SlideShare uma empresa Scribd logo
Comissionamento com Sustentabilidade

            Estudo, Criação e Desenvolvimento
             Bernardino Nilton do Nascimento

                    Desenvolvimento
                 Expanjet Global Solutions
     Miguel Roca Calza              Nialdo Pereira dos Santos
 Fernando Manechini Calza          Felipe Moreno Souza Martins
 Atanael Freitas de Souza              Ramon Silva Gondim
Jefferson de Jesus Oliveira          Eduardo Cardoso Garrido

                 Continental Equipamentos
              Charles Edward      Cristian Domecg

                         Hidroquímica
              Asdrubal Alvim      Roberto Oliveira

                              Apoio
PETROBRAS/RNEST      CONEST          PETROBRAS/CENPES
            SPONGE-JET     CHESTERTON
      PETROBRAS/IERNEST/IEDACR/IEINTER/IEBAST

            Comissionamento com Sustentabilidade
Proteja o que é importante




Comissionamento com Sustentabilidade
Introdução

Populações crescentes, rápida urbanização,
elevado grau de consumo: como resposta a esta
demanda, unidades industriais e seus processos
colocam uma pressão sem precedentes nos
recursos do solo, água e ar. Diante dessa
problemática, reavaliar nossas próprias ações
pode contribuir e muito.

A motivação para o enfoque do jateamento
interno de tubos sob a perspectiva do respeito
ao meio ambiente é proveniente do
“Comissionamento com Sustentabilidade”,
quando da análise voltada para a economia de
água da Refinaria RNEST, localizada em
Pernambuco, Brasil:
 mais de 600 milhões de litros de água apenas para os testes
hidrostáticos e limpeza de linhas (tubulações).
                   Comissionamento com Sustentabilidade
Metodologia


Diante disso, houve a necessidade de
se estabelecer um método de
minimização deste impacto ao meio
ambiente para a quantidade a ser
consumida, descartada e tratada. No
que se refere à limpeza de tubulações,
houve um aprimoramento do jateamento
abrasivo seco para a superfície interior
do tubo.
Obteve-se um nível de preparação de superfície que exime o uso de
qualquer tipo de produto químico nocivo, além de proporcionar uma grande
economia de tempo, pois não é necessário que um determinado sistema
fique pronto para fazer tal preparação. Quando fabricado, o spool já será
jateado para se aplicar o anticorrosivo.


                    Comissionamento com Sustentabilidade
Metodologia

Após a montagem da tubulação, os testes
hidrostáticos serão realizados com água tratada por
uma estação de tratamento de água (ETA)
compacta, com posterior aplicação do produto
anticorrosivo e, por fim, armazenados em grandes
reservatórios.
Com essas ações estima-se a redução de um
consumo de 16 milhões de litros de água para no
máximo 400 mil litros apenas para as Unidades de
Destilação Atmosférica (UDA) da Refinaria RNEST.
O presente método utiliza a aplicação de abrasivo microencapsulado em esponja de
poliuretano, reutilizável, limpa, seca e com baixa geração de pó, no jateamento
interno de tubos e conexões (spools). Após o jateamento abrasivo, haverá a
aplicação de Pig Mecânico com Produto Anti-Corrosivo.
Este método garante a devida preparação superficial do substrato no que diz
respeito aos requisitos de limpeza de contaminantes visíveis (nível de limpeza SA3,
metal branco), limpeza de contaminantes invisíveis, e a geração de um perfil de
ancoragem, sob o enfoque da qualidade, segurança, sustentabilidade e preservação
do meio ambiente.
                       Comissionamento com Sustentabilidade
Procedimento


A limpeza deve ser executada após
a fabricação dos spools ou linhas
instaladas, por meio do fluxoteste.

Toda a linha deverá ser preservada
após as soldas de campo. A água do
teste hidrostático constituir-se-á por
produto anti-corrosivo, mantendo o
padrão de limpeza desejável
conforme a capacidade do sistema.

Sempre que for necessário ou requisitado deve-se fazer uma varredura com
borocóspio, fotografando os principais pontos e ou pontos determinados.

Após o jateamento abrasivo Sponge-Jet e realização dos testes
hidrostáticos ocorrerá a aplicação da solução passivante.

                      Comissionamento com Sustentabilidade
Benefícios

Não utiliza os tradicionais produtos químicos (evita decapagem e
desengraxamento)
Permite a limpeza durante o processo de fabricação de tubos e montagem dos
spools

Não gera efluentes
Permite trabalhos em paralelo
Não prejudicial à saúde
Economia de tempo
Minimiza o flush

A utilização das tecnologias SPONGE-JET, PIG e Solução Passivante formam
um sistema ambientalmente correto
Sopro a vapor: necessidade de contraprova reduzida em 90%
Reduz custos de armazenamento, transporte e, por conseguinte, disposição.


