SlideShare uma empresa Scribd logo
1.1 INTRODUÇÃO
O emprego de aditivos em concretos e argamassas é tão antigo quanto o do próprio cimento ou de
outros aglomerantes hidráulicos. Segundo Coutinho (1997), os romanos adicionavam clara de ovo, sangue,
banha ou leite aos concretos e argamassas rudimentares utilizados em suas construções para melhorar a
trabalhabilidade das misturas.
No inicio dos anos 60 no Japão e na Alemanha foram introduzidos comercialmente aos aditivos
base de melamina e naftaleno, desde então tem sido utilizados em grande quantidade pela industria do
concreto (Malhotra, 1989). Pesquisas vêm sendo desenvolvidas no Japão desde o início da década de 90,
levando uma grande inovação da tecnologia dos pispersantes de cimento, definida pelo advento de aditivos
superplastificantes base policarboxilatos. Os aditivos elaborados com produtos dessa classe foram
introduzidos recentemente no mercado brasileiro e são conhecidos também como hiperplastificantes.
Esses novos aditivos se propõe a reduzir a demanda de água em maior escala para concretos com
abatimento constante e aumentar significativamente a fluidez de concretos com consumo de água
constante.
Os aditivos são usados em todo o mundo com as seguintes finalidades:
• Reduzir o consumo de água para uma mesma consistência, aumentando assim a resistência e a
durabilidade do concreto;
• Aumentar a fluidez da mistura sem alterar o consumo de água.
• Reduzir a quantidade de cimento da mistura, mantendo a consistência e a resistência à compressão
com o objetivo de reduzir custos e ainda reduzir a retração, fluência e tensões térmicas.
2. ADITIVOS PARA CONCRETO
Aditivo é todo produto que adicionado em pequena proporção em argamassas ou concretos,
no momento da mistura, com a finalidade de modificar, no sentido favorável, as propriedades desse
conglomerado, tanto no estado fresco quanto no estado endurecido.
Há quem diga que eles são o quarto elemento da família composta por cimento, água e agregados
e que sua utilização é diretamente proporcional à necessidade de se obter concretos com características
especiais.
Eles tem a capacidade de alterar propriedades do concreto em estado fresco ou endurecido e
apesar de estarem divididos em várias categorias, os aditivos carregam em si dois objetivos fundamentais,
o de ampliar as qualidades de um concreto, ou de minimizar seus pontos fracos.
Como exemplo, podemos dizer que sua aplicação pode melhorar a qualidade do concreto nos seguintes
aspectos:
- Trabalhabilidade
- Resistência
- Compacidade
- Durabilidade
- Bombeamento
- Fluidez (auto adensável)
E pode diminuir sua:
- Permeabilidade
- Retração
- Calor de hidratação
- Tempo de pega (retardar ou acelerar)
- Absorção de água
Sua utilização, porém, requer cuidados. Além do prazo de validade e demais precauções que se
devem ter com a conservação dos aditivos é importante estar devidamente informado sobre o momento
certo da aplicação, a forma de se colocar o produto e a dose exata.
Não é exagero comparar os aditivos aos remédios, que podem tanto trazer mais saúde para seus
pacientes, como podem virar um veneno se ministrados na dose errada.
Tomando-se os cuidados necessários a relação custo-benefício destes produtos é muito satisfatória.
As empresas que prestam serviços de concretagem, não abrem
mão das suas qualidades e possuem, portanto, equipamentos e controles apropriados para conseguir o
melhor desempenho possível dos concretos aditivados.
2.1 NORMAS TÉCNICAS
NBR 12317 - Verificação de desempenho de aditivos para concreto
NBR 11768 - Aditivos para concreto de cimento Portland
NBR 10908 - Aditivos para argamassa e concretos - Ensaios de uniformidade.
2.2 USOS DE ADITIVOS
Os aditivos plastificantes são compostos orgânicos que, quando aplicados ao concreto ou
argamassas, revestem os grãos de cimento e provocam, por meio de cargas elétricas, repulsão entre esses
grãos. Essa repulsão promove um melhor “escorregamento” entre os grãos, ou seja, permite obter uma
mesma fluidez com menor quantidade de água.
A água é um elemento indispensável às reações químicas necessárias ao endurecimento do
concreto. Entretanto a quantidade de água suficiente para permitir essas reações é bem menor que a
necessária para conferir ao concreto uma plasticidade adequada à sua utilização, resultando num excesso
de água que sobra dentro da sua massa. Depois que se evapora toda essa água excedente, não utilizada nas
reações, o espaço que estava sendo ocupado por ela, dentro da massa do concreto, transforma-se em
bolhas e canalículos minúsculos.
A redução da água de amassamento proporcionada com a utilização de aditivos plastificantes traz
um grande benefício ao concreto, pois ela é a responsável por sua maior porosidade e conseqüentemente
menor resistência.
Muito utilizados atualmente, principalmente na composição de concreto estrutural, os aditivos
plastificantes já são considerado por muitos autores como um de seus ingredientes básicos além do
cimento, dos agregados e da água.
Esses aditivos são indicados em todas as situações em que se deseje obter um concreto de melhor
qualidade, maior durabilidade, e onde atmosferas agressivas, tais como a presença de cloretos, exijam um
concreto de menor porosidade, que venha a proteger de forma mais eficiente as armaduras. Por isso são
muito utilizados também nos serviços de recuperação e reforço estrutural sobretudo por conferir maior
plasticidade, resistência e impermeabilidade aos grautes e micro concretos.
Dentre os benefícios proporcionados pelos aditivos plastificantes podemos destacar:
- Poder atingir valores de abatimento elevados para os traços usuais, com isso auxiliar a concretagem de
peças com grande concentração de ferros ou outras situações em que seja necessário um concreto mais
fluido sem que seja prejudicada a sua resistência.
- Obter um concreto de melhor qualidade se comparado a um concreto de mesma plasticidade sem aditivo.
