SlideShare uma empresa Scribd logo
M A N U A L D E O P E R A Ç Ã O D E
ATERRO SANITÁRIO EM VALAS
GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO • SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE
C E T E S B - C O M PA N H I A A M B I E N TA L D O E S TA D O D E S Ã O PA U L O
SECRETARIA DO
MEIO AMBIENTE
GOVERNO DO ESTADO
DE SÃO PAULO
Governador
SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE
Secretário
CETESB - Companhia Ambiental
do Estado de São Paulo
Diretor Presidente
Diretor de Gestão Corporativa
Diretor de Licenciamento
e Gestão Ambiental
Diretora de Tecnologia, Qualidade
e Avaliação Ambiental
Alberto Goldman
Pedro Ubiratan Escorel de Azevedo
Fernando Rei
Edson Tomaz de Lima Filho
Marcelo de Souza Minelli
Ana Cristina Pasini da Costa CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo
Avenida Prof. Frederico Hermann Jr., 345
São Paulo SP 05459 900
www.cetesb.sp.gov.br
1• MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas •GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO • SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE
C E T E S B - C O M PA N H I A A M B I E N TA L D O E S TA D O D E S Ã O PA U L O
mANUAL DE OPERAÇÃO DE
ATERRO SANITÁRIO EM VALAS
PROGRAMA AMBIENTAL ESTRATÉGICO
S Ã O PA U L O 2 0 1 0
Autores
Aruntho Savastano Neto
Cristiano Kenji Iwai
Fernando Antonio Wolmer
João Luiz Potenza
Maria Heloísa P.L.Assumpção
2 • MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas •
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CETESB – Biblioteca, SP, Brasil)
C418m	 CETESB (São Paulo)
Manual de operação de aterro sanitário em valas / CETESB ;Aruntho Savastano
Neto ... [et al.]. – São Paulo : CETESB, 2010.
24 p. : il. color. ; 26,5 x 19,5 cm
Projeto Ambiental Estratégico Lixo Mínimo.
Publicado também em CD.
Disponível também em: <http://www.ambiente.sp.gov.br>
ISBN
1. Aterro sanitário – valas 2. Resíduos sólidos urbanos – destinação final 3. Re-
síduos sólidos urbanos – disposição 4. Solos 5.Vazadouros controlados I. Savastano
Neto,Aruntho II. Iwai, Cristiano Kenji III.Wolmer, Fernando Antonio IV.Título.
CDD (21.ed. esp.)	 628.445.64
CDU (2.ed. port.)	628.472.3 (035)
Catalogação na fonte: Margot Terada CRB 8.4422
Manual de Operação de Aterro Sanitário em Valas
• Coordenação
Aruntho Savastano Neto
• Elaboração
Cristiano Kenji Iwai
Fernando Antonio Wolmer
João Luiz Potenza
Maria Heloísa P.L.Assumpção
• Ilustrações
Diego Vernille da Silva
Natalia Mayumi Uozumi
• Revisão de Texto
Denise Scabin Pereira
Susanna Erica Busch
Wanta E.S. Barbosa
Maria Cristina
• Projeto Gráfico
Vera Severo
A
disposição inadequada dos resíduos sólidos domiciliares sobre o solo, sem nenhum
critério técnico, traz sérios problemas ao ser humano e ao meio ambiente. Dentre
muitos incômodos podemos destacar: a proliferação de vetores, que são agentes
causadores e transmissores de diversas doenças, como, por exemplo, a dengue; a queima do
lixo ao ar livre; a exalação de fortes odores; a contaminação do solo e das águas subterrâne-
as e superficiais; e a presença indesejada de catadores de lixo.
Para a solução desse grave problema ambiental, uma técnica adequada, do ponto de vista
sanitário, e aprovada para a disposição de resíduos sólidos domiciliares no solo, é denomi-
nada aterro sanitário.
Aterro sanitário é a forma de disposição de resíduos sólidos urbanos no solo, com padrões
aceitáveis quanto a danos à saúde pública e ao meio ambiente. Por utilizar princípios e técni-
cas de engenharia, que servem para confinar os resíduos sólidos na menor área e no menor
volume possíveis, cobrindo-os com uma camada de terra na conclusão de cada jornada de
trabalho ou a intervalos menores, se necessário, minimiza os prováveis impactos ambien-
tais.
A técnica de disposição de resíduos sólidos urbanos no solo em aterros sanitários pode ser
executada de diversas maneiras, como na forma de valas e trincheiras escavadas abaixo do
nível natural do terreno e na forma de camadas que usa o perfil natural sobre o solo.
Para municípios de pequeno porte, é aceitável e até aconselhável o uso da técnica dos aterros
sanitários na forma de valas.
Vale destacar que, qualquer que seja a técnica usada no aterro sanitário, é de extrema impor-
tância a implantação, no município, da coleta seletiva e da reciclagem dos resíduos. Essa prá-
tica diminuirá bastante a quantidade de lixo encaminhada aos aterros e, consequentemente,
contribuirá, entre outros aspectos, para o aumento da sua vida útil.
Este manual é direcionado aos operadores de aterros sanitários em valas e tem como objeti-
vo apresentar informações quanto à operação, manutenção e monitoramento destes locais.
Deve ficar claro que este documento não pretende incentivar a implantação de aterros sanitá-
rios como forma única de destinação final dos resíduos, em detrimento de outras tecnologias,
mas sim mostrar a adequada destinação dos resíduos sólidos, tendo como meta, sempre, o
gerenciamento de forma integrada. Porém, considerando que no Estado de São Paulo muitas
vezes o método de disposição no solo é utilizado como solução única de destinação dos re-
síduos, minimamente faz-se necessária a execução de ações de curto prazo, com resultados
factíveis, para que estas ocorram de forma ambientalmente aceitável.
SUMÁRIO
1.	 Introdução • 5
2.	 Procedimentos operacionais • 6
2.1.	 Recepção de resíduos • 6
2.2.	 Operação das valas • 7
2.3.	 Controle de acesso • 12
2.4.	 Controle de vetores • 13
2.5.	 Treinamento da equipe  • 13
3.	 Manutenção • 15
3.1.	 Acessos • 15
3.2.	 Isolamento físico - Cercamento e portões • 15
3.3.	 Isolamento visual - Barreira vegetal	• 15
3.4.	 Aceiro • 15
3.5.	 Limpeza da área • 16
3.6.	 Sistema de drenagem de águas pluviais • 16
3.7.	 Recalques • 16
3.8.	 Cobertura vegetal • 16
3.9.	 Manutenção das máquinas e equipamentos • 16
4.	 Monitoramento • 17
4.1.	 Inspeções visuais • 17
4.2.	 Águas superficiais e subterrâneas • 17
5.	 Considerações finais • 18
Referências • 19
ANEXO • 20
5• MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas •
1.	 Introdução
O aterro sanitário em valas é uma técnica para a disposição de resíduos urbanos no solo, em
municípios de pequeno porte, onde a produção diária de lixo não deve ultrapassar 10 (dez)
toneladas.Vale lembrar que a grande maioria dos municípios no Estado de São Paulo produz
mais ou menos essa quantidade de resíduos.
O confinamento dos resíduos sem compactação impede o aproveitamento integral da área a
ser aterrada, fato que torna esse processo de utilização não recomendado para os municípios
com produção de resíduos superior a 10 (dez) toneladas por dia. Acima desse volume, para
a utilização de aterros na forma de valas seria necessária a abertura constante de valas, tor-
nando essa técnica inviável economicamente. Além disso, municípios de grande porte têm
maiores condições de manter um aterro sanitário convencional.
Como é uma técnica de disposição de resíduos abaixo do nível natural do terreno, a área
ideal para a implantação desse tipo de empreendimento deverá ser de relevo plano, para
facilitar a escavação das valas.
Tendo em vista que para a implantação desse tipo de aterro sanitário o órgão ambiental não
exige a impermeabilização complementar das valas com mantas de PEAD – Polietileno de
Alta Densidade ou outro tipo semelhante de material e nem a colocação de solo argiloso no
seu fundo, para a escolha do terreno do aterro deverão ser considerados o tipo de solo do
local e sua permeabilidade, o nível do lençol freático (nível d´água) e o excedente hídrico da
região. O terreno a ser selecionado para a implantação do aterro deverá, ainda, possuir uma
área que propicie uma vida útil mínima do aterro de 15 anos, além de respeitar algumas dis-
tâncias mínimas, tais como: 500 metros de núcleos habitacionais e 200 metros de qualquer
corpo d’água superficial existente nas proximidades.
O tamanho da área necessária para a implantação de um aterro sanitário em valas deve
sempre considerar a quantidade de resíduos a ser disposta e a vida útil do empreendimento.
Além da área para a escavação das valas, deverão ser previstos: uma área lateral para a im-
plantação do cercamento, do cinturão verde e do sistema de escoamento de águas pluviais;
um espaço de segurança entre as valas e áreas para os acessos e circulações internas.A prá-
tica nesse tipo de implantação mostra que essa área é igual ao calculada para a escavação
de valas.
6 • MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas •
2.	 Procedimentos operacionais
Para o adequado funcionamento do aterro sanitário em valas, deve-se seguir uma rotina ope-
racional pré-estabelecida, mediante o treinamento dos funcionários e o acompanhamento
por um responsável técnico, a fim de seguir o projeto previamente aprovado.
A seguir, são descritos alguns pontos importantes a serem obedecidos durante a operação
desses empreendimentos.
2.1.	 Recepção de resíduos
A definição dos tipos de resíduos permitidos no aterro sanitário em valas é efetuado na fase
do projeto e deve ser submetido à aprovação do órgão ambiental; porém, durante a operação
do empreendimento é importante verificar se os resíduos que estão sendo encaminhados são
compatíveis com aqueles pré-estabelecidos.
Deve ser estabelecida uma rotina de recepção dos resíduos, efetuando-se, pelo menos, uma
inspeção visual e o registro de entrada, conforme especificado a seguir.
Registros€€
É importante efetuar o registro dos resíduos que entram na área do aterro, inclusive para
acompanhar seu desenvolvimento, avaliando se os volumes recebidos estão compatíveis
com a ocupação de áreas e com a vida útil estimada no projeto, bem como registrando os
tipos de resíduos recebidos e verificando sua procedência.
Sugere-se a implantação de um sistema de registro, por meio de uma ficha (modelo anexo),
contendo informações como: tipo de resíduo, quantidade estimada, placa do veículo, respon-
sável pelo registro etc.
Como exemplo, são descritos, a seguir, alguns tipos de resíduos permitidos e não permitidos
para a disposição nos aterros sanitários em valas.
