SlideShare uma empresa Scribd logo
A Estatística é um ramo da Matemática que dispõe de
processos apropriados para recolher, organizar, classificar,
apresentar e interpretar determinados conjuntos de dados.
A Estatística tem por objectivo extrair informação dos dados para
obter uma melhor compreensão das situações que representam.
Na vida de todos os dias, cada vez mais é reconhecida a importância da
estatística. Através do seu estudo e conhecimento é possível compreender
a sociedade e o seu progresso e também potencializar a capacidade de
cada indivíduo ser mais interveniente nesse próprio progresso.
A Importância da Estatística
No intuito de conhecerem melhor a população e as suas necessidades, os
governos de quase todos os países, a partir do século XIX, recorrem à
estatística.
Variáveis estatísticas
 Na figura ao lado observamos
um conjunto de pessoas. Cada
pessoa tem muitas
características ou variáveis.
• a cor do cabelo;
• a altura;
• o sexo;
• …
Variáveis estatísticas.
Variáveis quantitativas e variáveis qualitativas
Num estudo estatístico parte-se de um conjunto. Cada elemento desse
conjunto (a unidade estatística) tem, provavelmente, muitos
caracteres, características ou atributos
a que chamamos variáveis.
Por exemplo:
Variáveis Valor observado
Peso de uma pessoa 65 kg
Marca de um automóvel Opel
Velocidade do carro 80 km/h
Cor dos olhos Azul
Tipos de dados
Ao resultado de uma observação
da variável chamamos dado
estatístico
ou simplesmente dado.
Os dados classificam-se em
qualitativos ou quantitativos.
Os dados qualitativos representam a informação que indica alguma
qualidade, categoria ou característica não suscetível de medida, mas de
classificação, assumindo várias modalidades.
Os dados quantitativos representam a informação resultante de
características suscetíveis de serem medidas, apresentando-se com
diferentes intensidades, que podem ser de natureza discreta – dados
discretos – ou contínua – dados contínuos.
A cor dos olhos, sexo, o desporto favorito, a comida favorita, … são
variáveis qualitativas, porque não se podem medir.
Variáveis Estatísticas
A altura, o número de alunos, o peso, o número de irmãos, … são variáveis
quantitativas, porque se podem medir.
A altura e o peso são variáveis contínuas (podem tomar valores não
inteiros), enquanto o número de alunos e de irmãos são variáveis
discretas (só podem tomar valores inteiros).
Variável estatística: propriedade ou característica que é observada nos
elementos de uma população.
Qualitativas
(qualidades)
Quantitativas
(quantidades)
Contínuas Discretas
Variáveis Estatísticas
Variáveis qualitativas: ____________________________
Variáveis quantitativas
Contínuas: ______________________
Discretas: _______________________
Exercício 3
Num estudo feito numa escola, recolheram-se dados referentes às
seguintes variáveis:
(A) idade (D) número de irmãos (G) local de estudo
(B) ano de escolaridade (E) desporto preferido (H) tempo gasto diariamente no estudo
(C) sexo (F) distância de casa à escola (I) nota na disciplina de Matemática
A, B, D, I
C, E, G
F, H
Organização e Tratamento de dados
Relativamente a uma amostra de 20
portugueses, com mais de 18 anos,
obtiveram-se os seguintes dados relativos
ao seu estado civil.
Solteiro Solteiro Casado Solteiro Solteiro
Divorciado Solteiro Viúvo Casado Divorciado
Solteiro Casado Solteiro Solteiro Casado
Casado Solteiro Solteiro Casado Divorciado
Tabela de Frequências
Estado Civil
Frequência
Absoluta
Frequência Relativa
Decimal Percentagem (%)
Solteiro
Casado
Viúvo
Divorciado
Total
10
20
0,5=
6
20
0,3=
1
20
0,05=
3
20
0,15=
1000,5 50%× =
1000,3 30%× =
100,05 50 %× =
1000,15 15%× =
10
6
1
3
20 1 100%
Frequência absoluta de um
acontecimento é o número de vezes
que esse acontecimento se repete.
Frequência relativa de um acontecimento é
o quociente entre a frequência absoluta e o
número total de elementos.
N.º de filhos por casal Frequência absoluta
Frequência relativa
Decimal Percentagem (%)
TOTAL
Fez-se um inquérito a 15 casais sobre o número de filhos que
tinham. As respostas foram as seguintes.
Exercício 4
a) Organiza os dados numa tabela de frequências absolutas e relativas.
b) Quantos casais não têm filhos?
N.º de filhos por casal Frequência absoluta
Frequência relativa
Decimal Percentagem (%)
0 3 0,2 20%
1 5 0,33 33%
2 4 0,27 27%
3 2 0,13 13%
4 1 0,07 7%
TOTAL 15 1 100%
3 casais
Medidas de Localização
Moda, Média e Mediana
Moda
A moda de um conjunto de dados é o elemento mais frequente (ou
seja, que se repete um maior número de vezes).
A moda representa-se por Mo.
Exemplo:
Uma caixa dez pregos com os seguintes comprimentos:
15; 10; 10; 5; 5; 10; 15; 15; 10; 10
Moda = Mo = 10, porque é o valor mais frequente.
Média Aritmética
11 13 15 17
Média X 14
4
+ + +
= = =
Exemplo:
Um casal tem quatro filhos com as idades: 11, 13, 15 e 17 anos.
A média (ou média aritmética) de um conjunto de valores é o quociente
entre a soma de todos os valores e o número total de elementos.
A média representa-se por .X
A mediana é o valor que ocupa a posição central da variável estatística.
A mediana representa-se por .°X
Se o número de dados é ímpar, a mediana é o valor do dado que ocupa a
posição central.
Mediana
Para se determinar a mediana deve-se começar por escrever os valores da
variável por ordem crescente (ou decrescente).
Se o número de dados é ímpar, a mediana é o valor do dado que ocupa a
posição central.
Exemplo:
Mediram-se as alturas de 7 soldadinhos de chumbo e obtiveram-se os
resultados que depois de ordenados são:
Como o número total de
dados é ímpar, há um
valor central: 168.
~
Como o número total de dados
é par, há dois valores centrais:
168 e 170.
Mediram-se as alturas de 6 soldadinhos de chumbo e obtiveram-se os
resultados que depois de ordenados são:
Exemplo:
Se o número de dados é par, a mediana é a média aritmética dos dois
valores centrais.
~
0
1
2
3
4
4
10
7
3
1
Número de
filhos
Frequência
absoluta
A família do Sr. Alberto tem 25 casais. A tabela e o gráfico seguintes
foram construídos com base no número de filhos do casais que
constituem a família Sr. Alberto.
Exemplo:
Vamos determinar a média, a moda e a mediana quando os dados
têm que ser lidos numa tabela ou num gráfico.
0
1
2
3
4
4
10
7
3
1
Número
de filhos
Frequência
absoluta
 Moda = _____
Média = = =
n.º total de filhos
X
n.º de casais
1

