SlideShare uma empresa Scribd logo
0
FAPAF - FACULDADE DE TECNOLOGIA ANTÔNIO PROPÍCIO
AGUIAR FRANCO
DEPARTAMENTO DE PÓS GRADUAÇÃO E PESQUISA
PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LÍNGUA INGLESA
ADILSON PIRES MOTA
UM ESTUDO SOBRE A LEITURA E O PROCESSO DE
AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR
MEIO DA MÚSICA
BOM JARDIM - MA
2022
1
ADILSON PIRES MOTA
UM ESTUDO SOBRE A A LEITURA E O PROCESSO DE
AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR
MEIO DA MÚSICA
Artigo apresentado a Faculdade de Tecnologia
Antonio Propício Aguiar Franco, como requisito
parcial para conclusão do curso de pós-
graduação em Língua Inglesa.
Orientadora: Professora Ruth dos Santos
Sales.
BOM JARDIM – MA.
2022
2
ADILSON PIRES MOTA
A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE
VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO DA
MÚSICA
Artigo apresentado à Banca Examinadora da
Faculdade de Tecnologia Antônio Propício
Aguiar Franco, como requisito parcial para
obtenção do título Especialista em Língua
Inglesa.
Orientadora: Profª Especialista Professora Ruth
dos Santos Sales.
Aprovado em: ____/____/________
Nota: ______
BANCA EXAMINADORA
_________________________________________________
Professora Esp. Ruth dos Santos Sales
Orientadora
_________________________________________________
Professora Msc. Tamna dos Santos Sales
2º Membro da Banca
_________________________________________________
Professora Msc. Mayara da Cruz Ribeiro
3º Membro da Banca
3
A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE
VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO DA
MÚSICA
Adilson Pires Mota¹
RESUMO
Este artigo, de cunho teórico faz um estudo sobre a aprendizagem e a aquisição do
léxico (vocabulário) da língua inglesa como língua estrangeira por meio da música.
O Ensino/aprendizagem em Língua inglesa deve oportunizar ao aluno uma
perspectiva de mundo mais ampla, na qual ele deve ter a oportunidade de externar
seu conhecimento adquirido. Os indivíduos envolvidos no processo de ensino devem
usar a língua que estão aprendendo em situações significantes e relevantes. A
temática aqui proposta ressalta a importância de se desenvolver aulas interativas e
dinâmicas no objetivo de se conhecer estratégias sobre a aquisição de vocabulário
em língua inglesa, bem como o uso da música, no sentido de que se desenvolva nos
alunos o gosto pela disciplina, numa aprendizagem significativa e, dentro deste
conteúdo, aspectos da língua a serem aprendidos. Desta forma, e considerando a
realidade escolar atual, será que o uso de músicas no ensino de uma língua
estrangeira seria possível melhorar a assimilação e aprendizagem dos conteúdos
trabalhados junto aos alunos? Frente a este questionamento, nota-se por autores
diversos aqui abordados que, as atividades desenvolvidas por meio da musicalidade
podem fazer com que os alunos se tornem mais interessados, apreciem mais as
aulas e participem de seu aprendizado de forma mais intensa.
Palavras chave: Lín1
guaInglesa. Aquisição de vocabulário.Música.
ABSTRACT
This theoretical article makes a study about the learning and acquisition of the
lexicon (vocabulary) of the English language as a foreign language through music.
Teaching/learning in English should provide the student with a broader perspective of
the world, in which he should have the opportunity to express his acquired
knowledge. That is, those involved in the pedagogical process must make use of the
language they are learning in meaningful and relevant situations. The theme
proposed here emphasizes the importance of developing interactive and dynamic
classes in order to know strategies on the acquisition of vocabulary in English, as
well as the use of music, in the sense that students develop a taste for the discipline,
in a meaningful learning and, within this content, aspects of the language to be
learned. In this way, and considering the current school reality, would the use of
¹ Graduado em Letras pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA), em 2005. Pós-graduando em
Língua Inglesa pela Faculdade de Tecnologia Antonio Propício Aguiar Franco em 2019. Professor de
nível Médio no Centro de Ensino Newton Serra, em Bom Jardim – MA.
4
music in the teaching of a foreign language be possible to improve the assimilation
and learning of the contents worked with the students? Faced with this question, it is
noted by several authors discussed here that the activities developed through
musicality can make students more interested, enjoy the classes more and
participate in their learning more intensely.
Keywords: English Language. Vocabulary acquisition. Music.
1 INTRODUÇÃO
Este artigo aborda “Um estudo sobre a Leitura e o processo de aquisição de
vocabulário em Língua Inglesa por meio da música”, que para desenvolvê-lo, foram
mobilizadas pesquisas teóricas em fontes diversas como artigos, livros e trabalhos
acadêmicos com autores dentro da respectiva abordagem. A temática ressalta a
importância de se desenvolver aulas de modo interativo e dinâmico no objetivo de se
conhecer estratégias sobre a aquisição de vocabulário em língua inglesa, no sentido
de que desenvolva nos alunos o gosto pela disciplina, numa aprendizagem
significativa e, dentro deste conteúdo, aspectos da língua a serem aprendidos.
Aponta-se que, é na sistematicidade e estruturação do ensino de vocabulário,
que se ampliam as possibilidades de aprendizagens, no entanto, sem descartar o
papel da aprendizagem através do contexto – onde somado ao prazer cultural pela
música, ampliam-se essas possibilidades.
Aponta-se que a música é imprescindível que ela esteja presente na sua
educação, ou melhor na prática pedagógica no que diz respeito ao processo de
ensino-aprendizagem. Observa-se no dia-a-dia, que a prática e gosto pela música
acompanha as pessoas em quase todos os momentos de sua vida, sejam eles
significativos ou não. A metodologia utilizada para desenvolvê-lo foi amobilização de
pesquisas em fontes diversas por meio de livros, artigos, monografias, revistas,
teses e sites educativos, internet nas quais são propostas atividades pedagógicas
educativas, que podem ser avaliadas no transcorrer de sua aplicação com os alunos
em sala de aula.
A estruturação deste trabalho está distribuída na seguinte ordem: A primeira
seção temática aborda o Ensino de Língua Estrangeira no Brasil e suas subseções:
A importância da aprendizagem de línguas estrangeiras; O ensino de inglês através
5
da música; O uso da canção na escola. A segunda seção retrata A música e a
aquisição de vocabulário em língua inglesa; e a terceira seção que finaliza o
trabalho: Estratégias de aquisição de vocabulários na aprendizagem de língua
inglesa, seguido das considerações finais.
2 O ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NO BRASIL
O presente tema faz um estudo cronológico da linha do tempo no que diz
respeito ao Ensino de Língua estrangeira no Brasil. Para Racanicchi (2016), “o
estudo de língua estrangeira no Brasil começou em1500, com a chegada dos
colonizadores, a Língua Portuguesa começou a ser ensinada aos índios,
informalmente, pelos jesuítas”. Posteriormente, conforme Polato (2018), “foi
considerada a primeira língua estrangeira falada em território brasileiro”.
Segundo Polato (2018), no ano de 1750, após a expulsão dos jesuítas e a
proibição do ensino e do uso do tupi, a língua portugusa tornou-se oficial. Os
objetivos eram enfraquecer o poder da Igreja Católica e organizar a escola para
servir aos interesses do Estado.
De acordo com Lopes (2012), no ano de1759, o alvará de 28 de julho definia
a instituição de aulas de Gramática Latina e Grego, que se mantiveram como
disciplinas dominantes na formação dos alunos e eram ministradas conforme o
modelo dos jesuíticos.
Consta que no ano de 1808, conforme, durante o período colonial, a língua
francesa era ministrada somente nas escolas militares. Com a chegada da família
real, esse idioma e o Inglês foram introduzidos oficialmente no currículo. (SILVA;
PAIXÃO, 2012).
Na vigência do Brasil Imperial, conforme Leffa (1999, apud MONTEIRO, 2020,
p. 14), “os alunos estudavam no mínimo quatro línguas no ensino secundário”. Em
contrapartida, ainda que a criação do Colégio Pedro II tenha representado um
avanço inegável para o ensino de modo geral e, particularmente, para o de línguas
estrangeiras modernas no Brasil, do final do Império às primeiras décadas da
República, o ensino de modo geral, e por extensão o de LE, foi objeto de mais de
uma dezena de reformas que acabaram por configurar um declínio contínuo nesse
ensino, tanto no que concerne ao número de línguas ensinadas quanto ao número
6
de horas semanais a elas dedicadas, conforme podemos constatar no quadro
abaixo.
Ilustração 1 – Que expressa o número de línguas no Ensino Secundário de 1849 a
1870.
Fonte: Day (2012).
Constata-se que em 1889,
[...] depois da Proclamação da República, as línguas inglesa e alemã
passaram a ser opcionais nos currículos escolares. Somente no fim do
século XIX elas se tornaram obrigatórias em algumas séries. E em 1942, na
Reforma Capanema, durante o governo de Getúlio Vargas (1882-1954),
Latim, Francês e Inglês eram matérias presentes no antigo Ginásio. Já no
Colegial, as duas primeiras continuavam, mas o Espanhol substituiu o
Latim. (POLATO; MENEGUEÇO, 2008 apud Revista Nova Escola, 2011).
Verifica-se que “em 1961, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação conforme
(BRASIL, 2002) retira a obrigatoriedade do ensino de Língua Estrangeira no Colegial
e deixa a cargo dos estados a opção pela inclusão nos currículos das últimas quatro
séries do Ginásio”.
De acordo com Day (2012, apud LEÃO, 2019, p. 19), “é embasado na LDB
9394/96 que as línguas estrangeiras , na prática, a figurar no currículo com caráter
obrigatório a partir da 5ª série”. Embora com limitações, dadas às condições da
escola pública brasileira, com um número de horas reduzido e apenas com uma