Resíduos permitidos€€
Conforme previsto na Resolução CONAMA 404/2008, os resíduos sólidos permitidos nos
aterros sanitários de pequeno porte são aqueles provenientes de domicílios, de serviços de
limpeza urbana, de pequenos estabelecimentos comerciais, industriais e de prestação de
serviços, que estejam incluídos no serviço de coleta regular de resíduos e que tenham carac-
terísticas similares aos resíduos sólidos domiciliares.
Resíduos não permitidos€€
Não podem ser dispostos nos aterros sanitários em valas os seguintes resíduos:
Resíduos perigosos;•	
Resíduos da construção civil;•	
Resíduos provenientes de atividades agrosilvopastoris;•
7• MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas •
Resíduos de mineração; e•	
Resíduos de serviços de saúde, sem tratamento prévio ou sujeitos às exigências•	
de destinação especial.
Ressalta-se que, embora classificados como resíduos sólidos urbanos, é recomendado que os
resíduos de podas não sejam destinados ao aterro sanitário em valas, já que eles ocupam um
grande volume.Além disso, devido a suas características, podem ter um uso benéfico para o
meio ambiente, por meio de compostagem ou aproveitamento energético.
Deve-se impedir a entrada de resíduos cuja composição não seja adequadamente identifi-
cada e compatível com a disposição do aterro. Caso detectada a incompatibilidade, a carga
deve ser devolvida ao gerador, ficando sob sua responsabilidade o encaminhamento dela
para tratamento e disposição final adequada. Caso estes resíduos sejam de responsabilidade
da própria Prefeitura, esta deverá providenciar o seu destino apropriado. Caso tais ocorrên-
cias envolvam resíduos perigosos, devem ser comunicadas ao órgão ambiental.
2.2.	 Operação das valas
A experiência adquirida ao longo dos anos demonstra que de nada adianta um bom projeto,
com a obtenção de todas as licenças ambientais necessárias e, ainda, a existência de equipa-
mentos e infraestrutura, se a operação do aterro sanitário em valas não for desenvolvida de
forma ambientalmente correta.
Esta operação deve estar diretamente relacionada a todas as etapas de concepção, elabo-
ração do projeto e implantação do aterro sanitário em valas, bem como deve considerar o
gerenciamento de resíduos sólidos urbanos do município como um todo, uma vez que a
frequência e o horário de coleta, o tipo de equipamento empregado, a existência de coleta
diferenciada, entre outros fatores, irão influenciar diretamente a operação.
Os critérios para a operação das valas deverão seguir as especificações do projeto. Entretan-
to, são descritos a seguir alguns critérios usuais para este tipo de empreendimento.
Dimensões das valas€€
A separação entre as bordas superiores das valas deve ser, no mínimo, de 1,0 metro, deixan-
do espaço suficiente para operação e manutenção.
A profundidade da escavação das valas deve ser, no máximo, de 3,0 metros, observadas as
condições de estabilidade dos taludes e o nível do lençol freático.
A largura da vala pode ser variável, dependendo do equipamento usado na escavação, cui-
dando para que não seja excessiva a ponto de dificultar a cobertura operacional dos resíduos.
Recomenda-se que a largura da vala na superfície não supere 3,0 metros (ABNT, 2010).
8 • MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas •
Barreira vegetal
Cerca
Drenagem de água pluvial
Vala
Abertura da vala
Terra de escavação
da nova vala
Barreira vegetal
Cerca
Drenagem de água pluvial
O comprimento das valas será delimitado em função da vida útil esperada, conforme espe-
cificado no item a seguir.
Abertura e vida útil das valas€€
A escavação de cada vala deve ser executada de uma só vez e o seu dimensionamento feito
de modo a permitir a disposição dos resíduos por um período aproximado de 30 dias. Para
uma vida útil maior, recomenda-se que no fundo da vala sejam mantidos pequenos diques
de solo natural que definam subáreas hidraulicamente separadas, com vida útil aproximada
de 30 dias.
Figura 1 – Abertura de valas, com acúmulo de terra apenas em um dos lados.
Disposição dos resíduos€€
A operação de disposição dos resíduos na vala aberta é iniciada pelo mesmo lado que a vala
começou a ser escavada, com o caminhão coletor se posicionando de ré, perpendicularmente
ao comprimento da vala. O coletor ou caminhão de transporte de resíduos deve se aproximar
ao máximo da vala, de maneira a garantir o lançamento diretamente na vala, evitando o
espalhamento em outros locais. Porém, deve-se resguardar a segurança com relação ao risco
de desmoronamento das valas.
Recomenda-se que seja executado um pequeno dique com solo, visando a demarcar o ponto
máximo de aproximação para o descarregamento na vala.
9• MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas •
Drenagem de água pluvial
Drenagem de água pluvial
Barreira vegetal
Cerca
Barreira vegetal
Cerca
Vala em operação
Após a descarga dos resíduos, deve se proceder à varrição de todos os resíduos que possam
eventualmente ter se desprendido, além do imediato cobrimento sanitário com solo, dos resí-
duos lançados (SÃO PAULO, 2005).
Figura 2 – Os resíduos são descarregados em um único ponto da vala, até que esteja total-
mente preenchida.
Cobertura diária€€
A cobertura diária tem o objetivo de minimizar os efeitos dos odores e da proliferação de
vetores gerados pelos resíduos em decomposição. Se a região possui elevados índices pluvio-
métricos, esta cobertura impedirá, pelo menos um pouco, a entrada de água na vala (CASTI-
LHOS, 2003).
Desta forma, à medida que são depositados, os resíduos devem ser nivelados e cobertos ma-
nualmente ou com o auxílio de equipamentos mecanizados, utilizando-se o solo acumulado
ao lado da vala. O nivelamento e a cobertura dos resíduos devem ser realizados diariamente,
sendo recomendada uma camada mínima de 20 centímetros. Recomenda-se a execução da
cobertura diária de forma racional, preferencialmente ao final de cada jornada de trabalho,
uma vez que o uso de solo em excesso diminuirá a vida útil das valas.
Assim que o primeiro trecho da vala estiver totalmente preenchido, passa-se para outro,
repetindo-se as mesmas operações de disposição e cobertura diária.
10 • MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas •
Figura 3 – Execução da camada de cobertura diária.
Drenagem de água pluvial
Barreira vegetal
Cerca
Corte longitudinal
Cobertura final€€
O nivelamento final da vala é efetuado numa cota superior à do terreno, prevendo-se prová-
veis recalques, de forma a evitar o acúmulo de água.
A cobertura final deverá ser executada com uma camada de solo de, aproximadamente, 60
centímetros, com uma declividade de, no mínimo, 7 % na menor dimensão da vala.
Figura 4 – Execução da camada de cobertura final da vala
Corte longitudinal
Drenagem de água pluvial
Barreira vegetal
Cerca
12 • MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas •
Cobertura vegetal€€
Posteriormente à execução da cobertura final da vala, a mesma deve ser coberta com solo
orgânico e cobertura vegetal com gramíneas, para evitar erosões, bem como minimizar a
infiltração de águas de chuva.
Drenagens superficiais€€
Ao longo da operação, são executados de sistemas e dispositivos de drenagem superficial,
com o objetivo de manter a área do aterro sanitário em condições normais de operação,
além de se evitar o acúmulo excessivo de águas e o aumento de chorume. O sistema deverá
prever estruturas definitivas e provisórias, para evitar a entrada de águas de chuva na vala
em operação.
Estes sistemas de drenagem podem ser compostos de drenos escavados no solo, revestidos
com grama ou argamassa, canaletas de concreto, caixas de passagem, tubulação em concre-
to e dissipadores em pedra ou rachão.
Demarcação das valas encerradas€€
Recomenda-se que ao final da operação de cada vala, estas sejam demarcadas com marcos
fixos e permanentes, visando facilitar futuras intervenções, se necessário.
Após a finalização da disposição de resíduos nas valas, deve-se prever uma rotina de ma-
nutenção, de modo a corrigir eventuais recalques, desobstruir e manter o funcionamento
correto dos sistemas de drenagem de águas pluviais e o corte da grama, o que será abordado
no item 3 deste documento.
2.3.	 Controle de acesso
Na implantação do aterro, deve-se levar em consideração o seu isolamento (pelo fechamento
da área com cercas de arame e cerca viva) e o seu controle de acesso por meio de portaria.
O controle de acesso refere-se tanto ao controle de recebimento de resíduos, conforme já
especificado no item 2.1 deste documento, quanto ao controle de acesso de pessoas, não
devendo ser permitido o acesso de pessoas estranhas à operação do empreendimento, salvo
quando forem desenvolvidas ações voltadas à educação ambiental.
Este controle de acesso à área deve ser feito por meio da portaria, que contará com uma
guarita ocupada por funcionário, que fará o controle de entrada e saída dos veículos, bem
como o registro das descargas. Só deverá ser permitido o acesso ao aterro dos coletores
cadastrados na Prefeitura, no horário estabelecido pela mesma e a descarga de resíduos
previamente aprovados.
13• MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas •
Caso não exista possibilidade de presença de catadores na área do aterro, poderá ser dis-
pensada a permanência de vigia, sendo que o controle e o registro passarão a ser feitos pelo
próprio motorista do veículo coletor, o qual possuirá cópia da chave do portão e da guarita
(SÃO PAULO, 2005).
2.4.	 Controle de vetores
Para o controle de vetores é primordial a adequada cobertura dos resíduos, impedindo sua
exposição e evitando atrativos, quer seja de resíduos orgânicos, quer seja de moscas que po-
derão atrair aves. Salienta-se, ainda, a importância do isolamento físico da área (cercamento)
visando a evitar a entrada de outros animais.
Além desses procedimentos, poderá ser prevista a utilização de instrumentos sonoros (fogos
de artifício ou sirenes) para afugentar as aves, de maneira a evitar, a qualquer custo, a per-
manência das mesmas na área do aterro (SÃO PAULO, 2005).
