SlideShare uma empresa Scribd logo
Parasitologia
Definição
Parasitologia é a ciência que estuda os parasitas, os seus
hospedeiros e relações entre eles. Engloba os filos:
Protozoa (protozoários),
Nematoda (nematódes),
Annelida (anelídeos),
Platyhelminthes (platelmínteos),
Arthropoda (artrópodes).
Os protozoários são unicelulares, enquanto os nematódeos,
anelídeos, platelmintos e artrópodes são organismos
multicelulares.
Definição
Temos também parasitismo em plantas (holoparasta e
hemiparasita) como é o caso do cipó-chumbo. temos parasitismo
em fungos (micose) e em bactérias e até vírus. A parasitologia
médica também se preocupa com o estudo do vetor.
Conceitos Básicos
Parasitismo: é a associação entre seres vivos onde existe benefícios
unilateral, sendo um dos associados (o de maior porte ou hospedeiro)
prejudicado pela associação.
Parasito: é o ser vivo de menor porte que vive associado a outro ser vivo
de maior porte, à custa ou na dependência deste. Pode ser:
• Ectoparasito: vive extremamente no corpo do hospedeiro.
• Endoparasito: vive dentro do corpo do hospedeiro.
Conceitos Básicos
• Hiperparasito: que parasita outro parasito:
Ex.: E.histolytica sendo parasitada por fungos (Sphoerita endógena) ou
por cocobacilos.
Conceitos Básicos
• Hiperparasito: que parasita outro parasito:
Ex.: E.histolytica sendo parasitada por fungos (Sphoerita endógena) ou
por cocobacilos.
Conceitos Básicos
Parasito acidental: é o que exerce o papel de parasito, porém
habitualmente possui vida não-parasitária.
Ex.: larvas de moscas que vivem em frutos ou vegetais em
decomposição e acidentalmente atingem humanos.
Conceitos Básicos
Parasito errático: é o que vive fora do seu hábitat ou de seu hospedeiro
normal.
Conceitos Básicos
Conceitos Básicos
Parasito obrigatório: é aquele incapaz de viver fora do hospedeiro.
Ex.: T.gondii, Plassmodium.
Parasito oportunista: é aquele que usualmente vive no paciente sem
provocar nenhum dano (infecção inaparente), mas em determinados
momentos se aproveita da baixa resistência do paciente de desenvolve
doenças graves.
Parasito periódico: é o que freqüenta o hospedeiro intervaladamente.
Ex.: mosquitos, barbeiros.
Conceitos Básicos
Parasitóide: é a forma imatura (larva) de um inseto que ataca outros
artrópodes maiores, quase sempre provocando a morte desses.
Ex.: o micro-himenóptero Telenomous fariai atacando ovos de barbeiros.
Relações entre parasitas e
hospedeiros
 O estabelecimento das relações são muito mais
íntimas.
 A intimidade se manifesta pelo contato permanente
em nível histológico.
 Um dos organismos passa a ser o meio ecológico do
outro.
 Diferentes graus de dependência metabólica.
Parasito – Hospedeiro – Vetor - Ambiente

Hospedeiro
Zoonose - parasitoses animais que eventualmente
são transmitidas ao homem (hidatidose –
carneiro).
Reservatórios - hospedeiros naturais que são
fonte de infeção para a forma humana da doença.
O bom parasito não mata seu
hospedeiro.
Vetor
Transmissores mecânicos de uma
parasitose.
Conceito da OMS - transmissor,
independentemente de ser ou não
hospedeiro.
Habitats dos parasitas
Tubo digestivo
Mucosas/Epitélio
Orgãos internos (fígado, cérebro)
Sistema fagocítico mononuclear
Sangue, linfa e líquidos intersticiais
Infecção por parasitas
Ingestão – água e alimentos
contaminados
Injeção – por um vetor hematófago
Penetração – o parasita rompe a
barreira da pele
Ações do parasita no hospedeiro
ESPOLIATIVA: absorção de nutrientes ou sangue de seu
hospedeiro. Ex: hematofagismo de mosquitos e barbeiros;
Ancylostomatidae, sangue da mucosa intestinal deixando
pontos hemorrágicos.
TÓXICA: produção de enzimas que lesam o hospedeiro.
Ex: Ascaris lumbricoides provocam reações alérgicas; e
ovos de Schystosoma mansoni provocam reações teciduais
no fígado, intestinos e pulmões.
MECÂNICA: impede o fluxo alimentar ou absorção dos
alimentos. Ex: Ascaris lumbricoides na alça intestinal; e
Giardia lamblia no duodeno.
Ações do parasita no hospedeiro
TRAUMÁTICA: migração cutânea e pulmonar de
Ancylostomatidae, rompimento de hemácias por Plasmodium,
úlceras intestinais causadas por Ancylostomatidae e Trichuris.
IRRITATIVA: deve-se à presença constante do parasito no
local, sem provocar lesões. Ex: ventosas de Cestoda na mucosa
intestinal ou lábios de A. lumbricoides.
ENZIMÁTICA: durante o processo de penetração no
hospedeiro. Ex: cercárias de S. mansoni na pele; E. histolytica e
Ancylostomatidae ao lesar o epitélio intestinal para obter
alimento.
ANÓXIA: qualquer parasito que consuma oxigênio da
hemoglobina ou produza anemia. Ex: Plasmodium (malária).
Transmissão de parasitas
 Parasitos transmitidos entre pessoas devido ao
contato pessoal ou objetos de uso pessoal
(fômites).
 Parasitos transmitidos pela água, alimentos,
mãos sujas ou poeira
 Parasitos transmitidos por solos contaminados
por larva (geo-helmintoses)
 Parasitos transmitidos por vetores ou
hospedeiros intermediários
 Parasitos transmitidos por mecanismos diversos


Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 01
Aula 01Aula 01
Bacterias e as doenças causadas por elas
Bacterias e as doenças causadas por elasBacterias e as doenças causadas por elas
Bacterias e as doenças causadas por elas
Evandro Batista
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Tiago da Silva
 
0 conceitos sobre parasitologia
0   conceitos sobre parasitologia0   conceitos sobre parasitologia
0 conceitos sobre parasitologia
Maria Jaqueline Mesquita
 
Aula n° 1
Aula n° 1  Aula n° 1
Aula n° 1
Gildo Crispim
 
Introdução à microbiologia
Introdução à microbiologiaIntrodução à microbiologia
Introdução à microbiologia
Renato Varges - UFF
 
Doenças causadas por bacterias
Doenças  causadas por bacteriasDoenças  causadas por bacterias
Doenças causadas por bacterias
Adrianne Mendonça
 
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidadeAula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Hamilton Nobrega
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
naiellyrodrigues
 
Doenças parasitárias - Parte I
Doenças parasitárias - Parte IDoenças parasitárias - Parte I
Doenças parasitárias - Parte I
bioemanuel
 
Introdução à imunologia
Introdução à imunologiaIntrodução à imunologia
Introdução à imunologia
Messias Miranda
 
Doenças causadas por protozoários e vermes
Doenças causadas por protozoários e vermesDoenças causadas por protozoários e vermes
Doenças causadas por protozoários e vermes
ingridavilez
 
Aula bactérias
Aula bactériasAula bactérias
Aula bactérias
Erik Macedo
 
Parasitismo
ParasitismoParasitismo
Parasitismo
mainamgar
 
Aula 12 virus
Aula   12 virusAula   12 virus
Aula 12 virus
Gildo Crispim
 
Apresentação bactérias
Apresentação bactériasApresentação bactérias
Apresentação bactérias
Fernanda Marinho
 
Seminário Hospedeiro e Parasita
Seminário Hospedeiro e ParasitaSeminário Hospedeiro e Parasita
Seminário Hospedeiro e Parasita
Nathy Oliveira
 
Teniase e cisticercose
Teniase e cisticercoseTeniase e cisticercose
Teniase e cisticercose
feraps
 
Seminário sobre Helmintos
Seminário sobre HelmintosSeminário sobre Helmintos
Seminário sobre Helmintos
Ágatha Mayara
 
Biologia- Virus
Biologia- VirusBiologia- Virus
Biologia- Virus
Slides de Tudo
 

Mais procurados (20)

Aula 01
Aula 01Aula 01
Aula 01
 
Bacterias e as doenças causadas por elas
Bacterias e as doenças causadas por elasBacterias e as doenças causadas por elas
Bacterias e as doenças causadas por elas
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a Microbiologia
 
0 conceitos sobre parasitologia
0   conceitos sobre parasitologia0   conceitos sobre parasitologia
0 conceitos sobre parasitologia
 
Aula n° 1
Aula n° 1  Aula n° 1
Aula n° 1
 
Introdução à microbiologia
Introdução à microbiologiaIntrodução à microbiologia
Introdução à microbiologia
 
