SlideShare uma empresa Scribd logo
SEGURANÇA E SAÚDE EM OBRAS
SUBTERRÂNEAS
2015-11-11
O IMPACTO DOS ACELERADORES DE PRESA
NA SAÚDE DOS TRABALHADORES
RUTE SILVA
Responsável pelo Desenvolvimento de Negócio de Túneis e Minas
PEDRO SOUSA
Responsável Técnico
SIKA PORTUGAL SA
1 BETÃO PROJECTADO
2 ADJUVANTES
3 ACELERADORES DE PRESA PARA BETÃO PROJECTADO
4 ACELERADORES DE PRESA ALCALINOS
5 ACELERADORES DE PRESA NÃO ALCALINOS
6 DISTRIBUIÇÃO MUNDIAL - GAMA SIGUNIT
7 CONCLUSÃO
ÍNDICE
3
BETÃO PROJECTADO
 Betão (composição)
 Processo de projecção (via seca ou via húmida)
 Sistema de projecção (fluxo denso ou fluxo diluído)
 Cimento
 Água
 Agregados
 Adições
 Adjuvantes
No caso particular do betão projectado, o principal adjuvante é o acelerador de
presa, pois é adicionado em percentagens superiores a 5% em peso de ligante.
4
ADJUVANTES
 Os adjuvantes são utilizados para melhorar e/ou alterar as propriedades do
betão
 Estes plastificantes/superplastificantes são adicionados em quantidades
inferiores a 5% em massa do teor de cimento do betão
 Os aceleradores de presa são adicionados em quantidades superiores a 5%
em massa do teor de cimento do betão de forma a regular o início de presa
 Todos os adjuvantes são adicionados ao betão durante a sua produção, na
central de betão
 A única excepção é o acelerador de presa que é adicionado em obra, durante
o processo de projecção de betão
5
6
EXEMPLO DE PROJECÇÃO
 O Betão Projectado é utilizado como o 1º sistema de suporte, primário ou
definitivo, ou seja segurança!
 As exigências a nível da segurança e saúde dos trabalhadores, nos últimos
anos sofreram muitas alterações.
 As exigências ambientais e de sustentabilidade a nível dos produtos e
processos também.
 Actualmente temos a aplicação de betão projectado normalizada, onde os
requisitos estão definidos; desenvolvimento das resistências iniciais,
resistências finais e durabilidade.
 Estas alterações obrigaram a uma grande evolução e desenvolvimento a nível
das soluções possíveis para os aceleradores de presa para betão projectado
7
ACELERADORES DE PRESA PARA BETÃO PROJECTADO
8
FIG. 1 - RESISTÊNCIAS INICIAIS PARA BETÃO PROJECTADO, NORMA EN 14487-1
J1 – Aplicação de BP em
camada fina substrato
seco. Sem carácter
estrutural nas primeiras
horas após a aplicação.
J2 – Quando é necessário
camada espessa num
curto espaço de tempo.
Para aplicação em tectos,
suporte com algum
afluxo de água.
J3 – Aplicação de BP em
suporte muito fragil e/ou
com grande afluxo de
água. Apenas utilizado
em situações muito
especiais.
ACELERADORES ALCALINOS
 Tecnologia mais antiga, mas ainda usada em muitos países
 Contêm altas concentrações de iões de Alkali (NaSi)
 Líquidos básicos com PH muito elevado, normalmente acima de 11 (12-13)
ACELERADORES NÃO ALCALINOS
 Produtos são definidos como não alcalinos quando o conteúdo de alkali é
igual ou inferior a 1% do peso do acelerador
 Actualmente são a solução mais frequente para a projecção de betão a nível
mundial
 Vantagens a nível da aplicação, ambiente, saúde e segurança
 Valor de ph baixo, normalmente à volta de 3,0
 O ph dos alkali free encontra-se na gama dos ácidos fracos, similar aos de
alguns sumos
9
ACELERADORES DE PRESA PARA BETÃO PROJECTADO
10
FIG. 2 - PH ACELERADORES DE PRESA
ACELERADORES DE PRESA PARA BETÃO PROJECTADO
ACELERADORES DE PRESA PARA BETÃO PROJECTADO
11
Base silicatos
Base aluminatos
Base ácido fluorídrico
Base ácido fosfórico
Base ácido fórmico
ACELERADORES DE PRESA ALCALINOS
12
ALCALINOS
Base silicatos
Dosagem entre 12-15%
PH 12-13
Gelidifica o betão
Sem o efeito calor
Resistências iniciais elevadas
Redução das resistências finais
Bom para camada espessa
1ª. Geração.
Base aluminatos
Dosagem entre 3-6%
PH 13-14
Mais reactivos
Resistências iniciais muito elevadas
Redução das resistências finais até 40%
2ª. Geração.
 Torna-se claro, após análise dos quadros que apenas os aceleradores de
presa não alcalinos devem ser utilizados quando estamos a falar da
segurança de toda a equipa de projecção.
Mas ser não alcalino significa não ser
perigoso para a saúde dos trabalhadores?
ACELERADORES DE PRESA ALCALINOS
13
14
ACELERADORES DE PRESA NÃO ALCALINOS
 Segurança no trabalho: devido ao pH aprox. 3, não ocorre formação de spray
cáustico no ambiente, dessa forma não há danos na pele, mucosas e olhos.
 Segurança ambiental: evita-se que os aditivos com alto teor alcalino sejam
derramados para o chão ou para as águas de drenagem.
 Segurança no manuseamento: o acelerador não alcalino não oferece perigo
durante o transporte, armazenamento, decantação ou dosagem.
 Garantia da qualidade do betão: o uso de aceleradores não alcalinos
minimiza os efeitos do endurecimento rápido do betão e melhora a
impermeabilidade do betão projectado, e, portanto, a sua durabilidade.
 Eliminação segura: aceleradores isentos de alcalis não introduzem alcalis
solúveis no betão. Isto reduz grandemente o risco de contaminação por
infiltração.
ACELERADORES DE PRESA NÃO ALCALINOS
15
Não alcalinos
Base ác. fluorídrico Base ác. fórmicoBase ác. fosfórico
Preço mais baixo
Dissolve praticamente tudo
Permite matérias primas + baratas
Queimadura química
Dissolve matéria orgânica (nariz,
olhos, peles, ossos)
Ataca a pele
Queimadura química
Mais fraco dos ácidos
Necessita de matérias primas de +
qualidade
Irritante para olhos e pele
Não queima
Não dissolve
X
16
ACELERADORES DE PRESA NÃO ALCALINOS
 Ácido fluorídrico é um dos componentes mais perigosos no planeta (dissolve
matéria orgânica)
 No contacto directo provoca lesões oculares na íris ou na córnea (opacidade)
 Por inalação provocam irritação intensa da mucosa nasal, olhos, dor de
cabeça, edema da glote, edema pulmonar, etc
 Pode levar a degradação de enzimas indispensáveis à vida, levando a
patologias crónicas como ossificação dos tendões e a osteosclerose
 Ácido fosfórico ataca a pele imediatamente podendo provocar queimaduras
de 3º grau
 Ácido fórmico irritante para pele e olhos
17
DISTRIBUIÇÃO MUNDIAL - GAMA SIGUNIT
57’551 MT/a 59’797 MT/a
18
DISTRIBUIÇÃO MUNDIAL - GAMA SIGUNIT
19
CONCLUSÃO
Os aceleradores de presa alcalinos:
 Contêm elevadas quantidades de iões de alcali
 Líquidos básicos com PH muito elevado(11)
 Queimaduras no tecido humano (olhos, pele), risco de cegueira
 Poeiras cáusticas (partículas livres que não reagiram com cimento)
 Aparelho respiratório (pulmões)
 Alteração PH da pele (provoca descamação)
 Não se sente de imediato mas, é difícil neutralizar a queimadura com água
 Riscos ambientais
 Afectam qualidade e durabilidade do betão
 Atacam material orgânico
20
CONCLUSÃO
Os aceleradores de presa não alcalinos:
 PH a variar entre os 2.5 a 3.5, na zona segura para os tecidos humanos
 Sem poeiras cáusticas
 Ambientalmente seguro
 Qualidade e durabilidade do betão
 Atenção aos perigos de acordo com o ácido da base química (fluorados são os
mais perigosos)
 Queimaduras químicas na pele e olhos, através do contacto directo
 Patologias crónicas
 Poeiras com partículas de ácido quando não reagem na totalidade com o
cimento
 Lavagem com água em caso de contacto
21
CONCLUSÃO
NÃO FAZER PROJECÇÃO DE ACELERADOR SEM BETÃO
CONSULTAR SEMPRE A FICHA DE SEGURANÇA DOS PRODUTOS
UTILIZAR SEMPRE A ROUPA E EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO
CONTACTAR SEMPRE O FORNECEDOR PARA ESCLARECIMENTO DE
TODAS E QUAISQUER DÚVIDAS
QUANDO SE FALA NA SAÚDE E SEGURANÇA DE TODA A EQUIPA DE
PROJECÇÃO NÃO HÁ PERGUNTAS ESTÚPIDAS!!!
OBRIGADA PELA ATENÇÃO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Peças de Turbinas de Hidrelétricas
Peças de Turbinas de HidrelétricasPeças de Turbinas de Hidrelétricas
Peças de Turbinas de Hidrelétricas
RIJEZA
 