Pode-se, ainda, implantar telas removíveis sobre o topo das valas; porém, não substituindo a
execução da cobertura intermediária ao final da jornada diária de trabalho.
2.5.	 Treinamento da equipe
A equipe de trabalho do aterro deve receber treinamento apropriado para garantir uma ope-
ração adequada.Também devem ser cumpridas as determinações do projeto.
Um treinamento técnico mínimo sobre as tarefas diárias é necessário e, muito mais do que
isto, um curso básico sobre gerenciamento de resíduos sólidos seria considerado um diferen-
cial. São poucas as prefeituras que se preocupam com essa capacitação profissional; contu-
do, esta é uma das medidas mais importantes para uma boa organização do aterro.
Outro ponto importante a ser enfatizado é quanto aos equipamentos e procedimentos para
a segurança do trabalho.
Assim, recomendam-se como pontos mínimos a serem abordados no treinamento dos fun-
cionários (ABNT, 2010):
as formas de inspeção, controle, permissão de acesso ao aterro e orientação do•	
lançamento de resíduos;
os adequados procedimentos de operação, manutenção e monitoramento do•	
aterro e todos os seus sistemas, com ênfase nas funções e atribuições específicas
de cada funcionário;
os procedimentos a serem adotados em situações de emergência; e•	
os procedimentos de segurança operacional e a correta utilização de equipamen-•	
tos de proteção individual (EPIs) e coletiva (EPC).
14 • MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas •
Figura 5 – Vista geral do aterro com valas encerradas e em operação (Planta e cortes)
15• MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas •
3.	 Manutenção
É fundamental um serviço de manutenção eficaz no aterro sanitário em valas. Sempre que
for constatado algum problema, esse deverá ser corrigido rapidamente, de maneira a evitar
o seu agravamento. Entre outros, são necessárias manutenções em: acessos, estruturas de
isolamento físico e visual, sistema de drenagem superficial, cobertura vegetal, recalques das
valas etc.
3.1.	 Acessos
Os acessos internos e externos ao aterro têm a função de garantir a chegada dos resíduos até
as frentes de descarga e a adequada operação das mesmas. Essas estradas devem suportar
o trânsito de veículos, mesmo durante os períodos de chuva e, por isso, devem ser mantidas
nas melhores condições de operação.
Deverão ser realizadas, semanalmente, inspeções ao longo dos acessos e da área do aterro e,
caso seja detectado algum dano, deverão ser executados, imediatamente, os reparos necessá-
rios.Durante o período chuvoso,deve ser dado especial cuidado à manutenção destes acessos,
procurando manter estoque suficiente de material granular, inclusive resíduos da construção
civil, classe A, nos termos da Resolução CONAMA 307/02, para a sua recomposição.
3.2.	 Isolamento físico - Cercamento e portões
O isolamento do aterro é imprescindível para a manutenção da ordem e do bom andamento
da operação, desta forma a portaria ou portões e as cercas devem ser mantidos em perfeitas
condições para não comprometer o bom funcionamento do aterro.
3.3.	 Isolamento visual - Barreira vegetal
Visando ao isolamento visual do empreendimento, é recomendável o plantio de um cinturão
verde, composto de arbustos e árvores em todo o perímetro do terreno. Normalmente, as
plantas mais recomendadas para esse tipo de cercamento são as conhecidas como “Sansão
do Campo” e “Jambolão” por serem de fácil cultivo, de rápido crescimento e permitirem a
formação de uma boa barreira vegetal. É necessário garantir a manutenção dessa vegetação.
3.4.	 Aceiro
Tendo em vista que os aterros sanitários em valas, usualmente, localizam-se próximos de áre-
as agrícolas, de vegetação nativa ou de pastagens, recomenda-se, como medida preventiva,
a manutenção de um aceiro no entorno do empreendimento, visando impedir a propagação
de incêndios.
16 • MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas •
3.5.	 Limpeza da área
A administração deve promover a remoção dos materiais espalhados pelo vento e, se necessá-
rio, usar cercas móveis. Com isso, evitam-se transtornos e o comprometimento da paisagem.
3.6.	 Sistema de drenagem de águas pluviais
A manutenção do sistema de drenagem superficial é muito importante para não comprome-
ter a operação do aterro em valas e as condições dos acessos; devendo ser verificado fre-
quentemente, principalmente após períodos chuvosos, o estado das estruturas de drenagem:
drenos, tubulações e/ou das canaletas quanto às condições de escoamento e de integridade
física (quebra). Caso sejam constatadas quebras e/ou obstrução dessas estruturas de drena-
gem, as mesmas deverão ser reexecutadas e/ou desobstruídas.
3.7.	 Recalques
Tendo em vista que a degradação dos resíduos no interior da vala poderá ocasionar recalques
e provocar o acúmulo de águas pluviais sobre estas, caso os recalques sejam identificados,
deve-se efetuar, rapidamente, as correções com a colocação de nova camada de solo de es-
pessura adequada, para restaurar as declividades para o escoamento das águas.
3.8.	 Cobertura vegetal
A cobertura vegetal sobre as valas é importante para proteger o solo de erosões e fissuras,
sendo necessário manter o corte frequente, para possibilitar as inspeções visuais nas valas
encerradas, bem como nas demais estruturas do aterro.
3.9.	 Manutenção das máquinas e equipamentos
Deve-se efetuar a limpeza dos equipamentos e máquinas no fim de cada dia de trabalho e os
possíveis reparos para conservá-los e garantir a eficiência do aterro.
4.	 Monitoramento
Referências
17• MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas •
4. Monitoramento
O monitoramento do aterro sanitário em valas, durante sua operação e após seu encerra-
mento, é importante para a detecção de desconformidades e para reduzir eventuais danos
ambientais, bem como os custos com intervenções necessárias.
4.1.	 Inspeções visuais
Deve-se estabelecer uma rotina de inspeções visuais no aterro, para identificar eventuais
problemas, de forma a evitar o seu agravamento, bem como efetuar prontamente as medi-
das corretivas necessárias. Devem ser observados regularmente os seguintes itens na área
(adaptado da ABNT, 2010):
condição das vias de acesso;•	
processos erosivos;•	
rebaixamento da camada superior do aterro (recalques);•	
existência e adequação da cobertura operacional;•	
condição operacional da frente de trabalho;•	
existência e adequação da cobertura vegetal;•	
condição do aceiro;•	
condição operacional dos sistemas de drenagem;•	
carreamento de resíduos pelo vento;•	
percepção de odores;•	
presença de vetores.•	
Recomenda-se que os funcionários sejam treinados para efetuar estas inspeções rotineiras,
efetuando os registros das ocorrências e procedimentos adotados para sua solução.
4.2.	 Águas superficiais e subterrâneas
Quando previsto no projeto do aterro sanitário em valas ou quando exigido pelo órgão am-
biental, em função das condições físicas locais, o monitoramento de águas superficiais e/ou
subterrâneas deverá ser efetuado conforme orientações contidas nas licenças expedidas pelo
órgão ambiental.
18 • MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas •
5.	 Considerações finais
Uma operação feita com critério é condição essencial para o sucesso desse tipo de aterro.
Se forem seguidas as orientações apresentadas neste documento, o encerramento do aterro
será de fácil execução e com custo baixo.
Quanto ao uso futuro da área, é possível o desenvolvimento de culturas que não apresentam
raízes profundas, não têm contato direto com o solo, nem são consumidas in natura por
pessoas, podendo ocupar o local após o encerramento das atividades, facilitando a reinte-
gração do aterro à paisagem regional, reduzindo os seus custos e evitando a manutenção de
estruturas de isolamento e proteção do local. Porém, recomenda-se que tais procedimentos
venham a ser analisados previamente por um Engenheiro Agrônomo.
Figura 6 – Detalhe do aterro em vala finalizado.
19• MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas •
Referências
ABNT. NBR 15849: Resíduos sólidos urbanos: aterros sanitários de pequeno porte – diretri-
zes para localização, projeto, implantação, operação e encerramento. Rio de Janeiro, 2010.
24 p.
CASTILHOS JR., Armando Borges (Coord.); Zanta, Viviana Maria et al. Resíduos sólidos ur-
banos: aterro sustentável para municípios de pequeno porte. Rio de Janeiro: ABES; São Car-
los: RiMA, 2003. 280 p. Documento do PROSAB através da Rede Cooperativa de Pesquisas
sobre o tema Alternativas de disposição de resíduos sólidos urbanos para pequenas comuni-
dades. Disponível em: <http://www.finep.gov.br/prosab/livros/ProsabArmando.pdf>.
Acesso em: ago. 2010.
SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Estado de Meio Ambiente; CETESB. Procedimentos
para a implantação de aterros sanitários em valas. São Paulo: SMA, 2005. 34 p. Disponí-
vel em: <http://www.ambiente.sp.gov.br/uploads/arquivos/aterroemvalas/proc_implant.pdf>.
Acesso em: ago. 2010.
20 • MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas •
Data
Número da placa
do veículo
Tipo de resíduo
Quantidade estimada
(unidade)
Responsável pelo
registro de
recebimento
ANEXO
Registro de Controle de Recebimento de Resíduos
(Modelo Simplificado)
GOVERNO DO ESTADO
DE SÃO PAULO
Governador
SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE
Secretário
CETESB - Companhia Ambiental
do Estado de São Paulo
Diretor Presidente
Diretor de Gestão Corporativa
Diretor de Licenciamento
e Gestão Ambiental
Diretora de Tecnologia, Qualidade
e Avaliação Ambiental
Alberto Goldman
Pedro Ubiratan Escorel de Azevedo
Fernando Rei
Edson Tomaz de Lima Filho
Marcelo de Souza Minelli
Ana Cristina Pasini da Costa CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo
Avenida Prof. Frederico Hermann Jr., 345
São Paulo SP 05459 900
www.cetesb.sp.gov.br
M A N U A L D E O P E R A Ç Ã O D E
ATERRO SANITÁRIO EM VALAS
GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO • SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE
C E T E S B - C O M PA N H I A A M B I E N TA L D O E S TA D O D E S Ã O PA U L O
SECRETARIA DO
MEIO AMBIENTE

