SlideShare uma empresa Scribd logo
SEGURANÇA E SAÚDE
EM OBRAS SUBTERRÂNEAS
11|Novembro|2015
AUDITÓRIO DO CICCOPN
Tema: A Coordenação de Segurança em
Aproveitamentos Hidroelétricos
Nome do orador: Ricardo da Cunha Reis
SEGURANÇA E SAÚDE
EM OBRAS SUBTERRÂNEAS
DIRECTIVA 92/57/CEE do Conselho de 24 de Junho de 1992 relativa às prescrições mínimas de
segurança e de saúde a aplicar nos estaleiros temporários ou móveis
SEGURANÇA E SAÚDE
EM OBRAS SUBTERRÂNEAS
DIRECTIVA 92/57/CEE do Conselho de 24 de Junho de 1992 relativa às prescrições mínimas de
segurança e de saúde a aplicar nos estaleiros temporários ou móveis
Artigo 6º - Realização da obra: Função dos coordenadores
b) Coordenarão a aplicação das disposições pertinentes, a fim de garantir que as entidades patronais e, se tal
for necessário para a protecção dos trabalhadores, os trabalhadores independentes:
- apliquem de forma coerente os princípios indicados no artigo 8º,
-apliquem, sempre que a situação o exija, o plano de segurança e de saúde previsto na alínea b) do artigo 5º;
e) Coordenarão a fiscalização da correcta aplicação dos métodos de trabalho;
SEGURANÇA E SAÚDE
EM OBRAS SUBTERRÂNEAS
GUIA DE BOAS PRATICAS NÃO VINCULATIVO PARA A COMPREENSÃO E A APLICAÇÃO DA
DIRECTIVA 92/57/CEE
SEGURANÇA E SAÚDE
EM OBRAS SUBTERRÂNEAS
GUIA DE BOAS PRATICAS NÃO VINCULATIVO PARA A COMPREENSÃO E A APLICAÇÃO DA
DIRECTIVA 92/57/CEE
Os coordenadores devem tomar medidas para coordenar a aplicação das
disposições pertinentes pelas entidades patronais (isto é, as empresas e
empresas subcontratadas) e, se necessário, pelos trabalhadores
independentes, a fim de garantir que eles aplicam de forma coerente os
princípios indicados no artigo 8° da directiva.
A principal função dos coordenadores é coordenar a aplicação destas
obrigações pelas outras partes e não desempenha-las em lugar delas.
SEGURANÇA E SAÚDE
EM OBRAS SUBTERRÂNEAS
GUIA DE BOAS PRATICAS NÃO VINCULATIVO PARA A COMPREENSÃO E A APLICAÇÃO DA
DIRECTIVA 92/57/CEE
SEGURANÇA E SAÚDE
EM OBRAS SUBTERRÂNEAS
GUIA DE BOAS PRATICAS NÃO VINCULATIVO PARA A COMPREENSÃO E A APLICAÇÃO DA
DIRECTIVA 92/57/CEE
Os coordenadores também devem coordenar a aplicação do plano de
segurança e de saúde da obra pelas entidades patronais e pelos
trabalhadores independentes, a fim de assegurar o seu cumprimento
A principal função dos coordenadores é coordenar a aplicação destas
obrigações pelas outras partes e não desempenha-las em lugar delas.
SEGURANÇA E SAÚDE
EM OBRAS SUBTERRÂNEAS
GUIA DE BOAS PRATICAS NÃO VINCULATIVO PARA A COMPREENSÃO E A APLICAÇÃO DA
DIRECTIVA 92/57/CEE
SEGURANÇA E SAÚDE
EM OBRAS SUBTERRÂNEAS
GUIA DE BOAS PRATICAS NÃO VINCULATIVO PARA A COMPREENSÃO E A APLICAÇÃO DA
DIRECTIVA 92/57/CEE
Coordenação da fiscalização da correcta aplicação dos métodos de
trabalho
Não compete aos coordenadores fiscalizar a correcta aplicação dos métodos de
trabalho, mas já lhes compete coordenar essa fiscalização. Embora a distinção
possa parecer despicienda nos estaleiros mais pequenos e simples, torna-se
mais significativa quando as obras se tornam maiores e mais complexas.
SEGURANÇA E SAÚDE
EM OBRAS SUBTERRÂNEAS
GUIA DE BOAS PRATICAS NÃO VINCULATIVO PARA A COMPREENSÃO E A APLICAÇÃO DA
DIRECTIVA 92/57/CEE
Coordenação da fiscalização da correcta aplicação dos métodos de
trabalho
Deve começar-se por coordenar as medidas de fiscalização a aplicar e depois
examinar se elas são postas em praticas e a sua eficácia. E possível que os
coordenadores desejem controlar ou auditar a forma como a fiscalização está a
funcionar, observando directamente o que se passa quando os métodos de
trabalho são desenvolvidos e também o que acontece no estaleiro quando
esses métodos são postos em pratica. Porem, isto não significa que tenham
uma responsabilidade directa na forma como os trabalhos são executados, a
qual continua a caber as entidades patronais e aos trabalhadores
independentes.
SEGURANÇA E SAÚDE
EM OBRAS SUBTERRÂNEAS
GUIA DE BOAS PRATICAS NÃO VINCULATIVO PARA A COMPREENSÃO E A APLICAÇÃO DA
DIRECTIVA 92/57/CEE
Coordenação da fiscalização da correcta aplicação dos métodos de
trabalho
Os coordenadores poderão desejar prestar especial atencao as actividades de
alto risco, incluindo as enumeradas no anexo II da Directiva 92/57/CEE.
SEGURANÇA E SAÚDE
EM OBRAS SUBTERRÂNEAS
GUIA DE BOAS PRATICAS NÃO VINCULATIVO PARA A COMPREENSÃO E A APLICAÇÃO DA
DIRECTIVA 92/57/CEE
SEGURANÇA E SAÚDE
EM OBRAS SUBTERRÂNEAS
GUIA DE BOAS PRATICAS NÃO VINCULATIVO PARA A COMPREENSÃO E A APLICAÇÃO DA
DIRECTIVA 92/57/CEE
COORDENAÇÃO
E essencial referir que as funções dos coordenadores consistem em coordenar
a aplicação dos princípios gerais de prevenção e dos aspectos de pormenor
mencionados no artigo 8.°, bem como dos planos de segurança e de saúde.
As suas funções não incluem uma gestão directa dos trabalhos executados
pelas entidades patronais e por outras partes com esse fim em mente. A
coordenação implica uma ampla analise das actividades e das questões de
segurança e saúde que irão colocar-se.
Essa analise deve ter lugar antes de os trabalhos comecarem.
SEGURANÇA E SAÚDE
EM OBRAS SUBTERRÂNEAS
GUIA DE BOAS PRATICAS NÃO VINCULATIVO PARA A COMPREENSÃO E A APLICAÇÃO DA
DIRECTIVA 92/57/CEE
COORDENAÇÃO
Os coordenadores atenderão aos conhecimentos que possuem dos trabalhos a
realizar, as avaliações dos riscos efectuadas pelas entidades patronais
(empresas e empresas subcontratadas) e aos métodos de trabalho que as
entidades patronais e os trabalhadores independentes se propõem adoptar.
Os coordenadores devem colaborar com estas partes no intuito de garantir que
as suas actividades respeitam as medidas de segurança e que o trabalho
realizado por uma delas não pora as outras em risco, e que as instalações a
utilizar em comum serao fornecidas, conservadas e utilizadas conforme previsto
nos planos da obra.
SEGURANÇA E SAÚDE
EM OBRAS SUBTERRÂNEAS
DECRETO-LEI N.º 273/2003 DE 29 DE OUTUBRO
Artigo 19.º - Obrigações dos coordenadores de segurança
2 — O coordenador de segurança em obra deve no que respeita à execução desta:
d) Verificar a coordenação das actividades das empresas e dos trabalhadores independentes que intervêm no
estaleiro, tendo em vista a prevenção dos riscos profissionais;
e) Promover e verificar o cumprimento do plano de segurança e saúde, bem como das outras obrigações da
entidade executante, dos subempreiteiros e dos trabalhadores independentes, nomeadamente no que se
refere à organização do estaleiro, ao sistema de emergência, às condicionantes existentes no estaleiro e na
área envolvente, aos trabalhos que envolvam riscos especiais, aos processos construtivos especiais, às
actividades que possam ser incompatíveis no tempo ou no espaço e ao sistema de comunicação entre os
intervenientes na obra;
f) Coordenar o controlo da correcta aplicação dos métodos de trabalho, na medida em que tenham influência
na segurança e saúde no trabalho;
SEGURANÇA E SAÚDE
EM OBRAS SUBTERRÂNEAS
Dono de Obra
Artigo 3º da Lei 31/2009 de 3 de Julho
Artigo 3º do DL 273/2003 de 29 de Outubro
Coordenador de Segurança e Saúde em Projecto
Artigo 3º do DL 273/2003 de 29 de Outubro
Coordenador de Projecto / Autor(es) de Projecto da Obra
Artigo 3º da Lei 31/2009 de 3 de Julho
Artigo 3º do DL 273/2003 de 29 de Outubro
(OBRA PUBLICA)
Director de obra / Director Técnico da Empreitada
Artigo 3º da Lei 31/2009 de 3 de Julho
Artigo 3º do DL 273/2003 de 29 de Outubro
Representante da Entidade Executante
Artigo 15º do DL 273/2003 de 29 de Outubro
Director de Fiscalização de Obra / Fiscal da obra
Artigo 3º da Lei 31/2009 de 3 de Julho
Artigo 15º do DL 273/2003 de 29 de Outubro
Entidade(s) Executante(s)
Artigo 3º do DL 273/03 de 29 de Outubro
Técnico(s) da Produção
Lei 41/2015,de 3 de Junho
Subempreiteiro(s)
Artigo 3º do DL 273/03 de 29 de Outubro
Coordenador de Segurança e Saúde em Obra
Artigo 9º do DL 273/2003 de 29 de Outubro
(OBRA PARTICULAR)
Director de obra / Responsável pela Direcção Técnica da Obra
Artigo 3º da Lei 31/2009 de 3 de Julho
Artigo 3º do DL 273/2003 de 29 de Outubro
Técnico(s) de Segurança no Trabalho
Lei 41/2015,de 3 de Junho
SEGURANÇA E SAÚDE
EM OBRAS SUBTERRÂNEAS
SEGURANÇA E SAÚDE
EM OBRAS SUBTERRÂNEAS
SEGURANÇA E SAÚDE
EM OBRAS SUBTERRÂNEAS
SEGURANÇA E SAÚDE
EM OBRAS SUBTERRÂNEAS
..a nossa mãe
SEGURANÇA E SAÚDE
EM OBRAS SUBTERRÂNEAS
11|Novembro|2015
AUDITÓRIO DO CICCOPN
Tema: A Coordenação de Segurança em
Aproveitamentos Hidroelétricos
Nome do orador: Ricardo da Cunha Reis
obrigado

