O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

5C's da Criação de Bezerras

2.629 visualizações

Publicada em

Material Educapoint

Publicada em: Saúde
  • Seja o primeiro a comentar

5C's da Criação de Bezerras

  1. 1. 5Cs DA CRIAÇÃO DE BEZERRAS
  2. 2. A criação de bezerras, muitas vezes, é vista como uma fase custosa dentro da produção leiteira. Isso porque não traz rentabilidade imediata ao sistema. Porém, negli- genciar os cuidados e a importância dessa fase significa comprometer todo o resultado futuro da produção! Uma bezerra saudável, bem-nutrida e em ótimas condi- ções de bem-estar  nos seus primeiros meses de vida, certamente será uma vaca mais dócil, longeva e com resultados produtivos superiores. Por isso, os cuidados dispendidos nesta fase de criação não devem ser vistos como custos, mas sim como um investimento na produ- ção futura! Indicadores de sucesso na Criação de Bezerras O conceito dos 5Cs foi introduzido para a cadeia do leite pela doutora Sheila McGuirk da Escola de Medicina Veterinária da University of Wisconsin e engloba: Colostro, conforto, con- centrado, cuidado com a limpeza e consistência na execução. Os 5Cs de sucesso na Criação de Bezerras O objetivo é aumentar a saúde do animal para garantir a produtividade no futuro. O investimento em criação de bezerra se paga após a primeira ou segunda lactação desta fêmea, e por isso vale a pena investir na qualidade de criação. Esses temas refletem de forma simplificada os 5 pontos mais importantes para promover uma boa saúde e pro- dutividade das bezerras, em qualquer tamanho de pro- priedade e para qualquer sistema produtivo. Confira a seguir a definição e aplicação desses conceitos! 1 2 3 4 5
  3. 3. O colostro é o primeiro leite produzido pela vaca leitei- ra após o parto. É rico em nutrientes e tem elementos de imunidade que ajudarão os bezerros a crescerem de forma mais saudável. Através do colostro, garante-se a transferência de imunidade passiva já nas primeiras horas de vida, o que é essencial para a sobrevivência de animais recém-nascidos. Sem o colostro, as bezerras correm maior risco de pe- gar alguma doença e podem ter um desempenho abai- xo do padrão, mesmo após se tornarem vacas adultas. Durante a gestação, o tipo de placenta da vaca não permite a transferência de anticorpos para o feto. Por isso a ingestão de colostro nas primeiras horas de vida é fundamental para absorção de imunoglobulinas e a transferência de imunidade passiva que ajudam os be- zerros a sobreviver e crescerem de forma mais saudá- vel. Três fatores são importantes para o sucesso da colostra- gem. O fator tempo ou momento da colostragem, a qua- lidade do colostro e a quantidade de colostro fornecida. 1. Colostragem Tempo As imunoglobulinas são moléculas proteicas relativa- mente grandes que devem ser absorvidas intactas pelo intestino para cumprirem suas funções de transferên- cia de imunidade. Esta absorção intestinal deve ocorrer o mais rápido possível, nas primeiras horas de vida do animal, quando a parede intestinal permite a absorção das moléculas sem causar alterações. Após 6h de vida a capacidade de absorção intestinal de imunoglobulinas reduz significativamente, chegando a praticamente zero nas primeiras 24h de vida, como mostra o gráfico. 0 20 60 100 80 40 Percentagem Horas após nascimento 0 6 12 18 24 Figura 1: Relação entre porcentagem de absorção de colostro após horas de nascimento do bezerro (adaptado de FALLON, 1990)
