SlideShare uma empresa Scribd logo
Profº Eduardo Alves dos Reis
Estatística? O que é?
 Um conjunto de métodos utilizados para se analisar
dados;
 A estatística é uma ciência exata que atua na coleta de
dados, na sua organização, na visualização para ajudar
na solução de problemas.
Resumindo:
 qualquer coleta de dados quantitativos.
Profº Eduardo Alves dos Reis
No dia a dia, você, professor faz
uso de Estatística?
 Faz coleta de dados?
 Analisa informações?
Profº Eduardo Alves dos Reis
E isso? o que é?
Diário de Classe – TURMA – A
NOME
FREQUÊNCIA NOTAS
01 02 03 04 1ª NOTA 2ª NOTA 3ª NOTA 4ª NOTA MÉDIA
Abelina de Jesus P P F F 7,0 6 5 4 5,5
Belmiro dos Santos P P P P 8,0 9 9 9 8,75
Carlota da Silva F F F P 0 2 3 6 2,75
Durvalina Oliveira P P P P 5 6 4 5 5
Edvaldo Almeida P P P P 9 10 9 9 9,25
Fabrício de Deus P F P P 5 6 4 3 4,5
Gilberto Paturi P P P F 4 3 5 4 4
Humberto Tanuri F F P P 2 4 5 3 3,5
Isla Batista P P P P 3 4 5 3 3,75
João Gualberto P P P P 7 6 5 5 5,75
Profº Eduardo Alves dos Reis
Num primeiro momento o que
podemos ver nesse diário?
Diário de Classe – TURMA – A
NOME
FREQUÊNCIA NOTAS
01 02 03 04 1ª NOTA 2ª NOTA 3ª NOTA 4ª NOTA MÉDIA
Abelina de Jesus P P F F 7,0 6 5 4 5,5
Belmiro dos Santos P P P P 8,0 9 9 9 8,75
Carlota da Silva F F F P 0 2 3 6 2,75
Durvalina Oliveira P P P P 5 6 4 5 5
Edvaldo Almeida P P P P 9 10 9 9 9,25
Fabrício de Deus P F P P 5 6 4 3 4,5
Gilberto Paturi P P P F 4 3 5 4 4
Humberto Tanuri F F P P 2 4 5 3 3,5
Isla Batista P P P P 3 4 5 3 3,75
João Gualberto P P P P 7 6 5 5 5,75
Profº Eduardo Alves dos Reis
E agora?
Diário de Classe – TURMA – A – LÍNGUA PORTUGUESA
NOME
FREQUÊNCIA NOTAS
01 02 03 04 1ª NOTA 2ª NOTA 3ª NOTA 4ª NOTA MÉDIA
Abelina de Jesus P P F F 7,0 6 5 4 5,5
Belmiro dos Santos P P P P 8,0 9 9 9 8,75
Carlota da Silva F F F P 0 2 3 6 2,75
Durvalina Oliveira P P P P 5 6 4 5 5
Edvaldo Almeida P P P P 9 10 9 9 9,25
Fabrício de Deus P F P P 5 6 4 3 4,5
Gilberto Paturi P P P F 4 3 5 4 4
Humberto Tanuri F F P P 2 4 5 3 3,5
Isla Batista P P P P 3 4 5 3 3,75
João Gualberto P P P P 7 6 5 5 5,75
80% de reprovação
Profº Eduardo Alves dos Reis
E agora?
Diário de Classe – TURMA – A – LÍNGUA PORTUGUESA
NOME
FREQUÊNCIA NOTAS
01 02 03 04 1ª NOTA 2ª NOTA 3ª NOTA 4ª NOTA MÉDIA
Abelina de Jesus P P F F 7,0 6 5 4 5,5
Belmiro dos Santos P P P P 8,0 9 9 9 8,75
Carlota da Silva F F F P 0 2 3 6 2,75
Durvalina Oliveira P P P P 5 6 4 5 5
Edvaldo Almeida P P P P 9 10 9 9 9,25
Fabrício de Deus P F P P 5 6 4 3 4,5
Gilberto Paturi P P P F 4 3 5 4 4
Humberto Tanuri F F P P 2 4 5 3 3,5
Isla Batista P P P P 3 4 5 3 3,75
João Gualberto P P P P 7 6 5 5 5,75
Dos alunos com notas baixas 50% tem
faltas. É importante considerar isso?
Profº Eduardo Alves dos Reis
O que podemos considerar a partir
da análise de um Diário Escolar?
 Se 10 a 20% dos alunos tem nota inferior à média
escolar?
 Se só 10 a 20% dos alunos são aprovados por média?
Profº Eduardo Alves dos Reis
Se 10 a 20% dos alunos tem nota
inferior à média escolar?
 O que podemos considerar como origem do problema?
 Dificuldades individuais de aprendizagem: Deficiência
Intelectual, Deficiência Visual ou Auditiva e/ou outros
problemas que dificultam a aprendizagem (dislexia,
disfasia e disgrafia);
 Problemas familiares: maus tratos, abusos, etc.
 Alimentação inadequada: fome, subnutrição e outros.
 Problemas de saúde: doenças, verminoses e outros.
 Problemas de convívio social: bullying, preconceito,
entre outros.
Profº Eduardo Alves dos Reis
É preciso muito cuidado com os
alunos que apresentam
dificuldades de aprendizagem.
Profº Eduardo Alves dos Reis
Se só 10 a 20% dos alunos são
aprovados por média?
 O que considerar como origem do problema?
 Dificuldade dos alunos à metodologia utilizada pelo
professor;
 Dificuldade dos alunos ante o assunto apresentado.
 Fatores externos: barulho, e/ou outras atividades que
desviem a atenção dos alunos.
Profº Eduardo Alves dos Reis
O que foi possível constatar?
 Diariamente, o professor faz uso da Estatística;
 Diariamente, faz análise de dados;
 Pode, a partir da análise de dados, encontrar soluções
para problemas;
Profº Eduardo Alves dos Reis
A História da Estatística
 A origem da palavra Estatística está associada à palavra
latina STATUS (Estado).
 Há indícios de que 3000 anos A.C. já se faziam censos
na Babilônia, China e Egito e até mesmo o 4º. livro do
Velho Testamento faz referência à uma instrução dada
a Moisés, para que fizesse um levantamento dos
homens de Israel que estivessem aptos para guerrear.
Profº Eduardo Alves dos Reis
A História da Estatística
 Em 1085, Guilherme, O Conquistador, solicitou um
levantamento estatístico da Inglaterra, que deveria
conter informações sobre terras, proprietários, uso da
terra, empregados e animais. Os resultados deste
Censo foram publicados em 1086 no livro intitulado
"Domesday Book" e serviram de base para o cálculo de
impostos.
Profº Eduardo Alves dos Reis
A História da Estatística
 Contudo, mesmo que a prática de coletar dados sobre
colheitas, composição da população humana ou de
animais, impostos, etc., fosse conhecida pelos egípcios,
hebreus, caldeus e gregos, e se atribuam a Aristóteles
cento e oitenta descrições de Estados, apenas no século
XVII a Estatística passou a ser considerada disciplina
autônoma, tendo como objetivo básico a descrição dos
BENS do Estado.
Profº Eduardo Alves dos Reis
E a Estatística Moderna onde está?
 Nas mais diversas áreas, entre elas:
agricultura, biologia, comércio, química,
comunicações, economia, educação, medicina,