Aula 1 bases forradoras
Aula 1  bases forradorasAula 1  bases forradoras
Aula 1 bases forradoras
Odonto ufrj
 
Circulação segura
Circulação seguraCirculação segura
Circulação segura
Robson Peixoto
 
Válvula guilhotina
Válvula guilhotinaVálvula guilhotina
Válvula guilhotina
Soluções Industriais
 
Cigarro protegildo
Cigarro protegildoCigarro protegildo
Cigarro protegildo
Robson Peixoto
 
Sonex bruna
Sonex brunaSonex bruna
Nao corra risco[1]
Nao corra risco[1]Nao corra risco[1]
Nao corra risco[1]
Robson Peixoto
 
Andaimes
AndaimesAndaimes
Andaimes
Robson Peixoto
 
Qualidade de vida
Qualidade de vidaQualidade de vida
Qualidade de vida
Robson Peixoto
 
CATÁLOGO SOBRE ADITIVOS PARA CONCRETOS E ARGAMASSAS
CATÁLOGO SOBRE ADITIVOS PARA CONCRETOS E ARGAMASSASCATÁLOGO SOBRE ADITIVOS PARA CONCRETOS E ARGAMASSAS
CATÁLOGO SOBRE ADITIVOS PARA CONCRETOS E ARGAMASSAS
profNICODEMOS
 