A redução da quantidade de água (redução do fator água/cimento) acarreta várias vantagens como maior
resistência mecânica, menor permeabilidade, menor retração e maior expectativa de durabilidade.
- Reduzir o consumo de cimento e conseqüentemente o custo do concreto. Poder utilizar um traço de
concreto mais fraco para uma mesma resistência mecânica.
- Permitir uma estrutura mais leve, com peças mais esbeltas, pela elevação da resistência do concreto, e
também com isso uma diminuição das fundações.
- Obtenção de estruturas de concreto com pouca ou nenhuma falha de concretagem, as chamadas
“bicheiras”, devido à plasticidade obtida, sendo muito utilizado nas estruturas em concreto aparente.
Como fator negativo podemos citar o retardamento da pega do concreto, que normalmente ocorre com a
utilização de aditivos plastificantes.
É recomendável também uma avaliação custo x desempenho e um rigoroso acompanhamento da
dosagem no canteiro de obras, sem o qual a utilização do aditivo não deve ser indicada.
Além dos aditivos plastificantes existem ainda os aditivos superplastificantes, utilizados com a mesma
finalidade, e que apresentam efeitos bem mais pronunciados que os primeiros.
2.2 CLASSIFICAÇÃO
Os aditivos são classificados pela sua função principal, embora devam ser mencionadas também
suas funções secundárias. A ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), por meio da NBR-11768,
estabelece a classificação a seguir para os aditivos.
Aditivo plastificante (tipo P)
Produto que aumenta o índice de consistência do concreto mantida a quantidade de água de
amassamento, ou que possibilita a redução de, no mínimo, 6% da quantidade de água de amassamento
para produzir um concreto com determinada consistência.
Aditivo retardador (tipo R)
Produto que aumenta os tempos de início e fim de pega do concreto.
Aditivo acelerador (tipo A)
Produto que diminui os tempos de início e fim de pega do concreto, bem como acelera o desenvolvimento
das suas resistências iniciais.
Aditivo plastificante retardador (tipo PR)
Produto que combina os efeitos dos aditivos plastificantes e retardador.
Aditivo plastificante acelerador (tipo PA)
Produto que combina os efeitos dos aditivos plastificantes e aceleradores.
Aditivo incorporador de ar (tipo IAR)
Produto que incorpora pequenas bolhas de ar ao concreto.
Aditivo superplastificante (tipo SP)
Produto que aumenta o índice de consistência do concreto mantida a quantidade de água de
amassamento, ou que possibilita a redução de, no mínimo, 12% da quantidade de água de amassamento,
para produzir um concreto com determinada consistência.
Aditivo superplastificante retardador (tipo SPR)
Produto que combina os efeitos dos aditivos superplastificante e retardador.
Aditivo superplastificante acelerador (tipo SPA)
Produto que combina os efeitos dos aditivos superplastificante e acelerador.
2.3 MARCAS E TIPOS DE ADITIVOS PARA CONCRETOS E ARGAMASSAS, ALGUNS EXEMPLOS:
ADIMENT proporciona uma diminuição do atrito entre agregados e cimento, permitindo uma grande
redução na água de amassamento.
Proporciona concretos com ótimas características como:
- alta resistência inicial e final;
- autonivelamento, possibilitando um rápido lançamento e dispensando praticamente o adensamento;
- ótima aderência à armadura;
- excelente acabamento (ideal para concreto aparente);
- alta densidade e impermeabilidade.
RETARD é um aditivo que retarda o início da pega, proporcionando melhores condições de concretagem,
além de facilitar a trabalhabilidade do concreto.
Recomendado para concretos de usinas distantes dos locais de lançamento, RETARD distribui o
desenvolvimento do calor de hidratação por maior espaço de tempo, evitando a ocorrência de trincas,
mesmo em grandes blocos.
Permite interrupções nas concretagens sucessivas, evitando juntas frias, além de melhorar a aderência do
concreto às armaduras.
RETARD possibilita reduzir a água de amassamento, o que faz com que se obtenha maiores resistências.
VEDACIT RÁPIDO CL proporciona rápido endurecimento e altas resistências iniciais ao cimento Portland.
VEDACIT RÁPIDO CL
deve ser usado, preferencialmente, com cimento Portland CP II e CP V.
Campos de Aplicação
- VEDACIT RÁPIDO CL é empregado para acelerar o endurecimento de argamassas e concretos em:
. pisos;
. revestimentos;
. chumbamentos;
. pré-moldados;
. assentamentos de máquinas;
. reparos urgentes.
CEMIX-AIR aumenta a trabalhabilidade dos concretos, especialmente nos traços com baixo consumo de
cimento e deficientes de granulometria fina.
CEMIX-AIR melhora as propriedades do concreto fresco, tornando-o mais coeso, reduzindo a segregação e
aumentando a impermeabilidade. É usado geralmente em combinação com um redutor de
água/retardador (RETARD ou RETARD VZ) para máxima resistência mecânica.
Campos de Aplicação
- Concreto massa.
- Concreto em contato com água do mar.
- Concreto pobre em finos.
- Argamassa com traço pobre em cimento.
3. CONSIDERAÇÕES FINAIS
Concluie-se que os aditivos para o concreto permitem melhorar o seu desempenho.
O aditivo plastificante torna o concreto mais trabalhável, facilitando seu adensamento, sendo
aconselhável sua utilização em peças esbeltas de difícil concretagem. Proporciona ainda melhor
acabamento na superfície concretado.
O aditivo retardador permite aumentar o período de manuseio do concreto, retardando o seu
endurecimento e possibilitando seu fornecimento em locais distantes da central dosadora, ou em
concretagens demoradas.
Pode-se ainda utilizar um aditivo plastificante e retardador, combinando as duas características
descritas acima.
O aditivo impermeabilizante é indicado para caixas d'água, lajes impermeabilizadas, locais com
infiltrações etc., melhorando a proteção contra a passagem de água.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Asfaltos e alcatrões qgt
Asfaltos e alcatrões   qgtAsfaltos e alcatrões   qgt
Asfaltos e alcatrões qgt
Lowrrayny Franchesca
 