ciências políticas.
Profº Eduardo Alves dos Reis
Roteiro da Estatística
 Coleta de dados;
 Organização;
 Resumo;
 Apresentação;
 E análise.
Profº Eduardo Alves dos Reis
Qual o objetivo da Estatística?
 A obtenção de conclusões válidas;
 Auxiliar na tomada de decisões razoáveis baseadas em
tais análises.
Profº Eduardo Alves dos Reis
A Estatística pode ser dividida em:
 Estatística Descritiva:
Trabalha com organização e apresentação de dados.
 Estatística Indutiva:
Trabalha com análise e interpretação de dados.
Elas se inter-relacionam.
Profº Eduardo Alves dos Reis
Para podermos trabalhar com Estatística
precisamos conhecer o que é:
 Dados: são as informações coletadas. Ex: faixa etária
dos alunos, notas, frequência e/ou quaisquer outras
informações importantes para o resultado pretendido.
 População: é o todo, ou seja, é o conjunto de todos os
elementos que tem uma característica em comum. Ex:
a turma A de Pedagogia de Ourolândia.
Profº Eduardo Alves dos Reis
Para trabalhar com Estatística precisamos
conhecer o que é:
 Amostra: É um subconjunto da população que terá a
função de representar o todo. Ex: uma pesquisa com 10
alunos de cada turma de Pedagogia de Ourolândia. As
pesquisas políticas e do IBOPE são feitas por
amostragem, ou seja, fazem pesquisas com uma parte
da população, para então, representar o todo.
Profº Eduardo Alves dos Reis
É importante saber que
 A fase de coleta de dados é uma parte importante nesse
processo, pois, se a amostra não contiver informações
adequadas, todo o tratamento estatístico realizado
posteriormente não trará informações conclusivas
sobre a população sob investigação ou estudo. Além
disso, podem-se tomar decisões erradas quando a
amostra não é adequada.
Profº Eduardo Alves dos Reis
Para isso precisamos saber que:
Existem dois tipos de amostra:
 Amostra representativa: caracteriza bem a população em
estudo. Ex: Fazer pesquisa nas escolas do campo. Em
comunidades quilombolas, ou a determinado grupo.
 Neste tipo de amostra será identificado traços daquele
grupo, não podendo aplicar soluções para qualquer outro
grupo.
Profº Eduardo Alves dos Reis
Para isso precisamos saber que:
Existem dois tipos de amostra:
 Amostragem aleatória ou casual simples: É o método mais simples de
obter uma amostra, todos os elementos da população têm a mesma
chance de serem escolhidos. Um dos procedimentos para realizar esse
tipo de amostragem é enumerar cada indivíduo ou objeto da população
e, através de sorteio de números, escolher os indivíduos ou objetos que
formarão a amostra.
 Ex: Uma pesquisa de satisfação de serviço de determinada empresa
numa cidade. No bairro A já foi plenamente atendido pela empresa. No
bairro B, a empresa não terminou o serviço ou fez de qualidade inferior.
Profº Eduardo Alves dos Reis
Variável, o que é?
 Característica dos elementos de uma população ou de
uma amostra, que pode assumir diferentes valores,
sejam numéricos ou não numéricos, e que sejam
interessantes ao estudo.
Profº Eduardo Alves dos Reis
A variável pode ser:
Variável qualitativa Variável Quantitativa
Não pode ser medida numericamente.
Ex: cor dos olhos, Cor dos cabelos, marca de bebida
Pode ser medida numericamente
Ex: peso, altura, número de faltas de cada aluno, número de gols em
cada jogo, etc.
Ordinal: Nominais: Discretas Contínua
Tem uma relação entre
eles.
Ex. Colocação -1º lugar, 2º
lugar, 3º lugar
Conceito: ótimo, bom,
regular e péssimo
São identificados por um nome.
Ex. Cor dos olhos – azul, castanho,
preta e verde
Marcas de carro – Fiat, Chevrolet,
Ford, etc
O valor muda em saltos ou
passos, não admitindo valores
intermediários entre cada salto
ou passo.
Ex. -número de carros vendidos:
O, 1, 2, 3, 4, 5, ...
-número de filhos dos casais:0,
1, 2 ,3 ,4, 5,
Admite infinitos valores dentro de
um intervalo.
EX. -altura das pessoas: 1,48m,
1,52m, 1,65m, 1,70m, 1 ,83m, etc.
-Peso dos recém-nascidos: 2,8kg,
3,0 kg, 3,2kg, 3,5kg, etc.
Profº Eduardo Alves dos Reis
Profº Eduardo Alves dos Reis
Como construir uma Tabela de
Estatística
1) O título da tabela: Ex.:
Conceito da amostra de alunos das turmas A, B e C do 6º
ano das escolas públicas de Ourolândia
IESI - 2013
Profº Eduardo Alves dos Reis
Como construir uma Tabela de
Estatística
1) A tabela: Ex.:
Conceito da amostra de alunos das turmas A, B e C do 6º ano das escolas
públicas de Ourolândia
IESI – 2013
CONCEITO QUANTIDADE
A
B
C
D
E
TOTAL
Profº Eduardo Alves dos Reis
Como construir uma Tabela de
Estatística
1) A tabela: Ex.:
Conceito da amostra de alunos das turmas A, B e C do 6º ano das escolas
públicas de Ourolândia
IESI – 2013
CONCEITO QUANTIDADE
A 05
B 10
C 10
D 05
E 00
TOTAL 30
Profº Eduardo Alves dos Reis
Como construir uma Tabela de
Estatística
1) A pode se acrescentar o percentual: Ex.:
Conceito da amostra de alunos das turmas A, B e C do 6º ano das escolas
públicas de Ourolândia
IESI – 2013
CONCEITO QUANTIDADE %
A 05 17
B 10 33
C 10 33
D 05 17
E 00 00
TOTAL 30 100
Profº Eduardo Alves dos Reis
Como fazer o cálculo do
percentual?
Existem duas maneiras práticas:
1. (5/30) . 100= 5/30= 0,1666 . 100= 17
2. O outro modo é considerar o total:
Ou seja: 30 = 100%, então divide-se 100 por 30, e
encontramos o valor de 1%. Agora ficou fácil, não foi?
O valor encontrado é 3.3333 que equivale a 1%.
Multiplica-se esse valor por 5, e encontramos o valor de
16,66666 = 17
Profº Eduardo Alves dos Reis
REFERÊNCIAS
 http://www.ufrgs.br/mat/graduacao/estatistica/histori
a-da-estatistica
Profº Eduardo Alves dos Reis

