SlideShare uma empresa Scribd logo
ESCOLA EB 2,3 DR. JOÃO DAS REGRAS
Teste de Língua Portuguesa— 7.º Ano de Escolaridade
Duração do Teste:90 minutos|Fev.2012
Nome _______________________________________________________ N.º _______ Turma _______
Classificação ________________ Professor ______________ Enc. Educação _______________
GRUPO I
PARTE A
Lê o texto com muita atenção e recorda o estudo que efetuaste à respetiva obra.
Recomposto da surpresa não foi capaz de reprimir o riso e, quando se dobrou apertando a barriga
de tanto rir, Zorbas aproveitou para se introduzir no interior da casa.
Quando o humano, ainda morto de riso, se virou, deu com o gato grande, preto e gordo sentado
num cadeirão.
- Basta de concerto! És um sedutor muito original, mas receio que a Bubulina não goste da tua
música. Um concerto ruim! Disse o humano.
- Sei que canto muito mal. Ninguém é perfeito – respondeu Zorbas na linguagem dos humanos.
O humano abriu a boca, deu uma palmada na cara e encostou as costas a uma parede.
- Tu fa… fa… falas – exclamou o humano.
- Também tu falas e eu não estranho. Por favor, acalma-te – aconselhou-lhe Zorbas.
- Um… um ga… gato… que fala – disse o humano deixando-se cair no sofá.
- Não falo, mio, mas na tua língua. Sei miar em muitas línguas – esclareceu Zorbas.
O humano levou as mãos à cabeça e tapou os olhos, enquanto repetia «é do cansaço, é do
cansaço». Ao retirar as mãos, o gato grande, preto e gordo continuava no cadeirão.
- São alucinações(1). Não é verdade que és uma alucinação? Perguntou o humano.
- Não, sou um gato de verdade que está a miar contigo – garantiu-lhe Zorbas. – Entre muitos
humanos, nós, os gatos do porto, escolhemos-te a ti para te confiarmos um grande problema, e para nos
ajudares. Não estás louco. Eu sou real.
(…)
- Então posso ir ao que interessa – propôs Zorbas.
O humano concordou, mas pediu-lhe que respeitasse o ritual da conversa dos humanos. Serviu ao
gato um prato de leite, e ele acomodou-se no sofá com um copo de conhaque nas mãos.
- Mia, gato – disse o humano, e Zorbas contou-lhe a história da gaivota, do ovo, de Ditosa e dos
infrutíferos(2) esforços dos gatos para a ensinarem a voar.
- Podes ajudar-nos? – quis saber Zorbas quando terminou o seu relato.
- Acho que sim. Esta noite mesmo – respondeu o humano.
Luís Sepúlveda, História de uma Gaivota e do Gato que a Ensinou a Voar
VOCABULÁRIO: (1)alucinação – ilusão,delírio,ver coisas quenão são reais; (2)infrutífero – que não dá frutos/resultados.
Responde aos itens queseseguem, deacordo com as orientações quete são dadas.
1. «- Podesajudar-nos?»
1.1. Zorbas pede ajudaaohumanopara quê? Quemsão os gatosdo porto? E de que porto se trata?
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
2. Qual foi o «grande problema» de Zorbasaolongode toda a obra?
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
___________________________________
3. Quemo ajudouaté ao presente momento (deste texto) e porquê?
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
4. Em que parte da obra se localizaeste episódio?Antese depoisde quê?
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_______________________________________________________
5. Os gatosdo porto tinhamumtabu que tiveramde «quebrar».Qual erao seutabu?
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_______________________________________________________
6. Retira/copiadotextoumapassagemexemplificativade:
6.1. Descrição:_____________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
___________________________________________________________
6.2. Narrativa:
_______________________________________________________________________________
___________________________________________________________
6.3. Diálogo:
_______________________________________________________________________________
___________________________________________________________
PARTE B
Lê atentamente o texto, recorda o estudo efetuado à totalidade da obra e responde, em
seguida, ao questionário apresentado.
Quando chegou o dia de Natal, ao fim da tarde, o cavaleiro dirigiu-se para a gruta de Belém. Ali rezou no lugar onde a
Virgem, São José, o boi, o burro, os pastores,os Reis Magos e os Anjos tinham adorado a criança acabada de nascer. E, quando
na torre das Igrejas bateram as doze badaladas da meia-noite, o Cavaleiro julgou ouvir um cântico altíssimo cantado por
multidões inumeráveis, a oração dos Anjos: ”Glória a Deus nas alturas e Paz na terra aos homens de boa vontade.”
Então desceu sobre ele uma grande paz e uma grande confiança e, chorando de alegria, beijou as pedras da gruta.
Rezou muito, nessa noite, o cavaleiro. Rezou pelo fim das misérias e das guerras, rezou pela paz e pela alegria do
mundo. Pediu a Deus que o fizesse um homem de boa vontade, um homem de vontade clara e direita, capaz de amar os outros.
E pediu também aos anjos que o protegessem e guiassem na viagem de regresso, para que, dai a um ano, ele pudesse
comemorar o Natal na sua casa com os seus.
Passado o Natal o cavaleiro demorou-se ainda mais dois meses na Palestina visitando os lugares que tinham visto
passar Abraão e David, os lugares que tinham visto passar a arca da aliança, o cortejo da Rainha do Sabá e seus camelos
carregados de perfumes, os exércitos da Babilónia, as legiões romanas e Cristo pregando às multidões.
Depois, em fins de Fevereiro, despediu-se de Jerusalém e, na companhia de outros peregrinos, partiu para o porto de
Jafa.
Entre esses peregrinos havia um mercador de Veneza com quem o cavaleiro travou grande amizade.
Em Jafa foram obrigados a esperar pelo bom tempo e só embarcaram em meados de Fevereiro.
Mas uma vez no mar foram assaltados pela tempestade. O navio ora subia na crista da vaga ora recaía pesadamente
estremecendo de ponta a ponta. Os mastros e os cabos estalavam e gemiam. As ondas batiam com fúria no casco e varriam a
popa. O navio ora virava todo para a esquerda,ora virava todo para a direita,e os marinheiros davamà bomba para que ele nã o
se enchesse de água. O vento rasgava as velas em pedaços e navegavam sem governo ao sabor do mar.
- Ah! - pensava o cavaleiro. - Não voltarei a ver a minha terra.
Mas passados cinco dias o vento amainou,o céu descobriu-se,o mar alisou as suas águas.Os marinheiros içaram velas
novas e com a brisa soprando a favor puderam chegar ao porto de Ravena, na costa do Adriático, nas terras de Itália.
in O Cavaleiro da Dinamarca, Sophia de Mello Breyner
Responde aos itens queseseguem, deacordo com as orientações quete são dadas.
1. Sublinhaa respostacorreta:
- O motivodaviagemdoCavaleiroàPalestina foi…
a) Rezarna gruta de Belém;
b) Visitaro país;
c) Encontrar-se com umamigo;
