SlideShare uma empresa Scribd logo
O ESPETÁCULO DAS
           RAÇAS
Cientistas, Instituições e Questão Racial no Brasil
                     1 870-1930

                              Lilia Moritz Schwarcz
LILIA MORITZ SCHWARCZ
        Professora     livre-docente    no
        Depar tamento de Antropologia
        da Univer sidade de São Paulo
        (USP). Autora de As barbas do
        Imperador – D. Pedro II, um
        monarca nos trópicos (1998); O
        espetáculo      das      raças   –
        cientistas,      instituições    e
        questão racial no Brasil do
        século XIX (1993) e Retrato em
        branco       e        negro      –
        jornais, escravos e cidadãos
        em São Paulo de finais do
        século XIX (1987). Em 1997
        organizou os livros Raça e
        diversidade,       com      Renato
        Queiroz,          e         Negras
        Imagens, com Letícia Vidor
        Reis (Edusp). É organizadora do
        volume 4 da História da Vida
        Privada no Brasil (Cia. das
        Letras).
INTRODUÇÃO: O ESPETÁCULO DA
             MISCIGENAÇÃO
 Em fins do século XIX - Brasil se
  apresenta como caso singular de
  miscigenação
 1911- João Batista Lacerda
  (diretor Museu Nacional do RJ)
  participa do I Congresso
  Internacional das Raças em
  Londres.
 Apresenta obra “Redenção de
  Cam”-1895,do artista Modesto
  Broccos
 Cita alguns artistas e viajantes que estiveram no Brasil ao longo do século
  XIX e que descreviam em suas obras e cartas um país onde a
  miscigenação era o fator que justificava o “atraso” da nação. No contexto
  mundial, o Brasil começa a ser explicado pelo fator da mistura das raças.
 Objetivo do livro: entender em que medida as teorias que priorizavam o
  tema racial para explicar os problemas locais tiveram sua relevância e as
  suas variações no Brasil, no período de 1870 a 1930
 Décadas inicias de 1800 – as teorias raciais fizeram parte dos centros de
  pesquisa científica do país. Neste período há um crescimento e
  amadurecimento dos centros de ensino nacionais (museus
  etnográficos, faculdades de direito e medicina, institutos geográficos,etc )
 Influência das teorias do darwinismo social e do evolucionismo social na
  constituição do pensamento racial brasileiro
 Em cada lócus de cientificidade espalhados pelo Brasil havia diferentes
  modos de apreensão das teorias raciais, mas quais seriam essas formas
  de apropriação de tais idéias pelas instituições brasileiras sobre a questão
  racial,tão em voga naquele período?
CAPÍTULO 1-ENTRE OS “HOMENS DE SCIENCIA”
      A V I N DA DA FA M Í L I A R E A L - O I N Í C I O DA H I S T Ó R I A DA S
               I N S T I T U I Ç Õ E S E D U C AC I O N A I S N O B R A S I L



 1808 – chegada da Família Real, marca o início da história
  institucional local. Nesse período foram abertos os primeiros
  centros de caráter cultural no país
 O processo de avanço no campo cultural e intelectual foi
  interrompida com a volta inesperada de D. João VI à Portugal.
  Mas em seguida foi retomada pelo seu filho D.Pedro, que
  buscou criar novas instituições com a Declaração de
  Independência
 Exemplo disso foram as escolas de direito, criadas nesse
  período e em 1839 a fundação do primeiro Instituto Histórico
  e Geográfico, com sede no RJ, que tinha como tarefa “criar
  uma história para a nação, inventar uma memória para o
  país”
A DÉCADA DE 70 – OU “UM BANDO DE
           IDÉIAS NOVAS”
 A transferência do eixo econômico do país do nordeste para o
  sudeste por conta da atividade cafeeira, impulsionou a
  abertura de várias instituições científicas na região.
 A autora cita as principais instituições abertas nesse período:
  no campo da saúde, do direito, da história e que voltavam
  seus interesses científicos em prol de um projeto de
  constituição de uma nação
 Questão do perfil sócio-econômico desses novos intelectuais
  de difícil definição. Para alguns analistas, tais grupos
  originam-se    da    aristocracia     agrária   e    o  Estado
  Monárquico, outros identificam como pertencentes a novos
  segmentos urbanos, opostos a aristocracia rural
 A autora sugere que seja levado em conta a sua atuação:
  “esses intelectuais da ciência, a despeito de sua origem
  social, procuravam legitimar ou respaldar cientificamente
  suas posições nas instituições do saber de que participavam e
  por meio delas.”
NA ERA DA SCIENCIA
 Século XIX era tomado como o “século da
  ciência” caracterizado pela fé cega e inocente
  nos diagnósticos científicos.