                      Comissionamento com Sustentabilidade
Processo




                                                    Jateamento Abrasivo Seco




Estação Compacta de Tratamento de Água
                                                            Pig Mecânico
Resultados

Antes                Depois
Resultados
Resultados
Resultados
Resultados
Resultados
Resultados




Antes                Depois
Resultados



Antes                Depois
Resultados


                        Durante              Depois
     Antes
                  Jateamento Abrasivo   Revestimento ARC
Corrosão Grau D
                    Seco Sponge-Jet        Chesterton
Resultados




Antes    Durante     Depois
Jateamento Interno de Tubos


           Do que depende a produtividade?
•Tipo de contaminação existente na peça
•Diâmetro da peça
•Grau de corrosão da peça
•Pressão aplicada
•Distância do bico ao substrato
•Diâmetro de abertura do bico
•Grau de limpeza requerido
•Densidade do abrasivo
•Velocidade de Arraste do Bico
Proteção Pós-Jateamento: Inibidor de Corrosão



- Aplicação de inibidor de corrosão;

- Água com solução passivante para os testes hidrostáticos;

- Monitoramento e controle dos parâmetros analíticos e
operacionais;

- Sistema de Filtração e Tratamento da solução passivante.
Equipamentos de Inspeção




                      Visor Boroscópico com foto




                          Carrinho Boroscópico
Avaliação Ambiental


                  Tabela 01 - Comparação Entre Tecnologias do Ponto de Vista Ambiental.



                   Contaminação     Contaminação      Geração de    Possibilidade de       Alto Volume de
  Tecnologia
                        do Ar           do Solo        Efluentes      Reutilização        Resíduos Sólidos



  Areia Seca            Sim              Sim              Não             Não                   Sim


 Areia Úmida            Não              Sim              Sim             Não                   Sim


Hidrojateamento         Não              Sim              Sim             Sim                   Não



   Abrasivo
                        Sim              Sim              Não             Sim                   Sim
   Ordinário



 SPONGE-JET             Não              Não              Não             Sim                   Não



                          Comissionamento com Sustentabilidade
Sponge-Jet x Jateamento Ordinário

A preparação de superfície com o
uso de jateamento ordinário, ou
seja, por meio do uso de granalha
de aço, escória de cobre, escória de
carvão, óxido de alumínio, etc, tem
sido muito utilizado devido a uma
“aparente” imagem de ser “mais
barato”, quando comparado apenas
o custo do material abrasivo.
Porém, quando leva-se em consideração todos os problemas causados
pela sua aplicação, nota-se que estamos pagando um preço “muito caro”,
colocando em risco o meio-ambiente, a saúde dos operadores e as futuras
gerações.
Na foto ao lado podemos ver uma comparação da produção de pó, material
particulado, produzido pelos sistemas ordinários e pelo sistema SPONGE-
JET.

                     Comissionamento com Sustentabilidade
Sponge-Jet x Jateamento Ordinário


É comprovado que o abrasivo Sponge-
Jet gera, por meio de controle ou
supressão, 99,9% menos pó que os
abrasivos convencionais, devido ao fato
de ser composto de material uretano
esponjoso, poroso e resistente.

O vácuo criado no momento do impacto
da esponja com o substrato coleta pó,
fuligem, corrosão e outros
contaminantes.

Esta é a razão de, quando da aplicação da tecnologia Sponge-Jet, serem
atingidos níveis de cloreto iguais ou menores que 5 g/cm².



                    Comissionamento com Sustentabilidade
Sponge-Jet x Jateamento Ordinário


Ao se avaliar o nível de contaminação
do ar durante estudo desenvolvido em
um estaleiro, obteve-se que o
jateamento abrasivo é o maior
responsável pelas emissões fugitivas.

Testes foram conduzidos comparando a
escória de carvão e o abrasivo Sponge-
Jet: o primeiro gerou até 5.500 vezes
mais pó do que o segundo.

A baixa geração de pó é uma das razões que inclusive garantiram a
permissão de jateamento ao ar livre declarado pela California
Environmental Protection Agency.



                    Comissionamento com Sustentabilidade
Menor Geração de Resíduos Sólidos

Quanto à produção de resíduos sólidos,
a possibilidade de se reutilizar a esponja
apresenta como consequência a
redução do volume de abrasivo, custo
de transporte, manuseio,
armazenamento e descarte.

O gráfico compara o resíduo
relativamente gerado entre o jateamento
abrasivo ordinário x Sponge-Jet.

O efeito que a tecnologia Sponge-Jet tem na prevenção da poluição é
justificada pelo fato da esponja decapante poder ser reciclada: a quantidade
de águas residuárias geralmente gerada na utilização de métodos
convencionais, como a decapagem química, é drasticamente reduzida.


                      Comissionamento com Sustentabilidade
Menor Geração de Resíduos Sólidos


                         Tabela 02 – Consumo de Abrasivo durante o Jateamento.
                         Consumo de
  Tipo de Abrasivo                         Eficiência (m²/h)        Método             Referência
                        Abrasivo (kg/m²)
Escória de Cobre              26,2               10,7          Jateamento a Lama     Da Maia (2000)
Escória    de   Cobre
                              25,0               12,2          Jateamento a Lama     Da Maia (2000)
(Reciclada)
Areia                         22,3               9,2           Jateamento a Lama     Da Maia (2000)
Bauxita                       31,9                 -           Jateamento a Seco    Uhlendorf (2000)
Escória de Carvão             50                 4,0           Jateamento a Seco   Cluchague (2001)
Escória de Cobre                                               Jateamento a Seco   Beltov e Assersen
                              40                   -
                                                                                         (2002)
Dolomita                                                       Jateamento a Seco     Andronikos e
                             129,6               5,7
                                                                                   Eleftherakos (2000)