  4. 4. “Sem o colostro, as bezerras ficam suscetíveis às doenças e à mortalidade neonatal. Uma colostragem ineficiente pode comprometer o desempenho produtivo durante toda a vida da vaca adulta” Qualidade do colostro O colostro tem, comparado ao leite, menor teor de lacto- se e maior teor de gordura, sólidos totais, minerais vita- minas e proteína. Por esse motivo, sua qualidade é medi- da com base no teor de imunoglobulinas (lg) presentes. A medição deve ser feita antes do colostro ser utilizado ou congelado, podendo ser realizada com a ajuda do co- lostrômetro. O colostrômetro é calibrado em intervalos de 5 mg/mL, e classifica o colostro como de baixa quali- dade (vermelho) quando Ig < 20 mg/mL; moderado (ama- relo) para o intervalo de 20 – 50 mg/ mL; e excelente (ver- de) para valores de Ig maiores que 50 mg/mL. Uma vez que a densidade do colostro tem uma cor- relação forte e direta com a concentração de anticor- pos, quanto mais denso for o colostro, melhor sua qualidade. O ideal é que o colostro tenha mais de  50 miligramas por mililitro de anticorpos para garantir a transferência de imunidade passiva para as bezerras. Outra maneira de medir a qualidade do colostro é por meio do refratômetro de brix. Coloca-se uma gota de co- lostro na lente do refratômetro e a leitura é feita contra a luz. A porcentagem de brix pode ser correlacionada com a concentração de Ig do colostro, e o valor limite que in- dica que o colostro é de alta qualidade (> 50 mg de Ig/ mL) é 21% de brix. Fig 1. Colostrômetro Fig 3. Refratômetro Fig 2. Colostrômetro Fig 4. Refratômetro digital
  5. 5. Volume de colostro A quantidade de colostro fornecida também é de gran- de importância para o sucesso da colostragem. Estudos sugerem que a quantidade mínima de colostro fornecido em relação ao peso vivo seja de 5%, mas o ideal é que 10% do peso ao nascimento da bezerra seja fornecido na forma de colostro. Assim, para um bezerro de 40kg de peso vivo ao nasci- mento, devem ser fornecidos cerca de 4l de colostro de qualidade nas primeiras 6h de vida do animal. O consumo voluntário por parte do bezerro é importante para facilitar o manejo. Porém, quando o bezerro não faz isso instintivamente, é possível utilizar uma sonda para realizar a colostragem. Neste caso, o volume fornecido deve ser maior, pois parte deste colostro pode ser direcio- nado para o rúmen e não ser absorvido adequadamente. Cuidados importantes - Colete o colostro da vaca de forma higiênica. Prepare o úbere como faria para a ordenha e colete o colostro em um recipiente que tenha sido lavado com água quente e sabão. - Alimente os bezerros com cerca de três a quatro litros de colostro, logo após o nascimento. Os bezerros devem receber dois litros adicionais de colostro dentro de oito horas após o parto. - Continue alimentando o bezerro com colostro pelos pró- ximos três dias, pois é muito rico em nutrientes e energia que beneficiarão o crescimento saudável do animal. - Limpe e desinfete os equipamentos, bicos, frascos ou tubos após cada utilização. - O colostro pode ser armazenado em freezer por até 1 ano e em geladeira por 4 a 5 dias. - Não utilizar colostro de baixa qualidade, que seja escor- regadio, fino, ou que contenha sangue;
  6. 6. - Após as primeiras 24h de vida da bezerra, apesar da redução da possibilidade de absorção das imunoglobi- nas, a presença de Ig na luz intestinal pode auxiliar na redução de casos de diarreias e melhorar a imunidade local. Com isso, os colostros de pior qualidade podem ser fornecidos a bezerros mais velhos. - Não utilize o colostro que venha de vacas com mastite ou que tenham sido tratadas com antibióticos. - Para garantir que a qualidade do colostro seja manti- da, o descongelamento tem que ser feito de maneira len- ta em banho-maria a uma temperatura máxima de 50 a 55ºC.