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plano de-emergencia-6
Plano de-emergencia-6Plano de-emergencia-6
Plano de-emergencia-6
Paulo H Bueno
 
Plano de emergência.
Plano de emergência.Plano de emergência.
Plano de emergência.
Alfredo Brito
 
Nbr 14280
Nbr 14280Nbr 14280
Nbr 14280
3321770
 
Plano emergencia modelo
Plano emergencia modeloPlano emergencia modelo
Plano emergencia modelo
Marlon Gatti
 
Programa de proteção respiratória fundacentro
Programa de proteção respiratória fundacentroPrograma de proteção respiratória fundacentro
Programa de proteção respiratória fundacentro
Claudinei Machado
 
Ceest Aula 02 07 2011
Ceest   Aula 02 07 2011Ceest   Aula 02 07 2011
Ceest Aula 02 07 2011
tiago_rcosta
 
PROTOCOLO DE SEGURANÇA NO TRABALHO NAS OBRAS DAS OLIMPÍADAS RIO 2016
PROTOCOLO DE SEGURANÇA NO TRABALHO NAS OBRAS DAS OLIMPÍADAS RIO 2016PROTOCOLO DE SEGURANÇA NO TRABALHO NAS OBRAS DAS OLIMPÍADAS RIO 2016
PROTOCOLO DE SEGURANÇA NO TRABALHO NAS OBRAS DAS OLIMPÍADAS RIO 2016
NRFACIL www.nrfacil.com.br
 
