SlideShare uma empresa Scribd logo
COMISSIONAMENTO 
PRODUTIVIDADE & SUSTENTABILIDADE 
PLANETA 
ÁGUA
Com base nos pilares de sustentação de uma obra moderna. 
• Redução no prazo e custo. (produtividade) 
• Redução da utilização de recursos hídricos e do descarte de efluentes respeito ao 
meio ambiente. 
• Aumento significativo da qualidade do produto final. 
 Ecologicamente Correto 
 Economicamente Viável 
 Socialmente Justo
O QUE É SUSTENTABILIDADE ? 
A Sustentabilidade é a habilidade de sustentar ou suportar uma ou mais condições, exibida 
por algo ou alguém. 
É uma característica ou condição de um processo ou de um sistema que permite a sua 
permanência, em certo nível, por um determinado prazo. 
Ultimamente este conceito, tornou-se um princípio, segundo o qual o uso dos recursos 
naturais para a satisfação de necessidades presentes não pode comprometer a satisfação 
das necessidades das gerações futuras, ou seja, tudo que possui maior durabilidade.
• ATIVIDADES DO COMISSIONAMENTO NA ENGENHARIA 
• TESTE HIDROSTÁTICO 
• LIMPEZA DE TUBULAÇÃO 
• OTIMIZAÇÃO DOS PROCESSOS 
• RESULTADOS 
• REPERCUSSÕES 
SUMÁRIO
ATIVIDADES DO COMISSIONAMENTO NA ENGENHARIA 
Avaliação das normas de projeto e condições dos sistemas operacionais, quanto aos 
critérios para execução ou não dos testes hidrostáticos. 
Redefinição dos ensaios não destrutivos nas soldas para atendimento dos critérios de 
teste hidrostático. 
Elaboração das pastas dos sistemas operacionais na fase de Engenharia de detalhamento. 
Definição dos critérios e ações para limpeza interna de tubulação 
Melhorias no layout do posicionamento de equipamentos e válvulas, com a visão 
operacional para o cliente.
TESTE HIDROSTÁTICO 
Os sistemas aplicáveis aos testes hidrostáticos terão os spools testados em bancada, ou 
seja, em pipe shop antes de sua montagem. 
Após a montagem, todos os sistemas serão submetidos ao teste de estanqueidade. 
Toda esta sistemática proporcionará uma série de ganhos futuros ao projeto. 
• REAPROVEITAMENTO DA ÁGUA 
Para a execução dos testes hidrostáticos foi estruturado um sistema com caixas d’água 
para armazenamento e reaproveitamento da água utilizada no teste. 
O reaproveitamento é realizado através de circuitos fechados (aço carbono e aço inox 
separados) contendo bombas e tubulações que transferem o fluído utilizado no teste para 
o tanque, onde é adicionado produto para estabilização de sua composição. Desta forma, a 
confirmar a aceitação das características da água do mesmo volume para execução de 
vários testes.
SISTEMA DE APLICAÇÃO E REAPROVEITAMENTO DA 
ÁGUA - TESTE HIDROSTÁTICO
QUANTIDADE DE ÁGUA 
O consumo de água com o sistema de reaproveitamento para os testes hidrostáticos 
é de 11% do valor comumente utilizado. 
O custo da água/esgoto em uma capital brasileira chega em torno de R$ 33,00 o m³ 
Em uma planta industrial de médio porte para a realização dos testes hidrostáticos 
e limpeza sem reaproveitamento de água, gasta se em torno de 30 milhões de litros 
de água.
Realização simultânea do maior teste hidrostático em estaleiro no Brasil com 848 
metros de tubulação (Spools)
LIMPEZA DE TUBULAÇÃO 
COM PIG 
As obras em geral utilizam apenas os métodos de limpeza tradicionais, o que contrariam 
os aspectos de Sustentabilidade e Produtividade.
MÉTODOS TRADICIONAIS 
LAVAGEM 
LIMPEZA COM ÁGUA 
DESVANTAGENS: 
 Grande consumo de água limpa; 
 Grande quantidade de descarte de efluentes líquidos; 
 Início possível somente após a conclusão total dos sistemas; 
 Incerteza quanto ao tempo de execução e finalização do 
processo.
MÉTODOS TRADICIONAIS 
A Limpeza Química Pré-Operacional de Linhas e 
Equipamentos, é feita para remoção de: 
 Depósitos orgânicos tipo graxa, óleo e gorduras 
 Depósitos inorgânicos do tipo óxido de ferro – 
hematita/fuligem. 
Figura – Tubulações Antes da Limpeza Química 
Figura – Tubulações Depois da Limpeza Química 
LIMPEZA QUÍMICA
ETAPAS DE LIMPEZA QUÍMICA: 
Os processos de Limpeza Química (Desengraxe, 
Decapagem e Passivação) são compostos das fases 
abaixo: 
 Desengraxe ou fase alcalina; 
 Fase ácida (decapante); 
 Complexação ; 
 Neutralização ; 
 Passivação. 
Figuras – Sistema de Injeção e dosagem 
de Produtos Químicos. 
MÉTODOS TRADICIONAIS 
LIMPEZA QUÍMICA
NOVOS PROCESSOS DE LIMPEZA INTERNA DE TUBULAÇÕES 
A limpeza das tubulações será realizada antes da montagem, em caso de necessidade, a 
mesma deverá ser feita durante a montagem. 
Para a limpeza das tubulações, são utilizados principalmente os métodos de limpeza 
química por imersão (Produto Biodegradável: DN1 e DN1S), jateamento interno com 
abrasivo micro encapsulado em esponja (SPONJET) com a remoção de particulados 
sólidos através de Pig (Globaltech), com deslocamento mecânico. 
Após a limpeza interna, os spools serão montados com as extremidades devidamente 
tamponadas. 
Para liberação dos sistemas de tubulação, os mesmos serão submetidos a inspeção 
boroscópica.
PROCESSOS DE LIMPEZA INTERNA DE TUBULAÇÕES 
Tubulação de inox. 
O processo de limpeza da tubulação realizada externa e internamente será feita por 
imersão. Este visa a remoção de depósitos orgânicos, tipo graxa, óleo e gorduras e 
inorgânicos do tipo óxido de ferro. Os produtos utilizados são biodegradáveis, condição 
que não provoca danos ao meio ambiente. 
Os processos de decapagem e desengraxe por imersão representam uma ganho de tempo 
importante para o projeto, visto que a tubulação estará montada com as atividades de 
condicionamento estando completadas. 
Vale ressaltar que este processo de imersão atenderá tanto a necessidade de desengraxe 
das tubulações de inox para aplicação de verniz, quanto ao processo de limpeza química 
