SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Baixar para ler offline
rogeriovcunha@yahoo.com.br

As reformas do Processo      rogerio28rg@hotmail.com
     Penal Brasileiro
                          profrogeriocunha.blogspot.com
     Lei 12.403/2011

                           @rogerio_cunha


                          Facebook.com/ProfRogerioCunha

                           Youtube.com/rogerio30rg
Lançamento em
   Novembro,
durante a Semana
   Jurídica da
    Urcamp.
As Medidas Cautelares não são estranhas aos Processo Penal Brasileiro, há a sua
previsão no campo patrimonial ( Medidas Assecuratórias – sequestro e arresto), no
campo probatório ( Exames de Corpo de Delito, Perícias e Avaliações).



Contudo, no campo pessoal, as
medidas cautelares eram
limitadas a um Binômio:
Prisões Cautelares previstas no CPP antes da Reforma




 De 1940 Até 1988                  De 1988 Até 2008                   A partir da Lei 12.403/11

Prisão em Flagrante               Prisão em Flagrante               Prisão Preventiva
Prisão Preventiva                 Prisão Preventiva                 Prisão Temporária
Prisão Decorrente da decisão de   Prisão Decorrente da decisão de
Pronúncia                          Pronúncia
Prisão Decorrente de Sentença     Prisão Decorrente de Sentença
Penal Condenatória recorrível      Penal Condenatória recorrível
                                   Prisão Temporária
A LEI 12.403/11 E O NOVO PARADIGMA PARA A TUTELA CAUTELAR PENAL


         Prisão

                                                Prisão




       Sistema
       Anterior                                  Lei
                                             12.403/11
                                Medidas
                               Cautelares                 Liberdade
                               Diversas da                Provisória
                                 prisão
        Liberdade
300.000



250.000



200.000


                                                    Provisórios
 150.000
                                                    Definitivos

 100.000


  50.000                              Definitivos



           0
                             Provisórios
               1990

                      2011
“Art. 319. São medidas cautelares diversas da prisão:
I - comparecimento periódico em juízo, no prazo e nas condições fixadas pelo juiz, para
informar e justificar atividades;
II - proibição de acesso ou frequência a determinados lugares quando, por circunstâncias
relacionadas ao fato, deva o indiciado ou acusado permanecer distante desses locais para
evitar o risco de novas infrações;
III - proibição de manter contato com pessoa determinada quando, por circunstâncias
relacionadas ao fato, deva o indiciado ou acusado dela permanecer distante;
IV - proibição de ausentar-se da Comarca quando a permanência seja conveniente ou
necessária para a investigação ou instrução;
V - recolhimento domiciliar no período noturno e nos dias de folga quando o investigado
ou acusado tenha residência e trabalho fixos;
VI - suspensão do exercício de função pública ou de atividade de natureza econômica ou
financeira quando houver justo receio de sua utilização para a prática de infrações penais;
VII - internação provisória do acusado nas hipóteses de crimes praticados com violência ou
grave ameaça, quando os peritos concluírem ser inimputável ou semi-imputável (art. 26 do
Código Penal) e houver risco de reiteração;
VIII - fiança, nas infrações que a admitem, para assegurar o comparecimento a atos do
processo, evitar a obstrução do seu andamento ou em caso de resistência injustificada à
ordem judicial;
   IX - monitoração eletrônica.
“Art. 282. As medidas cautelares previstas neste Título deverão ser aplicadas
observando-se a:
I - necessidade para aplicação da lei penal, para a investigação ou a instrução criminal
e, nos casos expressamente previstos, para evitar a prática de infrações penais;
II - adequação da medida à gravidade do crime, circunstâncias do fato e condições
pessoais do indiciado ou acusado.


Exige-se além dos requisitos do Art. 282 os pressupostos gerais do “fumus comissi
delicti” – ( prova da existência do fato e indícios suficientes de autoria)?

2ª Corrente:                                              Adoção expressa do princípio
                                                          da homogeneidade ( Art. 283,
Não se fazem necessários: Nucci                           § 1º)

São indispensáveis: Luiz Flávio Gomes e Edilson Bomfim
Questão que surge é o cabimento da detração penal no caso de medidas cautelares
diversas da prisão.

Corrente:

1ª- Nucci – Não cabe nunca

2ª - LFG – Renato Brasileiro- Cabe na hipótese de que a medida cautelar seja mais
gravosa que a pena aplicada ao final do processo.

3ª -Caberá sempre que houver cerceamento relevante do direito de liberdade do
agente ( Prof. Rogerio)

                                   Art. 282, § 3º - Oitiva do Acusado antes da
                                   decretação, ressalvados os casos de urgência –
                                   inaudita altera pars.

                                   A lei não prevê prazo nem forma para a
                                   intimação.
§ 4o No caso de descumprimento de qualquer das obrigações impostas, o juiz, de
ofício ou mediante requerimento do Ministério Público, de seu assistente ou do
querelante, poderá substituir a medida, impor outra em cumulação, ou, em último
caso, decretar a prisão preventiva (art. 312, parágrafo único).
§ 5o O juiz poderá revogar a medida cautelar ou substituí-la quando verificar a falta
de motivo para que subsista, bem como voltar a decretá-la, se sobrevierem razões
que a justifiquem.


Cabe a decretação da prisão preventiva pelo descumprimento para os crimes que não
admitem a prisão preventiva ( Art. 313, I)?

Duas Correntes:

Sim, sob pena de desmoralização das medidas cautelares – Nucci

Não, pois quebraria o princípio da homogeneidade – Renato Brasileiro
“Art. 300. As pessoas presas provisoriamente ficarão separadas das que já
estiverem definitivamente condenadas, nos termos da lei de execução
penal.
Parágrafo único. O militar preso em flagrante delito, após a lavratura dos
procedimentos legais, será recolhido a quartel da instituição a que pertencer,
onde ficará preso à disposição das autoridades competentes.” (NR)




Para nós, na ausência de possibilidade de separação, o réu tem direito
a prisão domiciliar, aplicando-se , com mais ênfase ainda, o
entendimento do STF em relação ao regime aberto e a ausência de
casa do albergado:
                              Incumbe ao Estado aparelhar-se visando à
                              observância irrestrita das decisões judiciais. Se
                              não houver sistema capaz de implicar o
                              cumprimento da pena em regime semiaberto, dá-
                              se a transformação em aberto e, inexistente a casa
                              do     albergado,    a     prisão    domiciliar.(HC
                              96169,): Min. MARCO AURÉLIO, 1ª T. 25/08/2009
“Art. 282. (...)
§ 2o As medidas cautelares serão decretadas pelo juiz, de ofício ou a requerimento
das partes ou, quando no curso da investigação criminal, por representação da
autoridade policial ou mediante requerimento do Ministério Público.