Pavimentação
PavimentaçãoPavimentação
Pavimentação
Augusto Magalhães
 
Graute techne 107
Graute techne 107Graute techne 107
Graute techne 107
Tayana Figueiredo
 
Propriedades reológicas do concreto autoadensável no estado fresco
Propriedades reológicas do concreto autoadensável no estado frescoPropriedades reológicas do concreto autoadensável no estado fresco
Propriedades reológicas do concreto autoadensável no estado fresco
sidpatty
 
Relacão água e cimento materiais de construção
Relacão água e cimento   materiais de construçãoRelacão água e cimento   materiais de construção
Relacão água e cimento materiais de construção
Andre Amaral
 
Ensaios tecnologicos agregados
Ensaios tecnologicos agregadosEnsaios tecnologicos agregados
Ensaios tecnologicos agregados
DandaEDF
 
Alternativas para gestão de resiudos de gesso v2
Alternativas para gestão de resiudos de gesso v2Alternativas para gestão de resiudos de gesso v2
Alternativas para gestão de resiudos de gesso v2
Ronaldo Vasconcelos
 
Apresentação md
Apresentação mdApresentação md
Apresentação md
Thiago Ivo
 
Aglomerantes cimento-cal-gesso-material auxiliar mc2015
Aglomerantes cimento-cal-gesso-material auxiliar mc2015Aglomerantes cimento-cal-gesso-material auxiliar mc2015
Aglomerantes cimento-cal-gesso-material auxiliar mc2015
profNICODEMOS
 
1º argamassa de alvenaria usando agregado reciclado da indústria de piso cerâ...
1º argamassa de alvenaria usando agregado reciclado da indústria de piso cerâ...1º argamassa de alvenaria usando agregado reciclado da indústria de piso cerâ...
1º argamassa de alvenaria usando agregado reciclado da indústria de piso cerâ...
Petiano Camilo Bin
 
Aglomerantes
AglomerantesAglomerantes
Aglomerantes
DandaEDF
 
Cimento conceitos basicos
Cimento   conceitos basicos Cimento   conceitos basicos
Cimento conceitos basicos
Cesar Lamounier
 
Aula 2 cimento e outros aglomerantes v3
Aula 2  cimento e outros aglomerantes v3Aula 2  cimento e outros aglomerantes v3
Aula 2 cimento e outros aglomerantes v3
profNICODEMOS
 
Aula 2 cimento e outros aglomerantes
Aula 2  cimento e outros aglomerantes Aula 2  cimento e outros aglomerantes
Aula 2 cimento e outros aglomerantes
profNICODEMOS
 
Aglomerantes
AglomerantesAglomerantes
Aglomerantes
hadahuay
 
Artigo pavimento
Artigo pavimentoArtigo pavimento
Materiais aglomerantes, agregados e adições minerais.pptx
Materiais aglomerantes, agregados e adições minerais.pptxMateriais aglomerantes, agregados e adições minerais.pptx
Materiais aglomerantes, agregados e adições minerais.pptx
Cleisianne Barbosa
 
Apresentação revestimento e cimentação
Apresentação revestimento e cimentaçãoApresentação revestimento e cimentação
Apresentação revestimento e cimentação
Sandro Marden
 

Mais procurados (18)

Asfaltos e alcatrões qgt
Asfaltos e alcatrões   qgtAsfaltos e alcatrões   qgt
Asfaltos e alcatrões qgt
 
Pavimentação
PavimentaçãoPavimentação
Pavimentação
 
Graute techne 107
Graute techne 107Graute techne 107
Graute techne 107
 
Propriedades reológicas do concreto autoadensável no estado fresco
Propriedades reológicas do concreto autoadensável no estado frescoPropriedades reológicas do concreto autoadensável no estado fresco
Propriedades reológicas do concreto autoadensável no estado fresco
 
Relacão água e cimento materiais de construção
Relacão água e cimento   materiais de construçãoRelacão água e cimento   materiais de construção
Relacão água e cimento materiais de construção
 
Ensaios tecnologicos agregados
Ensaios tecnologicos agregadosEnsaios tecnologicos agregados
Ensaios tecnologicos agregados
 
Alternativas para gestão de resiudos de gesso v2
Alternativas para gestão de resiudos de gesso v2Alternativas para gestão de resiudos de gesso v2
Alternativas para gestão de resiudos de gesso v2
 
Apresentação md
Apresentação mdApresentação md
Apresentação md
 
Aglomerantes cimento-cal-gesso-material auxiliar mc2015
Aglomerantes cimento-cal-gesso-material auxiliar mc2015Aglomerantes cimento-cal-gesso-material auxiliar mc2015
Aglomerantes cimento-cal-gesso-material auxiliar mc2015
 
1º argamassa de alvenaria usando agregado reciclado da indústria de piso cerâ...
1º argamassa de alvenaria usando agregado reciclado da indústria de piso cerâ...1º argamassa de alvenaria usando agregado reciclado da indústria de piso cerâ...
1º argamassa de alvenaria usando agregado reciclado da indústria de piso cerâ...
 