“NO BRASIL RESPIRA -SE SCIENCIA”
 D.Pedro – denominado de “mecenas da
  sciencia”
 A ciência feita no Brasil não estava preocupada
  tanto com o avanço científico, mas com a
  cientificidade indiscriminada.
 A tomada dos modelos cientificistas no
  contexto nacional por vezes revelava posturas
  impositivas sobre a população e o descompasso
  que se encontravam os objetivos da ciência e a
  compreensão por parte do povo. Exe: projeto de
  higienização que culminou na “Revolta da
  Vacina”
“HOMENS DE SCIENCIA: A
         MISCIGENAÇÃO COMO TEMA”

 Na década de 70, com alguns institutos de pesquisa já em
  funcionamento os grupos de intelectuais se consolidavam
  e,    consumidores    intensos   da   produção     científica
  européia, passaram a reconhecer-se como “homens de
  sciencia”
 Tendência dos intelectuais      em adotar os modelos
  evolucionistas e social-darwinistas para o explicação de
  problemas práticos, de ordem social e política da condição
  brasileira sem a preocupação em entender o contexto que tais
  ideias    surgiram,   buscavam    “adequá-las”   ao     caso
  brasileiro, desconsiderando os aspectos destoantes, como
  aqueles que se remetiam ao problema da miscigenação
CAPÍTULO 2-UMA HISTÓRIA DE
“DIFERENÇAS E DESIGUALDADES” - AS
 DOUTRINAS RACIAIS DO SÉCULO XIX


 Balanço das diferentes teorias raciais
  produzidas durante o século XIX e as
  especifidades dos uso local

 Teoria    humanista     de   Rousseau   foi
  importante para pensar na diversidade
  humana.
 A       partir       da      noção      de
  perfectibilidade, capacidade dos homens de
  sempre se superarem não no sentido
  evolucionista de civilização abria espaço
  para se pensar numa “humanidade una mas
  diversa em seus caminhos”
CONTEXTO INTELECTUAL DO SÉCULO
        XVIII: 2 PERSPECTIVAS
 1-Visão humanista      Rosseau     Revolução Francesa
  naturalização da igualdade humana.
 2-Visão naturalista     Buf fon e DePaw      diferenças
  básicas entre os homens.
 Com a “Tese da Infantilidade do Continente” e a “Teoria da
  Degeneração Americana” a segunda perspectiva produzia uma
  imagem negativa da natureza do homem americano
MONOGENISMO X POLIGENISMO

 Século XIX               Século XIX
 Maior parte dos          Interpretação biológica
  pensadores                do comportamento
 Origem única da           humano
  humanidade               Contesta a visão
 Etnologia                 monogenista da Igreja
 Visão Humanista          Frenologia e
 Criação de sociedades     Antropometria
  etnológicas em           Antropologia
  Paris, Londres e Nova
  York
 Aprimoramento
ANTROPOLOGIA CULTURAL: A
    DESIGUALDADE EXPLICA A
          HIERARQUIA



Constituía-se como disciplina sob a
ótica evolucionista (Morgan, Tylor e
Frazer)
Civilização e progresso tomados
como modelos universais
Aspecto otimista, que via no
progresso condição obrigatória para
a humanidade
O DARWINISMO SOCIAL:
A HUMANIDADE CINDIDA

Duas escolas importantes:
 Determinismo      geográfico    –
  desenvolvimento de uma nação
  totalmente    determinada    pelo
  meio.
 Determinismo racial – via de
  forma         pessimista        a
  miscigenação, como sinônimo de
  degeneração não só racial como
  social
TEORIAS DA RAÇA E 3
      PRESSUPOSTOS BÁSICOS:
   Condenação ao cruzamento racial, pois
    havia uma distância biológica entre as
    raças;
   Continuidade entre caracteres físicos e
    morais, ou seja, a divisão do mundo entre
    raças corresponderia à divisão de culturas;
   Preponderância do grupo “racio-cultural” ou
    étnico      no        compor tamento      do
    sujeito, conformando-se enquanto uma
    doutrina de psicologia coletiva, hostil à
    idéia do arbítrio do indivíduo

Miscigenação como divisor de águas entre
monogenistas e poligenistas. Para os últimos a
mistura de raças teria consequências nefastas
provocando um cer to abastardamento dessas
populações

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Paul michel foucault
Paul michel foucaultPaul michel foucault
Paul michel foucault
jorge luiz dos santos de souza
 
