SlideShare uma empresa Scribd logo
Sociedade e Cultura
• Vivia-se em paz; 
• Grandes progressos na economia; 
• Desenvolvimento urbano; 
• Grandes progressos técnicos. 
Pág. 57 – doc. 3
• Em 1848 reúne a primeira Convenção dos 
Direitos das Mulheres, em Nova Iorque. 
• Este movimento americano terminou com a 
aprovação pelo Congresso Americano em 1919 
da Emenda à Constituição que concedia o direito 
de voto independentemente da raça e do sexo. 
: 
• Após um longo período de opressão e discriminação, 
a passagem do século XIX para o XX ficou marcada 
pelo recrudescimento do movimento feminista, o qual 
ganharia voz e representatividade política mais tarde 
em todo o mundo na luta pelos direitos das mulheres, 
dentre eles o direito ao voto.
• As décadas de 20 e 30 iriam trazer 
uma mulher mais destemida e que 
luta pela sua autonomia: saiu de casa 
e substituiu os homens nas fábricas, 
na liderança da casa… 
• Em Portugal, a primeira mulher a 
votar foi Carolina Beatriz Ângelo, 
em 1911. 
• O direito de voto é alcançado: 
• Na Austrália em 1901; 
• Na Finlândia em 1906; 
• Na Rússia em 1917; 
• Na Alemanha em 1918; 
• Na França em 1945….
• A emancipação da mulher também teve reflexos no traje e na moda. A 
bainha das saias subiu até aos joelhos; as saias passaram a ser justas 
(travadas); os soutiens substituíram os espartilhos e o corte de cabelo curto 
(com ondulação permanente e penteado “à garçonne”) vulgarizou-se. 
• Consciente da sua importância económica, a mulher reivindica direitos iguais 
aos do homem. 
• A sua vida e comportamentos alteram-se: sai à noite, bebe, fuma, conduz e 
até… pilota aviões.
• A Cultura de massas aborda os temas de modo superficial, não exigindo 
muita capacidade intelectual. 
• Destinada a ocupar os tempos livres de grande parte da população, é: 
• dirigida à maioria da população; 
• difundida pelos mass media; 
• pretende ser um meio de fuga aos problemas (desejo de evasão); 
• Recorre à publicidade e à propaganda.
• Embora fosse uma invenção antiga, a imprensa beneficia com o 
desenvolvimento tecnológico. 
• Aumenta o número de jornais e revistas, acessíveis a todos. 
• As notícias, os folhetins e as crónicas atraem o público. 
• Este desenvolvimento permite o crescimento de um novo tipo de literatura, 
desde a banda desenhada ao romance policial.
• Dado não exigir conhecimentos de leitura e escrita, a rádio contribuiu para 
reduzir os conhecimentos entre pessoas instruídas e não instruídas. 
• A transmissão de música, discursos e durante a 1ª Grande Guerra, de 
importantes mensagens, mostrou as potencialidades desta nova forma 
comunicativa.
• O primeiro programa radiofónico foi transmitido em 1906, nos EUA. 
• A verdadeira expansão da rádio, no entanto, acontece em 1920 e em 1922 
existiam já mais de 500 rádios. 
• Destacam-se as grandes emissoras: NBS (1926); CBS (1929) e BBC 
(1927). 
• Em Portugal surge em 1931 o Rádio Clube Português e em 1935 a 
Emissora Nacional. 
• A rádio transmitia de tudo: notícias, tempo, música, publicidade… até 
novelas.
• Inventado em 1895 pelos irmãos Lumiére, 
tornou-se a “grande fuga ao real”. 
• Até 1927, com o filme The Jazz Singer, os filmes 
eram mudos, acompanhados por um pianista. 
• Inicialmente destinado a um público popular, 
que aí encontrava forma de esquecer os seus 
problemas pessoais em breve despertaria uma 
fascinante atracão sobre o público em geral. 
• No início as projeções eram mudas, mas 
depressa a evolução técnica dotou o cinema da 
sonoridade que lhe daria o triunfo definitivo, 
como fonte de aventura, romance e diversão.
• Para além das funções de entretenimento, aventura e sonho cedo os 
estados o tomaram como forma de transmissão de propaganda e 
impregnação ideológica. Torna-se também um poderoso meio de difusão 
de modelos socioculturais. 
• A ida ao cinema representava para os espectadores: 
• a fuga ao quotidiano; 
• a fascinação pela imagem; 
• a atracão pelo filme e seu significado cultural. 
• Opera-se assim através do cinema uma uniformização social do sonho. 
• Em Portugal, tal como os outros meios de comunicação também o cinema 
foi utilizado como instrumentalização política, onde a censura atuava de 
forma constante.
• Foi na década de 20 que se iniciaram as verdadeiras mega produções, 
com filmes como Ben-Hur nos EUA, Couraçado Potemkin na URSS. 
• Em Portugal são várias as produções, na sua maioria pela mão de 
estrangeiros. No entanto, o desenvolvimento da Ditadura acaba por atribuir 
aos filmes dos anos 20 a 50 um carácter muito próprio e nacionalista.
• A música globaliza-se, com a descoberta da rádio e a invenção dos discos. 
• Os Jogos Olímpicos tornam-se no verdadeiro exemplo do desporto 