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tratamento de efluentes industriais
Tratamento de efluentes industriaisTratamento de efluentes industriais
Tratamento de efluentes industriais
Edir Leite Freire
 
Tratamento Primário Quimicamente Assistido
Tratamento Primário Quimicamente AssistidoTratamento Primário Quimicamente Assistido
Tratamento Primário Quimicamente Assistido
Brunela Dos Santos Neves
 
Programa de gerenciamento de resíduos sólidos satélite íris
Programa de gerenciamento de resíduos sólidos   satélite írisPrograma de gerenciamento de resíduos sólidos   satélite íris
Programa de gerenciamento de resíduos sólidos satélite íris
Laura Magalhães
 
Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007
Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007
Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007
Nathy Oliveira
 
Gerenciamento de Resíduos Sólidos
Gerenciamento de Resíduos SólidosGerenciamento de Resíduos Sólidos
Gerenciamento de Resíduos Sólidos
CA Tce Ifpb
 
Aterro sanitario
Aterro sanitarioAterro sanitario
Aterro sanitario
Rene Nakaya
 
FONSECA & SANTOS. Gestão de Resíduos na Construção Civil.
FONSECA & SANTOS. Gestão de Resíduos na Construção Civil.FONSECA & SANTOS. Gestão de Resíduos na Construção Civil.
FONSECA & SANTOS. Gestão de Resíduos na Construção Civil.
Ana Bárbara Ivo Fonseca
 
Aterro sanitário palestra
Aterro sanitário palestraAterro sanitário palestra
Aterro sanitário palestra
Sergio Vinhal
 
Aula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdfAula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdf
Giovanna Ortiz
 
214413964 nbr-13896
214413964 nbr-13896214413964 nbr-13896
214413964 nbr-13896
rafael dias
 
A política nacional de resíduos sólidos comentada
A política nacional de resíduos sólidos   comentadaA política nacional de resíduos sólidos   comentada
A política nacional de resíduos sólidos comentada
Lidiane Fenerich
 
Aula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamentoAula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamento
Giovanna Ortiz
 
Tratamento De ResíDuos SóLidos
Tratamento De ResíDuos SóLidosTratamento De ResíDuos SóLidos
Tratamento De ResíDuos SóLidos
Nuno Correia
 
Aula 1 caracterização quantitativa esgoto
Aula 1   caracterização quantitativa esgotoAula 1   caracterização quantitativa esgoto
Aula 1 caracterização quantitativa esgoto
Giovanna Ortiz
 
Metodologias para avaliação de impactos ambientais
Metodologias para avaliação de impactos ambientaisMetodologias para avaliação de impactos ambientais
Metodologias para avaliação de impactos ambientais
Cadernizando
 
Planejamento ambiental cap. ii etapas , estrutura e instrumentos do planejame...
Planejamento ambiental cap. ii etapas , estrutura e instrumentos do planejame...Planejamento ambiental cap. ii etapas , estrutura e instrumentos do planejame...
Planejamento ambiental cap. ii etapas , estrutura e instrumentos do planejame...
Paulo Orlando
 
Cartilha Técnica - Descarte de Sacos de Cimento, Argamassa, Cal e Gesso
Cartilha Técnica - Descarte de Sacos de Cimento, Argamassa, Cal e GessoCartilha Técnica - Descarte de Sacos de Cimento, Argamassa, Cal e Gesso
Cartilha Técnica - Descarte de Sacos de Cimento, Argamassa, Cal e Gesso
Juliana Tristão Pires
 
Manual de-gestao-de-residuos-solidos
Manual de-gestao-de-residuos-solidosManual de-gestao-de-residuos-solidos
Manual de-gestao-de-residuos-solidos
Rosangela Henauth
 
Residuos construcao civil alternativas
Residuos construcao civil alternativasResiduos construcao civil alternativas
Residuos construcao civil alternativas
Eymard Breda
 
Gestão Ambiental 08 - eia e rima
Gestão Ambiental 08 - eia e rimaGestão Ambiental 08 - eia e rima
Gestão Ambiental 08 - eia e rima
Milton Henrique do Couto Neto
 

Mais procurados (20)

Tratamento de efluentes industriais
Tratamento de efluentes industriaisTratamento de efluentes industriais
Tratamento de efluentes industriais
 
Tratamento Primário Quimicamente Assistido
Tratamento Primário Quimicamente AssistidoTratamento Primário Quimicamente Assistido
Tratamento Primário Quimicamente Assistido
 
Programa de gerenciamento de resíduos sólidos satélite íris
Programa de gerenciamento de resíduos sólidos   satélite írisPrograma de gerenciamento de resíduos sólidos   satélite íris
Programa de gerenciamento de resíduos sólidos satélite íris
 
Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007
Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007
Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007
 
Gerenciamento de Resíduos Sólidos
Gerenciamento de Resíduos SólidosGerenciamento de Resíduos Sólidos
Gerenciamento de Resíduos Sólidos
 
Aterro sanitario
Aterro sanitarioAterro sanitario
Aterro sanitario
 
FONSECA & SANTOS. Gestão de Resíduos na Construção Civil.
FONSECA & SANTOS. Gestão de Resíduos na Construção Civil.FONSECA & SANTOS. Gestão de Resíduos na Construção Civil.
FONSECA & SANTOS. Gestão de Resíduos na Construção Civil.
 
Aterro sanitário palestra
Aterro sanitário palestraAterro sanitário palestra
Aterro sanitário palestra
 
Aula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdfAula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdf
 
214413964 nbr-13896
214413964 nbr-13896214413964 nbr-13896
214413964 nbr-13896
 
A política nacional de resíduos sólidos comentada
A política nacional de resíduos sólidos   comentadaA política nacional de resíduos sólidos   comentada
A política nacional de resíduos sólidos comentada
 
Aula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamentoAula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamento
 
Tratamento De ResíDuos SóLidos
Tratamento De ResíDuos SóLidosTratamento De ResíDuos SóLidos
Tratamento De ResíDuos SóLidos
 
Aula 1 caracterização quantitativa esgoto
Aula 1   caracterização quantitativa esgotoAula 1   caracterização quantitativa esgoto
Aula 1 caracterização quantitativa esgoto
 
Metodologias para avaliação de impactos ambientais
Metodologias para avaliação de impactos ambientaisMetodologias para avaliação de impactos ambientais
Metodologias para avaliação de impactos ambientais
 
Planejamento ambiental cap. ii etapas , estrutura e instrumentos do planejame...
Planejamento ambiental cap. ii etapas , estrutura e instrumentos do planejame...Planejamento ambiental cap. ii etapas , estrutura e instrumentos do planejame...
Planejamento ambiental cap. ii etapas , estrutura e instrumentos do planejame...
 