Pré-História
Pré-HistóriaPré-História
Pré-História
eiprofessor
 
Pré História - Ensino Médio
Pré História - Ensino MédioPré História - Ensino Médio
Pré História - Ensino Médio
Diego Bian Filo Moreira
 
Francis Bacon
Francis BaconFrancis Bacon
Francis Bacon
Lara Luisa
 
Sociologia direitosa humanos e cidadania
Sociologia   direitosa humanos e cidadaniaSociologia   direitosa humanos e cidadania
Sociologia direitosa humanos e cidadania
Gustavo Soares
 
Filosofia contemporânea
Filosofia contemporâneaFilosofia contemporânea
Filosofia contemporânea
Lucas Sousa
 
John locke
John lockeJohn locke
John locke
António Daniel
 
Ideologia e Alienação
Ideologia e AlienaçãoIdeologia e Alienação
Ideologia e Alienação
Gilmar Rodrigues
 
Racismo no Brasil
Racismo no BrasilRacismo no Brasil
Racismo no Brasil
progerio81
 
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
João Medeiros
 
Minorias Sociais
Minorias SociaisMinorias Sociais
Minorias Sociais
Paulo Alexandre
 
Abolição da escravatura no Brasil.pptx
Abolição da escravatura no Brasil.pptxAbolição da escravatura no Brasil.pptx
Abolição da escravatura no Brasil.pptx
ANDRÉA FERREIRA
 
Cap 4 - Filosofia Helenística
Cap 4 - Filosofia HelenísticaCap 4 - Filosofia Helenística
Cap 4 - Filosofia Helenística
José Ferreira Júnior
 
Hannah arendt
Hannah arendtHannah arendt
Hannah arendt
Felipe M
 
RASCISMO CIENTIFICO
RASCISMO CIENTIFICORASCISMO CIENTIFICO
RASCISMO CIENTIFICO
roberto mosca junior
 
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Aula de Filosofia - Filosofia ContemporâneaAula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Rafael Oliveira
 
Sociologia no Brasil
Sociologia no BrasilSociologia no Brasil
Sociologia no Brasil
Bruno Barbosa
 
Hannah arendt e o totalitarismo
Hannah arendt e o totalitarismoHannah arendt e o totalitarismo
Hannah arendt e o totalitarismo
Arlindo Picoli
 
Primeira republica
Primeira republicaPrimeira republica
Primeira republica
Bruno E Geyse Ornelas
 
01 colônia - expansão da colonização
01   colônia - expansão da colonização01   colônia - expansão da colonização
01 colônia - expansão da colonização
Portal do Vestibulando
 

Mais procurados (20)

Paul michel foucault
Paul michel foucaultPaul michel foucault
Paul michel foucault
 
Pré-História
Pré-HistóriaPré-História
Pré-História
 
Pré História - Ensino Médio
Pré História - Ensino MédioPré História - Ensino Médio
Pré História - Ensino Médio
 
Francis Bacon
Francis BaconFrancis Bacon
Francis Bacon
 
Sociologia direitosa humanos e cidadania
Sociologia   direitosa humanos e cidadaniaSociologia   direitosa humanos e cidadania
Sociologia direitosa humanos e cidadania
 
Filosofia contemporânea
Filosofia contemporâneaFilosofia contemporânea
Filosofia contemporânea
 
John locke
John lockeJohn locke
John locke
 
Ideologia e Alienação
Ideologia e AlienaçãoIdeologia e Alienação
Ideologia e Alienação
 
Racismo no Brasil
Racismo no BrasilRacismo no Brasil
Racismo no Brasil
 
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
História do Brasil: A República Velha ou Primeira República (1889-1930) - Pro...
 
Minorias Sociais
Minorias SociaisMinorias Sociais
Minorias Sociais
 
Abolição da escravatura no Brasil.pptx
Abolição da escravatura no Brasil.pptxAbolição da escravatura no Brasil.pptx
Abolição da escravatura no Brasil.pptx
 
Cap 4 - Filosofia Helenística
Cap 4 - Filosofia HelenísticaCap 4 - Filosofia Helenística
Cap 4 - Filosofia Helenística
 
Hannah arendt
Hannah arendtHannah arendt
Hannah arendt
 
RASCISMO CIENTIFICO
RASCISMO CIENTIFICORASCISMO CIENTIFICO
RASCISMO CIENTIFICO
 
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Aula de Filosofia - Filosofia ContemporâneaAula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
 
Sociologia no Brasil
Sociologia no BrasilSociologia no Brasil
Sociologia no Brasil
 
Hannah arendt e o totalitarismo
Hannah arendt e o totalitarismoHannah arendt e o totalitarismo
Hannah arendt e o totalitarismo
 
