SlideShare uma empresa Scribd logo
Principais
protozooses
Karla Bittencourt
PARASITISMO - Termos
Agente Etiológico: Parasita causador da doença.
Hospedeiro Definitivo: Apresenta o parasita na fase adulta –
Reprodução.
Hospedeiro Intermediário: Abriga a fase larvária do parasita.
Parasita Monoxeno: efetua o ciclo em um hospedeiro.
Parasita Heteroxeno: efetua o ciclo obrigatoriamente em dois
hospedeiros.
Vetor: organismo que transmite o parasita.
Profilaxia: prevenção.
Endemia x Epidemia x Pandemia
Endemia:
Doença que existe constantemente em determinado lugar.
Epidemia:
Doença que surge rapidamente num lugar e acomete, a
um tempo, grande número de pessoas.
Pandemia:
Epidemia mundial
Agente etiológico: Entamoeba histolytica
(parasita intestinal)
Transmissão: ingestão de
cistos em água e alimentos.
Sintomas: disenteria, anemia,
ulcerações na parede intestinal,
necroses hepáticas, pulmonares
e cerebrais.
Ciclo Monoxênico - apenas um hospedeiro
Ingestão de cistos
maduros
Chegada no intestino delgado
onde ocorre o
desencistamento
Metacisto sofre várias
divisões celulares
transformando-se em
trofozoíto
Migração para o intestino
grosso
Produção de cistos e liberação
nas fezes
Invasão da
mucosa intestinal
profilaxia
• Educação sanitária
• Saneamento básico
• Lavar bem os alimentos crus
• Combate às moscas
• Tratamento dos doentes
• Realização de exames em “manipuladores de alimentos” com
freqüência
Agente etiológico: Giardia lamblia
(parasita intestinal)
Sintomas: diarreia, duodenite
(lesões na parede intestinal),
cólicas...
Profilaxia: saneamento básico,
higiene pessoal, cuidados com
água e alimentos.
Transmissão: ingestão de cistos
em água e alimentos.
Ciclo
Monoxênico
Ingestão de
cistos
Desencistamento no
duodeno e liberação de
trofozoítos
Colonização do
intestino delgado
Várias divisões
binárias
Invasão da mucosa
intestinal - diarréia
Produção de cistos e
liberação nas fezes
Agente etiológico: Balantidium coli
(parasita intestinal)
Sintomas: febre, náuseas, lesões
no intestino grosso, diarreia com
sangue.
Profilaxia: saneamento básico,
higiene pessoal, cuidados com
água e alimentos.
Transmissão: ingestão de cistos
em água e alimentos.
Ag. etiológico
Leishmania chagasi
(calazar - leishmaniose visceral)
Leishmania brasiliensis
(úlcera de Bauru)
Transmissão: picada da ♀ do
mosquito palha (Phlebotomus
e Lutzomyia).
Sintomas:
Úlcera de Bauru: ulceras de difícil cicatrização, deformações
em mucosas e cartilagens.
Calazar: lesões no baço, fígado, rins e intestinos, redução
do tecido hematopoiético.
Profilaxia: combate ao vetor, tratamento do doente, vacinas,
eliminação de animais doentes.
Cães com leishmaniose
Agente etiológico: Trichomonas vaginalis
Sintomas: uretrite, prurido e
leucorreia.
Profilaxia: preservativos,
cuidados higiênicos.
Transmissão: contato sexual,
uso de sanitários e piscinas
públicas, e roupas íntimas em
comum (ex: toalhas).
Agente etiológico: Trypanosoma cruzi
Sintomas: cardiomegalia, fibrose
cardíaca, redução da pressão arterial,
megaesôfago e megacólon.
Profilaxia: combate ao vetor, melhoria
de moradias, controle de qualidade em
bancos de sangue.
Transmissão clássica: contato das
fezes do percevejo barbeiro (Triatoma
infestans) com o local de sua picada.
Ciclo da Doença de Chagas
Ciclo
• Heteroxênico (dois hospedeiros)
• Hospedeiro vertebrado: homem e outros mamíferos (tatu,gambá,
rato)- multiplicação intracelular
• Hospedeiro invertebrado: barbeiros triatomíneos - multiplicação
extracelular
Picada do barbeiro e fezes na
pele do hospedeiro
vertebrado
Fezes com os protozoário
caem no sangue do
vertebrado
Entrada nas
fibras
musculares
Mitoses
Trato digestivo do
barbeiro
Picada e
defecação
Picada
Homem
Barbeiro Barbeiro
Homem
Trypanosoma cruzi
(plasma sanguíneo)
Percevejo barbeiro
