SlideShare uma empresa Scribd logo
FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE FERNANDÓPOLIS
        FACULDADES INTEGRADAS DE FERNANDÓPOLIS




                  ALLAN VIDOTI DIAS
               AMANDA MANZATO VOLPE
            ELIZÂNGELA BATISTA DO PRADO
          LARISSA GABRIELE BARRETO ANGELO




O IDOSO E O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS NO MUNICÍPIO
                 DE FERNANDÓPOLIS




                   FERNANDÓPOLIS
                        2011
ALLAN VIDOTI DIAS
                AMANDA MANZATO VOLPE
             ELIZÂNGELA BATISTA DO PRADO
           LARISSA GABRIELE BARRETO ANGELO




O IDOSO E O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS NO MUNICÍPIO DE
                    FERNANDÓPOLIS




                    Trabalho de conclusão de curso apresentado à
                    Banca Examinadora do Curso de Graduação em
                    Farmácia      da     Fundação      Educacional  de
                    Fernandópolis como exigência parcial para obtenção
                    do título de bacharel em farmácia.


                    Orientador: Prof. MSc. Giovanni Carlos de Oliveira




                  FERNANDÓPOLIS – SP
                            2011
ALLAN VIDOTI DIAS
                         AMANDA MANZATO VOLPE
                      ELIZÂNGELA BATISTA DO PRADO
                    LARISSA GABRIELE BARRETO ANGELO




     O IDOSO E O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS NO MUNICÍPIO DE
                                 FERNANDÓPOLIS




                                Trabalho de conclusão de curso aprovado como
                                requisito parcial para obtenção do título de bacharel
                                em farmácia.

                                Aprovado em: 09 de dezembro de 2011.




           Banca examinadora                  Assinatura               Conceito
Prof. MSc. Giovanni Carlos de
Oliveira
Profa. Valéria Cristina José Erédia
Fancio
Prof. MSc. Roney Eduardo Zaparoli




                      Prof. MSc. Giovanni Carlos de Oliveira
                         Presidente da Banca Examinadora
Dedicamos este trabalho primeiramente a Deus, que
nos permitiu a graça da vida, pois sem ele não
estaríamos aqui presentes realizando este trabalho.
Aos nossos pais que depositaram total confiança em
nós e proporcionaram a maravilhosa oportunidade
de ingressar no ensino superior.
Aos familiares que nos apoiaram durante esta fase
tão importante de nossas vidas.
AGRADECIMENTOS



       Aos professores, especialmente ao Prof. MSc. Giovanni Carlos de Oliveira,
pela contribuição, dentro de suas áreas, para o desenvolvimento de nossa
monografia.
       Aos familiares, principalmente aos nossos pais, pelo apoio e compreensão,
aos quais devemos todo nosso esforço e dedicação.
       Agradecemos a Deus por nos abençoar com sabedoria, inteligência e força
de vontade para concluir a fase final da nossa graduação.
       E por fim agradecemos uns aos outros do nosso grupo, pois sem a nossa
união nada seria realizado e não estaríamos preparados para enfrentar as
dificuldades que passamos.
Que     os    vossos    esforços  desafiem  as
impossibilidades, lembre-vos de que as grandes
coisas do homem foram conquistadas do que
parecia impossível.
                             Charles Chaplin
RESUMO



Os idosos representam o estrato etário com maior utilização de medicamentos na
sociedade. Os aspectos farmacocinéticos, doenças crônicas que acometem
geralmente esta faixa etária, os medicamentos utilizados nessas doenças são
abordados neste trabalho, demonstrando as mudanças fisiológicas e os processos
patológicos que ocorrem na terceira idade. Este trabalho tem como objetivo geral
verificar o uso racional de medicamentos em idosos, através de pesquisas na rede
pública de saúde do município de Fernandópolis. Foi aplicado um questionário
abordando 22 perguntas relacionadas ao uso racional de medicamentos e aspectos
envolvidos na terapêutica da população idosa, aplicado em forma de entrevista
direta com os pacientes idosos. No momento em que eles esperavam por uma
consulta médica ou quando passavam pela unidade de saúde para buscar
medicamentos. A automedicação tem sido objetivo de muitas pesquisas e assume
uma importância maior quando é realizada em idosos, pois geralmente representam
um grupo polimedicado. O presente estudo teve relevância para reflexão ao
tratamento com os idosos, que juntamente com as crianças, são as classes que
mais requer cuidado e atenção. Contudo a prática do uso racional de medicamentos
precisa ser exposta cada vez mais, tanto para os profissionais da saúde, que são
responsáveis pelo auxílio, atenção e cuidados com a saúde dos pacientes, quanto
para a sociedade, que necessita estar sempre informada sobre os cuidados que
devem ser adotados na terapêutica medicamentosa dos idosos, para proporcionar a
qualidade de vida a esta classe.


Palavras-chave: Uso racional de medicamentos. Qualidade de vida. Idoso. Saúde.
ABSTRACT



The elderly represent the age stratum with greater drug use in society. The
pharmacokinetic aspects, chronic diseases that typically affect this age group, the
drugs used in these diseases are discussed in this work, demonstrating the
physiological and pathological processes that occur in old age. This study aims to
verify the general rational use of drugs in the elderly through research in the public
health of the city of Fernandópolis. We applied a questionnaire with 22 questions
related to the rational use of medicines and therapeutic aspects involved in the
elderly population, applied in the form of direct interview with the elderly. The
moment they were waiting for a doctor's appointment or when they passed by the
health unit to get some medicine. Self-medication has been the subject of much
research and assumes greater importance when it is performed in the elderly
because they generally represent a group receiving multiple medications. This study
has relevance for reflection to treatment with the elderly, who along with children, are
the classes that require more care and attention. However the practice of rational
drug use must be increasingly exposed both to health professionals who are
responsible for their help, support and care for the health of patients and for society,
which needs to be kept informed about the care that should be adopted in the drug
therapy of the elderly, to the quality of life for this class.


Keywords: Rational use of medicines. Quality of life. Elderly. Health.
LISTA DE FIGURAS



Figura 1-   Idade dos entrevistados
Figura 2-   Sexo dos entrevistados
Figura 3-   Escolaridade dos entrevistados
Figura 4-   Trabalho da Unidade de Saúde
Figura 5-   Questão sobre medicamentos encontrados na rede pública
Figura 6-   Uso correto de medicamentos, posologia e tratamento
Figura 7-   Uso de medicamentos próximo às refeições
Figura 8-   Orientações do farmacêutico e funcionários em relação ao uso dos
            medicamentos
Figura 9-   Adesão ao tratamento
Figura 10- Problema relacionado a não utilização do medicamento necessário
Figura 11- Uso de medicamentos em doenças crônicas
Figura 12- Classes dos medicamentos utilizados no tratamento das doenças
            crônicas
Figura 13- Automedicação
Figura 14- Classes dos medicamentos utilizados na automedicação
Figura 15- Desistência de uso do medicamento por apresentar efeito adverso
Figura 16- Embalagens de medicamentos
Figura 17- Local de armazenamento dos medicamentos
Figura 18- Uso de cigarro e bebida alcoólica
Figura 19- Tipo de líquido ingerido na administração do medicamento
Figura 20- Hábito de leitura da bula
Figura 21- Entendimento da bula
Figura 22- Locais de procura dos medicamentos não encontrados na rede
            pública
LISTA DE SIGLAS



ARA II - Antagonista dos Receptores da Angiotensina II
CNS - Conselho Nacional de Saúde
DA - Doença de Alzheimer
DSM-IV - Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos mentais da associação
Americana de Psiquiatria
FDA - Food And Drug Administration
GABA - Ácido Gama-aminobutíirico
IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia Estatística
IECAS - Inibidores da Enzima de Conversão da angiotensina
MAO- A - Monoaminoxidase
NAI - Núcleo de Atenção ao Idoso
OMS - Organização Mundial da Saúde
PA - Pressão Arterial
PNAF - Política Nacional de Assistência Farmacêutica
PNM - Política Nacional de Medicamentos
PSF - Programa de Saúde da Família
RAM - Reações adversas a medicamentos
RENAME - Relação Nacional de Medicamentos Essenciais
SUS - Sistema Único de Saúde
UERJ - Universidade do Estado do Rio de Janeiro
UNATI - Universidade Aberta da Terceira Idade
USF - Unidade de Saúde da Família
SUMÁRIO



INTRODUÇÃO....................................................................................................12

1 QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO.................................................................16

2 RESPONSABILIDADES INSTITUCIONAIS....................................................18

3 ORIENTAÇÃO AO PACIENTE SOBRE O USO DE MEDICAMENTO..........18

3.1 REORIENTAÇÃO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA.............................21

3.2 DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS........................................................25
3.3 USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS.......................................................25
4 IATROGENIA...................................................................................................26

4.1 MEDICAR O IDOSO.....................................................................................26
5 ADESÃO DO PACIENTE AO TRATAMENTO................................................27

5.1 PREVALÊNCIA, FATORES ASSOCIADOS E USO INADEQUADO DE
MEDICAMENTOS ENTRE IDOSOS...................................................................28

6 FARMACOLOGIA GERIATRICA....................................................................29

6.1 DEMÊNCIA...................................................................................................29

6.1.1 DOENÇA DE ALZHEIMER........................................................................30

6.2 DIABETE MELITO.........................................................................................30

6.3 HIPERTENSÃO ARTERIAL..........................................................................32

6.4 DEPRESSÃO................................................................................................33
7 VARIÁVEIS FISIOLÓGICAS NO IDOSO QUE ALTERAM OS EFEITOS DOS
FÁRMACOS........................................................................................................33

7.1 ASPECTOS FARMACOCINÉTICOS............................................................34

8 PRESCRIÇÕES EM IDOSOS..........................................................................35

8.1 PRINCÍPIOS DE PRESCRIÇÃO DE DROGAS NOS IDOSOS....................35
9 O FUTURO EM RELAÇÃO AO USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS EM
IDOSO.................................................................................................................36
10 MÉTODO........................................................................................................38
11 RESULTADOS E DISCUSSÃO.....................................................................39
12 CONSIDERAÇÕES FINAIS...........................................................................61
REFERÊNCIAS...................................................................................................63
APÊNDICE..........................................................................................................69
12



                                    INTRODUÇÃO



       Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no
Brasil a população idosa vem crescendo quase oito vezes mais que os jovens e
quase duas vezes mais que a população geral, passando de 6,3%, em 1980, para a
cifra estimada de 14% no ano de 2025, o que em números absolutos posiciona-se
na sexta maior população de idosos do mundo (COSTA et al., 2009).
       Com esse elevado aumento da população idosa no Brasil a qual segue uma
tendência já ocorrida em países desenvolvidos, ocorre um aumento de desafios aos
serviços e aos profissionais da saúde. Consequentemente verifica-se um grande
número de patologias encontradas com sintomatologias diversas e, ademais, a
prevalência de doenças crônicas degenerativas, as quais frequentemente dependem
de terapêuticas medicamentosas prolongadas ou contínuas. Por esse motivo, esses
indivíduos   tornam-se    grandes    consumidores     de   medicamentos      sendo,
possivelmente, o grupo etário mais medicalizado na sociedade (ANDRADE; SILVA;
FREITAS, 2009).
       Por esse motivo a promoção do uso racional de medicamentos e a educação
terapêutica são indispensáveis nos dias de hoje e a aplicação dessa racionalidade
pode ser feita através de aconselhamentos, os quais permitem um maior
relacionamento entre os profissionais de saúde e o paciente. Isso torna o tratamento
mais eficaz e capacita o idoso a lidar com possíveis efeitos colaterais e interações
medicamentosas contribuindo para a adesão ao tratamento (ANDRADE; SILVA;
FREITAS, 2009).
       Refletindo o aumento da população de idosos se observa aumento do
consumo de medicamentos por essa população. Mais de 80% desses indivíduos
utilizam, pelo menos, um medicamento por dia, e cerca de um terço consome cinco
ou mais simultaneamente. Esse público constitui aproximadamente 50% dos
multiusuários, sendo ate considerados o grupo etário que mais consome
medicamentos na sociedade, fato justificado pelo aumento da prevalência de
doenças crônicas relacionadas à idade (COSTA et al., 2009).
13



                                A chegada da terceira idade traz consigo limitações sobre
                                um corpo já muito vivido. Já não se tem a mesma
                                vitalidade, a rapidez dos movimentos e do raciocínio, a
                                mesma coordenação motora da época da juventude. Há
                                mais tempo disponível, mas os idosos não sabem o que
                                fazer com ele... Acostumados a fazer, não sabem o que é
                                ser (COSTA et al., 2009).

        De acordo com Andrade; Silva; Freitas (2009) em função da presença
frequente de múltiplas patologias, requerendo terapias diferentes, as quais podem
resultar no uso concomitante de vários medicamentos, por isso, o aconselhamento
acerca do uso racional de medicamento é uma pratica importante e essencial tanto
para a população em geral e em especial, para o idoso. Por isso, uma boa estratégia
de administração que diminua os riscos de efeitos colaterais ou adversos e de
interações medicamentosas é muito necessária e muito eficaz. Somam-se a isto
vários fatores, entre outros:
        a) automedicação com produtos de venda livre, e aqueles indicados e até
fornecidos por pessoas próximas;
        b) a não adesão ao tratamento que aumenta com a idade.
        Segundo Andrade; Silva; Freitas (2009) este quadro pode ser agravado por
alterações fisiológicas como:
        a) redução da memória, da visão, da destreza manual;
        b) não acesso ao (s) medicamento(s);
        c) perda da capacidade de reserva funcional de órgãos vitais;
        d) deterioração do controle homeostático e,
        e) alterações na velocidade e extensão de metabolização do fármaco, com
consequência na ação farmacológica.
        Escolheu-se este tema devido à relevância do mesmo em relação à saúde
pública e ao aumento da população de idosos, esse público vem se destacando com
relação a sua expectativa de vida que é cada vez maior.
        O uso racional de medicamento em idosos é um assunto muito discutido nos
dias atuais. Por isso, considerou-se fazer uma pesquisa sobre o uso de
medicamentos e outros aspectos ligados a saúde dos idosos, a nível municipal, e
através desta, coletaram-se dados, buscando saber qual a situação dos idosos no
município de Fernandópolis.
        Outro fato importante é que com os resultados do trabalho, podem-se
observar vários problemas enfrentados pelos idosos, tanto nas unidades básicas de
14



saúde quanto na sua rotina em casa, e os resultados obtidos poderão ser utilizados
na assistência ao idoso, pois sabendo dos problemas enfrentados por eles, ficará
mais fácil orientá-los, contribuindo para melhora da qualidade de vida.
           Foi utilizada uma pesquisa exploratória com 22 questões em três unidades
de saúde com 100 pessoas modo a buscar dados para a elaboração do trabalho.
           Este trabalho tem como objetivo geral verificar o uso racional de
medicamentos em idosos, através de pesquisas na rede pública de saúde do
município de Fernandópolis.
           O estudo tem como objetivos específicos a observação da (s):
          Prática   de    assistência    farmacêutica     tem   influências   positivas   na
          administração dos medicamentos e reafirma quanto à dispensação e
          orientação do seu uso;
          Saúde e qualidade de vida do idoso: alimentação adequada, atividade física,
          uso de álcool e tabaco;
          Reações adversas e adesão ao tratamento;
           Este trabalho foi dividido em oito capítulos.
           Sendo o primeiro, saúde e qualidade de vida do idoso, abordando aspectos
da       longevidade,     atividades   físicas,   melhores   alimentações,     controle    de
medicamentos de acordo com suas reais necessidades.
            O segundo capítulo relata sobre responsabilidades institucionais, ao
Sistema Único de Saúde (SUS) caberá prover meios para alcance do propósito da
política nacional de saúde do idoso.
           No terceiro capítulo apresenta a orientação ao paciente sobre o uso de
medicamento, relacionando a promoção do uso racional com a Política Nacional de
Medicamentos brasileira (PNM). Relata a prática da assistência farmacêutica, as
finalidades de sua reorganização, responsabilidades da PNM e dispensação de
medicamento.
           Já no quarto define iatrogenia e os fatores que levam ao acontecimento da
mesma, como é o funcionamento do organismo do idoso e como acertar na
prescrição do medicamento.
           O capítulo cinco aborda a adesão ao tratamento, o idoso tem dificuldade de
adesão ao tratamento,            observam-se com         maior frequência de       erros de
administração, fatores sócios econômicos, fatores associados ao mau uso do
medicamento entre idosos.
15



        De acordo com o capítulo seis exemplifica a farmacologia geriátrica de
algumas doenças mais acometidas nos pacientes idosos, demência como o
Alzheimer, diabete melito, hipertensão arterial e depressão.
        No capítulo sete destaca as principais variáveis fisiológicas no idoso que
altera os efeitos dos fármacos, isso decorre devido à idade avançada, tornando o
idoso mais sensível. O fator fisiológico próprios do idoso pode alterar a
farmacocinética e farmacodinâmica.
        O capítulo oito tem como tema prescrições em idosos, comentando as
exigências contidas nas bulas dos produtos com orientações sobre o uso em
pacientes acima de 65 anos; os princípios da prescrição e fatores relacionados.
        O capítulo nove traz a finalização do desenvolvimento teórico, com o tema o
futuro em relação ao uso racional de medicamentos em idoso, e aborda fatores
relacionados à farmacologia, e ao uso indevido de medicamentos que ocorre com
esta faixa etária. Comenta o que deve ser feito para diminuir o uso inadequado de
medicamentos pelos idosos.
16



1 SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO



       O aumento da longevidade e a redução das taxas de mortalidade, nas
últimas décadas do século passado, mudaram o perfil demográfico. No Brasil, em
1900, a expectativa de vida ao nascer era de 33,7 anos; nos anos 40, de 39 anos;
em 50, aumentou para 43,2 anos e, em 60, era de 55,9 anos. De 1960 para 1980,
essa expectativa ampliou-se para 63,4 anos, isto é, foram acrescidos vinte anos em
três décadas, segundo revela o Anuário Estatístico do Brasil de 1982 (IBGE). De
1980 para 2000, o aumento deverá ser em torno de cinco anos, ocasião em que
cada brasileiro, ao nascer, esperará viver 68 anos e meio. As projeções para o
período de 2000 a 2025 permitem supor que a expectativa média de vida do
brasileiro estará próxima de 80 anos, para ambos os sexos (PINTO et al., 2003).
       Segundo Braga (2003) o aumento na expectativa de vida, tem sido
observado, a partir da década de 60, um declínio acentuado da fecundidade,
levando a um aumento importante da proporção de idosos na população brasileira.
De 1980 a 2000, o grupo etário com 60 anos ou mais deverá crescer, as projeções
apontam para um crescimento de 130% no período de 2000 a 2025. Isso faz com
que se criem algumas diretrizes para cuidar desse público tais como a promoção do
envelhecimento saudável; a manutenção da capacidade funcional; assistência às
necessidades de saúde do idoso; a reabilitação da capacidade funcional
comprometida; o apoio ao desenvolvimento de cuidados informais; e o apoio a
estudos e pesquisas.
       Esse fenômeno delineia uma série de implicações sociais, culturais e
epidemiológicas, uma vez que nesse grupo etário, a prevalência de morbidades e
incapacidades é maior. Apesar disso ainda são escassos os estudos referentes a
idosos de forma a permitir o conhecimento das condições de saúde desse grupo no
país (NOGUEIRA et al., 2010).
       O   envelhecimento    humano     provoca   modificações   no   corpo   como
consequência de mudanças durante todo o processo evolutivo: alterações
cardiovasculares, metabólicas, respiratórias, na pele, no sistema digestivo, ósseo,
neurológico, gênito-urinário e muscular. No entanto, o poder de percepção destas
alterações não se altera fundamentalmente com idade (ANDRADE; SILVA;
FREITAS, 2009).
17



          O envelhecimento passa a ser caracterizado pela incapacidade progressiva
de o organismo adaptar- se às condições variáveis do seu ambiente. Os
mecanismos implícitos neste episódio apresentam as seguintes características: são
progressivos, nocivos, irreversíveis e geralmente comuns a inúmeros organismos,
sendo semelhantes na mesma espécie. Os primeiros sinais que se notam são os
físicos: cabelos brancos, pele enrugada, atividade física diminuída entre outros. Em
geral, à medida que se envelhece os órgãos reduzem o número de células e
diminuem o funcionamento do organismo tendo um impacto significativo nos
aspectos biopsicossocial, espiritual e na multidimensionalidade da sua saúde,
características marcantes na vida do idoso (ANDRADE; SILVA; FREITAS, 2009).
         O uso racional de medicamentos contribui com a qualidade de vida dos
idosos, para que o paciente receba o medicamento apropriado à sua necessidade
clínica na dosagem e posologia corretas, por um período de tempo adequado e ao
menor custo, além de diminuir a não adesão ao tratamento farmacológico, reações
adversas, interações entre medicamentos e risco de hospitalização (MOREIRA et al.,
2010).
         O envelhecimento da população tende a proporcionar, nas próximas
décadas, desafios cada vez maiores aos serviços de saúde. No bojo desse
processo, o delineamento de políticas específicas para pessoas idosas vem sendo
apontado como altamente necessário, sendo imprescindível o conhecimento das
necessidades e condições de vida desse segmento etário (ANDRADE; SILVA;
FREITAS, 2009).
         De acordo com a Portaria 1395/GM- Política de Saúde do Idoso, o apoio
informal e familiar constitui um dos aspectos fundamentais na atenção à saúde
desse grupo populacional Isso não significa, no entanto, que o estado deixa de ter
um papel preponderante na promoção, proteção e recuperação da saúde do idoso
nos três níveis de gestão do SUS, capaz de aperfeiçoar o suporte familiar sem
transferir para a família a responsabilidade em relação a este grupo (BRASIL, 1999).
18



2 RESPONSABILIDADES INSTITUCIONAIS



         A Portaria 1395/GM- Política de Saúde do Idoso dispõe que caberá ao SUS,
de forma articulada e na conformidade de suas atribuições comuns e específicas,
proverem os meios para o alcance do propósito desta Política Nacional de Saúde do
Idoso, que é a promoção do envelhecimento saudável, a manutenção e a melhoria,
ao máximo, da capacidade funcional dos idosos, a prevenção de doenças, a
recuperação da saúde dos que adoecem e a reabilitação daqueles que venham a ter
a sua capacidade funcional restringida (BRASIL, 1999).



