SlideShare uma empresa Scribd logo
PARASITOLOGIA
CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM
Profª. Farmª. SARAH RAMOS LEITE FEITOSA
Contatos: saraahramos@hotmail.com
(83) 99654-3604
Tavares- PB
2022
OBJETIVOS
Introdução à microbiologia e parasitologia: resumo
histórico
Conceitos de parasitismo, comensalismo e simbiose
Vírus, bactérias e protozoários – morfologia,
crescimento e reprodução; principais grupos que
afetam o homem e formas de prevenção e tratamento
Fungos: características e tipos mais frequentes que
causam doenças no homem
Helmintos: características e tipos mais frequentes
que causam doenças no homem
Vetores: artrópodes
Noções de Imunologia
É uma área de pesquisa bastante
diversificada, pois os parasitas, que podem estar
sobre a superfície ou no interior de seres vivos,
são de ampla distribuição, hábitos variados e fácil
disseminação. Para quem lida com a saúde
humana, a parasitologia oferece ferramentas
para conhecer os causadores de várias doenças,
incluindo as famosas verminoses (tão comuns na
infância), assim como as medidas profiláticas e
terapêuticas cabíveis em cada doença.
ORIGEM
Indianos
Hebreus
PARASITA?
Qualquer ser vivo que viva
dentro ou na superfície de
outro ser vivo
Uma relação interespecífica
desarmônica, ou seja, uma
relação em que
dois organismos vivem
juntos, porém um deles
obtém energia e
alimento às
custas do outro,
que tem prejuízo.
Bactérias, Fungos,
Protozoários e Vírus
OMS estima 2 milhões de mortes por
comida e água contaminadas
Parasitoses atingem 50% das crianças
brasileiras
O QUE É
Parasitologia é um ramo especializado das
ciências médicas que se dedica ao estudo dos
Parasitas. É uma área de pesquisa bastante
diversificada, pois os parasitas, que podem estar
sobre a superfície ou no interior de seres vivos,
são de ampla distribuição, hábitos variados e fácil
disseminação.
PROFILAXIA TERAPÊUTICA
MICROSCÓPICO x MACROSCÓPICO
MICROSCÓPICO x MACROSCÓPICO
ECTOPARASITAS x ENDOPARASITAS
Os parasitas podem ser classificados em parasitas externos e
parasitas internos.
– ECTOPARASITAS: Parasita que vive na superfície externa do
seu hospedeiro (do grego ectos, fora).
Ex: Carrapatos, Ácaros da sarna, Larvas de moscas, Piolhos,
Chatos.
– ENDOPARASITAS: Parasita que se aloja no interior do corpo
do hospedeiro (do grego endos, dentro).
Ex: Giárdia, lombriga, tênia.
HOSPEDEIROS
São organismos que abrigam um parasita em seu corpo.
O parasita pode ou não causar doença no hospedeiro, possui
dependência metabólica, utiliza-se de recursos para a sua
sobrevivência.
DEFINITIVO INTERMEDIÁRIO
Apresenta o parasita
em sua fase de
maturidade ou na
sua forma sexuada.
Apresenta o parasita em
sua fase larvária ou
assexuada.
HOSPEDEIROS
DEFINITIVO:
Onde o parasita se
reproduz em sua forma
sexuada e tem sua
forma adulta.
INTERMEDIÁRIO:
Onde realiza
reprodução assexuada,
estando em sua fase
larval.
CICLO BIOLÓGICO
 MONOXÊNICOS:
Quando realizam o seu
ciclo evolutivo em um
único hospedeiro.
Ex: o Ascaris
lumbricoides (lombriga)
CICLO BIOLÓGICO
 HETEROXÊNICOS:
Quando completam o seu ciclo evolutivo passando pelo menos em
dois hospedeiros. Ex: Trypanossoma cruzi (Doença de Chagas)
VETORES AGENTE ETIOLÓGICO
São os organismos
que servem de veículo para a
transmissão de algum
causador de doença. Esse
organismo pode ser, por
exemplo, um artrópode, como
mosquitos ou moluscos.
O agente etiológico é o agente
causador da doença, aquele
que desencadeia os sinais e
sintomas de determinada
enfermidade. O termo agente
etiológico pode ser usado em
substituição a patógeno.
A diferença entre vetor e agente etiológico é que esse
último causa a doença, mas o vetor transporta o
agente etiológico.
A diferença entre vetor e agente etiológico é que esse
último causa a doença, mas o vetor transporta o
agente etiológico.
Trypanossoma cruzi
S. mansoni
VETORES
 O vetor biológico é aquele que serve de local para a
multiplicação de um agente causador de doenças. É
envolvido com o ciclo da doença.
O vetor mecânico é aquele em que o agente causador da
doença não se multiplica e não se desenvolve nesse local,
sendo o vetor apenas uma forma de transporte. Não é
envolvido com o ciclo da doença.
 Fômite objeto inanimado que transporta o agente
etiológico.
VETORES
 Vetor mecânico
 Fômite
PARASITOSES
INTESTINAIS
CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM
