SlideShare uma empresa Scribd logo
Pós Graduação latu sensu em Direito Civil e
Processual Civil
Teoria dos Recursos Previdenciários
Professor Rogerio de Vidal Cunha
Bel em Direito pela Universidade Federal do Rio Grande – FURG
Especialista pela Universidade da Região da Campanha
Juiz de Direito do TJPR
Blog: www.profrogeriocunha.blogspot.com
Twitter: @rogerio_cunha
Facebook: https://www.facebook.com/ProfRogerioCunha
O RECURSO NO SISTEMA DOS MEIOS DE IMPUGNAÇÃO DA
DECISÃO JUDICIAL
a) Recursos: define-se como o remédio voluntário e idôneo a ensejar, dentro
do mesmo processo, a reforma, a invalidação, o esclarecimento ou a
integração da decisão judicial que se impugna. O meio utilizado deve ser
idôneo a obter o resultado pretendido. Para isso, é preciso que, na ordem
processual brasileira, existia o tipo de recurso que deve ser adequado à
alteração e revisão da decisão. Ademais, a utilização do meio deve ser
adequada no aspecto formal e quanto ao tipo de decisão que se impugna.
b) Ações autônomas de impugnação : São instrumentos de impugnação
que dão origem a uma nova relação processual . São casos da :Ação
Rescisória, Mandado de Segurança, Querela Nullitatis , embargos de
terceiro, Habeas Corpus e a Reclamação
c) Sucedâneo recursal. São aqueles que não são nem recursos nem ações
autônomas de impugnação , como o pedido de reconsideração (que não
possui qualquer efeito processual interruptivo ou suspensivo) pedido de
suspensão de segurança ou tutela antecipada ( Lei 8.437/92), o reexame
necessário ( CPC art. 475) e a correição parcial
FUNDAMENTOS DOS RECURSOS
1. Falibilidade humana;
2. O segundo julgamento é feito por pessoas mais experientes;
3. Nenhum ato estatal deve fugir do controle, em atendimento ao
princípio da legalidade;
4. O inconformismo presente no recurso torna-se uma necessidade
psicológica.
5. Controle da legitimidade do ato judicial, posto que o recurso
garante o controle do poder do juiz, e a fundamentação exige a
demonstração dos autos.
NATUREZA JURÍDICA
1ª. Recurso é um desdobramento da relação processual em curso.
2ª. Recurso é uma ação constitutiva autônoma (nova ação).
3ª. Recurso todo meio destinado a obter a reforma de uma decisão.
Para Ada Pellegrini trata-se de “aspecto, elemento ou modalidade do próprio direito de ação e
de defesa”. Frederico Marques acrescenta que “não se trata de uma espécie autônoma de ação,
mas apenas o poder de rever decisões proferidas dentro do mesmo processo”.
A natureza jurídica do recurso tem grande importância para a questão da desistência posto que
por não inaugurar nova relação processual a desistência ( total ou parcial do recurso) pode ser
formulada independente da concordância da outra parte, ou mesmo de homologação judicial (
CPC art. 158, § único).
Somente se pode desistir de recurso já interposto, antes da interposição é caso de renúncia, que
também independe de concordância da outra parte ( CPC art. 502). Para ambos se exige
poderes especiais no mandato ( CPC art. 38).
Não há necessidade de homologação judicial, mas no julgamento do REsp 1308830 o STJ
, mesmo ante o pedido de desistência do recurso, optou por julga-lo mesmo contra
a vontade das partes.
Esse foi o fundamento da Ministra Relatora: “A partir daí, infere-se que o
julgamento dos recursos submetidos ao STJ ultrapassa o interesse individual das
partes nele envolvidas, alcançando toda a coletividade para a qual suas decisões
irradiam efeitos.”
Mas a decisão deve ser interpretada à luz da concepção instaurada pelo art. 543-C do CPC.
O IMPACTO DA LEI 11.232/2005
SOBRE O CONCEITO DE SENTENÇA
 nova redação do § 1º do art. 162, cpc (“sentença é o ato do juiz
proferido conforme os arts. 267 e 269 desta lei.”)
 nem toda decisão que tenha por conteúdo uma das hipóteses dos
arts. 267 ou 269 é sentença
 toda sentença terá como conteúdo uma das hipóteses previstas nos
arts. 267 ou 269, mas nem todas as decisões que tenham este
conteúdo serão sentenças.
 O exemplo clássico é a decisão que exclui por ilegitimidade de uma
das parte, permanecendo o processo em relação aos demais.
 Trata-se de sentença ou decisão? E em tal caso, qual o recurso
cabível? Apelação ou Agravo? Ou Ainda, como defendem alguns,
“apelação por instrumento”?
1. O que é um princípio?
Os princípios constituem espécie do gênero norma jurídica.
Segundo Nelson Nery Júnior: “Norma é o sentido atribuído a qualquer
disposição. Disposição é parte de um texto ainda a interpretar. Norma é parte de
um texto interpretado.” (Princípios do Processo Civil na Constituição Federal, 9ª
edição, pág. 22)
Os princípios podem ser explícitos ou implícitos. Os primeiros são aqueles que
estão expressamente consagrados em um texto normativo (constitucional ou legal),
enquanto os segundos decorrem da análise de um determinado sistema jurídico.
A grande mudança de paradigma do direito moderno foi o reconhecimento da
força normativa dos princípios ( STF, RE 477554 AgR, Relator(a): Min. CELSO
DE MELLO, Segunda Turma, julgado em 16/08/2011, DJe-164 DIVULG 25-08-
2011 PUBLIC 26-08-2011 EMENT VOL-02574-02 PP-00287 RTJ VOL-00220-
PP-00572).
2. Princípio do duplo grau de jurisdição
O princípio do duplo grau de jurisdição “consiste em estabelecer a
possibilidade de a sentença definitiva ser reapreciada por órgão de
jurisdição, normalmente de hierarquia superior à daquele que a proferiu, o
que se faz de ordinário pela interposição de recurso. Não é necessário que
o segundo julgamento seja conferido a órgão diverso ou de categoria
hierárquica superior à daquele que realizou o primeiro exame.” (Princípios
Fundamentais – Teoria Geral dos Recursos, 5ª edição, pág. 43)
O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar questão envolvendo a
constitucionalidade da exigência de depósito para a interposição de recurso
administrativo, afirmou que o princípio do duplo grau de jurisdição não
havia sido contemplado pela Constituição (RE nº 356.287-8).
Posteriormente, o STF entendeu inválida a exigência de depósito para a
interposição de recurso administrativo. O fundamento invocado não foi a
ofensa ao princípio do duplo grau de jurisdição (ADI nº 1976) .
O duplo grau de jurisdição e a CIDH
No caso Las Palmeras a Corte Interamericana mandou processar novamente um
determinado réu (na Colômbia) porque o juiz do processo era o mesmo que o tinha
investigado anteriormente.
Posteriormente no caso Barreto Leiva a mesma Corte declarou que a Venezuela
violou o Pacto de San José “posto que a condenação proveio de um tribunal que
conheceu o caso em única instância e o sentenciado não dispôs, em consequência
[da conexão], da possibilidade de impugnar a sentença condenatória.”
O STF, no julgamento da Ação Penal 470 o STF, especialmente o voto do Min
Celso de Mello defenderam que o julgamento em instância única não violaria o
Pacto de San José.
Links:
Las Palmeiras: http://www.corteidh.or.cr/docs/casos/articulos/Seriec_67_esp.pdf
Barreto Leiva: http://www.corteidh.or.cr/docs/casos/articulos/seriec_206_esp1.pdf
2. Princípio do duplo grau de jurisdição
O princípio do duplo grau de jurisdição decorre do fato de que a Constituição prevê
tribunais que possuem competência para julgar os recursos interpostos contra as
decisões proferidas pelos juízes de 1º grau.
O princípio do duplo grau de jurisdição não é absoluto, pois o próprio texto
constitucional prevê algumas hipóteses em que as causas não são recorríveis.
Críticas: O princípio não é imune de críticas, sendo as principais:
1. Desprestígio da primeira instância
2. Quebra da unidade do poder jurisdicional – insegurança
3. Afastamento da verdade
4. Inutilidade do procedimento oral
Como diz Marinoni: “ o leigo, quando se depara com um juiz na instrução,
e depois espera ansiosamente a sentença , imagina que ela terá algum efeito na sua
vida. Entretanto, com o duplo grau, a decisão do juiz não interfere em nada na vida
das pessoas; ela é, talvez, o projeto da única e verdadeira decisão: a do tribunal”
3. Princípio da taxatividade
Pelo princípio da taxatividade, adotado pelo sistema recursal brasileiro,
somente são recursos os meios de impugnação assim considerados por lei
federal.
O artigo 22, inciso I, da Constituição da República, estabelece que
compete exclusivamente à União legislar sobre processo civil, de forma
que os recursos não podem ser legitimamente instituídos por leis
estaduais.
O Supremo Tribunal Federal já decidiu que “O agravo regimental, não
sendo recurso, mas meio de promover-se a integração do colegiado que o
relator representa, não é inconstitucional sob o fundamento de ofensa à
competência da União Federal para legislar sobre processo.” (AgR no
AI 247.591-RS, rel. Min. Moreira Alves)
Recursos conforme os pronunciamentos judiciais
Juízo Monocrático
Decisões
interlocutórias
Sentenças
Agravo ( de instrumento e retido)
Agravo do art. 5º da Lei 10.259/01
Apelação na impugnação ao pedido
de AJG ( Lei 1.060/50 art.. 17)
Apelação
Recurso Inominado ( JEC)
Recurso Ordinário Constitucional (
CPC art. 539, II do CPC c/c art. 102,
II,. “b” e art. 109 , IV da CF/88)
Recurso Extraordinário nas causas
de alçada
Agravo de instrumento contra a
sentença que decreta a falência ( LF
art. 100
Recursos conforme os pronunciamentos judiciais
Tribunais
Relator
Monocraticamente
Acórdãos
Julgamento
colegiado
Agravo Interno ou Regimental, no
prazo fixado na norma interna ( via
de regra 05 dias)
Embargos Infringentes
Recurso Extraordinário
Recurso Especial
Recurso Ordinário
Embargos de Divergência (
STJ/STF)
Presidente
Agravo de Instrumento ( CPC art.
544)
Agravo ( pedido de susp. De
segurança)
Agravo interno / regimental
Os embargos de
declaração
cabem de
qualquer
decisão judicial.