língua obrigatória, ela constitui um ato de reavaliar de modo positivo, bem como um
realinhamento do ensino de LE no Brasil.
0
1
2
3
4
5
6
7
8
1849 1855 1870 1890 1929
LATIM
GREGO
FRANCÊS
INGLÊS
ALEMÃO
7
2.1 A importância da aprendizagem de línguas estrangeiras
O ato de se aprender uma língua estrangeira vai bem além da necessidade de
estarmos inseridos em um mundo que requer cada vez mais o conhecimento de uma
segunda língua. Como exemplo vale citar a presença de uma língua estrangeira obrigatória
nos exames de vestibulares, em qualquer que seja o curso no qual o candidato pretenda
ingressar. Conforme Brasil (1998, p. 15), a aprendizagem da língua estrangeira atualmente
é tão importante quanto aprender uma profissão; é uma possibilidade de aumento da auto-
percepção do estudante como ser ativo e social, capaz de se engajar e engajar outros no
discurso, de forma a poder agir no mundo social. No espaço educacional, podemos destacar
sua função interdisciplinar, na qual outras disciplinas, tais como História, Geografia, passam
a ter outro significado se apresentadas em atividades conjugadas com o ensino de língua
estrangeira.
A permanência de língua inglesa no currículo escolar deixou de ser questão
de discussão nos meios acadêmicos, pois, de acordo com os PCNs, a nova Lei de
Diretrizes e Bases da Educação Nacional prevê língua estrangeira como disciplina
obrigatória no ensino fundamental a partir da quinta série. (PCNs, 2002, p. 20).
Quanto à escolha da língua, seja Espanhol, Francês, Inglês, ou qualquer outra que
estiver em questão, os critérios para sua inclusão no currículo escolar devem ser
pautados em “Uma reflexão sobre o seu uso efetivo pela população”.
A escolha de uma língua estrangeira moderna recai sobre a Língua Inglesa,
pelo multiculturalismo a qual representa, sendo a língua oficial ou semioficial
em mais de 60 diferentes países. Dessa forma, o Inglês tornou-se um
instrumento de comunicação de grande eficiência em quase todo o mundo
por ser a língua da informação científica, além de ser o idioma da tecnologia
e das relações internacionais. Desde muito, muito o Inglês deixou de ser
exclusivo de uma nação ou representar apenas uma cultura, considerando
que diferentes países e diferentes culturas se expressam por meio desse
idioma. Existe no mundo, na atualidade, mais falantes não nativos de Inglês
do que falantes nativos. A língua inglesa está presente na Internet, nas
transações comerciais, na música, isto é, é o idioma internacional que vem
conquistando cada vez mais usuários, proporcionando a estes a ampliação
de seus horizontes. (JÉSUS, 2015, p. 21).
Para Totis (1991, p.16), “(...) qualquer pessoa que não se dispuser a conhecer
bem a Língua Inglesa estará privada da participação no mundo contemporâneo
como um todo (...)”. Acerca desta questão podemos acrescentar o aspecto
linguístico-psicológico, pois a aprendizagem de uma língua estrangeira ajuda a
compreender-se melhor a língua materna em seus mecanismos, auxiliando no
8
desenvolvimento de certos processos cognitivos que são aprofundados através da
aprendizagem de uma língua estrangeira.
2.2 O ensino de inglês através da música
A adequação da música à aprendizagem de língua Inglesa (LEM) é uma
sugestão e proposta que pode proporcionar grandes benefícios aos educandos.
Conforme Vicentini e Basso (2008, apud CARONE, 2014), “ao se associar a música
cantada à aprendizagem de LEM estamos propiciando situações enriquecedoras e
organizando experiências que garantem a expressividade e aprendizagem de
nossos alunos”.
Para Gainza (1998, apud VICENTINI e BASSO, 2008), ao pensar uma ideia e
ao manifestar verbalmente esta ideia, o educando defronta-se num processo de
representação. E, na visão dos citados autores, ao cantar, o estudante de língua
inglesa faz uso ativamente da linguagem verbal e representa modos próprios de
perceber e assimilar o conteúdo das canções.
[...] ao utilizar música na sala de aula coloca em prática duas habilidades
pouco desenvolvidas nas salas de aula de LEM, “listening “ e o
“speaking”.Aose explorar a música, a acuidade auditiva melhora a
percepção dos alunos na atividade de “listening”, e consequentemente a
produção oral. Estas duas habilidades, de acordo com os alunos, são as
habilidades mais difíceis para se desenvolver. (VICENTI e BASO, 2008, p.
19),
O reconhecimento sonoro das palavras contidas nas letras das músicas leva o
aluno a pronunciá-las de forma mais correta. Para o aluno entender o significado das
palavras de acordo com o contexto da música significa construir conhecimento,
permitindo que o mesmo reflita sobre a mensagem da música e ceda, ou construa
sentido a ela. (VICENTINI; BASSO, 2008, p. 6).
Constata-se, que as teorias de aprendizagem em LEM têm estudado os
aspectos que influenciam na aprendizagem; e alguns deles como aspectos afetivos
e o conteúdo significativo tem influenciado neste processo e será apresentado no
seguinte sub-tópico.
9
2.3 O uso da canção na escola
O uso da canção na escola não é uma prática muito comum. E raros são os
projetos que mobilizam sua aplicabilidade.
Para Francisco (2007), ao usar a canção na escola, o professor deve
reconhecer sua integridade enquanto gênero autônomo. Isso implica em correr
riscos sendo um deles: transformar a aula mais em um espaço de lazer do que em
um espaço de aprendizado. No entanto, para evitar-se tais situações, deve-se,
entretanto,ter claros objetivos do uso com a canção em sala de aula. Deve-se levar
o aluno a análise dos vários elementos que uma canção traz: autor – cantor –
personagens – melodia – ouvinte genérico – ouvinte individual – entre outros.
Devem (os professores) ter em mente que o objetivo maior não é formar
cancionistas, mas ouvintes críticos de canções, com direcionamentos à percepção
dos efeitos de sentido do texto, melodia, conjunção verbo-melódico; enfim,
conhecedores de estilos, discursos, cancioneiros e cancionistas do país.
Francisco (2007) define que, ao se trabalhando com a canção, há vários
processos. Um deles é o de registro (gravação e instalação em um suporte – CD,
pendrive, mp3, TV, data-showe outros); tem-se o processo se, solitário ou coletivo;
se há ou não, na composição da letra e da melodia a existência de um instrumento
musical; se há o chamado “arranjo”; há também o processo de distribuição da
canção que é a veiculação, seja ela radiofônica ou televisiva, ou através da música
“ao vivo” ou “mecânica” nos bares e restaurantes ou nos seus mais diversos
ambientes: apresentação pelos artistas em shows, participação em trilhas sonoras
do cinema, novelas televisivas, teatro, etc. O fato é que a canção está por toda
parte.
A audição musical em sala de aula se revela fundamental no trabalho com a
canção. Considerando todo o processo que a canção chega a nossos ouvidos
conclui-se que a mesma é uma produção coletiva.
É necessário que os alunos sejam estimulados a observar a interação texto-
melodia e a investigar os meios técnicos que lhes trouxeram a canção, bem como o
seu processo de produção.
10
3 A MÚSICA E A AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO EM LÍNGUA
INGLESA
É incontestável o fato de que o ensino de vocabulário sempre preencheu um
lugar relevante na história do ensino de línguas. Verifica-se no Método Clássico, em
que o estudo do vocabulário apresentava como foco a etimologia, um método
seguro para definir significados e ortografia. De acordo com Kelly (apud PAIVA,
2004), “foi essa abordagem que dominou o ensino de Latim e Grego”. Segundo
Paiva (2004), no Método Gramático e Tradução, o vocabulário era apresentado em
listas de palavras, com as respectivas traduções, que o aluno deveria memorizar. A
autora Larsen-Freman (apud PAIVA, 2004) lembra também que os alunos eram
ensinados a reconhecer os falso-cognatos. A fixação do vocabulário era feita através
de exercícios de tradução tanto do inglês para o português quando vice-versa. No
entanto, para Leffa (2000), o conhecimento lexical é parte fundamental da
aprendizagem de uma língua.
Ao esboçar a importância do léxico para o aprendiz, define-se
[...] a importância que o léxico apresenta para o estudante ao afirmar:Se
alguém, ao estudar uma língua estrangeira, fosse obrigado a optar entre o
léxico e a sintaxe, certamente escolheria o léxico: compreenderia mais um
texto identificando seu vocabulário do que conhecendo sua sintaxe. Da
mesma maneira, se alguém tiver que escolher entre um dicionário e uma
gramática para ler um texto numa língua estrangeira, certamente escolherá
o dicionário. Língua não é só léxico, mas o léxico é o elemento que melhor a
caracteriza e a distingue das outras. (LEFFA, 2000, p. 27).
Isto leva a um entendimento de que um vocabulário limitado põe limite ao
pensamento e imaginação do indivíduo e sua grande importância na tradução,
interpretação e entendimento das variáveis textuais e contextuais que pode
apresentar o texto em sua complexidade.
4 ESTRATÉGIAS DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO NA
APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA
11
Ao se pesquisar acerca da aquisição de vocabulário, realizadas Nation (2013),
constata-se que esta é uma questão muito pertinente entre os educadores e
estudiosos da área, uma vez que “o nível de proficiência em vocabulário por parte do
aprendiz é, na maioria das vezes, determinante para o sucesso de seu desempenho
na língua alvo”.
Através desta pesquisa, pretende-se entre outras, analisar quais são as
estratégias mais utilizadas por alunos de Inglês como Língua Estrangeira, futuros
professores da língua alvo, com a intenção de compartilhar os resultados obtidos ao
longo desta investigação com outros profissionais da área que também se
interessam pelo tema aquisição de vocabulário em línguas estrangeiras. De acordo
com Maria e Marzani (2013), a pesquisa mostra-se relevante na medida em que
muitos aprendizes de Inglês como Língua Estrangeira buscam respostas para essa
temática. É precisamente considerando-se a necessidade de compreender como