“Art. 311. Em qualquer fase da investigação policial ou do processo penal, caberá a
prisão preventiva decretada pelo juiz, de ofício, se no curso da ação penal, ou a
requerimento do Ministério Público, do querelante ou do assistente, ou por
representação da autoridade policial.” (NR)

A lei encerra a possibilidade de decretrção de ofício pelo Juiz de medidas restritivas da
liberdade do acusado, fora da fase judicial.

Afirma-se , equivocadamente, que o Juiz ainda pode decretar de ofício a prisão
preventiva, na hipótese do art. 310, II , ao converter a prisão em flagrante em prisão
preventiva , contudo, diante da nova redação do art. 306 é obrigatória a comunicação
da prisão ao MP, situação que não ocorre por mero capricho do legislador, mas sim
para que, comunicado do flagrante, o MP, se entender necessário, requeira pela
decretação da prisão preventiva.
Uma das grandes alterações da lei 12. 403/11 foi a correta colocação da prisão em
flagrante em seu devido lugar.
Ocorre que antes da nova lei a maioria da doutrina entendia na prisão em flagrante
verdadeira medida cautelar penal, de modo que, sequer exigia-se do juiz motivação para
a manutenção da prisão decorrente dela.
A nova lei deixa claro que a prisão em flagrante não é medida cautelar, mas sim, pré-
cautelar destinada exclusivamente ao impedimento da continuidade do crime e
restabelecimento da paz social.
Assim, no atual sistema, o Juiz motiva a prisão e não mais a liberdade do flagranteado,
de tal modo que se ausentes os requisitos da prisão preventiva, e das medidas
cautelares diversas da prisão, deve o juiz colocar o flagranteado em liberdade.
 “Art. 310. Ao receber o auto de prisão em flagrante, o juiz deverá fundamentadamente:
 I - relaxar a prisão ilegal; ou
 II - converter a prisão em flagrante em preventiva, quando presentes os requisitos constantes do art. 312
 deste Código, e se revelarem inadequadas ou insuficientes as medidas cautelares diversas da prisão; ou
 III - conceder liberdade provisória, com ou sem fiança.
 Parágrafo único. Se o juiz verificar, pelo auto de prisão em flagrante, que o agente praticou o fato nas
 condições constantes dos incisos I a III do caput do art. 23 do Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de
 1940 - Código Penal, poderá, fundamentadamente, conceder ao acusado liberdade provisória, mediante
 termo de comparecimento a todos os atos processuais, sob pena de revogação.” (NR)
A pergunta que se faz é se a proibição de decretação de ofício pelo Juiz das medidas
 Cautelares e da Prisão Preventiva prevista pela lei 12.403/11, aplica-se às leis especiais
 que ainda permitem tal decretação?


                                                                Alice Bianchini, afirma que
Art. 20. Em qualquer fase do inquérito                          continua valendo a norma
policial ou da instrução criminal, caberá a                     da lei Maria da Penha, que
prisão preventiva do agressor, decretada                        é lei especial.
pelo juiz, de ofício, a requerimento do
Ministério       Público     ou     mediante
representação da autoridade policial.
Parágrafo único. O juiz poderá revogar a                        Rogério Cunha Sanches,
prisão preventiva se, no curso do processo,                     afirma que as disposições
verificar a falta de motivo para que subsista,                  da lei 12.403/11, são
bem como de novo decretá-la, se                                 válidas para todas as
sobrevierem razões que a justifiquem.                           normas.
“Art. 312. A prisão preventiva poderá ser decretada como garantia da
      ordem pública, da ordem econômica, por conveniência da instrução
      criminal, ou para assegurar a aplicação da lei penal, quando houver prova
      da existência do crime e indício suficiente de autoria.
      Parágrafo único. A prisão preventiva também poderá ser decretada em
      caso de descumprimento de qualquer das obrigações impostas por força
      de outras medidas cautelares (art. 282, § 4o).” (NR)

                                    Fumus Comissi Delicti : prova da existência do crime
                                      Periculum libertatis: Risco da liberdade do réu

                                            garantia da ordem pública,
                                            da ordem econômica,
                                            conveniência da instrução criminal,
  Não cabimento de                          assegurar a aplicação da lei penal
qualquer das medidas                        descumprimento       de      outras   medidas
cautelares diversas da                      cautelares
prisão ( Art. 282, § 6º)
                                            violência doméstica e familiar contra a
                                            mulher, criança, adolescente, idoso, enfermo
                                            ou pessoa com deficiência, para garantir a
                                            execução das medidas protetivas de urgência
“Art. 313. Nos termos do art. 312 deste Código,
será admitida a decretação da prisão preventiva:
I - nos crimes dolosos punidos com pena
privativa de liberdade máxima superior a 4
(quatro) anos;                                       Em crime culposo, qualquer que
II - se tiver sido condenado por outro crime         seja a pena e mesmo ao réu
doloso, em sentença transitada em julgado,           reincidente.
ressalvado o disposto no inciso I do caput do art.
64 do Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de      Em crime não punido com pena
1940 - Código Penal;                                 privativa de liberdade.
III - se o crime envolver violência doméstica e
familiar contra a mulher, criança, adolescente,      Em crime punidos com pena
idoso, enfermo ou pessoa com deficiência, para       inferior a 4 anos de privação de
garantir a execução das medidas protetivas de        liberdade, salvo, nesse caso:
urgência;
                                                     1. Se for reincidente

                                                     2. Em crime que envolva violência
                                                        doméstica, idoso, criança ou
                                                        deficiente.
As medidas protetivas de urgência estão
A prisão preventiva será
                                 previstas no art. 22 da Lei 11.340/06, para
admitida, independente da
                                 as hipóteses de violência doméstica de
quantidade de pena, ainda:
                                 gênero contra a mulher.
se o crime envolver violência
                                 Não há previsão legal para medidas
doméstica e familiar contra a
                                 protetivas    em    relação   a    criança,
mulher, criança, adolescente,
                                 adolescente, idoso, enfermo ou pessoa com
idoso, enfermo ou pessoa com
                                 deficiência.
deficiência, para garantir a
execução      das      medidas
protetivas de urgência

                                   Podemos aplicar as medidas da Lei Maria
                                   da Penha aos demais casos?