  7. 7. O conforto também interfere na saúde das bezerras. Um animal saudável precisa estar confortável e com baixos níveis de estresse e agitação. O local deve ser aconche- gante, com temperatura adequada e em uma área bem ventilada. Esses fatores resultam em um melhor bem-es- tar e, também, diminuem a ocorrência de doenças. Manejos desafiadores como vacinação, vermifugação, descorna e transições de grupos, dietas ou ambiente devem ser realizados de forma cuidadosa e se possível com intervalos de cerca de duas semanas para evitar o acúmulo de estresse nestes animais. Vale ressaltar que embora a ocorrência de diarreias e problemas respiratórios, principais causas de mortalida- de de bezerras, tenham forte relação com falhas no pro- grama de colostragem, estas enfermidades estão tam- bém relacionadas com as instalações e o manejo dos animais. Por isso, um bom ambiente para criação de be- zerras deve prover o mínimo de conforto térmico e físico, além de priorizar boas condições de higiene e sanidade. Existem duas principais formas de alojamento de bezer- ras, o alojamento individual e o alojamento coletivo. Alojamento individual O alojamento individual possui a vantagem de reduzir a disseminação de doenças entre os bezerros. Principal- mente diarreias e doenças respiratórias, sendo esta pri- meira disseminada de forma oro fecal e a segunda pelo ar. Também com o alojamento individual é possível ter um controle mais eficiente do consumo de alimentos, princi- 2. Conforto palmente o concentrado, fundamental para o desenvolvi- mento ruminal e para a tomada de decisão em relação ao desaleitamento. O sistema individual pode ser composto por baias
  8. 8. individuais isoladas, gaiolas suspensas, galpões fechados, sistemas modulares, sistemas de casinhas ou abrigos tropicais, etc. São diversas as formas e materiais utilizados para este tipo de alojamento. Porém, lembre-se da necessidade de proporcionar conforto aos bezerros, além de fornecer água e concentrado a todo momento. Além disso, busque fazer com que o tratador tenha fácil acesso aos animais, para que consiga interagir facilmente com eles em caso de enfermidade ou apenas para o manejo diário eficiente. Alojamentos coletivos Os alojamentos coletivos têm a vantagem de permitir o comportamento natural dos bezerros, reduzindo o es- tresse e proporcionando uma interação positiva entre os animais. No entanto, o cuidado com a sanidade neste sistema deve ser ainda maior, pois há maior chance de transmis- são de doenças entre os bezerros. Neste caso, a colos- tragem deve ser bastante eficiente para aumentar a imu- nidade e reduzir a mortalidade e morbidade no grupo. Os alojamentos coletivos podem ser feitos em piquetes, em gaiolas suspensas e ripadas, loosing house, compost barn, etc. Os grupos de bezerros deve ser de 8 a 10 ani- mais de preferência contemporâneos e mantidos juntos ao longo da criação, para reduzir competição e hierarquia dentro dos lotes. Neste sistema, boa ventilação, humidade controlada e disponibilidade de sombras são fundamentais. No alojamento coletivo o aleitamento pode ser realizado de forma individual ou coletiva. Para o aleitamento cole- tivo é importante que o lote seja homogêneo para evitar que animais maiores impeçam os menores de se alimen-
  9. 9. Cuidados importantes - Os alojamentos de animais devem atender às premissas básicas: • Local limpo, arejado e seco, • Acessos adequados a alimento, água e sombra. - É importante ter um cocho com espaço para todos os animais, para evitar a competição. - Para baias com camas, é possível fazer um teste para saber quando trocar o material: ajoe- lhe-se na cama por 20 segundos. Se os seus jo- elhos ficarem molhados, prossiga com a troca. - Assegure-se de que as necessidades de reposi- ção de leite dos animais estejam sendo sanadas e garanta que um programa de desmame gradu- al possa reduzir a sucção cruzada. tar. Também deve-se ter um número de bicos disponíveis igual ou maior do que o número de bezerros. O controle do aleitamento deve ser mais rigoroso para garantir que todos estão se alimentando adequadamente. Outra questão que deve ser observada é a mamada não nutritiva, ou mamada cruzada, na qual as bezerras, em um comportamento instintivo, mamam umas nas outras, principalmente no umbigo, úbere e orelhas. Este compor- tamento é prejudicial, e pode causar problemas sérios e até mesmo a perda de tetos no animal.