interna (desengraxe e decapagem) a tubulação. 
Não será necessário limpeza química depois da montagem, e pode ser limpos mais de 20 
spools de uma vez,. Economia de água, custo e produtividade no empreendimento.
TRATAMENTO DE SPOOL DE INOX 
VIDEO
TRATAMENTO DE SPOOL DE INOX
LIMPEZA INTERNA DE TUBULAÇÃO – JATEAMENTO INTERNO 
AÇO CARBONO 
Este método garante a devida preparação superficial do substrato no que diz 
respeito aos requisitos de limpeza de contaminantes visíveis e invisíveis, com 
enfoque na qualidade, segurança, sustentabilidade e preservação do meio 
ambiente. 
Atingindo grau de limpeza SA3. 
Finalizadas as etapas de jateamento interno com abrasivo micro encapsulado em 
esponja, será efetuada a passagem do “PIG” e passivação do sistema. Este 
deverá ser submetido a etapa de inspeção final para aceitação conforme 
exigência em procedimento de cada sistema. 
VIDEO
LIMPEZA INTERNA DE TUBULAÇÃO – JATEAMENTO INTERNO 
AÇO CARBONO 
Com este método obtém-se um grau de limpeza melhor que qualquer outro 
método até então utilizado e que exime o uso de qualquer tipo de produto 
químico, além de proporcionar uma grande economia de tempo, pois não é 
necessário que um determinado sistema fique pronto para fazer tal preparação. 
Esta limpeza deve ser executada após a fabricação dos spools ou linhas 
instaladas. Mas em caso de tubovias, gasoduto e oleoduto o ideal será jatear os 
tubos retos antes das soldas e naturalmente sua montagem.
ETAPA 1 – JATEAMENTO INTERNO 
ALIMENTADORA ESPONJA INTERLIGADA A UM COMPRESSOR 
ETAPA 1 – JATEAMENTO INTERNO 
RECICLADORA
ETAPA 1 – JATEAMENTO INTERNO 
 Para cada superfície de aplicação é denominado um tipo de 
esponja e abrasivo. 
 Para o caso, da primeira etapa de limpeza interna de 
tubulações, além dos modelos já encontrados no mercado para 
diferentes aplicações foi desenvolvido pelo Técnico Bernardino 
N. Nascimento em parceria com fabricante (SPONGE-JET), uma 
esponja especial para limpeza interna de tubulações. 
ESPONJA PARA LIMPEZA 
INTERNA DOS TUBOS. 
VIDEO
JATEAMENTO INTERNO
FOTOS DURANTE OS TESTES PARA APROVAÇÃO 
DO PROCESSO DE LIMPEZA
FOTO DURANTE EXECUÇÃO DO JATEAMENTO
EXECUÇÃO DO JATEAMENTO
TUBOS TRATADOS
FOTOS APÓS O PROCESSO
FOTOS APÓS O PROCESSO
FOTO DA SOLDA APÓS O JATEAMENTO COM ABRASIVO SPONJET. 
FOTOGRAFADA COM 1 ANO E 3 MESES APÓS A EXECUÇÃO
Equipamentos robóticos e manuais de Vídeo / Inspeção em 
alta definição (HD) permitem acesso a trechos contínuos de 
até 250m.
ETAPA 2 – PASSAGEM DE PIG / APLICAÇÃO DE PROTETIVO 
A Estrutura (desenho construtivo) do PIG, possibilitou uma grande otimização 
do processo de limpeza e passivação, já que a junção dos processos de 
passagem de “Pig” e aplicação do passivante (protetivo), ocorreriam em fases 
distintas, ou seja, primeiro seria feita a remoção dos particulados sólidos 
através do Pig, e em seguida a passivação. Este modelo de PIG foi 
desenvolvido pelo Técnico Bernardino N. Nascimento e Globaltch. 
O PIG utilizado é composto de dois discos de polipropileno entre eixo e discos 
de escova de rabo de cavalo ou nylon, para remover as partículas internas do 
tubo fixado ao Pig, está o bico pulverizador que lança o produto passivante no 
raio do tubo.
ETAPA 2 – PASSAGEM DE PIG / APLICAÇÃO DE PROTETIVO 
O PIG é um dispositivo utilizado para remoção de particulados 
sólidos. Este é inserido no interior da tubulação e pode ser 
impulsionado por um equipamento lançador com a utilização de 
um fluído, seja ele água, ar comprimido, nitrogênio ou até mesmo 
o fluido de processo. 
No caso do projeto elaborado para atendimento do 
Comissionamento com Sustentabilidade foi aprimorado o “Pig” 
puxado por guincho com cabos de aço, processo que dispensa a 
utilização de lançadores e recebedores de “Pig”, desta forma 
reduzindo custos pela dispensa de fabricação destes 
equipamentos.
LIMPEZA INTERNA DE TUBULAÇÃO – PIG 
O Pig será deslocado pelo olhal com a utilização de um pequeno guincho (foto 
abaixo) elétrico ou pneumático, que seria acoplado na boca do tubo, externamente, 
em suporte próprio alinhando o cabo de aço.% 
Globaltech 
Layout de Movimentação
PROJETO DO PIG 
Projeto e 
desenvolvimento próprio 
de peças e modelos 
específicos para o 
necessidades 
específicas imposta em 
cada projeto.
MODELOS DE PIG
MODELOS DE PIG
RECURSOS TÉCNICOS – GUINCHOS
A proposta é utilizar “Pig” deslocado por guincho com cabos de aço, processo 
que dispensa a utilização de lançadores e recebedores de “Pig”, além de 
minimizar riscos. Pode ser usados de pelo de rabo de cavalo e nylon dependendo 
do material do sistema de tubulação. 
Globaltehc
LIMPEZA INTERNA DE TUBULAÇÃO – JATEAMENTO INTERNO E PIG
Etapa que garante o acompanhamento da limpeza de tubulações, 
com filmagem e fotografias, gerando relatórios e gravações em CD 
para entrega dos sistemas operacionais ao Cliente. 
Equipamento Boroscópio: Vídeo e 
fotos para Inspeção em alta 
definição (HD) 
Inspeção interna com utilização de 
Boroscópio
SEGURANÇA E QUALIDADE 
Limpeza de contaminantes invisíveis sob o enfoque da qualidade, 
segurança, sustentabilidade e preservação do meio ambiente. 
Mínima de geração de resíduos, não prejudiciais à saúde; 
Economia de água; 
Não geração de efluentes líquidos e não contaminação de ar e solo são 
pontos extremamente importantes; 
Reaproveitamento da esponja em até 15 vezes.
CONCLUSÕES 
Os principais resultados do novo processo de limpeza, foram a grande economia de 
recursos hídricos, redução de custos e prazo, maior segurança na execução das 
atividades, além da melhoria significativa da qualidade do processo de limpeza 