3 ORIENTAÇÃO AO PACIENTE SOBRE O USO DE MEDICAMENTO



         As orientações sobre medicamentos fornecidas aos pacientes são
fundamentais para o sucesso do tratamento, uma vez que a ausência delas é uma
das principais causas do uso incorreto dos medicamentos. O uso racional de
medicamentos, almejado pela Política Nacional de medicamentos brasileira, é o
processo que compreende a prescrição apropriada, a disponibilidade oportuna e a
preços acessíveis, a dispensação em condições adequadas e o consumo nas doses
indicadas, nos intervalos definidos e no período de tempo determinado de
medicamentos eficazes, seguros e de qualidade (OENNING; OLIVEIRA; BLATT,
2011).
         A implementação dessa prática tem como objetivo melhorar o padrão de
atendimento, colaborando significativamente com a redução de gastos. Ao contrário,
o uso inadequado de medicamentos pode causar malefícios à saúde dos usuários,
tais como efeitos adversos, eficácia limitada, resistência a antibióticos e
farmacodependência. Entre os fatores que contribuem para o uso inadequado de
medicamentos não pode deixar de ser destacadas às estratégias de promoção e
vendas das empresas farmacêuticas e o papel assumido pelo medicamento na
atualidade. Sendo que, este segundo, está em grande parte relacionado com o
primeiro (OENNING; OLIVEIRA; BLATT, 2011).
         Atualmente, o uso de medicamentos pelos idosos tem gerado preocupação
quanto aos gastos excessivos e aos possíveis efeitos, benéficos ou indesejáveis. O
19



perfil de uso obedece a peculiaridades de idade, gênero, inserção social, estado de
saúde e classe terapêutica. A inadequação traduz-se por quantidade e qualidade
impróprias dos produtos empregados. O aprimoramento da farmacoterapia depende
da atuação no campo da prescrição e no da investigação científica (ROZENFELD,
2003).
         Novos produtos surgem de modo permanente. Entre eles, destacam-se os
empregados para o controle das doenças crônicas e aqueles que aprimoram a
qualidade de vida. Assim sendo, é importante criar mecanismos que permitem ao
clínico acompanhar e interpretar a literatura médica, bem como prescrever com base
em evidências epidemiológicas consistentes (ROZENFELD, 2003).
         Segundo Rozenfeld (2003) há medidas importantes a serem seguidas diante
do paciente idoso: estímulo ao emprego de medidas não farmacológicas;
acompanhamento, com revisão periódica, do conjunto dos medicamentos e de seus
possíveis efeitos adversos; preferência por mono drogas, em detrimento das
associações em doses fixas; preferência por fármacos de eficácia comprovada
através de evidências científicas; suspensão do uso, sempre que possível;
verificação da compreensão da prescrição e das orientações farmacológicas ou não
farmacológicas; simplificação dos esquemas de administração; atenção aos preços.
         No Sistema Único de Saúde, o acesso aos medicamentos é mediado pela
apresentação da prescrição, sendo esta uma ordem escrita dirigida ao farmacêutico,
com a definição do medicamento que deverá ser fornecido ao paciente, bem como
com a maneira que este deverá utilizá-lo. A prescrição constitui um documento legal
pelo qual se responsabilizam quem prescreve (médico, dentista) e quem dispensa o
medicamento (farmacêutico), ambos os sujeitos à legislação de controle e a ações
da vigilância sanitária (OENNING; OLIVEIRA; BLATT, 2011).
         O profissional da saúde que dispensa medicamentos exerce um importante
papel na utilização correta deles. A dispensação é uma das últimas oportunidades
de identificar, corrigir ou reduzir possíveis riscos à terapêutica medicamentosa, pois,
além de dispensar o medicamento com qualidade e de maneira correta, o
farmacêutico deve complementar as informações passadas pelo médico ao paciente
sobre os medicamentos prescritos, como os cuidados na administração e as
orientações não farmacológicas, de forma a contribuir com seu uso racional e para a
melhora do quadro clínico do paciente, sem o eventual aparecimento de efeitos
indesejados para este (OENNING; OLIVEIRA; BLATT, 2011).
20



         O padrão de consumo elevado de medicamentos entre os idosos que vivem
na comunidade tem sido descrito tanto no Brasil e no mundo. Em média, 2 a 5
medicamentos são prescritos regularmente a idosos e a prevalência de uso é maior
entre as mulheres independentemente da faixa de idade. É consenso que o
desenvolvimento de medicamentos representa um grande avanço na história da
ciência e que contribui com relevante significância para a melhoria da qualidade de
vida da população. No entanto, a possibilidade de um dano induzido em decorrência
da utilização de fármacos, mesmo quando utilizados nas doses preconizadas e com
indicação terapêutica adequada se constitui em fato real. A população idosa possui
risco elevado o de problemas relacionados a medicamentos (MEDEIROS et al.,
2011).
         Segundo Medeiros et al.,(2011) a vulnerabilidade dos usuários de
medicamentos, em especial os idosos, torna-se pronunciada quando se pratica o
uso indiscriminado de medicamentos. A utilização dos medicamentos envolvendo
mau uso e abuso de consumo, e a não adesão a tratamentos importantes tem
provocado impacto sobre as medidas públicas para prevenção de agravos e
promoção da saúde, assim como sobre o ciclo econômico envolvido na prestação
dos serviços de saúde. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que mais da
metade de todos os medicamentos são prescritos, dispensados ou vendidos
inadequadamente, e que, aproximadamente 50% de todos os pacientes não os
utilizam corretamente.
         Ao longo do século XX, o medicamento deixou de ser somente um
instrumento de ação terapêutica para converter-se em um elemento complexo –
técnico e/ou simbólico atualmente a prescrição farmacoterapêutica tornou-se quase
que obrigatória nas consultas médicas, sendo o médico avaliado pelo paciente por
esta prática. Assim, a prescrição do medicamento tornou-se sinônimo de boa
conduta médica, justificando sua enorme demanda, portanto, a medicalização da
vida reforça a necessidade por uma abordagem multidimensional do atendimento,
pautada no modelo interdisciplinar aplicado ao envelhecimento e cujo foco está no
sujeito da intervenção (MEDEIROS et al., 2011).
         Assistência farmacêutica no Brasil até o ano de 1997, quando foi desativada,
sendo suas atribuições transferidas para diferentes órgãos e setores do Ministério da
Saúde. No que se refere à ampliação do acesso aos medicamentos no Brasil, as
instâncias gestoras e de controle social têm buscado sanar importantes lacunas que
21



foram aprofundadas na década de 90, com o crescente e rápido desenvolvimento
técnico e científico neste campo. A equidade no acesso aos medicamentos no SUS
tem sido discutida a partir da premissa de que o direito à assistência integral
farmacêutica implica a partilha entre os entes federativos das responsabilidades
legais do Estado, de propiciar o acesso igualitário e universal aos medicamentos e
procedimentos terapêuticos para a assistência integral à saúde dos cidadãos. A
necessidade de apontar aos gestores um rumo para a área resultou na formação de
um grupo de profissionais que atuavam na mesma, o qual discutiu os principais
aspectos relacionados aos medicamentos no país. Foi estabelecida, como resultado
dessas discussões, a Política Nacional de Medicamentos, publicada pela Portaria
GM/MS n. 3916, em 1998 (BRASIL, 2002).
        Essa política estabelece diretriz e prioridades que resultaram em importantes
avanços na regulamentação sanitária, no gerenciamento de medicamentos e na
organização e gestão da assistência farmacêutica no SUS (BRASIL, 2007).


3.1 Reorientação da assistência farmacêutica


        As principais finalidades da reorganização da assistência são:
      A garantia da necessária segurança, da eficácia e da qualidade dos
       medicamentos;
      A promoção do uso racional dos medicamentos;
      O acesso da população naqueles medicamentos considerados essenciais.
        Destas   diretrizes,   foram   consideradas   como   prioridades   a   revisão
permanente da Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (RENAME), a
reorientação da Assistência Farmacêutica, a promoção do uso racional de
medicamentos e a organização das atividades de Vigilância Sanitária de
medicamentos para regular esta área. A implementação dessas diretrizes
demandam ações que vêm sendo desenvolvidas ao longo dos anos (BRASIL, 2007).
        Um aspecto importante a ser mencionado em relação à PNM é a
explicitação do caráter sistêmico e multidisciplinar da assistência farmacêutica,
definindo-a como:
22



                              Grupo de atividades relacionadas com o medicamento
                              destinadas a apoiar as ações de saúde demandadas por
                              uma comunidade. Envolve o abastecimento de
                              medicamentos em todas e em cada uma de suas etapas
                              constitutivas, a conservação e o controle de qualidade, a
                              segurança e a eficácia terapêutica dos medicamentos, o
                              acompanhamento e a avaliação da utilização, a obtenção
                              e a difusão de informação sobre medicamentos e a
                              educação permanente dos profissionais de saúde, do
                              paciente e da comunidade para assegurar o uso racional
                              de medicamentos (BRASIL, 2002).

       Para alcançar um dos objetivos prioritários estabelecidos pela PNM,
relacionado à reorientação da Assistência Farmacêutica, faz-se necessário
promover a descentralização da sua gestão, o desenvolvimento de atividades para
assegurar o uso racional dos medicamentos e ações que aperfeiçoem e tornem
eficaz o sistema de distribuição no setor público e iniciativas que possibilitem a
redução nos preços dos produtos (BRASIL, 2002).
       Muitas dessas ações foram e estão sendo desenvolvidas na área de
assistência farmacêutica no SUS. É de responsabilidade da PNM:
23



Tabela 1 - Responsabilidade da PNM
______________________________________________________________
Possuir em vista a implementação da política de assistência farmacêutica no SUS;
Promover a formulação da política estadual de medicamentos;
Prestar cooperação técnica e financeira aos municípios no desenvolvimento das
suas atividades e ações relativas à assistência farmacêutica;
Coordenar e executar a assistência farmacêutica no seu âmbito;
Apoiar a organização de consórcios intermunicipais de saúde destinados à
prestação da assistência farmacêutica ou estimular a inclusão desse tipo de
assistência como objeto de consórcios de saúde;
Promover o uso racional de medicamentos junto à população, aos prescritores e aos
dispensadores;
Assegurar a adequada dispensação dos medicamentos, promovendo o treinamento
dos recursos humanos e a aplicação das normas pertinentes;
Participar da promoção de pesquisas na área farmacêutica, em especial aquelas
consideradas estratégicas para a capacitação e o desenvolvimento tecnológico, bem
como do incentivo à revisão das tecnologias de formulação
farmacêuticas;
Investir no desenvolvimento de recursos humanos para a gestão da assistência
farmacêutica;
Coordenar e monitorar o componente estadual de sistemas nacionais básicos para a
política de medicamentos;
Programar as ações de vigilância sanitária sob sua responsabilidade;
Definir a relação estadual de medicamentos, com base na RENAME, e em
conformidade com o perfil epidemiológico do estado;
Definir o elenco de medicamentos que serão adquiridos diretamente pelo Estado;
Investir na infra-estrutura das centrais farmacêuticas, visando garantir a qualidade
dos produtos até a sua distribuição;
Receber, armazenar e distribuir adequadamente os medicamentos sob sua guarda.
Fonte: BRASIL, 2007.



        Em 2003, um amplo debate sobre a assistência farmacêutica foi realizado
com a sociedade na I Conferência Nacional de Medicamentos e, com base nas
propostas nela emanadas, o Conselho Nacional de Saúde (CNS) aprovou e publicou
a Resolução CNS n. 338, de seis de maio de 2004, que estabelece a Política
Nacional de Assistência Farmacêutica (PNAF), definindo-a como: Um conjunto de
ações voltadas à promoção, proteção e recuperação da saúde, tanto individual como
coletiva, tendo o medicamento como insumo essencial e visando o acesso e seu uso
racional. Este conjunto envolve a pesquisa, o desenvolvimento e a produção de
medicamentos e insumos, bem como a sua seleção, programação, aquisição,
distribuição, dispensação, garantia da qualidade dos produtos e serviços,
acompanhamento e avaliação de sua utilização, na perspectiva da obtenção de
24



resultados concretos e da melhoria da qualidade de vida da população (BRASIL,
2004).
         Assegurar o acesso a medicamentos é uma das questões cruciais no SUS,
constituindo a assistência farmacêutica, considerando que estes insumos são uma
intervenção   terapêutica    muito   utilizada,   impactando    diretamente   sobre   a
resolubilidade das ações de saúde. Nesta área, em especial após a publicação da
Política Nacional de Medicamentos e da Política Nacional de Assistência
Farmacêutica, muitos foram os avanços e as conquistas (BRASIL, 2007).
         Paralelamente à necessidade de se dar acesso aos medicamentos àqueles
que deles necessitam, é preciso ficar alerta para o uso indiscriminado que vem
ocorrendo em nossa sociedade, que tem, entre outras causas, a fragilidade da
regulamentação e a atuação das empresas farmacêuticas. Mesmo com os avanços
no acesso aos medicamentos no SUS, observa-se procura crescente pelo seu
fornecimento por demanda judicial. Estas requerem desde o fornecimento de
medicamentos básicos, não incluídos na Relação Nacional de Medicamentos
Essenciais, até medicamentos prescritos para indicações não previstas em bula,
experimentais e sem registro no país (BRASIL, 2007).
         Segundo Marin et al., (2003) trabalhar de forma conjunta na perspectiva de
uma assistência farmacêutica que, além do acesso, assegure o uso racional dos
medicamentos é papel a ser assumido por todos os gestores, prescritores, órgãos
de vigilância e controle, população em geral.
         A seleção de medicamentos é a etapa inicial e provavelmente uma das mais
importantes do ciclo da assistência farmacêutica, sendo seu eixo, pois todas as
outras   atividades   lhe   são   decorrentes.    É   a   atividade   responsável   pelo
estabelecimento da relação de medicamentos a serem disponibilizados na rede
pública, sendo uma atividade decisiva para assegurar o acesso aos mesmos. A
disponibilidade de medicamentos no mercado, a constante introdução de novos
produtos, a influência da propaganda sobre a prescrição médica tornam fundamental
uma seleção racional de medicamentos, de maneira a proporcionar maior eficiência
administrativa e uma adequada resolubilidade terapêutica, além de contribuir para a
racionalidade na prescrição e na utilização de fármacos (MARIN et al., 2003).
25



3.2 Dispensação de medicamentos

       A dispensação de medicamentos foi definida na Política Nacional de
Medicamentos como:
                              É o ato profissional farmacêutico de proporcionar um ou
                              mais medicamentos a um paciente, geralmente, como
                              resposta a apresentação de uma receita elaborada por
                              um profissional autorizado. Neste ato o farmacêutico
                              informa e orienta o paciente sobre o uso adequado do
                              medicamento. São elementos importantes da orientação,
                              entre outros, a ênfase no cumprimento da dosagem, a
                              influência dos alimentos, a interação com outros
                              medicamentos, o reconhecimento de reações adversas
                              potenciais e as condições de conservação dos produtos
                              (BRASIL, 2002).

       Nesse conceito, a dispensação não se configura apenas como o
fornecimento do medicamento prescrito, devendo atender a aspectos técnicos, com
o objetivo de garantir a entrega do medicamento correto ao usuário, na dosagem e
na quantidade prescrita, com instruções suficientes para seu uso adequado e guarda
correta. Entre as orientações a serem repassadas, destaca-se a forma de
administração; a possibilidade de ocorrência de reações adversas; interações com
outros medicamentos e com alimentos. Desta forma, o usuário do medicamento terá
as informações necessárias para seu uso seguro e correto (BRASIL, 2007).

3.3 Uso racional de medicamentos


       Sob o aspecto conceitual, a Política Nacional de Medicamentos refere o uso
racional de medicamentos como sendo o processo que compreende a prescrição
apropriada; a disponibilidade oportuna e a preços acessíveis; a dispensação em
condições adequadas; e o consumo nas doses indicadas, nos intervalos definidos e
no período de tempo indicado de medicamentos eficazes, seguros e de qualidade
(BRASIL, 2002).
       A Organização Mundial da Saúde considera que há uso racional de
medicamentos quando pacientes recebem medicamentos apropriados para suas
condições clínicas, em doses adequadas às suas necessidades individuais, por um
período adequado e ao menor custo para si e para a comunidade. Lidera, em
conjunto com outras instituições gestoras e de pesquisa, movimentos que buscam a
prescrição e o uso racional de medicamentos, a seleção de medicamentos
26



essenciais e a disponibilização de informações científicas e independentes aos
profissionais de saúde, por meio de boletins e de formulários terapêuticos
(ORGANIZAÇÃO PAN AMERICANA, 2007).
        A promoção do uso racional dos medicamentos deve contar com a
participação de diversos atores sociais: pacientes, profissionais de saúde,
legisladores, formuladores de políticas públicas, indústria, comércio e governo. Os
resultados disponibilizados pelos estudos de utilização de medicamentos podem
contribuir com a instrumentalização do profissional para o reconhecimento da
realidade cotidiana que envolve o uso de medicamentos (OENNING; OLIVEIRA;
BLATT, 2011).



4 IATROGENIA



        Segundo Lopes et al., (2006) complicações iatrogênicas são definidas como
doenças induzidas pelo médico ou outros profissionais da saúde. A iatrogenia pode
ser produzida por medicamentos, orientações errôneas, como o simples repouso no
leito prolongado, intervenções cirúrgicas e reabilitação inadequada.
        Consideram-se como afecções iatrogênicas aquelas decorrentes da
intervenção do médico e∕ou de seus auxiliares, seja ela certa ou errada, justificada
ou não, mas da qual resultam consequências prejudiciais para a saúde do paciente;
as pesquisas indicam que sua maior ocorrência é em pacientes idosos
hospitalizados. A iatrogenia adquire maior importância nos indivíduos idosos, nos
quais tanto sua incidência como a intensidade de suas manifestações costuma ser
mais acentuadas (GOMES; CALDAS, 2008).
        O uso de fármacos em idoso deve receber especial atenção dos
profissionais pelas mudanças que ocorrem na farmacocinética e farmacodinâmica
dos medicamentos no organismo após os 60 anos de idade (LOPES et al., 2006).

4.1 Medicar o idoso


        Com o aumento da idade, incidência de reações adversas pode chegar até
sete vezes maiores do que nos jovens. Há modificações nos mecanismos de
absorção, distribuição, metabolização e excreção dos medicamentos no idoso. Há
modificações nos receptores e sítios de ação relacionados ao envelhecimento. Há
27



também modificações nos receptores das drogas. O idoso é mais sensível aos
benzodiazepínicos por alterações nos receptores de ácido gama-aminobutírico
(GABA). Os neurotransmissores também sofrem alterações que podem facilitar a
confusão mental induzida por drogas. Alguns reflexos fisiológicos através dos
baroreceptores e do Sistema Nervoso Central estão diminuídos o que leva a maior
suscetibilidade a hipotensão postural ocasionada por drogas e consequentemente
quedas. A alta prevalência das doenças crônico-degenerativas no idoso leva a
necessidade da utilização de mais de uma droga, o que potencializa o risco de
interações medicamentosas (LOPES et al., 2006).
          A população idosa apresenta peculiaridades em relação a uso de
medicamentos,     uma    vez    que    as   alterações   fisiológicas   decorrentes    do
envelhecimento     interferem   na    farmacocinética    e   na   farmacodinâmica     dos
medicamentos e fazem com que eles atuem de forma diferente do que ocorre com
adultos jovens, podendo ocasionar ausência de efeitos farmacológicos esperados,
bem como o aumento do risco de iatrofarmacogenia no idoso (MOREIRA et al.,
(2010).
          Várias queixas comuns levam o idoso ao serviço de saúde, como quedas,
perda da memória, confusão mental, lentidão motora podem ser fruto de efeitos
medicamentosos (LOPES et al., 2006).



5 ADESÃO DO PACIENTE AO TRATAMENTO



          De acordo com Aizenstein (2010) o idoso tem dificuldade de adesão ao
tratamento, observa-se maior frequência de omissão, erros de administração, super
dosagens intencionais ou acidentais, além de uso incorreto do medicamento, com
validade vencida ou prescrita para outros indivíduos.
          Segundo Oenning; Oliveira; Blatt (2011) a falta de informações ou a não
compreensão das informações transmitidas pelos profissionais da saúde aos
pacientes podem trazer consequências como: não adesão ao tratamento, com o
consequente insucesso terapêutico; retardo na administração do medicamento,
agravando o quadro clínico do paciente; aumento da incidência de efeitos adversos,
por inadequado esquema de administração e/ou duração do tratamento; dificuldades
na diferenciação entre manifestações da doença e efeitos adversos da terapêutica; e
28



incentivo à automedicação, bem como outras sérias consequências, que podem
piorar o estado de saúde do paciente.
         A falta de adesão pode relacionar se a fatores socioeconômicos e culturais,
ao passo que resulta de uma avaliação do paciente de relação custo beneficio do
tratamento, e representa a maior parte dos casos de falta de adesão. O dialogo
entre os profissionais de saúde e o paciente é hoje considerado de extrema
importância para o envolvimento do paciente no seu próprio tratamento. A prescrição
ao paciente idoso deve considerar inicialmente se a terapêutica é fato necessário e
se existem alternativas não medicamentosas, se for o caso as instruções são
importantes e devem ser feitas de forma clara e pausada, pois os idosos lembram
melhor das primeiras informações, sobretudo se são simples e em pequenos
números (AIZENSTEIN, 2010).

5.1 Prevalência, fatores associados e uso inadequado de medicamentos entre

idosos


         Segundo    Rozenfeld   (2003)       as   características   do   consumo   dos
medicamentos fornecem elementos para a eleição das prioridades em assistência
farmacêutica e para a regulamentação de produtos. A partir daí, cabe aos gestores
do SUS garantir o acesso aos produtos e a oferta de fármacos com o melhor perfil
quanto à relação benefício versus risco. O potencial para a ocorrência e a gravidade
das reações adversas aos medicamentos, sobretudo em idosos não internados é a
preocupação básica.
         As distorções no campo da fabricação traduzem-se no número elevado de
marcas comercializadas com duas, ou mais, substâncias associadas num mesmo
produto. As associações em doses fixas são prática condenada em virtude do seu
potencial de causar reações adversas e da impossibilidade de individualizar as
doses de cada fármaco. Elas só são recomendadas caso se comprove haver
vantagens acumuladas: maior eficácia, melhor cumprimento da prescrição e redução
de custos. Os órgãos de regulamentação, no Brasil denominado vigilância sanitária,
autorizam     a    comercialização      de    incontáveis     produtos    farmacêuticos
insuficientemente testados, sem comprovação satisfatória de eficácia e de
segurança, sem monitoração pós-comercialização e com efeitos similares aos de
outros já registrados. Como resultado, o “cardápio” de produtos, em vez de ir ao
29



encontro das necessidades sanitárias, retrata as motivações econômicas dos
fabricantes (ROZENFELD, 2003).
       O uso inapropriado de medicamentos tem se tornado uma preocupação
humanística e econômica. Essa prática pode ocasionar graves conseqüências, como
a elevação dos índices de morbidade e mortalidade (MOREIRA et al., 2010).
       Segundo Moreira et al.,(2010) os principais fatores contribuintes para
problemas relacionados aos medicamentos são: polifarmácia, prescrição de
medicamentos inapropriados, má complacência, uso de medicamentos não
prescritos e falta ou inadequação nas orientações aos pacientes e cuidadores sobre
os perigos dos medicamentos.


6 FARMACOLOGIA GERIATRIA



       Segundo Pereira (2006) o estudo de farmacologia geriátrica tem especial
interesse nos dias atuais devido ao envelhecimento populacional em todo o mundo.
No Brasil, esse fenômeno tornou-se marcante no ano de 1950, trazendo grandes
desafios, inclusive no campo da saúde.
       Paralelamente a essa alteração demográfica, observou-se um processo de
mudança no perfil de morbimortalidade, predominando as doenças crônicas não
transmissíveis. Com o aumento da expectativa de vida, frequentemente a pessoa
idosa é portadora de várias doenças, fazendo uso de diferentes medicamentos
concomitantes. Apesar de constituírem aproximadamente 10% da população,
consomem mais de 205 das drogas prescritas (PEREIRA, 2006).

6.1 Demência


       É uma síndrome que se manifesta pela diminuição global das funções
cognitivas, embora não necessariamente de modo uniforme, associada a um estado
preservado da consciência. Demência é definida como um distúrbio adquirido e
persistente das funções intelectuais que compromete pelo menos três atividades
mentais: linguagem, memória, capacidade visoespaciais, personalidade e cognição
(LEVY; MENDONÇA, 2000).
30



         A demência é classificada como uma síndrome degenerativa, caracterizada
pela deterioração de habilidades intelectuais previamente adquiridas que interfere na
atividade ocupacional ou social. Afeta milhões de pessoas em todo o mundo, sendo
a doença de Alzheimer (DA) a causa mais comum, compreendendo 70% das
demências. As únicas drogas que tem demonstrado eficácia e segurança em grande
escala, através de trabalhos multicêntricos, randomizados, placebo - controlados,
são os inibidores da colinesterase. Eles inibem a degradação da acetilcolina liberada
pelos neurônios colinérgicos pré- sinápticos, aumentando a disponibilidade desse
neurotransmissor na sinapse. As substâncias aprovadas pela Food and Drug
Administration (FDA) são o donepezil, a rivastigmina e a galantamina (PEREIRA,
2006).


