SlideShare uma empresa Scribd logo
TRANSTORNODESAFIADOR OPOSITIVO
Insert Title Text
Transtorno Desafiador Opositivo - TDO
Transtorno Desafiador Opositivo - TDO
Transtorno Desafiador Opositivo
Definido como um padrão persistente de comportamento
negativistas, hostis, desafiadores e desobedientes observados nas
interações da criança com adultos e figuras de autoridade, como
pais, tios, avós e professores; podendo estar presente também em
seus relacionamentos com seus amigos e colegas de escola.
 Frequente impaciência;
 Discussões com adultos;
 Desafio;
 Indisciplina;
 Comportamento opositivo;
Recusa a obedecer solicitações ou regras;
 Perturbação e implicância com as pessoas, podendo
responsabilizá-las pelos seus erros;
 Se aborrece com facilidade;
 Comumente apresenta-se enraivecido, irritado,
ressentido, mostrando-se rancoroso e com ideias de vingança.
Principais Características
 Os sintomas aparecem em vários
ambiente, mas é na sala de aula e em
casa que são melhor observados;
 Tais sintomas devem causar prejuízo
significativo nas vidas SOCIAL,
ACADÊMICA e OCUPACIONAL da
criança ou do adolescente;
 Estudos internacionais identificam
esse diagnóstico em 2% a 16% das
crianças em idade escolar. Geralmente,
tem seu início por volta dos 6 anos de
idade, tendo mais ocorrência em
meninos do que meninas.
Sintomas
Transtorno Desafiador Opositivo - TDO
Com frequência essas crianças apresentam baixa autoestima,
fraca tolerância às frustrações, humor deprimido, ataques de raiva e
possuem poucos amigos, pois são rejeitados pelos colegas, devido a
seus comportamento impulsivos, opositores e de desafio às regras
sociais.
Sintomas
O desempenho escolar pode ficar comprometido, e
reprovações escolares são muito comuns. Esses jovens não
participam de atividades em grupo, recusam-se a pedir ou
aceitar ajuda dos professores e querem sempre solucionar
seus problemas sozinhos.
 A avaliação se inicia com uma cuidadosa entrevista com os pais ou
responsáveis pela criança. Nesse momento serão investigados os
sintomas, características e prejuízos que motivaram a busca por ajuda;
 Essa avaliação familiar será importante para o entendimento os
padrões de comportamento dos pais, o estilo e o método de criação
parental, além da história familiar de transtornos comportamentais,
alcoolismo, drogas, agressividade e violência;
 A avaliação escolar também será fundamental, afinal a criança
passa grande parte de seu dia na escola. Através da qual poderá se
obter informações essenciais a respeito do desempenho acadêmico, do
padrão de comportamento em sala de aula e no recreio, da interação
social com os colegas, professores e demais funcionários da
instituição.
Avaliação e Diagnóstico
 Critérios diagnósticos segundo o DSM IV (313.81):
A. Um padrão de comportamento negativista, hostil e desafiador durando
pelo menos 6 MESES, durante os quais QUATRO (ou mais) das
seguintes características estão presentes:
(1) frequentemente perde a paciência;
(2) frequentemente discute com adultos;
(3) com frequência desafia ou se recusa ativamente a obedecer a
solicitações ou regras dos adultos;
(4) frequentemente perturba as pessoas de forma deliberada;
(5) frequentemente responsabiliza os outros por seus erros ou mau
comportamento;
(6) mostra-se frequentemente suscetível ou é aborrecido com
facilidade pelos outros;
(7) frequentemente enraivecido e ressentido;
(8) frequentemente rancoroso ou vingativo.
Avaliação e Diagnóstico
 OBS: Considerar o critério satisfeito apenas se o comportamento
ocorre com maior frequência do que se observa tipicamente em
indivíduos de idade e nível de desenvolvimento comparáveis.
B. A perturbação do comportamento causa prejuízo clinicamente
significativo no funcionamento social, acadêmico ou ocupacional.
C. Os comportamentos não ocorrem exclusivamente durante o
curso de um Transtorno Psicótico ou Transtorno do Humor.
D. Não são satisfeitos os critérios para Transtorno da
Conduta e, se o indivíduo tem 18 anos ou mais, não são
satisfeitos os critérios para Transtorno da Personalidade
Anti-Social.
Avaliação e Diagnóstico
Avaliação e Diagnóstico
Avaliação e Diagnóstico
É importante ressaltar que não existem exames
laboratoriais ou de imagem, como tomografia
computadorizada e ressonância nuclear magnética,
capazes de realizar o diagnóstico, sendo efetuado
através de uma avaliação criteriosa envolvendo a
criança, a família e a escola.
 São complexas e multifatoriais. Os estudos científicos evidenciam
que múltiplos fatores de risco estão relacionados com o surgimento do
transtorno;
 FATORES BIOLÓGICOS: Possível herança genética,
características herdadas pela criança que podem predispor essa
condição comportamental, como temperamento impulsivo, baixo
limiar de frustração, irritabilidade e disfunções em
neurotransmissores.
 FATORES AMBIENTAIS: Métodos de criação parental,
comportamento criminoso, alcoolismo e uso de drogas por
pais ou responsáveis, negligência, falta de afeto e
de suporte emocional à criança. Além disso, alterações
e complicações no desenvolvimento, como
prematuridade, complicações na gravidez e de parto,
podem participar como fatores de risco.
CAUSAS
 Uma vez que a origem do problema é multifatorial, uma série de
estratégias deve ser utilizada para se obter o sucesso terapêutico e a
redução dos sintomas comportamentais;
 MEDICAMENTOS: Alguns medicamentos apresentam
resultados promissores no manejo de sintomas como agressividade,
impulsividade, ataques de raiva e baixo limiar de frustração. É
importante informar que os medicamentos não são curativos, apenas
objetivam reduzir sintomas, para facilitar o trabalho de pais e
educadores.
 TRATAMENTO PSICOSSOCIAL: Envolvem uma série de
estratégias que objetivam a melhoria das relações interpessoais da
criança com seus familiares, professores e colegas de classe.
São elas: Psicoterapia Cognitivo-Comportamental, Terapia Familiar,
Psicoeducação Familiar, Treinamento de Pais, Psicoeducação escolar
e Intervenções Escolares.
TRATAMENTO
DICA AOS PAIS
Transtorno Desafiador Opositivo - TDO
Transtorno Desafiador Opositivo - TDO
Transtorno Desafiador Opositivo - TDO
Transtorno Desafiador Opositivo - TDO
Transtorno Desafiador Opositivo - TDO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...
Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...
Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...
Vinícius Fagundes Dos Santos
 