                                   Entendemos que sim por analogia as
                                   medidas da Lei Maria da Penha podem
                                   ser aplicadas aos demais casos.
Entendemos que não, mas somente para aquelas que não detém natureza cível,
     como é o caso da restrição ou suspensão de visitas aos dependentes menores,
     ouvida a equipe de atendimento multidisciplinar ou serviço similar ( Art. 22, IV-),
     ou a prestação de alimentos provisionais ou provisórios( Art. 22, V)



                                                                             Entendemos essa modalidade de
Também será admitida a prisão preventiva                                     prisão             completamente
quando houver dúvida sobre a identidade civil                                inconstitucional, posto que a falta
da pessoa ou quando esta não fornecer                                        de nome ou identidade do réu
elementos suficientes para esclarecê-la, devendo                             não impede o oferecimento da
o preso ser colocado imediatamente em                                        denúncia (CPP art. 41), bem como
liberdade após a identificação, salvo se outra                               o procedimento menos gravoso
hipótese recomendar a manutenção da medida.                                  será a identificação criminal ( Lei
Art. 41. A denúncia ou queixa conterá a exposição do fato criminoso, com
                                                                             12.037/2009).
todas as suas circunstâncias, a qualificação do acusado ou esclarecimentos
pelos quais se possa identificá-lo, a classificação do crime e, quando
necessário, o rol das testemunhas.
“Art. 317. A prisão domiciliar consiste no recolhimento do indiciado ou acusado em sua
residência, só podendo dela ausentar-se com autorização judicial.” (NR)
“Art. 318. Poderá o juiz substituir a prisão preventiva pela domiciliar quando o agente
for:
I - maior de 80 (oitenta) anos;
II - extremamente debilitado por motivo de doença grave;
III - imprescindível aos cuidados especiais de pessoa menor de 6 (seis) anos de idade ou
com deficiência;
IV - gestante a partir do 7o (sétimo) mês de gravidez ou sendo esta de alto risco.
Parágrafo único. Para a substituição, o juiz exigirá prova idônea dos requisitos
estabelecidos neste artigo.”
“Art. 322. A autoridade policial somente poderá
conceder fiança nos casos de infração cuja pena
privativa de liberdade máxima não seja superior a 4       A lei 12.403/11, optou por
(quatro) anos.                                            adotar um critério de
Parágrafo único. Nos demais casos, a fiança será          exclusão para a fiança, assim
requerida ao juiz, que decidirá em 48 (quarenta e oito)   , na atualidade, TODOS os
horas.” (NR)                                              crimes são afiançáveis, salvo
“Art. 323. Não será concedida fiança:                     os descritos no art. 323, os
I - nos crimes de racismo;                                quais, aliás, diga-se , tem a
II - nos crimes de tortura, tráfico ilícito de            vedação        da       fiança
entorpecentes e drogas afins, terrorismo e nos            decorrente      da     própria
definidos como crimes hediondos;                          Constituição.
III - nos crimes cometidos por grupos armados, civis ou
militares, contra a ordem constitucional e o Estado
Democrático;
R)
“Art. 325. O valor da fiança será fixado pela
autoridade que a conceder nos seguintes
limites:
I - de 1 (um) a 100 (cem) salários mínimos,
quando se tratar de infração cuja pena privativa
de liberdade, no grau máximo, não for superior
a 4 (quatro) anos;
II - de 10 (dez) a 200 (duzentos) salários         Na atualidade, a fiança varia de um
mínimos, quando o máximo da pena privativa         mínimo de R$ 181,66 ( 1/3 do salário
de liberdade cominada for superior a 4 (quatro)    mínimo)     e    no   máximo      R$
anos.                                              109.000.000,00 ( cento e nove
§ 1o       Se assim recomendar a situação          milhões de reais)
econômica do preso, a fiança poderá ser:
I - dispensada, na forma do art. 350 deste
Código;
II - reduzida até o máximo de 2/3 (dois terços);
ou
III - aumentada em até 1.000 (mil) vezes.
Com a publicação da Lei 12.403/11 a liberdade provisória passou a ser admitida sob 3
modalidades:

1ª Liberdade Provisória , sem aplicação de medida cautelar, mas sob o compromisso
de comparecimento a todos os atos do processo: Art. 310, parágrafo único –
Hipóteses de evidente causa de exclusão da ilicitude.

2ª Liberdade Provisória , sem fiança, mas vinculada e com a possibilidade de outra
medida cautelar. Para os crimes afiançãveis, em que estiver presente a hipótese do
art. 350 do CPP- réu sem condições de arcar com a fiança

3ª Liberdade Provisória, com ou sem medida cautelar, se estiverem ausentes os
requisitos da prisão preventiva, mas cabíveis as medidas, ou sem as medidas
cautelares por falta dos requisitos do art. 282.
Bibliografia Recomendada:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Medidas cautelares, prisão cautelar e liberdade provisória
Medidas cautelares, prisão cautelar e liberdade provisóriaMedidas cautelares, prisão cautelar e liberdade provisória
Medidas cautelares, prisão cautelar e liberdade provisóriaOzéas Lopes
 
DPP II - Aula 4 - temporária
DPP II - Aula 4 - temporáriaDPP II - Aula 4 - temporária
DPP II - Aula 4 - temporáriadireitoturmamanha
 
DPP II - Aula 3 - preventiva
DPP II - Aula 3 - preventivaDPP II - Aula 3 - preventiva
DPP II - Aula 3 - preventivadireitoturmamanha
 
DPP II - Aula 01 - busca e apreensão
DPP II - Aula 01 -   busca e apreensãoDPP II - Aula 01 -   busca e apreensão
DPP II - Aula 01 - busca e apreensãodireitoturmamanha
 
Pc exercicios (constitucional) aula 14
Pc exercicios (constitucional)   aula 14Pc exercicios (constitucional)   aula 14
Pc exercicios (constitucional) aula 14Neon Online
 
Sistemática das Prisões, livro Processo Penal na Visão das Bancas Examinadora...
Sistemática das Prisões, livro Processo Penal na Visão das Bancas Examinadora...Sistemática das Prisões, livro Processo Penal na Visão das Bancas Examinadora...
Sistemática das Prisões, livro Processo Penal na Visão das Bancas Examinadora...Vestcon
 
Processo penal aula 05
Processo penal aula 05Processo penal aula 05
Processo penal aula 05Neon Online
 
2071 - ALEGAÇÕES FINAIS - CPC Atualizado
2071 - ALEGAÇÕES FINAIS  - CPC Atualizado2071 - ALEGAÇÕES FINAIS  - CPC Atualizado
2071 - ALEGAÇÕES FINAIS - CPC AtualizadoConsultor JRSantana
 
Lei n-12-403 11 quadro comparativo
Lei n-12-403 11 quadro comparativoLei n-12-403 11 quadro comparativo
Lei n-12-403 11 quadro comparativoRaimundo José Silva
 
inquerito policial
inquerito policialinquerito policial
inquerito policialWal Barboza
 
Codigo processual penal_pc_sp_perito_criminal_2013_01
Codigo processual penal_pc_sp_perito_criminal_2013_01Codigo processual penal_pc_sp_perito_criminal_2013_01
Codigo processual penal_pc_sp_perito_criminal_2013_01Amanda Vaz
 
Execução da pena e direitos do preso
Execução da pena e direitos do presoExecução da pena e direitos do preso
Execução da pena e direitos do presoJunior Ozono
 