d) Tratar de negócios.
2. Assinalacom V (verdadeira) ou F(falsa) asseguintesafirmações e corrigi-as:
2.1. No diade Natal,ocavaleirofoi passearà gruta de Belém._______________________________
2.2. O cavaleiroesteve aindadois mesesnaPalestinaavisitarlugaressagrados._______________
2.3. Em Jafa,o cavaleirosóembarcouemmeadosde Fevereiro,porcausado mau tempo. ______
2.4. Depoisdoembarque emJafa,a viagem correusemsobressaltos.________________________
3. Quaisos sentimentosexperimentadospelocavaleiroaoouvirasdoze badaladasda meia-noite nagruta
de Belém,nanoite de Natal?
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
4. «E pediu também aos anjos queo protegessem e guiassemna viagem de regresso»
4.1. Para onde regressa o Cavaleiro epor que locais passa atéaí chegar?
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
4.2. Ao longodaviagem,oCavaleirofoi conhecendonovaspessoasque lhe deramabrigo.Indicaquem
são e a profissãode cadaum dos seusanfitriões.
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
4.3. Ao longo da viagem de regresso são lhecontadas váriashistórias. Podemos dizer que essas históriassão
pequenas narrativas________________________ (completa o espaço) na narrativa principal.
4.4. Completa as frases:
4.4.1. Uma vez que o narrador da narrativa principal não participa como personagem na história quenarra,
podemos afirmar que,quanto à sua presença, ele é _______________________________________.
4.4.2. Esse mesmo narrador conhecetudo o que narra,incluindo asvivências interiores das personagens,
logo podemos afirmar que, quanto à sua ciência, ele é _____________________________________.
4.4.3. Além disso,essemesmo narrador toma uma posição imparcial faceao queestá a narrar,sendo assim,
um narrador ______________________________________.
4.5. Em cada umadas casas, o Cavaleiroouviuhistóriasextraordinárias.Completaoquadroabaixode
acordo com a narrativa.
História 1 História 2 História 3 História 4
Título da história
Cidade onde o
Cavaleiro se encontra.
Na casa de quem?
Narrador da história
4.6. Coloca por ordem as seguintes passagens deO Cavaleiro da Dinamarca:
________ « Então havia sempre azáfama na cas do Cavaleiro.Juntava-sea família evinhamamigos e
parentes, criados da cas eservos da floresta.»
________ «A Dinamarca ficano Norte da Europa. Ali os Invernos são longos e rigorosos comnoites muito
compridas edias curtos,pálidosegelados.»
________ «- Ouve – disseo Mercador ao Cavaleiro - , não fiques aqui à espera de outro navio.Vem comigo
até Veneza. Se Ravena te espanta mais te espantará a minha cidadeconstruída sobreas águas.»
________ « Quem será o pintor que vem pintar as pedras das colinas? –exclamou Cimabué, maravilhado e
cheio de surpresa.
________ « - Demorei mais do que queria – respondeu o peregrino -. Mas graças a Deus cheguei a tempo.
Hoje antes da meia-noite estarei em minha casa.»
_______ « Caminhou durante longas semanas.Como os dias eramcurtos e não se podia viajardenoite,
avançava lentamente.»
4.7. O Cavaleiro fezuma promessa que vai referindo ao longo da história:
« - Não - disse o Cavaleiro. – Tenho de partir. Prometi (…)»
4.7.1. O que tinha o Cavaleiro prometido e a quem? Consegue cumprir a promessa,como?
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
GRUPO II - Conhecimento Explícito da Língua
Responde aositensque se seguem, de acordocomas orientaçõesque te sãodadas.
1. Observa as Frasesque se seguem,identificaosGRUPOSDE PALAVRAS sublinhados e
faz um círculo à volta das respetivas PALAVRASNUCLEARESde cada Grupo,identificando-atambém.
1.1. Zorbas ensinouagaivotaa voar.
1.2. Voucom o meupai à livraria.
1.3. Vamospôr uma mesabonita.
2. Sublinha as formas verbais principais das seguintes frases:
2.1. O João deu um bolo ao primo.
2.2. Ele vai com o seu pai à livraria.
2.3. A Rita levou o recado à mãe.
2.4. A mãe contou uma história ao filho.
3. Preenche o quadro utilizando as frases anteriores:
Grupo Nominal - Sujeito Grupo Verbal - Predicado
4. Sublinha o SUJEITO das seguintes frases e indica se este é SIMPLES ou COMPOSTO.
4.1. O elefante é um animal muito pesado. __________________________
4.2. O elefante, a girafa e o macaco fizeram vários números. _________________________
4.3. Só quem cresceu no circo ou tem espírito aventureiro pode compreender. _________________________
5. Classifica o respetivo SUJEITO NULO em cada uma das seguintes frases:
5.1. Vi vários espetáculos de circo. ___________________________________________________________
5.2. Choveu toda a noite no acampamento. ____________________________________________________
5.3. Dizem maravilhas deste jogador. _________________________________________________________
6. Sublinha e identifica os COMPLEMENTOS verbais.
6.1. Os meus pais compraram um cão ao meu irmão.
6.2. O Rui deu um boneco à Patrícia.
6.3. Eu nunca tive uma flor.
6.4. O Fábio gosta de livros.
7. Reescreve as frases anteriores, substituindo os COMPLEMENTOS pelo respetivo PRONOME PESSOAL.
7.1. _______________________________________________________________
7.2. _______________________________________________________________
7.3. _______________________________________________________________
7.4. _______________________________________________________________
8. Por que motivo não pudeste substituir o complemento da frase 6.4 por um Pronome Pessoal? É possível
substituí-lo por outras palavras, quais?
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
9. Preenche o quadro com os dados adequados:
Pergunto ao VERBO: A resposta dá-me:
? O Sujeito
? O Complemento Direto
? O Complemento Indireto
GRUPO III
Expressão Escrita
Por certo, a chegada do Cavaleiro e o seu reencontro com a família foi uma cena de grande
comoção. Alternando narração, descrição e diálogo, narra o episódio da chegada, em que o
protagonista conta, num ambiente emocionado, as aventuras que viveu.
(Não deves exceder trinta linhas.)
GRUPO III
Expressão Escrita
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
GRUPO III
Expressão Escrita
Recorda o conto lido na aula “História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar” de Luís
Sepúlveda. Elabora um resumo do conto. (Não deves exceder trinta linhas.)
Por certo, a chegada do Cavaleiro e o seu reencontro com a família foi uma cena de grande
comoção. Alternando narração, descrição e diálogo, conta o episódio da chegada, em que o
protagonista conta, num ambiente emocionado, as aventuras que viveu.
(O texto deverá ter de 100 a 150 palavras.)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teste cavaleiro da dinamarca
Teste cavaleiro da dinamarca Teste cavaleiro da dinamarca
Teste cavaleiro da dinamarca
Escola
 