Nr 18 --texto_técnico_básico_para_consulta_pública
Nr 18 --texto_técnico_básico_para_consulta_públicaNr 18 --texto_técnico_básico_para_consulta_pública
Nr 18 --texto_técnico_básico_para_consulta_pública
Francisco Cesario
 
Plano de emergência completo
Plano de emergência completoPlano de emergência completo
Plano de emergência completo
ivanonorato
 
Arq 175 planoadeacontroleadeacatástrofesa-aemergencias
Arq 175 planoadeacontroleadeacatástrofesa-aemergenciasArq 175 planoadeacontroleadeacatástrofesa-aemergencias
Arq 175 planoadeacontroleadeacatástrofesa-aemergencias
Carol Ribeiro
 
Prevenção e controle de riscos em máquinas
Prevenção e controle de riscos em máquinasPrevenção e controle de riscos em máquinas
Prevenção e controle de riscos em máquinas
taniatalles2
 
A Cartilha Orientativa para Implantação de Segurança no Canteiro de Obras
A Cartilha Orientativa para Implantação de Segurança no Canteiro de ObrasA Cartilha Orientativa para Implantação de Segurança no Canteiro de Obras
A Cartilha Orientativa para Implantação de Segurança no Canteiro de Obras
xandaobyte
 
Brigada plano abandono
Brigada   plano abandonoBrigada   plano abandono
Brigada plano abandono
Gliceu Grossi
 
Como elaborar um plano de emergencia e evacuacao
Como elaborar um plano de emergencia e evacuacaoComo elaborar um plano de emergencia e evacuacao
Como elaborar um plano de emergencia e evacuacao
RICARDO RIBEIRO
 
Segurança no manuseio de explosivos
Segurança no manuseio de explosivosSegurança no manuseio de explosivos
Segurança no manuseio de explosivos
Junior Marcelino
 
Ppra pcmat
Ppra pcmatPpra pcmat
Ppra pcmat
Cristiano Ortega
 
Planoprev09 10
Planoprev09 10Planoprev09 10
Planoprev09 10
Ana T.
 
Plano de emergência interno
Plano de emergência internoPlano de emergência interno
Plano de emergência interno
Pelo Siro
 
56115622 nr-11
56115622 nr-1156115622 nr-11
56115622 nr-11
Mauricio Vieira Santos
 
92844851 11-maquinas-e-equipamentos-de-trabalho
92844851 11-maquinas-e-equipamentos-de-trabalho92844851 11-maquinas-e-equipamentos-de-trabalho
92844851 11-maquinas-e-equipamentos-de-trabalho
Hugo Silva
 

Mais procurados (20)

Plano de-emergencia-6
Plano de-emergencia-6Plano de-emergencia-6
Plano de-emergencia-6
 
Plano de emergência.
Plano de emergência.Plano de emergência.
Plano de emergência.
 
Nbr 14280
Nbr 14280Nbr 14280
Nbr 14280
 
Plano emergencia modelo
Plano emergencia modeloPlano emergencia modelo
Plano emergencia modelo
 
Programa de proteção respiratória fundacentro
Programa de proteção respiratória fundacentroPrograma de proteção respiratória fundacentro
Programa de proteção respiratória fundacentro
 
Ceest Aula 02 07 2011
Ceest   Aula 02 07 2011Ceest   Aula 02 07 2011
Ceest Aula 02 07 2011
 
PROTOCOLO DE SEGURANÇA NO TRABALHO NAS OBRAS DAS OLIMPÍADAS RIO 2016
PROTOCOLO DE SEGURANÇA NO TRABALHO NAS OBRAS DAS OLIMPÍADAS RIO 2016PROTOCOLO DE SEGURANÇA NO TRABALHO NAS OBRAS DAS OLIMPÍADAS RIO 2016
PROTOCOLO DE SEGURANÇA NO TRABALHO NAS OBRAS DAS OLIMPÍADAS RIO 2016
 
Nr 18 --texto_técnico_básico_para_consulta_pública
Nr 18 --texto_técnico_básico_para_consulta_públicaNr 18 --texto_técnico_básico_para_consulta_pública
Nr 18 --texto_técnico_básico_para_consulta_pública
 
Plano de emergência completo
Plano de emergência completoPlano de emergência completo
Plano de emergência completo
 
Arq 175 planoadeacontroleadeacatástrofesa-aemergencias
Arq 175 planoadeacontroleadeacatástrofesa-aemergenciasArq 175 planoadeacontroleadeacatástrofesa-aemergencias
Arq 175 planoadeacontroleadeacatástrofesa-aemergencias
 
Prevenção e controle de riscos em máquinas
Prevenção e controle de riscos em máquinasPrevenção e controle de riscos em máquinas
Prevenção e controle de riscos em máquinas
 
A Cartilha Orientativa para Implantação de Segurança no Canteiro de Obras
A Cartilha Orientativa para Implantação de Segurança no Canteiro de ObrasA Cartilha Orientativa para Implantação de Segurança no Canteiro de Obras
A Cartilha Orientativa para Implantação de Segurança no Canteiro de Obras
 
Brigada plano abandono
Brigada   plano abandonoBrigada   plano abandono
Brigada plano abandono
 
Como elaborar um plano de emergencia e evacuacao
Como elaborar um plano de emergencia e evacuacaoComo elaborar um plano de emergencia e evacuacao
Como elaborar um plano de emergencia e evacuacao
 
Segurança no manuseio de explosivos
Segurança no manuseio de explosivosSegurança no manuseio de explosivos
Segurança no manuseio de explosivos
 
Ppra pcmat
Ppra pcmatPpra pcmat
Ppra pcmat
 
Planoprev09 10
Planoprev09 10Planoprev09 10
Planoprev09 10
 
Plano de emergência interno
Plano de emergência internoPlano de emergência interno
Plano de emergência interno
 
56115622 nr-11
56115622 nr-1156115622 nr-11
56115622 nr-11
 
92844851 11-maquinas-e-equipamentos-de-trabalho
92844851 11-maquinas-e-equipamentos-de-trabalho92844851 11-maquinas-e-equipamentos-de-trabalho
92844851 11-maquinas-e-equipamentos-de-trabalho
 