Inquérito Policial
Inquérito PolicialInquérito Policial
Inquérito Policialguest063091
 

Mais procurados (20)

Medidas cautelares, prisão cautelar e liberdade provisória
Medidas cautelares, prisão cautelar e liberdade provisóriaMedidas cautelares, prisão cautelar e liberdade provisória
Medidas cautelares, prisão cautelar e liberdade provisória
 
Aula 12 parte ii - prisões
Aula 12   parte ii - prisõesAula 12   parte ii - prisões
Aula 12 parte ii - prisões
 
Prisão em flagrante
Prisão em flagrantePrisão em flagrante
Prisão em flagrante
 
Aula 12 prisões
Aula 12   prisõesAula 12   prisões
Aula 12 prisões
 
Prisão
PrisãoPrisão
Prisão
 
DPP II - Aula 4 - temporária
DPP II - Aula 4 - temporáriaDPP II - Aula 4 - temporária
DPP II - Aula 4 - temporária
 
DPP II - Aula 3 - preventiva
DPP II - Aula 3 - preventivaDPP II - Aula 3 - preventiva
DPP II - Aula 3 - preventiva
 
DPP II - Aula 01 - busca e apreensão
DPP II - Aula 01 -   busca e apreensãoDPP II - Aula 01 -   busca e apreensão
DPP II - Aula 01 - busca e apreensão
 
Lei de execução penal
Lei de execução penalLei de execução penal
Lei de execução penal
 
Pc exercicios (constitucional) aula 14
Pc exercicios (constitucional)   aula 14Pc exercicios (constitucional)   aula 14
Pc exercicios (constitucional) aula 14
 
Sistemática das Prisões, livro Processo Penal na Visão das Bancas Examinadora...
Sistemática das Prisões, livro Processo Penal na Visão das Bancas Examinadora...Sistemática das Prisões, livro Processo Penal na Visão das Bancas Examinadora...
Sistemática das Prisões, livro Processo Penal na Visão das Bancas Examinadora...
 
Processo penal aula 05
Processo penal aula 05Processo penal aula 05
Processo penal aula 05
 
Apostila lep
Apostila lepApostila lep
Apostila lep
 
2071 - ALEGAÇÕES FINAIS - CPC Atualizado
2071 - ALEGAÇÕES FINAIS  - CPC Atualizado2071 - ALEGAÇÕES FINAIS  - CPC Atualizado
2071 - ALEGAÇÕES FINAIS - CPC Atualizado
 
Lei n-12-403 11 quadro comparativo
Lei n-12-403 11 quadro comparativoLei n-12-403 11 quadro comparativo
Lei n-12-403 11 quadro comparativo
 
inquerito policial
inquerito policialinquerito policial
inquerito policial
 
Execução penal
Execução penalExecução penal
Execução penal
 
Codigo processual penal_pc_sp_perito_criminal_2013_01
Codigo processual penal_pc_sp_perito_criminal_2013_01Codigo processual penal_pc_sp_perito_criminal_2013_01
Codigo processual penal_pc_sp_perito_criminal_2013_01
 
Execução da pena e direitos do preso
Execução da pena e direitos do presoExecução da pena e direitos do preso
Execução da pena e direitos do preso
 
Inquérito Policial
Inquérito PolicialInquérito Policial
Inquérito Policial
 

Semelhante a Reforma processo penal_atualizado-1

A lei 12_403_em_15_topicos
A lei 12_403_em_15_topicosA lei 12_403_em_15_topicos
A lei 12_403_em_15_topicos1901737010
 
Prisão Pena e Prisão Processual I.pptx
Prisão Pena e Prisão Processual I.pptxPrisão Pena e Prisão Processual I.pptx
Prisão Pena e Prisão Processual I.pptxProfLucianaZanotelli
 
AULA 5 PROC. PENAL II (1).pptx
AULA 5 PROC. PENAL II (1).pptxAULA 5 PROC. PENAL II (1).pptx
AULA 5 PROC. PENAL II (1).pptxSuellenAlves38
 
Noções de direito processual penal
Noções de direito processual penalNoções de direito processual penal
Noções de direito processual penalDenys Nunes
 
Penas em-espécie-no-ordenamento-juridico-brasileiro
Penas em-espécie-no-ordenamento-juridico-brasileiroPenas em-espécie-no-ordenamento-juridico-brasileiro
Penas em-espécie-no-ordenamento-juridico-brasileiroYara Souto Maior
 
Material de Apoio Curso "Reformas do Processo Penal - Lei 12.403/11 2a Parte"
Material de Apoio Curso "Reformas do Processo Penal - Lei 12.403/11 2a Parte"Material de Apoio Curso "Reformas do Processo Penal - Lei 12.403/11 2a Parte"
Material de Apoio Curso "Reformas do Processo Penal - Lei 12.403/11 2a Parte"Prof. Rogerio Cunha
 
File fetch prisão
File fetch  prisãoFile fetch  prisão
File fetch prisãoccriminais
 
Comparativo Inovações CPP - Cautelares
Comparativo Inovações CPP - CautelaresComparativo Inovações CPP - Cautelares
Comparativo Inovações CPP - Cautelaresrecoma Maciel
 
Novas medidas cautelares aflitivas
Novas medidas cautelares aflitivasNovas medidas cautelares aflitivas
Novas medidas cautelares aflitivasDiana Serpa
 
Por que barroso perdoa
Por que barroso perdoaPor que barroso perdoa
Por que barroso perdoaRadar News
 
2108 - REVOGAÇÃO DE PRISÃO - CPC Atualizado
2108 - REVOGAÇÃO DE PRISÃO - CPC Atualizado2108 - REVOGAÇÃO DE PRISÃO - CPC Atualizado
2108 - REVOGAÇÃO DE PRISÃO - CPC AtualizadoConsultor JRSantana
 
Modificações da lei 12.403 de 2011 proceso penal
Modificações da lei 12.403 de 2011   proceso penalModificações da lei 12.403 de 2011   proceso penal
Modificações da lei 12.403 de 2011 proceso penalrubaines
 
Parecer cpp senado - dez 2010
Parecer cpp  senado - dez 2010Parecer cpp  senado - dez 2010
Parecer cpp senado - dez 2010Bruno Amorelli
 

Semelhante a Reforma processo penal_atualizado-1 (20)

A lei 12_403_em_15_topicos
A lei 12_403_em_15_topicosA lei 12_403_em_15_topicos
A lei 12_403_em_15_topicos
 
Prisão
PrisãoPrisão
Prisão
 
Prisão Pena e Prisão Processual I.pptx
Prisão Pena e Prisão Processual I.pptxPrisão Pena e Prisão Processual I.pptx
Prisão Pena e Prisão Processual I.pptx
 