Roteiro da obra "O Cavaleiro da Dinamarca"
Roteiro da obra "O Cavaleiro da Dinamarca"Roteiro da obra "O Cavaleiro da Dinamarca"
Roteiro da obra "O Cavaleiro da Dinamarca"
Vanda Marques
 
Teste272012 13gaivota 7º
Teste272012 13gaivota 7ºTeste272012 13gaivota 7º
Teste272012 13gaivota 7º
Maria Da Guia Fonseca
 
40134802 cavaleiro-dinamarca-ficha-de-trabalho
40134802 cavaleiro-dinamarca-ficha-de-trabalho40134802 cavaleiro-dinamarca-ficha-de-trabalho
40134802 cavaleiro-dinamarca-ficha-de-trabalho
Marisa Silva
 
D8 (5º ano l.p.)
D8 (5º ano   l.p.)D8 (5º ano   l.p.)
D8 (5º ano l.p.)
Cidinha Paulo
 
Ii atividade nono ano
Ii atividade nono anoIi atividade nono ano
Ii atividade nono ano
SMEdeItabaianinha
 
"Do avesso" - livro de fantasia (publicado em 2007 pela editora Oficio das Pa...
"Do avesso" - livro de fantasia (publicado em 2007 pela editora Oficio das Pa..."Do avesso" - livro de fantasia (publicado em 2007 pela editora Oficio das Pa...
"Do avesso" - livro de fantasia (publicado em 2007 pela editora Oficio das Pa...
camilaappel
 
Lp 7ano
Lp 7anoLp 7ano
Cavaleiro da dinamarca e principezinho
Cavaleiro da dinamarca e principezinhoCavaleiro da dinamarca e principezinho
Cavaleiro da dinamarca e principezinho
bibliotecap
 
Poemas entregues
Poemas entreguesPoemas entregues
Poemas entregues
sandra soares
 
.
..
.
..
.
..
Ae plv5 teste_avancado3
Ae plv5 teste_avancado3Ae plv5 teste_avancado3
Ae plv5 teste_avancado3
Ana Ferreira
 
Ativ. para 9º ano a
Ativ. para 9º ano   aAtiv. para 9º ano   a
Ativ. para 9º ano a
Polyclark Silva
 
Pop manuais
Pop manuaisPop manuais
Pop manuais
Marlene Mendes
 
Verão inverno
Verão invernoVerão inverno
Simulado A para o 4º e 5º ano
Simulado A para o 4º e 5º anoSimulado A para o 4º e 5º ano
Simulado A para o 4º e 5º ano
pedagogicosjdelrei
 
O Gato Malhado Teste
O Gato Malhado Teste O Gato Malhado Teste
O Gato Malhado Teste
Cristina Seiça
 
Modelo de teste português
Modelo de teste portuguêsModelo de teste português
Modelo de teste português
Mafalda Portas
 

Mais procurados (20)

Teste cavaleiro da dinamarca
Teste cavaleiro da dinamarca Teste cavaleiro da dinamarca
Teste cavaleiro da dinamarca
 
Roteiro da obra "O Cavaleiro da Dinamarca"
Roteiro da obra "O Cavaleiro da Dinamarca"Roteiro da obra "O Cavaleiro da Dinamarca"
Roteiro da obra "O Cavaleiro da Dinamarca"
 
Teste272012 13gaivota 7º
Teste272012 13gaivota 7ºTeste272012 13gaivota 7º
Teste272012 13gaivota 7º
 
40134802 cavaleiro-dinamarca-ficha-de-trabalho
40134802 cavaleiro-dinamarca-ficha-de-trabalho40134802 cavaleiro-dinamarca-ficha-de-trabalho
40134802 cavaleiro-dinamarca-ficha-de-trabalho
 
D8 (5º ano l.p.)
D8 (5º ano   l.p.)D8 (5º ano   l.p.)
D8 (5º ano l.p.)
 
Ii atividade nono ano
Ii atividade nono anoIi atividade nono ano
Ii atividade nono ano
 
"Do avesso" - livro de fantasia (publicado em 2007 pela editora Oficio das Pa...
"Do avesso" - livro de fantasia (publicado em 2007 pela editora Oficio das Pa..."Do avesso" - livro de fantasia (publicado em 2007 pela editora Oficio das Pa...
"Do avesso" - livro de fantasia (publicado em 2007 pela editora Oficio das Pa...
 
Lp 7ano
Lp 7anoLp 7ano
Lp 7ano
 
Cavaleiro da dinamarca e principezinho
Cavaleiro da dinamarca e principezinhoCavaleiro da dinamarca e principezinho
Cavaleiro da dinamarca e principezinho
 
Poemas entregues
Poemas entreguesPoemas entregues
Poemas entregues
 
.
..
.
 
.
..
.
 
.
..
.
 
Ae plv5 teste_avancado3
Ae plv5 teste_avancado3Ae plv5 teste_avancado3
Ae plv5 teste_avancado3
 
Ativ. para 9º ano a
Ativ. para 9º ano   aAtiv. para 9º ano   a
Ativ. para 9º ano a
 
Pop manuais
Pop manuaisPop manuais
Pop manuais
 
Verão inverno
Verão invernoVerão inverno
Verão inverno
 
Simulado A para o 4º e 5º ano
Simulado A para o 4º e 5º anoSimulado A para o 4º e 5º ano
Simulado A para o 4º e 5º ano
 
O Gato Malhado Teste
O Gato Malhado Teste O Gato Malhado Teste
O Gato Malhado Teste
 
Modelo de teste português
Modelo de teste portuguêsModelo de teste português
Modelo de teste português
 

Destaque

Linguaportuguesa7ano 131126124512-phpapp01
Linguaportuguesa7ano 131126124512-phpapp01Linguaportuguesa7ano 131126124512-phpapp01
Linguaportuguesa7ano 131126124512-phpapp01
filomena morais
 
Escrita hieroglifica
Escrita hieroglificaEscrita hieroglifica
Escrita hieroglifica
filomena morais
 
Fichatrabalhoreaccoesprecipitacao fq 8º
Fichatrabalhoreaccoesprecipitacao fq 8ºFichatrabalhoreaccoesprecipitacao fq 8º
Fichatrabalhoreaccoesprecipitacao fq 8º
filomena morais
 
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régioO romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
filomena morais
 
Plano curricular 8o_c (1)
Plano curricular 8o_c (1)Plano curricular 8o_c (1)
Plano curricular 8o_c (1)
filomena morais
 
A.1.1 ficha de trabalho - as primeiras sociedades recolectoras (2) - soluções
A.1.1   ficha de trabalho - as primeiras sociedades recolectoras (2) - soluçõesA.1.1   ficha de trabalho - as primeiras sociedades recolectoras (2) - soluções
A.1.1 ficha de trabalho - as primeiras sociedades recolectoras (2) - soluções
filomena morais
 
Manual 1 (2) geografia
Manual 1 (2) geografiaManual 1 (2) geografia
Manual 1 (2) geografia
filomena morais
 
6 fa cacadores-recolectores_7a
6 fa cacadores-recolectores_7a6 fa cacadores-recolectores_7a
6 fa cacadores-recolectores_7a
filomena morais
 