Autismo
AutismoAutismo
TDAH
TDAH TDAH
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
Priscila Gomes
 
PSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLARPSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLAR
Cassia Dias
 
Deficiência Intelectual
Deficiência IntelectualDeficiência Intelectual
Deficiência Intelectual
Edilene Sampaio
 
EDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTILEDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTIL
Roshelly Milanez
 
Deficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/MentalDeficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/Mental
Cassia Dias
 
Transtornos de Aprendizagem na Escola
Transtornos de Aprendizagem na EscolaTranstornos de Aprendizagem na Escola
Transtornos de Aprendizagem na Escola
Rosângela Gonçalves
 
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regularAutismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Janderly Reis
 
TEA
TEATEA
Autismo e educação
Autismo e educaçãoAutismo e educação
Autismo e educação
SimoneHelenDrumond
 
Autismo: o que os profissionais precisam saber?
Autismo: o que os profissionais precisam saber?Autismo: o que os profissionais precisam saber?
O relatório psicológico deve conter, modelo de laudo
O relatório psicológico deve conter, modelo de laudoO relatório psicológico deve conter, modelo de laudo
O relatório psicológico deve conter, modelo de laudo
Ana Cristina Balthazar
 
Autismo
AutismoAutismo
ApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO AutismoApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO Autismo
Genilson Costa e Silva
 