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estatística
EstatísticaEstatística
Estatística
giselesilvaramos
 
Apresentação da Dissertação de Mestrado
Apresentação da Dissertação de MestradoApresentação da Dissertação de Mestrado
Apresentação da Dissertação de Mestrado
giselle_trajano
 
Estudo Orientado
Estudo OrientadoEstudo Orientado
Estudo Orientado
Prof.Paulo/geografia
 
Conceitos Básicos de Estatística I
Conceitos Básicos de Estatística IConceitos Básicos de Estatística I
Conceitos Básicos de Estatística I
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Estatistica introdução
Estatistica introduçãoEstatistica introdução
Estatistica introdução
Leonardo Ferreira
 
Resenha crítica modelo
Resenha crítica   modeloResenha crítica   modelo
Resenha crítica modelo
taise_paz
 
Como Elaborar Um Projeto De Pesquisa
Como Elaborar Um Projeto De PesquisaComo Elaborar Um Projeto De Pesquisa
Como Elaborar Um Projeto De Pesquisa
mauricio aquino
 
Ficha de avaliação de seminário
Ficha de avaliação de seminárioFicha de avaliação de seminário
Ficha de avaliação de seminário
Roberto Rorras Moura
 
Sugestões de temas para o pré projeto
  Sugestões de temas para o pré projeto  Sugestões de temas para o pré projeto
Sugestões de temas para o pré projeto
Wellington Alves
 
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃOINSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
Edlauva Santos
 
Avaliação Escolar - Texto de Libâneo (1994)
Avaliação Escolar - Texto de Libâneo (1994)Avaliação Escolar - Texto de Libâneo (1994)
Avaliação Escolar - Texto de Libâneo (1994)
Mario Amorim
 
Análise de Dados
Análise de DadosAnálise de Dados
Análise de Dados
Lucila Pesce
 
A matemática nas séries iniciais do ensino fundamental: reflexões teóricas e ...
A matemática nas séries iniciais do ensino fundamental: reflexões teóricas e ...A matemática nas séries iniciais do ensino fundamental: reflexões teóricas e ...
A matemática nas séries iniciais do ensino fundamental: reflexões teóricas e ...
Ilydio Pereira de Sa
 
HISTÓRIA DA MATEMÁTICA
HISTÓRIA DA MATEMÁTICAHISTÓRIA DA MATEMÁTICA
HISTÓRIA DA MATEMÁTICA
gilmar_adv
 
Operações básicas da matemática
Operações básicas da matemáticaOperações básicas da matemática
Operações básicas da matemática
Ediclei Oliveira
 
Introdução à Metodologia
Introdução à MetodologiaIntrodução à Metodologia
Introdução à Metodologia
Universidade Federal do Oeste Pará
 
Números.reais.introdução
Números.reais.introduçãoNúmeros.reais.introdução
Números.reais.introdução
Filipa Guerreiro
 