                              Comissionamento com Sustentabilidade
Menor Geração de Resíduos Sólidos


                      Tabela 02 – Consumo de Abrasivo durante o Jateamento.
                      Consumo de
  Tipo de Abrasivo                      Eficiência (m²/h)        Método              Referência
                     Abrasivo (kg/m²)
Garnet                                                      Jateamento a Seco      Andronikos e
                          108,6               10,5
                                                                                 Eleftherakos (2000)
Escória de Níquel                                           Jateamento a Seco      Andronikos e
                           91,4               12,0
                                                                                 Eleftherakos (2000)
Olivina                                                     Jateamento a Seco      Andronikos e
                          105,6               8,7
                                                                                 Eleftherakos (2000)
Granalha de Aço                                             Jateamento a Seco    Beltov e Assersen
                            40                  -
                                                                                       (2002)
Escória de Cobre            12                8,0           Jateamento Térmico   Cluchague (2001)
Sponge-Jet                                                  Jateamento a Seco
                         2,5 a 5,0         5,6 a 34,0                            Sponge-Jet (2002)
(Reutilizada)




                           Comissionamento com Sustentabilidade
Comissionamento de Válvulas


Gaxeta Chesterton Estilo 1600

Filamento de Gaxeta Chesterton em Grafite
Flexível com reforço de Malha de
Microfilamento Inconel e Inibidor de Corrosão
Passivo.

Serviços de Válvula de Bloqueio: Emissões
VOC. Proteção a Fogo API 589/607.

650 C, 580 Bar, Faixa de pH 0-14 (exceto
oxidantes fortes). Conjunto de 5 anéis. Se
necessário, utilizar Bucha de Carbono.

Com a utilização da Gaxeta Chesterton Estilo
1600, a Garantia é de 5 anos.

                    Comissionamento com Sustentabilidade
Comissionamento de Válvulas




 Comissionamento com Sustentabilidade
Conclusões

Vantagens do uso da tecnologia Sponge-Jet
• Não usa produtos químicos (sem limpeza química, decapagem,
desengraxamento)
• Permite a limpeza durante o processo de fabricação dos tubos e
montagem dos spools
• Não gera efluentes
• Permite processos em paralelo
• Sistema Ambientalmente Correto


Em relação ao sopro a vapor
• Necessidade de contraprova reduzida em 90%
• Minimiza-se o Flush
• Reduz custos de armazenamento, transporte e disposição

                   Comissionamento com Sustentabilidade
Conclusões


Por meio das vantagens citadas permitiu-se que o Téc. Bernardino Nilton do
Nascimento aprofundasse seus estudos para, junto com a EXPANJET-GLOBAL,
HIDROQUIMICA E CONTINENTAL EQUIPAMENTOS, unir-se em um só objetivo na
criação do “Comissionamento com Sustentabilidade”.

Não estamos propondo uma redução de 10% ou 20%, mas sim, uma redução
significativa em torno de 70% na economia de água.

Nós, que participamos do aprimoramento, testes e conclusão final estamos muitos
confiantes nesta nova visão na construção e montagem.

                          “O PLANETA AGRADECE”
                             MUITO OBRIGADO!




                    Comissionamento com Sustentabilidade

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

4PIPE- Apresentação de produtos e serviços
4PIPE- Apresentação de produtos e serviços4PIPE- Apresentação de produtos e serviços
4PIPE- Apresentação de produtos e serviços
R2S Apresentações
 
Piscinas em Concreto Armado - Show de Piscinas
Piscinas em Concreto Armado - Show de PiscinasPiscinas em Concreto Armado - Show de Piscinas
Piscinas em Concreto Armado - Show de Piscinas
Show de Piscinas
 
Apostila tratamento de efluentes industriais
Apostila   tratamento de efluentes industriaisApostila   tratamento de efluentes industriais
Apostila tratamento de efluentes industriais
Livia Iost Gallucci
 
Nbr 7229
Nbr 7229Nbr 7229
Nbr 7229
francisco silva
 
Casos de sucesso aplicacao da tecnologia MBR
Casos de sucesso aplicacao da tecnologia MBRCasos de sucesso aplicacao da tecnologia MBR
Casos de sucesso aplicacao da tecnologia MBR
Roberto Yoshida
 
Seminário reúso de água
Seminário reúso de águaSeminário reúso de água
Seminário reúso de água
Roberto Yoshida
 
Top-Seal apresentação institucional
Top-Seal apresentação institucionalTop-Seal apresentação institucional
Top-Seal apresentação institucional
IPA Indústria de Produtos Automotivos RGS LTDA
 
Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)
Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)
Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)
lenilson marinho barbosa
 
Ete compacta mbbr
Ete compacta mbbrEte compacta mbbr
Ete compacta mbbr
Roberto Yoshida
 
Nbr 12235 armazenamento de residuos solidos perigosos
Nbr 12235   armazenamento de residuos solidos perigososNbr 12235   armazenamento de residuos solidos perigosos
Nbr 12235 armazenamento de residuos solidos perigosos
Frederico Amorim Chaves
 
Osmose reversa3
Osmose reversa3Osmose reversa3
Osmose reversa3
confidencial
 
Workshop - Estudo de Tratabilidade para Definição de Processo
Workshop - Estudo de Tratabilidade para Definição de ProcessoWorkshop - Estudo de Tratabilidade para Definição de Processo
Workshop - Estudo de Tratabilidade para Definição de Processo
Grupo EP
 
Controle e tecnologia ambiental. Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente....
Controle e tecnologia ambiental. Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente....Controle e tecnologia ambiental. Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente....
Controle e tecnologia ambiental. Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente....
Roberto Emery-Trindade
 