003 estudo-do-estudo-do-fundo-dos-oceanos
003 estudo-do-estudo-do-fundo-dos-oceanos003 estudo-do-estudo-do-fundo-dos-oceanos
003 estudo-do-estudo-do-fundo-dos-oceanos
filomena morais
 
A.1.2 ficha de trabalho - as primeiras sociedades produtoras (1) - soluções
A.1.2   ficha de trabalho - as primeiras sociedades produtoras (1) - soluçõesA.1.2   ficha de trabalho - as primeiras sociedades produtoras (1) - soluções
A.1.2 ficha de trabalho - as primeiras sociedades produtoras (1) - soluções
filomena morais
 
As principais expressões da religião:as Ordens e a Inquisição
As principais expressões da religião:as Ordens e a InquisiçãoAs principais expressões da religião:as Ordens e a Inquisição
As principais expressões da religião:as Ordens e a Inquisição
filomena morais
 
Testegeo8ano2teste1p 131230104926-phpapp01
Testegeo8ano2teste1p 131230104926-phpapp01Testegeo8ano2teste1p 131230104926-phpapp01
Testegeo8ano2teste1p 131230104926-phpapp01
filomena morais
 
47730165 ficha-8º-ano-recursos-naturais-e-residuos
47730165 ficha-8º-ano-recursos-naturais-e-residuos47730165 ficha-8º-ano-recursos-naturais-e-residuos
47730165 ficha-8º-ano-recursos-naturais-e-residuos
filomena morais
 
Acordo ortografico pais_profrssores
Acordo ortografico pais_profrssoresAcordo ortografico pais_profrssores
Acordo ortografico pais_profrssores
filomena morais
 
Agricultura -fatores_carateristicas_problemas_e_solucoes (1)
Agricultura  -fatores_carateristicas_problemas_e_solucoes (1)Agricultura  -fatores_carateristicas_problemas_e_solucoes (1)
Agricultura -fatores_carateristicas_problemas_e_solucoes (1)
filomena morais
 
132021199 sinais-2012-aea
132021199 sinais-2012-aea132021199 sinais-2012-aea
132021199 sinais-2012-aea
filomena morais
 
2testerochas7ano 121210192237-phpapp01
2testerochas7ano 121210192237-phpapp012testerochas7ano 121210192237-phpapp01
2testerochas7ano 121210192237-phpapp01
filomena morais
 
68120276 estruturainterna
68120276 estruturainterna68120276 estruturainterna
68120276 estruturainterna
filomena morais
 
28169033 ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochas-130222085510-phpapp0...
28169033 ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochas-130222085510-phpapp0...28169033 ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochas-130222085510-phpapp0...
28169033 ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochas-130222085510-phpapp0...
filomena morais
 
214819647 2013-14-5-teste-7ºb-c-d-geog-mar-criterios-correcao-rp (1)
214819647 2013-14-5-teste-7ºb-c-d-geog-mar-criterios-correcao-rp (1)214819647 2013-14-5-teste-7ºb-c-d-geog-mar-criterios-correcao-rp (1)
214819647 2013-14-5-teste-7ºb-c-d-geog-mar-criterios-correcao-rp (1)
filomena morais
 

Destaque (20)

Linguaportuguesa7ano 131126124512-phpapp01
Linguaportuguesa7ano 131126124512-phpapp01Linguaportuguesa7ano 131126124512-phpapp01
Linguaportuguesa7ano 131126124512-phpapp01
 
Escrita hieroglifica
Escrita hieroglificaEscrita hieroglifica
Escrita hieroglifica
 
Fichatrabalhoreaccoesprecipitacao fq 8º
Fichatrabalhoreaccoesprecipitacao fq 8ºFichatrabalhoreaccoesprecipitacao fq 8º
Fichatrabalhoreaccoesprecipitacao fq 8º
 
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régioO romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
 
Plano curricular 8o_c (1)
Plano curricular 8o_c (1)Plano curricular 8o_c (1)
Plano curricular 8o_c (1)
 
A.1.1 ficha de trabalho - as primeiras sociedades recolectoras (2) - soluções
A.1.1   ficha de trabalho - as primeiras sociedades recolectoras (2) - soluçõesA.1.1   ficha de trabalho - as primeiras sociedades recolectoras (2) - soluções
A.1.1 ficha de trabalho - as primeiras sociedades recolectoras (2) - soluções
 
Manual 1 (2) geografia
Manual 1 (2) geografiaManual 1 (2) geografia
Manual 1 (2) geografia
 
6 fa cacadores-recolectores_7a
6 fa cacadores-recolectores_7a6 fa cacadores-recolectores_7a
6 fa cacadores-recolectores_7a
 
003 estudo-do-estudo-do-fundo-dos-oceanos
003 estudo-do-estudo-do-fundo-dos-oceanos003 estudo-do-estudo-do-fundo-dos-oceanos
003 estudo-do-estudo-do-fundo-dos-oceanos
 
A.1.2 ficha de trabalho - as primeiras sociedades produtoras (1) - soluções
A.1.2   ficha de trabalho - as primeiras sociedades produtoras (1) - soluçõesA.1.2   ficha de trabalho - as primeiras sociedades produtoras (1) - soluções
A.1.2 ficha de trabalho - as primeiras sociedades produtoras (1) - soluções
 
As principais expressões da religião:as Ordens e a Inquisição
As principais expressões da religião:as Ordens e a InquisiçãoAs principais expressões da religião:as Ordens e a Inquisição
As principais expressões da religião:as Ordens e a Inquisição
 
Testegeo8ano2teste1p 131230104926-phpapp01
Testegeo8ano2teste1p 131230104926-phpapp01Testegeo8ano2teste1p 131230104926-phpapp01
Testegeo8ano2teste1p 131230104926-phpapp01
 
47730165 ficha-8º-ano-recursos-naturais-e-residuos
47730165 ficha-8º-ano-recursos-naturais-e-residuos47730165 ficha-8º-ano-recursos-naturais-e-residuos
47730165 ficha-8º-ano-recursos-naturais-e-residuos
 
Acordo ortografico pais_profrssores
Acordo ortografico pais_profrssoresAcordo ortografico pais_profrssores
Acordo ortografico pais_profrssores
 
Agricultura -fatores_carateristicas_problemas_e_solucoes (1)
Agricultura  -fatores_carateristicas_problemas_e_solucoes (1)Agricultura  -fatores_carateristicas_problemas_e_solucoes (1)
Agricultura -fatores_carateristicas_problemas_e_solucoes (1)
 
132021199 sinais-2012-aea
132021199 sinais-2012-aea132021199 sinais-2012-aea
132021199 sinais-2012-aea
 
2testerochas7ano 121210192237-phpapp01
2testerochas7ano 121210192237-phpapp012testerochas7ano 121210192237-phpapp01
2testerochas7ano 121210192237-phpapp01
 
68120276 estruturainterna
68120276 estruturainterna68120276 estruturainterna
68120276 estruturainterna
 
28169033 ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochas-130222085510-phpapp0...
28169033 ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochas-130222085510-phpapp0...28169033 ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochas-130222085510-phpapp0...
28169033 ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochas-130222085510-phpapp0...
 