6.1.1 Doença de Alzheimer


         É considerada a causa mais frequente demência, ocorrendo em 4,4% da
população acima de 65 anos, segundo estatística realizada nos Estados Unidos. A
doença se inicia por alterações de memória, com desorientação têmporo-espacial,
confabulação e falsos reconhecimentos. A seguir se instalam as alterações das
funções simbólicas, outras características da doença. Apraxia construtiva, agnosia
espacial e afasia costumam serem os primeiros achados. Posteriormente, se instala
apraxia de vestir-se, apraxia ideomotora, somatognosias e global comprometimento
das funções cerebrais (LEVY; MENDONÇA, 2000).

6.2 Diabete Melito


         De acordo com Pereira (2006) o diabete melito acomete 7,45 da população
brasileira, com maior percentual nos idosos, nos quais entre 60 e 69 anos aumenta
para 17,4%, seis vezes maior que entre 30 e 39 anos. Ocorre pelo aumento da
intolerância aos carboidratos, devido ao aumento da gordura corporal e paralela
diminuição da massa magra, diminuição da atividade física, co-morbidades, maior
ingestão de carboidratos e uso de drogas com ação hiperglicemiante. Concorre para
desencadear essa doença o fator genético diminuição da secreção e aumento da
resistência periférica à insulina e liberação hepática noturna de glicose.
31



        O diabetes melito é uma síndrome decorrente de alterações metabólicas
caracterizadas pela hiperglicemia inapropriada, em consequência da ausência da
ação biológica da insulina. Este fato ocorre por deficiência de sua secreção ou por
impossibilidade de desencadear os eventos resultantes da interação da insulina com
seu receptor (MARCONDES; THOMSEN, 2000).
        O diabete melito tipo 2 é o mais comum entre os idosos, ocorrendo maior
freqüência de complicações macrovasculares. Essas compreendem o acidente
vascular encefálico, infarto agudo do miocárdio e doença vascular periférica,
comprometendo a qualidade de vida dessas pessoas, justificando o investimento no
tratamento. As manifestações clínicas podem ser inespecíficas, como fraqueza,
adinamia, estado confusional agudo, incontinência urinária e hipotensão postural. O
diagnóstico é feito como nos jovens adultos (PEREIRA, 2006).
        Segundo Pereira (2006), para a população idosa é necessário definir metas
de tratamento. Geralmente fazem-se o controle glicêmico adequado para
desacelerar a progressão das complicações crônicas e, para os indivíduos
cronicamente doentes, com expectativa de vida curta, manter o controle glicêmico
não rigoroso, evitando sintomatologia de complicações agudas. Para esse último
grupo estão incluídos os pacientes portadores de quadro demencial em fase
avançada, aqueles com insuficiência renal crônica, cirróticos, alcoolistas, e aqueles
com alto grau de dependência ou restrição alimentar. Para eles o controle glicêmico
visa facilitar a cicatrização, prevenir a desidratação, sintomas de hiper ou
hipoglicemia e a perda de peso. Devido à diminuição da função renal, o limiar de
excreção da glicose apresenta-se alterado, aumentando os riscos de hipoglicemia
por elevar a vida média das drogas. Pelo mesmo motivo, a monitorização pela
glicofita perde sua utilidade.
        No tratamento com os antidiabéticos orais estão as sulnolinureias. Dá se
preferência neste grupo para a glicazida e a glipizida, por terem curto tempo de ação
não gerarem metabólitos ativos. A clorpropamida e contra-indicada no idoso pelo
seu tempo muito prolongado de ação. A glibenclamida e a glimepirida exigem
cuidado no uso, devido à maior chance de desencadear hipoglicemia pelos seus
metabólitos ativos. As metiglinidas (repaglinida e nateglinida) são seguras para o
idoso. Agem na primeira fase de secreção da insulina, cerca de 30 minutos após a
ingestão alimentar. A metformina, representante das biguanidas, é indicada em
pacientes com excesso de peso. Deve ser evitada nos idosos com idade maior de
32



80 anos. Tem maior risco de desencadear acidose lática, principalmente sob
estresse orgânico pré e pós-operatório, desidratação, infarto agudo do miocárdio,
entre outras situações. As glitazonas (rosiglitazona e pioglitazona) aumentam a
sensibilidade da insulina no músculo. Podem fazer retenção hídrica e ganho de
peso, não estando indicadas nos pacientes com insuficiência cardíaca. A acarbose é
um anti-hiperglicemiante por inibir a alfa-glicosidase. Pode ser associado aos
secretagogos de insulina nos pacientes com pouca adesão à dieta. A insulinoterapia
é realizada quando o controle metabólico não é alcançado com medidas dietéticas e
medicamentos orais (PEREIRA, 2006).


6.3 Hipertensão Arterial


        De acordo com Pereira (2006) a diminuição da pressão arterial (PA) é efetiva
em reduzir eventos cardiovasculares fatais e não fatais nos idosos, como
demonstram ensaios clínicos randomizados, duplo-cegos, placebo-controlados.
Devido à grande variabilidade da PA nos indivíduos essa faixa etária, deve-se tomar
os seguintes cuidados: com o paciente relaxado, medir PA três vezes, com intervalo
mínimo de 5 minutos entre as variaçõe, medir PA nas posições deitada e sentada,
observar a rigidez da parede arterial devido à calcificação. A pressão arterial obtida
pode não ser a mesma da pressão intra-arterial, alterando a conduta terapêutica.
        Para o tratamento da hipertensão arterial em idosos, deve se levar em conta
os níveis de PA, os fatores de risco cardiovasculares (idade acima de 60 anos,
tabagismo, dislipidemia e história familiar de doença cardiovascular) e as lesões e
órgão-alvo (PEREIRA, 2006).
        Segundo Carvalho Filho; Pasini; Papaléo Netto (2000) o conceito de
hipertensão arterial na pessoa idosa exigiu a análise de levantamentos realizados
em grupos populacionais de diferentes, faixas etárias, com o intuito de estabelecer
os limites máximos normais das pressões arteriais sistólica e diastólica, bem como
suas variações com o avançar dos anos. Possibilitando definir os níveis, a partir dos
quais pode se considerar o paciente como hipertenso. Entre 40 a 70 anos a pressão
arterial sistólica aumenta em média 25 a 35mmHg e a diastólica 5 a 10mm Hg.
        Baseando-se em estudos, a OMS considerou os valores 140 a 160x90 a 95
mmHg como limítrofes em adultos. Estabeleceu também que o idoso é considerado
hipertenso quando, em posição supina, apresenta pressão sistólica igual ou superior
33



a 160 mmHg e/ou pressão sistólica igual ou superior a 95 mmHg (CARVALHO
FILHO; PASINI; PAPALÉO NETTO, 2000).


6.4 DEPRESSÃO


        É   uma    desordem   funcional   do   cérebro   devido   à   deficiência   de
neurotransmissores      (noradrenalina, serotonina e dopamina). Segundo o Manual
Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais da Associação Americana de
Psiquiatria (DSM-IV), a depressão maior é definida por humor deprimido na maior
parte do dia, com marcada diminuição de interesse ou prazer em atividades antes
agradáveis, durante pelo menos 2 semanas. Simultaneamente, somam-se quatro
dos seguintes sintomas: perda ou ganho de peso, insônia, retardo psicomotor,
fadiga, perda de energia, sensação de culpa excessiva, dificuldade de concentração,
indecisão, pensamentos recorrentes de morte e planos específicos para suicídio
(PEREIRA, 2006).



7 VARIÁVEIS FISIOLÓGICAS NO IDOSO QUE ALTERAM OS EFEITOS DOS
FÁRMACOS




        Segundo Aizenstein (2010), o declínio funcional em vários órgãos e sistemas
decorre da idade avançada, tornando o idoso mais sensível em situações de
sobrecarga. Embora ocorra envelhecimento variável entre indivíduos, alguns fatores
fisiológicos próprios do idoso podem alterar a farmacocinética e a farmacodinâmica.
Dentre os principais:

       Diminuição dos líquidos corpóreos
       Aumento da gordura corpórea
       Diminuição das proteínas plasmáticas
       Diminuição da massa muscular
       Diminuição no metabolismo hepático
       Diminuição da velocidade e do volume de filtração glomerular
       Diminuição do fluxo sanguineo renal
34



       Diminuição da secreção tubular
       Diminuição funciona (absorção, secreção e motilidade) e morfológica
        (atrofia) do trato gastrintestinal
       Aumento do ph gástrico
       Diminuição do fluxo sanguineo gastrintestinal
       Diminuição da resposta imune
       Redução da eficiência respiratória
       Intolerância a carboidratos (diabetes)
       Diminuição da sensibilidade nos centros da fome e da sede.

7.1 Aspectos farmacocinéticos


       A medicina preventiva, em nosso meio, é pouco praticada, os idosos
acumulam doenças e utilizam múltiplas medicações simultaneamente, aumentando
a chance de interações não desejadas. Além disso, as modificações orgânicas
fisiológicas, próprias do envelhecimento, alteram a farmacocinética (a absorção,
distribuição, metabolismo e excreção) e a farmacodinâmica (local e mecanismo de
ação, relação entre dose e efeito e variação da resposta) das drogas, obrigando a
realização de estudos apropriados para essa faixa etária, o que muitas vezes não é
feito pelos laboratórios. Quando o conjunto desses fatos não é considerado, os
medicamentos tendem a ser prescritos da mesma forma que são para adultos,
podendo levar à iatrogenia. Essa é classificada como um dos “Cinco Gigantes da
Geriatria” acompanhada por imobilidade, instabilidade postural, incontinência
esfincteriana, insuficiência cerebral, problemas comuns da velhice, difíceis de
diagnosticar e tratar, que comprometem a qualidade de vida do paciente idoso
(PEREIRA, 2006).
       A mudança no perfil farmacocinético em idosos pode predispor os pacientes
a reações adversas a medicamentos, resultantes de interações farmacológicas, que
se apresentam com maior gravidade em idosos quando comparados aos adultos
não idosos. Estudos mostram que os idosos com idade superior a 80 anos são os
maiores prejudicados pela ocorrência de tratamentos farmacológicos múltiplos e
reações adversas a medicamentos, quadro se agrava quando há aumento do
consumo de medicamentos decorrente de doenças do envelhecimento. A
35



racionalidade da prescrição é indispensável para diminuir esses efeitos adversos
relacionados da terapia farmacológica (AIZENSTEIN, 2010).


8 PRESCRIÇÕES EM IDOSOS



        Segundo Witzel (2001) pacientes idosos recebem uma quantidade
desproporcional de medicamentos, cerca de um terço de todas as prescrições de
medicamentos. Aumentando-se a idade do paciente verifica-se que aumentam os
custos de internação, tempo de hospitalização, e o risco de reações adversas a
medicamentos (RAM).
        O FDA passou a exigir que os fabricantes de medicamentos incluam uma
subseção na bula dos produtos com orientações sobre o uso em pacientes acima de
65 anos, com especial atenção a oito grupos de drogas: psicotrópicos,
antiinflamatórios não esteroidais, digoxina, antiarritimico, bloqueadores de canal de
cálcio, hipoglicemiantes orais, anticoagulantes e quinolonas (WITZEL, 2001).

8.1 Princípios de Prescrição de Drogas nos Idosos

   1-   Avaliar a necessidade de farmacoterapia: sempre que possível deve-se
        tentar lançar mão de terapias não medicamentosas.
   2-   Traçar um histórico cuidadoso sobre hábitos e uso de medicamentos:
        devem-se incluir drogas prescritas, não prescritas, fitoterápicos, álcool,
        cafeína, e outras informações dietéticas e sobre alergias.
   3-   Conhecer a farmacologia das drogas: aprofundar-se nas drogas mais
        utilizadas no paciente idoso.
   4-   Geralmente as drogas prescritas devem ser menores: especialmente para
        doenças crônicas, onde o controle, e não a cura, é o objetivo.
   5-   Monitorar níveis plasmáticos de drogas e sua resposta farmacológica: os
        pacientes devem ser continuamente questionados sobre o efeito das drogas
        em relação à eficácia e efeitos colaterais.
   6-   Simplificar os regimes terapêuticos e encorajar a adesão ao tratamento:
        pacientes idosos normalmente apresentam déficits de memória e quanto
        mais simples forem os regimes posológicos, menor será o risco de
        esquecimento e trocas de medicamentos.
36



   7-   Revisar regularmente o plano terapêutico e descontinuar as drogas
        desnecessárias: acompanhamento constante garante melhores resultados
        terapêuticos.
   8-   Recordar das drogas que podem causar doenças: efeitos adversos de
        drogas podem apresentar-se atipicamente nos idosos ou podem mimetizar
        doenças (WITZEL, 2001).


9 FUTURO EM RELAÇÃO AO USO RACIONAL DE MEDICAMENTO EM IDOSO



        Novos produtos surgem de modo permanente. Entre eles, destacam-se os
empregados para o controle das doenças crônicas e aqueles que aprimoram a
qualidade de vida. Assim sendo, é importante criar mecanismos que permitem ao
clínico acompanhar e interpretar a literatura médica, bem como prescrever com base
em evidências epidemiológicas consistentes (ROZENFELD, 2003).
        De acordo com Rozenfeld (2003) no campo da investigação, é preciso
conhecer o perfil dos usuários, segundo as diferentes realidades sociais, geográficas
e sanitárias; avaliar a qualidade do conjunto dos produtos consumidos e, ao mesmo
tempo, identificar os principais preceptores do uso indevido. É com base nesses
últimos que será possível propor estratégias de correção, sejam elas na forma de
programas educativos para profissionais ou para leigos, seja como sugestões para
regulamentação, controle de qualidade e fiscalização de fabricantes e de produtos.
        Entre os indicadores da qualidade da terapia dos idosos destacam-se:
        • número de produtos empregados por pessoa;
        • a proporção de produtos com associações em doses fixas;
        • a proporção dos fármacos contra-indicados; sem efeitos benéficos
        comprovados; eficazes, mas empregados em formas farmacêuticas, doses,
        duração de tratamento ou indicação terapêutica impróprias; com potencial
        inaceitável de provocar interações;
        • uso redundante de fármacos da mesma classe terapêutica.
        O conhecimento dos padrões de uso e de prescrição entre os idosos
constitui uma medida indireta da ocorrência dos efeitos danosos. É o primeiro passo
para se conhecerem os riscos subjacentes à terapêutica farmacológica. No entanto,
37



isso não é suficiente. É preciso conhecer o perfil das reações adversas, dimensioná-
las, identificar os seus impactos clínicos, sociais e monetários (ROZENFELD, 2003).
38



10 MÉTODO



       Para execução deste trabalho, utilizou-se uma pesquisa exploratória, entre
homens e mulheres acima de 60 anos de idade que buscavam atendimento na rede
pública de saúde do município de Fernandópolis.
       Participaram do questionário 100 idosos, dos quais 54 eram do sexo
masculino e 46 do sexo feminino, respondendo sobre uso racional de
medicamentos.
       Foi aplicado um questionário abordando 22 perguntas relacionadas ao uso
racional de medicamentos e aspectos envolvidos na terapêutica da população idosa.
       As entrevistas foram realizadas através do contato direto com os pacientes
idosos. No momento em que eles esperavam por uma consulta médica ou quando
passavam pela unidade de saúde para buscar medicamentos.
       As unidades de saúde onde foram realizadas as entrevistas foram no Projeto
Saúde da Família (PSF) Heitor Maldonado no bairro Jardim Araguaia, PSF Antônio
Pivato no bairro Jardim Paulista e PSF Waltrudes Baraldi no bairro Jardim Planalto,
na cidade de Fernandópolis- SP, durante o período do dia 20 de junho a 11 de
agosto de 2011.
39



11 RESULTADOS E DISCUSSÃO



       A Figura 1 mostra que 40% dos entrevistados têm idade entre 66 anos e 70
anos, 30% entre 71 e 80 anos, 28% entre 60 e 65 anos e apenas 2% tem idade
maior que 80 anos.
       Estes dados são semelhantes aos resultados de um estudo proposto a
caracterizar as necessidades de saúde entre idosos da área de abrangência de uma
Unidade de Saúde da Família (MARIN; CECÍLIO, 2009).
       O presente estudo aponta que quase a metade dos idosos entrevistados se
encontrava na faixa etária dos 60 a 69 anos.
       Como mostra a Figura 2, 54% dos idosos entrevistados na pesquisa, eram
do sexo masculino e 46% do sexo feminino.
       Estes dados se diferem aos resultados obtidos no mesmo estudo realizado
em idosos da área de abrangência de uma Unidade de Saúde da Família Além de
demonstrar a idade dos idosos entre 60 a 69 anos, também demonstrou o predomínio do
sexo feminino, retratado nos estudos epidemiológicos sobre o processo de
envelhecimento. Também relatam que na velhice, atribui-se ao sexo feminino,
quando comparado ao sexo masculino, maior vulnerabilidade no estado de saúde
em relação a risco de quedas, presença de múltiplas doenças, uso de múltiplos
medicamentos, obesidade, pobreza e dependências diversas. Destaca-se também
quanto ao estado marital que 93 (50%) mulheres vivem sem o companheiro,
enquanto apenas 18 (15,7%) homens vivem sós (MARIN; CECÍLIO, 2009).
40



                 Figura 1 – Faixa etária dos entrevistados (n=100)

                                2%




                                           28%
                   30%
                                                         Entre 60 e 65 anos
                                                         Entre 66 e 70 anos
                                                         Entre 71 e 80 anos
                                                         Acima de 80 anos



                                     40%




           Fonte: Elaboração própria.



                          Figura 2 - Sexo dos entrevistados (n=100)




                    46%                                          masculino
                                                                 Feminino
                                                 54%




           Fonte: Elaboração própria.



        Dos entrevistados 55% possuem o ensino fundamental incompleto, 14%
ensino fundamental completo, 26% são analfabetos e 5% possuem ensino médio
incompleto (Figura 3).
41



       Comparando esses dados de alfabetização dos idosos com o estudo na
Unidade de Saúde da Família, a porcentagem de idosos analfabetos tem um índice
maior, porém a questão da alfabetização é semelhante, já que a maioria dos idosos
de ambas as pesquisas não concluíram o tempo de escolaridade suficiente.
        O estudo demonstra que a baixa escolaridade dos idosos apresenta-se
como um aspecto importante a ser considerado na implementação das ações de
saúde, à medida que se constatou que 68,1% são analfabetos ou tiveram pouco
tempo de escolaridade (MARIN; CECÍLIO, 2009).


                     Figura 3 - Escolaridade dos entrevistados (n=100)



                                 5%

                        14%                26%             Analfabeto



                                                           Ensino
                                                           fundamental
                                                           incompleto

                                                           Ensino
                                                           fundamental
                              55%                          completo

                                                           Ensino médio
                                                           incompleto


              Fonte: Elaboração própria.


       Quando foi perguntado aos entrevistados sobre o trabalho das unidades de
saúde, foi constatado que vem sendo feito um bom trabalho por parte das unidades,
82% dos entrevistados responderam positivamente a pergunta, apenas 18%
consideraram que o trabalho da unidade não é bom (Figura 4).
42



                 Figura 4 - Trabalho da unidade de saúde (n=100)




                                18%




                                                                     Sim
                                                                     Não




                                               82%




              Fonte: Elaboração própria.



       Um problema que a entrevista apontou é a falta de medicamentos nas
unidades de saúde, pois 54% dos entrevistados relataram não encontrar todos os
medicamentos que são receitados pelo médico, e 46% relataram encontrar na rede
pública os medicamentos que necessitam (Figura 5).
       A maioria dos idosos entrevistados utiliza medicamentos disponíveis no
sistema público de saúde, tendo acesso aos medicamentos por meio dos programas
de farmácia básica e popular, que vem sendo implantado no país, mas esse sistema
ainda não consegue suprir todas as necessidades, pois a maioria não é encontrada.
43



   Figura 5 - Questão sobre medicamentos encontrados na rede pública (n=100)




                                                46%
                                                                  Sim
                                                                  Não
                       54%




          Fonte: Elaboração própria.


       Quando foi perguntado aos idosos sobre o uso racional de medicamentos, a
resposta foi unânime, pois como mostra a Figura 6, 100% dos entrevistados
responderam que fazem o uso correto dos medicamentos.
       Estudos mostram que 25% das pessoas com mais de 65 anos apresentam
perda auditiva. Esta perda é correlacionada com disfunção cognitiva em pacientes
idosos, e presumivelmente com suscetibilidade a erros de medicação. Deficiência é
o déficit sensorial mais comum nesta população, com 90% necessitando de lentes
corretivas. Perto de 20% dos idosos com mais de 80 anos de idade mostram-se
incapazes de ler um jornal, mesmo com óculos, ou de enxergar as gotas dos
medicamentos que precisam medir. Doenças crônicas como artrite e parkinsonismo
podem interferir na capacidade de segurar a colher de medida do medicamento,
abrir um blister de alumínio ou um frasco com tampa. A diminuição da audição pode
interferir no entendimento das instruções sobre o tratamento (SÃO PAULO, 2003).
44



        Figura 6 - Uso correto de medicamentos, posologia e tratamento (n=100)




                                                                   Sim




                                        100%




           Fonte: Elaboração própria.



       A Figura 7 mostra que 57% dos entrevistados relataram não fazer uso de
medicamentos próximo as refeições, respeitando as orientações médicas. Já 43%
fazem uso de medicamentos perto das refeições, pois, muitas vezes, mesmo sendo
bem orientados, não possuem conhecimento sobre as possíveis interações que
podem ocorrer administrando certos fármacos perto das refeições.
45



             Figura 7- Uso de medicamentos próximo às refeições (n=100)




                                                   43%
                                                                    Sim
                                                                    Não
                         57%




             Fonte: Elaboração própria.

       Em relação às informações sobre o uso dos medicamentos dispensados, foi
perguntado aos entrevistados se eles recebiam algum tipo de informação do
farmacêutico ou de outro funcionário sobre o uso correto de medicamentos, onde
77% dos entrevistados afirmaram receber orientações, 15% relataram receber
algumas vezes e 8% relataram não receber informações (Figura 8).
       Estes dados são semelhantes a um estudo realizado com idosos, em
atendimento em um Ambulatório Privado de Especialidades Médicas, na cidade de
Ribeirão Preto, que apontou dados mais elevados.
       Quando indagados se haviam recebido informação sobre uso dos
medicamentos, 97,9% responderam afirmativamente, sendo que destes, 88,4%
mencionaram tratar-se de orientação médica e 10,5% seguiam orientações do
médico e enfermeiro. Sobre o tipo de orientação recebida, 81,1% referiram a ter
recebido de uma forma verbal e escrita e 14,7% de forma escrita, 78% negaram ter
ficado com dúvidas sobre o uso da medicação, após a orientação (FREIRE, 2009).
46



   Figura 8 - Orientações do farmacêutico e funcionários em relação ao uso dos
                                medicamentos (n=100)

                                            0


                                 15%


                          8%                                       Sim
                                                                   Não
                                                                   As vezes
                                                                   Nunca

                                                   77%




               Fonte: Elaboração própria.