mundial. 
• O futebol e o automobilismo transforma-se em verdadeiros desportos de 
massas….
• No séc. XX, o desporto tornou-se o espetáculo favorito das grandes 
multidões, em parte graças à recuperação dos Jogos Olímpicos pelo 
Barão de Cobertain (1896 – Atenas). 
• O desporto torna-se o escape perfeito para libertar tensões, incluindo as 
sociais. 
• A cobertura dada pela imprensa aos grandes acontecimentos desportivos, 
transforma-os também, num fenómeno de massas. 
• Tal como na antiguidade, distinguir-se pela sua capacidade desportiva, 
torna-se uma forma de distinção social. 
• Os desportistas são verdadeiros ídolos da população.
• Cresceu o sentimento de que a literatura e a arte tinham uma missão social a 
cumprir. 
• A Depressão económica produzida pelos excessos do capitalismo liberal 
proporcionou novas motivações e novos temas: as temáticas psicológicas 
ligadas à vida interior eram agora desinteressantes para os escritores dos 
anos 30. 
• A literatura passa a associar as preocupações com os novos problemas sociais 
e políticos: 
• os protagonistas tornam-se tipos sociais. 
• o tema fundamental era a luta entre pobres e 
ricos. 
• Destacam-se escritores como Marcel Proust ou Hemingway.
• Passou a haver a consciência de que a certeza era impossível, o que 
conduz a uma abandono do racionalismo, da certeza positivista e a 
adoção do relativismo e da incerteza, em que o conhecimento passou a 
ser subjetivo. 
• O Relativismo torna-se uma nova conceção de ciência, que aceita o 
mistério, a desordem, a probabilidade como partes integrantes do 
conhecimentos. 
• Abre-se caminho para novas possibilidades e com isso, para novas 
descobertas. 
• Na Medicina estudam-se as células, descobre-se a penicilina e a 
insulina… 
• Na química, Madame Curie é a primeira mulher a receber um Nobel.
• Max Planck provou que não é possível obter-se um conhecimento exato 
das partículas de matéria, sendo impossível prever o que irá acontecer; 
• Shrodinger teoriza a equação que conduz ao desenvolvimento da Física 
Quântica; 
• Rutherford descobre o átomo; 
• Einstein deu início à teoria da relatividade, que negava a característica 
absoluta do espaço e do tempo, afirmando que dependiam um do outro, 
eram relativos. 
• Estabelece-se a teoria do big bang e da formação da terra.
• As Ciências Humanas também conhecem avanços, desde a Nova História à 
Psicanálise de Freud. 
• Método de pesquisa que incide na análise de sonhos e de pensamentos, a 
psicanálise defende que os comportamentos humanos são comandados por 
impulsos inconscientes, que resultam da história de vida do individuo. 
• Segundo Freud, a psique humana estrutura-se em três níveis distintos: 
• O consciente (Ego) – pequena parte da mente; 
• O subsconsciente (Superego) – inibidor do ego com 
sentimentos de culpa (sexo, sonhos, religião) que 
podem passar para o consciente; 
• O inconsciente (Id) – zona obscura, irracional, na 
mente humana, que o indivíduo não controla e da qual 
não tem consciência, mas que se manifesta, no 
comportamento.
• Influência das novas conceções científicas, também a arte e a literatura se 
transformam. É a época do modernismo, rompimento com a arte tradicional.
Temática: a prostituição, a miséria, o 
medo, a angústia e a revolta, o drama 
interior do homem. A sua função primária 
era denunciar ou criticar estas situações. 
Principais autores: Van Gogh e Edward 
Munch foram os precursores. Outros 
autores foram Auguste Macke ou Otto Dix 
Características: 
• Deformação intencional das imagens 
visuais, 
• Apresentação de um mundo dramático e 
apaixonado. 
• Em França o expressionismo não teve 
grande projeção.
Contexto: Desenvolve-se em França, em paralelo 
com o expressionismo. 
Temática: variada, retratos, paisagens... 
Principais autores: Matisse, Derain, Braque, 
Vlaminck e Dufy 
Características: Adopção de uma paleta 
impressionista na qual associavam a cor à luz, de 
uma forma quase agressiva. Para Matisse, seria a 
"perspetiva do sentimento", nas quais os planos se 
aproximavam. Realce dos contornos com traços 
negros, desligando a cor da própria figura.
Contexto: A primeira manifestação cubista ocorre 
em 1907 com a obra "Les Demoiselles d'Avignon“. 
Temática: O homem e tudo o que o rodeia. 
Principais autores: desenvolvido por Picasso e 
Braque na primeira década do século XX. 
Características: Rutura com a forma tadicional 
de representação ilusória do objeto no espaço, 
rebatendo-o de forma a que as diferentes faces 
do seu volume possam ser mostradas 
simultaneamente. Desenho anguloso e 
geométrico, substituindo a tradicional técnica da 
perspetiva pela sensação de volume (formas 