Osmose reversa ge
Osmose reversa geOsmose reversa ge
Osmose reversa ge
confidencial
 
adventech_paulonunes
adventech_paulonunesadventech_paulonunes
adventech_paulonunes
CWSJM
 
Aumento da vida útil dos bicos da seção de rinsagem da decapagem contínua da ...
Aumento da vida útil dos bicos da seção de rinsagem da decapagem contínua da ...Aumento da vida útil dos bicos da seção de rinsagem da decapagem contínua da ...
Aumento da vida útil dos bicos da seção de rinsagem da decapagem contínua da ...
Spraying Systems do Brasil
 
Referências Projetos - EP Engenharia
Referências Projetos - EP EngenhariaReferências Projetos - EP Engenharia
Referências Projetos - EP Engenharia
Grupo EP
 
Abntnbr11174
Abntnbr11174Abntnbr11174
Abntnbr11174
Maxuel Miranda
 
spray_evapo2019.pdf
spray_evapo2019.pdfspray_evapo2019.pdf
spray_evapo2019.pdf
jbrconsultoria
 

Mais procurados (19)

4PIPE- Apresentação de produtos e serviços
4PIPE- Apresentação de produtos e serviços4PIPE- Apresentação de produtos e serviços
4PIPE- Apresentação de produtos e serviços
 
Piscinas em Concreto Armado - Show de Piscinas
Piscinas em Concreto Armado - Show de PiscinasPiscinas em Concreto Armado - Show de Piscinas
Piscinas em Concreto Armado - Show de Piscinas
 
Apostila tratamento de efluentes industriais
Apostila   tratamento de efluentes industriaisApostila   tratamento de efluentes industriais
Apostila tratamento de efluentes industriais
 
Nbr 7229
Nbr 7229Nbr 7229
Nbr 7229
 
Casos de sucesso aplicacao da tecnologia MBR
Casos de sucesso aplicacao da tecnologia MBRCasos de sucesso aplicacao da tecnologia MBR
Casos de sucesso aplicacao da tecnologia MBR
 
Seminário reúso de água
Seminário reúso de águaSeminário reúso de água
Seminário reúso de água
 
Top-Seal apresentação institucional
Top-Seal apresentação institucionalTop-Seal apresentação institucional
Top-Seal apresentação institucional
 
Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)
Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)
Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)
 
Ete compacta mbbr
Ete compacta mbbrEte compacta mbbr
Ete compacta mbbr
 
Nbr 12235 armazenamento de residuos solidos perigosos
Nbr 12235   armazenamento de residuos solidos perigososNbr 12235   armazenamento de residuos solidos perigosos
Nbr 12235 armazenamento de residuos solidos perigosos
 
Osmose reversa3
Osmose reversa3Osmose reversa3
Osmose reversa3
 
Workshop - Estudo de Tratabilidade para Definição de Processo
Workshop - Estudo de Tratabilidade para Definição de ProcessoWorkshop - Estudo de Tratabilidade para Definição de Processo
Workshop - Estudo de Tratabilidade para Definição de Processo
 
Controle e tecnologia ambiental. Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente....
Controle e tecnologia ambiental. Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente....Controle e tecnologia ambiental. Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente....
Controle e tecnologia ambiental. Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente....
 
Osmose reversa ge
Osmose reversa geOsmose reversa ge
Osmose reversa ge
 
adventech_paulonunes
adventech_paulonunesadventech_paulonunes
adventech_paulonunes
 
Aumento da vida útil dos bicos da seção de rinsagem da decapagem contínua da ...
Aumento da vida útil dos bicos da seção de rinsagem da decapagem contínua da ...Aumento da vida útil dos bicos da seção de rinsagem da decapagem contínua da ...
Aumento da vida útil dos bicos da seção de rinsagem da decapagem contínua da ...
 
Referências Projetos - EP Engenharia
Referências Projetos - EP EngenhariaReferências Projetos - EP Engenharia
Referências Projetos - EP Engenharia
 
Abntnbr11174
Abntnbr11174Abntnbr11174
Abntnbr11174
 
spray_evapo2019.pdf
spray_evapo2019.pdfspray_evapo2019.pdf
spray_evapo2019.pdf
 

Semelhante a Apresentação Técnica - 1CSM

Preparação Interna Sustentável de Superfíices de Tubulações - Tecnologia Spon...
Preparação Interna Sustentável de Superfíices de Tubulações - Tecnologia Spon...Preparação Interna Sustentável de Superfíices de Tubulações - Tecnologia Spon...
Preparação Interna Sustentável de Superfíices de Tubulações - Tecnologia Spon...
Frau Soares
 
08 Teresa Vendeirinho Steelcase 22 Jan 2010 Ics
08 Teresa Vendeirinho Steelcase 22 Jan 2010 Ics08 Teresa Vendeirinho Steelcase 22 Jan 2010 Ics
08 Teresa Vendeirinho Steelcase 22 Jan 2010 Ics
Construção Sustentável
 
Gestão de Residuos no canteiro de obra.
Gestão de Residuos no canteiro de obra.Gestão de Residuos no canteiro de obra.
Gestão de Residuos no canteiro de obra.
Jonas Ramos
 