Palestra Autismo
Palestra AutismoPalestra Autismo
Palestra Autismo
Carlos Junior
 
Slides sobre TDAH
Slides sobre TDAHSlides sobre TDAH
Slides sobre TDAH
Instituto Consciência GO
 
Psicologia escolar e educacional
Psicologia escolar e educacionalPsicologia escolar e educacional
Psicologia escolar e educacional
Thiago de Almeida
 
01 psicologia da educação
01 psicologia da educação01 psicologia da educação
01 psicologia da educação
GLEYDSON ROCHA
 

Mais procurados (20)

Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...
Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...
Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
TDAH
TDAH TDAH
TDAH
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
 
PSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLARPSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLAR
 
Deficiência Intelectual
Deficiência IntelectualDeficiência Intelectual
Deficiência Intelectual
 
EDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTILEDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Deficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/MentalDeficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/Mental
 
Transtornos de Aprendizagem na Escola
Transtornos de Aprendizagem na EscolaTranstornos de Aprendizagem na Escola
Transtornos de Aprendizagem na Escola
 
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regularAutismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
 
TEA
TEATEA
TEA
 
Autismo e educação
Autismo e educaçãoAutismo e educação
Autismo e educação
 
Autismo: o que os profissionais precisam saber?
Autismo: o que os profissionais precisam saber?Autismo: o que os profissionais precisam saber?
Autismo: o que os profissionais precisam saber?
 
O relatório psicológico deve conter, modelo de laudo
O relatório psicológico deve conter, modelo de laudoO relatório psicológico deve conter, modelo de laudo
O relatório psicológico deve conter, modelo de laudo
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
ApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO AutismoApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO Autismo
 
Palestra Autismo
Palestra AutismoPalestra Autismo
Palestra Autismo
 
Slides sobre TDAH
Slides sobre TDAHSlides sobre TDAH
Slides sobre TDAH
 
Psicologia escolar e educacional
Psicologia escolar e educacionalPsicologia escolar e educacional
Psicologia escolar e educacional
 
01 psicologia da educação
01 psicologia da educação01 psicologia da educação
01 psicologia da educação
 

Semelhante a Transtorno Desafiador Opositivo - TDO

Transtorno de Conduta
Transtorno de CondutaTranstorno de Conduta
Transtorno de Conduta
Cassia Dias
 
Ambiente familiar X problemas de comportamento
 Ambiente familiar X problemas de comportamento Ambiente familiar X problemas de comportamento
Ambiente familiar X problemas de comportamento
Jemima Giron
 
Comportamentos de risco fam%e dlias
Comportamentos de risco fam%e dliasComportamentos de risco fam%e dlias
Comportamentos de risco fam%e dlias
Escola E.B.2,3 de Jovim Gondomar
 
Violnciaemmeioescolar 150918234327-lva1-app6892 (2)
Violnciaemmeioescolar 150918234327-lva1-app6892 (2)Violnciaemmeioescolar 150918234327-lva1-app6892 (2)
Violnciaemmeioescolar 150918234327-lva1-app6892 (2)
Almerinda Nunes
 
Violência em meio escolar
Violência em meio escolarViolência em meio escolar
Violência em meio escolar
projectopes
 
Violência Doméstica contra Crianças
Violência Doméstica contra CriançasViolência Doméstica contra Crianças
Violência Doméstica contra Crianças
David Nordon
 
Fatores de risco e fatores de proteção no desenvolvimento da criança
Fatores de risco e fatores de proteção no desenvolvimento da criançaFatores de risco e fatores de proteção no desenvolvimento da criança
Fatores de risco e fatores de proteção no desenvolvimento da criança
Diana Sousa
 
Manejo do adolescente com transtorno de conduta
Manejo do adolescente com transtorno de condutaManejo do adolescente com transtorno de conduta
Manejo do adolescente com transtorno de conduta
Cláudio Costa
 
Coordenador Pedagogico_funçoes etc.pptx
Coordenador Pedagogico_funçoes etc.pptxCoordenador Pedagogico_funçoes etc.pptx
Coordenador Pedagogico_funçoes etc.pptx
ThaisJussara
 