volumétricas) dando uma sensação 
tridimensional.
Contexto: desenvolveu-se na Europa e nos Estados 
Unidos a partir de 1915. 
Temática: Este movimento constituiu uma reação 
contra as formas tradicionais de produção artística e 
contra o próprio sistema ainda ligado ao academismo 
e à produção objetual, de sentido mercantilista. 
Principais autores: Marcel Duchamp, Man Ray, Hanz 
Arp e Tristan Tzara. 
Características: Traduzindo o espírito coletivo de 
destruição, de angústia e de niilismo que a guerra 
imprimiu a muitos países do mundo, consistia no uso 
de objetos comuns e banais, retirados do seu contexto 
tradicional e então considerados arte.
Contexto: está intimamente ligado à teoria 
freudiana do inconsciente, que Breton 
estudara, e à sua técnica de «associação 
livre», de modo a iludir o controlo do 
consciente. 
Temática: O onírico, o irreal, o mundo dos 
sonhos. 
Principais autores: Joan Miró, Max Ernst, 
André Masson, Salvador Dali e René Magritte 
Características: tal como o dadaísmo, é um 
movimento que pretende substituir a realidade 
e a representação do mundo real, pela visão 
deformada, gerada no sonho e no 
inconsciente.
Contexto: a arte abstrata tem origem nas 
diversas reações ao Impressionismo e 
desenvolve-se entre 1913 e 1933. A 
primeira obra totalmente abstrata foi 
pintada por Kandinsky. 
Principais autores: Kandinsky, Piet 
Mondrian e Delaunay 
Características: liberdade da cor e do 
traço, enquadradas num entendimento 
filosófico e orgânico da pintura. 
Pretendia-se fazer com que as obras 
transcendessem a aparência do 
quotidiano, de modo a encontrar nelas 
uma realidade nova, oculta, mas profunda.
Contexto: O manifesto de Filippo 
Marinetti é a apologia do novo ritmo de 
vida dinâmica das máquinas, do 
trabalho. Marinetti dizia “o espaço e o 
tempo morreram ontem. Os elementos 
essenciais da nossa arte serão a 
coragem, a ousadia e a revolta”. 
Principais autores: Filippo Marinetti, 
Giacomo Balla 
Características: Exalta-se o 
movimento, a força e a velocidade.
Sociedade e Cultura
• Primeira Geração – ORPHEU 
• Agitar, subverter, difundir as novidades europeias. 
• Incorporação das propostas das vanguardas. 
• Segunda Geração – PRESENÇA 
• Movimento mais crítico. 
• “arte pela arte”. 
• Terceira Geração – NEORREALISMO 
• Denunciar as injustiças sociais. 
• Apelo à consciência e luta de classes.
• Após as destruições da guerra, os Governos viram-se na necessidade de 
reerguer edifícios e de realojar os seus cidadãos. 
• Era necessária uma construção simples, barata e digna. 
• Surge o Funcionalismo: conjunto de soluções arquitetónicas inovadoras 
que marca o inicio de uma arquitetura verdadeiramente moderna. 
• Características do funcionalismo geral: 
• prioridade do plano urbanístico sobre o projeto arquitetónico, 
• rendibilização do terreno (quantidade e qualidade), 
• racionalização das formas arquitetónicas, 
• recurso à tecnologia industrial - progressiva industrialização de objetos 
da vida diária (ex. Montagem de cozinhas ou casas-de-banho). 
• conceção da arquitetura e da produção industrial qualificada como 
condicionantes do progresso social.
• Le Corbusier - arquiteto e pintor suíço - considerava a arquitetura o ponto de 
encontro entre a atividade do engenheiro e a poesia plástica do escultor. 
• Walter Gropius - alemão, pai da escola da Bauhaus, onde se ensinava também 
pintura e design. Escola muito ativa, tornou-se alvo dos nazis que a 
consideravam subversiva. O objetivo da Bauhaus era a obra de arte total. “o 
edifício no qual não existem quaisquer barreiras entre as artes estruturais e as 
artes decorativas”. 
• Segundo Walter Gropius a planta da obra 
não deve circunscrever-se num retângulo 
rígido. Deve fazer-se uma ligação entre o 
interior e o exterior. O edifício deve estar 
ligado diretamente ao terreno natural 
circundante. Privilegiam-se as paredes e os ângulos de vidro.
• Frank Lloyd Wright é o principal vulto deste movimento. Para ele, a construção 
devia fazer-se de dentro para fora. A casa devia ser um abrigo, lugar de 
recolhimento e meditação, espaço perfeitamente inserido na paisagem, mas 
isolado do meio ambiente de modo a que os seus habitantes não perdessem a 
intimidade (o exemplo perfeito é a casa da cascata). 
• Óscar Niemeyer, arquiteto brasileiro, segue estes 
princípios e realiza uma verdadeira revolução na 
arquitetura do seu país. 
• Adotou as linhas curvas, criando edifícios de grande beleza arquitetónica, mas 
totalmente distintas do traçado racional europeu e mesmo Norte Americano.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Loucos Anos 20
Loucos Anos 20Loucos Anos 20
Loucos Anos 20
Jorge Almeida
 