Destaque

Apresentacao jornadas tecnicas_qualidade_3 edicao_benedita machado
Apresentacao jornadas tecnicas_qualidade_3 edicao_benedita machadoApresentacao jornadas tecnicas_qualidade_3 edicao_benedita machado
11919225 principios
11919225 principios11919225 principios
11919225 principios
Pelo Siro
 
CICCOPN 26 03 2015
CICCOPN 26 03 2015CICCOPN 26 03 2015
Seminário Construção em Aço Leve-Euronit-CICCOPN
Seminário Construção em Aço Leve-Euronit-CICCOPNSeminário Construção em Aço Leve-Euronit-CICCOPN
Apresentacao jornadas tecnicas_qualidade_3 edicao - ricardo barbosa
Apresentacao jornadas tecnicas_qualidade_3 edicao - ricardo barbosaApresentacao jornadas tecnicas_qualidade_3 edicao - ricardo barbosa
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras SubterrâneasSegurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras SubterrâneasSegurança e Saúde em Obras Subterrâneas
construção-Aço-Leve-CM-26 fev2015
construção-Aço-Leve-CM-26 fev2015construção-Aço-Leve-CM-26 fev2015
Mini apresentacao empreendedorismo
Mini apresentacao empreendedorismoMini apresentacao empreendedorismo
Seminário Construção em Aço Leve -Rockwool-CICCOPN
Seminário Construção em Aço Leve -Rockwool-CICCOPNSeminário Construção em Aço Leve -Rockwool-CICCOPN
Controlar company presentation junho 2016 - vera figueiredo
Controlar   company presentation junho 2016 - vera figueiredoControlar   company presentation junho 2016 - vera figueiredo
Atr autorizacao para trabalho de risco
Atr   autorizacao para trabalho de riscoAtr   autorizacao para trabalho de risco
Atr autorizacao para trabalho de risco
Rogério Braga
 
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras SubterrâneasSegurança e Saúde em Obras Subterrâneas
30 jul2016 kaizen presentation ciccopn
30 jul2016 kaizen presentation ciccopn30 jul2016 kaizen presentation ciccopn
Seminário Construção em Aço Leve-Gyptec-CICCOPN
Seminário Construção em Aço Leve-Gyptec-CICCOPNSeminário Construção em Aço Leve-Gyptec-CICCOPN
Regulamento de Segurança
Regulamento de SegurançaRegulamento de Segurança
Regulamento de Segurança
Jonas Abilio Sestrem Jr
 
Treinamento Espaço confinados
Treinamento Espaço confinados Treinamento Espaço confinados
Treinamento Espaço confinados
Ane Costa
 
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras SubterrâneasSegurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Permissao para-trabalho-a-quente
Permissao para-trabalho-a-quentePermissao para-trabalho-a-quente
Permissao para-trabalho-a-quente
Jose Fernandes
 
Segurança de máq. e equip. de trabalho
Segurança de máq. e equip. de trabalhoSegurança de máq. e equip. de trabalho
Segurança de máq. e equip. de trabalho
Lucas Gimenes
 

Destaque (20)

Apresentacao jornadas tecnicas_qualidade_3 edicao_benedita machado
Apresentacao jornadas tecnicas_qualidade_3 edicao_benedita machadoApresentacao jornadas tecnicas_qualidade_3 edicao_benedita machado
Apresentacao jornadas tecnicas_qualidade_3 edicao_benedita machado
 
11919225 principios
11919225 principios11919225 principios
11919225 principios
 
CICCOPN 26 03 2015
CICCOPN 26 03 2015CICCOPN 26 03 2015
CICCOPN 26 03 2015
 
Seminário Construção em Aço Leve-Euronit-CICCOPN
Seminário Construção em Aço Leve-Euronit-CICCOPNSeminário Construção em Aço Leve-Euronit-CICCOPN
Seminário Construção em Aço Leve-Euronit-CICCOPN
 
Apresentacao jornadas tecnicas_qualidade_3 edicao - ricardo barbosa
Apresentacao jornadas tecnicas_qualidade_3 edicao - ricardo barbosaApresentacao jornadas tecnicas_qualidade_3 edicao - ricardo barbosa
Apresentacao jornadas tecnicas_qualidade_3 edicao - ricardo barbosa
 
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras SubterrâneasSegurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
 
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras SubterrâneasSegurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
 
construção-Aço-Leve-CM-26 fev2015
construção-Aço-Leve-CM-26 fev2015construção-Aço-Leve-CM-26 fev2015
construção-Aço-Leve-CM-26 fev2015
 
Mini apresentacao empreendedorismo
Mini apresentacao empreendedorismoMini apresentacao empreendedorismo
Mini apresentacao empreendedorismo
 
Seminário Construção em Aço Leve -Rockwool-CICCOPN
Seminário Construção em Aço Leve -Rockwool-CICCOPNSeminário Construção em Aço Leve -Rockwool-CICCOPN
Seminário Construção em Aço Leve -Rockwool-CICCOPN
 
Controlar company presentation junho 2016 - vera figueiredo
Controlar   company presentation junho 2016 - vera figueiredoControlar   company presentation junho 2016 - vera figueiredo
Controlar company presentation junho 2016 - vera figueiredo
 
Atr autorizacao para trabalho de risco
Atr   autorizacao para trabalho de riscoAtr   autorizacao para trabalho de risco
Atr autorizacao para trabalho de risco
 
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras SubterrâneasSegurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
 
30 jul2016 kaizen presentation ciccopn
30 jul2016 kaizen presentation ciccopn30 jul2016 kaizen presentation ciccopn
30 jul2016 kaizen presentation ciccopn
 
Seminário Construção em Aço Leve-Gyptec-CICCOPN
Seminário Construção em Aço Leve-Gyptec-CICCOPNSeminário Construção em Aço Leve-Gyptec-CICCOPN
Seminário Construção em Aço Leve-Gyptec-CICCOPN
 
Regulamento de Segurança
Regulamento de SegurançaRegulamento de Segurança
Regulamento de Segurança
 