4. Princípio da singularidade
O princípio da singularidade, também conhecido com princípio da
unicidade ou da unirrecorribilidade, estabelece que para cada ato judicial há
um recurso correspondente no ordenamento.
O princípio da singularidade decorre da interpretação sistemática que se
faz do artigo 496, que enumera os recursos admissíveis pelo Código, e da
correlação que deve existir entre o artigo 162 e os artigos 504, 513 e 522.
Ou seja, para que seja possível saber o recurso cabível contra determinada
decisão é preciso identificar qual foi ato praticado pelo juiz (despacho de
mero expediente, decisão interlocutória ou sentença).
Não obstante a alteração realizada pela Lei 11.232/2005, que modificou o
conceito de sentença, ainda permanece válido para fins de identificação do
recurso cabível o entendimento segundo o qual sentença constitui ato que
põe termo ao processo.
4. Princípio da singularidade
Quando houver uma decisão complexa, que tenha apreciado de uma só vez
diversas questões, somente caberá um único recurso da parte prejudicada,
dependendo do fato da decisão extinguir ou não o processo.
Por isso, a sentença que julga procedente a demanda e concede um pedido de
tutela antecipada somente pode ser impugnada por meio de recurso de
apelação.
A decisão que, no saneamento do processo acolhe a preliminar de
ilegitimidade passiva, excluindo um dos réus da relação processual, e indefere
a produção de provas periciais, deve ser impugnada por agravo de instrumento
pelas partes sucumbentes.
O artigo 541 do Código prevê hipótese que excepciona o princípio da
singularidade, ao estabelecer que o recurso especial e extraordinário, quando
presentes os respectivos pressupostos, devem ser interpostos em petições
distintas perante o presidente ou vice-presidente do Tribunal recorrido.
5. Princípio da fungibilidade
O princípio da fungibilidade estabelece que um recurso pode ser admitido
no lugar de outro quando houver dúvida objetiva e inexistência de erro
grosseiro.
A dúvida objetiva ocorre quando existe divergência jurisprudencial e na
doutrinária sobre o recurso cabível contra determinado tipo de decisão.
O erro grosseiro fica caracterizado quando a parte interpõe recurso
impertinente, em lugar daquele expressamente previsto em lei.
O princípio da fungibilidade decorre do princípio da instrumentalidade
das formas, que está previsto no artigo 250 do Código.
5. Princípio da fungibilidade
A inexistência de previsão expressa do princípio da fungibilidade
decorreu do fato de que o atual Código simplificou o sistema recursal até
então existente, ao se estabelecer que cada ato deve ser impugnado pelo
recurso correspondente.
Ocorre que em certas ocasiões não é simples identificar a natureza do ato
que se pretenda impugnar. As principais fontes de incertezas decorrem (i)
de imprecisões terminológicas do próprio Código, que designa uma
decisão interlocutória como sentença e vice-versa; (ii) a doutrina e a
jurisprudência divergem quanto a classificação de determinados atos; e
(iii) o juiz profere um pronunciamento em lugar de outro.
5. Princípio da fungibilidade
O procedimento a ser adotado pelo juízo de 1º grau:
1.indicar, de forma fundamentada, por que entende que o recurso cabível é
agravo e não apelação;
2.indicar, de forma fundamentada, se estão presentes no caso os requisitos
necessários ao reconhecimento da fungibilidade;
3.aferir a tempestividade do recurso;
4.determinar que a parte apresente os documentos que irão formar o
instrumento, bem como facultar emenda para que a parte formule pedido
próprio e pertinente ao recurso cabível;
5.encaminhar ao tribunal competente o instrumento com o recurso,
emenda, documentos e decisão que reconheceu a existência da
fungibilidade.
5. Princípio da fungibilidade
O procedimento a ser adotado perante o tribunal:
1.quando a parte apelar ao invés de agravar, o tribunal não precisará
adotar providências com vistas à formação de instrumento, de forma que
bastará indicar, de forma fundamentada, o recurso cabível e a existência
dos requisitos da fungibilidade;
2. caso a parte agrave em vez de apelar, o tribunal, presentes os
requisitos da fungibilidade recursal, determinará a conversão do agravo
em apelação e encaminhará os autos ao juízo de 1º grau para que efetue
o processamento do recurso;
3.O tribunal também deverá facultar a possibilidade de emenda, a fim de
que parte possa adequar o recurso ao procedimento da apelação,
notadamente no que se refere ao pedido de efeito suspensivo quando
necessário.
6. Princípio da dialeticidade
O princípio da dialeticidade estabelece que a parte deve expor as razões
pelas quais a decisão impugnada deve ser reformada ou anulada.
A exigência de motivação se encontra nos artigos 514, II e III, quanto à
apelação; 524 II, relativamente ao agravo; 523, 3º, quanto ao agravo
retido; 536, no que tange aos embargos de declaração; 540 quanto ao
recurso ordinário; 541 quanto aos recursos especial e extraordinário.
As razões do recurso não só demarcam a extensão da insurgência (total
ou parcial), como ainda constituem elemento indispensável para que o
tribunal possa aferir a existência de error in judicando ou error in
procedendo.
6. Princípio da dialeticidade
As razões recursais devem apontar o motivo pelo qual a decisão
impugnada deve ser reformada ou anulada, motivo pelo qual não se
admite que a parte simplesmente reitere os argumentos expendidos na
petição inicial ou contestação, deixando-se de rebater os fundamentos
expendidos na decisão recorrida.
O Superior Tribunal de Justiça firmou o entendimento de que “é inviável
o agravo do art. 545 do CPC que deixa de atacar especificamente os
fundamentos da decisão agravada.” (Súmula 182 do STJ).
7. Princípio da voluntariedade
Segundo Nelson Nery Júnior “O recurso se compõe de duas partes
distintas sob o aspecto de conteúdo: a) declaração expressa sobre a
insatisfação com a decisão (elemento volitivo); b) os motivos dessa
insatisfação (elemento de razão ou descritivo).” (Princípios Fundamentais
– Teoria Geral dos Recursos, 5ª edição, pág. 152)
A insatisfação geradora da vontade de recorrer nada mais é do que uma
manifestação do princípio dispositivo na fase recursal (artigo 2º - Nenhum
juiz prestará a tutela jurisdicional senão quando a parte ou o interessado
a requerer, nos casos e forma legais).
8. Princípio da irrecorribilidade em separado das decisões
interlocutórias
O princípio irrecorribilidade em separado das interlocutórias estabelece
que os recursos interpostos contra estas decisões não suspendem o curso
do processo.
O artigo 558 do Código estabelece uma exceção ao princípio da
irrecorribilidade em separado das interlocutórias, ao estabelecer as
hipóteses em que é possível conferir efeito suspensivo ao agravo.
9. Princípio da complementaridade
O princípio da complementaridade estabelece que os recursos devem ser
interposto no prazo legal, juntamente com as razões de inconformismo.
No processo civil não é permitido o expediente de interpor-se recurso e,
em outra oportunidade, apresentar as razões que justificam a reforma ou a
anulação da decisão impugnada.
Pelo princípio da complementaridade, o recorrente poderá complementar
a fundamentação do recurso já interposto, caso a decisão impugnada
venha a ser alterada ou integrada em razão de acolhimento dos embargos
de declaração apresentados pela outra parte.
10. Princípio da proibição da reformatio in pejus
O princípio da proibição da reformatio in pejus impede que o tribunal
decida de forma mais desfavorável do que a decisão impugnada pelo
recorrente.
Segundo Nelson Nery Júnior, “desvantagem trazida pela reforma para
pior deverá situar-se no plano prático, o que não ocorrerá se o tribunal
apenas modificar a fundamentação da decisão recorrida.” (Princípios
Fundamentais – Teoria Geral dos Recursos, 5ª edição, pág. 157). Tal
entendimento não se aplica na ação civil pública e na ação popular.
O princípio da proibição da reformatio in pejus é uma decorrência da
devolutividade dos recursos, tendo em vista que o tribunal somente pode
julgar a questão nos limites da impugnação do recurso.
10. Princípio da proibição da reformatio in pejus
O princípio dispositivo também impede que o tribunal decida de forma
mais favorável ao recorrente (proibição da reformatio in melius) quando
este deixar de impugnar parte da decisão que lhe foi desfavorável.
O princípio da proibição da reformatio in pejus não impede que o
tribunal conheça de questão de ordem pública, ainda que em prejuízo do
recorrente.
Nelson Nery Júnior entende que o reexame necessário, por não se tratar
de recurso e devolver toda matéria ao conhecimento do tribunal, não
impede que seja proferida decisão mais desfavorável à Fazenda Pública
(Princípios Fundamentais – Teoria Geral dos Recursos, pág. 162/163).
Este entendimento não é adotado pela jurisprudência do Superior Tribunal
de Justiça, que, inclusive, editou a súmula nº 45 (No reexame necessário,
é defeso, ao Tribunal, agravar a condenação imposta à Fazenda Pública).
11. Princípio da consumação
O princípio da consumação estabelece que a parte deve recorrer na
oportunidade e na forma estabelecida pelo Código, de forma que,
decorrido o prazo ou interposto o recurso, a parte não pode mais efetuar
nova impugnação do pronunciamento judicial.
O recurso adesivo e a possibilidade de complementar o recurso em caso
decisão integrativa, aclaradora e modificadora de outra já impugnada
(princípio da complementaridade), constituem exceções ao princípio da
consumação.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Recursos Proc Civl
Recursos Proc CivlRecursos Proc Civl
Recursos Proc Civl
Antonio Pereira
 
