SlideShare uma empresa Scribd logo
Doenças de
pele: Rubéola
Professora: Débora
Escola/Turma: IEC, 157.
Aluna: Mikessia de Araujo Estevam.
Disciplina: Biossegurança nas ações da saúde
AVISO! Principal
Característica.
01
A característica mais marcante da rubéola são
as manchas vermelhas que aparecem primeiro
na face e atrás da orelha e depois se espalham
pelo corpo inteiro.
Como a rubéola surgiu?
Em 1815, a rubéola foi reconhecida como doença com a descrição de
"exantema confundível com a escarlatina". O nome rubella foi mencionado
pela primeira vez em 1866. Em 1938, foi demonstrado que a infecção tem
origem virótica e em 1966, começaram os primeiros estudos para a fabricação
de uma vacina a partir de vírus atenuado. Em 1970, as vacinas começaram a
ser utilizadas em escala comercial em diversos países.
Definição
⧫ A Rubéola também conhecida como
sarampo
alemão é uma doença infecto-contagiosa
causada pelo Togavírus.
⧫ Sua característica mais marcante são as
manchas vermelhas que aparecem primeiro
na face e atrás da orelha e depois se espalham
pelo corpo inteiro.
— Ministério da Saúde
A transmissão da rubéola acontece diretamente de pessoa a
pessoa, por meio das secreções nasofaríngeas expelidas pelo
doente ao tossir, falar ou respirar. O período de transmissibilidade é
de 5 a 7 dias antes e depois do início do exantema, que é uma
erupção cutânea. A maior transmissibilidade ocorre dois dias antes
e depois do início do exantema.
Transmissão Rubéola congênita
Observação sobre a transmissão
É pouco frequente a
transmissão através do
contato com objetos
recém- contaminados por
secreções de nariz, boca e
garganta, sangue, urina e
fezes dos doentes.
A rubéola congênita
acontece quando a mulher
grávida adquire rubéola e
infecta o feto porque o
Vírus atravessa a placenta.
Sintomas
For more info:
SLIDESGO | BLOG | FAQS
O período de incubação do vírus é de cerca de 15
dias e os sintomas são parecidos com os da gripe:
⧫ Dor de cabeça;
⧫ Dor ao engolir;
⧫ Dores no corpo (articulações e músculos);
⧫ Coriza;
⧫ Aparecimento de gânglios (ínguas);
⧫ Febre;
⧫ Exantemas (manchas avermelhadas)
inicialmente no rosto que depois se espalham
pelo corpo todo.
Como é feito o diagnóstico?
Para o diagnóstico da rubéola são feitos exames
laboratoriais, disponíveis na rede pública em todos os
estados, para confirmação ou descarte de casos, como
titulação de anticorpos IgM e IgG para rubéola.
Na situação atual de eliminação da rubéola, identificar
precocemente um caso suspeito e realizar as ações de
vigilância de forma adequada com uma correta
investigação epidemiológica, a realização do diagnóstico
diferencial é muito importante para classificar
adequadamente qualquer caso suspeito.
Como é feito o diagnóstico?
A leucopenia é um achado frequente. O diagnóstico laboratorial é realizado por meio da sorologia
para detecção de anticorpos IgM específicos para rubéola, desde o início até o 28º dia após o
exantema. A sua presença indica infecção recente. A detecção de anticorpos IgG ocorre,
geralmente, após o desaparecimento do exantema, alcançando pico máximo entre 10 e 20 dias,
permanecendo detectáveis por toda a vida. São utilizadas as seguintes técnicas: inibição da
hemaglutinação, que apesar do baixo custo e simples execução, seu uso vem sendo substituído
por outras técnicas mais sensíveis, como aglutinação do látex, imunofluorescência,
hemaglutinação passiva, ensaio imunoenzimático (ELISA). Os laboratórios de referência para o
diagnóstico da rubéola, realizam de rotina, somente a pesquisa de anticorpos IgM, pelo método
ELISA, no caso de rubéola pós-natal. Coletar uma amostra de sangue no primeiro contato com o
caso suspeito. As amostras de sangue coletadas após 28 dias são consideradas tardias, mas
mesmo assim, devem ser aproveitadas e encaminhadas ao laboratório de referência estadual para
a realização da pesquisa de IgM. É importante ressaltar que resultados não reagentes para IgM não
descartam a possibilidade de infecção recente pelo vírus da rubéola.
Tratamento
e Prevenção
O tratamento é sintomático. Antitérmicos e analgésicos
ajudam a diminuir o desconforto, aliviar as dores de
cabeça e do corpo e baixar a febre.
Recomenda-se também que o paciente faça repouso
durante o período crítico da doença.
Criança que nasce com rubéola pode transmitir o vírus
por até um ano. Por isso, devem ser mantidas afastadas
de outras crianças e de gestantes.
Crianças com Rubéola
⧫ Crianças que nasceram com rubéola congênita
devem ser acompanhadas por uma equipe de
médicos, pois pode aparecer diversas
complicações.
⧫ Além do pediatra as crianças devem ser vistas
por especialistas e por fisioterapeutas que
podem ajudar no seu desenvolvimento motor
e cerebral.
Vacina e prevenção
A vacina é a única medida preventiva e para ser segura é
importante que o esquema de vacina esteja completo. A
vacina existente hoje é a tríplice, feita da combinação contra a
rubéola, caxumba e sarampo.
Ainda existe a vacina tetra viral que também protege contra a
catapora.
Para as crianças acima de 2 anos de idade administrar a
segunda dose com a vacina tríplice viral observando o
intervalo mínimo de 30 dias entre as doses.
Considerar “vacinada a criança que
comprovadamente tenha 2 (duas) doses de vacina com
componente sarampo, caxumba e rubéola.
Vigilância
Epidemiológica
Objetivos: Identificar a circulação do vírus da Rubéola
com vistas a adotar medidas de contenção.
Detectar e investigar os casos suspeitos da SRC.
Doença de notificação compulsória e de investigação
obrigatória.
Referências Bibliográficas
- Igor Galdino. PREZI: Prezi, 2016. Disponível em: https://prezi.com/dmkqa4pntxgk/a-
historia-da-rubeola/ . Acesso em: 29 jan. 2023.
- GOV.BR: gov.br, 2020. Disponível em: https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/saude-de-
a-a-z/r/rubeola. Acesso em: 29 jan. 2023.
- Drauzio Varella. OUL: Oul, 2011. Disponível em: https://drauziovarella.uol.com.br/doencas-
e-sintomas/rubeola/. Acesso em: 29 jan. 2023.
- Drª Sylvia Hinrichsen. TUASAUDE: Tuasaude, 2022. Disponível em:
https://www.tuasaude.com/sintomas-de-rubeola/. Acesso em: 29 jan. 2023.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
Sarampo Sarampo
Sarampo
Gabriela Bruno
 