Profª. Farmª. SARAH RAMOS LEITE FEITOSA
Contatos: saraahramos@hotmail.com
(83) 99654-3604
Tavares- PB
2022
PROTOZOÁRIOS HELMINTOS
 As parasitoses intestinais são doenças típicas de países e
áreas pobres com precárias condições de saneamento básico.
 A maioria dos parasitas de intestino são adquiridos por
contato acidental com fezes de pessoas infectadas que
contaminam água, comida ou objetos.
Existem dois grupos de parasitos intestinais:
PARASITOSES INTESTINAIS
PROTOZOÁRIOS
São seres unicelulares (compostos por apenas uma única
célula). Sua reprodução é feita por divisão celular, dentro do
próprio hospedeiro.
Os protozoários causadores de doença mais comuns são:
 Amebas: os principais são a Entamoeba histolytica,
Endolimax nana, Entamoeba coli e Iodamoeba butschlli.
 Flagelados: Giardia lamblia
PARASITOSES INTESTINAIS
PROTOZOÁRIOS
PARASITOSES INTESTINAIS
G. lamblia E. coli
HELMINTOS
PARASITOSES INTESTINAIS
Os helmintos são parasitas mais complexos, compostos por
várias células e órgãos internos. Podem medir desde
centímetros até alguns metros de comprimento, como é o caso
da teníase, conhecida popularmente como solitária.
Ao contrário dos protozoários, que se multiplicam dentro do
hospedeiro, os helmintos produzem ovos e larvas que só se
desenvolvem ao serem lançados no ambiente junto com as
fezes. As pessoas se contaminam ao ingerir esses ovos e larvas
presentes no ambiente.
HELMINTOS
PARASITOSES INTESTINAIS
Os helmintos causadores de doença intestinal mais comuns são:
Ascaris lumbricoides
Ancilostomídeos
Enterobius vermicularis
Strongyloides stercoralis
Trichuris trichiura
 Schistosoma mansoni
Taenia sp
HELMINTOS
PARASITOSES INTESTINAIS
A. lumbricoides
HELMINTOS
PARASITOSES INTESTINAIS
E. vermicularis
HELMINTOS
PARASITOSES INTESTINAIS
PRINCIPAIS
PARASITOSES
CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM
Profª. Farmª. SARAH RAMOS LEITE FEITOSA
Contatos: saraahramos@hotmail.com
(83) 99654-3604
Tavares- PB
2022
PRINCIPAIS PARASITOSES
 Os cistos são uma forma inativa, que permite aos protozoários
resistir por longos períodos no ambiente, sendo ativados no corpo do
hospedeiro.
 Amebíase, Giardíase, Malária, Doença de Chagas, entre outras.
PROTOZOÁRIOS
Doença de Chagas
 A contaminação ocorre principalmente por ingestão de
alimentos contaminados com as fezes do inseto. Também pode ser
por meio de transfusão de sangue, transplante de órgãos
contaminados ou ainda ser transmitida da mãe ao bebê durante a
gestação (congênita).
 Estima-se que no Brasil cerca de 3 milhões de pessoas
apresentem essa doença.
 Causada pelo Trypanossoma cruzi, que é um protozoário
flagelado.
PROTOZOÁRIOS
PRINCIPAIS PARASITOSES
Doença de Chagas
PROTOZOÁRIOS
PRINCIPAIS PARASITOSES
Malária
 Causada por diferentes espécies de protozoários, sendo mais
comum no Brasil o Plasmodium vivax.
 A malária é transmitida ao homem através da picada do
mosquito do gênero Anopheles. Também pode ser transmitida por
transfusão de sangue.
 A malária ainda hoje mata centenas de milhares de pessoas no
mundo. Especialmente em países pobres, onde há menos
investimentos em pesquisas para erradicar a doença.
PROTOZOÁRIOS
PRINCIPAIS PARASITOSES
Malária
PROTOZOÁRIOS
PRINCIPAIS PARASITOSES
Tricomoníase
 A tricomoníase é uma infeccção sexualmente transmissível causada
pelo Trichomonas vaginalis. É comumente transmitida entre parceiros
que não utilizam proteção adequada (camisinha) e pode atingir tanto
homens quanto mulheres.
PROTOZOÁRIOS
PRINCIPAIS PARASITOSES
Giardíase
 A infecção se dá tanto pela ingestão de água e alimentos
contaminados, como pelo contato direto das mãos com objetos
contaminados pelos cistos.
 O agente causador da giardíase é o protozoário flagelado Giardia
lamblia, cujos cistos são eliminados nas fezes das pessoas
contaminadas.
PROTOZOÁRIOS
PRINCIPAIS PARASITOSES
Giardíase
PROTOZOÁRIOS
PRINCIPAIS PARASITOSES
Giardíase
PROTOZOÁRIOS
PRINCIPAIS PARASITOSES
Amebíase
 A amebíase, também chamada de disenteria amebiana ou
disenteria amébica. O nome científico do agente causador da
amebíase é Entamoeba histolytica.
 Sua principal característica é a alteração das ações habituais do
intestino, causando uma intensa diarreia e que pode vir
acompanhada de sangue.
 Qualquer pessoa, de qualquer faixa etária, pode adquirir esse
parasita. O diagnóstico da doença é feito pelo exame parasitológico
de fezes (EPF).
PROTOZOÁRIOS