Doenças causadas por bacterias
Doenças  causadas por bacteriasDoenças  causadas por bacterias
Doenças causadas por bacterias
 
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidadeAula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
 
Doenças parasitárias - Parte I
Doenças parasitárias - Parte IDoenças parasitárias - Parte I
Doenças parasitárias - Parte I
 
Introdução à imunologia
Introdução à imunologiaIntrodução à imunologia
Introdução à imunologia
 
Doenças causadas por protozoários e vermes
Doenças causadas por protozoários e vermesDoenças causadas por protozoários e vermes
Doenças causadas por protozoários e vermes
 
Aula bactérias
Aula bactériasAula bactérias
Aula bactérias
 
Parasitismo
ParasitismoParasitismo
Parasitismo
 
Aula 12 virus
Aula   12 virusAula   12 virus
Aula 12 virus
 
Apresentação bactérias
Apresentação bactériasApresentação bactérias
Apresentação bactérias
 
Seminário Hospedeiro e Parasita
Seminário Hospedeiro e ParasitaSeminário Hospedeiro e Parasita
Seminário Hospedeiro e Parasita
 
Teniase e cisticercose
Teniase e cisticercoseTeniase e cisticercose
Teniase e cisticercose
 
Seminário sobre Helmintos
Seminário sobre HelmintosSeminário sobre Helmintos
Seminário sobre Helmintos
 
Biologia- Virus
Biologia- VirusBiologia- Virus
Biologia- Virus
 

Semelhante a Aula 1 conceitos gerais de parasitologia

aula 1.pptxxxxxzxzzzzzxcfffddeeegyyyyyreee
aula 1.pptxxxxxzxzzzzzxcfffddeeegyyyyyreeeaula 1.pptxxxxxzxzzzzzxcfffddeeegyyyyyreee
aula 1.pptxxxxxzxzzzzzxcfffddeeegyyyyyreee
filomenaireny
 
Parasitismo
ParasitismoParasitismo
Parasitismo
ViniciusOliveira96
 
3ª série BIOLOGIArevisão- PPT- MAIO JUNHO.PDF
3ª série BIOLOGIArevisão- PPT- MAIO JUNHO.PDF3ª série BIOLOGIArevisão- PPT- MAIO JUNHO.PDF
3ª série BIOLOGIArevisão- PPT- MAIO JUNHO.PDF
Kauanny9
 
Resumo parasitologia 3
Resumo parasitologia 3Resumo parasitologia 3
Resumo parasitologia 3
Ronaldo Reis Rêgo
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Apostila de parasitologia, 2011
Apostila de parasitologia, 2011Apostila de parasitologia, 2011
Apostila de parasitologia, 2011
Vanderson Mafra
 
Parasito
ParasitoParasito
Parasito
Jairina Chaves
 
Apostila paratologia
Apostila paratologiaApostila paratologia
Apostila paratologia
Karla Oliveira Ortiz
 
Fic papo
Fic papoFic papo
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
AULA DE PARASITO.ppt
AULA DE PARASITO.pptAULA DE PARASITO.ppt
AULA DE PARASITO.ppt
Mari Sousa
 
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptxAULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
JordniaMatias2
 
Aula introdutória Parasito.pptx
Aula introdutória Parasito.pptxAula introdutória Parasito.pptx
Aula introdutória Parasito.pptx
ArmstrongMelo
 
Cópia de ENFERMAGEM - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
Cópia de ENFERMAGEM -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdfCópia de ENFERMAGEM -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
Cópia de ENFERMAGEM - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
CamilaAlcantara18
 
Parasitismop
ParasitismopParasitismop
Parasitismop
João Marques
 
Análisesok.pdf
Análisesok.pdfAnálisesok.pdf
Análisesok.pdf
MayaraGomes216833
 
Identificar a importância do perfil epidemiológico.pptx
Identificar a importância do perfil epidemiológico.pptxIdentificar a importância do perfil epidemiológico.pptx
Identificar a importância do perfil epidemiológico.pptx
ArmstrongMelo
 
Conceitos gerais e métodos parasitológicos.pdf
Conceitos gerais e métodos parasitológicos.pdfConceitos gerais e métodos parasitológicos.pdf
Conceitos gerais e métodos parasitológicos.pdf
FabianoSoares50
 
Aula 3 trypanossoma leishmania
Aula 3 trypanossoma leishmaniaAula 3 trypanossoma leishmania
Aula 3 trypanossoma leishmania
Adila Trubat
 
Reino protoctista e Protozooses
Reino protoctista e ProtozoosesReino protoctista e Protozooses
Reino protoctista e Protozooses
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 