0 4 1 10 2 7 3 3 4
1,48
1 37
25 25
× + × + × + × + ×
= =
O número de observações é ___________. Então a mediana ocupa o lugar número _____.
10 74
0, 0, 0, 0, 1, 1, …, 1, 1, 2, 2, …, 2, 2, 3, 3, 3, 4
ímpar
 Mediana = _____1
13
posição 13
Exercício 4:
b) Quantos casais não têm filhos? 3 casais
c) Qual é o número de filhos mais frequente? 1 filho
d) Qual é o número médio de filhos por casal?
e) Qual é a percentagem de casais que têm pelo menos dois filhos?
27 + 13 + 7 = 47 %
0 3 1 5 2 4 3 2 4 1 23
1,5
15 15
;Média
× + × + × + × + ×
= =
Tipos de Gráficos
Gráfico de Barras
O gráfico de barras foi construído com
as frequências absolutas.
 O gráfico deve ter um título.
 Num dos eixos coloca-se a variável
estatística.
 No outro eixo colocam-se as
frequências absolutas ou relativas.
 As barras são rectângulos todos com
a mesma largura.
 A distância ente as barras deve ser a
mesma.
A altura de cada barra corresponde à
sua frequência.
 No gráfico de barras, a moda é o
elemento que apresenta a maior barra.
Gráfico de barras usando as frequências relativas em percentagem.
Observe o gráfico.
Análise, representação e redução de dados
Qual é o título
do gráfico?
O título responde
às questões: O quê;
Quando; Onde?
O gráfico tem linhas auxiliares?
Qual é o papel das linhas
auxiliares na elaboração
de um gráfico?
Fica completamente esclarecido
com o gráfico apresentado?
Justifique a resposta.
Gráfico de barras
Os gráficos de barras são
fáceis de construir e de ler,
por isso são os mais
populares. Apresento quatro
tipos de gráficos de barras.
Gráfico de Linhas
 O gráfico deve ter um título.
 Num dos eixos coloca-se a variável
estatística.
 No outro eixo colocam-se as
frequências absolutas ou relativas.
 O gráfico de linhas é um conjunto
de pontos conectado por uma única
linha.
 Cada ponto corresponde à sua
frequência.
Gráfico Circular
A frequência relativa de “Solteiros” é de 0,5.
0,5 360º 180º× =
Vamos determinar a amplitude do sector relativo aos portugueses com o
estado civil “Solteiro”.
Procedemos da seguinte forma:
I – Desenhávamos uma circunferência:
II – Marcávamos um raio:
III – A partir desse raio, marcávamos, com o
transferidor , o ângulo de 180º:
IV – Escrever a percentagem respectiva:
Para representarmos 50% num gráfico circular, temos que marcar um
ângulo de 180º.
Para determinarmos a amplitude dos ângulos dos
restantes Estados Civis efectuamos da mesma forma.
Ângulo = frequência relativa × 360º
Nota: O total das amplitudes dos ângulos tem de ser 360º. Se assim
não acontecer, deve-se proceder aos ajustamentos adequados nos
valores dos ângulos.
 O gráfico deve ter um título.
 Um gráfico circular ou sectograma
é representado através de um círculo
dividido em sectores.
 A amplitude de cada sector é
proporcional à frequência que
representa.
 A legenda pode estar ao lado ou
incluída no gráfico
Gráfico Circular
Os gráficos circulares
são uma boa forma de
mostrar como um todo
está repartido.
Gráficos circulares
Na construção de um gráfico
circular deve-se ter em conta que:
• a amplitude de cada sector é
proporcional à frequência
que representa;
• a legenda pode ser dispensada,
inscrevendo-se os valores
da variável e as suas
frequências nos respectivos
sectores circulares;
• podem-se usar cores diferentes
para os diferentes sectores;
• o gráfico deve ter um título
adequado.
Não é aconselhável construir
um gráfico circular:
• para variáveis que tenham mais
de cinco ou seis modalidades;
• para situações em
que os sectores resultam
aproximadamente com
a mesma amplitude;
• para sectores com amplitudes
muito pequenas.
Não é formalmente correcto
apresentar gráficos com forma
de elipse ou com sectores
separados.
Muito antes de o homem primitivo inventar a escrita, conseguiu através
de desenhos e símbolos deixar informações importantes.
Também nos nossos dias os desenhos e os símbolos são úteis para
comunicar informações importantes que podem ser compreendidas por
diferentes pessoas, mesmo que não falem a mesma língua.
Exemplos disso são os pictogramas que se utilizam muito em estatística.
Pictograma
Um pictograma é um gráfico em que os valores são
apresentados por figuras, normalmente relacionadas com o tema
em estudo.
Indique um valor aproximado para
o número de pessoas que
participaram no inquérito.
Pictogramas
O pictograma seguinte refere-se à opinião recolhida, através
de um inquérito, de um grupo de pessoas
que acabou de assistir a um filme.
  Os pictogramas são gráficos muito semelhantes aos
gráficos de barras.
A principal diferença reside no facto de se utilizarem símbolos alusivos
à situação concreta em estudo por forma a tornarem-se mais atraentes.
Na construção de um pictograma devem ter-se em atenção os
seguintes aspectos:
• Indicar no gráfico o significado de cada figura ou símbolo utilizados.
• Utilizar símbolos ou figuras sugestivos em relação à variável
estatística em estudo.
• Utilizar sempre o mesmo símbolo ou símbolos.
• Desenhar os símbolos em linhas ou colunas.
• Espaçar igualmente os símbolos.
• Expressar as diferentes frequências através de um maior ou menor
número de símbolos, não aumentando ou diminuindo o tamanho
do símbolo.
• O gráfico deve ter um título adequado.
Para efectuarmos um estudo sobre a altura dos alunos do 3.º ciclo da
escola, escolheu-se uma amostra constituída por 23 alunos.
Os dados obtidos, em centímetros, foram os seguintes:
145 151 147 167 175 174 153 167 173 162 169 171
158 149 170 167 168 175 174 157 149 150 156
Como deveremos organizar este tipo de dados?
Agrupamento em classes
Tabela de frequências
Classes
(Altura dos alunos) N.º de alunos
[145,151[ 5
[151,157[ 3
[157,163[ 3
[163,169[ 4
[169,175[ 8
Total 23
Para organizar estes dados vamos agrupá-los em classes. Tendo em conta o
menor e o maior valor da tabela e que cada classe tem que ter a mesma
amplitude, ou seja, a diferença entre o extremo superior e o extremo
inferior da classe.
Na 1.ª classe estão incluídas as
alturas maiores ou iguais a 145
e menores do que 151.
.
145 151 147 167 175 174 153 167 173 162 169 171