94
9494
Escadas dicas protegildo
Escadas dicas protegildoEscadas dicas protegildo
Escadas dicas protegildo
Robson Peixoto
 
Alerta sms pb 032 2013 anomalia seg proc vaz petroleo
Alerta sms pb 032 2013 anomalia seg proc vaz petroleoAlerta sms pb 032 2013 anomalia seg proc vaz petroleo
Alerta sms pb 032 2013 anomalia seg proc vaz petroleo
Paulo H Bueno
 

Mais procurados (13)

Peças de Turbinas de Hidrelétricas
Peças de Turbinas de HidrelétricasPeças de Turbinas de Hidrelétricas
Peças de Turbinas de Hidrelétricas
 
Aula 1 bases forradoras
Aula 1  bases forradorasAula 1  bases forradoras
Aula 1 bases forradoras
 
Circulação segura
Circulação seguraCirculação segura
Circulação segura
 
Válvula guilhotina
Válvula guilhotinaVálvula guilhotina
Válvula guilhotina
 
Cigarro protegildo
Cigarro protegildoCigarro protegildo
Cigarro protegildo
 
Sonex bruna
Sonex brunaSonex bruna
Sonex bruna
 
Nao corra risco[1]
Nao corra risco[1]Nao corra risco[1]
Nao corra risco[1]
 
Andaimes
AndaimesAndaimes
Andaimes
 
Qualidade de vida
Qualidade de vidaQualidade de vida
Qualidade de vida
 
CATÁLOGO SOBRE ADITIVOS PARA CONCRETOS E ARGAMASSAS
CATÁLOGO SOBRE ADITIVOS PARA CONCRETOS E ARGAMASSASCATÁLOGO SOBRE ADITIVOS PARA CONCRETOS E ARGAMASSAS
CATÁLOGO SOBRE ADITIVOS PARA CONCRETOS E ARGAMASSAS
 
94
9494
94
 
Escadas dicas protegildo
Escadas dicas protegildoEscadas dicas protegildo
Escadas dicas protegildo
 
Alerta sms pb 032 2013 anomalia seg proc vaz petroleo
Alerta sms pb 032 2013 anomalia seg proc vaz petroleoAlerta sms pb 032 2013 anomalia seg proc vaz petroleo
Alerta sms pb 032 2013 anomalia seg proc vaz petroleo
 

Destaque

CICCOPN 26 03 2015
CICCOPN 26 03 2015CICCOPN 26 03 2015
11919225 principios
11919225 principios11919225 principios
11919225 principios
Pelo Siro
 
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras SubterrâneasSegurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Seminário Construção em Aço Leve-Euronit-CICCOPN
Seminário Construção em Aço Leve-Euronit-CICCOPNSeminário Construção em Aço Leve-Euronit-CICCOPN
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras SubterrâneasSegurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Apresentacao jornadas tecnicas_qualidade_3 edicao - ricardo barbosa
Apresentacao jornadas tecnicas_qualidade_3 edicao - ricardo barbosaApresentacao jornadas tecnicas_qualidade_3 edicao - ricardo barbosa
Mini apresentacao empreendedorismo
Mini apresentacao empreendedorismoMini apresentacao empreendedorismo
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras SubterrâneasSegurança e Saúde em Obras Subterrâneas
construção-Aço-Leve-CM-26 fev2015
construção-Aço-Leve-CM-26 fev2015construção-Aço-Leve-CM-26 fev2015
Apresentacao jornadas tecnicas_qualidade_3 edicao_benedita machado
Apresentacao jornadas tecnicas_qualidade_3 edicao_benedita machadoApresentacao jornadas tecnicas_qualidade_3 edicao_benedita machado
Seminário Construção em Aço Leve -Rockwool-CICCOPN
Seminário Construção em Aço Leve -Rockwool-CICCOPNSeminário Construção em Aço Leve -Rockwool-CICCOPN
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras SubterrâneasSegurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Controlar company presentation junho 2016 - vera figueiredo
Controlar   company presentation junho 2016 - vera figueiredoControlar   company presentation junho 2016 - vera figueiredo
Atr autorizacao para trabalho de risco
Atr   autorizacao para trabalho de riscoAtr   autorizacao para trabalho de risco
Atr autorizacao para trabalho de risco
Rogério Braga
 
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras SubterrâneasSegurança e Saúde em Obras Subterrâneas
30 jul2016 kaizen presentation ciccopn
30 jul2016 kaizen presentation ciccopn30 jul2016 kaizen presentation ciccopn
Seminário Construção em Aço Leve-Gyptec-CICCOPN
Seminário Construção em Aço Leve-Gyptec-CICCOPNSeminário Construção em Aço Leve-Gyptec-CICCOPN
Regulamento de Segurança
Regulamento de SegurançaRegulamento de Segurança
Regulamento de Segurança
Jonas Abilio Sestrem Jr
 
Treinamento Espaço confinados
Treinamento Espaço confinados Treinamento Espaço confinados
Treinamento Espaço confinados
Ane Costa
 
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras SubterrâneasSegurança e Saúde em Obras Subterrâneas

Destaque (20)

CICCOPN 26 03 2015
CICCOPN 26 03 2015CICCOPN 26 03 2015
CICCOPN 26 03 2015
 
11919225 principios
11919225 principios11919225 principios
11919225 principios
 
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras SubterrâneasSegurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
 