Conflitos entre escolares
Conflitos entre escolaresConflitos entre escolares
Conflitos entre escolares
Renata Peruce
 
Bullying marcelo
Bullying marceloBullying marcelo
Bullying marcelo
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Terapia do Esquema para Transtornos Alimentares.pdf
 Terapia do Esquema para Transtornos Alimentares.pdf Terapia do Esquema para Transtornos Alimentares.pdf
Terapia do Esquema para Transtornos Alimentares.pdf
RodrigoNovaes30
 
Drogas como podemos agir
Drogas como podemos agirDrogas como podemos agir
Drogas como podemos agir
Elenildo Allman
 
TP_Borderline_TE.pptx
TP_Borderline_TE.pptxTP_Borderline_TE.pptx
TP_Borderline_TE.pptx
Fred Clementino
 
Drogas na adolescencia
Drogas na adolescenciaDrogas na adolescencia
Drogas na adolescencia
RafaPinto2001
 
12. ESTILOS EDUCATIVOS PARENTAIS.pptx
12. ESTILOS EDUCATIVOS PARENTAIS.pptx12. ESTILOS EDUCATIVOS PARENTAIS.pptx
12. ESTILOS EDUCATIVOS PARENTAIS.pptx
IsaahLima3
 
Depressão Infância e Adolescência
Depressão Infância e AdolescênciaDepressão Infância e Adolescência
Depressão Infância e Adolescência
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Bullying
BullyingBullying
TDAH
TDAHTDAH
Adoção fatores de risco e proteção
Adoção  fatores de risco e proteçãoAdoção  fatores de risco e proteção
Adoção fatores de risco e proteção
Ludmila Moura
 

Semelhante a Transtorno Desafiador Opositivo - TDO (20)

Transtorno de Conduta
Transtorno de CondutaTranstorno de Conduta
Transtorno de Conduta
 
Ambiente familiar X problemas de comportamento
 Ambiente familiar X problemas de comportamento Ambiente familiar X problemas de comportamento
Ambiente familiar X problemas de comportamento
 
Comportamentos de risco fam%e dlias
Comportamentos de risco fam%e dliasComportamentos de risco fam%e dlias
Comportamentos de risco fam%e dlias
 
Violnciaemmeioescolar 150918234327-lva1-app6892 (2)
Violnciaemmeioescolar 150918234327-lva1-app6892 (2)Violnciaemmeioescolar 150918234327-lva1-app6892 (2)
Violnciaemmeioescolar 150918234327-lva1-app6892 (2)
 
Violência em meio escolar
Violência em meio escolarViolência em meio escolar
Violência em meio escolar
 
Violência Doméstica contra Crianças
Violência Doméstica contra CriançasViolência Doméstica contra Crianças
Violência Doméstica contra Crianças
 
Fatores de risco e fatores de proteção no desenvolvimento da criança
Fatores de risco e fatores de proteção no desenvolvimento da criançaFatores de risco e fatores de proteção no desenvolvimento da criança
Fatores de risco e fatores de proteção no desenvolvimento da criança
 
Manejo do adolescente com transtorno de conduta
Manejo do adolescente com transtorno de condutaManejo do adolescente com transtorno de conduta
Manejo do adolescente com transtorno de conduta
 
Coordenador Pedagogico_funçoes etc.pptx
Coordenador Pedagogico_funçoes etc.pptxCoordenador Pedagogico_funçoes etc.pptx
Coordenador Pedagogico_funçoes etc.pptx
 
Conflitos entre escolares
Conflitos entre escolaresConflitos entre escolares
Conflitos entre escolares
 
Bullying marcelo
Bullying marceloBullying marcelo
Bullying marcelo
 
Terapia do Esquema para Transtornos Alimentares.pdf
 Terapia do Esquema para Transtornos Alimentares.pdf Terapia do Esquema para Transtornos Alimentares.pdf
Terapia do Esquema para Transtornos Alimentares.pdf
 