158 149 170 167 168 175 174 157 149 150 156
Os gráficos das distribuições usando dados contínuos têm um aspecto diferente
dos gráficos de barras das distribuições de dados discretos. Neste caso
chamam-se histogramas.
Histograma é um gráfico de barras formado por um conjunto de rectângulos
adjacentes (colados), tendo cada um deles por base um intervalo de classe e por
altura a respectiva frequência.
Histograma
Polígono de frequências
Se num histograma unires por segmentos de recta os pontos médios dos lados
superiores de cada rectângulo do histograma, como se fez em baixo, obténs
uma outra forma de apresentar a distribuição, que se chama polígono de
frequências.
Nota: Para obtermos os pontos nos extremos da linha poligonal, devemos imaginar
que existe uma classe com a mesma amplitude das restantes e frequência zero,
determinar o ponto médio desta classe e uni-lo aos restantes.
Nota: A média e a mediana apenas podem ser determinadas em dados
quantitativos, a moda pode ser determinada em dados quantitativos e
qualitativos.
Quando os dados estão agrupados por classes temos que:
 A classe modal corresponde à classe com maior frequência.
 A média de um conjunto de dados agrupados corresponde à média das
marcas das classes (valor médio de cada classe), tendo em conta as
frequências respectivas.
 A classe mediana corresponde à classe que incluiu o valor central.
Diagrama de Caule-e-folhas
Os resultados de 16 testes, numa escala de 0 a 100,
foram os seguintes:
35, 78, 50, 63, 86, 73, 57, 82,
59, 75, 66, 79, 83, 71, 94, 59
3 5
5 0 7 9 9
6 3 6
7 1 3 5 8 9
8 2 3 6
9 4
Esta representação chama-se diagrama de caule-e-folhas.
O caule é a coluna com os números 3, 5, 6, 7, 8 e 9 que representam o
algarismo das dezenas e as folhas que representam o algarismo das
unidades de cada um dos dados.
Pode-se organizar este conjunto de dados utilizando uma representação
gráfica do tipo seguinte:
35, 78, 50, 63, 86, 73, 57, 82,
59, 75, 66, 79, 83, 71, 94, 59
35, 78, 50, 63, 86, 73, 57, 82,
59, 75, 66, 79, 83, 71, 94, 59
3 5
5 0 7 9 9
6 3 6
7 1 3 5 8 9
8 2 3 6
9 4
35
78, 73, 75, 79, 71
Ordenando os algarismos das unidades vem:1, 3, 5, 8,9
Isto é:
 Representa os dados, separando cada
valor em duas partes: o caule (valor à
esquerda do traço vertical) e a folha
(algarismo à direita do traço vertical).
 O valor a colocar no caule são das
dezenas, centenas e milhares. O valor a
colocar na folha são as unidades. Aqui
repetimos as unidades quantas vezes o
número aparece.
 Não é necessário construir previamente
uma tabela de frequências.
Diagrama de Caule-e-folhas
Diagrama de Extremos e Quartis
O Diagrama de extremos e quartis é uma representação
gráfica onde se realçam algumas características da
amostra.
Para tal, começa-se por determinar as seguintes
medidas da amostra: os extremos (o mínimo e o
máximo), a mediana e o 1.º e 3.º quartis.
Classificações dos testes de Matemática
Vamos determinar o mínimo e o máximo, a mediana e o 1.º
e 3.º quartis das classificações do António.
65, 70, 75, 75, 80, 85
Mínimo: 65 Máximo: 85
~
A mediana divide a distribuição em duas partes iguais.
António:
Os quartis são valores da variável que dividem a
distribuição em 4 partes iguais, cada uma delas
com 25% dos dados totais ordenados.
1.º Quartil 3.º Quartil2.º Quartil
A mediana divide o conjunto de dados em duas
partes com igual percentagem de elementos, 50%.
Assim, para determinar os quartis, basta calcular a
mediana de cada uma dessas duas partes, obtendo,
desta forma, quatro partes com igual percentagem.
65, 70, 75, 75, 80, 85
65, 70, 75 75, 80, 85
Vamos determinar os quartis para as classificações do
António
80= =33.ºQuartil Q7011.ºQuartil Q= =
O primeiro quartil, Q1, separa os primeiro 25% dos dados
ordenados dos restantes 75%.
O segundo quartil, Q2, corresponde ao valor da mediana.
O terceiro quartil, Q3, separa os primeiro 75% dos dados iniciais
dos últimos 25%.
Para construir o diagrama de extremos e quartis referente às classificações
do António, basta proceder do seguinte modo:
1.Traçar uma recta orientada na horizontal (ou vertical) que inclua o
mínimo e o máximo do conjunto de dados.
2.A par da recta orientada, desenhar um rectângulo entre o 1.º e o 3.º
quartil e colocar um traço para assinalar a mediana.
3.Marcar dois segmentos de recta verticais ao lado do rectângulo
correspondentes ao mínimo e máximo.
4.Unir os pontos médios dos segmentos de recta do mínimo e do 1.º quartil
e os pontos médios dos segmentos de recta do máximo e do 3.º quartil.
Mín: 65
Máx: 85
Med.: 75
Q1: 70
Q3:80
Diagrama de Extremos e Quartis
O Diagrama de Extremos e Quartis pode ser colocado na
horizontal ou vertical. Este diagrama também é conhecido por
diagrama de caixa e bigodes.
Vamos construir o diagrama de extremos e quartis das
classificações da Bárbara.
73, 74, 75, 75, 76, 77
Mínimo: 73 Máximo: 77
Exercício da ficha de trabalho:
Vamos ordenar as classificações da Bárbara.
~
73, 74, 75, 75, 76, 77
73, 74, 75 75, 76, 77
Vamos determinar os quartis para as classificações da Bárbara.
76= =33.ºQuartil Q74= =11.ºQuartil Q
Diagrama de extremos e quartis das classificações da Bárbara.
Mín: 73
Máx: 77
Med.: 75
Q1: 74
Q3: 76
A amplitude e a amplitude interquartis são medidas
indicadas para estudar a dispersão dos dados.
A amplitude é a diferença entre o máximo e o mínimo do
conjunto de dados (os extremos).
Amplitude e Amplitude Interquartis
A = máximo − mínimo
A amplitude é muito dependente dos valores extremos do
conjunto de dados, pelo que, em determinadas situações, pode
não descrever correctamente a sua dispersão.
A amplitude interquartis é a diferença entre o 3.º quartil e o
1.º quartil.
AIQ = Q3 − Q1
A amplitude interquartis fornece informação acerca da amplitude
do intervalo que contém 50% dos dados centrais.
Como é óbvio, quanto mais variados forem os dados, maior será a
amplitude interquartis.
Média
Medidas de
localização central
Medidas de
localização
Medidas de
dispersão
Mediana
Moda
Quartis
Amplitude
Amplitude
interquartis