Horizonte + ilha amores
Horizonte + ilha amoresHorizonte + ilha amores
Horizonte + ilha amores
antoniosampaio11
 
Mensagem - Fernando Pessoa
Mensagem - Fernando Pessoa Mensagem - Fernando Pessoa
Mensagem - Fernando Pessoa
JulianaCarvalho265
 
Resumo economia c 2º periodo
Resumo economia c 2º periodoResumo economia c 2º periodo
Resumo economia c 2º periodo
Lia Treacy
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
Dina Baptista
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
Lurdes Augusto
 
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de CamposOde Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
guest3fc89a1
 
Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
Paula Oliveira Cruz
 
Horizonte
HorizonteHorizonte
Horizonte
mariappereira
 
Actos Ilocutórios
Actos IlocutóriosActos Ilocutórios
Actos Ilocutórios
Isabel Martins
 
Geração de 70
Geração de 70Geração de 70
Geração de 70
inesabento
 
Análise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauAnálise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última Nau
Maria Freitas
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
Dina Baptista
 
Nevoeiro
Nevoeiro   Nevoeiro
Nevoeiro
aramalho340
 
Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)
Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)
Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)
AndreiaFilipa63
 
A mensagem
A mensagemA mensagem
A mensagem
Ana Helena
 
Características Poéticas de Álvaro de Campos
Características Poéticas de Álvaro de CamposCaracterísticas Poéticas de Álvaro de Campos
Características Poéticas de Álvaro de Campos
Dina Baptista
 
Quinto imperio: mensagem de Fernado Pessoa
Quinto imperio: mensagem de Fernado PessoaQuinto imperio: mensagem de Fernado Pessoa
Quinto imperio: mensagem de Fernado Pessoa
danikj
 
Nevoeiro - Fernando Pessoa
Nevoeiro - Fernando PessoaNevoeiro - Fernando Pessoa
Nevoeiro - Fernando Pessoa
AMLDRP
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Dina Baptista
 

Mais procurados (20)

Loucos Anos 20
Loucos Anos 20Loucos Anos 20
Loucos Anos 20
 
Horizonte + ilha amores
Horizonte + ilha amoresHorizonte + ilha amores
Horizonte + ilha amores
 
Mensagem - Fernando Pessoa
Mensagem - Fernando Pessoa Mensagem - Fernando Pessoa
Mensagem - Fernando Pessoa
 
Resumo economia c 2º periodo
Resumo economia c 2º periodoResumo economia c 2º periodo
Resumo economia c 2º periodo
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
 
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de CamposOde Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
 
Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
 
Horizonte
HorizonteHorizonte
Horizonte
 
Actos Ilocutórios
Actos IlocutóriosActos Ilocutórios
Actos Ilocutórios
 
Geração de 70
Geração de 70Geração de 70
Geração de 70
 
Análise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauAnálise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última Nau
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
 
Nevoeiro
Nevoeiro   Nevoeiro
Nevoeiro
 
Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)
Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)
Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)
 
A mensagem
A mensagemA mensagem
A mensagem
 
Características Poéticas de Álvaro de Campos
Características Poéticas de Álvaro de CamposCaracterísticas Poéticas de Álvaro de Campos
Características Poéticas de Álvaro de Campos
 
Quinto imperio: mensagem de Fernado Pessoa
Quinto imperio: mensagem de Fernado PessoaQuinto imperio: mensagem de Fernado Pessoa
Quinto imperio: mensagem de Fernado Pessoa
 
Nevoeiro - Fernando Pessoa
Nevoeiro - Fernando PessoaNevoeiro - Fernando Pessoa
Nevoeiro - Fernando Pessoa
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
 

Destaque

A primeira república portuguesa
A primeira república portuguesaA primeira república portuguesa
A primeira república portuguesa
cattonia
 
A revolução russa
A revolução russaA revolução russa
A revolução russa
cattonia
 
1 guerra
1 guerra1 guerra
1 guerra
cattonia
 
A queda da monarquia
A queda da monarquiaA queda da monarquia
A queda da monarquia
manuelao
 
Solucoes Caderno de Actividades
Solucoes Caderno de ActividadesSolucoes Caderno de Actividades
Solucoes Caderno de Actividades
GeometriaDescritiva
 
132790646 fichas-de-avaliacao-matematica-4-ano
132790646 fichas-de-avaliacao-matematica-4-ano132790646 fichas-de-avaliacao-matematica-4-ano
132790646 fichas-de-avaliacao-matematica-4-ano
Sónia Venda
 
A queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª repúblicaA queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª república
Becre Celorico de Basto
 
A 1ª RepúBlica
A 1ª RepúBlicaA 1ª RepúBlica
A 1ª RepúBlica
Rui Neto
 

Destaque (8)

A primeira república portuguesa
A primeira república portuguesaA primeira república portuguesa
A primeira república portuguesa
 
A revolução russa
A revolução russaA revolução russa
A revolução russa
 
1 guerra
1 guerra1 guerra
1 guerra
 
A queda da monarquia
A queda da monarquiaA queda da monarquia
A queda da monarquia
 
Solucoes Caderno de Actividades
Solucoes Caderno de ActividadesSolucoes Caderno de Actividades
Solucoes Caderno de Actividades
 