interna de tubulações e teste hidrostático. Outro bom benefício foi trazer de volta 
para área de montagem um sistema de desengraxe e passivação por imersão para a 
tubulação de inox.
CONCLUSÕES 
Com os testes hidrostático em Spools antes da montagem e fazendo testes END em 
soldas de campo a produtividade e o número de pendência diminui muito. Além de 
estudar os sistemas que por normas não há necessidade dos testes hidrostático que 
tanto fadiga o materiais que fazem surgir micro trincas, diminuindo a vida útil do 
material e os riscos evidentes de acidentes. 
Com estas inovações e resultados, podemos concluir que toda a equipe da obra 
quebrou um paradigma de executar um projeto, agregando para si novos valores 
profissionais e disseminando novos modelos de trabalho na área de Construção e 
Montagem.
44 
CONCLUSÕES 
As premissas básicas dos novos conceitos foram consideradas para que todo o 
processo tivesse coerência e sustentação. O gerenciamento desta nova concepção foi 
um processo que exigiu do seu criador Bernardino N. Nascimento pesquisa, constante 
avaliação dos resultados, criatividade para a formulação e implementação dos 
objetivos estratégicos e colaboradores com alto grau de experiência, Foram traçados 
como objetivos, combater as adversidades que precederam os passos da execução da 
limpeza interna de tubulação e do teste hidrostático. 
Todo processo como qualquer outra atividade, requer um amplo trabalho de 
condicionamento(preservação). Porém pela economia financeira, produtividade e em 
nome da sustentabilidade do planeta, acreditamos que vale apena sua ampla 
implantação.
CONCLUSÕES 
Portanto a obtenção destes resultados certificou a metodologia desenvolvida e 
aplicada com aprovação da ABEMI (Associação Brasileira de Engenharia 
Industrial) e Petrobras, que colocaram em seus procedimentos. (Que possibilita 
o término da limpeza interna de tubulações, ficar pronto antes da completação 
mecânica.
Fábricação 
de Spools 
Teste 
Hidrostático 
Jateamento 
Externo e 
Pintura 
Jateamento 
Interno e 
Anticorrosivo 
Montagem dos 
Spools e 
passagem de 
PIG. 
Aprovação 
do Sistema 
para o 
Cliente 
Uma boa engenharia deixa de 15% a 25% de suas soldas para campo. 
Temos que aprofundarmos os estudos para diminuir estes 
percentuais. 
Acreditar e fazer mais uso do END (ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS), 
como: Ultra Som, Radiografia (RX), Liquido Penetrante na raiz, como no 
final das soldas de campo. Nas soldas de pipe-shop ensaios END 
somente nos sistemas exigidos por normas, já que todos os spools 
devem sofrer teste hidrostáticos. Com essas medidas não seria mais 
necessário as pastas de reposição.
OTIMIZAÇÃO DOS PROCESSOS 
LIMPEZA DE TUBULAÇÃO 
COMPLETAÇÃO 
MECÂNICA 
PRÁTICAS USUAIS 
PRÉ 
OPERAÇÃO 
TESTE DE 
ESTANQUEIDADE 
LIMPEZA DE TUBULAÇÃO 
PRÉ 
OPERAÇÃO 
TESTE DE 
ESTANQUEIDADE 
CONSTRUÇÃO E 
MONTAGEM 
COMPLETAÇÃO 
MECÂNICA 
CONSTRUÇÃO E 
MONTAGEM 
Tempo 
Tempo 
PARTICIPAÇÃO NA 
ENGENHARIA 
NOVAS PRÁTICAS
RESULTADOS 
• MELHORIA DOS RESULTADOS NAS OPERAÇÕES DA ENGENHARIA ATRAVÉS DA 
PARTICIPAÇÃO DO COMISSIONAMENTO COM A VISÃO DA ENTREGA AO CLIENTE. 
• NÃO NECESSIDADE DE ISOLAMENTO DE ÁREA DE TESTE POSSIBILITANDO A EXECUÇÃO DE 
SERVIÇOS PARALELOS; 
• NÃO NECESSIDADE DE SUPORTAÇÃO ADICIONAL; 
• NÃO NECESSIDADE DE MONTAGEM DE CARRETÉIS; 
• ELIMINAÇÃO DA ETAPA DE REMONTAGEM DE TUBULAÇÃO; 
• INICIO DA MONTAGEM DE INSTRUMENTOS LOGO APÓS A MONTAGEM DA TUBULAÇÃO 
• ANTECIPAÇÃO DA REALIZAÇÃO DE ESTANQUEIDADE DE SISTEMAS 
• ANTECIPAÇÃO DO INICIO DO LOOP TESTE; 
• ANTECIPAÇÃO DOS TESTES DE MOTORES E ALINHAMENTO DE EQTOS ROTATIVOS; 
• MINIMIZAÇÃO DOS RISCOS ENVOLVIDOS NA EXECUÇÃO DE TH
CUSTOS ENTRE MÉTODOS
CUSTOS ENTRE MÉTODOS
REPERCUSSÕES
PORTAL PETROBRÁS 
Figura - Repercussão no Portal PETROBRAS_Pág. 1/2 
PETROBRAS DESTACA AS 
BOAS PRÉTICAS DO 
COMISSIONAMENTO 
SUSTENTAVEL
PORTAL PETROBRÁS 
REPERCUSSÃO EM 
VÁRIOS PROJETOS 
DA PETROBRAS
CONGRESSO RIO +20 
Figura - Projeto do Comissionamento com Sustentabilidade apresentado na Rio +20. 
COMISSIONAMENTO 
SUSTENTAVEL DESTACADO 
NA RIO +20
Figura 90 – Entrevista sobre 
o Método de Limpeza de 
Tubulações. 
http://www.petronoticias.c 
om.br/archives/13285
Figura - Entrevista 
sobre a ETA. 
http://www.petron 
oticias.com.br/arch 
ives/21247
JORNAL O GLOBO 
Figura - Entrevista 
Jornal O Globo - 
Preocupação com a 
Água
SITES DE AGENCIAS INTERNACIONAIS 
Figura - Método 
de Limpeza de 
Tubulações - 
Repercussão na 
Agência 
Nacional Brasil 
– Árabe
AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS 
AGÊNCIA 
NACIONAL DE 
NOTICIA PROCESSO 
SUSTENTAVEL NA 
INDUSTRIA
CERTIFICADO DE PROJETO SUSTENTÁVEL - ANA 
AGÊNCIA 
NACIONAL DE 
ÁGUAS CERTIFICA 
O PROCESSO 
DESENVOLVIDO
CUPULA DOS POVOS 
DESTAQUE NA 
CUULA DO POVOS
Eco4u 
RECONHECIMENTO 
DO PROJETO NA 
ECO4U
ESTUDO DO IDEALIZADOR 
Figura - Presença 
do Colaborador no 
curso de 
revestimento e 
equipamentos 
rotativos
Artigo da Petronotícias
Noticias Internacionais.
66 
REPERCUSSÕES 
Encontro 
Técnico de 
Práticas 
Ambientais 
no CENPES.
PREMIAÇÕES 
Figura – 
Placa de 
Reconhecime 
nto do 1º 
Comissionam 
ento com 
Sustentabilida 
de do Mundo
PREMIAÇÕES 
Premiação ao 1° 
Comissionamento com 
Sustentabilidade do 
Mundo.
PREMIAÇÕES
PREMIAÇÕES
PREMIAÇÕES 
Reconhecimento 
Comissionamento 
Com 
Sustentabilidade
“Para educar e fortalecer a própria ideia é 
necessário exercitar o desejo de querer 
apurar a atenção para os fatos que estão a 
sua volta, cultivar continuamente a 
imaginação, habituar-se a analisar os fins a 
que você dirige e os meios que vão conduzi-lo.” 
FIM 
POR: Bernardino N. Nascimento 
Coordenador de Comissionamento