PRINCIPAIS PARASITOSES
Amebíase
PROTOZOÁRIOS
PRINCIPAIS PARASITOSES
Amebíase - Transmissão
 A transmissão da amebíase ocorre pela ingestão dos cistos
da ameba encontrados na água ou em alimentos contaminados.
 Geralmente, os cistos causadores da amebíase são encontrados nas
fezes dos infectados e no solo.
 A maioria dos casos acontecem em países menos favorecidos, onde
as condições de higiene são mais precárias, o que facilita a
proliferação do protozoário.
PROTOZOÁRIOS
PRINCIPAIS PARASITOSES
PROTOZOÁRIOS
Amebíase – Ciclo Biológico
PRINCIPAIS PARASITOSES
Amebíase – Sintomas
Os principais sintomas da amebíase são:
 Febre
 Calafrios
 Forte diarreia
 Cólicas intestinais
 Dor para evacuar
 Excesso de gases
 Sangue nas fezes
 Náuseas e vômitos
 Fraqueza
PROTOZOÁRIOS
PRINCIPAIS PARASITOSES
Amebíase – Tratamento
 O tratamento da doença é feito pelo uso de medicamentos que
combatem o protozoário, além dos sintomas como a febre, as
náuseas, etc. Geralmente, duas semanas são suficientes para a
recuperação da enfermidade.
 Além disso, recomenda-se uma alimentação rica em nutrientes e
ingestão de líquidos, por conta da desidratação causada pela diarreia
excessiva.
PROTOZOÁRIOS
PRINCIPAIS PARASITOSES
Ascaridíase
 É a doença causada pelo verme Ascaris lumbricoides, mais
conhecido como lombriga, que pode chegar a medir até 40cm.
 Adquirida ao ingerir alimentos contaminados com os ovos do
verme, principalmente frutas e verduras que não tenham sido
lavadas adequadamente. Além disso, em crianças, é comum a
contaminação ao brincar na terra e levar as mãos sujas à boca.
HELMINTOS
PRINCIPAIS PARASITOSES
Ascaridíase
HELMINTOS
PRINCIPAIS PARASITOSES
Estrongiloidíase
 Strongyloides stercoralis é o agente etiológico.
 A infecção do hospedeiro ocorre por meio da penetração de larvas
infectantes pelo tegumento, as quais realizam um ciclo
cardiopulmonar;
 Outra forma de infecção é por meio da transmissão fecal-oral,
com a ingestão de água ou alimentos contaminados com larvas
infectantes.
HELMINTOS
PRINCIPAIS PARASITOSES
Estrongiloidíase
HELMINTOS
PRINCIPAIS PARASITOSES
Esquistossomose
 Esquistossomose é uma doença causada pelo Schistosoma
mansoni, parasita que tem no homem seu hospedeiro definitivo,
mas que necessita de caramujos de água doce como hospedeiros
intermediários para desenvolver seu ciclo evolutivo.
 A transmissão desse parasita se dá pela liberação de seus ovos
através das fezes do homem infectado. Em contato com a água, os
ovos eclodem e libertam larvas que morrem se não encontrarem os
caramujos para se alojar. Se os encontram, porém, dão continuidade
ao ciclo e liberam novas larvas que infectam as águas e
posteriormente os homens penetrando em sua pele ou mucosas.
HELMINTOS
PRINCIPAIS PARASITOSES
Esquistossomose
HELMINTOS
PRINCIPAIS PARASITOSES
PRINCIPAIS SINTOMAS DAS PARASITOSES
 Diarreia
 Constipação
 Anemia
 Fraqueza
 Edemas
 Ascite
 Corrimento
PROFILAXIA DAS PARASITOSES
 Sempre lavar bem os alimentos, principalmente frutas e
verduras, com água tratada e corrente. De preferência,
deixe os alimentos (saladas, verduras e legumes) que
forem consumidos crus descansando em um recipiente
com água e Hipoclorito de Sódio por cerca de 15 a 20
minutos;
 Quando consumir carne (de qualquer origem, seja ela
bovina, suína, de cabra etc.), cozinhar, assar ou fritar bem
os pedaços. Prefira não consumir carne mal passada, ou
então pedaços muito grossos. Nestas duas circunstâncias,
caso haja ovos ou cisticercos de solitária, por exemplo, a
temperatura de cozimento pode ser insuficiente para
matar o ovo ou cisticerco no interior do músculo;
PROFILAXIA DAS PARASITOSES
 Na ausência de abastecimento de água tratada,
consuma apenas água filtrada e/ou fervida. Nunca
beba água sem conhecer sua origem, ou que não
seja tratada;
 Evite defecar em locais inadequados, como
córregos, matas, lavouras etc. Esta prática é uma das
que mais contribui para a não erradicação das
verminoses no Brasil, pois o ciclo dos vermes é
continuado a cada vez que uma pessoa infestada
defeca nesses locais, pois o verme pode contaminar
novamente o solo, a água, as verduras, frutas e
legumes, iniciando novamente um ciclo de
infestação.
TRATAMENTO DAS PARASITOSES
SINTOMÁTICO
– Sulfato ferroso
– Laxantes
– Analgésico
– Antitérmico
ESPECÍFICO
– Metronidazol
– Nitazoxanida
– Praziquantel
– Mebendazol
– Albendazol
– Ivermectina