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 05 Gráficos Estatísticos
Aula 05   Gráficos EstatísticosAula 05   Gráficos Estatísticos
Estatística
EstatísticaEstatística
Estatística
Sonia Azevedo
 
Área e perímetro de figuras planas ( apresentação)
Área e perímetro de figuras planas ( apresentação)Área e perímetro de figuras planas ( apresentação)
Área e perímetro de figuras planas ( apresentação)
SirlenedeAPFinotti
 
Porcentagem
PorcentagemPorcentagem
Porcentagem
Letinha47
 
Triângulos
TriângulosTriângulos
Triângulos
Rodrigo Carvalho
 
Gráficos e Tabelas
Gráficos e TabelasGráficos e Tabelas
Gráficos e Tabelas
radixmatematica
 
Estatística
EstatísticaEstatística
Estatística
giselesilvaramos
 
Equacoes do 1 grau
Equacoes do 1 grauEquacoes do 1 grau
Equacoes do 1 grau
estrelaeia
 
Aula 12 medidas de dispersão
Aula 12   medidas de dispersãoAula 12   medidas de dispersão
Regra de três simples e composta
Regra de três simples e compostaRegra de três simples e composta
Regra de três simples e composta
Marcelo Pinheiro
 
O conjunto-dos-números-reais
O conjunto-dos-números-reaisO conjunto-dos-números-reais
O conjunto-dos-números-reais
leilamaluf
 
Termos e conceitos estatísticos
Termos e conceitos estatísticosTermos e conceitos estatísticos
Termos e conceitos estatísticos
Helena Borralho
 
Sistemas de equações do 1⁰ grau revisão
Sistemas de equações do 1⁰ grau revisãoSistemas de equações do 1⁰ grau revisão
Sistemas de equações do 1⁰ grau revisão
Angela Costa
 
Numeros racionais
Numeros racionaisNumeros racionais
Numeros racionais
Rosana.Parolisi
 
Radiciaçâo
RadiciaçâoRadiciaçâo
Razao e proporção
Razao e proporçãoRazao e proporção
Razao e proporção
Jéssica Oliveira
 
Notação cientifica
Notação cientificaNotação cientifica
Notação cientifica
Murilo Martins
 
âNgulos
âNgulosâNgulos
Porcentagem Slides
Porcentagem SlidesPorcentagem Slides
Porcentagem Slides
estrelaeia
 
Histograma
HistogramaHistograma
Histograma
Jessica Fonseca
 

Mais procurados (20)

Aula 05 Gráficos Estatísticos
Aula 05   Gráficos EstatísticosAula 05   Gráficos Estatísticos
Aula 05 Gráficos Estatísticos
 
Estatística
EstatísticaEstatística
Estatística
 
Área e perímetro de figuras planas ( apresentação)
Área e perímetro de figuras planas ( apresentação)Área e perímetro de figuras planas ( apresentação)
Área e perímetro de figuras planas ( apresentação)
 
Porcentagem
PorcentagemPorcentagem
Porcentagem
 
Triângulos
TriângulosTriângulos
Triângulos
 
Gráficos e Tabelas
Gráficos e TabelasGráficos e Tabelas
Gráficos e Tabelas
 
Estatística
EstatísticaEstatística
Estatística
 
Equacoes do 1 grau
Equacoes do 1 grauEquacoes do 1 grau
Equacoes do 1 grau
 
Aula 12 medidas de dispersão
Aula 12   medidas de dispersãoAula 12   medidas de dispersão
Aula 12 medidas de dispersão
 
Regra de três simples e composta
Regra de três simples e compostaRegra de três simples e composta
Regra de três simples e composta
 
O conjunto-dos-números-reais
O conjunto-dos-números-reaisO conjunto-dos-números-reais
O conjunto-dos-números-reais
 
Termos e conceitos estatísticos
Termos e conceitos estatísticosTermos e conceitos estatísticos
Termos e conceitos estatísticos
 
Sistemas de equações do 1⁰ grau revisão
Sistemas de equações do 1⁰ grau revisãoSistemas de equações do 1⁰ grau revisão
Sistemas de equações do 1⁰ grau revisão
 
Numeros racionais
Numeros racionaisNumeros racionais
Numeros racionais
 
Radiciaçâo
RadiciaçâoRadiciaçâo
Radiciaçâo
 
Razao e proporção
Razao e proporçãoRazao e proporção
Razao e proporção
 
Notação cientifica
Notação cientificaNotação cientifica
Notação cientifica
 
âNgulos
âNgulosâNgulos
âNgulos
 
Porcentagem Slides
Porcentagem SlidesPorcentagem Slides
Porcentagem Slides
 
Histograma
HistogramaHistograma
Histograma
 

Destaque

Estatistica aplicada1
Estatistica aplicada1Estatistica aplicada1
Estatistica aplicada1
Indyanara Oliveira
 
Estatistica psic aula 1 2017
Estatistica psic aula 1 2017Estatistica psic aula 1 2017
Estatistica psic aula 1 2017
Psicologia_2015
 
Estatística Inferencial - 2 Introdução à Probabilidade
Estatística Inferencial - 2 Introdução à ProbabilidadeEstatística Inferencial - 2 Introdução à Probabilidade
Estatística Inferencial - 2 Introdução à Probabilidade
Ranilson Paiva
 
Pesquisa com métodos quantitativos
Pesquisa com métodos quantitativosPesquisa com métodos quantitativos
Pesquisa com métodos quantitativos
Ivan Ricarte
 
Métodos quantitativos e_qualitativos1
Métodos quantitativos e_qualitativos1Métodos quantitativos e_qualitativos1
Métodos quantitativos e_qualitativos1
queenbianca
 
Probabilidade e estatística
Probabilidade e estatísticaProbabilidade e estatística
Probabilidade e estatística
Neilton Pedro
 

Destaque (6)

Estatistica aplicada1
Estatistica aplicada1Estatistica aplicada1
Estatistica aplicada1
 
Estatistica psic aula 1 2017
Estatistica psic aula 1 2017Estatistica psic aula 1 2017
Estatistica psic aula 1 2017
 
Estatística Inferencial - 2 Introdução à Probabilidade
Estatística Inferencial - 2 Introdução à ProbabilidadeEstatística Inferencial - 2 Introdução à Probabilidade
Estatística Inferencial - 2 Introdução à Probabilidade
 
Pesquisa com métodos quantitativos
Pesquisa com métodos quantitativosPesquisa com métodos quantitativos
Pesquisa com métodos quantitativos
 
Métodos quantitativos e_qualitativos1
Métodos quantitativos e_qualitativos1Métodos quantitativos e_qualitativos1
Métodos quantitativos e_qualitativos1
 
Probabilidade e estatística
Probabilidade e estatísticaProbabilidade e estatística
Probabilidade e estatística
 

Semelhante a Estatistica resumo

Estatística 8.º ano
Estatística 8.º anoEstatística 8.º ano
Estatística 8.º ano
aldaalves
 
Organização tratamento de_dados
Organização tratamento de_dadosOrganização tratamento de_dados
Organização tratamento de_dados
Helena Borralho
 
Ficha de-trabalho-sobre-estatistica
Ficha de-trabalho-sobre-estatisticaFicha de-trabalho-sobre-estatistica
Ficha de-trabalho-sobre-estatistica
Ana Colaco
 
EstatíStica Aula 000
EstatíStica Aula 000EstatíStica Aula 000
EstatíStica Aula 000
educacao f
 
Estatistica
EstatisticaEstatistica
Estatistica
Paulo Rafael Vaz
 
estatis
estatisestatis
estatis
Liliana
 
estatística
estatísticaestatística
estatística
Paula Assumpção
 
Estatística 10 Ano
Estatística 10 Ano Estatística 10 Ano
Estatística 10 Ano
João Afonso Pires
 
Extra de estatistica 28 10 2020
Extra de estatistica 28 10 2020Extra de estatistica 28 10 2020
Extra de estatistica 28 10 2020
AfirmaMilitarCurso
 
estatistica mod.3
estatistica mod.3estatistica mod.3
estatistica mod.3
maef_7777
 
002---ESTATISTICA--Pesquisa-estatistica-e-representacao-grafica_d55734eadaa84...
002---ESTATISTICA--Pesquisa-estatistica-e-representacao-grafica_d55734eadaa84...002---ESTATISTICA--Pesquisa-estatistica-e-representacao-grafica_d55734eadaa84...
002---ESTATISTICA--Pesquisa-estatistica-e-representacao-grafica_d55734eadaa84...
CleyberFernandoLimaP
 