Aglomerantes
AglomerantesAglomerantes
Aglomerantes
 
Cimento conceitos basicos
Cimento   conceitos basicos Cimento   conceitos basicos
Cimento conceitos basicos
 
Aula 2 cimento e outros aglomerantes v3
Aula 2  cimento e outros aglomerantes v3Aula 2  cimento e outros aglomerantes v3
Aula 2 cimento e outros aglomerantes v3
 
Aula 2 cimento e outros aglomerantes
Aula 2  cimento e outros aglomerantes Aula 2  cimento e outros aglomerantes
Aula 2 cimento e outros aglomerantes
 
Aglomerantes
AglomerantesAglomerantes
Aglomerantes
 
Artigo pavimento
Artigo pavimentoArtigo pavimento
Artigo pavimento
 
Materiais aglomerantes, agregados e adições minerais.pptx
Materiais aglomerantes, agregados e adições minerais.pptxMateriais aglomerantes, agregados e adições minerais.pptx
Materiais aglomerantes, agregados e adições minerais.pptx
 
Apresentação revestimento e cimentação
Apresentação revestimento e cimentaçãoApresentação revestimento e cimentação
Apresentação revestimento e cimentação
 

Semelhante a breve resumo sobre aitivos do concreto

Ibracon 2013 artigo
Ibracon 2013 artigoIbracon 2013 artigo
Ibracon 2013 artigo
Helen Oliveira Tenório
 
Ficha tecnica master_glenium
Ficha tecnica master_gleniumFicha tecnica master_glenium
Ficha tecnica master_glenium
Emanuel Carvalho Rebouças
 
E book01 2016-ehn
E book01 2016-ehnE book01 2016-ehn
E book01 2016-ehn
Egydio Hervé Neto
 
teste
testeteste
Concreto de alto desempenho, CAD
Concreto de alto desempenho, CADConcreto de alto desempenho, CAD
Concreto de alto desempenho, CAD
Anderson Carvalho
 
Dosagem do concreto_g2
Dosagem do concreto_g2Dosagem do concreto_g2
Dosagem do concreto_g2
Bosco oliveira
 
Ataque químico no concreto
Ataque químico no concretoAtaque químico no concreto
Ataque químico no concreto
Tharcila Brito
 
Catalogo construcao neoquim tablet
Catalogo construcao neoquim tabletCatalogo construcao neoquim tablet
Catalogo construcao neoquim tablet
VitorCorreia42
 
concretos1.pdf
concretos1.pdfconcretos1.pdf
concretos1.pdf
KEZIABRASILINODESOUZ
 
1c groutes
1c   groutes1c   groutes
1c groutes
Jho05
 
Dosagem do concreto
Dosagem do concretoDosagem do concreto
Dosagem do concreto
Andre Amaral
 
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptxConcreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
BuscaApto
 
Trabalho - Concreto e Agregados.pptx
Trabalho - Concreto e Agregados.pptxTrabalho - Concreto e Agregados.pptx
Trabalho - Concreto e Agregados.pptx
MarcosWilsonOgata
 
Concreto celular
Concreto celularConcreto celular
Concreto celular
Ademir Gardacho
 
Apres. construção
Apres. construçãoApres. construção
Apres. construção
Monique Guerini
 
Concreto de Alto Desempenho (CAD) e (1).pptx
Concreto de Alto Desempenho (CAD) e (1).pptxConcreto de Alto Desempenho (CAD) e (1).pptx
Concreto de Alto Desempenho (CAD) e (1).pptx
NicolasTovani1
 
Avaliação do desempenho de argamassas e revestimentos de rcd com o uso de adi...
Avaliação do desempenho de argamassas e revestimentos de rcd com o uso de adi...Avaliação do desempenho de argamassas e revestimentos de rcd com o uso de adi...
Avaliação do desempenho de argamassas e revestimentos de rcd com o uso de adi...
Petiano Camilo Bin
 
Definições ensaios físicos
Definições ensaios físicosDefinições ensaios físicos
Definições ensaios físicos
Robson Werling
 
Concreto au adensavel folhetos
Concreto au adensavel folhetosConcreto au adensavel folhetos
Concreto au adensavel folhetos
halyssonmafra
 
Lapidação de concreto apresentação.
Lapidação de concreto apresentação.Lapidação de concreto apresentação.
Lapidação de concreto apresentação.
portaldoconcreto
 

Semelhante a breve resumo sobre aitivos do concreto (20)

Ibracon 2013 artigo
Ibracon 2013 artigoIbracon 2013 artigo
Ibracon 2013 artigo
 
Ficha tecnica master_glenium
Ficha tecnica master_gleniumFicha tecnica master_glenium
Ficha tecnica master_glenium
 