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

NHO 07
NHO 07NHO 07
NHO 07
Ane Costa
 
spray_evapo2019.pdf
spray_evapo2019.pdfspray_evapo2019.pdf
spray_evapo2019.pdf
jbrconsultoria
 
Referências Projetos - EP Engenharia
Referências Projetos - EP EngenhariaReferências Projetos - EP Engenharia
Referências Projetos - EP Engenharia
Grupo EP
 
4PIPE- Apresentação de produtos e serviços
4PIPE- Apresentação de produtos e serviços4PIPE- Apresentação de produtos e serviços
4PIPE- Apresentação de produtos e serviços
R2S Apresentações
 
Filtros biologicos
Filtros biologicosFiltros biologicos
Filtros biologicos
Filipe Pires Batista
 
Seminário reúso de água
Seminário reúso de águaSeminário reúso de água
Seminário reúso de água
Roberto Yoshida
 
Casos de sucesso aplicacao da tecnologia MBR
Casos de sucesso aplicacao da tecnologia MBRCasos de sucesso aplicacao da tecnologia MBR
Casos de sucesso aplicacao da tecnologia MBR
Roberto Yoshida
 
Nbr 7229
Nbr 7229Nbr 7229
Nbr 7229
francisco silva
 
Teli 2
Teli 2Teli 2
Nbr 5626 instalação predial de água fria
Nbr 5626 instalação predial de água friaNbr 5626 instalação predial de água fria
Nbr 5626 instalação predial de água fria
Dandara Santos
 
Corrosão
CorrosãoCorrosão
Corrosão
Marcio Dias
 
Nbr13969
Nbr13969Nbr13969
REMOSA Dossier Portugal
REMOSA Dossier PortugalREMOSA Dossier Portugal
Nbr 08160 1999 - sistemas prediais de esgoto sanitario - projeto e execucao
Nbr 08160   1999 - sistemas prediais de esgoto sanitario - projeto e execucaoNbr 08160   1999 - sistemas prediais de esgoto sanitario - projeto e execucao
Nbr 08160 1999 - sistemas prediais de esgoto sanitario - projeto e execucao
Julia Rodrigues
 
Slide
 Slide Slide
PROPOSTA AO TRIANON DE REDUCAO DE TAXA DE ESGOTO (1)
PROPOSTA AO TRIANON DE REDUCAO DE TAXA DE ESGOTO (1)PROPOSTA AO TRIANON DE REDUCAO DE TAXA DE ESGOTO (1)
PROPOSTA AO TRIANON DE REDUCAO DE TAXA DE ESGOTO (1)
Roger Lionel King
 
Piscinas em Concreto Armado - Show de Piscinas
Piscinas em Concreto Armado - Show de PiscinasPiscinas em Concreto Armado - Show de Piscinas
Piscinas em Concreto Armado - Show de Piscinas
Show de Piscinas
 
Nbr 12235 armazenamento de residuos solidos perigosos
Nbr 12235   armazenamento de residuos solidos perigososNbr 12235   armazenamento de residuos solidos perigosos
Nbr 12235 armazenamento de residuos solidos perigosos
Frederico Amorim Chaves
 
NBR 8160/1999
NBR 8160/1999NBR 8160/1999
NBR 8160/1999
UNIFIA
 

Mais procurados (19)

NHO 07
NHO 07NHO 07
NHO 07
 
spray_evapo2019.pdf
spray_evapo2019.pdfspray_evapo2019.pdf
spray_evapo2019.pdf
 
Referências Projetos - EP Engenharia
Referências Projetos - EP EngenhariaReferências Projetos - EP Engenharia
Referências Projetos - EP Engenharia
 
4PIPE- Apresentação de produtos e serviços
4PIPE- Apresentação de produtos e serviços4PIPE- Apresentação de produtos e serviços
4PIPE- Apresentação de produtos e serviços
 
Filtros biologicos
Filtros biologicosFiltros biologicos
Filtros biologicos
 
Seminário reúso de água
Seminário reúso de águaSeminário reúso de água
Seminário reúso de água
 
Casos de sucesso aplicacao da tecnologia MBR
Casos de sucesso aplicacao da tecnologia MBRCasos de sucesso aplicacao da tecnologia MBR
Casos de sucesso aplicacao da tecnologia MBR
 
Nbr 7229
Nbr 7229Nbr 7229
Nbr 7229
 
Teli 2
Teli 2Teli 2
Teli 2
 
Nbr 5626 instalação predial de água fria
Nbr 5626 instalação predial de água friaNbr 5626 instalação predial de água fria
Nbr 5626 instalação predial de água fria
 
Corrosão
CorrosãoCorrosão
Corrosão
 
Nbr13969
Nbr13969Nbr13969
Nbr13969
 
REMOSA Dossier Portugal
REMOSA Dossier PortugalREMOSA Dossier Portugal
REMOSA Dossier Portugal
 
Nbr 08160 1999 - sistemas prediais de esgoto sanitario - projeto e execucao
Nbr 08160   1999 - sistemas prediais de esgoto sanitario - projeto e execucaoNbr 08160   1999 - sistemas prediais de esgoto sanitario - projeto e execucao
Nbr 08160 1999 - sistemas prediais de esgoto sanitario - projeto e execucao
 
Slide
 Slide Slide
Slide
 
PROPOSTA AO TRIANON DE REDUCAO DE TAXA DE ESGOTO (1)
PROPOSTA AO TRIANON DE REDUCAO DE TAXA DE ESGOTO (1)PROPOSTA AO TRIANON DE REDUCAO DE TAXA DE ESGOTO (1)
PROPOSTA AO TRIANON DE REDUCAO DE TAXA DE ESGOTO (1)
 
Piscinas em Concreto Armado - Show de Piscinas
Piscinas em Concreto Armado - Show de PiscinasPiscinas em Concreto Armado - Show de Piscinas
Piscinas em Concreto Armado - Show de Piscinas
 
Nbr 12235 armazenamento de residuos solidos perigosos
Nbr 12235   armazenamento de residuos solidos perigososNbr 12235   armazenamento de residuos solidos perigosos
Nbr 12235 armazenamento de residuos solidos perigosos
 
NBR 8160/1999
NBR 8160/1999NBR 8160/1999
NBR 8160/1999
 

Semelhante a Pipe Clean & Test Presentation

ENCONTRO DE PERFURADORES Manutenção de Poços: Tecnologias, Custo e Eficiência
ENCONTRO DE PERFURADORES Manutenção de Poços: Tecnologias, Custo e Eficiência ENCONTRO DE PERFURADORES Manutenção de Poços: Tecnologias, Custo e Eficiência
ENCONTRO DE PERFURADORES Manutenção de Poços: Tecnologias, Custo e Eficiência
slides-mci
 
Relatório - Curso Técnico de Eletrônica
Relatório - Curso Técnico de EletrônicaRelatório - Curso Técnico de Eletrônica
Relatório - Curso Técnico de Eletrônica
Frederico José S. Gomes
 
