SlideShare uma empresa Scribd logo
Cenáculo : a
Geração de 70
e o Realismo
 Trabalho realizado por :
 Margarida Rodrigues, 11ºA, nº19
 Marlene Rodrigues , 11ºA, nº21
1858
                                                         Excesso de
                                                      sentimentalismo




Os            exageros           do
Romantismo,                 levaram
ideologicamente a um movimento          Poesias
                                                      Ultra-            Natureza triste e
que ficou conhecido como Ultra-
                                      enfadonhas
                                                   romantismo           melodramática

Romantismo .
•Nascia uma segunda geração
romântica, fortemente criticada não
só pela sua feição melancólica e
soturna mas também pela exaltação                     Vocabulário
literária em que as normas e ideias                rebuscado e pobre

preconizados pelo Romantismo
como o nacionalismo e a
sobrevalorização dos sentimentos
constituíram o exponencial máximo.
A geração de 70
                                         A geração de 70 veio arrancar a
                                        decadência literária e os hábitos velhos de
                                        um romantismo apagado. Constituiu uma
                                        profunda revolução cultural.
                                         Este movimento académico teve origem
                                        num grupo de estudantes intelectuais de
                                        Coimbra. Veio revolucionar várias dimensões
                                        da cultura portuguesa ;
                                        Na cidade universitária de Coimbra, Antero
                                        de Quental, Eça de Queiroz, Oliveira
                                        Martins,        entre     outros       jovens
                                        intelectuais,    reuniam-se    para     trocar
                                        ideias, livros e formas para restauração da
                                        vida política e cultural portuguesa, que
A capacidade crítica da geração de 70   estava a viver uma autêntica revolução com
fizeram-na os pilares da profunda       os     novos      meios    de     transportes
revolução cultural que conduziu ao      ferroviários, que traziam todos os dias
realismo.                               novidades          do        centro         da
                                        Europa, influenciando esta geração para as
                                        novas ideologias.
Realismo
                     Semeada a ‘semente’ da reforma, nasce uma
                     nova corrente o realismo, que se opõem
                     fortemente ao romantismo. Os escritores
                     interessam-se agora pelo mundo exterior, e
                     deixam de ser apenas o “eu”, ( esse eu
                     romântico, sentimental e subjectivo) e passam
                     a ser o “eu” social.
                     O verdadeiro precursor do realismo foi Antero
                     de Quental. Inerente ao realismo está o
                     naturalismo.
                     Podemos interpretar o realismo como sendo a
                     corrente que detecta os problemas e o
                     naturalismo quem se ocupa de os justificar. No
                     naturalismo destaca-se o positivismo ( a análise
O naturalismo é um
                     rigorosa dos factos e das suas causas) e o
prolongamento do     determinismo (a preocupação inerente à causa
     realismo.       dos fenómenos)
Questão-Coimbrã
O próprio inconformismo da geração de 70, ira-se manifestar muitas vezes, ficando
 conhecida principalmente a questão coimbrã. A questão coimbrã foi muito mais
 que um conflito. Com todas as reformas no país, o despoletar de novas correntes
 literárias a contestação dos jovens da geração de 70 levou à colisão de
 movimentos literários em 1865.
Isso aconteceu quando o Grande Castilho criticou os poemas de Antero e de
 Teófilo de Braga, em que ironizava e afirmava que não tinham valor nenhum.
 Antero, com irreverência e excesso, decide contestar o velho mestre, fez publicar
 uma carta-aberta a Castilho "Bom-senso e Bom-gosto", onde, exaltadamente, se
 insurge contra o desdém de Castilho relativamente à nova geração de poetas. E
 desencadeou assim uma polémica literária, que se prolongaria pelo ano de 1865 e
 levaria mesmo a um duelo à espada entre Antero e Ramalho Ortigão.
A famosa Questão Literária ou Questão de Coimbra, que durante mais de seis
 meses agitou o nosso pequeno mundo literário, foi o ponto de partida da actual
 evolução da literatura portuguesa.
“Acabo de ler um escripto
de v. ex.ª onde, a proposito
de faltas de bom-senso e de
bom-gosto, se falla com
aspera censura da chamada
eschola       litteraria   de
Coimbra, e entre dois nomes
illustres se cita o meu, quasi
desconhecido e sobre tudo
desambicioso (…)
  V.      ex.ª,      com    a
imparcialidade que todos lhe
conhecemos, deve confessar
“Todavia, quem pensa e sabe hoje na
Europa não é Portugal, não é
Lisboa, cuido eu: é Paris, é Londres, é
Berlim. Não é a nossa divertida
Academia das Sciencias, que
revolve, decompõe, classifica e explica o
mundo dos factos e das idêas. É o
Instituto de França, é a Academia
Scientifica de Berlim, são as escholas
de philosophia, de historia, de
mathematica, de physica, de
biologia, de todas as sciencias e de
todas as artes, em França, em
Este grupo passou a denominar-se de
              Cenáculo
Cenáculo
   É conhecido por ser o grupo formado por alguns escritores e
      intelectuais pertencentes à chamada geração de 1865,