E book01 2016-ehn
E book01 2016-ehnE book01 2016-ehn
E book01 2016-ehn
 
teste
testeteste
teste
 
Concreto de alto desempenho, CAD
Concreto de alto desempenho, CADConcreto de alto desempenho, CAD
Concreto de alto desempenho, CAD
 
Dosagem do concreto_g2
Dosagem do concreto_g2Dosagem do concreto_g2
Dosagem do concreto_g2
 
Ataque químico no concreto
Ataque químico no concretoAtaque químico no concreto
Ataque químico no concreto
 
Catalogo construcao neoquim tablet
Catalogo construcao neoquim tabletCatalogo construcao neoquim tablet
Catalogo construcao neoquim tablet
 
concretos1.pdf
concretos1.pdfconcretos1.pdf
concretos1.pdf
 
1c groutes
1c   groutes1c   groutes
1c groutes
 
Dosagem do concreto
Dosagem do concretoDosagem do concreto
Dosagem do concreto
 
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptxConcreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
 
Trabalho - Concreto e Agregados.pptx
Trabalho - Concreto e Agregados.pptxTrabalho - Concreto e Agregados.pptx
Trabalho - Concreto e Agregados.pptx
 
Concreto celular
Concreto celularConcreto celular
Concreto celular
 
Apres. construção
Apres. construçãoApres. construção
Apres. construção
 
Concreto de Alto Desempenho (CAD) e (1).pptx
Concreto de Alto Desempenho (CAD) e (1).pptxConcreto de Alto Desempenho (CAD) e (1).pptx
Concreto de Alto Desempenho (CAD) e (1).pptx
 
Avaliação do desempenho de argamassas e revestimentos de rcd com o uso de adi...
Avaliação do desempenho de argamassas e revestimentos de rcd com o uso de adi...Avaliação do desempenho de argamassas e revestimentos de rcd com o uso de adi...
Avaliação do desempenho de argamassas e revestimentos de rcd com o uso de adi...
 
Definições ensaios físicos
Definições ensaios físicosDefinições ensaios físicos
Definições ensaios físicos
 
Concreto au adensavel folhetos
Concreto au adensavel folhetosConcreto au adensavel folhetos
Concreto au adensavel folhetos
 
Lapidação de concreto apresentação.
Lapidação de concreto apresentação.Lapidação de concreto apresentação.
Lapidação de concreto apresentação.
 

Mais de profNICODEMOS

BALANCEAMENTO DE EQUAÇÕES QUÍMICAS
BALANCEAMENTO DE EQUAÇÕES QUÍMICASBALANCEAMENTO DE EQUAÇÕES QUÍMICAS
BALANCEAMENTO DE EQUAÇÕES QUÍMICAS
profNICODEMOS
 
Mmc e mdc
Mmc e mdcMmc e mdc
Mmc e mdc
profNICODEMOS
 
Mmc e mdc
Mmc e mdcMmc e mdc
Mmc e mdc
profNICODEMOS
 
Lista de função logartima e logaritmo
Lista de função logartima e logaritmoLista de função logartima e logaritmo
Lista de função logartima e logaritmo
profNICODEMOS
 
Inss 2016 raciocínio lógico 3- gabarito
Inss 2016   raciocínio lógico 3- gabaritoInss 2016   raciocínio lógico 3- gabarito
Inss 2016 raciocínio lógico 3- gabarito
profNICODEMOS
 
CfSd 2016 química 2
CfSd 2016   química 2CfSd 2016   química 2
CfSd 2016 química 2
profNICODEMOS
 
CfSd 2016 matematica - 3
CfSd 2016   matematica - 3CfSd 2016   matematica - 3
CfSd 2016 matematica - 3
profNICODEMOS
 
Inss 2016 raciocínio lógico 1
Inss 2016   raciocínio lógico 1Inss 2016   raciocínio lógico 1
Inss 2016 raciocínio lógico 1
profNICODEMOS
 
CfSd 2016 matematica - 2 v1
CfSd 2016   matematica - 2 v1CfSd 2016   matematica - 2 v1
CfSd 2016 matematica - 2 v1
profNICODEMOS
 
1º lista matemática CFSd 2016
1º lista matemática   CFSd 20161º lista matemática   CFSd 2016
1º lista matemática CFSd 2016
profNICODEMOS
 
Cfsd 2016 - aula 1 e 2 - matemática
Cfsd 2016 - aula 1 e 2 - matemáticaCfsd 2016 - aula 1 e 2 - matemática
Cfsd 2016 - aula 1 e 2 - matemática
profNICODEMOS
 
Cfsd 2016 matematica - aula 1 e 2 - v2
Cfsd 2016   matematica -  aula 1 e 2 - v2Cfsd 2016   matematica -  aula 1 e 2 - v2
Cfsd 2016 matematica - aula 1 e 2 - v2
profNICODEMOS
 
Curso preparatório para concurso bombeiros mg 2016
Curso preparatório para concurso bombeiros mg 2016Curso preparatório para concurso bombeiros mg 2016
Curso preparatório para concurso bombeiros mg 2016
profNICODEMOS
 
Curso preparatório para concurso bombeiros mg 2016v2
Curso preparatório para concurso bombeiros mg 2016v2Curso preparatório para concurso bombeiros mg 2016v2
Curso preparatório para concurso bombeiros mg 2016v2
profNICODEMOS
 
Curso preparatório para concurso bombeiros mg 2016v3
Curso preparatório para concurso bombeiros mg 2016v3Curso preparatório para concurso bombeiros mg 2016v3
Curso preparatório para concurso bombeiros mg 2016v3
profNICODEMOS
 