Histograma
HistogramaHistograma
Histograma
Jessica Fonseca
 
Normas Abnt
Normas AbntNormas Abnt
Normas Abnt
verafurlan
 
Exemplo. plano de aula
Exemplo. plano de aulaExemplo. plano de aula
Exemplo. plano de aula
Bárbara Caldeira
 

Mais procurados (20)

Estatística
EstatísticaEstatística
Estatística
 
Apresentação da Dissertação de Mestrado
Apresentação da Dissertação de MestradoApresentação da Dissertação de Mestrado
Apresentação da Dissertação de Mestrado
 
Estudo Orientado
Estudo OrientadoEstudo Orientado
Estudo Orientado
 
Conceitos Básicos de Estatística I
Conceitos Básicos de Estatística IConceitos Básicos de Estatística I
Conceitos Básicos de Estatística I
 
Estatistica introdução
Estatistica introduçãoEstatistica introdução
Estatistica introdução
 
Resenha crítica modelo
Resenha crítica   modeloResenha crítica   modelo
Resenha crítica modelo
 
Como Elaborar Um Projeto De Pesquisa
Como Elaborar Um Projeto De PesquisaComo Elaborar Um Projeto De Pesquisa
Como Elaborar Um Projeto De Pesquisa
 
Ficha de avaliação de seminário
Ficha de avaliação de seminárioFicha de avaliação de seminário
Ficha de avaliação de seminário
 
Sugestões de temas para o pré projeto
  Sugestões de temas para o pré projeto  Sugestões de temas para o pré projeto
Sugestões de temas para o pré projeto
 
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃOINSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
 
Avaliação Escolar - Texto de Libâneo (1994)
Avaliação Escolar - Texto de Libâneo (1994)Avaliação Escolar - Texto de Libâneo (1994)
Avaliação Escolar - Texto de Libâneo (1994)
 
Análise de Dados
Análise de DadosAnálise de Dados
Análise de Dados
 
A matemática nas séries iniciais do ensino fundamental: reflexões teóricas e ...
A matemática nas séries iniciais do ensino fundamental: reflexões teóricas e ...A matemática nas séries iniciais do ensino fundamental: reflexões teóricas e ...
A matemática nas séries iniciais do ensino fundamental: reflexões teóricas e ...
 
HISTÓRIA DA MATEMÁTICA
HISTÓRIA DA MATEMÁTICAHISTÓRIA DA MATEMÁTICA
HISTÓRIA DA MATEMÁTICA
 
Operações básicas da matemática
Operações básicas da matemáticaOperações básicas da matemática
Operações básicas da matemática
 
Introdução à Metodologia
Introdução à MetodologiaIntrodução à Metodologia
Introdução à Metodologia
 
Números.reais.introdução
Números.reais.introduçãoNúmeros.reais.introdução
Números.reais.introdução
 
Histograma
HistogramaHistograma
Histograma
 
Normas Abnt
Normas AbntNormas Abnt
Normas Abnt
 
Exemplo. plano de aula
Exemplo. plano de aulaExemplo. plano de aula
Exemplo. plano de aula
 

Destaque

Estatística
EstatísticaEstatística
Estatística
Sonia Azevedo
 
Slides Estatística
Slides EstatísticaSlides Estatística
Slides Estatística
giselesilvaramos
 
Nocoes basicas de estatistica
Nocoes basicas de estatistica Nocoes basicas de estatistica
Nocoes basicas de estatistica
Helena Borralho
 
Termos e conceitos estatísticos
Termos e conceitos estatísticosTermos e conceitos estatísticos
Termos e conceitos estatísticos
Helena Borralho
 
Estatistica aplicada exercicios resolvidos manual tecnico formando
Estatistica aplicada exercicios resolvidos manual tecnico formandoEstatistica aplicada exercicios resolvidos manual tecnico formando
Estatistica aplicada exercicios resolvidos manual tecnico formando
Antonio Mankumbani Chora
 
Estatística
EstatísticaEstatística
Estatística
aldaalves
 
Trabalho final estatística p.point
Trabalho final estatística p.pointTrabalho final estatística p.point
Trabalho final estatística p.point
Alexandre Carreira
 
A organização Escola
A organização EscolaA organização Escola
A organização Escola
viviprof
 
Medidas estatísticas
Medidas estatísticasMedidas estatísticas
Medidas estatísticas
Helena Borralho
 
Estudo Estatístico
Estudo EstatísticoEstudo Estatístico
Estudo Estatístico
marleneves
 
Trabalho de estatística
Trabalho de estatísticaTrabalho de estatística
Trabalho de estatística
1721lab
 
Trabalho Grupo- Estatística
Trabalho Grupo- EstatísticaTrabalho Grupo- Estatística
Trabalho Grupo- Estatística
Machado6
 
Aula 01: Conceitos básicos de Estatística
Aula 01: Conceitos básicos de EstatísticaAula 01: Conceitos básicos de Estatística
Aula 01: Conceitos básicos de Estatística
Josimar M. Rocha
 
129549705 estatistica-facil-antonio-arnot-crespo-19º-ed
129549705 estatistica-facil-antonio-arnot-crespo-19º-ed129549705 estatistica-facil-antonio-arnot-crespo-19º-ed
129549705 estatistica-facil-antonio-arnot-crespo-19º-ed
Gii Paulo
 
Estatística
Estatística Estatística
Estatística
Helena Borralho
 
A HistóRia Da EstatíStica
A HistóRia Da EstatíSticaA HistóRia Da EstatíStica
A HistóRia Da EstatíStica
Jamniaca
 
Teorias da educação
Teorias da educaçãoTeorias da educação
Teorias da educação
renanmedonho
 
Caderno de Exercícios – Estatística com solução
Caderno de Exercícios – Estatística com soluçãoCaderno de Exercícios – Estatística com solução
Caderno de Exercícios – Estatística com solução
Outliers Academy
 