  10. 10. A transição de dieta líquida para a dieta sólida é um pon- to importante para o desenvolvimento do animal. Natu- ralmente, o desaleitamento ou desmama ocorre entre 6 e 8 meses, porém em sistemas de produção de leite este processo ocorre entre 2 e 3 meses de idade. Por isso, é importante que a bezerra tenha um manejo adequado com inserção de alimentos concentrados para auxiliar no desenvolvimento do rúmen desde os primeiros dias de vida. Durante o aleitamento, é muito importante estimular o consumo de concentrado, para que a bezerra consiga de- senvolver seu sistema digestivo. Essa fase de transição pode configurar um período de grande estresse na vida do animal, sendo importante que ele esteja preparado fi- siologicamente para obter nutrientes como um ruminan- te adulto. As necessidades energéticas de uma bezerra baseiam-se no ambiente e no seu potencial genético para o cresci- mento. A fase de crescimento pré-ruminante, que ocorre entre 0 e 3 semanas de idade, é o estágio mais eficiente de crescimento e, por isso, demanda muita atenção. Para que a bezerra seja considerada um ruminante fun- cional, ela deve ser capaz de ingerir alimentos sólidos que irão auxiliar no desenvolvimento do rúmen propor- cionando a fermentação ruminal. O desenvolvimento do rúmen ocorre com o aumento da capacidade física, estabelecimento de colônias bacteria- nas (amilolíticas, celulolíticas, metanogênicas entre ou- tras) e desenvolvimento das papilas para permitir a ab- sorção dos AGVs produzidos pela fermentação. Todas essas mudanças no sistema digestivo da bezer- ra serão determinadas pelo correto manejo nutricional e fornecimento de alimentos de qualidade. 3. Concentrado
  11. 11. Cuidados importantes - Deve-se fornecer um concentrado de qualidade, com ingredientes de alta di- gestibilidade, estimulando o desenvolvi- mento ruminal e permitindo o desaleita- mento com mínimo estresse animal; - Eventos anormais (como doenças, va- cinação, entre outros) podem ser poten- cialmente estressantes às bezerras. Por isso, é importante que se aumente o vo- lume de concentrado nesse período, já que os animais irão queimar mais ener- gia quando estiverem agitados. - Cuidado, o excesso de concentrado pode predispor o animal a sérios distúr- bios metabólicos e nutricionais.
  12. 12. 4. Cuidados na Limpeza Umbigo A prática de cura e limpeza do umbigo são fundamentais para a sanidade da bezerra recém nascida. A cura do um- bigo deve ser feita assim que o bezerro nasce, e repetida a cada 12h para evitar que seja utilizada como porta de en- trada para bicheiras e infecções. O ideal é que o cordão umbilical remanescente não seja muito comprido, deven- do ter cerca de 5 cm de distância do abdômen. A limpeza deve ser feita com solução de iodo (de 7 a 10%), através de imersão do cordão umbilical para que ocorra a cicatrização, mumificação e queda do coto um- bilical. Quando a cura é bem feita, ele se desprende com cerca de 3 a 5 dias. Um umbigo mal curado pode causar problemas como bi- cheiras, infecções, hérnias e abcessos. Isso prejudica o desenvolvimento dos animais, podendo afetar o ganho de peso ou até mesmo levar o animal a óbito. Problemas de umbigo são a segunda maior causa de morte no bezerreiro, por isso a cura deve ser realizada corretamente.