 Reuniam-se em Lisboa, passados anos depois de estudarem em
Coimbra, para discutir livremente os assuntos que apaixonavam
essa juventude atenta ao movimento de ideias do seu tempo.
Tentava um pouco prolongar em Lisboa os tempos de Coimbra -
anos de apaixonante iniciação na cultura europeia, de fervor
revolucionário, de romanesca efervescência intelectual e sentimental.
A denominação do grupo como “Cenáculo” só aparece anos mais
tarde nos escritos de alguns membros, uma vez que, de acordo com
Batalha Reis, o grupo não teve consciência clara da sua existência
como tal.

As discussões do Cenáculo começaram na Travessa do Guarda-Mor,
onde Batalha Reis tinha um quarto alugado. Passaram depois para
S. Pedro de Alcântara e para a R. da Cruz de Pau, e acabaram por se
instalar numa casa da Rua dos Prazeres.
Das         discussões          no
Cenáculo, em que se aliavam a
literatura e a estroinice, tinham
saído de começo obras de pura
ficção, como as últimas Prosas
Bárbaras de Eça de Queirós.




A chegada de Antero
vem     disciplinar    as
leituras e os interesses
e dar um objectivo
mais preciso ao grupo.
A            inquietação
inconformista        deu
lugar à paixão por
Proudhon,            pela
Sociologia     e    pelas
questões metafísicas.
•J. Batalha Reis
                          •Eça de Queirós
• Alguns nomes            •Antero de Quental
  pertencentes            •Germano Vieira de
   ao Cenáculo            Meireles
                          •Salomão Sáraga
                          • Manuel de Arriaga

                 A estes juntaram-se,
                 passado algum tempo

                            •Ramalho Ortigão
                            •Guerra Junqueiro
Conferências do Casino
Seguem-se as        Visavam :
Conferências
do Casino que
mostram ainda        • abrir um debate sobre o que de mais
mais          a      moderno, a nível de pensamento, se vinha
vanguarda do         fazendo lá fora.
espírito             • aproximar Portugal da Europa era o objectivo
irreverente e        máximo, anunciado, aliás, no respectivo
combativo
destes jovens.       programa.
Podem             Das várias conferências previstas, só se realizaram
considerar-se     cinco, pois, a partir da sexta, as conferências foram
um manifesto      proibidas pelo governo, sob a alegação que elas
de     geração.   atacavam "a religião e as instituições políticas do
Tiveram como
impulsionador     Estado". Esta proibição levantou uma enorme onda de
Antero       de   protestos de novo dirigida por Antero de Quental. De
Quental. Este     qualquer       modo,      entre    os       intelectuais
é o ponto mais    portugueses, ficou o gérmen da modernidade do
alto        da    pensamento político, social, pedagógico e científico que
Geração     de    na França, na Alemanha e na Inglaterra se fazia
70.
                  sentir. Este espírito revolucionário e positivista
                  dominava a maioria da jovem classe pensante.
Conferências Realizadas

• 1ª "O Espírito das Conferências", 22 de
  Maio, por Antero de Quental;
•    2ª"Causas da Decadência dos Povos
  Peninsulares", 24 de Maio, por Antero de
  Quental;
•    3ª "Literatura Portuguesa", por Augusto
  Soromenho;
•    4ª"A Literatura Nova" ou "O Realismo
  como nova expressão da arte", por Eça de
  Queirós;
•    5ª "A Questão do Ensino", por Adolfo
  Coelho, a 19 de Junho.
Conferências do Casino

 A ideia destas palestras surgiu na casa
da Rua dos Prazeres, onde na época
reunia o Cenáculo. Antero e Batalha
Reis alugaram a sala do Casino
Lisbonense, situado no Largo da
Abegoaria, presentemente de Rafael
Bordalo Pinheiro. Foi no jornal
"Revolução de Setembro" que foi feita a
propaganda a estas Conferências. A 18
de Maio foi divulgado o manifesto, já
anteriormente        distribuído     em
prospectos, e que foi assinado pelos
doze nomes que tinham intenções
organizadoras     destas    Conferências
Democráticas.
Bibliografia
• http://sebentadigital.com/wp-
  content/uploads/2009/04/guia_estudo_ultra_realismo
  .pdf
• http://www.infopedia.pt/$ultra-romantismo
• http://bernardo-
  silvestre.blogspot.com/2011/03/geracao-de-70-e-
  questao-coimbra.html
• http://www.uefs.br/nep/labirintos/edicoes/02_2007/0
  9_artigo_de_filipe_alves_moreira.pdf
• http://www.infopedia.pt/$geracao-de-70
• http://www.notapositiva.com/trab_estudantes/trab_e
  studantes/portugues/11osmaias.htm