       A Figura 9 mostra que, a maioria, ou seja, 86% dos entrevistados não
desistem do tratamento, mesmo quando há falta de orientação relacionada ao uso
do medicamento pelos profissionais da saúde, 8% algumas vezes desistem e
apenas 6% não aderem ao tratamento devido a falta de orientação sobre o uso do
medicamento.
       Em geral, os idosos aderem melhor a tratamento do que os indivíduos
jovens, porém muitos fatores podem levar a uma baixa adesão, resultando em falhas
na terapêutica. Estes fatores podem ser intencionais: por não gostar de tomar
comprimidos, do sabor do medicamento, por acreditar que o medicamento pode ser
uma química, não tolerar bem os efeitos do medicamento. Ou não-intencionais como
diminuição da memória, da visão, da audição, da capacidade mental, dificuldade em
deglutir os comprimidos,       polifarmácia,    esquemas terapêuticos complicados,
ausência de auxílio de familiares e deficiência física. Estudos demonstram que cerca
de 40% a 75% dos idosos não tomam seus medicamentos nos horários e
quantidades certas (SÃO PAULO, 2003).
       Os dados de um estudo relacionado à adesão a prescrição médica em
idosos, o qual fez parte do Projeto Idosos da Prefeitura do município de Porto
Alegre, em parceria com o Instituto de Geriatria e Gerontologia da Pontifícia
47



Universidade Católica do Rio Grande do Sul, se diferem aos deste estudo, pois em
relação à classificação da adesão, 37,1% dos idosos se auto-relataram aderentes e
62,9%, não-aderente (ROCHA et al., 2008).


                        Figura 9 - Adesão ao tratamento (n=100)



                                 8%      6%



                                                             Sim
                                                             Não
                                                             As vezes



                                         86%




            Fonte: Elaboração própria.


       A Figura 10 mostra que 69% dos entrevistados não apresentam problemas
por não utilizarem os medicamentos que necessitam, pois, relataram que antes
mesmo de acabar o medicamento administrado, vão até as unidades de saúde para
pegar mais medicamento, para não ocorrer interrupção do tratamento. Entre esses
28% afirmaram ter problemas por não utilizar o medicamento necessário e 3%
algumas vezes tem problemas pela não utilização do medicamento.
48



           Figura 10 - Problema relacionado a não utilização do medicamento
                                     necessário (n=100)



                                         3%


                                                    28%

                                                               Sim
                                                               Não
                                                               As vezes


                               69%




                    Fonte: Elaboração própria.


       Doenças crônicas fazem parte da vida dos idosos, e demonstrando isso, a
Figura 11 aponta que 74% dos entrevistados fazem uso regular de medicamentos
para o tratamento de doenças crônicas e 26% não fazem uso de medicamentos para
doenças crônicas.
       Estes resultados são semelhantes aos encontrados no estudo realizado
junto à população do ambulatório do Núcleo de Atenção ao Idoso (NAI) da
Universidade Aberta da Terceira Idade (UNATI), da Universidade do Estado do Rio
de Janeiro (UERJ).
       A percepção de morbidade, a resposta à pergunta se tem alguma doença
segue o que se poderia esperar de uma população idosa, praticamente todos com
exceção de dois casos de idosos neste estudo, têm a percepção de que há algum
distúrbio ou doença crônica em suas vidas. Observa-se que apenas 20% dos
pacientes declaram apenas uma doença crônica. A maioria relata apresentar dois ou
três problemas de saúde (SAYD; FIGUEIREDO; VAENA, 2000).
       A Figura 12 mostra que 48% dos entrevistados sofrem de hipertensão
arterial e fazem uso de anti-hipertensivos, para manter a pressão estável. Dos
demais 24% utilizam outras classes de medicamentos para tratamento de demais
doenças crônicas, 11% utilizam hipoglicemiantes, 8% antidepressivos, 6%
antissecretores, 2% antiparkinsonianos e apenas 1% insulina.
49



        Um estudo realizado com o objetivo de caracterizar as classes mais
prescritas de anti-hipertensivos aos idosos que utilizam os serviços de diferentes
Unidades de Saúde da Família (USF) do município de Marília mostrou que entre os
idosos cujos prontuários foram analisados, a proporção daqueles que utilizam anti-
hipertensivos foi em média de 69% entre as quatro unidades onde foi realizado o
estudo. Esses dados assemelham-se à prevalência constatada no Brasil, em que
60% dos idosos são hipertensos (MARCHIOLI et al., 2010).
        Entre as consequências decorrentes do envelhecimento estão às múltiplas
patologias e a ingestão de medicamentos diversos. Em um estudo realizado com
idosos residentes na área de abrangência de uma Unidade de Saúde da Família,
localizada na região central de Marília, as doenças cardiovasculares foram que mais
incidiram.
        Como as doenças cardiovasculares lideram as causas de morbi-mortalidade
em indivíduos idosos, os medicamentos que atuam nesse sistema são os mais
prescritos (MARIN et al., 2008).
         Porém várias doenças além das cardiovasculares acometem os idosos, e o
estudo realizado na USF em Marília, demonstrou várias outras classes de
medicamentos que os idosos administram através do uso contínuo.
        Os anti-hipertensivos lideraram com 20,4%, seguido dos diuréticos com
9,7%. Dentre os idosos participantes do estudo, 4,9% se medicavam com insulina e
agentes antidiabéticos, 4,4% com antidepressivos, 3,4% com antissecretores, 0,6%
com antiparkinsonianos, 19,9 se medicavam com outras classes de medicamentos
para doenças crônicas.
        Esses valores se diferem ao do presente estudo, o dado semelhante é a
prevalência do uso de anti-hipertensivos pelos idosos, já que a hipertensão acomete
grande parte da população idosa.
50



         Figura 11 - Uso de medicamentos em doenças crônicas (n=100)




                                 26%


                                                                                Sim
                                                                                Não


                                                        74%




               Fonte: Elaboração própria.


   Figura 12 - Classes dos medicamentos utilizados no tratamento das doenças
                                       crônicas (n=100)




                           24%                                Antihipertensivos

                                                              Hipoglicemiantes orais
                                                  48%
                                                              Insulina
                      6%
                                                              Antidepressivos
                2%                                            Antiparkisonianos
                           8%

                                 11%                          Antissecretores
                           1%
                                                              Outros


              Fonte: Elaboração própria.


       A automedicação tem sido objetivo de muitas pesquisas e assume uma
importância maior quando é realizada por idosos, pois geralmente representam um
grupo polimedicado.
51



       A Figura 13 mostra dados alarmantes, pois 60% dos entrevistados relataram
possuir hábitos de automediação, o que pode levar vários riscos a saúde. Dos
demais 37% não se automedicam e 3% afirmaram se automedicar às vezes.
       Os resultados deste estudo se assemelham ao estudo que foi realizado para
avaliar a automedicação em idosos participantes de grupos da terceira idade
localizados em uma cidade do sul do Brasil.
       Segundo Cascaes; Falchetti; Galato (2008) o estudo no sul do Brasil foi
baseado em entrevistas com idosos participantes de grupos da terceira idade, sendo
solicitados além de dados do perfil, informações sobre os problemas de saúde,
medicamentos prescritos, prática da automedicação e as alternativas utilizadas na
mesma. Dos 77 idosos entrevistados, 87% foram mulheres, com idade média de
69,9 anos, viúvos (51,9%) e com baixo grau de instrução. Estes possuíam diversos
problemas de saúde (3,5) e utilizavam em média 4,1 medicamentos.
       A Figura 14 mostra que 40% se automedicam com analgésicos, 34% com
antipiréticos, 12% antiinflamatórios, 6% antibióticos, 6% usavam outras classes de
medicamentos e apenas 2% utilizavam anti-histamínicos.
       O uso indiscriminado de analgésicos é hábito não somente dos idosos, mas
também de grande parte das pessoas com outra faixa etária, o que também pode
ser constatado no estudo em idosos participantes de grupos da terceira idade
localizados em uma cidade do sul do Brasil.
       A maioria (80,5%) se automedicava, em especial com medicamentos de
venda livre (analgésicos) e por plantas medicinais. Sendo estas alternativas
adotadas principalmente pela praticidade e pelo fato dos problemas de saúde ser
considerados simples. A influência descrita pelos idosos para esta prática é
principalmente exercida pelos amigos, vizinhos e familiares (55,9%). Não foi
observado associação entre o perfil dos idosos e a automedicação. Os idosos
mesmo sendo uma população polimedicada realizam a automedicação sem a
orientação de profissionais da saúde, adotando principalmente plantas medicinais e
medicamentos de venda livre por considerarem mais prático para o manejo dos
problemas de saúde que identificam como simples (CASCAES; FALCHETTI;
GALATO, 2008).
52



                               Figura 13 – Automedicação (n=100)



                                         3%




                              37%                                         Sim
                                                                          Não
                                                                          As vezes
                                                    60%




                 Fonte: Elaboração própria.


       Figura 14 - Classe dos medicamentos utilizados na automedicação (n=100)


                          2%
                                    6%

                        12%
                                              34%
                                                          Antipiréticos
                   6%
                                                          Analgésicos

                                                          Antibióticos

                                                          Antiinflamatórios
                               40%
                                                          Anti histamínicos

                                                          outros

              Fonte: Elaboração própria.


       A Figura 15 mostra que 67% não desistem do tratamento medicamentoso
por sentirem algum efeito adverso e 33% dos entrevistados interromperam o
tratamento medicamentoso devido aos efeitos adversos. Isso é um dado
significativo, pois nem sempre as pessoas que interrompem o tratamento buscam
outro tipo de medicamento, o que pode levar ao agravamento da patologia.
53



  Figura 15 - Desistência de uso do medicamento por apresentar efeitos adversos
                                          (n=100)




                                                    33%

                                                               Sim
                                                               Não

                         67%




             Fonte: Elaboração própria.


       Um problema enfrentado por muitos idosos é a confusão com as
embalagens de medicamentos durante o uso, pois a grande maioria utiliza mais de
um medicamento.
       A deficiência visual dificulta a leitura das bulas, receitas, rótulos, há
medicamentos que apresentam embalagens semelhantes. A perda da discriminação
correta das cores pode levar a erros de administração (SÃO PAULO, 2003).
            No entanto, a maioria, 86% dos entrevistados afirmam nunca ter se
confundido, apenas 11% relataram já ter se confundido e 3% às vezes se
confundem com embalagens de medicamentos (Figura 16).
54



                Figura 16 - Embalagens de medicamentos (n=100)



                                         3%
                                              11%




                                                                   Sim
                                                                   Não
                                                                   As vezes




                                   86%




              Fonte: Elaboração própria.


       Foi questionado aos entrevistados, locais onde ocorre o armazenamento dos
medicamentos em casa.
       Uma pesquisa com idosos inseridos em dois projetos para idosos no Rio de
Janeiro, Universitário e municipal, demonstrou que foram encontrados nas visitas,
medicamentos acondicionados com perfumes, talcos, abertos em cima de
geladeiras, em caixas de sapatos e também guardados em gavetas fechadas sem
ventilação. Além desses locais, outro local preferido para manter os medicamentos é
na cozinha e geralmente perto de fogões (SILVA et al., 2002).
       O que se assemelha com os dados mostrados na Figura 17, onde 52% dos
entrevistados armazenam seus medicamentos na cozinha, 43% no quarto, 4% em
outros locais da casa e 1% no banheiro.
55



           Figura 17 - Local de armazenamento dos medicamentos (n=100)



                                       4%



                                                               Cozinha
                                                               Banheiros
                          43%
                                                 52%           Quarto
                                                               Outros




                                      1%

                 Fonte: Elaboração própria.


          Sobre o tabagismo e alcoolismo, 72% dos idosos não fazem uso de
nenhuma das substâncias relacionadas, 17% fazem uso de cigarro, somente 10%
consomem bebida alcoólica, e apenas 1% dos idosos fazem uso de ambos (Figura
18).
          Estes resultados se diferem aos encontrados no estudo realizado junto à
população do ambulatório do Núcleo de Atenção ao Idoso (NAI) da Universidade
Aberta da Terceira Idade (UNATI), da Universidade do Estado do Rio de Janeiro
(UERJ).
          Apenas dez entrevistados são fumantes, cerca de 6% do total, sem
diferença significativa entre os sexos. Quanto à ingestão de bebidas alcoólicas,
verifica-se uma freqüência maior entre o sexo masculino, mais da metade respondeu
positivamente à pergunta se tem o hábito de beber, contra apenas 1/4 do sexo
feminino. Na pesquisa 31% fazem uso de bebida alcoólica e 69% não fazem uso
(SAYD; FIGUEIREDO; VAENA, 2000).
          A diferença da porcentagem de idosos que fazem uso de álcool e tabaco é
significativamente relevante entre os estudos, uma vez que o consumo de álcool é
maior entre os idosos do NAI, e o consumo de tabaco é maior entre os idosos
entrevistados nas unidades de saúde do município de Fernandópolis.
56



                Figura 18 - Uso de cigarro e bebida alcoólica (n=100)




                                         10%


                                                 17%        Bebida alcoolica
                                                            Cigarros

                                                       1%   Ambos
                                                            Nenhum
                           72%




                   Fonte: Elaboração própria.


         Foi perguntado aos entrevistados como eles faziam a administração dos
medicamentos, a Figura 19 mostra que 77% dos entrevistados utilizam água para
administrar os medicamentos, indicando que fazem a administração correta do
fármaco com o líquido ideal, 15% utilizam leite, relacionando este dado com a falta
de conhecimento dos idosos sobre as interações que ocorrem com certos fármacos
e o leite, 6% utilizam suco e 2% refrigerante.
         Segundo a Secretaria Municipal de Saúde de Fortaleza- CE, não se deve
administrar medicamentos com água mineral gasosa, sucos ácidos, café, leite,
bebidas alcoólicas e chá. Eles podem diminuir ou potencializar o efeito dos
medicamentos. Como exemplo pode-se citar a tetraciclina que quando administrada
com leite faz com que o cálcio contido no leite, precipite o princípio ativo deste tipo
de antibiótico, que não funciona como deveria.
         É interessante ressaltar que é comum as pessoas usar sucos, café e chás
para administrarem suas medicações. Essa informação é importante que seja
divulgada, que o correto é administrar medicamentos sempre com água (SIQUEIRA,
2008).
Uso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolis
Uso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolis
Uso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolis
Uso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolis
Uso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolis
Uso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolis
Uso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolis
Uso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolis
Uso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolis
Uso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolis
Uso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolis
Uso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolis
Uso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolis
Uso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolis
Uso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolis
Uso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolis

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso Atenção à Saúde do Idoso
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEMSAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
Crise hipertensiva
Crise hipertensivaCrise hipertensiva
Crise hipertensiva
resenfe2013
 
Aula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátricaAula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátrica
Aroldo Gavioli
 
Urgências e emergências na atenção primária à saúde
Urgências e emergências na atenção primária à saúdeUrgências e emergências na atenção primária à saúde
Urgências e emergências na atenção primária à saúde
João Mazzoncini de Azevedo-Marques
 
Uso Racional de Medicamentos, contribuições. Volume 2
Uso Racional de Medicamentos, contribuições. Volume 2 Uso Racional de Medicamentos, contribuições. Volume 2
Uso Racional de Medicamentos, contribuições. Volume 2
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Semiologia farmaceutica
Semiologia farmaceuticaSemiologia farmaceutica
Semiologia farmaceutica
Cláudio Ferreira
 
Cartilha dcnt
Cartilha dcntCartilha dcnt
Cartilha dcnt
Gláucia Castro
 
Atendente de Farmácia - interações medicamentosas
Atendente de Farmácia - interações medicamentosasAtendente de Farmácia - interações medicamentosas
Atendente de Farmácia - interações medicamentosas
Luis Antonio Cezar Junior
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
Janaína Lassala
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
resenfe2013
 
Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapia
Rodrigo Abreu
 
Medicamentos de atenção especial
Medicamentos de atenção especialMedicamentos de atenção especial
Medicamentos de atenção especial
Arquivo-FClinico
 
O CORAÇÃO DO IDOSO
O CORAÇÃO DO IDOSOO CORAÇÃO DO IDOSO
O CORAÇÃO DO IDOSO
Márcio Borges
 
Slides sus
Slides susSlides sus
O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS
O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUSO farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS
O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS
Centro Universitário Ages
 
Folder hipertensão 2
Folder  hipertensão 2Folder  hipertensão 2
Folder hipertensão 2
Criistiina Ananiias
 
Insuficiência Renal
Insuficiência Renal Insuficiência Renal
Insuficiência Renal
Patricia Nunes
 
Pse - Programa Saúde na Escola
Pse - Programa Saúde na EscolaPse - Programa Saúde na Escola
Pse - Programa Saúde na Escola
Ana Luzia
 
Hipertensão
Hipertensão Hipertensão
Hipertensão
Nome Sobrenome
 

Mais procurados (20)

Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso
 
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEMSAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
 
Crise hipertensiva
Crise hipertensivaCrise hipertensiva
Crise hipertensiva
 
Aula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátricaAula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátrica
 
Urgências e emergências na atenção primária à saúde
Urgências e emergências na atenção primária à saúdeUrgências e emergências na atenção primária à saúde
Urgências e emergências na atenção primária à saúde
 
Uso Racional de Medicamentos, contribuições. Volume 2
Uso Racional de Medicamentos, contribuições. Volume 2 Uso Racional de Medicamentos, contribuições. Volume 2
Uso Racional de Medicamentos, contribuições. Volume 2
 
Semiologia farmaceutica
Semiologia farmaceuticaSemiologia farmaceutica
Semiologia farmaceutica
 
Cartilha dcnt
Cartilha dcntCartilha dcnt
Cartilha dcnt
 
Atendente de Farmácia - interações medicamentosas
Atendente de Farmácia - interações medicamentosasAtendente de Farmácia - interações medicamentosas
Atendente de Farmácia - interações medicamentosas
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapia
 
Medicamentos de atenção especial
Medicamentos de atenção especialMedicamentos de atenção especial
Medicamentos de atenção especial
 
O CORAÇÃO DO IDOSO
O CORAÇÃO DO IDOSOO CORAÇÃO DO IDOSO
O CORAÇÃO DO IDOSO
 
Slides sus
Slides susSlides sus
Slides sus
 
O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS
O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUSO farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS
O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS
 
Folder hipertensão 2
Folder  hipertensão 2Folder  hipertensão 2
Folder hipertensão 2
 
Insuficiência Renal
Insuficiência Renal Insuficiência Renal
Insuficiência Renal
 
Pse - Programa Saúde na Escola
Pse - Programa Saúde na EscolaPse - Programa Saúde na Escola
Pse - Programa Saúde na Escola
 
Hipertensão
Hipertensão Hipertensão
Hipertensão
 

Semelhante a Uso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolis

Estudo sobre o uso de anorexígenos
Estudo sobre o uso de anorexígenos Estudo sobre o uso de anorexígenos
Estudo sobre o uso de anorexígenos
TCC_FARMACIA_FEF
 
Estudo sobre o uso de anorexígenos
Estudo sobre o uso de anorexígenos Estudo sobre o uso de anorexígenos
Estudo sobre o uso de anorexígenos
Giovanni Oliveira
 
Aceitação dos medicamentos genéricos pelos alunos da fef.pdf
Aceitação dos medicamentos genéricos pelos alunos da fef.pdfAceitação dos medicamentos genéricos pelos alunos da fef.pdf
Aceitação dos medicamentos genéricos pelos alunos da fef.pdf
Giovanni Oliveira
 
Aceitação dos medicamentos genéricos pelos alunos da fef.pdf
Aceitação dos medicamentos genéricos pelos alunos da fef.pdfAceitação dos medicamentos genéricos pelos alunos da fef.pdf
Aceitação dos medicamentos genéricos pelos alunos da fef.pdf
TCC_FARMACIA_FEF
 
Levantamento de medicamentos anti hipertensivos mais utilizados nos município...
Levantamento de medicamentos anti hipertensivos mais utilizados nos município...Levantamento de medicamentos anti hipertensivos mais utilizados nos município...
Levantamento de medicamentos anti hipertensivos mais utilizados nos município...
TCC_FARMACIA_FEF
 
Levantamento de medicamentos anti hipertensivos mais utilizados nos município...
Levantamento de medicamentos anti hipertensivos mais utilizados nos município...Levantamento de medicamentos anti hipertensivos mais utilizados nos município...
Levantamento de medicamentos anti hipertensivos mais utilizados nos município...
Giovanni Oliveira
 
Análise dos estoques domiciliares de medicamentos no municipio de fernandópol...
Análise dos estoques domiciliares de medicamentos no municipio de fernandópol...Análise dos estoques domiciliares de medicamentos no municipio de fernandópol...
Análise dos estoques domiciliares de medicamentos no municipio de fernandópol...
TCC_FARMACIA_FEF
 
Análise dos estoques domiciliares de medicamentos no municipio de fernandópol...
Análise dos estoques domiciliares de medicamentos no municipio de fernandópol...Análise dos estoques domiciliares de medicamentos no municipio de fernandópol...
Análise dos estoques domiciliares de medicamentos no municipio de fernandópol...
Giovanni Oliveira
 
Perfil dos antimirobianos mais utilizados no município de vitória brasil sp
Perfil dos antimirobianos mais utilizados no município de vitória brasil   spPerfil dos antimirobianos mais utilizados no município de vitória brasil   sp
Perfil dos antimirobianos mais utilizados no município de vitória brasil sp
TCC_FARMACIA_FEF
 
Perfil dos antimirobianos mais utilizados no município de vitória brasil sp
Perfil dos antimirobianos mais utilizados no município de vitória brasil   spPerfil dos antimirobianos mais utilizados no município de vitória brasil   sp
Perfil dos antimirobianos mais utilizados no município de vitória brasil sp
TCC_FARMACIA_FEF
 
Relação médico paciente
Relação médico pacienteRelação médico paciente
Relação médico paciente
TCC_FARMACIA_FEF
 
Relação médico paciente
Relação médico pacienteRelação médico paciente
Relação médico paciente
Giovanni Oliveira
 
Avaliação sobre o nível de conhecimento e a utilização de anticoncepcionais d...
Avaliação sobre o nível de conhecimento e a utilização de anticoncepcionais d...Avaliação sobre o nível de conhecimento e a utilização de anticoncepcionais d...
Avaliação sobre o nível de conhecimento e a utilização de anticoncepcionais d...
TCC_FARMACIA_FEF
 
Avaliação sobre o nível de conhecimento e a utilização de anticoncepcionais d...
Avaliação sobre o nível de conhecimento e a utilização de anticoncepcionais d...Avaliação sobre o nível de conhecimento e a utilização de anticoncepcionais d...
Avaliação sobre o nível de conhecimento e a utilização de anticoncepcionais d...
Giovanni Oliveira
 
Automedicação em universitarios da fef.pdf
Automedicação em universitarios da fef.pdfAutomedicação em universitarios da fef.pdf
Automedicação em universitarios da fef.pdf
TCC_FARMACIA_FEF
 
Automedicação em universitarios da fef.pdf
Automedicação em universitarios da fef.pdfAutomedicação em universitarios da fef.pdf
Automedicação em universitarios da fef.pdf
Giovanni Oliveira
 
Perfil do paciente hipertenso.pdf
Perfil do paciente hipertenso.pdfPerfil do paciente hipertenso.pdf
Perfil do paciente hipertenso.pdf
Giovanni Oliveira
 
Perfil do paciente hipertenso.pdf
Perfil do paciente hipertenso.pdfPerfil do paciente hipertenso.pdf
Perfil do paciente hipertenso.pdf
TCC_FARMACIA_FEF
 
Da teoria à realidade uma analise do conhecimento das legislaçoes
Da teoria à realidade uma analise do conhecimento das legislaçoesDa teoria à realidade uma analise do conhecimento das legislaçoes
Da teoria à realidade uma analise do conhecimento das legislaçoes
Giovanni Oliveira
 
Da teoria à realidade uma analise do conhecimento das legislaçoes
Da teoria à realidade uma analise do conhecimento das legislaçoesDa teoria à realidade uma analise do conhecimento das legislaçoes
Da teoria à realidade uma analise do conhecimento das legislaçoes
TCC_FARMACIA_FEF
 

Semelhante a Uso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolis (20)

Estudo sobre o uso de anorexígenos
Estudo sobre o uso de anorexígenos Estudo sobre o uso de anorexígenos
Estudo sobre o uso de anorexígenos
 
Estudo sobre o uso de anorexígenos
Estudo sobre o uso de anorexígenos Estudo sobre o uso de anorexígenos
Estudo sobre o uso de anorexígenos
 
Aceitação dos medicamentos genéricos pelos alunos da fef.pdf
Aceitação dos medicamentos genéricos pelos alunos da fef.pdfAceitação dos medicamentos genéricos pelos alunos da fef.pdf
Aceitação dos medicamentos genéricos pelos alunos da fef.pdf
 
Aceitação dos medicamentos genéricos pelos alunos da fef.pdf
Aceitação dos medicamentos genéricos pelos alunos da fef.pdfAceitação dos medicamentos genéricos pelos alunos da fef.pdf
Aceitação dos medicamentos genéricos pelos alunos da fef.pdf
 
Levantamento de medicamentos anti hipertensivos mais utilizados nos município...
Levantamento de medicamentos anti hipertensivos mais utilizados nos município...Levantamento de medicamentos anti hipertensivos mais utilizados nos município...
Levantamento de medicamentos anti hipertensivos mais utilizados nos município...
 