NOTAS PARCIAIS GO. TURMA B - PROGEST
NOTAS PARCIAIS GO. TURMA B - PROGESTNOTAS PARCIAIS GO. TURMA B - PROGEST
NOTAS PARCIAIS GO. TURMA B - PROGEST
profNICODEMOS
 
NOTAS PARCIAIS GO. TURMA A - PROGEST
NOTAS PARCIAIS GO. TURMA A - PROGESTNOTAS PARCIAIS GO. TURMA A - PROGEST
NOTAS PARCIAIS GO. TURMA A - PROGEST
profNICODEMOS
 
Revisão coltec 2016
Revisão coltec 2016Revisão coltec 2016
Revisão coltec 2016
profNICODEMOS
 
Material auxiliar vidro i
Material auxiliar vidro iMaterial auxiliar vidro i
Material auxiliar vidro i
profNICODEMOS
 
Material auxiliar plástico ii
Material auxiliar plástico iiMaterial auxiliar plástico ii
Material auxiliar plástico ii
profNICODEMOS
 

Mais de profNICODEMOS (20)

BALANCEAMENTO DE EQUAÇÕES QUÍMICAS
BALANCEAMENTO DE EQUAÇÕES QUÍMICASBALANCEAMENTO DE EQUAÇÕES QUÍMICAS
BALANCEAMENTO DE EQUAÇÕES QUÍMICAS
 
Mmc e mdc
Mmc e mdcMmc e mdc
Mmc e mdc
 
Mmc e mdc
Mmc e mdcMmc e mdc
Mmc e mdc
 
Lista de função logartima e logaritmo
Lista de função logartima e logaritmoLista de função logartima e logaritmo
Lista de função logartima e logaritmo
 
Inss 2016 raciocínio lógico 3- gabarito
Inss 2016   raciocínio lógico 3- gabaritoInss 2016   raciocínio lógico 3- gabarito
Inss 2016 raciocínio lógico 3- gabarito
 
CfSd 2016 química 2
CfSd 2016   química 2CfSd 2016   química 2
CfSd 2016 química 2
 
CfSd 2016 matematica - 3
CfSd 2016   matematica - 3CfSd 2016   matematica - 3
CfSd 2016 matematica - 3
 
Inss 2016 raciocínio lógico 1
Inss 2016   raciocínio lógico 1Inss 2016   raciocínio lógico 1
Inss 2016 raciocínio lógico 1
 
CfSd 2016 matematica - 2 v1
CfSd 2016   matematica - 2 v1CfSd 2016   matematica - 2 v1
CfSd 2016 matematica - 2 v1
 
1º lista matemática CFSd 2016
1º lista matemática   CFSd 20161º lista matemática   CFSd 2016
1º lista matemática CFSd 2016
 
Cfsd 2016 - aula 1 e 2 - matemática
Cfsd 2016 - aula 1 e 2 - matemáticaCfsd 2016 - aula 1 e 2 - matemática
Cfsd 2016 - aula 1 e 2 - matemática
 
Cfsd 2016 matematica - aula 1 e 2 - v2
Cfsd 2016   matematica -  aula 1 e 2 - v2Cfsd 2016   matematica -  aula 1 e 2 - v2
Cfsd 2016 matematica - aula 1 e 2 - v2
 
Curso preparatório para concurso bombeiros mg 2016
Curso preparatório para concurso bombeiros mg 2016Curso preparatório para concurso bombeiros mg 2016
Curso preparatório para concurso bombeiros mg 2016
 
Curso preparatório para concurso bombeiros mg 2016v2
Curso preparatório para concurso bombeiros mg 2016v2Curso preparatório para concurso bombeiros mg 2016v2
Curso preparatório para concurso bombeiros mg 2016v2
 
Curso preparatório para concurso bombeiros mg 2016v3
Curso preparatório para concurso bombeiros mg 2016v3Curso preparatório para concurso bombeiros mg 2016v3
Curso preparatório para concurso bombeiros mg 2016v3
 
NOTAS PARCIAIS GO. TURMA B - PROGEST
NOTAS PARCIAIS GO. TURMA B - PROGESTNOTAS PARCIAIS GO. TURMA B - PROGEST
NOTAS PARCIAIS GO. TURMA B - PROGEST
 
NOTAS PARCIAIS GO. TURMA A - PROGEST
NOTAS PARCIAIS GO. TURMA A - PROGESTNOTAS PARCIAIS GO. TURMA A - PROGEST
NOTAS PARCIAIS GO. TURMA A - PROGEST
 
Revisão coltec 2016
Revisão coltec 2016Revisão coltec 2016
Revisão coltec 2016
 
Material auxiliar vidro i
Material auxiliar vidro iMaterial auxiliar vidro i
Material auxiliar vidro i
 
Material auxiliar plástico ii
Material auxiliar plástico iiMaterial auxiliar plástico ii
Material auxiliar plástico ii
 

Último

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 

Último (20)