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os Maias Apresentação
Os Maias   Apresentação Os Maias   Apresentação
Os Maias Apresentação
joanana
 
Os maias a intriga
Os maias   a intrigaOs maias   a intriga
Os maias a intriga
margaridafelisberto
 
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptxO imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
CecliaGomes25
 
Os Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVIOs Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVI
Sara Leonardo
 
Resumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os MaiasResumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os Maias
Raffaella Ergün
 
Amor de perdição - 2ª G - 2011
Amor de perdição - 2ª G - 2011Amor de perdição - 2ª G - 2011
Amor de perdição - 2ª G - 2011
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Antero de Quental
Antero de QuentalAntero de Quental
Antero de Quental
010693
 
Síntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoaSíntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoa
lenaeira
 
Estoicismo em Ricardo Reis
Estoicismo em Ricardo ReisEstoicismo em Ricardo Reis
Estoicismo em Ricardo Reis
Eunice Carmo
 
Memorial Do Convento
Memorial Do ConventoMemorial Do Convento
Memorial Do Convento
ESVieira do Minho
 
. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
Helena Coutinho
 
Os maias personagens
Os maias personagensOs maias personagens
Os maias personagens
Fátima Teixeira Kika
 
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os MaiasA Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
mauro dinis
 
Jantar No Hotel Central - Os Maias
Jantar No Hotel Central - Os MaiasJantar No Hotel Central - Os Maias
Jantar No Hotel Central - Os Maias
mauro dinis
 
Os Maias estrutura
Os Maias estruturaOs Maias estrutura
Os Maias estrutura
CostaIdalina
 
Os Maias - Capítulo V
Os Maias - Capítulo VOs Maias - Capítulo V
Os Maias - Capítulo V
António Fernandes
 
Os Maias - análise
Os Maias - análiseOs Maias - análise
Os Maias - análise
António Fernandes
 
Análise do Jantar no Hotel Central
Análise do Jantar no Hotel CentralAnálise do Jantar no Hotel Central
Análise do Jantar no Hotel Central
Dina Baptista
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Lurdes Augusto
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Susana Simões
 

Mais procurados (20)

Os Maias Apresentação
Os Maias   Apresentação Os Maias   Apresentação
Os Maias Apresentação
 
Os maias a intriga
Os maias   a intrigaOs maias   a intriga
Os maias a intriga
 
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptxO imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
 
Os Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVIOs Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVI
 
Resumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os MaiasResumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os Maias
 
Amor de perdição - 2ª G - 2011
Amor de perdição - 2ª G - 2011Amor de perdição - 2ª G - 2011
Amor de perdição - 2ª G - 2011
 
Antero de Quental
Antero de QuentalAntero de Quental
Antero de Quental
 
Síntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoaSíntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoa
 
Estoicismo em Ricardo Reis
Estoicismo em Ricardo ReisEstoicismo em Ricardo Reis
Estoicismo em Ricardo Reis
 
Memorial Do Convento
Memorial Do ConventoMemorial Do Convento
Memorial Do Convento
 
. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
 
Os maias personagens
Os maias personagensOs maias personagens
Os maias personagens
 
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os MaiasA Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
 
Jantar No Hotel Central - Os Maias
Jantar No Hotel Central - Os MaiasJantar No Hotel Central - Os Maias
Jantar No Hotel Central - Os Maias
 
Os Maias estrutura
Os Maias estruturaOs Maias estrutura
Os Maias estrutura
 
Os Maias - Capítulo V
Os Maias - Capítulo VOs Maias - Capítulo V
Os Maias - Capítulo V
 
Os Maias - análise
Os Maias - análiseOs Maias - análise
Os Maias - análise
 
Análise do Jantar no Hotel Central
Análise do Jantar no Hotel CentralAnálise do Jantar no Hotel Central
Análise do Jantar no Hotel Central
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 

Destaque

A geração de 70
A geração de 70A geração de 70
A geração de 70
Margarida Tomaz
 
A geração de 70
A geração de 70A geração de 70
A geração de 70
Cainha18
 
Questão coimbrã
Questão coimbrãQuestão coimbrã
Questão coimbrã
CatarinaNeivas
 
O impulso da geração de 70
O impulso da geração de 70O impulso da geração de 70
O impulso da geração de 70
anateresagranja
 