Levantamento de medicamentos anti hipertensivos mais utilizados nos município...
Levantamento de medicamentos anti hipertensivos mais utilizados nos município...Levantamento de medicamentos anti hipertensivos mais utilizados nos município...
Levantamento de medicamentos anti hipertensivos mais utilizados nos município...
 
Análise dos estoques domiciliares de medicamentos no municipio de fernandópol...
Análise dos estoques domiciliares de medicamentos no municipio de fernandópol...Análise dos estoques domiciliares de medicamentos no municipio de fernandópol...
Análise dos estoques domiciliares de medicamentos no municipio de fernandópol...
 
Análise dos estoques domiciliares de medicamentos no municipio de fernandópol...
Análise dos estoques domiciliares de medicamentos no municipio de fernandópol...Análise dos estoques domiciliares de medicamentos no municipio de fernandópol...
Análise dos estoques domiciliares de medicamentos no municipio de fernandópol...
 
Perfil dos antimirobianos mais utilizados no município de vitória brasil sp
Perfil dos antimirobianos mais utilizados no município de vitória brasil   spPerfil dos antimirobianos mais utilizados no município de vitória brasil   sp
Perfil dos antimirobianos mais utilizados no município de vitória brasil sp
 
Perfil dos antimirobianos mais utilizados no município de vitória brasil sp
Perfil dos antimirobianos mais utilizados no município de vitória brasil   spPerfil dos antimirobianos mais utilizados no município de vitória brasil   sp
Perfil dos antimirobianos mais utilizados no município de vitória brasil sp
 
Relação médico paciente
Relação médico pacienteRelação médico paciente
Relação médico paciente
 
Relação médico paciente
Relação médico pacienteRelação médico paciente
Relação médico paciente
 
Avaliação sobre o nível de conhecimento e a utilização de anticoncepcionais d...
Avaliação sobre o nível de conhecimento e a utilização de anticoncepcionais d...Avaliação sobre o nível de conhecimento e a utilização de anticoncepcionais d...
Avaliação sobre o nível de conhecimento e a utilização de anticoncepcionais d...
 
Avaliação sobre o nível de conhecimento e a utilização de anticoncepcionais d...
Avaliação sobre o nível de conhecimento e a utilização de anticoncepcionais d...Avaliação sobre o nível de conhecimento e a utilização de anticoncepcionais d...
Avaliação sobre o nível de conhecimento e a utilização de anticoncepcionais d...
 
Automedicação em universitarios da fef.pdf
Automedicação em universitarios da fef.pdfAutomedicação em universitarios da fef.pdf
Automedicação em universitarios da fef.pdf
 
Automedicação em universitarios da fef.pdf
Automedicação em universitarios da fef.pdfAutomedicação em universitarios da fef.pdf
Automedicação em universitarios da fef.pdf
 
Perfil do paciente hipertenso.pdf
Perfil do paciente hipertenso.pdfPerfil do paciente hipertenso.pdf
Perfil do paciente hipertenso.pdf
 
Perfil do paciente hipertenso.pdf
Perfil do paciente hipertenso.pdfPerfil do paciente hipertenso.pdf
Perfil do paciente hipertenso.pdf
 
Da teoria à realidade uma analise do conhecimento das legislaçoes
Da teoria à realidade uma analise do conhecimento das legislaçoesDa teoria à realidade uma analise do conhecimento das legislaçoes
Da teoria à realidade uma analise do conhecimento das legislaçoes
 
Da teoria à realidade uma analise do conhecimento das legislaçoes
Da teoria à realidade uma analise do conhecimento das legislaçoesDa teoria à realidade uma analise do conhecimento das legislaçoes
Da teoria à realidade uma analise do conhecimento das legislaçoes
 

Mais de Giovanni Oliveira

Tcc liraglutida metformina
Tcc liraglutida metforminaTcc liraglutida metformina
Tcc liraglutida metformina
Giovanni Oliveira
 
Obesidade em pauta
Obesidade em pautaObesidade em pauta
Obesidade em pauta
Giovanni Oliveira
 
Dermatite seborréica e caspa
Dermatite seborréica e caspaDermatite seborréica e caspa
Dermatite seborréica e caspa
Giovanni Oliveira
 
Automedicação por universitarios da fundação educacional de fernandopolis
Automedicação por universitarios da fundação educacional de fernandopolisAutomedicação por universitarios da fundação educacional de fernandopolis
Automedicação por universitarios da fundação educacional de fernandopolis
Giovanni Oliveira
 
A importância do controle de qualidade nas cápsulas manipuladas
A importância do controle de qualidade nas cápsulas manipuladasA importância do controle de qualidade nas cápsulas manipuladas
A importância do controle de qualidade nas cápsulas manipuladas
Giovanni Oliveira
 
A UTILIZAÇÃO DA SIBUTRAMINA E DO ORLISTAT NO TRATAMENTO DA OBESIDADE
A UTILIZAÇÃO DA SIBUTRAMINA E DO ORLISTAT NO TRATAMENTO DA OBESIDADEA UTILIZAÇÃO DA SIBUTRAMINA E DO ORLISTAT NO TRATAMENTO DA OBESIDADE
A UTILIZAÇÃO DA SIBUTRAMINA E DO ORLISTAT NO TRATAMENTO DA OBESIDADE
Giovanni Oliveira
 
USO DO METOTREXATO E INFLIXIMAB NO TRATAMENTO DA ARTRITE REUMATOIDE: uma revisão
USO DO METOTREXATO E INFLIXIMAB NO TRATAMENTO DA ARTRITE REUMATOIDE: uma revisãoUSO DO METOTREXATO E INFLIXIMAB NO TRATAMENTO DA ARTRITE REUMATOIDE: uma revisão
USO DO METOTREXATO E INFLIXIMAB NO TRATAMENTO DA ARTRITE REUMATOIDE: uma revisão
Giovanni Oliveira
 
Tcc Helicobacter pylori
Tcc Helicobacter pyloriTcc Helicobacter pylori
Tcc Helicobacter pylori
Giovanni Oliveira
 
Tcc ASPECTOS RELEVANTES DAS INFECÇÕES HOSPITALARES
Tcc   ASPECTOS RELEVANTES DAS  INFECÇÕES HOSPITALARES Tcc   ASPECTOS RELEVANTES DAS  INFECÇÕES HOSPITALARES
Tcc ASPECTOS RELEVANTES DAS INFECÇÕES HOSPITALARES
Giovanni Oliveira
 
TCC EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO MEDICAMENTO GENÉRICO: intercambialidade e aceitabil...
TCC EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO MEDICAMENTO GENÉRICO: intercambialidade e aceitabil...TCC EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO MEDICAMENTO GENÉRICO: intercambialidade e aceitabil...
TCC EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO MEDICAMENTO GENÉRICO: intercambialidade e aceitabil...
Giovanni Oliveira
 
Componente especializado da assistência farmacêutica (1)
Componente especializado da assistência farmacêutica (1)Componente especializado da assistência farmacêutica (1)
Componente especializado da assistência farmacêutica (1)
Giovanni Oliveira
 
Obesidade infantil.pdf
Obesidade infantil.pdfObesidade infantil.pdf
Obesidade infantil.pdf
Giovanni Oliveira
 
Paciente com esquizofrenia.pdf
Paciente com esquizofrenia.pdfPaciente com esquizofrenia.pdf
Paciente com esquizofrenia.pdf
Giovanni Oliveira
 
Metformina
MetforminaMetformina
Metformina
Giovanni Oliveira
 
Herpes simples labial.pdf
Herpes simples labial.pdfHerpes simples labial.pdf
Herpes simples labial.pdf
Giovanni Oliveira
 
Exposiçâo solar.pdf
Exposiçâo solar.pdfExposiçâo solar.pdf
Exposiçâo solar.pdf
Giovanni Oliveira
 
Perfil da dispensação da hidroquinona nas fármacias de manipulação magistral ...
Perfil da dispensação da hidroquinona nas fármacias de manipulação magistral ...Perfil da dispensação da hidroquinona nas fármacias de manipulação magistral ...
Perfil da dispensação da hidroquinona nas fármacias de manipulação magistral ...
Giovanni Oliveira
 
Herpes simples labial.pdf
Herpes simples labial.pdfHerpes simples labial.pdf
Herpes simples labial.pdf
Giovanni Oliveira
 
Obesidade e o uso de anorexígenos.pdf
Obesidade e o uso de anorexígenos.pdfObesidade e o uso de anorexígenos.pdf
Obesidade e o uso de anorexígenos.pdf
Giovanni Oliveira
 
Estudo do uso de anti inflamatórios em drogarias de
Estudo do uso de anti inflamatórios em drogarias deEstudo do uso de anti inflamatórios em drogarias de
Estudo do uso de anti inflamatórios em drogarias de
Giovanni Oliveira
 

Mais de Giovanni Oliveira (20)

Tcc liraglutida metformina
Tcc liraglutida metforminaTcc liraglutida metformina
Tcc liraglutida metformina
 
Obesidade em pauta
Obesidade em pautaObesidade em pauta
Obesidade em pauta
 
Dermatite seborréica e caspa
Dermatite seborréica e caspaDermatite seborréica e caspa
Dermatite seborréica e caspa
 
Automedicação por universitarios da fundação educacional de fernandopolis
Automedicação por universitarios da fundação educacional de fernandopolisAutomedicação por universitarios da fundação educacional de fernandopolis
Automedicação por universitarios da fundação educacional de fernandopolis
 
A importância do controle de qualidade nas cápsulas manipuladas
A importância do controle de qualidade nas cápsulas manipuladasA importância do controle de qualidade nas cápsulas manipuladas
A importância do controle de qualidade nas cápsulas manipuladas
 
A UTILIZAÇÃO DA SIBUTRAMINA E DO ORLISTAT NO TRATAMENTO DA OBESIDADE
A UTILIZAÇÃO DA SIBUTRAMINA E DO ORLISTAT NO TRATAMENTO DA OBESIDADEA UTILIZAÇÃO DA SIBUTRAMINA E DO ORLISTAT NO TRATAMENTO DA OBESIDADE
A UTILIZAÇÃO DA SIBUTRAMINA E DO ORLISTAT NO TRATAMENTO DA OBESIDADE
 
USO DO METOTREXATO E INFLIXIMAB NO TRATAMENTO DA ARTRITE REUMATOIDE: uma revisão
USO DO METOTREXATO E INFLIXIMAB NO TRATAMENTO DA ARTRITE REUMATOIDE: uma revisãoUSO DO METOTREXATO E INFLIXIMAB NO TRATAMENTO DA ARTRITE REUMATOIDE: uma revisão
USO DO METOTREXATO E INFLIXIMAB NO TRATAMENTO DA ARTRITE REUMATOIDE: uma revisão
 
Tcc Helicobacter pylori
Tcc Helicobacter pyloriTcc Helicobacter pylori
Tcc Helicobacter pylori
 
Tcc ASPECTOS RELEVANTES DAS INFECÇÕES HOSPITALARES
Tcc   ASPECTOS RELEVANTES DAS  INFECÇÕES HOSPITALARES Tcc   ASPECTOS RELEVANTES DAS  INFECÇÕES HOSPITALARES
Tcc ASPECTOS RELEVANTES DAS INFECÇÕES HOSPITALARES
 
TCC EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO MEDICAMENTO GENÉRICO: intercambialidade e aceitabil...
TCC EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO MEDICAMENTO GENÉRICO: intercambialidade e aceitabil...TCC EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO MEDICAMENTO GENÉRICO: intercambialidade e aceitabil...
TCC EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO MEDICAMENTO GENÉRICO: intercambialidade e aceitabil...
 
Componente especializado da assistência farmacêutica (1)
Componente especializado da assistência farmacêutica (1)Componente especializado da assistência farmacêutica (1)
Componente especializado da assistência farmacêutica (1)
 
Obesidade infantil.pdf
Obesidade infantil.pdfObesidade infantil.pdf
Obesidade infantil.pdf
 
Paciente com esquizofrenia.pdf
Paciente com esquizofrenia.pdfPaciente com esquizofrenia.pdf
Paciente com esquizofrenia.pdf
 
Metformina
MetforminaMetformina
Metformina
 
Herpes simples labial.pdf
Herpes simples labial.pdfHerpes simples labial.pdf
Herpes simples labial.pdf
 
Exposiçâo solar.pdf
Exposiçâo solar.pdfExposiçâo solar.pdf
Exposiçâo solar.pdf
 
Perfil da dispensação da hidroquinona nas fármacias de manipulação magistral ...
Perfil da dispensação da hidroquinona nas fármacias de manipulação magistral ...Perfil da dispensação da hidroquinona nas fármacias de manipulação magistral ...
Perfil da dispensação da hidroquinona nas fármacias de manipulação magistral ...
 
Herpes simples labial.pdf
Herpes simples labial.pdfHerpes simples labial.pdf
Herpes simples labial.pdf
 
Obesidade e o uso de anorexígenos.pdf
Obesidade e o uso de anorexígenos.pdfObesidade e o uso de anorexígenos.pdf
Obesidade e o uso de anorexígenos.pdf
 
Estudo do uso de anti inflamatórios em drogarias de
Estudo do uso de anti inflamatórios em drogarias deEstudo do uso de anti inflamatórios em drogarias de
Estudo do uso de anti inflamatórios em drogarias de
 

Último

Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Pastor Robson Colaço
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
y6zh7bvphf
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 