214819647 2013-14-5-teste-7ºb-c-d-geog-mar-criterios-correcao-rp (1)
214819647 2013-14-5-teste-7ºb-c-d-geog-mar-criterios-correcao-rp (1)214819647 2013-14-5-teste-7ºb-c-d-geog-mar-criterios-correcao-rp (1)
214819647 2013-14-5-teste-7ºb-c-d-geog-mar-criterios-correcao-rp (1)
 

Semelhante a Testesumativo2 120320052955-phpapp01

100 lendas do folclore brasilei a.s franchini
100 lendas do folclore brasilei   a.s franchini100 lendas do folclore brasilei   a.s franchini
100 lendas do folclore brasilei a.s franchini
Denilza Willian
 
100 lendas do folclore brasilei a.s franchini 2
100 lendas do folclore brasilei   a.s franchini 2100 lendas do folclore brasilei   a.s franchini 2
100 lendas do folclore brasilei a.s franchini 2
Catarina Cartaxo
 
100 lendas do folclore brasilei a.s franchini
100 lendas do folclore brasilei   a.s franchini100 lendas do folclore brasilei   a.s franchini
100 lendas do folclore brasilei a.s franchini
Maureen Bruxa
 
Libertação andré luiz
Libertação   andré luizLibertação   andré luiz
Libertação andré luiz
Margareth Rodrigues
 
Andre luiz chico xavier - libertação
Andre luiz   chico xavier - libertaçãoAndre luiz   chico xavier - libertação
Andre luiz chico xavier - libertação
havatar
 
Livro nas garras da graça
Livro nas garras da graçaLivro nas garras da graça
Livro nas garras da graça
Patricia Machado
 
Historias da avozinha
Historias da avozinhaHistorias da avozinha
Historias da avozinha
Edilene Dias Cabral
 
7 libertacao-1949
7 libertacao-19497 libertacao-1949
7 libertacao-1949
paulasa pin
 
Sidney Sheldon os doze mandamentos - ppdf
Sidney Sheldon   os doze mandamentos - ppdfSidney Sheldon   os doze mandamentos - ppdf
Sidney Sheldon os doze mandamentos - ppdf
Jerônimo Ferreira
 
Sequência didática
Sequência didáticaSequência didática
Sequência didática
MEROLAY MARIA MICHELS
 
C.s.lewis as crônicas de nárnia - vol. 7 - a última batalha
C.s.lewis   as crônicas de nárnia - vol. 7 - a última batalhaC.s.lewis   as crônicas de nárnia - vol. 7 - a última batalha
C.s.lewis as crônicas de nárnia - vol. 7 - a última batalha
Ariovaldo Cunha
 
( Espiritismo) # - andre luiz - francisco c xavier - a lenda do peixinho ve...
( Espiritismo)   # - andre luiz - francisco c xavier - a lenda do peixinho ve...( Espiritismo)   # - andre luiz - francisco c xavier - a lenda do peixinho ve...
( Espiritismo) # - andre luiz - francisco c xavier - a lenda do peixinho ve...
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Historias da avozinha
Historias da avozinhaHistorias da avozinha
Historias da avozinha
Ângela Miranda
 
Alberto figueiredo-pimentel-historias-da-avozinha
Alberto figueiredo-pimentel-historias-da-avozinhaAlberto figueiredo-pimentel-historias-da-avozinha
Alberto figueiredo-pimentel-historias-da-avozinha
Onésimo Remígio
 
Boletim 550 29-07-12
Boletim 550 29-07-12Boletim 550 29-07-12
Boletim 550 29-07-12
ibrcaruaru
 
T.G.
T.G.T.G.
Historias da avozinha
Historias da avozinhaHistorias da avozinha
Historias da avozinha
Romulo Mauricio
 
Histórias da avozinha
Histórias da avozinhaHistórias da avozinha
Histórias da avozinha
Marisa Seara
 
EEI - Aula 3 a criação
EEI - Aula 3   a criaçãoEEI - Aula 3   a criação
EEI - Aula 3 a criação
Fatoze
 
Chico Xavier - Andre Luiz - Libertação
Chico Xavier - Andre Luiz - LibertaçãoChico Xavier - Andre Luiz - Libertação
Chico Xavier - Andre Luiz - Libertação
. Sobrenome
 

Semelhante a Testesumativo2 120320052955-phpapp01 (20)

100 lendas do folclore brasilei a.s franchini
100 lendas do folclore brasilei   a.s franchini100 lendas do folclore brasilei   a.s franchini
100 lendas do folclore brasilei a.s franchini
 
100 lendas do folclore brasilei a.s franchini 2
100 lendas do folclore brasilei   a.s franchini 2100 lendas do folclore brasilei   a.s franchini 2
100 lendas do folclore brasilei a.s franchini 2
 
100 lendas do folclore brasilei a.s franchini
100 lendas do folclore brasilei   a.s franchini100 lendas do folclore brasilei   a.s franchini
100 lendas do folclore brasilei a.s franchini
 
Libertação andré luiz
Libertação   andré luizLibertação   andré luiz
Libertação andré luiz
 
Andre luiz chico xavier - libertação
Andre luiz   chico xavier - libertaçãoAndre luiz   chico xavier - libertação
Andre luiz chico xavier - libertação
 
Livro nas garras da graça
Livro nas garras da graçaLivro nas garras da graça
Livro nas garras da graça
 
Historias da avozinha
Historias da avozinhaHistorias da avozinha
Historias da avozinha
 
7 libertacao-1949
7 libertacao-19497 libertacao-1949
7 libertacao-1949
 
Sidney Sheldon os doze mandamentos - ppdf
Sidney Sheldon   os doze mandamentos - ppdfSidney Sheldon   os doze mandamentos - ppdf
Sidney Sheldon os doze mandamentos - ppdf
 
Sequência didática
Sequência didáticaSequência didática
Sequência didática
 
C.s.lewis as crônicas de nárnia - vol. 7 - a última batalha
C.s.lewis   as crônicas de nárnia - vol. 7 - a última batalhaC.s.lewis   as crônicas de nárnia - vol. 7 - a última batalha
C.s.lewis as crônicas de nárnia - vol. 7 - a última batalha
 
( Espiritismo) # - andre luiz - francisco c xavier - a lenda do peixinho ve...
( Espiritismo)   # - andre luiz - francisco c xavier - a lenda do peixinho ve...( Espiritismo)   # - andre luiz - francisco c xavier - a lenda do peixinho ve...
( Espiritismo) # - andre luiz - francisco c xavier - a lenda do peixinho ve...
 
Historias da avozinha
Historias da avozinhaHistorias da avozinha
Historias da avozinha
 
Alberto figueiredo-pimentel-historias-da-avozinha
Alberto figueiredo-pimentel-historias-da-avozinhaAlberto figueiredo-pimentel-historias-da-avozinha
Alberto figueiredo-pimentel-historias-da-avozinha
 
Boletim 550 29-07-12
Boletim 550 29-07-12Boletim 550 29-07-12
Boletim 550 29-07-12
 
T.G.
T.G.T.G.
T.G.
 