Treinamento Espaço confinados
Treinamento Espaço confinados Treinamento Espaço confinados
Treinamento Espaço confinados
 
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras SubterrâneasSegurança e Saúde em Obras Subterrâneas
Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas
 
Permissao para-trabalho-a-quente
Permissao para-trabalho-a-quentePermissao para-trabalho-a-quente
Permissao para-trabalho-a-quente
 
Segurança de máq. e equip. de trabalho
Segurança de máq. e equip. de trabalhoSegurança de máq. e equip. de trabalho
Segurança de máq. e equip. de trabalho
 

Semelhante a Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas

Palestra nr35 rev1
Palestra nr35 rev1Palestra nr35 rev1
Palestra nr35 rev1
Sara Westphal
 
Portaria n.º 25 aprova a nr 09 e altera a nr-5 e 16-_1994 instrucoes para ma...
Portaria n.º 25  aprova a nr 09 e altera a nr-5 e 16-_1994 instrucoes para ma...Portaria n.º 25  aprova a nr 09 e altera a nr-5 e 16-_1994 instrucoes para ma...
Portaria n.º 25 aprova a nr 09 e altera a nr-5 e 16-_1994 instrucoes para ma...
Valdênia Lorenzo
 
PORT. MTE Nº 25.pdf
PORT. MTE Nº 25.pdfPORT. MTE Nº 25.pdf
PORT. MTE Nº 25.pdf
Vilson Stollmeier
 
Plano de trabalho + 40
Plano de trabalho + 40Plano de trabalho + 40
Plano de trabalho + 40
Allisson Albuquerque
 
1 nr35comentada
1 nr35comentada1 nr35comentada
1 nr35comentada
Osmar Gomes Pinto
 
1 nr35comentada
1 nr35comentada1 nr35comentada
1 nr35comentada
William Breternitz
 
1 nr35comentada[1]
1 nr35comentada[1]1 nr35comentada[1]
1 nr35comentada[1]
Veronica Bruno
 
1 nr35comentada
1 nr35comentada1 nr35comentada
1 nr35comentada
Aline Oliveira
 
Nr35 trabalhoemaltura-comentada-120919062943-phpapp01
Nr35 trabalhoemaltura-comentada-120919062943-phpapp01Nr35 trabalhoemaltura-comentada-120919062943-phpapp01
Nr35 trabalhoemaltura-comentada-120919062943-phpapp01
co100za
 
Canteiro de obras
Canteiro de obrasCanteiro de obras
Canteiro de obras
Anderson Bhering Tst
 
Canteiro
CanteiroCanteiro
Introdução e Legislação
Introdução e LegislaçãoIntrodução e Legislação
Introdução e Legislação
ElioenaiAlmeida1
 
Coord de Segurança nos Estaleiros de Construção Civil.ppt
Coord de Segurança nos Estaleiros de Construção Civil.pptCoord de Segurança nos Estaleiros de Construção Civil.ppt
Coord de Segurança nos Estaleiros de Construção Civil.ppt
AdelmoMarangoni1
 
Modulo ii nr 35 egeon
Modulo ii nr 35   egeonModulo ii nr 35   egeon
Modulo ii nr 35 egeon
André Souza
 
NR 35 Trabalho em Altura - Comentada
NR 35  Trabalho em Altura - ComentadaNR 35  Trabalho em Altura - Comentada
NR 35 Trabalho em Altura - Comentada
proftstsergioetm
 
NR-35 COMENTADA - MTE
NR-35 COMENTADA - MTENR-35 COMENTADA - MTE
NR-35 COMENTADA - MTE
fireschoolbrasil2012
 
Nr 35 comentada
Nr 35 comentadaNr 35 comentada
Nr 35 comentada
Universo Emergências
 
Nr35comentada
Nr35comentadaNr35comentada
NR35 comentada
NR35 comentadaNR35 comentada
NR35 comentada
anealves
 
Nr33 manual mtb
Nr33 manual mtbNr33 manual mtb
Nr33 manual mtb
Thiago Ramalho
 

Semelhante a Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas (20)

Palestra nr35 rev1
Palestra nr35 rev1Palestra nr35 rev1
Palestra nr35 rev1
 
Portaria n.º 25 aprova a nr 09 e altera a nr-5 e 16-_1994 instrucoes para ma...
Portaria n.º 25  aprova a nr 09 e altera a nr-5 e 16-_1994 instrucoes para ma...Portaria n.º 25  aprova a nr 09 e altera a nr-5 e 16-_1994 instrucoes para ma...
Portaria n.º 25 aprova a nr 09 e altera a nr-5 e 16-_1994 instrucoes para ma...
 
PORT. MTE Nº 25.pdf
PORT. MTE Nº 25.pdfPORT. MTE Nº 25.pdf
PORT. MTE Nº 25.pdf
 
Plano de trabalho + 40
Plano de trabalho + 40Plano de trabalho + 40
Plano de trabalho + 40
 
1 nr35comentada
1 nr35comentada1 nr35comentada
1 nr35comentada
 
1 nr35comentada
1 nr35comentada1 nr35comentada
1 nr35comentada
 
1 nr35comentada[1]
1 nr35comentada[1]1 nr35comentada[1]
1 nr35comentada[1]
 
1 nr35comentada
1 nr35comentada1 nr35comentada
1 nr35comentada
 
Nr35 trabalhoemaltura-comentada-120919062943-phpapp01
Nr35 trabalhoemaltura-comentada-120919062943-phpapp01Nr35 trabalhoemaltura-comentada-120919062943-phpapp01
Nr35 trabalhoemaltura-comentada-120919062943-phpapp01
 
Canteiro de obras
Canteiro de obrasCanteiro de obras
Canteiro de obras
 
Canteiro
CanteiroCanteiro
Canteiro
 
Introdução e Legislação
Introdução e LegislaçãoIntrodução e Legislação
Introdução e Legislação
 
Coord de Segurança nos Estaleiros de Construção Civil.ppt
Coord de Segurança nos Estaleiros de Construção Civil.pptCoord de Segurança nos Estaleiros de Construção Civil.ppt
Coord de Segurança nos Estaleiros de Construção Civil.ppt
 