Cartilha Técnica - Descarte de Sacos de Cimento, Argamassa, Cal e Gesso
Cartilha Técnica - Descarte de Sacos de Cimento, Argamassa, Cal e GessoCartilha Técnica - Descarte de Sacos de Cimento, Argamassa, Cal e Gesso
Cartilha Técnica - Descarte de Sacos de Cimento, Argamassa, Cal e Gesso
 
Manual de-gestao-de-residuos-solidos
Manual de-gestao-de-residuos-solidosManual de-gestao-de-residuos-solidos
Manual de-gestao-de-residuos-solidos
 
Residuos construcao civil alternativas
Residuos construcao civil alternativasResiduos construcao civil alternativas
Residuos construcao civil alternativas
 
Gestão Ambiental 08 - eia e rima
Gestão Ambiental 08 - eia e rimaGestão Ambiental 08 - eia e rima
Gestão Ambiental 08 - eia e rima
 

Semelhante a Manual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESB

Proc implant
Proc implantProc implant
Proc implant
Kelvin Oliveira
 
Aterro sanitario em valas
Aterro sanitario em valasAterro sanitario em valas
Aterro sanitario em valas
Jupira Silva
 
Estre/Apresentação Paulinia
Estre/Apresentação PauliniaEstre/Apresentação Paulinia
Estre/Apresentação Paulinia
Anita Rocha
 
T.I.G - Gestão Ambiental
T.I.G - Gestão AmbientalT.I.G - Gestão Ambiental
T.I.G - Gestão Ambiental
João Silva
 
Aterro em valas
Aterro em valasAterro em valas
Aterro em valas
Aline Marcelino
 
ESTABELECIMENTO DE SUBSÍDIOS PARA A DELIMITAÇÃO DE PERÍMETRO DE PROTEÇÃO DE P...
ESTABELECIMENTO DE SUBSÍDIOS PARA A DELIMITAÇÃO DE PERÍMETRO DE PROTEÇÃO DE P...ESTABELECIMENTO DE SUBSÍDIOS PARA A DELIMITAÇÃO DE PERÍMETRO DE PROTEÇÃO DE P...
ESTABELECIMENTO DE SUBSÍDIOS PARA A DELIMITAÇÃO DE PERÍMETRO DE PROTEÇÃO DE P...
Gabriella Ribeiro
 
Sisav
SisavSisav
Sisav
Iana18
 
Sisav
SisavSisav
Sisav
Iana18
 
Sisav
SisavSisav
Sisav
SisavSisav
Estudo de Impacte Ambiental do SISAV
Estudo de Impacte Ambiental do SISAVEstudo de Impacte Ambiental do SISAV
Estudo de Impacte Ambiental do SISAV
Joana e Patricia
 
Aterro Sanitário.PDF
Aterro Sanitário.PDFAterro Sanitário.PDF
Aterro Sanitário.PDF
rodrigo428042
 
APRESENTAÇÃO Cabo Delgado.pptx
APRESENTAÇÃO Cabo Delgado.pptxAPRESENTAÇÃO Cabo Delgado.pptx
APRESENTAÇÃO Cabo Delgado.pptx
Eugeniocossa
 
Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...
Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...
Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...
Thales Vinícius de Melo Rissi
 
Dimensionamento de aterros sanitários em valas
Dimensionamento de aterros sanitários em valasDimensionamento de aterros sanitários em valas
Dimensionamento de aterros sanitários em valas
Jupira Silva
 
Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.
Carlos Elson Cunha
 
Consultoria Ambiental SP
Consultoria Ambiental SPConsultoria Ambiental SP
Consultoria Ambiental SP
MLC Soluções Ambientais
 
Sisnate200705
Sisnate200705Sisnate200705
Sisnate200705
Tiago Soares
 
POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SOLIDOS
POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SOLIDOSPOLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SOLIDOS
POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SOLIDOS
GUILHERME FRANÇA
 
Tratamento de efluentes e reúso da água
Tratamento de efluentes e reúso da águaTratamento de efluentes e reúso da água
Tratamento de efluentes e reúso da água
AlanAlflen
 

Semelhante a Manual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESB (20)

Proc implant
Proc implantProc implant
Proc implant
 
Aterro sanitario em valas
Aterro sanitario em valasAterro sanitario em valas
Aterro sanitario em valas
 
Estre/Apresentação Paulinia
Estre/Apresentação PauliniaEstre/Apresentação Paulinia
Estre/Apresentação Paulinia
 
T.I.G - Gestão Ambiental
T.I.G - Gestão AmbientalT.I.G - Gestão Ambiental
T.I.G - Gestão Ambiental
 
Aterro em valas
Aterro em valasAterro em valas
Aterro em valas
 
ESTABELECIMENTO DE SUBSÍDIOS PARA A DELIMITAÇÃO DE PERÍMETRO DE PROTEÇÃO DE P...
ESTABELECIMENTO DE SUBSÍDIOS PARA A DELIMITAÇÃO DE PERÍMETRO DE PROTEÇÃO DE P...ESTABELECIMENTO DE SUBSÍDIOS PARA A DELIMITAÇÃO DE PERÍMETRO DE PROTEÇÃO DE P...
ESTABELECIMENTO DE SUBSÍDIOS PARA A DELIMITAÇÃO DE PERÍMETRO DE PROTEÇÃO DE P...
 
Sisav
SisavSisav
Sisav
 
Sisav
SisavSisav
Sisav
 
Sisav
SisavSisav
Sisav
 
Sisav
SisavSisav
Sisav
 
Estudo de Impacte Ambiental do SISAV
Estudo de Impacte Ambiental do SISAVEstudo de Impacte Ambiental do SISAV
Estudo de Impacte Ambiental do SISAV
 
Aterro Sanitário.PDF
Aterro Sanitário.PDFAterro Sanitário.PDF
Aterro Sanitário.PDF
 
APRESENTAÇÃO Cabo Delgado.pptx
APRESENTAÇÃO Cabo Delgado.pptxAPRESENTAÇÃO Cabo Delgado.pptx
APRESENTAÇÃO Cabo Delgado.pptx
 
Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...
Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...
Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...
 
Dimensionamento de aterros sanitários em valas
Dimensionamento de aterros sanitários em valasDimensionamento de aterros sanitários em valas
Dimensionamento de aterros sanitários em valas
 
Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.
 
Consultoria Ambiental SP
Consultoria Ambiental SPConsultoria Ambiental SP
Consultoria Ambiental SP
 
Sisnate200705
Sisnate200705Sisnate200705
Sisnate200705
 
POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SOLIDOS
POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SOLIDOSPOLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SOLIDOS
POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SOLIDOS
 
Tratamento de efluentes e reúso da água
Tratamento de efluentes e reúso da águaTratamento de efluentes e reúso da água
Tratamento de efluentes e reúso da água
 