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AISAEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
FEBRE AMARELA
FEBRE AMARELAFEBRE AMARELA
Difteria
DifteriaDifteria
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
Marcos Moraes
 
Doenças emergentes
Doenças emergentesDoenças emergentes
Doenças emergentes
Cintia da Cruz Silva
 
Sarampo
SarampoSarampo
Rubéola na Gestação
Rubéola na GestaçãoRubéola na Gestação
Doenças transmissíveis leptospirose
Doenças transmissíveis leptospiroseDoenças transmissíveis leptospirose
Doenças transmissíveis leptospirose
Evelyn Monte
 
Poliomielite
Poliomielite Poliomielite
Poliomielite
Danielle Climaco
 
Prevenção e controle de infecção hospitalar em ambiente perioperatório
Prevenção e controle  de infecção hospitalar em  ambiente perioperatório Prevenção e controle  de infecção hospitalar em  ambiente perioperatório
Prevenção e controle de infecção hospitalar em ambiente perioperatório
Ismael Soares
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
Mariinazorzi
 
Varicela
VaricelaVaricela
Varicela
Lílian Reis
 
Varíola
VaríolaVaríola
Varíola
Euclides Neto
 
Aula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de ImunizacaoAula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de Imunizacao
Erivaldo Rosendo
 
Febre Amarela - Saúde Coletiva II
Febre Amarela - Saúde Coletiva IIFebre Amarela - Saúde Coletiva II
Febre Amarela - Saúde Coletiva II
Enfº Ícaro Araújo
 