ENCONTRO DE PERFURADORES Manutenção de Poços: Tecnologias, Custo e Eficiência
ENCONTRO DE PERFURADORES Manutenção de Poços: Tecnologias, Custo e Eficiência ENCONTRO DE PERFURADORES Manutenção de Poços: Tecnologias, Custo e Eficiência
ENCONTRO DE PERFURADORES Manutenção de Poços: Tecnologias, Custo e Eficiência
slides-mci
 
Manual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESB
Manual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESBManual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESB
Manual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESB
Thales Vinícius de Melo Rissi
 
sinalizacao-horizontal-abder-heverton-moreira.pdf
sinalizacao-horizontal-abder-heverton-moreira.pdfsinalizacao-horizontal-abder-heverton-moreira.pdf
sinalizacao-horizontal-abder-heverton-moreira.pdf
fredguedes2
 
Otimização do tratamento de água e efluentes e da flotação no beneficiamento ...
Otimização do tratamento de água e efluentes e da flotação no beneficiamento ...Otimização do tratamento de água e efluentes e da flotação no beneficiamento ...
Otimização do tratamento de água e efluentes e da flotação no beneficiamento ...
SEDETEC - UFRGS
 
Atividade para avaliação2
Atividade para avaliação2Atividade para avaliação2
Atividade para avaliação2
Rosildo Trudes Veríssimo
 
Valdir Folgosi - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de A...
Valdir Folgosi - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de A...Valdir Folgosi - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de A...
Valdir Folgosi - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de A...
FGV | Fundação Getulio Vargas
 
Programa couro
Programa couroPrograma couro
Programa couro
Rúbio Ribas
 
Cerâmicas e materiais de revestimentos seminário admnistração corrigido
Cerâmicas e materiais de revestimentos   seminário admnistração corrigidoCerâmicas e materiais de revestimentos   seminário admnistração corrigido
Cerâmicas e materiais de revestimentos seminário admnistração corrigido
ffilipelima
 
Tecnologia Pdq H Aditivo Oxí BiodegradáVel (3)
Tecnologia Pdq H  Aditivo Oxí BiodegradáVel (3)Tecnologia Pdq H  Aditivo Oxí BiodegradáVel (3)
Tecnologia Pdq H Aditivo Oxí BiodegradáVel (3)
ktisti
 
Ambiental - Prof. dr. Antonio Augusto Ulson de Souza/UFSC
Ambiental - Prof. dr. Antonio Augusto Ulson de Souza/UFSCAmbiental - Prof. dr. Antonio Augusto Ulson de Souza/UFSC
Ambiental - Prof. dr. Antonio Augusto Ulson de Souza/UFSC
senaimais
 
Gestão Ambiental
Gestão AmbientalGestão Ambiental
Gestão Ambiental
guestfcc10a
 
Avaliacoes de-passivos-ambientais-cases-tiago-haus
Avaliacoes de-passivos-ambientais-cases-tiago-hausAvaliacoes de-passivos-ambientais-cases-tiago-haus
Avaliacoes de-passivos-ambientais-cases-tiago-haus
Daniela Alves
 
05 Teresa Vendeirinho Steelcase 25 Mar 2010 Ics
05 Teresa Vendeirinho   Steelcase 25 Mar 2010 Ics05 Teresa Vendeirinho   Steelcase 25 Mar 2010 Ics
05 Teresa Vendeirinho Steelcase 25 Mar 2010 Ics
Construção Sustentável
 
Sisnate200705
Sisnate200705Sisnate200705
Sisnate200705
Tiago Soares
 
T.I.G - Gestão Ambiental
T.I.G - Gestão AmbientalT.I.G - Gestão Ambiental
T.I.G - Gestão Ambiental
João Silva
 
Trabalho eng. civil
Trabalho eng. civilTrabalho eng. civil
Trabalho eng. civil
Sarah_02
 
Rhodia - Coalescentes sustentáveis e removedores de cera de baixo odor - Dar...
Rhodia - Coalescentes sustentáveis e removedores de  cera de baixo odor - Dar...Rhodia - Coalescentes sustentáveis e removedores de  cera de baixo odor - Dar...
Rhodia - Coalescentes sustentáveis e removedores de cera de baixo odor - Dar...
Revista H&C
 

Semelhante a Apresentação Técnica - 1CSM (20)

Preparação Interna Sustentável de Superfíices de Tubulações - Tecnologia Spon...
Preparação Interna Sustentável de Superfíices de Tubulações - Tecnologia Spon...Preparação Interna Sustentável de Superfíices de Tubulações - Tecnologia Spon...
Preparação Interna Sustentável de Superfíices de Tubulações - Tecnologia Spon...
 
08 Teresa Vendeirinho Steelcase 22 Jan 2010 Ics
08 Teresa Vendeirinho Steelcase 22 Jan 2010 Ics08 Teresa Vendeirinho Steelcase 22 Jan 2010 Ics
08 Teresa Vendeirinho Steelcase 22 Jan 2010 Ics
 
Gestão de Residuos no canteiro de obra.
Gestão de Residuos no canteiro de obra.Gestão de Residuos no canteiro de obra.
Gestão de Residuos no canteiro de obra.
 