Manual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESB

  • 1. M A N U A L D E O P E R A Ç Ã O D E ATERRO SANITÁRIO EM VALAS GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO • SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE C E T E S B - C O M PA N H I A A M B I E N TA L D O E S TA D O D E S Ã O PA U L O SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE
  • 2. GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Governador SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Secretário CETESB - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo Diretor Presidente Diretor de Gestão Corporativa Diretor de Licenciamento e Gestão Ambiental Diretora de Tecnologia, Qualidade e Avaliação Ambiental Alberto Goldman Pedro Ubiratan Escorel de Azevedo Fernando Rei Edson Tomaz de Lima Filho Marcelo de Souza Minelli Ana Cristina Pasini da Costa CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo Avenida Prof. Frederico Hermann Jr., 345 São Paulo SP 05459 900 www.cetesb.sp.gov.br
  • 3. 1• MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas •GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO • SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE C E T E S B - C O M PA N H I A A M B I E N TA L D O E S TA D O D E S Ã O PA U L O mANUAL DE OPERAÇÃO DE ATERRO SANITÁRIO EM VALAS PROGRAMA AMBIENTAL ESTRATÉGICO S Ã O PA U L O 2 0 1 0 Autores Aruntho Savastano Neto Cristiano Kenji Iwai Fernando Antonio Wolmer João Luiz Potenza Maria Heloísa P.L.Assumpção
  • 4. 2 • MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas • Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CETESB – Biblioteca, SP, Brasil) C418m CETESB (São Paulo) Manual de operação de aterro sanitário em valas / CETESB ;Aruntho Savastano Neto ... [et al.]. – São Paulo : CETESB, 2010. 24 p. : il. color. ; 26,5 x 19,5 cm Projeto Ambiental Estratégico Lixo Mínimo. Publicado também em CD. Disponível também em: <http://www.ambiente.sp.gov.br> ISBN 1. Aterro sanitário – valas 2. Resíduos sólidos urbanos – destinação final 3. Re- síduos sólidos urbanos – disposição 4. Solos 5.Vazadouros controlados I. Savastano Neto,Aruntho II. Iwai, Cristiano Kenji III.Wolmer, Fernando Antonio IV.Título. CDD (21.ed. esp.) 628.445.64 CDU (2.ed. port.) 628.472.3 (035) Catalogação na fonte: Margot Terada CRB 8.4422 Manual de Operação de Aterro Sanitário em Valas • Coordenação Aruntho Savastano Neto • Elaboração Cristiano Kenji Iwai Fernando Antonio Wolmer João Luiz Potenza Maria Heloísa P.L.Assumpção • Ilustrações Diego Vernille da Silva Natalia Mayumi Uozumi • Revisão de Texto Denise Scabin Pereira Susanna Erica Busch Wanta E.S. Barbosa Maria Cristina • Projeto Gráfico Vera Severo
  • 5. A disposição inadequada dos resíduos sólidos domiciliares sobre o solo, sem nenhum critério técnico, traz sérios problemas ao ser humano e ao meio ambiente. Dentre muitos incômodos podemos destacar: a proliferação de vetores, que são agentes causadores e transmissores de diversas doenças, como, por exemplo, a dengue; a queima do lixo ao ar livre; a exalação de fortes odores; a contaminação do solo e das águas subterrâne- as e superficiais; e a presença indesejada de catadores de lixo. Para a solução desse grave problema ambiental, uma técnica adequada, do ponto de vista sanitário, e aprovada para a disposição de resíduos sólidos domiciliares no solo, é denomi- nada aterro sanitário. Aterro sanitário é a forma de disposição de resíduos sólidos urbanos no solo, com padrões aceitáveis quanto a danos à saúde pública e ao meio ambiente. Por utilizar princípios e técni- cas de engenharia, que servem para confinar os resíduos sólidos na menor área e no menor volume possíveis, cobrindo-os com uma camada de terra na conclusão de cada jornada de trabalho ou a intervalos menores, se necessário, minimiza os prováveis impactos ambien- tais. A técnica de disposição de resíduos sólidos urbanos no solo em aterros sanitários pode ser executada de diversas maneiras, como na forma de valas e trincheiras escavadas abaixo do nível natural do terreno e na forma de camadas que usa o perfil natural sobre o solo. Para municípios de pequeno porte, é aceitável e até aconselhável o uso da técnica dos aterros sanitários na forma de valas. Vale destacar que, qualquer que seja a técnica usada no aterro sanitário, é de extrema impor- tância a implantação, no município, da coleta seletiva e da reciclagem dos resíduos. Essa prá- tica diminuirá bastante a quantidade de lixo encaminhada aos aterros e, consequentemente, contribuirá, entre outros aspectos, para o aumento da sua vida útil. Este manual é direcionado aos operadores de aterros sanitários em valas e tem como objeti- vo apresentar informações quanto à operação, manutenção e monitoramento destes locais. Deve ficar claro que este documento não pretende incentivar a implantação de aterros sanitá- rios como forma única de destinação final dos resíduos, em detrimento de outras tecnologias, mas sim mostrar a adequada destinação dos resíduos sólidos, tendo como meta, sempre, o gerenciamento de forma integrada. Porém, considerando que no Estado de São Paulo muitas vezes o método de disposição no solo é utilizado como solução única de destinação dos re- síduos, minimamente faz-se necessária a execução de ações de curto prazo, com resultados factíveis, para que estas ocorram de forma ambientalmente aceitável.
  • 6. SUMÁRIO 1. Introdução • 5 2. Procedimentos operacionais • 6 2.1. Recepção de resíduos • 6 2.2. Operação das valas • 7 2.3. Controle de acesso • 12 2.4. Controle de vetores • 13 2.5. Treinamento da equipe • 13 3. Manutenção • 15 3.1. Acessos • 15 3.2. Isolamento físico - Cercamento e portões • 15 3.3. Isolamento visual - Barreira vegetal • 15 3.4. Aceiro • 15 3.5. Limpeza da área • 16 3.6. Sistema de drenagem de águas pluviais • 16 3.7. Recalques • 16 3.8. Cobertura vegetal • 16 3.9. Manutenção das máquinas e equipamentos • 16 4. Monitoramento • 17 4.1. Inspeções visuais • 17 4.2. Águas superficiais e subterrâneas • 17 5. Considerações finais • 18 Referências • 19 ANEXO • 20
  • 7. 5• MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas • 1. Introdução O aterro sanitário em valas é uma técnica para a disposição de resíduos urbanos no solo, em municípios de pequeno porte, onde a produção diária de lixo não deve ultrapassar 10 (dez) toneladas.Vale lembrar que a grande maioria dos municípios no Estado de São Paulo produz mais ou menos essa quantidade de resíduos. O confinamento dos resíduos sem compactação impede o aproveitamento integral da área a ser aterrada, fato que torna esse processo de utilização não recomendado para os municípios com produção de resíduos superior a 10 (dez) toneladas por dia. Acima desse volume, para a utilização de aterros na forma de valas seria necessária a abertura constante de valas, tor- nando essa técnica inviável economicamente. Além disso, municípios de grande porte têm maiores condições de manter um aterro sanitário convencional. Como é uma técnica de disposição de resíduos abaixo do nível natural do terreno, a área ideal para a implantação desse tipo de empreendimento deverá ser de relevo plano, para facilitar a escavação das valas. Tendo em vista que para a implantação desse tipo de aterro sanitário o órgão ambiental não exige a impermeabilização complementar das valas com mantas de PEAD – Polietileno de Alta Densidade ou outro tipo semelhante de material e nem a colocação de solo argiloso no seu fundo, para a escolha do terreno do aterro deverão ser considerados o tipo de solo do local e sua permeabilidade, o nível do lençol freático (nível d´água) e o excedente hídrico da região. O terreno a ser selecionado para a implantação do aterro deverá, ainda, possuir uma área que propicie uma vida útil mínima do aterro de 15 anos, além de respeitar algumas dis- tâncias mínimas, tais como: 500 metros de núcleos habitacionais e 200 metros de qualquer corpo d’água superficial existente nas proximidades. O tamanho da área necessária para a implantação de um aterro sanitário em valas deve sempre considerar a quantidade de resíduos a ser disposta e a vida útil do empreendimento. Além da área para a escavação das valas, deverão ser previstos: uma área lateral para a im- plantação do cercamento, do cinturão verde e do sistema de escoamento de águas pluviais; um espaço de segurança entre as valas e áreas para os acessos e circulações internas.A prá- tica nesse tipo de implantação mostra que essa área é igual ao calculada para a escavação de valas.
  • 8. 6 • MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas • 2. Procedimentos operacionais Para o adequado funcionamento do aterro sanitário em valas, deve-se seguir uma rotina ope- racional pré-estabelecida, mediante o treinamento dos funcionários e o acompanhamento por um responsável técnico, a fim de seguir o projeto previamente aprovado. A seguir, são descritos alguns pontos importantes a serem obedecidos durante a operação desses empreendimentos. 2.1. Recepção de resíduos A definição dos tipos de resíduos permitidos no aterro sanitário em valas é efetuado na fase do projeto e deve ser submetido à aprovação do órgão ambiental; porém, durante a operação do empreendimento é importante verificar se os resíduos que estão sendo encaminhados são compatíveis com aqueles pré-estabelecidos. Deve ser estabelecida uma rotina de recepção dos resíduos, efetuando-se, pelo menos, uma inspeção visual e o registro de entrada, conforme especificado a seguir. Registros€€ É importante efetuar o registro dos resíduos que entram na área do aterro, inclusive para acompanhar seu desenvolvimento, avaliando se os volumes recebidos estão compatíveis com a ocupação de áreas e com a vida útil estimada no projeto, bem como registrando os tipos de resíduos recebidos e verificando sua procedência. Sugere-se a implantação de um sistema de registro, por meio de uma ficha (modelo anexo), contendo informações como: tipo de resíduo, quantidade estimada, placa do veículo, respon- sável pelo registro etc. Como exemplo, são descritos, a seguir, alguns tipos de resíduos permitidos e não permitidos para a disposição nos aterros sanitários em valas. Resíduos permitidos€€ Conforme previsto na Resolução CONAMA 404/2008, os resíduos sólidos permitidos nos aterros sanitários de pequeno porte são aqueles provenientes de domicílios, de serviços de limpeza urbana, de pequenos estabelecimentos comerciais, industriais e de prestação de serviços, que estejam incluídos no serviço de coleta regular de resíduos e que tenham carac- terísticas similares aos resíduos sólidos domiciliares. Resíduos não permitidos€€ Não podem ser dispostos nos aterros sanitários em valas os seguintes resíduos: Resíduos perigosos;• Resíduos da construção civil;• Resíduos provenientes de atividades agrosilvopastoris;•