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 

breve resumo sobre aitivos do concreto

  • 1. 1.1 INTRODUÇÃO O emprego de aditivos em concretos e argamassas é tão antigo quanto o do próprio cimento ou de outros aglomerantes hidráulicos. Segundo Coutinho (1997), os romanos adicionavam clara de ovo, sangue, banha ou leite aos concretos e argamassas rudimentares utilizados em suas construções para melhorar a trabalhabilidade das misturas. No inicio dos anos 60 no Japão e na Alemanha foram introduzidos comercialmente aos aditivos base de melamina e naftaleno, desde então tem sido utilizados em grande quantidade pela industria do concreto (Malhotra, 1989). Pesquisas vêm sendo desenvolvidas no Japão desde o início da década de 90, levando uma grande inovação da tecnologia dos pispersantes de cimento, definida pelo advento de aditivos superplastificantes base policarboxilatos. Os aditivos elaborados com produtos dessa classe foram introduzidos recentemente no mercado brasileiro e são conhecidos também como hiperplastificantes. Esses novos aditivos se propõe a reduzir a demanda de água em maior escala para concretos com abatimento constante e aumentar significativamente a fluidez de concretos com consumo de água constante. Os aditivos são usados em todo o mundo com as seguintes finalidades: • Reduzir o consumo de água para uma mesma consistência, aumentando assim a resistência e a durabilidade do concreto; • Aumentar a fluidez da mistura sem alterar o consumo de água. • Reduzir a quantidade de cimento da mistura, mantendo a consistência e a resistência à compressão com o objetivo de reduzir custos e ainda reduzir a retração, fluência e tensões térmicas. 2. ADITIVOS PARA CONCRETO Aditivo é todo produto que adicionado em pequena proporção em argamassas ou concretos, no momento da mistura, com a finalidade de modificar, no sentido favorável, as propriedades desse conglomerado, tanto no estado fresco quanto no estado endurecido. Há quem diga que eles são o quarto elemento da família composta por cimento, água e agregados e que sua utilização é diretamente proporcional à necessidade de se obter concretos com características especiais. Eles tem a capacidade de alterar propriedades do concreto em estado fresco ou endurecido e apesar de estarem divididos em várias categorias, os aditivos carregam em si dois objetivos fundamentais, o de ampliar as qualidades de um concreto, ou de minimizar seus pontos fracos. Como exemplo, podemos dizer que sua aplicação pode melhorar a qualidade do concreto nos seguintes aspectos: - Trabalhabilidade - Resistência - Compacidade - Durabilidade - Bombeamento - Fluidez (auto adensável) E pode diminuir sua: - Permeabilidade - Retração - Calor de hidratação - Tempo de pega (retardar ou acelerar) - Absorção de água Sua utilização, porém, requer cuidados. Além do prazo de validade e demais precauções que se devem ter com a conservação dos aditivos é importante estar devidamente informado sobre o momento certo da aplicação, a forma de se colocar o produto e a dose exata.
  • 2. Não é exagero comparar os aditivos aos remédios, que podem tanto trazer mais saúde para seus pacientes, como podem virar um veneno se ministrados na dose errada. Tomando-se os cuidados necessários a relação custo-benefício destes produtos é muito satisfatória. As empresas que prestam serviços de concretagem, não abrem mão das suas qualidades e possuem, portanto, equipamentos e controles apropriados para conseguir o melhor desempenho possível dos concretos aditivados. 2.1 NORMAS TÉCNICAS NBR 12317 - Verificação de desempenho de aditivos para concreto NBR 11768 - Aditivos para concreto de cimento Portland NBR 10908 - Aditivos para argamassa e concretos - Ensaios de uniformidade. 2.2 USOS DE ADITIVOS Os aditivos plastificantes são compostos orgânicos que, quando aplicados ao concreto ou argamassas, revestem os grãos de cimento e provocam, por meio de cargas elétricas, repulsão entre esses grãos. Essa repulsão promove um melhor “escorregamento” entre os grãos, ou seja, permite obter uma mesma fluidez com menor quantidade de água. A água é um elemento indispensável às reações químicas necessárias ao endurecimento do concreto. Entretanto a quantidade de água suficiente para permitir essas reações é bem menor que a necessária para conferir ao concreto uma plasticidade adequada à sua utilização, resultando num excesso de água que sobra dentro da sua massa. Depois que se evapora toda essa água excedente, não utilizada nas reações, o espaço que estava sendo ocupado por ela, dentro da massa do concreto, transforma-se em bolhas e canalículos minúsculos. A redução da água de amassamento proporcionada com a utilização de aditivos plastificantes traz um grande benefício ao concreto, pois ela é a responsável por sua maior porosidade e conseqüentemente menor resistência. Muito utilizados atualmente, principalmente na composição de concreto estrutural, os aditivos plastificantes já são considerado por muitos autores como um de seus ingredientes básicos além do cimento, dos agregados e da água. Esses aditivos são indicados em todas as situações em que se deseje obter um concreto de melhor qualidade, maior durabilidade, e onde atmosferas agressivas, tais como a presença de cloretos, exijam um concreto de menor porosidade, que venha a proteger de forma mais eficiente as armaduras. Por isso são muito utilizados também nos serviços de recuperação e reforço estrutural sobretudo por conferir maior plasticidade, resistência e impermeabilidade aos grautes e micro concretos. Dentre os benefícios proporcionados pelos aditivos plastificantes podemos destacar: - Poder atingir valores de abatimento elevados para os traços usuais, com isso auxiliar a concretagem de peças com grande concentração de ferros ou outras situações em que seja necessário um concreto mais fluido sem que seja prejudicada