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 conceitos gerais de parasitologia
Aula 1 conceitos gerais de parasitologiaAula 1 conceitos gerais de parasitologia
Aula 1 conceitos gerais de parasitologia
Adila Trubat
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
Jefferson LIMA
 
Teniase e cisticercose
Teniase e cisticercoseTeniase e cisticercose
Teniase e cisticercose
feraps
 
Teníase
TeníaseTeníase
Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
Leonardo Souza
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Teníase
 Teníase Teníase
Teníase
3a2011
 
Relacão parasito-hospedeiro 2015
Relacão parasito-hospedeiro 2015Relacão parasito-hospedeiro 2015
Relacão parasito-hospedeiro 2015
Luann Andrade
 
Prevenção de infecção hospitalar - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Prevenção de infecção hospitalar - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Prevenção de infecção hospitalar - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Prevenção de infecção hospitalar - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Lucas Fontes
 
introduçao a microbiologia
introduçao a microbiologiaintroduçao a microbiologia
introduçao a microbiologia
Lucio Silva
 
História e importância da microbiologia
História e importância da microbiologiaHistória e importância da microbiologia
História e importância da microbiologia
Francisco de Lima
 
Aula n° 1
Aula n° 1  Aula n° 1
Aula n° 1
Gildo Crispim
 
aula introdução a parasitologia.pptx
aula introdução a parasitologia.pptxaula introdução a parasitologia.pptx
aula introdução a parasitologia.pptx
dionneyandrade1
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
naiellyrodrigues
 
Resumo Hospedeiro e Parasita
Resumo Hospedeiro e ParasitaResumo Hospedeiro e Parasita
Resumo Hospedeiro e Parasita
Nathy Oliveira
 
Seminário Hospedeiro e Parasita
Seminário Hospedeiro e ParasitaSeminário Hospedeiro e Parasita
Seminário Hospedeiro e Parasita
Nathy Oliveira
 
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptxAULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
JordniaMatias2
 
Vírus
VírusVírus

Mais procurados (20)

Aula 1 conceitos gerais de parasitologia
Aula 1 conceitos gerais de parasitologiaAula 1 conceitos gerais de parasitologia
Aula 1 conceitos gerais de parasitologia
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Teniase e cisticercose
Teniase e cisticercoseTeniase e cisticercose
Teniase e cisticercose
 
Teníase
TeníaseTeníase
Teníase
 
Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Aula 01
 
Teníase
 Teníase Teníase
Teníase
 
Relacão parasito-hospedeiro 2015
Relacão parasito-hospedeiro 2015Relacão parasito-hospedeiro 2015
Relacão parasito-hospedeiro 2015
 
Prevenção de infecção hospitalar - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Prevenção de infecção hospitalar - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Prevenção de infecção hospitalar - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Prevenção de infecção hospitalar - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
 
introduçao a microbiologia
introduçao a microbiologiaintroduçao a microbiologia
introduçao a microbiologia
 
História e importância da microbiologia
História e importância da microbiologiaHistória e importância da microbiologia
História e importância da microbiologia
 
Aula n° 1
Aula n° 1  Aula n° 1
Aula n° 1
 
aula introdução a parasitologia.pptx
aula introdução a parasitologia.pptxaula introdução a parasitologia.pptx
aula introdução a parasitologia.pptx
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Protozoarios
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
 