(Triatoma infestans)
Moradia de risco
Outras formas de transmissão
Placenta
Ingestão do parasita em
alimentos (suco de açaí,
caldo-de-cana)
Amamentação
Transfusão sanguínea
Agente etiológico: Toxoplasma gondii
Sintomas: cegueira, aborto,
má formação do sistema
nervoso em fetos.
Profilaxia: cuidados com
manipulação e destino das
fezes de animais domésticos.
Transmissão: ingestão de
cistos eliminados pelas
fezes de gatos, ingestão
de carnes contaminadas.
Agente
etiológico
Plasmodium vivax (febre terçã benigna)
Plasmodium falciparum (febre terçã maligna)
Plasmodium malariae (febre quartã)
Transmissão: picada da ♀ do mosquito prego
(Anopheles sp.)
Malária
• Protozoários causador: Plasmodium sp;
• Infestação:picada da fêmea do mosquito Anopheles,
popularmente conhecido como mosquito-prego;
• Sintomas: febre, anemia, lesões no baço fígado e medula
óssea;
• Os parasitas ficam nas glândulas salivares do mosquito;
• Após a picada os parasitas nas células do fígado e baço
(reprodução assexuada);
Sintomas: febres intermitentes, icterícia, lesões
nos vasos sanguíneos, degeneração de tecidos,
calafrios, anemia (destruição de hemácias).
Profilaxia:
 tratamento do doente
 combate ao vetor (inseticidas,
repelentes, telas de
proteção...),
 evitar áreas endêmicas ou
tomar medicamentos anti-
maláricos antes de viajar.
Ciclo da malária
Hospedeiro
definitivo
(ocorre fecundação
e esporogonia)
Hospedeiro
intermediário
(ocorre esquizogonia)
Áreas endêmicas (malária)
DOENÇA AGENTE ETIOLÓGICO TRANSMISSÃO SINTOMAS PROFILAXIA
AMEBÍASE Entamoeba histolytica
rizópoda
Ingestão de cistos em água e
alimentos
Disenteria (fezes com sangue)
Anemia
Ulcerações no intestino
Necroses hepáticas, pulmonares e cerebrais
Higiene pessoal
Saneamento básico
Cuidado com água e alimentos
BALANTIDIOSE Balantidium coli
ciliado
Ingestão de cistos em água e
alimentos
Lesões no intestino grosso
Diarréia (fezes com sangue)
Higiene pessoal
Saneamento básico
Cuidado com água e alimentos
GIARDÍASE Higiene pessoal
Saneamento básico
Cuidado com água e alimentos
Giardia lamblia
flagelado
Ingestão de cistos em água e
alimentos
Diarréia (duodenite)
LEISHMANIOSE
TEGUMENTAR
(úlcera de Bauru)
Leishmania brasiliensis
flagelado
Picada do mosquito palha
(Phlebotomus sp.)
Úlcerações de difícil cicatrização
(pele, mucosas e cartilagens)
Combate ao vetor
LEISHMANIOSE
VISCERAL
(calazar)
Leishmania chagasi
flagelado
Picada do mosquito palha
(Pheblotomus sp.)
Lesões no baço, fígado, rins e
intestinos
Combate ao vetor
DOENÇA DO
SONO
Trypanosoma gambiense
flagelado
Picada da mosca tsé-tsé
(Glossina sp.)
Lesões no sistema nervoso
letargia (sonolência), caquexia
Combate ao vetor
DOENÇA DE
CHAGAS
Trypanosoma cruzi
flagelado
Contato das fezes do percevejo
barbeiro com o local da picada
Transfusão sanguínea
Amamentação e placenta
Ingestão do protozoário
Hipertrofia dos órgãos afetados
(principalmente o coração)
Combate ao vetor
Melhoria nas moradias
(casas de alvenaria)
Controle de sangue para
transfusões
TRICOMONÍASE Trichomonas vaginalis
flagelado
Contato sexual, uso de sanitários
e banheiras sem condições de higiene
uso de toalhasúmidas contaminadas
Uretrite, prurido e leucorréia Uso de preservativos, hábitos
higiênicos
TOXOPLASMOSE Toxoplasma gondii
esporozoário
Ingestão de cistos expelidos em
fezes de gatos, ingestão de carnes
contaminadas cruas ou malcozidas
Geralmente assintomática, cegueira,
aborto, problemas neurológicos (fetos)
Adotar medidas higiênicas para
o destino e manipulação de fezes
de animais
MALÁRIA Plasmodium spp.
esporozoário
Picada da fêmea do mosquito prego
(Anopheles sp.)
Febres intemitentes (cíclicas),
Espasmos musculares
Combate ao vetor (eliminac
criadouros, uso de inseticidas
e larvicidas, e uso de telas em
portas e janelas)