a sua resistência. - Obter um concreto de melhor qualidade se comparado a um concreto de mesma plasticidade sem aditivo. A redução da quantidade de água (redução do fator água/cimento) acarreta várias vantagens como maior resistência mecânica, menor permeabilidade, menor retração e maior expectativa de durabilidade. - Reduzir o consumo de cimento e conseqüentemente o custo do concreto. Poder utilizar um traço de concreto mais fraco para uma mesma resistência mecânica. - Permitir uma estrutura mais leve, com peças mais esbeltas, pela elevação da resistência do concreto, e também com isso uma diminuição das fundações. - Obtenção de estruturas de concreto com pouca ou nenhuma falha de concretagem, as chamadas “bicheiras”, devido à plasticidade obtida, sendo muito utilizado nas estruturas em concreto aparente. Como fator negativo podemos citar o retardamento da pega do concreto, que normalmente ocorre com a utilização de aditivos plastificantes. É recomendável também uma avaliação custo x desempenho e um rigoroso acompanhamento da dosagem no canteiro de obras, sem o qual a utilização do aditivo não deve ser indicada.
  • 3. Além dos aditivos plastificantes existem ainda os aditivos superplastificantes, utilizados com a mesma finalidade, e que apresentam efeitos bem mais pronunciados que os primeiros. 2.2 CLASSIFICAÇÃO Os aditivos são classificados pela sua função principal, embora devam ser mencionadas também suas funções secundárias. A ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), por meio da NBR-11768, estabelece a classificação a seguir para os aditivos. Aditivo plastificante (tipo P) Produto que aumenta o índice de consistência do concreto mantida a quantidade de água de amassamento, ou que possibilita a redução de, no mínimo, 6% da quantidade de água de amassamento para produzir um concreto com determinada consistência. Aditivo retardador (tipo R) Produto que aumenta os tempos de início e fim de pega do concreto. Aditivo acelerador (tipo A) Produto que diminui os tempos de início e fim de pega do concreto, bem como acelera o desenvolvimento das suas resistências iniciais. Aditivo plastificante retardador (tipo PR) Produto que combina os efeitos dos aditivos plastificantes e retardador. Aditivo plastificante acelerador (tipo PA) Produto que combina os efeitos dos aditivos plastificantes e aceleradores. Aditivo incorporador de ar (tipo IAR) Produto que incorpora pequenas bolhas de ar ao concreto. Aditivo superplastificante (tipo SP) Produto que aumenta o índice de consistência do concreto mantida a quantidade de água de amassamento, ou que possibilita a redução de, no mínimo, 12% da quantidade de água de amassamento, para produzir um concreto com determinada consistência. Aditivo superplastificante retardador (tipo SPR) Produto que combina os efeitos dos aditivos superplastificante e retardador. Aditivo superplastificante acelerador (tipo SPA) Produto que combina os efeitos dos aditivos superplastificante e acelerador. 2.3 MARCAS E TIPOS DE ADITIVOS PARA CONCRETOS E ARGAMASSAS, ALGUNS EXEMPLOS: ADIMENT proporciona uma diminuição do atrito entre agregados e cimento, permitindo uma grande redução na água de amassamento. Proporciona concretos com ótimas características como:
  • 4. - alta resistência inicial e final; - autonivelamento, possibilitando um rápido lançamento e dispensando praticamente o adensamento; - ótima aderência à armadura; - excelente acabamento (ideal para concreto aparente); - alta densidade e impermeabilidade. RETARD é um aditivo que retarda o início da pega, proporcionando melhores condições de concretagem, além de facilitar a trabalhabilidade do concreto. Recomendado para concretos de usinas distantes dos locais de lançamento, RETARD distribui o desenvolvimento do calor de hidratação por maior espaço de tempo, evitando a ocorrência de trincas, mesmo em grandes blocos. Permite interrupções nas concretagens sucessivas, evitando juntas frias, além de melhorar a aderência do concreto às armaduras. RETARD possibilita reduzir a água de amassamento, o que faz com que se obtenha maiores resistências. VEDACIT RÁPIDO CL proporciona rápido endurecimento e altas resistências iniciais ao cimento Portland. VEDACIT RÁPIDO CL deve ser usado, preferencialmente, com cimento Portland CP II e CP V. Campos de Aplicação - VEDACIT RÁPIDO CL é empregado para acelerar o endurecimento de argamassas e concretos em: . pisos; . revestimentos; . chumbamentos; . pré-moldados; . assentamentos de máquinas; . reparos urgentes. CEMIX-AIR aumenta a trabalhabilidade dos concretos, especialmente nos traços com baixo consumo de cimento e deficientes de granulometria fina. CEMIX-AIR melhora as propriedades do concreto fresco, tornando-o mais coeso, reduzindo a segregação e aumentando a impermeabilidade. É usado geralmente em combinação com um redutor de água/retardador (RETARD ou RETARD VZ) para máxima resistência mecânica. Campos de Aplicação - Concreto massa. - Concreto em contato com água do mar. - Concreto pobre em finos. - Argamassa com traço pobre em cimento. 3. CONSIDERAÇÕES FINAIS Concluie-se que os aditivos para o concreto permitem melhorar o seu desempenho. O aditivo plastificante torna o concreto mais trabalhável, facilitando seu adensamento, sendo aconselhável sua utilização em peças esbeltas de difícil concretagem. Proporciona ainda melhor acabamento na superfície concretado. O aditivo retardador permite aumentar o período de manuseio do concreto, retardando o seu endurecimento e possibilitando seu fornecimento em locais distantes da central dosadora, ou em concretagens demoradas. Pode-se ainda utilizar um aditivo plastificante e retardador, combinando as duas características descritas acima. O aditivo impermeabilizante é indicado para caixas d'água, lajes impermeabilizadas, locais com infiltrações etc., melhorando a proteção contra a passagem de água.