Calculos vazao
Calculos vazaoCalculos vazao
Calculos vazao
Maicon Zanchettin
 
Equipamentos para Águas Residuais _ Português
Equipamentos para Águas Residuais _ PortuguêsEquipamentos para Águas Residuais _ Português
Equipamentos para Águas Residuais _ Português
Vibropac
 
Top quality brasil mapa engª.
Top quality brasil   mapa engª.Top quality brasil   mapa engª.
Top quality brasil mapa engª.
TopQuality
 
Aula 6_Controle de poluição de fontes fixas e móveis Equipamentos de Controle...
Aula 6_Controle de poluição de fontes fixas e móveis Equipamentos de Controle...Aula 6_Controle de poluição de fontes fixas e móveis Equipamentos de Controle...
Aula 6_Controle de poluição de fontes fixas e móveis Equipamentos de Controle...
DboraAlvim1
 
Procedimento poupa quase 90% de água em refinaria
Procedimento poupa quase 90% de água em refinariaProcedimento poupa quase 90% de água em refinaria
Procedimento poupa quase 90% de água em refinaria
Frau Soares
 
Tecnologias de tratamento de efluente para reuso da Água na plataforma Skyros...
Tecnologias de tratamento de efluente para reuso da Água na plataforma Skyros...Tecnologias de tratamento de efluente para reuso da Água na plataforma Skyros...
Tecnologias de tratamento de efluente para reuso da Água na plataforma Skyros...
KimbunguTigana
 
Manual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESB
Manual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESBManual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESB
Manual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESB
Thales Vinícius de Melo Rissi
 
Palestra Docol
Palestra DocolPalestra Docol
Palestra Docol
Ludmila Souza
 
Catalogo predial esgoto
Catalogo predial esgotoCatalogo predial esgoto
Catalogo predial esgoto
João Luis Chagas Sanches
 
Sistemas cip
Sistemas cipSistemas cip
Sistemas cip
confidencial
 
Apres ultra clean produtos 2013
Apres ultra clean   produtos 2013Apres ultra clean   produtos 2013
Apres ultra clean produtos 2013
Ultra Clean Brasil
 
Controle de infecção em endoscopia 2010 (2ª parte)
Controle de infecção em endoscopia 2010 (2ª parte)Controle de infecção em endoscopia 2010 (2ª parte)
Controle de infecção em endoscopia 2010 (2ª parte)
CCIH - HSL
 
Resíduos sólidos
Resíduos sólidosResíduos sólidos
Resíduos sólidos
Mandy Meira
 
Estratégias para Reduzir sua Demanda de Água e Produtos Químicos
Estratégias para Reduzir sua Demanda de Água e Produtos QuímicosEstratégias para Reduzir sua Demanda de Água e Produtos Químicos
Estratégias para Reduzir sua Demanda de Água e Produtos Químicos
Spraying Systems do Brasil
 
Parte VI - Citrotec - Guilherme Fernandes.pdf
Parte VI - Citrotec - Guilherme Fernandes.pdfParte VI - Citrotec - Guilherme Fernandes.pdf
Parte VI - Citrotec - Guilherme Fernandes.pdf
LeonardoBuranello
 
Resultados Alcançados com o Processo AQUA - Brookfield Horizon
Resultados Alcançados com o Processo AQUA - Brookfield HorizonResultados Alcançados com o Processo AQUA - Brookfield Horizon
Resultados Alcançados com o Processo AQUA - Brookfield Horizon
proActive Consultoria
 
Sistemas-Limpeza-Bio-Chem-1.pdf
Sistemas-Limpeza-Bio-Chem-1.pdfSistemas-Limpeza-Bio-Chem-1.pdf
Sistemas-Limpeza-Bio-Chem-1.pdf
Tecnofranz
 
Intercorr2014 319 Avaliação da eficiência de inibidores voláteis de corrosão ...
Intercorr2014 319 Avaliação da eficiência de inibidores voláteis de corrosão ...Intercorr2014 319 Avaliação da eficiência de inibidores voláteis de corrosão ...
Intercorr2014 319 Avaliação da eficiência de inibidores voláteis de corrosão ...
Adriana de Araujo
 

Semelhante a Pipe Clean & Test Presentation (20)

ENCONTRO DE PERFURADORES Manutenção de Poços: Tecnologias, Custo e Eficiência
ENCONTRO DE PERFURADORES Manutenção de Poços: Tecnologias, Custo e Eficiência ENCONTRO DE PERFURADORES Manutenção de Poços: Tecnologias, Custo e Eficiência
ENCONTRO DE PERFURADORES Manutenção de Poços: Tecnologias, Custo e Eficiência
 
Relatório - Curso Técnico de Eletrônica
Relatório - Curso Técnico de EletrônicaRelatório - Curso Técnico de Eletrônica
Relatório - Curso Técnico de Eletrônica
 
Calculos vazao
Calculos vazaoCalculos vazao
Calculos vazao
 
Equipamentos para Águas Residuais _ Português
Equipamentos para Águas Residuais _ PortuguêsEquipamentos para Águas Residuais _ Português
Equipamentos para Águas Residuais _ Português
 
Top quality brasil mapa engª.
Top quality brasil   mapa engª.Top quality brasil   mapa engª.
Top quality brasil mapa engª.
 
Aula 6_Controle de poluição de fontes fixas e móveis Equipamentos de Controle...
Aula 6_Controle de poluição de fontes fixas e móveis Equipamentos de Controle...Aula 6_Controle de poluição de fontes fixas e móveis Equipamentos de Controle...
Aula 6_Controle de poluição de fontes fixas e móveis Equipamentos de Controle...
 
Procedimento poupa quase 90% de água em refinaria
Procedimento poupa quase 90% de água em refinariaProcedimento poupa quase 90% de água em refinaria
Procedimento poupa quase 90% de água em refinaria
 
Tecnologias de tratamento de efluente para reuso da Água na plataforma Skyros...
Tecnologias de tratamento de efluente para reuso da Água na plataforma Skyros...Tecnologias de tratamento de efluente para reuso da Água na plataforma Skyros...
Tecnologias de tratamento de efluente para reuso da Água na plataforma Skyros...
 
