SlideShare uma empresa Scribd logo
SURDEZSURDEZ
O som e o ouvido humano
O som é um fenômeno resultante da
movimentação das partículas do ar. Qualquer
evento capaz de causar ondas de pressão no ar
é considerado uma fonte sonora.
O som e o ouvido humano
Perceber, reconhecer, interpretar e,
finalmente, compreender os diferentes
sons do ambiente só é possível graças à
existência de estruturas que funcionam de
forma ajustada e harmoniosa, constituindo o
sistema auditivo humano.
O som e o ouvido humano
O ouvido humano é composto por três
partes: uma, é externa; as outras duas (internas)
estão localizadas dentro da caixa craniana.

Recomendado para você

Surdez
SurdezSurdez
Surdez

Este documento define deficiência auditiva e surdez, discute seus tipos e causas, e explora suas consequências nos níveis afetivo, cognitivo, social e linguístico. Também fornece orientações para professores sobre como criar um ambiente de aprendizagem acessível e apoiar o desenvolvimento de alunos com deficiência auditiva.

surdezaudiçãodeficiência
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva

O documento discute os conceitos e princípios da educação inclusiva, incluindo: (1) a transformação para uma sociedade inclusiva que conta com a participação de todos; (2) o entendimento de que as crianças podem aprender juntas, embora tenham objetivos e processos diferentes; (3) a classificação dos alunos com necessidades especiais (mental, auditiva, visual, superdotação, física, múltipla).

educação inclusiva
Deficiência auditiva
Deficiência auditivaDeficiência auditiva
Deficiência auditiva

O documento discute deficiência auditiva em crianças, incluindo os desafios para educação especial, como a surdez afeta o desenvolvimento e a qualidade de vida. Aborda tipos de surdez, graus de perda auditiva, efeitos da idade e aprendizagem da língua de sinais.

criançasdeficiênciaaudição
O som e o ouvido humano
Qualquer alteração ou
distúrbio no processamento
normal da audição, seja
qual for a causa, tipo ou
grau de severidade,
constitui uma alteração
auditiva, determinando,
para o indivíduo, uma
diminuição da sua
capacidade de ouvir e
perceber os sons.
Surdez e Deficiência
Auditiva
Denomina-se DEFICIÊNCIA AUDITIVA a
diminuição da capacidade de percepção normal
dos sons; sendo considerado SURDO o indivíduo
cuja audição não é funcional na vida comum,
PARCIALMENTE SURDO, aquele cuja audição,
ainda que deficiente, é funcional com ou sem
prótese auditiva.
Caracterizando a
Surdez
Período de Aquisição
 CONGÊNITAS, quando o indivíduo já nasceu
surdo. Nesse caso a surdez é pré-lingual, ou
seja, ocorreu antes da aquisição da linguagem;
 ADQUIRIDAS, quando o indivíduo perde a
audição no decorrer da sua vida. Nesse caso a
surdez poderá ser pré ou pós-lingual,
dependendo da sua ocorrência ter se dado antes
ou depois da aquisição da linguagem.

Recomendado para você

Deficiencia Visual
Deficiencia VisualDeficiencia Visual
Deficiencia Visual

 O documento discute deficiência visual, definindo-a e descrevendo suas manifestações e implicações na educação escolar. Aborda termos como cegueira, baixa visão e heterogeneidade das deficiências visuais.

LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia
LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia
LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia

1) A morfologia da Língua Brasileira de Sinais estuda a estrutura interna dos sinais e as regras para formação de novos sinais, incluindo derivação, composição e incorporação. 2) Exemplos mostram como os sinais de nomes e verbos são derivados através de mudanças no movimento, e como sinais se combinam através da composição. 3) A língua utiliza classificadores para descrever objetos, ações e situações.

librasaspectos linguísticosmorfología
5 Parâmetros da libras
5 Parâmetros da libras5 Parâmetros da libras
5 Parâmetros da libras

Este documento discute aspectos linguísticos da Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS), incluindo variações regionais e sociais, iconicidade versus arbitrariedade, e parâmetros estruturais como configuração da mão, ponto de articulação e movimento.

aeelibrasparâmetros da libras
Causas da Surdez
(Etiologia)
 PRÉ-NATAIS – surdez
provocada por fatores genéticos e
hereditários, doenças adquiridas
pela mãe na época da gestação
(rubéola, toxoplasmose,
citomegalovírus), e exposição da
mãe a drogas ototóxicas
(medicamentos que podem afetar
a audição).
Causas da Surdez
(Etiologia)
 PERI-NATAIS: Surdez provocada mais
frequentemente por parto prematuro, falta de
oxigenação no cérebro logo após o nascimento e
trauma de parto (uso inadequado de fórceps, parto
excessivamente rápido, parto demorado).
Causas da Surdez
(Etiologia)
 PÓS-NATAIS: Surdez provocada por doenças
adquiridas pelo indivíduo ao longo da vida, como:
meningite, caxumba, sarampo. Além do uso de
medicamentos ototóxicos, outros fatores também
têm relação com a surdez, como avanço da idade e
acidentes.
Tipo de Surdez
(Localização da Lesão)
 CONDUTIVA: quando está localizada
no ouvido externo e/ou ouvido médio;
o que impede ou dificulta a transmissão das
ondas sonoras até o ouvido interno. O
distúrbio no ouvido externo costuma
decorrer de otite, malformação ou da
ausência do pavilhão auditivo. Já o distúrbio
no ouvido médio costuma ser produzido por
traumatismos que provocam perfuração do
tímpano ou por alterações na cadeia de
ossinhos. Normalmente não são graves nem
duradouras e há possibilidade de tratamento
médico ou cirúrgico.

Recomendado para você

LIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os Surdos
LIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os SurdosLIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os Surdos
LIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os Surdos

O documento discute a história da educação de surdos, desde a antiguidade até os métodos atuais. Apresenta as diferentes concepções sobre surdez ao longo do tempo e como isso influenciou os métodos educacionais, desde o reconhecimento da Língua de Sinais por L'Epée no século XVIII até o predomínio do oralismo no século XIX e a luta atual pelo bilinguismo.

librassurdolinguas de sinais
Deficiências
DeficiênciasDeficiências
Deficiências

O documento fornece informações sobre diversos tipos de deficiência, como física, auditiva, visual e intelectual. Ele explica cada deficiência, suas causas, características e formas de auxiliar pessoas com deficiência na escola por meio de adaptações e acessibilidade.

LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplina
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplinaLIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplina
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplina

Este documento apresenta os objetivos e conteúdos de um curso sobre a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS). O curso abordará a história da educação de surdos, a cultura surda, a linguística da LIBRAS e o ensino da língua portuguesa para surdos. Os alunos compreenderão princípios teóricos sobre a educação de surdos e conhecerão a cultura e identidade surda.

libras
Tipo de Surdez
(Localização da Lesão)
 NEUROSSENSORIAL: Quando a
alteração está localizada no ouvido
interno (cóclea). Sua origem pode ser
genética, produzida por intoxicação
(medicamentos), por infecção
(meningite) ou por alterações vasculares
do ouvido interno. Esse tipo de surdez
não afeta apenas a quantidade da
audição, mas também sua qualidade. Não
apenas se ouve menos, mas o que se ouve
é distorcido. As surdezes neurossensoriais
costumam ser permanentes, e até pouco
tempo. Não era possível intervenção
cirúrgica, contudo, há estudos recentes
de um implante coclear.
Tipo de Surdez
(Localização da Lesão)
 MISTA: quando a alteração está localizada no
ouvido externo e/ou médio e ouvido
interno. Sua origem pode ser uma das causas
próprias da surdez neurossensorial ou uma
confluência das causas próprias de cada tipo de
surdez. Podendo também ocorrer devido a fatores
genéticos, determinantes de má formação. O
tratamento das surdezes mistas decorrer de cada
um dos dois tipos que engloba.
Grau de perda Auditiva
 A perda auditiva é avaliada por sua intensidade em
cada um dos ouvidos em função de diversas
frequências. A intensidade do som é medida em
decibéis (dB).
 O grau de perda auditiva é classificado em:
Perda Leve de 20 a 40 dB
Perda Média/Moderada de 40 a 70 dB
Perda Séria/ Severa de 70 a 90 dB
Perda Profunda superior a 90 dB
Grau de perda Auditiva
 Podem-se destacar algumas correspondências
aproximadas na intensidade do som:
 A surdez pode ser classificada também,
como unilateral, quando se apresenta em apenas um
ouvido e bilateral, quando acomete ambos ouvidos.
20 dB Fala em cochicho
40 dB Fala suave
60 dB Conversa normal
80 dB Trânsito ruidoso
100 dB Escavadeira

Recomendado para você

Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos LinguísticosLíngua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos

Este documento discute aspectos linguísticos da Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS). Apresenta informações sobre as diferenças entre a LIBRAS e a língua portuguesa, incluindo suas unidades mínimas e parâmetros. Também aborda termos relacionados à surdez e curiosidades sobre a comunidade surda.

librasgramática libraslíngua brasileira de sinais
LIBRAS AULA 3: Primeiros estudos, Mitos, Concepções
LIBRAS AULA 3: Primeiros estudos, Mitos, Concepções LIBRAS AULA 3: Primeiros estudos, Mitos, Concepções
LIBRAS AULA 3: Primeiros estudos, Mitos, Concepções

O documento discute os primeiros estudos acadêmicos das línguas de sinais, realizados na década de 1960, e mitos versus verdades sobre essas línguas. Também aborda duas concepções de surdez - a clínico-patológica e a socioantropológica - e como essas concepções influenciam a prática docente com alunos surdos.

librasestudosconcepções
Classificadores em Libras
Classificadores em LibrasClassificadores em Libras
Classificadores em Libras

Classificadores Predicativos em Libras: Modificações no sinal para referenciar características. Incluem categorias de tamanho, forma, entidades e verbos manuais. Devem ser usados para concordar com argumentos verbais. Exemplos incluem adjetivos descritivos.

A medição da Audição
 A audiometria (tonal/ vocal) é um exame que
avalia a audição e deve ser realizado pelo profissional
especializado: fonoaudiólogo. O paciente, no interior
de uma cabine, é testado para sua audição. O
resultado é expresso em um audiograma, que é um
gráfico que revela as capacidades auditivas do
paciente.
A medição da Audição
A prova de POTENCIAIS EVOCADOS
AUDITIVOS, é a mais utilizada e confiável com
crianças menores de 3 anos. Baseia-se no envio de
estímulos sonoros às várias estruturas da via auditiva.
Os sinais bioelétricos provocados por tais estímulos
são captados por eletrodos e posteriormente
registrados e analisados por um computador.
Grau da Surdez e
Desenvolvimento
Infantil
Sendo a surdez uma privação sensorial que
interfere diretamente na comunicação, alterando a
qualidade da relação que o indivíduo estabelece com o
meio, ela pode ter sérias implicações para o
desenvolvimento de uma criança, conforme o grau da
perda auditiva que as mesmas apresentem.
Grau da Surdez e
Desenvolvimento Infantil

Recomendado para você

Plano de Aula - Libras
Plano de Aula - LibrasPlano de Aula - Libras
Plano de Aula - Libras

O plano de aula ensina sobre frutas usando a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS). Os alunos aprenderão os sinais de cada fruta, farão desenhos das frutas, e jogarão um jogo de memória para reforçar o que aprenderam. No final, eles poderão comer uma salada de frutas.

LIBRAS AULA 6: A interação do surdo com o mundo
LIBRAS AULA 6: A interação do surdo com o mundo LIBRAS AULA 6: A interação do surdo com o mundo
LIBRAS AULA 6: A interação do surdo com o mundo

O documento discute a interação de surdos com o mundo. A maioria das crianças surdas nasce em famílias ouvintes que não sabem LIBRAS, levando ao isolamento da criança e atrasos na aquisição de linguagem. Contato com adultos surdos é essencial para que a criança aprenda LIBRAS e desenvolva identidade cultural. Surdos interagem visualmente através de LIBRAS, que é fundamental para a cultura surda.

librassurdocultura surda
Deficiência auditiva
Deficiência auditiva Deficiência auditiva
Deficiência auditiva

O documento discute deficiência auditiva, suas causas e sinais de alerta. Deficiência auditiva ocorre devido a problemas no aparelho auditivo e pode variar de leve a profunda. Sinais em crianças incluem ausência de reação a sons e atraso no desenvolvimento da fala. Exames como audiograma diagnosticam o grau de perda auditiva.

libraseducaçãodeficiência auditiva
A criança é capaz de perceber os sons da fala;
adquire e desenvolve a linguagem oral
espontaneamente; o problema geralmente é
tardiamente descoberto; dificilmente se coloca o
aparelho de amplificação porque a audição é
muito próxima do normal.
Surdez Leve
A criança pode demorar um pouco para
desenvolver a fala e linguagem; apresenta alterações
articulatórias (trocas na fala) por não perceber todos
os sons com clareza; tem dificuldade em
perceber a fala em ambientes ruidosos;
são crianças desatentas e com dificuldade no
aprendizado da leitura e escrita.
Surdez Moderada
A criança terá dificuldades em
adquirir a fala e linguagem espontaneamente;
poderá adquirir vocabulário do contexto familiar;
existe a necessidade do uso de aparelho de
amplificação e acompanhamento especializado.
Surdez Severa
A criança dificilmente desenvolverá a
linguagem oral espontaneamente; só responde
auditivamente a sons muito intensos como: bombas,
trovão, motor de carro e avião;
Frequentemente utilizaa leitura orofacial;
necessita fazer uso de aparelho de
amplificação e/ou implante coclear, bem
como de acompanhamento especializado.
Surdez Profunda

Recomendado para você

Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@sSaúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s

O documento discute a importância da saúde mental na escola e na família. Ele explica que a saúde mental envolve o bem-estar emocional e a capacidade de lidar com adversidades. Também descreve competências socioemocionais como autoconsciência e autorregulação que ajudam no desenvolvimento da saúde mental. Além disso, fornece dicas sobre como promover a saúde mental por meio de relações positivas e do desenvolvimento de habilidades emocionais desde a infância.

saude mentalsaúde escolarescola
Historia da Educação dos Surdos.
Historia da Educação dos Surdos. Historia da Educação dos Surdos.
Historia da Educação dos Surdos.

No passado, pessoas com deficiência eram frequentemente rejeitadas e abandonadas. Na Antiguidade, crianças com deficiência eram mortas, e na Idade Média eram ignoradas e dependentes da caridade alheia. Ao longo dos séculos, alguns educadores desenvolveram métodos de ensino, mas as pessoas surdas enfrentaram períodos de proibição da língua de sinais. No século XX, o movimento de inclusão e os direitos das pessoas com deficiência ganharam força.