Primeira republica
Primeira republicaPrimeira republica
Primeira republica
 
01 colônia - expansão da colonização
01   colônia - expansão da colonização01   colônia - expansão da colonização
01 colônia - expansão da colonização
 

Destaque

Espetáculo da miscigenação
Espetáculo da miscigenaçãoEspetáculo da miscigenação
Espetáculo da miscigenação
Geraa Ufms
 
O espetáculo das raças.parte2
O espetáculo das raças.parte2O espetáculo das raças.parte2
O espetáculo das raças.parte2
Jéssica de Paula
 
Resenha Raça e diversidade, de Lilia Schwarcz
Resenha Raça e diversidade, de Lilia SchwarczResenha Raça e diversidade, de Lilia Schwarcz
Resenha Raça e diversidade, de Lilia Schwarcz
Teka Montenegro Ramos
 
3º Encontro ciclos 2 e 3 - A Criação Divina
3º Encontro ciclos 2 e 3 - A Criação Divina3º Encontro ciclos 2 e 3 - A Criação Divina
3º Encontro ciclos 2 e 3 - A Criação Divina
Márcia Albuquerque
 
A Criação dos Céus e da Terra - Lição 02 - 4°Trimestre 2015
A Criação dos Céus e da Terra - Lição 02 - 4°Trimestre 2015A Criação dos Céus e da Terra - Lição 02 - 4°Trimestre 2015
A Criação dos Céus e da Terra - Lição 02 - 4°Trimestre 2015
Pr. Andre Luiz
 
Pluralidade dos mundos habitados / Plurality of inhabited worlds
Pluralidade dos mundos habitados / Plurality of inhabited worldsPluralidade dos mundos habitados / Plurality of inhabited worlds
Pluralidade dos mundos habitados / Plurality of inhabited worlds
Marcelo Bomfim de Aguiar
 
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]gutoFund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Guto Ovsky
 
Darwin
DarwinDarwin
Pluralidade
PluralidadePluralidade
Pluralidade
Márcia Albuquerque
 
Tormenta rpg manual edição revisada - taverna do elfo e do arcanios
Tormenta rpg   manual edição revisada - taverna do elfo e do arcaniosTormenta rpg   manual edição revisada - taverna do elfo e do arcanios
Tormenta rpg manual edição revisada - taverna do elfo e do arcanios
OlinoBoz
 
Lição 2 a criação dos céus e da terra
Lição 2   a criação dos céus e da terraLição 2   a criação dos céus e da terra
Lição 2 a criação dos céus e da terra
Andrew Guimarães
 
Eae 98 - categoria dos mundos habitados - esclarecimentos
Eae   98 - categoria dos mundos habitados - esclarecimentosEae   98 - categoria dos mundos habitados - esclarecimentos
Eae 98 - categoria dos mundos habitados - esclarecimentos
Norberto Scavone Augusto
 
Palestra pluralidade-mundos-habitados-1211296550779779-8
Palestra pluralidade-mundos-habitados-1211296550779779-8Palestra pluralidade-mundos-habitados-1211296550779779-8
Palestra pluralidade-mundos-habitados-1211296550779779-8
Lucia Andrade
 
Sucessão e Aperfeiçoamento das Raças
Sucessão e Aperfeiçoamento das RaçasSucessão e Aperfeiçoamento das Raças
Sucessão e Aperfeiçoamento das Raças
igmateus
 
As raças humanas humanidade sem raças
As raças humanas  humanidade sem raçasAs raças humanas  humanidade sem raças
As raças humanas humanidade sem raças
Ana Oliveira
 
090520 da criação – livro i, cap 3
090520 da criação – livro i, cap 3090520 da criação – livro i, cap 3
090520 da criação – livro i, cap 3
Carlos Alberto Freire De Souza
 
Lei de Reprodução
Lei de ReproduçãoLei de Reprodução
Lei de Reprodução
Helenl01
 
Formacao dos seres_vivos
Formacao dos seres_vivosFormacao dos seres_vivos
Formacao dos seres_vivos
Ana Cristina Freitas
 
Criação bíblica
Criação bíblicaCriação bíblica
Criação bíblica
Mobres
 
Pluralidade dos mundos habitados
Pluralidade dos mundos habitadosPluralidade dos mundos habitados
Pluralidade dos mundos habitados
Ana Cláudia Leal Felgueiras
 

Destaque (20)

Espetáculo da miscigenação
Espetáculo da miscigenaçãoEspetáculo da miscigenação
Espetáculo da miscigenação
 