Uso racional de medicamentos em idosos no município de fernandópolis

  • 1. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE FERNANDÓPOLIS FACULDADES INTEGRADAS DE FERNANDÓPOLIS ALLAN VIDOTI DIAS AMANDA MANZATO VOLPE ELIZÂNGELA BATISTA DO PRADO LARISSA GABRIELE BARRETO ANGELO O IDOSO E O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS NO MUNICÍPIO DE FERNANDÓPOLIS FERNANDÓPOLIS 2011
  • 2. ALLAN VIDOTI DIAS AMANDA MANZATO VOLPE ELIZÂNGELA BATISTA DO PRADO LARISSA GABRIELE BARRETO ANGELO O IDOSO E O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS NO MUNICÍPIO DE FERNANDÓPOLIS Trabalho de conclusão de curso apresentado à Banca Examinadora do Curso de Graduação em Farmácia da Fundação Educacional de Fernandópolis como exigência parcial para obtenção do título de bacharel em farmácia. Orientador: Prof. MSc. Giovanni Carlos de Oliveira FERNANDÓPOLIS – SP 2011
  • 3. ALLAN VIDOTI DIAS AMANDA MANZATO VOLPE ELIZÂNGELA BATISTA DO PRADO LARISSA GABRIELE BARRETO ANGELO O IDOSO E O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS NO MUNICÍPIO DE FERNANDÓPOLIS Trabalho de conclusão de curso aprovado como requisito parcial para obtenção do título de bacharel em farmácia. Aprovado em: 09 de dezembro de 2011. Banca examinadora Assinatura Conceito Prof. MSc. Giovanni Carlos de Oliveira Profa. Valéria Cristina José Erédia Fancio Prof. MSc. Roney Eduardo Zaparoli Prof. MSc. Giovanni Carlos de Oliveira Presidente da Banca Examinadora
  • 4. Dedicamos este trabalho primeiramente a Deus, que nos permitiu a graça da vida, pois sem ele não estaríamos aqui presentes realizando este trabalho. Aos nossos pais que depositaram total confiança em nós e proporcionaram a maravilhosa oportunidade de ingressar no ensino superior. Aos familiares que nos apoiaram durante esta fase tão importante de nossas vidas.
  • 5. AGRADECIMENTOS Aos professores, especialmente ao Prof. MSc. Giovanni Carlos de Oliveira, pela contribuição, dentro de suas áreas, para o desenvolvimento de nossa monografia. Aos familiares, principalmente aos nossos pais, pelo apoio e compreensão, aos quais devemos todo nosso esforço e dedicação. Agradecemos a Deus por nos abençoar com sabedoria, inteligência e força de vontade para concluir a fase final da nossa graduação. E por fim agradecemos uns aos outros do nosso grupo, pois sem a nossa união nada seria realizado e não estaríamos preparados para enfrentar as dificuldades que passamos.
  • 6. Que os vossos esforços desafiem as impossibilidades, lembre-vos de que as grandes coisas do homem foram conquistadas do que parecia impossível. Charles Chaplin
  • 7. RESUMO Os idosos representam o estrato etário com maior utilização de medicamentos na sociedade. Os aspectos farmacocinéticos, doenças crônicas que acometem geralmente esta faixa etária, os medicamentos utilizados nessas doenças são abordados neste trabalho, demonstrando as mudanças fisiológicas e os processos patológicos que ocorrem na terceira idade. Este trabalho tem como objetivo geral verificar o uso racional de medicamentos em idosos, através de pesquisas na rede pública de saúde do município de Fernandópolis. Foi aplicado um questionário abordando 22 perguntas relacionadas ao uso racional de medicamentos e aspectos envolvidos na terapêutica da população idosa, aplicado em forma de entrevista direta com os pacientes idosos. No momento em que eles esperavam por uma consulta médica ou quando passavam pela unidade de saúde para buscar medicamentos. A automedicação tem sido objetivo de muitas pesquisas e assume uma importância maior quando é realizada em idosos, pois geralmente representam um grupo polimedicado. O presente estudo teve relevância para reflexão ao tratamento com os idosos, que juntamente com as crianças, são as classes que mais requer cuidado e atenção. Contudo a prática do uso racional de medicamentos precisa ser exposta cada vez mais, tanto para os profissionais da saúde, que são responsáveis pelo auxílio, atenção e cuidados com a saúde dos pacientes, quanto para a sociedade, que necessita estar sempre informada sobre os cuidados que devem ser adotados na terapêutica medicamentosa dos idosos, para proporcionar a qualidade de vida a esta classe. Palavras-chave: Uso racional de medicamentos. Qualidade de vida. Idoso. Saúde.
  • 8. ABSTRACT The elderly represent the age stratum with greater drug use in society. The pharmacokinetic aspects, chronic diseases that typically affect this age group, the drugs used in these diseases are discussed in this work, demonstrating the physiological and pathological processes that occur in old age. This study aims to verify the general rational use of drugs in the elderly through research in the public health of the city of Fernandópolis. We applied a questionnaire with 22 questions related to the rational use of medicines and therapeutic aspects involved in the elderly population, applied in the form of direct interview with the elderly. The moment they were waiting for a doctor's appointment or when they passed by the health unit to get some medicine. Self-medication has been the subject of much research and assumes greater importance when it is performed in the elderly because they generally represent a group receiving multiple medications. This study has relevance for reflection to treatment with the elderly, who along with children, are the classes that require more care and attention. However the practice of rational drug use must be increasingly exposed both to health professionals who are responsible for their help, support and care for the health of patients and for society, which needs to be kept informed about the care that should be adopted in the drug therapy of the elderly, to the quality of life for this class. Keywords: Rational use of medicines. Quality of life. Elderly. Health.
  • 9. LISTA DE FIGURAS Figura 1- Idade dos entrevistados Figura 2- Sexo dos entrevistados Figura 3- Escolaridade dos entrevistados Figura 4- Trabalho da Unidade de Saúde Figura 5- Questão sobre medicamentos encontrados na rede pública Figura 6- Uso correto de medicamentos, posologia e tratamento Figura 7- Uso de medicamentos próximo às refeições Figura 8- Orientações do farmacêutico e funcionários em relação ao uso dos medicamentos Figura 9- Adesão ao tratamento Figura 10- Problema relacionado a não utilização do medicamento necessário Figura 11- Uso de medicamentos em doenças crônicas Figura 12- Classes dos medicamentos utilizados no tratamento das doenças crônicas Figura 13- Automedicação Figura 14- Classes dos medicamentos utilizados na automedicação Figura 15- Desistência de uso do medicamento por apresentar efeito adverso Figura 16- Embalagens de medicamentos Figura 17- Local de armazenamento dos medicamentos Figura 18- Uso de cigarro e bebida alcoólica Figura 19- Tipo de líquido ingerido na administração do medicamento Figura 20- Hábito de leitura da bula Figura 21- Entendimento da bula Figura 22- Locais de procura dos medicamentos não encontrados na rede pública
  • 10. LISTA DE SIGLAS ARA II - Antagonista dos Receptores da Angiotensina II CNS - Conselho Nacional de Saúde DA - Doença de Alzheimer DSM-IV - Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos mentais da associação Americana de Psiquiatria FDA - Food And Drug Administration GABA - Ácido Gama-aminobutíirico IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia Estatística IECAS - Inibidores da Enzima de Conversão da angiotensina MAO- A - Monoaminoxidase NAI - Núcleo de Atenção ao Idoso OMS - Organização Mundial da Saúde PA - Pressão Arterial PNAF - Política Nacional de Assistência Farmacêutica PNM - Política Nacional de Medicamentos PSF - Programa de Saúde da Família RAM - Reações adversas a medicamentos RENAME - Relação Nacional de Medicamentos Essenciais SUS - Sistema Único de Saúde UERJ - Universidade do Estado do Rio de Janeiro UNATI - Universidade Aberta da Terceira Idade USF - Unidade de Saúde da Família
  • 11. SUMÁRIO INTRODUÇÃO....................................................................................................12 1 QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO.................................................................16 2 RESPONSABILIDADES INSTITUCIONAIS....................................................18 3 ORIENTAÇÃO AO PACIENTE SOBRE O USO DE MEDICAMENTO..........18 3.1 REORIENTAÇÃO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA.............................21 3.2 DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS........................................................25 3.3 USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS.......................................................25 4 IATROGENIA...................................................................................................26 4.1 MEDICAR O IDOSO.....................................................................................26 5 ADESÃO DO PACIENTE AO TRATAMENTO................................................27 5.1 PREVALÊNCIA, FATORES ASSOCIADOS E USO INADEQUADO DE MEDICAMENTOS ENTRE IDOSOS...................................................................28 6 FARMACOLOGIA GERIATRICA....................................................................29 6.1 DEMÊNCIA...................................................................................................29 6.1.1 DOENÇA DE ALZHEIMER........................................................................30 6.2 DIABETE MELITO.........................................................................................30 6.3 HIPERTENSÃO ARTERIAL..........................................................................32 6.4 DEPRESSÃO................................................................................................33 7 VARIÁVEIS FISIOLÓGICAS NO IDOSO QUE ALTERAM OS EFEITOS DOS FÁRMACOS........................................................................................................33 7.1 ASPECTOS FARMACOCINÉTICOS............................................................34 8 PRESCRIÇÕES EM IDOSOS..........................................................................35 8.1 PRINCÍPIOS DE PRESCRIÇÃO DE DROGAS NOS IDOSOS....................35 9 O FUTURO EM RELAÇÃO AO USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS EM IDOSO.................................................................................................................36 10 MÉTODO........................................................................................................38
  • 12. 11 RESULTADOS E DISCUSSÃO.....................................................................39 12 CONSIDERAÇÕES FINAIS...........................................................................61 REFERÊNCIAS...................................................................................................63 APÊNDICE..........................................................................................................69
  • 13. 12 INTRODUÇÃO Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no Brasil a população idosa vem crescendo quase oito vezes mais que os jovens e quase duas vezes mais que a população geral, passando de 6,3%, em 1980, para a cifra estimada de 14% no ano de 2025, o que em números absolutos posiciona-se na sexta maior população de idosos do mundo (COSTA et al., 2009). Com esse elevado aumento da população idosa no Brasil a qual segue uma tendência já ocorrida em países desenvolvidos, ocorre um aumento de desafios aos serviços e aos profissionais da saúde. Consequentemente verifica-se um grande número de patologias encontradas com sintomatologias diversas e, ademais, a prevalência de doenças crônicas degenerativas, as quais frequentemente dependem de terapêuticas medicamentosas prolongadas ou contínuas. Por esse motivo, esses indivíduos tornam-se grandes consumidores de medicamentos sendo, possivelmente, o grupo etário mais medicalizado na sociedade (ANDRADE; SILVA; FREITAS, 2009). Por esse motivo a promoção do uso racional de medicamentos e a educação terapêutica são indispensáveis nos dias de hoje e a aplicação dessa racionalidade pode ser feita através de aconselhamentos, os quais permitem um maior relacionamento entre os profissionais de saúde e o paciente. Isso torna o tratamento mais eficaz e capacita o idoso a lidar com possíveis efeitos colaterais e interações medicamentosas contribuindo para a adesão ao tratamento (ANDRADE; SILVA; FREITAS, 2009). Refletindo o aumento da população de idosos se observa aumento do consumo de medicamentos por essa população. Mais de 80% desses indivíduos utilizam, pelo menos, um medicamento por dia, e cerca de um terço consome cinco ou mais simultaneamente. Esse público constitui aproximadamente 50% dos multiusuários, sendo ate considerados o grupo etário que mais consome medicamentos na sociedade, fato justificado pelo aumento da prevalência de doenças crônicas relacionadas à idade (COSTA et al., 2009).
  • 14. 13 A chegada da terceira idade traz consigo limitações sobre um corpo já muito vivido. Já não se tem a mesma vitalidade, a rapidez dos movimentos e do raciocínio, a mesma coordenação motora da época da juventude. Há mais tempo disponível, mas os idosos não sabem o que fazer com ele... Acostumados a fazer, não sabem o que é ser (COSTA et al., 2009). De acordo com Andrade; Silva; Freitas (2009) em função da presença frequente de múltiplas patologias, requerendo terapias diferentes, as quais podem resultar no uso concomitante de vários medicamentos, por isso, o aconselhamento acerca do uso racional de medicamento é uma pratica importante e essencial tanto para a população em geral e em especial, para o idoso. Por isso, uma boa estratégia de administração que diminua os riscos de efeitos colaterais ou adversos e de interações medicamentosas é muito necessária e muito eficaz. Somam-se a isto vários fatores, entre outros: a) automedicação com produtos de venda livre, e aqueles indicados e até fornecidos por pessoas próximas; b) a não adesão ao tratamento que aumenta com a idade. Segundo Andrade; Silva; Freitas (2009) este quadro pode ser agravado por alterações fisiológicas como: a) redução da memória, da visão, da destreza manual; b) não acesso ao (s) medicamento(s); c) perda da capacidade de reserva funcional de órgãos vitais; d) deterioração do controle homeostático e, e) alterações na velocidade e extensão de metabolização do fármaco, com consequência na ação farmacológica. Escolheu-se este tema devido à relevância do mesmo em relação à saúde pública e ao aumento da população de idosos, esse público vem se destacando com relação a sua expectativa de vida que é cada vez maior. O uso racional de medicamento em idosos é um assunto muito discutido nos dias atuais. Por isso, considerou-se fazer uma pesquisa sobre o uso de medicamentos e outros aspectos ligados a saúde dos idosos, a nível municipal, e através desta, coletaram-se dados, buscando saber qual a situação dos idosos no município de Fernandópolis. Outro fato importante é que com os resultados do trabalho, podem-se observar vários problemas enfrentados pelos idosos, tanto nas unidades básicas de
  • 15. 14 saúde quanto na sua rotina em casa, e os resultados obtidos poderão ser utilizados na assistência ao idoso, pois sabendo dos problemas enfrentados por eles, ficará mais fácil orientá-los, contribuindo para melhora da qualidade de vida. Foi utilizada uma pesquisa exploratória com 22 questões em três unidades de saúde com 100 pessoas modo a buscar dados para a elaboração do trabalho. Este trabalho tem como objetivo geral verificar o uso racional de medicamentos em idosos, através de pesquisas na rede pública de saúde do município de Fernandópolis. O estudo tem como objetivos específicos a observação da (s):  Prática de assistência farmacêutica tem influências positivas na administração dos medicamentos e reafirma quanto à dispensação e orientação do seu uso;  Saúde e qualidade de vida do idoso: alimentação adequada, atividade física, uso de álcool e tabaco;  Reações adversas e adesão ao tratamento; Este trabalho foi dividido em oito capítulos. Sendo o primeiro, saúde e qualidade de vida do idoso, abordando aspectos da longevidade, atividades físicas, melhores alimentações, controle de medicamentos de acordo com suas reais necessidades. O segundo capítulo relata sobre responsabilidades institucionais, ao Sistema Único de Saúde (SUS) caberá prover meios para alcance do propósito da política nacional de saúde do idoso. No terceiro capítulo apresenta a orientação ao paciente sobre o uso de medicamento, relacionando a promoção do uso racional com a Política Nacional de Medicamentos brasileira (PNM). Relata a prática da assistência farmacêutica, as finalidades de sua reorganização, responsabilidades da PNM e dispensação de medicamento. Já no quarto define iatrogenia e os fatores que levam ao acontecimento da mesma, como é o funcionamento do organismo do idoso e como acertar na prescrição do medicamento. O capítulo cinco aborda a adesão ao tratamento, o idoso tem dificuldade de adesão ao tratamento, observam-se com maior frequência de erros de administração, fatores sócios econômicos, fatores associados ao mau uso do medicamento entre idosos.
  • 16. 15 De acordo com o capítulo seis exemplifica a farmacologia geriátrica de algumas doenças mais acometidas nos pacientes idosos, demência como o Alzheimer, diabete melito, hipertensão arterial e depressão. No capítulo sete destaca as principais variáveis fisiológicas no idoso que altera os efeitos dos fármacos, isso decorre devido à idade avançada, tornando o idoso mais sensível. O fator fisiológico próprios do idoso pode alterar a farmacocinética e farmacodinâmica. O capítulo oito tem como tema prescrições em idosos, comentando as exigências contidas nas bulas dos produtos com orientações sobre o uso em pacientes acima de 65 anos; os princípios da prescrição e fatores relacionados. O capítulo nove traz a finalização do desenvolvimento teórico, com o tema o futuro em relação ao uso racional de medicamentos em idoso, e aborda fatores relacionados à farmacologia, e ao uso indevido de medicamentos que ocorre com esta faixa etária. Comenta o que deve ser feito para diminuir o uso inadequado de medicamentos pelos idosos.
  • 17. 16 1 SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO O aumento da longevidade e a redução das taxas de mortalidade, nas últimas décadas do século passado, mudaram o perfil demográfico. No Brasil, em 1900, a expectativa de vida ao nascer era de 33,7 anos; nos anos 40, de 39 anos; em 50, aumentou para 43,2 anos e, em 60, era de 55,9 anos. De 1960 para 1980, essa expectativa ampliou-se para 63,4 anos, isto é, foram acrescidos vinte anos em três décadas, segundo revela o Anuário Estatístico do Brasil de 1982 (IBGE). De 1980 para 2000, o aumento deverá ser em torno de cinco anos, ocasião em que cada brasileiro, ao nascer, esperará viver 68 anos e meio. As projeções para o período de 2000 a 2025 permitem supor que a expectativa média de vida do brasileiro estará próxima de 80 anos, para ambos os sexos (PINTO et al., 2003). Segundo Braga (2003) o aumento na expectativa de vida, tem sido observado, a partir da década de 60, um declínio acentuado da fecundidade, levando a um aumento importante da proporção de idosos na população brasileira. De 1980 a 2000, o grupo etário com 60 anos ou mais deverá crescer, as projeções apontam para um crescimento de 130% no período de 2000 a 2025. Isso faz com que se criem algumas diretrizes para cuidar desse público tais como a promoção do envelhecimento saudável; a manutenção da capacidade funcional; assistência às necessidades de saúde do idoso; a reabilitação da capacidade funcional comprometida; o apoio ao desenvolvimento de cuidados informais; e o apoio a estudos e pesquisas. Esse fenômeno delineia uma série de implicações sociais, culturais e epidemiológicas, uma vez que nesse grupo etário, a prevalência de morbidades e incapacidades é maior. Apesar disso ainda são escassos os estudos referentes a idosos de forma a permitir o conhecimento das condições de saúde desse grupo no país (NOGUEIRA et al., 2010). O envelhecimento humano provoca modificações no corpo como consequência de mudanças durante todo o processo evolutivo: alterações cardiovasculares, metabólicas, respiratórias, na pele, no sistema digestivo, ósseo, neurológico, gênito-urinário e muscular. No entanto, o poder de percepção destas alterações não se altera fundamentalmente com idade (ANDRADE; SILVA; FREITAS, 2009).
  • 18. 17 O envelhecimento passa a ser caracterizado pela incapacidade progressiva de o organismo adaptar- se às condições variáveis do seu ambiente. Os mecanismos implícitos neste episódio apresentam as seguintes características: são progressivos, nocivos, irreversíveis e geralmente comuns a inúmeros organismos, sendo semelhantes na mesma espécie. Os primeiros sinais que se notam são os físicos: cabelos brancos, pele enrugada, atividade física diminuída entre outros. Em geral, à medida que se envelhece os órgãos reduzem o número de células e diminuem o funcionamento do organismo tendo um impacto significativo nos aspectos biopsicossocial, espiritual e na multidimensionalidade da sua saúde, características marcantes na vida do idoso (ANDRADE; SILVA; FREITAS, 2009). O uso racional de medicamentos contribui com a qualidade de vida dos idosos, para que o paciente receba o medicamento apropriado à sua necessidade clínica na dosagem e posologia corretas, por um período de tempo adequado e ao menor custo, além de diminuir a não adesão ao tratamento farmacológico, reações adversas, interações entre medicamentos e risco de hospitalização (MOREIRA et al., 2010). O envelhecimento da população tende a proporcionar, nas próximas décadas, desafios cada vez maiores aos serviços de saúde. No bojo desse processo, o delineamento de políticas específicas para pessoas idosas vem sendo apontado como altamente necessário, sendo imprescindível o conhecimento das necessidades e condições de vida desse segmento etário (ANDRADE; SILVA; FREITAS, 2009). De acordo com a Portaria 1395/GM- Política de Saúde do Idoso, o apoio informal e familiar constitui um dos aspectos fundamentais na atenção à saúde desse grupo populacional Isso não significa, no entanto, que o estado deixa de ter um papel preponderante na promoção, proteção e recuperação da saúde do idoso nos três níveis de gestão do SUS, capaz de aperfeiçoar o suporte familiar sem transferir para a família a responsabilidade em relação a este grupo (BRASIL, 1999).
  • 19. 18 2 RESPONSABILIDADES INSTITUCIONAIS A Portaria 1395/GM- Política de Saúde do Idoso dispõe que caberá ao SUS, de forma articulada e na conformidade de suas atribuições comuns e específicas, proverem os meios para o alcance do propósito desta Política Nacional de Saúde do Idoso, que é a promoção do envelhecimento saudável, a manutenção e a melhoria, ao máximo, da capacidade funcional dos idosos, a prevenção de doenças, a recuperação da saúde dos que adoecem e a reabilitação daqueles que venham a ter a sua capacidade funcional restringida (BRASIL, 1999). 3 ORIENTAÇÃO AO PACIENTE SOBRE O USO DE MEDICAMENTO As orientações sobre medicamentos fornecidas aos pacientes são fundamentais para o sucesso do tratamento, uma vez que a ausência delas é uma das principais causas do uso incorreto dos medicamentos. O uso racional de medicamentos, almejado pela Política Nacional de medicamentos brasileira, é o processo que compreende a prescrição apropriada, a disponibilidade oportuna e a preços acessíveis, a dispensação em condições adequadas e o consumo nas doses indicadas, nos intervalos definidos e no período de tempo determinado de medicamentos eficazes, seguros e de qualidade (OENNING; OLIVEIRA; BLATT, 2011). A implementação dessa prática tem como objetivo melhorar o padrão de atendimento, colaborando significativamente com a redução de gastos. Ao contrário, o uso inadequado de medicamentos pode causar malefícios à saúde dos usuários, tais como efeitos adversos, eficácia limitada, resistência a antibióticos e farmacodependência. Entre os fatores que contribuem para o uso inadequado de medicamentos não pode deixar de ser destacadas às estratégias de promoção e vendas das empresas farmacêuticas e o papel assumido pelo medicamento na atualidade. Sendo que, este segundo, está em grande parte relacionado com o primeiro (OENNING; OLIVEIRA; BLATT, 2011). Atualmente, o uso de medicamentos pelos idosos tem gerado preocupação quanto aos gastos excessivos e aos possíveis efeitos, benéficos ou indesejáveis. O
  • 20. 19 perfil de uso obedece a peculiaridades de idade, gênero, inserção social, estado de saúde e classe terapêutica. A inadequação traduz-se por quantidade e qualidade impróprias dos produtos empregados. O aprimoramento da farmacoterapia depende da atuação no campo da prescrição e no da investigação científica (ROZENFELD, 2003). Novos produtos surgem de modo permanente. Entre eles, destacam-se os empregados para o controle das doenças crônicas e aqueles que aprimoram a qualidade de vida. Assim sendo, é importante criar mecanismos que permitem ao clínico acompanhar e interpretar a literatura médica, bem como prescrever com base em evidências epidemiológicas consistentes (ROZENFELD, 2003). Segundo Rozenfeld (2003) há medidas importantes a serem seguidas diante do paciente idoso: estímulo ao emprego de medidas não farmacológicas; acompanhamento, com revisão periódica, do conjunto dos medicamentos e de seus possíveis efeitos adversos; preferência por mono drogas, em detrimento das associações em doses fixas; preferência por fármacos de eficácia comprovada através de evidências científicas; suspensão do uso, sempre que possível; verificação da compreensão da prescrição e das orientações farmacológicas ou não farmacológicas; simplificação dos esquemas de administração; atenção aos preços. No Sistema Único de Saúde, o acesso aos medicamentos é mediado pela apresentação da prescrição, sendo esta uma ordem escrita dirigida ao farmacêutico, com a definição do medicamento que deverá ser fornecido ao paciente, bem como com a maneira que este deverá utilizá-lo. A prescrição constitui um documento legal pelo qual se responsabilizam quem prescreve (médico, dentista) e quem dispensa o medicamento (farmacêutico), ambos os sujeitos à legislação de controle e a ações da vigilância sanitária (OENNING; OLIVEIRA; BLATT, 2011). O profissional da saúde que dispensa medicamentos exerce um importante papel na utilização correta deles. A dispensação é uma das últimas oportunidades de identificar, corrigir ou reduzir possíveis riscos à terapêutica medicamentosa, pois, além de dispensar o medicamento com qualidade e de maneira correta, o farmacêutico deve complementar as informações passadas pelo médico ao paciente sobre os medicamentos prescritos, como os cuidados na administração e as orientações não farmacológicas, de forma a contribuir com seu uso racional e para a melhora do quadro clínico do paciente, sem o eventual aparecimento de efeitos indesejados para este (OENNING; OLIVEIRA; BLATT, 2011).