Frequência absoluta e moda
Frequência absoluta e modaFrequência absoluta e moda
Frequência absoluta e moda
Ministério da Educação
 
Estatística Básica - Probabilidade
Estatística Básica - ProbabilidadeEstatística Básica - Probabilidade
Estatística Básica - Probabilidade
André Faria Gomes
 

Destaque (20)

Estatística
EstatísticaEstatística
Estatística
 
Slides Estatística
Slides EstatísticaSlides Estatística
Slides Estatística
 
Nocoes basicas de estatistica
Nocoes basicas de estatistica Nocoes basicas de estatistica
Nocoes basicas de estatistica
 
Termos e conceitos estatísticos
Termos e conceitos estatísticosTermos e conceitos estatísticos
Termos e conceitos estatísticos
 
Estatistica aplicada exercicios resolvidos manual tecnico formando
Estatistica aplicada exercicios resolvidos manual tecnico formandoEstatistica aplicada exercicios resolvidos manual tecnico formando
Estatistica aplicada exercicios resolvidos manual tecnico formando
 
Estatística
EstatísticaEstatística
Estatística
 
Trabalho final estatística p.point
Trabalho final estatística p.pointTrabalho final estatística p.point
Trabalho final estatística p.point
 
A organização Escola
A organização EscolaA organização Escola
A organização Escola
 
Medidas estatísticas
Medidas estatísticasMedidas estatísticas
Medidas estatísticas
 
Estudo Estatístico
Estudo EstatísticoEstudo Estatístico
Estudo Estatístico
 
Trabalho de estatística
Trabalho de estatísticaTrabalho de estatística
Trabalho de estatística
 
Trabalho Grupo- Estatística
Trabalho Grupo- EstatísticaTrabalho Grupo- Estatística
Trabalho Grupo- Estatística
 
Aula 01: Conceitos básicos de Estatística
Aula 01: Conceitos básicos de EstatísticaAula 01: Conceitos básicos de Estatística
Aula 01: Conceitos básicos de Estatística
 
129549705 estatistica-facil-antonio-arnot-crespo-19º-ed
129549705 estatistica-facil-antonio-arnot-crespo-19º-ed129549705 estatistica-facil-antonio-arnot-crespo-19º-ed
129549705 estatistica-facil-antonio-arnot-crespo-19º-ed
 
Estatística
Estatística Estatística
Estatística
 
A HistóRia Da EstatíStica
A HistóRia Da EstatíSticaA HistóRia Da EstatíStica
A HistóRia Da EstatíStica
 
Teorias da educação
Teorias da educaçãoTeorias da educação
Teorias da educação
 
Caderno de Exercícios – Estatística com solução
Caderno de Exercícios – Estatística com soluçãoCaderno de Exercícios – Estatística com solução
Caderno de Exercícios – Estatística com solução
 
Frequência absoluta e moda
Frequência absoluta e modaFrequência absoluta e moda
Frequência absoluta e moda
 
Estatística Básica - Probabilidade
Estatística Básica - ProbabilidadeEstatística Básica - Probabilidade
Estatística Básica - Probabilidade
 

Semelhante a Slide de Estatística Aplicada à Educação

Estatistica regular 0
Estatistica regular 0Estatistica regular 0
Estatistica regular 0
J M
 
Apostila Biologia.pdf
Apostila Biologia.pdfApostila Biologia.pdf
Apostila Biologia.pdf
Viviane Barbosa
 
Apostila Biologia.pdf
Apostila Biologia.pdfApostila Biologia.pdf
Apostila Biologia.pdf
Viviane Barbosa
 
Livro estatistica
Livro estatisticaLivro estatistica
Libro de estastitica
Libro de estastiticaLibro de estastitica
Libro de estastitica
Andreza Cristina Paulo Lamounier
 
Estatística mariana
Estatística   marianaEstatística   mariana
Estatística mariana
Turma5A
 
Nova escola 2008 e 2009
Nova escola 2008 e 2009Nova escola 2008 e 2009
Nova escola 2008 e 2009
Antonio José Paniago
 
Valor de p
Valor de pValor de p
547 2136-1-pb
547 2136-1-pb547 2136-1-pb
547 2136-1-pb
hailton david lemos
 
Caderno do aluno biologia 1 ano vol 2 2014 2017
Caderno do aluno biologia 1 ano vol 2 2014 2017Caderno do aluno biologia 1 ano vol 2 2014 2017
Caderno do aluno biologia 1 ano vol 2 2014 2017
Diogo Santos
 
Avaliação geriátrica ampla
Avaliação geriátrica amplaAvaliação geriátrica ampla
Avaliação geriátrica ampla
Diego Rezende
 
Luiz fernandoferrazsilva
Luiz fernandoferrazsilvaLuiz fernandoferrazsilva
Luiz fernandoferrazsilva
danielserra2306
 
MELLO 2003 - utismoGuiaPratico.pdf
MELLO 2003 - utismoGuiaPratico.pdfMELLO 2003 - utismoGuiaPratico.pdf
MELLO 2003 - utismoGuiaPratico.pdf
AparecidadeArajoSilv
 
Autismoguiapratico
AutismoguiapraticoAutismoguiapratico
Autismoguiapratico
SUELI SANTOS
 
Autismo guia pratico
Autismo guia praticoAutismo guia pratico
Autismo guia pratico
Marisol Villalonga Aguilera
 
Livro - Autismo Guia Pratico
Livro - Autismo Guia PraticoLivro - Autismo Guia Pratico
Livro - Autismo Guia Pratico
Rosane Domingues
 