132790646 fichas-de-avaliacao-matematica-4-ano
132790646 fichas-de-avaliacao-matematica-4-ano132790646 fichas-de-avaliacao-matematica-4-ano
132790646 fichas-de-avaliacao-matematica-4-ano
 
A queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª repúblicaA queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª república
 
A 1ª RepúBlica
A 1ª RepúBlicaA 1ª RepúBlica
A 1ª RepúBlica
 

Semelhante a Sociedade e Cultura

Módulo 9 HCA contexto
Módulo 9 HCA contextoMódulo 9 HCA contexto
Módulo 9 HCA contexto
cattonia
 
O papel político e social da cultura nos
O papel político e social da cultura nosO papel político e social da cultura nos
O papel político e social da cultura nos
Ana Catarina Borges
 
opapelpolticoesocialdaculturanos-111126083953-phpapp02.pdf
opapelpolticoesocialdaculturanos-111126083953-phpapp02.pdfopapelpolticoesocialdaculturanos-111126083953-phpapp02.pdf
opapelpolticoesocialdaculturanos-111126083953-phpapp02.pdf
Nuno Faustino
 
Os loucos anos 20
Os loucos anos 20Os loucos anos 20
Os loucos anos 20
angelamoliveira
 
Cultura de massas .
Cultura de massas .Cultura de massas .
Cultura de massas .
TavaresJoana
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
Vítor Santos
 
A cultura do cinema
A cultura do cinemaA cultura do cinema
A cultura do cinema
Tekas1967
 
Cenáculo
CenáculoCenáculo
A cultura do século XIX
A cultura do século XIXA cultura do século XIX
A cultura do século XIX
Ângela Almeida
 
1968
19681968
O papel dos movimentos sócio-culturaisnos anos de chumbo
O papel dos movimentos sócio-culturaisnos anos de chumboO papel dos movimentos sócio-culturaisnos anos de chumbo
O papel dos movimentos sócio-culturaisnos anos de chumbo
Susana Reis
 
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasilO realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
Jose Arnaldo Silva
 
2. vanguardas america
2. vanguardas america2. vanguardas america
2. vanguardas america
histoartetatiana
 
A imprensa na 2ª metade do século XIX
A imprensa na 2ª metade do século XIXA imprensa na 2ª metade do século XIX
A imprensa na 2ª metade do século XIX
nanasimao
 
A cultura do cinema 12º
A cultura do cinema 12ºA cultura do cinema 12º
A cultura do cinema 12º
Associação de Pais C appalmesc
 
O espetáculo das raças antropologia brasileira
O espetáculo das raças antropologia brasileiraO espetáculo das raças antropologia brasileira
O espetáculo das raças antropologia brasileira
Jéssica de Paula
 
Aula 3 novo
Aula 3 novoAula 3 novo
Sociedade e Cultura Num Mundo Em Mudança
Sociedade e Cultura Num Mundo Em MudançaSociedade e Cultura Num Mundo Em Mudança
Sociedade e Cultura Num Mundo Em Mudança
CPH
 
Mutacoes_comp_Cultura.pptx
Mutacoes_comp_Cultura.pptxMutacoes_comp_Cultura.pptx
Mutacoes_comp_Cultura.pptx
Pedro Silva
 
Terceira fase do modernismo no Brasil
Terceira fase do modernismo no BrasilTerceira fase do modernismo no Brasil
Terceira fase do modernismo no Brasil
Gusthavo Batista
 

Semelhante a Sociedade e Cultura (20)

Módulo 9 HCA contexto
Módulo 9 HCA contextoMódulo 9 HCA contexto
Módulo 9 HCA contexto
 
O papel político e social da cultura nos
O papel político e social da cultura nosO papel político e social da cultura nos
O papel político e social da cultura nos
 
opapelpolticoesocialdaculturanos-111126083953-phpapp02.pdf
opapelpolticoesocialdaculturanos-111126083953-phpapp02.pdfopapelpolticoesocialdaculturanos-111126083953-phpapp02.pdf
opapelpolticoesocialdaculturanos-111126083953-phpapp02.pdf
 
Os loucos anos 20
Os loucos anos 20Os loucos anos 20
Os loucos anos 20
 
Cultura de massas .
Cultura de massas .Cultura de massas .
Cultura de massas .
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
 
A cultura do cinema
A cultura do cinemaA cultura do cinema
A cultura do cinema
 
Cenáculo
CenáculoCenáculo
Cenáculo
 
A cultura do século XIX
A cultura do século XIXA cultura do século XIX
A cultura do século XIX
 
1968
19681968
1968
 
O papel dos movimentos sócio-culturaisnos anos de chumbo
O papel dos movimentos sócio-culturaisnos anos de chumboO papel dos movimentos sócio-culturaisnos anos de chumbo
O papel dos movimentos sócio-culturaisnos anos de chumbo
 
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasilO realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
 
2. vanguardas america
2. vanguardas america2. vanguardas america
2. vanguardas america
 
A imprensa na 2ª metade do século XIX
A imprensa na 2ª metade do século XIXA imprensa na 2ª metade do século XIX
A imprensa na 2ª metade do século XIX
 
A cultura do cinema 12º
A cultura do cinema 12ºA cultura do cinema 12º
A cultura do cinema 12º
 