Estatística
EstatísticaEstatística
Estatística
ProfessoraIve
 
Noções Básicas de Estatística
Noções Básicas de EstatísticaNoções Básicas de Estatística
Noções Básicas de Estatística
Elisa Rocha Pinto de Castro
 
Fundamentos da estatística
Fundamentos da estatísticaFundamentos da estatística
Fundamentos da estatística
Naiade Costa Inácio
 
Estatística
EstatísticaEstatística
Estatística
anaelmaqueiroz
 
Aula4 CENTROTEC.pptx
Aula4 CENTROTEC.pptxAula4 CENTROTEC.pptx
Aula4 CENTROTEC.pptx
ssuser5ee745
 
C:\Fakepath\Mat
C:\Fakepath\MatC:\Fakepath\Mat
C:\Fakepath\Mat
guest495fb5ee
 
Estatística
EstatísticaEstatística
Estatística
turma8bjoaofranco
 
1 matemática e leitura
1   matemática e leitura1   matemática e leitura
1 matemática e leitura
Adriana Santos
 
Tabelas e gráficos
Tabelas e gráficosTabelas e gráficos
Tabelas e gráficos
Juliano van Melis
 

Semelhante a Estatistica resumo (20)

Estatística 8.º ano
Estatística 8.º anoEstatística 8.º ano
Estatística 8.º ano
 
Organização tratamento de_dados
Organização tratamento de_dadosOrganização tratamento de_dados
Organização tratamento de_dados
 
Ficha de-trabalho-sobre-estatistica
Ficha de-trabalho-sobre-estatisticaFicha de-trabalho-sobre-estatistica
Ficha de-trabalho-sobre-estatistica
 
EstatíStica Aula 000
EstatíStica Aula 000EstatíStica Aula 000
EstatíStica Aula 000
 
Estatistica
EstatisticaEstatistica
Estatistica
 
estatis
estatisestatis
estatis
 
estatística
estatísticaestatística
estatística
 
Estatística 10 Ano
Estatística 10 Ano Estatística 10 Ano
Estatística 10 Ano
 
Extra de estatistica 28 10 2020
Extra de estatistica 28 10 2020Extra de estatistica 28 10 2020
Extra de estatistica 28 10 2020
 
estatistica mod.3
estatistica mod.3estatistica mod.3
estatistica mod.3
 
002---ESTATISTICA--Pesquisa-estatistica-e-representacao-grafica_d55734eadaa84...
002---ESTATISTICA--Pesquisa-estatistica-e-representacao-grafica_d55734eadaa84...002---ESTATISTICA--Pesquisa-estatistica-e-representacao-grafica_d55734eadaa84...
002---ESTATISTICA--Pesquisa-estatistica-e-representacao-grafica_d55734eadaa84...
 
Estatística
EstatísticaEstatística
Estatística
 
Noções Básicas de Estatística
Noções Básicas de EstatísticaNoções Básicas de Estatística
Noções Básicas de Estatística
 
Fundamentos da estatística
Fundamentos da estatísticaFundamentos da estatística
Fundamentos da estatística
 
Estatística
EstatísticaEstatística
Estatística
 
Aula4 CENTROTEC.pptx
Aula4 CENTROTEC.pptxAula4 CENTROTEC.pptx
Aula4 CENTROTEC.pptx
 
C:\Fakepath\Mat
C:\Fakepath\MatC:\Fakepath\Mat
C:\Fakepath\Mat
 
Estatística
EstatísticaEstatística
Estatística
 
1 matemática e leitura
1   matemática e leitura1   matemática e leitura
1 matemática e leitura
 
Tabelas e gráficos
Tabelas e gráficosTabelas e gráficos
Tabelas e gráficos
 

Mais de Paulo Martins

F 16 Fighting Falcon
F 16 Fighting FalconF 16 Fighting Falcon
F 16 Fighting Falcon
Paulo Martins
 
F 15 Strick Eagle
F 15 Strick EagleF 15 Strick Eagle
F 15 Strick Eagle
Paulo Martins
 
F 16 XL
F 16 XLF 16 XL
F 16 XL
Paulo Martins
 
F 15 Eagle
F 15 Eagle F 15 Eagle
F 15 Eagle
Paulo Martins
 
OTAN
OTANOTAN
Enumerar as vantagens da descoberta da técnica do fogo
Enumerar as vantagens da descoberta da técnica do fogoEnumerar as vantagens da descoberta da técnica do fogo
Enumerar as vantagens da descoberta da técnica do fogo
Paulo Martins
 
A importância da invasão da escrita
A importância da invasão da escrita A importância da invasão da escrita
A importância da invasão da escrita
Paulo Martins
 
Quando e como se formou o universo
Quando e como se formou o universoQuando e como se formou o universo
Quando e como se formou o universo
Paulo Martins
 
Distingue planetas , estrelas e galáxias
Distingue planetas , estrelas e galáxiasDistingue planetas , estrelas e galáxias
Distingue planetas , estrelas e galáxias
Paulo Martins
 
Adolescência
AdolescênciaAdolescência
Adolescência
Paulo Martins
 
Proporcionalidade
ProporcionalidadeProporcionalidade
Proporcionalidade
Paulo Martins
 
Consumismo e publicidade
Consumismo e publicidadeConsumismo e publicidade
Consumismo e publicidade
Paulo Martins
 
A publicidade
A publicidadeA publicidade
A publicidade
Paulo Martins
 
Tradições musicais do méxico
Tradições musicais do méxicoTradições musicais do méxico
Tradições musicais do méxico
Paulo Martins
 
Tango
TangoTango
Aula coordenadas
Aula coordenadasAula coordenadas
Aula coordenadas
Paulo Martins
 
Serviços e turismo texto edit +++
Serviços e turismo texto edit +++Serviços e turismo texto edit +++
Serviços e turismo texto edit +++
Paulo Martins
 
As Transformações Económicas e Sociais do Após Guerra
As Transformações Económicas e Sociais do Após GuerraAs Transformações Económicas e Sociais do Após Guerra
As Transformações Económicas e Sociais do Após Guerra
Paulo Martins
 
A Rússia do Antigo Regime
A Rússia do Antigo RegimeA Rússia do Antigo Regime
A Rússia do Antigo Regime
Paulo Martins
 
A Revolução Soviética
A Revolução SoviéticaA Revolução Soviética
A Revolução Soviética
Paulo Martins
 

Mais de Paulo Martins (20)

F 16 Fighting Falcon
F 16 Fighting FalconF 16 Fighting Falcon
F 16 Fighting Falcon
 
F 15 Strick Eagle
F 15 Strick EagleF 15 Strick Eagle
F 15 Strick Eagle
 
F 16 XL
F 16 XLF 16 XL
F 16 XL
 
F 15 Eagle
F 15 Eagle F 15 Eagle
F 15 Eagle
 
OTAN
OTANOTAN
OTAN
 
Enumerar as vantagens da descoberta da técnica do fogo
Enumerar as vantagens da descoberta da técnica do fogoEnumerar as vantagens da descoberta da técnica do fogo
Enumerar as vantagens da descoberta da técnica do fogo
 
A importância da invasão da escrita
A importância da invasão da escrita A importância da invasão da escrita
A importância da invasão da escrita
 