O espetáculo das raças.parte2
O espetáculo das raças.parte2O espetáculo das raças.parte2
O espetáculo das raças.parte2
 
Resenha Raça e diversidade, de Lilia Schwarcz
Resenha Raça e diversidade, de Lilia SchwarczResenha Raça e diversidade, de Lilia Schwarcz
Resenha Raça e diversidade, de Lilia Schwarcz
 
3º Encontro ciclos 2 e 3 - A Criação Divina
3º Encontro ciclos 2 e 3 - A Criação Divina3º Encontro ciclos 2 e 3 - A Criação Divina
3º Encontro ciclos 2 e 3 - A Criação Divina
 
A Criação dos Céus e da Terra - Lição 02 - 4°Trimestre 2015
A Criação dos Céus e da Terra - Lição 02 - 4°Trimestre 2015A Criação dos Céus e da Terra - Lição 02 - 4°Trimestre 2015
A Criação dos Céus e da Terra - Lição 02 - 4°Trimestre 2015
 
Pluralidade dos mundos habitados / Plurality of inhabited worlds
Pluralidade dos mundos habitados / Plurality of inhabited worldsPluralidade dos mundos habitados / Plurality of inhabited worlds
Pluralidade dos mundos habitados / Plurality of inhabited worlds
 
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]gutoFund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
 
Darwin
DarwinDarwin
Darwin
 
Pluralidade
PluralidadePluralidade
Pluralidade
 
Tormenta rpg manual edição revisada - taverna do elfo e do arcanios
Tormenta rpg   manual edição revisada - taverna do elfo e do arcaniosTormenta rpg   manual edição revisada - taverna do elfo e do arcanios
Tormenta rpg manual edição revisada - taverna do elfo e do arcanios
 
Lição 2 a criação dos céus e da terra
Lição 2   a criação dos céus e da terraLição 2   a criação dos céus e da terra
Lição 2 a criação dos céus e da terra
 
Eae 98 - categoria dos mundos habitados - esclarecimentos
Eae   98 - categoria dos mundos habitados - esclarecimentosEae   98 - categoria dos mundos habitados - esclarecimentos
Eae 98 - categoria dos mundos habitados - esclarecimentos
 
Palestra pluralidade-mundos-habitados-1211296550779779-8
Palestra pluralidade-mundos-habitados-1211296550779779-8Palestra pluralidade-mundos-habitados-1211296550779779-8
Palestra pluralidade-mundos-habitados-1211296550779779-8
 
Sucessão e Aperfeiçoamento das Raças
Sucessão e Aperfeiçoamento das RaçasSucessão e Aperfeiçoamento das Raças
Sucessão e Aperfeiçoamento das Raças
 
As raças humanas humanidade sem raças
As raças humanas  humanidade sem raçasAs raças humanas  humanidade sem raças
As raças humanas humanidade sem raças
 
090520 da criação – livro i, cap 3
090520 da criação – livro i, cap 3090520 da criação – livro i, cap 3
090520 da criação – livro i, cap 3
 
Lei de Reprodução
Lei de ReproduçãoLei de Reprodução
Lei de Reprodução
 
Formacao dos seres_vivos
Formacao dos seres_vivosFormacao dos seres_vivos
Formacao dos seres_vivos
 
Criação bíblica
Criação bíblicaCriação bíblica
Criação bíblica
 
Pluralidade dos mundos habitados
Pluralidade dos mundos habitadosPluralidade dos mundos habitados
Pluralidade dos mundos habitados
 

Semelhante a O espetáculo das raças antropologia brasileira

Nova história cultural
Nova história culturalNova história cultural
Nova história cultural
André Augusto da Fonseca
 
Capítulo 2 - Padrões, Normas e Culturas
Capítulo 2 - Padrões, Normas e CulturasCapítulo 2 - Padrões, Normas e Culturas
Capítulo 2 - Padrões, Normas e Culturas
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Capítulo 4 - Antropologia Brasileira
Capítulo 4 - Antropologia BrasileiraCapítulo 4 - Antropologia Brasileira
Capítulo 4 - Antropologia Brasileira
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Nova história cultural
Nova história culturalNova história cultural
Nova história cultural
André Augusto da Fonseca
 
Antropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências Humanas
Antropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências HumanasAntropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências Humanas
Antropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências Humanas
danielaleite59
 
Antropologia (1).ppt
Antropologia (1).pptAntropologia (1).ppt
Antropologia (1).ppt
TlioLucena5
 
2-2020 art Cult pop.pdf
2-2020 art Cult pop.pdf2-2020 art Cult pop.pdf
2-2020 art Cult pop.pdf
PEDRO CABRAL DA COSTA
 