Petição inicial
Petição inicialPetição inicial
Petição inicial
maribarr
 
Extinção dos contratos
Extinção dos contratosExtinção dos contratos
Extinção dos contratos
Pitágoras
 
Contrato de Empreitada - Direito Civil - Contratos
Contrato de Empreitada - Direito Civil - ContratosContrato de Empreitada - Direito Civil - Contratos
Contrato de Empreitada - Direito Civil - Contratos
lerroyt
 
AULA 02 - CONTRATOS - Interpretação e classificação.ppt
AULA 02 - CONTRATOS - Interpretação e classificação.pptAULA 02 - CONTRATOS - Interpretação e classificação.ppt
AULA 02 - CONTRATOS - Interpretação e classificação.ppt
LviaMiranda13
 
Acao penal
Acao penalAcao penal
Acao penal
Direito2012sl08
 
Esquema sobre ação rescisória
Esquema sobre ação rescisóriaEsquema sobre ação rescisória
Esquema sobre ação rescisória
Advogadassqn
 
DPP - Aula 11 - Sujeitos processuais
DPP - Aula 11 - Sujeitos processuaisDPP - Aula 11 - Sujeitos processuais
DPP - Aula 11 - Sujeitos processuaisdireitoturmamanha
 
Teoria geral dos recusos
Teoria geral dos recusosTeoria geral dos recusos
Teoria geral dos recusos
Dimensson Costa Santos
 
Recursos no novo código de processo civil
Recursos no novo código de processo civilRecursos no novo código de processo civil
Recursos no novo código de processo civil
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Direito Civil e Processual
Direito Civil e ProcessualDireito Civil e Processual
Direito Civil e Processual
Adeildo Caboclo
 
Vício redibitório - CIVIL 3
Vício redibitório - CIVIL 3Vício redibitório - CIVIL 3
Vício redibitório - CIVIL 3
tuliomedeiross
 
Processo do trabalho
Processo do trabalhoProcesso do trabalho
Processo do trabalho
Simone Freitas
 
O novo cpc e o cumprimento de sentença com Prof. Dijosete Veríssimo.
O novo cpc e o cumprimento de sentença com Prof. Dijosete Veríssimo.O novo cpc e o cumprimento de sentença com Prof. Dijosete Veríssimo.
O novo cpc e o cumprimento de sentença com Prof. Dijosete Veríssimo.
Dinarte Mariz
 
SINDICÂNCIA E PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR
SINDICÂNCIA E PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINARSINDICÂNCIA E PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR
SINDICÂNCIA E PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR
gestaopublicaonline
 
Direito penal ii ação penal
Direito penal ii   ação penalDireito penal ii   ação penal
Direito penal ii ação penal
Urbano Felix Pugliese
 
Direito de familia casamento 3
Direito de familia casamento 3Direito de familia casamento 3
Direito de familia casamento 3
Dimensson Costa Santos
 
Direito penal ii sursis
Direito penal ii    sursisDireito penal ii    sursis
Direito penal ii sursis
Urbano Felix Pugliese
 
Ação - TGP
Ação - TGPAção - TGP
Ação - TGP
Tércio De Santana
 
1187- Embargos a Monitória 2
1187- Embargos a Monitória 21187- Embargos a Monitória 2
1187- Embargos a Monitória 2
Consultor JRSantana
 