Quando e como se formou o universo
Quando e como se formou o universoQuando e como se formou o universo
Quando e como se formou o universo
 
Distingue planetas , estrelas e galáxias
Distingue planetas , estrelas e galáxiasDistingue planetas , estrelas e galáxias
Distingue planetas , estrelas e galáxias
 
Adolescência
AdolescênciaAdolescência
Adolescência
 
Proporcionalidade
ProporcionalidadeProporcionalidade
Proporcionalidade
 
Consumismo e publicidade
Consumismo e publicidadeConsumismo e publicidade
Consumismo e publicidade
 
A publicidade
A publicidadeA publicidade
A publicidade
 
Tradições musicais do méxico
Tradições musicais do méxicoTradições musicais do méxico
Tradições musicais do méxico
 
Tango
TangoTango
Tango
 
Aula coordenadas
Aula coordenadasAula coordenadas
Aula coordenadas
 
Serviços e turismo texto edit +++
Serviços e turismo texto edit +++Serviços e turismo texto edit +++
Serviços e turismo texto edit +++
 
As Transformações Económicas e Sociais do Após Guerra
As Transformações Económicas e Sociais do Após GuerraAs Transformações Económicas e Sociais do Após Guerra
As Transformações Económicas e Sociais do Após Guerra
 
A Rússia do Antigo Regime
A Rússia do Antigo RegimeA Rússia do Antigo Regime
A Rússia do Antigo Regime
 
A Revolução Soviética
A Revolução SoviéticaA Revolução Soviética
A Revolução Soviética
 