ocorre o processo de aquisição de vocabulário que, ao longo deste estudo, são
indicadas algumas das estratégias de aquisição mais recorrentes e, aparentemente
eficazes, durante os processos de ensino e aprendizagem da Língua Inglesa na sala
de aula. ParaUr (1991, p. 61), o ensino de vocabulário contemplao ensino de
pronúncia, grafia, gramática, colocação, significado e formação da palavra. O citado
autor tenta esclarecer como se dar o processo de memorização de vocabulário,
apresenta e sugere diferentes formas para a avaliação da aquisição de itens lexicais.
De acordo com a autora, é possível avaliar a dimensão de aquisição de vocabulário,
com base nas seguintes atividades, geralmente desenvolvidas em sala de aula:
Múltipla escolha (Multiplechoice): neste tipo de atividade, apenas o sentido
denotativo das palavras é testado; Escrever frases ou sentenças
(Writingsentences): tem como fim a elaboração escrita de enunciados.
Neste tipo de atividade, apenas a pronúncia não é averiguada; Ditado
(Dictation): apenas o reconhecimento por meio da compreensão oral
(listening) e a grafia de vocábulos específicos são testados; Completar
espaços / Preencher lacunas (Gap-filling): este tipo de atividade testa
significado, grafia, gramática e colocação do termo. São atividades mais
completas para se avaliar a aquisição de vocabulário;Tradução
(Translation): testa todos os aspectos da língua, mas é difícil, às vezes
impossível, encontrar a tradução equivalente para alguns termos de uma
língua para outra. (UR, 1991, pag. 61).
Segundo Wilkins (apud MARIA e MARZARI, 2013), um dos precursores da
Abordagem Comunicativa, “aprender vocabulário é aprender como as palavras se
relacionam com a realidade externa e como elas se relacionam umas com as
12
outras”. Na abordagem comunicativa, o lema é apresentar e usar linguagem
autêntica e a língua alvo passa a ser não apenas o objeto de estudo, mas também o
meio de comunicação. De acordo com Larsen-Freeman (apud MARIA E MARZARI,
2013), a gramática e o vocabulário que os alunos aprendem derivam da função, do
contexto situacional, e dos papéis dos interlocutores. Nota-se que, quanto maior o
nível esperado de compreensão, mais amplo deve ser o léxico.
São apontadas Estratégias Metacognitivas: a partir das quais o aprendiz utiliza
para organizar e avaliar sua aprendizagem. São elas, conforme Paiva (2017):
Análise das necessidades individuais de aprendizagem de vocabulário;
Seleção do vocabulário a ser aprendido; Planejamento da aprendizagem,
selecionando estratégias e material; Potencialização dos recursos de
aprendizagem: procurar fontes diversas para a aprendizagem fora e dentro
da sala de aula; Organização do vocabulário em registros diversos:
organizar cadernos de vocabulário, listagens etc.; Auto avaliação periódica
da aprendizagem de vocabulário. (PAIVA, 2017, pág. 12).
Acerca dos cadernos de vocabulário, Lewis (1997, p. 75-76) aponta que,
“provavelmente, todo aprendiz tem um caderno de vocabulário, do mais simples ou
desorganizado ao mais complexo e sofisticado”. Ele orienta certos princípios que
devem nortear na organização desses cadernos, como registrar apenas os itens
relevantes e que possam ser recuperados quando necessários, e organizar o
caderno de forma a contemplar diferentes itens lexicais.
Aponta-se as Estratégias Sociais no que diz respeito a aprendizagem como
um processo mútuo e interativo. Para Paiva (2017), a “Atenção no vocabulário de
interlocutores mais proficientes; Auxílio de outra pessoa, que corresponde pedir
auxílio a outrem para entender uma palavra nova ou expressar um conceito que não
sabe nomear”.
As Estratégias de Comunicação são outras: chamadas de estratégias de
compensação, as quais estão relacionadas com métodos usados pelo aprendiz no
sentido de superação da ausência de conhecimento que permitam a comunicação.
As estratégias supracitadas contribuem relevantemente para uma melhor
consciência do fazer pedagógico e para que se torne de fato apta e capaz a
aprendizagem, meta maior destas práticas.
13
5. CONSIDERAÇÕES FINAIS
O ato de se trabalhar com a música por longo tempo foi questionável e
resistido por muitos educadores, principalmente pelo fato de saber como trabalhar
usando a música.
Constata-se que as atividades que envolvem a música, se não forem
didaticamente bem aplicadas – com finalidades e objetivos precisos, ficam apenas
como um “passar de tempo”. Os educandos ouvem e completam as lacunas, muitas
vezes sem saber o que estão falando, ou então, por mera tradução das palavras.
Desta forma, ao se trabalhar com os vários gêneros e com a sequência didática leva
a uma nova perspectiva para aqueles que gostam de trabalhar com música e
consequentemente, pelo que se pode constatar - a uma melhor interação e
aprendizagem. Defende-se, no entanto, que o trabalho com música permite
contextualizar vários objetivos do ensino aprendizagem e dar-lhes significado de
uma maneira prazerosa e efetiva para os alunos, o que traz maior satisfação para os
educadores.
Pode-se verificar que a música auxilia na aquisição de uma língua, no
entanto, optou-se por estabelecer nesta relação, ou seja, música e aquisição de
vocabulário. O papel do vocabulário nos principais métodos de ensino até hoje foi
avaliado e foram expostas diferentes abordagens para o ensino do léxico. Abordou-
se o método de ensino no qual é descrito o modelo de aquisição de vocabulário,
cujos estudos servem para compreender a complexidade que abrange o
conhecimento lexical, bem como o ensino do léxico.
Quando se trabalha com a música tem-se uma oportunidade de explorar bem
a oralidade, aspectos conceituais e estruturais da língua dentro de uma dinâmica, ou
trabalho em equipe.
O estudo de forma contextualizada torna-se o melhor meio porque oferece
informações novas, ideias, e revela elementos da cultura, ampliando o vocabulário
dos alunos. Em outras palavras, a educação deve estar inserida no mundo.
14
REFERÊNCIAS
BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacional. Terceiro e quarto ciclos do ensino
fundamental. Língua estrangeira. 1998.
BRASIL, Parâmetros Curriculares Nacionais: (5ª a 8ª Séries). 3ª impressão 2002:
Língua Estrangeira – MEC/SEF, 2002.
CARONE, Maria Lúcia dos Santos. O ensino de língua inglesa por meio de
músicas. Secretaria de Estado da Educação – SEED. 2014.
DAY, Kelly. Ensino de língua estrangeira no Brasil: entre a escolha obriga-tória
e a obrigatoriedade voluntáriai. 2012. Disponível em: chrome-extension://
efaidnbmnnnibpcajpcglclefindmkaj/https://www.maxwell.vrac.puc-
rio.br/20850/20850.PDF. Acessado em 10/11/2022.
FRANCISCO, Eliane Rocha. A música como um agente facilitador ao
aprendizado da língua inglesa. 2007. Disponível em:
https://silo.tips/download/eliane-rocha-francisco. Acessado em 08/10/2022.
JÉSUS, Luís Carlos Batista de. O profissional da informação e a barreira
lingüística. Fonte: Revista Brasileira de Formação em Ciências da Informação. 2015
LEFFA, Vilson J. O ensino de línguas estrangeiras no contexto nacional.
Contexturas. APLIESP, n. 4, p. 13-24, 1999.
______. Aspectos externo e internos da aquisição lexical. In: LEFFA, Vilson J.
(Org.). As palavras e sua companhia: o léxico na aprendizagem. Pelotas, 2000,
p. 15-44.
15
LEWIS, M. Implementando a abordagem léxica - Colocando a teoria em prática
prática. LTP, 1997.
LOPES, Rita de Cássia Soares. A relação professor aluno e o processo ensino
aprendizagem. 2012. Disponível em: chrome-extension://efaidnbmnnnibpcajpcglclefi
ndmkaj/http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/1534-6.pdf.
Acessado em 07/10/2022.
MARIA , Ariane Peronio; MARZARI , Gabriela Quatrin. Estratégias de aquisição de
vocabulário adotadas por alunos de letras na aprendizagem de inglês como
língua estrangeira. 2013. Disponível em: https://periodicos.ufpa.
br/index.php/nra/article/view/6277. Acessado em 05/10/2022.
MONTEIRO, Márcia Manuela. Língua espanhola na política de currículo no
brasil: limites e perspectivas. 2020. Disponível em: http://dspace.bc.uepb.edu.br/
jspui/bitstream/123456789/22342/2/M%C3%A1rcia %20Manuela%20Monteiro%20
TCC%20.pdf. Acessado em 10/11/2022.
NATION, P. Como estruturar o aprendizado de vocabulário. SBS Editora: São
Paulo, 2013.
PAIVA, Vera Lúcia Menezes de Oliveira e. Ensino de vocabulário. A gramática e
o vocabulário no ensino de inglês: novas perspectivas.Belo Horizonte: Faculdade
de Letras/UFMG. 2004.
______, Vera Lúcia Meneze. Ensino de vocabulário. A gramática e o
vocabulário no ensino de inglês: novas perspectivas.Belo Horizonte. Faculdade
de Letras/UFMG. 2017.
POLATO, Amanda. Ensino de Língua Estrangeira vai além da gramática. 2018.
Disponível em: http://allaboutidiomas.weebly.com/blog---liacutengua-realreal-
language/ensino-de-lngua-estrangeira-vai-alm-da-gramtica. Acessado em
06/07/2022.
16
POLATO, Amanda; MENEGUEÇO, Bruna. Ensino de Língua Estrangeira
vai além da gramática. 2008. In Revista Nova Escola. Disponível em
http://fundamentaling. blogspot.com.br/2011_04_01_archive.html. Acessado em:
08/10/2022.
RACANICCHI, Aaron. Ensino de Língua Estrangeira vai além da gramática.
2016.
REVISTA NOVA ESCOLA. Ensino de Língua Estrangeira vai além da gramática.
2011. Disponível em: https://novaescola.org.br/conteudo/2459/ensino-de-lingua-
estrangeira-vai-alem-da-gramatica. Acessado em 12/11/2022.
SILVA, Tânia Maria da Conceição Menezes; PAIXÃO, Roberto Carlos Bastos da.
Metodologia para o ensino da Língua Inglesa – Reflexões necessárias. 2012.
Disponível em: https://www.recantodasletras.com.br/artigos-de-educacao/3685286.
Aces-sado em 15/11/2022.
TOTIS, Verônica Pakrauskas. Língua Inglesa: Leitura. São Paulo: Cortez, 1991.
VICENTINI, C. T.; BASSO, R. A. A. O ensino de inglês através da música. 2008.
Disponível em: <http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/2293-
8.pdf>. Acesso em: 11 de Jun. 2022.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a UM ESTUDO SOBRE A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA

PCNs 3 e 4 ciclos para blog
PCNs 3 e 4 ciclos para blogPCNs 3 e 4 ciclos para blog
PCNs 3 e 4 ciclos para blog
Thiagogui
 
Pcn 3 e 4 ciclos para blog
Pcn 3 e 4 ciclos para blogPcn 3 e 4 ciclos para blog
Pcn 3 e 4 ciclos para blog
Thiagogui
 
Pcn 3 e 4 ciclos
Pcn 3 e 4 ciclos Pcn 3 e 4 ciclos
Pcn 3 e 4 ciclos
Thiagogui
 
Cadernos da-semana-de-letras-2014-resumos
Cadernos da-semana-de-letras-2014-resumosCadernos da-semana-de-letras-2014-resumos
Cadernos da-semana-de-letras-2014-resumos
Pedro Lima
 
Terra_Brasil_Curso_de_língua_e_cultura_Dell'lsola_Almeida_1.pdf
Terra_Brasil_Curso_de_língua_e_cultura_Dell'lsola_Almeida_1.pdfTerra_Brasil_Curso_de_língua_e_cultura_Dell'lsola_Almeida_1.pdf
Terra_Brasil_Curso_de_língua_e_cultura_Dell'lsola_Almeida_1.pdf
ClaudiaEboli
 
Universidade do estado dabahia
Universidade do estado dabahiaUniversidade do estado dabahia
Universidade do estado dabahia
Jucélia Da Hora
 
Relato de experiência hanna e caique
Relato de experiência  hanna e caiqueRelato de experiência  hanna e caique
Relato de experiência hanna e caique
pibid ING
 
A leitura em sala de aula de língua inglesa
A leitura em sala de aula de língua inglesaA leitura em sala de aula de língua inglesa
A leitura em sala de aula de língua inglesa
UNEB
 
Memorial (1)
Memorial (1)Memorial (1)
Memorial (1)
Jucélia Da Hora
 
OT Inglês
OT InglêsOT Inglês
Projeto PIBID
Projeto PIBIDProjeto PIBID
Projeto PIBID
Beto Batis
 
Livro estudante 2007
Livro estudante 2007Livro estudante 2007
Livro estudante 2007
Evinha de Jesus
 
Libras em Contexto
Libras em ContextoLibras em Contexto
Libras em Contexto
Jorge Santos
 
Teste
TesteTeste
Um curso, uma rede social e sua contribuicao para o ensino de linguas estrang...
Um curso, uma rede social e sua contribuicao para o ensino de linguas estrang...Um curso, uma rede social e sua contribuicao para o ensino de linguas estrang...
Um curso, uma rede social e sua contribuicao para o ensino de linguas estrang...
Tarcisio Wallen
 
Monografia de Wagner Simões de Oliveira
Monografia de Wagner Simões de OliveiraMonografia de Wagner Simões de Oliveira
Monografia de Wagner Simões de Oliveira
UNEB
 
Artigo edu metodos
Artigo edu metodosArtigo edu metodos
Artigo edu metodos
ADRIANA BECKER
 
Artigo edu metodos
Artigo edu metodosArtigo edu metodos
Artigo edu metodos
ADRIANA BECKER
 
Boas práticas de língua inglesa na escola pública
Boas práticas de língua inglesa na escola públicaBoas práticas de língua inglesa na escola pública
Boas práticas de língua inglesa na escola pública
erikavivih
 
Português Língua Não Materna no Currículo Nacional - Orientações Nacionais
Português Língua Não Materna no Currículo Nacional - Orientações NacionaisPortuguês Língua Não Materna no Currículo Nacional - Orientações Nacionais
Português Língua Não Materna no Currículo Nacional - Orientações Nacionais
Ensinar Português Andaluzia
 

Semelhante a UM ESTUDO SOBRE A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA (20)

PCNs 3 e 4 ciclos para blog
PCNs 3 e 4 ciclos para blogPCNs 3 e 4 ciclos para blog
PCNs 3 e 4 ciclos para blog
 
Pcn 3 e 4 ciclos para blog
Pcn 3 e 4 ciclos para blogPcn 3 e 4 ciclos para blog
Pcn 3 e 4 ciclos para blog
 
Pcn 3 e 4 ciclos
Pcn 3 e 4 ciclos Pcn 3 e 4 ciclos
Pcn 3 e 4 ciclos
 
Cadernos da-semana-de-letras-2014-resumos
Cadernos da-semana-de-letras-2014-resumosCadernos da-semana-de-letras-2014-resumos
Cadernos da-semana-de-letras-2014-resumos
 
Terra_Brasil_Curso_de_língua_e_cultura_Dell'lsola_Almeida_1.pdf
Terra_Brasil_Curso_de_língua_e_cultura_Dell'lsola_Almeida_1.pdfTerra_Brasil_Curso_de_língua_e_cultura_Dell'lsola_Almeida_1.pdf
Terra_Brasil_Curso_de_língua_e_cultura_Dell'lsola_Almeida_1.pdf
 
Universidade do estado dabahia
Universidade do estado dabahiaUniversidade do estado dabahia
Universidade do estado dabahia
 
Relato de experiência hanna e caique
Relato de experiência  hanna e caiqueRelato de experiência  hanna e caique
Relato de experiência hanna e caique
 
A leitura em sala de aula de língua inglesa
A leitura em sala de aula de língua inglesaA leitura em sala de aula de língua inglesa
A leitura em sala de aula de língua inglesa
 
Memorial (1)
Memorial (1)Memorial (1)
Memorial (1)
 
OT Inglês
OT InglêsOT Inglês
OT Inglês
 
Projeto PIBID
Projeto PIBIDProjeto PIBID
Projeto PIBID
 
Livro estudante 2007
Livro estudante 2007Livro estudante 2007
Livro estudante 2007
 
Libras em Contexto
Libras em ContextoLibras em Contexto
Libras em Contexto
 
Teste
TesteTeste
Teste
 
Um curso, uma rede social e sua contribuicao para o ensino de linguas estrang...
Um curso, uma rede social e sua contribuicao para o ensino de linguas estrang...Um curso, uma rede social e sua contribuicao para o ensino de linguas estrang...
Um curso, uma rede social e sua contribuicao para o ensino de linguas estrang...
 
Monografia de Wagner Simões de Oliveira
Monografia de Wagner Simões de OliveiraMonografia de Wagner Simões de Oliveira
Monografia de Wagner Simões de Oliveira
 
Artigo edu metodos
Artigo edu metodosArtigo edu metodos
Artigo edu metodos
 
Artigo edu metodos
Artigo edu metodosArtigo edu metodos
Artigo edu metodos
 
Boas práticas de língua inglesa na escola pública
Boas práticas de língua inglesa na escola públicaBoas práticas de língua inglesa na escola pública
Boas práticas de língua inglesa na escola pública
 
Português Língua Não Materna no Currículo Nacional - Orientações Nacionais
Português Língua Não Materna no Currículo Nacional - Orientações NacionaisPortuguês Língua Não Materna no Currículo Nacional - Orientações Nacionais
Português Língua Não Materna no Currículo Nacional - Orientações Nacionais
 

Mais de Adilson P Motta Motta

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - PROJETO POEMA
CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - PROJETO POEMACRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - PROJETO POEMA
CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - PROJETO POEMA
Adilson P Motta Motta
 
As várias faces do ópio do Povo.pdf
As várias faces do ópio do Povo.pdfAs várias faces do ópio do Povo.pdf
As várias faces do ópio do Povo.pdf
Adilson P Motta Motta
 
pdf MONTANDO UMA REDACAO - PASSO A PASSO.pdf
pdf MONTANDO UMA REDACAO - PASSO A PASSO.pdfpdf MONTANDO UMA REDACAO - PASSO A PASSO.pdf
pdf MONTANDO UMA REDACAO - PASSO A PASSO.pdf
Adilson P Motta Motta
 
Projeto Escolar - História de Bom Jardim-MA.pdf
Projeto Escolar - História de Bom Jardim-MA.pdfProjeto Escolar - História de Bom Jardim-MA.pdf
Projeto Escolar - História de Bom Jardim-MA.pdf
Adilson P Motta Motta
 
LEI ORGÂNICA DE BOM JARDIM-MA 2020.pdf
LEI ORGÂNICA DE BOM JARDIM-MA 2020.pdfLEI ORGÂNICA DE BOM JARDIM-MA 2020.pdf
LEI ORGÂNICA DE BOM JARDIM-MA 2020.pdf
Adilson P Motta Motta
 