Deficiencia auditiva
Deficiencia auditivaDeficiencia auditiva
Deficiencia auditiva

Este documento describe la deficiencia auditiva, incluyendo su definición, las partes del oído y su función, tipos de capacidad y discapacidad auditivas, y criterios para clasificar las deficiencias auditivas. Explica que la audición es necesaria para adquirir el lenguaje, y que la discapacidad auditiva depende del grado de pérdida, localización de la lesión, momento de aparición, capacidad cognitiva del sujeto y su actitud para manejar los sonidos del lenguaje.

necesidades educativasximena balseca
Sinais de Deficiência Auditiva
 Defeitos de linguagem;
 Expressão oral pobre;
 Pedidos para que se repitam palavras e instruções;
 Uso demasiado de (O que? Como?);
 Andar arrastando os pés;
 Ausência de reações a sons pouco intensos, fora de
seu campo visual;
 Dores no ouvido;
 Cabeça virada para ouvir melhor, em posições
pouco comuns;
 Escolaridade deficiente;
Sinais de Deficiência Auditiva
 Ditados com muitos erros;
 Olhar dirigido mais para os lábios do interlocutor do
que para os olhos;
 Dificuldades de contatos afetivos;
 Irritabilidade;
 Falta de interesse principalmente por jogos e
atividades em grupo;
 Insegurança em brincadeiras ao ar livre;
 Dificuldade para a leitura e a escrita;
 Nem sempre atende a chamados;
 É retraída e desconfiada;
O papel do professor frente aos
problemas auditivos
Pelo fato das deficiências auditivas, muitas
vezes, virem a ser detectadas somente na escola o
professor deve tomar determinados cuidados:
 Falar claramente em tom natural;
 Sentar a criança mais perto de sua mesa;
 Permanecer em posição tal que o aluno possa ver
seu rosto com facilidade;
 Oferecer-lhe oportunidades de participar de
atividade de grupo;
O papel do professor frente aos
problemas auditivos
 Evitar falar enquanto escreve na lousa;
 Utilizar material visual variado;
 É importante que as crianças surdas convivam com
as pessoas que ouvem, que sejam estimuladas a falar,
evitando que constituam um grupo à parte;
 Conversas com os pais também serão de grande
auxilio, pois eles também devem contribuir para o
ajustamento do filho e fornecer informações
importantes que poderão ajudar no desenvolvimento
global da criança.

Recomendado para você

1551 Deficiencia Auditiva
1551 Deficiencia Auditiva1551 Deficiencia Auditiva
1551 Deficiencia Auditiva

O documento discute deficiência auditiva, definindo-a como qualquer alteração ou distúrbio no processamento normal da audição. Ele descreve os tipos de perda auditiva, incluindo condutiva, neurossensorial, mista e central, e discute como a gravidade da surdez afeta o desenvolvimento da linguagem e da fala em crianças. Ele também fornece recomendações para prevenção e identificação precoce da surdez.

Deficiência auditiva
Deficiência auditivaDeficiência auditiva
Deficiência auditiva

O documento fornece informações sobre deficiência auditiva, incluindo causas, níveis de perda auditiva, LIBRAS e orientações para educação bilíngue de surdos.

libraseducaçãodeficiência auditiva
Slides. libras.
Slides. libras.Slides. libras.
Slides. libras.

Em 1857,D.Pedro II chamou o professor francês Hernest Huet (surdo e partidário de I’Epeé,que usava o método combinado) para vir ao Brasil e foi fundada então a primeira escola para meninos surdos . IMPERIAL INSTITUTO DE SURDOS MUDOS,hoje, “INSTITUTO NACIONAL DE EDUCAÇÃO DE SURDOS (INES)” Instituto Santa Terezinha para meninas surdas (SP),Fundado em 1925, dedicado à educação de moças surdas, sendo que algumas se tornavam freiras. O Instituto Santa Teresinha, conta com uma equipe de profissionais habilitados e capacitados e mantém a Educação Básica por meio dos cursos de Educação Infantil, Ensino Fundamental I e II e Ensino Médio Escola Concórdia (Porto Alegre-RS), As aulas são ministradas em LIBRAS que é utilizada por todos os funcionários da escola.Oferece uma educação integral, fundamentada em princípios cristãos. Possui o Serviço de Psicologia , Conta com o apoio de uma Clínica de Fonoaudiologia.

história surdos brasil ernest huet escola santa t
Língua Brasileira de Sinais
LIBRAS
 São sistemas de sinais independentes das línguas
faladas;
Contrariamente a uma ideia preconcebida não
existe uma língua de sinais utilizada e compreendida
universalmente;
 A língua de sinais tem uma estrutura própria. Um
sinal gestual remete a um conceito, não existindo uma
correspondência termo a termo como a língua oral;
Alfabeto
Em se tratando da educação dos
surdos existem alguns profissionais,
com funções distintas, que se
encarregam do processo: o Professor
Regente, o Intérprete de Libras, o
Instrutor de Libras e o Professor de
Atendimento Educacional Especializado
(AEE).
O instrutor é aquele que tem o papel de ensinar a
Libras. (No DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005.)
O intérprete é aquele que tem o papel de
intermediar a comunicação entre o idioma do emissor ao
idioma do receptor.
Obs. É importante ressaltar que em todos os casos previstos nos incisos do Decreto , as
pessoas surdas terão prioridade em cursos de formação e para ministrar a disciplina de
Libras.

Recomendado para você

Power point def auditiva
Power point def auditivaPower point def auditiva
Power point def auditiva

Este documento describe la deficiencia auditiva, incluyendo la anatomía y función del oído, tipos de capacidad y discapacidad auditiva, clasificación de deficiencias, recursos auditivos y evaluación. Explica las partes del oído externo, medio e interno, y cómo transforman las ondas sonoras en señales nerviosas. Además, clasifica las deficiencias por grado de pérdida, momento de aparición, estructura afectada y naturaleza. Finalmente, detalla diferentes recursos como prótesis auditivas para

Slide libras (1)
Slide libras (1)Slide libras (1)
Slide libras (1)

O documento descreve a história do SignWriting, um sistema de escrita para línguas de sinais desenvolvido por Valerie Sutton em 1974. Ele detalha como o SignWriting evoluiu de um sistema manual para um sistema digital e como começou a ser adotado para escrever a Língua Brasileira de Sinais. Algumas escolas no Brasil já começaram a ensinar o SignWriting para estudantes surdos.