  13. 13. Ambiente Desde o seu nascimento, a bezerra precisa permanecer em um ambiente limpo, seco, bem alojado e livre de cor- rentes de ar. No parto, é de extrema importância que a área esteja limpa, com uma cama grossa e separação imediata para reduzir o contato com o estrume, e con- sequentemente por infecções com as bactérias: Salmo- nella, E.Coli e Leptospirose. Estes cuidados são muito importantes para o bem-estar do animal, pois proporcionará um melhor desenvolvimen- to e menor incidência de doenças. Quando o sistema é coletivo com grupos entrando e sain- do do bezerreiro ao mesmo tempo, é possível realizar o vazio sanitário, e com isso uma limpeza mais rigorosa. O ideal é realizar a retirada de toda a matéria orgânica, lavar as baias ou casinhas, desinfetar e passar vassoura de fogo. Para evitar que haja a transmissão de microor- ganismos de um animal para outro. Os equipamentos devem ser limpos e desinfetados dia- riamente, e as camas devem ser trocadas pelo menos uma vez por semana. Cuidados importantes - A secagem adequada dos equipamentos de mistura e alimentação é essencial. Baldes de empilhamento dentro de um outro podem ocu- par menos espaço na sala de mistura, mas pos- sibilita que a umidade fique presa dentro. - Empilhar os baldes em um efeito de pirâmide permitirá uma drenagem mais adequada. - Quando utilizar garrafas e mamilo, é importan- te colocar esses itens em prateleiras. - Além do estrume, sangue e proteínas do leite são meios de crescimento para patógenos. O equipamento de mistura e alimentação de leite deve ser completamente lavado e desinfetado entre refeições. - Lave seus utensílios de alimentação de be- zerras de uma maneira similar ao seu ciclo de lavagem, utilizando ácido, água quente e um en- xágue com água fria.
  14. 14. 5. Consistência Não há como evitar: as bezerras gostam muito de man- ter uma rotina estável, dia após dia. Assim, alterações no manejo, na alimentação ou na temperatura, podem ser muito estressantes ao animal, trazendo prejuízos em seu desenvolvimento e, até mesmo, resultando em diarreia alimentar. Cuidados importantes - Busque manter uma rotina estável em todos os parâmetros que acercam os bezerros; - O tratador também precisa ter consistência em suas atitudes, de preferência sendo positiva; A consistência também é muito importante para minimi- zar o estresse dos animais, evitando gastos com sanida- de e perda de desempenho no futuro. O ideal é criar um protocolo com todas as metodologias e procedimentos que devem ser realizados e seguir este protocolo diariamente de forma eficiente e padronizada.
  15. 15. Vamos colocar em prática? Ler sobre o assunto é fundamental! Mas, se você deseja se aprofundar na criação de bezerras, seja para iniciar na produção ou para aperfeiçoamento e atualização, recomendamos a realização de cursos onde você possa ver o manejo na prática e entender melhor sobre o dia a dia de propriedades que já atuam com a criação! No EducaPoint, você pode realizar vários cursos com este tema, fizemos uma lista dos cursos que você pode ter interesse, confira e aproveite! Aspectos Práticos da criação de bezerras leiteiras Instrutora: Carla Maris Bittar Bem-estar de bezerras leiteiras: boas práticas com resultados no presente e futuro Instrutora: Lívia Magalhães Práticas essenciais no manejo sanitário de bezerras leiteiras no período neonatal Instrutora: Viviani Gomes Atualidades no manejo de bezerras Instrutor: João Costa Aleitamentos de bezerras com sucedâneos lácteos Instrutora: Carla Maris Bittar CLIQUE NOS CURSOS AO LADO!
  16. 16. Costa JHC, von Keyserlingk MAG, Weary DM (2016) Invited review: effects of group housing of dairy calves on behavior, cognition, performance and health. Journal of Dairy Science 99, 2453–2467. De Paula Vieira, A., M. A. G. von Keyserlingk, and D. M. Weary. 2010. Effects of pair versus single housing on performance and behavior of dairy calves before and after weaning from milk. J. Dairy Sci. 93:3079–3085. http://calfcare.ca/health/controlling-disease-through-calf-management/the-5-cs/ Referências bibliograficas Produção: Equipe EducaPoint Acompanhe a gente! Aprenda cada vez mais: www.educapoint.com.br facebook.com/cursoseducapoint @educapoint

×