Seminário Construção em Aço Leve-Euronit-CICCOPN
Seminário Construção em Aço Leve-Euronit-CICCOPNSeminário Construção em Aço Leve-Euronit-CICCOPN
Seminário Construção em Aço Leve-Euronit-CICCOPN
 
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras SubterrâneasSegurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
 
Apresentacao jornadas tecnicas_qualidade_3 edicao - ricardo barbosa
Apresentacao jornadas tecnicas_qualidade_3 edicao - ricardo barbosaApresentacao jornadas tecnicas_qualidade_3 edicao - ricardo barbosa
Apresentacao jornadas tecnicas_qualidade_3 edicao - ricardo barbosa
 
Mini apresentacao empreendedorismo
Mini apresentacao empreendedorismoMini apresentacao empreendedorismo
Mini apresentacao empreendedorismo
 
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras SubterrâneasSegurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
 
construção-Aço-Leve-CM-26 fev2015
construção-Aço-Leve-CM-26 fev2015construção-Aço-Leve-CM-26 fev2015
construção-Aço-Leve-CM-26 fev2015
 
Apresentacao jornadas tecnicas_qualidade_3 edicao_benedita machado
Apresentacao jornadas tecnicas_qualidade_3 edicao_benedita machadoApresentacao jornadas tecnicas_qualidade_3 edicao_benedita machado
Apresentacao jornadas tecnicas_qualidade_3 edicao_benedita machado
 
Seminário Construção em Aço Leve -Rockwool-CICCOPN
Seminário Construção em Aço Leve -Rockwool-CICCOPNSeminário Construção em Aço Leve -Rockwool-CICCOPN
Seminário Construção em Aço Leve -Rockwool-CICCOPN
 
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras SubterrâneasSegurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
 
Controlar company presentation junho 2016 - vera figueiredo
Controlar   company presentation junho 2016 - vera figueiredoControlar   company presentation junho 2016 - vera figueiredo
Controlar company presentation junho 2016 - vera figueiredo
 
Atr autorizacao para trabalho de risco
Atr   autorizacao para trabalho de riscoAtr   autorizacao para trabalho de risco
Atr autorizacao para trabalho de risco
 
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras SubterrâneasSegurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
 
30 jul2016 kaizen presentation ciccopn
30 jul2016 kaizen presentation ciccopn30 jul2016 kaizen presentation ciccopn
30 jul2016 kaizen presentation ciccopn
 
Seminário Construção em Aço Leve-Gyptec-CICCOPN
Seminário Construção em Aço Leve-Gyptec-CICCOPNSeminário Construção em Aço Leve-Gyptec-CICCOPN
Seminário Construção em Aço Leve-Gyptec-CICCOPN
 
Regulamento de Segurança
Regulamento de SegurançaRegulamento de Segurança
Regulamento de Segurança
 
Treinamento Espaço confinados
Treinamento Espaço confinados Treinamento Espaço confinados
Treinamento Espaço confinados
 
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras SubterrâneasSegurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
 

Semelhante a Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas

Catalogo construcao neoquim tablet
Catalogo construcao neoquim tabletCatalogo construcao neoquim tablet
Catalogo construcao neoquim tablet
VitorCorreia42
 
5º e 6º aula concreto - patologia e aditivos
5º e 6º aula   concreto - patologia e aditivos5º e 6º aula   concreto - patologia e aditivos
5º e 6º aula concreto - patologia e aditivos
profNICODEMOS
 
QAS- ESPAÇOS CONFINADOS
QAS- ESPAÇOS CONFINADOSQAS- ESPAÇOS CONFINADOS
QAS- ESPAÇOS CONFINADOS
Carla Guerreiro
 
Ficha tecnica master_glenium
Ficha tecnica master_gleniumFicha tecnica master_glenium
Ficha tecnica master_glenium
Emanuel Carvalho Rebouças
 
Manual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESB
Manual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESBManual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESB
Manual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESB
Thales Vinícius de Melo Rissi
 
Manual completolwart
Manual completolwartManual completolwart
Manual completolwart
PedroPauloNascimento4
 
Aplicação caracteristicas tecnica de aplicação verniz antichamas (11)98950 3543
Aplicação caracteristicas tecnica de aplicação verniz antichamas (11)98950 3543Aplicação caracteristicas tecnica de aplicação verniz antichamas (11)98950 3543
Aplicação caracteristicas tecnica de aplicação verniz antichamas (11)98950 3543
ANTI-CHAMAS ou IGNIFUGAÇÃO
 
Transporte Dutoviário
Transporte DutoviárioTransporte Dutoviário
Transporte Dutoviário
Cristiano S da Silva
 
Proteção Superficial das Estruturas de Concreto
Proteção Superficial das Estruturas de ConcretoProteção Superficial das Estruturas de Concreto
Proteção Superficial das Estruturas de Concreto
Adriana de Araujo
 
Ficha seguranca cimento
Ficha seguranca cimentoFicha seguranca cimento
Ficha seguranca cimento
Josivaldo Rodrigues
 
Agua construção civil
Agua construção civilAgua construção civil
Agua construção civil
Nodge Holanda
 
Apresentação Técnica - 1CSM
Apresentação Técnica - 1CSMApresentação Técnica - 1CSM
Apresentação Técnica - 1CSM
Frau Soares
 