Modulo ii nr 35 egeon
Modulo ii nr 35   egeonModulo ii nr 35   egeon
Modulo ii nr 35 egeon
 
NR 35 Trabalho em Altura - Comentada
NR 35  Trabalho em Altura - ComentadaNR 35  Trabalho em Altura - Comentada
NR 35 Trabalho em Altura - Comentada
 
NR-35 COMENTADA - MTE
NR-35 COMENTADA - MTENR-35 COMENTADA - MTE
NR-35 COMENTADA - MTE
 
Nr 35 comentada
Nr 35 comentadaNr 35 comentada
Nr 35 comentada
 
Nr35comentada
Nr35comentadaNr35comentada
Nr35comentada
 
NR35 comentada
NR35 comentadaNR35 comentada
NR35 comentada
 
Nr33 manual mtb
Nr33 manual mtbNr33 manual mtb
Nr33 manual mtb
 

Mais de CICCOPN - Centro de formação Profissional da Industria da Construção Civil e Obras Públicas do Norte

ISO9001 - Aplicação prática no Setor da Construção Civil
ISO9001 -  Aplicação prática no Setor da Construção Civil               ISO9001 -  Aplicação prática no Setor da Construção Civil
Implementação do Lean na Construção
Implementação do Lean na ConstruçãoImplementação do Lean na Construção
eiC - Evolucao Certificacao Construcao Civil
eiC - Evolucao Certificacao Construcao CivileiC - Evolucao Certificacao Construcao Civil
Jornadas Qualidade 2019
Jornadas Qualidade 2019Jornadas Qualidade 2019
Apresentacao joao baptista_julho2019
Apresentacao joao baptista_julho2019Apresentacao joao baptista_julho2019
Apresentacao rui-cunha
Apresentacao rui-cunhaApresentacao rui-cunha
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshopsLearningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshopsLearningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
Jornadas Qualidade - Business intelligence
Jornadas Qualidade - Business intelligence Jornadas Qualidade - Business intelligence
Jornadas qualidade - Bosch
Jornadas qualidade - BoschJornadas qualidade - Bosch
Qualidade desenvolvimento-produtos
Qualidade desenvolvimento-produtosQualidade desenvolvimento-produtos
Jornadas qualidade 2018 - ISO/IEC
Jornadas qualidade 2018 - ISO/IECJornadas qualidade 2018 - ISO/IEC
Equipas de Qualidade
Equipas de QualidadeEquipas de Qualidade
Trabalhador designado - Segurança e Saúde no Trabalho
Trabalhador designado - Segurança e Saúde no TrabalhoTrabalhador designado - Segurança e Saúde no Trabalho
Jornadas da Qualidade no CICCOPN
Jornadas da Qualidade no CICCOPNJornadas da Qualidade no CICCOPN
A nova Norma Internacional ISO 45001:2018 – Sistema de Gestão da Segurança e ...
A nova Norma Internacional ISO 45001:2018 – Sistema de Gestão da Segurança e ...A nova Norma Internacional ISO 45001:2018 – Sistema de Gestão da Segurança e ...
A nova Norma Internacional ISO 45001:2018 – Sistema de Gestão da Segurança e ...
CICCOPN - Centro de formação Profissional da Industria da Construção Civil e Obras Públicas do Norte
 
Guia controlo exposicao profissional a agentes químicos
Guia controlo exposicao profissional a agentes químicosGuia controlo exposicao profissional a agentes químicos
Guia luvas-Exposição profissional a agentes químicos
Guia luvas-Exposição profissional a agentes químicosGuia luvas-Exposição profissional a agentes químicos
Guia epi - Exposição profissional a agentes químicos
Guia epi - Exposição profissional a agentes químicosGuia epi - Exposição profissional a agentes químicos
Exposição profissional a agentes químicos
Exposição profissional a agentes químicosExposição profissional a agentes químicos

Mais de CICCOPN - Centro de formação Profissional da Industria da Construção Civil e Obras Públicas do Norte (20)

ISO9001 - Aplicação prática no Setor da Construção Civil
ISO9001 -  Aplicação prática no Setor da Construção Civil               ISO9001 -  Aplicação prática no Setor da Construção Civil
ISO9001 - Aplicação prática no Setor da Construção Civil
 
Implementação do Lean na Construção
Implementação do Lean na ConstruçãoImplementação do Lean na Construção
Implementação do Lean na Construção
 
eiC - Evolucao Certificacao Construcao Civil
eiC - Evolucao Certificacao Construcao CivileiC - Evolucao Certificacao Construcao Civil
eiC - Evolucao Certificacao Construcao Civil
 
Jornadas Qualidade 2019
Jornadas Qualidade 2019Jornadas Qualidade 2019
Jornadas Qualidade 2019
 
Apresentacao joao baptista_julho2019
Apresentacao joao baptista_julho2019Apresentacao joao baptista_julho2019
Apresentacao joao baptista_julho2019
 
Apresentacao rui-cunha
Apresentacao rui-cunhaApresentacao rui-cunha
Apresentacao rui-cunha
 
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshopsLearningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
 
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshopsLearningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
Learningshift divulgacao fevereiro 2019 - workshops
 
Jornadas Qualidade - Business intelligence
Jornadas Qualidade - Business intelligence Jornadas Qualidade - Business intelligence
Jornadas Qualidade - Business intelligence
 
Jornadas qualidade - Bosch
Jornadas qualidade - BoschJornadas qualidade - Bosch
Jornadas qualidade - Bosch
 
Qualidade desenvolvimento-produtos
Qualidade desenvolvimento-produtosQualidade desenvolvimento-produtos
Qualidade desenvolvimento-produtos
 
Jornadas qualidade 2018 - ISO/IEC
Jornadas qualidade 2018 - ISO/IECJornadas qualidade 2018 - ISO/IEC
Jornadas qualidade 2018 - ISO/IEC
 
Equipas de Qualidade
Equipas de QualidadeEquipas de Qualidade
Equipas de Qualidade
 
Trabalhador designado - Segurança e Saúde no Trabalho
Trabalhador designado - Segurança e Saúde no TrabalhoTrabalhador designado - Segurança e Saúde no Trabalho
Trabalhador designado - Segurança e Saúde no Trabalho
 
Jornadas da Qualidade no CICCOPN
Jornadas da Qualidade no CICCOPNJornadas da Qualidade no CICCOPN
Jornadas da Qualidade no CICCOPN
 
A nova Norma Internacional ISO 45001:2018 – Sistema de Gestão da Segurança e ...
A nova Norma Internacional ISO 45001:2018 – Sistema de Gestão da Segurança e ...A nova Norma Internacional ISO 45001:2018 – Sistema de Gestão da Segurança e ...
A nova Norma Internacional ISO 45001:2018 – Sistema de Gestão da Segurança e ...
 