Resumo Hospedeiro e Parasita
Resumo Hospedeiro e ParasitaResumo Hospedeiro e Parasita
Resumo Hospedeiro e Parasita
 
Seminário Hospedeiro e Parasita
Seminário Hospedeiro e ParasitaSeminário Hospedeiro e Parasita
Seminário Hospedeiro e Parasita
 
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptxAULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 

Semelhante a PARASITOLOGIA.pdf

Parasitismo
ParasitismoParasitismo
Parasitismo
ViniciusOliveira96
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
professorbevilacqua
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Cópia de ENFERMAGEM - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
Cópia de ENFERMAGEM -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdfCópia de ENFERMAGEM -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
Cópia de ENFERMAGEM - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
CamilaAlcantara18
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
aulasdotubao
 
Parasitologia.pptx
Parasitologia.pptxParasitologia.pptx
Parasitologia.pptx
IsadoraPereira32
 
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissãoParasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
IsadoraPereira32
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Alpha Colégio e Vestibulares
 
aula inicial sobre oque é Microbiologia
aula inicial sobre oque é  Microbiologiaaula inicial sobre oque é  Microbiologia
aula inicial sobre oque é Microbiologia
paulovitormacedo1
 
Resumo parasitologia 3
Resumo parasitologia 3Resumo parasitologia 3
Resumo parasitologia 3
Ronaldo Reis Rêgo
 
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).pptAMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
dirleyvalderez1
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
ProfDeboraCursinho
 
7º ano cap 7 reino protoctistas
7º ano cap 7  reino protoctistas7º ano cap 7  reino protoctistas
7º ano cap 7 reino protoctistas
ISJ
 
Aula sobre Protozooses.pdf
Aula sobre Protozooses.pdfAula sobre Protozooses.pdf
Aula sobre Protozooses.pdf
Universidade Federal do Pará - UFPA
 
Helmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdfHelmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdf
Arielle Freitas
 
MICRO PARTE III.pptx curso tecnico de enfermagem
MICRO PARTE III.pptx curso tecnico de enfermagemMICRO PARTE III.pptx curso tecnico de enfermagem
MICRO PARTE III.pptx curso tecnico de enfermagem
Joana Darc Calado
 
Seminário Parasito das Cavidades - ATIVIDADE 5 - Modelo.pptx
Seminário Parasito das Cavidades - ATIVIDADE 5 - Modelo.pptxSeminário Parasito das Cavidades - ATIVIDADE 5 - Modelo.pptx
Seminário Parasito das Cavidades - ATIVIDADE 5 - Modelo.pptx
MateusGonalves85
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
andreepinto
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Reino protoctista e Protozooses
Reino protoctista e ProtozoosesReino protoctista e Protozooses
Reino protoctista e Protozooses
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 

Semelhante a PARASITOLOGIA.pdf (20)

Parasitismo
ParasitismoParasitismo
Parasitismo
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Cópia de ENFERMAGEM - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
Cópia de ENFERMAGEM -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdfCópia de ENFERMAGEM -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
Cópia de ENFERMAGEM - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Parasitologia.pptx
Parasitologia.pptxParasitologia.pptx
Parasitologia.pptx
 
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissãoParasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 
aula inicial sobre oque é Microbiologia
aula inicial sobre oque é  Microbiologiaaula inicial sobre oque é  Microbiologia
aula inicial sobre oque é Microbiologia
 
Resumo parasitologia 3
Resumo parasitologia 3Resumo parasitologia 3
Resumo parasitologia 3
 
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).pptAMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
7º ano cap 7 reino protoctistas
7º ano cap 7  reino protoctistas7º ano cap 7  reino protoctistas
7º ano cap 7 reino protoctistas
 
Aula sobre Protozooses.pdf
Aula sobre Protozooses.pdfAula sobre Protozooses.pdf
Aula sobre Protozooses.pdf
 
Helmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdfHelmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdf
 
MICRO PARTE III.pptx curso tecnico de enfermagem
MICRO PARTE III.pptx curso tecnico de enfermagemMICRO PARTE III.pptx curso tecnico de enfermagem
MICRO PARTE III.pptx curso tecnico de enfermagem
 
Seminário Parasito das Cavidades - ATIVIDADE 5 - Modelo.pptx
Seminário Parasito das Cavidades - ATIVIDADE 5 - Modelo.pptxSeminário Parasito das Cavidades - ATIVIDADE 5 - Modelo.pptx
Seminário Parasito das Cavidades - ATIVIDADE 5 - Modelo.pptx
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 
Reino protoctista e Protozooses
Reino protoctista e ProtozoosesReino protoctista e Protozooses
Reino protoctista e Protozooses
 