Mais procurados (20)

Recursos Proc Civl
Recursos Proc CivlRecursos Proc Civl
Recursos Proc Civl
 
Petição inicial
Petição inicialPetição inicial
Petição inicial
 
Extinção dos contratos
Extinção dos contratosExtinção dos contratos
Extinção dos contratos
 
Contrato de Empreitada - Direito Civil - Contratos
Contrato de Empreitada - Direito Civil - ContratosContrato de Empreitada - Direito Civil - Contratos
Contrato de Empreitada - Direito Civil - Contratos
 
AULA 02 - CONTRATOS - Interpretação e classificação.ppt
AULA 02 - CONTRATOS - Interpretação e classificação.pptAULA 02 - CONTRATOS - Interpretação e classificação.ppt
AULA 02 - CONTRATOS - Interpretação e classificação.ppt
 
Acao penal
Acao penalAcao penal
Acao penal
 
Esquema sobre ação rescisória
Esquema sobre ação rescisóriaEsquema sobre ação rescisória
Esquema sobre ação rescisória
 
DPP - Aula 11 - Sujeitos processuais
DPP - Aula 11 - Sujeitos processuaisDPP - Aula 11 - Sujeitos processuais
DPP - Aula 11 - Sujeitos processuais
 
Teoria geral dos recusos
Teoria geral dos recusosTeoria geral dos recusos
Teoria geral dos recusos
 
Recursos no novo código de processo civil
Recursos no novo código de processo civilRecursos no novo código de processo civil
Recursos no novo código de processo civil
 
Direito Civil e Processual
Direito Civil e ProcessualDireito Civil e Processual
Direito Civil e Processual
 
Vício redibitório - CIVIL 3
Vício redibitório - CIVIL 3Vício redibitório - CIVIL 3
Vício redibitório - CIVIL 3
 
Processo do trabalho
Processo do trabalhoProcesso do trabalho
Processo do trabalho
 
O novo cpc e o cumprimento de sentença com Prof. Dijosete Veríssimo.
O novo cpc e o cumprimento de sentença com Prof. Dijosete Veríssimo.O novo cpc e o cumprimento de sentença com Prof. Dijosete Veríssimo.
O novo cpc e o cumprimento de sentença com Prof. Dijosete Veríssimo.
 
SINDICÂNCIA E PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR
SINDICÂNCIA E PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINARSINDICÂNCIA E PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR
SINDICÂNCIA E PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR
 
Direito penal ii ação penal
Direito penal ii   ação penalDireito penal ii   ação penal
Direito penal ii ação penal
 
Direito de familia casamento 3
Direito de familia casamento 3Direito de familia casamento 3
Direito de familia casamento 3
 
Direito penal ii sursis
Direito penal ii    sursisDireito penal ii    sursis
Direito penal ii sursis
 
Ação - TGP
Ação - TGPAção - TGP
Ação - TGP
 
1187- Embargos a Monitória 2
1187- Embargos a Monitória 21187- Embargos a Monitória 2
1187- Embargos a Monitória 2
 

Semelhante a Teoria dos recursos parte I

Curso de direito processual civil
Curso de direito processual civilCurso de direito processual civil
Curso de direito processual civil
Kleper Gomes
 
Aula revisão Dto Trabalho
Aula revisão Dto TrabalhoAula revisão Dto Trabalho
Aula revisão Dto Trabalho
Mari Lopes
 
06. admissibilidade do recurso de revista (2)
06. admissibilidade do recurso de revista (2)06. admissibilidade do recurso de revista (2)
06. admissibilidade do recurso de revista (2)
Francinildo R. Fonseca Froz
 
Processo penal 05 recursos - rev. criminal
Processo penal 05   recursos - rev. criminalProcesso penal 05   recursos - rev. criminal
Processo penal 05 recursos - rev. criminal
Jordano Santos Cerqueira
 
Cescage Teoria Geral dos Recursos - aula 02
Cescage Teoria Geral dos Recursos - aula 02Cescage Teoria Geral dos Recursos - aula 02
Cescage Teoria Geral dos Recursos - aula 02
Mari Lopes
 
A SÚMULA IMPEDITIVA DE RECURSOS E A GARANTIA DE ACESSO A JUSTIÇA
A SÚMULA IMPEDITIVA DE RECURSOS E A GARANTIA DE ACESSO A JUSTIÇAA SÚMULA IMPEDITIVA DE RECURSOS E A GARANTIA DE ACESSO A JUSTIÇA
A SÚMULA IMPEDITIVA DE RECURSOS E A GARANTIA DE ACESSO A JUSTIÇA
Fabiano Desidério
 
Direito Processual do Trabalho
Direito Processual do TrabalhoDireito Processual do Trabalho
Direito Processual do Trabalho
João Paulo Costa Melo
 
Teoria dos recursos novo cpc
Teoria dos recursos   novo cpcTeoria dos recursos   novo cpc
Teoria dos recursos novo cpc
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Recursos no processo civil
Recursos no processo civilRecursos no processo civil
Recursos no processo civil
Ramires Martins
 
Teoria geral dos recursos
Teoria geral dos recursosTeoria geral dos recursos
Teoria geral dos recursos
stephany
 
Coisa Julgada
Coisa JulgadaCoisa Julgada
Coisa Julgada
Aloisio França Branco
 
Recursos TCU
Recursos TCURecursos TCU
Recursos TCU
elliando dias
 
Resumo de matéria do 7º semestre - Guilherme Madeira - Processo Penal (não te...
Resumo de matéria do 7º semestre - Guilherme Madeira - Processo Penal (não te...Resumo de matéria do 7º semestre - Guilherme Madeira - Processo Penal (não te...
Resumo de matéria do 7º semestre - Guilherme Madeira - Processo Penal (não te...
Fábio Peres
 
Curso intensivo de processo civil - Aula 01
Curso intensivo de processo civil - Aula 01Curso intensivo de processo civil - Aula 01
Curso intensivo de processo civil - Aula 01
topreparatorio
 
Nota tecnica cnpg
Nota tecnica cnpgNota tecnica cnpg
Cg.aula adin 2011
Cg.aula   adin 2011Cg.aula   adin 2011
Cg.aula adin 2011
Tacio Lacerda Gama
 
Exercício de recursos,embargo de declaração,coisa julgada,sentença e tutela a...
Exercício de recursos,embargo de declaração,coisa julgada,sentença e tutela a...Exercício de recursos,embargo de declaração,coisa julgada,sentença e tutela a...
Exercício de recursos,embargo de declaração,coisa julgada,sentença e tutela a...
Tércio De Santana
 
FDV. TePúblico. ADPF
FDV. TePúblico. ADPFFDV. TePúblico. ADPF
FDV. TePúblico. ADPF
Cláudio Colnago
 
Direito Constitucional - 2a fase da OAB (2014)
Direito Constitucional - 2a fase da OAB (2014)Direito Constitucional - 2a fase da OAB (2014)
Direito Constitucional - 2a fase da OAB (2014)
Editora Juspodivm
 
Recursos no-processo-do-trabalho
Recursos no-processo-do-trabalhoRecursos no-processo-do-trabalho
Recursos no-processo-do-trabalho
joicianepmw
 

Semelhante a Teoria dos recursos parte I (20)

Curso de direito processual civil
Curso de direito processual civilCurso de direito processual civil
Curso de direito processual civil
 
Aula revisão Dto Trabalho
Aula revisão Dto TrabalhoAula revisão Dto Trabalho
Aula revisão Dto Trabalho
 
06. admissibilidade do recurso de revista (2)
06. admissibilidade do recurso de revista (2)06. admissibilidade do recurso de revista (2)
06. admissibilidade do recurso de revista (2)
 