Resina acqua multiuso
Resina acqua multiusoResina acqua multiuso
Resina acqua multiuso
Jefferson Clayton
 
Práticas pepiii pet_n01
Práticas pepiii pet_n01Práticas pepiii pet_n01
Práticas pepiii pet_n01
Jaqueline Silva Albuquerque da Guia
 
07 fispq emulsão asfáltica catiônica (2) massa fria
07 fispq emulsão asfáltica catiônica (2)   massa fria07 fispq emulsão asfáltica catiônica (2)   massa fria
07 fispq emulsão asfáltica catiônica (2) massa fria
NRFACIL www.nrfacil.com.br
 
Coleções ker art
Coleções ker artColeções ker art
Coleções ker art
jeanfonseca
 
Coleções ker art
Coleções ker artColeções ker art
Coleções ker art
jeanfonseca
 
Asfaltos e alcatrões qgt
Asfaltos e alcatrões   qgtAsfaltos e alcatrões   qgt
Asfaltos e alcatrões qgt
Lowrrayny Franchesca
 
Pipe Clean & Test Presentation
Pipe Clean & Test PresentationPipe Clean & Test Presentation
Pipe Clean & Test Presentation
Frau Soares
 
Adhesivo Ambar marca fgm sistema de adhesión de autogravado
Adhesivo Ambar marca fgm sistema de adhesión de autogravadoAdhesivo Ambar marca fgm sistema de adhesión de autogravado
Adhesivo Ambar marca fgm sistema de adhesión de autogravado
LegoJhonatan
 

Semelhante a Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas (20)

Catalogo construcao neoquim tablet
Catalogo construcao neoquim tabletCatalogo construcao neoquim tablet
Catalogo construcao neoquim tablet
 
5º e 6º aula concreto - patologia e aditivos
5º e 6º aula   concreto - patologia e aditivos5º e 6º aula   concreto - patologia e aditivos
5º e 6º aula concreto - patologia e aditivos
 
QAS- ESPAÇOS CONFINADOS
QAS- ESPAÇOS CONFINADOSQAS- ESPAÇOS CONFINADOS
QAS- ESPAÇOS CONFINADOS
 
Ficha tecnica master_glenium
Ficha tecnica master_gleniumFicha tecnica master_glenium
Ficha tecnica master_glenium
 
Manual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESB
Manual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESBManual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESB
Manual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESB
 
Manual completolwart
Manual completolwartManual completolwart
Manual completolwart
 
Aplicação caracteristicas tecnica de aplicação verniz antichamas (11)98950 3543
Aplicação caracteristicas tecnica de aplicação verniz antichamas (11)98950 3543Aplicação caracteristicas tecnica de aplicação verniz antichamas (11)98950 3543
Aplicação caracteristicas tecnica de aplicação verniz antichamas (11)98950 3543
 
Transporte Dutoviário
Transporte DutoviárioTransporte Dutoviário
Transporte Dutoviário
 
Proteção Superficial das Estruturas de Concreto
Proteção Superficial das Estruturas de ConcretoProteção Superficial das Estruturas de Concreto
Proteção Superficial das Estruturas de Concreto
 
Ficha seguranca cimento
Ficha seguranca cimentoFicha seguranca cimento
Ficha seguranca cimento
 
Agua construção civil
Agua construção civilAgua construção civil
Agua construção civil
 
Apresentação Técnica - 1CSM
Apresentação Técnica - 1CSMApresentação Técnica - 1CSM
Apresentação Técnica - 1CSM
 
Resina acqua multiuso
Resina acqua multiusoResina acqua multiuso
Resina acqua multiuso
 
Práticas pepiii pet_n01
Práticas pepiii pet_n01Práticas pepiii pet_n01
Práticas pepiii pet_n01
 
07 fispq emulsão asfáltica catiônica (2) massa fria
07 fispq emulsão asfáltica catiônica (2)   massa fria07 fispq emulsão asfáltica catiônica (2)   massa fria
07 fispq emulsão asfáltica catiônica (2) massa fria
 
Coleções ker art
Coleções ker artColeções ker art
Coleções ker art
 
Coleções ker art
Coleções ker artColeções ker art
Coleções ker art
 
Asfaltos e alcatrões qgt
Asfaltos e alcatrões   qgtAsfaltos e alcatrões   qgt
Asfaltos e alcatrões qgt
 
Pipe Clean & Test Presentation
Pipe Clean & Test PresentationPipe Clean & Test Presentation
Pipe Clean & Test Presentation
 
Adhesivo Ambar marca fgm sistema de adhesión de autogravado
Adhesivo Ambar marca fgm sistema de adhesión de autogravadoAdhesivo Ambar marca fgm sistema de adhesión de autogravado
Adhesivo Ambar marca fgm sistema de adhesión de autogravado
 

Mais de CICCOPN - Centro de formação Profissional da Industria da Construção Civil e Obras Públicas do Norte