Geração 70
Geração 70Geração 70
Geração 70
Maria Sousa
 
Os maias análise
Os maias análiseOs maias análise
Os maias análise
luiza1973
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
MissBlackBerryBush
 
Eça de Queiroz
Eça de QueirozEça de Queiroz
Eça de Queiroz
Flavio Maia Custodio
 
EçA De Queirós
EçA De QueirósEçA De Queirós
EçA De Queirós
Margarida Lachica
 
Eça de Queirós - Contexto Histórico [Realismo/Naturalismo]
Eça de Queirós - Contexto Histórico [Realismo/Naturalismo]Eça de Queirós - Contexto Histórico [Realismo/Naturalismo]
Eça de Queirós - Contexto Histórico [Realismo/Naturalismo]
Ruben Fonseca
 
Contextualização literária de "Os Maias"
Contextualização literária de "Os Maias"Contextualização literária de "Os Maias"
Contextualização literária de "Os Maias"
Rita Costa
 
Eça de Queirós
Eça de QueirósEça de Queirós
Eça de Queirós
Endl Félix Muriel
 
Eça de Queirós
Eça de QueirósEça de Queirós
Eça de Queirós
anitanaescola
 
Realismo x Naturalismo
Realismo x NaturalismoRealismo x Naturalismo
Realismo x Naturalismo
adenicio
 
Conferencista Internacional
Conferencista InternacionalConferencista Internacional
Nas mãos de Deus-Antero de Quental
Nas mãos de Deus-Antero de QuentalNas mãos de Deus-Antero de Quental
Nas mãos de Deus-Antero de Quental
jussara cavalcanti
 
Harana at senakulo
Harana at senakuloHarana at senakulo
Harana at senakuloS Marley
 
Questão coimbrã
Questão coimbrãQuestão coimbrã
Simpósio de missões
Simpósio de missõesSimpósio de missões
Simpósio de missões
Daniele Mendes
 

Destaque (20)

A geração de 70
A geração de 70A geração de 70
A geração de 70
 
A geração de 70
A geração de 70A geração de 70
A geração de 70
 
Questão coimbrã
Questão coimbrãQuestão coimbrã
Questão coimbrã
 
O impulso da geração de 70
O impulso da geração de 70O impulso da geração de 70
O impulso da geração de 70
 
Geração 70
Geração 70Geração 70
Geração 70
 
Os maias análise
Os maias análiseOs maias análise
Os maias análise
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
 
Eça de Queiroz
Eça de QueirozEça de Queiroz
Eça de Queiroz
 
EçA De Queirós
EçA De QueirósEçA De Queirós
EçA De Queirós
 
Eça de Queirós - Contexto Histórico [Realismo/Naturalismo]
Eça de Queirós - Contexto Histórico [Realismo/Naturalismo]Eça de Queirós - Contexto Histórico [Realismo/Naturalismo]
Eça de Queirós - Contexto Histórico [Realismo/Naturalismo]
 
Contextualização literária de "Os Maias"
Contextualização literária de "Os Maias"Contextualização literária de "Os Maias"
Contextualização literária de "Os Maias"
 
Eça de Queirós
Eça de QueirósEça de Queirós
Eça de Queirós
 
Eça de Queirós
Eça de QueirósEça de Queirós
Eça de Queirós
 
Realismo x Naturalismo
Realismo x NaturalismoRealismo x Naturalismo
Realismo x Naturalismo
 
Conferencista Internacional
Conferencista InternacionalConferencista Internacional
Conferencista Internacional
 
Nas mãos de Deus-Antero de Quental
Nas mãos de Deus-Antero de QuentalNas mãos de Deus-Antero de Quental
Nas mãos de Deus-Antero de Quental
 
Harana at senakulo
Harana at senakuloHarana at senakulo
Harana at senakulo
 
Questão coimbrã
Questão coimbrãQuestão coimbrã
Questão coimbrã
 
Simpósio de missões
Simpósio de missõesSimpósio de missões
Simpósio de missões
 

Semelhante a Cenáculo

O realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasilO realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
Jose Arnaldo Silva
 
Cultura em Portugal
Cultura em PortugalCultura em Portugal
Cultura em Portugal
nanasimao
 
Do Ultrarromantismo ao Realismo
Do Ultrarromantismo ao RealismoDo Ultrarromantismo ao Realismo
Do Ultrarromantismo ao Realismo
Lurdes Augusto
 
Ppt realismo (2)
Ppt realismo (2)Ppt realismo (2)
Ppt realismo (2)
Equipemundi2014
 