História da educação de surdos e educação de
História da educação de surdos e educação deHistória da educação de surdos e educação de
História da educação de surdos e educação de

O documento descreve a história da educação de surdos no Brasil desde o século 15 até os dias atuais. Ele discute como os surdos eram tratados no passado, o desenvolvimento de métodos de ensino e a fundação da primeira escola para surdos no Brasil no século 19. Também aborda o reconhecimento legal da Língua Brasileira de Sinais e o desenvolvimento contínuo dos direitos educacionais dos surdos.

ed
Diretrizes da
Secretaria de Estado
da Educação
A atuação do
intérprete e do
instrutor de Libras é
de extrema
importância para
junto com o professor
propiciar a construção
do conhecimento que
leve o aluno ao pleno
exercício de sua
cidadania.
Surdez
Surdez
Prevenção de Problemas
Auditivos
Orientar as crianças na higiene do ouvido, bem
como em relação a imprudências praticadas em
brincadeiras que podem levar à perdas auditivas e até
mesmo à surdez. Tais Como:
 O conceito errôneo de que cera é sujeira e precisa ser
removida;
 Combater o hábito de limpar o ouvido com a unha,
grampos, palitos ou outros objetos pontiagudos;
 Ao limpar o ouvido evitar o uso de objetos que
empurram a cera em direção à membrana timpânica, pois
pode ocorrer trauma no canal e até no tímpano;

Recomendado para você

Oralismo bilinguismo e comunicação
Oralismo bilinguismo e comunicaçãoOralismo bilinguismo e comunicação
Oralismo bilinguismo e comunicação

O documento discute diferentes abordagens para a educação de surdos, incluindo oralismo, comunicação total e bilinguismo. O bilinguismo promove o desenvolvimento de habilidades na língua de sinais brasileira como primeira língua e no português escrito como segunda língua. Escolas bilíngües e professores qualificados são direitos importantes para surdos.

libras
Deficiencia Auditiva
Deficiencia AuditivaDeficiencia Auditiva
Deficiencia Auditiva

El documento describe la deficiencia auditiva, que ocurre cuando hay un problema en los oídos o en partes que facilitan la audición. Explica cómo funciona el oído y los tres tipos principales de deficiencia auditiva: de conducción, sensorial y neural. Finalmente, indica que la deficiencia auditiva puede deberse a problemas congénitos o adquiridos más tarde en la vida, como resultado de enfermedades, lesiones o exposición repetida a ruidos fuertes.

Surdez,
 Surdez, Surdez,
Surdez,

O documento discute o sistema auditivo, níveis de surdez, causas da surdez e a educação de pessoas surdas. Ele explica que o sistema auditivo é dividido em ouvido externo, médio e interno, e descreve a função de cada parte. Também define os quatro níveis de surdez - leve, moderada, severa e profunda - e como cada um afeta a audição. Por fim, traça a história da educação de surdos desde Aristóteles até a fundação da primeira escola para surdos na França no século 18.

Prevenção de Problemas
Auditivos
 Não introduzir objetos estranhos no ouvido;
 Evitar o uso indiscriminado de gotas otológicas;
 Não descuidar de gripes, rinofagites, amigdalites e
principalmente das dores no ouvido;
 Usar antibióticos somente com prescrição médica;
 Tomar cuidado com os tampões de algodão que não
devem ser muito pequenos nem afundados no conduto
auditivo.
O Papel da Família
 A atitude dos pais diante da surdez de seu filho terá
uma influência considerável;
 As reações podem ser muito diversas. Há pais que
tentam negar sua existência e consequentemente,
tratam seus filhos como se fossem ouvinte;
 Outros, ao contrário, desenvolvem atitudes de
superproteção;
 Em uma posição intermediária, mais positiva, estão
os pais que aceitam as consequências da surdez, criam
um ambiente descontraído de comunicação e se
dispõem a aprender e a utilizar com seu filho o tipo de
comunicação mais enriquecedor.
O Papel da Família
 Um fator diferencial importante é se os pais
também são surdos ou se são ouvintes;
 Se forem surdos, os pais aceitam com mais
facilidade a surdez de seu filho, compreendem melhor
sua situação e oferecem à criança, um sistema de
comunicação, que adquirirá com grande facilidade;
 No caso dos pais ouvintes, que são 90% do total,
embora tenham maior competência na língua oral,
experimentam maiores dificuldades para encontrar
um modelo de comunicação adequado.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Libras
LibrasLibras
História dos surdos e oralismo
História dos surdos e oralismoHistória dos surdos e oralismo
História dos surdos e oralismo
Colégio Estadual Padre Fernando Gomes de Melo
 
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
dilaina maria araujo maria
 
Surdez
SurdezSurdez
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
Priscila Gomes
 
Deficiência auditiva
Deficiência auditivaDeficiência auditiva
Deficiência auditiva
Hélder Santos
 
Deficiencia Visual
Deficiencia VisualDeficiencia Visual
Deficiencia Visual
Cassia Dias
 
LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia
LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia
LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia
profamiriamnavarro
 
5 Parâmetros da libras
5 Parâmetros da libras5 Parâmetros da libras
5 Parâmetros da libras
Nelinha Soares
 
LIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os Surdos
LIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os SurdosLIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os Surdos
LIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os Surdos
profamiriamnavarro
 
Deficiências
DeficiênciasDeficiências
Deficiências
fernandapinho2014
 
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplina
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplinaLIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplina
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplina
profamiriamnavarro
 
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos LinguísticosLíngua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Universidade Estadual de Londrina - UEL
 
LIBRAS AULA 3: Primeiros estudos, Mitos, Concepções
LIBRAS AULA 3: Primeiros estudos, Mitos, Concepções LIBRAS AULA 3: Primeiros estudos, Mitos, Concepções
LIBRAS AULA 3: Primeiros estudos, Mitos, Concepções
profamiriamnavarro
 
Classificadores em Libras
Classificadores em LibrasClassificadores em Libras
Classificadores em Libras
Joseane Maciel Viana
 
Plano de Aula - Libras
Plano de Aula - LibrasPlano de Aula - Libras
Plano de Aula - Libras
PEDAGOGIA-COLABORATIVA
 
LIBRAS AULA 6: A interação do surdo com o mundo
LIBRAS AULA 6: A interação do surdo com o mundo LIBRAS AULA 6: A interação do surdo com o mundo
LIBRAS AULA 6: A interação do surdo com o mundo
profamiriamnavarro
 
Deficiência auditiva
Deficiência auditiva Deficiência auditiva
Deficiência auditiva
Tathiane Cuesta
 
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@sSaúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Historia da Educação dos Surdos.
Historia da Educação dos Surdos. Historia da Educação dos Surdos.
Historia da Educação dos Surdos.
dilaina maria araujo maria
 

Mais procurados (20)

Libras
LibrasLibras
Libras
 
História dos surdos e oralismo
História dos surdos e oralismoHistória dos surdos e oralismo
História dos surdos e oralismo
 
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
 
Surdez
SurdezSurdez
Surdez
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
 
Deficiência auditiva
Deficiência auditivaDeficiência auditiva
Deficiência auditiva
 
Deficiencia Visual
Deficiencia VisualDeficiencia Visual
Deficiencia Visual
 
LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia
LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia
LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia
 
5 Parâmetros da libras
5 Parâmetros da libras5 Parâmetros da libras
5 Parâmetros da libras
 
LIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os Surdos
LIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os SurdosLIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os Surdos
LIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os Surdos
 
Deficiências
DeficiênciasDeficiências
Deficiências
 
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplina
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplinaLIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplina
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplina
 
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos LinguísticosLíngua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
 
LIBRAS AULA 3: Primeiros estudos, Mitos, Concepções
LIBRAS AULA 3: Primeiros estudos, Mitos, Concepções LIBRAS AULA 3: Primeiros estudos, Mitos, Concepções
LIBRAS AULA 3: Primeiros estudos, Mitos, Concepções
 
Classificadores em Libras
Classificadores em LibrasClassificadores em Libras
Classificadores em Libras
 
Plano de Aula - Libras
Plano de Aula - LibrasPlano de Aula - Libras
Plano de Aula - Libras
 
LIBRAS AULA 6: A interação do surdo com o mundo
LIBRAS AULA 6: A interação do surdo com o mundo LIBRAS AULA 6: A interação do surdo com o mundo
LIBRAS AULA 6: A interação do surdo com o mundo
 
Deficiência auditiva
Deficiência auditiva Deficiência auditiva
Deficiência auditiva
 
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@sSaúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
Saúde Mental na Escola - Cartilha orienta professor@s e alun@s
 
Historia da Educação dos Surdos.
Historia da Educação dos Surdos. Historia da Educação dos Surdos.
Historia da Educação dos Surdos.
 