O espetáculo das raças antropologia brasileira
O espetáculo das raças antropologia brasileiraO espetáculo das raças antropologia brasileira
O espetáculo das raças antropologia brasileira
 
Aula 3 novo
Aula 3 novoAula 3 novo
Aula 3 novo
 
Sociedade e Cultura Num Mundo Em Mudança
Sociedade e Cultura Num Mundo Em MudançaSociedade e Cultura Num Mundo Em Mudança
Sociedade e Cultura Num Mundo Em Mudança
 
Mutacoes_comp_Cultura.pptx
Mutacoes_comp_Cultura.pptxMutacoes_comp_Cultura.pptx
Mutacoes_comp_Cultura.pptx
 
Terceira fase do modernismo no Brasil
Terceira fase do modernismo no BrasilTerceira fase do modernismo no Brasil
Terceira fase do modernismo no Brasil
 

Mais de cattonia

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
cattonia
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
cattonia
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
cattonia
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
cattonia
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
cattonia
 
Família
FamíliaFamília
Família
cattonia
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
cattonia
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
cattonia
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
cattonia
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
cattonia
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
cattonia
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
cattonia
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
cattonia
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
cattonia
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
cattonia
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
cattonia
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
cattonia
 
Roma
RomaRoma
Roma
cattonia
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
cattonia
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
cattonia
 

Mais de cattonia (20)