Toxoplasmose congênita
Toxoplasmose congênita Toxoplasmose congênita
Toxoplasmose congênita
Amanda Thomé
 
Zika vírus
Zika vírusZika vírus
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIADOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
Ana Carolina Costa
 

Mais procurados (20)

Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Sarampo
Sarampo Sarampo
Sarampo
 
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AISAEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
 
FEBRE AMARELA
FEBRE AMARELAFEBRE AMARELA
FEBRE AMARELA
 
Difteria
DifteriaDifteria
Difteria
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
 
Doenças emergentes
Doenças emergentesDoenças emergentes
Doenças emergentes
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Rubéola na Gestação
Rubéola na GestaçãoRubéola na Gestação
Rubéola na Gestação
 
Doenças transmissíveis leptospirose
Doenças transmissíveis leptospiroseDoenças transmissíveis leptospirose
Doenças transmissíveis leptospirose
 
Poliomielite
Poliomielite Poliomielite
Poliomielite
 
Prevenção e controle de infecção hospitalar em ambiente perioperatório
Prevenção e controle  de infecção hospitalar em  ambiente perioperatório Prevenção e controle  de infecção hospitalar em  ambiente perioperatório
Prevenção e controle de infecção hospitalar em ambiente perioperatório
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
 
Varicela
VaricelaVaricela
Varicela
 
Varíola
VaríolaVaríola
Varíola
 
Aula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de ImunizacaoAula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de Imunizacao
 
Febre Amarela - Saúde Coletiva II
Febre Amarela - Saúde Coletiva IIFebre Amarela - Saúde Coletiva II
Febre Amarela - Saúde Coletiva II
 
Toxoplasmose congênita
Toxoplasmose congênita Toxoplasmose congênita
Toxoplasmose congênita
 
Zika vírus
Zika vírusZika vírus
Zika vírus
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIADOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
 

Semelhante a Slide sobre rubéola

Cachumba
CachumbaCachumba
Cachumba
Karine Soares
 
Cachumba
Cachumba Cachumba
Cachumba
Karine Soares
 
Zika virus
Zika virusZika virus
Zika virus
David Amenabar
 
Aula denguezika
Aula denguezikaAula denguezika
Aula denguezika
angela martins
 
Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose
Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose
Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose
Enfº Ícaro Araújo
 
Rubéola descrição
Rubéola descriçãoRubéola descrição
Rubéola descrição
Eliene Meira
 
AULA 03 - DENGUE.pptxAULA 03 - DENGUE.pptx
AULA 03 - DENGUE.pptxAULA 03 - DENGUE.pptxAULA 03 - DENGUE.pptxAULA 03 - DENGUE.pptx
AULA 03 - DENGUE.pptxAULA 03 - DENGUE.pptx
FranciscaalineBrito
 
Denguezikamt
DenguezikamtDenguezikamt
Denguezikamt
Letícia Garcia
 
Denguezikamt (2)
Denguezikamt (2)Denguezikamt (2)
Denguezikamt (2)
Wilson Xavier Barbosa
 
Denguezikamt
DenguezikamtDenguezikamt
Denguezikamt
medjenny
 
Denguezikamt (1)
Denguezikamt (1)Denguezikamt (1)
Denguezikamt (1)
Wilson Xavier Barbosa
 
Apresentação rubéola
Apresentação rubéolaApresentação rubéola
Apresentação rubéola
Sérgio Franco - CDPI
 
Esquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologiaEsquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologia
Franciskelly
 
Doencas em geral
Doencas em geralDoencas em geral
Doencas em geral
escola
 
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdfAula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Giza Carla Nitz
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
AndrewAlves20
 
Apresentação rubeola cve capacita 2012
Apresentação rubeola cve capacita 2012Apresentação rubeola cve capacita 2012
Apresentação rubeola cve capacita 2012
Hosana maniero
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
Dessa Reis
 
Febre amarela e Rubéola
Febre amarela e RubéolaFebre amarela e Rubéola
Febre amarela e Rubéola
Natália Maciel
 

Semelhante a Slide sobre rubéola (20)

Cachumba
CachumbaCachumba
Cachumba
 
Cachumba
Cachumba Cachumba
Cachumba
 
Zika virus
Zika virusZika virus
Zika virus
 
Aula denguezika
Aula denguezikaAula denguezika
Aula denguezika
 
Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose
Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose
Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose
 