Guia controlo exposicao profissional a agentes químicos
Guia controlo exposicao profissional a agentes químicosGuia controlo exposicao profissional a agentes químicos
Guia controlo exposicao profissional a agentes químicos
 
Guia luvas-Exposição profissional a agentes químicos
Guia luvas-Exposição profissional a agentes químicosGuia luvas-Exposição profissional a agentes químicos
Guia luvas-Exposição profissional a agentes químicos
 
Guia epi - Exposição profissional a agentes químicos
Guia epi - Exposição profissional a agentes químicosGuia epi - Exposição profissional a agentes químicos
Guia epi - Exposição profissional a agentes químicos
 
Exposição profissional a agentes químicos
Exposição profissional a agentes químicosExposição profissional a agentes químicos
Exposição profissional a agentes químicos
 

Segurança e Saúde em Obras Subterrâneas

  • 1. SEGURANÇA E SAÚDE EM OBRAS SUBTERRÂNEAS 11|Novembro|2015 AUDITÓRIO DO CICCOPN Tema: A Coordenação de Segurança em Aproveitamentos Hidroelétricos Nome do orador: Ricardo da Cunha Reis
  • 2. SEGURANÇA E SAÚDE EM OBRAS SUBTERRÂNEAS DIRECTIVA 92/57/CEE do Conselho de 24 de Junho de 1992 relativa às prescrições mínimas de segurança e de saúde a aplicar nos estaleiros temporários ou móveis
  • 3. SEGURANÇA E SAÚDE EM OBRAS SUBTERRÂNEAS DIRECTIVA 92/57/CEE do Conselho de 24 de Junho de 1992 relativa às prescrições mínimas de segurança e de saúde a aplicar nos estaleiros temporários ou móveis Artigo 6º - Realização da obra: Função dos coordenadores b) Coordenarão a aplicação das disposições pertinentes, a fim de garantir que as entidades patronais e, se tal for necessário para a protecção dos trabalhadores, os trabalhadores independentes: - apliquem de forma coerente os princípios indicados no artigo 8º, -apliquem, sempre que a situação o exija, o plano de segurança e de saúde previsto na alínea b) do artigo 5º; e) Coordenarão a fiscalização da correcta aplicação dos métodos de trabalho;
  • 4. SEGURANÇA E SAÚDE EM OBRAS SUBTERRÂNEAS GUIA DE BOAS PRATICAS NÃO VINCULATIVO PARA A COMPREENSÃO E A APLICAÇÃO DA DIRECTIVA 92/57/CEE
  • 5. SEGURANÇA E SAÚDE EM OBRAS SUBTERRÂNEAS GUIA DE BOAS PRATICAS NÃO VINCULATIVO PARA A COMPREENSÃO E A APLICAÇÃO DA DIRECTIVA 92/57/CEE Os coordenadores devem tomar medidas para coordenar a aplicação das disposições pertinentes pelas entidades patronais (isto é, as empresas e empresas subcontratadas) e, se necessário, pelos trabalhadores independentes, a fim de garantir que eles aplicam de forma coerente os princípios indicados no artigo 8° da directiva. A principal função dos coordenadores é coordenar a aplicação destas obrigações pelas outras partes e não desempenha-las em lugar delas.
  • 6. SEGURANÇA E SAÚDE EM OBRAS SUBTERRÂNEAS GUIA DE BOAS PRATICAS NÃO VINCULATIVO PARA A COMPREENSÃO E A APLICAÇÃO DA DIRECTIVA 92/57/CEE
  • 7. SEGURANÇA E SAÚDE EM OBRAS SUBTERRÂNEAS GUIA DE BOAS PRATICAS NÃO VINCULATIVO PARA A COMPREENSÃO E A APLICAÇÃO DA DIRECTIVA 92/57/CEE Os coordenadores também devem coordenar a aplicação do plano de segurança e de saúde da obra pelas entidades patronais e pelos trabalhadores independentes, a fim de assegurar o seu cumprimento A principal função dos coordenadores é coordenar a aplicação destas obrigações pelas outras partes e não desempenha-las em lugar delas.
  • 8. SEGURANÇA E SAÚDE EM OBRAS SUBTERRÂNEAS GUIA DE BOAS PRATICAS NÃO VINCULATIVO PARA A COMPREENSÃO E A APLICAÇÃO DA DIRECTIVA 92/57/CEE
  • 9. SEGURANÇA E SAÚDE EM OBRAS SUBTERRÂNEAS GUIA DE BOAS PRATICAS NÃO VINCULATIVO PARA A COMPREENSÃO E A APLICAÇÃO DA DIRECTIVA 92/57/CEE Coordenação da fiscalização da correcta aplicação dos métodos de trabalho Não compete aos coordenadores fiscalizar a correcta aplicação dos métodos de trabalho, mas já lhes compete coordenar essa fiscalização. Embora a distinção possa parecer despicienda nos estaleiros mais pequenos e simples, torna-se mais significativa quando as obras se tornam maiores e mais complexas.
  • 10. SEGURANÇA E SAÚDE EM OBRAS SUBTERRÂNEAS GUIA DE BOAS PRATICAS NÃO VINCULATIVO PARA A COMPREENSÃO E A APLICAÇÃO DA DIRECTIVA 92/57/CEE Coordenação da fiscalização da correcta aplicação dos métodos de trabalho Deve começar-se por coordenar as medidas de fiscalização a aplicar e depois examinar se elas são postas em praticas e a sua eficácia. E possível que os coordenadores desejem controlar ou auditar a forma como a fiscalização está a funcionar, observando directamente o que se passa quando os métodos de trabalho são desenvolvidos e também o que acontece no estaleiro quando esses métodos são postos em pratica. Porem, isto não significa que tenham uma responsabilidade directa na forma como os trabalhos são executados, a qual continua a caber as entidades patronais e aos trabalhadores independentes.