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
 

Sociedade e Cultura

  • 2. • Vivia-se em paz; • Grandes progressos na economia; • Desenvolvimento urbano; • Grandes progressos técnicos. Pág. 57 – doc. 3
  • 3. • Em 1848 reúne a primeira Convenção dos Direitos das Mulheres, em Nova Iorque. • Este movimento americano terminou com a aprovação pelo Congresso Americano em 1919 da Emenda à Constituição que concedia o direito de voto independentemente da raça e do sexo. : • Após um longo período de opressão e discriminação, a passagem do século XIX para o XX ficou marcada pelo recrudescimento do movimento feminista, o qual ganharia voz e representatividade política mais tarde em todo o mundo na luta pelos direitos das mulheres, dentre eles o direito ao voto.
  • 4. • As décadas de 20 e 30 iriam trazer uma mulher mais destemida e que luta pela sua autonomia: saiu de casa e substituiu os homens nas fábricas, na liderança da casa… • Em Portugal, a primeira mulher a votar foi Carolina Beatriz Ângelo, em 1911. • O direito de voto é alcançado: • Na Austrália em 1901; • Na Finlândia em 1906; • Na Rússia em 1917; • Na Alemanha em 1918; • Na França em 1945….
  • 5. • A emancipação da mulher também teve reflexos no traje e na moda. A bainha das saias subiu até aos joelhos; as saias passaram a ser justas (travadas); os soutiens substituíram os espartilhos e o corte de cabelo curto (com ondulação permanente e penteado “à garçonne”) vulgarizou-se. • Consciente da sua importância económica, a mulher reivindica direitos iguais aos do homem. • A sua vida e comportamentos alteram-se: sai à noite, bebe, fuma, conduz e até… pilota aviões.
  • 6. • A Cultura de massas aborda os temas de modo superficial, não exigindo muita capacidade intelectual. • Destinada a ocupar os tempos livres de grande parte da população, é: • dirigida à maioria da população; • difundida pelos mass media; • pretende ser um meio de fuga aos problemas (desejo de evasão); • Recorre à publicidade e à propaganda.
  • 7. • Embora fosse uma invenção antiga, a imprensa beneficia com o desenvolvimento tecnológico. • Aumenta o número de jornais e revistas, acessíveis a todos. • As notícias, os folhetins e as crónicas atraem o público. • Este desenvolvimento permite o crescimento de um novo tipo de literatura, desde a banda desenhada ao romance policial.
  • 8. • Dado não exigir conhecimentos de leitura e escrita, a rádio contribuiu para reduzir os conhecimentos entre pessoas instruídas e não instruídas. • A transmissão de música, discursos e durante a 1ª Grande Guerra, de importantes mensagens, mostrou as potencialidades desta nova forma comunicativa.
  • 9. • O primeiro programa radiofónico foi transmitido em 1906, nos EUA. • A verdadeira expansão da rádio, no entanto, acontece em 1920 e em 1922 existiam já mais de 500 rádios. • Destacam-se as grandes emissoras: NBS (1926); CBS (1929) e BBC (1927). • Em Portugal surge em 1931 o Rádio Clube Português e em 1935 a Emissora Nacional. • A rádio transmitia de tudo: notícias, tempo, música, publicidade… até novelas.
  • 10. • Inventado em 1895 pelos irmãos Lumiére, tornou-se a “grande fuga ao real”. • Até 1927, com o filme The Jazz Singer, os filmes eram mudos, acompanhados por um pianista. • Inicialmente destinado a um público popular, que aí encontrava forma de esquecer os seus problemas pessoais em breve despertaria uma fascinante atracão sobre o público em geral. • No início as projeções eram mudas, mas depressa a evolução técnica dotou o cinema da sonoridade que lhe daria o triunfo definitivo, como fonte de aventura, romance e diversão.
  • 11. • Para além das funções de entretenimento, aventura e sonho cedo os estados o tomaram como forma de transmissão de propaganda e impregnação ideológica. Torna-se também um poderoso meio de difusão de modelos socioculturais. • A ida ao cinema representava para os espectadores: • a fuga ao quotidiano; • a fascinação pela imagem; • a atracão pelo filme e seu significado cultural. • Opera-se assim através do cinema uma uniformização social do sonho. • Em Portugal, tal como os outros meios de comunicação também o cinema foi utilizado como instrumentalização política, onde a censura atuava de forma constante.
  • 12. • Foi na década de 20 que se iniciaram as verdadeiras mega produções, com filmes como Ben-Hur nos EUA, Couraçado Potemkin na URSS. • Em Portugal são várias as produções, na sua maioria pela mão de estrangeiros. No entanto, o desenvolvimento da Ditadura acaba por atribuir aos filmes dos anos 20 a 50 um carácter muito próprio e nacionalista.
  • 13. • A música globaliza-se, com a descoberta da rádio e a invenção dos discos. • Os Jogos Olímpicos tornam-se no verdadeiro exemplo do desporto mundial. • O futebol e o automobilismo transforma-se em verdadeiros desportos de massas….
  • 14. • No séc. XX, o desporto tornou-se o espetáculo favorito das grandes multidões, em parte graças à recuperação dos Jogos Olímpicos pelo Barão de Cobertain (1896 – Atenas). • O desporto torna-se o escape perfeito para libertar tensões, incluindo as sociais. • A cobertura dada pela imprensa aos grandes acontecimentos desportivos, transforma-os também, num fenómeno de massas. • Tal como na antiguidade, distinguir-se pela sua capacidade desportiva, torna-se uma forma de distinção social. • Os desportistas são verdadeiros ídolos da população.
  • 15. • Cresceu o sentimento de que a literatura e a arte tinham uma missão social a cumprir. • A Depressão económica produzida pelos excessos do capitalismo liberal proporcionou novas motivações e novos temas: as temáticas psicológicas ligadas à vida interior eram agora desinteressantes para os escritores dos anos 30. • A literatura passa a associar as preocupações com os novos problemas sociais e políticos: • os protagonistas tornam-se tipos sociais. • o tema fundamental era a luta entre pobres e ricos. • Destacam-se escritores como Marcel Proust ou Hemingway.
  • 16. • Passou a haver a consciência de que a certeza era impossível, o que conduz a uma abandono do racionalismo, da certeza positivista e a adoção do relativismo e da incerteza, em que o conhecimento passou a ser subjetivo. • O Relativismo torna-se uma nova conceção de ciência, que aceita o mistério, a desordem, a probabilidade como partes integrantes do conhecimentos. • Abre-se caminho para novas possibilidades e com isso, para novas descobertas. • Na Medicina estudam-se as células, descobre-se a penicilina e a insulina… • Na química, Madame Curie é a primeira mulher a receber um Nobel.
  • 17. • Max Planck provou que não é possível obter-se um conhecimento exato das partículas de matéria, sendo impossível prever o que irá acontecer; • Shrodinger teoriza a equação que conduz ao desenvolvimento da Física Quântica; • Rutherford descobre o átomo; • Einstein deu início à teoria da relatividade, que negava a característica absoluta do espaço e do tempo, afirmando que dependiam um do outro, eram relativos. • Estabelece-se a teoria do big bang e da formação da terra.