Processo penal 05 recursos - rev. criminal
Processo penal 05   recursos - rev. criminalProcesso penal 05   recursos - rev. criminal
Processo penal 05 recursos - rev. criminal
 
Cescage Teoria Geral dos Recursos - aula 02
Cescage Teoria Geral dos Recursos - aula 02Cescage Teoria Geral dos Recursos - aula 02
Cescage Teoria Geral dos Recursos - aula 02
 
A SÚMULA IMPEDITIVA DE RECURSOS E A GARANTIA DE ACESSO A JUSTIÇA
A SÚMULA IMPEDITIVA DE RECURSOS E A GARANTIA DE ACESSO A JUSTIÇAA SÚMULA IMPEDITIVA DE RECURSOS E A GARANTIA DE ACESSO A JUSTIÇA
A SÚMULA IMPEDITIVA DE RECURSOS E A GARANTIA DE ACESSO A JUSTIÇA
 
Direito Processual do Trabalho
Direito Processual do TrabalhoDireito Processual do Trabalho
Direito Processual do Trabalho
 
Teoria dos recursos novo cpc
Teoria dos recursos   novo cpcTeoria dos recursos   novo cpc
Teoria dos recursos novo cpc
 
Recursos no processo civil
Recursos no processo civilRecursos no processo civil
Recursos no processo civil
 
Teoria geral dos recursos
Teoria geral dos recursosTeoria geral dos recursos
Teoria geral dos recursos
 
Coisa Julgada
Coisa JulgadaCoisa Julgada
Coisa Julgada
 
Recursos TCU
Recursos TCURecursos TCU
Recursos TCU
 
Resumo de matéria do 7º semestre - Guilherme Madeira - Processo Penal (não te...
Resumo de matéria do 7º semestre - Guilherme Madeira - Processo Penal (não te...Resumo de matéria do 7º semestre - Guilherme Madeira - Processo Penal (não te...
Resumo de matéria do 7º semestre - Guilherme Madeira - Processo Penal (não te...
 
Curso intensivo de processo civil - Aula 01
Curso intensivo de processo civil - Aula 01Curso intensivo de processo civil - Aula 01
Curso intensivo de processo civil - Aula 01
 
Nota tecnica cnpg
Nota tecnica cnpgNota tecnica cnpg
Nota tecnica cnpg
 
Cg.aula adin 2011
Cg.aula   adin 2011Cg.aula   adin 2011
Cg.aula adin 2011
 
Exercício de recursos,embargo de declaração,coisa julgada,sentença e tutela a...
Exercício de recursos,embargo de declaração,coisa julgada,sentença e tutela a...Exercício de recursos,embargo de declaração,coisa julgada,sentença e tutela a...
Exercício de recursos,embargo de declaração,coisa julgada,sentença e tutela a...
 
FDV. TePúblico. ADPF
FDV. TePúblico. ADPFFDV. TePúblico. ADPF
FDV. TePúblico. ADPF
 
Direito Constitucional - 2a fase da OAB (2014)
Direito Constitucional - 2a fase da OAB (2014)Direito Constitucional - 2a fase da OAB (2014)
Direito Constitucional - 2a fase da OAB (2014)
 
Recursos no-processo-do-trabalho
Recursos no-processo-do-trabalhoRecursos no-processo-do-trabalho
Recursos no-processo-do-trabalho
 

Mais de Prof. Rogerio Cunha

O DEVER DE FUNDAMENTAÇÃO NO NCPC: Há mesmo o dever de responder todos os argu...
O DEVER DE FUNDAMENTAÇÃO NO NCPC: Há mesmo o dever de responder todos os argu...O DEVER DE FUNDAMENTAÇÃO NO NCPC: Há mesmo o dever de responder todos os argu...
O DEVER DE FUNDAMENTAÇÃO NO NCPC: Há mesmo o dever de responder todos os argu...
Prof. Rogerio Cunha
 
Do necessário controle difuso de convencionalidade da citação editalícia em c...
Do necessário controle difuso de convencionalidade da citação editalícia em c...Do necessário controle difuso de convencionalidade da citação editalícia em c...
Do necessário controle difuso de convencionalidade da citação editalícia em c...
Prof. Rogerio Cunha
 
"Normas fundamentais do NCPC: Caminhando para um processo civil constitucional"
"Normas fundamentais do NCPC: Caminhando para um processo civil constitucional""Normas fundamentais do NCPC: Caminhando para um processo civil constitucional"
"Normas fundamentais do NCPC: Caminhando para um processo civil constitucional"
Prof. Rogerio Cunha
 
Aplicação CPC /15 Vedação decisão surpresa
Aplicação CPC /15 Vedação decisão surpresa Aplicação CPC /15 Vedação decisão surpresa
Aplicação CPC /15 Vedação decisão surpresa
Prof. Rogerio Cunha
 
Decisão de Controle de Convencionalidade
Decisão de Controle de ConvencionalidadeDecisão de Controle de Convencionalidade
Decisão de Controle de Convencionalidade
Prof. Rogerio Cunha
 
Sentença Análise Constitucionalidade Cargo Comissionado
Sentença Análise Constitucionalidade Cargo ComissionadoSentença Análise Constitucionalidade Cargo Comissionado
Sentença Análise Constitucionalidade Cargo Comissionado
Prof. Rogerio Cunha
 
Hc111840 dt
Hc111840 dtHc111840 dt
Hc111840 dt
Prof. Rogerio Cunha
 
Ordem apresentação trabalhos na Mostra
Ordem apresentação trabalhos na MostraOrdem apresentação trabalhos na Mostra
Ordem apresentação trabalhos na Mostra
Prof. Rogerio Cunha
 
Regulamento mostra direito e musica urcamp
Regulamento mostra direito e musica urcampRegulamento mostra direito e musica urcamp
Regulamento mostra direito e musica urcamp
Prof. Rogerio Cunha
 
Direito Tributário e Direitos Fundamentais
Direito Tributário e Direitos FundamentaisDireito Tributário e Direitos Fundamentais
Direito Tributário e Direitos Fundamentais
Prof. Rogerio Cunha
 
Processo trabalho
Processo trabalhoProcesso trabalho
Processo trabalho
Prof. Rogerio Cunha
 
Recursos no processo do trabalho
Recursos no processo do trabalhoRecursos no processo do trabalho
Recursos no processo do trabalho
Prof. Rogerio Cunha
 
Direitos Fundamentais e Tributação
Direitos Fundamentais e TributaçãoDireitos Fundamentais e Tributação
Direitos Fundamentais e Tributação
Prof. Rogerio Cunha
 
Novas datas prova
Novas datas provaNovas datas prova
Novas datas prova
Prof. Rogerio Cunha
 
Resumo contribuições sociais 8212
Resumo contribuições sociais 8212Resumo contribuições sociais 8212
Resumo contribuições sociais 8212
Prof. Rogerio Cunha
 
Reforma processo penal_atualizado-1
Reforma processo penal_atualizado-1Reforma processo penal_atualizado-1
Reforma processo penal_atualizado-1
Prof. Rogerio Cunha
 
Procedimento Lei 9.099/95
Procedimento Lei 9.099/95Procedimento Lei 9.099/95
Procedimento Lei 9.099/95
Prof. Rogerio Cunha
 
Procedimentos Penais I
Procedimentos Penais IProcedimentos Penais I
Procedimentos Penais I
Prof. Rogerio Cunha
 
Aula 02 formalidades da prisão
Aula 02 formalidades da prisãoAula 02 formalidades da prisão
Aula 02 formalidades da prisão
Prof. Rogerio Cunha
 
Curso conselheiros tutelares_aula_01
Curso conselheiros tutelares_aula_01Curso conselheiros tutelares_aula_01
Curso conselheiros tutelares_aula_01
Prof. Rogerio Cunha
 

Mais de Prof. Rogerio Cunha (20)

O DEVER DE FUNDAMENTAÇÃO NO NCPC: Há mesmo o dever de responder todos os argu...
O DEVER DE FUNDAMENTAÇÃO NO NCPC: Há mesmo o dever de responder todos os argu...O DEVER DE FUNDAMENTAÇÃO NO NCPC: Há mesmo o dever de responder todos os argu...
O DEVER DE FUNDAMENTAÇÃO NO NCPC: Há mesmo o dever de responder todos os argu...
 