DESAFIOS DAS ESCOLA MULTISSERIADAS EM BOM JARDIM-MA..pdf
DESAFIOS DAS ESCOLA MULTISSERIADAS EM BOM JARDIM-MA..pdfDESAFIOS DAS ESCOLA MULTISSERIADAS EM BOM JARDIM-MA..pdf
DESAFIOS DAS ESCOLA MULTISSERIADAS EM BOM JARDIM-MA..pdf
Adilson P Motta Motta
 
INTERPRETAÇÃO TEXTUAL INGLÊS SÓ ENEM
INTERPRETAÇÃO TEXTUAL INGLÊS  SÓ ENEMINTERPRETAÇÃO TEXTUAL INGLÊS  SÓ ENEM
INTERPRETAÇÃO TEXTUAL INGLÊS SÓ ENEM
Adilson P Motta Motta
 
LEI ORGANICA DE BOM JARDIM-MA. 2022 - ATUALIZADA.pdf
LEI ORGANICA DE BOM JARDIM-MA. 2022 - ATUALIZADA.pdfLEI ORGANICA DE BOM JARDIM-MA. 2022 - ATUALIZADA.pdf
LEI ORGANICA DE BOM JARDIM-MA. 2022 - ATUALIZADA.pdf
Adilson P Motta Motta
 
VALE -PRIVATIZAÇÃO A SAÍDA OU O FUNDO DO POÇO.pptx
VALE -PRIVATIZAÇÃO A SAÍDA OU O FUNDO DO POÇO.pptxVALE -PRIVATIZAÇÃO A SAÍDA OU O FUNDO DO POÇO.pptx
VALE -PRIVATIZAÇÃO A SAÍDA OU O FUNDO DO POÇO.pptx
Adilson P Motta Motta
 
01- LINGUAGEM INDÍGENA 5 PRIMEIRAS PÁGINAS.pdf
01-  LINGUAGEM INDÍGENA 5 PRIMEIRAS PÁGINAS.pdf01-  LINGUAGEM INDÍGENA 5 PRIMEIRAS PÁGINAS.pdf
01- LINGUAGEM INDÍGENA 5 PRIMEIRAS PÁGINAS.pdf
Adilson P Motta Motta
 
DICIONÁRIO TUPI - PORTUGUES.pdf
DICIONÁRIO TUPI - PORTUGUES.pdfDICIONÁRIO TUPI - PORTUGUES.pdf
DICIONÁRIO TUPI - PORTUGUES.pdf
Adilson P Motta Motta
 
A gramática do texto.ppt
A gramática do texto.pptA gramática do texto.ppt
A gramática do texto.ppt
Adilson P Motta Motta
 
A importância de falar inglês.ppt
A importância de falar inglês.pptA importância de falar inglês.ppt
A importância de falar inglês.ppt
Adilson P Motta Motta
 
Breve Resumo - Novo Ensino Médio
Breve Resumo -  Novo Ensino MédioBreve Resumo -  Novo Ensino Médio
Breve Resumo - Novo Ensino Médio
Adilson P Motta Motta
 
Frases à cidadania
Frases à cidadaniaFrases à cidadania
Frases à cidadania
Adilson P Motta Motta
 
Regimento do conselho municipal de educação bom j ardim - ma
Regimento do conselho municipal de educação   bom j ardim - maRegimento do conselho municipal de educação   bom j ardim - ma
Regimento do conselho municipal de educação bom j ardim - ma
Adilson P Motta Motta
 
Projeto programa educacao ambiental. bom jardim ma
Projeto programa educacao ambiental. bom jardim  maProjeto programa educacao ambiental. bom jardim  ma
Projeto programa educacao ambiental. bom jardim ma
Adilson P Motta Motta
 
1º Plano Decenal de Educação de Bom Jardim MA. 2003-2013
1º Plano Decenal de Educação de Bom Jardim  MA. 2003-20131º Plano Decenal de Educação de Bom Jardim  MA. 2003-2013
1º Plano Decenal de Educação de Bom Jardim MA. 2003-2013
Adilson P Motta Motta
 
Um olhar contraste ao modelo educacional de Bom Jardim MA.
Um olhar contraste ao modelo educacional de Bom Jardim   MA.Um olhar contraste ao modelo educacional de Bom Jardim   MA.
Um olhar contraste ao modelo educacional de Bom Jardim MA.
Adilson P Motta Motta
 
25 bilhoes aos municipios
25 bilhoes aos municipios25 bilhoes aos municipios
25 bilhoes aos municipios
Adilson P Motta Motta
 

Mais de Adilson P Motta Motta (20)

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - PROJETO POEMA
CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - PROJETO POEMACRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - PROJETO POEMA
CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - PROJETO POEMA
 
As várias faces do ópio do Povo.pdf
As várias faces do ópio do Povo.pdfAs várias faces do ópio do Povo.pdf
As várias faces do ópio do Povo.pdf
 
pdf MONTANDO UMA REDACAO - PASSO A PASSO.pdf
pdf MONTANDO UMA REDACAO - PASSO A PASSO.pdfpdf MONTANDO UMA REDACAO - PASSO A PASSO.pdf
pdf MONTANDO UMA REDACAO - PASSO A PASSO.pdf
 
Projeto Escolar - História de Bom Jardim-MA.pdf
Projeto Escolar - História de Bom Jardim-MA.pdfProjeto Escolar - História de Bom Jardim-MA.pdf
Projeto Escolar - História de Bom Jardim-MA.pdf
 
LEI ORGÂNICA DE BOM JARDIM-MA 2020.pdf
LEI ORGÂNICA DE BOM JARDIM-MA 2020.pdfLEI ORGÂNICA DE BOM JARDIM-MA 2020.pdf
LEI ORGÂNICA DE BOM JARDIM-MA 2020.pdf
 
DESAFIOS DAS ESCOLA MULTISSERIADAS EM BOM JARDIM-MA..pdf
DESAFIOS DAS ESCOLA MULTISSERIADAS EM BOM JARDIM-MA..pdfDESAFIOS DAS ESCOLA MULTISSERIADAS EM BOM JARDIM-MA..pdf
DESAFIOS DAS ESCOLA MULTISSERIADAS EM BOM JARDIM-MA..pdf
 
INTERPRETAÇÃO TEXTUAL INGLÊS SÓ ENEM
INTERPRETAÇÃO TEXTUAL INGLÊS  SÓ ENEMINTERPRETAÇÃO TEXTUAL INGLÊS  SÓ ENEM
INTERPRETAÇÃO TEXTUAL INGLÊS SÓ ENEM
 
LEI ORGANICA DE BOM JARDIM-MA. 2022 - ATUALIZADA.pdf
LEI ORGANICA DE BOM JARDIM-MA. 2022 - ATUALIZADA.pdfLEI ORGANICA DE BOM JARDIM-MA. 2022 - ATUALIZADA.pdf
LEI ORGANICA DE BOM JARDIM-MA. 2022 - ATUALIZADA.pdf
 
VALE -PRIVATIZAÇÃO A SAÍDA OU O FUNDO DO POÇO.pptx
VALE -PRIVATIZAÇÃO A SAÍDA OU O FUNDO DO POÇO.pptxVALE -PRIVATIZAÇÃO A SAÍDA OU O FUNDO DO POÇO.pptx
VALE -PRIVATIZAÇÃO A SAÍDA OU O FUNDO DO POÇO.pptx
 
01- LINGUAGEM INDÍGENA 5 PRIMEIRAS PÁGINAS.pdf
01-  LINGUAGEM INDÍGENA 5 PRIMEIRAS PÁGINAS.pdf01-  LINGUAGEM INDÍGENA 5 PRIMEIRAS PÁGINAS.pdf
01- LINGUAGEM INDÍGENA 5 PRIMEIRAS PÁGINAS.pdf
 
DICIONÁRIO TUPI - PORTUGUES.pdf
DICIONÁRIO TUPI - PORTUGUES.pdfDICIONÁRIO TUPI - PORTUGUES.pdf
DICIONÁRIO TUPI - PORTUGUES.pdf
 
A gramática do texto.ppt
A gramática do texto.pptA gramática do texto.ppt
A gramática do texto.ppt
 
A importância de falar inglês.ppt
A importância de falar inglês.pptA importância de falar inglês.ppt
A importância de falar inglês.ppt
 
Breve Resumo - Novo Ensino Médio
Breve Resumo -  Novo Ensino MédioBreve Resumo -  Novo Ensino Médio
Breve Resumo - Novo Ensino Médio
 
Frases à cidadania
Frases à cidadaniaFrases à cidadania
Frases à cidadania
 
Regimento do conselho municipal de educação bom j ardim - ma
Regimento do conselho municipal de educação   bom j ardim - maRegimento do conselho municipal de educação   bom j ardim - ma
Regimento do conselho municipal de educação bom j ardim - ma
 
Projeto programa educacao ambiental. bom jardim ma
Projeto programa educacao ambiental. bom jardim  maProjeto programa educacao ambiental. bom jardim  ma
Projeto programa educacao ambiental. bom jardim ma
 
1º Plano Decenal de Educação de Bom Jardim MA. 2003-2013
1º Plano Decenal de Educação de Bom Jardim  MA. 2003-20131º Plano Decenal de Educação de Bom Jardim  MA. 2003-2013
1º Plano Decenal de Educação de Bom Jardim MA. 2003-2013
 
Um olhar contraste ao modelo educacional de Bom Jardim MA.
Um olhar contraste ao modelo educacional de Bom Jardim   MA.Um olhar contraste ao modelo educacional de Bom Jardim   MA.
Um olhar contraste ao modelo educacional de Bom Jardim MA.
 