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Principais protozooses.pptx

Reino protista (protozoarios)
Reino protista (protozoarios)Reino protista (protozoarios)
Reino protista (protozoarios)
Nome Sobrenome
 
Aula Amebíase.pptx
Aula Amebíase.pptxAula Amebíase.pptx
Aula Amebíase.pptx
JoaraSilva1
 
6 - parasitologia
6 - parasitologia6 - parasitologia
6 - parasitologia
Marcus Magarinho
 
Reino protoctista
Reino protoctistaReino protoctista
Reino protoctista
URCA
 
Parasitismo
ParasitismoParasitismo
Parasitismo
ViniciusOliveira96
 
Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
Leonardo Souza
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
Marcos Albuquerque
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
Marcos Albuquerque
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
guestb30c39
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
guestb30c39
 
PROTOZOARIOS.pdf
PROTOZOARIOS.pdfPROTOZOARIOS.pdf
PROTOZOARIOS.pdf
MarciaRodrigues615662
 
DOENÇA DE CHAGAS PALESTRAS.1 doenã§a de chagas
DOENÇA  DE  CHAGAS  PALESTRAS.1   doenã§a de chagasDOENÇA  DE  CHAGAS  PALESTRAS.1   doenã§a de chagas
DOENÇA DE CHAGAS PALESTRAS.1 doenã§a de chagas
Acervo Artístico-Cultural dos Palácios do Governo de São Paulo
 
Biologia - Protozoários
Biologia - ProtozoáriosBiologia - Protozoários
Biologia - Protozoários
Estude Mais
 
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptxAULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
JordniaMatias2
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
Safia Naser
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
ISJ
 
Reino monera, protista
Reino monera, protistaReino monera, protista
Reino monera, protista
Fatima Comiotto
 
Reino protoctista e Protozooses
Reino protoctista e ProtozoosesReino protoctista e Protozooses
Reino protoctista e Protozooses
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
Gabriel Lopes (Guma)
 

Semelhante a Principais protozooses.pptx (20)

Reino protista (protozoarios)
Reino protista (protozoarios)Reino protista (protozoarios)
Reino protista (protozoarios)
 
Aula Amebíase.pptx
Aula Amebíase.pptxAula Amebíase.pptx
Aula Amebíase.pptx
 
6 - parasitologia
6 - parasitologia6 - parasitologia
6 - parasitologia
 
Reino protoctista
Reino protoctistaReino protoctista
Reino protoctista
 
Parasitismo
ParasitismoParasitismo
Parasitismo
 
Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
PROTOZOARIOS.pdf
PROTOZOARIOS.pdfPROTOZOARIOS.pdf
PROTOZOARIOS.pdf
 
DOENÇA DE CHAGAS PALESTRAS.1 doenã§a de chagas
DOENÇA  DE  CHAGAS  PALESTRAS.1   doenã§a de chagasDOENÇA  DE  CHAGAS  PALESTRAS.1   doenã§a de chagas
DOENÇA DE CHAGAS PALESTRAS.1 doenã§a de chagas
 
Biologia - Protozoários
Biologia - ProtozoáriosBiologia - Protozoários
Biologia - Protozoários
 
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptxAULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Reino monera, protista
Reino monera, protistaReino monera, protista
Reino monera, protista
 
Reino protoctista e Protozooses
Reino protoctista e ProtozoosesReino protoctista e Protozooses
Reino protoctista e Protozooses
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 

