômica: > 7 bilhões reais • Representa 20% do total de animais domésticos • 75% da mão de obra é contratada, o restante é familiar • Fonte Estudo do Agronegócio Cavalo 2006
    55. 55. Criação dos Equinos • Criação intensiva – Puros Sangue Inglês – Cavalos de hipismo clássico – Animais de hípicas • Criação semi-intensiva – Grande maioria dos criatórios • Criação extensiva – Produção de muares – Pantaneiro
    56. 56. Criação Intensiva • Animais estabulados – Localizados próximos à cidades – Poucos animais – Dependência do uso de fenos – Instalações • Cavalariças • Piquetes e pistas de exercício • Instalações suporte – Deposito de feno e ração – Cômodo para selas – Cômodo para ferrageamento e casqueamento
    57. 57. Criação semi-intensiva • Geralmente plantel grande • Poucos animais estabulados • Éguas criadas soltas • Potros desmamados criados soltos • Suplementação alimentar – A campo em currais ou Unidade de Serviços • Cavalariças menores • Pastos bem manejados • Fábrica de ração (quando necessária)
    58. 58. Éguas soltas no pasto
    59. 59. Suplementação no cocho
    60. 60. Suplentação a pasto
    61. 61. Fábrica de ração
    62. 62. Piquetes para exercício
    63. 63. Curral para manejo
    64. 64. Criação extensiva • Animais soltos a campo • Algumas criações o macho fica junto com as fêmeas • Instalações simples – Currais – Importante ter boas pastagens • Produção de muares e Pantaneiro
    65. 65. Éguas em regime extensivo
    66. 66. Criatório de muares
    67. 67. Pantaneiro soltos
    68. 68. Reprodução • CICLO ESTRAL – Poliestral estacional (meses de maior luminosidade) – Ciclo dura 21 dias – 6 dias de estro e 15 de diestro • GESTAÇÃO – Dura em média 330 dias – Cuidados com o a égua no terço final gestação – Partos geralmente sem complicações • LACTAÇÃO – Boa produtora de leite – Pico de lactação aos 50 dias – Duração da lactação: 6 meses
    69. 69. • Puberdade – Em torno dos 18 meses • Início da vida reprodutiva – 30 meses • Manejo do garanhão – Coberturas diárias – Inseminação artificial com sêmen fresco e congelado • Transferência de embriões Reprodução
    70. 70. Manejo de potros • Cuidados com o recém nascido • Desmame aos 6 meses de idade • Doma a partir da desmama • Cuidados da desmama até 18 meses • Separação de sexos a partir dos 12 meses • Começo do adestramento após 24 meses
    71. 71. Manejo do animal adulto • Fêmea – Seleção para a reprodução – Formar grupos de éguas • Éguas gestantes • Éguas paridas • Éguas vazias – Seleção para desempenho • Treinamento contínuo • Participação de provas e eventos
    72. 72. Manejo do animal adulto • Macho – Seleção para a reprodução • Maior rigor que as fêmeas – Seleção para o desempenho • Treinamento contínuo • Participação de provas e eventos • Bom desempenho levam a reprodução
    73. 73. Vida útil do animal • Trabalho – Quanto maior esforço menor vida útil – Hipismo 15 anos – Enduro 13 a 15 anos – Lida com gado 20 anos – Passeio > 20 anos • Reprodução – Machos entre 20 a 30 anos – Fêmeas máximo - 25 anos
    74. 74. “ O cavalo é a mais bela criatura depois do homem. O maior mistério é criá-lo; A melhor das preocupações tratá-lo; E o melhor prazer, montá-lo.”
    75. 75. Obrigada e tenham um bom dia! Maria Gazzinelli Neves mgazzinelli@gmail.com

    ×