Historias da avozinha
Historias da avozinhaHistorias da avozinha
Historias da avozinha
 
Histórias da avozinha
Histórias da avozinhaHistórias da avozinha
Histórias da avozinha
 
EEI - Aula 3 a criação
EEI - Aula 3   a criaçãoEEI - Aula 3   a criação
EEI - Aula 3 a criação
 
Chico Xavier - Andre Luiz - Libertação
Chico Xavier - Andre Luiz - LibertaçãoChico Xavier - Andre Luiz - Libertação
Chico Xavier - Andre Luiz - Libertação
 

Mais de filomena morais

As escolas medievais e as universidades
As escolas medievais e as universidadesAs escolas medievais e as universidades
As escolas medievais e as universidades
filomena morais
 
A cultura monástica,cortesã e a cultura popular.
A cultura monástica,cortesã e a cultura popular.A cultura monástica,cortesã e a cultura popular.
A cultura monástica,cortesã e a cultura popular.
filomena morais
 
A vida nas cidades medievais pág
A vida nas cidades medievais págA vida nas cidades medievais pág
A vida nas cidades medievais pág
filomena morais
 
Ficha1 pca-ortografia- port
Ficha1 pca-ortografia- portFicha1 pca-ortografia- port
Ficha1 pca-ortografia- port
filomena morais
 
Ficha1 pca-ortografia- port
Ficha1 pca-ortografia- portFicha1 pca-ortografia- port
Ficha1 pca-ortografia- port
filomena morais
 
26344289 ficha-de-avaliacao-de-cn-8º-ano-factores-abioticos-e-bioticos-fluxo-...
26344289 ficha-de-avaliacao-de-cn-8º-ano-factores-abioticos-e-bioticos-fluxo-...26344289 ficha-de-avaliacao-de-cn-8º-ano-factores-abioticos-e-bioticos-fluxo-...
26344289 ficha-de-avaliacao-de-cn-8º-ano-factores-abioticos-e-bioticos-fluxo-...
filomena morais
 
Estrutura teste geo7º
Estrutura teste geo7ºEstrutura teste geo7º
Estrutura teste geo7º
filomena morais
 
Ue2
Ue2Ue2
Alargamentos da ue
Alargamentos da ueAlargamentos da ue
Alargamentos da ue
filomena morais
 
Ficha nº4 7º ano ue
Ficha nº4 7º ano  ueFicha nº4 7º ano  ue
Ficha nº4 7º ano ue
filomena morais
 
84967384 51663161-ficha-sumativa-sismos-vulcoes-1 (2)
84967384 51663161-ficha-sumativa-sismos-vulcoes-1 (2)84967384 51663161-ficha-sumativa-sismos-vulcoes-1 (2)
84967384 51663161-ficha-sumativa-sismos-vulcoes-1 (2)
filomena morais
 
68120276 estruturainterna
68120276 estruturainterna68120276 estruturainterna
68120276 estruturainterna
filomena morais
 
001 ft-sismos
001 ft-sismos001 ft-sismos
001 ft-sismos
filomena morais
 
Ficha de-coordenadas-e-escalas2 (1)
Ficha de-coordenadas-e-escalas2 (1)Ficha de-coordenadas-e-escalas2 (1)
Ficha de-coordenadas-e-escalas2 (1)
filomena morais
 
240590660 2014-15-0-p-diagnostica-7º-geog-22-set-v1-rp
240590660 2014-15-0-p-diagnostica-7º-geog-22-set-v1-rp240590660 2014-15-0-p-diagnostica-7º-geog-22-set-v1-rp
240590660 2014-15-0-p-diagnostica-7º-geog-22-set-v1-rp
filomena morais
 
250597889 2014-15-3-teste-7ºa-geog-12-dez-v2-rp
250597889 2014-15-3-teste-7ºa-geog-12-dez-v2-rp250597889 2014-15-3-teste-7ºa-geog-12-dez-v2-rp
250597889 2014-15-3-teste-7ºa-geog-12-dez-v2-rp
filomena morais
 

Mais de filomena morais (16)

As escolas medievais e as universidades
As escolas medievais e as universidadesAs escolas medievais e as universidades
As escolas medievais e as universidades
 
A cultura monástica,cortesã e a cultura popular.
A cultura monástica,cortesã e a cultura popular.A cultura monástica,cortesã e a cultura popular.
A cultura monástica,cortesã e a cultura popular.
 
A vida nas cidades medievais pág
A vida nas cidades medievais págA vida nas cidades medievais pág
A vida nas cidades medievais pág
 
Ficha1 pca-ortografia- port
Ficha1 pca-ortografia- portFicha1 pca-ortografia- port
Ficha1 pca-ortografia- port
 
Ficha1 pca-ortografia- port
Ficha1 pca-ortografia- portFicha1 pca-ortografia- port
Ficha1 pca-ortografia- port
 
26344289 ficha-de-avaliacao-de-cn-8º-ano-factores-abioticos-e-bioticos-fluxo-...
26344289 ficha-de-avaliacao-de-cn-8º-ano-factores-abioticos-e-bioticos-fluxo-...26344289 ficha-de-avaliacao-de-cn-8º-ano-factores-abioticos-e-bioticos-fluxo-...
26344289 ficha-de-avaliacao-de-cn-8º-ano-factores-abioticos-e-bioticos-fluxo-...
 
Estrutura teste geo7º
Estrutura teste geo7ºEstrutura teste geo7º
Estrutura teste geo7º
 
Ue2
Ue2Ue2
Ue2
 
Alargamentos da ue
Alargamentos da ueAlargamentos da ue
Alargamentos da ue
 
Ficha nº4 7º ano ue
Ficha nº4 7º ano  ueFicha nº4 7º ano  ue
Ficha nº4 7º ano ue
 
84967384 51663161-ficha-sumativa-sismos-vulcoes-1 (2)
84967384 51663161-ficha-sumativa-sismos-vulcoes-1 (2)84967384 51663161-ficha-sumativa-sismos-vulcoes-1 (2)
84967384 51663161-ficha-sumativa-sismos-vulcoes-1 (2)
 
68120276 estruturainterna
68120276 estruturainterna68120276 estruturainterna
68120276 estruturainterna
 
001 ft-sismos
001 ft-sismos001 ft-sismos
001 ft-sismos
 
Ficha de-coordenadas-e-escalas2 (1)
Ficha de-coordenadas-e-escalas2 (1)Ficha de-coordenadas-e-escalas2 (1)
Ficha de-coordenadas-e-escalas2 (1)
 
240590660 2014-15-0-p-diagnostica-7º-geog-22-set-v1-rp
240590660 2014-15-0-p-diagnostica-7º-geog-22-set-v1-rp240590660 2014-15-0-p-diagnostica-7º-geog-22-set-v1-rp
240590660 2014-15-0-p-diagnostica-7º-geog-22-set-v1-rp
 