Último

Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 

Último (20)

Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 

PARASITOLOGIA.pdf

  • 1. PARASITOLOGIA CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM Profª. Farmª. SARAH RAMOS LEITE FEITOSA Contatos: saraahramos@hotmail.com (83) 99654-3604 Tavares- PB 2022
  • 2. OBJETIVOS Introdução à microbiologia e parasitologia: resumo histórico Conceitos de parasitismo, comensalismo e simbiose Vírus, bactérias e protozoários – morfologia, crescimento e reprodução; principais grupos que afetam o homem e formas de prevenção e tratamento Fungos: características e tipos mais frequentes que causam doenças no homem Helmintos: características e tipos mais frequentes que causam doenças no homem Vetores: artrópodes Noções de Imunologia
  • 3. É uma área de pesquisa bastante diversificada, pois os parasitas, que podem estar sobre a superfície ou no interior de seres vivos, são de ampla distribuição, hábitos variados e fácil disseminação. Para quem lida com a saúde humana, a parasitologia oferece ferramentas para conhecer os causadores de várias doenças, incluindo as famosas verminoses (tão comuns na infância), assim como as medidas profiláticas e terapêuticas cabíveis em cada doença.
  • 5. PARASITA? Qualquer ser vivo que viva dentro ou na superfície de outro ser vivo Uma relação interespecífica desarmônica, ou seja, uma relação em que dois organismos vivem juntos, porém um deles obtém energia e alimento às custas do outro, que tem prejuízo. Bactérias, Fungos, Protozoários e Vírus OMS estima 2 milhões de mortes por comida e água contaminadas Parasitoses atingem 50% das crianças brasileiras
  • 6. O QUE É Parasitologia é um ramo especializado das ciências médicas que se dedica ao estudo dos Parasitas. É uma área de pesquisa bastante diversificada, pois os parasitas, que podem estar sobre a superfície ou no interior de seres vivos, são de ampla distribuição, hábitos variados e fácil disseminação. PROFILAXIA TERAPÊUTICA
  • 9. ECTOPARASITAS x ENDOPARASITAS Os parasitas podem ser classificados em parasitas externos e parasitas internos. – ECTOPARASITAS: Parasita que vive na superfície externa do seu hospedeiro (do grego ectos, fora). Ex: Carrapatos, Ácaros da sarna, Larvas de moscas, Piolhos, Chatos. – ENDOPARASITAS: Parasita que se aloja no interior do corpo do hospedeiro (do grego endos, dentro). Ex: Giárdia, lombriga, tênia.
  • 10. HOSPEDEIROS São organismos que abrigam um parasita em seu corpo. O parasita pode ou não causar doença no hospedeiro, possui dependência metabólica, utiliza-se de recursos para a sua sobrevivência. DEFINITIVO INTERMEDIÁRIO Apresenta o parasita em sua fase de maturidade ou na sua forma sexuada. Apresenta o parasita em sua fase larvária ou assexuada.
  • 11. HOSPEDEIROS DEFINITIVO: Onde o parasita se reproduz em sua forma sexuada e tem sua forma adulta. INTERMEDIÁRIO: Onde realiza reprodução assexuada, estando em sua fase larval.
  • 12. CICLO BIOLÓGICO  MONOXÊNICOS: Quando realizam o seu ciclo evolutivo em um único hospedeiro. Ex: o Ascaris lumbricoides (lombriga)
  • 13. CICLO BIOLÓGICO  HETEROXÊNICOS: Quando completam o seu ciclo evolutivo passando pelo menos em dois hospedeiros. Ex: Trypanossoma cruzi (Doença de Chagas)
  • 14. VETORES AGENTE ETIOLÓGICO São os organismos que servem de veículo para a transmissão de algum causador de doença. Esse organismo pode ser, por exemplo, um artrópode, como mosquitos ou moluscos. O agente etiológico é o agente causador da doença, aquele que desencadeia os sinais e sintomas de determinada enfermidade. O termo agente etiológico pode ser usado em substituição a patógeno. A diferença entre vetor e agente etiológico é que esse último causa a doença, mas o vetor transporta o agente etiológico.
  • 15. A diferença entre vetor e agente etiológico é que esse último causa a doença, mas o vetor transporta o agente etiológico. Trypanossoma cruzi S. mansoni
  • 16. VETORES  O vetor biológico é aquele que serve de local para a multiplicação de um agente causador de doenças. É envolvido com o ciclo da doença. O vetor mecânico é aquele em que o agente causador da doença não se multiplica e não se desenvolve nesse local, sendo o vetor apenas uma forma de transporte. Não é envolvido com o ciclo da doença.  Fômite objeto inanimado que transporta o agente etiológico.