Cul pop tradicao art.pdf
Cul pop tradicao art.pdfCul pop tradicao art.pdf
Cul pop tradicao art.pdf
PEDRO CABRAL DA COSTA
 
O projeto estético e ideológico do modernismo brasileiro
O projeto estético e ideológico do modernismo brasileiroO projeto estético e ideológico do modernismo brasileiro
O projeto estético e ideológico do modernismo brasileiro
Paulo Konzen
 
Capítulo 1 - Evolucionismo e Diferença
Capítulo 1 - Evolucionismo e DiferençaCapítulo 1 - Evolucionismo e Diferença
Capítulo 1 - Evolucionismo e Diferença
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Apostila raçaetnicidade
Apostila raçaetnicidadeApostila raçaetnicidade
Apostila raçaetnicidade
Valdira Valadares
 
Cap 2 antropologia
Cap 2 antropologiaCap 2 antropologia
Cap 2 antropologia
Joao Balbi
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
dylan costa
 
Antropologia.sintese paradigmas e escolas
Antropologia.sintese paradigmas e escolasAntropologia.sintese paradigmas e escolas
Antropologia.sintese paradigmas e escolas
João Filho
 
A sociologia no brasil(1)
A sociologia no brasil(1)A sociologia no brasil(1)
A sociologia no brasil(1)
homago
 
2ª série - LP 21.pptx
2ª série - LP 21.pptx2ª série - LP 21.pptx
2ª série - LP 21.pptx
GoisTec
 
Introdução reflexões sobre história
Introdução reflexões sobre históriaIntrodução reflexões sobre história
Introdução reflexões sobre história
mkobelinski
 
História da Antropologia_ teoria, método e colonialismo.pdf
História da Antropologia_ teoria, método e colonialismo.pdfHistória da Antropologia_ teoria, método e colonialismo.pdf
História da Antropologia_ teoria, método e colonialismo.pdf
FelipeCavalcantiFerr
 
Roteiro Primeiro povoadores ameríndios e suas origens
Roteiro Primeiro povoadores ameríndios e suas origensRoteiro Primeiro povoadores ameríndios e suas origens
Roteiro Primeiro povoadores ameríndios e suas origens
Lauri Rene Reis Filho
 
O que é cultura
O que é culturaO que é cultura
O que é cultura
Rodrigo Silveira
 

Semelhante a O espetáculo das raças antropologia brasileira (20)

Nova história cultural
Nova história culturalNova história cultural
Nova história cultural
 
Capítulo 2 - Padrões, Normas e Culturas
Capítulo 2 - Padrões, Normas e CulturasCapítulo 2 - Padrões, Normas e Culturas
Capítulo 2 - Padrões, Normas e Culturas
 
Capítulo 4 - Antropologia Brasileira
Capítulo 4 - Antropologia BrasileiraCapítulo 4 - Antropologia Brasileira
Capítulo 4 - Antropologia Brasileira
 
Nova história cultural
Nova história culturalNova história cultural
Nova história cultural
 
Antropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências Humanas
Antropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências HumanasAntropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências Humanas
Antropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências Humanas
 
Antropologia (1).ppt
Antropologia (1).pptAntropologia (1).ppt
Antropologia (1).ppt
 
2-2020 art Cult pop.pdf
2-2020 art Cult pop.pdf2-2020 art Cult pop.pdf
2-2020 art Cult pop.pdf
 
Cul pop tradicao art.pdf
Cul pop tradicao art.pdfCul pop tradicao art.pdf
Cul pop tradicao art.pdf
 
O projeto estético e ideológico do modernismo brasileiro
O projeto estético e ideológico do modernismo brasileiroO projeto estético e ideológico do modernismo brasileiro
O projeto estético e ideológico do modernismo brasileiro
 
Capítulo 1 - Evolucionismo e Diferença
Capítulo 1 - Evolucionismo e DiferençaCapítulo 1 - Evolucionismo e Diferença
Capítulo 1 - Evolucionismo e Diferença
 
Apostila raçaetnicidade
Apostila raçaetnicidadeApostila raçaetnicidade
Apostila raçaetnicidade
 
Cap 2 antropologia
Cap 2 antropologiaCap 2 antropologia
Cap 2 antropologia
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
Antropologia.sintese paradigmas e escolas
Antropologia.sintese paradigmas e escolasAntropologia.sintese paradigmas e escolas
Antropologia.sintese paradigmas e escolas
 
A sociologia no brasil(1)
A sociologia no brasil(1)A sociologia no brasil(1)
A sociologia no brasil(1)
 