250597889 2014-15-3-teste-7ºa-geog-12-dez-v2-rp
250597889 2014-15-3-teste-7ºa-geog-12-dez-v2-rp250597889 2014-15-3-teste-7ºa-geog-12-dez-v2-rp
250597889 2014-15-3-teste-7ºa-geog-12-dez-v2-rp
 

Testesumativo2 120320052955-phpapp01

  • 1. ESCOLA EB 2,3 DR. JOÃO DAS REGRAS Teste de Língua Portuguesa— 7.º Ano de Escolaridade Duração do Teste:90 minutos|Fev.2012 Nome _______________________________________________________ N.º _______ Turma _______ Classificação ________________ Professor ______________ Enc. Educação _______________ GRUPO I PARTE A Lê o texto com muita atenção e recorda o estudo que efetuaste à respetiva obra. Recomposto da surpresa não foi capaz de reprimir o riso e, quando se dobrou apertando a barriga de tanto rir, Zorbas aproveitou para se introduzir no interior da casa. Quando o humano, ainda morto de riso, se virou, deu com o gato grande, preto e gordo sentado num cadeirão. - Basta de concerto! És um sedutor muito original, mas receio que a Bubulina não goste da tua música. Um concerto ruim! Disse o humano. - Sei que canto muito mal. Ninguém é perfeito – respondeu Zorbas na linguagem dos humanos. O humano abriu a boca, deu uma palmada na cara e encostou as costas a uma parede. - Tu fa… fa… falas – exclamou o humano. - Também tu falas e eu não estranho. Por favor, acalma-te – aconselhou-lhe Zorbas. - Um… um ga… gato… que fala – disse o humano deixando-se cair no sofá. - Não falo, mio, mas na tua língua. Sei miar em muitas línguas – esclareceu Zorbas. O humano levou as mãos à cabeça e tapou os olhos, enquanto repetia «é do cansaço, é do cansaço». Ao retirar as mãos, o gato grande, preto e gordo continuava no cadeirão. - São alucinações(1). Não é verdade que és uma alucinação? Perguntou o humano. - Não, sou um gato de verdade que está a miar contigo – garantiu-lhe Zorbas. – Entre muitos humanos, nós, os gatos do porto, escolhemos-te a ti para te confiarmos um grande problema, e para nos ajudares. Não estás louco. Eu sou real. (…) - Então posso ir ao que interessa – propôs Zorbas. O humano concordou, mas pediu-lhe que respeitasse o ritual da conversa dos humanos. Serviu ao gato um prato de leite, e ele acomodou-se no sofá com um copo de conhaque nas mãos. - Mia, gato – disse o humano, e Zorbas contou-lhe a história da gaivota, do ovo, de Ditosa e dos infrutíferos(2) esforços dos gatos para a ensinarem a voar. - Podes ajudar-nos? – quis saber Zorbas quando terminou o seu relato. - Acho que sim. Esta noite mesmo – respondeu o humano. Luís Sepúlveda, História de uma Gaivota e do Gato que a Ensinou a Voar VOCABULÁRIO: (1)alucinação – ilusão,delírio,ver coisas quenão são reais; (2)infrutífero – que não dá frutos/resultados.
  • 2. Responde aos itens queseseguem, deacordo com as orientações quete são dadas. 1. «- Podesajudar-nos?» 1.1. Zorbas pede ajudaaohumanopara quê? Quemsão os gatosdo porto? E de que porto se trata? _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ 2. Qual foi o «grande problema» de Zorbasaolongode toda a obra? _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ ___________________________________ 3. Quemo ajudouaté ao presente momento (deste texto) e porquê? _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ 4. Em que parte da obra se localizaeste episódio?Antese depoisde quê? _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ _______________________________________________________ 5. Os gatosdo porto tinhamumtabu que tiveramde «quebrar».Qual erao seutabu? _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ _______________________________________________________ 6. Retira/copiadotextoumapassagemexemplificativade: 6.1. Descrição:_____________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ ___________________________________________________________ 6.2. Narrativa: _______________________________________________________________________________ ___________________________________________________________ 6.3. Diálogo: _______________________________________________________________________________ ___________________________________________________________
  • 3. PARTE B Lê atentamente o texto, recorda o estudo efetuado à totalidade da obra e responde, em seguida, ao questionário apresentado. Quando chegou o dia de Natal, ao fim da tarde, o cavaleiro dirigiu-se para a gruta de Belém. Ali rezou no lugar onde a Virgem, São José, o boi, o burro, os pastores,os Reis Magos e os Anjos tinham adorado a criança acabada de nascer. E, quando na torre das Igrejas bateram as doze badaladas da meia-noite, o Cavaleiro julgou ouvir um cântico altíssimo cantado por multidões inumeráveis, a oração dos Anjos: ”Glória a Deus nas alturas e Paz na terra aos homens de boa vontade.” Então desceu sobre ele uma grande paz e uma grande confiança e, chorando de alegria, beijou as pedras da gruta. Rezou muito, nessa noite, o cavaleiro. Rezou pelo fim das misérias e das guerras, rezou pela paz e pela alegria do mundo. Pediu a Deus que o fizesse um homem de boa vontade, um homem de vontade clara e direita, capaz de amar os outros. E pediu também aos anjos que o protegessem e guiassem na viagem de regresso, para que, dai a um ano, ele pudesse comemorar o Natal na sua casa com os seus. Passado o Natal o cavaleiro demorou-se ainda mais dois meses na Palestina visitando os lugares que tinham visto passar Abraão e David, os lugares que tinham visto passar a arca da aliança, o cortejo da Rainha do Sabá e seus camelos carregados de perfumes, os exércitos da Babilónia, as legiões romanas e Cristo pregando às multidões. Depois, em fins de Fevereiro, despediu-se de Jerusalém e, na companhia de outros peregrinos, partiu para o porto de Jafa. Entre esses peregrinos havia um mercador de Veneza com quem o cavaleiro travou grande amizade. Em Jafa foram obrigados a esperar pelo bom tempo e só embarcaram em meados de Fevereiro. Mas uma vez no mar foram assaltados pela tempestade. O navio ora subia na crista da vaga ora recaía pesadamente estremecendo de ponta a ponta. Os mastros e os cabos estalavam e gemiam. As ondas batiam com fúria no casco e varriam a popa. O navio ora virava todo para a esquerda,ora virava todo para a direita,e os marinheiros davamà bomba para que ele nã o se enchesse de água. O vento rasgava as velas em pedaços e navegavam sem governo ao sabor do mar. - Ah! - pensava o cavaleiro. - Não voltarei a ver a minha terra. Mas passados cinco dias o vento amainou,o céu descobriu-se,o mar alisou as suas águas.Os marinheiros içaram velas novas e com a brisa soprando a favor puderam chegar ao porto de Ravena, na costa do Adriático, nas terras de Itália. in O Cavaleiro da Dinamarca, Sophia de Mello Breyner Responde aos itens queseseguem, deacordo com as orientações quete são dadas. 1. Sublinhaa respostacorreta: - O motivodaviagemdoCavaleiroàPalestina foi… a) Rezarna gruta de Belém; b) Visitaro país; c) Encontrar-se com umamigo; d) Tratar de negócios.