Último

A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 

Estatistica resumo

  • 1.
  • 2. A Estatística é um ramo da Matemática que dispõe de processos apropriados para recolher, organizar, classificar, apresentar e interpretar determinados conjuntos de dados.
  • 3. A Estatística tem por objectivo extrair informação dos dados para obter uma melhor compreensão das situações que representam. Na vida de todos os dias, cada vez mais é reconhecida a importância da estatística. Através do seu estudo e conhecimento é possível compreender a sociedade e o seu progresso e também potencializar a capacidade de cada indivíduo ser mais interveniente nesse próprio progresso. A Importância da Estatística No intuito de conhecerem melhor a população e as suas necessidades, os governos de quase todos os países, a partir do século XIX, recorrem à estatística.
  • 4. Variáveis estatísticas  Na figura ao lado observamos um conjunto de pessoas. Cada pessoa tem muitas características ou variáveis. • a cor do cabelo; • a altura; • o sexo; • …
  • 5. Variáveis estatísticas. Variáveis quantitativas e variáveis qualitativas Num estudo estatístico parte-se de um conjunto. Cada elemento desse conjunto (a unidade estatística) tem, provavelmente, muitos caracteres, características ou atributos a que chamamos variáveis. Por exemplo: Variáveis Valor observado Peso de uma pessoa 65 kg Marca de um automóvel Opel Velocidade do carro 80 km/h Cor dos olhos Azul Tipos de dados Ao resultado de uma observação da variável chamamos dado estatístico ou simplesmente dado. Os dados classificam-se em qualitativos ou quantitativos.
  • 6. Os dados qualitativos representam a informação que indica alguma qualidade, categoria ou característica não suscetível de medida, mas de classificação, assumindo várias modalidades. Os dados quantitativos representam a informação resultante de características suscetíveis de serem medidas, apresentando-se com diferentes intensidades, que podem ser de natureza discreta – dados discretos – ou contínua – dados contínuos.
  • 7. A cor dos olhos, sexo, o desporto favorito, a comida favorita, … são variáveis qualitativas, porque não se podem medir. Variáveis Estatísticas A altura, o número de alunos, o peso, o número de irmãos, … são variáveis quantitativas, porque se podem medir. A altura e o peso são variáveis contínuas (podem tomar valores não inteiros), enquanto o número de alunos e de irmãos são variáveis discretas (só podem tomar valores inteiros). Variável estatística: propriedade ou característica que é observada nos elementos de uma população.
  • 9. Variáveis qualitativas: ____________________________ Variáveis quantitativas Contínuas: ______________________ Discretas: _______________________ Exercício 3 Num estudo feito numa escola, recolheram-se dados referentes às seguintes variáveis: (A) idade (D) número de irmãos (G) local de estudo (B) ano de escolaridade (E) desporto preferido (H) tempo gasto diariamente no estudo (C) sexo (F) distância de casa à escola (I) nota na disciplina de Matemática A, B, D, I C, E, G F, H
  • 10. Organização e Tratamento de dados Relativamente a uma amostra de 20 portugueses, com mais de 18 anos, obtiveram-se os seguintes dados relativos ao seu estado civil. Solteiro Solteiro Casado Solteiro Solteiro Divorciado Solteiro Viúvo Casado Divorciado Solteiro Casado Solteiro Solteiro Casado Casado Solteiro Solteiro Casado Divorciado
  • 11. Tabela de Frequências Estado Civil Frequência Absoluta Frequência Relativa Decimal Percentagem (%) Solteiro Casado Viúvo Divorciado Total 10 20 0,5= 6 20 0,3= 1 20 0,05= 3 20 0,15= 1000,5 50%× = 1000,3 30%× = 100,05 50 %× = 1000,15 15%× = 10 6 1 3 20 1 100% Frequência absoluta de um acontecimento é o número de vezes que esse acontecimento se repete. Frequência relativa de um acontecimento é o quociente entre a frequência absoluta e o número total de elementos.
  • 12. N.º de filhos por casal Frequência absoluta Frequência relativa Decimal Percentagem (%) TOTAL Fez-se um inquérito a 15 casais sobre o número de filhos que tinham. As respostas foram as seguintes. Exercício 4 a) Organiza os dados numa tabela de frequências absolutas e relativas.
  • 13. b) Quantos casais não têm filhos? N.º de filhos por casal Frequência absoluta Frequência relativa Decimal Percentagem (%) 0 3 0,2 20% 1 5 0,33 33% 2 4 0,27 27% 3 2 0,13 13% 4 1 0,07 7% TOTAL 15 1 100% 3 casais
  • 14. Medidas de Localização Moda, Média e Mediana
  • 15. Moda A moda de um conjunto de dados é o elemento mais frequente (ou seja, que se repete um maior número de vezes). A moda representa-se por Mo. Exemplo: Uma caixa dez pregos com os seguintes comprimentos: 15; 10; 10; 5; 5; 10; 15; 15; 10; 10 Moda = Mo = 10, porque é o valor mais frequente.
  • 16. Média Aritmética 11 13 15 17 Média X 14 4 + + + = = = Exemplo: Um casal tem quatro filhos com as idades: 11, 13, 15 e 17 anos. A média (ou média aritmética) de um conjunto de valores é o quociente entre a soma de todos os valores e o número total de elementos. A média representa-se por .X
  • 17. A mediana é o valor que ocupa a posição central da variável estatística. A mediana representa-se por .°X Se o número de dados é ímpar, a mediana é o valor do dado que ocupa a posição central. Mediana Para se determinar a mediana deve-se começar por escrever os valores da variável por ordem crescente (ou decrescente).
  • 18. Se o número de dados é ímpar, a mediana é o valor do dado que ocupa a posição central. Exemplo: Mediram-se as alturas de 7 soldadinhos de chumbo e obtiveram-se os resultados que depois de ordenados são: Como o número total de dados é ímpar, há um valor central: 168. ~
  • 19. Como o número total de dados é par, há dois valores centrais: 168 e 170. Mediram-se as alturas de 6 soldadinhos de chumbo e obtiveram-se os resultados que depois de ordenados são: Exemplo: Se o número de dados é par, a mediana é a média aritmética dos dois valores centrais. ~
  • 20. 0 1 2 3 4 4 10 7 3 1 Número de filhos Frequência absoluta A família do Sr. Alberto tem 25 casais. A tabela e o gráfico seguintes foram construídos com base no número de filhos do casais que constituem a família Sr. Alberto. Exemplo: Vamos determinar a média, a moda e a mediana quando os dados têm que ser lidos numa tabela ou num gráfico.
  • 21. 0 1 2 3 4 4 10 7 3 1 Número de filhos Frequência absoluta  Moda = _____ Média = = = n.º total de filhos X n.º de casais 1  0 4 1 10 2 7 3 3 4 1,48 1 37 25 25 × + × + × + × + × = = O número de observações é ___________. Então a mediana ocupa o lugar número _____. 10 74 0, 0, 0, 0, 1, 1, …, 1, 1, 2, 2, …, 2, 2, 3, 3, 3, 4 ímpar  Mediana = _____1 13 posição 13
  • 22. Exercício 4: b) Quantos casais não têm filhos? 3 casais c) Qual é o número de filhos mais frequente? 1 filho d) Qual é o número médio de filhos por casal? e) Qual é a percentagem de casais que têm pelo menos dois filhos? 27 + 13 + 7 = 47 % 0 3 1 5 2 4 3 2 4 1 23 1,5 15 15 ;Média × + × + × + × + × = =
  • 24. Gráfico de Barras O gráfico de barras foi construído com as frequências absolutas.  O gráfico deve ter um título.  Num dos eixos coloca-se a variável estatística.  No outro eixo colocam-se as frequências absolutas ou relativas.  As barras são rectângulos todos com a mesma largura.  A distância ente as barras deve ser a mesma. A altura de cada barra corresponde à sua frequência.  No gráfico de barras, a moda é o elemento que apresenta a maior barra.
  • 25. Gráfico de barras usando as frequências relativas em percentagem.
  • 26. Observe o gráfico. Análise, representação e redução de dados Qual é o título do gráfico? O título responde às questões: O quê; Quando; Onde? O gráfico tem linhas auxiliares? Qual é o papel das linhas auxiliares na elaboração de um gráfico? Fica completamente esclarecido com o gráfico apresentado? Justifique a resposta.
  • 27. Gráfico de barras Os gráficos de barras são fáceis de construir e de ler, por isso são os mais populares. Apresento quatro tipos de gráficos de barras.
  • 28. Gráfico de Linhas  O gráfico deve ter um título.  Num dos eixos coloca-se a variável estatística.  No outro eixo colocam-se as frequências absolutas ou relativas.  O gráfico de linhas é um conjunto de pontos conectado por uma única linha.  Cada ponto corresponde à sua frequência.
  • 29. Gráfico Circular A frequência relativa de “Solteiros” é de 0,5. 0,5 360º 180º× = Vamos determinar a amplitude do sector relativo aos portugueses com o estado civil “Solteiro”.
  • 30. Procedemos da seguinte forma: I – Desenhávamos uma circunferência: II – Marcávamos um raio: III – A partir desse raio, marcávamos, com o transferidor , o ângulo de 180º: IV – Escrever a percentagem respectiva: Para representarmos 50% num gráfico circular, temos que marcar um ângulo de 180º.
  • 31. Para determinarmos a amplitude dos ângulos dos restantes Estados Civis efectuamos da mesma forma. Ângulo = frequência relativa × 360º Nota: O total das amplitudes dos ângulos tem de ser 360º. Se assim não acontecer, deve-se proceder aos ajustamentos adequados nos valores dos ângulos.
  • 32.  O gráfico deve ter um título.  Um gráfico circular ou sectograma é representado através de um círculo dividido em sectores.  A amplitude de cada sector é proporcional à frequência que representa.  A legenda pode estar ao lado ou incluída no gráfico Gráfico Circular