ENCONTRO DE PERFURADORES Manutenção de Poços: Tecnologias, Custo e Eficiência
ENCONTRO DE PERFURADORES Manutenção de Poços: Tecnologias, Custo e Eficiência ENCONTRO DE PERFURADORES Manutenção de Poços: Tecnologias, Custo e Eficiência
ENCONTRO DE PERFURADORES Manutenção de Poços: Tecnologias, Custo e Eficiência
 
Manual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESB
Manual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESBManual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESB
Manual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESB
 
sinalizacao-horizontal-abder-heverton-moreira.pdf
sinalizacao-horizontal-abder-heverton-moreira.pdfsinalizacao-horizontal-abder-heverton-moreira.pdf
sinalizacao-horizontal-abder-heverton-moreira.pdf
 
Otimização do tratamento de água e efluentes e da flotação no beneficiamento ...
Otimização do tratamento de água e efluentes e da flotação no beneficiamento ...Otimização do tratamento de água e efluentes e da flotação no beneficiamento ...
Otimização do tratamento de água e efluentes e da flotação no beneficiamento ...
 
Atividade para avaliação2
Atividade para avaliação2Atividade para avaliação2
Atividade para avaliação2
 
Valdir Folgosi - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de A...
Valdir Folgosi - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de A...Valdir Folgosi - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de A...
Valdir Folgosi - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de A...
 
Programa couro
Programa couroPrograma couro
Programa couro
 
Cerâmicas e materiais de revestimentos seminário admnistração corrigido
Cerâmicas e materiais de revestimentos   seminário admnistração corrigidoCerâmicas e materiais de revestimentos   seminário admnistração corrigido
Cerâmicas e materiais de revestimentos seminário admnistração corrigido
 
Tecnologia Pdq H Aditivo Oxí BiodegradáVel (3)
Tecnologia Pdq H  Aditivo Oxí BiodegradáVel (3)Tecnologia Pdq H  Aditivo Oxí BiodegradáVel (3)
Tecnologia Pdq H Aditivo Oxí BiodegradáVel (3)
 
Ambiental - Prof. dr. Antonio Augusto Ulson de Souza/UFSC
Ambiental - Prof. dr. Antonio Augusto Ulson de Souza/UFSCAmbiental - Prof. dr. Antonio Augusto Ulson de Souza/UFSC
Ambiental - Prof. dr. Antonio Augusto Ulson de Souza/UFSC
 
Gestão Ambiental
Gestão AmbientalGestão Ambiental
Gestão Ambiental
 
Avaliacoes de-passivos-ambientais-cases-tiago-haus
Avaliacoes de-passivos-ambientais-cases-tiago-hausAvaliacoes de-passivos-ambientais-cases-tiago-haus
Avaliacoes de-passivos-ambientais-cases-tiago-haus
 
05 Teresa Vendeirinho Steelcase 25 Mar 2010 Ics
05 Teresa Vendeirinho   Steelcase 25 Mar 2010 Ics05 Teresa Vendeirinho   Steelcase 25 Mar 2010 Ics
05 Teresa Vendeirinho Steelcase 25 Mar 2010 Ics
 
Sisnate200705
Sisnate200705Sisnate200705
Sisnate200705
 
T.I.G - Gestão Ambiental
T.I.G - Gestão AmbientalT.I.G - Gestão Ambiental
T.I.G - Gestão Ambiental
 
Trabalho eng. civil
Trabalho eng. civilTrabalho eng. civil
Trabalho eng. civil
 
Rhodia - Coalescentes sustentáveis e removedores de cera de baixo odor - Dar...
Rhodia - Coalescentes sustentáveis e removedores de  cera de baixo odor - Dar...Rhodia - Coalescentes sustentáveis e removedores de  cera de baixo odor - Dar...
Rhodia - Coalescentes sustentáveis e removedores de cera de baixo odor - Dar...
 

Último

História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Danilo Pinotti
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
Faga1939
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Gabriel de Mattos Faustino
 

Último (7)