Semelhante a Aula 1 conceitos gerais de parasitologia (20)

aula 1.pptxxxxxzxzzzzzxcfffddeeegyyyyyreee
aula 1.pptxxxxxzxzzzzzxcfffddeeegyyyyyreeeaula 1.pptxxxxxzxzzzzzxcfffddeeegyyyyyreee
aula 1.pptxxxxxzxzzzzzxcfffddeeegyyyyyreee
 
Parasitismo
ParasitismoParasitismo
Parasitismo
 
3ª série BIOLOGIArevisão- PPT- MAIO JUNHO.PDF
3ª série BIOLOGIArevisão- PPT- MAIO JUNHO.PDF3ª série BIOLOGIArevisão- PPT- MAIO JUNHO.PDF
3ª série BIOLOGIArevisão- PPT- MAIO JUNHO.PDF
 
Resumo parasitologia 3
Resumo parasitologia 3Resumo parasitologia 3
Resumo parasitologia 3
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Apostila de parasitologia, 2011
Apostila de parasitologia, 2011Apostila de parasitologia, 2011
Apostila de parasitologia, 2011
 
Parasito
ParasitoParasito
Parasito
 
Apostila paratologia
Apostila paratologiaApostila paratologia
Apostila paratologia
 
Fic papo
Fic papoFic papo
Fic papo
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
AULA DE PARASITO.ppt
AULA DE PARASITO.pptAULA DE PARASITO.ppt
AULA DE PARASITO.ppt
 
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptxAULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
 
Aula introdutória Parasito.pptx
Aula introdutória Parasito.pptxAula introdutória Parasito.pptx
Aula introdutória Parasito.pptx
 
Cópia de ENFERMAGEM - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
Cópia de ENFERMAGEM -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdfCópia de ENFERMAGEM -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
Cópia de ENFERMAGEM - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
 
Parasitismop
ParasitismopParasitismop
Parasitismop
 
Análisesok.pdf
Análisesok.pdfAnálisesok.pdf
Análisesok.pdf
 
Identificar a importância do perfil epidemiológico.pptx
Identificar a importância do perfil epidemiológico.pptxIdentificar a importância do perfil epidemiológico.pptx
Identificar a importância do perfil epidemiológico.pptx
 
Conceitos gerais e métodos parasitológicos.pdf
Conceitos gerais e métodos parasitológicos.pdfConceitos gerais e métodos parasitológicos.pdf
Conceitos gerais e métodos parasitológicos.pdf
 
Aula 3 trypanossoma leishmania
Aula 3 trypanossoma leishmaniaAula 3 trypanossoma leishmania
Aula 3 trypanossoma leishmania
 
Reino protoctista e Protozooses
Reino protoctista e ProtozoosesReino protoctista e Protozooses
Reino protoctista e Protozooses
 

Mais de Adila Trubat

Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
Adila Trubat
 
Tambor palestra completa
Tambor palestra completaTambor palestra completa
Tambor palestra completa
Adila Trubat
 
Vivencia hecate
Vivencia hecateVivencia hecate
Vivencia hecate
Adila Trubat
 
Tambor palestra final
Tambor palestra finalTambor palestra final
Tambor palestra final
Adila Trubat
 
Tambor final
Tambor finalTambor final
Tambor final
Adila Trubat
 
Aula 13 dirofilariose
Aula 13 dirofilariose Aula 13 dirofilariose
Aula 13 dirofilariose
Adila Trubat
 
Aula 12 nematelmintos 3
Aula 12 nematelmintos 3Aula 12 nematelmintos 3
Aula 12 nematelmintos 3
Adila Trubat
 
Radiação
RadiaçãoRadiação
Radiação
Adila Trubat
 
C neoformans e linfócitos B
C neoformans e linfócitos BC neoformans e linfócitos B
C neoformans e linfócitos B
Adila Trubat
 
Técnicas de diagnóstico
Técnicas de diagnósticoTécnicas de diagnóstico
Técnicas de diagnóstico
Adila Trubat
 
Aula imune1a
Aula imune1a Aula imune1a
Aula imune1a
Adila Trubat
 
Inflamação
InflamaçãoInflamação
Inflamação
Adila Trubat
 
Alterações gênicas
Alterações gênicas Alterações gênicas
Alterações gênicas
Adila Trubat
 