  • 33. Os gráficos circulares são uma boa forma de mostrar como um todo está repartido. Gráficos circulares Na construção de um gráfico circular deve-se ter em conta que: • a amplitude de cada sector é proporcional à frequência que representa; • a legenda pode ser dispensada, inscrevendo-se os valores da variável e as suas frequências nos respectivos sectores circulares; • podem-se usar cores diferentes para os diferentes sectores; • o gráfico deve ter um título adequado. Não é aconselhável construir um gráfico circular: • para variáveis que tenham mais de cinco ou seis modalidades; • para situações em que os sectores resultam aproximadamente com a mesma amplitude; • para sectores com amplitudes muito pequenas. Não é formalmente correcto apresentar gráficos com forma de elipse ou com sectores separados.
  • 34. Muito antes de o homem primitivo inventar a escrita, conseguiu através de desenhos e símbolos deixar informações importantes. Também nos nossos dias os desenhos e os símbolos são úteis para comunicar informações importantes que podem ser compreendidas por diferentes pessoas, mesmo que não falem a mesma língua. Exemplos disso são os pictogramas que se utilizam muito em estatística. Pictograma Um pictograma é um gráfico em que os valores são apresentados por figuras, normalmente relacionadas com o tema em estudo.
  • 35. Indique um valor aproximado para o número de pessoas que participaram no inquérito. Pictogramas O pictograma seguinte refere-se à opinião recolhida, através de um inquérito, de um grupo de pessoas que acabou de assistir a um filme.
  • 36.   Os pictogramas são gráficos muito semelhantes aos gráficos de barras. A principal diferença reside no facto de se utilizarem símbolos alusivos à situação concreta em estudo por forma a tornarem-se mais atraentes. Na construção de um pictograma devem ter-se em atenção os seguintes aspectos: • Indicar no gráfico o significado de cada figura ou símbolo utilizados. • Utilizar símbolos ou figuras sugestivos em relação à variável estatística em estudo. • Utilizar sempre o mesmo símbolo ou símbolos. • Desenhar os símbolos em linhas ou colunas. • Espaçar igualmente os símbolos. • Expressar as diferentes frequências através de um maior ou menor número de símbolos, não aumentando ou diminuindo o tamanho do símbolo. • O gráfico deve ter um título adequado.
  • 37. Para efectuarmos um estudo sobre a altura dos alunos do 3.º ciclo da escola, escolheu-se uma amostra constituída por 23 alunos. Os dados obtidos, em centímetros, foram os seguintes: 145 151 147 167 175 174 153 167 173 162 169 171 158 149 170 167 168 175 174 157 149 150 156 Como deveremos organizar este tipo de dados? Agrupamento em classes
  • 38. Tabela de frequências Classes (Altura dos alunos) N.º de alunos [145,151[ 5 [151,157[ 3 [157,163[ 3 [163,169[ 4 [169,175[ 8 Total 23 Para organizar estes dados vamos agrupá-los em classes. Tendo em conta o menor e o maior valor da tabela e que cada classe tem que ter a mesma amplitude, ou seja, a diferença entre o extremo superior e o extremo inferior da classe. Na 1.ª classe estão incluídas as alturas maiores ou iguais a 145 e menores do que 151. . 145 151 147 167 175 174 153 167 173 162 169 171 158 149 170 167 168 175 174 157 149 150 156
  • 39. Os gráficos das distribuições usando dados contínuos têm um aspecto diferente dos gráficos de barras das distribuições de dados discretos. Neste caso chamam-se histogramas. Histograma é um gráfico de barras formado por um conjunto de rectângulos adjacentes (colados), tendo cada um deles por base um intervalo de classe e por altura a respectiva frequência. Histograma
  • 40. Polígono de frequências Se num histograma unires por segmentos de recta os pontos médios dos lados superiores de cada rectângulo do histograma, como se fez em baixo, obténs uma outra forma de apresentar a distribuição, que se chama polígono de frequências. Nota: Para obtermos os pontos nos extremos da linha poligonal, devemos imaginar que existe uma classe com a mesma amplitude das restantes e frequência zero, determinar o ponto médio desta classe e uni-lo aos restantes.
  • 41. Nota: A média e a mediana apenas podem ser determinadas em dados quantitativos, a moda pode ser determinada em dados quantitativos e qualitativos. Quando os dados estão agrupados por classes temos que:  A classe modal corresponde à classe com maior frequência.  A média de um conjunto de dados agrupados corresponde à média das marcas das classes (valor médio de cada classe), tendo em conta as frequências respectivas.  A classe mediana corresponde à classe que incluiu o valor central.
  • 42. Diagrama de Caule-e-folhas Os resultados de 16 testes, numa escala de 0 a 100, foram os seguintes: 35, 78, 50, 63, 86, 73, 57, 82, 59, 75, 66, 79, 83, 71, 94, 59
  • 43. 3 5 5 0 7 9 9 6 3 6 7 1 3 5 8 9 8 2 3 6 9 4 Esta representação chama-se diagrama de caule-e-folhas. O caule é a coluna com os números 3, 5, 6, 7, 8 e 9 que representam o algarismo das dezenas e as folhas que representam o algarismo das unidades de cada um dos dados. Pode-se organizar este conjunto de dados utilizando uma representação gráfica do tipo seguinte: 35, 78, 50, 63, 86, 73, 57, 82, 59, 75, 66, 79, 83, 71, 94, 59
  • 44. 35, 78, 50, 63, 86, 73, 57, 82, 59, 75, 66, 79, 83, 71, 94, 59 3 5 5 0 7 9 9 6 3 6 7 1 3 5 8 9 8 2 3 6 9 4 35 78, 73, 75, 79, 71 Ordenando os algarismos das unidades vem:1, 3, 5, 8,9 Isto é:
  • 45.  Representa os dados, separando cada valor em duas partes: o caule (valor à esquerda do traço vertical) e a folha (algarismo à direita do traço vertical).  O valor a colocar no caule são das dezenas, centenas e milhares. O valor a colocar na folha são as unidades. Aqui repetimos as unidades quantas vezes o número aparece.  Não é necessário construir previamente uma tabela de frequências. Diagrama de Caule-e-folhas
  • 46. Diagrama de Extremos e Quartis O Diagrama de extremos e quartis é uma representação gráfica onde se realçam algumas características da amostra. Para tal, começa-se por determinar as seguintes medidas da amostra: os extremos (o mínimo e o máximo), a mediana e o 1.º e 3.º quartis.
  • 47. Classificações dos testes de Matemática
  • 48. Vamos determinar o mínimo e o máximo, a mediana e o 1.º e 3.º quartis das classificações do António. 65, 70, 75, 75, 80, 85 Mínimo: 65 Máximo: 85 ~
  • 49. A mediana divide a distribuição em duas partes iguais. António:
  • 50. Os quartis são valores da variável que dividem a distribuição em 4 partes iguais, cada uma delas com 25% dos dados totais ordenados. 1.º Quartil 3.º Quartil2.º Quartil
  • 51. A mediana divide o conjunto de dados em duas partes com igual percentagem de elementos, 50%. Assim, para determinar os quartis, basta calcular a mediana de cada uma dessas duas partes, obtendo, desta forma, quatro partes com igual percentagem.
  • 52. 65, 70, 75, 75, 80, 85 65, 70, 75 75, 80, 85 Vamos determinar os quartis para as classificações do António 80= =33.ºQuartil Q7011.ºQuartil Q= =
  • 53. O primeiro quartil, Q1, separa os primeiro 25% dos dados ordenados dos restantes 75%. O segundo quartil, Q2, corresponde ao valor da mediana. O terceiro quartil, Q3, separa os primeiro 75% dos dados iniciais dos últimos 25%.
  • 54. Para construir o diagrama de extremos e quartis referente às classificações do António, basta proceder do seguinte modo: 1.Traçar uma recta orientada na horizontal (ou vertical) que inclua o mínimo e o máximo do conjunto de dados. 2.A par da recta orientada, desenhar um rectângulo entre o 1.º e o 3.º quartil e colocar um traço para assinalar a mediana. 3.Marcar dois segmentos de recta verticais ao lado do rectângulo correspondentes ao mínimo e máximo. 4.Unir os pontos médios dos segmentos de recta do mínimo e do 1.º quartil e os pontos médios dos segmentos de recta do máximo e do 3.º quartil. Mín: 65 Máx: 85 Med.: 75 Q1: 70 Q3:80
  • 55. Diagrama de Extremos e Quartis O Diagrama de Extremos e Quartis pode ser colocado na horizontal ou vertical. Este diagrama também é conhecido por diagrama de caixa e bigodes.
  • 56. Vamos construir o diagrama de extremos e quartis das classificações da Bárbara.
  • 57. 73, 74, 75, 75, 76, 77 Mínimo: 73 Máximo: 77 Exercício da ficha de trabalho: Vamos ordenar as classificações da Bárbara. ~
  • 58. 73, 74, 75, 75, 76, 77 73, 74, 75 75, 76, 77 Vamos determinar os quartis para as classificações da Bárbara. 76= =33.ºQuartil Q74= =11.ºQuartil Q
  • 59. Diagrama de extremos e quartis das classificações da Bárbara. Mín: 73 Máx: 77 Med.: 75 Q1: 74 Q3: 76
  • 60. A amplitude e a amplitude interquartis são medidas indicadas para estudar a dispersão dos dados. A amplitude é a diferença entre o máximo e o mínimo do conjunto de dados (os extremos). Amplitude e Amplitude Interquartis A = máximo − mínimo A amplitude é muito dependente dos valores extremos do conjunto de dados, pelo que, em determinadas situações, pode não descrever correctamente a sua dispersão.
  • 61.
  • 62. A amplitude interquartis é a diferença entre o 3.º quartil e o 1.º quartil. AIQ = Q3 − Q1 A amplitude interquartis fornece informação acerca da amplitude do intervalo que contém 50% dos dados centrais. Como é óbvio, quanto mais variados forem os dados, maior será a amplitude interquartis.
  • 63.
  • 64. Média Medidas de localização central Medidas de localização Medidas de dispersão Mediana Moda Quartis Amplitude Amplitude interquartis