Realismo Português
Realismo PortuguêsRealismo Português
Realismo Português
Vitor Barreto
 
Realismo em Portugal
Realismo em Portugal Realismo em Portugal
Realismo em Portugal
Daniel Gonçalves
 
POESIA REALISTA PORTUGUESA
POESIA REALISTA PORTUGUESAPOESIA REALISTA PORTUGUESA
POESIA REALISTA PORTUGUESA
Italo Delavechia
 
Realismo x Romantismo
Realismo x RomantismoRealismo x Romantismo
Realismo x Romantismo
Amanda Rodrigues
 
Antero de Quental, sua vida e sua escrita
Antero de Quental, sua vida e sua escritaAntero de Quental, sua vida e sua escrita
Antero de Quental, sua vida e sua escrita
Paula Duarte
 
Sociedade e Cultura
Sociedade e CulturaSociedade e Cultura
Sociedade e Cultura
cattonia
 
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
Silmara Braz
 
Movimento Literário Realismo: Realismo, movimento literário compromissado em ...
Movimento Literário Realismo: Realismo, movimento literário compromissado em ...Movimento Literário Realismo: Realismo, movimento literário compromissado em ...
Movimento Literário Realismo: Realismo, movimento literário compromissado em ...
Dafne Beatriz Santos
 
Sarcasmo na Obra de Eça de Queirós
Sarcasmo na Obra de Eça de QueirósSarcasmo na Obra de Eça de Queirós
Sarcasmo na Obra de Eça de Queirós
AlunasEseimu
 
Introdução ao romantismo
Introdução ao romantismoIntrodução ao romantismo
Introdução ao romantismo
ma.no.el.ne.ves
 
2ª série - LP 19.pptx
2ª série - LP 19.pptx2ª série - LP 19.pptx
2ª série - LP 19.pptx
GoisTec
 
Movimento Literário Realismo: A diferença do comportamento humano conforme a ...
Movimento Literário Realismo: A diferença do comportamento humano conforme a ...Movimento Literário Realismo: A diferença do comportamento humano conforme a ...
Movimento Literário Realismo: A diferença do comportamento humano conforme a ...
Gabriel Alves
 
Movimento Literário Realismo -
Movimento Literário Realismo - Movimento Literário Realismo -
Movimento Literário Realismo -
Gabriel Alves
 
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
Lilian Lima
 
Apresentação sobre modernismo e pós modernismo
Apresentação sobre modernismo e pós modernismo Apresentação sobre modernismo e pós modernismo
Apresentação sobre modernismo e pós modernismo
MariaPiedadeSILVA
 
Terceira fase do modernismo no Brasil
Terceira fase do modernismo no BrasilTerceira fase do modernismo no Brasil
Terceira fase do modernismo no Brasil
Gusthavo Batista
 

Semelhante a Cenáculo (20)

O realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasilO realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
O realismo e o naturalismo em portugal e no brasil
 
Cultura em Portugal
Cultura em PortugalCultura em Portugal
Cultura em Portugal
 
Do Ultrarromantismo ao Realismo
Do Ultrarromantismo ao RealismoDo Ultrarromantismo ao Realismo
Do Ultrarromantismo ao Realismo
 
Ppt realismo (2)
Ppt realismo (2)Ppt realismo (2)
Ppt realismo (2)
 
Realismo Português
Realismo PortuguêsRealismo Português
Realismo Português
 
Realismo em Portugal
Realismo em Portugal Realismo em Portugal
Realismo em Portugal
 
POESIA REALISTA PORTUGUESA
POESIA REALISTA PORTUGUESAPOESIA REALISTA PORTUGUESA
POESIA REALISTA PORTUGUESA
 
Realismo x Romantismo
Realismo x RomantismoRealismo x Romantismo
Realismo x Romantismo
 
Antero de Quental, sua vida e sua escrita
Antero de Quental, sua vida e sua escritaAntero de Quental, sua vida e sua escrita
Antero de Quental, sua vida e sua escrita
 
Sociedade e Cultura
Sociedade e CulturaSociedade e Cultura
Sociedade e Cultura
 
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
 
Movimento Literário Realismo: Realismo, movimento literário compromissado em ...
Movimento Literário Realismo: Realismo, movimento literário compromissado em ...Movimento Literário Realismo: Realismo, movimento literário compromissado em ...
Movimento Literário Realismo: Realismo, movimento literário compromissado em ...
 