Manual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESB
Manual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESBManual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESB
Manual de Operação de Aterro sanitário em valas da CETESB
 
Palestra Docol
Palestra DocolPalestra Docol
Palestra Docol
 
Catalogo predial esgoto
Catalogo predial esgotoCatalogo predial esgoto
Catalogo predial esgoto
 
Sistemas cip
Sistemas cipSistemas cip
Sistemas cip
 
Apres ultra clean produtos 2013
Apres ultra clean   produtos 2013Apres ultra clean   produtos 2013
Apres ultra clean produtos 2013
 
Controle de infecção em endoscopia 2010 (2ª parte)
Controle de infecção em endoscopia 2010 (2ª parte)Controle de infecção em endoscopia 2010 (2ª parte)
Controle de infecção em endoscopia 2010 (2ª parte)
 
Resíduos sólidos
Resíduos sólidosResíduos sólidos
Resíduos sólidos
 
Estratégias para Reduzir sua Demanda de Água e Produtos Químicos
Estratégias para Reduzir sua Demanda de Água e Produtos QuímicosEstratégias para Reduzir sua Demanda de Água e Produtos Químicos
Estratégias para Reduzir sua Demanda de Água e Produtos Químicos
 
Parte VI - Citrotec - Guilherme Fernandes.pdf
Parte VI - Citrotec - Guilherme Fernandes.pdfParte VI - Citrotec - Guilherme Fernandes.pdf
Parte VI - Citrotec - Guilherme Fernandes.pdf
 
Resultados Alcançados com o Processo AQUA - Brookfield Horizon
Resultados Alcançados com o Processo AQUA - Brookfield HorizonResultados Alcançados com o Processo AQUA - Brookfield Horizon
Resultados Alcançados com o Processo AQUA - Brookfield Horizon
 
Sistemas-Limpeza-Bio-Chem-1.pdf
Sistemas-Limpeza-Bio-Chem-1.pdfSistemas-Limpeza-Bio-Chem-1.pdf
Sistemas-Limpeza-Bio-Chem-1.pdf
 
Intercorr2014 319 Avaliação da eficiência de inibidores voláteis de corrosão ...
Intercorr2014 319 Avaliação da eficiência de inibidores voláteis de corrosão ...Intercorr2014 319 Avaliação da eficiência de inibidores voláteis de corrosão ...
Intercorr2014 319 Avaliação da eficiência de inibidores voláteis de corrosão ...
 