25 bilhoes aos municipios
25 bilhoes aos municipios25 bilhoes aos municipios
25 bilhoes aos municipios
 

Último

UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 

Último (20)

UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 

UM ESTUDO SOBRE A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA

  • 1. 0 FAPAF - FACULDADE DE TECNOLOGIA ANTÔNIO PROPÍCIO AGUIAR FRANCO DEPARTAMENTO DE PÓS GRADUAÇÃO E PESQUISA PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LÍNGUA INGLESA ADILSON PIRES MOTA UM ESTUDO SOBRE A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO DA MÚSICA BOM JARDIM - MA 2022
  • 2. 1 ADILSON PIRES MOTA UM ESTUDO SOBRE A A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO DA MÚSICA Artigo apresentado a Faculdade de Tecnologia Antonio Propício Aguiar Franco, como requisito parcial para conclusão do curso de pós- graduação em Língua Inglesa. Orientadora: Professora Ruth dos Santos Sales. BOM JARDIM – MA. 2022
  • 3. 2 ADILSON PIRES MOTA A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO DA MÚSICA Artigo apresentado à Banca Examinadora da Faculdade de Tecnologia Antônio Propício Aguiar Franco, como requisito parcial para obtenção do título Especialista em Língua Inglesa. Orientadora: Profª Especialista Professora Ruth dos Santos Sales. Aprovado em: ____/____/________ Nota: ______ BANCA EXAMINADORA _________________________________________________ Professora Esp. Ruth dos Santos Sales Orientadora _________________________________________________ Professora Msc. Tamna dos Santos Sales 2º Membro da Banca _________________________________________________ Professora Msc. Mayara da Cruz Ribeiro 3º Membro da Banca
  • 4. 3 A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO DA MÚSICA Adilson Pires Mota¹ RESUMO Este artigo, de cunho teórico faz um estudo sobre a aprendizagem e a aquisição do léxico (vocabulário) da língua inglesa como língua estrangeira por meio da música. O Ensino/aprendizagem em Língua inglesa deve oportunizar ao aluno uma perspectiva de mundo mais ampla, na qual ele deve ter a oportunidade de externar seu conhecimento adquirido. Os indivíduos envolvidos no processo de ensino devem usar a língua que estão aprendendo em situações significantes e relevantes. A temática aqui proposta ressalta a importância de se desenvolver aulas interativas e dinâmicas no objetivo de se conhecer estratégias sobre a aquisição de vocabulário em língua inglesa, bem como o uso da música, no sentido de que se desenvolva nos alunos o gosto pela disciplina, numa aprendizagem significativa e, dentro deste conteúdo, aspectos da língua a serem aprendidos. Desta forma, e considerando a realidade escolar atual, será que o uso de músicas no ensino de uma língua estrangeira seria possível melhorar a assimilação e aprendizagem dos conteúdos trabalhados junto aos alunos? Frente a este questionamento, nota-se por autores diversos aqui abordados que, as atividades desenvolvidas por meio da musicalidade podem fazer com que os alunos se tornem mais interessados, apreciem mais as aulas e participem de seu aprendizado de forma mais intensa. Palavras chave: Lín1 guaInglesa. Aquisição de vocabulário.Música. ABSTRACT This theoretical article makes a study about the learning and acquisition of the lexicon (vocabulary) of the English language as a foreign language through music. Teaching/learning in English should provide the student with a broader perspective of the world, in which he should have the opportunity to express his acquired knowledge. That is, those involved in the pedagogical process must make use of the language they are learning in meaningful and relevant situations. The theme proposed here emphasizes the importance of developing interactive and dynamic classes in order to know strategies on the acquisition of vocabulary in English, as well as the use of music, in the sense that students develop a taste for the discipline, in a meaningful learning and, within this content, aspects of the language to be learned. In this way, and considering the current school reality, would the use of ¹ Graduado em Letras pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA), em 2005. Pós-graduando em Língua Inglesa pela Faculdade de Tecnologia Antonio Propício Aguiar Franco em 2019. Professor de nível Médio no Centro de Ensino Newton Serra, em Bom Jardim – MA.
  • 5. 4 music in the teaching of a foreign language be possible to improve the assimilation and learning of the contents worked with the students? Faced with this question, it is noted by several authors discussed here that the activities developed through musicality can make students more interested, enjoy the classes more and participate in their learning more intensely. Keywords: English Language. Vocabulary acquisition. Music. 1 INTRODUÇÃO Este artigo aborda “Um estudo sobre a Leitura e o processo de aquisição de vocabulário em Língua Inglesa por meio da música”, que para desenvolvê-lo, foram mobilizadas pesquisas teóricas em fontes diversas como artigos, livros e trabalhos acadêmicos com autores dentro da respectiva abordagem. A temática ressalta a importância de se desenvolver aulas de modo interativo e dinâmico no objetivo de se conhecer estratégias sobre a aquisição de vocabulário em língua inglesa, no sentido de que desenvolva nos alunos o gosto pela disciplina, numa aprendizagem significativa e, dentro deste conteúdo, aspectos da língua a serem aprendidos. Aponta-se que, é na sistematicidade e estruturação do ensino de vocabulário, que se ampliam as possibilidades de aprendizagens, no entanto, sem descartar o papel da aprendizagem através do contexto – onde somado ao prazer cultural pela música, ampliam-se essas possibilidades. Aponta-se que a música é imprescindível que ela esteja presente na sua educação, ou melhor na prática pedagógica no que diz respeito ao processo de ensino-aprendizagem. Observa-se no dia-a-dia, que a prática e gosto pela música acompanha as pessoas em quase todos os momentos de sua vida, sejam eles significativos ou não. A metodologia utilizada para desenvolvê-lo foi amobilização de pesquisas em fontes diversas por meio de livros, artigos, monografias, revistas, teses e sites educativos, internet nas quais são propostas atividades pedagógicas educativas, que podem ser avaliadas no transcorrer de sua aplicação com os alunos em sala de aula. A estruturação deste trabalho está distribuída na seguinte ordem: A primeira seção temática aborda o Ensino de Língua Estrangeira no Brasil e suas subseções: A importância da aprendizagem de línguas estrangeiras; O ensino de inglês através
  • 6. 5 da música; O uso da canção na escola. A segunda seção retrata A música e a aquisição de vocabulário em língua inglesa; e a terceira seção que finaliza o trabalho: Estratégias de aquisição de vocabulários na aprendizagem de língua inglesa, seguido das considerações finais. 2 O ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NO BRASIL O presente tema faz um estudo cronológico da linha do tempo no que diz respeito ao Ensino de Língua estrangeira no Brasil. Para Racanicchi (2016), “o estudo de língua estrangeira no Brasil começou em1500, com a chegada dos colonizadores, a Língua Portuguesa começou a ser ensinada aos índios, informalmente, pelos jesuítas”. Posteriormente, conforme Polato (2018), “foi considerada a primeira língua estrangeira falada em território brasileiro”. Segundo Polato (2018), no ano de 1750, após a expulsão dos jesuítas e a proibição do ensino e do uso do tupi, a língua portugusa tornou-se oficial. Os objetivos eram enfraquecer o poder da Igreja Católica e organizar a escola para servir aos interesses do Estado. De acordo com Lopes (2012), no ano de1759, o alvará de 28 de julho definia a instituição de aulas de Gramática Latina e Grego, que se mantiveram como disciplinas dominantes na formação dos alunos e eram ministradas conforme o modelo dos jesuíticos. Consta que no ano de 1808, conforme, durante o período colonial, a língua francesa era ministrada somente nas escolas militares. Com a chegada da família real, esse idioma e o Inglês foram introduzidos oficialmente no currículo. (SILVA; PAIXÃO, 2012). Na vigência do Brasil Imperial, conforme Leffa (1999, apud MONTEIRO, 2020, p. 14), “os alunos estudavam no mínimo quatro línguas no ensino secundário”. Em contrapartida, ainda que a criação do Colégio Pedro II tenha representado um avanço inegável para o ensino de modo geral e, particularmente, para o de línguas estrangeiras modernas no Brasil, do final do Império às primeiras décadas da República, o ensino de modo geral, e por extensão o de LE, foi objeto de mais de uma dezena de reformas que acabaram por configurar um declínio contínuo nesse ensino, tanto no que concerne ao número de línguas ensinadas quanto ao número
  • 7. 6 de horas semanais a elas dedicadas, conforme podemos constatar no quadro abaixo. Ilustração 1 – Que expressa o número de línguas no Ensino Secundário de 1849 a 1870. Fonte: Day (2012). Constata-se que em 1889, [...] depois da Proclamação da República, as línguas inglesa e alemã passaram a ser opcionais nos currículos escolares. Somente no fim do século XIX elas se tornaram obrigatórias em algumas séries. E em 1942, na Reforma Capanema, durante o governo de Getúlio Vargas (1882-1954), Latim, Francês e Inglês eram matérias presentes no antigo Ginásio. Já no Colegial, as duas primeiras continuavam, mas o Espanhol substituiu o Latim. (POLATO; MENEGUEÇO, 2008 apud Revista Nova Escola, 2011). Verifica-se que “em 1961, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação conforme (BRASIL, 2002) retira a obrigatoriedade do ensino de Língua Estrangeira no Colegial e deixa a cargo dos estados a opção pela inclusão nos currículos das últimas quatro séries do Ginásio”. De acordo com Day (2012, apud LEÃO, 2019, p. 19), “é embasado na LDB 9394/96 que as línguas estrangeiras , na prática, a figurar no currículo com caráter obrigatório a partir da 5ª série”. Embora com limitações, dadas às condições da escola pública brasileira, com um número de horas reduzido e apenas com uma língua obrigatória, ela constitui um ato de reavaliar de modo positivo, bem como um realinhamento do ensino de LE no Brasil. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 1849 1855 1870 1890 1929 LATIM GREGO FRANCÊS INGLÊS ALEMÃO