  • 11. SEGURANÇA E SAÚDE EM OBRAS SUBTERRÂNEAS GUIA DE BOAS PRATICAS NÃO VINCULATIVO PARA A COMPREENSÃO E A APLICAÇÃO DA DIRECTIVA 92/57/CEE Coordenação da fiscalização da correcta aplicação dos métodos de trabalho Os coordenadores poderão desejar prestar especial atencao as actividades de alto risco, incluindo as enumeradas no anexo II da Directiva 92/57/CEE.
  • 12. SEGURANÇA E SAÚDE EM OBRAS SUBTERRÂNEAS GUIA DE BOAS PRATICAS NÃO VINCULATIVO PARA A COMPREENSÃO E A APLICAÇÃO DA DIRECTIVA 92/57/CEE
  • 13. SEGURANÇA E SAÚDE EM OBRAS SUBTERRÂNEAS GUIA DE BOAS PRATICAS NÃO VINCULATIVO PARA A COMPREENSÃO E A APLICAÇÃO DA DIRECTIVA 92/57/CEE COORDENAÇÃO E essencial referir que as funções dos coordenadores consistem em coordenar a aplicação dos princípios gerais de prevenção e dos aspectos de pormenor mencionados no artigo 8.°, bem como dos planos de segurança e de saúde. As suas funções não incluem uma gestão directa dos trabalhos executados pelas entidades patronais e por outras partes com esse fim em mente. A coordenação implica uma ampla analise das actividades e das questões de segurança e saúde que irão colocar-se. Essa analise deve ter lugar antes de os trabalhos comecarem.
  • 14. SEGURANÇA E SAÚDE EM OBRAS SUBTERRÂNEAS GUIA DE BOAS PRATICAS NÃO VINCULATIVO PARA A COMPREENSÃO E A APLICAÇÃO DA DIRECTIVA 92/57/CEE COORDENAÇÃO Os coordenadores atenderão aos conhecimentos que possuem dos trabalhos a realizar, as avaliações dos riscos efectuadas pelas entidades patronais (empresas e empresas subcontratadas) e aos métodos de trabalho que as entidades patronais e os trabalhadores independentes se propõem adoptar. Os coordenadores devem colaborar com estas partes no intuito de garantir que as suas actividades respeitam as medidas de segurança e que o trabalho realizado por uma delas não pora as outras em risco, e que as instalações a utilizar em comum serao fornecidas, conservadas e utilizadas conforme previsto nos planos da obra.
  • 15. SEGURANÇA E SAÚDE EM OBRAS SUBTERRÂNEAS DECRETO-LEI N.º 273/2003 DE 29 DE OUTUBRO Artigo 19.º - Obrigações dos coordenadores de segurança 2 — O coordenador de segurança em obra deve no que respeita à execução desta: d) Verificar a coordenação das actividades das empresas e dos trabalhadores independentes que intervêm no estaleiro, tendo em vista a prevenção dos riscos profissionais; e) Promover e verificar o cumprimento do plano de segurança e saúde, bem como das outras obrigações da entidade executante, dos subempreiteiros e dos trabalhadores independentes, nomeadamente no que se refere à organização do estaleiro, ao sistema de emergência, às condicionantes existentes no estaleiro e na área envolvente, aos trabalhos que envolvam riscos especiais, aos processos construtivos especiais, às actividades que possam ser incompatíveis no tempo ou no espaço e ao sistema de comunicação entre os intervenientes na obra; f) Coordenar o controlo da correcta aplicação dos métodos de trabalho, na medida em que tenham influência na segurança e saúde no trabalho;
  • 16. SEGURANÇA E SAÚDE EM OBRAS SUBTERRÂNEAS Dono de Obra Artigo 3º da Lei 31/2009 de 3 de Julho Artigo 3º do DL 273/2003 de 29 de Outubro Coordenador de Segurança e Saúde em Projecto Artigo 3º do DL 273/2003 de 29 de Outubro Coordenador de Projecto / Autor(es) de Projecto da Obra Artigo 3º da Lei 31/2009 de 3 de Julho Artigo 3º do DL 273/2003 de 29 de Outubro (OBRA PUBLICA) Director de obra / Director Técnico da Empreitada Artigo 3º da Lei 31/2009 de 3 de Julho Artigo 3º do DL 273/2003 de 29 de Outubro Representante da Entidade Executante Artigo 15º do DL 273/2003 de 29 de Outubro Director de Fiscalização de Obra / Fiscal da obra Artigo 3º da Lei 31/2009 de 3 de Julho Artigo 15º do DL 273/2003 de 29 de Outubro Entidade(s) Executante(s) Artigo 3º do DL 273/03 de 29 de Outubro Técnico(s) da Produção Lei 41/2015,de 3 de Junho Subempreiteiro(s) Artigo 3º do DL 273/03 de 29 de Outubro Coordenador de Segurança e Saúde em Obra Artigo 9º do DL 273/2003 de 29 de Outubro (OBRA PARTICULAR) Director de obra / Responsável pela Direcção Técnica da Obra Artigo 3º da Lei 31/2009 de 3 de Julho Artigo 3º do DL 273/2003 de 29 de Outubro Técnico(s) de Segurança no Trabalho Lei 41/2015,de 3 de Junho
  • 17. SEGURANÇA E SAÚDE EM OBRAS SUBTERRÂNEAS
  • 18. SEGURANÇA E SAÚDE EM OBRAS SUBTERRÂNEAS
  • 19. SEGURANÇA E SAÚDE EM OBRAS SUBTERRÂNEAS
  • 20. SEGURANÇA E SAÚDE EM OBRAS SUBTERRÂNEAS ..a nossa mãe
  • 21. SEGURANÇA E SAÚDE EM OBRAS SUBTERRÂNEAS 11|Novembro|2015 AUDITÓRIO DO CICCOPN Tema: A Coordenação de Segurança em Aproveitamentos Hidroelétricos Nome do orador: Ricardo da Cunha Reis obrigado