O QUE MAIS CAI NO ENEM 2015 - FERA MILÊNIO
O QUE MAIS CAI NO ENEM 2015 - FERA MILÊNIOO QUE MAIS CAI NO ENEM 2015 - FERA MILÊNIO
O QUE MAIS CAI NO ENEM 2015 - FERA MILÊNIO
Isaquel Silva
 
ITS
ITSITS
METODLOGIA CIENTEFICA.pdf
METODLOGIA CIENTEFICA.pdfMETODLOGIA CIENTEFICA.pdf
METODLOGIA CIENTEFICA.pdf
WaldilsonDuarte1
 
Phda pais
Phda paisPhda pais
Phda pais
Bruno Gomes
 

Semelhante a Slide de Estatística Aplicada à Educação (20)

Estatistica regular 0
Estatistica regular 0Estatistica regular 0
Estatistica regular 0
 
Apostila Biologia.pdf
Apostila Biologia.pdfApostila Biologia.pdf
Apostila Biologia.pdf
 
Apostila Biologia.pdf
Apostila Biologia.pdfApostila Biologia.pdf
Apostila Biologia.pdf
 
Livro estatistica
Livro estatisticaLivro estatistica
Livro estatistica
 
Libro de estastitica
Libro de estastiticaLibro de estastitica
Libro de estastitica
 
Estatística mariana
Estatística   marianaEstatística   mariana
Estatística mariana
 
Nova escola 2008 e 2009
Nova escola 2008 e 2009Nova escola 2008 e 2009
Nova escola 2008 e 2009
 
Valor de p
Valor de pValor de p
Valor de p
 
547 2136-1-pb
547 2136-1-pb547 2136-1-pb
547 2136-1-pb
 
Caderno do aluno biologia 1 ano vol 2 2014 2017
Caderno do aluno biologia 1 ano vol 2 2014 2017Caderno do aluno biologia 1 ano vol 2 2014 2017
Caderno do aluno biologia 1 ano vol 2 2014 2017
 
Avaliação geriátrica ampla
Avaliação geriátrica amplaAvaliação geriátrica ampla
Avaliação geriátrica ampla
 
Luiz fernandoferrazsilva
Luiz fernandoferrazsilvaLuiz fernandoferrazsilva
Luiz fernandoferrazsilva
 
MELLO 2003 - utismoGuiaPratico.pdf
MELLO 2003 - utismoGuiaPratico.pdfMELLO 2003 - utismoGuiaPratico.pdf
MELLO 2003 - utismoGuiaPratico.pdf
 
Autismoguiapratico
AutismoguiapraticoAutismoguiapratico
Autismoguiapratico
 
Autismo guia pratico
Autismo guia praticoAutismo guia pratico
Autismo guia pratico
 
Livro - Autismo Guia Pratico
Livro - Autismo Guia PraticoLivro - Autismo Guia Pratico
Livro - Autismo Guia Pratico
 
O QUE MAIS CAI NO ENEM 2015 - FERA MILÊNIO
O QUE MAIS CAI NO ENEM 2015 - FERA MILÊNIOO QUE MAIS CAI NO ENEM 2015 - FERA MILÊNIO
O QUE MAIS CAI NO ENEM 2015 - FERA MILÊNIO
 