História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
 

Apresentação Técnica - 1CSM

  • 1.
  • 2. Comissionamento com Sustentabilidade Estudo, Criação e Desenvolvimento Bernardino Nilton do Nascimento Desenvolvimento Expanjet Global Solutions Miguel Roca Calza Nialdo Pereira dos Santos Fernando Manechini Calza Felipe Moreno Souza Martins Atanael Freitas de Souza Ramon Silva Gondim Jefferson de Jesus Oliveira Eduardo Cardoso Garrido Continental Equipamentos Charles Edward Cristian Domecg Hidroquímica Asdrubal Alvim Roberto Oliveira Apoio PETROBRAS/RNEST CONEST PETROBRAS/CENPES SPONGE-JET CHESTERTON PETROBRAS/IERNEST/IEDACR/IEINTER/IEBAST Comissionamento com Sustentabilidade
  • 3. Proteja o que é importante Comissionamento com Sustentabilidade
  • 4. Introdução Populações crescentes, rápida urbanização, elevado grau de consumo: como resposta a esta demanda, unidades industriais e seus processos colocam uma pressão sem precedentes nos recursos do solo, água e ar. Diante dessa problemática, reavaliar nossas próprias ações pode contribuir e muito. A motivação para o enfoque do jateamento interno de tubos sob a perspectiva do respeito ao meio ambiente é proveniente do “Comissionamento com Sustentabilidade”, quando da análise voltada para a economia de água da Refinaria RNEST, localizada em Pernambuco, Brasil:  mais de 600 milhões de litros de água apenas para os testes hidrostáticos e limpeza de linhas (tubulações). Comissionamento com Sustentabilidade
  • 5. Metodologia Diante disso, houve a necessidade de se estabelecer um método de minimização deste impacto ao meio ambiente para a quantidade a ser consumida, descartada e tratada. No que se refere à limpeza de tubulações, houve um aprimoramento do jateamento abrasivo seco para a superfície interior do tubo. Obteve-se um nível de preparação de superfície que exime o uso de qualquer tipo de produto químico nocivo, além de proporcionar uma grande economia de tempo, pois não é necessário que um determinado sistema fique pronto para fazer tal preparação. Quando fabricado, o spool já será jateado para se aplicar o anticorrosivo. Comissionamento com Sustentabilidade
  • 6. Metodologia Após a montagem da tubulação, os testes hidrostáticos serão realizados com água tratada por uma estação de tratamento de água (ETA) compacta, com posterior aplicação do produto anticorrosivo e, por fim, armazenados em grandes reservatórios. Com essas ações estima-se a redução de um consumo de 16 milhões de litros de água para no máximo 400 mil litros apenas para as Unidades de Destilação Atmosférica (UDA) da Refinaria RNEST. O presente método utiliza a aplicação de abrasivo microencapsulado em esponja de poliuretano, reutilizável, limpa, seca e com baixa geração de pó, no jateamento interno de tubos e conexões (spools). Após o jateamento abrasivo, haverá a aplicação de Pig Mecânico com Produto Anti-Corrosivo. Este método garante a devida preparação superficial do substrato no que diz respeito aos requisitos de limpeza de contaminantes visíveis (nível de limpeza SA3, metal branco), limpeza de contaminantes invisíveis, e a geração de um perfil de ancoragem, sob o enfoque da qualidade, segurança, sustentabilidade e preservação do meio ambiente. Comissionamento com Sustentabilidade
  • 7. Procedimento A limpeza deve ser executada após a fabricação dos spools ou linhas instaladas, por meio do fluxoteste. Toda a linha deverá ser preservada após as soldas de campo. A água do teste hidrostático constituir-se-á por produto anti-corrosivo, mantendo o padrão de limpeza desejável conforme a capacidade do sistema. Sempre que for necessário ou requisitado deve-se fazer uma varredura com borocóspio, fotografando os principais pontos e ou pontos determinados. Após o jateamento abrasivo Sponge-Jet e realização dos testes hidrostáticos ocorrerá a aplicação da solução passivante. Comissionamento com Sustentabilidade
  • 8. Benefícios Não utiliza os tradicionais produtos químicos (evita decapagem e desengraxamento) Permite a limpeza durante o processo de fabricação de tubos e montagem dos spools Não gera efluentes Permite trabalhos em paralelo Não prejudicial à saúde Economia de tempo Minimiza o flush A utilização das tecnologias SPONGE-JET, PIG e Solução Passivante formam um sistema ambientalmente correto Sopro a vapor: necessidade de contraprova reduzida em 90% Reduz custos de armazenamento, transporte e, por conseguinte, disposição. Comissionamento com Sustentabilidade
  • 9. Processo Jateamento Abrasivo Seco Estação Compacta de Tratamento de Água Pig Mecânico
  • 18. Resultados Durante Depois Antes Jateamento Abrasivo Revestimento ARC Corrosão Grau D Seco Sponge-Jet Chesterton
  • 19. Resultados Antes Durante Depois
  • 20. Jateamento Interno de Tubos Do que depende a produtividade? •Tipo de contaminação existente na peça •Diâmetro da peça •Grau de corrosão da peça •Pressão aplicada •Distância do bico ao substrato •Diâmetro de abertura do bico •Grau de limpeza requerido •Densidade do abrasivo •Velocidade de Arraste do Bico
  • 21. Proteção Pós-Jateamento: Inibidor de Corrosão - Aplicação de inibidor de corrosão; - Água com solução passivante para os testes hidrostáticos; - Monitoramento e controle dos parâmetros analíticos e operacionais; - Sistema de Filtração e Tratamento da solução passivante.
  • 22. Equipamentos de Inspeção Visor Boroscópico com foto Carrinho Boroscópico
  • 23. Avaliação Ambiental Tabela 01 - Comparação Entre Tecnologias do Ponto de Vista Ambiental. Contaminação Contaminação Geração de Possibilidade de Alto Volume de Tecnologia do Ar do Solo Efluentes Reutilização Resíduos Sólidos Areia Seca Sim Sim Não Não Sim Areia Úmida Não Sim Sim Não Sim Hidrojateamento Não Sim Sim Sim Não Abrasivo Sim Sim Não Sim Sim Ordinário SPONGE-JET Não Não Não Sim Não Comissionamento com Sustentabilidade