Drogas como podemos agir
Drogas como podemos agirDrogas como podemos agir
Drogas como podemos agir
 
TP_Borderline_TE.pptx
TP_Borderline_TE.pptxTP_Borderline_TE.pptx
TP_Borderline_TE.pptx
 
Drogas na adolescencia
Drogas na adolescenciaDrogas na adolescencia
Drogas na adolescencia
 
12. ESTILOS EDUCATIVOS PARENTAIS.pptx
12. ESTILOS EDUCATIVOS PARENTAIS.pptx12. ESTILOS EDUCATIVOS PARENTAIS.pptx
12. ESTILOS EDUCATIVOS PARENTAIS.pptx
 
Depressão Infância e Adolescência
Depressão Infância e AdolescênciaDepressão Infância e Adolescência
Depressão Infância e Adolescência
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
TDAH
TDAHTDAH
TDAH
 
Adoção fatores de risco e proteção
Adoção  fatores de risco e proteçãoAdoção  fatores de risco e proteção
Adoção fatores de risco e proteção
 

Mais de Cassia Dias

Principios e Práticas da Psi Experimental
Principios e Práticas da Psi ExperimentalPrincipios e Práticas da Psi Experimental
Principios e Práticas da Psi Experimental
Cassia Dias
 
Dislexia~Disgrafia~Disortografia
Dislexia~Disgrafia~DisortografiaDislexia~Disgrafia~Disortografia
Dislexia~Disgrafia~Disortografia
Cassia Dias
 
Distúrbios da Fala
Distúrbios da FalaDistúrbios da Fala
Distúrbios da Fala
Cassia Dias
 
A Escolha de uma Profissão
A Escolha de uma ProfissãoA Escolha de uma Profissão
A Escolha de uma Profissão
Cassia Dias
 
Produtos da Aprendizagem
Produtos da AprendizagemProdutos da Aprendizagem
Produtos da Aprendizagem
Cassia Dias
 
Tiques e Síndrome de Tourette
Tiques e Síndrome de TouretteTiques e Síndrome de Tourette
Tiques e Síndrome de Tourette
Cassia Dias
 
Promovendo a Saúde do Professor
Promovendo a Saúde do ProfessorPromovendo a Saúde do Professor
Promovendo a Saúde do Professor
Cassia Dias
 
MENTIRAS NA INFÂNCIA
MENTIRAS NA INFÂNCIAMENTIRAS NA INFÂNCIA
MENTIRAS NA INFÂNCIA
Cassia Dias
 
Psicólogos Especialistas
Psicólogos EspecialistasPsicólogos Especialistas
Psicólogos Especialistas
Cassia Dias
 
Documentos Técnicos~ Psicologia
Documentos Técnicos~ PsicologiaDocumentos Técnicos~ Psicologia
Documentos Técnicos~ Psicologia
Cassia Dias
 
Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~
Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~
Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~
Cassia Dias
 
Condições Psicológicas da Aprendizagem~Motivação
Condições Psicológicas da Aprendizagem~MotivaçãoCondições Psicológicas da Aprendizagem~Motivação
Condições Psicológicas da Aprendizagem~Motivação
Cassia Dias
 
A escola
A escolaA escola
A escola
Cassia Dias
 
Deficiencia Visual
Deficiencia VisualDeficiencia Visual
Deficiencia Visual
Cassia Dias
 
Psicologia da Aprendizagem
Psicologia da AprendizagemPsicologia da Aprendizagem
Psicologia da Aprendizagem
Cassia Dias
 
Surdez
SurdezSurdez
Surdez
Cassia Dias
 
Comunicação apresentação
Comunicação apresentaçãoComunicação apresentação
Comunicação apresentação
Cassia Dias
 

Mais de Cassia Dias (17)

Principios e Práticas da Psi Experimental
Principios e Práticas da Psi ExperimentalPrincipios e Práticas da Psi Experimental
Principios e Práticas da Psi Experimental
 
Dislexia~Disgrafia~Disortografia
Dislexia~Disgrafia~DisortografiaDislexia~Disgrafia~Disortografia
Dislexia~Disgrafia~Disortografia
 