  • 18. PARASITOSES INTESTINAIS CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM Profª. Farmª. SARAH RAMOS LEITE FEITOSA Contatos: saraahramos@hotmail.com (83) 99654-3604 Tavares- PB 2022
  • 19. PROTOZOÁRIOS HELMINTOS  As parasitoses intestinais são doenças típicas de países e áreas pobres com precárias condições de saneamento básico.  A maioria dos parasitas de intestino são adquiridos por contato acidental com fezes de pessoas infectadas que contaminam água, comida ou objetos. Existem dois grupos de parasitos intestinais: PARASITOSES INTESTINAIS
  • 20. PROTOZOÁRIOS São seres unicelulares (compostos por apenas uma única célula). Sua reprodução é feita por divisão celular, dentro do próprio hospedeiro. Os protozoários causadores de doença mais comuns são:  Amebas: os principais são a Entamoeba histolytica, Endolimax nana, Entamoeba coli e Iodamoeba butschlli.  Flagelados: Giardia lamblia PARASITOSES INTESTINAIS
  • 22. HELMINTOS PARASITOSES INTESTINAIS Os helmintos são parasitas mais complexos, compostos por várias células e órgãos internos. Podem medir desde centímetros até alguns metros de comprimento, como é o caso da teníase, conhecida popularmente como solitária. Ao contrário dos protozoários, que se multiplicam dentro do hospedeiro, os helmintos produzem ovos e larvas que só se desenvolvem ao serem lançados no ambiente junto com as fezes. As pessoas se contaminam ao ingerir esses ovos e larvas presentes no ambiente.
  • 23. HELMINTOS PARASITOSES INTESTINAIS Os helmintos causadores de doença intestinal mais comuns são: Ascaris lumbricoides Ancilostomídeos Enterobius vermicularis Strongyloides stercoralis Trichuris trichiura  Schistosoma mansoni Taenia sp
  • 27. PRINCIPAIS PARASITOSES CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM Profª. Farmª. SARAH RAMOS LEITE FEITOSA Contatos: saraahramos@hotmail.com (83) 99654-3604 Tavares- PB 2022
  • 28. PRINCIPAIS PARASITOSES  Os cistos são uma forma inativa, que permite aos protozoários resistir por longos períodos no ambiente, sendo ativados no corpo do hospedeiro.  Amebíase, Giardíase, Malária, Doença de Chagas, entre outras. PROTOZOÁRIOS
  • 29. Doença de Chagas  A contaminação ocorre principalmente por ingestão de alimentos contaminados com as fezes do inseto. Também pode ser por meio de transfusão de sangue, transplante de órgãos contaminados ou ainda ser transmitida da mãe ao bebê durante a gestação (congênita).  Estima-se que no Brasil cerca de 3 milhões de pessoas apresentem essa doença.  Causada pelo Trypanossoma cruzi, que é um protozoário flagelado. PROTOZOÁRIOS PRINCIPAIS PARASITOSES
  • 31. Malária  Causada por diferentes espécies de protozoários, sendo mais comum no Brasil o Plasmodium vivax.  A malária é transmitida ao homem através da picada do mosquito do gênero Anopheles. Também pode ser transmitida por transfusão de sangue.  A malária ainda hoje mata centenas de milhares de pessoas no mundo. Especialmente em países pobres, onde há menos investimentos em pesquisas para erradicar a doença. PROTOZOÁRIOS PRINCIPAIS PARASITOSES
  • 33. Tricomoníase  A tricomoníase é uma infeccção sexualmente transmissível causada pelo Trichomonas vaginalis. É comumente transmitida entre parceiros que não utilizam proteção adequada (camisinha) e pode atingir tanto homens quanto mulheres. PROTOZOÁRIOS PRINCIPAIS PARASITOSES
  • 34. Giardíase  A infecção se dá tanto pela ingestão de água e alimentos contaminados, como pelo contato direto das mãos com objetos contaminados pelos cistos.  O agente causador da giardíase é o protozoário flagelado Giardia lamblia, cujos cistos são eliminados nas fezes das pessoas contaminadas. PROTOZOÁRIOS PRINCIPAIS PARASITOSES
  • 37. Amebíase  A amebíase, também chamada de disenteria amebiana ou disenteria amébica. O nome científico do agente causador da amebíase é Entamoeba histolytica.  Sua principal característica é a alteração das ações habituais do intestino, causando uma intensa diarreia e que pode vir acompanhada de sangue.  Qualquer pessoa, de qualquer faixa etária, pode adquirir esse parasita. O diagnóstico da doença é feito pelo exame parasitológico de fezes (EPF). PROTOZOÁRIOS PRINCIPAIS PARASITOSES