Sarcasmo na Obra de Eça de Queirós
Sarcasmo na Obra de Eça de QueirósSarcasmo na Obra de Eça de Queirós
Sarcasmo na Obra de Eça de Queirós
 
Introdução ao romantismo
Introdução ao romantismoIntrodução ao romantismo
Introdução ao romantismo
 
2ª série - LP 19.pptx
2ª série - LP 19.pptx2ª série - LP 19.pptx
2ª série - LP 19.pptx
 
Movimento Literário Realismo: A diferença do comportamento humano conforme a ...
Movimento Literário Realismo: A diferença do comportamento humano conforme a ...Movimento Literário Realismo: A diferença do comportamento humano conforme a ...
Movimento Literário Realismo: A diferença do comportamento humano conforme a ...
 
Movimento Literário Realismo -
Movimento Literário Realismo - Movimento Literário Realismo -
Movimento Literário Realismo -
 
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
 
Apresentação sobre modernismo e pós modernismo
Apresentação sobre modernismo e pós modernismo Apresentação sobre modernismo e pós modernismo
Apresentação sobre modernismo e pós modernismo
 
Terceira fase do modernismo no Brasil
Terceira fase do modernismo no BrasilTerceira fase do modernismo no Brasil
Terceira fase do modernismo no Brasil
 

Mais de Margarida Rodrigues

3D bioprinting
3D bioprinting3D bioprinting
3D bioprinting
Margarida Rodrigues
 
Microbial Production of 1,3-Propanediol
Microbial Production of 1,3-PropanediolMicrobial Production of 1,3-Propanediol
Microbial Production of 1,3-Propanediol
Margarida Rodrigues
 
DNA fingerprint
DNA fingerprintDNA fingerprint
DNA fingerprint
Margarida Rodrigues
 
Produção microbiana de óleos e gorduras
Produção microbiana de óleos e gordurasProdução microbiana de óleos e gorduras
Produção microbiana de óleos e gorduras
Margarida Rodrigues
 
Produção de óleos e gorduras via microbiana
Produção de óleos e gorduras via microbianaProdução de óleos e gorduras via microbiana
Produção de óleos e gorduras via microbiana
Margarida Rodrigues
 
Manipulação de DNA
Manipulação de DNAManipulação de DNA
Manipulação de DNA
Margarida Rodrigues
 
Doenças auto-imunes
Doenças auto-imunes Doenças auto-imunes
Doenças auto-imunes
Margarida Rodrigues
 
Educação Física
Educação FísicaEducação Física
Educação Física
Margarida Rodrigues
 
Os Lusíadas
Os Lusíadas Os Lusíadas
Os Lusíadas
Margarida Rodrigues
 
Fernando Pessoa e heterónimos
Fernando Pessoa e heterónimosFernando Pessoa e heterónimos
Fernando Pessoa e heterónimos
Margarida Rodrigues
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Margarida Rodrigues
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
Margarida Rodrigues
 
combustíveis fosséis
combustíveis fosséiscombustíveis fosséis
combustíveis fosséis
Margarida Rodrigues
 
Ciência com consciencia
Ciência com conscienciaCiência com consciencia
Ciência com consciencia
Margarida Rodrigues
 
Conceito de base
Conceito de baseConceito de base
Conceito de base
Margarida Rodrigues
 
Processo de haber
Processo de haberProcesso de haber
Processo de haber
Margarida Rodrigues
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
Margarida Rodrigues
 
Gymmmm
GymmmmGymmmm
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
Margarida Rodrigues
 
Camoes
CamoesCamoes

Mais de Margarida Rodrigues (20)

3D bioprinting
3D bioprinting3D bioprinting
3D bioprinting
 
Microbial Production of 1,3-Propanediol
Microbial Production of 1,3-PropanediolMicrobial Production of 1,3-Propanediol
Microbial Production of 1,3-Propanediol
 
DNA fingerprint
DNA fingerprintDNA fingerprint
DNA fingerprint
 
Produção microbiana de óleos e gorduras
Produção microbiana de óleos e gordurasProdução microbiana de óleos e gorduras
Produção microbiana de óleos e gorduras
 
Produção de óleos e gorduras via microbiana
Produção de óleos e gorduras via microbianaProdução de óleos e gorduras via microbiana
Produção de óleos e gorduras via microbiana
 
Manipulação de DNA
Manipulação de DNAManipulação de DNA
Manipulação de DNA
 
Doenças auto-imunes
Doenças auto-imunes Doenças auto-imunes
Doenças auto-imunes
 
Educação Física
Educação FísicaEducação Física
Educação Física
 
Os Lusíadas
Os Lusíadas Os Lusíadas
Os Lusíadas
 
Fernando Pessoa e heterónimos
Fernando Pessoa e heterónimosFernando Pessoa e heterónimos
Fernando Pessoa e heterónimos
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando Pessoa
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
 
combustíveis fosséis
combustíveis fosséiscombustíveis fosséis
combustíveis fosséis
 