ISO9001 - Aplicação prática no Setor da Construção Civil
ISO9001 -  Aplicação prática no Setor da Construção Civil               ISO9001 -  Aplicação prática no Setor da Construção Civil
Implementação do Lean na Construção
Implementação do Lean na ConstruçãoImplementação do Lean na Construção
eiC - Evolucao Certificacao Construcao Civil
eiC - Evolucao Certificacao Construcao CivileiC - Evolucao Certificacao Construcao Civil
Jornadas Qualidade 2019
Jornadas Qualidade 2019Jornadas Qualidade 2019
Apresentacao joao baptista_julho2019
Apresentacao joao baptista_julho2019Apresentacao joao baptista_julho2019
Apresentacao rui-cunha
Apresentacao rui-cunhaApresentacao rui-cunha
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshopsLearningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshopsLearningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
Jornadas Qualidade - Business intelligence
Jornadas Qualidade - Business intelligence Jornadas Qualidade - Business intelligence
Jornadas qualidade - Bosch
Jornadas qualidade - BoschJornadas qualidade - Bosch
Qualidade desenvolvimento-produtos
Qualidade desenvolvimento-produtosQualidade desenvolvimento-produtos
Jornadas qualidade 2018 - ISO/IEC
Jornadas qualidade 2018 - ISO/IECJornadas qualidade 2018 - ISO/IEC
Equipas de Qualidade
Equipas de QualidadeEquipas de Qualidade
Trabalhador designado - Segurança e Saúde no Trabalho
Trabalhador designado - Segurança e Saúde no TrabalhoTrabalhador designado - Segurança e Saúde no Trabalho
Jornadas da Qualidade no CICCOPN
Jornadas da Qualidade no CICCOPNJornadas da Qualidade no CICCOPN
A nova Norma Internacional ISO 45001:2018 – Sistema de Gestão da Segurança e ...
A nova Norma Internacional ISO 45001:2018 – Sistema de Gestão da Segurança e ...A nova Norma Internacional ISO 45001:2018 – Sistema de Gestão da Segurança e ...
A nova Norma Internacional ISO 45001:2018 – Sistema de Gestão da Segurança e ...
CICCOPN - Centro de formação Profissional da Industria da Construção Civil e Obras Públicas do Norte
 
Guia controlo exposicao profissional a agentes químicos
Guia controlo exposicao profissional a agentes químicosGuia controlo exposicao profissional a agentes químicos
Guia luvas-Exposição profissional a agentes químicos
Guia luvas-Exposição profissional a agentes químicosGuia luvas-Exposição profissional a agentes químicos
Guia epi - Exposição profissional a agentes químicos
Guia epi - Exposição profissional a agentes químicosGuia epi - Exposição profissional a agentes químicos
Exposição profissional a agentes químicos
Exposição profissional a agentes químicosExposição profissional a agentes químicos

Mais de CICCOPN - Centro de formação Profissional da Industria da Construção Civil e Obras Públicas do Norte (20)

ISO9001 - Aplicação prática no Setor da Construção Civil
ISO9001 -  Aplicação prática no Setor da Construção Civil               ISO9001 -  Aplicação prática no Setor da Construção Civil
ISO9001 - Aplicação prática no Setor da Construção Civil
 
Implementação do Lean na Construção
Implementação do Lean na ConstruçãoImplementação do Lean na Construção
Implementação do Lean na Construção
 
eiC - Evolucao Certificacao Construcao Civil
eiC - Evolucao Certificacao Construcao CivileiC - Evolucao Certificacao Construcao Civil
eiC - Evolucao Certificacao Construcao Civil
 
Jornadas Qualidade 2019
Jornadas Qualidade 2019Jornadas Qualidade 2019
Jornadas Qualidade 2019
 
Apresentacao joao baptista_julho2019
Apresentacao joao baptista_julho2019Apresentacao joao baptista_julho2019
Apresentacao joao baptista_julho2019
 
Apresentacao rui-cunha
Apresentacao rui-cunhaApresentacao rui-cunha
Apresentacao rui-cunha
 
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshopsLearningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
 
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshopsLearningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
 
Jornadas Qualidade - Business intelligence
Jornadas Qualidade - Business intelligence Jornadas Qualidade - Business intelligence
Jornadas Qualidade - Business intelligence
 
Jornadas qualidade - Bosch
Jornadas qualidade - BoschJornadas qualidade - Bosch
Jornadas qualidade - Bosch
 
Qualidade desenvolvimento-produtos
Qualidade desenvolvimento-produtosQualidade desenvolvimento-produtos
Qualidade desenvolvimento-produtos
 
Jornadas qualidade 2018 - ISO/IEC
Jornadas qualidade 2018 - ISO/IECJornadas qualidade 2018 - ISO/IEC
Jornadas qualidade 2018 - ISO/IEC
 
Equipas de Qualidade
Equipas de QualidadeEquipas de Qualidade
Equipas de Qualidade
 
Trabalhador designado - Segurança e Saúde no Trabalho
Trabalhador designado - Segurança e Saúde no TrabalhoTrabalhador designado - Segurança e Saúde no Trabalho
Trabalhador designado - Segurança e Saúde no Trabalho
 
Jornadas da Qualidade no CICCOPN
Jornadas da Qualidade no CICCOPNJornadas da Qualidade no CICCOPN
Jornadas da Qualidade no CICCOPN
 
A nova Norma Internacional ISO 45001:2018 – Sistema de Gestão da Segurança e ...
A nova Norma Internacional ISO 45001:2018 – Sistema de Gestão da Segurança e ...A nova Norma Internacional ISO 45001:2018 – Sistema de Gestão da Segurança e ...
A nova Norma Internacional ISO 45001:2018 – Sistema de Gestão da Segurança e ...
 