  • 39. Amebíase - Transmissão  A transmissão da amebíase ocorre pela ingestão dos cistos da ameba encontrados na água ou em alimentos contaminados.  Geralmente, os cistos causadores da amebíase são encontrados nas fezes dos infectados e no solo.  A maioria dos casos acontecem em países menos favorecidos, onde as condições de higiene são mais precárias, o que facilita a proliferação do protozoário. PROTOZOÁRIOS PRINCIPAIS PARASITOSES
  • 40. PROTOZOÁRIOS Amebíase – Ciclo Biológico PRINCIPAIS PARASITOSES
  • 41. Amebíase – Sintomas Os principais sintomas da amebíase são:  Febre  Calafrios  Forte diarreia  Cólicas intestinais  Dor para evacuar  Excesso de gases  Sangue nas fezes  Náuseas e vômitos  Fraqueza PROTOZOÁRIOS PRINCIPAIS PARASITOSES
  • 42. Amebíase – Tratamento  O tratamento da doença é feito pelo uso de medicamentos que combatem o protozoário, além dos sintomas como a febre, as náuseas, etc. Geralmente, duas semanas são suficientes para a recuperação da enfermidade.  Além disso, recomenda-se uma alimentação rica em nutrientes e ingestão de líquidos, por conta da desidratação causada pela diarreia excessiva. PROTOZOÁRIOS PRINCIPAIS PARASITOSES
  • 43. Ascaridíase  É a doença causada pelo verme Ascaris lumbricoides, mais conhecido como lombriga, que pode chegar a medir até 40cm.  Adquirida ao ingerir alimentos contaminados com os ovos do verme, principalmente frutas e verduras que não tenham sido lavadas adequadamente. Além disso, em crianças, é comum a contaminação ao brincar na terra e levar as mãos sujas à boca. HELMINTOS PRINCIPAIS PARASITOSES
  • 45. Estrongiloidíase  Strongyloides stercoralis é o agente etiológico.  A infecção do hospedeiro ocorre por meio da penetração de larvas infectantes pelo tegumento, as quais realizam um ciclo cardiopulmonar;  Outra forma de infecção é por meio da transmissão fecal-oral, com a ingestão de água ou alimentos contaminados com larvas infectantes. HELMINTOS PRINCIPAIS PARASITOSES
  • 47. Esquistossomose  Esquistossomose é uma doença causada pelo Schistosoma mansoni, parasita que tem no homem seu hospedeiro definitivo, mas que necessita de caramujos de água doce como hospedeiros intermediários para desenvolver seu ciclo evolutivo.  A transmissão desse parasita se dá pela liberação de seus ovos através das fezes do homem infectado. Em contato com a água, os ovos eclodem e libertam larvas que morrem se não encontrarem os caramujos para se alojar. Se os encontram, porém, dão continuidade ao ciclo e liberam novas larvas que infectam as águas e posteriormente os homens penetrando em sua pele ou mucosas. HELMINTOS PRINCIPAIS PARASITOSES
  • 49. PRINCIPAIS SINTOMAS DAS PARASITOSES  Diarreia  Constipação  Anemia  Fraqueza  Edemas  Ascite  Corrimento
  • 50. PROFILAXIA DAS PARASITOSES  Sempre lavar bem os alimentos, principalmente frutas e verduras, com água tratada e corrente. De preferência, deixe os alimentos (saladas, verduras e legumes) que forem consumidos crus descansando em um recipiente com água e Hipoclorito de Sódio por cerca de 15 a 20 minutos;  Quando consumir carne (de qualquer origem, seja ela bovina, suína, de cabra etc.), cozinhar, assar ou fritar bem os pedaços. Prefira não consumir carne mal passada, ou então pedaços muito grossos. Nestas duas circunstâncias, caso haja ovos ou cisticercos de solitária, por exemplo, a temperatura de cozimento pode ser insuficiente para matar o ovo ou cisticerco no interior do músculo;
  • 51. PROFILAXIA DAS PARASITOSES  Na ausência de abastecimento de água tratada, consuma apenas água filtrada e/ou fervida. Nunca beba água sem conhecer sua origem, ou que não seja tratada;  Evite defecar em locais inadequados, como córregos, matas, lavouras etc. Esta prática é uma das que mais contribui para a não erradicação das verminoses no Brasil, pois o ciclo dos vermes é continuado a cada vez que uma pessoa infestada defeca nesses locais, pois o verme pode contaminar novamente o solo, a água, as verduras, frutas e legumes, iniciando novamente um ciclo de infestação.
  • 52. TRATAMENTO DAS PARASITOSES SINTOMÁTICO – Sulfato ferroso – Laxantes – Analgésico – Antitérmico ESPECÍFICO – Metronidazol – Nitazoxanida – Praziquantel – Mebendazol – Albendazol – Ivermectina