Destaque

Deficiencia auditiva
Deficiencia auditivaDeficiencia auditiva
Deficiencia auditiva
yulystefanny
 
1551 Deficiencia Auditiva
1551 Deficiencia Auditiva1551 Deficiencia Auditiva
1551 Deficiencia Auditiva
Ana Lúcia Lemes Nunes Silva
 
Deficiência auditiva
Deficiência auditivaDeficiência auditiva
Deficiência auditiva
Tathiane Cuesta
 
Slides. libras.
Slides. libras.Slides. libras.
Slides. libras.
Janaina Martins
 
Power point def auditiva
Power point def auditivaPower point def auditiva
Power point def auditiva
supercalaniro
 
Slide libras (1)
Slide libras (1)Slide libras (1)
Slide libras (1)
Gisele Monteiro
 
História da educação de surdos e educação de
História da educação de surdos e educação deHistória da educação de surdos e educação de
História da educação de surdos e educação de
Maísa Allana
 
Oralismo bilinguismo e comunicação
Oralismo bilinguismo e comunicaçãoOralismo bilinguismo e comunicação
Oralismo bilinguismo e comunicação
Michelli Assis
 
Deficiencia Auditiva
Deficiencia AuditivaDeficiencia Auditiva
Deficiencia Auditiva
maricruzquintanaruiz
 
Surdez,
 Surdez, Surdez,
Surdez,
gelidivany
 
Que língua é essa
Que língua é essaQue língua é essa
Que língua é essa
marciaorion
 
Apostila libras reformulada completa
Apostila libras reformulada  completaApostila libras reformulada  completa
Apostila libras reformulada completa
LiseteLima
 
Disfunçõesvestibulares.ppt
 Disfunçõesvestibulares.ppt  Disfunçõesvestibulares.ppt
Disfunçõesvestibulares.ppt
hihdidushd
 
Deficiencia Auditiva
Deficiencia AuditivaDeficiencia Auditiva
Deficiencia Auditiva
guest5fedaea
 
11. EXPOSICIÓN - DISCAPACIDAD AUDITIVA
11. EXPOSICIÓN - DISCAPACIDAD AUDITIVA11. EXPOSICIÓN - DISCAPACIDAD AUDITIVA
11. EXPOSICIÓN - DISCAPACIDAD AUDITIVA
Irish Goold
 
Discapacidad Auditiva (Sordera)
Discapacidad Auditiva (Sordera)Discapacidad Auditiva (Sordera)
Discapacidad Auditiva (Sordera)
Adriana Lascurain
 
Unidade 5 -_deficiencia_auditiva atividade 7
Unidade 5 -_deficiencia_auditiva atividade 7Unidade 5 -_deficiencia_auditiva atividade 7
Unidade 5 -_deficiencia_auditiva atividade 7
eurenicedosreis
 
Surdez Profunda
Surdez Profunda Surdez Profunda
Surdez Profunda
Lucilene Amorim
 
Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005 sobre a libras
Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005   sobre a librasDecreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005   sobre a libras
Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005 sobre a libras
Edilson A. Souza
 

Destaque (19)

Deficiencia auditiva
Deficiencia auditivaDeficiencia auditiva
Deficiencia auditiva
 
1551 Deficiencia Auditiva
1551 Deficiencia Auditiva1551 Deficiencia Auditiva
1551 Deficiencia Auditiva
 
Deficiência auditiva
Deficiência auditivaDeficiência auditiva
Deficiência auditiva
 
Slides. libras.
Slides. libras.Slides. libras.
Slides. libras.
 
Power point def auditiva
Power point def auditivaPower point def auditiva
Power point def auditiva
 
Slide libras (1)
Slide libras (1)Slide libras (1)
Slide libras (1)
 
História da educação de surdos e educação de
História da educação de surdos e educação deHistória da educação de surdos e educação de
História da educação de surdos e educação de
 
Oralismo bilinguismo e comunicação
Oralismo bilinguismo e comunicaçãoOralismo bilinguismo e comunicação
Oralismo bilinguismo e comunicação
 
Deficiencia Auditiva
Deficiencia AuditivaDeficiencia Auditiva
Deficiencia Auditiva
 
Surdez,
 Surdez, Surdez,
Surdez,
 
Que língua é essa
Que língua é essaQue língua é essa
Que língua é essa
 
Apostila libras reformulada completa
Apostila libras reformulada  completaApostila libras reformulada  completa
Apostila libras reformulada completa
 
Disfunçõesvestibulares.ppt
 Disfunçõesvestibulares.ppt  Disfunçõesvestibulares.ppt
Disfunçõesvestibulares.ppt
 
Deficiencia Auditiva
Deficiencia AuditivaDeficiencia Auditiva
Deficiencia Auditiva
 
11. EXPOSICIÓN - DISCAPACIDAD AUDITIVA
11. EXPOSICIÓN - DISCAPACIDAD AUDITIVA11. EXPOSICIÓN - DISCAPACIDAD AUDITIVA
11. EXPOSICIÓN - DISCAPACIDAD AUDITIVA
 
Discapacidad Auditiva (Sordera)
Discapacidad Auditiva (Sordera)Discapacidad Auditiva (Sordera)
Discapacidad Auditiva (Sordera)
 
Unidade 5 -_deficiencia_auditiva atividade 7
Unidade 5 -_deficiencia_auditiva atividade 7Unidade 5 -_deficiencia_auditiva atividade 7
Unidade 5 -_deficiencia_auditiva atividade 7
 
Surdez Profunda
Surdez Profunda Surdez Profunda
Surdez Profunda
 
Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005 sobre a libras
Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005   sobre a librasDecreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005   sobre a libras
Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005 sobre a libras
 

Semelhante a Surdez

Def auditiva7 a
Def auditiva7 aDef auditiva7 a
Def auditiva7 a
lucia ferreira
 
Perdas Auditivas
Perdas AuditivasPerdas Auditivas
Perdas Auditivas
maya.rai
 
Ah ubm izabel 2
Ah ubm izabel 2Ah ubm izabel 2
Ah ubm izabel 2
Prof. Noe Assunção
 
Cultura Surda
Cultura SurdaCultura Surda
Cultura Surda
MariaOliveira551
 
A surdez
A surdezA surdez
A FONOAUDIOLOGIA NA ESCOLA
A FONOAUDIOLOGIA  NA ESCOLAA FONOAUDIOLOGIA  NA ESCOLA
A FONOAUDIOLOGIA NA ESCOLA
Mensagens Virtuais
 
Seminario Tecnologias Assistivas
Seminario Tecnologias AssistivasSeminario Tecnologias Assistivas
Seminario Tecnologias Assistivas
Ginvaldo Abreu
 
Alteração de linguagem secundária à deficiência auditiva
Alteração de linguagem secundária à deficiência auditivaAlteração de linguagem secundária à deficiência auditiva
Alteração de linguagem secundária à deficiência auditiva
Ana Vogeley
 
Apostila libras curso_online_seduc_pg
Apostila libras curso_online_seduc_pgApostila libras curso_online_seduc_pg
Apostila libras curso_online_seduc_pg
Marli Dionisia da Silva
 
Curso de libras_-_graciele
Curso de libras_-_gracieleCurso de libras_-_graciele
Curso de libras_-_graciele
Daniele Silva
 