  • 18. • As Ciências Humanas também conhecem avanços, desde a Nova História à Psicanálise de Freud. • Método de pesquisa que incide na análise de sonhos e de pensamentos, a psicanálise defende que os comportamentos humanos são comandados por impulsos inconscientes, que resultam da história de vida do individuo. • Segundo Freud, a psique humana estrutura-se em três níveis distintos: • O consciente (Ego) – pequena parte da mente; • O subsconsciente (Superego) – inibidor do ego com sentimentos de culpa (sexo, sonhos, religião) que podem passar para o consciente; • O inconsciente (Id) – zona obscura, irracional, na mente humana, que o indivíduo não controla e da qual não tem consciência, mas que se manifesta, no comportamento.
  • 19. • Influência das novas conceções científicas, também a arte e a literatura se transformam. É a época do modernismo, rompimento com a arte tradicional.
  • 20. Temática: a prostituição, a miséria, o medo, a angústia e a revolta, o drama interior do homem. A sua função primária era denunciar ou criticar estas situações. Principais autores: Van Gogh e Edward Munch foram os precursores. Outros autores foram Auguste Macke ou Otto Dix Características: • Deformação intencional das imagens visuais, • Apresentação de um mundo dramático e apaixonado. • Em França o expressionismo não teve grande projeção.
  • 21. Contexto: Desenvolve-se em França, em paralelo com o expressionismo. Temática: variada, retratos, paisagens... Principais autores: Matisse, Derain, Braque, Vlaminck e Dufy Características: Adopção de uma paleta impressionista na qual associavam a cor à luz, de uma forma quase agressiva. Para Matisse, seria a "perspetiva do sentimento", nas quais os planos se aproximavam. Realce dos contornos com traços negros, desligando a cor da própria figura.
  • 22. Contexto: A primeira manifestação cubista ocorre em 1907 com a obra "Les Demoiselles d'Avignon“. Temática: O homem e tudo o que o rodeia. Principais autores: desenvolvido por Picasso e Braque na primeira década do século XX. Características: Rutura com a forma tadicional de representação ilusória do objeto no espaço, rebatendo-o de forma a que as diferentes faces do seu volume possam ser mostradas simultaneamente. Desenho anguloso e geométrico, substituindo a tradicional técnica da perspetiva pela sensação de volume (formas volumétricas) dando uma sensação tridimensional.
  • 23. Contexto: desenvolveu-se na Europa e nos Estados Unidos a partir de 1915. Temática: Este movimento constituiu uma reação contra as formas tradicionais de produção artística e contra o próprio sistema ainda ligado ao academismo e à produção objetual, de sentido mercantilista. Principais autores: Marcel Duchamp, Man Ray, Hanz Arp e Tristan Tzara. Características: Traduzindo o espírito coletivo de destruição, de angústia e de niilismo que a guerra imprimiu a muitos países do mundo, consistia no uso de objetos comuns e banais, retirados do seu contexto tradicional e então considerados arte.
  • 24. Contexto: está intimamente ligado à teoria freudiana do inconsciente, que Breton estudara, e à sua técnica de «associação livre», de modo a iludir o controlo do consciente. Temática: O onírico, o irreal, o mundo dos sonhos. Principais autores: Joan Miró, Max Ernst, André Masson, Salvador Dali e René Magritte Características: tal como o dadaísmo, é um movimento que pretende substituir a realidade e a representação do mundo real, pela visão deformada, gerada no sonho e no inconsciente.
  • 25. Contexto: a arte abstrata tem origem nas diversas reações ao Impressionismo e desenvolve-se entre 1913 e 1933. A primeira obra totalmente abstrata foi pintada por Kandinsky. Principais autores: Kandinsky, Piet Mondrian e Delaunay Características: liberdade da cor e do traço, enquadradas num entendimento filosófico e orgânico da pintura. Pretendia-se fazer com que as obras transcendessem a aparência do quotidiano, de modo a encontrar nelas uma realidade nova, oculta, mas profunda.
  • 26. Contexto: O manifesto de Filippo Marinetti é a apologia do novo ritmo de vida dinâmica das máquinas, do trabalho. Marinetti dizia “o espaço e o tempo morreram ontem. Os elementos essenciais da nossa arte serão a coragem, a ousadia e a revolta”. Principais autores: Filippo Marinetti, Giacomo Balla Características: Exalta-se o movimento, a força e a velocidade.
  • 28. • Primeira Geração – ORPHEU • Agitar, subverter, difundir as novidades europeias. • Incorporação das propostas das vanguardas. • Segunda Geração – PRESENÇA • Movimento mais crítico. • “arte pela arte”. • Terceira Geração – NEORREALISMO • Denunciar as injustiças sociais. • Apelo à consciência e luta de classes.
  • 29. • Após as destruições da guerra, os Governos viram-se na necessidade de reerguer edifícios e de realojar os seus cidadãos. • Era necessária uma construção simples, barata e digna. • Surge o Funcionalismo: conjunto de soluções arquitetónicas inovadoras que marca o inicio de uma arquitetura verdadeiramente moderna. • Características do funcionalismo geral: • prioridade do plano urbanístico sobre o projeto arquitetónico, • rendibilização do terreno (quantidade e qualidade), • racionalização das formas arquitetónicas, • recurso à tecnologia industrial - progressiva industrialização de objetos da vida diária (ex. Montagem de cozinhas ou casas-de-banho). • conceção da arquitetura e da produção industrial qualificada como condicionantes do progresso social.
  • 30. • Le Corbusier - arquiteto e pintor suíço - considerava a arquitetura o ponto de encontro entre a atividade do engenheiro e a poesia plástica do escultor. • Walter Gropius - alemão, pai da escola da Bauhaus, onde se ensinava também pintura e design. Escola muito ativa, tornou-se alvo dos nazis que a consideravam subversiva. O objetivo da Bauhaus era a obra de arte total. “o edifício no qual não existem quaisquer barreiras entre as artes estruturais e as artes decorativas”. • Segundo Walter Gropius a planta da obra não deve circunscrever-se num retângulo rígido. Deve fazer-se uma ligação entre o interior e o exterior. O edifício deve estar ligado diretamente ao terreno natural circundante. Privilegiam-se as paredes e os ângulos de vidro.
  • 31. • Frank Lloyd Wright é o principal vulto deste movimento. Para ele, a construção devia fazer-se de dentro para fora. A casa devia ser um abrigo, lugar de recolhimento e meditação, espaço perfeitamente inserido na paisagem, mas isolado do meio ambiente de modo a que os seus habitantes não perdessem a intimidade (o exemplo perfeito é a casa da cascata). • Óscar Niemeyer, arquiteto brasileiro, segue estes princípios e realiza uma verdadeira revolução na arquitetura do seu país. • Adotou as linhas curvas, criando edifícios de grande beleza arquitetónica, mas totalmente distintas do traçado racional europeu e mesmo Norte Americano.