2ª série - LP 21.pptx
2ª série - LP 21.pptx2ª série - LP 21.pptx
2ª série - LP 21.pptx
 
Introdução reflexões sobre história
Introdução reflexões sobre históriaIntrodução reflexões sobre história
Introdução reflexões sobre história
 
História da Antropologia_ teoria, método e colonialismo.pdf
História da Antropologia_ teoria, método e colonialismo.pdfHistória da Antropologia_ teoria, método e colonialismo.pdf
História da Antropologia_ teoria, método e colonialismo.pdf
 
Roteiro Primeiro povoadores ameríndios e suas origens
Roteiro Primeiro povoadores ameríndios e suas origensRoteiro Primeiro povoadores ameríndios e suas origens
Roteiro Primeiro povoadores ameríndios e suas origens
 
O que é cultura
O que é culturaO que é cultura
O que é cultura
 

Último

Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
sesiomzezao
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 

O espetáculo das raças antropologia brasileira

  • 1. O ESPETÁCULO DAS RAÇAS Cientistas, Instituições e Questão Racial no Brasil 1 870-1930 Lilia Moritz Schwarcz
  • 2. LILIA MORITZ SCHWARCZ Professora livre-docente no Depar tamento de Antropologia da Univer sidade de São Paulo (USP). Autora de As barbas do Imperador – D. Pedro II, um monarca nos trópicos (1998); O espetáculo das raças – cientistas, instituições e questão racial no Brasil do século XIX (1993) e Retrato em branco e negro – jornais, escravos e cidadãos em São Paulo de finais do século XIX (1987). Em 1997 organizou os livros Raça e diversidade, com Renato Queiroz, e Negras Imagens, com Letícia Vidor Reis (Edusp). É organizadora do volume 4 da História da Vida Privada no Brasil (Cia. das Letras).
  • 3. INTRODUÇÃO: O ESPETÁCULO DA MISCIGENAÇÃO  Em fins do século XIX - Brasil se apresenta como caso singular de miscigenação  1911- João Batista Lacerda (diretor Museu Nacional do RJ) participa do I Congresso Internacional das Raças em Londres.  Apresenta obra “Redenção de Cam”-1895,do artista Modesto Broccos
  • 4.  Cita alguns artistas e viajantes que estiveram no Brasil ao longo do século XIX e que descreviam em suas obras e cartas um país onde a miscigenação era o fator que justificava o “atraso” da nação. No contexto mundial, o Brasil começa a ser explicado pelo fator da mistura das raças.  Objetivo do livro: entender em que medida as teorias que priorizavam o tema racial para explicar os problemas locais tiveram sua relevância e as suas variações no Brasil, no período de 1870 a 1930  Décadas inicias de 1800 – as teorias raciais fizeram parte dos centros de pesquisa científica do país. Neste período há um crescimento e amadurecimento dos centros de ensino nacionais (museus etnográficos, faculdades de direito e medicina, institutos geográficos,etc )  Influência das teorias do darwinismo social e do evolucionismo social na constituição do pensamento racial brasileiro  Em cada lócus de cientificidade espalhados pelo Brasil havia diferentes modos de apreensão das teorias raciais, mas quais seriam essas formas de apropriação de tais idéias pelas instituições brasileiras sobre a questão racial,tão em voga naquele período?
  • 5. CAPÍTULO 1-ENTRE OS “HOMENS DE SCIENCIA” A V I N DA DA FA M Í L I A R E A L - O I N Í C I O DA H I S T Ó R I A DA S I N S T I T U I Ç Õ E S E D U C AC I O N A I S N O B R A S I L  1808 – chegada da Família Real, marca o início da história institucional local. Nesse período foram abertos os primeiros centros de caráter cultural no país  O processo de avanço no campo cultural e intelectual foi interrompida com a volta inesperada de D. João VI à Portugal. Mas em seguida foi retomada pelo seu filho D.Pedro, que buscou criar novas instituições com a Declaração de Independência  Exemplo disso foram as escolas de direito, criadas nesse período e em 1839 a fundação do primeiro Instituto Histórico e Geográfico, com sede no RJ, que tinha como tarefa “criar uma história para a nação, inventar uma memória para o país”