  • 21. 20 O padrão de consumo elevado de medicamentos entre os idosos que vivem na comunidade tem sido descrito tanto no Brasil e no mundo. Em média, 2 a 5 medicamentos são prescritos regularmente a idosos e a prevalência de uso é maior entre as mulheres independentemente da faixa de idade. É consenso que o desenvolvimento de medicamentos representa um grande avanço na história da ciência e que contribui com relevante significância para a melhoria da qualidade de vida da população. No entanto, a possibilidade de um dano induzido em decorrência da utilização de fármacos, mesmo quando utilizados nas doses preconizadas e com indicação terapêutica adequada se constitui em fato real. A população idosa possui risco elevado o de problemas relacionados a medicamentos (MEDEIROS et al., 2011). Segundo Medeiros et al.,(2011) a vulnerabilidade dos usuários de medicamentos, em especial os idosos, torna-se pronunciada quando se pratica o uso indiscriminado de medicamentos. A utilização dos medicamentos envolvendo mau uso e abuso de consumo, e a não adesão a tratamentos importantes tem provocado impacto sobre as medidas públicas para prevenção de agravos e promoção da saúde, assim como sobre o ciclo econômico envolvido na prestação dos serviços de saúde. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que mais da metade de todos os medicamentos são prescritos, dispensados ou vendidos inadequadamente, e que, aproximadamente 50% de todos os pacientes não os utilizam corretamente. Ao longo do século XX, o medicamento deixou de ser somente um instrumento de ação terapêutica para converter-se em um elemento complexo – técnico e/ou simbólico atualmente a prescrição farmacoterapêutica tornou-se quase que obrigatória nas consultas médicas, sendo o médico avaliado pelo paciente por esta prática. Assim, a prescrição do medicamento tornou-se sinônimo de boa conduta médica, justificando sua enorme demanda, portanto, a medicalização da vida reforça a necessidade por uma abordagem multidimensional do atendimento, pautada no modelo interdisciplinar aplicado ao envelhecimento e cujo foco está no sujeito da intervenção (MEDEIROS et al., 2011). Assistência farmacêutica no Brasil até o ano de 1997, quando foi desativada, sendo suas atribuições transferidas para diferentes órgãos e setores do Ministério da Saúde. No que se refere à ampliação do acesso aos medicamentos no Brasil, as instâncias gestoras e de controle social têm buscado sanar importantes lacunas que
  • 22. 21 foram aprofundadas na década de 90, com o crescente e rápido desenvolvimento técnico e científico neste campo. A equidade no acesso aos medicamentos no SUS tem sido discutida a partir da premissa de que o direito à assistência integral farmacêutica implica a partilha entre os entes federativos das responsabilidades legais do Estado, de propiciar o acesso igualitário e universal aos medicamentos e procedimentos terapêuticos para a assistência integral à saúde dos cidadãos. A necessidade de apontar aos gestores um rumo para a área resultou na formação de um grupo de profissionais que atuavam na mesma, o qual discutiu os principais aspectos relacionados aos medicamentos no país. Foi estabelecida, como resultado dessas discussões, a Política Nacional de Medicamentos, publicada pela Portaria GM/MS n. 3916, em 1998 (BRASIL, 2002). Essa política estabelece diretriz e prioridades que resultaram em importantes avanços na regulamentação sanitária, no gerenciamento de medicamentos e na organização e gestão da assistência farmacêutica no SUS (BRASIL, 2007). 3.1 Reorientação da assistência farmacêutica As principais finalidades da reorganização da assistência são:  A garantia da necessária segurança, da eficácia e da qualidade dos medicamentos;  A promoção do uso racional dos medicamentos;  O acesso da população naqueles medicamentos considerados essenciais. Destas diretrizes, foram consideradas como prioridades a revisão permanente da Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (RENAME), a reorientação da Assistência Farmacêutica, a promoção do uso racional de medicamentos e a organização das atividades de Vigilância Sanitária de medicamentos para regular esta área. A implementação dessas diretrizes demandam ações que vêm sendo desenvolvidas ao longo dos anos (BRASIL, 2007). Um aspecto importante a ser mencionado em relação à PNM é a explicitação do caráter sistêmico e multidisciplinar da assistência farmacêutica, definindo-a como:
  • 23. 22 Grupo de atividades relacionadas com o medicamento destinadas a apoiar as ações de saúde demandadas por uma comunidade. Envolve o abastecimento de medicamentos em todas e em cada uma de suas etapas constitutivas, a conservação e o controle de qualidade, a segurança e a eficácia terapêutica dos medicamentos, o acompanhamento e a avaliação da utilização, a obtenção e a difusão de informação sobre medicamentos e a educação permanente dos profissionais de saúde, do paciente e da comunidade para assegurar o uso racional de medicamentos (BRASIL, 2002). Para alcançar um dos objetivos prioritários estabelecidos pela PNM, relacionado à reorientação da Assistência Farmacêutica, faz-se necessário promover a descentralização da sua gestão, o desenvolvimento de atividades para assegurar o uso racional dos medicamentos e ações que aperfeiçoem e tornem eficaz o sistema de distribuição no setor público e iniciativas que possibilitem a redução nos preços dos produtos (BRASIL, 2002). Muitas dessas ações foram e estão sendo desenvolvidas na área de assistência farmacêutica no SUS. É de responsabilidade da PNM:
  • 24. 23 Tabela 1 - Responsabilidade da PNM ______________________________________________________________ Possuir em vista a implementação da política de assistência farmacêutica no SUS; Promover a formulação da política estadual de medicamentos; Prestar cooperação técnica e financeira aos municípios no desenvolvimento das suas atividades e ações relativas à assistência farmacêutica; Coordenar e executar a assistência farmacêutica no seu âmbito; Apoiar a organização de consórcios intermunicipais de saúde destinados à prestação da assistência farmacêutica ou estimular a inclusão desse tipo de assistência como objeto de consórcios de saúde; Promover o uso racional de medicamentos junto à população, aos prescritores e aos dispensadores; Assegurar a adequada dispensação dos medicamentos, promovendo o treinamento dos recursos humanos e a aplicação das normas pertinentes; Participar da promoção de pesquisas na área farmacêutica, em especial aquelas consideradas estratégicas para a capacitação e o desenvolvimento tecnológico, bem como do incentivo à revisão das tecnologias de formulação farmacêuticas; Investir no desenvolvimento de recursos humanos para a gestão da assistência farmacêutica; Coordenar e monitorar o componente estadual de sistemas nacionais básicos para a política de medicamentos; Programar as ações de vigilância sanitária sob sua responsabilidade; Definir a relação estadual de medicamentos, com base na RENAME, e em conformidade com o perfil epidemiológico do estado; Definir o elenco de medicamentos que serão adquiridos diretamente pelo Estado; Investir na infra-estrutura das centrais farmacêuticas, visando garantir a qualidade dos produtos até a sua distribuição; Receber, armazenar e distribuir adequadamente os medicamentos sob sua guarda. Fonte: BRASIL, 2007. Em 2003, um amplo debate sobre a assistência farmacêutica foi realizado com a sociedade na I Conferência Nacional de Medicamentos e, com base nas propostas nela emanadas, o Conselho Nacional de Saúde (CNS) aprovou e publicou a Resolução CNS n. 338, de seis de maio de 2004, que estabelece a Política Nacional de Assistência Farmacêutica (PNAF), definindo-a como: Um conjunto de ações voltadas à promoção, proteção e recuperação da saúde, tanto individual como coletiva, tendo o medicamento como insumo essencial e visando o acesso e seu uso racional. Este conjunto envolve a pesquisa, o desenvolvimento e a produção de medicamentos e insumos, bem como a sua seleção, programação, aquisição, distribuição, dispensação, garantia da qualidade dos produtos e serviços, acompanhamento e avaliação de sua utilização, na perspectiva da obtenção de
  • 25. 24 resultados concretos e da melhoria da qualidade de vida da população (BRASIL, 2004). Assegurar o acesso a medicamentos é uma das questões cruciais no SUS, constituindo a assistência farmacêutica, considerando que estes insumos são uma intervenção terapêutica muito utilizada, impactando diretamente sobre a resolubilidade das ações de saúde. Nesta área, em especial após a publicação da Política Nacional de Medicamentos e da Política Nacional de Assistência Farmacêutica, muitos foram os avanços e as conquistas (BRASIL, 2007). Paralelamente à necessidade de se dar acesso aos medicamentos àqueles que deles necessitam, é preciso ficar alerta para o uso indiscriminado que vem ocorrendo em nossa sociedade, que tem, entre outras causas, a fragilidade da regulamentação e a atuação das empresas farmacêuticas. Mesmo com os avanços no acesso aos medicamentos no SUS, observa-se procura crescente pelo seu fornecimento por demanda judicial. Estas requerem desde o fornecimento de medicamentos básicos, não incluídos na Relação Nacional de Medicamentos Essenciais, até medicamentos prescritos para indicações não previstas em bula, experimentais e sem registro no país (BRASIL, 2007). Segundo Marin et al., (2003) trabalhar de forma conjunta na perspectiva de uma assistência farmacêutica que, além do acesso, assegure o uso racional dos medicamentos é papel a ser assumido por todos os gestores, prescritores, órgãos de vigilância e controle, população em geral. A seleção de medicamentos é a etapa inicial e provavelmente uma das mais importantes do ciclo da assistência farmacêutica, sendo seu eixo, pois todas as outras atividades lhe são decorrentes. É a atividade responsável pelo estabelecimento da relação de medicamentos a serem disponibilizados na rede pública, sendo uma atividade decisiva para assegurar o acesso aos mesmos. A disponibilidade de medicamentos no mercado, a constante introdução de novos produtos, a influência da propaganda sobre a prescrição médica tornam fundamental uma seleção racional de medicamentos, de maneira a proporcionar maior eficiência administrativa e uma adequada resolubilidade terapêutica, além de contribuir para a racionalidade na prescrição e na utilização de fármacos (MARIN et al., 2003).
  • 26. 25 3.2 Dispensação de medicamentos A dispensação de medicamentos foi definida na Política Nacional de Medicamentos como: É o ato profissional farmacêutico de proporcionar um ou mais medicamentos a um paciente, geralmente, como resposta a apresentação de uma receita elaborada por um profissional autorizado. Neste ato o farmacêutico informa e orienta o paciente sobre o uso adequado do medicamento. São elementos importantes da orientação, entre outros, a ênfase no cumprimento da dosagem, a influência dos alimentos, a interação com outros medicamentos, o reconhecimento de reações adversas potenciais e as condições de conservação dos produtos (BRASIL, 2002). Nesse conceito, a dispensação não se configura apenas como o fornecimento do medicamento prescrito, devendo atender a aspectos técnicos, com o objetivo de garantir a entrega do medicamento correto ao usuário, na dosagem e na quantidade prescrita, com instruções suficientes para seu uso adequado e guarda correta. Entre as orientações a serem repassadas, destaca-se a forma de administração; a possibilidade de ocorrência de reações adversas; interações com outros medicamentos e com alimentos. Desta forma, o usuário do medicamento terá as informações necessárias para seu uso seguro e correto (BRASIL, 2007). 3.3 Uso racional de medicamentos Sob o aspecto conceitual, a Política Nacional de Medicamentos refere o uso racional de medicamentos como sendo o processo que compreende a prescrição apropriada; a disponibilidade oportuna e a preços acessíveis; a dispensação em condições adequadas; e o consumo nas doses indicadas, nos intervalos definidos e no período de tempo indicado de medicamentos eficazes, seguros e de qualidade (BRASIL, 2002). A Organização Mundial da Saúde considera que há uso racional de medicamentos quando pacientes recebem medicamentos apropriados para suas condições clínicas, em doses adequadas às suas necessidades individuais, por um período adequado e ao menor custo para si e para a comunidade. Lidera, em conjunto com outras instituições gestoras e de pesquisa, movimentos que buscam a prescrição e o uso racional de medicamentos, a seleção de medicamentos
  • 27. 26 essenciais e a disponibilização de informações científicas e independentes aos profissionais de saúde, por meio de boletins e de formulários terapêuticos (ORGANIZAÇÃO PAN AMERICANA, 2007). A promoção do uso racional dos medicamentos deve contar com a participação de diversos atores sociais: pacientes, profissionais de saúde, legisladores, formuladores de políticas públicas, indústria, comércio e governo. Os resultados disponibilizados pelos estudos de utilização de medicamentos podem contribuir com a instrumentalização do profissional para o reconhecimento da realidade cotidiana que envolve o uso de medicamentos (OENNING; OLIVEIRA; BLATT, 2011). 4 IATROGENIA Segundo Lopes et al., (2006) complicações iatrogênicas são definidas como doenças induzidas pelo médico ou outros profissionais da saúde. A iatrogenia pode ser produzida por medicamentos, orientações errôneas, como o simples repouso no leito prolongado, intervenções cirúrgicas e reabilitação inadequada. Consideram-se como afecções iatrogênicas aquelas decorrentes da intervenção do médico e∕ou de seus auxiliares, seja ela certa ou errada, justificada ou não, mas da qual resultam consequências prejudiciais para a saúde do paciente; as pesquisas indicam que sua maior ocorrência é em pacientes idosos hospitalizados. A iatrogenia adquire maior importância nos indivíduos idosos, nos quais tanto sua incidência como a intensidade de suas manifestações costuma ser mais acentuadas (GOMES; CALDAS, 2008). O uso de fármacos em idoso deve receber especial atenção dos profissionais pelas mudanças que ocorrem na farmacocinética e farmacodinâmica dos medicamentos no organismo após os 60 anos de idade (LOPES et al., 2006). 4.1 Medicar o idoso Com o aumento da idade, incidência de reações adversas pode chegar até sete vezes maiores do que nos jovens. Há modificações nos mecanismos de absorção, distribuição, metabolização e excreção dos medicamentos no idoso. Há modificações nos receptores e sítios de ação relacionados ao envelhecimento. Há
  • 28. 27 também modificações nos receptores das drogas. O idoso é mais sensível aos benzodiazepínicos por alterações nos receptores de ácido gama-aminobutírico (GABA). Os neurotransmissores também sofrem alterações que podem facilitar a confusão mental induzida por drogas. Alguns reflexos fisiológicos através dos baroreceptores e do Sistema Nervoso Central estão diminuídos o que leva a maior suscetibilidade a hipotensão postural ocasionada por drogas e consequentemente quedas. A alta prevalência das doenças crônico-degenerativas no idoso leva a necessidade da utilização de mais de uma droga, o que potencializa o risco de interações medicamentosas (LOPES et al., 2006). A população idosa apresenta peculiaridades em relação a uso de medicamentos, uma vez que as alterações fisiológicas decorrentes do envelhecimento interferem na farmacocinética e na farmacodinâmica dos medicamentos e fazem com que eles atuem de forma diferente do que ocorre com adultos jovens, podendo ocasionar ausência de efeitos farmacológicos esperados, bem como o aumento do risco de iatrofarmacogenia no idoso (MOREIRA et al., (2010). Várias queixas comuns levam o idoso ao serviço de saúde, como quedas, perda da memória, confusão mental, lentidão motora podem ser fruto de efeitos medicamentosos (LOPES et al., 2006). 5 ADESÃO DO PACIENTE AO TRATAMENTO De acordo com Aizenstein (2010) o idoso tem dificuldade de adesão ao tratamento, observa-se maior frequência de omissão, erros de administração, super dosagens intencionais ou acidentais, além de uso incorreto do medicamento, com validade vencida ou prescrita para outros indivíduos. Segundo Oenning; Oliveira; Blatt (2011) a falta de informações ou a não compreensão das informações transmitidas pelos profissionais da saúde aos pacientes podem trazer consequências como: não adesão ao tratamento, com o consequente insucesso terapêutico; retardo na administração do medicamento, agravando o quadro clínico do paciente; aumento da incidência de efeitos adversos, por inadequado esquema de administração e/ou duração do tratamento; dificuldades na diferenciação entre manifestações da doença e efeitos adversos da terapêutica; e
  • 29. 28 incentivo à automedicação, bem como outras sérias consequências, que podem piorar o estado de saúde do paciente. A falta de adesão pode relacionar se a fatores socioeconômicos e culturais, ao passo que resulta de uma avaliação do paciente de relação custo beneficio do tratamento, e representa a maior parte dos casos de falta de adesão. O dialogo entre os profissionais de saúde e o paciente é hoje considerado de extrema importância para o envolvimento do paciente no seu próprio tratamento. A prescrição ao paciente idoso deve considerar inicialmente se a terapêutica é fato necessário e se existem alternativas não medicamentosas, se for o caso as instruções são importantes e devem ser feitas de forma clara e pausada, pois os idosos lembram melhor das primeiras informações, sobretudo se são simples e em pequenos números (AIZENSTEIN, 2010). 5.1 Prevalência, fatores associados e uso inadequado de medicamentos entre idosos Segundo Rozenfeld (2003) as características do consumo dos medicamentos fornecem elementos para a eleição das prioridades em assistência farmacêutica e para a regulamentação de produtos. A partir daí, cabe aos gestores do SUS garantir o acesso aos produtos e a oferta de fármacos com o melhor perfil quanto à relação benefício versus risco. O potencial para a ocorrência e a gravidade das reações adversas aos medicamentos, sobretudo em idosos não internados é a preocupação básica. As distorções no campo da fabricação traduzem-se no número elevado de marcas comercializadas com duas, ou mais, substâncias associadas num mesmo produto. As associações em doses fixas são prática condenada em virtude do seu potencial de causar reações adversas e da impossibilidade de individualizar as doses de cada fármaco. Elas só são recomendadas caso se comprove haver vantagens acumuladas: maior eficácia, melhor cumprimento da prescrição e redução de custos. Os órgãos de regulamentação, no Brasil denominado vigilância sanitária, autorizam a comercialização de incontáveis produtos farmacêuticos insuficientemente testados, sem comprovação satisfatória de eficácia e de segurança, sem monitoração pós-comercialização e com efeitos similares aos de outros já registrados. Como resultado, o “cardápio” de produtos, em vez de ir ao
  • 30. 29 encontro das necessidades sanitárias, retrata as motivações econômicas dos fabricantes (ROZENFELD, 2003). O uso inapropriado de medicamentos tem se tornado uma preocupação humanística e econômica. Essa prática pode ocasionar graves conseqüências, como a elevação dos índices de morbidade e mortalidade (MOREIRA et al., 2010). Segundo Moreira et al.,(2010) os principais fatores contribuintes para problemas relacionados aos medicamentos são: polifarmácia, prescrição de medicamentos inapropriados, má complacência, uso de medicamentos não prescritos e falta ou inadequação nas orientações aos pacientes e cuidadores sobre os perigos dos medicamentos. 6 FARMACOLOGIA GERIATRIA Segundo Pereira (2006) o estudo de farmacologia geriátrica tem especial interesse nos dias atuais devido ao envelhecimento populacional em todo o mundo. No Brasil, esse fenômeno tornou-se marcante no ano de 1950, trazendo grandes desafios, inclusive no campo da saúde. Paralelamente a essa alteração demográfica, observou-se um processo de mudança no perfil de morbimortalidade, predominando as doenças crônicas não transmissíveis. Com o aumento da expectativa de vida, frequentemente a pessoa idosa é portadora de várias doenças, fazendo uso de diferentes medicamentos concomitantes. Apesar de constituírem aproximadamente 10% da população, consomem mais de 205 das drogas prescritas (PEREIRA, 2006). 6.1 Demência É uma síndrome que se manifesta pela diminuição global das funções cognitivas, embora não necessariamente de modo uniforme, associada a um estado preservado da consciência. Demência é definida como um distúrbio adquirido e persistente das funções intelectuais que compromete pelo menos três atividades mentais: linguagem, memória, capacidade visoespaciais, personalidade e cognição (LEVY; MENDONÇA, 2000).
  • 31. 30 A demência é classificada como uma síndrome degenerativa, caracterizada pela deterioração de habilidades intelectuais previamente adquiridas que interfere na atividade ocupacional ou social. Afeta milhões de pessoas em todo o mundo, sendo a doença de Alzheimer (DA) a causa mais comum, compreendendo 70% das demências. As únicas drogas que tem demonstrado eficácia e segurança em grande escala, através de trabalhos multicêntricos, randomizados, placebo - controlados, são os inibidores da colinesterase. Eles inibem a degradação da acetilcolina liberada pelos neurônios colinérgicos pré- sinápticos, aumentando a disponibilidade desse neurotransmissor na sinapse. As substâncias aprovadas pela Food and Drug Administration (FDA) são o donepezil, a rivastigmina e a galantamina (PEREIRA, 2006). 6.1.1 Doença de Alzheimer É considerada a causa mais frequente demência, ocorrendo em 4,4% da população acima de 65 anos, segundo estatística realizada nos Estados Unidos. A doença se inicia por alterações de memória, com desorientação têmporo-espacial, confabulação e falsos reconhecimentos. A seguir se instalam as alterações das funções simbólicas, outras características da doença. Apraxia construtiva, agnosia espacial e afasia costumam serem os primeiros achados. Posteriormente, se instala apraxia de vestir-se, apraxia ideomotora, somatognosias e global comprometimento das funções cerebrais (LEVY; MENDONÇA, 2000). 6.2 Diabete Melito De acordo com Pereira (2006) o diabete melito acomete 7,45 da população brasileira, com maior percentual nos idosos, nos quais entre 60 e 69 anos aumenta para 17,4%, seis vezes maior que entre 30 e 39 anos. Ocorre pelo aumento da intolerância aos carboidratos, devido ao aumento da gordura corporal e paralela diminuição da massa magra, diminuição da atividade física, co-morbidades, maior ingestão de carboidratos e uso de drogas com ação hiperglicemiante. Concorre para desencadear essa doença o fator genético diminuição da secreção e aumento da resistência periférica à insulina e liberação hepática noturna de glicose.
  • 32. 31 O diabetes melito é uma síndrome decorrente de alterações metabólicas caracterizadas pela hiperglicemia inapropriada, em consequência da ausência da ação biológica da insulina. Este fato ocorre por deficiência de sua secreção ou por impossibilidade de desencadear os eventos resultantes da interação da insulina com seu receptor (MARCONDES; THOMSEN, 2000). O diabete melito tipo 2 é o mais comum entre os idosos, ocorrendo maior freqüência de complicações macrovasculares. Essas compreendem o acidente vascular encefálico, infarto agudo do miocárdio e doença vascular periférica, comprometendo a qualidade de vida dessas pessoas, justificando o investimento no tratamento. As manifestações clínicas podem ser inespecíficas, como fraqueza, adinamia, estado confusional agudo, incontinência urinária e hipotensão postural. O diagnóstico é feito como nos jovens adultos (PEREIRA, 2006). Segundo Pereira (2006), para a população idosa é necessário definir metas de tratamento. Geralmente fazem-se o controle glicêmico adequado para desacelerar a progressão das complicações crônicas e, para os indivíduos cronicamente doentes, com expectativa de vida curta, manter o controle glicêmico não rigoroso, evitando sintomatologia de complicações agudas. Para esse último grupo estão incluídos os pacientes portadores de quadro demencial em fase avançada, aqueles com insuficiência renal crônica, cirróticos, alcoolistas, e aqueles com alto grau de dependência ou restrição alimentar. Para eles o controle glicêmico visa facilitar a cicatrização, prevenir a desidratação, sintomas de hiper ou hipoglicemia e a perda de peso. Devido à diminuição da função renal, o limiar de excreção da glicose apresenta-se alterado, aumentando os riscos de hipoglicemia por elevar a vida média das drogas. Pelo mesmo motivo, a monitorização pela glicofita perde sua utilidade. No tratamento com os antidiabéticos orais estão as sulnolinureias. Dá se preferência neste grupo para a glicazida e a glipizida, por terem curto tempo de ação não gerarem metabólitos ativos. A clorpropamida e contra-indicada no idoso pelo seu tempo muito prolongado de ação. A glibenclamida e a glimepirida exigem cuidado no uso, devido à maior chance de desencadear hipoglicemia pelos seus metabólitos ativos. As metiglinidas (repaglinida e nateglinida) são seguras para o idoso. Agem na primeira fase de secreção da insulina, cerca de 30 minutos após a ingestão alimentar. A metformina, representante das biguanidas, é indicada em pacientes com excesso de peso. Deve ser evitada nos idosos com idade maior de
  • 33. 32 80 anos. Tem maior risco de desencadear acidose lática, principalmente sob estresse orgânico pré e pós-operatório, desidratação, infarto agudo do miocárdio, entre outras situações. As glitazonas (rosiglitazona e pioglitazona) aumentam a sensibilidade da insulina no músculo. Podem fazer retenção hídrica e ganho de peso, não estando indicadas nos pacientes com insuficiência cardíaca. A acarbose é um anti-hiperglicemiante por inibir a alfa-glicosidase. Pode ser associado aos secretagogos de insulina nos pacientes com pouca adesão à dieta. A insulinoterapia é realizada quando o controle metabólico não é alcançado com medidas dietéticas e medicamentos orais (PEREIRA, 2006). 6.3 Hipertensão Arterial De acordo com Pereira (2006) a diminuição da pressão arterial (PA) é efetiva em reduzir eventos cardiovasculares fatais e não fatais nos idosos, como demonstram ensaios clínicos randomizados, duplo-cegos, placebo-controlados. Devido à grande variabilidade da PA nos indivíduos essa faixa etária, deve-se tomar os seguintes cuidados: com o paciente relaxado, medir PA três vezes, com intervalo mínimo de 5 minutos entre as variaçõe, medir PA nas posições deitada e sentada, observar a rigidez da parede arterial devido à calcificação. A pressão arterial obtida pode não ser a mesma da pressão intra-arterial, alterando a conduta terapêutica. Para o tratamento da hipertensão arterial em idosos, deve se levar em conta os níveis de PA, os fatores de risco cardiovasculares (idade acima de 60 anos, tabagismo, dislipidemia e história familiar de doença cardiovascular) e as lesões e órgão-alvo (PEREIRA, 2006). Segundo Carvalho Filho; Pasini; Papaléo Netto (2000) o conceito de hipertensão arterial na pessoa idosa exigiu a análise de levantamentos realizados em grupos populacionais de diferentes, faixas etárias, com o intuito de estabelecer os limites máximos normais das pressões arteriais sistólica e diastólica, bem como suas variações com o avançar dos anos. Possibilitando definir os níveis, a partir dos quais pode se considerar o paciente como hipertenso. Entre 40 a 70 anos a pressão arterial sistólica aumenta em média 25 a 35mmHg e a diastólica 5 a 10mm Hg. Baseando-se em estudos, a OMS considerou os valores 140 a 160x90 a 95 mmHg como limítrofes em adultos. Estabeleceu também que o idoso é considerado hipertenso quando, em posição supina, apresenta pressão sistólica igual ou superior