Ciência com consciencia
Ciência com conscienciaCiência com consciencia
Ciência com consciencia
 
Conceito de base
Conceito de baseConceito de base
Conceito de base
 
Processo de haber
Processo de haberProcesso de haber
Processo de haber
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Gymmmm
GymmmmGymmmm
Gymmmm
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Camoes
CamoesCamoes
Camoes
 

Cenáculo

  • 1. Cenáculo : a Geração de 70 e o Realismo Trabalho realizado por : Margarida Rodrigues, 11ºA, nº19 Marlene Rodrigues , 11ºA, nº21
  • 2. 1858 Excesso de sentimentalismo Os exageros do Romantismo, levaram ideologicamente a um movimento Poesias Ultra- Natureza triste e que ficou conhecido como Ultra- enfadonhas romantismo melodramática Romantismo . •Nascia uma segunda geração romântica, fortemente criticada não só pela sua feição melancólica e soturna mas também pela exaltação Vocabulário literária em que as normas e ideias rebuscado e pobre preconizados pelo Romantismo como o nacionalismo e a sobrevalorização dos sentimentos constituíram o exponencial máximo.
  • 3. A geração de 70  A geração de 70 veio arrancar a decadência literária e os hábitos velhos de um romantismo apagado. Constituiu uma profunda revolução cultural.  Este movimento académico teve origem num grupo de estudantes intelectuais de Coimbra. Veio revolucionar várias dimensões da cultura portuguesa ; Na cidade universitária de Coimbra, Antero de Quental, Eça de Queiroz, Oliveira Martins, entre outros jovens intelectuais, reuniam-se para trocar ideias, livros e formas para restauração da vida política e cultural portuguesa, que A capacidade crítica da geração de 70 estava a viver uma autêntica revolução com fizeram-na os pilares da profunda os novos meios de transportes revolução cultural que conduziu ao ferroviários, que traziam todos os dias realismo. novidades do centro da Europa, influenciando esta geração para as novas ideologias.
  • 4. Realismo Semeada a ‘semente’ da reforma, nasce uma nova corrente o realismo, que se opõem fortemente ao romantismo. Os escritores interessam-se agora pelo mundo exterior, e deixam de ser apenas o “eu”, ( esse eu romântico, sentimental e subjectivo) e passam a ser o “eu” social. O verdadeiro precursor do realismo foi Antero de Quental. Inerente ao realismo está o naturalismo. Podemos interpretar o realismo como sendo a corrente que detecta os problemas e o naturalismo quem se ocupa de os justificar. No naturalismo destaca-se o positivismo ( a análise O naturalismo é um rigorosa dos factos e das suas causas) e o prolongamento do determinismo (a preocupação inerente à causa realismo. dos fenómenos)
  • 5. Questão-Coimbrã O próprio inconformismo da geração de 70, ira-se manifestar muitas vezes, ficando conhecida principalmente a questão coimbrã. A questão coimbrã foi muito mais que um conflito. Com todas as reformas no país, o despoletar de novas correntes literárias a contestação dos jovens da geração de 70 levou à colisão de movimentos literários em 1865. Isso aconteceu quando o Grande Castilho criticou os poemas de Antero e de Teófilo de Braga, em que ironizava e afirmava que não tinham valor nenhum. Antero, com irreverência e excesso, decide contestar o velho mestre, fez publicar uma carta-aberta a Castilho "Bom-senso e Bom-gosto", onde, exaltadamente, se insurge contra o desdém de Castilho relativamente à nova geração de poetas. E desencadeou assim uma polémica literária, que se prolongaria pelo ano de 1865 e levaria mesmo a um duelo à espada entre Antero e Ramalho Ortigão. A famosa Questão Literária ou Questão de Coimbra, que durante mais de seis meses agitou o nosso pequeno mundo literário, foi o ponto de partida da actual evolução da literatura portuguesa.
  • 6. “Acabo de ler um escripto de v. ex.ª onde, a proposito de faltas de bom-senso e de bom-gosto, se falla com aspera censura da chamada eschola litteraria de Coimbra, e entre dois nomes illustres se cita o meu, quasi desconhecido e sobre tudo desambicioso (…) V. ex.ª, com a imparcialidade que todos lhe conhecemos, deve confessar
  • 7. “Todavia, quem pensa e sabe hoje na Europa não é Portugal, não é Lisboa, cuido eu: é Paris, é Londres, é Berlim. Não é a nossa divertida Academia das Sciencias, que revolve, decompõe, classifica e explica o mundo dos factos e das idêas. É o Instituto de França, é a Academia Scientifica de Berlim, são as escholas de philosophia, de historia, de mathematica, de physica, de biologia, de todas as sciencias e de todas as artes, em França, em