ITS
ITSITS
ITS
 
METODLOGIA CIENTEFICA.pdf
METODLOGIA CIENTEFICA.pdfMETODLOGIA CIENTEFICA.pdf
METODLOGIA CIENTEFICA.pdf
 
Phda pais
Phda paisPhda pais
Phda pais
 

Slide de Estatística Aplicada à Educação

  • 2. Estatística? O que é?  Um conjunto de métodos utilizados para se analisar dados;  A estatística é uma ciência exata que atua na coleta de dados, na sua organização, na visualização para ajudar na solução de problemas. Resumindo:  qualquer coleta de dados quantitativos. Profº Eduardo Alves dos Reis
  • 3. No dia a dia, você, professor faz uso de Estatística?  Faz coleta de dados?  Analisa informações? Profº Eduardo Alves dos Reis
  • 4. E isso? o que é? Diário de Classe – TURMA – A NOME FREQUÊNCIA NOTAS 01 02 03 04 1ª NOTA 2ª NOTA 3ª NOTA 4ª NOTA MÉDIA Abelina de Jesus P P F F 7,0 6 5 4 5,5 Belmiro dos Santos P P P P 8,0 9 9 9 8,75 Carlota da Silva F F F P 0 2 3 6 2,75 Durvalina Oliveira P P P P 5 6 4 5 5 Edvaldo Almeida P P P P 9 10 9 9 9,25 Fabrício de Deus P F P P 5 6 4 3 4,5 Gilberto Paturi P P P F 4 3 5 4 4 Humberto Tanuri F F P P 2 4 5 3 3,5 Isla Batista P P P P 3 4 5 3 3,75 João Gualberto P P P P 7 6 5 5 5,75 Profº Eduardo Alves dos Reis
  • 5. Num primeiro momento o que podemos ver nesse diário? Diário de Classe – TURMA – A NOME FREQUÊNCIA NOTAS 01 02 03 04 1ª NOTA 2ª NOTA 3ª NOTA 4ª NOTA MÉDIA Abelina de Jesus P P F F 7,0 6 5 4 5,5 Belmiro dos Santos P P P P 8,0 9 9 9 8,75 Carlota da Silva F F F P 0 2 3 6 2,75 Durvalina Oliveira P P P P 5 6 4 5 5 Edvaldo Almeida P P P P 9 10 9 9 9,25 Fabrício de Deus P F P P 5 6 4 3 4,5 Gilberto Paturi P P P F 4 3 5 4 4 Humberto Tanuri F F P P 2 4 5 3 3,5 Isla Batista P P P P 3 4 5 3 3,75 João Gualberto P P P P 7 6 5 5 5,75 Profº Eduardo Alves dos Reis
  • 6. E agora? Diário de Classe – TURMA – A – LÍNGUA PORTUGUESA NOME FREQUÊNCIA NOTAS 01 02 03 04 1ª NOTA 2ª NOTA 3ª NOTA 4ª NOTA MÉDIA Abelina de Jesus P P F F 7,0 6 5 4 5,5 Belmiro dos Santos P P P P 8,0 9 9 9 8,75 Carlota da Silva F F F P 0 2 3 6 2,75 Durvalina Oliveira P P P P 5 6 4 5 5 Edvaldo Almeida P P P P 9 10 9 9 9,25 Fabrício de Deus P F P P 5 6 4 3 4,5 Gilberto Paturi P P P F 4 3 5 4 4 Humberto Tanuri F F P P 2 4 5 3 3,5 Isla Batista P P P P 3 4 5 3 3,75 João Gualberto P P P P 7 6 5 5 5,75 80% de reprovação Profº Eduardo Alves dos Reis
  • 7. E agora? Diário de Classe – TURMA – A – LÍNGUA PORTUGUESA NOME FREQUÊNCIA NOTAS 01 02 03 04 1ª NOTA 2ª NOTA 3ª NOTA 4ª NOTA MÉDIA Abelina de Jesus P P F F 7,0 6 5 4 5,5 Belmiro dos Santos P P P P 8,0 9 9 9 8,75 Carlota da Silva F F F P 0 2 3 6 2,75 Durvalina Oliveira P P P P 5 6 4 5 5 Edvaldo Almeida P P P P 9 10 9 9 9,25 Fabrício de Deus P F P P 5 6 4 3 4,5 Gilberto Paturi P P P F 4 3 5 4 4 Humberto Tanuri F F P P 2 4 5 3 3,5 Isla Batista P P P P 3 4 5 3 3,75 João Gualberto P P P P 7 6 5 5 5,75 Dos alunos com notas baixas 50% tem faltas. É importante considerar isso? Profº Eduardo Alves dos Reis
  • 8. O que podemos considerar a partir da análise de um Diário Escolar?  Se 10 a 20% dos alunos tem nota inferior à média escolar?  Se só 10 a 20% dos alunos são aprovados por média? Profº Eduardo Alves dos Reis
  • 9. Se 10 a 20% dos alunos tem nota inferior à média escolar?  O que podemos considerar como origem do problema?  Dificuldades individuais de aprendizagem: Deficiência Intelectual, Deficiência Visual ou Auditiva e/ou outros problemas que dificultam a aprendizagem (dislexia, disfasia e disgrafia);  Problemas familiares: maus tratos, abusos, etc.  Alimentação inadequada: fome, subnutrição e outros.  Problemas de saúde: doenças, verminoses e outros.  Problemas de convívio social: bullying, preconceito, entre outros. Profº Eduardo Alves dos Reis
  • 10. É preciso muito cuidado com os alunos que apresentam dificuldades de aprendizagem. Profº Eduardo Alves dos Reis
  • 11. Se só 10 a 20% dos alunos são aprovados por média?  O que considerar como origem do problema?  Dificuldade dos alunos à metodologia utilizada pelo professor;  Dificuldade dos alunos ante o assunto apresentado.  Fatores externos: barulho, e/ou outras atividades que desviem a atenção dos alunos. Profº Eduardo Alves dos Reis
  • 12. O que foi possível constatar?  Diariamente, o professor faz uso da Estatística;  Diariamente, faz análise de dados;  Pode, a partir da análise de dados, encontrar soluções para problemas; Profº Eduardo Alves dos Reis
  • 13. A História da Estatística  A origem da palavra Estatística está associada à palavra latina STATUS (Estado).  Há indícios de que 3000 anos A.C. já se faziam censos na Babilônia, China e Egito e até mesmo o 4º. livro do Velho Testamento faz referência à uma instrução dada a Moisés, para que fizesse um levantamento dos homens de Israel que estivessem aptos para guerrear. Profº Eduardo Alves dos Reis
  • 14. A História da Estatística  Em 1085, Guilherme, O Conquistador, solicitou um levantamento estatístico da Inglaterra, que deveria conter informações sobre terras, proprietários, uso da terra, empregados e animais. Os resultados deste Censo foram publicados em 1086 no livro intitulado "Domesday Book" e serviram de base para o cálculo de impostos. Profº Eduardo Alves dos Reis
  • 15. A História da Estatística  Contudo, mesmo que a prática de coletar dados sobre colheitas, composição da população humana ou de animais, impostos, etc., fosse conhecida pelos egípcios, hebreus, caldeus e gregos, e se atribuam a Aristóteles cento e oitenta descrições de Estados, apenas no século XVII a Estatística passou a ser considerada disciplina autônoma, tendo como objetivo básico a descrição dos BENS do Estado. Profº Eduardo Alves dos Reis