  • 4. 2. Assinalacom V (verdadeira) ou F(falsa) asseguintesafirmações e corrigi-as: 2.1. No diade Natal,ocavaleirofoi passearà gruta de Belém._______________________________ 2.2. O cavaleiroesteve aindadois mesesnaPalestinaavisitarlugaressagrados._______________ 2.3. Em Jafa,o cavaleirosóembarcouemmeadosde Fevereiro,porcausado mau tempo. ______ 2.4. Depoisdoembarque emJafa,a viagem correusemsobressaltos.________________________ 3. Quaisos sentimentosexperimentadospelocavaleiroaoouvirasdoze badaladasda meia-noite nagruta de Belém,nanoite de Natal? _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ 4. «E pediu também aos anjos queo protegessem e guiassemna viagem de regresso» 4.1. Para onde regressa o Cavaleiro epor que locais passa atéaí chegar? __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________ 4.2. Ao longodaviagem,oCavaleirofoi conhecendonovaspessoasque lhe deramabrigo.Indicaquem são e a profissãode cadaum dos seusanfitriões. __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ 4.3. Ao longo da viagem de regresso são lhecontadas váriashistórias. Podemos dizer que essas históriassão pequenas narrativas________________________ (completa o espaço) na narrativa principal. 4.4. Completa as frases: 4.4.1. Uma vez que o narrador da narrativa principal não participa como personagem na história quenarra, podemos afirmar que,quanto à sua presença, ele é _______________________________________. 4.4.2. Esse mesmo narrador conhecetudo o que narra,incluindo asvivências interiores das personagens, logo podemos afirmar que, quanto à sua ciência, ele é _____________________________________. 4.4.3. Além disso,essemesmo narrador toma uma posição imparcial faceao queestá a narrar,sendo assim, um narrador ______________________________________.
  • 5. 4.5. Em cada umadas casas, o Cavaleiroouviuhistóriasextraordinárias.Completaoquadroabaixode acordo com a narrativa. História 1 História 2 História 3 História 4 Título da história Cidade onde o Cavaleiro se encontra. Na casa de quem? Narrador da história 4.6. Coloca por ordem as seguintes passagens deO Cavaleiro da Dinamarca: ________ « Então havia sempre azáfama na cas do Cavaleiro.Juntava-sea família evinhamamigos e parentes, criados da cas eservos da floresta.» ________ «A Dinamarca ficano Norte da Europa. Ali os Invernos são longos e rigorosos comnoites muito compridas edias curtos,pálidosegelados.» ________ «- Ouve – disseo Mercador ao Cavaleiro - , não fiques aqui à espera de outro navio.Vem comigo até Veneza. Se Ravena te espanta mais te espantará a minha cidadeconstruída sobreas águas.» ________ « Quem será o pintor que vem pintar as pedras das colinas? –exclamou Cimabué, maravilhado e cheio de surpresa. ________ « - Demorei mais do que queria – respondeu o peregrino -. Mas graças a Deus cheguei a tempo. Hoje antes da meia-noite estarei em minha casa.» _______ « Caminhou durante longas semanas.Como os dias eramcurtos e não se podia viajardenoite, avançava lentamente.» 4.7. O Cavaleiro fezuma promessa que vai referindo ao longo da história: « - Não - disse o Cavaleiro. – Tenho de partir. Prometi (…)» 4.7.1. O que tinha o Cavaleiro prometido e a quem? Consegue cumprir a promessa,como? ___________________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________________
  • 6. GRUPO II - Conhecimento Explícito da Língua Responde aositensque se seguem, de acordocomas orientaçõesque te sãodadas. 1. Observa as Frasesque se seguem,identificaosGRUPOSDE PALAVRAS sublinhados e faz um círculo à volta das respetivas PALAVRASNUCLEARESde cada Grupo,identificando-atambém. 1.1. Zorbas ensinouagaivotaa voar. 1.2. Voucom o meupai à livraria. 1.3. Vamospôr uma mesabonita. 2. Sublinha as formas verbais principais das seguintes frases: 2.1. O João deu um bolo ao primo. 2.2. Ele vai com o seu pai à livraria. 2.3. A Rita levou o recado à mãe. 2.4. A mãe contou uma história ao filho. 3. Preenche o quadro utilizando as frases anteriores: Grupo Nominal - Sujeito Grupo Verbal - Predicado 4. Sublinha o SUJEITO das seguintes frases e indica se este é SIMPLES ou COMPOSTO. 4.1. O elefante é um animal muito pesado. __________________________ 4.2. O elefante, a girafa e o macaco fizeram vários números. _________________________ 4.3. Só quem cresceu no circo ou tem espírito aventureiro pode compreender. _________________________ 5. Classifica o respetivo SUJEITO NULO em cada uma das seguintes frases: 5.1. Vi vários espetáculos de circo. ___________________________________________________________ 5.2. Choveu toda a noite no acampamento. ____________________________________________________ 5.3. Dizem maravilhas deste jogador. _________________________________________________________
  • 7. 6. Sublinha e identifica os COMPLEMENTOS verbais. 6.1. Os meus pais compraram um cão ao meu irmão. 6.2. O Rui deu um boneco à Patrícia. 6.3. Eu nunca tive uma flor. 6.4. O Fábio gosta de livros. 7. Reescreve as frases anteriores, substituindo os COMPLEMENTOS pelo respetivo PRONOME PESSOAL. 7.1. _______________________________________________________________ 7.2. _______________________________________________________________ 7.3. _______________________________________________________________ 7.4. _______________________________________________________________ 8. Por que motivo não pudeste substituir o complemento da frase 6.4 por um Pronome Pessoal? É possível substituí-lo por outras palavras, quais? __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ 9. Preenche o quadro com os dados adequados: Pergunto ao VERBO: A resposta dá-me: ? O Sujeito ? O Complemento Direto ? O Complemento Indireto GRUPO III Expressão Escrita Por certo, a chegada do Cavaleiro e o seu reencontro com a família foi uma cena de grande comoção. Alternando narração, descrição e diálogo, narra o episódio da chegada, em que o protagonista conta, num ambiente emocionado, as aventuras que viveu. (Não deves exceder trinta linhas.)
  • 8. GRUPO III Expressão Escrita ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________________
  • 9. GRUPO III Expressão Escrita Recorda o conto lido na aula “História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar” de Luís Sepúlveda. Elabora um resumo do conto. (Não deves exceder trinta linhas.) Por certo, a chegada do Cavaleiro e o seu reencontro com a família foi uma cena de grande comoção. Alternando narração, descrição e diálogo, conta o episódio da chegada, em que o protagonista conta, num ambiente emocionado, as aventuras que viveu. (O texto deverá ter de 100 a 150 palavras.)