Principais protozooses.pptx

  • 2. PARASITISMO - Termos Agente Etiológico: Parasita causador da doença. Hospedeiro Definitivo: Apresenta o parasita na fase adulta – Reprodução. Hospedeiro Intermediário: Abriga a fase larvária do parasita. Parasita Monoxeno: efetua o ciclo em um hospedeiro. Parasita Heteroxeno: efetua o ciclo obrigatoriamente em dois hospedeiros. Vetor: organismo que transmite o parasita. Profilaxia: prevenção.
  • 3. Endemia x Epidemia x Pandemia Endemia: Doença que existe constantemente em determinado lugar. Epidemia: Doença que surge rapidamente num lugar e acomete, a um tempo, grande número de pessoas. Pandemia: Epidemia mundial
  • 4. Agente etiológico: Entamoeba histolytica (parasita intestinal) Transmissão: ingestão de cistos em água e alimentos. Sintomas: disenteria, anemia, ulcerações na parede intestinal, necroses hepáticas, pulmonares e cerebrais.
  • 5. Ciclo Monoxênico - apenas um hospedeiro Ingestão de cistos maduros Chegada no intestino delgado onde ocorre o desencistamento Metacisto sofre várias divisões celulares transformando-se em trofozoíto Migração para o intestino grosso Produção de cistos e liberação nas fezes Invasão da mucosa intestinal
  • 6. profilaxia • Educação sanitária • Saneamento básico • Lavar bem os alimentos crus • Combate às moscas • Tratamento dos doentes • Realização de exames em “manipuladores de alimentos” com freqüência
  • 7. Agente etiológico: Giardia lamblia (parasita intestinal) Sintomas: diarreia, duodenite (lesões na parede intestinal), cólicas... Profilaxia: saneamento básico, higiene pessoal, cuidados com água e alimentos. Transmissão: ingestão de cistos em água e alimentos.
  • 8. Ciclo Monoxênico Ingestão de cistos Desencistamento no duodeno e liberação de trofozoítos Colonização do intestino delgado Várias divisões binárias Invasão da mucosa intestinal - diarréia Produção de cistos e liberação nas fezes
  • 9. Agente etiológico: Balantidium coli (parasita intestinal) Sintomas: febre, náuseas, lesões no intestino grosso, diarreia com sangue. Profilaxia: saneamento básico, higiene pessoal, cuidados com água e alimentos. Transmissão: ingestão de cistos em água e alimentos.
  • 10. Ag. etiológico Leishmania chagasi (calazar - leishmaniose visceral) Leishmania brasiliensis (úlcera de Bauru) Transmissão: picada da ♀ do mosquito palha (Phlebotomus e Lutzomyia).
  • 11. Sintomas: Úlcera de Bauru: ulceras de difícil cicatrização, deformações em mucosas e cartilagens. Calazar: lesões no baço, fígado, rins e intestinos, redução do tecido hematopoiético. Profilaxia: combate ao vetor, tratamento do doente, vacinas, eliminação de animais doentes.
  • 13. Agente etiológico: Trichomonas vaginalis Sintomas: uretrite, prurido e leucorreia. Profilaxia: preservativos, cuidados higiênicos. Transmissão: contato sexual, uso de sanitários e piscinas públicas, e roupas íntimas em comum (ex: toalhas).
  • 14. Agente etiológico: Trypanosoma cruzi Sintomas: cardiomegalia, fibrose cardíaca, redução da pressão arterial, megaesôfago e megacólon. Profilaxia: combate ao vetor, melhoria de moradias, controle de qualidade em bancos de sangue. Transmissão clássica: contato das fezes do percevejo barbeiro (Triatoma infestans) com o local de sua picada.
  • 15. Ciclo da Doença de Chagas
  • 16. Ciclo • Heteroxênico (dois hospedeiros) • Hospedeiro vertebrado: homem e outros mamíferos (tatu,gambá, rato)- multiplicação intracelular • Hospedeiro invertebrado: barbeiros triatomíneos - multiplicação extracelular
  • 17. Picada do barbeiro e fezes na pele do hospedeiro vertebrado Fezes com os protozoário caem no sangue do vertebrado Entrada nas fibras musculares Mitoses Trato digestivo do barbeiro Picada e defecação Picada Homem Barbeiro Barbeiro Homem