  • 34. 33 a 160 mmHg e/ou pressão sistólica igual ou superior a 95 mmHg (CARVALHO FILHO; PASINI; PAPALÉO NETTO, 2000). 6.4 DEPRESSÃO É uma desordem funcional do cérebro devido à deficiência de neurotransmissores (noradrenalina, serotonina e dopamina). Segundo o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais da Associação Americana de Psiquiatria (DSM-IV), a depressão maior é definida por humor deprimido na maior parte do dia, com marcada diminuição de interesse ou prazer em atividades antes agradáveis, durante pelo menos 2 semanas. Simultaneamente, somam-se quatro dos seguintes sintomas: perda ou ganho de peso, insônia, retardo psicomotor, fadiga, perda de energia, sensação de culpa excessiva, dificuldade de concentração, indecisão, pensamentos recorrentes de morte e planos específicos para suicídio (PEREIRA, 2006). 7 VARIÁVEIS FISIOLÓGICAS NO IDOSO QUE ALTERAM OS EFEITOS DOS FÁRMACOS Segundo Aizenstein (2010), o declínio funcional em vários órgãos e sistemas decorre da idade avançada, tornando o idoso mais sensível em situações de sobrecarga. Embora ocorra envelhecimento variável entre indivíduos, alguns fatores fisiológicos próprios do idoso podem alterar a farmacocinética e a farmacodinâmica. Dentre os principais:  Diminuição dos líquidos corpóreos  Aumento da gordura corpórea  Diminuição das proteínas plasmáticas  Diminuição da massa muscular  Diminuição no metabolismo hepático  Diminuição da velocidade e do volume de filtração glomerular  Diminuição do fluxo sanguineo renal
  • 35. 34  Diminuição da secreção tubular  Diminuição funciona (absorção, secreção e motilidade) e morfológica (atrofia) do trato gastrintestinal  Aumento do ph gástrico  Diminuição do fluxo sanguineo gastrintestinal  Diminuição da resposta imune  Redução da eficiência respiratória  Intolerância a carboidratos (diabetes)  Diminuição da sensibilidade nos centros da fome e da sede. 7.1 Aspectos farmacocinéticos A medicina preventiva, em nosso meio, é pouco praticada, os idosos acumulam doenças e utilizam múltiplas medicações simultaneamente, aumentando a chance de interações não desejadas. Além disso, as modificações orgânicas fisiológicas, próprias do envelhecimento, alteram a farmacocinética (a absorção, distribuição, metabolismo e excreção) e a farmacodinâmica (local e mecanismo de ação, relação entre dose e efeito e variação da resposta) das drogas, obrigando a realização de estudos apropriados para essa faixa etária, o que muitas vezes não é feito pelos laboratórios. Quando o conjunto desses fatos não é considerado, os medicamentos tendem a ser prescritos da mesma forma que são para adultos, podendo levar à iatrogenia. Essa é classificada como um dos “Cinco Gigantes da Geriatria” acompanhada por imobilidade, instabilidade postural, incontinência esfincteriana, insuficiência cerebral, problemas comuns da velhice, difíceis de diagnosticar e tratar, que comprometem a qualidade de vida do paciente idoso (PEREIRA, 2006). A mudança no perfil farmacocinético em idosos pode predispor os pacientes a reações adversas a medicamentos, resultantes de interações farmacológicas, que se apresentam com maior gravidade em idosos quando comparados aos adultos não idosos. Estudos mostram que os idosos com idade superior a 80 anos são os maiores prejudicados pela ocorrência de tratamentos farmacológicos múltiplos e reações adversas a medicamentos, quadro se agrava quando há aumento do consumo de medicamentos decorrente de doenças do envelhecimento. A
  • 36. 35 racionalidade da prescrição é indispensável para diminuir esses efeitos adversos relacionados da terapia farmacológica (AIZENSTEIN, 2010). 8 PRESCRIÇÕES EM IDOSOS Segundo Witzel (2001) pacientes idosos recebem uma quantidade desproporcional de medicamentos, cerca de um terço de todas as prescrições de medicamentos. Aumentando-se a idade do paciente verifica-se que aumentam os custos de internação, tempo de hospitalização, e o risco de reações adversas a medicamentos (RAM). O FDA passou a exigir que os fabricantes de medicamentos incluam uma subseção na bula dos produtos com orientações sobre o uso em pacientes acima de 65 anos, com especial atenção a oito grupos de drogas: psicotrópicos, antiinflamatórios não esteroidais, digoxina, antiarritimico, bloqueadores de canal de cálcio, hipoglicemiantes orais, anticoagulantes e quinolonas (WITZEL, 2001). 8.1 Princípios de Prescrição de Drogas nos Idosos 1- Avaliar a necessidade de farmacoterapia: sempre que possível deve-se tentar lançar mão de terapias não medicamentosas. 2- Traçar um histórico cuidadoso sobre hábitos e uso de medicamentos: devem-se incluir drogas prescritas, não prescritas, fitoterápicos, álcool, cafeína, e outras informações dietéticas e sobre alergias. 3- Conhecer a farmacologia das drogas: aprofundar-se nas drogas mais utilizadas no paciente idoso. 4- Geralmente as drogas prescritas devem ser menores: especialmente para doenças crônicas, onde o controle, e não a cura, é o objetivo. 5- Monitorar níveis plasmáticos de drogas e sua resposta farmacológica: os pacientes devem ser continuamente questionados sobre o efeito das drogas em relação à eficácia e efeitos colaterais. 6- Simplificar os regimes terapêuticos e encorajar a adesão ao tratamento: pacientes idosos normalmente apresentam déficits de memória e quanto mais simples forem os regimes posológicos, menor será o risco de esquecimento e trocas de medicamentos.
  • 37. 36 7- Revisar regularmente o plano terapêutico e descontinuar as drogas desnecessárias: acompanhamento constante garante melhores resultados terapêuticos. 8- Recordar das drogas que podem causar doenças: efeitos adversos de drogas podem apresentar-se atipicamente nos idosos ou podem mimetizar doenças (WITZEL, 2001). 9 FUTURO EM RELAÇÃO AO USO RACIONAL DE MEDICAMENTO EM IDOSO Novos produtos surgem de modo permanente. Entre eles, destacam-se os empregados para o controle das doenças crônicas e aqueles que aprimoram a qualidade de vida. Assim sendo, é importante criar mecanismos que permitem ao clínico acompanhar e interpretar a literatura médica, bem como prescrever com base em evidências epidemiológicas consistentes (ROZENFELD, 2003). De acordo com Rozenfeld (2003) no campo da investigação, é preciso conhecer o perfil dos usuários, segundo as diferentes realidades sociais, geográficas e sanitárias; avaliar a qualidade do conjunto dos produtos consumidos e, ao mesmo tempo, identificar os principais preceptores do uso indevido. É com base nesses últimos que será possível propor estratégias de correção, sejam elas na forma de programas educativos para profissionais ou para leigos, seja como sugestões para regulamentação, controle de qualidade e fiscalização de fabricantes e de produtos. Entre os indicadores da qualidade da terapia dos idosos destacam-se: • número de produtos empregados por pessoa; • a proporção de produtos com associações em doses fixas; • a proporção dos fármacos contra-indicados; sem efeitos benéficos comprovados; eficazes, mas empregados em formas farmacêuticas, doses, duração de tratamento ou indicação terapêutica impróprias; com potencial inaceitável de provocar interações; • uso redundante de fármacos da mesma classe terapêutica. O conhecimento dos padrões de uso e de prescrição entre os idosos constitui uma medida indireta da ocorrência dos efeitos danosos. É o primeiro passo para se conhecerem os riscos subjacentes à terapêutica farmacológica. No entanto,
  • 38. 37 isso não é suficiente. É preciso conhecer o perfil das reações adversas, dimensioná- las, identificar os seus impactos clínicos, sociais e monetários (ROZENFELD, 2003).
  • 39. 38 10 MÉTODO Para execução deste trabalho, utilizou-se uma pesquisa exploratória, entre homens e mulheres acima de 60 anos de idade que buscavam atendimento na rede pública de saúde do município de Fernandópolis. Participaram do questionário 100 idosos, dos quais 54 eram do sexo masculino e 46 do sexo feminino, respondendo sobre uso racional de medicamentos. Foi aplicado um questionário abordando 22 perguntas relacionadas ao uso racional de medicamentos e aspectos envolvidos na terapêutica da população idosa. As entrevistas foram realizadas através do contato direto com os pacientes idosos. No momento em que eles esperavam por uma consulta médica ou quando passavam pela unidade de saúde para buscar medicamentos. As unidades de saúde onde foram realizadas as entrevistas foram no Projeto Saúde da Família (PSF) Heitor Maldonado no bairro Jardim Araguaia, PSF Antônio Pivato no bairro Jardim Paulista e PSF Waltrudes Baraldi no bairro Jardim Planalto, na cidade de Fernandópolis- SP, durante o período do dia 20 de junho a 11 de agosto de 2011.
  • 40. 39 11 RESULTADOS E DISCUSSÃO A Figura 1 mostra que 40% dos entrevistados têm idade entre 66 anos e 70 anos, 30% entre 71 e 80 anos, 28% entre 60 e 65 anos e apenas 2% tem idade maior que 80 anos. Estes dados são semelhantes aos resultados de um estudo proposto a caracterizar as necessidades de saúde entre idosos da área de abrangência de uma Unidade de Saúde da Família (MARIN; CECÍLIO, 2009). O presente estudo aponta que quase a metade dos idosos entrevistados se encontrava na faixa etária dos 60 a 69 anos. Como mostra a Figura 2, 54% dos idosos entrevistados na pesquisa, eram do sexo masculino e 46% do sexo feminino. Estes dados se diferem aos resultados obtidos no mesmo estudo realizado em idosos da área de abrangência de uma Unidade de Saúde da Família Além de demonstrar a idade dos idosos entre 60 a 69 anos, também demonstrou o predomínio do sexo feminino, retratado nos estudos epidemiológicos sobre o processo de envelhecimento. Também relatam que na velhice, atribui-se ao sexo feminino, quando comparado ao sexo masculino, maior vulnerabilidade no estado de saúde em relação a risco de quedas, presença de múltiplas doenças, uso de múltiplos medicamentos, obesidade, pobreza e dependências diversas. Destaca-se também quanto ao estado marital que 93 (50%) mulheres vivem sem o companheiro, enquanto apenas 18 (15,7%) homens vivem sós (MARIN; CECÍLIO, 2009).
  • 41. 40 Figura 1 – Faixa etária dos entrevistados (n=100) 2% 28% 30% Entre 60 e 65 anos Entre 66 e 70 anos Entre 71 e 80 anos Acima de 80 anos 40% Fonte: Elaboração própria. Figura 2 - Sexo dos entrevistados (n=100) 46% masculino Feminino 54% Fonte: Elaboração própria. Dos entrevistados 55% possuem o ensino fundamental incompleto, 14% ensino fundamental completo, 26% são analfabetos e 5% possuem ensino médio incompleto (Figura 3).
  • 42. 41 Comparando esses dados de alfabetização dos idosos com o estudo na Unidade de Saúde da Família, a porcentagem de idosos analfabetos tem um índice maior, porém a questão da alfabetização é semelhante, já que a maioria dos idosos de ambas as pesquisas não concluíram o tempo de escolaridade suficiente. O estudo demonstra que a baixa escolaridade dos idosos apresenta-se como um aspecto importante a ser considerado na implementação das ações de saúde, à medida que se constatou que 68,1% são analfabetos ou tiveram pouco tempo de escolaridade (MARIN; CECÍLIO, 2009). Figura 3 - Escolaridade dos entrevistados (n=100) 5% 14% 26% Analfabeto Ensino fundamental incompleto Ensino fundamental 55% completo Ensino médio incompleto Fonte: Elaboração própria. Quando foi perguntado aos entrevistados sobre o trabalho das unidades de saúde, foi constatado que vem sendo feito um bom trabalho por parte das unidades, 82% dos entrevistados responderam positivamente a pergunta, apenas 18% consideraram que o trabalho da unidade não é bom (Figura 4).
  • 43. 42 Figura 4 - Trabalho da unidade de saúde (n=100) 18% Sim Não 82% Fonte: Elaboração própria. Um problema que a entrevista apontou é a falta de medicamentos nas unidades de saúde, pois 54% dos entrevistados relataram não encontrar todos os medicamentos que são receitados pelo médico, e 46% relataram encontrar na rede pública os medicamentos que necessitam (Figura 5). A maioria dos idosos entrevistados utiliza medicamentos disponíveis no sistema público de saúde, tendo acesso aos medicamentos por meio dos programas de farmácia básica e popular, que vem sendo implantado no país, mas esse sistema ainda não consegue suprir todas as necessidades, pois a maioria não é encontrada.
  • 44. 43 Figura 5 - Questão sobre medicamentos encontrados na rede pública (n=100) 46% Sim Não 54% Fonte: Elaboração própria. Quando foi perguntado aos idosos sobre o uso racional de medicamentos, a resposta foi unânime, pois como mostra a Figura 6, 100% dos entrevistados responderam que fazem o uso correto dos medicamentos. Estudos mostram que 25% das pessoas com mais de 65 anos apresentam perda auditiva. Esta perda é correlacionada com disfunção cognitiva em pacientes idosos, e presumivelmente com suscetibilidade a erros de medicação. Deficiência é o déficit sensorial mais comum nesta população, com 90% necessitando de lentes corretivas. Perto de 20% dos idosos com mais de 80 anos de idade mostram-se incapazes de ler um jornal, mesmo com óculos, ou de enxergar as gotas dos medicamentos que precisam medir. Doenças crônicas como artrite e parkinsonismo podem interferir na capacidade de segurar a colher de medida do medicamento, abrir um blister de alumínio ou um frasco com tampa. A diminuição da audição pode interferir no entendimento das instruções sobre o tratamento (SÃO PAULO, 2003).
  • 45. 44 Figura 6 - Uso correto de medicamentos, posologia e tratamento (n=100) Sim 100% Fonte: Elaboração própria. A Figura 7 mostra que 57% dos entrevistados relataram não fazer uso de medicamentos próximo as refeições, respeitando as orientações médicas. Já 43% fazem uso de medicamentos perto das refeições, pois, muitas vezes, mesmo sendo bem orientados, não possuem conhecimento sobre as possíveis interações que podem ocorrer administrando certos fármacos perto das refeições.
  • 46. 45 Figura 7- Uso de medicamentos próximo às refeições (n=100) 43% Sim Não 57% Fonte: Elaboração própria. Em relação às informações sobre o uso dos medicamentos dispensados, foi perguntado aos entrevistados se eles recebiam algum tipo de informação do farmacêutico ou de outro funcionário sobre o uso correto de medicamentos, onde 77% dos entrevistados afirmaram receber orientações, 15% relataram receber algumas vezes e 8% relataram não receber informações (Figura 8). Estes dados são semelhantes a um estudo realizado com idosos, em atendimento em um Ambulatório Privado de Especialidades Médicas, na cidade de Ribeirão Preto, que apontou dados mais elevados. Quando indagados se haviam recebido informação sobre uso dos medicamentos, 97,9% responderam afirmativamente, sendo que destes, 88,4% mencionaram tratar-se de orientação médica e 10,5% seguiam orientações do médico e enfermeiro. Sobre o tipo de orientação recebida, 81,1% referiram a ter recebido de uma forma verbal e escrita e 14,7% de forma escrita, 78% negaram ter ficado com dúvidas sobre o uso da medicação, após a orientação (FREIRE, 2009).
  • 47. 46 Figura 8 - Orientações do farmacêutico e funcionários em relação ao uso dos medicamentos (n=100) 0 15% 8% Sim Não As vezes Nunca 77% Fonte: Elaboração própria. A Figura 9 mostra que, a maioria, ou seja, 86% dos entrevistados não desistem do tratamento, mesmo quando há falta de orientação relacionada ao uso do medicamento pelos profissionais da saúde, 8% algumas vezes desistem e apenas 6% não aderem ao tratamento devido a falta de orientação sobre o uso do medicamento. Em geral, os idosos aderem melhor a tratamento do que os indivíduos jovens, porém muitos fatores podem levar a uma baixa adesão, resultando em falhas na terapêutica. Estes fatores podem ser intencionais: por não gostar de tomar comprimidos, do sabor do medicamento, por acreditar que o medicamento pode ser uma química, não tolerar bem os efeitos do medicamento. Ou não-intencionais como diminuição da memória, da visão, da audição, da capacidade mental, dificuldade em deglutir os comprimidos, polifarmácia, esquemas terapêuticos complicados, ausência de auxílio de familiares e deficiência física. Estudos demonstram que cerca de 40% a 75% dos idosos não tomam seus medicamentos nos horários e quantidades certas (SÃO PAULO, 2003). Os dados de um estudo relacionado à adesão a prescrição médica em idosos, o qual fez parte do Projeto Idosos da Prefeitura do município de Porto Alegre, em parceria com o Instituto de Geriatria e Gerontologia da Pontifícia
  • 48. 47 Universidade Católica do Rio Grande do Sul, se diferem aos deste estudo, pois em relação à classificação da adesão, 37,1% dos idosos se auto-relataram aderentes e 62,9%, não-aderente (ROCHA et al., 2008). Figura 9 - Adesão ao tratamento (n=100) 8% 6% Sim Não As vezes 86% Fonte: Elaboração própria. A Figura 10 mostra que 69% dos entrevistados não apresentam problemas por não utilizarem os medicamentos que necessitam, pois, relataram que antes mesmo de acabar o medicamento administrado, vão até as unidades de saúde para pegar mais medicamento, para não ocorrer interrupção do tratamento. Entre esses 28% afirmaram ter problemas por não utilizar o medicamento necessário e 3% algumas vezes tem problemas pela não utilização do medicamento.
  • 49. 48 Figura 10 - Problema relacionado a não utilização do medicamento necessário (n=100) 3% 28% Sim Não As vezes 69% Fonte: Elaboração própria. Doenças crônicas fazem parte da vida dos idosos, e demonstrando isso, a Figura 11 aponta que 74% dos entrevistados fazem uso regular de medicamentos para o tratamento de doenças crônicas e 26% não fazem uso de medicamentos para doenças crônicas. Estes resultados são semelhantes aos encontrados no estudo realizado junto à população do ambulatório do Núcleo de Atenção ao Idoso (NAI) da Universidade Aberta da Terceira Idade (UNATI), da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). A percepção de morbidade, a resposta à pergunta se tem alguma doença segue o que se poderia esperar de uma população idosa, praticamente todos com exceção de dois casos de idosos neste estudo, têm a percepção de que há algum distúrbio ou doença crônica em suas vidas. Observa-se que apenas 20% dos pacientes declaram apenas uma doença crônica. A maioria relata apresentar dois ou três problemas de saúde (SAYD; FIGUEIREDO; VAENA, 2000). A Figura 12 mostra que 48% dos entrevistados sofrem de hipertensão arterial e fazem uso de anti-hipertensivos, para manter a pressão estável. Dos demais 24% utilizam outras classes de medicamentos para tratamento de demais doenças crônicas, 11% utilizam hipoglicemiantes, 8% antidepressivos, 6% antissecretores, 2% antiparkinsonianos e apenas 1% insulina.
  • 50. 49 Um estudo realizado com o objetivo de caracterizar as classes mais prescritas de anti-hipertensivos aos idosos que utilizam os serviços de diferentes Unidades de Saúde da Família (USF) do município de Marília mostrou que entre os idosos cujos prontuários foram analisados, a proporção daqueles que utilizam anti- hipertensivos foi em média de 69% entre as quatro unidades onde foi realizado o estudo. Esses dados assemelham-se à prevalência constatada no Brasil, em que 60% dos idosos são hipertensos (MARCHIOLI et al., 2010). Entre as consequências decorrentes do envelhecimento estão às múltiplas patologias e a ingestão de medicamentos diversos. Em um estudo realizado com idosos residentes na área de abrangência de uma Unidade de Saúde da Família, localizada na região central de Marília, as doenças cardiovasculares foram que mais incidiram. Como as doenças cardiovasculares lideram as causas de morbi-mortalidade em indivíduos idosos, os medicamentos que atuam nesse sistema são os mais prescritos (MARIN et al., 2008). Porém várias doenças além das cardiovasculares acometem os idosos, e o estudo realizado na USF em Marília, demonstrou várias outras classes de medicamentos que os idosos administram através do uso contínuo. Os anti-hipertensivos lideraram com 20,4%, seguido dos diuréticos com 9,7%. Dentre os idosos participantes do estudo, 4,9% se medicavam com insulina e agentes antidiabéticos, 4,4% com antidepressivos, 3,4% com antissecretores, 0,6% com antiparkinsonianos, 19,9 se medicavam com outras classes de medicamentos para doenças crônicas. Esses valores se diferem ao do presente estudo, o dado semelhante é a prevalência do uso de anti-hipertensivos pelos idosos, já que a hipertensão acomete grande parte da população idosa.
  • 51. 50 Figura 11 - Uso de medicamentos em doenças crônicas (n=100) 26% Sim Não 74% Fonte: Elaboração própria. Figura 12 - Classes dos medicamentos utilizados no tratamento das doenças crônicas (n=100) 24% Antihipertensivos Hipoglicemiantes orais 48% Insulina 6% Antidepressivos 2% Antiparkisonianos 8% 11% Antissecretores 1% Outros Fonte: Elaboração própria. A automedicação tem sido objetivo de muitas pesquisas e assume uma importância maior quando é realizada por idosos, pois geralmente representam um grupo polimedicado.
  • 52. 51 A Figura 13 mostra dados alarmantes, pois 60% dos entrevistados relataram possuir hábitos de automediação, o que pode levar vários riscos a saúde. Dos demais 37% não se automedicam e 3% afirmaram se automedicar às vezes. Os resultados deste estudo se assemelham ao estudo que foi realizado para avaliar a automedicação em idosos participantes de grupos da terceira idade localizados em uma cidade do sul do Brasil. Segundo Cascaes; Falchetti; Galato (2008) o estudo no sul do Brasil foi baseado em entrevistas com idosos participantes de grupos da terceira idade, sendo solicitados além de dados do perfil, informações sobre os problemas de saúde, medicamentos prescritos, prática da automedicação e as alternativas utilizadas na mesma. Dos 77 idosos entrevistados, 87% foram mulheres, com idade média de 69,9 anos, viúvos (51,9%) e com baixo grau de instrução. Estes possuíam diversos problemas de saúde (3,5) e utilizavam em média 4,1 medicamentos. A Figura 14 mostra que 40% se automedicam com analgésicos, 34% com antipiréticos, 12% antiinflamatórios, 6% antibióticos, 6% usavam outras classes de medicamentos e apenas 2% utilizavam anti-histamínicos. O uso indiscriminado de analgésicos é hábito não somente dos idosos, mas também de grande parte das pessoas com outra faixa etária, o que também pode ser constatado no estudo em idosos participantes de grupos da terceira idade localizados em uma cidade do sul do Brasil. A maioria (80,5%) se automedicava, em especial com medicamentos de venda livre (analgésicos) e por plantas medicinais. Sendo estas alternativas adotadas principalmente pela praticidade e pelo fato dos problemas de saúde ser considerados simples. A influência descrita pelos idosos para esta prática é principalmente exercida pelos amigos, vizinhos e familiares (55,9%). Não foi observado associação entre o perfil dos idosos e a automedicação. Os idosos mesmo sendo uma população polimedicada realizam a automedicação sem a orientação de profissionais da saúde, adotando principalmente plantas medicinais e medicamentos de venda livre por considerarem mais prático para o manejo dos problemas de saúde que identificam como simples (CASCAES; FALCHETTI; GALATO, 2008).
  • 53. 52 Figura 13 – Automedicação (n=100) 3% 37% Sim Não As vezes 60% Fonte: Elaboração própria. Figura 14 - Classe dos medicamentos utilizados na automedicação (n=100) 2% 6% 12% 34% Antipiréticos 6% Analgésicos Antibióticos Antiinflamatórios 40% Anti histamínicos outros Fonte: Elaboração própria. A Figura 15 mostra que 67% não desistem do tratamento medicamentoso por sentirem algum efeito adverso e 33% dos entrevistados interromperam o tratamento medicamentoso devido aos efeitos adversos. Isso é um dado significativo, pois nem sempre as pessoas que interrompem o tratamento buscam outro tipo de medicamento, o que pode levar ao agravamento da patologia.
  • 54. 53 Figura 15 - Desistência de uso do medicamento por apresentar efeitos adversos (n=100) 33% Sim Não 67% Fonte: Elaboração própria. Um problema enfrentado por muitos idosos é a confusão com as embalagens de medicamentos durante o uso, pois a grande maioria utiliza mais de um medicamento. A deficiência visual dificulta a leitura das bulas, receitas, rótulos, há medicamentos que apresentam embalagens semelhantes. A perda da discriminação correta das cores pode levar a erros de administração (SÃO PAULO, 2003). No entanto, a maioria, 86% dos entrevistados afirmam nunca ter se confundido, apenas 11% relataram já ter se confundido e 3% às vezes se confundem com embalagens de medicamentos (Figura 16).
  • 55. 54 Figura 16 - Embalagens de medicamentos (n=100) 3% 11% Sim Não As vezes 86% Fonte: Elaboração própria. Foi questionado aos entrevistados, locais onde ocorre o armazenamento dos medicamentos em casa. Uma pesquisa com idosos inseridos em dois projetos para idosos no Rio de Janeiro, Universitário e municipal, demonstrou que foram encontrados nas visitas, medicamentos acondicionados com perfumes, talcos, abertos em cima de geladeiras, em caixas de sapatos e também guardados em gavetas fechadas sem ventilação. Além desses locais, outro local preferido para manter os medicamentos é na cozinha e geralmente perto de fogões (SILVA et al., 2002). O que se assemelha com os dados mostrados na Figura 17, onde 52% dos entrevistados armazenam seus medicamentos na cozinha, 43% no quarto, 4% em outros locais da casa e 1% no banheiro.
  • 56. 55 Figura 17 - Local de armazenamento dos medicamentos (n=100) 4% Cozinha Banheiros 43% 52% Quarto Outros 1% Fonte: Elaboração própria. Sobre o tabagismo e alcoolismo, 72% dos idosos não fazem uso de nenhuma das substâncias relacionadas, 17% fazem uso de cigarro, somente 10% consomem bebida alcoólica, e apenas 1% dos idosos fazem uso de ambos (Figura 18). Estes resultados se diferem aos encontrados no estudo realizado junto à população do ambulatório do Núcleo de Atenção ao Idoso (NAI) da Universidade Aberta da Terceira Idade (UNATI), da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Apenas dez entrevistados são fumantes, cerca de 6% do total, sem diferença significativa entre os sexos. Quanto à ingestão de bebidas alcoólicas, verifica-se uma freqüência maior entre o sexo masculino, mais da metade respondeu positivamente à pergunta se tem o hábito de beber, contra apenas 1/4 do sexo feminino. Na pesquisa 31% fazem uso de bebida alcoólica e 69% não fazem uso (SAYD; FIGUEIREDO; VAENA, 2000). A diferença da porcentagem de idosos que fazem uso de álcool e tabaco é significativamente relevante entre os estudos, uma vez que o consumo de álcool é maior entre os idosos do NAI, e o consumo de tabaco é maior entre os idosos entrevistados nas unidades de saúde do município de Fernandópolis.
  • 57. 56 Figura 18 - Uso de cigarro e bebida alcoólica (n=100) 10% 17% Bebida alcoolica Cigarros 1% Ambos Nenhum 72% Fonte: Elaboração própria. Foi perguntado aos entrevistados como eles faziam a administração dos medicamentos, a Figura 19 mostra que 77% dos entrevistados utilizam água para administrar os medicamentos, indicando que fazem a administração correta do fármaco com o líquido ideal, 15% utilizam leite, relacionando este dado com a falta de conhecimento dos idosos sobre as interações que ocorrem com certos fármacos e o leite, 6% utilizam suco e 2% refrigerante. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde de Fortaleza- CE, não se deve administrar medicamentos com água mineral gasosa, sucos ácidos, café, leite, bebidas alcoólicas e chá. Eles podem diminuir ou potencializar o efeito dos medicamentos. Como exemplo pode-se citar a tetraciclina que quando administrada com leite faz com que o cálcio contido no leite, precipite o princípio ativo deste tipo de antibiótico, que não funciona como deveria. É interessante ressaltar que é comum as pessoas usar sucos, café e chás para administrarem suas medicações. Essa informação é importante que seja divulgada, que o correto é administrar medicamentos sempre com água (SIQUEIRA, 2008).