Pipe Clean & Test Presentation

  • 1. COMISSIONAMENTO PRODUTIVIDADE & SUSTENTABILIDADE PLANETA ÁGUA
  • 2. Com base nos pilares de sustentação de uma obra moderna. • Redução no prazo e custo. (produtividade) • Redução da utilização de recursos hídricos e do descarte de efluentes respeito ao meio ambiente. • Aumento significativo da qualidade do produto final.  Ecologicamente Correto  Economicamente Viável  Socialmente Justo
  • 3. O QUE É SUSTENTABILIDADE ? A Sustentabilidade é a habilidade de sustentar ou suportar uma ou mais condições, exibida por algo ou alguém. É uma característica ou condição de um processo ou de um sistema que permite a sua permanência, em certo nível, por um determinado prazo. Ultimamente este conceito, tornou-se um princípio, segundo o qual o uso dos recursos naturais para a satisfação de necessidades presentes não pode comprometer a satisfação das necessidades das gerações futuras, ou seja, tudo que possui maior durabilidade.
  • 4. • ATIVIDADES DO COMISSIONAMENTO NA ENGENHARIA • TESTE HIDROSTÁTICO • LIMPEZA DE TUBULAÇÃO • OTIMIZAÇÃO DOS PROCESSOS • RESULTADOS • REPERCUSSÕES SUMÁRIO
  • 5. ATIVIDADES DO COMISSIONAMENTO NA ENGENHARIA Avaliação das normas de projeto e condições dos sistemas operacionais, quanto aos critérios para execução ou não dos testes hidrostáticos. Redefinição dos ensaios não destrutivos nas soldas para atendimento dos critérios de teste hidrostático. Elaboração das pastas dos sistemas operacionais na fase de Engenharia de detalhamento. Definição dos critérios e ações para limpeza interna de tubulação Melhorias no layout do posicionamento de equipamentos e válvulas, com a visão operacional para o cliente.
  • 6. TESTE HIDROSTÁTICO Os sistemas aplicáveis aos testes hidrostáticos terão os spools testados em bancada, ou seja, em pipe shop antes de sua montagem. Após a montagem, todos os sistemas serão submetidos ao teste de estanqueidade. Toda esta sistemática proporcionará uma série de ganhos futuros ao projeto. • REAPROVEITAMENTO DA ÁGUA Para a execução dos testes hidrostáticos foi estruturado um sistema com caixas d’água para armazenamento e reaproveitamento da água utilizada no teste. O reaproveitamento é realizado através de circuitos fechados (aço carbono e aço inox separados) contendo bombas e tubulações que transferem o fluído utilizado no teste para o tanque, onde é adicionado produto para estabilização de sua composição. Desta forma, a confirmar a aceitação das características da água do mesmo volume para execução de vários testes.
  • 7. SISTEMA DE APLICAÇÃO E REAPROVEITAMENTO DA ÁGUA - TESTE HIDROSTÁTICO
  • 8. QUANTIDADE DE ÁGUA O consumo de água com o sistema de reaproveitamento para os testes hidrostáticos é de 11% do valor comumente utilizado. O custo da água/esgoto em uma capital brasileira chega em torno de R$ 33,00 o m³ Em uma planta industrial de médio porte para a realização dos testes hidrostáticos e limpeza sem reaproveitamento de água, gasta se em torno de 30 milhões de litros de água.
  • 9. Realização simultânea do maior teste hidrostático em estaleiro no Brasil com 848 metros de tubulação (Spools)
  • 10. LIMPEZA DE TUBULAÇÃO COM PIG As obras em geral utilizam apenas os métodos de limpeza tradicionais, o que contrariam os aspectos de Sustentabilidade e Produtividade.
  • 11. MÉTODOS TRADICIONAIS LAVAGEM LIMPEZA COM ÁGUA DESVANTAGENS:  Grande consumo de água limpa;  Grande quantidade de descarte de efluentes líquidos;  Início possível somente após a conclusão total dos sistemas;  Incerteza quanto ao tempo de execução e finalização do processo.
  • 12. MÉTODOS TRADICIONAIS A Limpeza Química Pré-Operacional de Linhas e Equipamentos, é feita para remoção de:  Depósitos orgânicos tipo graxa, óleo e gorduras  Depósitos inorgânicos do tipo óxido de ferro – hematita/fuligem. Figura – Tubulações Antes da Limpeza Química Figura – Tubulações Depois da Limpeza Química LIMPEZA QUÍMICA
  • 13. ETAPAS DE LIMPEZA QUÍMICA: Os processos de Limpeza Química (Desengraxe, Decapagem e Passivação) são compostos das fases abaixo:  Desengraxe ou fase alcalina;  Fase ácida (decapante);  Complexação ;  Neutralização ;  Passivação. Figuras – Sistema de Injeção e dosagem de Produtos Químicos. MÉTODOS TRADICIONAIS LIMPEZA QUÍMICA
  • 14. NOVOS PROCESSOS DE LIMPEZA INTERNA DE TUBULAÇÕES A limpeza das tubulações será realizada antes da montagem, em caso de necessidade, a mesma deverá ser feita durante a montagem. Para a limpeza das tubulações, são utilizados principalmente os métodos de limpeza química por imersão (Produto Biodegradável: DN1 e DN1S), jateamento interno com abrasivo micro encapsulado em esponja (SPONJET) com a remoção de particulados sólidos através de Pig (Globaltech), com deslocamento mecânico. Após a limpeza interna, os spools serão montados com as extremidades devidamente tamponadas. Para liberação dos sistemas de tubulação, os mesmos serão submetidos a inspeção boroscópica.
  • 15. PROCESSOS DE LIMPEZA INTERNA DE TUBULAÇÕES Tubulação de inox. O processo de limpeza da tubulação realizada externa e internamente será feita por imersão. Este visa a remoção de depósitos orgânicos, tipo graxa, óleo e gorduras e inorgânicos do tipo óxido de ferro. Os produtos utilizados são biodegradáveis, condição que não provoca danos ao meio ambiente. Os processos de decapagem e desengraxe por imersão representam uma ganho de tempo importante para o projeto, visto que a tubulação estará montada com as atividades de condicionamento estando completadas. Vale ressaltar que este processo de imersão atenderá tanto a necessidade de desengraxe das tubulações de inox para aplicação de verniz, quanto ao processo de limpeza química interna (desengraxe e decapagem) a tubulação. Não será necessário limpeza química depois da montagem, e pode ser limpos mais de 20 spools de uma vez,. Economia de água, custo e produtividade no empreendimento.
  • 16. TRATAMENTO DE SPOOL DE INOX VIDEO
  • 18. LIMPEZA INTERNA DE TUBULAÇÃO – JATEAMENTO INTERNO AÇO CARBONO Este método garante a devida preparação superficial do substrato no que diz respeito aos requisitos de limpeza de contaminantes visíveis e invisíveis, com enfoque na qualidade, segurança, sustentabilidade e preservação do meio ambiente. Atingindo grau de limpeza SA3. Finalizadas as etapas de jateamento interno com abrasivo micro encapsulado em esponja, será efetuada a passagem do “PIG” e passivação do sistema. Este deverá ser submetido a etapa de inspeção final para aceitação conforme exigência em procedimento de cada sistema. VIDEO
  • 19. LIMPEZA INTERNA DE TUBULAÇÃO – JATEAMENTO INTERNO AÇO CARBONO Com este método obtém-se um grau de limpeza melhor que qualquer outro método até então utilizado e que exime o uso de qualquer tipo de produto químico, além de proporcionar uma grande economia de tempo, pois não é necessário que um determinado sistema fique pronto para fazer tal preparação. Esta limpeza deve ser executada após a fabricação dos spools ou linhas instaladas. Mas em caso de tubovias, gasoduto e oleoduto o ideal será jatear os tubos retos antes das soldas e naturalmente sua montagem.
  • 20. ETAPA 1 – JATEAMENTO INTERNO ALIMENTADORA ESPONJA INTERLIGADA A UM COMPRESSOR ETAPA 1 – JATEAMENTO INTERNO RECICLADORA
  • 21. ETAPA 1 – JATEAMENTO INTERNO  Para cada superfície de aplicação é denominado um tipo de esponja e abrasivo.  Para o caso, da primeira etapa de limpeza interna de tubulações, além dos modelos já encontrados no mercado para diferentes aplicações foi desenvolvido pelo Técnico Bernardino N. Nascimento em parceria com fabricante (SPONGE-JET), uma esponja especial para limpeza interna de tubulações. ESPONJA PARA LIMPEZA INTERNA DOS TUBOS. VIDEO
  • 23. FOTOS DURANTE OS TESTES PARA APROVAÇÃO DO PROCESSO DE LIMPEZA
  • 24. FOTO DURANTE EXECUÇÃO DO JATEAMENTO
  • 27. FOTOS APÓS O PROCESSO
  • 28. FOTOS APÓS O PROCESSO
  • 29. FOTO DA SOLDA APÓS O JATEAMENTO COM ABRASIVO SPONJET. FOTOGRAFADA COM 1 ANO E 3 MESES APÓS A EXECUÇÃO
  • 30. Equipamentos robóticos e manuais de Vídeo / Inspeção em alta definição (HD) permitem acesso a trechos contínuos de até 250m.