Do necessário controle difuso de convencionalidade da citação editalícia em c...
Do necessário controle difuso de convencionalidade da citação editalícia em c...Do necessário controle difuso de convencionalidade da citação editalícia em c...
Do necessário controle difuso de convencionalidade da citação editalícia em c...
 
"Normas fundamentais do NCPC: Caminhando para um processo civil constitucional"
"Normas fundamentais do NCPC: Caminhando para um processo civil constitucional""Normas fundamentais do NCPC: Caminhando para um processo civil constitucional"
"Normas fundamentais do NCPC: Caminhando para um processo civil constitucional"
 
Aplicação CPC /15 Vedação decisão surpresa
Aplicação CPC /15 Vedação decisão surpresa Aplicação CPC /15 Vedação decisão surpresa
Aplicação CPC /15 Vedação decisão surpresa
 
Decisão de Controle de Convencionalidade
Decisão de Controle de ConvencionalidadeDecisão de Controle de Convencionalidade
Decisão de Controle de Convencionalidade
 
Sentença Análise Constitucionalidade Cargo Comissionado
Sentença Análise Constitucionalidade Cargo ComissionadoSentença Análise Constitucionalidade Cargo Comissionado
Sentença Análise Constitucionalidade Cargo Comissionado
 
Hc111840 dt
Hc111840 dtHc111840 dt
Hc111840 dt
 
Ordem apresentação trabalhos na Mostra
Ordem apresentação trabalhos na MostraOrdem apresentação trabalhos na Mostra
Ordem apresentação trabalhos na Mostra
 
Regulamento mostra direito e musica urcamp
Regulamento mostra direito e musica urcampRegulamento mostra direito e musica urcamp
Regulamento mostra direito e musica urcamp
 
Direito Tributário e Direitos Fundamentais
Direito Tributário e Direitos FundamentaisDireito Tributário e Direitos Fundamentais
Direito Tributário e Direitos Fundamentais
 
Processo trabalho
Processo trabalhoProcesso trabalho
Processo trabalho
 
Recursos no processo do trabalho
Recursos no processo do trabalhoRecursos no processo do trabalho
Recursos no processo do trabalho
 
Direitos Fundamentais e Tributação
Direitos Fundamentais e TributaçãoDireitos Fundamentais e Tributação
Direitos Fundamentais e Tributação
 
Novas datas prova
Novas datas provaNovas datas prova
Novas datas prova
 
Resumo contribuições sociais 8212
Resumo contribuições sociais 8212Resumo contribuições sociais 8212
Resumo contribuições sociais 8212
 
Reforma processo penal_atualizado-1
Reforma processo penal_atualizado-1Reforma processo penal_atualizado-1
Reforma processo penal_atualizado-1
 
Procedimento Lei 9.099/95
Procedimento Lei 9.099/95Procedimento Lei 9.099/95
Procedimento Lei 9.099/95
 
Procedimentos Penais I
Procedimentos Penais IProcedimentos Penais I
Procedimentos Penais I
 
Aula 02 formalidades da prisão
Aula 02 formalidades da prisãoAula 02 formalidades da prisão
Aula 02 formalidades da prisão
 
Curso conselheiros tutelares_aula_01
Curso conselheiros tutelares_aula_01Curso conselheiros tutelares_aula_01
Curso conselheiros tutelares_aula_01
 