Distúrbios da Fala
Distúrbios da FalaDistúrbios da Fala
Distúrbios da Fala
 
A Escolha de uma Profissão
A Escolha de uma ProfissãoA Escolha de uma Profissão
A Escolha de uma Profissão
 
Produtos da Aprendizagem
Produtos da AprendizagemProdutos da Aprendizagem
Produtos da Aprendizagem
 
Tiques e Síndrome de Tourette
Tiques e Síndrome de TouretteTiques e Síndrome de Tourette
Tiques e Síndrome de Tourette
 
Promovendo a Saúde do Professor
Promovendo a Saúde do ProfessorPromovendo a Saúde do Professor
Promovendo a Saúde do Professor
 
MENTIRAS NA INFÂNCIA
MENTIRAS NA INFÂNCIAMENTIRAS NA INFÂNCIA
MENTIRAS NA INFÂNCIA
 
Psicólogos Especialistas
Psicólogos EspecialistasPsicólogos Especialistas
Psicólogos Especialistas
 
Documentos Técnicos~ Psicologia
Documentos Técnicos~ PsicologiaDocumentos Técnicos~ Psicologia
Documentos Técnicos~ Psicologia
 
Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~
Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~
Legislação e recomendações para o exercício profissional do(a) psicólogo(a)~
 
Condições Psicológicas da Aprendizagem~Motivação
Condições Psicológicas da Aprendizagem~MotivaçãoCondições Psicológicas da Aprendizagem~Motivação
Condições Psicológicas da Aprendizagem~Motivação
 
A escola
A escolaA escola
A escola
 
Deficiencia Visual
Deficiencia VisualDeficiencia Visual
Deficiencia Visual
 
Psicologia da Aprendizagem
Psicologia da AprendizagemPsicologia da Aprendizagem
Psicologia da Aprendizagem
 
Surdez
SurdezSurdez
Surdez
 
Comunicação apresentação
Comunicação apresentaçãoComunicação apresentação
Comunicação apresentação
 

Último

Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Yan Kayk da Cruz Ferreira
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 

Último (20)

Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 

Transtorno Desafiador Opositivo - TDO

  • 5. Transtorno Desafiador Opositivo Definido como um padrão persistente de comportamento negativistas, hostis, desafiadores e desobedientes observados nas interações da criança com adultos e figuras de autoridade, como pais, tios, avós e professores; podendo estar presente também em seus relacionamentos com seus amigos e colegas de escola.
  • 6.  Frequente impaciência;  Discussões com adultos;  Desafio;  Indisciplina;  Comportamento opositivo; Recusa a obedecer solicitações ou regras;  Perturbação e implicância com as pessoas, podendo responsabilizá-las pelos seus erros;  Se aborrece com facilidade;  Comumente apresenta-se enraivecido, irritado, ressentido, mostrando-se rancoroso e com ideias de vingança. Principais Características
  • 7.  Os sintomas aparecem em vários ambiente, mas é na sala de aula e em casa que são melhor observados;  Tais sintomas devem causar prejuízo significativo nas vidas SOCIAL, ACADÊMICA e OCUPACIONAL da criança ou do adolescente;  Estudos internacionais identificam esse diagnóstico em 2% a 16% das crianças em idade escolar. Geralmente, tem seu início por volta dos 6 anos de idade, tendo mais ocorrência em meninos do que meninas. Sintomas
  • 9. Com frequência essas crianças apresentam baixa autoestima, fraca tolerância às frustrações, humor deprimido, ataques de raiva e possuem poucos amigos, pois são rejeitados pelos colegas, devido a seus comportamento impulsivos, opositores e de desafio às regras sociais. Sintomas O desempenho escolar pode ficar comprometido, e reprovações escolares são muito comuns. Esses jovens não participam de atividades em grupo, recusam-se a pedir ou aceitar ajuda dos professores e querem sempre solucionar seus problemas sozinhos.
  • 10.  A avaliação se inicia com uma cuidadosa entrevista com os pais ou responsáveis pela criança. Nesse momento serão investigados os sintomas, características e prejuízos que motivaram a busca por ajuda;  Essa avaliação familiar será importante para o entendimento os padrões de comportamento dos pais, o estilo e o método de criação parental, além da história familiar de transtornos comportamentais, alcoolismo, drogas, agressividade e violência;  A avaliação escolar também será fundamental, afinal a criança passa grande parte de seu dia na escola. Através da qual poderá se obter informações essenciais a respeito do desempenho acadêmico, do padrão de comportamento em sala de aula e no recreio, da interação social com os colegas, professores e demais funcionários da instituição. Avaliação e Diagnóstico
  • 11.  Critérios diagnósticos segundo o DSM IV (313.81): A. Um padrão de comportamento negativista, hostil e desafiador durando pelo menos 6 MESES, durante os quais QUATRO (ou mais) das seguintes características estão presentes: (1) frequentemente perde a paciência; (2) frequentemente discute com adultos; (3) com frequência desafia ou se recusa ativamente a obedecer a solicitações ou regras dos adultos; (4) frequentemente perturba as pessoas de forma deliberada; (5) frequentemente responsabiliza os outros por seus erros ou mau comportamento; (6) mostra-se frequentemente suscetível ou é aborrecido com facilidade pelos outros; (7) frequentemente enraivecido e ressentido; (8) frequentemente rancoroso ou vingativo. Avaliação e Diagnóstico
  • 12.  OBS: Considerar o critério satisfeito apenas se o comportamento ocorre com maior frequência do que se observa tipicamente em indivíduos de idade e nível de desenvolvimento comparáveis. B. A perturbação do comportamento causa prejuízo clinicamente significativo no funcionamento social, acadêmico ou ocupacional. C. Os comportamentos não ocorrem exclusivamente durante o curso de um Transtorno Psicótico ou Transtorno do Humor. D. Não são satisfeitos os critérios para Transtorno da Conduta e, se o indivíduo tem 18 anos ou mais, não são satisfeitos os critérios para Transtorno da Personalidade Anti-Social. Avaliação e Diagnóstico
  • 14. Avaliação e Diagnóstico É importante ressaltar que não existem exames laboratoriais ou de imagem, como tomografia computadorizada e ressonância nuclear magnética, capazes de realizar o diagnóstico, sendo efetuado através de uma avaliação criteriosa envolvendo a criança, a família e a escola.
  • 15.  São complexas e multifatoriais. Os estudos científicos evidenciam que múltiplos fatores de risco estão relacionados com o surgimento do transtorno;  FATORES BIOLÓGICOS: Possível herança genética, características herdadas pela criança que podem predispor essa condição comportamental, como temperamento impulsivo, baixo limiar de frustração, irritabilidade e disfunções em neurotransmissores.  FATORES AMBIENTAIS: Métodos de criação parental, comportamento criminoso, alcoolismo e uso de drogas por pais ou responsáveis, negligência, falta de afeto e de suporte emocional à criança. Além disso, alterações e complicações no desenvolvimento, como prematuridade, complicações na gravidez e de parto, podem participar como fatores de risco. CAUSAS
  • 16.  Uma vez que a origem do problema é multifatorial, uma série de estratégias deve ser utilizada para se obter o sucesso terapêutico e a redução dos sintomas comportamentais;  MEDICAMENTOS: Alguns medicamentos apresentam resultados promissores no manejo de sintomas como agressividade, impulsividade, ataques de raiva e baixo limiar de frustração. É importante informar que os medicamentos não são curativos, apenas objetivam reduzir sintomas, para facilitar o trabalho de pais e educadores.  TRATAMENTO PSICOSSOCIAL: Envolvem uma série de estratégias que objetivam a melhoria das relações interpessoais da criança com seus familiares, professores e colegas de classe. São elas: Psicoterapia Cognitivo-Comportamental, Terapia Familiar, Psicoeducação Familiar, Treinamento de Pais, Psicoeducação escolar e Intervenções Escolares. TRATAMENTO