Linguagem
LinguagemLinguagem
Linguagem
Fabiana Mourão
 
Os cuidados necessários para a saúde da voz
Os cuidados necessários para a saúde da vozOs cuidados necessários para a saúde da voz
Os cuidados necessários para a saúde da voz
lubaleixo
 
Mod 1- Introdução à surdez e à Libras.pdf
Mod 1- Introdução à surdez e à Libras.pdfMod 1- Introdução à surdez e à Libras.pdf
Mod 1- Introdução à surdez e à Libras.pdf
DevilsoNEnoque1
 
Processamento auditivo
Processamento auditivoProcessamento auditivo
Processamento auditivo
Gedimar Pereira
 
Perda de audição
Perda de audiçãoPerda de audição
Perda de audição
Isabella Alenkart
 
Processamento auditivo central
Processamento auditivo centralProcessamento auditivo central
Processamento auditivo central
Karina Cunha
 
O Que São Distúrbios Da Fala
O Que São Distúrbios Da FalaO Que São Distúrbios Da Fala
O Que São Distúrbios Da Fala
Tookmed
 
Aula educação inclusiva na psicopedagogia
Aula educação inclusiva na psicopedagogiaAula educação inclusiva na psicopedagogia
Aula educação inclusiva na psicopedagogia
therezasophia
 
Seminario surdez ita
Seminario surdez itaSeminario surdez ita
Seminario surdez ita
Paulo Paixão
 
Renovacao Processamento Auditivo
Renovacao Processamento AuditivoRenovacao Processamento Auditivo
Renovacao Processamento Auditivo
Marcos Viana
 

Semelhante a Surdez (20)

Def auditiva7 a
Def auditiva7 aDef auditiva7 a
Def auditiva7 a
 
Perdas Auditivas
Perdas AuditivasPerdas Auditivas
Perdas Auditivas
 
Ah ubm izabel 2
Ah ubm izabel 2Ah ubm izabel 2
Ah ubm izabel 2
 
Cultura Surda
Cultura SurdaCultura Surda
Cultura Surda
 
A surdez
A surdezA surdez
A surdez
 
A FONOAUDIOLOGIA NA ESCOLA
A FONOAUDIOLOGIA  NA ESCOLAA FONOAUDIOLOGIA  NA ESCOLA
A FONOAUDIOLOGIA NA ESCOLA
 
Seminario Tecnologias Assistivas
Seminario Tecnologias AssistivasSeminario Tecnologias Assistivas
Seminario Tecnologias Assistivas
 
Alteração de linguagem secundária à deficiência auditiva
Alteração de linguagem secundária à deficiência auditivaAlteração de linguagem secundária à deficiência auditiva
Alteração de linguagem secundária à deficiência auditiva
 
Apostila libras curso_online_seduc_pg
Apostila libras curso_online_seduc_pgApostila libras curso_online_seduc_pg
Apostila libras curso_online_seduc_pg
 
Curso de libras_-_graciele
Curso de libras_-_gracieleCurso de libras_-_graciele
Curso de libras_-_graciele
 
Linguagem
LinguagemLinguagem
Linguagem
 
Os cuidados necessários para a saúde da voz
Os cuidados necessários para a saúde da vozOs cuidados necessários para a saúde da voz
Os cuidados necessários para a saúde da voz
 
Mod 1- Introdução à surdez e à Libras.pdf
Mod 1- Introdução à surdez e à Libras.pdfMod 1- Introdução à surdez e à Libras.pdf
Mod 1- Introdução à surdez e à Libras.pdf
 
Processamento auditivo
Processamento auditivoProcessamento auditivo
Processamento auditivo
 
Perda de audição
Perda de audiçãoPerda de audição
Perda de audição
 
Processamento auditivo central
Processamento auditivo centralProcessamento auditivo central
Processamento auditivo central
 
O Que São Distúrbios Da Fala
O Que São Distúrbios Da FalaO Que São Distúrbios Da Fala
O Que São Distúrbios Da Fala
 
Aula educação inclusiva na psicopedagogia
Aula educação inclusiva na psicopedagogiaAula educação inclusiva na psicopedagogia
Aula educação inclusiva na psicopedagogia
 
Seminario surdez ita
Seminario surdez itaSeminario surdez ita
Seminario surdez ita
 
Renovacao Processamento Auditivo
Renovacao Processamento AuditivoRenovacao Processamento Auditivo
Renovacao Processamento Auditivo
 

Mais de Cassia Dias

Principios e Práticas da Psi Experimental
Principios e Práticas da Psi ExperimentalPrincipios e Práticas da Psi Experimental
Principios e Práticas da Psi Experimental
Cassia Dias
 
Dislexia~Disgrafia~Disortografia
Dislexia~Disgrafia~DisortografiaDislexia~Disgrafia~Disortografia
Dislexia~Disgrafia~Disortografia
Cassia Dias
 
Transtorno de Conduta
Transtorno de CondutaTranstorno de Conduta
Transtorno de Conduta
Cassia Dias
 
Distúrbios da Fala
Distúrbios da FalaDistúrbios da Fala
Distúrbios da Fala
Cassia Dias
 
A Escolha de uma Profissão
A Escolha de uma ProfissãoA Escolha de uma Profissão
A Escolha de uma Profissão
Cassia Dias
 
Produtos da Aprendizagem
Produtos da AprendizagemProdutos da Aprendizagem
Produtos da Aprendizagem
Cassia Dias
 
Tiques e Síndrome de Tourette
Tiques e Síndrome de TouretteTiques e Síndrome de Tourette
Tiques e Síndrome de Tourette
Cassia Dias
 
Promovendo a Saúde do Professor
Promovendo a Saúde do ProfessorPromovendo a Saúde do Professor
Promovendo a Saúde do Professor
Cassia Dias
 
PSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLARPSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLAR
Cassia Dias
 
Transtorno Desafiador Opositivo - TDO
Transtorno Desafiador Opositivo - TDOTranstorno Desafiador Opositivo - TDO
Transtorno Desafiador Opositivo - TDO
Cassia Dias
 
MENTIRAS NA INFÂNCIA
MENTIRAS NA INFÂNCIAMENTIRAS NA INFÂNCIA
MENTIRAS NA INFÂNCIA
Cassia Dias
 
TDAH
TDAHTDAH
Psicólogos Especialistas
Psicólogos EspecialistasPsicólogos Especialistas
Psicólogos Especialistas
Cassia Dias
 
Documentos Técnicos~ Psicologia
Documentos Técnicos~ PsicologiaDocumentos Técnicos~ Psicologia
Documentos Técnicos~ Psicologia
Cassia Dias
 
Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~
Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~
Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~
Cassia Dias
 
Condições Psicológicas da Aprendizagem~Motivação
Condições Psicológicas da Aprendizagem~MotivaçãoCondições Psicológicas da Aprendizagem~Motivação
Condições Psicológicas da Aprendizagem~Motivação
Cassia Dias
 
Deficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/MentalDeficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/Mental
Cassia Dias
 
A escola
A escolaA escola
A escola
Cassia Dias
 
Psicologia da Aprendizagem
Psicologia da AprendizagemPsicologia da Aprendizagem
Psicologia da Aprendizagem
Cassia Dias
 
Comunicação apresentação
Comunicação apresentaçãoComunicação apresentação
Comunicação apresentação
Cassia Dias
 

Mais de Cassia Dias (20)