  • 16. E a Estatística Moderna onde está?  Nas mais diversas áreas, entre elas: agricultura, biologia, comércio, química, comunicações, economia, educação, medicina, ciências políticas. Profº Eduardo Alves dos Reis
  • 17. Roteiro da Estatística  Coleta de dados;  Organização;  Resumo;  Apresentação;  E análise. Profº Eduardo Alves dos Reis
  • 18. Qual o objetivo da Estatística?  A obtenção de conclusões válidas;  Auxiliar na tomada de decisões razoáveis baseadas em tais análises. Profº Eduardo Alves dos Reis
  • 19. A Estatística pode ser dividida em:  Estatística Descritiva: Trabalha com organização e apresentação de dados.  Estatística Indutiva: Trabalha com análise e interpretação de dados. Elas se inter-relacionam. Profº Eduardo Alves dos Reis
  • 20. Para podermos trabalhar com Estatística precisamos conhecer o que é:  Dados: são as informações coletadas. Ex: faixa etária dos alunos, notas, frequência e/ou quaisquer outras informações importantes para o resultado pretendido.  População: é o todo, ou seja, é o conjunto de todos os elementos que tem uma característica em comum. Ex: a turma A de Pedagogia de Ourolândia. Profº Eduardo Alves dos Reis
  • 21. Para trabalhar com Estatística precisamos conhecer o que é:  Amostra: É um subconjunto da população que terá a função de representar o todo. Ex: uma pesquisa com 10 alunos de cada turma de Pedagogia de Ourolândia. As pesquisas políticas e do IBOPE são feitas por amostragem, ou seja, fazem pesquisas com uma parte da população, para então, representar o todo. Profº Eduardo Alves dos Reis
  • 22. É importante saber que  A fase de coleta de dados é uma parte importante nesse processo, pois, se a amostra não contiver informações adequadas, todo o tratamento estatístico realizado posteriormente não trará informações conclusivas sobre a população sob investigação ou estudo. Além disso, podem-se tomar decisões erradas quando a amostra não é adequada. Profº Eduardo Alves dos Reis
  • 23. Para isso precisamos saber que: Existem dois tipos de amostra:  Amostra representativa: caracteriza bem a população em estudo. Ex: Fazer pesquisa nas escolas do campo. Em comunidades quilombolas, ou a determinado grupo.  Neste tipo de amostra será identificado traços daquele grupo, não podendo aplicar soluções para qualquer outro grupo. Profº Eduardo Alves dos Reis
  • 24. Para isso precisamos saber que: Existem dois tipos de amostra:  Amostragem aleatória ou casual simples: É o método mais simples de obter uma amostra, todos os elementos da população têm a mesma chance de serem escolhidos. Um dos procedimentos para realizar esse tipo de amostragem é enumerar cada indivíduo ou objeto da população e, através de sorteio de números, escolher os indivíduos ou objetos que formarão a amostra.  Ex: Uma pesquisa de satisfação de serviço de determinada empresa numa cidade. No bairro A já foi plenamente atendido pela empresa. No bairro B, a empresa não terminou o serviço ou fez de qualidade inferior. Profº Eduardo Alves dos Reis
  • 25. Variável, o que é?  Característica dos elementos de uma população ou de uma amostra, que pode assumir diferentes valores, sejam numéricos ou não numéricos, e que sejam interessantes ao estudo. Profº Eduardo Alves dos Reis
  • 26. A variável pode ser: Variável qualitativa Variável Quantitativa Não pode ser medida numericamente. Ex: cor dos olhos, Cor dos cabelos, marca de bebida Pode ser medida numericamente Ex: peso, altura, número de faltas de cada aluno, número de gols em cada jogo, etc. Ordinal: Nominais: Discretas Contínua Tem uma relação entre eles. Ex. Colocação -1º lugar, 2º lugar, 3º lugar Conceito: ótimo, bom, regular e péssimo São identificados por um nome. Ex. Cor dos olhos – azul, castanho, preta e verde Marcas de carro – Fiat, Chevrolet, Ford, etc O valor muda em saltos ou passos, não admitindo valores intermediários entre cada salto ou passo. Ex. -número de carros vendidos: O, 1, 2, 3, 4, 5, ... -número de filhos dos casais:0, 1, 2 ,3 ,4, 5, Admite infinitos valores dentro de um intervalo. EX. -altura das pessoas: 1,48m, 1,52m, 1,65m, 1,70m, 1 ,83m, etc. -Peso dos recém-nascidos: 2,8kg, 3,0 kg, 3,2kg, 3,5kg, etc. Profº Eduardo Alves dos Reis
  • 28. Como construir uma Tabela de Estatística 1) O título da tabela: Ex.: Conceito da amostra de alunos das turmas A, B e C do 6º ano das escolas públicas de Ourolândia IESI - 2013 Profº Eduardo Alves dos Reis
  • 29. Como construir uma Tabela de Estatística 1) A tabela: Ex.: Conceito da amostra de alunos das turmas A, B e C do 6º ano das escolas públicas de Ourolândia IESI – 2013 CONCEITO QUANTIDADE A B C D E TOTAL Profº Eduardo Alves dos Reis
  • 30. Como construir uma Tabela de Estatística 1) A tabela: Ex.: Conceito da amostra de alunos das turmas A, B e C do 6º ano das escolas públicas de Ourolândia IESI – 2013 CONCEITO QUANTIDADE A 05 B 10 C 10 D 05 E 00 TOTAL 30 Profº Eduardo Alves dos Reis
  • 31. Como construir uma Tabela de Estatística 1) A pode se acrescentar o percentual: Ex.: Conceito da amostra de alunos das turmas A, B e C do 6º ano das escolas públicas de Ourolândia IESI – 2013 CONCEITO QUANTIDADE % A 05 17 B 10 33 C 10 33 D 05 17 E 00 00 TOTAL 30 100 Profº Eduardo Alves dos Reis
  • 32. Como fazer o cálculo do percentual? Existem duas maneiras práticas: 1. (5/30) . 100= 5/30= 0,1666 . 100= 17 2. O outro modo é considerar o total: Ou seja: 30 = 100%, então divide-se 100 por 30, e encontramos o valor de 1%. Agora ficou fácil, não foi? O valor encontrado é 3.3333 que equivale a 1%. Multiplica-se esse valor por 5, e encontramos o valor de 16,66666 = 17 Profº Eduardo Alves dos Reis