Prisão e cautelar
Prisão e cautelarPrisão e cautelar
Prisão e cautelar
 
Liberdade provisoria
Liberdade provisoriaLiberdade provisoria
Liberdade provisoria
 
AULA 5 PROC. PENAL II (1).pptx
AULA 5 PROC. PENAL II (1).pptxAULA 5 PROC. PENAL II (1).pptx
AULA 5 PROC. PENAL II (1).pptx
 
Noções de direito processual penal
Noções de direito processual penalNoções de direito processual penal
Noções de direito processual penal
 
Penas em-espécie-no-ordenamento-juridico-brasileiro
Penas em-espécie-no-ordenamento-juridico-brasileiroPenas em-espécie-no-ordenamento-juridico-brasileiro
Penas em-espécie-no-ordenamento-juridico-brasileiro
 
Lei 12.403/2011 - Novas Medidas Cautelares no CPP
Lei 12.403/2011 - Novas Medidas Cautelares no CPPLei 12.403/2011 - Novas Medidas Cautelares no CPP
Lei 12.403/2011 - Novas Medidas Cautelares no CPP
 
Lei 12.403.11 prisão provisória
Lei 12.403.11 prisão provisóriaLei 12.403.11 prisão provisória
Lei 12.403.11 prisão provisória
 
Material de Apoio Curso "Reformas do Processo Penal - Lei 12.403/11 2a Parte"
Material de Apoio Curso "Reformas do Processo Penal - Lei 12.403/11 2a Parte"Material de Apoio Curso "Reformas do Processo Penal - Lei 12.403/11 2a Parte"
Material de Apoio Curso "Reformas do Processo Penal - Lei 12.403/11 2a Parte"
 
File fetch prisão
File fetch  prisãoFile fetch  prisão
File fetch prisão
 
Comparativo Inovações CPP - Cautelares
Comparativo Inovações CPP - CautelaresComparativo Inovações CPP - Cautelares
Comparativo Inovações CPP - Cautelares
 
Novas medidas cautelares aflitivas
Novas medidas cautelares aflitivasNovas medidas cautelares aflitivas
Novas medidas cautelares aflitivas
 
Por que barroso perdoa
Por que barroso perdoaPor que barroso perdoa
Por que barroso perdoa
 
2108 - REVOGAÇÃO DE PRISÃO - CPC Atualizado
2108 - REVOGAÇÃO DE PRISÃO - CPC Atualizado2108 - REVOGAÇÃO DE PRISÃO - CPC Atualizado
2108 - REVOGAÇÃO DE PRISÃO - CPC Atualizado
 
Modificações da lei 12.403 de 2011 proceso penal
Modificações da lei 12.403 de 2011   proceso penalModificações da lei 12.403 de 2011   proceso penal
Modificações da lei 12.403 de 2011 proceso penal
 
Espécies de Pena
Espécies de PenaEspécies de Pena
Espécies de Pena
 
JUIZ DAS GARANTIAS - ANDRIELLY E LAYSLA.pdf
JUIZ DAS GARANTIAS - ANDRIELLY E LAYSLA.pdfJUIZ DAS GARANTIAS - ANDRIELLY E LAYSLA.pdf
JUIZ DAS GARANTIAS - ANDRIELLY E LAYSLA.pdf
 
Parecer cpp senado - dez 2010
Parecer cpp  senado - dez 2010Parecer cpp  senado - dez 2010
Parecer cpp senado - dez 2010
 

Mais de Prof. Rogerio Cunha

O DEVER DE FUNDAMENTAÇÃO NO NCPC: Há mesmo o dever de responder todos os argu...
O DEVER DE FUNDAMENTAÇÃO NO NCPC: Há mesmo o dever de responder todos os argu...O DEVER DE FUNDAMENTAÇÃO NO NCPC: Há mesmo o dever de responder todos os argu...
O DEVER DE FUNDAMENTAÇÃO NO NCPC: Há mesmo o dever de responder todos os argu...Prof. Rogerio Cunha
 
Do necessário controle difuso de convencionalidade da citação editalícia em c...
Do necessário controle difuso de convencionalidade da citação editalícia em c...Do necessário controle difuso de convencionalidade da citação editalícia em c...
Do necessário controle difuso de convencionalidade da citação editalícia em c...Prof. Rogerio Cunha
 
"Normas fundamentais do NCPC: Caminhando para um processo civil constitucional"
"Normas fundamentais do NCPC: Caminhando para um processo civil constitucional""Normas fundamentais do NCPC: Caminhando para um processo civil constitucional"
"Normas fundamentais do NCPC: Caminhando para um processo civil constitucional"Prof. Rogerio Cunha
 
Aplicação CPC /15 Vedação decisão surpresa
Aplicação CPC /15 Vedação decisão surpresa Aplicação CPC /15 Vedação decisão surpresa
Aplicação CPC /15 Vedação decisão surpresa Prof. Rogerio Cunha
 
Decisão de Controle de Convencionalidade
Decisão de Controle de ConvencionalidadeDecisão de Controle de Convencionalidade
Decisão de Controle de ConvencionalidadeProf. Rogerio Cunha
 
Sentença Análise Constitucionalidade Cargo Comissionado
Sentença Análise Constitucionalidade Cargo ComissionadoSentença Análise Constitucionalidade Cargo Comissionado
Sentença Análise Constitucionalidade Cargo ComissionadoProf. Rogerio Cunha
 
Ordem apresentação trabalhos na Mostra
Ordem apresentação trabalhos na MostraOrdem apresentação trabalhos na Mostra
Ordem apresentação trabalhos na MostraProf. Rogerio Cunha
 
Regulamento mostra direito e musica urcamp
Regulamento mostra direito e musica urcampRegulamento mostra direito e musica urcamp
Regulamento mostra direito e musica urcampProf. Rogerio Cunha
 
Direito Tributário e Direitos Fundamentais
Direito Tributário e Direitos FundamentaisDireito Tributário e Direitos Fundamentais
Direito Tributário e Direitos FundamentaisProf. Rogerio Cunha
 
Recursos no processo do trabalho
Recursos no processo do trabalhoRecursos no processo do trabalho
Recursos no processo do trabalhoProf. Rogerio Cunha
 
Direitos Fundamentais e Tributação
Direitos Fundamentais e TributaçãoDireitos Fundamentais e Tributação
Direitos Fundamentais e TributaçãoProf. Rogerio Cunha
 
Resumo contribuições sociais 8212
Resumo contribuições sociais 8212Resumo contribuições sociais 8212
Resumo contribuições sociais 8212Prof. Rogerio Cunha
 
Curso conselheiros tutelares_aula_01
Curso conselheiros tutelares_aula_01Curso conselheiros tutelares_aula_01
Curso conselheiros tutelares_aula_01Prof. Rogerio Cunha
 

Mais de Prof. Rogerio Cunha (20)

O DEVER DE FUNDAMENTAÇÃO NO NCPC: Há mesmo o dever de responder todos os argu...
O DEVER DE FUNDAMENTAÇÃO NO NCPC: Há mesmo o dever de responder todos os argu...O DEVER DE FUNDAMENTAÇÃO NO NCPC: Há mesmo o dever de responder todos os argu...
O DEVER DE FUNDAMENTAÇÃO NO NCPC: Há mesmo o dever de responder todos os argu...
 