  • 31. ETAPA 2 – PASSAGEM DE PIG / APLICAÇÃO DE PROTETIVO A Estrutura (desenho construtivo) do PIG, possibilitou uma grande otimização do processo de limpeza e passivação, já que a junção dos processos de passagem de “Pig” e aplicação do passivante (protetivo), ocorreriam em fases distintas, ou seja, primeiro seria feita a remoção dos particulados sólidos através do Pig, e em seguida a passivação. Este modelo de PIG foi desenvolvido pelo Técnico Bernardino N. Nascimento e Globaltch. O PIG utilizado é composto de dois discos de polipropileno entre eixo e discos de escova de rabo de cavalo ou nylon, para remover as partículas internas do tubo fixado ao Pig, está o bico pulverizador que lança o produto passivante no raio do tubo.
  • 32. ETAPA 2 – PASSAGEM DE PIG / APLICAÇÃO DE PROTETIVO O PIG é um dispositivo utilizado para remoção de particulados sólidos. Este é inserido no interior da tubulação e pode ser impulsionado por um equipamento lançador com a utilização de um fluído, seja ele água, ar comprimido, nitrogênio ou até mesmo o fluido de processo. No caso do projeto elaborado para atendimento do Comissionamento com Sustentabilidade foi aprimorado o “Pig” puxado por guincho com cabos de aço, processo que dispensa a utilização de lançadores e recebedores de “Pig”, desta forma reduzindo custos pela dispensa de fabricação destes equipamentos.
  • 33. LIMPEZA INTERNA DE TUBULAÇÃO – PIG O Pig será deslocado pelo olhal com a utilização de um pequeno guincho (foto abaixo) elétrico ou pneumático, que seria acoplado na boca do tubo, externamente, em suporte próprio alinhando o cabo de aço.% Globaltech Layout de Movimentação
  • 34. PROJETO DO PIG Projeto e desenvolvimento próprio de peças e modelos específicos para o necessidades específicas imposta em cada projeto.
  • 38. A proposta é utilizar “Pig” deslocado por guincho com cabos de aço, processo que dispensa a utilização de lançadores e recebedores de “Pig”, além de minimizar riscos. Pode ser usados de pelo de rabo de cavalo e nylon dependendo do material do sistema de tubulação. Globaltehc
  • 39. LIMPEZA INTERNA DE TUBULAÇÃO – JATEAMENTO INTERNO E PIG
  • 40. Etapa que garante o acompanhamento da limpeza de tubulações, com filmagem e fotografias, gerando relatórios e gravações em CD para entrega dos sistemas operacionais ao Cliente. Equipamento Boroscópio: Vídeo e fotos para Inspeção em alta definição (HD) Inspeção interna com utilização de Boroscópio
  • 41. SEGURANÇA E QUALIDADE Limpeza de contaminantes invisíveis sob o enfoque da qualidade, segurança, sustentabilidade e preservação do meio ambiente. Mínima de geração de resíduos, não prejudiciais à saúde; Economia de água; Não geração de efluentes líquidos e não contaminação de ar e solo são pontos extremamente importantes; Reaproveitamento da esponja em até 15 vezes.
  • 42. CONCLUSÕES Os principais resultados do novo processo de limpeza, foram a grande economia de recursos hídricos, redução de custos e prazo, maior segurança na execução das atividades, além da melhoria significativa da qualidade do processo de limpeza interna de tubulações e teste hidrostático. Outro bom benefício foi trazer de volta para área de montagem um sistema de desengraxe e passivação por imersão para a tubulação de inox.
  • 43. CONCLUSÕES Com os testes hidrostático em Spools antes da montagem e fazendo testes END em soldas de campo a produtividade e o número de pendência diminui muito. Além de estudar os sistemas que por normas não há necessidade dos testes hidrostático que tanto fadiga o materiais que fazem surgir micro trincas, diminuindo a vida útil do material e os riscos evidentes de acidentes. Com estas inovações e resultados, podemos concluir que toda a equipe da obra quebrou um paradigma de executar um projeto, agregando para si novos valores profissionais e disseminando novos modelos de trabalho na área de Construção e Montagem.
  • 44. 44 CONCLUSÕES As premissas básicas dos novos conceitos foram consideradas para que todo o processo tivesse coerência e sustentação. O gerenciamento desta nova concepção foi um processo que exigiu do seu criador Bernardino N. Nascimento pesquisa, constante avaliação dos resultados, criatividade para a formulação e implementação dos objetivos estratégicos e colaboradores com alto grau de experiência, Foram traçados como objetivos, combater as adversidades que precederam os passos da execução da limpeza interna de tubulação e do teste hidrostático. Todo processo como qualquer outra atividade, requer um amplo trabalho de condicionamento(preservação). Porém pela economia financeira, produtividade e em nome da sustentabilidade do planeta, acreditamos que vale apena sua ampla implantação.
  • 45. CONCLUSÕES Portanto a obtenção destes resultados certificou a metodologia desenvolvida e aplicada com aprovação da ABEMI (Associação Brasileira de Engenharia Industrial) e Petrobras, que colocaram em seus procedimentos. (Que possibilita o término da limpeza interna de tubulações, ficar pronto antes da completação mecânica.
  • 46. Fábricação de Spools Teste Hidrostático Jateamento Externo e Pintura Jateamento Interno e Anticorrosivo Montagem dos Spools e passagem de PIG. Aprovação do Sistema para o Cliente Uma boa engenharia deixa de 15% a 25% de suas soldas para campo. Temos que aprofundarmos os estudos para diminuir estes percentuais. Acreditar e fazer mais uso do END (ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS), como: Ultra Som, Radiografia (RX), Liquido Penetrante na raiz, como no final das soldas de campo. Nas soldas de pipe-shop ensaios END somente nos sistemas exigidos por normas, já que todos os spools devem sofrer teste hidrostáticos. Com essas medidas não seria mais necessário as pastas de reposição.
  • 47. OTIMIZAÇÃO DOS PROCESSOS LIMPEZA DE TUBULAÇÃO COMPLETAÇÃO MECÂNICA PRÁTICAS USUAIS PRÉ OPERAÇÃO TESTE DE ESTANQUEIDADE LIMPEZA DE TUBULAÇÃO PRÉ OPERAÇÃO TESTE DE ESTANQUEIDADE CONSTRUÇÃO E MONTAGEM COMPLETAÇÃO MECÂNICA CONSTRUÇÃO E MONTAGEM Tempo Tempo PARTICIPAÇÃO NA ENGENHARIA NOVAS PRÁTICAS
  • 48. RESULTADOS • MELHORIA DOS RESULTADOS NAS OPERAÇÕES DA ENGENHARIA ATRAVÉS DA PARTICIPAÇÃO DO COMISSIONAMENTO COM A VISÃO DA ENTREGA AO CLIENTE. • NÃO NECESSIDADE DE ISOLAMENTO DE ÁREA DE TESTE POSSIBILITANDO A EXECUÇÃO DE SERVIÇOS PARALELOS; • NÃO NECESSIDADE DE SUPORTAÇÃO ADICIONAL; • NÃO NECESSIDADE DE MONTAGEM DE CARRETÉIS; • ELIMINAÇÃO DA ETAPA DE REMONTAGEM DE TUBULAÇÃO; • INICIO DA MONTAGEM DE INSTRUMENTOS LOGO APÓS A MONTAGEM DA TUBULAÇÃO • ANTECIPAÇÃO DA REALIZAÇÃO DE ESTANQUEIDADE DE SISTEMAS • ANTECIPAÇÃO DO INICIO DO LOOP TESTE; • ANTECIPAÇÃO DOS TESTES DE MOTORES E ALINHAMENTO DE EQTOS ROTATIVOS; • MINIMIZAÇÃO DOS RISCOS ENVOLVIDOS NA EXECUÇÃO DE TH
  • 52. PORTAL PETROBRÁS Figura - Repercussão no Portal PETROBRAS_Pág. 1/2 PETROBRAS DESTACA AS BOAS PRÉTICAS DO COMISSIONAMENTO SUSTENTAVEL
  • 53. PORTAL PETROBRÁS REPERCUSSÃO EM VÁRIOS PROJETOS DA PETROBRAS
  • 54. CONGRESSO RIO +20 Figura - Projeto do Comissionamento com Sustentabilidade apresentado na Rio +20. COMISSIONAMENTO SUSTENTAVEL DESTACADO NA RIO +20
  • 55. Figura 90 – Entrevista sobre o Método de Limpeza de Tubulações. http://www.petronoticias.c om.br/archives/13285
  • 56. Figura - Entrevista sobre a ETA. http://www.petron oticias.com.br/arch ives/21247
  • 57. JORNAL O GLOBO Figura - Entrevista Jornal O Globo - Preocupação com a Água
  • 58. SITES DE AGENCIAS INTERNACIONAIS Figura - Método de Limpeza de Tubulações - Repercussão na Agência Nacional Brasil – Árabe
  • 59. AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS AGÊNCIA NACIONAL DE NOTICIA PROCESSO SUSTENTAVEL NA INDUSTRIA
  • 60. CERTIFICADO DE PROJETO SUSTENTÁVEL - ANA AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS CERTIFICA O PROCESSO DESENVOLVIDO
  • 61. CUPULA DOS POVOS DESTAQUE NA CUULA DO POVOS
  • 62. Eco4u RECONHECIMENTO DO PROJETO NA ECO4U
  • 63. ESTUDO DO IDEALIZADOR Figura - Presença do Colaborador no curso de revestimento e equipamentos rotativos
  • 66. 66 REPERCUSSÕES Encontro Técnico de Práticas Ambientais no CENPES.
  • 67. PREMIAÇÕES Figura – Placa de Reconhecime nto do 1º Comissionam ento com Sustentabilida de do Mundo
  • 68. PREMIAÇÕES Premiação ao 1° Comissionamento com Sustentabilidade do Mundo.
  • 72. “Para educar e fortalecer a própria ideia é necessário exercitar o desejo de querer apurar a atenção para os fatos que estão a sua volta, cultivar continuamente a imaginação, habituar-se a analisar os fins a que você dirige e os meios que vão conduzi-lo.” FIM POR: Bernardino N. Nascimento Coordenador de Comissionamento