  • 18. Trypanosoma cruzi (plasma sanguíneo) Percevejo barbeiro (Triatoma infestans) Moradia de risco
  • 19. Outras formas de transmissão Placenta Ingestão do parasita em alimentos (suco de açaí, caldo-de-cana) Amamentação Transfusão sanguínea
  • 20. Agente etiológico: Toxoplasma gondii Sintomas: cegueira, aborto, má formação do sistema nervoso em fetos. Profilaxia: cuidados com manipulação e destino das fezes de animais domésticos. Transmissão: ingestão de cistos eliminados pelas fezes de gatos, ingestão de carnes contaminadas.
  • 21. Agente etiológico Plasmodium vivax (febre terçã benigna) Plasmodium falciparum (febre terçã maligna) Plasmodium malariae (febre quartã) Transmissão: picada da ♀ do mosquito prego (Anopheles sp.)
  • 22. Malária • Protozoários causador: Plasmodium sp; • Infestação:picada da fêmea do mosquito Anopheles, popularmente conhecido como mosquito-prego; • Sintomas: febre, anemia, lesões no baço fígado e medula óssea; • Os parasitas ficam nas glândulas salivares do mosquito; • Após a picada os parasitas nas células do fígado e baço (reprodução assexuada);
  • 23. Sintomas: febres intermitentes, icterícia, lesões nos vasos sanguíneos, degeneração de tecidos, calafrios, anemia (destruição de hemácias).
  • 24. Profilaxia:  tratamento do doente  combate ao vetor (inseticidas, repelentes, telas de proteção...),  evitar áreas endêmicas ou tomar medicamentos anti- maláricos antes de viajar.
  • 25. Ciclo da malária Hospedeiro definitivo (ocorre fecundação e esporogonia) Hospedeiro intermediário (ocorre esquizogonia)
  • 27. DOENÇA AGENTE ETIOLÓGICO TRANSMISSÃO SINTOMAS PROFILAXIA AMEBÍASE Entamoeba histolytica rizópoda Ingestão de cistos em água e alimentos Disenteria (fezes com sangue) Anemia Ulcerações no intestino Necroses hepáticas, pulmonares e cerebrais Higiene pessoal Saneamento básico Cuidado com água e alimentos BALANTIDIOSE Balantidium coli ciliado Ingestão de cistos em água e alimentos Lesões no intestino grosso Diarréia (fezes com sangue) Higiene pessoal Saneamento básico Cuidado com água e alimentos GIARDÍASE Higiene pessoal Saneamento básico Cuidado com água e alimentos Giardia lamblia flagelado Ingestão de cistos em água e alimentos Diarréia (duodenite) LEISHMANIOSE TEGUMENTAR (úlcera de Bauru) Leishmania brasiliensis flagelado Picada do mosquito palha (Phlebotomus sp.) Úlcerações de difícil cicatrização (pele, mucosas e cartilagens) Combate ao vetor LEISHMANIOSE VISCERAL (calazar) Leishmania chagasi flagelado Picada do mosquito palha (Pheblotomus sp.) Lesões no baço, fígado, rins e intestinos Combate ao vetor DOENÇA DO SONO Trypanosoma gambiense flagelado Picada da mosca tsé-tsé (Glossina sp.) Lesões no sistema nervoso letargia (sonolência), caquexia Combate ao vetor DOENÇA DE CHAGAS Trypanosoma cruzi flagelado Contato das fezes do percevejo barbeiro com o local da picada Transfusão sanguínea Amamentação e placenta Ingestão do protozoário Hipertrofia dos órgãos afetados (principalmente o coração) Combate ao vetor Melhoria nas moradias (casas de alvenaria) Controle de sangue para transfusões TRICOMONÍASE Trichomonas vaginalis flagelado Contato sexual, uso de sanitários e banheiras sem condições de higiene uso de toalhasúmidas contaminadas Uretrite, prurido e leucorréia Uso de preservativos, hábitos higiênicos TOXOPLASMOSE Toxoplasma gondii esporozoário Ingestão de cistos expelidos em fezes de gatos, ingestão de carnes contaminadas cruas ou malcozidas Geralmente assintomática, cegueira, aborto, problemas neurológicos (fetos) Adotar medidas higiênicas para o destino e manipulação de fezes de animais MALÁRIA Plasmodium spp. esporozoário Picada da fêmea do mosquito prego (Anopheles sp.) Febres intemitentes (cíclicas), Espasmos musculares Combate ao vetor (eliminac criadouros, uso de inseticidas e larvicidas, e uso de telas em portas e janelas)