Do necessário controle difuso de convencionalidade da citação editalícia em c...
Do necessário controle difuso de convencionalidade da citação editalícia em c...Do necessário controle difuso de convencionalidade da citação editalícia em c...
Do necessário controle difuso de convencionalidade da citação editalícia em c...
 
"Normas fundamentais do NCPC: Caminhando para um processo civil constitucional"
"Normas fundamentais do NCPC: Caminhando para um processo civil constitucional""Normas fundamentais do NCPC: Caminhando para um processo civil constitucional"
"Normas fundamentais do NCPC: Caminhando para um processo civil constitucional"
 
Aplicação CPC /15 Vedação decisão surpresa
Aplicação CPC /15 Vedação decisão surpresa Aplicação CPC /15 Vedação decisão surpresa
Aplicação CPC /15 Vedação decisão surpresa
 
Decisão de Controle de Convencionalidade
Decisão de Controle de ConvencionalidadeDecisão de Controle de Convencionalidade
Decisão de Controle de Convencionalidade
 
Sentença Análise Constitucionalidade Cargo Comissionado
Sentença Análise Constitucionalidade Cargo ComissionadoSentença Análise Constitucionalidade Cargo Comissionado
Sentença Análise Constitucionalidade Cargo Comissionado
 
Teoria dos recursos parte I
Teoria dos recursos   parte ITeoria dos recursos   parte I
Teoria dos recursos parte I
 
Hc111840 dt
Hc111840 dtHc111840 dt
Hc111840 dt
 
Ordem apresentação trabalhos na Mostra
Ordem apresentação trabalhos na MostraOrdem apresentação trabalhos na Mostra
Ordem apresentação trabalhos na Mostra
 
Regulamento mostra direito e musica urcamp
Regulamento mostra direito e musica urcampRegulamento mostra direito e musica urcamp
Regulamento mostra direito e musica urcamp
 
Direito Tributário e Direitos Fundamentais
Direito Tributário e Direitos FundamentaisDireito Tributário e Direitos Fundamentais
Direito Tributário e Direitos Fundamentais
 
Processo trabalho
Processo trabalhoProcesso trabalho
Processo trabalho
 
Recursos no processo do trabalho
Recursos no processo do trabalhoRecursos no processo do trabalho
Recursos no processo do trabalho
 
Direitos Fundamentais e Tributação
Direitos Fundamentais e TributaçãoDireitos Fundamentais e Tributação
Direitos Fundamentais e Tributação
 
Novas datas prova
Novas datas provaNovas datas prova
Novas datas prova
 
Resumo contribuições sociais 8212
Resumo contribuições sociais 8212Resumo contribuições sociais 8212
Resumo contribuições sociais 8212
 
Procedimento Lei 9.099/95
Procedimento Lei 9.099/95Procedimento Lei 9.099/95
Procedimento Lei 9.099/95
 
Procedimentos Penais I
Procedimentos Penais IProcedimentos Penais I
Procedimentos Penais I
 
Aula 02 formalidades da prisão
Aula 02 formalidades da prisãoAula 02 formalidades da prisão
Aula 02 formalidades da prisão
 
Curso conselheiros tutelares_aula_01
Curso conselheiros tutelares_aula_01Curso conselheiros tutelares_aula_01
Curso conselheiros tutelares_aula_01
 

Último

O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdflbgsouza
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasBibliotecaViatodos
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 

Último (20)