  • 8. 7 2.1 A importância da aprendizagem de línguas estrangeiras O ato de se aprender uma língua estrangeira vai bem além da necessidade de estarmos inseridos em um mundo que requer cada vez mais o conhecimento de uma segunda língua. Como exemplo vale citar a presença de uma língua estrangeira obrigatória nos exames de vestibulares, em qualquer que seja o curso no qual o candidato pretenda ingressar. Conforme Brasil (1998, p. 15), a aprendizagem da língua estrangeira atualmente é tão importante quanto aprender uma profissão; é uma possibilidade de aumento da auto- percepção do estudante como ser ativo e social, capaz de se engajar e engajar outros no discurso, de forma a poder agir no mundo social. No espaço educacional, podemos destacar sua função interdisciplinar, na qual outras disciplinas, tais como História, Geografia, passam a ter outro significado se apresentadas em atividades conjugadas com o ensino de língua estrangeira. A permanência de língua inglesa no currículo escolar deixou de ser questão de discussão nos meios acadêmicos, pois, de acordo com os PCNs, a nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional prevê língua estrangeira como disciplina obrigatória no ensino fundamental a partir da quinta série. (PCNs, 2002, p. 20). Quanto à escolha da língua, seja Espanhol, Francês, Inglês, ou qualquer outra que estiver em questão, os critérios para sua inclusão no currículo escolar devem ser pautados em “Uma reflexão sobre o seu uso efetivo pela população”. A escolha de uma língua estrangeira moderna recai sobre a Língua Inglesa, pelo multiculturalismo a qual representa, sendo a língua oficial ou semioficial em mais de 60 diferentes países. Dessa forma, o Inglês tornou-se um instrumento de comunicação de grande eficiência em quase todo o mundo por ser a língua da informação científica, além de ser o idioma da tecnologia e das relações internacionais. Desde muito, muito o Inglês deixou de ser exclusivo de uma nação ou representar apenas uma cultura, considerando que diferentes países e diferentes culturas se expressam por meio desse idioma. Existe no mundo, na atualidade, mais falantes não nativos de Inglês do que falantes nativos. A língua inglesa está presente na Internet, nas transações comerciais, na música, isto é, é o idioma internacional que vem conquistando cada vez mais usuários, proporcionando a estes a ampliação de seus horizontes. (JÉSUS, 2015, p. 21). Para Totis (1991, p.16), “(...) qualquer pessoa que não se dispuser a conhecer bem a Língua Inglesa estará privada da participação no mundo contemporâneo como um todo (...)”. Acerca desta questão podemos acrescentar o aspecto linguístico-psicológico, pois a aprendizagem de uma língua estrangeira ajuda a compreender-se melhor a língua materna em seus mecanismos, auxiliando no
  • 9. 8 desenvolvimento de certos processos cognitivos que são aprofundados através da aprendizagem de uma língua estrangeira. 2.2 O ensino de inglês através da música A adequação da música à aprendizagem de língua Inglesa (LEM) é uma sugestão e proposta que pode proporcionar grandes benefícios aos educandos. Conforme Vicentini e Basso (2008, apud CARONE, 2014), “ao se associar a música cantada à aprendizagem de LEM estamos propiciando situações enriquecedoras e organizando experiências que garantem a expressividade e aprendizagem de nossos alunos”. Para Gainza (1998, apud VICENTINI e BASSO, 2008), ao pensar uma ideia e ao manifestar verbalmente esta ideia, o educando defronta-se num processo de representação. E, na visão dos citados autores, ao cantar, o estudante de língua inglesa faz uso ativamente da linguagem verbal e representa modos próprios de perceber e assimilar o conteúdo das canções. [...] ao utilizar música na sala de aula coloca em prática duas habilidades pouco desenvolvidas nas salas de aula de LEM, “listening “ e o “speaking”.Aose explorar a música, a acuidade auditiva melhora a percepção dos alunos na atividade de “listening”, e consequentemente a produção oral. Estas duas habilidades, de acordo com os alunos, são as habilidades mais difíceis para se desenvolver. (VICENTI e BASO, 2008, p. 19), O reconhecimento sonoro das palavras contidas nas letras das músicas leva o aluno a pronunciá-las de forma mais correta. Para o aluno entender o significado das palavras de acordo com o contexto da música significa construir conhecimento, permitindo que o mesmo reflita sobre a mensagem da música e ceda, ou construa sentido a ela. (VICENTINI; BASSO, 2008, p. 6). Constata-se, que as teorias de aprendizagem em LEM têm estudado os aspectos que influenciam na aprendizagem; e alguns deles como aspectos afetivos e o conteúdo significativo tem influenciado neste processo e será apresentado no seguinte sub-tópico.
  • 10. 9 2.3 O uso da canção na escola O uso da canção na escola não é uma prática muito comum. E raros são os projetos que mobilizam sua aplicabilidade. Para Francisco (2007), ao usar a canção na escola, o professor deve reconhecer sua integridade enquanto gênero autônomo. Isso implica em correr riscos sendo um deles: transformar a aula mais em um espaço de lazer do que em um espaço de aprendizado. No entanto, para evitar-se tais situações, deve-se, entretanto,ter claros objetivos do uso com a canção em sala de aula. Deve-se levar o aluno a análise dos vários elementos que uma canção traz: autor – cantor – personagens – melodia – ouvinte genérico – ouvinte individual – entre outros. Devem (os professores) ter em mente que o objetivo maior não é formar cancionistas, mas ouvintes críticos de canções, com direcionamentos à percepção dos efeitos de sentido do texto, melodia, conjunção verbo-melódico; enfim, conhecedores de estilos, discursos, cancioneiros e cancionistas do país. Francisco (2007) define que, ao se trabalhando com a canção, há vários processos. Um deles é o de registro (gravação e instalação em um suporte – CD, pendrive, mp3, TV, data-showe outros); tem-se o processo se, solitário ou coletivo; se há ou não, na composição da letra e da melodia a existência de um instrumento musical; se há o chamado “arranjo”; há também o processo de distribuição da canção que é a veiculação, seja ela radiofônica ou televisiva, ou através da música “ao vivo” ou “mecânica” nos bares e restaurantes ou nos seus mais diversos ambientes: apresentação pelos artistas em shows, participação em trilhas sonoras do cinema, novelas televisivas, teatro, etc. O fato é que a canção está por toda parte. A audição musical em sala de aula se revela fundamental no trabalho com a canção. Considerando todo o processo que a canção chega a nossos ouvidos conclui-se que a mesma é uma produção coletiva. É necessário que os alunos sejam estimulados a observar a interação texto- melodia e a investigar os meios técnicos que lhes trouxeram a canção, bem como o seu processo de produção.
  • 11. 10 3 A MÚSICA E A AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO EM LÍNGUA INGLESA É incontestável o fato de que o ensino de vocabulário sempre preencheu um lugar relevante na história do ensino de línguas. Verifica-se no Método Clássico, em que o estudo do vocabulário apresentava como foco a etimologia, um método seguro para definir significados e ortografia. De acordo com Kelly (apud PAIVA, 2004), “foi essa abordagem que dominou o ensino de Latim e Grego”. Segundo Paiva (2004), no Método Gramático e Tradução, o vocabulário era apresentado em listas de palavras, com as respectivas traduções, que o aluno deveria memorizar. A autora Larsen-Freman (apud PAIVA, 2004) lembra também que os alunos eram ensinados a reconhecer os falso-cognatos. A fixação do vocabulário era feita através de exercícios de tradução tanto do inglês para o português quando vice-versa. No entanto, para Leffa (2000), o conhecimento lexical é parte fundamental da aprendizagem de uma língua. Ao esboçar a importância do léxico para o aprendiz, define-se [...] a importância que o léxico apresenta para o estudante ao afirmar:Se alguém, ao estudar uma língua estrangeira, fosse obrigado a optar entre o léxico e a sintaxe, certamente escolheria o léxico: compreenderia mais um texto identificando seu vocabulário do que conhecendo sua sintaxe. Da mesma maneira, se alguém tiver que escolher entre um dicionário e uma gramática para ler um texto numa língua estrangeira, certamente escolherá o dicionário. Língua não é só léxico, mas o léxico é o elemento que melhor a caracteriza e a distingue das outras. (LEFFA, 2000, p. 27). Isto leva a um entendimento de que um vocabulário limitado põe limite ao pensamento e imaginação do indivíduo e sua grande importância na tradução, interpretação e entendimento das variáveis textuais e contextuais que pode apresentar o texto em sua complexidade. 4 ESTRATÉGIAS DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO NA APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA
  • 12. 11 Ao se pesquisar acerca da aquisição de vocabulário, realizadas Nation (2013), constata-se que esta é uma questão muito pertinente entre os educadores e estudiosos da área, uma vez que “o nível de proficiência em vocabulário por parte do aprendiz é, na maioria das vezes, determinante para o sucesso de seu desempenho na língua alvo”. Através desta pesquisa, pretende-se entre outras, analisar quais são as estratégias mais utilizadas por alunos de Inglês como Língua Estrangeira, futuros professores da língua alvo, com a intenção de compartilhar os resultados obtidos ao longo desta investigação com outros profissionais da área que também se interessam pelo tema aquisição de vocabulário em línguas estrangeiras. De acordo com Maria e Marzani (2013), a pesquisa mostra-se relevante na medida em que muitos aprendizes de Inglês como Língua Estrangeira buscam respostas para essa temática. É precisamente considerando-se a necessidade de compreender como ocorre o processo de aquisição de vocabulário que, ao longo deste estudo, são indicadas algumas das estratégias de aquisição mais recorrentes e, aparentemente eficazes, durante os processos de ensino e aprendizagem da Língua Inglesa na sala de aula. ParaUr (1991, p. 61), o ensino de vocabulário contemplao ensino de pronúncia, grafia, gramática, colocação, significado e formação da palavra. O citado autor tenta esclarecer como se dar o processo de memorização de vocabulário, apresenta e sugere diferentes formas para a avaliação da aquisição de itens lexicais. De acordo com a autora, é possível avaliar a dimensão de aquisição de vocabulário, com base nas seguintes atividades, geralmente desenvolvidas em sala de aula: Múltipla escolha (Multiplechoice): neste tipo de atividade, apenas o sentido denotativo das palavras é testado; Escrever frases ou sentenças (Writingsentences): tem como fim a elaboração escrita de enunciados. Neste tipo de atividade, apenas a pronúncia não é averiguada; Ditado (Dictation): apenas o reconhecimento por meio da compreensão oral (listening) e a grafia de vocábulos específicos são testados; Completar espaços / Preencher lacunas (Gap-filling): este tipo de atividade testa significado, grafia, gramática e colocação do termo. São atividades mais completas para se avaliar a aquisição de vocabulário;Tradução (Translation): testa todos os aspectos da língua, mas é difícil, às vezes impossível, encontrar a tradução equivalente para alguns termos de uma língua para outra. (UR, 1991, pag. 61). Segundo Wilkins (apud MARIA e MARZARI, 2013), um dos precursores da Abordagem Comunicativa, “aprender vocabulário é aprender como as palavras se relacionam com a realidade externa e como elas se relacionam umas com as
  • 13. 12 outras”. Na abordagem comunicativa, o lema é apresentar e usar linguagem autêntica e a língua alvo passa a ser não apenas o objeto de estudo, mas também o meio de comunicação. De acordo com Larsen-Freeman (apud MARIA E MARZARI, 2013), a gramática e o vocabulário que os alunos aprendem derivam da função, do contexto situacional, e dos papéis dos interlocutores. Nota-se que, quanto maior o nível esperado de compreensão, mais amplo deve ser o léxico. São apontadas Estratégias Metacognitivas: a partir das quais o aprendiz utiliza para organizar e avaliar sua aprendizagem. São elas, conforme Paiva (2017): Análise das necessidades individuais de aprendizagem de vocabulário; Seleção do vocabulário a ser aprendido; Planejamento da aprendizagem, selecionando estratégias e material; Potencialização dos recursos de aprendizagem: procurar fontes diversas para a aprendizagem fora e dentro da sala de aula; Organização do vocabulário em registros diversos: organizar cadernos de vocabulário, listagens etc.; Auto avaliação periódica da aprendizagem de vocabulário. (PAIVA, 2017, pág. 12). Acerca dos cadernos de vocabulário, Lewis (1997, p. 75-76) aponta que, “provavelmente, todo aprendiz tem um caderno de vocabulário, do mais simples ou desorganizado ao mais complexo e sofisticado”. Ele orienta certos princípios que devem nortear na organização desses cadernos, como registrar apenas os itens relevantes e que possam ser recuperados quando necessários, e organizar o caderno de forma a contemplar diferentes itens lexicais. Aponta-se as Estratégias Sociais no que diz respeito a aprendizagem como um processo mútuo e interativo. Para Paiva (2017), a “Atenção no vocabulário de interlocutores mais proficientes; Auxílio de outra pessoa, que corresponde pedir auxílio a outrem para entender uma palavra nova ou expressar um conceito que não sabe nomear”. As Estratégias de Comunicação são outras: chamadas de estratégias de compensação, as quais estão relacionadas com métodos usados pelo aprendiz no sentido de superação da ausência de conhecimento que permitam a comunicação. As estratégias supracitadas contribuem relevantemente para uma melhor consciência do fazer pedagógico e para que se torne de fato apta e capaz a aprendizagem, meta maior destas práticas.
  • 14. 13 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS O ato de se trabalhar com a música por longo tempo foi questionável e resistido por muitos educadores, principalmente pelo fato de saber como trabalhar usando a música. Constata-se que as atividades que envolvem a música, se não forem didaticamente bem aplicadas – com finalidades e objetivos precisos, ficam apenas como um “passar de tempo”. Os educandos ouvem e completam as lacunas, muitas vezes sem saber o que estão falando, ou então, por mera tradução das palavras. Desta forma, ao se trabalhar com os vários gêneros e com a sequência didática leva a uma nova perspectiva para aqueles que gostam de trabalhar com música e consequentemente, pelo que se pode constatar - a uma melhor interação e aprendizagem. Defende-se, no entanto, que o trabalho com música permite contextualizar vários objetivos do ensino aprendizagem e dar-lhes significado de uma maneira prazerosa e efetiva para os alunos, o que traz maior satisfação para os educadores. Pode-se verificar que a música auxilia na aquisição de uma língua, no entanto, optou-se por estabelecer nesta relação, ou seja, música e aquisição de vocabulário. O papel do vocabulário nos principais métodos de ensino até hoje foi avaliado e foram expostas diferentes abordagens para o ensino do léxico. Abordou- se o método de ensino no qual é descrito o modelo de aquisição de vocabulário, cujos estudos servem para compreender a complexidade que abrange o conhecimento lexical, bem como o ensino do léxico. Quando se trabalha com a música tem-se uma oportunidade de explorar bem a oralidade, aspectos conceituais e estruturais da língua dentro de uma dinâmica, ou trabalho em equipe. O estudo de forma contextualizada torna-se o melhor meio porque oferece informações novas, ideias, e revela elementos da cultura, ampliando o vocabulário dos alunos. Em outras palavras, a educação deve estar inserida no mundo.
  • 15. 14 REFERÊNCIAS BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacional. Terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental. Língua estrangeira. 1998. BRASIL, Parâmetros Curriculares Nacionais: (5ª a 8ª Séries). 3ª impressão 2002: Língua Estrangeira – MEC/SEF, 2002. CARONE, Maria Lúcia dos Santos. O ensino de língua inglesa por meio de músicas. Secretaria de Estado da Educação – SEED. 2014. DAY, Kelly. Ensino de língua estrangeira no Brasil: entre a escolha obriga-tória e a obrigatoriedade voluntáriai. 2012. Disponível em: chrome-extension:// efaidnbmnnnibpcajpcglclefindmkaj/https://www.maxwell.vrac.puc- rio.br/20850/20850.PDF. Acessado em 10/11/2022. FRANCISCO, Eliane Rocha. A música como um agente facilitador ao aprendizado da língua inglesa. 2007. Disponível em: https://silo.tips/download/eliane-rocha-francisco. Acessado em 08/10/2022. JÉSUS, Luís Carlos Batista de. O profissional da informação e a barreira lingüística. Fonte: Revista Brasileira de Formação em Ciências da Informação. 2015 LEFFA, Vilson J. O ensino de línguas estrangeiras no contexto nacional. Contexturas. APLIESP, n. 4, p. 13-24, 1999. ______. Aspectos externo e internos da aquisição lexical. In: LEFFA, Vilson J. (Org.). As palavras e sua companhia: o léxico na aprendizagem. Pelotas, 2000, p. 15-44.
  • 16. 15 LEWIS, M. Implementando a abordagem léxica - Colocando a teoria em prática prática. LTP, 1997. LOPES, Rita de Cássia Soares. A relação professor aluno e o processo ensino aprendizagem. 2012. Disponível em: chrome-extension://efaidnbmnnnibpcajpcglclefi ndmkaj/http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/1534-6.pdf. Acessado em 07/10/2022. MARIA , Ariane Peronio; MARZARI , Gabriela Quatrin. Estratégias de aquisição de vocabulário adotadas por alunos de letras na aprendizagem de inglês como língua estrangeira. 2013. Disponível em: https://periodicos.ufpa. br/index.php/nra/article/view/6277. Acessado em 05/10/2022. MONTEIRO, Márcia Manuela. Língua espanhola na política de currículo no brasil: limites e perspectivas. 2020. Disponível em: http://dspace.bc.uepb.edu.br/ jspui/bitstream/123456789/22342/2/M%C3%A1rcia %20Manuela%20Monteiro%20 TCC%20.pdf. Acessado em 10/11/2022. NATION, P. Como estruturar o aprendizado de vocabulário. SBS Editora: São Paulo, 2013. PAIVA, Vera Lúcia Menezes de Oliveira e. Ensino de vocabulário. A gramática e o vocabulário no ensino de inglês: novas perspectivas.Belo Horizonte: Faculdade de Letras/UFMG. 2004. ______, Vera Lúcia Meneze. Ensino de vocabulário. A gramática e o vocabulário no ensino de inglês: novas perspectivas.Belo Horizonte. Faculdade de Letras/UFMG. 2017. POLATO, Amanda. Ensino de Língua Estrangeira vai além da gramática. 2018. Disponível em: http://allaboutidiomas.weebly.com/blog---liacutengua-realreal- language/ensino-de-lngua-estrangeira-vai-alm-da-gramtica. Acessado em 06/07/2022.
  • 17. 16 POLATO, Amanda; MENEGUEÇO, Bruna. Ensino de Língua Estrangeira vai além da gramática. 2008. In Revista Nova Escola. Disponível em http://fundamentaling. blogspot.com.br/2011_04_01_archive.html. Acessado em: 08/10/2022. RACANICCHI, Aaron. Ensino de Língua Estrangeira vai além da gramática. 2016. REVISTA NOVA ESCOLA. Ensino de Língua Estrangeira vai além da gramática. 2011. Disponível em: https://novaescola.org.br/conteudo/2459/ensino-de-lingua- estrangeira-vai-alem-da-gramatica. Acessado em 12/11/2022. SILVA, Tânia Maria da Conceição Menezes; PAIXÃO, Roberto Carlos Bastos da. Metodologia para o ensino da Língua Inglesa – Reflexões necessárias. 2012. Disponível em: https://www.recantodasletras.com.br/artigos-de-educacao/3685286. Aces-sado em 15/11/2022. TOTIS, Verônica Pakrauskas. Língua Inglesa: Leitura. São Paulo: Cortez, 1991. VICENTINI, C. T.; BASSO, R. A. A. O ensino de inglês através da música. 2008. Disponível em: <http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/2293- 8.pdf>. Acesso em: 11 de Jun. 2022.