Guia controlo exposicao profissional a agentes químicos
Guia controlo exposicao profissional a agentes químicosGuia controlo exposicao profissional a agentes químicos
Guia controlo exposicao profissional a agentes químicos
 
Guia luvas-Exposição profissional a agentes químicos
Guia luvas-Exposição profissional a agentes químicosGuia luvas-Exposição profissional a agentes químicos
Guia luvas-Exposição profissional a agentes químicos
 
Guia epi - Exposição profissional a agentes químicos
Guia epi - Exposição profissional a agentes químicosGuia epi - Exposição profissional a agentes químicos
Guia epi - Exposição profissional a agentes químicos
 
Exposição profissional a agentes químicos
Exposição profissional a agentes químicosExposição profissional a agentes químicos
Exposição profissional a agentes químicos
 

Último

Análise preliminar motorista-APR-motorista.doc
Análise preliminar motorista-APR-motorista.docAnálise preliminar motorista-APR-motorista.doc
Análise preliminar motorista-APR-motorista.doc
cristiano docarmo
 
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificaçãoEstruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
caduelaia
 
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de PosicionamentoIntrodução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
GeraldoGouveia2
 
AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024
AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024
AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
RodrigoQuintilianode1
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
bentosst
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
Consultoria Acadêmica
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Sandro Marques Solidario
 
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
marcosmpereira
 

Último (11)

Análise preliminar motorista-APR-motorista.doc
Análise preliminar motorista-APR-motorista.docAnálise preliminar motorista-APR-motorista.doc
Análise preliminar motorista-APR-motorista.doc
 
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificaçãoEstruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
 
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de PosicionamentoIntrodução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
 
AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024
AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024
AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
 