O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 

Reforma processo penal_atualizado-1

  • 1. rogeriovcunha@yahoo.com.br As reformas do Processo rogerio28rg@hotmail.com Penal Brasileiro profrogeriocunha.blogspot.com Lei 12.403/2011 @rogerio_cunha Facebook.com/ProfRogerioCunha Youtube.com/rogerio30rg
  • 2. Lançamento em Novembro, durante a Semana Jurídica da Urcamp.
  • 3. As Medidas Cautelares não são estranhas aos Processo Penal Brasileiro, há a sua previsão no campo patrimonial ( Medidas Assecuratórias – sequestro e arresto), no campo probatório ( Exames de Corpo de Delito, Perícias e Avaliações). Contudo, no campo pessoal, as medidas cautelares eram limitadas a um Binômio:
  • 4. Prisões Cautelares previstas no CPP antes da Reforma De 1940 Até 1988 De 1988 Até 2008 A partir da Lei 12.403/11 Prisão em Flagrante Prisão em Flagrante Prisão Preventiva Prisão Preventiva Prisão Preventiva Prisão Temporária Prisão Decorrente da decisão de Prisão Decorrente da decisão de Pronúncia Pronúncia Prisão Decorrente de Sentença Prisão Decorrente de Sentença Penal Condenatória recorrível Penal Condenatória recorrível Prisão Temporária
  • 5. A LEI 12.403/11 E O NOVO PARADIGMA PARA A TUTELA CAUTELAR PENAL Prisão Prisão Sistema Anterior Lei 12.403/11 Medidas Cautelares Liberdade Diversas da Provisória prisão Liberdade
  • 6. 300.000 250.000 200.000 Provisórios 150.000 Definitivos 100.000 50.000 Definitivos 0 Provisórios 1990 2011
  • 7. “Art. 319. São medidas cautelares diversas da prisão: I - comparecimento periódico em juízo, no prazo e nas condições fixadas pelo juiz, para informar e justificar atividades; II - proibição de acesso ou frequência a determinados lugares quando, por circunstâncias relacionadas ao fato, deva o indiciado ou acusado permanecer distante desses locais para evitar o risco de novas infrações; III - proibição de manter contato com pessoa determinada quando, por circunstâncias relacionadas ao fato, deva o indiciado ou acusado dela permanecer distante; IV - proibição de ausentar-se da Comarca quando a permanência seja conveniente ou necessária para a investigação ou instrução; V - recolhimento domiciliar no período noturno e nos dias de folga quando o investigado ou acusado tenha residência e trabalho fixos; VI - suspensão do exercício de função pública ou de atividade de natureza econômica ou financeira quando houver justo receio de sua utilização para a prática de infrações penais; VII - internação provisória do acusado nas hipóteses de crimes praticados com violência ou grave ameaça, quando os peritos concluírem ser inimputável ou semi-imputável (art. 26 do Código Penal) e houver risco de reiteração; VIII - fiança, nas infrações que a admitem, para assegurar o comparecimento a atos do processo, evitar a obstrução do seu andamento ou em caso de resistência injustificada à ordem judicial; IX - monitoração eletrônica.
  • 8. “Art. 282. As medidas cautelares previstas neste Título deverão ser aplicadas observando-se a: I - necessidade para aplicação da lei penal, para a investigação ou a instrução criminal e, nos casos expressamente previstos, para evitar a prática de infrações penais; II - adequação da medida à gravidade do crime, circunstâncias do fato e condições pessoais do indiciado ou acusado. Exige-se além dos requisitos do Art. 282 os pressupostos gerais do “fumus comissi delicti” – ( prova da existência do fato e indícios suficientes de autoria)? 2ª Corrente: Adoção expressa do princípio da homogeneidade ( Art. 283, Não se fazem necessários: Nucci § 1º) São indispensáveis: Luiz Flávio Gomes e Edilson Bomfim
  • 9. Questão que surge é o cabimento da detração penal no caso de medidas cautelares diversas da prisão. Corrente: 1ª- Nucci – Não cabe nunca 2ª - LFG – Renato Brasileiro- Cabe na hipótese de que a medida cautelar seja mais gravosa que a pena aplicada ao final do processo. 3ª -Caberá sempre que houver cerceamento relevante do direito de liberdade do agente ( Prof. Rogerio) Art. 282, § 3º - Oitiva do Acusado antes da decretação, ressalvados os casos de urgência – inaudita altera pars. A lei não prevê prazo nem forma para a intimação.
  • 10. § 4o No caso de descumprimento de qualquer das obrigações impostas, o juiz, de ofício ou mediante requerimento do Ministério Público, de seu assistente ou do querelante, poderá substituir a medida, impor outra em cumulação, ou, em último caso, decretar a prisão preventiva (art. 312, parágrafo único). § 5o O juiz poderá revogar a medida cautelar ou substituí-la quando verificar a falta de motivo para que subsista, bem como voltar a decretá-la, se sobrevierem razões que a justifiquem. Cabe a decretação da prisão preventiva pelo descumprimento para os crimes que não admitem a prisão preventiva ( Art. 313, I)? Duas Correntes: Sim, sob pena de desmoralização das medidas cautelares – Nucci Não, pois quebraria o princípio da homogeneidade – Renato Brasileiro
  • 11. “Art. 300. As pessoas presas provisoriamente ficarão separadas das que já estiverem definitivamente condenadas, nos termos da lei de execução penal. Parágrafo único. O militar preso em flagrante delito, após a lavratura dos procedimentos legais, será recolhido a quartel da instituição a que pertencer, onde ficará preso à disposição das autoridades competentes.” (NR) Para nós, na ausência de possibilidade de separação, o réu tem direito a prisão domiciliar, aplicando-se , com mais ênfase ainda, o entendimento do STF em relação ao regime aberto e a ausência de casa do albergado: Incumbe ao Estado aparelhar-se visando à observância irrestrita das decisões judiciais. Se não houver sistema capaz de implicar o cumprimento da pena em regime semiaberto, dá- se a transformação em aberto e, inexistente a casa do albergado, a prisão domiciliar.(HC 96169,): Min. MARCO AURÉLIO, 1ª T. 25/08/2009
  • 12. “Art. 282. (...) § 2o As medidas cautelares serão decretadas pelo juiz, de ofício ou a requerimento das partes ou, quando no curso da investigação criminal, por representação da autoridade policial ou mediante requerimento do Ministério Público. “Art. 311. Em qualquer fase da investigação policial ou do processo penal, caberá a prisão preventiva decretada pelo juiz, de ofício, se no curso da ação penal, ou a requerimento do Ministério Público, do querelante ou do assistente, ou por representação da autoridade policial.” (NR) A lei encerra a possibilidade de decretrção de ofício pelo Juiz de medidas restritivas da liberdade do acusado, fora da fase judicial. Afirma-se , equivocadamente, que o Juiz ainda pode decretar de ofício a prisão preventiva, na hipótese do art. 310, II , ao converter a prisão em flagrante em prisão preventiva , contudo, diante da nova redação do art. 306 é obrigatória a comunicação da prisão ao MP, situação que não ocorre por mero capricho do legislador, mas sim para que, comunicado do flagrante, o MP, se entender necessário, requeira pela decretação da prisão preventiva.
  • 13. Uma das grandes alterações da lei 12. 403/11 foi a correta colocação da prisão em flagrante em seu devido lugar. Ocorre que antes da nova lei a maioria da doutrina entendia na prisão em flagrante verdadeira medida cautelar penal, de modo que, sequer exigia-se do juiz motivação para a manutenção da prisão decorrente dela. A nova lei deixa claro que a prisão em flagrante não é medida cautelar, mas sim, pré- cautelar destinada exclusivamente ao impedimento da continuidade do crime e restabelecimento da paz social. Assim, no atual sistema, o Juiz motiva a prisão e não mais a liberdade do flagranteado, de tal modo que se ausentes os requisitos da prisão preventiva, e das medidas cautelares diversas da prisão, deve o juiz colocar o flagranteado em liberdade. “Art. 310. Ao receber o auto de prisão em flagrante, o juiz deverá fundamentadamente: I - relaxar a prisão ilegal; ou II - converter a prisão em flagrante em preventiva, quando presentes os requisitos constantes do art. 312 deste Código, e se revelarem inadequadas ou insuficientes as medidas cautelares diversas da prisão; ou III - conceder liberdade provisória, com ou sem fiança. Parágrafo único. Se o juiz verificar, pelo auto de prisão em flagrante, que o agente praticou o fato nas condições constantes dos incisos I a III do caput do art. 23 do Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal, poderá, fundamentadamente, conceder ao acusado liberdade provisória, mediante termo de comparecimento a todos os atos processuais, sob pena de revogação.” (NR)