  • 6. A DÉCADA DE 70 – OU “UM BANDO DE IDÉIAS NOVAS”  A transferência do eixo econômico do país do nordeste para o sudeste por conta da atividade cafeeira, impulsionou a abertura de várias instituições científicas na região.  A autora cita as principais instituições abertas nesse período: no campo da saúde, do direito, da história e que voltavam seus interesses científicos em prol de um projeto de constituição de uma nação  Questão do perfil sócio-econômico desses novos intelectuais de difícil definição. Para alguns analistas, tais grupos originam-se da aristocracia agrária e o Estado Monárquico, outros identificam como pertencentes a novos segmentos urbanos, opostos a aristocracia rural  A autora sugere que seja levado em conta a sua atuação: “esses intelectuais da ciência, a despeito de sua origem social, procuravam legitimar ou respaldar cientificamente suas posições nas instituições do saber de que participavam e por meio delas.”
  • 7. NA ERA DA SCIENCIA  Século XIX era tomado como o “século da ciência” caracterizado pela fé cega e inocente nos diagnósticos científicos. “NO BRASIL RESPIRA -SE SCIENCIA”  D.Pedro – denominado de “mecenas da sciencia”  A ciência feita no Brasil não estava preocupada tanto com o avanço científico, mas com a cientificidade indiscriminada.  A tomada dos modelos cientificistas no contexto nacional por vezes revelava posturas impositivas sobre a população e o descompasso que se encontravam os objetivos da ciência e a compreensão por parte do povo. Exe: projeto de higienização que culminou na “Revolta da Vacina”
  • 8. “HOMENS DE SCIENCIA: A MISCIGENAÇÃO COMO TEMA”  Na década de 70, com alguns institutos de pesquisa já em funcionamento os grupos de intelectuais se consolidavam e, consumidores intensos da produção científica européia, passaram a reconhecer-se como “homens de sciencia”  Tendência dos intelectuais em adotar os modelos evolucionistas e social-darwinistas para o explicação de problemas práticos, de ordem social e política da condição brasileira sem a preocupação em entender o contexto que tais ideias surgiram, buscavam “adequá-las” ao caso brasileiro, desconsiderando os aspectos destoantes, como aqueles que se remetiam ao problema da miscigenação
  • 9. CAPÍTULO 2-UMA HISTÓRIA DE “DIFERENÇAS E DESIGUALDADES” - AS DOUTRINAS RACIAIS DO SÉCULO XIX  Balanço das diferentes teorias raciais produzidas durante o século XIX e as especifidades dos uso local  Teoria humanista de Rousseau foi importante para pensar na diversidade humana.  A partir da noção de perfectibilidade, capacidade dos homens de sempre se superarem não no sentido evolucionista de civilização abria espaço para se pensar numa “humanidade una mas diversa em seus caminhos”
  • 10. CONTEXTO INTELECTUAL DO SÉCULO XVIII: 2 PERSPECTIVAS  1-Visão humanista Rosseau Revolução Francesa naturalização da igualdade humana.  2-Visão naturalista Buf fon e DePaw diferenças básicas entre os homens.  Com a “Tese da Infantilidade do Continente” e a “Teoria da Degeneração Americana” a segunda perspectiva produzia uma imagem negativa da natureza do homem americano
  • 11. MONOGENISMO X POLIGENISMO  Século XIX  Século XIX  Maior parte dos  Interpretação biológica pensadores do comportamento  Origem única da humano humanidade  Contesta a visão  Etnologia monogenista da Igreja  Visão Humanista  Frenologia e  Criação de sociedades Antropometria etnológicas em  Antropologia Paris, Londres e Nova York  Aprimoramento
  • 12. ANTROPOLOGIA CULTURAL: A DESIGUALDADE EXPLICA A HIERARQUIA Constituía-se como disciplina sob a ótica evolucionista (Morgan, Tylor e Frazer) Civilização e progresso tomados como modelos universais Aspecto otimista, que via no progresso condição obrigatória para a humanidade
  • 13. O DARWINISMO SOCIAL: A HUMANIDADE CINDIDA Duas escolas importantes:  Determinismo geográfico – desenvolvimento de uma nação totalmente determinada pelo meio.  Determinismo racial – via de forma pessimista a miscigenação, como sinônimo de degeneração não só racial como social
  • 14. TEORIAS DA RAÇA E 3 PRESSUPOSTOS BÁSICOS:  Condenação ao cruzamento racial, pois havia uma distância biológica entre as raças;  Continuidade entre caracteres físicos e morais, ou seja, a divisão do mundo entre raças corresponderia à divisão de culturas;  Preponderância do grupo “racio-cultural” ou étnico no compor tamento do sujeito, conformando-se enquanto uma doutrina de psicologia coletiva, hostil à idéia do arbítrio do indivíduo Miscigenação como divisor de águas entre monogenistas e poligenistas. Para os últimos a mistura de raças teria consequências nefastas provocando um cer to abastardamento dessas populações