  • 9. 7• MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas • Resíduos de mineração; e• Resíduos de serviços de saúde, sem tratamento prévio ou sujeitos às exigências• de destinação especial. Ressalta-se que, embora classificados como resíduos sólidos urbanos, é recomendado que os resíduos de podas não sejam destinados ao aterro sanitário em valas, já que eles ocupam um grande volume.Além disso, devido a suas características, podem ter um uso benéfico para o meio ambiente, por meio de compostagem ou aproveitamento energético. Deve-se impedir a entrada de resíduos cuja composição não seja adequadamente identifi- cada e compatível com a disposição do aterro. Caso detectada a incompatibilidade, a carga deve ser devolvida ao gerador, ficando sob sua responsabilidade o encaminhamento dela para tratamento e disposição final adequada. Caso estes resíduos sejam de responsabilidade da própria Prefeitura, esta deverá providenciar o seu destino apropriado. Caso tais ocorrên- cias envolvam resíduos perigosos, devem ser comunicadas ao órgão ambiental. 2.2. Operação das valas A experiência adquirida ao longo dos anos demonstra que de nada adianta um bom projeto, com a obtenção de todas as licenças ambientais necessárias e, ainda, a existência de equipa- mentos e infraestrutura, se a operação do aterro sanitário em valas não for desenvolvida de forma ambientalmente correta. Esta operação deve estar diretamente relacionada a todas as etapas de concepção, elabo- ração do projeto e implantação do aterro sanitário em valas, bem como deve considerar o gerenciamento de resíduos sólidos urbanos do município como um todo, uma vez que a frequência e o horário de coleta, o tipo de equipamento empregado, a existência de coleta diferenciada, entre outros fatores, irão influenciar diretamente a operação. Os critérios para a operação das valas deverão seguir as especificações do projeto. Entretan- to, são descritos a seguir alguns critérios usuais para este tipo de empreendimento. Dimensões das valas€€ A separação entre as bordas superiores das valas deve ser, no mínimo, de 1,0 metro, deixan- do espaço suficiente para operação e manutenção. A profundidade da escavação das valas deve ser, no máximo, de 3,0 metros, observadas as condições de estabilidade dos taludes e o nível do lençol freático. A largura da vala pode ser variável, dependendo do equipamento usado na escavação, cui- dando para que não seja excessiva a ponto de dificultar a cobertura operacional dos resíduos. Recomenda-se que a largura da vala na superfície não supere 3,0 metros (ABNT, 2010).
  • 10. 8 • MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas • Barreira vegetal Cerca Drenagem de água pluvial Vala Abertura da vala Terra de escavação da nova vala Barreira vegetal Cerca Drenagem de água pluvial O comprimento das valas será delimitado em função da vida útil esperada, conforme espe- cificado no item a seguir. Abertura e vida útil das valas€€ A escavação de cada vala deve ser executada de uma só vez e o seu dimensionamento feito de modo a permitir a disposição dos resíduos por um período aproximado de 30 dias. Para uma vida útil maior, recomenda-se que no fundo da vala sejam mantidos pequenos diques de solo natural que definam subáreas hidraulicamente separadas, com vida útil aproximada de 30 dias. Figura 1 – Abertura de valas, com acúmulo de terra apenas em um dos lados. Disposição dos resíduos€€ A operação de disposição dos resíduos na vala aberta é iniciada pelo mesmo lado que a vala começou a ser escavada, com o caminhão coletor se posicionando de ré, perpendicularmente ao comprimento da vala. O coletor ou caminhão de transporte de resíduos deve se aproximar ao máximo da vala, de maneira a garantir o lançamento diretamente na vala, evitando o espalhamento em outros locais. Porém, deve-se resguardar a segurança com relação ao risco de desmoronamento das valas. Recomenda-se que seja executado um pequeno dique com solo, visando a demarcar o ponto máximo de aproximação para o descarregamento na vala.
  • 11. 9• MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas • Drenagem de água pluvial Drenagem de água pluvial Barreira vegetal Cerca Barreira vegetal Cerca Vala em operação Após a descarga dos resíduos, deve se proceder à varrição de todos os resíduos que possam eventualmente ter se desprendido, além do imediato cobrimento sanitário com solo, dos resí- duos lançados (SÃO PAULO, 2005). Figura 2 – Os resíduos são descarregados em um único ponto da vala, até que esteja total- mente preenchida. Cobertura diária€€ A cobertura diária tem o objetivo de minimizar os efeitos dos odores e da proliferação de vetores gerados pelos resíduos em decomposição. Se a região possui elevados índices pluvio- métricos, esta cobertura impedirá, pelo menos um pouco, a entrada de água na vala (CASTI- LHOS, 2003). Desta forma, à medida que são depositados, os resíduos devem ser nivelados e cobertos ma- nualmente ou com o auxílio de equipamentos mecanizados, utilizando-se o solo acumulado ao lado da vala. O nivelamento e a cobertura dos resíduos devem ser realizados diariamente, sendo recomendada uma camada mínima de 20 centímetros. Recomenda-se a execução da cobertura diária de forma racional, preferencialmente ao final de cada jornada de trabalho, uma vez que o uso de solo em excesso diminuirá a vida útil das valas. Assim que o primeiro trecho da vala estiver totalmente preenchido, passa-se para outro, repetindo-se as mesmas operações de disposição e cobertura diária.
  • 12. 10 • MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas • Figura 3 – Execução da camada de cobertura diária. Drenagem de água pluvial Barreira vegetal Cerca Corte longitudinal
  • 13. Cobertura final€€ O nivelamento final da vala é efetuado numa cota superior à do terreno, prevendo-se prová- veis recalques, de forma a evitar o acúmulo de água. A cobertura final deverá ser executada com uma camada de solo de, aproximadamente, 60 centímetros, com uma declividade de, no mínimo, 7 % na menor dimensão da vala. Figura 4 – Execução da camada de cobertura final da vala Corte longitudinal Drenagem de água pluvial Barreira vegetal Cerca
  • 14. 12 • MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas • Cobertura vegetal€€ Posteriormente à execução da cobertura final da vala, a mesma deve ser coberta com solo orgânico e cobertura vegetal com gramíneas, para evitar erosões, bem como minimizar a infiltração de águas de chuva. Drenagens superficiais€€ Ao longo da operação, são executados de sistemas e dispositivos de drenagem superficial, com o objetivo de manter a área do aterro sanitário em condições normais de operação, além de se evitar o acúmulo excessivo de águas e o aumento de chorume. O sistema deverá prever estruturas definitivas e provisórias, para evitar a entrada de águas de chuva na vala em operação. Estes sistemas de drenagem podem ser compostos de drenos escavados no solo, revestidos com grama ou argamassa, canaletas de concreto, caixas de passagem, tubulação em concre- to e dissipadores em pedra ou rachão. Demarcação das valas encerradas€€ Recomenda-se que ao final da operação de cada vala, estas sejam demarcadas com marcos fixos e permanentes, visando facilitar futuras intervenções, se necessário. Após a finalização da disposição de resíduos nas valas, deve-se prever uma rotina de ma- nutenção, de modo a corrigir eventuais recalques, desobstruir e manter o funcionamento correto dos sistemas de drenagem de águas pluviais e o corte da grama, o que será abordado no item 3 deste documento. 2.3. Controle de acesso Na implantação do aterro, deve-se levar em consideração o seu isolamento (pelo fechamento da área com cercas de arame e cerca viva) e o seu controle de acesso por meio de portaria. O controle de acesso refere-se tanto ao controle de recebimento de resíduos, conforme já especificado no item 2.1 deste documento, quanto ao controle de acesso de pessoas, não devendo ser permitido o acesso de pessoas estranhas à operação do empreendimento, salvo quando forem desenvolvidas ações voltadas à educação ambiental. Este controle de acesso à área deve ser feito por meio da portaria, que contará com uma guarita ocupada por funcionário, que fará o controle de entrada e saída dos veículos, bem como o registro das descargas. Só deverá ser permitido o acesso ao aterro dos coletores cadastrados na Prefeitura, no horário estabelecido pela mesma e a descarga de resíduos previamente aprovados.