Último

Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 

Teoria dos recursos parte I

  • 1. Pós Graduação latu sensu em Direito Civil e Processual Civil Teoria dos Recursos Previdenciários Professor Rogerio de Vidal Cunha Bel em Direito pela Universidade Federal do Rio Grande – FURG Especialista pela Universidade da Região da Campanha Juiz de Direito do TJPR Blog: www.profrogeriocunha.blogspot.com Twitter: @rogerio_cunha Facebook: https://www.facebook.com/ProfRogerioCunha
  • 2. O RECURSO NO SISTEMA DOS MEIOS DE IMPUGNAÇÃO DA DECISÃO JUDICIAL a) Recursos: define-se como o remédio voluntário e idôneo a ensejar, dentro do mesmo processo, a reforma, a invalidação, o esclarecimento ou a integração da decisão judicial que se impugna. O meio utilizado deve ser idôneo a obter o resultado pretendido. Para isso, é preciso que, na ordem processual brasileira, existia o tipo de recurso que deve ser adequado à alteração e revisão da decisão. Ademais, a utilização do meio deve ser adequada no aspecto formal e quanto ao tipo de decisão que se impugna. b) Ações autônomas de impugnação : São instrumentos de impugnação que dão origem a uma nova relação processual . São casos da :Ação Rescisória, Mandado de Segurança, Querela Nullitatis , embargos de terceiro, Habeas Corpus e a Reclamação c) Sucedâneo recursal. São aqueles que não são nem recursos nem ações autônomas de impugnação , como o pedido de reconsideração (que não possui qualquer efeito processual interruptivo ou suspensivo) pedido de suspensão de segurança ou tutela antecipada ( Lei 8.437/92), o reexame necessário ( CPC art. 475) e a correição parcial
  • 3. FUNDAMENTOS DOS RECURSOS 1. Falibilidade humana; 2. O segundo julgamento é feito por pessoas mais experientes; 3. Nenhum ato estatal deve fugir do controle, em atendimento ao princípio da legalidade; 4. O inconformismo presente no recurso torna-se uma necessidade psicológica. 5. Controle da legitimidade do ato judicial, posto que o recurso garante o controle do poder do juiz, e a fundamentação exige a demonstração dos autos.
  • 4. NATUREZA JURÍDICA 1ª. Recurso é um desdobramento da relação processual em curso. 2ª. Recurso é uma ação constitutiva autônoma (nova ação). 3ª. Recurso todo meio destinado a obter a reforma de uma decisão. Para Ada Pellegrini trata-se de “aspecto, elemento ou modalidade do próprio direito de ação e de defesa”. Frederico Marques acrescenta que “não se trata de uma espécie autônoma de ação, mas apenas o poder de rever decisões proferidas dentro do mesmo processo”. A natureza jurídica do recurso tem grande importância para a questão da desistência posto que por não inaugurar nova relação processual a desistência ( total ou parcial do recurso) pode ser formulada independente da concordância da outra parte, ou mesmo de homologação judicial ( CPC art. 158, § único). Somente se pode desistir de recurso já interposto, antes da interposição é caso de renúncia, que também independe de concordância da outra parte ( CPC art. 502). Para ambos se exige poderes especiais no mandato ( CPC art. 38). Não há necessidade de homologação judicial, mas no julgamento do REsp 1308830 o STJ , mesmo ante o pedido de desistência do recurso, optou por julga-lo mesmo contra a vontade das partes. Esse foi o fundamento da Ministra Relatora: “A partir daí, infere-se que o julgamento dos recursos submetidos ao STJ ultrapassa o interesse individual das partes nele envolvidas, alcançando toda a coletividade para a qual suas decisões irradiam efeitos.” Mas a decisão deve ser interpretada à luz da concepção instaurada pelo art. 543-C do CPC.
  • 5. O IMPACTO DA LEI 11.232/2005 SOBRE O CONCEITO DE SENTENÇA  nova redação do § 1º do art. 162, cpc (“sentença é o ato do juiz proferido conforme os arts. 267 e 269 desta lei.”)  nem toda decisão que tenha por conteúdo uma das hipóteses dos arts. 267 ou 269 é sentença  toda sentença terá como conteúdo uma das hipóteses previstas nos arts. 267 ou 269, mas nem todas as decisões que tenham este conteúdo serão sentenças.  O exemplo clássico é a decisão que exclui por ilegitimidade de uma das parte, permanecendo o processo em relação aos demais.  Trata-se de sentença ou decisão? E em tal caso, qual o recurso cabível? Apelação ou Agravo? Ou Ainda, como defendem alguns, “apelação por instrumento”?
  • 6. 1. O que é um princípio? Os princípios constituem espécie do gênero norma jurídica. Segundo Nelson Nery Júnior: “Norma é o sentido atribuído a qualquer disposição. Disposição é parte de um texto ainda a interpretar. Norma é parte de um texto interpretado.” (Princípios do Processo Civil na Constituição Federal, 9ª edição, pág. 22) Os princípios podem ser explícitos ou implícitos. Os primeiros são aqueles que estão expressamente consagrados em um texto normativo (constitucional ou legal), enquanto os segundos decorrem da análise de um determinado sistema jurídico. A grande mudança de paradigma do direito moderno foi o reconhecimento da força normativa dos princípios ( STF, RE 477554 AgR, Relator(a): Min. CELSO DE MELLO, Segunda Turma, julgado em 16/08/2011, DJe-164 DIVULG 25-08- 2011 PUBLIC 26-08-2011 EMENT VOL-02574-02 PP-00287 RTJ VOL-00220- PP-00572).
  • 7. 2. Princípio do duplo grau de jurisdição O princípio do duplo grau de jurisdição “consiste em estabelecer a possibilidade de a sentença definitiva ser reapreciada por órgão de jurisdição, normalmente de hierarquia superior à daquele que a proferiu, o que se faz de ordinário pela interposição de recurso. Não é necessário que o segundo julgamento seja conferido a órgão diverso ou de categoria hierárquica superior à daquele que realizou o primeiro exame.” (Princípios Fundamentais – Teoria Geral dos Recursos, 5ª edição, pág. 43) O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar questão envolvendo a constitucionalidade da exigência de depósito para a interposição de recurso administrativo, afirmou que o princípio do duplo grau de jurisdição não havia sido contemplado pela Constituição (RE nº 356.287-8). Posteriormente, o STF entendeu inválida a exigência de depósito para a interposição de recurso administrativo. O fundamento invocado não foi a ofensa ao princípio do duplo grau de jurisdição (ADI nº 1976) .
  • 8. O duplo grau de jurisdição e a CIDH No caso Las Palmeras a Corte Interamericana mandou processar novamente um determinado réu (na Colômbia) porque o juiz do processo era o mesmo que o tinha investigado anteriormente. Posteriormente no caso Barreto Leiva a mesma Corte declarou que a Venezuela violou o Pacto de San José “posto que a condenação proveio de um tribunal que conheceu o caso em única instância e o sentenciado não dispôs, em consequência [da conexão], da possibilidade de impugnar a sentença condenatória.” O STF, no julgamento da Ação Penal 470 o STF, especialmente o voto do Min Celso de Mello defenderam que o julgamento em instância única não violaria o Pacto de San José. Links: Las Palmeiras: http://www.corteidh.or.cr/docs/casos/articulos/Seriec_67_esp.pdf Barreto Leiva: http://www.corteidh.or.cr/docs/casos/articulos/seriec_206_esp1.pdf
  • 9. 2. Princípio do duplo grau de jurisdição O princípio do duplo grau de jurisdição decorre do fato de que a Constituição prevê tribunais que possuem competência para julgar os recursos interpostos contra as decisões proferidas pelos juízes de 1º grau. O princípio do duplo grau de jurisdição não é absoluto, pois o próprio texto constitucional prevê algumas hipóteses em que as causas não são recorríveis. Críticas: O princípio não é imune de críticas, sendo as principais: 1. Desprestígio da primeira instância 2. Quebra da unidade do poder jurisdicional – insegurança 3. Afastamento da verdade 4. Inutilidade do procedimento oral Como diz Marinoni: “ o leigo, quando se depara com um juiz na instrução, e depois espera ansiosamente a sentença , imagina que ela terá algum efeito na sua vida. Entretanto, com o duplo grau, a decisão do juiz não interfere em nada na vida das pessoas; ela é, talvez, o projeto da única e verdadeira decisão: a do tribunal”
  • 10. 3. Princípio da taxatividade Pelo princípio da taxatividade, adotado pelo sistema recursal brasileiro, somente são recursos os meios de impugnação assim considerados por lei federal. O artigo 22, inciso I, da Constituição da República, estabelece que compete exclusivamente à União legislar sobre processo civil, de forma que os recursos não podem ser legitimamente instituídos por leis estaduais. O Supremo Tribunal Federal já decidiu que “O agravo regimental, não sendo recurso, mas meio de promover-se a integração do colegiado que o relator representa, não é inconstitucional sob o fundamento de ofensa à competência da União Federal para legislar sobre processo.” (AgR no AI 247.591-RS, rel. Min. Moreira Alves)
  • 11. Recursos conforme os pronunciamentos judiciais Juízo Monocrático Decisões interlocutórias Sentenças Agravo ( de instrumento e retido) Agravo do art. 5º da Lei 10.259/01 Apelação na impugnação ao pedido de AJG ( Lei 1.060/50 art.. 17) Apelação Recurso Inominado ( JEC) Recurso Ordinário Constitucional ( CPC art. 539, II do CPC c/c art. 102, II,. “b” e art. 109 , IV da CF/88) Recurso Extraordinário nas causas de alçada Agravo de instrumento contra a sentença que decreta a falência ( LF art. 100
  • 12. Recursos conforme os pronunciamentos judiciais Tribunais Relator Monocraticamente Acórdãos Julgamento colegiado Agravo Interno ou Regimental, no prazo fixado na norma interna ( via de regra 05 dias) Embargos Infringentes Recurso Extraordinário Recurso Especial Recurso Ordinário Embargos de Divergência ( STJ/STF) Presidente Agravo de Instrumento ( CPC art. 544) Agravo ( pedido de susp. De segurança) Agravo interno / regimental Os embargos de declaração cabem de qualquer decisão judicial.