Principios e Práticas da Psi Experimental
Principios e Práticas da Psi ExperimentalPrincipios e Práticas da Psi Experimental
Principios e Práticas da Psi Experimental
 
Dislexia~Disgrafia~Disortografia
Dislexia~Disgrafia~DisortografiaDislexia~Disgrafia~Disortografia
Dislexia~Disgrafia~Disortografia
 
Transtorno de Conduta
Transtorno de CondutaTranstorno de Conduta
Transtorno de Conduta
 
Distúrbios da Fala
Distúrbios da FalaDistúrbios da Fala
Distúrbios da Fala
 
A Escolha de uma Profissão
A Escolha de uma ProfissãoA Escolha de uma Profissão
A Escolha de uma Profissão
 
Produtos da Aprendizagem
Produtos da AprendizagemProdutos da Aprendizagem
Produtos da Aprendizagem
 
Tiques e Síndrome de Tourette
Tiques e Síndrome de TouretteTiques e Síndrome de Tourette
Tiques e Síndrome de Tourette
 
Promovendo a Saúde do Professor
Promovendo a Saúde do ProfessorPromovendo a Saúde do Professor
Promovendo a Saúde do Professor
 
PSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLARPSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLAR
 
Transtorno Desafiador Opositivo - TDO
Transtorno Desafiador Opositivo - TDOTranstorno Desafiador Opositivo - TDO
Transtorno Desafiador Opositivo - TDO
 
MENTIRAS NA INFÂNCIA
MENTIRAS NA INFÂNCIAMENTIRAS NA INFÂNCIA
MENTIRAS NA INFÂNCIA
 
TDAH
TDAHTDAH
TDAH
 
Psicólogos Especialistas
Psicólogos EspecialistasPsicólogos Especialistas
Psicólogos Especialistas
 
Documentos Técnicos~ Psicologia
Documentos Técnicos~ PsicologiaDocumentos Técnicos~ Psicologia
Documentos Técnicos~ Psicologia
 
Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~
Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~
Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~
 
Condições Psicológicas da Aprendizagem~Motivação
Condições Psicológicas da Aprendizagem~MotivaçãoCondições Psicológicas da Aprendizagem~Motivação
Condições Psicológicas da Aprendizagem~Motivação
 
Deficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/MentalDeficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/Mental
 
A escola
A escolaA escola
A escola
 
Psicologia da Aprendizagem
Psicologia da AprendizagemPsicologia da Aprendizagem
Psicologia da Aprendizagem
 
Comunicação apresentação
Comunicação apresentaçãoComunicação apresentação
Comunicação apresentação
 

Último

Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LucliaMartins5
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
Faga1939
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
Daniel273024
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
menesabi
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 

Último (20)

Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 

Surdez

  • 2. O som e o ouvido humano O som é um fenômeno resultante da movimentação das partículas do ar. Qualquer evento capaz de causar ondas de pressão no ar é considerado uma fonte sonora.
  • 3. O som e o ouvido humano Perceber, reconhecer, interpretar e, finalmente, compreender os diferentes sons do ambiente só é possível graças à existência de estruturas que funcionam de forma ajustada e harmoniosa, constituindo o sistema auditivo humano.
  • 4. O som e o ouvido humano O ouvido humano é composto por três partes: uma, é externa; as outras duas (internas) estão localizadas dentro da caixa craniana.
  • 5. O som e o ouvido humano Qualquer alteração ou distúrbio no processamento normal da audição, seja qual for a causa, tipo ou grau de severidade, constitui uma alteração auditiva, determinando, para o indivíduo, uma diminuição da sua capacidade de ouvir e perceber os sons.
  • 6. Surdez e Deficiência Auditiva Denomina-se DEFICIÊNCIA AUDITIVA a diminuição da capacidade de percepção normal dos sons; sendo considerado SURDO o indivíduo cuja audição não é funcional na vida comum, PARCIALMENTE SURDO, aquele cuja audição, ainda que deficiente, é funcional com ou sem prótese auditiva.
  • 8. Período de Aquisição  CONGÊNITAS, quando o indivíduo já nasceu surdo. Nesse caso a surdez é pré-lingual, ou seja, ocorreu antes da aquisição da linguagem;  ADQUIRIDAS, quando o indivíduo perde a audição no decorrer da sua vida. Nesse caso a surdez poderá ser pré ou pós-lingual, dependendo da sua ocorrência ter se dado antes ou depois da aquisição da linguagem.
  • 9. Causas da Surdez (Etiologia)  PRÉ-NATAIS – surdez provocada por fatores genéticos e hereditários, doenças adquiridas pela mãe na época da gestação (rubéola, toxoplasmose, citomegalovírus), e exposição da mãe a drogas ototóxicas (medicamentos que podem afetar a audição).
  • 10. Causas da Surdez (Etiologia)  PERI-NATAIS: Surdez provocada mais frequentemente por parto prematuro, falta de oxigenação no cérebro logo após o nascimento e trauma de parto (uso inadequado de fórceps, parto excessivamente rápido, parto demorado).
  • 11. Causas da Surdez (Etiologia)  PÓS-NATAIS: Surdez provocada por doenças adquiridas pelo indivíduo ao longo da vida, como: meningite, caxumba, sarampo. Além do uso de medicamentos ototóxicos, outros fatores também têm relação com a surdez, como avanço da idade e acidentes.
  • 12. Tipo de Surdez (Localização da Lesão)  CONDUTIVA: quando está localizada no ouvido externo e/ou ouvido médio; o que impede ou dificulta a transmissão das ondas sonoras até o ouvido interno. O distúrbio no ouvido externo costuma decorrer de otite, malformação ou da ausência do pavilhão auditivo. Já o distúrbio no ouvido médio costuma ser produzido por traumatismos que provocam perfuração do tímpano ou por alterações na cadeia de ossinhos. Normalmente não são graves nem duradouras e há possibilidade de tratamento médico ou cirúrgico.
  • 13. Tipo de Surdez (Localização da Lesão)  NEUROSSENSORIAL: Quando a alteração está localizada no ouvido interno (cóclea). Sua origem pode ser genética, produzida por intoxicação (medicamentos), por infecção (meningite) ou por alterações vasculares do ouvido interno. Esse tipo de surdez não afeta apenas a quantidade da audição, mas também sua qualidade. Não apenas se ouve menos, mas o que se ouve é distorcido. As surdezes neurossensoriais costumam ser permanentes, e até pouco tempo. Não era possível intervenção cirúrgica, contudo, há estudos recentes de um implante coclear.
  • 14. Tipo de Surdez (Localização da Lesão)  MISTA: quando a alteração está localizada no ouvido externo e/ou médio e ouvido interno. Sua origem pode ser uma das causas próprias da surdez neurossensorial ou uma confluência das causas próprias de cada tipo de surdez. Podendo também ocorrer devido a fatores genéticos, determinantes de má formação. O tratamento das surdezes mistas decorrer de cada um dos dois tipos que engloba.
  • 15. Grau de perda Auditiva  A perda auditiva é avaliada por sua intensidade em cada um dos ouvidos em função de diversas frequências. A intensidade do som é medida em decibéis (dB).  O grau de perda auditiva é classificado em: Perda Leve de 20 a 40 dB Perda Média/Moderada de 40 a 70 dB Perda Séria/ Severa de 70 a 90 dB Perda Profunda superior a 90 dB
  • 16. Grau de perda Auditiva  Podem-se destacar algumas correspondências aproximadas na intensidade do som:  A surdez pode ser classificada também, como unilateral, quando se apresenta em apenas um ouvido e bilateral, quando acomete ambos ouvidos. 20 dB Fala em cochicho 40 dB Fala suave 60 dB Conversa normal 80 dB Trânsito ruidoso 100 dB Escavadeira
  • 17. A medição da Audição  A audiometria (tonal/ vocal) é um exame que avalia a audição e deve ser realizado pelo profissional especializado: fonoaudiólogo. O paciente, no interior de uma cabine, é testado para sua audição. O resultado é expresso em um audiograma, que é um gráfico que revela as capacidades auditivas do paciente.
  • 18. A medição da Audição A prova de POTENCIAIS EVOCADOS AUDITIVOS, é a mais utilizada e confiável com crianças menores de 3 anos. Baseia-se no envio de estímulos sonoros às várias estruturas da via auditiva. Os sinais bioelétricos provocados por tais estímulos são captados por eletrodos e posteriormente registrados e analisados por um computador.
  • 19. Grau da Surdez e Desenvolvimento Infantil
  • 20. Sendo a surdez uma privação sensorial que interfere diretamente na comunicação, alterando a qualidade da relação que o indivíduo estabelece com o meio, ela pode ter sérias implicações para o desenvolvimento de uma criança, conforme o grau da perda auditiva que as mesmas apresentem. Grau da Surdez e Desenvolvimento Infantil
  • 21. A criança é capaz de perceber os sons da fala; adquire e desenvolve a linguagem oral espontaneamente; o problema geralmente é tardiamente descoberto; dificilmente se coloca o aparelho de amplificação porque a audição é muito próxima do normal. Surdez Leve
  • 22. A criança pode demorar um pouco para desenvolver a fala e linguagem; apresenta alterações articulatórias (trocas na fala) por não perceber todos os sons com clareza; tem dificuldade em perceber a fala em ambientes ruidosos; são crianças desatentas e com dificuldade no aprendizado da leitura e escrita. Surdez Moderada
  • 23. A criança terá dificuldades em adquirir a fala e linguagem espontaneamente; poderá adquirir vocabulário do contexto familiar; existe a necessidade do uso de aparelho de amplificação e acompanhamento especializado. Surdez Severa
  • 24. A criança dificilmente desenvolverá a linguagem oral espontaneamente; só responde auditivamente a sons muito intensos como: bombas, trovão, motor de carro e avião; Frequentemente utilizaa leitura orofacial; necessita fazer uso de aparelho de amplificação e/ou implante coclear, bem como de acompanhamento especializado. Surdez Profunda
  • 25. Sinais de Deficiência Auditiva  Defeitos de linguagem;  Expressão oral pobre;  Pedidos para que se repitam palavras e instruções;  Uso demasiado de (O que? Como?);  Andar arrastando os pés;  Ausência de reações a sons pouco intensos, fora de seu campo visual;  Dores no ouvido;  Cabeça virada para ouvir melhor, em posições pouco comuns;  Escolaridade deficiente;
  • 26. Sinais de Deficiência Auditiva  Ditados com muitos erros;  Olhar dirigido mais para os lábios do interlocutor do que para os olhos;  Dificuldades de contatos afetivos;  Irritabilidade;  Falta de interesse principalmente por jogos e atividades em grupo;  Insegurança em brincadeiras ao ar livre;  Dificuldade para a leitura e a escrita;  Nem sempre atende a chamados;  É retraída e desconfiada;
  • 27. O papel do professor frente aos problemas auditivos Pelo fato das deficiências auditivas, muitas vezes, virem a ser detectadas somente na escola o professor deve tomar determinados cuidados:  Falar claramente em tom natural;  Sentar a criança mais perto de sua mesa;  Permanecer em posição tal que o aluno possa ver seu rosto com facilidade;  Oferecer-lhe oportunidades de participar de atividade de grupo;
  • 28. O papel do professor frente aos problemas auditivos  Evitar falar enquanto escreve na lousa;  Utilizar material visual variado;  É importante que as crianças surdas convivam com as pessoas que ouvem, que sejam estimuladas a falar, evitando que constituam um grupo à parte;  Conversas com os pais também serão de grande auxilio, pois eles também devem contribuir para o ajustamento do filho e fornecer informações importantes que poderão ajudar no desenvolvimento global da criança.
  • 29. Língua Brasileira de Sinais LIBRAS  São sistemas de sinais independentes das línguas faladas; Contrariamente a uma ideia preconcebida não existe uma língua de sinais utilizada e compreendida universalmente;  A língua de sinais tem uma estrutura própria. Um sinal gestual remete a um conceito, não existindo uma correspondência termo a termo como a língua oral;
  • 31. Em se tratando da educação dos surdos existem alguns profissionais, com funções distintas, que se encarregam do processo: o Professor Regente, o Intérprete de Libras, o Instrutor de Libras e o Professor de Atendimento Educacional Especializado (AEE).
  • 32. O instrutor é aquele que tem o papel de ensinar a Libras. (No DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005.) O intérprete é aquele que tem o papel de intermediar a comunicação entre o idioma do emissor ao idioma do receptor. Obs. É importante ressaltar que em todos os casos previstos nos incisos do Decreto , as pessoas surdas terão prioridade em cursos de formação e para ministrar a disciplina de Libras.
  • 33. Diretrizes da Secretaria de Estado da Educação A atuação do intérprete e do instrutor de Libras é de extrema importância para junto com o professor propiciar a construção do conhecimento que leve o aluno ao pleno exercício de sua cidadania.
  • 36. Prevenção de Problemas Auditivos Orientar as crianças na higiene do ouvido, bem como em relação a imprudências praticadas em brincadeiras que podem levar à perdas auditivas e até mesmo à surdez. Tais Como:  O conceito errôneo de que cera é sujeira e precisa ser removida;  Combater o hábito de limpar o ouvido com a unha, grampos, palitos ou outros objetos pontiagudos;  Ao limpar o ouvido evitar o uso de objetos que empurram a cera em direção à membrana timpânica, pois pode ocorrer trauma no canal e até no tímpano;
  • 37. Prevenção de Problemas Auditivos  Não introduzir objetos estranhos no ouvido;  Evitar o uso indiscriminado de gotas otológicas;  Não descuidar de gripes, rinofagites, amigdalites e principalmente das dores no ouvido;  Usar antibióticos somente com prescrição médica;  Tomar cuidado com os tampões de algodão que não devem ser muito pequenos nem afundados no conduto auditivo.
  • 38. O Papel da Família  A atitude dos pais diante da surdez de seu filho terá uma influência considerável;  As reações podem ser muito diversas. Há pais que tentam negar sua existência e consequentemente, tratam seus filhos como se fossem ouvinte;  Outros, ao contrário, desenvolvem atitudes de superproteção;  Em uma posição intermediária, mais positiva, estão os pais que aceitam as consequências da surdez, criam um ambiente descontraído de comunicação e se dispõem a aprender e a utilizar com seu filho o tipo de comunicação mais enriquecedor.
  • 39. O Papel da Família  Um fator diferencial importante é se os pais também são surdos ou se são ouvintes;  Se forem surdos, os pais aceitam com mais facilidade a surdez de seu filho, compreendem melhor sua situação e oferecem à criança, um sistema de comunicação, que adquirirá com grande facilidade;  No caso dos pais ouvintes, que são 90% do total, embora tenham maior competência na língua oral, experimentam maiores dificuldades para encontrar um modelo de comunicação adequado.