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
 
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
 

Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas

  • 1. SEGURANÇA E SAÚDE EM OBRAS SUBTERRÂNEAS 2015-11-11
  • 2. O IMPACTO DOS ACELERADORES DE PRESA NA SAÚDE DOS TRABALHADORES RUTE SILVA Responsável pelo Desenvolvimento de Negócio de Túneis e Minas PEDRO SOUSA Responsável Técnico SIKA PORTUGAL SA
  • 3. 1 BETÃO PROJECTADO 2 ADJUVANTES 3 ACELERADORES DE PRESA PARA BETÃO PROJECTADO 4 ACELERADORES DE PRESA ALCALINOS 5 ACELERADORES DE PRESA NÃO ALCALINOS 6 DISTRIBUIÇÃO MUNDIAL - GAMA SIGUNIT 7 CONCLUSÃO ÍNDICE 3
  • 4. BETÃO PROJECTADO  Betão (composição)  Processo de projecção (via seca ou via húmida)  Sistema de projecção (fluxo denso ou fluxo diluído)  Cimento  Água  Agregados  Adições  Adjuvantes No caso particular do betão projectado, o principal adjuvante é o acelerador de presa, pois é adicionado em percentagens superiores a 5% em peso de ligante. 4
  • 5. ADJUVANTES  Os adjuvantes são utilizados para melhorar e/ou alterar as propriedades do betão  Estes plastificantes/superplastificantes são adicionados em quantidades inferiores a 5% em massa do teor de cimento do betão  Os aceleradores de presa são adicionados em quantidades superiores a 5% em massa do teor de cimento do betão de forma a regular o início de presa  Todos os adjuvantes são adicionados ao betão durante a sua produção, na central de betão  A única excepção é o acelerador de presa que é adicionado em obra, durante o processo de projecção de betão 5
  • 7.  O Betão Projectado é utilizado como o 1º sistema de suporte, primário ou definitivo, ou seja segurança!  As exigências a nível da segurança e saúde dos trabalhadores, nos últimos anos sofreram muitas alterações.  As exigências ambientais e de sustentabilidade a nível dos produtos e processos também.  Actualmente temos a aplicação de betão projectado normalizada, onde os requisitos estão definidos; desenvolvimento das resistências iniciais, resistências finais e durabilidade.  Estas alterações obrigaram a uma grande evolução e desenvolvimento a nível das soluções possíveis para os aceleradores de presa para betão projectado 7 ACELERADORES DE PRESA PARA BETÃO PROJECTADO
  • 8. 8 FIG. 1 - RESISTÊNCIAS INICIAIS PARA BETÃO PROJECTADO, NORMA EN 14487-1 J1 – Aplicação de BP em camada fina substrato seco. Sem carácter estrutural nas primeiras horas após a aplicação. J2 – Quando é necessário camada espessa num curto espaço de tempo. Para aplicação em tectos, suporte com algum afluxo de água. J3 – Aplicação de BP em suporte muito fragil e/ou com grande afluxo de água. Apenas utilizado em situações muito especiais.
  • 9. ACELERADORES ALCALINOS  Tecnologia mais antiga, mas ainda usada em muitos países  Contêm altas concentrações de iões de Alkali (NaSi)  Líquidos básicos com PH muito elevado, normalmente acima de 11 (12-13) ACELERADORES NÃO ALCALINOS  Produtos são definidos como não alcalinos quando o conteúdo de alkali é igual ou inferior a 1% do peso do acelerador  Actualmente são a solução mais frequente para a projecção de betão a nível mundial  Vantagens a nível da aplicação, ambiente, saúde e segurança  Valor de ph baixo, normalmente à volta de 3,0  O ph dos alkali free encontra-se na gama dos ácidos fracos, similar aos de alguns sumos 9 ACELERADORES DE PRESA PARA BETÃO PROJECTADO
  • 10. 10 FIG. 2 - PH ACELERADORES DE PRESA ACELERADORES DE PRESA PARA BETÃO PROJECTADO
  • 11. ACELERADORES DE PRESA PARA BETÃO PROJECTADO 11 Base silicatos Base aluminatos Base ácido fluorídrico Base ácido fosfórico Base ácido fórmico
  • 12. ACELERADORES DE PRESA ALCALINOS 12 ALCALINOS Base silicatos Dosagem entre 12-15% PH 12-13 Gelidifica o betão Sem o efeito calor Resistências iniciais elevadas Redução das resistências finais Bom para camada espessa 1ª. Geração. Base aluminatos Dosagem entre 3-6% PH 13-14 Mais reactivos Resistências iniciais muito elevadas Redução das resistências finais até 40% 2ª. Geração.
  • 13.  Torna-se claro, após análise dos quadros que apenas os aceleradores de presa não alcalinos devem ser utilizados quando estamos a falar da segurança de toda a equipa de projecção. Mas ser não alcalino significa não ser perigoso para a saúde dos trabalhadores? ACELERADORES DE PRESA ALCALINOS 13
  • 14. 14 ACELERADORES DE PRESA NÃO ALCALINOS  Segurança no trabalho: devido ao pH aprox. 3, não ocorre formação de spray cáustico no ambiente, dessa forma não há danos na pele, mucosas e olhos.  Segurança ambiental: evita-se que os aditivos com alto teor alcalino sejam derramados para o chão ou para as águas de drenagem.  Segurança no manuseamento: o acelerador não alcalino não oferece perigo durante o transporte, armazenamento, decantação ou dosagem.  Garantia da qualidade do betão: o uso de aceleradores não alcalinos minimiza os efeitos do endurecimento rápido do betão e melhora a impermeabilidade do betão projectado, e, portanto, a sua durabilidade.  Eliminação segura: aceleradores isentos de alcalis não introduzem alcalis solúveis no betão. Isto reduz grandemente o risco de contaminação por infiltração.
  • 15. ACELERADORES DE PRESA NÃO ALCALINOS 15 Não alcalinos Base ác. fluorídrico Base ác. fórmicoBase ác. fosfórico Preço mais baixo Dissolve praticamente tudo Permite matérias primas + baratas Queimadura química Dissolve matéria orgânica (nariz, olhos, peles, ossos) Ataca a pele Queimadura química Mais fraco dos ácidos Necessita de matérias primas de + qualidade Irritante para olhos e pele Não queima Não dissolve X
  • 16. 16 ACELERADORES DE PRESA NÃO ALCALINOS  Ácido fluorídrico é um dos componentes mais perigosos no planeta (dissolve matéria orgânica)  No contacto directo provoca lesões oculares na íris ou na córnea (opacidade)  Por inalação provocam irritação intensa da mucosa nasal, olhos, dor de cabeça, edema da glote, edema pulmonar, etc  Pode levar a degradação de enzimas indispensáveis à vida, levando a patologias crónicas como ossificação dos tendões e a osteosclerose  Ácido fosfórico ataca a pele imediatamente podendo provocar queimaduras de 3º grau  Ácido fórmico irritante para pele e olhos
  • 17. 17 DISTRIBUIÇÃO MUNDIAL - GAMA SIGUNIT 57’551 MT/a 59’797 MT/a
  • 19. 19 CONCLUSÃO Os aceleradores de presa alcalinos:  Contêm elevadas quantidades de iões de alcali  Líquidos básicos com PH muito elevado(11)  Queimaduras no tecido humano (olhos, pele), risco de cegueira  Poeiras cáusticas (partículas livres que não reagiram com cimento)  Aparelho respiratório (pulmões)  Alteração PH da pele (provoca descamação)  Não se sente de imediato mas, é difícil neutralizar a queimadura com água  Riscos ambientais  Afectam qualidade e durabilidade do betão  Atacam material orgânico
  • 20. 20 CONCLUSÃO Os aceleradores de presa não alcalinos:  PH a variar entre os 2.5 a 3.5, na zona segura para os tecidos humanos  Sem poeiras cáusticas  Ambientalmente seguro  Qualidade e durabilidade do betão  Atenção aos perigos de acordo com o ácido da base química (fluorados são os mais perigosos)  Queimaduras químicas na pele e olhos, através do contacto directo  Patologias crónicas  Poeiras com partículas de ácido quando não reagem na totalidade com o cimento  Lavagem com água em caso de contacto
  • 21. 21 CONCLUSÃO NÃO FAZER PROJECÇÃO DE ACELERADOR SEM BETÃO CONSULTAR SEMPRE A FICHA DE SEGURANÇA DOS PRODUTOS UTILIZAR SEMPRE A ROUPA E EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO CONTACTAR SEMPRE O FORNECEDOR PARA ESCLARECIMENTO DE TODAS E QUAISQUER DÚVIDAS QUANDO SE FALA NA SAÚDE E SEGURANÇA DE TODA A EQUIPA DE PROJECÇÃO NÃO HÁ PERGUNTAS ESTÚPIDAS!!!

Notas do Editor

  1. Via seca – menor impacto direto do acelerador = maior nuvem de poeira. Maior exigência de ventilação.