Genética4
Genética4 Genética4
Genética4
Adila Trubat
 
Interação genica
Interação genicaInteração genica
Interação genica
Adila Trubat
 
Aula 1 geral hq
Aula 1 geral hqAula 1 geral hq
Aula 1 geral hq
Adila Trubat
 
Prions
PrionsPrions
Prions
Adila Trubat
 
Aula 11 Necator, Ancylostoma, Enterobius, Trichurus
Aula 11 Necator, Ancylostoma, Enterobius, TrichurusAula 11 Necator, Ancylostoma, Enterobius, Trichurus
Aula 11 Necator, Ancylostoma, Enterobius, Trichurus
Adila Trubat
 
Aula 10 nematelmintos ascaris ancilóstoma
Aula 10 nematelmintos ascaris ancilóstomaAula 10 nematelmintos ascaris ancilóstoma
Aula 10 nematelmintos ascaris ancilóstoma
Adila Trubat
 
Aula 9 fasciola hepática
Aula 9 fasciola hepáticaAula 9 fasciola hepática
Aula 9 fasciola hepática
Adila Trubat
 

Mais de Adila Trubat (20)

Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Tambor palestra completa
Tambor palestra completaTambor palestra completa
Tambor palestra completa
 
Vivencia hecate
Vivencia hecateVivencia hecate
Vivencia hecate
 
Tambor palestra final
Tambor palestra finalTambor palestra final
Tambor palestra final
 
Tambor final
Tambor finalTambor final
Tambor final
 
Aula 13 dirofilariose
Aula 13 dirofilariose Aula 13 dirofilariose
Aula 13 dirofilariose
 
Aula 12 nematelmintos 3
Aula 12 nematelmintos 3Aula 12 nematelmintos 3
Aula 12 nematelmintos 3
 
Radiação
RadiaçãoRadiação
Radiação
 
C neoformans e linfócitos B
C neoformans e linfócitos BC neoformans e linfócitos B
C neoformans e linfócitos B
 
Técnicas de diagnóstico
Técnicas de diagnósticoTécnicas de diagnóstico
Técnicas de diagnóstico
 
Aula imune1a
Aula imune1a Aula imune1a
Aula imune1a
 
Inflamação
InflamaçãoInflamação
Inflamação
 
Alterações gênicas
Alterações gênicas Alterações gênicas
Alterações gênicas
 
Genética4
Genética4 Genética4
Genética4
 
Interação genica
Interação genicaInteração genica
Interação genica
 
Aula 1 geral hq
Aula 1 geral hqAula 1 geral hq
Aula 1 geral hq
 
Prions
PrionsPrions
Prions
 
Aula 11 Necator, Ancylostoma, Enterobius, Trichurus
Aula 11 Necator, Ancylostoma, Enterobius, TrichurusAula 11 Necator, Ancylostoma, Enterobius, Trichurus
Aula 11 Necator, Ancylostoma, Enterobius, Trichurus
 
Aula 10 nematelmintos ascaris ancilóstoma
Aula 10 nematelmintos ascaris ancilóstomaAula 10 nematelmintos ascaris ancilóstoma
Aula 10 nematelmintos ascaris ancilóstoma
 
Aula 9 fasciola hepática
Aula 9 fasciola hepáticaAula 9 fasciola hepática
Aula 9 fasciola hepática
 

Último

Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 

Último (20)

Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 

Aula 1 conceitos gerais de parasitologia

  • 2. Definição Parasitologia é a ciência que estuda os parasitas, os seus hospedeiros e relações entre eles. Engloba os filos: Protozoa (protozoários), Nematoda (nematódes), Annelida (anelídeos), Platyhelminthes (platelmínteos), Arthropoda (artrópodes). Os protozoários são unicelulares, enquanto os nematódeos, anelídeos, platelmintos e artrópodes são organismos multicelulares.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9. Definição Temos também parasitismo em plantas (holoparasta e hemiparasita) como é o caso do cipó-chumbo. temos parasitismo em fungos (micose) e em bactérias e até vírus. A parasitologia médica também se preocupa com o estudo do vetor.
  • 10. Conceitos Básicos Parasitismo: é a associação entre seres vivos onde existe benefícios unilateral, sendo um dos associados (o de maior porte ou hospedeiro) prejudicado pela associação. Parasito: é o ser vivo de menor porte que vive associado a outro ser vivo de maior porte, à custa ou na dependência deste. Pode ser: • Ectoparasito: vive extremamente no corpo do hospedeiro. • Endoparasito: vive dentro do corpo do hospedeiro.
  • 11. Conceitos Básicos • Hiperparasito: que parasita outro parasito: Ex.: E.histolytica sendo parasitada por fungos (Sphoerita endógena) ou por cocobacilos.
  • 12. Conceitos Básicos • Hiperparasito: que parasita outro parasito: Ex.: E.histolytica sendo parasitada por fungos (Sphoerita endógena) ou por cocobacilos.
  • 13. Conceitos Básicos Parasito acidental: é o que exerce o papel de parasito, porém habitualmente possui vida não-parasitária. Ex.: larvas de moscas que vivem em frutos ou vegetais em decomposição e acidentalmente atingem humanos.
  • 14. Conceitos Básicos Parasito errático: é o que vive fora do seu hábitat ou de seu hospedeiro normal.
  • 16. Conceitos Básicos Parasito obrigatório: é aquele incapaz de viver fora do hospedeiro. Ex.: T.gondii, Plassmodium. Parasito oportunista: é aquele que usualmente vive no paciente sem provocar nenhum dano (infecção inaparente), mas em determinados momentos se aproveita da baixa resistência do paciente de desenvolve doenças graves. Parasito periódico: é o que freqüenta o hospedeiro intervaladamente. Ex.: mosquitos, barbeiros.
  • 17. Conceitos Básicos Parasitóide: é a forma imatura (larva) de um inseto que ataca outros artrópodes maiores, quase sempre provocando a morte desses. Ex.: o micro-himenóptero Telenomous fariai atacando ovos de barbeiros.
  • 18. Relações entre parasitas e hospedeiros  O estabelecimento das relações são muito mais íntimas.  A intimidade se manifesta pelo contato permanente em nível histológico.  Um dos organismos passa a ser o meio ecológico do outro.  Diferentes graus de dependência metabólica. Parasito – Hospedeiro – Vetor - Ambiente 
  • 19. Hospedeiro Zoonose - parasitoses animais que eventualmente são transmitidas ao homem (hidatidose – carneiro). Reservatórios - hospedeiros naturais que são fonte de infeção para a forma humana da doença. O bom parasito não mata seu hospedeiro.
  • 20. Vetor Transmissores mecânicos de uma parasitose. Conceito da OMS - transmissor, independentemente de ser ou não hospedeiro.
  • 21. Habitats dos parasitas Tubo digestivo Mucosas/Epitélio Orgãos internos (fígado, cérebro) Sistema fagocítico mononuclear Sangue, linfa e líquidos intersticiais
  • 22. Infecção por parasitas Ingestão – água e alimentos contaminados Injeção – por um vetor hematófago Penetração – o parasita rompe a barreira da pele
  • 23. Ações do parasita no hospedeiro ESPOLIATIVA: absorção de nutrientes ou sangue de seu hospedeiro. Ex: hematofagismo de mosquitos e barbeiros; Ancylostomatidae, sangue da mucosa intestinal deixando pontos hemorrágicos. TÓXICA: produção de enzimas que lesam o hospedeiro. Ex: Ascaris lumbricoides provocam reações alérgicas; e ovos de Schystosoma mansoni provocam reações teciduais no fígado, intestinos e pulmões. MECÂNICA: impede o fluxo alimentar ou absorção dos alimentos. Ex: Ascaris lumbricoides na alça intestinal; e Giardia lamblia no duodeno.
  • 24. Ações do parasita no hospedeiro TRAUMÁTICA: migração cutânea e pulmonar de Ancylostomatidae, rompimento de hemácias por Plasmodium, úlceras intestinais causadas por Ancylostomatidae e Trichuris. IRRITATIVA: deve-se à presença constante do parasito no local, sem provocar lesões. Ex: ventosas de Cestoda na mucosa intestinal ou lábios de A. lumbricoides. ENZIMÁTICA: durante o processo de penetração no hospedeiro. Ex: cercárias de S. mansoni na pele; E. histolytica e Ancylostomatidae ao lesar o epitélio intestinal para obter alimento. ANÓXIA: qualquer parasito que consuma oxigênio da hemoglobina ou produza anemia. Ex: Plasmodium (malária).
  • 25. Transmissão de parasitas  Parasitos transmitidos entre pessoas devido ao contato pessoal ou objetos de uso pessoal (fômites).  Parasitos transmitidos pela água, alimentos, mãos sujas ou poeira  Parasitos transmitidos por solos contaminados por larva (geo-helmintoses)  Parasitos transmitidos por vetores ou hospedeiros intermediários  Parasitos transmitidos por mecanismos diversos 

Notas do Editor

  1. 1