  • 24. Sponge-Jet x Jateamento Ordinário A preparação de superfície com o uso de jateamento ordinário, ou seja, por meio do uso de granalha de aço, escória de cobre, escória de carvão, óxido de alumínio, etc, tem sido muito utilizado devido a uma “aparente” imagem de ser “mais barato”, quando comparado apenas o custo do material abrasivo. Porém, quando leva-se em consideração todos os problemas causados pela sua aplicação, nota-se que estamos pagando um preço “muito caro”, colocando em risco o meio-ambiente, a saúde dos operadores e as futuras gerações. Na foto ao lado podemos ver uma comparação da produção de pó, material particulado, produzido pelos sistemas ordinários e pelo sistema SPONGE- JET. Comissionamento com Sustentabilidade
  • 25. Sponge-Jet x Jateamento Ordinário É comprovado que o abrasivo Sponge- Jet gera, por meio de controle ou supressão, 99,9% menos pó que os abrasivos convencionais, devido ao fato de ser composto de material uretano esponjoso, poroso e resistente. O vácuo criado no momento do impacto da esponja com o substrato coleta pó, fuligem, corrosão e outros contaminantes. Esta é a razão de, quando da aplicação da tecnologia Sponge-Jet, serem atingidos níveis de cloreto iguais ou menores que 5 g/cm². Comissionamento com Sustentabilidade
  • 26. Sponge-Jet x Jateamento Ordinário Ao se avaliar o nível de contaminação do ar durante estudo desenvolvido em um estaleiro, obteve-se que o jateamento abrasivo é o maior responsável pelas emissões fugitivas. Testes foram conduzidos comparando a escória de carvão e o abrasivo Sponge- Jet: o primeiro gerou até 5.500 vezes mais pó do que o segundo. A baixa geração de pó é uma das razões que inclusive garantiram a permissão de jateamento ao ar livre declarado pela California Environmental Protection Agency. Comissionamento com Sustentabilidade
  • 27. Menor Geração de Resíduos Sólidos Quanto à produção de resíduos sólidos, a possibilidade de se reutilizar a esponja apresenta como consequência a redução do volume de abrasivo, custo de transporte, manuseio, armazenamento e descarte. O gráfico compara o resíduo relativamente gerado entre o jateamento abrasivo ordinário x Sponge-Jet. O efeito que a tecnologia Sponge-Jet tem na prevenção da poluição é justificada pelo fato da esponja decapante poder ser reciclada: a quantidade de águas residuárias geralmente gerada na utilização de métodos convencionais, como a decapagem química, é drasticamente reduzida. Comissionamento com Sustentabilidade
  • 28. Menor Geração de Resíduos Sólidos Tabela 02 – Consumo de Abrasivo durante o Jateamento. Consumo de Tipo de Abrasivo Eficiência (m²/h) Método Referência Abrasivo (kg/m²) Escória de Cobre 26,2 10,7 Jateamento a Lama Da Maia (2000) Escória de Cobre 25,0 12,2 Jateamento a Lama Da Maia (2000) (Reciclada) Areia 22,3 9,2 Jateamento a Lama Da Maia (2000) Bauxita 31,9 - Jateamento a Seco Uhlendorf (2000) Escória de Carvão 50 4,0 Jateamento a Seco Cluchague (2001) Escória de Cobre Jateamento a Seco Beltov e Assersen 40 - (2002) Dolomita Jateamento a Seco Andronikos e 129,6 5,7 Eleftherakos (2000) Comissionamento com Sustentabilidade
  • 29. Menor Geração de Resíduos Sólidos Tabela 02 – Consumo de Abrasivo durante o Jateamento. Consumo de Tipo de Abrasivo Eficiência (m²/h) Método Referência Abrasivo (kg/m²) Garnet Jateamento a Seco Andronikos e 108,6 10,5 Eleftherakos (2000) Escória de Níquel Jateamento a Seco Andronikos e 91,4 12,0 Eleftherakos (2000) Olivina Jateamento a Seco Andronikos e 105,6 8,7 Eleftherakos (2000) Granalha de Aço Jateamento a Seco Beltov e Assersen 40 - (2002) Escória de Cobre 12 8,0 Jateamento Térmico Cluchague (2001) Sponge-Jet Jateamento a Seco 2,5 a 5,0 5,6 a 34,0 Sponge-Jet (2002) (Reutilizada) Comissionamento com Sustentabilidade
  • 30. Comissionamento de Válvulas Gaxeta Chesterton Estilo 1600 Filamento de Gaxeta Chesterton em Grafite Flexível com reforço de Malha de Microfilamento Inconel e Inibidor de Corrosão Passivo. Serviços de Válvula de Bloqueio: Emissões VOC. Proteção a Fogo API 589/607. 650 C, 580 Bar, Faixa de pH 0-14 (exceto oxidantes fortes). Conjunto de 5 anéis. Se necessário, utilizar Bucha de Carbono. Com a utilização da Gaxeta Chesterton Estilo 1600, a Garantia é de 5 anos. Comissionamento com Sustentabilidade
  • 31. Comissionamento de Válvulas Comissionamento com Sustentabilidade
  • 32. Conclusões Vantagens do uso da tecnologia Sponge-Jet • Não usa produtos químicos (sem limpeza química, decapagem, desengraxamento) • Permite a limpeza durante o processo de fabricação dos tubos e montagem dos spools • Não gera efluentes • Permite processos em paralelo • Sistema Ambientalmente Correto Em relação ao sopro a vapor • Necessidade de contraprova reduzida em 90% • Minimiza-se o Flush • Reduz custos de armazenamento, transporte e disposição Comissionamento com Sustentabilidade
  • 33. Conclusões Por meio das vantagens citadas permitiu-se que o Téc. Bernardino Nilton do Nascimento aprofundasse seus estudos para, junto com a EXPANJET-GLOBAL, HIDROQUIMICA E CONTINENTAL EQUIPAMENTOS, unir-se em um só objetivo na criação do “Comissionamento com Sustentabilidade”. Não estamos propondo uma redução de 10% ou 20%, mas sim, uma redução significativa em torno de 70% na economia de água. Nós, que participamos do aprimoramento, testes e conclusão final estamos muitos confiantes nesta nova visão na construção e montagem. “O PLANETA AGRADECE” MUITO OBRIGADO! Comissionamento com Sustentabilidade