Rubéola descrição
Rubéola descriçãoRubéola descrição
Rubéola descrição
 
AULA 03 - DENGUE.pptxAULA 03 - DENGUE.pptx
AULA 03 - DENGUE.pptxAULA 03 - DENGUE.pptxAULA 03 - DENGUE.pptxAULA 03 - DENGUE.pptx
AULA 03 - DENGUE.pptxAULA 03 - DENGUE.pptx
 
Denguezikamt
DenguezikamtDenguezikamt
Denguezikamt
 
Denguezikamt (2)
Denguezikamt (2)Denguezikamt (2)
Denguezikamt (2)
 
Denguezikamt
DenguezikamtDenguezikamt
Denguezikamt
 
Denguezikamt (1)
Denguezikamt (1)Denguezikamt (1)
Denguezikamt (1)
 
Apresentação rubéola
Apresentação rubéolaApresentação rubéola
Apresentação rubéola
 
Esquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologiaEsquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologia
 
Doencas em geral
Doencas em geralDoencas em geral
Doencas em geral
 
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdfAula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
 
Apresentação rubeola cve capacita 2012
Apresentação rubeola cve capacita 2012Apresentação rubeola cve capacita 2012
Apresentação rubeola cve capacita 2012
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
 
Febre amarela e Rubéola
Febre amarela e RubéolaFebre amarela e Rubéola
Febre amarela e Rubéola
 

Último

A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
jhordana1
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
BarbaraKelle
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Lenilson Souza
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdfVIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
kailanejoyce4
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AntonioXavier35
 

Último (9)

A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdfVIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
 

Slide sobre rubéola

  • 1. Doenças de pele: Rubéola Professora: Débora Escola/Turma: IEC, 157. Aluna: Mikessia de Araujo Estevam. Disciplina: Biossegurança nas ações da saúde
  • 2. AVISO! Principal Característica. 01 A característica mais marcante da rubéola são as manchas vermelhas que aparecem primeiro na face e atrás da orelha e depois se espalham pelo corpo inteiro.
  • 3. Como a rubéola surgiu? Em 1815, a rubéola foi reconhecida como doença com a descrição de "exantema confundível com a escarlatina". O nome rubella foi mencionado pela primeira vez em 1866. Em 1938, foi demonstrado que a infecção tem origem virótica e em 1966, começaram os primeiros estudos para a fabricação de uma vacina a partir de vírus atenuado. Em 1970, as vacinas começaram a ser utilizadas em escala comercial em diversos países.
  • 4. Definição ⧫ A Rubéola também conhecida como sarampo alemão é uma doença infecto-contagiosa causada pelo Togavírus. ⧫ Sua característica mais marcante são as manchas vermelhas que aparecem primeiro na face e atrás da orelha e depois se espalham pelo corpo inteiro.
  • 5. — Ministério da Saúde A transmissão da rubéola acontece diretamente de pessoa a pessoa, por meio das secreções nasofaríngeas expelidas pelo doente ao tossir, falar ou respirar. O período de transmissibilidade é de 5 a 7 dias antes e depois do início do exantema, que é uma erupção cutânea. A maior transmissibilidade ocorre dois dias antes e depois do início do exantema.
  • 6. Transmissão Rubéola congênita Observação sobre a transmissão É pouco frequente a transmissão através do contato com objetos recém- contaminados por secreções de nariz, boca e garganta, sangue, urina e fezes dos doentes. A rubéola congênita acontece quando a mulher grávida adquire rubéola e infecta o feto porque o Vírus atravessa a placenta.
  • 7. Sintomas For more info: SLIDESGO | BLOG | FAQS O período de incubação do vírus é de cerca de 15 dias e os sintomas são parecidos com os da gripe: ⧫ Dor de cabeça; ⧫ Dor ao engolir; ⧫ Dores no corpo (articulações e músculos); ⧫ Coriza; ⧫ Aparecimento de gânglios (ínguas); ⧫ Febre; ⧫ Exantemas (manchas avermelhadas) inicialmente no rosto que depois se espalham pelo corpo todo.
  • 8. Como é feito o diagnóstico? Para o diagnóstico da rubéola são feitos exames laboratoriais, disponíveis na rede pública em todos os estados, para confirmação ou descarte de casos, como titulação de anticorpos IgM e IgG para rubéola. Na situação atual de eliminação da rubéola, identificar precocemente um caso suspeito e realizar as ações de vigilância de forma adequada com uma correta investigação epidemiológica, a realização do diagnóstico diferencial é muito importante para classificar adequadamente qualquer caso suspeito.
  • 9. Como é feito o diagnóstico? A leucopenia é um achado frequente. O diagnóstico laboratorial é realizado por meio da sorologia para detecção de anticorpos IgM específicos para rubéola, desde o início até o 28º dia após o exantema. A sua presença indica infecção recente. A detecção de anticorpos IgG ocorre, geralmente, após o desaparecimento do exantema, alcançando pico máximo entre 10 e 20 dias, permanecendo detectáveis por toda a vida. São utilizadas as seguintes técnicas: inibição da hemaglutinação, que apesar do baixo custo e simples execução, seu uso vem sendo substituído por outras técnicas mais sensíveis, como aglutinação do látex, imunofluorescência, hemaglutinação passiva, ensaio imunoenzimático (ELISA). Os laboratórios de referência para o diagnóstico da rubéola, realizam de rotina, somente a pesquisa de anticorpos IgM, pelo método ELISA, no caso de rubéola pós-natal. Coletar uma amostra de sangue no primeiro contato com o caso suspeito. As amostras de sangue coletadas após 28 dias são consideradas tardias, mas mesmo assim, devem ser aproveitadas e encaminhadas ao laboratório de referência estadual para a realização da pesquisa de IgM. É importante ressaltar que resultados não reagentes para IgM não descartam a possibilidade de infecção recente pelo vírus da rubéola.
  • 10. Tratamento e Prevenção O tratamento é sintomático. Antitérmicos e analgésicos ajudam a diminuir o desconforto, aliviar as dores de cabeça e do corpo e baixar a febre. Recomenda-se também que o paciente faça repouso durante o período crítico da doença. Criança que nasce com rubéola pode transmitir o vírus por até um ano. Por isso, devem ser mantidas afastadas de outras crianças e de gestantes.
  • 11. Crianças com Rubéola ⧫ Crianças que nasceram com rubéola congênita devem ser acompanhadas por uma equipe de médicos, pois pode aparecer diversas complicações. ⧫ Além do pediatra as crianças devem ser vistas por especialistas e por fisioterapeutas que podem ajudar no seu desenvolvimento motor e cerebral.
  • 12. Vacina e prevenção A vacina é a única medida preventiva e para ser segura é importante que o esquema de vacina esteja completo. A vacina existente hoje é a tríplice, feita da combinação contra a rubéola, caxumba e sarampo. Ainda existe a vacina tetra viral que também protege contra a catapora. Para as crianças acima de 2 anos de idade administrar a segunda dose com a vacina tríplice viral observando o intervalo mínimo de 30 dias entre as doses. Considerar “vacinada a criança que comprovadamente tenha 2 (duas) doses de vacina com componente sarampo, caxumba e rubéola.
  • 13. Vigilância Epidemiológica Objetivos: Identificar a circulação do vírus da Rubéola com vistas a adotar medidas de contenção. Detectar e investigar os casos suspeitos da SRC. Doença de notificação compulsória e de investigação obrigatória.
  • 14. Referências Bibliográficas - Igor Galdino. PREZI: Prezi, 2016. Disponível em: https://prezi.com/dmkqa4pntxgk/a- historia-da-rubeola/ . Acesso em: 29 jan. 2023. - GOV.BR: gov.br, 2020. Disponível em: https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/saude-de- a-a-z/r/rubeola. Acesso em: 29 jan. 2023. - Drauzio Varella. OUL: Oul, 2011. Disponível em: https://drauziovarella.uol.com.br/doencas- e-sintomas/rubeola/. Acesso em: 29 jan. 2023. - Drª Sylvia Hinrichsen. TUASAUDE: Tuasaude, 2022. Disponível em: https://www.tuasaude.com/sintomas-de-rubeola/. Acesso em: 29 jan. 2023.