  • 14. A pergunta que se faz é se a proibição de decretação de ofício pelo Juiz das medidas Cautelares e da Prisão Preventiva prevista pela lei 12.403/11, aplica-se às leis especiais que ainda permitem tal decretação? Alice Bianchini, afirma que Art. 20. Em qualquer fase do inquérito continua valendo a norma policial ou da instrução criminal, caberá a da lei Maria da Penha, que prisão preventiva do agressor, decretada é lei especial. pelo juiz, de ofício, a requerimento do Ministério Público ou mediante representação da autoridade policial. Parágrafo único. O juiz poderá revogar a Rogério Cunha Sanches, prisão preventiva se, no curso do processo, afirma que as disposições verificar a falta de motivo para que subsista, da lei 12.403/11, são bem como de novo decretá-la, se válidas para todas as sobrevierem razões que a justifiquem. normas.
  • 15. “Art. 312. A prisão preventiva poderá ser decretada como garantia da ordem pública, da ordem econômica, por conveniência da instrução criminal, ou para assegurar a aplicação da lei penal, quando houver prova da existência do crime e indício suficiente de autoria. Parágrafo único. A prisão preventiva também poderá ser decretada em caso de descumprimento de qualquer das obrigações impostas por força de outras medidas cautelares (art. 282, § 4o).” (NR) Fumus Comissi Delicti : prova da existência do crime Periculum libertatis: Risco da liberdade do réu garantia da ordem pública, da ordem econômica, conveniência da instrução criminal, Não cabimento de assegurar a aplicação da lei penal qualquer das medidas descumprimento de outras medidas cautelares diversas da cautelares prisão ( Art. 282, § 6º) violência doméstica e familiar contra a mulher, criança, adolescente, idoso, enfermo ou pessoa com deficiência, para garantir a execução das medidas protetivas de urgência
  • 16. “Art. 313. Nos termos do art. 312 deste Código, será admitida a decretação da prisão preventiva: I - nos crimes dolosos punidos com pena privativa de liberdade máxima superior a 4 (quatro) anos; Em crime culposo, qualquer que II - se tiver sido condenado por outro crime seja a pena e mesmo ao réu doloso, em sentença transitada em julgado, reincidente. ressalvado o disposto no inciso I do caput do art. 64 do Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de Em crime não punido com pena 1940 - Código Penal; privativa de liberdade. III - se o crime envolver violência doméstica e familiar contra a mulher, criança, adolescente, Em crime punidos com pena idoso, enfermo ou pessoa com deficiência, para inferior a 4 anos de privação de garantir a execução das medidas protetivas de liberdade, salvo, nesse caso: urgência; 1. Se for reincidente 2. Em crime que envolva violência doméstica, idoso, criança ou deficiente.
  • 17. As medidas protetivas de urgência estão A prisão preventiva será previstas no art. 22 da Lei 11.340/06, para admitida, independente da as hipóteses de violência doméstica de quantidade de pena, ainda: gênero contra a mulher. se o crime envolver violência Não há previsão legal para medidas doméstica e familiar contra a protetivas em relação a criança, mulher, criança, adolescente, adolescente, idoso, enfermo ou pessoa com idoso, enfermo ou pessoa com deficiência. deficiência, para garantir a execução das medidas protetivas de urgência Podemos aplicar as medidas da Lei Maria da Penha aos demais casos? Entendemos que sim por analogia as medidas da Lei Maria da Penha podem ser aplicadas aos demais casos.
  • 18. Entendemos que não, mas somente para aquelas que não detém natureza cível, como é o caso da restrição ou suspensão de visitas aos dependentes menores, ouvida a equipe de atendimento multidisciplinar ou serviço similar ( Art. 22, IV-), ou a prestação de alimentos provisionais ou provisórios( Art. 22, V) Entendemos essa modalidade de Também será admitida a prisão preventiva prisão completamente quando houver dúvida sobre a identidade civil inconstitucional, posto que a falta da pessoa ou quando esta não fornecer de nome ou identidade do réu elementos suficientes para esclarecê-la, devendo não impede o oferecimento da o preso ser colocado imediatamente em denúncia (CPP art. 41), bem como liberdade após a identificação, salvo se outra o procedimento menos gravoso hipótese recomendar a manutenção da medida. será a identificação criminal ( Lei Art. 41. A denúncia ou queixa conterá a exposição do fato criminoso, com 12.037/2009). todas as suas circunstâncias, a qualificação do acusado ou esclarecimentos pelos quais se possa identificá-lo, a classificação do crime e, quando necessário, o rol das testemunhas.
  • 19. “Art. 317. A prisão domiciliar consiste no recolhimento do indiciado ou acusado em sua residência, só podendo dela ausentar-se com autorização judicial.” (NR) “Art. 318. Poderá o juiz substituir a prisão preventiva pela domiciliar quando o agente for: I - maior de 80 (oitenta) anos; II - extremamente debilitado por motivo de doença grave; III - imprescindível aos cuidados especiais de pessoa menor de 6 (seis) anos de idade ou com deficiência; IV - gestante a partir do 7o (sétimo) mês de gravidez ou sendo esta de alto risco. Parágrafo único. Para a substituição, o juiz exigirá prova idônea dos requisitos estabelecidos neste artigo.”
  • 20. “Art. 322. A autoridade policial somente poderá conceder fiança nos casos de infração cuja pena privativa de liberdade máxima não seja superior a 4 A lei 12.403/11, optou por (quatro) anos. adotar um critério de Parágrafo único. Nos demais casos, a fiança será exclusão para a fiança, assim requerida ao juiz, que decidirá em 48 (quarenta e oito) , na atualidade, TODOS os horas.” (NR) crimes são afiançáveis, salvo “Art. 323. Não será concedida fiança: os descritos no art. 323, os I - nos crimes de racismo; quais, aliás, diga-se , tem a II - nos crimes de tortura, tráfico ilícito de vedação da fiança entorpecentes e drogas afins, terrorismo e nos decorrente da própria definidos como crimes hediondos; Constituição. III - nos crimes cometidos por grupos armados, civis ou militares, contra a ordem constitucional e o Estado Democrático; R)
  • 21. “Art. 325. O valor da fiança será fixado pela autoridade que a conceder nos seguintes limites: I - de 1 (um) a 100 (cem) salários mínimos, quando se tratar de infração cuja pena privativa de liberdade, no grau máximo, não for superior a 4 (quatro) anos; II - de 10 (dez) a 200 (duzentos) salários Na atualidade, a fiança varia de um mínimos, quando o máximo da pena privativa mínimo de R$ 181,66 ( 1/3 do salário de liberdade cominada for superior a 4 (quatro) mínimo) e no máximo R$ anos. 109.000.000,00 ( cento e nove § 1o Se assim recomendar a situação milhões de reais) econômica do preso, a fiança poderá ser: I - dispensada, na forma do art. 350 deste Código; II - reduzida até o máximo de 2/3 (dois terços); ou III - aumentada em até 1.000 (mil) vezes.
  • 22. Com a publicação da Lei 12.403/11 a liberdade provisória passou a ser admitida sob 3 modalidades: 1ª Liberdade Provisória , sem aplicação de medida cautelar, mas sob o compromisso de comparecimento a todos os atos do processo: Art. 310, parágrafo único – Hipóteses de evidente causa de exclusão da ilicitude. 2ª Liberdade Provisória , sem fiança, mas vinculada e com a possibilidade de outra medida cautelar. Para os crimes afiançãveis, em que estiver presente a hipótese do art. 350 do CPP- réu sem condições de arcar com a fiança 3ª Liberdade Provisória, com ou sem medida cautelar, se estiverem ausentes os requisitos da prisão preventiva, mas cabíveis as medidas, ou sem as medidas cautelares por falta dos requisitos do art. 282.