  • 13. 4. Princípio da singularidade O princípio da singularidade, também conhecido com princípio da unicidade ou da unirrecorribilidade, estabelece que para cada ato judicial há um recurso correspondente no ordenamento. O princípio da singularidade decorre da interpretação sistemática que se faz do artigo 496, que enumera os recursos admissíveis pelo Código, e da correlação que deve existir entre o artigo 162 e os artigos 504, 513 e 522. Ou seja, para que seja possível saber o recurso cabível contra determinada decisão é preciso identificar qual foi ato praticado pelo juiz (despacho de mero expediente, decisão interlocutória ou sentença). Não obstante a alteração realizada pela Lei 11.232/2005, que modificou o conceito de sentença, ainda permanece válido para fins de identificação do recurso cabível o entendimento segundo o qual sentença constitui ato que põe termo ao processo.
  • 14. 4. Princípio da singularidade Quando houver uma decisão complexa, que tenha apreciado de uma só vez diversas questões, somente caberá um único recurso da parte prejudicada, dependendo do fato da decisão extinguir ou não o processo. Por isso, a sentença que julga procedente a demanda e concede um pedido de tutela antecipada somente pode ser impugnada por meio de recurso de apelação. A decisão que, no saneamento do processo acolhe a preliminar de ilegitimidade passiva, excluindo um dos réus da relação processual, e indefere a produção de provas periciais, deve ser impugnada por agravo de instrumento pelas partes sucumbentes. O artigo 541 do Código prevê hipótese que excepciona o princípio da singularidade, ao estabelecer que o recurso especial e extraordinário, quando presentes os respectivos pressupostos, devem ser interpostos em petições distintas perante o presidente ou vice-presidente do Tribunal recorrido.
  • 15. 5. Princípio da fungibilidade O princípio da fungibilidade estabelece que um recurso pode ser admitido no lugar de outro quando houver dúvida objetiva e inexistência de erro grosseiro. A dúvida objetiva ocorre quando existe divergência jurisprudencial e na doutrinária sobre o recurso cabível contra determinado tipo de decisão. O erro grosseiro fica caracterizado quando a parte interpõe recurso impertinente, em lugar daquele expressamente previsto em lei. O princípio da fungibilidade decorre do princípio da instrumentalidade das formas, que está previsto no artigo 250 do Código.
  • 16. 5. Princípio da fungibilidade A inexistência de previsão expressa do princípio da fungibilidade decorreu do fato de que o atual Código simplificou o sistema recursal até então existente, ao se estabelecer que cada ato deve ser impugnado pelo recurso correspondente. Ocorre que em certas ocasiões não é simples identificar a natureza do ato que se pretenda impugnar. As principais fontes de incertezas decorrem (i) de imprecisões terminológicas do próprio Código, que designa uma decisão interlocutória como sentença e vice-versa; (ii) a doutrina e a jurisprudência divergem quanto a classificação de determinados atos; e (iii) o juiz profere um pronunciamento em lugar de outro.
  • 17. 5. Princípio da fungibilidade O procedimento a ser adotado pelo juízo de 1º grau: 1.indicar, de forma fundamentada, por que entende que o recurso cabível é agravo e não apelação; 2.indicar, de forma fundamentada, se estão presentes no caso os requisitos necessários ao reconhecimento da fungibilidade; 3.aferir a tempestividade do recurso; 4.determinar que a parte apresente os documentos que irão formar o instrumento, bem como facultar emenda para que a parte formule pedido próprio e pertinente ao recurso cabível; 5.encaminhar ao tribunal competente o instrumento com o recurso, emenda, documentos e decisão que reconheceu a existência da fungibilidade.
  • 18. 5. Princípio da fungibilidade O procedimento a ser adotado perante o tribunal: 1.quando a parte apelar ao invés de agravar, o tribunal não precisará adotar providências com vistas à formação de instrumento, de forma que bastará indicar, de forma fundamentada, o recurso cabível e a existência dos requisitos da fungibilidade; 2. caso a parte agrave em vez de apelar, o tribunal, presentes os requisitos da fungibilidade recursal, determinará a conversão do agravo em apelação e encaminhará os autos ao juízo de 1º grau para que efetue o processamento do recurso; 3.O tribunal também deverá facultar a possibilidade de emenda, a fim de que parte possa adequar o recurso ao procedimento da apelação, notadamente no que se refere ao pedido de efeito suspensivo quando necessário.
  • 19. 6. Princípio da dialeticidade O princípio da dialeticidade estabelece que a parte deve expor as razões pelas quais a decisão impugnada deve ser reformada ou anulada. A exigência de motivação se encontra nos artigos 514, II e III, quanto à apelação; 524 II, relativamente ao agravo; 523, 3º, quanto ao agravo retido; 536, no que tange aos embargos de declaração; 540 quanto ao recurso ordinário; 541 quanto aos recursos especial e extraordinário. As razões do recurso não só demarcam a extensão da insurgência (total ou parcial), como ainda constituem elemento indispensável para que o tribunal possa aferir a existência de error in judicando ou error in procedendo.
  • 20. 6. Princípio da dialeticidade As razões recursais devem apontar o motivo pelo qual a decisão impugnada deve ser reformada ou anulada, motivo pelo qual não se admite que a parte simplesmente reitere os argumentos expendidos na petição inicial ou contestação, deixando-se de rebater os fundamentos expendidos na decisão recorrida. O Superior Tribunal de Justiça firmou o entendimento de que “é inviável o agravo do art. 545 do CPC que deixa de atacar especificamente os fundamentos da decisão agravada.” (Súmula 182 do STJ).
  • 21. 7. Princípio da voluntariedade Segundo Nelson Nery Júnior “O recurso se compõe de duas partes distintas sob o aspecto de conteúdo: a) declaração expressa sobre a insatisfação com a decisão (elemento volitivo); b) os motivos dessa insatisfação (elemento de razão ou descritivo).” (Princípios Fundamentais – Teoria Geral dos Recursos, 5ª edição, pág. 152) A insatisfação geradora da vontade de recorrer nada mais é do que uma manifestação do princípio dispositivo na fase recursal (artigo 2º - Nenhum juiz prestará a tutela jurisdicional senão quando a parte ou o interessado a requerer, nos casos e forma legais).
  • 22. 8. Princípio da irrecorribilidade em separado das decisões interlocutórias O princípio irrecorribilidade em separado das interlocutórias estabelece que os recursos interpostos contra estas decisões não suspendem o curso do processo. O artigo 558 do Código estabelece uma exceção ao princípio da irrecorribilidade em separado das interlocutórias, ao estabelecer as hipóteses em que é possível conferir efeito suspensivo ao agravo.
  • 23. 9. Princípio da complementaridade O princípio da complementaridade estabelece que os recursos devem ser interposto no prazo legal, juntamente com as razões de inconformismo. No processo civil não é permitido o expediente de interpor-se recurso e, em outra oportunidade, apresentar as razões que justificam a reforma ou a anulação da decisão impugnada. Pelo princípio da complementaridade, o recorrente poderá complementar a fundamentação do recurso já interposto, caso a decisão impugnada venha a ser alterada ou integrada em razão de acolhimento dos embargos de declaração apresentados pela outra parte.
  • 24. 10. Princípio da proibição da reformatio in pejus O princípio da proibição da reformatio in pejus impede que o tribunal decida de forma mais desfavorável do que a decisão impugnada pelo recorrente. Segundo Nelson Nery Júnior, “desvantagem trazida pela reforma para pior deverá situar-se no plano prático, o que não ocorrerá se o tribunal apenas modificar a fundamentação da decisão recorrida.” (Princípios Fundamentais – Teoria Geral dos Recursos, 5ª edição, pág. 157). Tal entendimento não se aplica na ação civil pública e na ação popular. O princípio da proibição da reformatio in pejus é uma decorrência da devolutividade dos recursos, tendo em vista que o tribunal somente pode julgar a questão nos limites da impugnação do recurso.
  • 25. 10. Princípio da proibição da reformatio in pejus O princípio dispositivo também impede que o tribunal decida de forma mais favorável ao recorrente (proibição da reformatio in melius) quando este deixar de impugnar parte da decisão que lhe foi desfavorável. O princípio da proibição da reformatio in pejus não impede que o tribunal conheça de questão de ordem pública, ainda que em prejuízo do recorrente. Nelson Nery Júnior entende que o reexame necessário, por não se tratar de recurso e devolver toda matéria ao conhecimento do tribunal, não impede que seja proferida decisão mais desfavorável à Fazenda Pública (Princípios Fundamentais – Teoria Geral dos Recursos, pág. 162/163). Este entendimento não é adotado pela jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça, que, inclusive, editou a súmula nº 45 (No reexame necessário, é defeso, ao Tribunal, agravar a condenação imposta à Fazenda Pública).
  • 26. 11. Princípio da consumação O princípio da consumação estabelece que a parte deve recorrer na oportunidade e na forma estabelecida pelo Código, de forma que, decorrido o prazo ou interposto o recurso, a parte não pode mais efetuar nova impugnação do pronunciamento judicial. O recurso adesivo e a possibilidade de complementar o recurso em caso decisão integrativa, aclaradora e modificadora de outra já impugnada (princípio da complementaridade), constituem exceções ao princípio da consumação.