  • 8. Este grupo passou a denominar-se de Cenáculo
  • 9. Cenáculo É conhecido por ser o grupo formado por alguns escritores e intelectuais pertencentes à chamada geração de 1865, Reuniam-se em Lisboa, passados anos depois de estudarem em Coimbra, para discutir livremente os assuntos que apaixonavam essa juventude atenta ao movimento de ideias do seu tempo. Tentava um pouco prolongar em Lisboa os tempos de Coimbra - anos de apaixonante iniciação na cultura europeia, de fervor revolucionário, de romanesca efervescência intelectual e sentimental. A denominação do grupo como “Cenáculo” só aparece anos mais tarde nos escritos de alguns membros, uma vez que, de acordo com Batalha Reis, o grupo não teve consciência clara da sua existência como tal. As discussões do Cenáculo começaram na Travessa do Guarda-Mor, onde Batalha Reis tinha um quarto alugado. Passaram depois para S. Pedro de Alcântara e para a R. da Cruz de Pau, e acabaram por se instalar numa casa da Rua dos Prazeres.
  • 10. Das discussões no Cenáculo, em que se aliavam a literatura e a estroinice, tinham saído de começo obras de pura ficção, como as últimas Prosas Bárbaras de Eça de Queirós. A chegada de Antero vem disciplinar as leituras e os interesses e dar um objectivo mais preciso ao grupo. A inquietação inconformista deu lugar à paixão por Proudhon, pela Sociologia e pelas questões metafísicas.
  • 11. •J. Batalha Reis •Eça de Queirós • Alguns nomes •Antero de Quental pertencentes •Germano Vieira de ao Cenáculo Meireles •Salomão Sáraga • Manuel de Arriaga A estes juntaram-se, passado algum tempo •Ramalho Ortigão •Guerra Junqueiro
  • 12. Conferências do Casino Seguem-se as Visavam : Conferências do Casino que mostram ainda • abrir um debate sobre o que de mais mais a moderno, a nível de pensamento, se vinha vanguarda do fazendo lá fora. espírito • aproximar Portugal da Europa era o objectivo irreverente e máximo, anunciado, aliás, no respectivo combativo destes jovens. programa. Podem Das várias conferências previstas, só se realizaram considerar-se cinco, pois, a partir da sexta, as conferências foram um manifesto proibidas pelo governo, sob a alegação que elas de geração. atacavam "a religião e as instituições políticas do Tiveram como impulsionador Estado". Esta proibição levantou uma enorme onda de Antero de protestos de novo dirigida por Antero de Quental. De Quental. Este qualquer modo, entre os intelectuais é o ponto mais portugueses, ficou o gérmen da modernidade do alto da pensamento político, social, pedagógico e científico que Geração de na França, na Alemanha e na Inglaterra se fazia 70. sentir. Este espírito revolucionário e positivista dominava a maioria da jovem classe pensante.
  • 13. Conferências Realizadas • 1ª "O Espírito das Conferências", 22 de Maio, por Antero de Quental; • 2ª"Causas da Decadência dos Povos Peninsulares", 24 de Maio, por Antero de Quental; • 3ª "Literatura Portuguesa", por Augusto Soromenho; • 4ª"A Literatura Nova" ou "O Realismo como nova expressão da arte", por Eça de Queirós; • 5ª "A Questão do Ensino", por Adolfo Coelho, a 19 de Junho.
  • 14. Conferências do Casino A ideia destas palestras surgiu na casa da Rua dos Prazeres, onde na época reunia o Cenáculo. Antero e Batalha Reis alugaram a sala do Casino Lisbonense, situado no Largo da Abegoaria, presentemente de Rafael Bordalo Pinheiro. Foi no jornal "Revolução de Setembro" que foi feita a propaganda a estas Conferências. A 18 de Maio foi divulgado o manifesto, já anteriormente distribuído em prospectos, e que foi assinado pelos doze nomes que tinham intenções organizadoras destas Conferências Democráticas.
  • 15. Bibliografia • http://sebentadigital.com/wp- content/uploads/2009/04/guia_estudo_ultra_realismo .pdf • http://www.infopedia.pt/$ultra-romantismo • http://bernardo- silvestre.blogspot.com/2011/03/geracao-de-70-e- questao-coimbra.html • http://www.uefs.br/nep/labirintos/edicoes/02_2007/0 9_artigo_de_filipe_alves_moreira.pdf • http://www.infopedia.pt/$geracao-de-70 • http://www.notapositiva.com/trab_estudantes/trab_e studantes/portugues/11osmaias.htm