  • 15. 13• MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas • Caso não exista possibilidade de presença de catadores na área do aterro, poderá ser dis- pensada a permanência de vigia, sendo que o controle e o registro passarão a ser feitos pelo próprio motorista do veículo coletor, o qual possuirá cópia da chave do portão e da guarita (SÃO PAULO, 2005). 2.4. Controle de vetores Para o controle de vetores é primordial a adequada cobertura dos resíduos, impedindo sua exposição e evitando atrativos, quer seja de resíduos orgânicos, quer seja de moscas que po- derão atrair aves. Salienta-se, ainda, a importância do isolamento físico da área (cercamento) visando a evitar a entrada de outros animais. Além desses procedimentos, poderá ser prevista a utilização de instrumentos sonoros (fogos de artifício ou sirenes) para afugentar as aves, de maneira a evitar, a qualquer custo, a per- manência das mesmas na área do aterro (SÃO PAULO, 2005). Pode-se, ainda, implantar telas removíveis sobre o topo das valas; porém, não substituindo a execução da cobertura intermediária ao final da jornada diária de trabalho. 2.5. Treinamento da equipe A equipe de trabalho do aterro deve receber treinamento apropriado para garantir uma ope- ração adequada.Também devem ser cumpridas as determinações do projeto. Um treinamento técnico mínimo sobre as tarefas diárias é necessário e, muito mais do que isto, um curso básico sobre gerenciamento de resíduos sólidos seria considerado um diferen- cial. São poucas as prefeituras que se preocupam com essa capacitação profissional; contu- do, esta é uma das medidas mais importantes para uma boa organização do aterro. Outro ponto importante a ser enfatizado é quanto aos equipamentos e procedimentos para a segurança do trabalho. Assim, recomendam-se como pontos mínimos a serem abordados no treinamento dos fun- cionários (ABNT, 2010): as formas de inspeção, controle, permissão de acesso ao aterro e orientação do• lançamento de resíduos; os adequados procedimentos de operação, manutenção e monitoramento do• aterro e todos os seus sistemas, com ênfase nas funções e atribuições específicas de cada funcionário; os procedimentos a serem adotados em situações de emergência; e• os procedimentos de segurança operacional e a correta utilização de equipamen-• tos de proteção individual (EPIs) e coletiva (EPC).
  • 16. 14 • MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas • Figura 5 – Vista geral do aterro com valas encerradas e em operação (Planta e cortes)
  • 17. 15• MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas • 3. Manutenção É fundamental um serviço de manutenção eficaz no aterro sanitário em valas. Sempre que for constatado algum problema, esse deverá ser corrigido rapidamente, de maneira a evitar o seu agravamento. Entre outros, são necessárias manutenções em: acessos, estruturas de isolamento físico e visual, sistema de drenagem superficial, cobertura vegetal, recalques das valas etc. 3.1. Acessos Os acessos internos e externos ao aterro têm a função de garantir a chegada dos resíduos até as frentes de descarga e a adequada operação das mesmas. Essas estradas devem suportar o trânsito de veículos, mesmo durante os períodos de chuva e, por isso, devem ser mantidas nas melhores condições de operação. Deverão ser realizadas, semanalmente, inspeções ao longo dos acessos e da área do aterro e, caso seja detectado algum dano, deverão ser executados, imediatamente, os reparos necessá- rios.Durante o período chuvoso,deve ser dado especial cuidado à manutenção destes acessos, procurando manter estoque suficiente de material granular, inclusive resíduos da construção civil, classe A, nos termos da Resolução CONAMA 307/02, para a sua recomposição. 3.2. Isolamento físico - Cercamento e portões O isolamento do aterro é imprescindível para a manutenção da ordem e do bom andamento da operação, desta forma a portaria ou portões e as cercas devem ser mantidos em perfeitas condições para não comprometer o bom funcionamento do aterro. 3.3. Isolamento visual - Barreira vegetal Visando ao isolamento visual do empreendimento, é recomendável o plantio de um cinturão verde, composto de arbustos e árvores em todo o perímetro do terreno. Normalmente, as plantas mais recomendadas para esse tipo de cercamento são as conhecidas como “Sansão do Campo” e “Jambolão” por serem de fácil cultivo, de rápido crescimento e permitirem a formação de uma boa barreira vegetal. É necessário garantir a manutenção dessa vegetação. 3.4. Aceiro Tendo em vista que os aterros sanitários em valas, usualmente, localizam-se próximos de áre- as agrícolas, de vegetação nativa ou de pastagens, recomenda-se, como medida preventiva, a manutenção de um aceiro no entorno do empreendimento, visando impedir a propagação de incêndios.
  • 18. 16 • MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas • 3.5. Limpeza da área A administração deve promover a remoção dos materiais espalhados pelo vento e, se necessá- rio, usar cercas móveis. Com isso, evitam-se transtornos e o comprometimento da paisagem. 3.6. Sistema de drenagem de águas pluviais A manutenção do sistema de drenagem superficial é muito importante para não comprome- ter a operação do aterro em valas e as condições dos acessos; devendo ser verificado fre- quentemente, principalmente após períodos chuvosos, o estado das estruturas de drenagem: drenos, tubulações e/ou das canaletas quanto às condições de escoamento e de integridade física (quebra). Caso sejam constatadas quebras e/ou obstrução dessas estruturas de drena- gem, as mesmas deverão ser reexecutadas e/ou desobstruídas. 3.7. Recalques Tendo em vista que a degradação dos resíduos no interior da vala poderá ocasionar recalques e provocar o acúmulo de águas pluviais sobre estas, caso os recalques sejam identificados, deve-se efetuar, rapidamente, as correções com a colocação de nova camada de solo de es- pessura adequada, para restaurar as declividades para o escoamento das águas. 3.8. Cobertura vegetal A cobertura vegetal sobre as valas é importante para proteger o solo de erosões e fissuras, sendo necessário manter o corte frequente, para possibilitar as inspeções visuais nas valas encerradas, bem como nas demais estruturas do aterro. 3.9. Manutenção das máquinas e equipamentos Deve-se efetuar a limpeza dos equipamentos e máquinas no fim de cada dia de trabalho e os possíveis reparos para conservá-los e garantir a eficiência do aterro. 4. Monitoramento Referências
  • 19. 17• MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas • 4. Monitoramento O monitoramento do aterro sanitário em valas, durante sua operação e após seu encerra- mento, é importante para a detecção de desconformidades e para reduzir eventuais danos ambientais, bem como os custos com intervenções necessárias. 4.1. Inspeções visuais Deve-se estabelecer uma rotina de inspeções visuais no aterro, para identificar eventuais problemas, de forma a evitar o seu agravamento, bem como efetuar prontamente as medi- das corretivas necessárias. Devem ser observados regularmente os seguintes itens na área (adaptado da ABNT, 2010): condição das vias de acesso;• processos erosivos;• rebaixamento da camada superior do aterro (recalques);• existência e adequação da cobertura operacional;• condição operacional da frente de trabalho;• existência e adequação da cobertura vegetal;• condição do aceiro;• condição operacional dos sistemas de drenagem;• carreamento de resíduos pelo vento;• percepção de odores;• presença de vetores.• Recomenda-se que os funcionários sejam treinados para efetuar estas inspeções rotineiras, efetuando os registros das ocorrências e procedimentos adotados para sua solução. 4.2. Águas superficiais e subterrâneas Quando previsto no projeto do aterro sanitário em valas ou quando exigido pelo órgão am- biental, em função das condições físicas locais, o monitoramento de águas superficiais e/ou subterrâneas deverá ser efetuado conforme orientações contidas nas licenças expedidas pelo órgão ambiental.
  • 20. 18 • MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas • 5. Considerações finais Uma operação feita com critério é condição essencial para o sucesso desse tipo de aterro. Se forem seguidas as orientações apresentadas neste documento, o encerramento do aterro será de fácil execução e com custo baixo. Quanto ao uso futuro da área, é possível o desenvolvimento de culturas que não apresentam raízes profundas, não têm contato direto com o solo, nem são consumidas in natura por pessoas, podendo ocupar o local após o encerramento das atividades, facilitando a reinte- gração do aterro à paisagem regional, reduzindo os seus custos e evitando a manutenção de estruturas de isolamento e proteção do local. Porém, recomenda-se que tais procedimentos venham a ser analisados previamente por um Engenheiro Agrônomo. Figura 6 – Detalhe do aterro em vala finalizado.
  • 21. 19• MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas • Referências ABNT. NBR 15849: Resíduos sólidos urbanos: aterros sanitários de pequeno porte – diretri- zes para localização, projeto, implantação, operação e encerramento. Rio de Janeiro, 2010. 24 p. CASTILHOS JR., Armando Borges (Coord.); Zanta, Viviana Maria et al. Resíduos sólidos ur- banos: aterro sustentável para municípios de pequeno porte. Rio de Janeiro: ABES; São Car- los: RiMA, 2003. 280 p. Documento do PROSAB através da Rede Cooperativa de Pesquisas sobre o tema Alternativas de disposição de resíduos sólidos urbanos para pequenas comuni- dades. Disponível em: <http://www.finep.gov.br/prosab/livros/ProsabArmando.pdf>. Acesso em: ago. 2010. SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Estado de Meio Ambiente; CETESB. Procedimentos para a implantação de aterros sanitários em valas. São Paulo: SMA, 2005. 34 p. Disponí- vel em: <http://www.ambiente.sp.gov.br/uploads/arquivos/aterroemvalas/proc_implant.pdf>. Acesso em: ago. 2010.
  • 22. 20 • MANUAL DE OPERAÇÃO DE Aterro Sanitário em valas • Data Número da placa do veículo Tipo de resíduo Quantidade estimada (unidade) Responsável pelo registro de recebimento ANEXO Registro de Controle de Recebimento de Resíduos (Modelo Simplificado)
  • 23. GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Governador SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Secretário CETESB - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo Diretor Presidente Diretor de Gestão Corporativa Diretor de Licenciamento e Gestão Ambiental Diretora de Tecnologia, Qualidade e Avaliação Ambiental Alberto Goldman Pedro Ubiratan Escorel de Azevedo Fernando Rei Edson Tomaz de Lima Filho Marcelo de Souza Minelli Ana Cristina Pasini da Costa CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo Avenida Prof. Frederico Hermann Jr., 345 São Paulo SP 05459 900 www.cetesb.sp.gov.br
  • 24. M A N U A L D E O P E R A Ç Ã O D E ATERRO SANITÁRIO EM VALAS GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO • SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE C E T E S B - C O M PA N H I A A M B I E N TA L D O E S TA D O D E S Ã O PA U L O SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE